MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO MELHORIA DA GESTÃO AMBIENTAL URBANA NO BRASIL BRA/OEA/08/001

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO MELHORIA DA GESTÃO AMBIENTAL URBANA NO BRASIL BRA/OEA/08/001"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO MELHORIA DA GESTÃO AMBIENTAL URBANA NO BRASIL BRA/OEA/08/00 Relatório Técnico 02 RT - 02 ELABORAÇÃO DE DOCUMENTOS DE APOIO À IM- PLEMENTAÇÃO DOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS DE RE- SÍDUOS SÓLIDOS - ESTUDO DE REPARTIÇÃO DOS CUSTOS ENTRE OS ENTES FEDERADOS INTEGRAN- TES DO CONSÓRCIO PRIORITÁRIO E CONTRATO DE RATEIO NO ESTADO DE GOIÁS E ÁREAS DO ESTADO DE SÃO PAULO: ARARAQUARA, CAMPINAS, BAIXADA SANTISTA E NO MUNICÍPIO DE ARIQUEMES/RO Brasília DF

2 MELHORIA DA GESTÃO AMBIENTAL URBANA NO BRASIL BRA/OEA/08/00 Relatório Técnico 02 ELABORAÇÃO DE DOCUMENTOS DE APOIO À IM- PLEMENTAÇÃO DOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS DE RE- SÍDUOS SÓLIDOS - ESTUDO DE REPARTIÇÃO DOS CUSTOS ENTRE OS ENTES FEDERADOS INTEGRAN- TES DO CONSÓRCIO PRIORITÁRIO E CONTRATO DE RATEIO NO ESTADO DE GOIÁS E ÁREAS DO ESTADO DE SÃO PAULO: ARARAQUARA, CAMPINAS, BAIXADA SANTISTA E NO MUNICÍPIO DE ARIQUEMES/RO Secretário de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Silvano Silvério da Costa Diretor de Departamento de Ambiente Urbano Sérgio Antonio Gonçalves Gerente de Projeto do Dep. de Ambiente Urbano Saburo Takahashi Coordenador Nacional do Projeto Ronaldo Hipólito Soares Consultor Técnico Tarcísio de Paula Pinto Contrato Nº novembro/200

3 ELABORAÇÃO DE DOCUMENTOS DE APOIO À IM- PLEMENTAÇÃO DOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS DE RE- SÍDUOS SÓLIDOS - ESTUDO DE REPARTIÇÃO DOS CUSTOS ENTRE OS ENTES FEDERADOS INTEGRAN- TES DO CONSÓRCIO PRIORITÁRIO E CONTRATO DE RATEIO NO ESTADO DE GOIÁS E ÁREAS DO ESTADO DE SÃO PAULO: ARARAQUARA, CAMPINAS, BAIXADA SANTISTA E NO MUNICÍPIO DE ARIQUEMES/RO RESUMO EXECUTIVO O presente Relatório Técnico estudo de repartição dos custos entre os entes federados integrantes do consórcio prioritário e contrato de rateio no Estado de Goiás e áreas do Estado de São Paulo: Araraquara, Campinas, Baixada Santista e no município de Ariquemes/RO corresponde ao Produto 02 relativo ao contrato firmado entre o Governo da República Federativa do Brasil, por meio da Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente/MMA e o consultor Tarcísio de Paula Pinto, no âmbito do Programa Melhoria da Gestão Ambiental Urbana no Brasil BRA/OEA/08/00, de acordo com o contrato CPR nº 84853, de 09 de março de 200. Este Relatório Técnico contém as contribuições do consultor para a análise dos fatores de diferenciação dos custos e conseqüentes contratos de rateio para a operação e gestão de consórcios públicos de resíduos sólidos urbanos nas regiões com acompanhamento sob sua responsabilidade. Após a Introdução e a apresentação dos Objetivos do Relatório, no Item 2 são apresentadas as diretrizes iniciais para a discussão dos fatores diferenciadores dos custos, decorrentes de preocupações como a compensação dos entes por algum aspecto específico, subsídio aos entes mais frágeis, numa perspectiva de solidariedade regional e indução ao avanço de práticas sustentáveis na questão dos resíduos sólidos, privilegiando ações pela redução de resíduos. Os fatores diferenciadores dos custos são referentes aos serviços prestados pelo consórcio público, focados na temática da disposição final, do manejo em instalações locais, no transporte dos resíduos e na administração e regulação necessárias. São apresentadas também informações sobre os contratos de rateio e a expressão dos fatores diferenciadores no contrato de cada ente participante. O Item 3 apresenta a análise dos fatores diferenciadores de custo no consórcio público que está sendo formado no Estado de São Paulo, na região do Circuito das Águas. Os fatores são analisados em detalhe, tanto para aspectos referentes à disposição final de resíduos, como os referentes ao seu transporte, ao gerenciamento de iniciativas e instalações locais e aos custos administrativos, financeiros e de regulação. Apresenta-se ao final uma consolidação de análise que permite avanço na discussão das taxas necessárias à sustentação dos serviços. i

4 O Item 4 e o Item 5 apresentam os potenciais fatores diferenciadores dos custos referentes ao Consórcio Intermunicipal de Resíduos Sólidos que já está formado na região de Sumaré, no Estado de São Paulo e referentes à região do entorno do DF e ao pretendido Consórcio Público de Manejo dos Resíduos Sólidos e das Águas Pluviais da Região Integrada do Distrito Federal e Goiás. Os fatores diferenciadores dos custos não puderam ser detalhados, em função do estágio da discussão sobre a gestão associada nestas duas regiões. São apresentadas informações gerais sobre cada ente participante da articulação, com a tendência à redução ou ampliação dos custos. Na última das abordagens dos processos desenvolvidos nas várias regiões, Item 6, são apresentados os fatores alteradores de custos referentes às propostas apresentadas ao Consórcio Intermunicipal de Saneamento Básico da Região Central de Rondônia. Os fatores são apresentados em detalhes, a partir dos cenários traçados com a equipe técnica local, concentrando-se nos aspectos referentes à disposição final de resíduos, seu transporte, gerenciamento de iniciativas e instalações locais e aspectos referentes aos custos administrativos, financeiros e de regulação. Foi possível apresentar uma consolidação de análise que permitirá avanço na discussão dos próprios objetivos do Consórcio e das taxas necessárias à sustentação dos serviços. O Item 7 apresenta as conclusões do consultor sobre as análises realizadas e é seguido pelas Referências Bibliográficas lançadas no Item 8 deste Relatório Técnico. ii

5 ELABORAÇÃO DE DOCUMENTOS DE APOIO À IM- PLEMENTAÇÃO DOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS DE RE- SÍDUOS SÓLIDOS - ESTUDO DE REPARTIÇÃO DOS CUSTOS ENTRE OS ENTES FEDERADOS INTEGRAN- TES DO CONSÓRCIO PRIORITÁRIO E CONTRATO DE RATEIO NO ESTADO DE GOIÁS E ÁREAS DO ESTADO DE SÃO PAULO: ARARAQUARA, CAMPINAS, BAIXADA SANTISTA E NO MUNICÍPIO DE ARIQUEMES/RO SUMÁRIO INTRODUÇÃO. OBJETIVO DO RELATÓRIO 2. FATORES DIFERENCIADORES DO CUSTO PARA OS ENTES CON- SORCIADOS E O CONTRATO DE RATEIO 2. Características das atividades exercidas pelo consórcio e características dos serviços prestados 2.2 Mecanismos de compensação e de subsídio Mecanismos de indução a práticas sustentáveis Fatores referentes às unidades de disposição final de rejeitos domiciliares, de uso compartilhado Fatores referentes às operações locais e às unidades locais de uso exclusivo Fatores referentes ao transporte de resíduos entre localidades Fatores referentes às atividades administrativas e de regulação Aspectos dos contratos de rateio 4 3. ANÁLISE DOS FATORES DIFERENCIADORES DE CUSTO EM CON- SÓRCIO PÚBLICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DE SÃO PAULO REGIÃO DO CIRCUITO DAS ÁGUAS 5 3. Características do Consórcio Público do Circuito das Águas e investimentos previstos Fatores referentes às unidades de disposição final de rejeitos domiciliares, de uso compartilhado Fatores referentes às operações locais e às unidades locais de uso exclusivo Fatores referentes ao transporte de resíduos entre localidades Fatores referentes às atividades administrativas e de regulação Análise final dos fatores diferenciadores de custo no Circuito das Águas 9 4. ANÁLISE DOS FATORES DIFERENCIADORES DE CUSTO EM CON- SÓRCIO PÚBLICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DE SÃO PAULO REGIÃO DE SUMARÉ 2 4. Características do Consórcio Intermunicipal de Manejo dos Resíduos Sólidos e investimentos previstos 2 ii

6 4.2 Análise dos fatores diferenciadores de custo no Consórcio Público da Região de Sumaré 3 5. ANÁLISE DOS FATORES DIFERENCIADORES DE CUSTO EM CON- SÓRCIO PÚBLICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DE GOIÁS REGIÃO DO ENTORNO DO DF 4 5. Características do Consórcio Público proposto para a Região do Entorno do DF e investimentos previstos Análise dos fatores diferenciadores de custo na Região do Entorno do DF 6 6. ANÁLISE DOS FATORES DIFERENCIADORES DE CUSTO EM CON- SÓRCIO PÚBLICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA REGIÃO DO MUNI- CÍPIO DE ARIQUEMES / RO 7 6. Características do Consórcio Intermunicipal de Saneamento Básico da Região Central de Rondônia CISAN-CENTRAL e investimentos previstos Fatores referentes às unidades de disposição final de rejeitos domiciliares, de uso compartilhado Fatores referentes às operações locais e às unidades locais de uso exclusivo Fatores referentes ao transporte de resíduos entre localidades Fatores referentes às atividades administrativas e de regulação Análise final dos fatores diferenciadores de custo no CISAN-CENTRAL 2 7. CONCLUSÕES ANEXO (MINUTA DE CONTRATO DE RATEIO) REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 29 LISTA DE FIGURAS Localização de Aterros Sanitários e Áreas de Transbordo previstas para o Consórcio Público da região do Circuito das Águas 7 2 Comparativo entre os custos estimados per capita e o porte dos municípios vinculados ao Consórcio Público da região do Circuito das Águas 3 Faixas de distinção dos custos per capita após aplicação de fatores de diferenciação na região do Circuito das Águas 4 Distribuição dos empreendimentos pelos municípios do Consórcio 3 5 Agrupamentos previstos para o Consórcio Público de Manejo dos Resíduos Sólidos e das Águas Pluviais da Região Integrada do Distrito Federal e Goiás 5 6 Localização de Aterros Sanitários e Áreas de Transbordo previstos para o Consórcio Público da região de Ariquemes 9 7 Comparativo entre os custos estimados per capita e o porte dos municípios vinculados ao CISAN CENTRAL 23 8 Faixas de distinção dos custos per capita após aplicação de fatores de diferenciação no CISAN CENTRAL 23 iii

7 LISTA DE QUADROS Componentes do custo de disposição final de rejeitos em aterros sanitários 3 2 Empreendimentos previstos para os municípios da região do Circuito das Águas 5 3 Empreendimentos previstos para cada município da região do Circuito das Águas 6 4 Custo das etapas de viabilização de aterros de pequeno porte 6 5 Custos de referência adotados para a disposição final no Circuito das Águas 8 6 Diferenciação dos custos para a disposição final no Circuito das Águas (R$/t) 8 7 Custos de referência adotados para operações locais e manejo nas unidades locais de uso exclusivo 8 8 Diferenciação dos custos para o transporte de rejeitos no Circuito das Águas 9 9 Custos estimados por município e per capita individualizados, após aplicação de fatores de diferenciação 0 0 Comparativo entre os custos estimados per capita antes e após aplicação de fatores de diferenciação 0 Empreendimentos previstos para os municípios da região do Consórcio Intermunicipal 2 2 Empreendimentos previstos para cada município da região do Consórcio Intermunicipal 2 3 Fatores de diferenciação do custo potencialmente analisáveis no Consórcio Intermunicipal de Manejo dos Resíduos Sólidos 4 4 Empreendimentos previstos para o Entorno do DF 5 5 Empreendimentos previstos para cada localidade do Entorno do DF 6 6 Fatores de diferenciação do custo potencialmente analisáveis no Consórcio Intermunicipal de Manejo dos Resíduos Sólidos 7 7 Empreendimentos previstos para os municípios da região deariquemes 8 8 Empreendimentos previstos para cada município da região de Ariquemes 8 9 Custo das etapas de viabilização de aterros de pequeno porte 9 20 Custos de referência adotados para a disposição final no Circuito das Águas 20 2 Diferenciação dos custos para a disposição final nos aterros do Consórcio Intermunicipal (R$/t) Custos de referência adotados para operações locais e manejo nas unidades locais de uso exclusivo Diferenciação dos custos para o transporte de rejeitos no CISAN CENTRAL 2 24 Custos estimados por município e per capita individualizados, após aplicação de fatores de diferenciação Comparativo entre os custos estimados per capita antes e após aplicação de fatores de diferenciação 22 LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS ASPP Aterros Sanitários de Pequeno Porte ATT Áreas de Triagem e Transbordo CISAN CENTRAL - Consórcio Intermunicipal de Saneamento Básico da Região Central de Rondônia DAU Departamento de Ambiente Urbano DF Distrito Federal FGV Fundação Getúlio Vargas FUNASA Fundação Nacional de Saúde MMA Ministério do Meio Ambiente iv

8 OEA Organização dos Estados Americanos OGU Orçamento Geral da União PAC Programa de Aceleração do Crescimento PEV Ponto de Entrega Voluntária PGIRS Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos PNSB Pesquisa Nacional de Saneamento Básico RCD Resíduos de Construção e Demolição RIDE-DF Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal RSD Resíduos Sólidos Domiciliares RSS Resíduos de Serviços de Saúde RT Relatório Técnico SNIS-RS Sistema Nacional de Informações em Saneamento " Diagnóstico de Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos SRHU Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano VOL Resíduos Volumosos v

9 INTRODUÇÃO Os conteúdos deste relatório técnico inserem-se no âmbito do Programa Melhoria da Gestão Ambiental Urbana no Brasil (BRA/OEA/08/00) desenvolvido pela Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente, com ênfase nas regiões localizadas nas Bacias dos Rios São Francisco e Parnaíba e em algumas outras regiões brasileiras. O programa vem se corporificando em convênios com várias unidades e regiões da Federação, entre elas o Estado de Goiás, o município de Ariquemes/RO e algumas regiões paulistas no entorno dos municípios de Amparo e Sumaré. As regiões de Araraquara e Baixada Santista, também do Estado de S. Paulo, não são tratadas, por não ter se estabelecido uma continuidade de interesse das administrações locais no processo de consorciamento para a gestão dos resíduos. conforme entendimento estabelecido com a SRHU e documento anexado, O objetivo central do convênio firmado com o Estado de Goiás é o desenvolvimento do PGIRS Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos em Goiás e Distrito Federal, focado, no período do convênio, na RIDE-DF Região Integrada de Desenvolvimento do Distrito Federal. Este convênio está estabelecido com a Secretaria das Cidades do Estado. Já o convênio estabelecido com o Município de Ariquemes, representando outros 3 da região, tem por objetivo também o desenvolvimento do PGIRS Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da Região Central de Rondônia. O convênio estabelecido com o Município de Amparo, representando também outros 3 da região do Circuito das Águas, no Estado de São Paulo, tem o mesmo objetivo de desenvolvimento do PGIRS Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Regional. Além desses, estará sendo abordado também o caso dos municípios da região de Sumaré, próximos à Região Metropolitana de Campinas. Este relatório, em função do escopo estabelecido no Contrato de Consultoria CPR n o 84853, apresenta um estudo de repartição dos custos de operação e administração dos consórcios objetivados para estas regiões, e as decorrências no equacionamento dos contratos de rateio. Não foi detectada, no desenvolvimento da abordagem, a necessidade de legislação complementar no âmbito municipal de forma a permitir arranjos mais complexos de rateio dos custos, além dos expressos no próprio contrato de rateio a ser firmado.. OBJETIVO DO RELATÓRIO Este relatório, preparado pelo consultor Tarcísio de Paula Pinto em decorrência do Contrato de Consultoria n o 84853, objetiva apresentar os diversos fatores diferenciadores do custo de operação e administração de consórcios públicos que vendo discutidos e construídos nestas regiões brasileiras. Estas informações visam apoiar o preparo de contratos de rateio necessários e instrumentar os esforços pelos Consórcios Públicos nas seguintes regiões : RIDE DF e municípios do Estado de Goiás, na região do município de Ariquemes, Estado de Rondônia, e nas regiões dos municípios de Sumaré e Amparo, ambos no Estado de São Paulo. 2. FATORES DIFERENCIADORES DO CUSTO PARA OS ENTES CONSORCIADOS E O CONTRATO DE RATEIO 2. Características das atividades exercidas pelo consórcio e características dos serviços prestados Os fatores de diferenciação dos custos entre os entes consorciados têm que ser estabelecidos sobre as atividades transferidas para a gestão associada. Assim, é imprescindível o reconhecimento de quais atividades serão exercidas pela autarquia interfederativa em construção: pla-

10 nejamento, regulação e fiscalização, prestação ou delegação dos serviços de saneamento e outras. É imprescindível ainda o reconhecimento das modalidades do saneamento básico que terão gestão associada: abastecimento de água, esgotamento sanitário, drenagem e manejo de águas pluviais e limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos. Mais adiante, é necessário ainda o reconhecimento da extensão dos serviços prestados nas modalidades de saneamento básico. Em cada um destes quesitos, no estabelecimento das atividades conduzidas à gestão associada, é de suma importância a definição de um núcleo de atividades comum a todos os entes consorciados. É este núcleo comum que possibilitará a conquista dos ganhos de escala e a estabilização do processo de gestão. O desrespeito a esta diretriz pode implicar em impossibilidade de avanço, quer pela pulverização de atividades a serem exercidas pelo consórcio, quer pelo reflexo nos custos elevados resultantes, contrariando a finalidade em si do esforço de associação sob a égide da Lei.07/2005. Logicamente, ao núcleo comum de atividades definido para o consórcio público podem ser agregadas outras atividades não inteiramente comuns, de interesse dos entes consorciados, mas que permitam um mínimo de ganho de escala que justifique seu desenvolvimento pela autarquia intermunicipal. 2.2 Mecanismos de compensação e de subsídio São grandes as probabilidades de que, na articulação dos entes que buscam a gestão associada, ocorram situações de desequilíbrio que requeiram soluções para a compensação, por exemplo, de investimentos anteriormente realizados, da assumpção de impactos ambientais ou outros episódios. Da mesma forma, é também grande a possibilidade de que, no conjunto dos entes que buscam a associação, alguns deles convivam com situações históricas definidoras de baixa capacidade de investimento e suporte de custeio, para as quais se torne necessário construir soluções de subsídio que viabilizem a presença dos menos capacitados e ainda permitam custos menores para os entes líderes, em relação ao custo de soluções próprias isoladas. No âmbito dos próprios municípios, em decorrência da significativa desigualdade social, é imprescindível a análise de subsídios para os extratos sociais de menor renda, concomitantemente com a definição de compensações que considerem ocorrências como a existência de lotes vagos, imóveis subutilizados, grandes atividades comerciais ou industriais e outras. 2.3 Mecanismos de indução a práticas sustentáveis As novas exigências da Política Nacional de Resíduos Sólidos, da Política Nacional de Saneamento Básico e o próprio avanço técnico dos processos de gestão impõem a definição de metas claras de sustentabilidade. Metas e limites, por exemplo, para duas atividades que tem uma presença muito significativa na matriz de custos da gestão o aterramento de resíduos e o seu transporte. Estabelecer mecanismos de indução à redução do transporte e aterramento de resíduos significa amplificar as formas de valorização local de resíduos como bem econômico e, consequentemente, reduzir a categoria de rejeitos aterráveis. 2

11 Uma das primeiras formas com que pode ser implementada esta indução é a diferenciação dos valores referentes ao transporte e disposição final de resíduos acima de um determinado limite. Este limite pode ser arbitrado, como exemplo, em 0,40 quilogramas diários por habitante, após o qual os municípios pagariam valores mais elevados para a disposição de rejeitos, possibilitando a redução dos valores para aqueles que não atinjam o limite fixado. Da mesma forma, os custos de transporte das quantidades geradas além da meta fixada, seriam arcados exclusivamente pelo município, de forma diferenciada do custo de transporte das quantidades prévias ao limite, que deverá ser distribuído entre todos os entes federados participantes da gestão associada. Os limites a serem adotados para a indução de práticas mais sustentáveis nos municípios (meta para a disposição final, acréscimo cobrado para o transporte e disposição de excedentes) podem e devem ser alterados conforme avança o processo de gestão associada, de forma a permitir uma indução constante das boas práticas. Nos próximos itens são analisados fatores que intervem na definição dos custos referentes à modalidade de saneamento limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos. 2.4 Fatores referentes às unidades de disposição final de rejeitos domiciliares, de uso compartilhado Em relação ao uso compartilhado de unidades de disposição final de rejeitos domiciliares, pode ser considerada a diferenciação dos custos em quatro componentes, conforme indicações do Quadro. Quadro Componentes do custo de disposição final de rejeitos em aterros sanitários custos componente investimentos realizados componente 2 operação componente 3 fundo de reserva componente 4 pós operação descrição custos referentes aos investimentos realizados para a implantação da unidade custos relativos à operação da unidade custos relativos à constituição de reserva para investimento em unidades futuras custos relativos ao monitoramento após o encerramento da unidade A aplicação destes componentes permite diferenciar os custos para os participantes da gestão associada, contemplando a ocorrência de investimentos preliminares de algum dos participantes do consórcio, a previsão da participação ou não dos entes em unidades de futura implantação e o rateio dos custos operacionais. Logicamente, aplicando-se estes conceitos, um município detentor de um aterro previamente ao estabelecimento da gestão associada, arcaria com custo unitário menor para a disposição de seus resíduos, em relação aos demais participantes. Há ainda outro aspecto a ser abordado, em relação ao estabelecimento do mecanismo de indução à redução do aterramento de resíduos, com a fixação de limite acima do qual os municípios pagariam valores mais elevados para a disposição de rejeitos, possibilitando a redução dos valores para aqueles que não atinjam o limite fixado. 2.5 Fatores referentes às operações locais e às unidades locais de uso exclusivo 3

12 Operações locais como as de coleta de resíduos, quer as realizadas de forma indiferenciada ou de forma diferenciada, devem ser equacionadas com a fixação de seu custo padrão, diferenciando-se a participação dos municípios no custo total por meio das quantidades coletadas em cada um deles. Deverão ser fixados os custos padrão para a coleta convencional de RSD, coleta seletiva de RSD seco, de RSD orgânico, de RSS e outros que se façam necessários. Também a operação de unidades locais como galpões de triagem, pátios de compostagem, PEVs, ATTs e Aterros de RCD classe A, devem ter seu custo de operação diferenciado pelas quantidades geridas em cada município, fixando-se os custos padrão para cada uma das atividades. 2.6 Fatores referentes ao transporte de resíduos entre localidades O processo de associação para a gestão acarretará deslocamentos diferenciados de cargas entre os entes consorciados, ou mesmo para fora do território de gestão. Em muitas das situações, os municípios com maiores distâncias de deslocamento são os menores e menos capazes, em decorrência da locação das unidades de disposição final na proximidade dos municípios maiores geradores. Em função destas considerações, coloca-se como diretriz a uniformização dos custos de transporte, rateando-os igualitariamente pelos municípios, como expressão mesma da postura de associação para a gestão. No entanto, com a preocupação de induzir posturas comprometidas com a redução na geração de resíduos e com a sua retenção nas localidades geradoras, é aconselhável a limitação deste procedimento até determinada taxa de geração como exemplo, 0,4 kg diários por habitante. A partir deste limite os custos excedentes seriam arcados exclusivamente pelos municípios geradores, pagando pela distância de transporte. 2.7 Fatores referentes às atividades administrativas e de regulação Os custos administrativos e da regulação e fiscalização devem ser divididos diferenciadamente entre os municípios, referenciados nas quantidades de resíduos geridas em cada um deles. O rateio poderá ser equacionado pela divisão simples do total dos custos administrativos e de regulação e fiscalização pela totalidade de resíduos gerida. Deverão ser agregados ainda aos custos individuais dos municípios os custos resultantes dos serviços a eles especificamente prestados pelo consórcio público. Com o rateio dos custos pela totalidade de resíduos gerida torna-se possível contornar o problema gerado pela ocorrência de população flutuante em municípios com atividade turística. Sendo o rateio realizado por quantidades de resíduos, caberá a estes municípios estabelecerem mecanismos locais que compensem o custo da geração de resíduos pelos turistas. Logicamente, no processo de gestão associada, o custo per capita para estes municípios será mais elevado. 2.8 Aspectos dos contratos de rateio Estabelecidos os custos padrão e os fatores de diferenciação que deverão ser contemplados, os contratos de rateio deverão ser firmados entre os entes consorciados e o consórcio público, sendo esta a única forma de repasse de recursos ao consórcio. 4

13 Alguns aspectos são importantes de serem ressaltados: a) salvo nos casos em que os serviços públicos sejam custeados por taxas ou outros preços públicos e nos casos em que as ações estejam previstas em plano plurianual, o contrato de rateio será firmado a cada exercício financeiro; b) os recursos oriundos dos contratos de rateio não podem ser utilizados em despesas genéricas, transferências ou operações de crédito; c) poderá ser excluído do consórcio o ente que não prever em lei orçamentária ou em crédito adicional as despesas assumidas por meio de contrato de rateio. Estes são aspectos importantes para a definição mesma do instrumento contratual entre os entes. Adquire, neste sentido, importância fundamental, a iniciativa de estabelecer-se um a- cordo preliminar entre os entes em consorciamento, com a definição dos desembolsos necessários no exercício seguinte, de forma a alimentar o processo de preparo das leis orçamentárias. Está apresentada, em anexo a este Relatório, uma Minuta de Contrato de Rateio, preparada a partir de sugestões apresentadas pela FUNASA aos Consórcios que estão articulados na região de Ariquemes/RO e região de Jussara/PR (CISMAE). 3. ANÁLISE DOS FATORES DIFERENCIADORES DE CUSTO EM CONSÓRCIO PÚBLICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DE SÃO PAULO REGIÃO DO CIRCUITO DAS ÁGUAS 3. Características do Consórcio Público do Circuito das Águas e investimentos previstos Os municípios da região do Circuito das Águas Paulistas, em total de 4, vêm avançando na direção de um consórcio público para a gestão dos resíduos sólidos. Ao futuro consórcio serão transferidas as competências de planejamento, regulação, fiscalização dos serviços públicos de saneamento básico e a referente à prestação de serviços de saneamento, focadas, em um primeiro esforço, na limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos. Estão sendo buscados recursos para a implantação de uma proposta coletiva de intervenção, com uma série extensa de empreendimentos, apresentados no Quadro 2, que dêem condição de exercício do manejo diferenciado e gestão adequada dos diversos resíduos gerados nas cidades. municípios Quadro 2 Empreendimentos previstos para os municípios da região do Circuito das Águas população urb (hab) galpões de triagem pátio compos tagem empreendimentos previstos área de aterro transbor sanitário PEVs do ATTs PEV central A distribuição dos empreendimentos pelos diversos municípios se dará como anunciada no Quadro 3, a seguir, que já permite observar o compartilhamento entre eles de diversas das unidades. 5

14 Quadro 3 Empreendimentos previstos para cada município da região do Circuito das Águas municípios população urbana 2009 (hab) galpões de triagem pátio compos -tagem empreendimentos previstos área de aterro transbor sanitário PEVs do ATTs PEV central Jaguariúna gdes + (*) Pedreira gdes + (*) Sto Ant. de Posse med Águas de Lindóia med Lindóia pqno Serra Negra gde Itapira gdes 2 Amparo gdes 2 Morungaba.030 med Monte A. do Sul no PEV Socorro gde Pedra Bela.390 no PEV Pinhalzinho pqno Tuiutí no PEV totais (*) PEV Central e PEV Simplificado em cada um dos municípios As articulações regionais prevêem, em um primeiro momento, o compartilhamento do uso de 4 aterros locais, de pequeno e médio porte, até a definição de um único, no futuro, a ser operado pelo consórcio em formação. Este fato, e mais as características diversificadas dos municípios em articulação, com vários deles muito pequenos e situados nas franjas da região em articulação, impõem a necessidade de consideração de mecanismos de compensação e de subsídio para definição do rateio dos custos da gestão associada. É o que será tratado nos próximos itens. 3.2 Fatores referentes às unidades de disposição final de rejeitos domiciliares, de uso compartilhado A perspectiva traçada para a região do Circuito das Águas é a de uso compartilhado de três aterros atualmente existentes, enquanto não se equaciona a implantação de um único aterro regional. A Figura adiante apresentada indica a posição destes aterros situados em Socorro, Amparo e Pedreira, que devem, portanto, ter esta excepcionalidade tratada no rateio dos custos. Na figura estão indicadas também as unidades de transbordo a serem utilizadas visando uma melhor logística de transporte. Para a visualização dos custos referentes às unidades de disposição final, estudo recente da Fundação Getúlio Vargas FGV onde são apresentadas estimativas para as diversas fases de custo das unidades, pode oferecer informações importantes como as apresentadas no Quadro 4. Quadro 4 Custo das etapas de viabilização de aterros de pequeno porte etapas participação sobre o total pré implantação e implantação 6,24 % operação 86,70 % encerramento e pós encerramento 7,06 % adaptado de FGV, 2008, referentes à operação por 20 anos 6

15 Figura Localização de Aterros Sanitários e Áreas de Transbordo previstas para o Consórcio Público da região do Circuito das Águas Na região do Circuito das Águas, a perspectiva é de que aconteçam investimentos federais, com recursos não retornáveis do OGU Orçamento Geral da União, inscritos no PAC. De acordo com a demanda já apresentada ao Governo Federal, o aterro previsto contaria com células para 3 anos de disposição de resíduos, demandando, após este prazo, novos investimentos. A constituição de reservas para a retomada dos investimentos, portanto, deveria prover os recursos necessários à contrapartida de um futuro financiamento, contrapartida esta que dificilmente seria superior a 20% do investimento. Informações compiladas recentemente em trabalhos do MMA informam sobre os custos de implantação de aterros sanitários para populações de diversos portes. Para a população de referência no Circuito das Águas, 370 mil habitantes, o investimento necessário seria na ordem de R$ 4,2 milhões (R$,2 por habitante), implicando em uma reserva, para contrapartida, de R$ 823 mil, a ser constituída no período de aproximadamente 4 anos (um ano de operação compartilhada dos aterros já existentes, seguido de 3 anos de operação em aterro possibilitado por investimento do PAC). Desta previsão decorrerá, em função da taxa média de geração de RSD na região (0,7 quilos diários), o aporte de R$ 2,55 a cada tonelada manejada no aterro, neste período. A partir destas informações é possível definir-se os custos de referência, como apresentados no Quadro 5 e observar o resultado da análise de diferenciação dos custos para os municípios, no Quadro 6 a seguir, que incorpora a elevação, em 0%, dos valores de disposição para os municípios com taxas de disposição superiores a 0,40 quilogramas por habitante. Este quadro apresenta a tendência em relação à elevação ou rebaixamento dos custos. 7

16 Quadro 5 Custos de referência adotados para a disposição final no Circuito das Águas (por tonelada disposta) itens custo unitário estimado para a disposição custo dos investimentos pré operacionais custo operacional custo encerramento e pós encerramento valor para constituição do fundo de reserva valor 33,36 R$/t 2,08 R$/t 28,92 R$/t 2,36 R$/t 2,55 R$/t Quadro 6 Diferenciação dos custos para a disposição final no Circuito das Águas (R$/t) município investimentos operação pós operação fundo reserva total tendência Jaguariúna 2,2 29,44 2,40 2,55 36,5 Pedreira 29,44 2,40 2,55 34,39 S. Antonio de Posse 2,2 29,44 2,40 2,55 36,5 Águas de Lindóia 2,2 29,44 2,40 2,55 36,5 Lindóia 2,0 29,3 2,37 2,55 36,4 Serra Negra 2,2 29,44 2,40 2,55 36,5 Itapira 2,3 29,59 2,4 2,55 36,68 Amparo 29,44 2,40 2,55 34,39 Morungaba 2,0 29,3 2,37 2,55 36,4 M. Alegre do Sul 2,0 29,3 2,37 2,55 36,4 Socorro 29,44 2,40 2,55 34,39 Pedra Bela 2,0 29,3 2,37 2,55 36,4 Pinhalzinho 2,0 29,3 2,37 2,55 36,4 Tuiutí 2,0 29,3 2,37 2,55 36,4 médias 33,36 2,55 35,9 3.3 Fatores referentes às operações locais e às unidades locais de uso exclusivo Valores oriundos de relatórios técnicos anteriores deste consultor, da consultora Maria Stella Magalhães Gomes e do consultor Dan Moshe Schneider, agregados a dados do SNIS-RS e alguns dados de mercado informam sobre os custos padrão de referência das operações locais, conforme indicados no Quadro 7. Quadro 7 Custos de referência adotados para operações locais e manejo nas unidades locais de uso exclusivo atividade manejo do RSD valor unidade Custo de coleta convencional 56,56 R$/t Custo de coleta diferenciada de RSD orgânicos 56,56 R$/t Custo de coleta diferenciada de RSD secos 88,80 R$/t Custo de varrição 0,04 R$/hab Custo de manutenção de galpões de triagem 38,45 R$/t Custo de compostagem 52,50 R$/t atividade manejo do RCD e VOL Custo da coleta corretiva em deposições irregulares 49,50 R$/t Custo da coleta por meio de PEVs 29,0 R$/t Custo de operação em ATTs 6,2 R$/t Custo de aterramento de RCD classe A,3 R$/t A diferenciação dos custos para os diversos municípios participantes da gestão associada será feita na consideração dos totais manejados. 8

17 3.4 Fatores referentes ao transporte de resíduos entre localidades Aplicando-se as diretrizes definidas no item 2.6, para a região do Circuito das Águas serão uniformizados os custos de transporte de resíduos entre municípios, até a taxa de geração de 0,4 kg diários por habitante, de forma a não prejudicar os municípios com maiores distâncias de deslocamento, menores e menos capazes. A partir deste limite os custos excedentes serão arcados exclusivamente pelos municípios geradores, pagando pela distância de transporte. O Quadro 8 apresenta os valores referentes a este item, os municípios que geram resíduos além do valor estipulado e o valor final do rateio para cada município, com a tendência em relação elevação ou redução dos custos. Quadro 8 Diferenciação dos custos para o transporte de rejeitos no Circuito das Águas município RSD a transportar (t/dia) geração excedente (kg diário/hab) custo transp. individual. (R$/dia) custo final transporte rateado (R$/dia) tendência Jaguariúna 7,9 0,05 4,94 79,76 Pedreira 7,87 0,05 7,32 S. Antonio de Posse 7,64 0,05 9,97 83,26 Águas de Lindóia 7,28 0,05 7,92 87,69 Lindóia 2,35 22,53 Serra Negra 0,05 0,05 0,20 06,60 Itapira 32,8 0,08 77,3 39,96 Amparo 22,2 0,05 22,44 234,55 Morungaba 4,34 4,60 M. Alegre do Sul,5 4,48 Socorro 0,8 0,05 9,59 07,20 Pedra Bela 0,55 5,24 Pinhalzinho 2,46 23,57 Tuiutí,7,2 médias 37,5-62,37.480, Fatores referentes às atividades administrativas e de regulação No Circuito das Águas, o rateio dos custos administrativos e da regulação e fiscalização será equacionado pela divisão simples do total dos custos pela totalidade de resíduos gerida. A quantidade gerida será o fator de diferenciação dos custos. Custos individuais, decorrentes de serviços específicos a eles prestados pelo consórcio público serão agregados aos custos individuais. Caberá aos municípios com atividade turística estabelecer mecanismos locais que compensem o custo da geração de resíduos por população flutuante. 3.6 Análise final dos fatores diferenciadores de custo no Circuito das Águas Tendo sido feita a análise constante dos itens anteriores, é possível proceder a uma sistematização final, agregando, como observável no Quadro 9, os diversos custos resultantes da aplicação dos critérios propostos. 9

18 Quadro 9 Custos estimados por município e per capita individualizados, após aplicação de fatores de diferenciação municípios custos operacionais custos adm. e fin. consórcio custos adm. e fin. câm. regul totais per capita Jaguariúna , , , ,95 4,7 Pedreira.377.0, , , ,86 4,04 Sto Antonio de Posse , , , ,0 4,0 Aguas de Lindóia , , , ,64 4,2 Lindóia 9.745, ,6 7.62, ,66 3,75 Serra Negra , , ,40.0.0,68 4,09 Itapira , , , ,94 4,54 Amparo , , , , 4,32 Morungaba ,72 2.9, , ,8 3,79 Monte Alegre do Sul , ,29.40, ,72 3,79 Socorro , , , ,27 4,06 Pedra Bela 44.62, , , ,4 3,75 Pinhalzinho , , , ,97 3,75 Tuiutí , , , ,36 3,75 totais , , , , 4,20 Pelas informações constantes do Quadro 0 torna-se possível um comparativo entre as situações individuais estabelecidas, com registro das alterações mais significativas que, no conjunto, possibilitam maior equilíbrio à gestão associada. Quadro 0 Comparativo entre os custos estimados per capita antes e após aplicação de fatores de diferenciação municípios custos per capita sem compensações e subsídios custos per capita com compensações e subsídios alteração Jaguariúna 4,2 4,7 Pedreira 3,9 4,04 Sto Antonio de Posse 4, 4,0 = Aguas de Lindóia 4,28 4,2 Lindóia 3,88 3,75 Serra Negra 4,06 4,09 = Itapira 4,57 4,54 = Amparo 4,32 4,32 = Morungaba 4,0 3,79 Monte Alegre do Sul 3,74 3,79 Socorro 4,05 4,06 = Pedra Bela 3,77 3,75 = Pinhalzinho 3,74 3,75 = Tuiutí 3,84 3,75 médias 4,20 4,20 No Circuito das Águas deve ser ressaltado que os valores que se elevaram em 3 municípios o fizeram muito discretamente, enquanto as reduções, para 4 outros, foram bastante significativas. A Figura 2, a seguir, apresenta bem a relação estabelecida entre o porte populacional do município e os custos per capita decorrentes dos critérios de diferenciação. É nítida, na corre- 0

19 lação estabelecida, a excepcionalidade dos casos de Pedreira, Socorro, Serra Negra e Santo Antonio de Posse, debitável ao fato de serem municípios com taxas de geração de RSD mais elevadas. Figura 2 Comparativo entre os custos estimados per capita e o porte dos municípios vinculados ao Consórcio Público da região do Circuito das Águas 5,00 80,0 4,50 70,0 R$ mensais / hab... 4,00 3,50 3,00 2,50 2,00,50,00 60,0 50,0 40,0 30,0 20,0 000 hab. 0,50 0,0 0,00 Tuiutí Pedra Bela Lindóia Pinhalzinho Monte Alegre do Su Morungaba Pedreira Socorro Serra Negra Sto Antonio de Posse Aguas de Lindóia Jaguariúna Amparo Itapira 0,0 rateio per capita população A Figura 3 permite observar a relação estabelecida entre a posição geográfica do município, seu porte e os custos per capita decorrentes dos critérios de diferenciação. Figura 3 Faixas de distinção dos custos per capita após aplicação de fatores de diferenciação na região do Circuito das Águas

20 Será, portanto, com a aplicação destas diretrizes de compensação, subsídio e indução, expressa nos fatores de diferenciação propostos para o início da discussão da questão, que será possível avançar na formulação final dos critérios de rateio e, finalmente, na definição de taxas de manejo e destinação de resíduos adequadas. 4. ANÁLISE DOS FATORES DIFERENCIADORES DE CUSTO EM CONSÓRCIO PÚBLICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DE SÃO PAULO REGIÃO DE SUMARÉ 4. Características do Consórcio Intermunicipal de Manejo dos Resíduos Sólidos e investimentos previstos Seis municípios do Estado de São Paulo organizaram um consórcio público - Consórcio Intermunicipal de Manejo dos Resíduos Sólidos - para a gestão dos resíduos sólidos na região metropolitana de Campinas e estabeleceram convênio com o Ministério do Meio Ambiente, por meio do município de Sumaré. Em função de edital publicado pelo Ministério das Cidades, os municípios organizaram propostas de instalações em conformidade com o modelo tecnológico defendido pelo DAU - Departamento de Ambiente Urbano, inscrevendo solicitação de apoio da União à execução dos projetos locais. O conjunto de instalações indicadas consta do Quadro a seguir. municípios Quadro Empreendimentos previstos para os municípios da região do Consórcio Intermunicipal população urb (hab) galpões de triagem pátio composta gem empreendimentos previstos aterro sanitário PEVs ATTs Aterros RCD A distribuição dos empreendimentos pelos diversos municípios se dará como anunciada no Quadro 2 e na Figura 4 a seguir. Quadro 2 Empreendimentos previstos para cada município da região do Consórcio Intermunicipal municípios população urbana 2009 (hab) galpões de triagem pátio compostagem empreendimentos previstos aterro sanitário PEVs ATTs Americana gdes 6 Sta Bárb. D'Oeste gdes 5 Nova Odessa gde e med 2 Sumaré gde e med 8 Hortolândia pqno 6 Monte Mor med 2 totais aterros RCD 2

DIAGNÓSTICO RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA. www.granziera.com.br

DIAGNÓSTICO RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA. www.granziera.com.br DIAGNÓSTICO RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA URBANA www.granziera.com.br REGULAÇÃO: OBJETIVOS OBJETIVOS DA REGULAÇÃO estabelecer padrões e normas para a adequada prestação dos serviços e para a sadsfação dos

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

Pinhalzinho. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Pinhalzinho. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Pinhalzinho Aspectos Gerais Pinhalzinho Relação Pinhalzinho x CISBRA 5% dos habitantes do CISBRA 3% da pop. urbana do CISBRA 12% da pop. rural do CISBRA CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km² Pinhalzinho 154,531

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SETEMBRO, 2014 INSTRUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei n. 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

MORUNGABA. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

MORUNGABA. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento MORUNGABA Aspectos Gerais - Morungaba CISBRA Relação Populacional Morungaba x CISBRA 4% dos habitantes do CISBRA 4% da pop. urbana do CISBRA 3% da pop. rural do CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km² Morungaba

Leia mais

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015.

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. CONTEÚDO 1. Políticas e Planos de Saneamento Básico e de Resíduos

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Renato Teixeira Brandão Diretor de Gestão de Resíduos Fundação Estadual do Meio Ambiente Políticas de Resíduos Sólidos Política Estadual de

Leia mais

SindusCon-SP opina sobre mudanças do Plano Nacional de Resíduos Sólidos em audiência pública

SindusCon-SP opina sobre mudanças do Plano Nacional de Resíduos Sólidos em audiência pública Resíduos: atualizada Resolução do Conama A Resolução 307/2002 do Conama, que estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção, foi alterada pela Resolução Conama

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS NOTA TÉCNICA PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS Esta Nota Técnica tem o objetivo de reforçar junto aos Municípios do Estado de Pernambuco sobre os Planos Municipais de Gestão

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

CÂMARA DOS DEPUTADOS Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira CRÉDITO ESPECIAL NA FUNASA/MS (SANEAMENTO EM RM E RIDE) - PLN Nº 13, DE 2005-CN - Sidney A. Bittencourt e Mário Luis G. de Souza Núcleo da Saúde Julho/2005 Endereço na Internet: http://www.camara.gov.br

Leia mais

FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES

FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Decreto 54.991/2014 (leis 12.305/2010, 11.445/2007 e 12.187/2009)

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

LIMPEZA CORRETIVA COM COLETA SELETIVA É OBRIGATÓRIA E POSSÍVEL

LIMPEZA CORRETIVA COM COLETA SELETIVA É OBRIGATÓRIA E POSSÍVEL LIMPEZA CORRETIVA COM COLETA SELETIVA É OBRIGATÓRIA E POSSÍVEL Tarcísio de Paula Pinto (1) Urbanista, Doutor em Engenharia Urbana e Mestre em Arquitetura e Planejamento pela USP. Diretor da I&T Gestão

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA 1 Resultados da IV Conferência Municipal do Meio Ambiente de São Paulo, 30 e 31 de agosto e 1º de setembro de 2013. Reelaboração Participativa do Plano de Gestão de Resíduos Sólidos - PGIRS / SP - texto

Leia mais

PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA. www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa

PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA. www.funasa.gov.br www.facebook.com/funasa.oficial twitter.com/funasa PROGRAMA COOPERAÇÃO TÉCNICA FUNASA Funasa Programa de Cooperação Técnica Visa criar condições de sustentabilidade para o adequado atendimento populacional. Ênfase será conferida à qualificação dos investimentos

Leia mais

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Introdução O Plano Nacional de Resíduos Sólidos é um

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS S PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: S UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO MODELO TECNOLÓGICO COM AÇÕES A PARA

Leia mais

Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara

Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara Título: PGRS Bares e Restaurantes Palestrante: Julia Moreno Lara Lei 12.305/2010 Estão sujeitos à elaboração de plano de gerenciamento de resíduos sólidos: I - os geradores de resíduos sólidos previstos

Leia mais

Plano de Saneamento Regional e Municipais

Plano de Saneamento Regional e Municipais 3º Seminário Internacional de Saneamento e 1ª Conferência Regional dos Planos de Saneamento do Consórcio Pró-Sinos Plano de Saneamento Regional e Municipais FEEVALE Novo Hamburgo 02 e 03/12/2013 Resíduos

Leia mais

Seminário Políticas Nacional e Estadual de Resíduos Sólidos

Seminário Políticas Nacional e Estadual de Resíduos Sólidos Seminário Políticas Nacional e Estadual de Resíduos Sólidos NOVEMBRO/2010 Programas do Governo Federal operacionalizados pela CAIXA relacionados a Resíduos Sólidos Urbanos Mara Botelho Ulhoa Regional de

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DIRETRIZES E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS NO MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Nov 2012 DIAGNÓSTICO DO DESTINO

Leia mais

PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE GUARULHOS PDRS CONGRESSO MUNDIAL ICLEI 2012

PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE GUARULHOS PDRS CONGRESSO MUNDIAL ICLEI 2012 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE GUARULHOS PDRS CONGRESSO MUNDIAL ICLEI 2012 Junho / 2012 Guarulhos Região Metropolitana de São Paulo 2ª economia do estado de São Paulo 9ª economia do Brasil 320 km²

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM.

PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM. PROGRAMA ESTADUAL DE GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ÂMBITO MUNICIPAL PEGRSM. Aprovado no CONSEMA Reunião N 0 180 em 20/08/2015 1. INTRODUÇÃO. A partir da Lei Federal 12.305/2010, foram definidos cronogramas

Leia mais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais Eng. Marcos Montenegro Presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Seção DF CLÁUSULA 7ª. (Dos

Leia mais

PORTO ALEGRE 25/03/13. DAT - Ministério Público do Rio Grande do Sul

PORTO ALEGRE 25/03/13. DAT - Ministério Público do Rio Grande do Sul PORTO ALEGRE 25/03/13 DAT - Ministério Público do Rio Grande do Sul PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO ESGOTO - CARACTERÍSTICAS LOCAIS ESGOTO PLUVIAL x DRENAGEM PLUVIAL ESGOTO CLOACAL x ESGOTO SANITÁRIO SOLUÇÕES

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos

2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos 2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos Foz do Iguaçu, 17 de novembro de 2010 Desafios: A produção

Leia mais

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG.

A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. A contribuição do Projeto InterAção para a Gestão dos Resíduos Sólidos em Viçosa-MG. (Projeto InterAção) Introdução Com a tendência de um crescimento mundial da população, gerando um desenvolvimento industrial

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

Diretriz 01: Diretriz 01: Eliminação e recuperação de áreas irregulares de disposição final de RCC ( bota-fora ) em todo o território nacional.

Diretriz 01: Diretriz 01: Eliminação e recuperação de áreas irregulares de disposição final de RCC ( bota-fora ) em todo o território nacional. Diretriz 01: Diretriz 01: Eliminação e recuperação de áreas irregulares de disposição final de RCC ( bota-fora ) em todo o território nacional. Estratégias: 1. Estabelecimento de uma rede de monitoramento

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Reflexos imediatos para os municípios. 10 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Reflexos imediatos para os municípios. 10 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Reflexos imediatos para os municípios 10 Fórum de Saneamento Estímulo à demanda por novos objetos Inviabilização do uso prolongado dos objetos É uma

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS. Associação dos Municípios do Alto Irani - AMAI

Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS. Associação dos Municípios do Alto Irani - AMAI Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS Associação dos Municípios do Alto Irani - AMAI BOM JESUS - SC PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PMGIRS Fevereiro de 2014 1 Sumário 1.

Leia mais

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda

Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda Secretaria Nacional de Mesa Redonda Universalização do saneamento e mobilização social em comunidades de baixa renda PLANEJAMENTO E CONTROLE SOCIAL COMO ESTRATÉGIAS PARA UNIVERSALIZAR O SANEAMENTO Marcelo

Leia mais

Tecnologia em Cidades da América Latina. A Experiência do Município de São Paulo/SP - Brasil

Tecnologia em Cidades da América Latina. A Experiência do Município de São Paulo/SP - Brasil Tecnologia em Cidades da América Latina A Experiência do Município de São Paulo/SP - Brasil Silvano Silvério da Costa Presidente da AMLURB Autoridade Municipal de Limpeza Urbana de São Paulo São Paulo

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

Oficina dos principais desafios do Programa Minha Casa Minha Vida 3. 05 de junho de 2014

Oficina dos principais desafios do Programa Minha Casa Minha Vida 3. 05 de junho de 2014 Oficina dos principais desafios do Programa Minha Casa Minha Vida 3 05 de junho de 2014 INSERÇÃO URBANA E QUALIFICAÇÃO DOS PROJETOS URBANÍSTICOS E DE ARQUITETURA (parâmetros) PARCERIA ENTRE ATORES/ CADEIA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.653, DE 7 ABRIL DE 2008. Mensagem de veto Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2008/2011. seguinte Lei: O PRESIDENTE

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS REALIZAÇÃO: O PAPEL DO MUNICÍPIO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS O Município é estratégico na gestão dos resíduos sólidos. As atividades geradoras e de gestão de resíduos se desenvolvem no âmbito local.

Leia mais

RELATÓRIO MELHORIA DA ESTRUTURA POLICIAL CORPO DE BOMBEIROS

RELATÓRIO MELHORIA DA ESTRUTURA POLICIAL CORPO DE BOMBEIROS RELATÓRIO MELHORIA DA ESTRUTURA POLICIAL CORPO DE BOMBEIROS Na data de 03 de maio de 2011 1 o então Coordenador do Projeto Entorno, Luís Guilherme Martinhão Gimenes, reuniu-se com o Comandante Geral do

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Março/2014

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Março/2014 PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Março/2014 Plano Estadual de Resíduos Sólidos Horizonte de atuação: 20 anos; Revisões: a cada 4 anos Estruturação: 1. Panorama dos Resíduos Sólidos do Estado de São Paulo

Leia mais

MANUAL PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL EM CONSÓRCIOS PÚBLICOS

MANUAL PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL EM CONSÓRCIOS PÚBLICOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO MELHORIA DA GESTÃO AMBIENTAL URBANA NO BRASIL BRA/OEA/08/001 MANUAL PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS DE

Leia mais

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO CÂMARA DOS DEPUTADOS Daniela Arantes Alves Lima Eduardo Carvalho Departamento de Economia Solidária Brasília,

Leia mais

I ENCONTRO 2014 DE GESTORES PÚBLICOS MUNICIPAIS CONSÓRCIO RIO DOS BOIS

I ENCONTRO 2014 DE GESTORES PÚBLICOS MUNICIPAIS CONSÓRCIO RIO DOS BOIS I ENCONTRO 2014 DE GESTORES PÚBLICOS MUNICIPAIS CONSÓRCIO RIO DOS BOIS Experiência exitosa na captação de recursos para instalação de Aterro Sanitário consorciado Consórcio Intermunicipal de Administração

Leia mais

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife.

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Data: dia 29 de abril de 2009 Local: sede da ONG Etapas no Recife PROGRAMA REABILITAÇÃO

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos & Gestão de Resíduos da Construção. Dr. Sérgio C. Angulo IPT

Política Nacional de Resíduos Sólidos & Gestão de Resíduos da Construção. Dr. Sérgio C. Angulo IPT Política Nacional de Resíduos Sólidos & Gestão de Resíduos da Construção Dr. Sérgio C. Angulo IPT Plano de Fundo Destinação Final de Resíduos Sólidos no Brasil Pesquisa Nacional de Saneamento Básico (2008)

Leia mais

Políticas Setoriais. Base Legal. Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira. Gestão Ambiental Políticas Setoriais

Políticas Setoriais. Base Legal. Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira. Gestão Ambiental Políticas Setoriais Gestão Ambiental Prof. Carlos Henrique A. de Oliveira Gestão Ambiental Políticas Setoriais Políticas Setoriais Políticas específicas, que estabelecem diretrizes para assuntos/temas específicos e/ou que

Leia mais

Guarulhos. Dados Estatísticos. Malha Rodoviária

Guarulhos. Dados Estatísticos. Malha Rodoviária Dados Estatísticos Guarulhos Região metropolitana Estado de São Paulo de São Paulo 2ª economia do estado de São Paulo 9ª economia do Brasil Tem extensão territorial de 320 km², sendo composta por 47 Bairros

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA

CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA CARTA DO PARANÁ DE GOVERNANÇA METROPOLITANA Em 22 e 23 de outubro de 2015, organizado pela Secretaria de Desenvolvimento Urbano SEDU, por meio da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba COMEC,

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH

O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH O DEVER DO ESTADO BRASILEIRO PARA A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À SAÚDE E AO SANEAMENTO BÁSICO FERNANDO AITH Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina da USP - FMUSP Núcleo de Pesquisa em Direito

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 7 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.089, DE 12 DE JANEIRO DE 2015. Mensagem de veto Institui o Estatuto da Metrópole, altera a Lei n o 10.257,

Leia mais

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio

Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo. Ariovaldo Caodaglio Gestão da Limpeza Urbana no Município de São Paulo Ariovaldo Caodaglio Município de São Paulo DADOS DEMOGRÁFICOS População (2010) 11.253.503 Densidade demográfica (hab./km²) 7.387,69 Território (Km²) 1.521,101

Leia mais

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988:

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988: Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PIGIRS Arcabouço legal Constituição Federal de 1988: Artigo 225 Lei Federal Nº 11.445/2007 e Decreto Federal Nº 7.217/2010; Lei Federal Nº 12.305/2010

Leia mais

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa

Workshop Saneamento Básico Fiesp. Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Workshop Saneamento Básico Fiesp Planos Municipais de Saneamento Básico O apoio técnico e financeiro da Funasa Presidente da Funasa Henrique Pires São Paulo, 28 de outubro de 2015 Fundação Nacional de

Leia mais

ATA I AUDIÊNCIA PÚBLICA DIAGNÓSTICO PMSB DE URUBURETAMA

ATA I AUDIÊNCIA PÚBLICA DIAGNÓSTICO PMSB DE URUBURETAMA ATA I AUDIÊNCIA PÚBLICA DIAGNÓSTICO PMSB DE URUBURETAMA Aos 29 de Abril de 2013, às 10:05 h, no Plenário da Câmara Municipal de Uruburetama, na Praça Soares Bulção, Centro, foi realizada a Primeira Audiência

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013)

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013) Estudo de caso: Diagnóstico do sistema de manejo de resíduos sólidos domiciliares

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS

GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS PROPOSTAS PARA REELABORAÇÃO PARTICIPATIVA DO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGIRS do MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Texto de referência TEMA GESTÃO DOS RESÍDUOS ORGÂNICOS 1 O processo de preparação

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui o Programa Pró-Catador, denomina Comitê Interministerial para Inclusão Social

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO Legislação Conceitos Atores Mobilização Social Reavaliação Prazos 1 LEGISLAÇÃO Constituição Federal Art. 23 É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 09 de Novembro 2011 Política Nacional de Resíduos Sólidos Responsabilidade Compartilhada entre Prefeituras, Empresas, Cidadãos e Catadores BRASIL ESTADO DE SÃO PAULO Região Metropolitana FONTE:

Leia mais

VISÃO Ser referência estadual em integração microrregional, visando o desenvolvimento sustentável

VISÃO Ser referência estadual em integração microrregional, visando o desenvolvimento sustentável VISÃO Ser referência estadual em integração microrregional, visando o desenvolvimento sustentável MISSÃO Fomentar o desenvolvimento sustentável dos Municípios da microrregião, através do fortalecimento

Leia mais

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos BDMG Semana Mineira de Redução de Resíduos Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos Novembro de 2010 BDMG Desenvolvimento, inclusão social e sustentabilidade Perfil do BDMG Fundação: Lei Estadual

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

OBSERVATÓRIO DOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS E DO FEDERALISMO MARÇO DE 2015

OBSERVATÓRIO DOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS E DO FEDERALISMO MARÇO DE 2015 OBSERVATÓRIO DOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS E DO FEDERALISMO MARÇO DE 2015 Histórico Emenda Constitucional 19/98 Artigo 241 da Constituição A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios disciplinarão

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO AÇÃO ADOTADA: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE

POLÍTICA NACIONAL DE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 15/09/2014: implantação - situação atual Joaquim Antônio de Oliveira joaquim.oliveira@mma.gov.br (61) 2028 2504 Resíduos sólidos: um problema de caráter social, ambiental

Leia mais

Elaboração dos Planos de Saneamento Básico 13/12/2010. Nossa Realidade. Nossa Realidade. Nova Organização da Prestação de Serviços

Elaboração dos Planos de Saneamento Básico 13/12/2010. Nossa Realidade. Nossa Realidade. Nova Organização da Prestação de Serviços 13/12/2010 Quem somos Da união das indústrias Amanco, Braskem, Solvay Indulpa e Tigre, foi criado em julho de 2007, o Instituto Trata Brasil, uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, para

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE Coordenação Regional de santa Catarina ATENÇÃO ATENÇÃO Apresentação do Seminário A Lei da Política Nacional do Saneamento Básico (lei 11.445/07) e o Inquérito Civil Público Estadual 04/04/PGJ/MPSC, realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2008. Arquivos

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC 2 SELEÇÃO 2013 ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

Estratégia de Financiamento

Estratégia de Financiamento Sustentabilidade Conforme o art. 29 da Lei nº 11.445/07, os serviços públicos de saneamento básico terão a sustentabilidade econômico-financeira assegurada, sempre que possível, mediante remuneração pela

Leia mais

REPASSE DE RECURSOS REFERENTES AOS NOVOS EXAMES DO COMPONENTE PRÉ-NATAL E TESTE RÁPIDO DE GRAVIDEZ DA REDE CEGONHA

REPASSE DE RECURSOS REFERENTES AOS NOVOS EXAMES DO COMPONENTE PRÉ-NATAL E TESTE RÁPIDO DE GRAVIDEZ DA REDE CEGONHA Circular 597/2013 São Paulo, 04 de Dezembro de 2013. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) REPASSE DE RECURSOS REFERENTES AOS NOVOS EXAMES DO COMPONENTE PRÉ-NATAL E TESTE RÁPIDO DE GRAVIDEZ DA REDE CEGONHA Diário

Leia mais

Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico

Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico As competências constitucionais Competência para prestação de serviços públicos locais (CF, art. 30) Compete aos Municípios:... V - organizar e

Leia mais

Saneamento Básico e Infraestrutura

Saneamento Básico e Infraestrutura Saneamento Básico e Infraestrutura Augusto Neves Dal Pozzo Copyright by Augusto Dal Pozzo DADOS HISTÓRICOS Até a década de 70 soluções locais e esparsas para os serviços de saneamento; Década de 70 criação

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014 NOTA TÉCNICA Nº 09/2014 Brasília, 4 de abril de 2014. ÁREA: Contabilidade Municipal TÍTULO: Tratamento Contábil das Despesas do Programa Mais Médicos REFERÊNCIA(S): Portaria SGTES nº 30, de 12/02/2014

Leia mais

Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis

Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis Plataforma em defesa da coleta seletiva com inclusão e remuneração dos catadores e catadoras de materiais reutilizáveis e recicláveis Caro, candidato(a) à prefeito(a), após mais de 20 anos de tramitação

Leia mais

PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011

PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011 PORTARIA No- 2.554, DE 28 DE OUTUBRO DE 2011 Institui, no Programa de Requalificação de Unidades Básicas de Saúde, o Componente de Informatização e Telessaúde Brasil Redes na Atenção Básica, integrado

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014 Apresentação Os desafios da PNRS Setembro de 2014 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo,

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 I - Dos objetivos do Decreto Quase cinco meses após a publicação da lei 12.305/10, que instituiu a chamada Política Nacional

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

AUDIÊNCIAS PÚBLICAS REGIONAIS CENTRO OESTE PLANO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

AUDIÊNCIAS PÚBLICAS REGIONAIS CENTRO OESTE PLANO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS REGIONAIS CENTRO OESTE PLANO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Exigências Lei 12.305/2010 Exigências Lei 12.305/2010 Vigência por prazo indeterminado e horizonte de 20 anos Atualização a

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - PLANSAB

PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - PLANSAB Implementação do Marco Regulatório do Saneamento Ambiental PLANO NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - PLANSAB Ernani Ciríaco de Miranda Diretor da DARIN/SNSA/MCIDADES Belo Horizonte, 20 de março de 2013 Art.

Leia mais

Resíduos da Construção Civil e o Estado de São Paulo

Resíduos da Construção Civil e o Estado de São Paulo Resíduos da Construção Civil e o Estado de São Paulo André Aranha Campos Coordenador do Comitê de Meio Ambiente do SindusCon-SP COMASP Ações do SindusCon-SP Convênio SindusCon-SP e SMA Enquete SindusCon-SP

Leia mais