Acesso ao espectro radioelétrico por meio de compartilhamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acesso ao espectro radioelétrico por meio de compartilhamento"

Transcrição

1 Seminário de Gestão de Espectro ANATEL Acesso ao espectro radioelétrico por meio de compartilhamento Francisco Giacomini Soares Diretor sênior de relações governamentais Carlos Vinicio Rodríguez Ron Pesquisador CETUC/PUC-Rio 30/04/2015 1

2 Francisco Giacomini Soares Necessidade de espectro e tecnologias

3 A evolução sem fio Redefiniu a Telefonia Tornando a comunicação móvel Redefiniu a Computação Tornando a Internet móvel Redefinindo Tudo Transformando o papel das conexões sem fio 3

4 ~134 milhões ~144% de crescimento entre ~48% do total de conexões 3G/4G da região estavam no Brasil no 2T 14 de conexões 3G/4G no Brasil no 2T'14: espera-se que cresçam para aprox. 271 milhões até 2018 Fontes: Associação Brasileira de Telecomunicações, maio de 2014, GSMA Intelligence, julho de Qualcomm Technologies, Inc. e ou empresas afiliadas. Todos os direitos reservados.

5 Espectro licenciado é a base do desafio de 1000x Maior eficiência Mais espectro Evolução para espectro licenciado e não licenciado (LTE Advanced e Wi-Fi) Mais espectro licenciado é prioridade para a indústria móvel Usar espectro não licenciado oportunamente Mais small cells Agregação LTE - Wi-Fi para Wi- Fi da operadora LTE-U para novas small cells 5

6 Espectro A natureza da demanda requer espectro em quantidade e qualidade Inovação na regulamentação e acesso ao espectro Inovação em tecnologia 6

7 Precisamos ter o melhor uso do espectro para 1000x Espectro licenciado Leilões de espectro disponíveis para 3G/4G Espectro licenciado compartilhado Licenciamento adicional para 3G/4G: Authorized Shared Access (ASA) Espectro não licenciado Múltiplas tecnologias (Wi-Fi, LTE-U, BT & outras) Uso exclusivo Uso compartilhado exclusivo Uso compartilhado Prioritário, Garante qualidade de serviço (QoS), mobilidade e controle ASA é necessário quanto o espectro não pode ser liberado dentro de um prazo razoável, ou em todos os lugares QoS imprevisível, ideal para acesso local, e uso oportunístico para banda larga móvel 7

8 Diferentes espectros para diferentes tipos de acesso móvel Espectro não licenciado Espectro compartilhado entre várias tecnologias (Wi-Fi, LTE, BT e outras) Espectro licenciado Espectro livre ou Authorized Shared Access (ASA) para uso exclusivo (tecnologias móveis 3G/4G) Operador Base da Banda Larga Local (LAN) Base da Banda Larga Móvel Sem licença, implantação simples Curto alcance, Cobertura local Residencial, Empresarial, Casa Conectada Desempenho previsível, Baseada em Cobertura ubíqua Mobilidade transparente 8

9 A Agregação de Portadoras porporciona melhor experiência do usuário Portadora LTE #1 Até 20 MHz LTE FDD/TD D Portadora LTE #2 Portadora LTE #3 Portadora LTE #4 PIPE DE DADOS AGREGADO Até 100 MHz Portadora LTE #5 Fonte: 1A natureza intermitente típica da utilização, como na navegação na web, significa que portadoras agregadas podem fornecer suporte a mais usuários com o mesmo tempo de resposta (experiência do usuário) em comparação às portadoras individuais, considerando que as portadoras são parcialmente carregadas, o que é típico em redes de verdade. O ganho depende da carga e pode exceder 100% para menos usuários (portadora menos carregada), mas esse valor é menor para muitos usuários.para uma portadora completamente carregada, há um ganho limitado de capacidade entre portadoras individuais e agregadas Qualcomm Technologies, Inc. e ou empresas afiliadas. Todos os direitos reservados. 9

10 As redes LTE e Wi-Fi estão convergindo GERENCIADOR DE COEXISTÊNCIA INTEGRAÇÃO DE ESPECTRO MECANISMO DE CONECTIVIDADE SERVIÇOS DE OPERADORA LTE-A 11ac/ad/ah AUMENTO DE CONVERGÊNCIA Conexão otimizada Mitigação de interferência Transferência de dados, VoLTE e interoperação de VT LTE-U, agregação de LTE-Wi-Fi Qualcomm Technologies, Inc. e ou empresas afiliadas. Todos os direitos reservados. 10

11 Cenários de implantação de acesso licenciado e não licenciado LTE/LTE-U Small Cell Carrier Wi-Fi AP Empresarial/ residencial Small Cell LTE e Wi-Fi LTE/LTE-U Carrier Aggregation ai Fast Roaming Empresarial/ residencial Small Cell LTE e Wi-Fi LTE Advanced Carrier Aggregation LTE Advanced Carrier Aggregation LTE/Wi-Fi Link Agregação com dupla Conectividade Carrier Wi-Fi AP ad WiGig ac Wi-Fi MU-MIMO AP LTE/Wi-Fi Continuidade da chamada LTE/Wi-Fi Continuidade da chamada ac Wi-Fi MU-MIMO AP ad WiGig Soluções LTE/LTE-U Soluções tecnológicas LTE/Wi-Fi LTE em Espectro Licenciado LTE em Espectro Não licenciado ac Wi-Fi ad WiGig LTE/Soluções Wi-Fi da operadora 11

12 Espectro 5 GHz não licenciado é ideal para small cells EUA, Coréia, China, Europa, Japão, Índia EUA 1, Coréia 5, Europa, Japão EUA, Coréia, Índia, China 2, sendo considerado na UE 3 20 MHz 5.15 GHz 5.33 GHz 120 MHz pode estar disponível em e.g. EUA 4 /UE 3 20 MHz * * * * * * * * * * * * * * * 5.49 GHz 5.71 GHz 20 MHz GHz GHz UNII MHz UNII MHz UNII MHz UNII MHz ISM MHz Uso oportuno Espectro não licenciado é compartilhado mas é free Curto alcance Potência de transmissão mais baixa pela regulamentação ~500 MHz de espectro disponível Ainda mais no furturo, para complementar o licenciado Ampla bandas disponíveis Eficientemente compartilhado entre vários usuários 1 Channel 120, 124 and 128 ( GHz) currently not permitted in the US MHz-5850MHz has been assigned to ISM services in China 3 Study of 5350MHz-5470MHz and 5725MHz-5925MHz use for license exempt is being planned in EU MHz in Korea* These 5GHz channels typically require DFS, Dynamic Frequency Selection 12

13 Supplemental downlink Agregar espectro não pareado para aumentar a capacidade de downlink Banda L 1.5 GHz Harmonizada na Europa 1 Não pareado (Downlink) Pareado (Downlink) Pareado (Uplink) F1 F2 F1 F2 F1 F2 Banda L tem 40 MHz de espectro não pareado disponível 2. Lançamento comercial previsto para 2015 UTILIZA MULTIPORTADORA EM HSPA+ ENTRE BANDAS 2, OU LTE ADVANCED CARRIER AGGREGATION 2 1 Banda L na Europa: 1452 MHz a 1492 MHz, às vezes referido como faixa de 1.4GHz ou 1.5GHz. 2 Agregação de portadoras entre bandas é suportadada no HSPA+ R9 para duas portadoras de downlink, mas cada combinação de faixas específica ainda tem que ser definida no 3GPP. 3 AT&T está planejando implementar supplemental downlink na parte baixa do 700 MHz (12 MHz de espectro não pareado) usando LTE Advanced. 13

14 Gerenciamento de uma complexidade cada vez maior Impulsionada pela adoção global de agregação de portadoras Componente s específicos por faixa de RF China Américas RF 20MHz 15MHz 10MHz + + LTE Modem 40MHz TDD 30 MHz TDD 300 Mbps (Cat 6) 225 Mbps EU APAC 20MHz 15MHz 10MHz 5MHz 20MHz 15MHz 10MHz 5MHz MHz FDD 30 MHz FDD 25 MHz FDD 20 MHz FDD 15 MHz FDD 10 MHz FDD 300 Mbps (Cat 6) 225 Mbps 185 Mbps 150 Mbps 100 Mbps 75 Mbps Fonte: 3GPP Inter-band CA Intra-band CA FDD TDD

15 Considerações finais O desafio do crescimento de tráfego de dados móveis exige soluções inovadoras Redes mais próximas do usuário Mais Small Cells Maior eficiência Evolução do LTE Advanced Uso de espectro não licenciado LTE-U Wi-Fi Mais espectro licenciado Novas faixas de frequências harmonizadas internacionalmente Uso mais eficiente das faixas de frequência existentes através do acesso autorizado compartilhado (ASA) 15

16 Carlos Vinicio Rodríguez Ron Uso eficiente do espectro

17 Novos desafios da Gestão de Espectro Globalização de serviços; Integração de serviços; Necessidade de colaboração mais estreita com a indústria; Velocidade de surgimento de novas tecnologias; Grande crescimento dos serviços de comunicação móvel; Considerar a existência de porções de espectro sub-utilizadas; Necessidade de novas formas de licenciamento. 17

18 Métricas de eficiência de uso do espectro Eficiência de uso do espectro EUE (definição da UIT) Razão entre a quantidade de informação transferida (M) e o espaço espectral total negado a outros usuários (U): SUE = M U = M B S T B : banda de frequências negada S : espaço geográfico negado T : fração do tempo negado Índice de saturação do espectro Razão entre o espaço espectral utilizado e o espaço espectral disponível. Utilização do espectro Percentagem média (sobre um período de tempo) das bandas de frequências disponíveis numa determinada região. 18

19 Medições de Eficiência de Uso do Espectro no Rio de Janeiro 19

20 Aumento da Eficiência de Uso do Espectro Com o emprego de novas tecnologias é possível tornar cada vez mais eficiente o uso do espectro; Maiores benefícios no uso do espectro podem ser alcançados por meio de coordenação e designação adequadas, que atendam as necessidades dos usuários no presente e futuro; Um fator fundamental para o uso mais eficiente e produtivo do espectro é o compartilhamento, resguarda a limitação de interferências prejudiciais. 20

21 Principais formas de compartilhamento espectral Trading/Leasing Uso coletivo Uso coletivo híbrido Compartilhamento de espectro autorizado/licenciado 21

22 Comparação Garantia de efetiva gestão de interferências Eficiência Grau de harmonização Custos de transação e implantação Trading/Leasing variável variáveis Uso coletivo Uso coletivo híbrido Uso compartilhado autorizado A opção que melhor atende aos 4 requisitos é o Acesso Autorizado Compartilhado 22

23 Como o ASA funciona Contrato Acordo ASA Regulador Licença MNO Incumbente Espectro licenciado 2.3 GHz Espectro ASA 2.3 GHz Situação teórica considerando a faixa GHz de uso militar Controlador ASA Dispositivo regular multibanda 23

24 Implementação do LSA na Europa e nos Estados Unidos POLÍTICO REGULATÓRIO PADRONIZAÇÃO PROVA DE CONCEITO INTERESSE OPERADORA Apoiado por 28 estados membros UE Nov 13 Definido pela CEPT no report publicado em Feb 14 1 para harmonização do 2.3 GHz 2 Especificado ETSI Trabalhando nos requerimentos e arquitetura do sistema Demonstração por vários fabricantes; demos de 2.3 GHz e 3.5 GHz na MWC Trials Na Finlândia em Set 13 Analisado pela NTIA Proposta do FCC Faixa de 3.5GHz 3 dedicada ao acesso compartilhado licenciado para banda larga móvel. Novas alternativas em 1.7/2.1GHz, 600MHz e 5 GHz. No MWC em Mar 15 1 ECC Report 205; 2 3GPP Band 40, GHz; 3 Target 3.5 GHz nos EUA é MHz 24

25 Padronização LSA ETSI TR : Documento de Referência do SistemaSystem Reference sobre Mobile broadband services in the 2300 MHz MHz frequency band under LSA regime lançado em 2013 TS : System requirements for operation of Mobile Broadband Systems in the 2300 MHz MHz band under LSA aprovado em Set TS : System Architecture and High Level Procedures for operation of LSA in the 2300 MHz-2400 MHz band deve ser completado até o fim de GPP RP : SI proposta de compartilhamento de espectro para LTE com referência ao LSA (Mar. 2014) RP : SI proposta RAN support for Licensed Shared Access (LSA) (Set. 2014) S : Padronização Licensed Shared Access (LSA) (Oct 2014) Paper para discussão para o SA5 sobre aspectos OAM relacionados ao LSA S : Licensed Shared Access (Oct 2014) Paper para discussão para o SA5 sobre a arquitetura LSA 25

26 2.3 GHz na UE: MHz LSA / 3GPP Banda 40 Questões principais ECC Decision (14)02 / Mandato UE Utilizado por incumbentes militares e PMSE na maioria dos países da UE Licensed Shared Access é necessário para liberar a faixa para LTE-TDD na UE Ecossistema existente na Ásia Licitação no Reino Unido de 40 MHz prevista para T Na França compartilhamento LSA LTE / Militar LSA (em andamento) Disponível sem o LSA em poucos países da UE (Irlanda, Suécia) 26

27 Banda C na UE: GHz/Banda 42 & GHz/Banda 43 Questões principais ECC Decision (11)06 ECC Decision 2014/276/EU GHz já licenciado na maioria dos países da UE (Licenças vencem em 2020+) Disponibilidade no Reino Unido é peculiar para GHz GHz disponível em alguns países da UE (e.g. Itália, França) mas licenciamento compartilhado necessário com satélites CEPT ECC novo WI sobre a faixa GHz incluindo LSA Oportunidade para future extensão com GHz (2020+) 27

28 Novas Faixas de Frequência consideradas para sistemas móveis RSPG GHz GHz Outras faixas identificadas pelo CEPT: 1.7 GHz/2.1 GHz, 5 GHz Item 1.1 Agenda WRC MHz. Banda L: / MHz atualmente com AMT, radares e serviço fixo MHz e MHz MHz. Serviços de radar GHz. Satélite na banda C 5GHz MHz e MHz. Atualmente com satélite e radionavegação. 28

29 Desafios no Brasil Compartilhamento Autorizado/Licenciado é uma tecnologia em fase de definição na Europa e nos Estados Unidos O que é necessário no ambiente regulatório no Brasil? Fixar conceitos de compartilhamento na regulamentação Estabelecer um regulamento específico de compartilhamento de espectro Definir faixas de frequência para uso de espectro compartilhado Adotar modelos de negócio que maximizem o uso do espectro Realizar uma avaliação de modelos com base nos riscos: (a) aos custos de transação, (b) ao risco de interferências, (c) aos possíveis incentivos às práticas anticompetitivas, (d) a possíveis problemas de normatização internacional, (e) a windfall gains e (f) à possibilidade de que o interesse público seja posto de lado 1. 1 Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias n 143 / COGIR/SEAE/MF Brasília, 02 de julho de 2014 SEAE Min.Fazenda 29

30 Proposta de regulamentação para acesso compartilhado ao espectro Um regulamento que oriente a fixação do conceito de compartilhamento de espectro. Não é específico para determinada faixa de frequência. Identifica as responsabilidades dos usuários do espectro. Estabelece diretrizes de operação e procedimentos. OBS: Nos Estados Unidos foi gerada uma consulta pública pelo FCC (12-354) para tratar do compartilhamento de faixas em 3.5 GHz. Em 16 meses de trabalho as discussões ainda estão relacionadas com critérios de proteção dos usuários na faixa. Ainda não houve respostas a respeito do conceito de compartilhamento. 30

31 Possibilidades de implementação do ASA no Brasil Definição de frequências Após verificada a viabilidade técnica de implementação dos conceitos ASA Exemplo de 2.3 GHz na Europa e anuncio recente em 3.6 GHz Exemplo dos Estados Unidos com 3.5 GHz É possível identificar prováveis faixas de frequência para o Brasil? Existem usuários primários com possibilidade de compartilhamento de espectro? Tempo Localização Geográfica Frequência Existem usuários interessados em uso de espectro para novos serviços? Atualmente existe um marco regulatório que permita realizar compartilhamento? Podemos listar algumas faixas e motivar o mercado para definição de critérios de compartilhamento e mecanismos de proteção contra interferências. 31

32 Critérios para definição de faixas de frequência Podemos atualmente pensar em algumas possibilidades: Usuário autorizado compartilhado: Sistemas de comunicação móvel Em se tratando de sistemas de comunicação móvel, podemos pensar nas faixas já identificadas para sistemas móvel pela UIT e também encontradas no 3GPP Verificar os serviços existentes nestas faixas Consulta realizada pela Qualcomm para Anatel em agosto de 2014 Verificar a ocupação da faixa num primeiro momento STEL, SIGANATEL Identificar possibilidades (viabilidade técnica) 32

33 Frequências Candidatas ITU - IMT [1] Band Footnotes identifying the Bandas E-UTRA no 3GPP (MHz) band for IMT AA A, 5.317A 5/6/8/12/13/14/17/18/19/20/26/27/28/ A, /2/3/4/9/10/23/25/33/34/35/36/37/ , A 30/ A 7/ A, 5.432A, 5.432B, 5.433A 42/43 [1] Recommendation ITU-R M (03/2012) 33

34 Frequências Candidatas [2] 3GPP TS GPP [2] Uplink (UL) operating band Downlink (DL) operating band OBS: Em verde, banda considerada para o Brasil BS receive BS transmit OBS: Em vemelho, banda que não se adequa no Brasil UE transmit UE receive E-UTRA Operating Band F UL_low FUL_high F DL_low FDL_high Duplex Mode ,5 457,5 462,5 467,5 FDD FDD FDD TDD FDD FDD FDD FDD FDD FDD FDD FDD FDD FDD ,9 1447,9 1475,9 1495,9 FDD ,9 1462,9 1495,9 1510,9 FDD ,5 1660, FDD 34

35 Frequências Candidatas 3GPP [2] Uplink (UL) operating band Downlink (DL) operating band OBS: Em verde, banda considerada para o Brasil BS receive BS transmit OBS: Em vemelho, banda que não se adequa no Brasil UE transmit UE receive E-UTRA Operating Band F UL_low FUL_high F DL_low FDL_high Duplex Mode FDD FDD FDD ,9 1784,9 1844,9 1879,9 FDD FDD FDD TDD TDD TDD TDD FDD TDD FDD TDD TDD FDD TDD FDD TDD TDD FDD TDD 29 N/A FDD 2 15 Reserved Reserved FDD 16 Reserved Reserved FDD [2] 3GPP TS

36 Estudo para UHF Convivência de estações licenciadas ASA com radiodifusão Distância de coordenação D com aplicação de Relação de Proteção (RP) Metodologia 1. RP + E(50,50) = Ei (50,10) 2. Ei (50,10) na Rec.1546 permite obter Ri 3. D = CP + Ri D = CP + Ri 36

37 Estudo para UHF Convivência de estações licenciadas ASA com radiodifusão Relação de Proteção para casos co-canal (RPc) e canal adjacente (RPa) [Ref1] [Ref2] [Ref3]: RPc = 20 db e RPa= -22,5 db Distâncias Ri CO-CANAL CANAL ADJACENTE Rec. ITU-R 1546 Ri = 30 km Ri = 3,5 km Okumura-Hata Ri = 20 km Ri = 0,5 km Distância de proteção por Classe CO-CANAL Ri (km) = 30 km CANAL ADJACENTE Ri = 3,5 km CLASSE CP (km) D (km) D (km) Especial ,5 A ,5 B ,5 C ,5 Ref1: Report for GSMA on the Coexistence of ISDB-T and LTE de 15 de Janeiro de 2014 Ref2: Relatório de Teste Laboratorial de Interferência do LTE na faixa de 700 MHz no ISDB-T ANATEL (04/2014) Ref3: Rec. ITU-R BT , Planning criteria, including protection ratios, for digital terrestrial television services in the VHF/UHF bands 37

38 Estudo para UHF Convivência de estações licenciadas ASA com radiodifusão Metodologia para uso do banco de dados de canais UHF (PBTVD) Para cada canal de referência UHF: considerar um canal adjacente superior e inferior. Ex: canal 15 utiliza canais {14,15,16}, onde 15 (RPc) e 14,16 (RPa) Levantamento de canais UHF menos utilizados (*): Número do canal e quantidade por região canal Sudeste canal Sul canal Nordeste canal Centro-Oeste canal Norte (*) PBTVD acessado em março/

39 Estudo para UHF Coordenação para uso de canais UHF TVD 14 (14, 15) menor ocupação no Sul TVD 27 (26,27,28) menor ocupação no Sudeste TVD 47 (46, 47, 48) menor ocupação no Norte 39

40 Estudo para UHF Coordenação para uso de canais UHF Resultado da análise: listagem de municípios com canais livres para uso de estações ASA Ferramenta de visualização em desenvolvimento: Projeto PUC/Rio-Qualcomm 40

41 Estudo para UHF Coordenação para uso de canais UHF Resultado da análise: listagem de municípios com canais livres para uso de estações ASA REGIÃO Total municípios Municípios livre por canal: ch 14 ch 48 ch 16 58% 60% 42% NORDESTE ch 27 ch 45 ch 29 35% 42% 27% SUDESTE ch 14 ch 15 ch 44 69% 60% 48% SUL Total municípios ch 45 42% SUDESTE ES MG RJ SP ch 17 ch 21 ch 44 17% 15% 19% CENTRO-OESTE ch 47 ch 49 ch 19 68% 71% 68% NORTE

42 Estudo para 3.5 GHz ( MHz) Compartilhamento com sistemas cadastrados Faixa de frequência de interesse: MHz Análise co-canal: WiMax Análise de canal-adjacente: Satélite Faixa de frequência de interesse: MHz Análise co-canal: Satélite Análise de canal adjacente com : Satélite Raios de proteção: Entre IMT-Advanced Macro cell x WiMax/Satélite co-canal: 60 km (*) Entre IMT-Advanced Small cell x Satélite co-canal: 9.5 km (**) Entre IMT-Advanced Macro cell x Satélite adjacente: 41 km (*) Entre IMT-Advanced Small cell x Satélite adjacente: 9.5 km (**) (*) Rep. ITU-R M.2109 (**) Contribuição ITU, Document 5D/TEMP/545-E 42

43 Estudo para 3.5 GHz (Parte 1: MHz) Small Cell: Azul: Macro Cell: Azul:

44 06N S MHZ MACRO Estudo para 3.5 GHz (Parte 2: MHz) FREQS E SMALL Small Cell: Vermelho: Azul: Macro Cell: Vermelho: Azul:

45 Estudo para Banda L ( MHz) Compartilhamento com sistemas de Radar Sistemas existentes: Radar de rota (ex. LP23SS) Cobertura: Identificar locais onde não há radares e alcance de radar de rota em 1.4 GHz. Estudo determina a distância e relação de proteção para situação co-canal entre radares e sistema IMT Raios de proteção: 2.7 GHz 1.4 GHz Zona de Exclusão Small Cells Femtocells Distâncias de 400 km para Macro células outdoor; Implementações em small cells poderá viabilizar uso co-canal além de técnicas de redução de interferências Além de simulações é importante verificar desempenho em campo. 45

46 Conclusões ASA é uma ferramenta regulatória que permite uso e gestão eficiente do espectro radioelétrico; Há necessidade de definição de conceitos no ambiente regulatório; Pode se realizar coordenação de compartilhamento de faixas de frequência com a flexibilidade dada pelo ASA: Compartilhamento temporal, geográfico ou de frequência; Faixas que podem ser discutidas: MHz GHz 3.5 GHz 2.7 GHz, 1.7/2.1GHz 46

47 Obrigado Siga-nos no: Para maiores informações de Qualcomm, acesse: & Qualcomm Incorporated. All rights reserved. Qualcomm, Snapdragon, and Gobi are trademarks of Qualcomm Incorporated, registered in the United States and other countries. Vuforia and Wireless Reach are trademarks of Qualcomm Incorporated. Atheros and Skifta are trademarks of Qualcomm Atheros, Inc., registered in the united States and other countries. Hy-Fi is a trademark of Qualcomm Atheros, Inc. Alljoyn is a trademark of Qualcomm Innovation Center, Inc., registered in the United States and other countries. Other products and brand names may be trademarks or registered trademarks of their respective owners. 47

Novos requisitos de espectro e condições de partilha e compatibilidade

Novos requisitos de espectro e condições de partilha e compatibilidade Novos requisitos de espectro e condições de partilha e compatibilidade Instituto Superior Técnico Miguel Capela Lisboa, 29 de maio de 2014 ÍNDICE 1. ANACOM 2. GESTÃO DO ESPECTRO RADIOELÉCTRICO 3. NOVOS

Leia mais

Acesso Internet. Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008. II Seminário sobre Informação na Internet

Acesso Internet. Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008. II Seminário sobre Informação na Internet Acesso Internet Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008 Agenda TIM no Brasil Tecnologias de Acesso Banda Larga Aplicações das Tecnologias de Acesso Popularizando o Acesso a Internet TIM no Brasil

Leia mais

Centro de Estudos em Telecomunicações. Solução Wireless Híbrida para a Universalização da Banda Larga no Brasil

Centro de Estudos em Telecomunicações. Solução Wireless Híbrida para a Universalização da Banda Larga no Brasil Centro de Estudos em Telecomunicações Solução Wireless Híbrida para a Universalização da Banda Larga no Brasil AGENDA Introdução Soluções de Acesso em Banda Larga Satélites na Banda Ka Satélites de Alta

Leia mais

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo

Tendências para a próxima geração celular - 5G. Juliano J. Bazzo Tendências para a próxima geração celular - 5G Juliano J. Bazzo Agenda Motivação Roadmap: do 4G ao 5G Principais Tecnologias Tecnologia Nacional 4G/LTE Conclusão Evolução histórica Substituição de importações

Leia mais

TIM faz teste inédito no Brasil de conexão móvel de alta velocidade na Futurecom

TIM faz teste inédito no Brasil de conexão móvel de alta velocidade na Futurecom TIM faz teste inédito no Brasil de conexão móvel de alta velocidade na Futurecom Demonstração é a primeira de uma rede LTE Advanced agregando três faixas de frequências distintas (2600 MHz, 1800 MHz e

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

Interferência dos Sistemas Móveis Terrestres em Aplicações de Satélite

Interferência dos Sistemas Móveis Terrestres em Aplicações de Satélite Interferência dos Sistemas Móveis Terrestres em Aplicações de Satélite Conceituação, Caracterização, Estudos de Interferência e Real necessidade de compartilhamento espectral Waldo Russo - SINDISAT Paulo

Leia mais

Quo Vadis 700MHz? Mario Girasole. 36º Encontro Tele.Síntese Brasília. 4 de fevereiro de 2014. Confidencial

Quo Vadis 700MHz? Mario Girasole. 36º Encontro Tele.Síntese Brasília. 4 de fevereiro de 2014. Confidencial Quo Vadis 700MHz? 36º Encontro Tele.Síntese Brasília 4 de fevereiro de 2014 1 1 Mario Girasole As virtudes do Dividendo Digital para a BL Móvel Arrecadação adicional do setor no PIB com a Banda Larga Móvel*

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

TESTES DE INTERFERÊNCIA DO SINAL LTE NA RECEPÇÃO DE TV DIGITAL NA FAIXA DE UHF

TESTES DE INTERFERÊNCIA DO SINAL LTE NA RECEPÇÃO DE TV DIGITAL NA FAIXA DE UHF TESTES DE INTERFERÊNCIA DO SINAL NA RECEPÇÃO DE TV DIGITAL NA FAIXA DE UHF As preocupações com a interferência da na TV digital operando em faixas adjacentes vêm crescendo nos últimos anos, com o desenvolvimento

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil

2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias 20 & 21 de outubro de 2015 Rio de janeiro, Brasil Favor notar: Esta é uma versão preliminar do programa e os palestrantes ainda não serão abordados exceto quando explicitamente indicado. 2a Conferência Anual Latino-Americana de Gestão do Espectro Dias

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

1º. Wireless Mundi Painel: As vantagens da 3G para o Brasil

1º. Wireless Mundi Painel: As vantagens da 3G para o Brasil 1º. Wireless Mundi Painel: As vantagens da 3G para o Brasil Marco Aurélio Rodrigues QUALCOMM Brasil 27/3/2007 QUALCOMM Proprietary 3G: evolução natural das tecnologias celulares CDMA CDMA/TDM OFDM CDMA2000

Leia mais

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL Broadband Wireless Access -Visualização da linha de produtos BreezeACCESS VL- Solução completa ponto multiponto para comunicação Wireless em ambiente que não tenha linda de visada direta, utiliza a faixa

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

CDMA450. Planos de Negócio e Oportunidades para o Uso do 450 MHz no Brasil. FRANCISCO GIACOMINI SOARES Diretor Sênior de Relações Governamentais

CDMA450. Planos de Negócio e Oportunidades para o Uso do 450 MHz no Brasil. FRANCISCO GIACOMINI SOARES Diretor Sênior de Relações Governamentais CDMA450 Planos de Negócio e Oportunidades para o Uso do 450 MHz no Brasil FRANCISCO GIACOMINI SOARES Diretor Sênior de Relações Governamentais São Paulo, 31 de Maio de 2011. Roteiro Faixa de 450 MHz Tecnologias

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 2: Tecnologia WiMAX INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Neste segundo módulo, abordaremos a tecnologia WiMAX, que faz

Leia mais

& LTE. Espectro p/ Tecnologias Avançadas: MediaFLO. Francisco Giacomini Soares Diretor Sênior de Relações Governamentais

& LTE. Espectro p/ Tecnologias Avançadas: MediaFLO. Francisco Giacomini Soares Diretor Sênior de Relações Governamentais Espectro p/ Tecnologias Avançadas: MediaFLO & LTE Francisco Giacomini Soares Diretor Sênior de Relações Governamentais Ri de Janeiro, 15 de Setembro de 2009. 1 Roteiro Serviços Móveis IMT Resultados da

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

A Faixa de 700 MHz Para Serviços Públicos. Brasília, 29 de Abril de 2014

A Faixa de 700 MHz Para Serviços Públicos. Brasília, 29 de Abril de 2014 A Faixa de 700 MHz Para Serviços Públicos Brasília, 29 de Abril de 2014 Happy 50 th Birthday in 2014! IDC tem posição única na indústria de TI e Telecom da América Latina Provedores Canais 16,903 Menções

Leia mais

Francisco Giacomini Soares Diretor sênior de relações governamentais. A evolução para a Internet das Coisas

Francisco Giacomini Soares Diretor sênior de relações governamentais. A evolução para a Internet das Coisas Francisco Giacomini Soares Diretor sênior de relações governamentais A evolução para a Internet das Coisas 1 A evolução sem fio Redefiniu a Computação Tornando a Internet móvel Redefinindo Tudo Transformando

Leia mais

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas:

Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes Sem Fio Sistemas de redes sem fio são classificadas nas categorias de móveis ou fixas: Redes sem fio fixa são extremamente bem adequado para implantar rapidamente uma conexão de banda larga, para

Leia mais

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis Rádio Móvel Privado Sistemas e Frequências SiFr (1/11) Existem sistemas de comunicações móveis privados, que são de uso exclusivo dos seus detentores. Os utilizadores são: forças de segurança; serviços

Leia mais

Investimentos em 4G, refarming. de frequência e telefonia rural

Investimentos em 4G, refarming. de frequência e telefonia rural Investimentos em 4G, refarming de frequência e telefonia rural Carlos Baigorri Superintendente Anatel Brasília/DF Fevereiro/2014 Nos últimos 12 anos pudemos ver no mercado as tecnologias passando por diferentes

Leia mais

Explorando as Oportunidades dos Serviços de Dados. Seminário sobre Telecomunicações APIMEC RIO

Explorando as Oportunidades dos Serviços de Dados. Seminário sobre Telecomunicações APIMEC RIO Explorando as Oportunidades dos Serviços de Dados Seminário sobre Telecomunicações APIMEC RIO As Oportunidades do Mercado de Telecom no Brasil Universalização dos Serviços Através do Móvel Crescimento

Leia mais

Francisco Giacomini Soares Diretor sênior de relações governamentais. Dados patrocinados e a expansão de serviços móveis

Francisco Giacomini Soares Diretor sênior de relações governamentais. Dados patrocinados e a expansão de serviços móveis Francisco Giacomini Soares Diretor sênior de relações governamentais Dados patrocinados e a expansão de serviços móveis 1 Parte importante da população brasileira possui smartphones Penetração de Smartphones

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced Hartur Barreto Brito - hbb@ecomp.poli.br Felipe Jorge Pereira - fjp@ecomp.poli.br 2014.2 1 Introdução O LTE (Long Term Evolution) é a nova geração

Leia mais

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America

4G no Brasil: Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações. Alexandre Jann FIESP. Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America 5º Encontro de Telecomunicações Respeito ao Consumidor 4G no Brasil: FIESP Demanda dos Usuários e Exemplos de Aplicações Alexandre Jann Marketing & Strategy General Manager NEC Latin America Tópicos Perfil

Leia mais

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network Fundamentos de Tecnologias Wireless Parte 1 Assunto Tecnologias Wireless Introdução à Wireless LAN Algumas questões e desafios Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area

Leia mais

LTE TDD no Brazil Mercado Potencial

LTE TDD no Brazil Mercado Potencial LTE TDD no Brazil Mercado Potencial Centro de Operações no Brasil São Paulo HO 4 escritórios regionais: Rio, Brasília, Recife e Curitiba US$ 1.5 Bn Vendas (2014) ~3000 Funcionários 1 R&D Center 1 Training

Leia mais

3G UMTS a força de um projeto global

3G UMTS a força de um projeto global 3G UMTS a força de um projeto global Mario Baumgarten Vice Chairman UMTS Forum Latin America Sobre o UMTS Forum O que é Fórum internacional intersetorial composto de operadores, fabricantes, reguladores,

Leia mais

Uso do dividendo digital para aplicações comunitárias e universalização da banda larga: oportunidades e desafios

Uso do dividendo digital para aplicações comunitárias e universalização da banda larga: oportunidades e desafios Uso do dividendo digital para aplicações comunitárias e universalização da banda larga: oportunidades e desafios C.A.Afonso março 2013 CGI.br Instituto Nupef www.nupef.org.br Sudeste e Sul: população,

Leia mais

A TV Digital no Brasil

A TV Digital no Brasil Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa A TV Digital no Brasil 30 de março de 2007 Ara Apkar Minassian Superintendente SET- São Paulo/SP 30 de março e

Leia mais

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr. IEEE 802.16 - WiMAX Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br WiMax - Worldwide Interoperability for Microwave Access WiMAX Forum:

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal.

Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. Audiência Pública sobre a Consulta Pública 31/2009. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. Brasília, 07 de abril de 2010. Espectro para telefonia móvel:

Leia mais

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS

802.11n + NV2 TDMA. Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS 802.11n + NV2 TDMA Desempenho e Acesso Múltiplo em Redes Wireless com RouterOS Nicola Sanchez Engenheiro de Telecomunicações Mikrotik Certified Trainer CENTRO DE TREINAMENTO OFICIAL MIKROTIK CENTRO DE

Leia mais

Banda Larga no Brasil: o papel da banda 2.5GHz na ampliação dos serviços e da competição

Banda Larga no Brasil: o papel da banda 2.5GHz na ampliação dos serviços e da competição Brasília, 28 de Maio, 2009 Comissão de Ciência e Tecnologia Banda Larga no Brasil: o papel da banda 2.5GHz na ampliação dos serviços e da competição Ricardo Tavares, Vice-Presidente Sênior, Políticas Públicas,

Leia mais

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp 7-8-2013 Agenda Atribuições e missão da SET Grupos SET de Trabalho Testes e estudos no Japão Proposta de consulta

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade

Futuro das comunicações ópticas e. sistemas de mobilidade Futuro das comunicações ópticas e a convergência com sistemas de mobilidade Convivência de Redes Móveis com as Fixas FORA E DENTRO DA CASA DENTRO DA CASA Mercado de Tablet deverá explodir nos próximos

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

3 Hamanor St. Holon 58861 Israel, P.O.Box 5 AZOR 58008 Tel: +972-3-5599661 Fax: +972-3-5599677 mars@marsant.co.il www.mars-antennas.

3 Hamanor St. Holon 58861 Israel, P.O.Box 5 AZOR 58008 Tel: +972-3-5599661 Fax: +972-3-5599677 mars@marsant.co.il www.mars-antennas. MARS Antennas & RF Systems, é um líder mundial na fabricação e projeto de soluções de antenas de RF e uma Companhia de R&D, com uma capacidade comprovada para projetar e fornecer produtos de custo efetivo

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 4: Tecnologia Wi-Fi INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Este módulo trata da tecnologia de acesso sem fio mais amplamente

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO 1. ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIAS O espectro radioelétrico ou de radiofrequências é uma riqueza da humanidade. Sua exploração de forma disciplinada permite o estabelecimento

Leia mais

Política para Implantação de Redes Privadas de Wi-Fi durante os Jogos Rio 2016. Boletim Informativo Espectro 05/2015. Versão 5.

Política para Implantação de Redes Privadas de Wi-Fi durante os Jogos Rio 2016. Boletim Informativo Espectro 05/2015. Versão 5. Boletim Informativo Espectro 05/2015 Política para Implantação de Redes Privadas de Wi-Fi durante os Jogos Rio 2016 Versão 5.1 Abril 2015 Gestão de Espectro de Radiofrequências AF Telecomunicações SUMÁRIO

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE

CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE CONSULTA PÚBLICA INTRODUÇÃO DE REDES DE COMUNICAÇÕES MÓVEIS TERRESTRES DE TERCEIRA E QUARTA GERAÇÃO (3G E 4G) EM CABO VERDE Início: 16 de Dezembro 2009 Término: 26 de Janeiro de 2010 ÍNDICE 1.INTRODUÇÃO....2

Leia mais

CBC2 COMISSÃO BRASILEIRA DE COMUNICAÇÕES 2 RADIOCOMUNICAÇÕES. Conferência Mundial de Radiocomunicações WRC-15

CBC2 COMISSÃO BRASILEIRA DE COMUNICAÇÕES 2 RADIOCOMUNICAÇÕES. Conferência Mundial de Radiocomunicações WRC-15 CBC 2 COMISSÃO BRASILEIRA DE COMUNICAÇÕES 2 RADIOCOMUNICAÇÕES Conferência Mundial de Radiocomunicações WRC-15 Agostinho Linhares Gerente de Espectro, Órbita e Radiodifusão Setembro de 2015 Coordenador

Leia mais

O Uso das Radiofrequências na faixa de 700 MHz (698 MHz a 806 MHz)

O Uso das Radiofrequências na faixa de 700 MHz (698 MHz a 806 MHz) O Uso das Radiofrequências na faixa de 700 MHz (698 MHz a 806 MHz) Marconi Thomaz de Souza Maya Superintendente de Outorga e Recursos à Prestação Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática

Leia mais

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Conceitos Básicos Sistema móvel celular (SMC) Estrutura em célula. Célula é uma área geográfica coberta por um transmissor de baixa

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Sem Fio Fabricio Breve Tipos de transmissão sem fio Rádio Infravermelho Laser Aplicações Em ambientes internos: Ideal para situações onde não é possível utilizar cabeamento

Leia mais

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C

Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C Agosto de 2012 1 Agenda Testes da Star One A Questão afeta toda a Banda C e não somente a Banda Estendida Tanto a Transmissão Digital quanto a Analógica

Leia mais

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil IV Acorn-Redecom Conference Brasília, 14 de maio de 2010 Gabriel Boavista Laender Universidade

Leia mais

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite

Decisão ECC (09)02. Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite Decisão ECC (09)02 Harmonização das faixas 1610-1626,5 MHz e 2483,5-2500 MHz para utilização por sistemas do Serviço Móvel por Satélite aprovada em 26 de junho de 2009 alterada em 02 de novembro de 2012

Leia mais

RADWIN 5000 HPMP PONTO-MULTI-PONTO DE ALTA CAPACIDADE. RADWIN 5000 HPMP brochura do produto. Pegue a estrada RADWIN 5000 HPMP WIRELESS

RADWIN 5000 HPMP PONTO-MULTI-PONTO DE ALTA CAPACIDADE. RADWIN 5000 HPMP brochura do produto. Pegue a estrada RADWIN 5000 HPMP WIRELESS RADWIN 5000 HPMP brochura do produto RADWIN 5000 HPMP PONTO-MULTI-PONTO DE ALTA CAPACIDADE Pegue a estrada RADWIN 5000 HPMP WIRELESS A solução RADWIN 5000 Ponto-Multi-Ponto de alta capacidade (HPMP) A

Leia mais

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp).

Brampton Telecom, PhD em Engenharia de Telecomunicações (Unicamp). Wireless LAN (WLAN) Este tutorial apresenta alguns aspectos da arquitetura e protocolos de comunicação das Redes Locais sem fio, ou Wireless Local Area Networks (WLAN's), que são baseados no padrão IEEE

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0

Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Barômetro Cisco de Banda Larga 2.0 Brasil Junho de 2013 Preparado para Copyright IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Agenda Introdução Descrição do projeto Resultados

Leia mais

Atividade 3: Testes de Campo realizados no campus do Inmetro em Xerém, Rio de Janeiro e com rede comercial em Aparecida, São Paulo.

Atividade 3: Testes de Campo realizados no campus do Inmetro em Xerém, Rio de Janeiro e com rede comercial em Aparecida, São Paulo. Projeto de testes para avaliação de interferência e análise de coexistência entre o Sistema Brasileiro de Televisão Digital e o LTE na faixa de 700 MHz (Banda 28 3GPP) Atividade 3: Testes de Campo realizados

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Monitoração de Satélites Desafios do Órgão Regulador

Monitoração de Satélites Desafios do Órgão Regulador SSPI Day2013 Rio de Janeiro - 08/10/2013 Monitoração de Satélites Desafios do Órgão Regulador Rodrigo Menezes Superintendência de Fiscalização Conteúdo Recursos escassos; Regulamentação aplicável à área

Leia mais

Balanço Huawei da Banda Larga 1T12

Balanço Huawei da Banda Larga 1T12 Balanço Huawei da Banda Larga 1T12 www.huawei.com Preparado pela HUAWEI TECHNOLOGIES CO., LTDA Sumário Introdução Banda Larga Fixa Banda Larga Móvel Especial 4G 2 Objetivo e metodologia Acompanhar o crescimento

Leia mais

A POTÊNCIA DO WiNG SIMPLIFICADA

A POTÊNCIA DO WiNG SIMPLIFICADA A POTÊNCIA DO WiNG SIMPLIFICADA FINALMENTE. CONEXÃO DE REDES SEM FIO DE ALTO DESEMPENHO DE CLASSE EMPRESARIAL SIMPLIFICADA PARA EMPRESAS MENORES. Por menor que seja sua empresa, com certeza tem muitas

Leia mais

A situação do espectro no Brasil e na Região 2

A situação do espectro no Brasil e na Região 2 A situação do espectro no Brasil e na Região 2 Maximiliano Salvadori Martinhão Gerente Geral de Certificação e Engenharia do Espectro Agenda Espectro no Brasil Contextualização do tema Onde Estamos O que

Leia mais

Banda Larga Políticas Públicas e Regulação

Banda Larga Políticas Públicas e Regulação Banda Larga Políticas Públicas e Regulação Rogério Santanna dos Santos Brasília, 29 de Setembro de 2009 Mercado Banda Larga - Operadoras Empresas 2007 (x1000) 2008 (x1000) % Crescimento Ano 2007 Telefonica

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI

TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI TOPOLOGIAS E CONCEITOS BÁSICOS SOBRE O PADRÃO IEEE 802.16 (WIMAX) MATHEUS CAVECCI Dezembro 2011 INTRODUÇÃO A transmissão de dados via ondas de radio não é novidade, segundo Haykin e Moher, as primeiras

Leia mais

Internet das Coisas: Previsões e facilitadores. Amadeu Castro, Diretor, GSMA Brasil

Internet das Coisas: Previsões e facilitadores. Amadeu Castro, Diretor, GSMA Brasil Internet das Coisas: Previsões e facilitadores Amadeu Castro, Diretor, GSMA Brasil Agenda Visão GSMA Números e previsões Facilitadores: Redes seguras para a IoT Embedded SIM: aprovisionamento remoto Ambiente

Leia mais

Indice. 1. Breve Apresentação. 2. Resumo da Tecnologia. 3. Abordagem Comercial. 4. Dúvidas

Indice. 1. Breve Apresentação. 2. Resumo da Tecnologia. 3. Abordagem Comercial. 4. Dúvidas Apresentação Indice 1. Breve Apresentação 2. Resumo da Tecnologia 3. Abordagem Comercial 4. Dúvidas 1. Breve Apresentação A GoWireless É uma empresa nacional, sediada em Aveiro, que implementa redes privadas

Leia mais

HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel

HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel As operadoras UMTS estão lançando rapidamente o High Speed Packet Access (HSPA) para capitalizar a capacidade de banda larga móvel e a alta capacidade

Leia mais

Relatório Técnico/Consultoria PD.33.10.63A.0051A-RT01-AA. Análise de Utilização do Espectro de 700 MHz. Etapa I

Relatório Técnico/Consultoria PD.33.10.63A.0051A-RT01-AA. Análise de Utilização do Espectro de 700 MHz. Etapa I Relatório Técnico/Consultoria PD.33.10.63A.0051A-RT01-AA Análise de Utilização do Espectro de 700 MHz Etapa I Cotação: 27826/11 Cliente: SINDITELEBRASIL Contato: Sérgio Kern E-mail: sergiokern@sinditelebrasil.org.br

Leia mais

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010

Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Junho/2008 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Mauro Peres, Country Manager IDC Brasil Copyright 2008

Leia mais

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010

Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010 Copyright 2008 IDC. Reproduction is forbidden unless authorized. All rights reserved. Resumo do Barômetro Cisco Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Dezembro/2008 Preparado para Meta de Banda Larga

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO

O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Brasília, 20 de outubro de 2009 O IMPACTO DA DIGITALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO NOS PROCEDIMENTOS DE OUTORGA DE RÁDIO E TELEVISÃO Prof.

Leia mais

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores móveis

Capa. Redes de Acesso à Internet Móvel. Perspectiva dos operadores móveis Capa Redes de Acesso à Internet Móvel Perspectiva dos operadores móveis Sonaecom Engenharia de Acesso Rádio Tecnologias Wireless Leiria, 3 de Maio de 2006 Sonaecom EAR / TW I David Antunes I 03/Maio/2006

Leia mais

Atualmente ocupa o cargo de Especialista de RF III na Alcatel-Lucent, onde é responsável pela Otimização de Redes de Telefonia Celular 3G/2G.

Atualmente ocupa o cargo de Especialista de RF III na Alcatel-Lucent, onde é responsável pela Otimização de Redes de Telefonia Celular 3G/2G. Interoperabilidade UMTS-to-GSM (IRAT Inter-Radio Access Technology) Este tutorial apresenta os conceitos básicos do processo de Interoperabilidade entre os sistemas UMTS e GSM (IRAT Inter-Radio Access

Leia mais

5 motivos pelos quais as empresas estão mudando suas WANs para Banda Larga

5 motivos pelos quais as empresas estão mudando suas WANs para Banda Larga 5 motivos pelos quais as empresas estão mudando suas WANs para Banda Larga Como os tempos mudaram e por quê está na hora de Evoluir a TI A WAN sempre teve como objetivo conectar usuários à aplicativos

Leia mais

Acesso a internet em trens de alta velocidade e aviões

Acesso a internet em trens de alta velocidade e aviões Acesso a internet em trens de alta velocidade e aviões MAC 5743 Computação móvel Eduardo Teruo Katayama Sumário Introdução Acesso a Internet em aviões Dificuldades Tipos de conexões disponíveis Acesso

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Eliminando Fronteiras: Aumente a Produtividade com Soluções de Mobilidade Symantec Arthur Cesar Oreana

Eliminando Fronteiras: Aumente a Produtividade com Soluções de Mobilidade Symantec Arthur Cesar Oreana Eliminando Fronteiras: Aumente a Produtividade com Soluções de Mobilidade Symantec Arthur Cesar Oreana Senior Systems Engineer 1 SYMANTEC VISION 2013 2 SYMANTEC VISION 2013 3 Valor da conectividade Era

Leia mais

Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso

Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso Como criar um modelo de negócio WiMAX de sucesso Exemplo São Paulo, 19 de novembro de 2008 Copyright 2008 PromonLogicalis. Todos os direitos reservados. Agenda 1 2 3 4 Oportunidade de negócio Análise Técnico-econômica

Leia mais

A MOTOROLA E O PESSOAL DE EMERGÊNCIAS DA ÁREA DA BAÍA DE SAN FRANCISCO

A MOTOROLA E O PESSOAL DE EMERGÊNCIAS DA ÁREA DA BAÍA DE SAN FRANCISCO Matéria publicada na MOTOROLA ezine A MOTOROLA E O PESSOAL DE EMERGÊNCIAS DA ÁREA DA BAÍA DE SAN FRANCISCO A ÁREA DA BAÍA DE SAN FRANCISCO ESCOLHE A MOTOROLA PARA CONSTRUIR A PRIMEIRA REDE DE BANDA LARGA

Leia mais

A MASSIFICAÇÃO DA BANDA LARGA MÓVEL OS PRÓXIMOS PASSOS

A MASSIFICAÇÃO DA BANDA LARGA MÓVEL OS PRÓXIMOS PASSOS A MASSIFICAÇÃO DA BANDA LARGA MÓVEL OS PRÓXIMOS PASSOS Maximiliano Martinhão Brasília, 04 de janeiro de 2013 Dados socioeconômicos Banda Larga Anatel: Mais de 47 % dos acessos fixos ativados desde DEZ/2010

Leia mais

EXERCÍCIOS Introdução

EXERCÍCIOS Introdução FACULDADE PITÁGORAS Curso Superior em Tecnologia: Redes de Computadores REDES SEM FIO Prof. Ulisses Cotta Cavalca EXERCÍCIOS Introdução Belo Horizonte/MG 2015 1. A tecnologia

Leia mais

Convergência fixo-móvel

Convergência fixo-móvel Convergência fixo-móvel 74 RTI SET 2005 Einar Edvardsen, da Telenor R&D (Noruega) É possível a convergência entre redes fixas e móveis? Um projeto desenvolvido na Europa mostra que sim. A idéia é promover

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Marco A O Tavares Gerente Operacional de Planejamento Engenharia do Espectro tavares@anatel.gov.br Agenda A Anatel neste Contexto Passos Percorridos E para

Leia mais

Wi-Fi, Saúde e Segurança

Wi-Fi, Saúde e Segurança Wi-Fi, Saúde e Segurança O Wi-Fi está no centro da experiência conectada de hoje. Utilizado em 25% dos lares em todo o mundo 1, o Wi-Fi continua se expandindo como a tecnologia escolhida para redes tradicionais

Leia mais