Histórico. Roteiro. Oferta e Demanda. Mercado. Logística. Tendências de Mercado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Histórico. Roteiro. Oferta e Demanda. Mercado. Logística. Tendências de Mercado"

Transcrição

1 relatório Expedição Avicultura 2015

2 ÍNDICE 4 Histórico 7 Roteiro 8 Oferta e Demanda 14 Mercado 22 Logística 24 Tendências de Mercado 2 3

3 HISTÓRICO Realizada pela primeira vez em 2012, a Expedição Avicultura simbolizou um avanço nas discussões sistêmicas promovidas pelo Núcleo de Agronegócio da Gazeta do Povo. Baseado na experiência de uma década adquirida com o projeto da Expedição Safra - que acompanha in loco o andamento da produção brasileira e internacional de grãos - o trabalho promoveu um debate holístico da produção de aves, em um levantamento que fomentou discussões desde os criadores até o mercado consumidor. A análise segue a abordagem de agregação de valor dentro da cadeia produtiva, já que as agroindústrias de proteína estão intimamente relacionadas à produção de grãos. A primeira edição da Expedição Avicultura, em 2012, foi concentrada no estado do Paraná, em um roteiro de 5 mil quilômetros. Na época, o pano de fundo das discussões foi a crise que atingiu o setor. Principais insumos da ração animal, soja e milho registraram salto nas cotações internacionais, elevando os custos da cadeia avícola. Aliado a isso, houve aumento na produção da proteína, pressionando os preços e comprimindo ainda mais as margens das indústrias. O quadro resultou em fechamento de empresas e pedidos de recuperação judicial no setor. Os desafios para a atividade se manter viável e as perspectivas de longo prazo pautaram as discussões da Expedição naquele momento. Na segunda edição do projeto, em 2014, o roteiro passou a contemplar Paraná e Santa Catarina que, na ocasião, respondiam por 53% da exportação brasileira. Os debates assumiram então uma abordagem nacional. As discussões também passaram a almejar uma interação com o público urbano, que muitas vezes não se dá conta da presença dessa cadeia em sua rotina, seja no restaurante, no supermercado ou na alimentação diária. Mais equilibrada, a avicultura manteve a trajetória ascendente em Num ano de enfraquecimento da economia brasileira, o setor conseguiu se manter competitivo. A migração de consumo para proteínas mais acessíveis deu fôlego no mercado interno. Ao mesmo tempo, a forte desvalorização do real perante o dólar privilegiou as exportações, que ganharam mais importância. Esse foi o contexto para a realização da terceira edição do projeto, cujo os resultados são sintetizados neste relatório técnico. A terceira edição do projeto foi viabilizada graças ao apoio do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), o Banco do Brasil, a C. Vale Cooperativa Agroindustrial e o Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Paraná (Sindiavipar). Passado o tombo de 2012, o mercado avícola começou a se recuperar, ampliando os volumes de produção e exportação da carne nacional a taxas mais sustentáveis. Essa retomada também reforçou a importância econômica e social da atividade, manifestada por meio da geração de empregos e renda, que impulsionam economias regionais. O pós-crise deixou as empresas mais cautelosas, gerando uma obsessão pela busca por eficiência e sustentabilidade na produção. Com isso, o setor equilibrou as contas em 2013 e iniciou uma retomada em 2014, justamente no ano em que foi realizada a segunda edição da Expedição Avicultura. 4 5

4 Brasil Produção: 13,9 milhões de t Exportação: 4,07 milhões de t Paraná Produção: 31,5 % Exportação: 35,6% Santa Catarina Produção: 16,3 % Exportação: 22,3 % Rio Grande do Sul Produção: 14,1 % Exportação: 17,6% PR+SC+RS Produção: 61,8 % Exportação: 75,5% PR sc Roteiro A Expedição Avicultura chegou à terceira edição ampliando o enfoque das discussões e, consequentemente, o roteiro. Pela primeira vez, o projeto passou a contemplar os três estados da região Sul. O bloco concentra a maior parcela da produção e da exportação avícola nacional, sendo favorecido pela proximidade dos polos produtores de grãos e também dos principais portos exportadores de proteína. Foi estruturado um roteiro de 5 mil quilômetros de estradas percorridas para a realização de visitas a incubatórios, matrizeiros, avicultores, indústrias, entidades representativas, centros de treinamento, terminais logísticos e portos. Os trabalhos começaram pela região Norte e Noroeste do Paraná, com passagem pelos municípios de Cianorte, Maringá, Arapongas e Nova Esperança. Essa região concentra o maior número de empresas independentes, que dominam apenas parte da cadeia produtiva (frigoríficos). rs Depois, as viagens continuaram pelo Oeste paranaense. Essa região concentra um elevado número de cooperativas atuantes na avicultura, o que permite o controle da produção de insumos para a ração animal até a logística de exportação. As cidades contempladas foram Palotina, Assis Chateaubriand, Toledo e Cascavel. Na terceira etapa, a Expedição Avicultura seguiu para Santa Catarina, onde uma parcela substancial de pequenos produtores atua na atividade. Há uma coexistência de grandes cooperativas e empresas de pequeno e médio porte atuando na região. Foram visitadas as cidades de Galvão, Xavantina, Ipuaçu, Concórdia e Chapecó. 5 mil quilômetros percorridos Na reta final dos trabalhos de campo, a equipe percorreu o Rio Grande do Sul e conferiu também a infraestrutura logística para a exportação da carne de frango. Foram visitas às cidades gaúchas de Tapejara, Teutônia, Westfália e Vespasiano Corrêa. Na sequência, o roteiro logístico contemplou os portos de Itajaí (SC) e Paranaguá (PR). 6 7

5 Conforme dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda), o Brasil desbancou a China em 2015 e assumiu a segunda colocação no ranking global de produção. Ao todo, o quarteto produz mais de 54 milhões de toneladas da proteína ao ano. Oferta e demanda 1 2 Maiores Produtores Mundiais de Frango (milhões de toneladas) Estados Unidos Brasil ,3 18,0 12,7 13,1 3 China 13,0 13,0 4 União Europeia 10,3 10,6 5 Índia 3,7 3,9 Produção 6 7 Rússia México 3,3 3,0 3,6 3,1 8 Argentina 2,1 2,1 A carne de frango é a segunda proteína mais produzida no mundo, atrás apenas dos suínos. A produção mundial é concentrada em quatro grandes players globais: Estados Unidos, China, Brasil e União Europeia Turquia Tailândia 2,0 1,6 2,0 1,7 Outros 19,2 17,0 Produção Mundial (milhões de toneladas) Fonte: USDA Elaboração: AgroGP Suínos 117,3 118,4 Aves 109,4 112,0 Dentro do Brasil, a maior parte da produção se concentra na região Sul do país. Os três estados do bloco responderam por 61,8% do abate nacional de frangos em Cabeças de frango abatidas no Brasil Bovinos 68,0 68,1 UF/Ano 2015 Share Fonte: FAO Paraná % Santa Catarina % Rio Grande do Sul % São Paulo % Minas Gerais % Outros % Total % Fonte: Sif/Mapa Elaboração: AgroGP 8 9

6 Consumo Cadeia produtiva Na média, a carne de frango é a proteína com maior consumo per capita no mundo, à frente das carnes de suínos, bovinos e cordeiros. Conforme projeção da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), o frango também foi a única proteína que contou com incremento no consumo per capita no ano passado. Consumo per capita de carnes média mundial (kg por habitante/ano) Mais do que uma produção pujante no campo, a avicultura gera benefícios que chegam ao meio urbano. Dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) indicam que o setor gera mais de 3,5 milhões de empregos diretos e indiretos, e foi responsável pela geração de um Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 51 bilhões em A renda bruta, medida pelo Valor Bruto da Produção (VBP), cresceu 3,5% em 2015, mesmo com o contexto econômico desfavorável do Brasil, aponta o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Apenas a soja e a bovinocultura são capazes de gerar renda superior nos campos brasileiros: Aves 13,2 13,3 Suínos 12,6 12, ,00 Valor Bruto da Produção de Frango (R$ milhões) ,96 Bovinos 6,5 6,5 Cordeiro 1,7 1, , , , , , , ,01 Fonte: FAO , , , ,48 Israel detém a maior taxa de consumo anual, com 63,5 quilos por pessoa ao ano, aponta a FAO. Na sequência, aparecem Estados Unidos, Arábia Saudita, Malásia e Austrália, com índices acima de 40kg/pessoa/ano , , , , , Maiores consumidores per capita de carnes (kg por habitante/ano) 2015 Israel Estados Unidos 63,5 45,5 Soja (em grão) 19,6% Outros 20,4% Arábia Saudita Malásia Austrália 43,5 41,1 40,2 Participação no Valor Bruto da Produção em 2015 (%) Suínos 2,7% Café (em grão) 3,8% Brasil Peru Nova Zelândia 39,9 36,7 36,4 Bovinos 14,7% Laranja 4,2% Leite 5,8% Argentina Canadá 35,5 33,4 Frango 13,2% Milho (em grão) 6,7% Cana-de-açúcar 8,9% Fonte: FAO 10 11

7

8 mercado A exportação ainda detém uma parcela pouco expressiva da produção avícola global, fazendo com que o setor tenha como carro-chefe o mercado interno. Entretanto, há países que compram volumes expressivos da proteína nas mais distintas regiões do globo, como América, Oriente Médio, África e Europa. Em 2015, Arábia Saudita e Japão dividiram a liderança nas aquisições da proteína branca Maiores Importadores de Carne de Frango (mil toneladas) Arábia Saudita Japão México União Europeia Iraque África do Sul Hong Kong Rússia China Angola Fonte: USDA Elaboração: AgroGP Embora o Brasil esteja apto a vender para os dez maiores compradores de frango no mundo, nem todos os grandes players globais compram volumes expressivos brasileiros. Apostando em fatores como garantias sanitárias, produção em escala e preços competitivos, o mercado nacional avalia que há potencial de incremento nas vendas para essas nações. Atualmente, a Arábia Saudita é a maior compradora de frango do Brasil. O país respondeu por aproximadamente 20% da receita e do volume exportado em Principais compradores de carne de frango brasileira em 2015 Arábia Saudita Japão China Emirados Árabes Unidos Volume (mil toneladas) Valor (US$ milhões) 784,6 1352,6 417,6 836,5 307,0 607,7 303,2 508,4 5 Países Baixos (Holanda) 152,4 337,1 Maiores Exportadores de Carne de Frango (mil toneladas) Venezuela Hong Kong 132,1 305,7 236,3 293,4 Mesmo sem ocupar a liderança na produção global de aves, o Brasil é o mercado que mais se beneficia com as exportações. Em 2015, o mercado brasileiro forneceu 36% de todo o frango exportado no mundo, apontam dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda). A ABPA estima que o número é ainda maior, chegando a 4,3 milhões de toneladas no período. Para o futuro, a tendência é que as vendas sigam crescendo Brasil Estados Unidos União Europeia Tailândia China Turquia Argentina Ucrânia Canada 3,74 2,99 1,15 0,58 0,395 0,34 0,2 0,18 0, Coveite (Kuweit) Coreia do Sul Cingapura 120,6 190,4 93,3 181,5 83,4 162,6 Fonte: Secex/Mapa Elaboração: AgroGP Conforme análise da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), as exportações responderam por 33% do mercado avícola nacional em 2015, sendo os 67% restantes alocados para a demanda interna. Isso equivale a 43,25 quilos de consumo per capita da proteína, valor 1,1% maior que o obtido em Isso mantém o status do frango como a carne mais consumida no país, seguida pela proteína bovina e suína, respectivamente. 10 Bielorrússia 0,12 Fonte: USDA Elaboração: AgroGP 14 15

9 Custo de Produção Um dos fatores determinantes para a renda na avicultura são os custos de produção das aves. O principal fator nesse contexto são as cotações internacionais da soja e do milho, os principais insumos utilizados na ração animal. Após um pico de preços em 2012, as cotações tiveram uma acomodação nos preços, com queda expressiva no ano de 2015: Aliado à alta dos insumos da ração, há elevação nos custos operacionais da atividade, como a energia elétrica e as despesas com mão de obra. Essa elevação prejudica tanto a atividade nas granjas, que utiliza diversos recursos eletrônicos, como nas indústrias, para utilização de maquinário e iluminação dos frigoríficos. $20,00 $18,00 $16,00 $14,00 $12,00 $10,00 $8,00 $6,00 $4,00 $2,00 $- JAN/12 MAR/12 MAI/12 Comportamento dos preços da soja e milho na bolsa de chicago (US$/bushel) JUL/12 $13,44 $5,55 SET/12 $17,71 $8,30 NOV/12 JAN/13 MAR/13 MAI/13 JUL/13 $12,88 $7,04 $4,55 $15,92 SET/13 NOV/13 Soja JAN/14 MAR/14 MAI/14 Milho JUL/14 SET/14 NOV/14 $9,12 $3,21 JAN/15 MAR/15 MAI/15 JUL/15 $10,56 $4,30 $3,54 SET/15 NOV/15 JAN/16 $8,74 MAR/16 No aspecto da comercialização, a cadeia produtiva do frango só não operou deficitária em virtude de preços mais altos na venda. Isso ocorreu em virtude de uma elevação na demanda interna, já que a crise econômica que atingiu o Brasil gerou uma mudança no hábito de consumo dos consumidores, que passaram a optar por proteínas mais acessíveis na sua alimentação. Como também ocorreu aumento na exportação, houve um direcionamento maior de carne para fora do país, o que ajudou a sustentar os preços. Conforme levantamento realizado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Universidade de São Paulo (USP), o preço do frango congelado tem oscilado na casa de R$ 4 por quilo: PREÇOS DO FRANGO CONGELADO CEPEA/ESALQ - ESTADO SP (R$/kg) Apesar dos preços externos estarem mais baixos, o efeito dessa flutuação não pode ser totalmente sentido no Brasil em virtude da alta de 48% do dólar frente ao real em Isso limitou a baixa dos grãos em território nacional: R$5,00 R$4,50 R$4,00 R$4,01 R$4,13 R$3,77 R$4, preço da soja em Paranguá (R$/60 kg CIF) R$70,00 R$80,00 R$84,00 R$80,00 R$85,50 R$74,50 R$3,50 R$3,00 R$2,50 R$2,00 R$1,50 R$1,00 R$1,70 R$2,42 R$2,24 R$1,32 R$1,98 R$2,82 R$3,01 R$3,14 R$2, R$59,60 R$0,50 R$0,00 40 JAN/ JAN/15 fev/15 MAR/15 ABR/15 MAI/15 JUN/15 JUL/15 AGO/15 SET/15 OUT/15 NOV/15 DEZ/15 JAN/16 FEV/16 MAR/16 JAN/05 JAN/06 JAN/07 JAN/08 JAN/09 JAN/10 JAN/11 JAN/12 JAN/13 JAN/14 JAN/15 JAN/

10 Nas exportações, os preços médios de venda registraram forte baixa em Apesar disso, a elevação na quantidade exportada e o fator cambial tornaram as vendas externas altamente rentáveis. A ABPA indica que a renda total obtida em dólares caiu 11,3% ante 2014, atingindo US$ 7,170 bilhões. No contraponto, o faturamento em real subiu 26% na comparação com o ano anterior, chegando a R$ 23,946 bilhões. Preço médio da tonelada exportada R$1.849 R$1.723 R$2.033 R$1.928 R$2.008 R$1.986 R$1.051 R$1.181 R$1.461 R$1.544 R$1.673 R$1.233 R$ Fonte: Secex/Mapa 18

11

12 Logística A divergência entre os modelos respinga no frango, que representa um terço do embarque total da região. Na metade deste ano, várias rotas de navios que eram operadas pela APMT migraram para a Portonave devido a diferenças de custos. O quadro motivou uma disputa política entre as duas cidades, que parece estar longe de ser solucionada. As principais portas de saídas do frango brasileiro são os terminais portuários da região Sul. Os embarques são realizados via contêineres frigorificados, que são transportados até o porto via rodovias ou ferrovias. Esse fluxo se concentra principalmente nos portos de Paranaguá e Itajaí, que detêm 60% de participação na movimentação total: Em longo prazo, a cadeia da avicultura pede reforço na infraestrutura logística, como rodovias e hidrovias. O principal projeto já confirmado pelo governo federal é a Rodovia do Frango. A proposta é conceder à iniciativa privada 399 quilômetros de quatro estradas (BR-476, BR-153, BR-282 e BR-480) ao longo do Paraná e Santa Catarina. O projeto é visto com ceticismo pelos catarinenses, que se mostram mais interessados com a duplicação da BR-470, que liga a região Oeste ao porto de Navegantes (SC). Porto Volume (ton) Principais portos exportadores de carne de frango Porto de Paranaguá - PR Itajaí - SC São Francisco do Sul - SC Santos - SP Porto de Rio Grande - RS Outros Após um longo período na liderança das exportações, Itajaí foi desbancada por Paranaguá nos embarques de frango em Também merece destaque que, em 2015, o porto de Santos ganhou uma posição, tomando o lugar de Rio Grande como o quinto maior exportador da proteína. Das granjas ao exterior Projeto da Rodovia do Frango busca fortalecer via rodoviária de escoamento da avicultura rumo à exportação. traçado da Rodovia do Frango portos PR Chapecó União da Vitória S. Mateus do Sul sc Curitiba Lapa Paranaguá Itapoá S. Francisco do Sul Itajaí 398,9 km é a extensão total prevista para a Rodovia do Frango. O traçado passará pelas seguintes estradas: BR-282 BR-480 BR-153 BR-476 A inversão na liderança foi associada a fatores climáticos, já que o fenômeno climático El Niño resultou em mais chuvas em Santa Catarina. Isso fez aumentar a vazão dos rios Itajaí-açu e Itajaí-Mirim, que ficam no canal portuário, gerando correnteza e dificultando a entrada dos navios na baía onde ficam os terminais. Como agravante, Itajaí foi afetada por um impasse político. Embora as exportações de frango feitas pelos terminais ao longo do rio Itajaí-Açu são denominadas como Itajaí pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), na prática a origem é divergente. Em uma margem do rio, em Navegantes, a Portonave opera na forma de Terminal de Uso Privado (TUP), construído sobre área própria. Já no lado itajaiense, a operação da APM Terminals é na forma de concessão de área federal, com tempo delimitado. Ambos disputam frente a frente as cargas exportadas. Em longo prazo, as apostas também se concentram na ferrovia. Há um projeto para construção da ferrovia do frango ligando o município de Dionísio Cerqueira, no extremo Oeste do estado, ao terminal de embarque do porto de Itajaí, a 862 km de distância. O investimento no modal ferroviário também é considerado estratégico para o fornecimento de insumos. Santa Catarina e Rio Grande do Sul não são autossuficientes em milho para abastecer as granjas e dependem de importações do Centro-Oeste para suprir as indústrias de ração. Nesse contexto, o trem seria uma arma para garantir a redução de custos aos catarinenses, já que a proposta da ferrovia do frango é se conectar à Ferrovia Norte-Sul, garantindo acesso aos grãos do Cerrado

13 Tendências de mercado O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento projeta que até 2025 a produção nacional de frango crescerá pelo menos 34,7%, chegando a um patamar entre 17,6 e 20,4 milhões de toneladas. No mesmo período, as exportações serão ampliadas em 41,7%, podendo atingir entre 5,8 e 7,5 milhões de toneladas. Projeção de produção de carnes (mil toneladas) Conforme projeção da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO), o frango tomará o lugar do porco e será a carne mais produzida no mundo em Essa migração de consumo está associada a fatores como garantias sanitárias da produção, preço competitivo e ausência de barreiras religiosas para o consumo produção mundial de carnes (milhões de ton.) 133,8 117,3 118,4 120,2 121,8 123,2 124,1 125,1 126,9 129,3 131,6 119,9 122,2 124,6 126,0 126,8 127,8 128,8 114,4 117,5 109,4 112, Bovinos Suínos Aves Fonte: Mapa Elaboração: AgroG 68,0 68,1 68,2 68,8 69,8 71,1 72,0 72,9 73,9 74,7 75,4 Projeção de exportação de carnes (mil toneladas) 14,2 14,5 14,7 15,0 15,3 15,6 15,9 16,2 16,5 16,8 17, Boi Porco Frango Cordeiro Fonte: FAO Elaboração: AgroGP O salto na oferta internacional também abre espaço para o crescimento da avicultura brasileira. O setor tem se articulado para conquistar a abertura de novos mercados, ao mesmo tempo em que aproveita movimentos pontuais de mercado, como a crise de gripe aviária que atingiu os Estados Unidos em Os problemas sanitários norte-americanos fizeram parte da demanda se direcionar para o Brasil. A indústria calcula que é possível ampliar entre 3% a 5% o faturamento nos próximos anos Bovinos Suínos Aves Fonte: Mapa Elaboração: AgroG 24 25

14

15 Patrocínio: apoio:

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ

Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária. Novembro 2015 PARANÁ Soja - Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro 2015 PARANÁ A estimativa de área para a safra 2015/16 de soja é recorde no Paraná. Segundo os técnicos de campo serão semeados 5,24 milhões de hectares,

Leia mais

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica

Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Soja: elevação dos preços da convencional/transgênica deve dificultar incremento da orgânica Produção mundial deve recuar em 2007/08 Segundo o relatório de oferta e demanda divulgado pelo Usda em setembro

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

Mercado Halal para Carne de Frango

Mercado Halal para Carne de Frango RICARDO SANTIN Vice Presidente Mercado Halal para Carne de Frango Principais Produtores Mundiais de Carne de Frango (milhões de ton) Brasil continua como terceiro maior produtor mundial de carne de frango.

Leia mais

BOVINOCULTURA DE CORTE

BOVINOCULTURA DE CORTE ISS 36-9 BOVINOCULTURA DE CORTE Os preços médios da arroba do boi e da vaca, em Mato Grosso do Sul, no mês de fevereiro, foram de R$8,8 e R$,99, respectivamente. Em relação ao mês anterior, houve um avanço

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Maio de 2015 Benefício do câmbio mais depreciado sobre as exportações de carnes será limitado pela queda da demanda de mercados relevantes Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA

ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA 1 Outubro 2009 ROTAS INTERNAS DE PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO: O CASO DA SOJA Fernando Raphael Ferro de Lima * INTRODUÇÃO Este trabalho busca compreender como se modificaram, no período recente, os fluxos internos

Leia mais

Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos

Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos Danusa de Paula Sousa Estudante de Graduação Esalq/USP CPF: 936 619 161-49 R. Barão de Piracicamirim, 512. B. Vila Independência

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS VALOR AVALIAÇÕES TÉCNICAS JUNHO 2013 EVOLUÇÃO DO BRASIL HÁ 50 ANOS = IMPORTADOR HÁ 20 ANOS = VENDEDOR HOJE = FORNECEDOR DISPUTADO

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS CORREDORES DO ARCO NORTE AVALIAÇÕES TÉCNICAS MAIO DE 2014 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

Leia mais

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO

FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO FATORES CRÍTICOS À COMPETITIVIDADE DA SOJA NO PARANÁ E NO MATO GROSSO Por: Carlos Eduardo Cruz Tavares 1 São várias as cadeias produtivas que constituem o complexo agroalimentar, destacando-se entre elas,

Leia mais

Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas

Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas Edição 04 - Outubro de 2014 Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas Mais de 100 milhões de pessoas deixaram de passar fome na última década. É o que revela o relatório O estado

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

Propostas do setor avícola para a superação de gargalos na infraestrutura logística

Propostas do setor avícola para a superação de gargalos na infraestrutura logística Propostas do setor avícola para a superação de gargalos na infraestrutura logística (PORTOS, FERROVIAS, RODOVIAS, FISCALIZAÇÃO E ÓRGÃOS FEDERAIS) UNIÃO BRASILEIRA DE AVICULTURA (UBABEF) A UNIÃO BRASILEIRA

Leia mais

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO

MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO MARGENS ESTREITAS PARA O PRODUTOR DE ALGODÃO Custos Algodão A produção de algodão no Brasil está crescendo de forma expressiva, devido à boa competitividade dessa cultura frente a outras concorrentes em

Leia mais

CONJUNTURA MENSAL JUNHO

CONJUNTURA MENSAL JUNHO SOJA - MATO GROSSO CONJUNTURA MENSAL JUNHO ANO 1 Nº2 O preço mundial da commodity apresenta movimento de alta em nível mundial, impulsionado principalmente pelas condições climáticas adversas nos Estados

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO OPORTUNIDADES E DESAFIOS SENADO FEDERAL AUDIÊNCIA MEDIDA PROVISÓRIA 595 MARÇO 2013 Enfrentamento dos gargálos logísticos Programa rodoviário Programa

Leia mais

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes

Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Oportunidades para o Fortalecimento da Indústria Brasileira de Fertilizantes Marcelo Alves Pereira, Bunge Fertilizantes Novembro - 2009 Estimativas da ONU indicam que a população mundial em 2050 será de

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil

Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Logística e infraestrutura para o escoamento da produção de grãos no Brasil Denise Deckers do Amaral 1 - Economista - Assessora Técnica - Empresa de Planejamento e Logística - EPL, Vice Presidente da Associação

Leia mais

Para um Mundo mais bem nutrido. Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26

Para um Mundo mais bem nutrido. Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26 Fertilizantes no Brasil Para um Mundo mais bem nutrido Exposibram 2013 Belo Horizonte, Setembro 23 26 Alimentando os 10Bi O crescimento da população irá aumentar a demanda mundial por alimentos. Até 2050

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Panorama do setor de frango de corte no Brasil e a participação da indústria avícola paranaense.

Panorama do setor de frango de corte no Brasil e a participação da indústria avícola paranaense. Panorama do setor de frango de corte no Brasil e a participação da indústria avícola paranaense. Luciano de Souza Costa (UNIOESTE) lucianosouzacosta@hotmaisl.com Luis Alberto Ferreira Garcia (UNIOESTE)

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sexta-feira, 13 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,70 0,00 0,00-0,55 SET13 116,25 116,10 115,75-0,20

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro O agronegócio brasileiro Setor estratégico para a economia brasileira, grande motor do seu desempenho Representa 23% do PIB brasileiro Responde por 40%

Leia mais

Indústria avícola paranaense

Indústria avícola paranaense Indústria avícola paranaense Evoluçã o do consumo de fãrelo de sojã e milho pãrã criãçã o de frãngos no Pãrãnã Ana Luiza Lodi analuiza.lodi@intlfcstone.com Thadeu Silva thadeu.silva@intlfcstone.com Natália

Leia mais

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024

[Infográfico] As projeções de produção da cana, açúcar e etanol na safra 2023/2024 As projeções de produção de cana, açúcar e etanol para a safra 2023/24 da Fiesp/MB Agro No Brasil, a cana-de-açúcar experimentou um forte ciclo de crescimento da produção na década passada. A aceleração

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: MARÇO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil

Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações do Brasil Brasil África do Sul Chile México Coréia do Sul Rússia Austrália Índia Suíça Turquia Malásia Europa China Argentina São Paulo, 26 de setembro de 2011. Turbulência Internacional e Impacto para as Exportações

Leia mais

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013

AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ALAVANCA DO MERCADO INTERNO DESAFIOS LOGÍSTICOS ENESUL -2013 FLORIANÓPOLIS AGOSTO 2013 Metodologia de Trabalho Identificação de Mercados Aptidão e Competitividade da Produção Competitividade

Leia mais

Milho Perspectivas do mercado 2011/12

Milho Perspectivas do mercado 2011/12 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE POLÍTICA AGRÍCOLA Milho Perspectivas do mercado 2011/12 março de 2012 Milho - Oferta e Demanda - Mundo milhões de t. Safras 2008/09 2009/10

Leia mais

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR

O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina. Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR O Complexo Agroindustrial da Carne Bovina Prof. Dr. João Batista Padilha Junior Departamento de Economia Rural - UFPR Aspectos abordados Carne no mundo (Visão Geral) Histórico: ambiente institucional e

Leia mais

Resumo Quinzenal do Biodiesel

Resumo Quinzenal do Biodiesel Tel: (21) 3547-1539 / (21) 9565-0444 Resumo Quinzenal do Biodiesel 16/06 à 30/06/11 Este relatório é confidencial e de uso exclusivo do destinatário, e não pode ser enviado ou compartilhado com terceiros

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 1.1 Agronegócio Soja 1.2 Agronegócio Milho 1.3 Agronegócio Algodão 1.4 Agronegócio Boi 2 Competitividade 2.1 Logística

Leia mais

Conjuntura Macroeconômica e Setorial

Conjuntura Macroeconômica e Setorial Conjuntura Macroeconômica e Setorial O ano de 2012 foi um ano desafiador para a indústria mundial de carnes. Apesar de uma crescente demanda por alimentos impulsionada pela contínua expansão da renda em

Leia mais

O Agronegócio Mundial e Brasileiro

O Agronegócio Mundial e Brasileiro O Agronegócio Mundial e Brasileiro Eugênio Stefanelo Segundo Porter, você é competitivo quando tem um desempenho em longo prazo acima da média dos concorrentes. O agronegócio, que engloba as operações

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso

Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso Índice 1 - Conceito de Agronegócio e a atuação do Imea 2 - Agronegócio no Brasil e em Mato Grosso 2.1 Agronegócio Soja 2.2 Agronegócio Milho 2.3 Agronegócio Algodão

Leia mais

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015

AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016. Carlos Cogo Outubro/2015 AGRONEGÓCIOS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS NO BRASIL E NO MUNDO EM 2015/2016 Carlos Cogo Outubro/2015 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 115 110 105 100 95 90 85 80 75 70 65 60 55 CARNES: EVOLUÇÃO

Leia mais

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015

TRIGO Período de 12 a 16/10/2015 TRIGO Período de 2 a 6/0/205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,5 34,0 35,42 35,94 Semana Atual

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

InfoCarne Informativo Sinduscarne: Notícias do setor da carne Edição 27

InfoCarne Informativo Sinduscarne: Notícias do setor da carne Edição 27 21 de Dezembro de 2015 InfoCarne Informativo Sinduscarne: Notícias do setor da carne Edição 27 Nesta Edição Destaque Guia para o Exportador é lançado na FIEMG / apoio do Sinduscarne A FORÇA DA INDÚSTRIA

Leia mais

INTRODUÇÃO A SOJA CONTÉM

INTRODUÇÃO A SOJA CONTÉM MERCADO FUTURO Soja Diego Marafon Edemir Miotto Júnior Felipe Patel Prof. Dr. Miguel Ângelo Perondi INTRODUÇÃO Na atualidade, a soja apresenta-se como um produto em evidência Grão muito proveitoso, devido

Leia mais

Negociações internacionais para abertura e manutenção de mercados. panorama da situação atual. Rinaldo Junqueira de Barros

Negociações internacionais para abertura e manutenção de mercados. panorama da situação atual. Rinaldo Junqueira de Barros Negociações internacionais para abertura e manutenção de mercados panorama da situação atual Rinaldo Junqueira de Barros Balança comercial do Agronegócio 120 100 100 80 83 60 40 20 17 0 1997 1998 1999

Leia mais

Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária

Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária Boas Praticas Agropecuárias: Buscando a Sustentabilidade na Produção Pecuária Dr. Guilherme Cunha Malafaia Embrapa Gado de Corte Estruturação do Debate A Cadeia Produtiva da Pecuária de Corte e seus Agentes;

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO 1 A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 Cleidi Dinara Gregori 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar a evolução do investimento externo direto, também conhecido

Leia mais

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países Para o Boletim Econômico Edição nº 45 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países 1 Ainda que não haja receita

Leia mais

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA Holambra, 25 de Outubro de 2007 Fertilizantes: Análise Mercadológica Produto: Insumo Bem homogêneo Bem

Leia mais

América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite

América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite Workshop Regional sobre Cooperativismo Lácteo América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite Vicente Nogueira Netto Fepale OCB/CBCL Cotrial Curitiba, 08 de julho de 2008 Agenda Mudanças recentes no

Leia mais

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios

Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios Agropecuária Brasileira: Oportunidades e Desafios José Ricardo Severo Superintendência Técnica CNA Março 2010 1 Objetivos: 1. Importância do Agronegócio; 2. Alavanca exportadora como fator de crescimento;

Leia mais

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades 1 São Paulo, 16 de fevereiro de 2016 NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades A partir de janeiro de 2016, o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos)

Leia mais

BRASIL: SUPERANDO A CRISE

BRASIL: SUPERANDO A CRISE BRASIL: SUPERANDO A CRISE Min. GUIDO MANTEGA Setembro de 2009 1 DEIXANDO A CRISE PARA TRÁS A quebra do Lehman Brothers explicitava a maior crise dos últimos 80 anos Um ano depois o Brasil é um dos primeiros

Leia mais

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.

Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor. Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail. Logística do Agronegócio: Entraves e Potencialidades para o setor Andréa Leda Ramos de Oliveira Pesquisadora Científica andrealeda@gmail.com Algumas Questões Estamos no caminho correto do desenvolvimento

Leia mais

Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos. Luiz G Murat Jr.

Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos. Luiz G Murat Jr. Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos Luiz G Murat Jr. Estratégia Empresarial com foco nos Agronegócios e Alimentos Amazônia legal 350 Milhões ha 41% Área útil 350 Milhões hectares

Leia mais

Oportunidades no comércio internacional de frutas

Oportunidades no comércio internacional de frutas Oportunidades no comércio internacional de frutas Eduardo Sampaio Marques Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio/Mapa Roteiro da apresentação - Intercâmbio comercial de frutas do Brasil -

Leia mais

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas)

Maçã: Balanço mundial (em mil toneladas métricas) Informativo da Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Secretaria de Política Agrícola Informativo N o 54 Maçã Ano 6 Vol. 54, março de 213 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15

ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 ALGODÃO EM MATO GROSSO JULHO/15 CONJUNTURA MENSAL ANO 1. Nº 3 O 11º Levantamento de Grãos da Conab, divulgado em 11 de agosto de 2015, manteve suas estimativas para a safra 2014/15, de algodão em pluma

Leia mais

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034

Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 Edmar W. Gervásio Administrador, especialista em Marketing e Agronegócio UFPR Email: edmar.gervasio@seab.pr.gov.br Fone: (41) 3313-4034 MILHO (Zea mays) Sustento da Vida Maior cultura agrícola do mundo;

Leia mais

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE.

ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE. O nosso negócio é o desenvolvimento ESCRITÓRIO TÉCNICO DE ESTUDOS ECONÔMICOS DO NORDESTE ETENE INFORME RURAL ETENE PRODUÇÃO E ÁREA COLHIDA DE CANA DE AÇÚCAR NO NORDESTE Ano 4 200 Nº 20 O nosso negócio

Leia mais

1.6 Têxtil e Confecções. Diagnóstico

1.6 Têxtil e Confecções. Diagnóstico 1.6 Têxtil e Confecções Diagnóstico A indústria de artigos têxteis e confecções é marcada atualmente pela migração da produção em busca de mão-de-obra mais barata ao redor do mundo, facilitada pela baixa

Leia mais

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br

CLIPPING 06/02/2014 Acesse: www.cncafe.com.br CLIPPING Acesse: www.cncafe.com.br Após altas, produtor não deve exercer opção de venda de café Valor Econômico Tarso Veloso e Carine Ferreira Após a sequência de altas do café arábica na bolsa de Nova

Leia mais

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO COMERCIAL SCM / GCE ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS - MAIO DE 2009 Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP Av. Rodrigues Alves, s/ nº - Santos/SP - CEP

Leia mais

Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi

Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi Produtividade e Crescimento Algumas Comparações José Garcia Gasques; Eliana T. Bastos; Constanza Valdes; Mirian Bacchi I Introdução Um estudo organizado por técnicos do Departamento de Agricultura dos

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003. Carne bovina

PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003. Carne bovina PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003 Carne bovina A estimativa da Conab para a produção brasileira de carne bovina, no ano de 2003, as previsões quanto às importações, exportações e a disponibilidade

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: JULHO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Brasília, julho de 2007 Matheus A. Zanella 1 Superintendência Técnica da CNA Este artigo apresenta um panorama dos principais indicadores do mercado mundial de

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 85,0 80,0

110,0 105,0 100,0 95,0 90,0 85,0 80,0 BOI GORDO O ano de 2013 registrou preços elevados para a arroba do boi gordo, em todas as praças pecuárias acompanhadas pelo Sistema FAEB/SENAR. No acumulado do ano, foram verificadas as seguintes valorizações:

Leia mais

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores:

A aceleração da inflação de alimentos é resultado da combinação de fatores: SEGURIDADE ALIMENTARIA: apuesta por la agricultura familiar Seminario: Crisis alimentaria y energética: oportunidades y desafios para América Latina e el Caribe O cenário mundial coloca os preços agrícolas

Leia mais

Agronegócios: momento e perspectivas.

Agronegócios: momento e perspectivas. Agronegócios: momento e perspectivas. Perfil das propriedades rurais brasileiras. Familiares Patronais Região Estabelecimentos Familiares (a) Norte 380.895 Nordeste 2.055.157 Centro-Oeste 162.062 Sudeste

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 0 INTRODUÇÃO Para Filgueira, Fernando Reis, Olericultura é um termo técnico-científico, muito preciso, utilizado no meio agronômico. Derivado

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Janeiro/2016 I Resultados do mês (comparativo jan/2016 jan/2015)

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: ABRIL/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

A contribuição dos Engenheiros para o Moderno Agronegócio Brasileiro

A contribuição dos Engenheiros para o Moderno Agronegócio Brasileiro A contribuição dos Engenheiros para o Moderno Agronegócio Brasileiro Robson Mafioletti Eng. Agr., MSc. Economia Aplicada - Diretor da AEAPR-Curitiba, Conselheiro Titular do CREA/PR Atua na Getec/Ocepar

Leia mais

BALANÇO DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO NO PERÍODO JANEIRO A SETEMBRO DE 2013 1

BALANÇO DAS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE ROCHAS ORNAMENTAIS E DE REVESTIMENTO NO PERÍODO JANEIRO A SETEMBRO DE 2013 1 Informe 15/213 Balanço das Exportações e Importações Brasileiras de Rochas Ornamentais e de Revestimento no Período Janeiro a Setembro de 213 Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS

Leia mais

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição. Página 2.

Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição. Página 2. I N F O R M A T I V O Este Informativo é uma publicação mensal, enviado para 21.625 Parceiros Rurais. Edição nº 20 - Setembro de 2015. Nesta Edição Agricultura Página 2 O Dragão está em xeque? Prezados

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL

PIB do Agronegócio CEPEA-USP/CNA Janeiro a abril de 2008 NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL NÚMEROS BONS E ESTÁVEIS PARA O AGRONEGÓCIO EM ABRIL O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Cepea),

Leia mais

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso Leitõezinhos se alimentam na mãe até os 22 dias de idade, quando seguem para engorda Diversificação, sustentabilidade e dinheiro no bolso Cooperativa em São Gabriel do Oeste, MS, tem faturamento quatro

Leia mais

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado

AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado AGROMENSAL CEPEA/ESALQ Informações de Mercado Mês de referência: AGOSTO/2011 CEPEA - SOJA I - Análise Conjuntural II - Séries Estatísticas 1. Diferenciais de preços 2. Estimativa do valor das alternativas

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL LAPESUI

INFORMATIVO MENSAL LAPESUI INFORMATIVO MENSAL LAPESUI Maio de 2014 Nº 27 EXPORTAÇÕES VOLTAM A ANIMAR SUINOCULTORES Dois anos depois de perdas acumuladas, os suinocultores comemoram o bom preço pago pelo suíno vivo no Brasil. A alta

Leia mais

O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil

O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil Rodrigo Sant Anna Alvim 1 e Marcelo Costa Martins 2 1 Engenheiro Agrônomo, Presidente da Comissão Nacional de Pecuária da CNA 2 Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO

OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Observatório de Políticas Públicas para a Agricultura nº42 - julho 2012 OS DEZ ANOS DO PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR: UM CONVITE À REFLEXÃO Valdemar J. Wesz Junior* Catia Grisa** Na primeira semana

Leia mais

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2015 Vitória, dezembro de 2015 Cesta Básica

Leia mais