REQUISITOS DE COMPARTILHAMENTO PARA INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO EXISTENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REQUISITOS DE COMPARTILHAMENTO PARA INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO EXISTENTES"

Transcrição

1 REQUISITOS DE COMPARTILHAMENTO PARA INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO EXISTENTES Revisão Motivo da revisão Data 0 1 Este documento foi motivado para dar transparência das normas e padrões técnicos comuns das associadas da ABRATE, contemplando os requisitos mínimos de segurança, proteção e operação. Incorporação de requisitos para a implantação de seccionamento de linha de transmissão (Art. 7º, 3º, inciso I da ReN 67/2004). 25/03/ /03/2008 MARÇO / 2008

2 ÍNDICE 1. OBJETIVO REQUISITOS GERAIS REQUISITOS PARA OS ESTUDOS ELÉTRICOS REQUISITOS PARA AS INSTALAÇÕES CIVIS REQUISITOS PARA AS INSTALAÇÕES ELETROMECÂNICAS REQUISITOS PARA INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS AUXILIARES REQUISITOS PARA O SISTEMA DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO - SPCS REQUISITOS PARA O SISTEMA DE TELECOMUNICAÇÕES REQUISITOS PARA A INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRAS, EXECUÇÃO DE OBRAS CIVIS, MONTAGEM E COMISSIONAMENTO REQUISITOS PARA A IMPLANTAÇÃO DE SECCIONAMENTO (ART. 7º, 3º, INCISO (I) DA REN 67/2004)

3 1. OBJETIVO Este documento visa indicar os principais requisitos quanto ao acesso e uso das INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO da ACESSADA, visando manter os padrões mínimos de desempenho do Sistema de Transmissão, para subsidiar as novas ACESSANTES no tocante à rotina que estas deverão seguir, junto à ACESSADA, quando do compartilhamento, de modo a: a. compatibilizar as suas instalações de forma a preservar índices adequados para o desempenho operacional da INSTALAÇÃO DE TRANSMISSÃO existente; b. garantir a segurança da INSTALAÇÃO DE TRANSMISSÃO existente e das pessoas que circulem nesta instalação; c. atender os requisitos e critérios de projeto da ACESSADA, compatibilizando as suas instalações com os projetos arquitetônicos, civis, eletromecânicos, de telecomunicações e de proteção, controle e supervisão da INSTALAÇÃO DE TRANSMISSÃO existente; d. projetar e implantar as suas instalações promovendo ações para melhor caracterizar as respectivas responsabilidades pela operação e manutenção; e. buscar a auto-suficiência operacional das instalações das ACESSANTES; f. assegurar a qualidade da prestação de SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSMISSÃO de energia elétrica; g. não comprometer ampliações futuras dos sistemas de ACESSADA. 2. REQUISITOS GERAIS a. O compartilhamento da infra-estrutura do SERVIÇO PÚBLICO DE TRANSMISSÃO existente dar-se-á mediante instrumento contratual próprio a título oneroso. b. O projeto das instalações da ACESSANTE deverá ser concebido de forma a propiciar a máxima independência das instalações físicas e elétricas, do serviço e da infra-estrutura das PARTES. c. O compartilhamento de qualquer instalação, serviço ou infra-estrutura não poderá imputar quaisquer ônus à ACESSADA. d. Os custos incorridos pela ACESSADA nas atividades de análise de projetos, atualização de estudos, fornecimento de documentos técnicos, fiscalização da obra, acompanhamento do COMISSIONAMENTO das instalações da ACESSANTE e a realização do COMISSIONAMENTO nas modificações das INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes, serão ressarcidos pela ACESSANTE. e. A ACESSANTE é responsável pela implantação de qualquer equipamento ou sistema necessário à integração das suas instalações às INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes. f. A implantação de modificações e eventuais compartilhamentos das INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes, pretendidas pela ACESSANTE, deverão ser identificados na definição dos critérios de projeto, de forma que esta filosofia seja contemplada desde o início do desenvolvimento do projeto executivo, bem como não poderão, em qualquer hipótese, vir a prejudicar a operação e manutenção das INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO da ACESSADA, em todos os seus aspectos. 3

4 g. Todas as ações e efeitos resultantes do acesso à Rede Básica deverão preservar as condições estabelecidas no Edital de Licitação, no Contrato de Concessão e no CPST Contrato de Prestação de Serviços de Transmissão da ACESSADA. h. A ACESSADA deverá aceitar somente os projetos que contemplem na íntegra o Edital de Licitação, o Contrato de Concessão e o CPST Contrato de Prestação de Serviços de Transmissão das PARTES, os Procedimentos de Rede e os requisitos técnicos da ACESSADA. i. O acesso às INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes da ACESSADA e o início da execução das obras somente poderão ser efetivados após a assinatura do Contrato de Compartilhamento, regulando as responsabilidades das PARTES, e após o credenciamento, junto à ACESSADA, do responsável indicado pela ACESSANTE para execução do serviço. j. O estabelecimento do cronograma de implantação, a entrega pela ACESSANTE e a liberação pela ACESSADA do respectivo projeto executivo, conforme procedimentos de tramitação de documentos de projeto previamente acertados entre as PARTES, constituem pré-requisitos para a execução de cada uma das atividades de implantação das instalações da ACESSANTE. k. O Contrato de Compartilhamento deverá contemplar relações técnicas e comerciais entre as PARTES, cujo escopo das atividades deverá incluir, no mínimo, a análise dos estudos e projetos e o critério para acompanhamento da construção e do comissionamento. l. As atividades que envolvam somente a implantação das instalações da ACESSANTE, ou seja, sem vínculo com as INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes, serão de responsabilidade única e exclusiva da ACESSANTE, que poderá, a seu critério, contratar a ACESSADA para a execução das atividades relacionadas ao projeto, envolvendo a realização das Especificações Técnicas, o Detalhamento do Fornecimento, os Desenhos de Fabricação, a Elaboração do Projeto Executivo, o Acompanhamento da Obra e a Elaboração do Conforme Construído. m. Todos os projetos elaborados ou revisados pela ACESSANTE que venham a interferir com as INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes, deverão adotar os mesmos padrões e critérios utilizados pela ACESSADA em conteúdo, formatação, apresentação e numeração e deverão ser liberados pela ACESSADA. n. Todas as revisões ou atualizações de quaisquer desenhos ou documentos que contenham, mesmo que parcialmente, representações das INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes da ACESSADA, somente serão reconhecidas e liberadas, se efetuadas sobre os originais da ACESSADA. o. A ACESSANTE deverá disponibilizar a documentação técnica requerida, em quantidade e forma definidas pela ACESSADA. p. A ACESSANTE será responsável pelo atendimento de normas ambientais e pela obtenção das licenças eventualmente necessárias, decorrentes do compartilhamento das INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO. 3. REQUISITOS PARA OS ESTUDOS ELÉTRICOS a. A ACESSANTE deverá realizar todos os estudos, que deverão ser especificados pela ACESSADA, necessários à compatibilização de suas INSTALAÇÕES com as INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes da ACESSADA, sendo de sua responsabilidade a implementação das adequações que se fizerem necessárias. 4

5 b. A ACESSANTE é responsável pela disponibilização, à ACESSADA e ao ONS, de todos os dados das suas instalações necessários à realização de estudos elétricos, especificados pela ACESSADA, tais como impedâncias de acoplamento mútuo com INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes e parâmetros de sistemas de controle de equipamentos de compensação reativa. c. A ACESSANTE deverá realizar estudos complementares solicitados pela ACESSADA para avaliar o impacto das suas instalações sobre as INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes. 4. REQUISITOS PARA AS INSTALAÇÕES CIVIS a. Os projetos civis da INSTALAÇÃO DE TRANSMISSÃO existente serão disponibilizados à ACESSANTE, que providenciará as respectivas revisões segundo a alínea m dos Requisitos Gerais deste documento. b. Os padrões da ACESSADA aplicáveis ao empreendimento serão disponibilizados à ACESSANTE. As alterações nos padrões propostas pela ACESSANTE deverão ser analisadas e liberadas pela ACESSADA. c. Os sistemas de proteção, controle, supervisão, telecomunicação e serviços auxiliares da ACESSANTE deverão ser abrigados em edificações/instalações próprias e independentes. Caso acordado entre as PARTES, as edificações existentes poderão ser ampliadas, com acesso independente. d. Se for verificada a impossibilidade de construção de novas edificações na área da ACESSADA e/ou ampliação das edificações existentes, uma nova área deverá ser adquirida pela ACESSANTE. e. A análise quanto à possibilidade de ampliação das edificações existentes ou construção de novas edificações deve ser elaborada em conjunto pelas PARTES. f. Os alambrados, cercas, portões, edificações e vias a serem construídos e/ou ampliados, deverão ter as mesmas características das INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes, adotando o mesmo padrão arquitetônico e de construção civil. g. Para o acesso às INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes, a ACESSANTE deverá prover, sempre que necessário, entrada independente, sendo que essa deverá ter as mesmas características e os mesmos padrões de segurança da entrada existente. h. As canaletas, construídas de forma independente, suportes de equipamentos e estruturas metálicas deverão seguir os padrões adotados pela ACESSADA para a instalação em questão. i. O sistema de drenagem das novas instalações e a construção dos taludes devem seguir os padrões das INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes. j. Visando a preservação do meio ambiente, a ACESSANTE deverá prover caixa separadora de água e óleo e caixas coletoras de óleo para os transformadores e reatores, construídas de forma independente, utilizando os padrões e critérios da ACESSADA. k. Para separar as unidades de transformadores ou de reatores (existentes, a instalar ou futuros) deverão ser utilizadas paredes corta-fogo, devendo ser adotados os critérios de projeto da ACESSADA. 5

6 l. A ACESSANTE deverá prover sistema de proteção contra incêndio para as suas INSTALAÇÕES, adotando, no mínimo, os mesmos projetos, padrões e critérios de aplicação da ACESSADA. m. Deverão ser realizados pela ACESSANTE novos pontos de sondagem para subsidiar a análise do solo. n. Em caso de atividades envolvendo detonação de explosivos, a ACESSANTE deverá fornecer à ACESSADA, com antecedência mínima de 30 (trinta) dias, cronograma detalhado, para análise e liberação pela ACESSADA, informando as datas, horários, locais das detonações, qualificação do blaster, autorização do Exército e expectativa de disseminação das vibrações, dentre outros. 5. REQUISITOS PARA AS INSTALAÇÕES ELETROMECÂNICAS a. A ACESSANTE é responsável pela provisão de equipamentos e materiais de reserva para as suas instalações. b. Os projetos eletromecânicos da INSTALAÇÃO DE TRANSMISSÃO existente serão disponibilizados à ACESSANTE, que providenciará as revisões segundo a alínea m dos Requisitos Gerais deste documento. c. Os padrões da ACESSADA aplicáveis ao empreendimento serão disponibilizados à ACESSANTE. As alterações nos padrões propostas pela ACESSANTE deverão ser analisadas e liberadas pela ACESSADA. d. A ACESSANTE deverá: d.1. d.2. d.3. d.4. d.5. adotar o mesmo esquema de manobra utilizado na INSTALAÇÃO DE TRANSMISSÃO existente; preservar o arranjo físico adotado na INSTALAÇÃO DE TRANSMISSÃO existente; adotar a mesma formação e bitola dos barramentos existentes, das interligações entre barramentos e equipamentos, das descidas e das interligações entre equipamentos; adotar o mesmo critério de projeto de aterramento e utilizar cabeamento compatível para a malha de aterramento, seguindo os padrões de ACESSADA; adotar os mesmos critérios de projeto para iluminação, proteção contra descargas atmosféricas e compatibilidade eletromagnética das INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes. 6. REQUISITOS PARA INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS AUXILIARES a. A ACESSANTE deverá prover sistemas de alimentação CA e CC próprios e independentes. b. Caso seja indispensável o compartilhamento de serviços auxiliares CA existentes, e desde que haja disponibilidade de carga e circuitos, a ACESSANTE deverá elaborar o projeto de comum acordo entre as PARTES, conforme os padrões e critérios da ACESSADA. c. Os cabos de alimentação, controle, força e fibras óticas deverão ser abrigados em canaletas ou eletrodutos próprios e independentes, seguindo os padrões e critérios de ACESSADA. 6

7 d. Caso seja indispensável o compartilhamento de trechos de canaletas existentes, os cabos deverão ser identificados e a ACESSADA ficará isenta de todos os ônus decorrentes de eventuais incidentes. e. Os dutos destinados ao uso dos cabos de fibras ópticas deverão ser identificados ao longo do percurso. f. A ACESSANTE deverá implantar área física para o alojamento de seu pessoal e acondicionamento de materiais e ferramentas, provendo-a da infra-estrutura necessária. 7. REQUISITOS PARA O SISTEMA DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO - SPCS a. A ACESSANTE é responsável pela implantação de qualquer equipamento ou sistema que seja necessário à integração das suas instalações às INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO da ACESSADA, relacionados aos Sistemas de Proteção, Controle e Supervisão (SPCS) existentes. b. A implantação de eventuais adequações nos painéis existentes será realizada pela ACESSADA, e os respectivos custos ressarcidos pela ACESSANTE. c. A ACESSADA fornecerá o padrão dos desenhos, critérios e demais documentos necessários, relativos aos painéis existentes, a serem seguidos pela ACESSANTE na elaboração do projeto. d. A ACESSADA providenciará o fornecimento de uma cópia em papel dos desenhos dos painéis existentes, para que a ACESSANTE efetue o lançamento das alterações, usando, para identificação das modificações, o padrão de cores convencionado pela ACESSADA, cuja cópia será encaminhada para posterior análise e liberação. A forma de atualização dos originais dos documentos de projeto será acordada entre as PARTES, no sentido de salvaguardar a fidelidade da informação, sendo que os custos incorridos pela ACESSADA serão contemplados no ressarcimento efetuado pela ACESSANTE. e. Em prazo acertado entre as PARTES, contado a partir do término do comissionamento do SPCS, a ACESSANTE emitirá a versão conforme construído de todos os documentos do projeto, contemplando inclusive a fiação interna dos painéis, cuja forma de atualização também será acordada entre as PARTES, sendo os custos incorridos pela ACESSADA contemplados no ressarcimento efetuado pela ACESSANTE. f. A ACESSADA deverá participar dos testes de simulação da proteção, das atividades de verificação do projeto em plataforma (Simulação da Integração do SPCS) e da sua aprovação final, sendo os custos incorridos pela ACESSADA contemplados no ressarcimento efetuado pela ACESSANTE. g. A ACESSANTE deverá utilizar relés com contatos livres de potencial para executar as funções de interface de proteção, controle e supervisão entre o bay da sua instalação e os demais bays das INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes, respeitando a filosofia de proteção e controle existente na instalação. h. Caso haja necessidade de substituição de relés de proteção e ou de sistemas de sincronismo, dentre outros, em função da implantação do empreendimento da ACESSANTE, as alterações deverão ser propostas por esta, ficando a implantação das modificações condicionada à prévia análise e liberação pela ACESSADA. 7

8 i. O console microprocessado (IHM) para operação local deverá atender aos padrões técnicos da ACESSADA e ser dedicado e exclusivo; os eventos, alarmes, indicação de estado e comandos, quando de sistemas digitais, deverão ser compatíveis com os equipamentos existentes na instalação. Todas as informações referentes à proteção, controle e supervisão do novo equipamento, necessárias a operação, deverão estar disponibilizadas na sala de controle da instalação, bem como compatíveis e adequadas para acesso remoto. j. Serão de responsabilidade da ACESSANTE, se necessárias, a parametrização, adaptação e atualização dos sistemas digitais existentes na instalação acessada e no Centro de Operação do Sistema, incluindo os equipamentos de interface com os sistemas de proteção, controle e medição da ACESSANTE, bem como as IHM e os equipamentos para acesso remoto existentes. k. Os critérios para uso do disjuntor de interligação de barras de alta tensão da ACESSADA, bem como outros critérios relacionados à instalação da ACESSANTE, deverão ser estabelecidos de forma a maximizar a sua independência operativa em relação às INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes. l. A tomada de decisão sobre todas as definições que tiverem interface com as INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes, tais como filosofia de proteção adotada, teleproteção, medição de faturamento, intercâmbio de bases de dados, dentre outras, deverá ser acordada entre as PARTES. 8. REQUISITOS PARA O SISTEMA DE TELECOMUNICAÇÕES a. A ACESSANTE deverá prover Sistema de Telecomunicações próprio e independente. b. As interligações com o Sistema de Telecomunicações da ACESSADA, caso sejam indispensáveis, deverão seguir os padrões da ACESSADA para fins de proteção e isolamento nas interfaces, sendo os materiais e equipamentos necessários à interface de responsabilidade do ACESSANTE. c. As PARTES acordarão a forma de atualização dos originais dos projetos, sendo os custos com a atualização suportados pela ACESSANTE. d. Toda documentação deverá ser submetida previamente para análise e liberação da ACESSADA. e. No caso de necessidade de implantação de torre de telecomunicações, deverá ser observado o padrão utilizado pela ACESSADA, sendo que o projeto deverá ser submetido à sua análise e liberação. f. No caso dos sistemas de teleproteção envolvendo as INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes, é vedada a utilização da rede pública de Telecomunicações como meio de transmissão principal, visando maior segurança, confiabilidade e disponibilidade. g. Ficará a cargo da ACESSANTE a responsabilidade pelo(s) Plano(s) de Freqüências a ser(em) utilizado(s), bem como pelas atividades de licença/legalização junto aos órgãos competentes. 8

9 9. REQUISITOS PARA A INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRAS, EXECUÇÃO DE OBRAS CIVIS, MONTAGEM E COMISSIONAMENTO a. O canteiro de obras deverá ser instalado em área externa à da ACESSADA. Entretanto, não sendo possível, a definição e delimitação da área que será utilizada para o canteiro de obras da ACESSANTE serão acordadas entre as PARTES, devendo o local ser isolado das demais áreas energizadas. b. O acesso dos empregados da ACESSANTE, ou de terceiros por esta contratados, às INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes, será controlado pela ACESSADA, sendo que todos deverão estar devidamente uniformizados, identificados por uso de crachás e usando equipamentos de proteção individual EPI s, bem como deverão ter sido treinados previamente, conforme instruções da ACESSADA, quanto à Segurança e Higiene do Trabalho. c. A ACESSANTE deverá manter permanentemente junto à ACESSADA, a relação atualizada dos supervisores de serviço que se responsabilizarão pelo pessoal da ACESSANTE que terá acesso às INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes. d. A ACESSANTE deverá garantir o cumprimento das normas de Segurança e Higiene do Trabalho da ACESSADA nas INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes, delegando à ACESSADA o direito de tomar as providências necessárias para a retirada daqueles que porventura venham a transgredir as referidas normas, ou que tenham conduta ou comportamento impróprios. e. O aprovisionamento de água/esgoto, energia e comunicação necessárias à obra será de responsabilidade da ACESSANTE, porém o projeto para instalação da infra-estrutura necessária deverá ser analisado e liberado por ACESSADA. f. Todo o entulho e material, inclusive de escavação, deverá ter sua disposição final de acordo com a legislação vigente. g. As áreas de empréstimo para reaterro, quando necessárias, deverão ser providenciadas pela ACESSANTE e recuperadas ao final do empreendimento com a recomposição da vegetação. h. Após a conclusão da obra, o canteiro deverá ser desmontado e a área devidamente recomposta conforme seu estado original, inclusive quanto à vegetação. i. Havendo necessidade de desligamento para execução de algum serviço, o mesmo deverá ser solicitado pela ACESSANTE à ACESSADA com 40 (quarenta) dias de antecedência. Neste caso, a ACESSANTE ressarcirá a ACESSADA de eventuais custos incorridos com o referido desligamento. j. As PARTES acordarão os procedimentos e a programação de desligamentos necessários à implantação das instalações da ACESSANTE, à luz dos Procedimentos de Rede. k. Durante todas as fases de montagem da obra e comissionamento, todas as pessoas ligadas à ACESSANTE envolvidas nos serviços, deverão conhecer e seguir as Normas de Segurança da ACESSADA. l. A ACESSADA realizará todo o comissionamento que envolva as INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes, bem como efetuará o acompanhamento do comissionamento das instalações da ACESSANTE, sendo os custos incorridos pela ACESSADA ressarcidos pela ACESSANTE. m. As PARTES estabelecerão em conjunto os procedimentos técnicos e administrativos que irão adotar durante a fase de comissionamento. 9

10 n. As planilhas de testes e ensaios de comissionamento dos Sistemas de Proteção e Controle e dos demais sistemas que envolvam as INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO existentes, deverão ser submetidas à ACESSADA para análise e liberação. 10. REQUISITOS PARA A IMPLANTAÇÃO DE SECCIONAMENTO (Art. 7º, 3º, inciso (I) da ReN 67/2004) 1 a. separação física no terreno (áreas contíguas independentes) é um requisito de acesso para ser utilizado especificamente em novas instalações que forem concebidas para a implantação de seccionamento de linhas e tem o objetivo de melhor caracterizar as responsabilidades pelas ações de operação e manutenção. b. Para permitir a operação telecomandada das entradas de linha (ELs) a serem implantadas nova SE Seccionadora, a partir do terminal remoto determinado pela ACESSADA, é necessário o atendimento, pela ACESSANTE, aos seguintes requisitos operacionais: b.1. Implantação de Sistema Digital no terminal remoto, com Telecomando (disjuntores e chaves) e Telesurpervisão Completa (medição, alarmes e sinalizações) para permitir a operação das ELs da nova SE Seccionadora a partir daquela SE. b.2. Disponibilização na nova SE Seccionadora de Interface Humano-Máquina para operação local, a partir de único ponto da SE. b.3. Disponibilização de Telecomando e Telesupervisão dos disjuntores e chaves seccionadoras (medição, alarmes e sinalizações) no sistema SAGE do Centro de Operação Regional da transmissora proprietária da linha seccionada. b.4. Implantação de Câmeras de Vídeo para supervisão das Entradas de Linhas nova SE Seccionadora inclusive permitindo a visualização das condições de abertura/fechamento das chaves seccionadoras, disponibilizando as imagens no terminal remoto. b.5. Disponibilização de uma sala de apoio na nova SE Seccionadora para acomodação das equipes de manutenção e operação da ACESSADA. c. A ACESSANTE deverá fornecer à ACESSADA treinamento e capacitação adequados de todos os equipamentos, sistemas de proteção, controle, supervisão, telecomunicações e demais equipamentos auxiliares, adquiridos pela mesma, os quais a ACESSADA terá a responsabilidade de executar a manutenção e operação. Dessa forma, a ACESSADA deverá participar de todo o pré-operacional, entendendo-se essa atividade como a aquisição de conhecimento e participação ativa nas seguintes fases: c.1. Projeto Básico c.2. Especificações Técnicas dos equipamentos c.3. Desenhos funcionais e dimensionais c.4. Manuais de instruções c.5. Data Book (coletânea dos ensaios técnicos realizados em fábrica) c.6. Projetos executivos c.7. Projetos funcionais 1 Referência: Edital de Leilão ANEEL 002/2000 Lote C Anexo 7C itens 7 e 8 10

11 c.8. Ensaios de Fábrica (tipo e performance) c.9. Treinamento com os fabricantes c.10. Definição dos sobressalentes e ferramentas especiais c.11. Montagem e comissionamento das instalações d. A ACESSANTE será responsável pelo fornecimento para ACESSADA de todas as ferramentas e acessórios necessários para o comissionamento, ensaios e manutenção dos equipamentos e dispositivos a serem transferidos. REQUISITOS DE COMPARTILHAMENTO_D.doc

PCT 150609 V1E1 PROCEDIME TOS DE CO EXÃO DA TRA SMISSÃO ACESSO AO SISTEMA DE TRA SMISSÃO DA CEEE GT I DICE

PCT 150609 V1E1 PROCEDIME TOS DE CO EXÃO DA TRA SMISSÃO ACESSO AO SISTEMA DE TRA SMISSÃO DA CEEE GT I DICE PROCEDIMENTO ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO DA CEEE-GT 1/12 da Emissão Número Documento PROCEDIME TOS DE CO EXÃO DA TRA SMISSÃO ACESSO AO SISTEMA DE TRA SMISSÃO DA CEEE GT I DICE 1. I TRODUÇÃO... 2 2.

Leia mais

1. EVENTOS VINCULADOS AO EMPREENDIMENTO. EVENTO Aceite da Ordem de Serviço/Consolidação do Cronograma.

1. EVENTOS VINCULADOS AO EMPREENDIMENTO. EVENTO Aceite da Ordem de Serviço/Consolidação do Cronograma. GERAL O objetivo deste documento é definir critérios para ressarcimento de eventos de pagamentos e Eventos Críticos e permitir a emissão, por parte do Contratado, do Relatório de Cumprimento de Eventos.

Leia mais

Número da Licitação CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4

Número da Licitação CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4 CO.DAQ.G.0020.2012 1/9 ESCLARECIMENTO Nº 4 Seguem abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da Licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Gostaria de solicitar

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 03

ESCLARECIMENTO Nº 03 PE.GCM.A.00130.2013 1/30 ESCLARECIMENTO Nº 03 FURNAS Centrais Elétricas S.A. comunica resposta ao pedido de esclarecimento sobre o Edital, efetuado por empresa interessada: 1. GERAL Entendemos que os Relés

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS

INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS INSTRUÇÃO TÉCNICA 06 PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS, COMUNICAÇÃO E SISTEMAS DE PREVENÇÃO DE DESCARGAS ATMOSFÉRICAS 1 OBJETIVO Revisão 00 fev/2014 1.1 Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam

Leia mais

ASSUNTO: CO.APR.T.013.2004 CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO.

ASSUNTO: CO.APR.T.013.2004 CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO. ASSUNTO: CONSTRUÇÃO CIVIL E MONTAGEM ELETROMECÂNICA, COM FORNECIMENTO DE MATERIAIS E SISTEMAS, DA SE IVAIPORÃ 7ª AMPLIAÇÃO. ESCLARECIMENTOS N 04 1) Transcrevemos abaixo, perguntas de empresas participantes

Leia mais

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz

Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz 1 Instalação de Serviços de Comunicação de Dados e Voz Prezado Usuário, A partir de agora você estará utilizando um sistema que integra Dados, Voz e Imagem em uma rede de alta confiabilidade, com equipamentos

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A GERÊNCIA DE EXPANSÃO DE SISTEMAS TGE PROJETO BÁSICO Nº 014/07 PROJETO BÁSICO TGE/014/2007 1- OBJETIVO Especificar os serviços quanto à CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DE BAY 69 kv E INSTALAÇÃO DE 01 BANCO DE CAPACITORES DE 7,6 MVAr NA SE VILHENA I, com fornecimento

Leia mais

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005

Cent rais Elétricas de R ondônia S /A Cons t rução da S ubes tação de Alto P araís o PROJETO BÁSICO 001/2005 PROJETO BÁSICO 001/2005 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA CONSTRUÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE ALTO PARAÍSO 34,5/13.8 kv 10/12,5MVA 1- OBJETIVO Este projeto tem por finalidade especificar os serviços para CONTRATAÇÃO

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Assunto: NOTA DE ESCLARECIMENTO N.º 03 Processo: CONCORRÊNCIA N.º 001/2010 Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS BÁSICOS E EXECUTIVOS DE SUBESTAÇÕES E LINHAS DE TRANSMISSÃO DO SISTEMA

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MOBILIZAÇÃO, CONSTRUÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DO CANTEIRO 1. VIA DE ACESSO 1.1 - GENERALIDADES Será utilizada como acesso às obras, durante a fase de construção, as vias já existentes

Leia mais

CONTRATO DE COMPARTILHAMENTO DE INSTALAÇÕES

CONTRATO DE COMPARTILHAMENTO DE INSTALAÇÕES ANEXO 5 CONTRATO DE COMPARTILHAMENTO DE INSTALAÇÕES CCI MODELO ÍNDICE TÍTULO I - DEFINIÇÕES... 5 CLAUSULA 1ª... 5 TÍTULO II OBJETO... 6 CLAUSULA 2ª... 6 CLÁUSULA 3ª... 6 CLÁUSULA 4ª... 6 TÍTULO III PRAZO

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano SISTEMA VLT AUDIÊNCIA PÚBLICA AQUISIÇÃO DE SISTEMAS Dezembro/2011 LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO 2 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO VLT Legenda: Traçado VLT: Trecho

Leia mais

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento Submódulo 2.2 Instalação do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS RELACIONADOS COM A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DAS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS HABITACIONAIS

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 Dispõe sobre as diretrizes básicas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, destinados

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição

Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais. Celso Yamada - Gerência de Engenharia de Medição ID-6.016 Adequação do Sistema de Medição em Consumidores Livres e Especiais Instrução Técnica Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia de Medição Elaborado por: Colaboradores: Verificado

Leia mais

Eletrobrás. Chesf. DIVISÃO DE ENGENHARIA DE TRANSMISSÃO ELETROBRÁS S/A Dezembro, 2005.

Eletrobrás. Chesf. DIVISÃO DE ENGENHARIA DE TRANSMISSÃO ELETROBRÁS S/A Dezembro, 2005. Eletrobrás ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ANEEL / ELETROBRÁS GRUPO DE DIRETRIZES PARA ORÇAMENTOS DE SUBESTAÇÕES Chesf Eletrosul DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE ORÇAMENTOS DE SUBESTAÇÕES DIVISÃO DE ENGENHARIA

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP 1 INDÍCE 1 - OBJETIVO 2 - NORMAS APLICÁVEIS 3 - GENERALIDADES

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 506, DE 4 DE SETEMBRO DE 2012. (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Voto Estabelece as condições de acesso ao sistema de

Leia mais

1.1 Fundação... 3 1.2 Objetivo... 3

1.1 Fundação... 3 1.2 Objetivo... 3 1 - HISTÓRICO E OBJETIVO DA EMPRESA 1.1 Fundação... 3 1.2 Objetivo... 3 2 DIVISÃO DE SERVIÇOS 2.1 MONTAGENS 2.1.1 Montagens elétricas em média e baixa tensão;... 4 2.1.2 Sistemas de proteção contra descargas

Leia mais

ANEXO I. Check list UHE/PCH AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL DESPACHO Nº 2.117, DE 26 DE JUNHO DE 2012.

ANEXO I. Check list UHE/PCH AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL DESPACHO Nº 2.117, DE 26 DE JUNHO DE 2012. ANEEL DESPACHO Nº 2.117, DE 26 DE JUNHO DE 2012. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ANEEL, no uso de suas atribuições regimentais, tendo em vista deliberação da Diretoria e o que consta no Processo

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O

A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D E C O N S T R U Ç Ã O D E

Leia mais

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR NOME DA EMPRESA CHECK LIST - NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 Empresa: Inspetor (es): Data da Inspeção: / / Responsável pelo Local de Trabalho / Setor: Local de Trabalho / Setor: ITENS DESCRIÇÃO SIM DA INSPEÇÃO

Leia mais

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense

MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense MEMO Nº 022/ENG/IFC/2010 Blumenau, 15 de julho de 2010. Ao: Pró Reitor de Desenvolvimento Institucional ANTÔNIO A. RAITANI JÚNIOR Do: Departamento de Engenharia do Instituto Federal Catarinense Assunto:

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E REQUISITOS TÉCNICOS ESPECÍFICOS

CARACTERÍSTICAS E REQUISITOS TÉCNICOS ESPECÍFICOS ANEXO 6D LOTE D INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO COMPOSTAS POR LT 500 kv SAPEAÇU MORRO DO CHAPÉU II E LT 230 kv JUAZEIRO DA BAHIA II JUAZEIRO DA BAHIA III SE 500/230 kv MORRO DO CHAPÉU II E SE 500/230/69 kv

Leia mais

CARLOS ROBERTO SUTTER

CARLOS ROBERTO SUTTER CARLOS ROBERTO SUTTER CREA-RJ.: xxxxx Engenheiro Eletricista - UFRJ, 1971. Idiomas: Inglês Cursos e Aperfeiçoamento Máquinas Elétricas -por Edward T. metcalf, PROMON, Rio de Janeiro, 1978, 1979 Congressos

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

COMISSIONAMENTO DE BANCOS DE CAPACITORES SÉRIE CONVENCIONAIS E CONTROLADOS A TIRISTORES

COMISSIONAMENTO DE BANCOS DE CAPACITORES SÉRIE CONVENCIONAIS E CONTROLADOS A TIRISTORES GSE/ 03 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDOS DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) COMISSIONAMENTO DE BANCOS DE CAPACITORES SÉRIE CONVENCIONAIS E

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 001, DE 24 DE NOVEMBRO DE 1999 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49

COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 Página 1 de 13 COMUNICADO TÉCNICO Nº 49 PADRÃO DE ENTRADA INDIVIDUAL ECONÔMICO COM POSTE DE AÇO E CAIXA DE POLICARBONATO TIPO PP Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP TERMO DE REFERÊNCIA 011/2010 - DOP PROJETO DE AUTOMAÇÃO DAS SUBESTAÇÕES ARIQUEMES, JARU, JI-PARNÁ I, CACOAL, PIMENTA BUENO, ESPIGÃO

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 53

COMUNICADO TÉCNICO Nº 53 Página 1 de 8 COMUNICADO TÉCNICO Nº 53 FIBRA ÓPTICA COMO MEIO DE COMUNICAÇÃO PADRÃO DE EQUIPAMENTOS APLICADOS NA PROTEÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Automação ELABORADO POR: COLABORADORES:

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

DIRETRIZES TÉCNICO-ORÇAMENTÁRIAS PARA PEDIDO DE FINANCIAMENTO DE EMPREENDIMENTO DE TRANSMISSÃO. Apresentação

DIRETRIZES TÉCNICO-ORÇAMENTÁRIAS PARA PEDIDO DE FINANCIAMENTO DE EMPREENDIMENTO DE TRANSMISSÃO. Apresentação CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS DIRETORIA TRANSMISSÃO DT SUPERINTENDÊNCIA DE ENGENHARIA E MONITORAMENTO DE OBRAS TRANSMISSÃO TE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE DE TRANSMISSÃO

Leia mais

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 001/2007 1 ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA ESTABELECE, RESPONSABILIDADES DIVERSAS, TIPOS E HORÁRIO DE COBERTURA DE SUPORTE, E DEMAIS RESPONSABILIDADES DA CONTRATADA RELATIVAS

Leia mais

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO BÁSICO DE AUTOMAÇÃO

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO BÁSICO DE AUTOMAÇÃO 01 DEZEMBRO 2005 SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO PROJETO BÁSICO DE AUTOMAÇÃO SCAI Automação Ltda. ESCOPO DOS SERVIÇOS Os serviços deverão ser desenvolvidos

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16

COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO. Página 1 de 16 Página 1 de 16 COMUNICADO TÉCNICO CT - 56 SOLICITAÇÃO DE ATENDIMENTO TÉCNICO ATRAVÉS DOS CANAIS DE ATENDIMENTO ELETRÔNICO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição Gerência

Leia mais

ANEXO II - Termo de Referência

ANEXO II - Termo de Referência ANEXO II - Termo de Referência 1. OBJETIVO: O presente Termo de Referência tem por objetivo estabelecer as condições mínimas para a contratação de uma empresa de engenharia para a implementação do projeto

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA 02 PROJETOS DE INFRAESTRUTURA : FUNDAÇÃO 1. OBJETIVO 1.1. Estas Instruções Normativas de Projeto apresentam os procedimentos, critérios e padrões a serem adotados para elaboração dos

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Planejamento, Programação e Controle. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Planejamento, Programação e Controle Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Conceitos Gerais Planejamento formal, que compreende, normalmente 5 fases: Estudo de viabilidade técnica, econômica e financeira; Projeto

Leia mais

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS Soluções em Tecnologia de Automação e Informação SOLUÇÕES INDUSTRIAIS LOGANN Soluções Especiais ESPECIALIDADES AUTOMAÇÃO E CONTROLE INDUSTRIAL Atuação em sistemas de controle, aquisição de dados e supervisão

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 24/2014

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 24/2014 ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 24/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: Associação UTC América Latina AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Audiência Pública nº 024/2014

Leia mais

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga

SUBESTAÇÕES. SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SUBESTAÇÕES SCMS Sistema de monitoramento de corrente de fuga SCMS / STRAY CURRENT MONITORING SYSTEM (SISTEMA DE MONITORAMENTO DE CORRENTE DE FUGA) Definição de corrente de fuga O funcionamento dos sistemas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA -2

TERMO DE REFERÊNCIA -2 TERMO DE REFERÊNCIA -2 1. O PROJETO Título do Projeto: Reforma e Ampliação das Promotorias de Justiça de Direitos Constitucionais e Patrimônio Público e Promotorias de Justiça de Ações Constitucionais

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 187, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 187, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 187, DE 2006 Altera o art. 193 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que dispõe sobre atividades ou operações perigosas no trabalho e o art. 1º da Lei nº 7.369, de 20

Leia mais

Blumenau, maio de 2010.

Blumenau, maio de 2010. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELÉTRICO, TELEFÔNICO E CABEAMENTO ESTRUTURADO Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. INSTRUÇÕES GERAIS... 4 5. INSTALAÇÕES

Leia mais

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO DD-27 GERADOR DE OZÔNIO MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA www.deox.com.br Página 1 de 6 SUMÁRIO 1 INSTRUÇÕES GERAIS... 2 2 ESPECIFICAÇÕES DO EQUIPAMENTO... 2 3 INSTALAÇÃO... 3 3.1 SOLICITAÇÕES

Leia mais

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES

índice 02 CONDIÇÕES BÁSICAS Prezado cliente, REDE DE ACESSO PARA INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ACOMODAÇÕES DE EQUIPAMENTOS CABOS E CONEXÕES Prezado cliente, índice Bem-vindo à GVT. Agora sua empresa conta com soluções inovadoras de voz, dados e Internet com o melhor custo-benefício. Para garantir a qualidade dos serviços e aproveitar todos

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

PAINÉIS DE PROTEÇÃO E CONTROLE - AT

PAINÉIS DE PROTEÇÃO E CONTROLE - AT PAINÉIS DE PROTEÇÃO E CONTROLE - AT A Energesp iniciou suas atividades no ano de 2001 com a fabricação de toda a linha de painéis elétricos para o ramo da construção civil. Atualmente, além da fabricação

Leia mais

Automação de Subestações

Automação de Subestações Automação de Subestações Geração Distribuição Transmissão Indústria Produtos e Serviços: Merging Units Gateway DNP -IEC 61850 Projeto, Integração, TAF, TAC Montagem de Painéis Configuração de Sistemas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR

MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR MEMORIAL DESCRITIVO PROPRIETÁRIO...AUTARQUIA MUNICIPAL DE TURISMO - GRAMADOTUR OBJETO...CONTRATAÇÃO DE EMPRESA HABILITADA PARA REFORMA DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DOS PAVILHÕES 1 E 2 EVENTOS...CENTRO DE

Leia mais

"TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS "TERMO DE REFERÊNCIA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS I - OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada em serviços de Infraestrutura com manutenção corretiva, manutenção preventiva, instalações, desinstalações,

Leia mais

Apresentação Comercial

Apresentação Comercial Apresentação Comercial KV SERVIÇOS DE ENGENHARIA LTDA CNPJ: 18.827.807/0001-68 Sede em Barueri Rua Pirituba, 243 +55 11 4168-2622 - +55 11 4168 2036 - +55 11 99312-2729 A empresa e sua estratégia A KV

Leia mais

Apresentação Comercial. KV SERVIÇOS DE ENGENHARIA LTDA CNPJ: 18.827.807/0001-68 Sede em Barueri Rua Pirituba, 243 +55 11 4168-2622 - +55 11 4168 2036

Apresentação Comercial. KV SERVIÇOS DE ENGENHARIA LTDA CNPJ: 18.827.807/0001-68 Sede em Barueri Rua Pirituba, 243 +55 11 4168-2622 - +55 11 4168 2036 Apresentação Comercial KV SERVIÇOS DE ENGENHARIA LTDA CNPJ: 18.827.807/0001-68 Sede em Barueri Rua Pirituba, 243 +55 11 4168-2622 - +55 11 4168 2036 A empresa e sua estratégia A KV Serviços de Engenharia

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP

PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP PREGÃO PRESENCIAL Nº 005/2014-EMAP O Pregoeiro da Empresa Maranhense de Administração Portuária - EMAP, designado pela Portaria nº 149/2013-PRE, de 29 de agosto de 2013, em razão de solicitação da empresa

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP Aprova a Norma Técnica nº 010/2005-CBMAP, sobre atividades eventuais no Estado do Amapá,

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 A Empresa A PSYS Consultoria em Engenharia e Sistemas Ltda. surgiu do desejo de

Leia mais

26 a 29 de novembro de 2012 Brasília - DF

26 a 29 de novembro de 2012 Brasília - DF 26 a 29 de novembro de 2012 Brasília - DF XII EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO Marcelo Batista CTEEP Cia. de Transmissão de Energia Elétrica Paulista São Paulo SP Marcos Hilário Sylvestre

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 02

ESCLARECIMENTO Nº 02 ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Solicitamos todas as distâncias entre as salas

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 2ª Folha 1 DE 6 18/08/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE.

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. 1. OBJETIVO: 1.1.

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

DAS CARACTERÍSTICAS MÍNIMAS

DAS CARACTERÍSTICAS MÍNIMAS TERMO DE REFERÊNCIA DO OBJETO Contratação de empresa especializada para elaboração de projeto, fornecimento de materiais e instalação de Circuito Fechado de TV (CFTV) para o Museu da Língua Portuguesa.

Leia mais

ANEXO 01 DO ADITAMENTO N.º 004 NOVA REDAÇÃO PARA AS CLÁUSULAS 18 E 19 DA MINTA DO CONTRATO.

ANEXO 01 DO ADITAMENTO N.º 004 NOVA REDAÇÃO PARA AS CLÁUSULAS 18 E 19 DA MINTA DO CONTRATO. ANEXO 01 DO ADITAMENTO N.º 004 NOVA REDAÇÃO PARA AS CLÁUSULAS 18 E 19 DA MINTA DO CONTRATO. 1 CLÁUSULA 18 EVENTOS GERADORES DE PAGAMENTOS DE SERVIÇOS Para que os SERVIÇOS sejam considerados como eventos

Leia mais

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria

Área de Transmissão Divisão de Manutenção de Transmissão Departamento de Manutenção de Santa Maria PROJETO BÁSICO 1. OBJETO: Prestação de Serviços por empresa de engenharia especializada para elaboração de projetos e execução de serviços, com fornecimento parcial de materiais, para substituição de 04

Leia mais

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Eng. Joaquim Gomes Pereira ------------ Ministério do Trabalho e Emprego DRT/SP 1 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº

Leia mais

Realização: Parceiro:

Realização: Parceiro: Realização: Parceiro: Comissionamento de sistemas prediais: o que é, como fazer e quais os benefícios de fazer. Pedro Bosco Engenheiro, Consultor de Sistema Eletrônicos. 1 PLANO DE COMISSIONAMENTO DOS

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

Mitos e verdades sobre a NR-10 na fabricação de painéis elétricos de baixa e média tensão

Mitos e verdades sobre a NR-10 na fabricação de painéis elétricos de baixa e média tensão Mitos e verdades sobre a NR-10 na fabricação de painéis elétricos de baixa e média tensão Por Nunziante Graziano A finalidade deste artigo é analisar se é possível responder a uma pergunta clássica: Esse

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas CLIMATIZAÇÃO O exemplo apresentado aqui controla um sistema que envolve bombas, torres, chillers e fan-coils para climatização ambiente para conforto térmico. Pode-se montar controles para sistemas dos

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTALAÇÕES E MONTAGENS INDUSTRIAIS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS

APRESENTAÇÃO INSTALAÇÕES E MONTAGENS INDUSTRIAIS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS QUALIDADE QUE SUPERA EXPECTATIVAS APRESENTAÇÃO A Munhoz Instalações Industriais é uma empresa referência no mercado, com forte atuação em engenharia elétrica e hidráulica. Reconhecimento resultado de dedicação

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO CT - 59 CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw Diretoria de Engenharia Diretoria de Operações e Planejamento Diretoria Comercial Gerência

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES SUBESTAÇÃO Uma subestação elétrica é um grupamento de equipamentos elétricos com a finalidade de dirigir o fluxo de energia elétrica num sistema de potência e de possibilitar a operação segura do sistema,

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC

SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC SISTEMA DE MEDIÇÃO E LEITURA CENTRALIZADA SMLC Especificação para implantação de infra-estrutura Diretoria de Redes Gerência de Engenharia da Distribuição Coordenação de Engenharia SISTEMA DE MEDIÇÃO E

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais