x As VpULHVGHSRWrQFLDV são um caso particularmente importante das séries de funções, com inúmeras aplicações tanto teóricas como práticas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "x As VpULHVGHSRWrQFLDV são um caso particularmente importante das séries de funções, com inúmeras aplicações tanto teóricas como práticas."

Transcrição

1 Å 6pULHV GH SRWrQFLDV As VpULHVGHSRWrQFLDV são um caso particularmente importante das séries de funções, com inúmeras aplicações tanto teóricas como práticas. Um eemplo típico é a série, O cálculo do valor de sucessivas VRPDVSDUFLDLV é simples de programar e permite obter VXFHVVLYDVDSUR[LPDo}HV da H[SRQHQFLDO de qualquer número real. Chama-se VpULHGHSRWrQFLDVFHQWUDGDHP F a uma série da forma, onde D Q é uma sucessão de números reais.

2 Quando F é uma VpULHGHSRWrQFLDVFHQWUDGDQDRULJHP e tem a forma, Consideremos a série de funções definidas em, Trata-se de uma VpULHGHSRWrQFLDVFHQWUDGDQDRULJHP. Vejamos para que valores de [ a série é FRQYHUJHQWH. Para [ a VpULHQXODé convergente. Para [ os termos não se anulam e podemos aplicar o FULWpULRGH G $OHPEHUW, Então, quando / _[_< a série é DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWH quando / _[_> a série é GLYHUJHQWH e quando / _[_= nada podemos concluir.

3 Analisemos os dois casos para os quais _[_=, da série, Para [ ±temos a série, que, por FRPSDUDomRSRUSDVVDJHPDROLPLWH com a série harmónica básica, facilmente provamos ser GLYHUJHQWH. Para [ temos a série, que é uma VpULHDOWHUQDGD. Estudando a respectiva VpULHGRVPyGXORV, verificamos que é GLYHUJHQWH, donde nada podemos concluir. Resta tentar aplicar o FULWpULRGH/HLEQL]. Para todo o Q temos XPDVXFHVVmRGHQ~PHURVUHDLVSRVLWLYRV, Será PRQyWRQD GHFUHVFHQWH e de OLPLWH]HUR?

4 Efectivamente, e é evidente que, Pelo critério de Leibniz concluímos que a VpULHDOWHUQDGD é FRQYHUJHQWH. Portanto, no caso de [, a série dada é convergente e como verificámos que a respectiva série dos módulos é divergente, ela é VLPSOHVPHQWHFRQYHUJHQWH E finalmente podemos estabelecer que a VpULHGHSRWrQFLDV, é DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWH se [ ] ±[ é VLPSOHVPHQWHFRQYHUJHQWH se [ = é GLYHUJHQWH se [ ] ±] Chama-seLQWHUYDORGHFRQYHUJrQFLD de uma série de potências ao LQWHULRU do seu GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD. Para o eemplo anterior, como o GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD é ] ±], o LQWHUYDORGHFRQYHUJrQFLD é ] ±[.

5 Analisemos finalmente a conhecida VpULHGHSRWrQFLDV, Para [ a série é DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWH. Para [ (termos não nulos) podemos aplicar o FULWpULRGHG $OHPEHUW, e concluir que a série é DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWH também para [. Portanto a série é DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWH para todo o [, sendo o seu GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD todo o conjunto. De modo análogo, analise a série, Verifique que neste caso o GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD é apenas o conjunto singular {}.

6 Å 3URSULHGDGHV GDV VpULHV GH SRWrQFLDV ±_[ [ _ ±_[ [ _ Recordemos a conclusão obtida do estudo da VpULHGHSRWrQFLDV, é DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWH se [ ] ±[ é VLPSOHVPHQWHFRQYHUJHQWH se [ = é GLYHUJHQWH se [ ] ±]

7 Vejamos como a SURSULHGDGH anterior nos pode ajudar. Para [, vimos que é FRQYHUJHQWH a série alternada, Então esta SURSULHGDGH garante-nos que a série dada é DEVROXWDPHQWH FRQYHUJHQWH em todo o intervalo ]±[ Para [ ±vimos que é GLYHUJHQWH a série, Então esta SURSULHGDGH garante-nos que a série dada é GLYHUJHQWH em todo o intervalo ] ±ˆ ±[ ª ] ˆ [ E como sabemos o que acontece nos próprios SRQWRV [ e [ ±, podemos concluir que o GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD desta série é ] ±]. Esta SURSULHGDGH é facilmente JHQHUDOL]iYHO a toda a VpULHGHSRWrQFLDV FHQWUDGDHPF Basta efectuar uma PXGDQoDGHYDULiYHO, de modo a transformar [ Q em [± F Q.

8 1XPDDVpULHGHSRWrQFLDVFHQWUDGDHPF 9HULILFDPVHDVFRQGLo}HVVHJXLQWHV L 6HDVpULHFRQYHUJHHP[ \{F} HQWmRFRQYHUJHDEVROXWDPHQWH HP WRGRRSRQWRGH] F ± _[ ± F_F_[ ± F_[ F ± _[ ± F_ F F_[ ± F_ LL 6HDVpULHGLYHUJHHP[ \{F} HQWmRGLYHUJH HP WRGRRSRQWRGH] ±ˆ, F ± _[ ± F_[ ª ] F_[ ± F_ ˆ [ F ± _[ ± F_ F F_[ ± F_ De modo análogo, todas as propriedades das séries de potências centradas na origem podem ser JHQHUDOL]iYHLV a séries de potências centradas em F. A proposição seguinte descreve a propriedade mais importante das séries de potências. Efectivamente, VyWUrVFDVRV podem acontecer: a série converge absolutamente para todos os reais, ou só na origem, ou num intervalo centrado.

9 ± 5 5 ± 5 5 O comportamento nos próprios SRQWRV [ 5 e [ ± 5 tem de ser analisado para cada caso. Naturalmente, ao número 5 chama-se UDLRGHFRQYHUJrQFLD da série de potências. Assim, a questão fundamental do estudo de uma série de potências é a GHWHUPLQDomRGRVHXUDLRGHFRQYHUJrQFLD:, +ˆ, ou um número real.

10 E JHQHUDOL]DQGR para toda a série de potências centrada em F... 1XPD DVpULHGHSRWrQFLDVFHQWUDGDHPF 9HULILFDVHXPD HXPDVy GDVFRQGLo}HVVHJXLQWHV L LL DVpULHFRQYHUJHDEVROXWDPHQWHDSHQDVHP[ FHGLYHUJHVH[ F DVpULHFRQYHUJHDEVROXWDPHQWHSDUDWRGRR[ LLL H[LVWHXP5!WDOTXHDVpULHFRQYHUJHDEVROXWDPHQWHSDUD WRGRR[ ]c ± R, F 5[ F±5 F F5 H GLYHUJHSDUDWRGRR[ ] ±ˆ, F ± 5 [ ª ] F 5 ˆ [ F±5 F F5 Nada é dito sobre o comportamento da série nos SUySULRV SRQWRV [ F5 e [ F± 5. GLYHUJHQWH DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWH GLYHUJHQWH F±5 F F5

11 Å 'HWHUPLQDomR GR UDLR GH FRQYHUJrQFLD Para uma dada VpULHGHSRWrQFLDVFHQWUDGDHP F (F ouf ) calculemos o seu UDLRGHFRQYHUJrQFLD. Para [ Fa série é DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWHe tem soma D. Para [ Fe assumindo que os D Q não se anulam, teremos para todo o Q, Nestas condições, podemos aplicar o FULWpULRGHG $OHPEHUW e calcular, Chamemos, Então, para _[±F_, E agora, apenas WUrVFDVRV podem ocorrer, de acordo com os três possíveis valores de / : QXOR, LQILQLWR ou ILQLWRQmRQXOR.

12 No caso de / temos, então, pelo FULWpULRGHG $OHPEHUW e a série de potências converge absolutamente, desde que[ F. Mas já vimos que também converge absolutamente para [ F. Portanto, quando /, a série de potências é DEVROXWDPHQWH FRQYHUJHQWH para todo o[ e o seu UDLRGHFRQYHUJrQFLD é +ˆ. 5 +ˆ No caso de / ˆ temos, então, pelo FULWpULRGHG $OHPEHUW e a série de potências diverge, desde que[ F. Mas já vimos que converge absolutamente para [ F. Portanto, quando / ˆ, o GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD da série de potências é apenas {F} e o seu UDLRGHFRQYHUJrQFLD é nulo. 5

13 No caso de / e / ˆ temos, então, pelo FULWpULRGHG $OHPEHUW e a série de potências converge absolutamente, para todo o[ F, quando, e diverge, para todo o[ F, quando, e já vimos que converge absolutamente para [ F. Portanto, quando / é ILQLWRHQmRQXOR, a série de potências é DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWH em todos os pontos do intervalo, e GLYHUJHQWH para todo o, Então, o UDLRGHFRQYHUJrQFLD é 5 /. Para determinar completamente o GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD da série, será ainda necessário analisar o seu comportamento nos GRLVSRQWRV,

14 Juntando os WUrVFDVRV, e assumindo as convenções habituais, ˆ e ˆ, podemos estabelecer uma fórmula para o cálculo do UDLRGH FRQYHUJrQFLDGHXPDVpULHGHSRWrQFLDV, GHVGHTXH os D Q não se anulem e o OLPLWHH[LVWD, mesmo que infinito. Note que, todo este estudo pode igualmente ser feito com base no FULWpULRGH &DXFK\. Desse estudo, e assumindo as mesmas convenções, resulta outra fórmula para o cálculo do UDLRGHFRQYHUJrQFLDGHXPDVpULHGHSRWrQFLDV, GHVGHTXH os D Q não se anulem e o OLPLWHH[LVWD, mesmo que infinito. Deste modo, para analisar uma dada série de potências, podemos seguir o processo de aplicação de XPGRVGRLVFULWpULRV, ou utilizar directamente XPD GDVGXDVIyUPXODV. Os GRLVSRQWRV etremos do intervalo têm de ser analisados separadamente.

15 Para cada uma das seguintes séries de potências, determine o GRPtQLRGH FRQYHUJrQFLD, indicando os SRQWRV onde a convergência é simples ou absoluta. Para todo o Q, Então podemos calcular, Portanto, 5,o GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD da série de é apenas {} onde FRQYHUJHDEVROXWDPHQWH. Para todo o Q, Então podemos calcular o limite,

16 Portanto, 5 ˆ, o GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD da série de é todo o, sendo DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWH em todos os pontos. Para todo o Q, Então podemos calcular, Então, 5, e a série é DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWH para, Resta estudar o seu comportamento nos SRQWRV ± e.

17 Para [ ±, temos a VpULHQXPpULFD, que é uma VpULHDOWHUQDGD pois, para todo o Q, Analisemos a VXFHVVmR, que é GHFUHVFHQWH, pois, e WHQGHSDUD]HUR, Então, pelo FULWpULRGH/HLEQL], a série alternada é FRQYHUJHQWH. Por outro lado, a respectiva VpULHGRVPyGXORV, é GLYHUJHQWH pois, por FRPSDUDomRSRUSDVVDJHPDROLPLWH, tem a mesma natureza da VpULHKDUPyQLFD,

18 por isso, a VpULHDOWHUQDGD é VLPSOHVPHQWHFRQYHUJHQWH, e então, a VpULHGHSRWrQFLDV dada é VLPSOHVPHQWHFRQYHUJHQWH no SRQWR [ ±. Para [, temos a VpULHQXPpULFD, que acabámos de ver que é GLYHUJHQWH. e então, a VpULHGHSRWrQFLDV dada é GLYHUJHQWH no SRQWR [. Portanto, a VpULHGHSRWrQFLDV dada tem como GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD o intervalo [ ±, [ sendo DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWHem ] ±, [, mas VLPSOHVPHQWHFRQYHUJHQWH no SRQWR [ ±. Para todo o Q, Então podemos calcular,

19 Então, 5, e a série é DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWH para, e GLYHUJHQWH para, Resta estudar o seu comportamento nos SRQWRV ± e. Para [ ±, temos a VpULHQXPpULFD, que é GLYHUJHQWH, por ser o produto da VpULHKDUPyQLFDEiVLFD por ±. Para [, temos a VpULHQXPpULFD, que é VLPSOHVPHQWHFRQYHUJHQWH, por ser uma VpULHKDUPyQLFDDOWHUQDGD com S. Portanto, a VpULHGHSRWrQFLDV dada tem como GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD o intervalo ] ±, ] sendo DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWHno intervalo ] ±, [ e VLPSOHVPHQWHFRQYHUJHQWH no SRQWR [.

20 E que fazer quando o YDORUGRFHQWUR não aparece eplicitamente na fórmula? Como por eemplo na série de potências, Podemos começar por tentar PDQLSXODUDOJHEULFDPHQWH a fórmula. Neste caso, notamos que e transformamos a série dada numa série de potências centrada em, Verifique que o GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD é o intervalo [] onde é DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWH em todos os pontos. Noutras situações, poderá ser necessário fazer uma PXGDQoDGHYDULiYHO, Como por eemplo, [± ], convertendo a série dada numa série de potências centrada na origem. Verifique que, para esta série, o domínio de convergência é o intervalo de ], [± ] onde é absolutamente convergente em todos os pontos. Regressando à variável [, naturalmente recuperamos o intervalo [].

21 Em qualquer dos casos, podemos sempre DSOLFDUGLUHFWDPHQWHXPGRV FULWpULRV, &DXFK\ ou G $OHPEHUW, à série dada. Começamos por identificar o ponto, [, para o qual a VpULHVHDQXOD. E para todo o [ e todo o Q podemos calcular, por eemplo, Assim, para o FULWpULRGHG $OHPEHUWtemos / _[±_, sendo a série absolutamente convergente para os valores de [ tais que _[±_<. Combinando com facto de que a série (nula) é absolutamente convergente em [, confirme o resultado já conhecido. Mostre que a série, é DEVROXWDPHQWHFRQYHUJHQWH apenas em ] ±[.

22 Å &RQYHUJrQFLD XQLIRUPH GH VpULHV GH SRWrQFLDV Para que possamos GHULYDUHLQWHJUDU séries de potências WHUPRDWHUPR é vital conhecer os LQWHUYDORVe o WLSR de FRQYHUJrQFLD. 6HMD XPDVpULHGHSRWrQFLDVFRPUDLRGHFRQYHUJrQFLDQmRQXOR HVHMD, R VHXLQWHUYDORGHFRQYHUJrQFLD (QWmRDVpULHFRQYHUJHXQLIRUPHPHQWH HP TXDOTXHULQWHUYDORIHFKDGRHOLPLWDGRGH, Sendo [DE] um LQWHUYDORIHFKDGRHOLPLWDGR de,, tomando U PD[{ _D E_} temos, ± U U [ DE] [± UU], Provemos que a convergência é XQLIRUPH em [± UU]. Para todo o [ [± UU] e todo o n 0 temos [ Q U Q e, Por outro lado, como a série é absolutamente convergente no seu intervalo de convergência, então é FRQYHUJHQWHDVpULHGRVPyGXORV, Ou seja, a VpULHGRVPyGXORV é PDMRUDGD por uma VpULHQXPpULFD FRQYHUJHQWH.

23 Então, pelo FULWpULRGH:HLHUVWUDVV, a série de potências é XQLIRUPHPHQWH FRQYHUJHQWH em [± UU]. Ecomo [ DE] [± UU], a VpULHGHSRWrQFLDVé portanto XQLIRUPHPHQWHFRQYHUJHQWH em [ DE]. Generalizando, 4XDOTXHUVpULHGHSRWrQFLDV FRPUDLRGHFRQYHUJrQFLDQmRQXORFRQYHUJHXQLIRUPHPHQWH HP TXDOTXHULQWHUYDORIHFKDGRFRQWLGRQRVHXLQWHUYDORGHFRQYHUJrQFLD Por eemplo a série anterior, como vimos, tem como GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD o intervalo [] e sendo o LQWHUYDORGHFRQYHUJrQFLD ][, é portanto XQLIRUPHPHQWH FRQYHUJHQWH em qualquer LQWHUYDORIHFKDGR contido em ][. Por eemplo a série, se tem como GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD o intervalo ] ±, ] e como LQWHUYDORGHFRQYHUJrQFLD o intervalo ] ±, [, é então XQLIRUPHPHQWH FRQYHUJHQWH em qualquer LQWHUYDORIHFKDGR contido em ] ±, [.

24 Note-se que, a propriedade anterior não relaciona directamente a FRQYHUJrQFLD XQLIRUPH com o GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD. A propriedade seguinte, garante-nos que uma série de potências de raio de convergência não nulo é XQLIRUPHPHQWHFRQYHUJHQWH em todo o seu GRPtQLR GHFRQYHUJrQFLD. 2 7HRUHPDGH$EHO

25 Generalizando, 6HMD XPDVpULHGHSRWrQFLDVFHQWUDGDHPF FRPUDLRGHFRQYHUJrQFLD5 > (QWmRYHULILFDPVHDVFRQGLo}HVVHJXLQWHV L 6HDVpULHFRQYHUJHHP[ 5F HQWmRHODFRQYHUJHXQLIRUPHPHQWHQRLQWHUYDOR[ F 5F] H WHPVH LL 6HDVpULHFRQYHUJHHP[ ±5F HQWmRHODFRQYHUJHXQLIRUPHPHQWHQRLQWHUYDOR[ ± 5FF] H WHPVH Por eemplo a série, é então XQLIRUPHPHQWHFRQYHUJHQWH em todo o seu GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD []. e por eemplo a série, é XQLIRUPHPHQWHFRQYHUJHQWH no GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD ] ±, ]

26 Å 'HULYDomR H SULPLWLYDomR GH VpULHV GH SRWrQFLDV Generalizando, 6HMD XPDVpULHGHSRWrQFLDVFHQWUDGDHP[ F FRPUDLRGHFRQYHUJrQFLD5 > (QWmRDVpULHGDVGHULYDGDV HDVpULHGDVSULPLWLYDV WrPWDPEpPUDLRGHFRQYHUJrQFLD5 Como consequência, tanto a VpULHGDVGHULYDGDV como a VpULHGDVSULPLWLYDV, FRQYHUJHPXQLIRUPHPHQWH em qualquer VXELQWHUYDOR fechado e limitado do seu LQWHUYDORGHFRQYHUJrQFLD que é ] í5f5f[. E com base neste facto, a proposição seguinte garante-nos que efectivamente podemos GHULYDUHLQWHJUDUVpULHVGHSRWrQFLDVWHUPRDWHUPR.

27 6HMD XPDVpULHGHSRWrQFLDVFHQWUDGDHP[ F (QWmRYHULILFDPVHDVFRQGLo}HVVHJXLQWHV L DVpULHGHSRWrQFLDVGHILQHXPDIXQomRFRQWtQXDHPWRGRR LQWHUYDORIHFKDGRFRQWLGRQRVHXLQWHUYDORGHFRQYHUJrQFLD LL DVpULHGHSRWrQFLDVSRGHLQWHJUDUVHWHUPRDWHUPRHPWRGRR LQWHUYDORIHFKDGRFRQWLGRQRVHXLQWHUYDORGHFRQYHUJrQFLD LLL DVpULHGHSRWrQFLDVSRGHGHULYDUVHWHUPRDWHUPRHPWRGRR LQWHUYDORIHFKDGRFRQWLGRQRVHXLQWHUYDORGHFRQYHUJrQFLD &RQMXJDQGR o primeiro destes resultados com o 7HRUHPDGH$EHO, pode provar-se que a FRQWLQXLGDGH se verifica em todo o GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD. 6HMD XPDVpULHGHSRWrQFLDVFHQWUDGDHP[ F FRPUDLRGHFRQYHUJrQFLDQmRQXOR HVHMDI[D VXDVRPD (QWmR D DVRPDGDVpULHGHSRWrQFLDVpXPDIXQomRFRQWtQXDQRGRPtQLR GH FRQYHUJrQFLDGDVpULHFRQVLGHUDGD

28 Por eemplo a IXQomRVRPD da série, p FRQWtQXD em todo o seu GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD []. e por eemplo a IXQomRVRPD da série, p FRQWtQXD em todo o seu GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLD ] ±, ] 6HMD XPDVpULHGHSRWrQFLDVFHQWUDGDHP[ F FRPUDLRGHFRQYHUJrQFLDQmRQXOR 6HMD, R VHXLQWHUYDORGHFRQYHUJrQFLD H VHMDI[D VXDVRPD (QWmR E DIXQomRVRPDGDVpULHpGLIHUHQFLiYHOHP, H SDUDWRGRR[, WHPRV Por DSOLFDo}HVVXFHVVLYDV do mesmo resultado, temos também para todo R [, e todo N,

29 F DIXQomR)[GHILQLGDSRU pdsulplwlydghi[hp, WDOTXH)F G DIXQomRI[pLQWHJUiYHOHPWRGRRLQWHUYDOR[DE] FRQWLGRQR VHX GRPtQLRGHFRQYHUJrQFLDHWHPVH donde podemos calcular,

30 Recordemos a série de funções, A série é apenas SRQWXDOPHQWHFRQYHUJHQWH no intervalo ] ±[, mas é XQLIRUPHPHQWHFRQYHUJHQWH em qualquer LQWHUYDORIHFKDGR de ] ±[. sendo uma série geométrica, a sua IXQomRVRPD é dada por, e sendo ] ±[ o LQWHUYDORGHFRQYHUJrQFLD então, pela SURSULHGDGH GDVGHULYDGDV, temos para todo o [ ] ±[, Por outro lado, a função é a SULPLWLYD de I[ que se anula em [. Então, pela SURSULHGDGHGRVLQWHJUDLV, temos para todo o [ ] ±[, ou seja,

31 Assim, no intervalo ] ±[, as três funções seguintes são UHSUHVHQWiYHLVSRU VpULHVGHSRWrQFLDV, A partir destas, por ou integrações, RXWUDVUHSUHVHQWDo}HVSRUVpULHVGH SRWrQFLDV podem ser construídas. Como por eemplo, D Podemos utilizar a série, VXEVWLWXLQGR [ por ±[, Não esquecendo de ajustar o LQWHUYDORGHFRQYHUJrQFLD, que passará aser ] ±[.

32 2X podemos verificar directamente que se trata da fórmula da VRPDGH XPDVpULHJHRPpWULFD, com SULPHLURWHUPR e UD]mR U ±[. Naturalmente, a série geométrica será convergente apenas para os valores de ±[ <, donde calculamos o LQWHUYDORGH FRQYHUJrQFLD ] ±[. E Uma possível solução consiste em notar que, e então, ou multiplicando por a representação obtida em D, ou notando que se trata de da VRPDGHXPDVpULHJHRPpWULFD, com SULPHLURWHUPR e UD]mR U ±[, obtemos, cujo LQWHUYDORGHFRQYHUJrQFLDé ] ±[. Por outro lado, a função éa SULPLWLYD de que se DQXOD em [. Resta então LQWHJUDUFDGDWHUPR,

33 E, pela SURSULHGDGHGRVLQWHJUDLV, temos para todo o LQWHUYDORGH FRQYHUJrQFLD ] ±[, F Uma possível solução consiste em notar que, Mas já sabemos de que, Então, GHULYDQGRDWHUPR esta série e sendo ] ±[ o LQWHUYDORGH FRQYHUJrQFLD temos, pela SURSULHGDGHGDVGHULYDGDV para todo o [ ] ±[,

34 A partir da representação, que é válida para todo o [ ] ±[, procuremos agora uma UHSUHVHQWDomRHPVpULHGHSRWrQFLDV para, com indicação dopdlrulqwhuydordehuwrqrtxdopyiolgd. Comecemos por calcular, Então, por um lado sabemos que para todo o [ ] ±[, e por outro lado verificamos que para todo o ±[ ] ±[, ou seja, para todo o [ ] ±[. Resta então VXEWUDLU,

35 Esta epressão pode ser VLPSOLILFDGD pois, para Q par, ± ± Q ±± ± para Q ímpar, ± ± Q ± ou seja, DQXODPVH todos os termos para os quais Q é ímpar ( ou Q par) Deste modo obtemos a UHSUHVHQWDomRHPVpULHGHSRWrQFLDV, que é YiOLGDSDUDRLQWHUYDOR ] ±[. Pode também ocorrer o SUREOHPDLQYHUVR, isto é, dada uma representação em série de potências FDOFXODUDIXQomRVRPD. Por eemplo, a partir da representação que é válida para todo o [ ] ±[. calcular a IXQomRVRPD da série indicando o PDLRULQWHUYDOR em que essa representação é válida.

36 Partindo de, e VXEVWLWXLQGR [ por [ obtemos, ou seja, E se a epressão inicial era válida para todo o [ ] ±[, esta é válida para [ ] ±[, ou seja, para todo o [ ] ±[. Para relacionar esta com a série pretendida basta notar que [ Q Q[ Q. Assim, pela SURSULHGDGHGDVGHULYDGDV das séries de potências temos, ou seja, para todo o [ ] ±[. E PXOWLSOLFDQGR ambos os membros por [, temos a VRPD pretendida, que é YiOLGD para todo o [ ] ±[.

[ \ x Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \.

[ \ x Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \. &DStWXOR±6LVWHPDVGH(TXDo}HV/LQHDUHV1 &DStWXOR±6LVWHPDVGH(TXDo}HV/LQHDUHV Å 1Ro}HV *HUDLV Recordemos o caso mais simples de um VLVWHPD de duas HTXDo}HVOLQHDUHV nas duas LQFyJQLWDV [ e \. [\ [\ É fácil verificar

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z

Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Rua Oto de Alencar nº 5-9, Maracanã/RJ - tel. 04-98/4-98 Potenciação no Conjunto dos Números Inteiros - Z Podemos epressar o produto de quatro fatores iguais a.... por meio de uma potência de base e epoente

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Equações Diferenciais Ordinárias Uma equação diferencial é uma equação que relaciona uma ou mais funções (desconhecidas com uma ou mais das suas derivadas. Eemplos: ( t dt ( t, u t d u ( cos( ( t d u +

Leia mais

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto

Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Um estudo sobre funções contínuas que não são diferenciáveis em nenhum ponto Maria Angélica Araújo Universidade Federal de Uberlândia - Faculdade de Matemática Graduanda em Matemática - Programa de Educação

Leia mais

4. Tangentes e normais; orientabilidade

4. Tangentes e normais; orientabilidade 4. TANGENTES E NORMAIS; ORIENTABILIDADE 91 4. Tangentes e normais; orientabilidade Uma maneira natural de estudar uma superfície S consiste em considerar curvas γ cujas imagens estão contidas em S. Se

Leia mais

Exercícios Resolvidos Integral de Linha de um Campo Vectorial

Exercícios Resolvidos Integral de Linha de um Campo Vectorial Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise ercícios Resolvidos Integral de inha de um ampo Vectorial ercício onsidere o campo vectorial F,, z =,, z. alcule o integral

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

Capítulo 5: Aplicações da Derivada

Capítulo 5: Aplicações da Derivada Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo 5: Aplicações da Derivada 5- Acréscimos e Diferenciais - Acréscimos Seja y f

Leia mais

M : ( ( é um LVRPRUILVPR M -1 : ( ( também é um LVRPRUILVPR.

M : ( ( é um LVRPRUILVPR M -1 : ( ( também é um LVRPRUILVPR. &DStWXOR±$SOLFDo}HV/LQHDUHV47 Å (VSDoRV,VRPRUIRV Sejam ( e ( dois espaços vectoriais sobre. Dizemos que ( e ( são LVRPRUIRV se H[LVWLUXPLVRPRUILVPR M : ( ( e escrevemos, (! ( Por eemplo, o espaço dos vectores

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO

INSTITUTO TECNOLÓGICO PAC - PROGRAMA DE APRIMORAMENTO DE CONTEÚDOS. ATIVIDADES DE NIVELAMENTO BÁSICO. DISCIPLINAS: MATEMÁTICA & ESTATÍSTICA. PROFº.: PROF. DR. AUSTER RUZANTE 1ª SEMANA DE ATIVIDADES DOS CURSOS DE TECNOLOGIA

Leia mais

Problemas de Otimização. Problemas de Otimização. Solução: Exemplo 1: Determinação do Volume Máximo

Problemas de Otimização. Problemas de Otimização. Solução: Exemplo 1: Determinação do Volume Máximo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Eemplo 1: Determinação

Leia mais

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade

Propriedades das Funções Deriváveis. Prof. Doherty Andrade Propriedades das Funções Deriváveis Prof Doerty Andrade 2005 Sumário Funções Deriváveis 2 Introdução 2 2 Propriedades 3 3 Teste da derivada segunda para máimos e mínimos 7 2 Formas indeterminadas 8 2 Introdução

Leia mais

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5 Truques e Dicas O que se segue serve para esclarecer alguma questão que possa surgir ao resolver um exercício de matemática. Espero que lhe seja útil! Cap. I Fracções. Soma e Produto de Fracções Para somar

Leia mais

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas

Resolução dos Exercícios sobre Derivadas Resolução dos Eercícios sobre Derivadas Eercício Utilizando a idéia do eemplo anterior, encontre a reta tangente à curva nos pontos onde e Vamos determinar a reta tangente à curva nos pontos de abscissas

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais Matemática (AP) - 2008/09 - Introdução ao estudo de equações diferenciais 77 Introdução ao estudo de equações diferenciais Introdução e de nição de equação diferencial Existe uma grande variedade de situações

Leia mais

Coordenadas Polares. Prof. Márcio Nascimento. marcio@matematicauva.org

Coordenadas Polares. Prof. Márcio Nascimento. marcio@matematicauva.org Coordenadas Polares Prof. Márcio Nascimento marcio@matematicauva.org Universidade Estadual Vale do Acaraú Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Curso de Licenciatura em Matemática Disciplina: Matemática

Leia mais

Curvas em coordenadas polares

Curvas em coordenadas polares 1 Curvas em coordenadas polares As coordenadas polares nos dão uma maneira alternativa de localizar pontos no plano e são especialmente adequadas para expressar certas situações, como veremos a seguir.

Leia mais

por séries de potências

por séries de potências Seção 23: Resolução de equações diferenciais por séries de potências Até este ponto, quando resolvemos equações diferenciais ordinárias, nosso objetivo foi sempre encontrar as soluções expressas por meio

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano Probabilidades - Triângulo de Pascal Propostas de resolução

MATEMÁTICA A - 12o Ano Probabilidades - Triângulo de Pascal Propostas de resolução MATEMÁTICA A - 12o Ano Probabilidades - Triângulo de Pascal Propostas de resolução Exercícios de exames e testes intermédios 1. A linha do triângulo de Pascal em que a soma dos dois primeiros elementos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA CURSO BIETÁPICO EM ENGENHARIA CIVIL º ciclo Regime Diurno/Nocturno Disciplina de COMPLEMENTOS DE MATEMÁTICA Ano lectivo de 7/8 - º Semestre Etremos

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT

SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT GABARITO da 3 a Avaliação Nacional de Aritmética - MA14-21/12/2013 Questão 1. (pontuação: 2) (1,0) a) Enuncie e demonstre

Leia mais

LISTA BÁSICA MATEMÁTICA

LISTA BÁSICA MATEMÁTICA LISTA BÁSICA Professor: ARGENTINO FÉRIAS: O ANO DATA: 0 / 06 / 0 MATEMÁTICA 6 0 6 +, + 4 é:. O valor de ( ) ( ) ( ) a) b) c) 7 d) 9 e). Considere a epressão numérica a) 9 b) 0 c) 8,00 d) 69 e) 9,00000

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Apontamentos: Curso de Conhecimentos Básicos de Matemática Cursos do Departamento de Gestão Maria Cristina

Leia mais

6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS

6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS 6 SINGULARIDADES E RESÍDUOS Quando uma função f (z) não é diferenciável num complexo z 0 ; diremos que z 0 é uma singularidade de f (z) ; z 0 dir-se-á uma singularidade isolada de f (z) se, contudo, f

Leia mais

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B.

MATEMÁTICA GEOMETRIA ANALÍTICA I PROF. Diomedes. E2) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. I- CONCEITOS INICIAIS - Distância entre dois pontos na reta E) Sabendo que a distância entre os pontos A e B é igual a 6, calcule a abscissa m do ponto B. d(a,b) = b a E: Dados os pontos A e B de coordenadas

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática

A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática A Torre de Hanói e o Princípio da Indução Matemática I. O jogo A Torre de Hanói consiste de uma base com três pinos e um certo número n de discos de diâmetros diferentes, colocados um sobre o outro em

Leia mais

Análise e Processamento de Bio-Sinais. Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica. Sinais e Sistemas. Licenciatura em Engenharia Física

Análise e Processamento de Bio-Sinais. Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica. Sinais e Sistemas. Licenciatura em Engenharia Física Análise e Processamento de Bio-Sinais Mestrado Integrado em Engenharia Biomédica Licenciatura em Engenharia Física Faculdade de Ciências e Tecnologia Slide Slide 1 1 Tópicos: Representação de Sinais por

Leia mais

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA

MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA PORCENTAGEM MINICURSO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NO DIA A DIA Quando é dito que 40% das pessoas entrevistadas votaram no candidato A, esta sendo afirmado que, em média, de cada pessoas, 40 votaram no candidato

Leia mais

Teorema da Mudança de Coordenadas

Teorema da Mudança de Coordenadas Instituto uperior écnico Departamento de Matemática ecção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires eorema da Mudança de Coordenadas 1 Mudança de Coordenadas Definição 1 eja n um aberto. Diz-se que uma

Leia mais

Notas de Cálculo Numérico

Notas de Cálculo Numérico Notas de Cálculo Numérico Túlio Carvalho 6 de novembro de 2002 2 Cálculo Numérico Capítulo 1 Elementos sobre erros numéricos Neste primeiro capítulo, vamos falar de uma limitação importante do cálculo

Leia mais

Resolução de sistemas lineares

Resolução de sistemas lineares Resolução de sistemas lineares J M Martínez A Friedlander 1 Alguns exemplos Comecemos mostrando alguns exemplos de sistemas lineares: 3x + 2y = 5 x 2y = 1 (1) 045x 1 2x 2 + 6x 3 x 4 = 10 x 2 x 5 = 0 (2)

Leia mais

Teorema da Mudança de Variáveis

Teorema da Mudança de Variáveis Instituto Superior écnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires eorema da Mudança de Variáveis 1 Mudança de Variáveis Definição 1 Seja R n um aberto. Di-se que uma

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA Matemática Licenciatura. (Números Complexos)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA Matemática Licenciatura. (Números Complexos) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E COMPUTAÇÃO CIENTÍFICA Matemática Licenciatura (Números Complexos) Jéssica Roldão de Oliveira Assis RA 160332 Campinas 2014 1 HISTÓRIA

Leia mais

Além do Modelo de Bohr

Além do Modelo de Bohr Além do Modelo de Bor Como conseqüência do princípio de incerteza de Heisenberg, o conceito de órbita não pode ser mantido numa descrição quântica do átomo. O que podemos calcular é apenas a probabilidade

Leia mais

CPV 82% de aprovação dos nossos alunos na ESPM

CPV 82% de aprovação dos nossos alunos na ESPM CPV 8% de aprovação dos nossos alunos na ESPM ESPM Resolvida Prova E 11/novembro/01 MATEMÁTICA 1. A distribuição dos n moradores de um pequeno prédio de 4 5 apartamentos é dada pela matriz 1 y, 6 y + 1

Leia mais

Eduardo Camponogara. DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina

Eduardo Camponogara. DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação. Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle e Automação 1/48 Sumário Arredondamentos Erros 2/48 Sumário Arredondamentos

Leia mais

RESUMO 2 - FÍSICA III

RESUMO 2 - FÍSICA III RESUMO 2 - FÍSICA III CAMPO ELÉTRICO Assim como a Terra tem um campo gravitacional, uma carga Q também tem um campo que pode influenciar as cargas de prova q nele colocadas. E usando esta analogia, podemos

Leia mais

Exercícios Adicionais

Exercícios Adicionais Exercícios Adicionais Observação: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós recomendamos

Leia mais

x As IyUPXODVGHGLIHUHQFLDomRQXPpULFD podem ser obtidas por: x

x As IyUPXODVGHGLIHUHQFLDomRQXPpULFD podem ser obtidas por: x &DStWXOR±'LIHUHQFLDomRH,QWHJUDomR1XPpULFDV > 'LIHUHQFLDomR 1XPpULFD Por vezes é necessário obterydoruhvgdvghulydgdvde uma função VHP UHFRUUHUjUHVSHFWLYDH[SUHVVmRDQDOtWLFD, por esta não ser conhecida ou

Leia mais

13 a Aula 2004.10.13 AMIV LEAN, LEC Apontamentos

13 a Aula 2004.10.13 AMIV LEAN, LEC Apontamentos 3 a Aula 2004.0.3 AMIV LEAN, LEC Apontamentos (Ricardo.Coutinho@math.ist.utl.pt) 3. Singularidades isoladas Para na prática podermos aplicar o teorema dos resíduos com eficiência, precisamos de conhecer

Leia mais

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980

AV1 - MA 12-2012. (b) Se o comprador preferir efetuar o pagamento à vista, qual deverá ser o valor desse pagamento único? 1 1, 02 1 1 0, 788 1 0, 980 Questão 1. Uma venda imobiliária envolve o pagamento de 12 prestações mensais iguais a R$ 10.000,00, a primeira no ato da venda, acrescidas de uma parcela final de R$ 100.000,00, 12 meses após a venda.

Leia mais

1 A Integral por Partes

1 A Integral por Partes Métodos de Integração Notas de aula relativas aos dias 14 e 16/01/2004 Já conhecemos as regras de derivação e o Teorema Fundamental do Cálculo. Este diz essencialmente que se f for uma função bem comportada,

Leia mais

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática

Sistemas Lineares. Módulo 3 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e suas Tecnologias Matemática Módulo 3 Unidade 10 Sistemas Lineares Para início de conversa... Diversos problemas interessantes em matemática são resolvidos utilizando sistemas lineares. A seguir, encontraremos exemplos de alguns desses

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/1/011 pelo CEPERJ 59. O cartão de crédito que João utiliza cobra 10% de juros ao mês,

Leia mais

Coordenadas Polares Mauri C. Nascimento Dep. De Matemática FC Unesp/Bauru

Coordenadas Polares Mauri C. Nascimento Dep. De Matemática FC Unesp/Bauru Coordenadas Polares Mauri C. Nascimento Dep. De Matemática FC Unesp/Bauru Dado um ponto P do plano, utilizando coordenadas cartesianas (retangulares), descrevemos sua localização no plano escrevendo P

Leia mais

Unidade II - Sistemas de Equações Lineares

Unidade II - Sistemas de Equações Lineares Unidade II - Sistemas de Equações Lineares 1- Situando a Temática Discutiremos agora um dos mais importantes temas da matemática: Sistemas de Equações Lineares Trata-se de um tema que tem aplicações dentro

Leia mais

Valores e Vectores Próprios. Carlos Luz Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal

Valores e Vectores Próprios. Carlos Luz Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Valores e Vectores Próprios Carlos Luz Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Ano Lectivo 24/25 Conteúdo Definição de Valor e Vector Próprios 2 2 Um Eemplo de Aplicação 8 3

Leia mais

Distribuição de probabilidades

Distribuição de probabilidades Luiz Carlos Terra Para que você possa compreender a parte da estatística que trata de estimação de valores, é necessário que tenha uma boa noção sobre o conceito de distribuição de probabilidades e curva

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

Aritmética de Ponto Flutuante

Aritmética de Ponto Flutuante Aritmética de Ponto Flutuante Entre 1970 e 1980 um grupo formado por cientistas e engenheiros de diferentes empresas de computação realizou um trabalho intenso na tentativa de encontrar um padrão de representação

Leia mais

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase

36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase 36ª Olimpíada Brasileira de Matemática GABARITO Segunda Fase Soluções Nível 1 Segunda Fase Parte A CRITÉRIO DE CORREÇÃO: PARTE A Na parte A serão atribuídos 5 pontos para cada resposta correta e a pontuação

Leia mais

MD Sequências e Indução Matemática 1

MD Sequências e Indução Matemática 1 Sequências Indução Matemática Renato Martins Assunção assuncao@dcc.ufmg.br Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br MD Sequências e Indução Matemática 1 Introdução Uma das tarefas mais importantes

Leia mais

REFRAÇÃO DA LUZ. Neste capítulo estudaremos as leis da refração, a reflexão total e a formação de imagens nas lentes esféricas.

REFRAÇÃO DA LUZ. Neste capítulo estudaremos as leis da refração, a reflexão total e a formação de imagens nas lentes esféricas. AULA 18 REFRAÇÃO DA LUZ 1- INTRODUÇÃO Neste capítulo estudaremos as leis da refração, a reflexão total e a formação de imagens nas lentes esféricas. 2- A REFRAÇÃO A refração ocorre quando a luz ao passar

Leia mais

9. Derivadas de ordem superior

9. Derivadas de ordem superior 9. Derivadas de ordem superior Se uma função f for derivável, então f é chamada a derivada primeira de f (ou de ordem 1). Se a derivada de f eistir, então ela será chamada derivada segunda de f (ou de

Leia mais

N1Q1 Solução. a) Há várias formas de se cobrir o tabuleiro usando somente peças do tipo A; a figura mostra duas delas.

N1Q1 Solução. a) Há várias formas de se cobrir o tabuleiro usando somente peças do tipo A; a figura mostra duas delas. 1 N1Q1 Solução a) Há várias formas de se cobrir o tabuleiro usando somente peças do tipo A; a figura mostra duas delas. b) Há várias formas de se cobrir o tabuleiro com peças dos tipos A e B, com pelo

Leia mais

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo

CDI-II. Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo Instituto Superior Técnico Departamento de Matemática Secção de Álgebra e Análise Prof. Gabriel Pires CDI-II Trabalho. Teorema Fundamental do Cálculo 1 Trabalho. Potencial Escalar Uma das noções mais importantes

Leia mais

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica

O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica O Princípio da Complementaridade e o papel do observador na Mecânica Quântica A U L A 3 Metas da aula Descrever a experiência de interferência por uma fenda dupla com elétrons, na qual a trajetória destes

Leia mais

Estruturas de Repetição

Estruturas de Repetição Estruturas de Repetição Lista de Exercícios - 04 Algoritmos e Linguagens de Programação Professor: Edwar Saliba Júnior Estruturas de Repetição O que são e para que servem? São comandos que são utilizados

Leia mais

Material Teórico - Aplicações das Técnicas Desenvolvidas. Exercícios e Tópicos Relacionados a Combinatória. Segundo Ano do Ensino Médio

Material Teórico - Aplicações das Técnicas Desenvolvidas. Exercícios e Tópicos Relacionados a Combinatória. Segundo Ano do Ensino Médio Material Teórico - Aplicações das Técnicas Desenvolvidas Exercícios e Tópicos Relacionados a Combinatória Segundo Ano do Ensino Médio Prof Cícero Thiago Bernardino Magalhães Prof Antonio Caminha Muniz

Leia mais

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5

Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias 1. Trajectórias Planas. 1 Trajectórias. 4.3 exercícios... 6. 4 Coordenadas polares 5 Cálculo em Computadores - 2007 - trajectórias Trajectórias Planas Índice Trajectórias. exercícios............................................... 2 2 Velocidade, pontos regulares e singulares 2 2. exercícios...............................................

Leia mais

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica

Unidade 3 Função Logarítmica. Definição de logaritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Unidade 3 Função Logarítmica Definição de aritmos de um número Propriedades operatórias Mudança de base Logaritmos decimais Função Logarítmica Definição de Logaritmo de um número Suponha que certo medicamento,

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Análise de Regressão Linear Simples e Múltipla

Análise de Regressão Linear Simples e Múltipla Análise de Regressão Linear Simples e Múltipla Carla Henriques Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Carla Henriques (DepMAT ESTV) Análise de Regres. Linear Simples e Múltipla

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO Prof Dra. Deiby Santos Gouveia Disciplina: Matemática Aplicada OFERTA DE MERCADO

CURSO: ADMINISTRAÇÃO Prof Dra. Deiby Santos Gouveia Disciplina: Matemática Aplicada OFERTA DE MERCADO CURSO: ADMINISTRAÇÃO Prof Dra. Deiby Santos Gouveia Disciplina: Matemática Aplicada OFERTA DE MERCADO A oferta de uma mercadoria, a um dado preço, é a quantidade que os vendedores estão dispostos a oferecer

Leia mais

C5. Formação e evolução estelar

C5. Formação e evolução estelar AST434: C5-1/68 AST434: Planetas e Estrelas C5. Formação e evolução estelar Mário João P. F. G. Monteiro Mestrado em Desenvolvimento Curricular pela Astronomia Mestrado em Física e Química em Contexto

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M.

Fração como porcentagem. Sexto Ano do Ensino Fundamental. Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Material Teórico - Módulo de FRAÇÕES COMO PORCENTAGEM E PROBABILIDADE Fração como porcentagem Sexto Ano do Ensino Fundamental Autor: Prof. Francisco Bruno Holanda Revisor: Prof. Antonio Caminha M. Neto

Leia mais

Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações

Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações Construção dos números racionais, Números fracionários e operações com frações O número racional pode ser definido a partir da aritmética fechamento da operação de divisão entre inteiros ou partir da geometria

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

Problemas de Valor Inicial para Equações Diferenciais Ordinárias

Problemas de Valor Inicial para Equações Diferenciais Ordinárias Problemas de Valor Inicial para Equações Diferenciais Ordinárias Carlos Balsa balsa@ipb.pt Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Bragança Matemática Aplicada - Mestrados

Leia mais

P r o g r a m a ç ã o d e C o m p u t a d o r e s 1 o S e m - 2 0 1 3 P r o f. A n d r é A m a r a n t e L u i z L A B 5 tag %2d while printf PE1:

P r o g r a m a ç ã o d e C o m p u t a d o r e s 1 o S e m - 2 0 1 3 P r o f. A n d r é A m a r a n t e L u i z L A B 5 tag %2d while printf PE1: Inteligência É a faculdade de criar objetos artificiais, especialmente ferramentas para fazer ferramentas. Henri Bergson. WHILE Além dos comandos if-else e switch, o controle de fluxo de um programa pode

Leia mais

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz

Exercícios 1. Determinar x de modo que a matriz setor 08 080509 080509-SP Aula 35 MATRIZ INVERSA Uma matriz quadrada A de ordem n diz-se invertível, ou não singular, se, e somente se, existir uma matriz que indicamos por A, tal que: A A = A A = I n

Leia mais

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas

Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas Observação das aulas Algumas indicações para observar as aulas OBJECTVOS: Avaliar a capacidade do/a professor(a) de integrar esta abordagem nas actividades quotidianas. sso implicará igualmente uma descrição

Leia mais

Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007

Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007 Prova de Admissão para o Mestrado em Matemática IME-USP - 23.11.2007 A Nome: RG: Assinatura: Instruções A duração da prova é de duas horas. Assinale as alternativas corretas na folha de respostas que está

Leia mais

Análise Complexa e Equações Diferenciais 1 ō Semestre 2015/2016

Análise Complexa e Equações Diferenciais 1 ō Semestre 2015/2016 Análise Complexa e Equações Diferenciais ō Semestre 205/206 ō Teste, versão A (Cursos: LEIC-A, MEAmbi, MEBiol, MEQ). Considere a função u : R 2 R dada por onde a e b são duas constantes reais. 09 de Abril

Leia mais

Sistemas de Numeração

Sistemas de Numeração Sistemas de Numeração Este material é uma adaptação das notas de aula dos professores Edino Fernandes, Juliano Maia, Ricardo Martins e Luciana Guedes Sistemas de Numeração Prover símbolos e convenções

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO Processo n.º 1911/2015 Requerente: João Requerida: SA 1. Relatório 1.1. A requerente, alegando anomalias no funcionamento de computador portátil que comprou à requerida, pediu, inicialmente, a sua substituição

Leia mais

Universidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Exatas. Departamento de Matemática

Universidade Federal do Paraná. Setor de Ciências Exatas. Departamento de Matemática Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Matemática Oficina de Calculadora PIBID Matemática Grupo do Laboratório de Ensino de Matemática Curitiba Agosto de 2013 Duração:

Leia mais

Lista 1 para a P2. Operações com subespaços

Lista 1 para a P2. Operações com subespaços Lista 1 para a P2 Observação 1: Estes exercícios são um complemento àqueles apresentados no livro. Eles foram elaborados com o objetivo de oferecer aos alunos exercícios de cunho mais teórico. Nós sugerimos

Leia mais

Introdução ao MATLAB

Introdução ao MATLAB Introdução ao MATLAB O MATLAB é um programa cálculo numérico que pode ser usado interactivamente. A sua estrutura de dados fundamental é a matriz, que pode ter elementos reais ou complexos. Embora na sua

Leia mais

1. A corrida de vetores numa folha de papel.

1. A corrida de vetores numa folha de papel. 1. A corrida de vetores numa folha de papel. desenhando a pista. o movimento dos carros. o início da corrida. as regras do jogo. 2. A corrida no computador. o número de jogadores. o teclado numérico. escolhendo

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental

Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental Home Índice Autores deste número Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental Adriana Freire Resumo Na Escola Vera Cruz adota-se como norteador da prática pedagógica na área de matemática

Leia mais

A trigonometria do triângulo retângulo

A trigonometria do triângulo retângulo A UA UL LA A trigonometria do triângulo retângulo Introdução Hoje vamos voltar a estudar os triângulos retângulos. Você já sabe que triângulo retângulo é qualquer triângulo que possua um ângulo reto e

Leia mais

Frações. Números Racionais

Frações. Números Racionais Frações Números Racionais Consideremos a operação 4:5 =? onde o dividendo não é múltiplo do divisor. Vemos que não é possível determinar o quociente dessa divisão no conjunto dos números porque não há

Leia mais

Introdução às equações diferenciais

Introdução às equações diferenciais Introdução às equações diferenciais Professor Leonardo Crochik Notas de aula 1 O que é 1. é uma equação:... =... 2. a incógnita não é um número x R, mas uma função x(t) : R R 3. na equação estão presentes,

Leia mais

Máximos, mínimos e pontos de sela Multiplicadores de Lagrange

Máximos, mínimos e pontos de sela Multiplicadores de Lagrange Máximos, mínimos e pontos de sela Multiplicadores de Lagrange Anderson Luiz B. de Souza Livro texto - Capítulo 14 - Seção 14.7 Encontrando extremos absolutos Determine o máximo e mínimo absolutos das funções

Leia mais

EGEA ESAPL - IPVC. Orçamentos Anuais Parciais de Actividade

EGEA ESAPL - IPVC. Orçamentos Anuais Parciais de Actividade EGEA ESAPL - IPVC Orçamentos Anuais Parciais de Actividade Elaboração de Orçamentos Os resultados de uma empresa, ou de qualquer uma das suas actividades, podem ser apurados (ou calculados de forma previsional)

Leia mais

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES

Só Matemática O seu portal matemático http://www.somatematica.com.br FUNÇÕES FUNÇÕES O conceito de função é um dos mais importantes em toda a matemática. O conceito básico de função é o seguinte: toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça

Leia mais

SUB12 Campeonato de Resolução de Problemas de Matemática Edição 2009/2010

SUB12 Campeonato de Resolução de Problemas de Matemática Edição 2009/2010 SUB12 Campeonato de Resolução de Problemas de Matemática Edição 2009/2010 Problema 2 Bouquets de flores a 6 euros Na florista da Dona Libânia estão à venda ramos de flores por 6 euros. Os vários bouquets

Leia mais

Numa turma de 26 alunos, o número de raparigas excede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma?

Numa turma de 26 alunos, o número de raparigas excede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma? GUIÃO REVISÕES Equações e Inequações Equações Numa turma de 6 alunos, o número de raparigas ecede em 4 o número de rapazes. Quantos rapazes há nesta turma? O objectivo do problema é determinar o número

Leia mais

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Funções algébricas do 1º grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Definição Chama-se função polinomial do 1º grau, ou função afim, a qualquer função f de IR em IR dada por uma lei da forma f(x) = ax + b, onde a e b são números reais dados

Leia mais

Canguru Matema tico sem Fronteiras 2013

Canguru Matema tico sem Fronteiras 2013 Canguru Matema tico sem Fronteiras 201 http://www.mat.uc.pt/canguru/ Destinata rios: alunos dos 12. ano de escolaridade Durac a o: 1h 0min Turma: Nome: Na o podes usar calculadora. Em cada questa o deves

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Cursos de Engenharia. Prof. Álvaro Fernandes Serafim

FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Cursos de Engenharia. Prof. Álvaro Fernandes Serafim FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Cursos de Engenharia Prof. Álvaro Fernandes Serafim Última atualização: //7. Esta apostila de Álgebra Linear foi elaborada pela Professora Ilka Rebouças Freire. A formatação

Leia mais

FUNÇÃO. Exemplo: Dado os conjuntos A = { -2, -1, 0, 1, 2} e B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} São funções de A em B as relações a) R 1 = {(x,y) AXB/ y = x + 2}

FUNÇÃO. Exemplo: Dado os conjuntos A = { -2, -1, 0, 1, 2} e B = {0, 1, 2, 3, 4, 5} São funções de A em B as relações a) R 1 = {(x,y) AXB/ y = x + 2} Sistemas de Informação e Tecnologia em Proc. de Dados Matemática Ms. Carlos Roberto da Silva/ Ms. Lourival Pereira Martins FUNÇÃO Definição: Dados dois conjuntos e define-se como função de em a toda relação

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 9 O Valor Económico do Meio Ambiente O porquê da Valorização Ambiental Como vimos em tudo o que para trás

Leia mais

A EVOLUÇÃO DOS PRODUTOS NA INDÚSTRIA TRANSFORMADORA

A EVOLUÇÃO DOS PRODUTOS NA INDÚSTRIA TRANSFORMADORA A EVOLUÇÃO DOS PRODUTOS NA INDÚSTRIA TRANSFORMADORA O ciclo de fabrico característico abrange as seguintes fases: Compra de matérias e serviços Transformação das matérias-primas em produtos acabados Venda

Leia mais