Sistemas de Manuseio Seguro de Medicação IV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Manuseio Seguro de Medicação IV"

Transcrição

1 Sistemas de Manuseio Seguro de Medicação IV Sistemas livres de agulhas de fácil utilização para a preparação segura e administração de medicamentos IV

2 Maximizar a Segurança de Medicação Em Cada Etapa com as soluções de manuseio seguro de medicação IV mais completas do mundo. Mantenha seus pacientes seguros, assim como a si próprio, com tecnologia livre de agulhas, de fácil utilização, projetada para minimizar a exposição a drogas perigosas e manter a esterilidade das drogas. Não é nenhum segredo que medicação intravenosa (IV), incluindo os medicamentos potentes usados para tratar o câncer, é essencial para a assistência ao paciente, mas se não for tratada adequadamente, os médicos podem estar em risco de arriscada exposição a drogas perigosas e acidentes com agulhas. Ao mesmo tempo, a possibilidade de contaminação de drogas ou medidas imprecisas durante a preparação podem colocar em risco a segurança do paciente. Desde a preparação manual da droga para automação de composição controlada pelo usuário, os nossos sistemas de manuseio seguro ajudam a maximizar a segurança do médico e do paciente, enquanto se adaptam perfeitamente ao seu fluxo de trabalho. Sabemos que a eficiência não deve ter que vir à custa do médico e da segurança do paciente. É por isso que desenvolvemos uma linha completa de soluções de manuseio seguro de medicamentos IV que complementam o seu fluxo de trabalho, em vez de complicá-lo. Estas práticas soluções sem agulhas mantêm sistemas fechados, mecanicamente e microbiologicamente, para evitar o escape de drogas perigosas e maximizar a esterilidade dos medicamentos, eliminando o risco de acidentes com agulhas. ChemoLock ChemoClave Dispositivo de Transferência de Sistema Fechado sem Agulhas (CSTD) Diana Sistemas Fechados sem Agulhas e Dispositivos de Transferência de Sistema Fechado Sistema Automatizado de Composição de Drogas Minimiza a exposição a drogas perigosas e maximiza a segurança de medicamentos, garantindo o cumprimento do começo ao fim. A um bom custo-benefício, mantenha-se seguro de exposição a drogas perigosas, mantendo a esterilidade de drogas. Prepare com precisão, de forma segura e eficiente, medicamentos IV com tecnologia de manipulação automatizada controlada pelo usuário.

3 Dispositivo de Transferência de Sistema Fechado sem Agulhas ChemoLock Estabelecendo um Padrão Totalmente Novo para Segurança Contra Drogas Perigosas Sistemas Fechados sem Agulhas e Dispositivo de Transferência de Sistema Fechado ChemoClave A maneira mais rentável de começar a se proteger hoje Com o sistema ChemoLock, nunca foi tão fácil garantir a conformidade, mantendo-se seguro da exposição à drogas perigosas. O sistema intuitivo ChemoLock, livre de agulhas fácil de usar, trava com um único movimento e um clique audível, garantindo que uma conexão segura tenha sido feita para minimizar a exposição a drogas perigosas e proteger a preparação do paciente de contaminação externa. > > Assegura a conformidade de uso, exigindo componentes ligados à medicação patenteada para ativação do sistema > > Encaixa-se com um único movimento e um clique audível > > Elimina a possibilidade de acidentes perigosos com agulhas > > Acelera o tempo de preparação, eliminando a necessidade de montar vários componentes Utilizado em conjunto com outras medidas de segurança, o CSTDs da ICU Medical ajuda a mantê-lo em conformidade com OSHA (Administração de Segurança e Saúde Ocupacional), NIOSH (Instituto Nacional para a Segurança e Saúde Ocupacional), ASHP (Sociedade Americana de Farmacêuticos do Sistema de Saúde), ISOPP (Sociedade Internacional dos Praticantes de Farmácia Oncológica), ONS (Sociedade de Enfermagem Oncológica), APHON (Associação dos Enfermeiros de Hematologia e Oncologia Pediátrica) e USP (Farmacopeia dos EUA) <797>. Com o menor custo de implementação, ChemoClave torna muito mais fácil a decisão de começar a melhorar a segurança de medicamentos IV. ChemoClave mantém um sistema fechado livre de agulhas mecânica e microbiologicamente, para ajudá-lo a minimizar a exposição a drogas perigosas e cumprir com as diretrizes de manuseio de segurança recomendadas. > > Elimina a possibilidade de acidentes perigosos com agulhas > > Sistema de fácil utilização não requer montagem de componentes > > Gera menos resíduos de risco biológico 1 > > Custa menos para implementar do que os sistemas concorrentes 1

4 Automatize Seu Fluxo de Trabalho Com Avanço da Tecnologia de Manipulação de Medicamentos Estéreis Apresentando Diana, o primeiro sistema de manipulação automatizada controlada pelo usuário com código de barras para a preparação segura de medicamentos IV, incluindo drogas perigosas. Composição Automatizada Controlada Pelo Usuário Para Máxima Precisão e Segurança Reduz o risco de lesões por esforço repetitivo A rastreabilidade do fluxo de trabalho automatizado mantém o seu processo de composição em conformidade do princípio ao Fornece um Registro Completo de Cada Preparação Reduz o Erro Humano de Entrada de Dados Após a conclusão de cada mistura, o sistema Diana envia o nome da medicação, volume, a hora e a data para uma impressora que cria até cinco etiquetas contendo informações de preparação para complementar a sua validação e o processo de garantia de qualidade, ajuda a prevenir os erros de medicação, e fornece um registro de preparações anteriores. O scanner de código de barras do sistema Diana faz referência a uma biblioteca de mais de nomes de drogas injetáveis e concentrações para ajudar a minimizar os erros de entrada de dados, dando-lhe uma maior rastreabilidade, uma melhoria da documentação e validação completa de cada preparação. Diana 1 de 5 SN: D21100NCR Libera farmacêuticos e técnicos de muitos dos movimentos Doxorrubicina O sistema Diana complementa seus fluxos de trabalho repetitivos exigidos durante a preparação e reconstituição, Preparado existentes e reduz o risco de erros de entrada de dados e reduz as tensões e lesões que podem ocorrer como humanos, enquanto mantém de modo econômico resultado. composição do começo ao fim. O sistema Diana se encaixa em sua capela de fluxo laminar e protege os médicos da exposição às drogas e picadas de agulha acidentais, protegendo a preparação do paciente da exposição a contaminantes ambientais. mg/ml CHAN 2: por: Melhora a eficiência do seu processo de enchimento de lote farmacêuticos e técnicos no controle do processo de Sistema Fechado Garante Segurança dos Médicos e a Esterilidade da Mistura 25.5 ml 09:45:48 2 Aumenta a Eficiência e Reduz o Desperdício de Drogas Ao ajudar a melhorar a eficiência do alto volume de composição, o sistema Diana pode assegurar a eficiência do fluxo de trabalho, ajudando você a reduzir o desperdício de medicamentos, extraindo cada gota da droga de cada recipiente. As características únicas do sistema Diana facilitam o alto volume de manipulação de medicamentos IV, o que lhe permite melhorar o seu processo de enchimento de lote existente para ser mais preciso, seguro e eficiente. >> Diana aceita seringa de qualquer tamanho para o enchimento do lote de anestesia da sala de operações ou analgesia controlada pelo paciente (PCA) >> Perfeito para o enchimento de lotes de aditivos de uso pesado >> Enche bombas elastoméricas sem esforço

5 ICU Medical e Você: Trabalhar em conjunto para melhorar a segurança do paciente e do médico ao longo de todo o processo do manuseio seguro de medicação IV. Apenas a ICU Medical dá a você sistemas fechados sem agulha, simples e seguros, dispositivos de transferência de sistema fechado, e sistemas de composição da droga automatizados para ajudar a melhorar a segurança da saúde do trabalhador e cumprir com os órgãos: OSHA, NIOSH, ASHP, ISOPP, ONS, APHON e USP <797 >. Entre em contato conosco hoje para saber como podemos ajudá-lo a melhorar o seu processo de manuseio seguro de medicação IV, ligando para ou visitando 1 Barnachea L, Lee T, Gitler J, Saria M. Presented at the California Society of Health System Pharmacists (CSHP), November 4, ICU Medical Inc. M1-1464PT Rev

Diana. Composição esterilizada automatizada para a preparação segura, precisa e eficiente de drogas de risco. Sistema de Composição de Drogas de Risco

Diana. Composição esterilizada automatizada para a preparação segura, precisa e eficiente de drogas de risco. Sistema de Composição de Drogas de Risco Diana Sistema de Composição de Drogas de Risco Composição esterilizada automatizada para a preparação segura, precisa e eficiente de drogas de risco. Precisão, segurança e eficiência na tecnologia de composição

Leia mais

DISPOSITIVO DE SEGURANÇA. Fernanda Mara Coelho Cardozo Consultora Educacional BD Medical Mestranda em Enfermagem pela EERP - USP

DISPOSITIVO DE SEGURANÇA. Fernanda Mara Coelho Cardozo Consultora Educacional BD Medical Mestranda em Enfermagem pela EERP - USP DISPOSITIVO DE SEGURANÇA Fernanda Mara Coelho Cardozo Consultora Educacional BD Medical Mestranda em Enfermagem pela EERP - USP No passado e no Presente Novas Tecnologias Cenário Atual Complexidade terapêutica

Leia mais

Oncologia. Aula 8: Manipulação de Quimioterapia. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 8: Manipulação de Quimioterapia. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 8: Manipulação de Quimioterapia Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Cenário atual da produção de injetáveis Beira do leito Posto de enfermagem Cenário ideal de preparação de injetáveis

Leia mais

ca@hsjoao.min-saude.ptsaude.pt 50 Anos Serviços Farmacêuticos

ca@hsjoao.min-saude.ptsaude.pt 50 Anos Serviços Farmacêuticos Programa do Medicamento Hospitalar Infarmed, 26 de Janeiro 2009 Centro de preparação de medicamentos:. Prof. Doutor António Ferreira ca@hsjoao.min-saude.ptsaude.pt Hospital S. João, E.P.E. Maio 2007 Unidade

Leia mais

ASSÉPTICAS E CONTIDAS. www.thechargepoint.com. Manuseio de ingredientes e componentes sensíveis em processos assépticos

ASSÉPTICAS E CONTIDAS. www.thechargepoint.com. Manuseio de ingredientes e componentes sensíveis em processos assépticos ASSÉPTICAS E CONTIDAS Manuseio de ingredientes e componentes sensíveis em processos assépticos Processo de esterilização simples Alto desempenho na contenção de produtos de risco www.thechargepoint.com

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

Medicamento O que é? Para que serve?

Medicamento O que é? Para que serve? Medicamento O que é? Para que serve? Os Medicamentos são produtos farmacêuticos, tecnicamente obtidos ou elaborados, com finalidade profilática, curativa, paliativa ou para fins de diagnóstico (Lei nº

Leia mais

T-DOC CyCle RegisTRO De DaDOs De máquinas DigiTalize seus CiClOs De PROCessO

T-DOC CyCle RegisTRO De DaDOs De máquinas DigiTalize seus CiClOs De PROCessO T-DOC Cycle Registro de dados de máquinas Digitalize seus CICLOS DE PROCESSO Always with you 2 T-DOC Cycle Documentação digital monitore seus parâmetros de ciclo em tempo real Pode ser muito difícil aumentar

Leia mais

t-doc 1000 SDM rastreabilidade total Always with you

t-doc 1000 SDM rastreabilidade total Always with you t-doc 1000 SDM rastreabilidade total Domine sua produção ESTÉRIL Always with you 2 T-DOC 1000 SDM OBTENHA CONTROLE TOTAL ALCANCE NOVOS NÍVEIS DE EFICIÊNCIA EM SEU DEPARTAMENTO DE ESTERILIZAÇÃO Fluxos de

Leia mais

HEALTHCARE SOLUTIONS. pillpick

HEALTHCARE SOLUTIONS. pillpick HEALTHCARE SOLUTIONS pillpick Automated SISTEMA AUTOMATIZADO Packaging and DE dispensing EMBALAGENS system E DISPENSAÇÃO O PillPick é altamente preciso e fornece aos nossos enfermeiros os medicamentos

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ FISPQ nº : 15 ALB-IPEN-131

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ FISPQ nº : 15 ALB-IPEN-131 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ FISPQ nº : 15 ALB-IPEN-131 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto/substância Uso do produto/substância ALB-IPEN-131 Produto

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR

DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR DECLARAÇÕES EUROPEIAS DA FARMÁCIA HOSPITALAR As páginas que se seguem constituem as Declarações Europeias da Farmácia Hospitalar. As declarações expressam os objetivos comuns definidos para cada sistema

Leia mais

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias

Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias Projeto coordenado pela profa. Dra. Denise Costa Dias . De acordo com FakiH (2000) essas infusões podem ser em: Bolus: é a administração intravenosa realizada em tempo menor ou igual a 1 minuto.geralmente

Leia mais

QUIMIOTERAPIA Aspectos Farmacêuticos. João E. Holanda Neto Farmacêutico

QUIMIOTERAPIA Aspectos Farmacêuticos. João E. Holanda Neto Farmacêutico QUIMIOTERAPIA Aspectos Farmacêuticos João E. Holanda Neto Farmacêutico EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Médico Avaliação do paciente e prescrição do esquema terapêutico (protocolo de QT) de acordo com o tipo,

Leia mais

Máscara ISO-Gard com tecnologia ClearAir. Reduza o risco invisível

Máscara ISO-Gard com tecnologia ClearAir. Reduza o risco invisível Máscara ISO-Gard com tecnologia ClearAir Reduza o risco invisível A ÁREA MAIS CRÍTICA DA UCPA A zona respiratória, diretamente na frente da boca do paciente, é o lugar em que os resíduos de gases anestésicos

Leia mais

HEALTHCARE SOLUTIONS GESTÃO INTEGRADA DE MEDICAMENTOS PARA HOSPITAIS INOVADORES

HEALTHCARE SOLUTIONS GESTÃO INTEGRADA DE MEDICAMENTOS PARA HOSPITAIS INOVADORES HEALTHCARE SOLUTIONS GESTÃO INTEGRADA DE MEDICAMENTOS PARA HOSPITAIS INOVADORES UMA LONGA HISTÓRIA DE INOVAÇÃO EM SISTEMAS AUTOMATIZADOS SEGUROS E EFICIÊNTES PARA GESTÃO DE MEDICAMENTOS SOB MEDIDA «SWISSLOG,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop

UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS: Atendimento das Prescrições por Lote e com Uso de Palmtop Hospital Nossa Senhora da Conceição SERVIÇO DE FARMÁCIA STELLA GOULART LAMEIRA Farmacêutica-Bioquímica Especialista

Leia mais

Soluções para a Segurança do Paciente

Soluções para a Segurança do Paciente Soluções para a Segurança do Paciente Tradução de Adélia Quadros Farias Gomes Para o Centro Colaborador para a Qualidade do Cuidado e a Segurança do Paciente Proqualis 2007 O Programa da Organização Mundial

Leia mais

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg

GABARITO. Resposta: Cálculo da superfície corporal para dose de gencitabina 1 m 2 --- 1000 mg 1,66 m 2 --- X mg X = 1660 mg GABARITO 1 - Sr José, 65 anos, apresenta dor abdominal intensa há dois meses. Após solicitação de ultrasonografia pelo médico assistente chegou-se ao diagnóstico de câncer de pâncreas. O tratamento proposto

Leia mais

Reportagem Gestão de Resíduos

Reportagem Gestão de Resíduos 22 Reportagem Gestão de Resíduos Conexão 32 Setembro/Outubro 2010 23 Enfermagem na gestão de resíduos Uma das etapas mais complexas da segurança e da limpeza hospitalar está relacionada à gestão dos Resíduos

Leia mais

MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0

MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0 PT MANIPULAÇÃO DOS INSTRUMENTOS PERSONALIZADOS PROPHECY DESCARTÁVEIS DA MICROPORT 150807-0 Estão incluídos na presente embalagem os idiomas seguintes: English (en) Deutsch (de) Nederlands (nl) Français

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS ESPECIALIZADOS DA ÁREA DE SAÚDE I. Objetivos do Regulamento dos Laboratórios Especializados da Área de Saúde 1. Fornecer um guia geral e regras básicas consideradas mínimas

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem en Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e ESterilização- 2011 A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

Leia mais

Sistema de Dentes Ultralok da ESCO

Sistema de Dentes Ultralok da ESCO Sistema de Dentes Ultralok da ESCO ESCO Corporation Reconhecida por seus produtos exclusivos e pelo know-how em engenharia e metalurgia, A ESCO é fabricante líder de ferramentas de penetração do solo de

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica. Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Terapia Dialítica, Assistência Antineoplásica e Hemoterápica Flávia Soveral Miranda Fabíola Raymundo Requisitos comuns a todos as subseções Planeja as atividades,

Leia mais

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL II CIMMEC 2º CONGRESSO INTERNACIONAL DE METROLOGIA MECÂNICA DE 27 A 30 DE SETEMBRO DE 2011 Natal, Brasil DESAFIOS OPERACIONAIS E METROLÓGICOS DA MEDIÇÃO POR COORDENADAS NO AMBIENTE DE MANUFATURA DIGITAL

Leia mais

PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER

PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER Schoeller.indd 1 9/24/12 11:34 AM PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER O Grupo Schoeller, referência de qualidade, está presente em mais de 50 países, em todo o mundo. O emprego da alta tecnologia e a adoção de

Leia mais

Impressão por transferência térmica Linha de produtos DataFlex

Impressão por transferência térmica Linha de produtos DataFlex Confiabilidade ideal, máxima produtividade Impressão por transferência térmica Linha de produtos DataFlex 2 Nossa linha DataFlex de Impressoras por Transferência Térmica oferece alto tempo de operação

Leia mais

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção 45 45 1 A legislação Brasileira (mais recentes) RDC 156 de 2006 RE-2605 de 2006 RE-2606 de 2006

Leia mais

Gestão da Qualidade, Segurança do Paciente e Unitarização pelo Sistema Opus

Gestão da Qualidade, Segurança do Paciente e Unitarização pelo Sistema Opus Gestão da Qualidade, Segurança do Paciente e Unitarização pelo Sistema Opus II Fórum Brasileiro sobre Assistência Farmacêutica e Farmacoeconomia. Salvador de Bahia, 2014. Copyright Victor Basso, Opuspac,

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

VÁLVULAS DE CONTENÇÃO PARA

VÁLVULAS DE CONTENÇÃO PARA VÁLVULAS DE CONTENÇÃO PARA Manipulação mais segura de ingredientes de formulação e IFA altamente potentes Desempenho de contenção em nível de nanograma P&D para a formulação de escala piloto e produção

Leia mais

Comissão de Farmácia Hospitalar - 2012

Comissão de Farmácia Hospitalar - 2012 Comissão de Farmácia Hospitalar - 2012 Fracionamento de Medicamentos de Uso Oral Farm. Ligia Regina Lustosa do Valle ligiadovalle@gmail.com 1 Fracionamento de Medicamentos Nas primeiras práticas institucionais

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 047 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 047 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 047 / 2011 Assunto: Equipamentos de Proteção Individual - EPIs. 1. Do fato Solicitado parecer sobre a utilização de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) pela equipe de Enfermagem.

Leia mais

PROTOCOLO DE AVALIAÇAO TÉCNICA DE PREPARAÇÕES ENZIMATICAS EM LAVADORAS AUTOMÁTICAS E LAVAGEM MANUAL

PROTOCOLO DE AVALIAÇAO TÉCNICA DE PREPARAÇÕES ENZIMATICAS EM LAVADORAS AUTOMÁTICAS E LAVAGEM MANUAL Hospital e Maternidade Municipal Dr. Adelmo Leão Carneiro. Data:1/10/2011 Responsáveis: Enf.ª Aparecida Gomes e Fabiana Comparativo: Detergente Enzimático Riozime Neutro Plus e Endozime Xtreme Power (XP)

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Proteção e prevenção SUBFUNÇÃO: SEGURANÇA NO TRABALHO E BIOSSEGURANÇA

Leia mais

DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein.

DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein. DRA. GLÁUCIA BERRETA RUGGERI MÉDICA ENDOCRINOLOGISTA DO CENTRO DE SAÚDE OCUPACIONAL HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN glauciabr@einstein.br Segurança do Paciente => 1999 => Marco => TheError is Human

Leia mais

Proteção contra Quedas Residenciais

Proteção contra Quedas Residenciais Nós estamos aqui para ajudar! Em caso de emergência: quando contactar a OSHA Para relatar uma emergência ou uma situação de risco de vida iminente, favor de contactar o número gratuíto da OSHA imediatamente:

Leia mais

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO

CURSO II - PRÉ-CONGRESSO RUA DO ROSÁRIO, 135 4º ANDAR / CENTRO RIO DE JANEIRO / RJ CEP.: 20041-005 (21) 2224-2237 (31) 2224-3237 www.abebrasil.org.br 11º Congresso Mundial de Esterilização e 7 Edição do Simpósio Internacional

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ Guilherme Viero, Marlise Shoenhals, Franciele A.C. Follador, Darlan Clóvis Vettorello Rech,

Leia mais

Integrando com sucesso o Flex:trial em suas atividades. Guia de aconselhamento 2.0 do Flex:trial

Integrando com sucesso o Flex:trial em suas atividades. Guia de aconselhamento 2.0 do Flex:trial Integrando com sucesso o Flex:trial em suas atividades Guia de aconselhamento 2.0 do Flex:trial Comprar aparelhos auditivos é uma decisão importante Em média, uma pessoa leva 7 anos para tomar alguma atitude

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO

II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO II Encontro Goiano de Gerenciamento de Riscos Maria Salete S. Pontieri Nascimento COREN GO Necessidade de Atendimento e Riscos à saúde Complexidade do Sistema de Atenção à Saúde. Difíceis interações entre

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE

CHEK LIST CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS/ LATERALIDADE 1 de 6 335547222 5 RESULTADO ESPERADO: 335547222 Ajudar a garantir que as equipes cirúrgicas sigam de forma consistente algumas medidas de segurança críticas. Espera-se que dessa forma os riscos mais comuns

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 1 de 6 FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Em conformidade com NBR 14725-4/2012 FISPQ n : 224/14 Data: 01/09/14 Revisão: 0 Data Rev.: 01/09/14 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página 1 de 6 FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Em conformidade com NBR 14725-4/2012 FISPQ n : 216/13 Data: 27/06/2013 Revisão: 1 Data Rev.: 03/02/14 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP 027/2012 CT PRCI n 99.327/2012 Tickets n s 278.241, 279.264, 280.658, 286.357, 286.950 e 289.691 Ementa Assunto: Competência dos profissionais de enfermagem e cuidados no preparo e administração

Leia mais

A Monitorização do Processo

A Monitorização do Processo A Monitorização do Processo Ana Rita Martins DIL/UI 22 anos de serviço público com valores e ética Reprocessamento Novo processamento de algo que já foi processado anteriormente ou Processar mais uma vez

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho

Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho Proteção Individualnas operações com riscos* diversos ao analista e ao grupo em ambiente de trabalho EPI/DPI é considerado o equipamento ou

Leia mais

Regina Lourenço Maria Piedade Ferreira CHLN, Hospital Santa Maria Janeiro 2009

Regina Lourenço Maria Piedade Ferreira CHLN, Hospital Santa Maria Janeiro 2009 Regina Lourenço Maria Piedade Ferreira CHLN, Hospital Santa Maria Janeiro 2009 Farmácia Hospitalar Aquisição Distribuição Informação Produção Operações relacionadas com o medicamento manipulado, que vão

Leia mais

Extrusão de Tubos, Cabos e Fios Sistemas para Marcação e Codificação

Extrusão de Tubos, Cabos e Fios Sistemas para Marcação e Codificação Jato de Tinta. Laser. Transferência Térmica. Etiquetadoras. Sistemas de Rastreamento. Consumíveis. Peças e Assistência Técnica. Extrusão de Tubos, Cabos e Fios Sistemas para Marcação e Codificação Fio

Leia mais

PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA

PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA PROTOCOLO DE FIXAÇÃO SEGURA HOSPITAL FÊMINA Porto Alegre 2014 1 INTRODUÇÃO A prática da terapia intravenosa ocupa segundo estudos 70% do tempo da enfermagem durante sua jornada de trabalho, sem levar em

Leia mais

NIIDE-U Núcleo Interdisciplinar de Inovação em Design Universal Universidade Federal de Santa Catarina UFSC. Edmilson Rampazzo Klen

NIIDE-U Núcleo Interdisciplinar de Inovação em Design Universal Universidade Federal de Santa Catarina UFSC. Edmilson Rampazzo Klen NIIDE-U Núcleo Interdisciplinar de Inovação em Design Universal Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Edmilson Rampazzo Klen Motivação na Acessibilidade Engenheiro Mecânico Prof para Engenharias

Leia mais

a) garantindo que todos os produtos químicos sejam avaliados com o fim de determinar o perigo que apresentam;

a) garantindo que todos os produtos químicos sejam avaliados com o fim de determinar o perigo que apresentam; Convenção 170 PRODUTOS QUÍMICOS A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho convocada em Genebra pelo Conselho da Administração do Departamento Internacional do Trabalho, e congregada

Leia mais

Procedimentos de montagem e instalação

Procedimentos de montagem e instalação Procedimentos de montagem e instalação de elementos filtrantes Pall grau P (farmacêutico) 1. Introdução Os procedimentos abaixo devem ser seguidos para a instalação dos elementos filtrantes Pall grau P

Leia mais

Software LabX UV/VIS. Software de PC LabX UV/VIS. Dinamize Seu Fluxo de Trabalho UV/VIS

Software LabX UV/VIS. Software de PC LabX UV/VIS. Dinamize Seu Fluxo de Trabalho UV/VIS Software LabX UV/VIS Software de PC LabX UV/VIS Software LabX UV/VIS Dinamize Seu Fluxo de Trabalho UV/VIS Otimização do Fluxo de Trabalho Dinamize Seu Fluxo de Trabalho UV/VIS Simplifique, Torne Eficiente

Leia mais

REDUZA O DESPERDÍCIO E FIQUE LEAN!

REDUZA O DESPERDÍCIO E FIQUE LEAN! Lean Manufacturing & Maintenance REDUZA O DESPERDÍCIO E FIQUE LEAN! As Indústrias são muitas vezes surpreendidas ao saberem que apenas uma pequena fração de suas atividades realmente agregam valor para

Leia mais

Trastuzumab. Herceptin Roche

Trastuzumab. Herceptin Roche Trastuzumab Herceptin Roche PORTARIA Nº 73, DE 30 DE JANEIRO DE 2013 Estabelece protocolo de uso do trastuzumab na quimioterapia do câncer de mama HER-2 positivo inicial e localmente avançado. que devem

Leia mais

Kit para biópsia Astermed - Biocut

Kit para biópsia Astermed - Biocut Kit para biópsia Astermed - Biocut Agulha para Biópsia de tecidos moles, semiautomática, centimetrada, ponta ecogênica (sistema ecostar), radiopaca ao RX, TC, Ultra-som, MRI, estereotáxica. Bisel e Cânula

Leia mais

A ESCOLHA CERTA. UM PARCEIRO QUE SE IMPORTA COM VOCÊ. Serviços Inteligentes

A ESCOLHA CERTA. UM PARCEIRO QUE SE IMPORTA COM VOCÊ. Serviços Inteligentes Serviços Inteligentes UM PARCEIRO QUE SE IMPORTA COM VOCÊ. Oferecemos 100 anos de liderança na inovação de imagens e em TI na área de saúde. Nossa equipe de serviços em todo o mundo trabalha junto com

Leia mais

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos

Segurança no Trabalho com Produtos Químicos 1 CONVENÇÃO N. 170 Segurança no Trabalho com Produtos Químicos I Aprovada na 77a reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1990), entrou em vigor no plano internacional em 4.11.83. II Dados

Leia mais

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL

IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL IV SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÁVEIS- 2011 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS EM MEDICINA LABORATORIAL São Paulo, 26/09/2011 VALÉRIA APARECIDA FARIA Bióloga Especialização em Gestão Ambiental pela Faculdade

Leia mais

ESTE DOCUMENTO É UMA TRADUÇÃO LIVRE. EM CASO DE DIVERGÊNCIA, PREVELECE A INFORMAÇÃO ESPECÍFICA CONTIDA NO EDITAL ORIGINAL EM INGLÊS.

ESTE DOCUMENTO É UMA TRADUÇÃO LIVRE. EM CASO DE DIVERGÊNCIA, PREVELECE A INFORMAÇÃO ESPECÍFICA CONTIDA NO EDITAL ORIGINAL EM INGLÊS. ESTE DOCUMENTO É UMA TRADUÇÃO LIVRE. EM CASO DE DIVERGÊNCIA, PREVELECE A INFORMAÇÃO ESPECÍFICA CONTIDA NO EDITAL ORIGINAL EM INGLÊS. Seção 3a: Cronograma de Requisitos e Especificações Técnicas CONDIÇÕES

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola contém 100 mg de azacitidina e 100 mg de manitol como excipiente.

COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola contém 100 mg de azacitidina e 100 mg de manitol como excipiente. Vidaza azacitidina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Vidaza pó liofilizado para injeção, está disponível em frasco ampola com 100 mg de azacitidina. USO SUBCUTÂNEO USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada frasco ampola

Leia mais

SENSATION E CS300 SISTEMA BIA MENOR E MAIS RÁPIDO DATASCOPE IS NOW MAQUET CARDIOVASCULAR

SENSATION E CS300 SISTEMA BIA MENOR E MAIS RÁPIDO DATASCOPE IS NOW MAQUET CARDIOVASCULAR SENSATION E CS300 SISTEMA BIA MENOR E MAIS RÁPIDO CARDIOVASCULAR DATASCOPE IS NOW MAQUET CARDIOVASCULAR The Gold Standard Cardiovascular CS100 3 Datascope is now MAQUET CARDIOVASCULAR Profissionais dedicadas

Leia mais

Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon

Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon Inspeção através de sistema de visão industrial Ergon Introdução A Ergon Sistemas de Visão Industrial, parceira das empresas Industrial Vision Systems e Neurocheck, juntas formam importantes fornecedores

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos.

Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. Procedimento Operacional Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Práticas seguras de distribuição de medicamentos. POP nº 06 - NUVISAH/HU Versão: 01 Próxima revisão: 30/07/2016

Leia mais

Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes. Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro

Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes. Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro Programa para prevenção de ATs com perfurocortantes Érica Lui Reinhardt Pesquisadora - Fundacentro Respeito Ambiente Ocupacional Saudável Programas integrados PPRA, PCMSO, PGRSS... Visão holística do serviço

Leia mais

Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho

Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho Profa. Songeli Menezes Freire Profa. Maria Teresita Bendicho Proteção Individualnas operações com riscos* diversos ao analista e ao grupo em ambiente de trabalho EPI/DPI é considerado o equipamento ou

Leia mais

Solares. guarda-sóis manual de troca de corda

Solares. guarda-sóis manual de troca de corda Solares guarda-sóis manual de troca de corda Solares guarda-sóis manual de troca de corda Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de fácil montagem,

Leia mais

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança.

Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores. Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Humira Guia de administração para os doentes pediátricos dirigido aos cuidadores Leia este guia antes de administrar a injeção à sua criança. Mantenha o medicamento no frigorífico (a uma temperatura entre

Leia mais

NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA

NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA NOME COMERCIAL: APLIC SERINGA DESCARTÁVEL RETRÁTIL COM AGULHA 1.1. Descrição detalhada do produto médico, incluindo os fundamentos de seu funcionamento e sua ação: A Aplic Seringa Descartável Retrátil

Leia mais

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8

Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Sphinx Scanner Informações gerais V 5.1.0.8 Pré-requisitos: Possuir modalidade scanner no software Sphinx A SPHINX Brasil propõe uma solução de leitura automática de questionários por scanner. O Sphinx

Leia mais

Suprimentos originais HP

Suprimentos originais HP Suprimentos originais HP Entendendo a função dos suprimentos HP na qualidade e confiabilidade da impressão. Cada vez que você utilizar suprimentos originais HP, terá impressos produzidos por componentes

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Portfólio de Serviços GED Premier. Saiba mais em www.gedpremier.com.br

Portfólio de Serviços GED Premier. Saiba mais em www.gedpremier.com.br Portfólio de Serviços GED Premier Saiba mais em www.gedpremier.com.br Áreas de Atuação Enriquecimento de Dados Cadastrais e Listas Segmentadas Localização de Devedores e Clientes e Sistema Antifraude Disparo

Leia mais

SELEÇÃO DE ESTÁGIO 2013/02

SELEÇÃO DE ESTÁGIO 2013/02 SELEÇÃO DE ESTÁGIO 2013/02 Estão abertas as inscrições para o processo seletivo de estágio no Laboratório Teuto. Os interessados deverão enviar currículos até dia 04/06/13, para o e-mail seleção@teuto.com.br,

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

Verano. guarda-sóis manual de troca de corda

Verano. guarda-sóis manual de troca de corda Verano guarda-sóis manual de troca de corda Verano guarda-sóis manual de troca de corda Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de fácil montagem,

Leia mais

PROTOCOLO DE POP- NUTRIÇÃO PARENTERAL FARMÁCIA HOSPITALAR Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional

PROTOCOLO DE POP- NUTRIÇÃO PARENTERAL FARMÁCIA HOSPITALAR Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional Página: 1/17 Emissor: Fabiano de Oliveira Bueno Emitido em: 13/11/2012 Aprovação: Equipe Multidiscliplinar de Terapia Nutricional Aprovado em: 11/12/2012 PROTOCOLO PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO (POP)

Leia mais

Leve seus formulários... Não o papel! Documentos corporativos nunca foram tão leves e fáceis de carregar.

Leve seus formulários... Não o papel! Documentos corporativos nunca foram tão leves e fáceis de carregar. Leve seus formulários... Não o papel! Documentos corporativos nunca foram tão leves e fáceis de carregar. Você sabia que? 80% da impressão corporativa está relacionada a transações* Tal como: - Faturas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

O PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM E OS RISCOS NO TRABALHO: acidentes com materiais perfurocortantes

O PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM E OS RISCOS NO TRABALHO: acidentes com materiais perfurocortantes O PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM E OS RISCOS NO TRABALHO: acidentes com materiais perfurocortantes Mel DAVID I RESUMO Este trabalho procura caracterizar os acidentes de trabalho com materiais perfurocortantes

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 COMO IMPLANTAR NOVOS KITS E METODOLOGIAS: ELEMENTOS A SEREM CONSIDERADOS NAS TOMADAS DE DECISÕES, AÇÕES E CUIDADOS TÉCNICOS PARA VIABILIZAR A IMPLANTAÇÃO Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 Qualidade

Leia mais

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X

I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X I M P L E M E N TA Ç Ã O D O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X T E C N O L O G I A D A I N F O R M A Ç Ã O C Ó D I G O B I D I M E N S I O N A L D A T A M A T R I X PROCESSOS E

Leia mais

Sistema de Câmera 560 HD. Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo

Sistema de Câmera 560 HD. Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo Página 1 INSTRUÇÃO DE USO Sistema de Câmera 560 HD Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo INTRODUÇÃO Antes de utilizar os Acopladores, Separadores de Feixe e Adaptadores de Vídeo do Sistema

Leia mais

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos

Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Sala Limpa ou Sala Classificada: Qual a diferença de se trabalhar com elas? Roberta Souza Cruz Bastos Farmacêutica RT Gerente de Suprimentos Outubro/2014 BLOCO I Fundação Cristiano Varella Hospital do

Leia mais

Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC) P R O F. ª : S U Z I A N E A N T E S J A C O B S

Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC) P R O F. ª : S U Z I A N E A N T E S J A C O B S Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC) P R O F. ª : S U Z I A N E A N T E S J A C O B S Sistema APPCC Projeto APPCC : Anvisa e Senai Ferramenta de gestão de risco desenvolvida para garantir

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml

SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml SALSEP cloreto de sódio Solução nasal 9 mg/ml USO INTRANASAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES Solução nasal com 9 mg/ml de cloreto de sódio. Embalagem com 1 frasco spray nasal

Leia mais