COMO ATINGIR MAIOR EFICIÊNCIA OPERACIONAL EM TEMPOS DE CRISE. A hora e a vez do digital banking. Áreas de TI dos bancos desenvolvem APPs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMO ATINGIR MAIOR EFICIÊNCIA OPERACIONAL EM TEMPOS DE CRISE. A hora e a vez do digital banking. Áreas de TI dos bancos desenvolvem APPs"

Transcrição

1 A hora e a vez do digital banking Áreas de TI dos bancos desenvolvem APPs Foco em novas experiências para o usuário COMO ATINGIR MAIOR EFICIÊNCIA OPERACIONAL EM TEMPOS DE CRISE Executivos Financeiros 1

2 Editorial Mais do que tratar empresas de forma especial, o Banco do Brasil oferece serviços exclusivos. Banco do Brasil Corporate Banking. Soluções sob medida para grandes negócios. 2 Executivos Financeiros

3

4 Editorial Expediente Novidades financeiras e tecnológicas O mercado nacional vai intensificar a produção de inovações e aplicativos financeiros, para atrair cada vez mais o contingente de clientes interessados em ter a melhor experiência de uso dos bancos. Facilidades, que tornem suas atribuições e obrigações financeiras, no dia-a-dia, mais simples de resolver é, em princípio, o que todos os clientes desejam. O correntistas e usuários estão ávidos por novidades. Dois exemplos, de inciativas voltadas para a economia e para mundo digital no mercado financeiro nos são dados pelo bancos Bradesco e Itaú Unibanco. O InovaBRA, do Bradesco, destaque na edição deste ano do Prêmio efinance, há 15 anos organizado pela Editora Executivos Financeiros, é uma plataforma aberta através da qual, o banco da Cidade de Deus se propõe a alavancar o ecossistema de inovação brasileiro, apoiando startups e empreendedores a transformar ideias disruptivas em soluções robustas para grandes mercado. Outro objetivo do Bradesco com essa iniciativa é impactar positivamente o setor de produtos e serviços financeiros, transformando esses empreendedores em empresas maduras para atender grandes mercados e os projetos em novas experiências para os clientes. Operando desde agosto de 2014, 513 projetos já foram inscritos, sendo que 11 já estão em desenvolvimento. Na mesma linha, o Itaú Unibanco, anunciou para o segundo semestre de 2015 o projeto Cubo, em parceria com a Redpoint e.ventures, também para fomentar o mercado de empreendedorismo tecnológico na América Latina. A sede do Cubo terá mais de m² de área e comportará cerca de 250 empreendedores, até 50 startups, e infraestrutura para oferecer conteúdo de educação empreendedora para interessados no tema. Além do ambiente de coworking, o espaço auditório para 130 pessoas, cafeteria, salas para cursos e um espaço para eventos na cobertura do prédio. Do ponto de vista de resultados de inciativas nesta direção, esta edição do Prêmio efinance promove a exibição de outros dois cases vencedores: o primeiro é o aplicativo de crédito que o Bradesco desenvolveu e implementou no carro inteligente da Ford. Isso abre um enorme potencial de possibilidade para construir acesso dos usuários e seus familiares quando estiverem viajando ou mesmo engarrafados numa grande cidade. O quanto isso pode adiantar em termos pragmáticos e agilidade no acesso aos canais dos bancos é o que será testado daqui para frente. Outro exemplo é o case do Ourocard, do Banco do Brasil, que permite ao correntista operar o cartão através de seu smartphone. O mercado bancário está criando um sem número de facilidades que estão sendo ofertadas ao grande público e, em pouco tempo, essas conveniências serão diferenciais relevantes na atração de novos clientes pelo setor de intermediação financeiro. E rapidamente, será seguido por outros setores da atividade econômica que, de tal forma, levará conforto e comodidade para as pessoas e resultados para as operações. Tecnologia da Informação, no frigir dos ovos, é isso. É meio e não fim. Pensar e desenvolver sistemas e aplicativos que tornem a vida do cidadão mais racional e que ajude a dispor de tempo para si, familiares e amigos, para usufruir da maneira que cada um mais gosta. Esse é um momento rico, em que muitas inovações serão disponibilizadas ao grande público, graças a inventiva dos profissionais que atuam nas áreas de finanças e TI (tecnologia da Informação) não necessariamente nessa ordem. Nesse sentido, deve ser um tempo divertido! Guilherme Berriel Editor Editora Executivos Financeiros Ltda. Diretor de Redação Guilherme Berriel Diretora Comercial Luciana Leone Guedes Editor-assistente Irineu Uehara Arte e Web Master Igor Ramos Mailing e Circulação Gabriela Gomes Arte Alexandre Paes Dias Colaboraram nesta edição Edilma Rodrigues Inaldo Cristoni Irineu Uehara Maria Lucia D urso Suzel Santos Vanderlei Campos 4 Executivos Financeiros

5 6 CIOs - Líderes da área de TI disputam hoje com os CFOs a condução do processo de transformação nas organizações 10 Cloud computing - Conservadorismo em relação à adoção das nuvens não têm mais razão de ser, garantem provedores. 14 Big Data - Expertise em negócios e em estatísticas deve estar na base das iniciativas, bem como a boa qualidade dos dados. 18 Internet das Coisas - Bancos e seguradoras poderão aprofundar, de maneira inédita, o conhecimento de suas bases de clientes. 20 Redes sociais - Bancos precisam reestruturar-se e criar nova cultura se quiserem trabalhar eficazmente com as novas mídias. 30 Dados setoriais - Puxados pela construção de data centers, investimentos em TI do setor bancário bateram em R$ 21,5 bilhões no ano passado, calcula a Febraban. 36 Estudo - Concentração do mercado fortalece ainda mais a posição dos grandes bancos na geração de valor, segundo constatou a DOM Strategy Partners. 42 Data centers - Arquitetura e infraestrutura montadas pelas instituições financeiras incorporam o estado-da-arte tecnológico. 46 Eficiência operacional - TI continuará sendo o principal instrumento para inovar o negócio bancário. 54 M-payment - Pagamentos eletrônicos crescem a uma velocidade maior que a do e-commerce. 58 Meios de pagamento - Numerosas empresas movimentam-se para formatar ofertas e explorar potencial deste mercado emergente. 62 Mobilidade - Bancos avançam decididamente na escala da maturidade móvel, ofertando numerosos serviços para seus clientes. Índice Entrevistas 24 Entrevista com Maurício Minas - Para o líder da TI no Bradesco, população ainda não bancarizada abre oportunidades de prospecção. 40 Entrevista com Geraldo Dezena - Segundo o CIO do BB, instituição quase dobrou a capacidade de processamento com a inauguração de dois data centers. Artigos 28 Marco Santos, managing director Latam do Grupo GFT, chama a atenção para a entrada de novos players no mercado financeiro, acirrando a concorrência com os bancos. 51 Laércio Albuquerque, presidente da CA Technologies na América Latina, mostra que os investimentos em TI trazem altas taxas de retorno para as organizações. 52 Guilherme Horn, diretor executivo para a área de serviços financeiros da Accenture, fala sobre a busca de eficiência nestes tempos de crise. 65 Wander Cunha, Diretor executivo de Business Consulting da Stefanini, explica como a tecnologia pode impulsionar a criatividade e eficiência operacional. Executivos Financeiros 5

6 Editorial Transformar o business bancário, o grande desafio do momento Líderes de TI se veem cada vez mais instados a assumir o protagonismo na condução das mudanças, orquestrando inovações e atuando em plena sintonia com as áreas de negócios Irineu Uehara Em tempos de digitalização acelerada da sociedade e da vida cotidiana das pessoas, os bancos, como nunca, se veem compelidos a aprofundar a transformação de seu modus operandi, a fim de sintonizar-se com as novas demandas sociais, tirando proveito efetivo das tecnologias emergentes. É aí que os CIOs (Chief Information Officers) são instados a assumir o protagonismo na condução deste processo, devendo para tanto enfrentar uma série de complexos desafios, destacando-se entre eles o de orquestrar inovações que beneficiem diretamente os negócios-fim das instituições. Afinal, os players desta vertical poderiam extrair ganhos expressivos da virada tecnológica em curso, usufruindo concretamente do potencial aportado por recursos como mobilidade, cloud e Big Data. Como pondera Ana Cláudia Reis, sócia da CTPartners, seria então factível alcançar menor custo operacional, melhor conhecimento dos clientes, maior eficácia na venda de produtos e a decorrente adequação, integração e melhoria dos canais de atendimento. Para galvanizar este processo, no entanto, ressalva a entrevistada, a área de TI precisaria ser enxergada pelo negócio como a principal influenciadora e impulsionadora dos avanços: Claramente percebemos uma alteração na agenda e nas atribuições dos CIOs, em consequência das novas demandas tecnológicas. Porém, ainda existem desafios a superar para que estes executivos possam assumir o papel de liderança da digitalização. Explicitando melhor sua análise, Ana Claudia lembra que os grandes bancos brasileiros, ao longo de décadas, atuaram sob uma economia volátil, forte regulamentação e crescimento acelerado. Eles abrigam soluções tecnológicas muito complexas, com baixo nível de integração e reduzido potencial de evolução. Além disso, suas áreas de TI concentram muitos profissionais com sólida experiência, mas que, infelizmente, não foram expostos ao dia a dia e às necessidades do negócio, detalha ela. Desta forma, a maioria das instituições lutaria contra o tempo, pressionada por seus clientes no sentido de apressar a transformação digital, o que passa, enumera a sócia da CTPartners, por uma série de requisitos: simplificação da arquitetura e do processo de entrega de projetos; mudança no modelo de contratação de fornecedores; atração de profissionais que reúnam DNA digital, experiência nas novas tecnologias e maior assertividade na implementação. 6 Executivos Financeiros

7 Tudo isso, preconiza a especialista, exige uma TI e CIOs mais atuantes, que, além de deterem conhecimento, tracem um planejamento eficaz que reflita esse olhar sempre à frente do seu tempo. Vale ressaltar, entretanto, que a tecnologia é a impulsionadora da transformação digital, mas ela só acontece quando é parte da estratégia da empresa, enfatiza. De seu lado, Alessandra Martins, vice-presidente para Serviços Financeiros da Oracle Brasil, atesta inicialmente que os bancos exibem um ciclo virtuoso quando se fala de tecnologia, procurando sempre entender o novo e aplicá-lo em seus ambientes. Todavia, ela aponta dois desafios a enfrentar: 1 - O principal continua sendo a simplificação de suas operações, notadamente no Brasil, onde elas são gigantescas; 2 Promover mudanças para se adequarem às expectativas dos correntistas. As instituições, em sua maioria, descreve ela, ainda mantêm modelos centrados em produtos, mas os clientes clamam por um relacionamento mais personalizado. A adoção e utilização da tecnologia é que fazem toda a diferença, sublinha. Por fim, Marcelo Leite, diretor de Desenvolvimento de Negócios BT Connect/BT Compute da BT Global Services para as Américas, observa que, historicamente, os líderes de TI dos bancos brasileiros não se furtaram a assumir um papel inovador, tanto que as soluções abraçadas no Brasil são reconhecidamente de vanguarda no cenário mundial da vertical. Os CIOs deste segmento são os que mais cedo posicionaram a área de TI em benefício dos negócios. Eles estão realmente à frente dos demais. Esses profissionais souberam aproveitar uma característica cultural nossa, de menor rigidez quanto a regras e padrões, para criar um ambiente eficiente, relembra ele. Dado este retrospecto, garante Leite, os dirigentes de de TI de hoje têm tudo para lidar muito bem com os novos desafios que se colocam em termos de uma utilização cada vez maior, por exemplo, de dispositivos móveis, frisa ele, para a seguir completar: Acho que agora estamos diante da oportunidade de inovar para aprimorar ainda mais a experiência dos clientes bancários. CIOs ou CFOs na condução das mudanças? Algumas correntes de análise, contudo, pregam que hoje caberia primordialmente aos CFOs (Chief Financial Officers) a missão de capitanear as alterações de rota. Indo justamente nessa linha, um estudo global da Oracle e da Accenture, divulgado no primeiro semestre do ano passado, já posicionava estes executivos como evangelistas de TI, catalisadores de mudanças e estrategistas corporativos. Segundo esta pesquisa, as áreas financeiras estão deixando de exercer funções meramente operacionais para se tornarem verdadeiros núcleos de inteligência das organizações, tomando decisões estratégicas em tempo real. Embora o próprio estudo ressalve que estas são sobretudo tendências que se esboçam no horizonte, ele mostra que os CFOs estão mais propensos a adotar tecnologias inovadoras, quando comparados com gestores de outros departamentos, como por exemplo o de Vendas. Principalmente com as vantagens trazidas pelas soluções em nuvem para modernizar os processos financeiros, os CFOs estão mais atentos às novidades, pois precisam de ferramentas de avaliação que propiciem respostas rápidas e previsões mais acuradas, salienta Alessandra Martins. A juízo dela, nas devidas proporções, CIOs e CFOs estão passando por transformações importantes, que são complementares e caminham juntas. De um lado, situa a executiva, o CFO busca estar mais próximo do modern finance, com foco em recursos que possam facilitar suas decisões, no momento, por exemplo, de aquilatar o crescimento e a rentabilidade em- Claramente percebemos uma alteração na agenda e nas atribuições dos CIOs, em consequência das novas demandas tecnológicas. Porém, ainda existem desafios a superar para que estes executivos possam assumir o papel de liderança da digitalização Ana Cláudia Reis, sócia da CTPartners Executivos Financeiros 7

8 Editorial Alessandra Martins, vice-presidente para Serviços Financeiros da Oracle Brasil presarial. E o CIO está trabalhando intensamente para ajustar custos de TI, reduzir a complexidade da tecnologia e prover as melhores soluções para os negócios, como é o caso de finanças, acrescenta. Já no entendimento de Ana Cláudia Reis, as lideranças da TI ainda não conquistaram o mesmo status que os CFOs: O que vemos é exatamente o oposto a TI vem perdendo poder na tomada de decisão, sendo percebida como uma área pouco estratégica dentro das organizações. Diante deste quadro, ela afirma que os CIOs teriam de se reinventar, assumindo posição de proa na transformação e na identificação de oportunidades de negócios, explorando a digitalização como a grande força motriz: Além do mais, precisam mudar a abordagem da área de TI, liberando mais tempo para interagir com os executivos de negócio, simplificando sua operação e embutindo os novos conceitos tecnológicos como base na- tural e primordial dos projetos e iniciativas. Enfim, insiste ela, é preciso correr riscos e sair da zona de conforto! Somente desta forma, os CIOs poderão cumprir um papel estratégico. O surgimento de novas funções (e de novas siglas) nos quadros de direção vem adicionar complexidade a este cenário. Já faz algum tempo, começaram a despontar no universo corporativo dois personagens novos: o Chief Innovation Officer e o Chief Digital Officer. A grosso modo, estes profissionais teriam a incumbência de agregar valor aos negócios por meio da orquestração de inovações. Pois caberia então indagar: que implicações este fenômeno está trazendo e de que modo ele afeta a atuação de CIOs e CFOs? Áreas de marketing na liderança Na realidade, destaca a sócia da CTPartners, as áreas de marketing é que têm desempenhado esta nobre função. Muitas companhias brasileiras, conta ela, já contrataram pessoas para lidar com a inovação e para pensar a transformação digital e, no geral, estes profissionais estão trabalhando com marketing ou ficando diretamente subordinados aos CEOs. Seja como for, tanto o CFO quanto o CIO têm de perseguir uma maior eficiência, por meio do emprego de ferramentas tecnológicas. Uma perspectiva mais recente de atuação é a de segurança das informações, também conhecida como cybersecurity. Os executivos devem reforçar o gerenciamento de riscos, agindo fortemente na busca e na criação de sistemas que aumentem o valor da companhia, ao desenvolver uma cultura de inovação voltada ao negócio. A partir daí, a capacidade de engajar vira um diferencial no perfil de liderança do CFO e do CIO, indica Ana Cláudia. Na verdade, o business em diversas indústrias, assinala Alessandra Martins, tem mudado a forma de interação, os processos e, sobretudo, o perfil dos principais líderes, incluindo os CFOs e CIOs. Com base neste cenário, os CFOs, especificamente, têm sido desafiados a mudarem seus modelos de negócios, criando novos valores com apoio de novas tecnologias. Desta forma, estes profissionais podem exercer papéis mais estratégicos e alinhados com os objetivos gerais das empresas: Podemos dizer que a palavra de ordem é modernizar. Optar por ferramentas mais inovadoras adaptando modelos antigos, ganhando mais eficiência. Já os CIOs, compara a vice da Oracle, continuam sendo os mais relevantes escudeiros da tecnologia e um dos melhores conselheiros sobre quais soluções são aderentes a cada área de negócio. Ao mesmo tempo, eles têm sido mais e mais cobrados para acelerar o processo de inovação, principalmente pelo advento da cloud, reduzindo custos com TI com o escopo de aumentar a produtividade e competitividade. É uma quebra de paradigma relevante e muito significativa, que faz parte da transformação das empresas devido às demandas do mercado e de clientes cada vez mais exigentes, comenta ela. Marcelo Leite, diretor de Desenvolvimento de Negócios BT Connect/BT Compute da BT Global Services para as Américas, 8 Executivos Financeiros

9 Que tipo de perfil então se pede hoje dos líderes que estão à frente destas iniciativas disruptivas, sejam eles CIOs, CFOs ou CDOs? Que background, que expertise e que competências são requeridos? Para Ana Cláudia, os bons líderes são os que conhecem o negócio e navegam facilmente nas searas tecnológicas e de inovação, dotados de pensamento estratégico e aptidão para avaliar cenários, ameaças e oportunidades. Bons gestores são capazes de se conectar com os profissionais mais jovens, impulsionadores da transformação digital, ao mesmo tempo em que conseguem engajar os mais experientes. Criatividade, energia e entusiasmo também são características esperadas destes executivos, conclui ela. Falando particularmente dos CIOs, Marcelo Leite, da BT, julga que estes líderes estão mudando de uma forma muito positiva, no sentido de que sua função deixa de ser meramente técnica para ganhar um status mais elevado na condução das estratégias organizacionais. Desse ponto de vista, ele preconiza que CIO deve: 1) Demonstrar capacidade de liderança e visão de negócios junto à direção da empresa; 2) Ter imaginação, ser criativo; 3) Estar disposto a defender novas formas de tecnologia que possam oferecer melhores resultados; e 4) Explorar a criatividade de seus parceiros e estar aberto a novas propostas. TI invisível redefine responsabilidades dos gestores Se o tema é o novo papel a ser desempenhado pelos CIOs (Chief Information Officers), um elemento fundamental tem de ser adicionado à discussão. Trata-se do fenômeno que vem sendo denominado de shadow IT (ou TI invisível ), prática pela qual os departamentos de empresas adquirem suas próprias soluções de TI. A avaliação dos especialistas é de que, paradoxalmente, esta guinada pode acabar reforçando a relevância e a liderança dos CIOs, na medida em que o foco destes executivos passaria da mera prestação de suporte para um papel mais estratégico, o que exigiria deles, portanto, doses maiores de criatividade e imaginação. Um estudo global da BT, Arte da Conexão: criatividade e o CIO moderno, ouvindo cerca de mil tomadores de decisão de TI no Brasil, Reino Unido, Alemanha, Espanha, Austrália, Benelux e Cingapura dá conta do alcance deste fenômeno. De acordo com ele, a TI invisível avançou mais rapidamente e se tornou comum no Brasil, com 88% dos nossos CIOs presenciando essa prática em suas empresas, contra 76% em nível global. Em média, este modelo responde por 32% dos gastos com TI em nosso país, contra uma média internacional de 25%. Outro desdobramento é que nossas lideranças de tecnologia atualmente estão gastando 26% mais tempo e mais recursos de seus orçamentos em segurança, contra uma média global de 20%. Como nota Marcelo Leite, diretor de Desenvolvimento de Negócios BT Connect / BT Compute da BT Global Services para as Américas, as implicações para o novo papel do CIO já estão implícitas no título da pesquisa: Com as diversas áreas corporativas se responsabilizando pela compra de suas próprias soluções de TI, o profissional terá que ser cada vez mais criativo, tendo de atuar de maneira mais próxima à alta administração da empresa do que há dois anos, com uma função mais ligada a aconselhamento, governança e segurança. Na pesquisa, essa afirmação foi considerada verdadeira por 64% dos entrevistados no Brasil, frente a 59% globalmente. Quanto às expectativas dos superiores em relação ao trabalho do CIO, os brasileiros estão praticamente empatados com a média geral: 67% contra 68%, respectivamente. A redefinição das tarefas do CIO, e das expectativas que cercam sua atuação, se expressa, por exemplo, nos indicadores de desempenho KPIs (Key Performance Indicators) agora atribuídos a eles, que deixam de ser métricas específicas de TI. Esta tendência já está mais clara e avançada no Brasil do que na média dos países em que a pesquisa foi conduzida: 92% dos entrevistados por aqui respondem por mais KPIs de negócios do que de tecnologia, contra 81% globalmente. Entre os brasileiros, 73% dos consultados contra uma média global de 64% acreditam que sua diretoria agora já reconhece a necessidade de um CIO mais inventivo, atuando em toda a organização no sentido de orquestrar o uso da tecnologia para melhores resultados de negócios. Mas os brasileiros gostam de ser criativos: no Brasil, 87% dos entrevistados afirmam que a possibilidade de inovar e criar é a maior vantagem do seu trabalho, contra 69% na média, ressalta Marcelo Leite. Por sua vez, Ana Cláudia Reis, sócia da CTPartners, constata que, de fato, as áreas de negócios vêm assumindo o controle dos investimentos em tecnologia, não sendo mais possível ignorar a shadow IT. O importante é que ambos os lados, negócios e TI, tenham responsabilidades compartilhadas. Assim, o CIO, em seu novo papel de co-responsável pela TI invisível, deverá exercer uma função de orquestrador das iniciativas, auxiliando as demais áreas na definição das soluções e fornecedores, integração com os sistemas legados, disponibilização de infraestrutura, gestão de riscos e até mesmo trazendo novas ideias e potenciais projetos. A shadow IT é uma realidade inevitável com a qual é perfeitamente possível conviver. Vista de forma positiva e corretamente gerida, esta mudança poderá contribuir para ampliar a segurança da empresa e, principalmente, garantir um mix de investimentos mais assertivos em tecnologia e muito alinhados às estratégias do negócio, conclui ela. (I.U.) Executivos Financeiros 9

10 Editorial Rotas seguras já estão disponíveis para as empresas Vanderlei Campos Provedores investem em certificações de segurança e conformidade para superar as barreiras nos setor financeiro 10 Executivos Financeiros

11 Embora a computação em nuvem já pareça um tema antigo e repetitivo da grade do Ciab e de outros eventos de tecnologia, é comum observamos um sutil riso com o canto da boca dos céticos tecnólogos e executivos do setor financeiro. Um dos erros foi pensar que a nuvem traria uma transformação imediata, reconhece Maurício Fernandes, presidente da Dedalus. Hoje vemos quatro etapas: testes, expansões, amadurecimento e consolidação dos processos de TI corporativa, explica. A empresa, que começou como integradora de servidores corporativos, foi uma das primeiras a oferecer suporte empresarial a ferramentas em nuvem, como o Google Docs e Gmail, e hoje é a maior revenda de valor agregado de AWS (Amazon Web Services). De modo semelhante ao que ocorre com a adoção de ERPs, os provedores têm seus pontos de entrada em aplicações acessórias, para com o relacionamento conquistar confiança para rodar sistemas de negócio. Para quem já estava no mercado nos anos 90, há um certo déjà vu em relação às resistências pela falta de familiaridade e confiança na infraestrutura. Estamos em TI corporativa há 26 anos e vivemos o downsizing. O modelo mental é semelhante. As novas plataformas começavam pelas aplicações de uso geral; em seguida os desenvolvedores de software começaram a explorar o ambiente para inovar, até termos organizações, como bancos e Bolsa de Valores, rodando inteiramente sobre a nova arquitetura, da mesma forma que a Nasdaq hoje roda na nuvem. Uma das grandes diferenças é que a barreira de entrada agora é bem menor. O downsizing implicava Capex. Com a nuvem, novas ideias como aplicações, serviços e mesmo a criação de startups podem ser testadas sem os riscos de investimento de capital, compara Fernandes. Quando converso com os CIOs, aviso logo que não haverá visitas ao data center da Amazon. Nem faria sentido saber onde fica o data center. O que garante segurança e conformidade são as certificações, enfatiza o presidente da Dedalus. Além destas certificações de segurança, o executivo argumenta que a resposta a riscos e incidentes na nuvem também é mais ágil. Recentemente, houve um alerta mundial sobre uma falha no Windows XP, cuja patch de correção não é mais entregue pela Microsoft. Muitas empresas tinham aplicações de 10 anos sobre XP e não daria para trocar de sistema operacional. Na nuvem, a falha de segurança foi resolvida com uma regra na estrutura de firewall, sem precisar interferir nas centenas de máquinas XP virtualizadas, exemplifica. O conservadorismo em relação à localização e propriedade da infraestrutura, adverte Fernandes, em muitos casos revela uma visão desatualizada de segurança de dados, baseada no conceito de proteção de perímetro, que neste século tende a se tornar um mito. Vai sempre haver um dispositivo de armazenamento, um elemento de rede ou qualquer outra tecnologia com vulnerabilidades. Então é preciso pensar na segurança dos dados, estejam eles na estrutura interna ou hospedados na nuvem. Os grandes incidentes de espionagem e vazamento de dados chamam atenção, Um dos erros foi pensar que a nuvem traria uma transformação imediata. Hoje vemos quatro etapas: testes, expansões, amadurecimento e consolidação dos processos de TI corporativa Maurício Fernandes, presidente da Dedalus Executivos Financeiros 11

12 Editorial Projetos ambiciosos de analytics, que juntam BI e Big Data, se tornam técnica e financeiramente viáveis na nuvem. Os bancos já podem pensar, por exemplo, em integrar informações das redes sociais à análise de risco de crédito André Echeverria, gerente geral da Divisão de Nuvem para Empresas da Microsoft Brasil mas no dia a dia os sistemas sofrem uma série de ataques, cada vez mais sofisticados, constata. Novas possibilidades de aplicações Segundo André Echeverria, gerente geral da Divisão de Nuvem para Empresas da Microsoft Brasil, as facilidades de acesso remoto inerentes à nuvem justificam a contratação de ferramentas como o Office 365 e o Dynamics na modalidade SaaS, que rodam sobre Azure. No entanto, outro motivador comum são novas aplicações, que teriam um custo muito alto em implementações com infraestrutura própria. Projetos ambiciosos de analytics, que juntam BI e Big Data, se tornam técnica e financeiramente viáveis. Os bancos já podem pensar, por exemplo, em integrar informações das redes sociais à análise de risco de crédito, menciona. Para que a nuvem não seja simplesmente uma plataforma para se migrar o que já existe, a Microsoft provê serviços agregados na Azure, como EMS (Enterprise Mobility Suite). A solução reúne RMS (gestão de direitos de acesso e manipulação de informações), MDM (gerenciamento de dispositivos móveis), autenticação no Active Directory, e segurança física, descreve Echeverria. Na oferta ao mercado corporativo, principalmente às companhias financeiras, o executivo da Microsoft destaca o desenvolvimento em três frentes: segurança, conformidade e privacidade. Mesmo comparados aos investimentos das grandes instituições, a estrutura de proteção dos grandes provedores de nuvem é sempre mais robusta e atualizada. Em conformidade, enquanto os bancos atendem às regulações internas e setoriais, nosso data center é preparado para atender às exigências de todas as indústrias, o que acaba dando uma visão muito mais abrangente de controle de riscos. A privacidade é endereçada com tecnologias e processos. Eu mesmo, se quiser saber o endereço de um cliente, tenho que cumprir procedimentos rigorosos para obter a informação. É preciso ter boa tecnologia porque são milhões de registros, mas só se obtém governança com processos robustos, salienta. Junto aos SLAs de confidencialidade, a Azure suporta a possibilidade de o cliente exportar seu próprio sistema de gerenciamento de chaves criptográficas para a nuvem. Assim, mesmo que alguém pegue o dado dentro do data center, não vê nada além de criptogramas, que só o detentor da chave consegue ler. Ou seja, é como se contratasse um armário em um depósito, em função de itens como climatização e proteção contra desastres no armazém, e o próprio cliente tivesse controle exclusivo da fechadura. 12 Executivos Financeiros

13 É óbvio que os grandes bancos têm nuvens próprias e não lhes falta capacidade de lidar com altos volumes. Mas às vezes surgem demandas de negócios em que temos mais agilidade do que a TI interna, afiança Valdinei Cornatione, diretor de negócios de TI da Tivit. Não é demérito da TI dos bancos. A organização interna está concentrada no core e nem sempre pode dar respostas rápidas às áreas de produtos. E nem sempre as ideias do pessoal de negócios vingam 100%. Nesses casos, provemos o ambiente, os recursos e as pessoas para que se acelere a inovação e se minimizem os riscos, acrescenta. Contratos na área financeira Resultado da fusão de companhias pioneiras no mercado brasileiro de data center (Optiglobe, Proceda e Telefutura), a Tivit mantém grandes contratos com empresas financeiras, em produção, como o processamento para a Cielo, a gestão de infraestrutura para a Marítima, além de rodar as transações providas pela CIP (Câmara Interbancária de Pagamentos). No caso da CIP, além do provimento de infraestrutura e plataforma, o contrato se estende à programação de software, uma vez que a oferta da Tivit abrange fábrica de software e outros recursos de desenvolvimento. Somos operadores de sistemas de missão crítica e conhecemos bem as regras de segurança e conformidade do sistema financeiro. Mas não somos apenas provedores de máquinas e plataformas somos provedores de serviços, enfatiza Cornatione. Algumas vezes a CIP recebe demandas dos bancos não previstas no planejamento de prioridades, o que pode ser atendido por contar com uma estrutura flexível e confiável, exemplifica. Embora em contratos como os da Cielo e da CIP o modelo de outsourcing tenha se aprofundado rapidamente, na prática modalidades mais tradicionais de serviços de data center, como co-location e hospedagem, ainda não migraram totalmente para a cloud comptuing propriamente dita, em que se teria uma total abstração da infraestrutura. Há cerca de 14 anos, a Marítima Seguros aproveitou as primeiras ofertas corporativas de IaaS (infraestrutura como serviço, embora o termo não tivesse sido inventado à época) para racionalizar a estrutura de servidores. Nesse ínterim passou a contratar impressão, gerenciamento de rede e, mais recentemente, módulos de ERP como serviço. Temos modelo de data center internalizado, outsourcing e alguns serviços em cloud. Estamos padronizando nossa arquitetura para Intel/MS para a Yasuda Marítima Seguros e Unix (AIX) para a Yasuda Marítima Saúde. O mainframe entrará em run off. Os servidores estão 100% virtualizados. Os serviços de missão crítica estão em servidores físicos, descreve Jayme Akito Umehara, diretor de TI da Yasuda Marítima Seguros. É óbvio que os grandes bancos têm nuvens próprias e não lhes falta capacidade de lidar com altos volumes. Mas às vezes surgem demandas de negócios em que temos mais agilidade do que a TI interna Valdinei Cornatione, diretor de negócios de TI da Tivit Executivos Financeiros 13

14 Editorial Projetos sem estratégia definida não levam a lugar nenhum Edilma Rodrigues Tecnologia supera os tempos da pesquisa por amostragem e torna realidade o sonho de muitos marqueteiros, que é o extremo da individualização, o cliente como ser único A explosão do volume de dados gerados cada vez mais rapidamente por pessoas, empresas e coisas não deve parar. Especialmente com a acelerada interconexão entre objetos ou a Internet das Coisas IoT. Nesse cenário, a palavra de ordem é extrair inteligência dessa massa colossal, que se popularizou sob a insígnia de Big Data, porque há nela informações de negócios. Na mesma proporção em que cresce o volume de dados, cresce a demanda por novas abordagens analíticas. Mas em que pé as instituições financeiras estão na adoção da tecnologia de Big Data e na obtenção de informações úteis aos seus negócios? A implantação do Big Data precisa seguir alguns critérios para fazer sentido e trazer vantagens competitivas, como a monetização direta dos dados, por meio, por exemplo, da oferta milimetricamente endereçada, que dá adeus à era da amostragem e da média, prometendo aumentar a satisfação dos clientes. 14 Executivos Financeiros

15 A lição de casa, ainda a ser feita por algumas instituições, é ter clareza sobre os objetivos buscados. Cada empresa, banco ou seguradora terá uma estratégia e objetivos próprios. O vice-presidente na América Latina da MicroStrategy, Flávio Bolieiro, conta que um banco estava implantando um Big Data, mas faltava o principal: saber exatamente o que fazer com ele. É fundamental planejar antes de botar a mão nessa massa. Antes de mais nada, é preciso ter uma estratégia e saber o que se pretende fazer, decreta Bolieiro. Além de definir estratégias e objetivos, sejam de reduzir custos, captar clientes, investir em outras regiões, focar no crédito pessoal etc, é preciso saber a quais deficiências e necessidades o uso do Big Data deve responder. Para o diretor de inovação e BI da Sonda IT, Eduardo Pugliesi, o brasileiro não tem a cultura do planejamento. Na verdade, o brasileiro tem a cultura de ir fazendo e lidar com os dados de improviso. Não é um defeito, é uma característica trazida pela pressão econômica. As margens são muito apertadas e não tem tanto investimento em pesquisa e desenvolvimento como se tem, por exemplo, na Europa, que é um mercado muito mais maduro, ou nos Estados Unidos. A qualidade dos dados também precisa ser olhada antes de simplesmente se implantar a tecnologia. A base histórica é inteligência pura, argumenta o diretor de delivery da GFT, Leandro Antunes, que explica que a qualidade dos dados pode acelerar ou retardar projetos de Big Data: Qualquer banco de varejo grande sabe exatamente qual é o perfil de quem compra um tí- tulo de capitalização; sabe qual é a renda média, qual é a idade média, o saldo médio. Então, quando você vai aplicar um algoritmo, fica relativamente fácil. Embora a evolução das ferramentas tecnológicas tenha contribuído para a construção milimétrica de perfis e comportamentos, para o avanço no uso da inteligência para detectar fraudes, ofertar produtos e serviços etc, a simples implantação da tecnologia não é suficiente. Conhecimentos necessários para o êxito Para o diretor da GFT, a ferramenta não resolve o problema. Ela tem que ser construída com base em conhecimento de negócios, conhecimento estatístico, conhecimento técnico. A ferramenta sozinha, comprada e instalada, não trará resultado nenhum. Aí entram os cientistas de dados. Se bem utilizado, o Big Data abre uma infinidade de possibilidades para empresas em geral e para instituições financeiras em particular. A escolha de sistemas de análises mais adequados para a demanda de cada instituição também integra os conselhos para o sucesso de projetos de análise. Somos agnósticos com relação à tecnologia e à solução. Vamos entender a necessidade de determinado cliente e, a partir daí, buscamos a ferramenta mais adequada para ele, assinala Antunes. O CEO da ExceedLabs, Adriano Patrão, alerta que, para que se justifique a adoção do Big Data, as instituições precisam atender a três grandes itens. O primeiro é ter grande volume de dados. O segundo é sobre a variedade das informações, Antes de mais nada, é preciso ter uma estratégia e saber o que se pretende fazer Flávio Bolieiro, vice-presidente na América Latina da MicroStrategy Executivos Financeiros 15

16 Editorial O brasileiro tem a cultura de ir fazendo e lidar com os dados de improviso Eduardo Pugliesi, diretor de inovação e BI da Sonda IT Leandro Antunes, diretor de delivery da GFT oriundas de diversas fontes: sistemas legados, sistemas existentes dentro da empresa, dados de compra, venda, nas redes sociais e em dispositivos móveis, que são gerados na comunicação com a organização. E até as provenientes de sensores que mostram o comportamento de clientes em agências. O último item diz respeito à velocidade. Em compliance, teria que se analisar exatamente qual situação demandaria o uso dessas três necessidades. Dependendo, pode ser usada uma aplicação de BI, uma vez que não há demanda por tempo real, avalia Patrão. Já para a prevenção o tempo real é fundamental. Para baratear os custos de implantação, a diretora de soluções e marketing do SAS, Monica Tyszler, Empresas driblam a carência de cientistas de dados O Big Data criou uma demanda sem precedentes por profissionais de Analytics, que supera o número de candidatos qualificados disponíveis no mercado. Contudo, algumas fornecedoras dessa tecnologia encontraram alternativas para lidar com o problema. Para aumentar o número de profissionais capacitados no segmento no País, o SAS lançou, no último trimestre de 2014, o SAS Analytics U. O programa, destinado a universidades brasileiras, oferece ferramentas sem custo para estudantes e professores de diversos cursos que queiram aprofundar seus conhecimentos em análise de dados e estatística. Segundo a diretora de soluções e marketing do SAS, Monica Tyszler, que tem em sua equipe entre 60 e 70 cientistas de dados, os profissionais são formados em engenharia de computação, com um perfil mais explica que há uma tendência na utilização da plataforma hadoop. O que temos visto ultimamente é que, como as plataformas tradicionais são muito caras e o volume de dados está crescendo muito, as empresas veem o hadoop como forma de armazenar esses dados. É uma estrutura mais barata. Nesse início de descobertas das inúmeras aplicações que o Big Data pode agregar às instituições financeiras, as análises estatísticas prometem insights para satisfazer e fidelizar consumidores, aumentar vendas e minimizar fraudes. Os dados passam a ter voz e despejam avaliações instantâneas de risco, crédito, ofertas e clientes, chegando, enfim, à última instância da segmentação: o cliente como um ser único. analítico, e também em matemática e estatística. Às vezes o profissional vem de computação e a empresa o prepara para o analytics e vice-versa, explica ela. Já a startup ExceedLabs buscou a solução para a carência desse tipo profissioal no seu modelo de negócios. A empresa comercializa módulos pré-configurados, uma espécie de solução de prateleira, que vai atender instituições menores com custo as a service, que varia de R$ 500,00 a R$ 5.000,00 mensais. Nossos cientistas de dados estão modelando bases genéricas para que, no momento em que um cliente queira utilizar, apenas plugue seus dados. O investimento em software sob demanda é muito alto e também os serviços. Justamente pela demanda desses profissionais especializados, explica o CEO da ExceedLabs, Adriano Patrão. (E.R.) 16 Executivos Financeiros

17 O potencial das soluções analíticas na área financeira Nossos cientistas de dados estão modelando bases genéricas para que, no momento em que um cliente queira utilizar, apenas plugue seus dados. O investimento em software sob demanda é muito alto e também os serviços Adriano Patrão, CEO da ExceedLabs A disponibilidade de tantas informações e de farto ferramental analítico pode representar para as instituições financeiras e outras empresas um avanço sem precedentes no relacionamento com seus públicos. Entretanto, ainda existem pontos que podem ser melhorados com o avanço das análises. O vice-presidente para América Latina da MicroStrategy, Flávio Bolieiro, ressalta que as instituições ainda falham em conhecer o cliente nas diversas formas de contato. Até hoje a gente recebe vários s oferecendo um cartão de crédito que a gente já tem. Segundo o executivo, a área é de ponta no uso de tecnologia, mas, apesar de utilizá-la muito bem, ainda tem problemas em formar um cadastro único de cliente, em entendê-lo por todos os seus canais de comunicação, até pelo volume e pela complexidade de canais. Se você ligar num banco, se entrar num sistema de Internet, entrar na agência, às vezes não é reconhecido como o mesmo cliente. De posse de tantas informações, o que pode mudar? Para o CEO da ExceedLabs, Adriano Patrão, a análise de tendências e comportamentos permite oferecer melhores serviços. Por exemplo, conhecer o perfil de uso do cliente na boca do caixa, na Internet, no caixa eletrônico, etc, permite ir além de oferecer novos produtos e serviços. O banco, na verdade, pode rever seu próprio modelo de atendimento. Hoje, no modelo tradicional, uma conta corrente está obrigatoriamente ligada a uma agência física. Existem, entretanto, clientes que não vão a uma agência. Se uma instituição consegue identificar esse perfil, pode oferecer atendimento por meio de um gerente virtual, que ficaria numa central e atenderia uma carteira que não demanda agência, preconiza. A diretora de Soluções e Marketing do SAS, Monica Tyszler, vai ainda mais longe. Ela acredita que, com o avanço do Big Data e com a grande quantidade de dados e de modelos analíticos avançados, se a instituição financeira souber usá-los bem e com inteligência, consultorias que demandam interface humana podem ser automatizadas, como as de investimentos. Para ela, algoritmos podem reunir informações de mercado, índices, etc, e indicar as aplicações para os clientes de forma intuitiva. Monica, aliás, acredita que o mesmo possa acontecer com a concessão de crédito para estrangeiros. Com o acesso a todas as informações, inclusive históricas, talvez os bancos tenham informações suficientes para liberar o dinheiro porque terão subsídios para avaliar riscos de default. A capacidade de examinar e relacionar dados pode, para o diretor de inovação e BI da Sonda IT, Eduardo Pugliesi, trazer muitas mudanças e benefícios. Além de melhorar a precisão das análises, que passam a contar com histórico muito mais extenso, podem ser incluídas novas variáveis como as relativas à economia subida e descida do dólar, ações na Bolsa e incluir o momento certo para se adotar uma ação. E, jogando um pouco mais para frente, imaginando mais inovações, em iniciativas de contact center podemos ter variáveis de análise de data mining, pelas quais conseguimos mudar o perfil ou a temperatura do relacionamento com o cliente, em tempo real. Conforme ele vai respondendo algumas perguntas, é possível analisar a plataforma de gestão para reter clientes e, mesmo, fechar novos negócios, conclui ele. (E.R.) Executivos Financeiros 17

18 Editorial Aplicações trazem oportunidades, mas é preciso saber mitigar os riscos Questões como segurança, confiabilidade e privacidade se impõem na adoção e utilização de dados oriundos do novo ambiente de conectividade A Internet das Coisas, ou IoT, do inglês Internet of Things, levou a conectividade e a produção de dados em tempo real a uma nova fronteira. É bem verdade que os ERPs e CRMs já utilizavam o princípio do IoT para alimentar linhas de produção e relacionamentos com clientes há tempos, mas não se imaginava que a evolução do conceito poderia ser tão extensa, como estamos testemunhando hoje. Oportunidades e, é claro, riscos despontam entre as múltiplas possibilidades de aplicação. A Internet das Coisas engloba tudo o que está conectado, onde coisa pode ser qualquer objeto: micros, dispositivos móveis, eletrodomésticos, carros, etc. E as previsões da sua utilização são de grande expansão. O Gartner estima que em 2020 o número de dispositivos conectados deve chegar a 25 bilhões. O IDC é ainda mais otimista e prevê 200 Edilma Rodrigues bilhões de dispositivos conectados à Internet naquele mesmo ano. Para as instituições financeiras, a interconexão das coisas pode trazer informações interessantes, que diminuem riscos e melhoram as ofertas aos clientes, se bem utilizadas por sistemas analíticos. Para o gerente de redes da Broadtec Tecnologia, Douglas Falsarella, as instituições financeiras podem tirar proveito da IoT já com a tecnologia existente: Para viabilizar um seguro de automóvel, por exemplo, uma seguradora pode ter acesso à quilometragem percorrida, locais de risco e assim oferecer um seguro de acordo com o perfil do usuário. O diretor de consumer business da F-Secure, Mika Majapuro, concorda: As instituições bancárias e companhias de seguro podem usar dispositivos conectados à IoT para aprender muito mais sobre o perfil de seus correntistas e clientes. Com carros na IoT, é possível gerar informação sobre os hábitos de dirigir da pessoa e isso pode impactar o valor do seguro. E ele vai mais além: Equipamentos de ginástica e geladeiras na IoT podem, de modo similar, gerar informações sobre o perfil da pessoa. Essas informações mostrarão que estilo de vida a pessoa leva e que valor de seguro, portanto, seria preciso para cobrir possíveis problemas de saúde ou acidentes. A geração de dados da IoT é gigantesca e, somada aos dados de pessoas, empresas e mercado, pode, se bem analisada, trazer diferenciais competitivos, aumento das vendas, criação de novos serviços, mais satisfação dos clientes, etc. Mas Majapuro alerta: É necessário determinar exatamente quais dados a aplicação de Big Data Analytics tem de extrair e manipular para gerar as análises de perfil que interessam ao banco ou à seguradora. 18 Executivos Financeiros

19 Identificar demandas ocultas do mercado Para o executivo, essas análises ajudam empresas do setor financeiro a tomar melhores decisões e, inclusive, a lançarem novos produtos que vão ao encontro de demandas ocultas do mercado, as quais, com a ajuda do Big Data Analytics, tornam-se mais tangíveis. A empresa do setor financeiro que melhor souber explorar os dados extraídos do Big Data melhor conseguirá formatar e cobrar por seus serviços. Diante desse cenário, algumas questões se colocam. As barreiras socioeconômicas de países como o Brasil podem retardar o processo e deixar o País para trás frente ao resto do mundo. Além disso, há dúvidas sobre a segurança dos aplicativos, a confiança do consumidor em permitir que instituições acessem seus dados e a privacidade. O diretor da F- Secure questiona: Será que o correntista ou o segurado se sentem tranquilos quanto ao fato de que as empresas que os atendem estão coletando informações sobre eles? Como este correntista pode saber que dado está sendo coletado, para que fim Mika Majapuro, diretor de consumer business da F-Secure ele é usado, quem está manipulando este dado, como é compartilhado, etc.? E ressalta: Acreditamos que os consumidores devem poder escolher que informação irão compartilhar, em que ocasiões, e com quem. Nossas soluções ajudam o correntista e o consumidor em geral a gerenciarem sua privacidade na era do IoT. Falsarella, da Broadtec, avalia que ainda existem controvérsias na questão do controle de privacidade, na coleta de dados e no uso destes dados em dispositivos. E este tipo de coleta tem que ser muito transparente para o cliente, a fim de que ele se sinta confortável em disponibilizá-los: O maior desafio hoje seria a questão de privacidade de dados de cartões e de meios de pagamento. Sobre a segurança e voltando ao início. Será necessário que as empresas em geral se preparem para a hiperconexão da IoT: Acredito que um dos maiores desafios será a segurança. Cada dispositivo conectado será um ponto vulnerável na Internet. As novas gerações de firewall com tratativa em camada 7 já terão que nascer com este conceito de IoT. E muitas empresas ainda não estão preparadas para este tipo de tecnologia online, assinala ele. De fato, há muito a se pensar no quesito proteção. Há muitos exemplos de pessoas que conseguem hackear uma geladeira conectada, ou ouvir o que se está passando na SmartTV, comenta Mika Majapuro. Na visão do CEO e Presidente da Go- 2neXt Cloud Computing Building and Integrator, Paulo Henrique Pichini, a gestão de riscos e a segurança na IoT geram discussões infindáveis e desnecessárias: A segurança neste ambiente, quando desenhada e implementada da forma adequada, desde o projeto, apresenta exatamente os mesmos fatores que encontramos atualmente em ambientes on premise ou tradicionais. Segurança continua com a mesma importância e os riscos seguem tendo de ser mitigados. Isso é parte de todo esse novo desenho e sempre será assim. Segurança continua com a mesma importância e os riscos seguem tendo de ser mitigados. Isso é parte de todo esse novo desenho e sempre será assim Paulo Henrique Pichini, CEO e Presidente da Go2neXt Cloud Computing Building and Integrator Executivos Financeiros 19

20 Editorial Redes Sociais Bancos precisam experimentar e vencer os riscos Estão todos aprendendo e ainda não existem regras fechadas para atuar nas redes sociais. Por isso, a empresa não deve ter medo de errar, para ir ganhando maturidade na relação com este novo canal. Suzel Belmonte 20 Executivos Financeiros

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV

EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV EMBRATEL ENTREVISTA: Pietro Delai IDC Brasil DATA CENTER VIRTUAL - DCV DATA CENTER VIRTUAL - DCV Em entrevista, Pietro Delai, Gerente de Pesquisa e Consultoria da IDC Brasil relata os principais avanços

Leia mais

Adapte. Envolva. Capacite.

Adapte. Envolva. Capacite. Adapte. Envolva. Capacite. Ganhe produtividade em um Ambiente de trabalho digital #DigitalMeetsWork Os benefícios de um ambiente de trabalho digital têm impacto na competitividade do negócio. Empresas

Leia mais

10 Dicas para uma implantação

10 Dicas para uma implantação 10 Dicas para uma implantação de Cloud Computing bem-sucedida. Um guia simples para quem está avaliando mudar para A Computação em Nuvem. Confira 10 dicas de como adotar a Cloud Computing com sucesso.

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

Agregando valor com Business Service Innovation

Agregando valor com Business Service Innovation Agregando valor com Business Service Innovation A TI é enorme. Existem tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios fornecendo valor com inovações de serviços de negócios A TI é grande. Tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic CUSTOMER SUCCESS STORY Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: Globalweb Outsourcing Empregados: 600 EMPRESA A Globalweb

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB)

A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação. O que significa para a TI e a linha de negócios (LOB) A mudança na aquisição de soluções de tecnologia da informação Maio de 2014 O novo comprador de tecnologia e a mentalidade de aquisição Existe hoje um novo comprador de tecnologia da informação Esse comprador

Leia mais

Otimismo desenvolvedoras de softwares

Otimismo desenvolvedoras de softwares Otimismo nas nuvens Ambiente favorável alavanca negócios das empresas desenvolvedoras de softwares, que investem em soluções criativas de mobilidade e computação em nuvem para agilizar e agregar flexibilidade

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One.

Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Bem-vindo à apresentação do SAP Business One. Neste tópico, responderemos à pergunta: O que é o Business One? Definiremos o SAP Business One e discutiremos as opções e as plataformas disponíveis para executar

Leia mais

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos

BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos BPO para Empresas de Energia e Concessionárias de Serviços Públicos Terceirização de Processos Empresariais da Capgemini Um componente da área de Serviços Públicos da Capgemini As concessionárias de serviços

Leia mais

Governança de TI. 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT

Governança de TI. 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT Governança de TI Governança de TI 1. Contexto da TI 2. Desafios da TI / CIOs 3. A evolução do CobiT 4. Estrutura do CobiT 5. Governança de TI utilizando o CobiT TI precisa de Governança? 3 Dia-a-dia da

Leia mais

Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação

Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação Luciano Ramos Coordenador de Pesquisas de Software IDC Brasil A América Latina enfrenta

Leia mais

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma

Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma Predictions Brasil 2015 Acelerando a Inovação na 3 a Plataforma 1 IDC - Equipe Pietro Delai Reinaldo Sakis João Paulo Bruder Luciano Ramos Gerente de Pesquisa e Consultoria -Enterprise Gerente de Pesquisa

Leia mais

Tendências Tecnológicas: Como monetizar em oportunidades emergentes?

Tendências Tecnológicas: Como monetizar em oportunidades emergentes? : Como monetizar em oportunidades emergentes? 23 de Julho 2013 Confidencial Mercados emergentes têm previsão de crescimento de 2-3 vezes maiores do que mercados maduros em tecnologia nos próximos 2 anos.

Leia mais

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio?

Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? Como obter resultados em TI com gestão e governança efetivas direcionadas a estratégia do negócio? A Tecnologia da Informação vem evoluindo constantemente, e as empresas seja qual for seu porte estão cada

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

Universo Online S.A 1

Universo Online S.A 1 Universo Online S.A 1 1. Sobre o UOL HOST O UOL HOST é uma empresa de hospedagem e serviços web do Grupo UOL e conta com a experiência de mais de 15 anos da marca sinônimo de internet no Brasil. Criado

Leia mais

Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual?

Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual? RESUMO DO PARCEIRO: CA VIRTUAL FOUNDATION SUITE Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual? O CA Virtual Foundation Suite permite

Leia mais

A sociedade conectada: smartphone e tablet banking

A sociedade conectada: smartphone e tablet banking Perspectivas, impactos e desafios Nilton Omura (nilton.omura@br.ey.com) Abril, 2012 As condições estruturais para viabilizar a massificação de smartphones e tablets no Brasil estão criadas, e irão transformar

Leia mais

Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA

Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA 2011 Relatório sobre Segurança da Informação nas Empresas RESULTADOS DA AMÉRICA LATINA SUMÁRIO Introdução... 4 Metodologia... 6 Resultado 1: Cibersegurança é importante para os negócios... 8 Resultado

Leia mais

[ Empowering Business, Architecting IT. ]

[ Empowering Business, Architecting IT. ] SOA coloca TI da Rede Ipiranga em linha com os negócios Setembro/2012 Sumário Matéria publicada na Information Week... 4 Artigo Case Ipiranga... 7 SOA coloca TI da Rede Ipiranga em linha com os negócios

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

monitoramento unificado

monitoramento unificado DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA monitoramento unificado uma perspectiva de negócios agility made possible sumário resumo executivo 3 Introdução 3 Seção 1: ambientes de computação emergentes atuais 4 Seção 2: desafios

Leia mais

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem Professional Folheto Professional A HP oferece um portfólio abrangente de serviços profissionais em nuvem para aconselhar, transformar e gerenciar sua jornada rumo

Leia mais

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data

Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data 9 Formas de Aumentar a Lucratividade da Sua Empresa com o Big Data Planejamento Performance Dashboard Plano de ação Relatórios Indicadores Sua empresa sabe interpretar os dados que coleta? Para aumentar

Leia mais

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM

Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Acelere o valor da computação em nuvem com a IBM Obtenha soluções em nuvem comprovadas para as suas prioridades mais urgentes Destaques da solução Saiba sobre os benefícios mais comuns de implementações

Leia mais

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s

W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç ã o p a r a s u p o r t a r a p l i c a ç õ e s c r í t i c a s Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R S e r v i d o r e s U n i x - A m e l h o r o p ç

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

Mais tempo para ser o empreendedor. E não o cara da TI

Mais tempo para ser o empreendedor. E não o cara da TI Mais tempo para ser o empreendedor. E não o cara da TI Office 365 muda rotina e aumenta a produtividade do maior portal de e-commerce de artigos de dança do Brasil A Mundo Dança nasceu há cinco anos a

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais

Sistemas de Informação Gerenciais Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Terceira aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com Maio -2013 Governança

Leia mais

NOVAS HABILIDADES PARA O DEPARTAMENTO DE TI ORIENTADO A SERVIÇOS

NOVAS HABILIDADES PARA O DEPARTAMENTO DE TI ORIENTADO A SERVIÇOS NOVAS HABILIDADES PARA O DEPARTAMENTO DE TI ORIENTADO A SERVIÇOS Ser o líder de TI de uma empresa pode ser uma situação bem parecida com estar em uma plataforma de petróleo em chamas. O departamento de

Leia mais

Convergência TIC e Projetos TIC

Convergência TIC e Projetos TIC TLCne-051027-P1 Convergência TIC e Projetos TIC 1 Introdução Você responde essas perguntas com facilidade? Quais os Projetos TIC mais frequentes? Qual a importância de BI para a venda de soluções TIC (TI

Leia mais

Sucesu RS A Tecnologia a Favor da Inovação. Serviços de Cloud Computing para operações de missão crítica

Sucesu RS A Tecnologia a Favor da Inovação. Serviços de Cloud Computing para operações de missão crítica Sucesu RS A Tecnologia a Favor da Inovação Serviços de Cloud Computing para operações de missão crítica Fernando Bittar Diretor de Novos Negócios ITM IT Management Contexto do Mercado de Cloud Computing

Leia mais

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração.

//Sobre VISÃO MISSÃO. Honestidade, Responsabilidade. Respeito. Colaboração. . Quem somos //Sobre A Oficina1 é uma consultoria direcionada à tecnologia da informação, com foco na implementação dos ERPs Protheus e OpenBravo, além do aplicativo de Service Desk SysAid, abrangendo

Leia mais

a identidade como o novo perímetro: adotando a nuvem, a plataforma móvel e a mídia social com segurança agility made possible

a identidade como o novo perímetro: adotando a nuvem, a plataforma móvel e a mídia social com segurança agility made possible a identidade como o novo perímetro: adotando a nuvem, a plataforma móvel e a mídia social com segurança agility made possible A transformação da TI e as identidades em evolução Diversas tendências da tecnologia,

Leia mais

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO

PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO PROTEÇÃO ITAÚ MICROCRÉDITO Prêmio Antonio Carlos de Almeida Braga Inovação em seguros edição 2012 CONTEÚDO 1 Introdução... 2 2 Objetivo... 3 3 Desenvolvimento do trabalho... 4 Parceria entre as duas áreas

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com

CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com CLOUD COMPUTING NAS EMPRESAS: NUVEM PÚBLICA OU NUVEM PRIVADA? nubeliu.com SUMÁRIO Introdução... 4 Nuvem pública: quando ela é ideal... 9 Nuvem privada: quando utilizá-la... 12 Alternativas de sistemas

Leia mais

Preparando--se para o desafio do cliente individual e digital Preparando Mauro Segura Marketing e Comunicação IBM Brasil Estudo Global 2013/2014 + 4.000 entrevistas 70 países +20 segmentos de mercado CEOs,

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

SEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE APIs. Uma empresa da CA Technologies

SEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE APIs. Uma empresa da CA Technologies www.layer7.com SEGURANÇA E GERENCIAMENTO DE APIs Uma empresa da CA Technologies Uma empresa da CA Technologies COMPONENTES DE APIs PARA A EMPRESA ABERTA A Layer 7 oferece soluções de segurança e gerenciamento

Leia mais

UM RESUMO EXECUTIVO. Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI

UM RESUMO EXECUTIVO. Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI UM RESUMO EXECUTIVO Organizado para empresas:construindo um modelo operacional contemporâneo de TI Ao longo da última década, a TI da EMC tem passado por uma transformação para se tornar uma parceira estrategicamente

Leia mais

7 tendências de tecnologia

7 tendências de tecnologia 7 tendências de tecnologia para o mercado segurador em 2016 O ano de 2016 deve impulsionar a evolução tecnológica direcionada ao mercado segurador. Isto porque, as seguradoras irão investir fortemente

Leia mais

Eficiência em TI e Criação de Valor. Anderson Itaborahy Diretoria de Tecnologia do Banco do Brasil

Eficiência em TI e Criação de Valor. Anderson Itaborahy Diretoria de Tecnologia do Banco do Brasil Eficiência em TI e Criação de Valor Anderson Itaborahy Diretoria de Tecnologia do Banco do Brasil FEBRABAN Abril/2013 Eficiência EFICIÊNCIA é a permanente otimização dos recursos disponíveis para a criação

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas

Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas Documento técnico de negócios Gerenciamento de nuvens híbridas Uma solução de gerenciamento de nuvens abrangente, segura e flexível Documento técnico de negócios Página 2 Frente às tendências significativas

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO DO PARCEIRO Soluções de garantia do serviço da CA Technologies você está ajudando seus clientes a desenvolver soluções de gerenciamento da TI para garantir a qualidade do serviço e a

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação

PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu. Gestão e Tecnologia da Informação IETEC - INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu Gestão e Tecnologia da Informação BAM: Analisando Negócios e Serviços em Tempo Real Daniel Leôncio Domingos Fernando Silva Guimarães Resumo

Leia mais

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI?

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? SUMÁRIO EXECUTIVO Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? EM ASSOCIAÇÃO COM A TERCEIRIZAÇÃO DE RH LIBERA AS EQUIPES DE TI Nove em cada 10 CIOs se preocupam em reter os melhores

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários: 182 (2012) Faturamento:

Leia mais

Segurança + Conformidade. Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda

Segurança + Conformidade. Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda Segurança + Conformidade Dentro do Prazo e Orçamento Previsto Sob Demanda Segurança e Conformidade via Software-as-a-Service (SaaS) Hoje em dia, é essencial para as empresas administrarem riscos de segurança

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

EXECUTIVE. A Web 2.0. pode salvar o BI?

EXECUTIVE. A Web 2.0. pode salvar o BI? EXECUTIVE briefing guia executivo para decisões estratégicas A Web 2.0 pode salvar o BI? A usabilidade e a intuitividade das tecnologias Web 2.0 revolucionam o complexo mercado de Business Intelligence.

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Cloud Computing (Computação nas Nuvens) 2 Cloud Computing Vocês

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

IBM BusinessConnect Social & Mobile Cadência 28/03

IBM BusinessConnect Social & Mobile Cadência 28/03 IBM BusinessConnect Social & Mobile Cadência 28/03 Movendo-se do back office para a linha de frente Hoje as Empresas estão sob a direção dos Clientes CEOs compartilham decisões com clientes Identificamos

Leia mais

Transformação do Agile ajuda a IBM Software a economizar 300 milhões de dólares

Transformação do Agile ajuda a IBM Software a economizar 300 milhões de dólares Transformação do Agile ajuda a IBM Software a economizar 300 milhões de dólares IBM Rational software possibilita práticas Agile e reutilização mais ampla de ativos Visão geral A necessidade IBM Software

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput

panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput panorama do mercado brasileiro de Cloud Comput Cloud Conf 2012 Agosto de 2012 Sobre a Frost & Sullivan - Consultoria Global com presença nos 4 continentes, em mais de 25 países, totalizando 40 escritórios.

Leia mais

Cada empresa é uma empresa de informação. Não

Cada empresa é uma empresa de informação. Não Gestão da Informação Corporativa OpenText Desligue o seu celular e o seu computador. Desligue os seus servidores. E agora você consegue fazer negócios? Cada empresa é uma empresa de informação. Não importa

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

Itaú Unibanco Banco Digital Pedro Donati

Itaú Unibanco Banco Digital Pedro Donati Itaú Unibanco Banco Digital Pedro Donati Agenda Evolução digital Construindo um banco digital Evolução digital 90% dos dados de hoje foram criados apenas nos dois últimos anos 10% de todas as fotos do

Leia mais

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios.

Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Reduza custos. Potencialize o valor da TI em seus negócios. Autor: Douglas Marcos da Silva 7 Sumário Executivo Nas últimas décadas, a evolução tecnológica, a interdependência dos mercados e a intensificação

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Fortaleza, 4 de novembro de 2013.

Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Fortaleza, 4 de novembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no V Fórum Banco Central sobre Inclusão Financeira Senhoras e senhores, boa tarde a todos.

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com

Planejamento Estratégico de TI. Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com Planejamento Estratégico de TI Felipe Pontes felipe.pontes@gmail.com VPN Virtual Private Network Permite acesso aos recursos computacionais da empresa via Internet de forma segura Conexão criptografada

Leia mais

É viável terceirizar o ambiente de backup de dados?

É viável terceirizar o ambiente de backup de dados? É viável terceirizar o ambiente de backup de dados? Na era da informação, o próprio nome sugere que o ativo mais valioso da organização são os dados que geram as informações. Em alguns casos esses dados

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

Manual de Vendas. Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2

Manual de Vendas. Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2 Manual de Vendas Chegou a oportunidade de aumentar os lucros com o Windows Server 2012 R2 O Windows Server 2012 R2 fornece soluções de datacenter e de nuvem híbrida de classe empresarial que são simples

Leia mais

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com 7 DICAS IMPERDÍVEIS QUE TODO COACH DEVE SABER PARA CONQUISTAR MAIS CLIENTES www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com As 7 dicas imperdíveis 1 2 3 Identificando seu público Abordagem adequada

Leia mais

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM UMA VISÃO GERAL DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1, Tiago Piperno Bonetti 1, Ricardo Germano 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

2Avalie novos modelos de investimento. Otimize a estrutura de tecnologia disponível

2Avalie novos modelos de investimento. Otimize a estrutura de tecnologia disponível Crise? Como sua empresa lida com os desafios? Essa é a questão que está no ar em função das mudanças no cenário econômico mundial. A resposta a essa pergunta pode determinar quais serão as companhias mais

Leia mais

Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL

Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL 2011 Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL ÍNDICE Evolução de TI... 4 Metodologia... 6 Foco... 8 Conclusão 1: As diferenças entre expectativas e realidade revelam a evolução

Leia mais

W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i a l n o M u n d o W e b 2. 0

W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i a l n o M u n d o W e b 2. 0 Av Eng. Luiz Carlos Berrini 1645, 8 andar, 04571-000 Brooklin Novo, São Paulo SP Brazil. Tel: 55 11 5508-3400 Fax: 55 11 5508 3444 W H I T E P A P E R O s B e n e f í c i o s d a E m p r e s a S o c i

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Gerencie a força de trabalho móvel, sem a complexidade e o custo de uma instalação on-premise

Gerencie a força de trabalho móvel, sem a complexidade e o custo de uma instalação on-premise de Soluções SAP SAP Afaria, edição para nuvem Objetivos Gerencie a força de trabalho móvel, sem a complexidade e o custo de uma instalação on-premise 2013 SAP AG ou empresa afiliada da SAP. Investimentos

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP

Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Parceiros de serviços em nuvem gerenciada Aumente sua velocidade e flexibilidade com a implantação da nuvem gerenciada de software da SAP Implemente a versão mais recente do software da SAP de classe mundial,

Leia mais

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011

gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 gerenciando o desempenho de serviços em uma empresa conectada na nuvem CA Business Service Insight Julho de 2011 a computação na nuvem está presente em todos os lugares e está crescendo 72% das empresas

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

Tendências da 3ª Plataforma de Tecnologia e Big Data

Tendências da 3ª Plataforma de Tecnologia e Big Data Tendências da 3ª Plataforma de Tecnologia e Big Data GUGST Maio 2014 Alexandre Campos Silva IDC Brazil Consulting Director (11) 5508 3434 - ( (11) 9-9292-2414 Skype: AlexandreCamposSilva Twitter: @xandecampos

Leia mais