TELEFONIA MÓVEL: EVOLUÇÃO E DEPENDÊNCIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TELEFONIA MÓVEL: EVOLUÇÃO E DEPENDÊNCIA"

Transcrição

1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FLUMINENSE CAMPUS CAMPOS CENTRO GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES DANUSA DOS SANTOS RODRIGUES DOUGLAS BENTO FARIA JONATHAN PESSANHA DE ALMEIDA AZEVEDO TELEFONIA MÓVEL: EVOLUÇÃO E DEPENDÊNCIA CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ Abril de 2015

2 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FLUMINENSE CAMPUS CAMPOS CENTRO GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES DANUSA DOS SANTOS DOUGLAS BENTO FARIA JONATHAN PESSANHA DE ALMEIDA AZEVEDO TELEFONIA MÓVEL: EVOLUÇÃO E DEPENDÊNCIA Monografia apresentada ao Instituto Federal Fluminense - IFF Campus Campos Centro como requisito parcial para conclusão do curso Superior de Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações. Orientadora: Suélly Lima dos Santos M.Sc. CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ Abril de 2015

3 TELEFONIA MÓVEL: EVOLUÇÃO E DEPENDÊNCIA Monografia apresentada ao Instituto Federal Fluminense - IFF Campus Campos Centro como requisito parcial para conclusão do curso Superior de Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações. Aprovada em 09 de abril de BANCA EXAMINADORA Profª. Suélly Lima dos Santos, MSc (Orientadora) Instituto Federal Fluminense-IFF/Campos Campus Centro Profª. Claudia Boechat Seufitelli, MSc Instituto Federal Fluminense - IFF/Campos Campus Centro Prof. Wilton do Nascimento Ribeiro Instituto Federal Fluminense - IFF/Campos Campus Centro Profª. Cintia de Lima Rangel, MSc Instituto Federal Fluminense - IFF/Campos Campus Centro CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ 2015

4 iv AGRADECIMENTO Agradecemos, Ao nosso Deus a quem podemos contar sempre. Ao Instituto Federal Fluminense (IFF), pela infraestrutura e apoio na nossa formação. À professora e coordenadora do curso Suélly Lima dos Santos, pelo convívio, pelo apoio, pela compreensão e pela amizade. A todos os professores do curso, que foram tão importantes nas nossas vidas acadêmicas e no desenvolvimento desta monografia. Aos colegas de curso pelo convívio e apoio, neste período de estudo, e por incentivo para continuar até a conclusão do curso. A todos os que, direta ou indiretamente, contribuíram para a realização deste trabalho. Aos familiares e amigos pelo incentivo e pelo apoio constantes. Nosso agradecimento e profundo respeito a todos.

5 v O homem nasce livre e em toda parte ele é acorrentado. Muitas vezes um homem acredita ser o mestre de outros, o que o torna nada mais que um escravo. Como esta mudança ocorreu? Eu não sei. Como posso legitimá-la? Para esta questão eu espero conseguir dar uma resposta. Rousseau, O Contrato social.

6 vi RESUMO O processo evolutivo da telefonia móvel transformou a comunicação. Além da própria internet, a tecnologia móvel é a base da principal revolução tecnológica do século XXI. Ao permitir ao usuário se comunicar a qualquer momento em praticamente todo lugar, a mobilidade modifica a maneira de interação dos seres humanos, suas relações sociais, familiares, afetivas e profissionais. O objetivo desta monografia é apresentar os efeitos causados pela dependência do telefone celular devido à grande quantidade de recursos disponibilizados refletindo, às vezes, no convívio social, portanto, para realização desta pesquisa que identificará essa realidade, o resultado foi apoiado em forma de questionário fechado para usuários de telefonia móvel. Para obter informações a respeito do grau de utilização e dependência do serviço móvel celular, os resultados obtidos deste estudo servem de base de conhecimento e colaboram com o entendimento das características evolutivas da telefonia móvel e o impacto nas relações sociais dos usuários de forma mais abrangente, sendo verificado que grande parte dos usuários são afetados pela dependência chamada nomofobia, que trata-se da dependência excessiva do dispositivo móvel celular e Internet. Palavras-chave: Telefonia móvel celular. Evolução tecnológica. Dependência tecnológica. Mobilidade.

7 vii ABSTRACT The evolutionary process of mobile telephony has made communication. Besides its own internet, mobile technology is the basis of the principal technological revolution of the XXI century. By allowing the user to communicate at any time just about everywhere, mobility changes the way of interaction of human beings, their social, family, emotional and professional. The purpose of this monograph is to present the effects caused by cell phone dependence due to the large amount of available resources reflecting sometimes in social life, so for this research will identify this reality, the result was supported in a closed questionnaire for mobile phone users. For information about the degree of use and dependence of mobile services, the results of this study are the basis of knowledge and collaborate with the understanding of evolutionary features of mobile telephony and the impact on social relations of users more widely, and found that most users are affected by addiction called nomofobia, that it is the dependence on mobile phone and Internet. Keywords: Mobile telephony. Technological developments. Technological dependence. Mobility

8 viii LISTA DE FIGURAS FIGURA 01: Comunicação entre a ERB e a EM FIGURA 02: Quantidade de aparelhos que os entrevistados possuem FIGURA 03: Frequência de chamadas realizadas diariamente FIGURA 04: Quantidade de mensagens de texto (SMS) enviadas diariamente FIGURA 05: Frequência de acesso à Internet diariamente pelo aparelho FIGURA 06: Frequência de atualização de informações nas redes sociais FIGURA 07: Frequência de tempo sem acesso à Internet no aparelho FIGURA 08: Frequência de acesso à Internet no dispositivo em locais públicos FIGURA 09: Frequência anual de troca de aparelho FIGURA 10: Frequência de incômodo quando não é possível utilizar o aparelho.. 59 FIGURA 11: Utilização do aparelho para apoio no ambiente escolar FIGURA 12: Utilização do aparelho para apoio no ambiente profissional FIGURA 13: Importância de suporte à instalação de aplicativos no aparelho... 60

9 ix LISTA DE TABELAS TABELA 01: Principais funções dos aparelhos móveis TABELA 02: Tipos de fobia... 43

10 x LISTA DE SIGLAS 1G - Primeira geração de telefonia móvel. 2G - Segunda geração de telefonia móvel. 2,5G - Geração intermediária de telefonia móvel. 3G - Terceira geração de telefonia móvel. 4G - Quarta geração de telefonia móvel. 5G - Quinta geração de telefonia móvel. AMPS - Advanced Mobile Phone Services Sistema Avançado de Telefonia Móvel. ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações. ARFCN - Absolute Radio Frequency Channel Number - Número Absoluto de Canal de Radiofrequência. DAMPS - Digital Advanced Mobile Phone System - Sistema Avançado de Telefonia Móvel Digital. EDGE - Enhanced Data Rates for GSM Evolution - Taxas de Dados Ampliados para Evolução Global. GPS - Global Positioning System Sistema de Posicionamento Global. GSM - Global System for Mobile Communications Sistema Global para Comunicações Móveis). IMT International Mobile Telecommunications Telecomunicação Móvel Internacional JTACS - Japan Total Access Communications Systems - Sistema de Comunicação de Acesso Total do Japão. PDA - Personal Digital Assistant Assistente Digital Pessoal. MMS - MultimediaMessaging Service Serviço de Mensagem Multimídia. NMT - Nordic Mobile Telephones system Sistema Nórdico de Telefones Móveis. SMS - Short Message Service Serviço de Mensagem Curta. TACS - Total Access Communication System Sistema de Comunicação de AcessoTotal. TDMA - Time Division Multiple Access Acesso Múltiplo por Divisão de Tempo. UIT - União Internacional de Telecomunicações.

11 xi SUMÁRIO AGRADECIMENTO...iv EPÍGRAFE...v RESUMO...vi ABSTRACT...vii LISTA DE FIGURAS...viii LISTA DE TABELAS...ix LISTA DE SIGLAS...x CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Objetivo Geral Objetivo Específico JUSTIFICATIVA METODOLOGIA CONSIDERAÇÕES INICIAS DESCRIÇÃO DO PROBLEMA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO...17 CAPÍTULO II TELEFONIA MÓVEL CELULAR EVOLUÇÃO DA TELEFONIA MÓVEL CELULAR PRIMEIRA GERAÇÃO DE TELEFONIA MÓVEL (1G) SEGUNDA GERAÇÃO DE TELEFONIA MÓVEL (2G) TDMA CDMA GSM GERAÇÃO INTERMEDIÁRIA (2,5G) GPRS EDGE CDMA X... 27

12 xii 2.5 TERCEIRA GERAÇÃO DE TELEFONIA MÓVEL (3G) UMTS CDMA 1XEV-DO CDMA 1XEV-DV HSDPA/HSUPA QUARTA GERAÇÃO DE TELEFONIA MÓVEL (4G) QUINTA GERAÇÃO DE TELEFONIA MÓVEL (5G) REDE DE TELEFONIA MÓVEL Central de Comutação e Controle (CCC) Estação Rádio Base (ERB) Estação Móvel (EM) CAPÍTULO III SERVIÇOS E FACILIDADES DO TELEFONE CELULAR PRINCIPAIS SERVIÇOS DO TELEFONE CELULAR CONVERGÊNCIA TECNOLÓGICA: MOBILIDADE E INTERATIVIDADE Mobilidade Interatividade MÍDIAS DIGITAIS E APRENDIZAGEM (M-LEARNING): APROPRIAÇÃO DE TELEFONES CELULARES PARA O ENSINO APRENDIZAGEM CAPÍTULO IV NOMOFOBIA: DEPENDÊNCIA EXCESSIVA DO TELEFONE CELULAR CONCEITO DE FOBIA CONCEITO DE VÍCIO NOMOFOBIA: DEPENDÊNCIA EXCESSIVA DO TELEFONE CELULAR NATIVOS DIGITAIS X IMIGRANTES DIGITAIS Nativos Digitais Imigrantes Digitais CAPÍTULO V METODOLOGIA... 53

13 xiii 5.1 METODOLOGIA APLICADA RESULTADOS E DISCUSSÃO CAPÍTULO VI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCLUSÃO DO QUESTIONÁRIO ESTUDO FUTURO CAPÍTULO VII REFERÊNCIAS APÊNDICE A... 73

14 12 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Antigamente os telefones celulares eram utilizados apenas para comunicação por voz, pois possuíam poucos recursos e funções. Com a evolução da tecnologia foi incorporado nos dispositivos atuais novos recursos e serviços que permitem a utilização da Internet para troca de dados. O acesso aos serviços de telefonia móvel permite que as pessoas estejam conectadas virtualmente e tenham acesso às informações em todo canto do mundo. Como forma de romper barreiras nas transmissões de dados entre dispositivos que dispensem o uso de fios e cabos, surgem entre as chamadas Redes Sem Fio. Com a implantação e popularização da telefonia móvel, uma nova visão de mundo e comportamento foi definida, não apenas pela evolução que proporcionou, mas pela mudança na forma de se comunicar. A telefonia celular promoveu avanços que fazem parte do cotidiano das pessoas, tanto na comunicação, na disponibilização de serviços e na operabilidade e conforto que toda tecnologia proporciona (TAVARES, 2004). A constante evolução da telefonia móvel e disponibilização de novos recursos podem refletir numa dependência do uso do aparelho. Portanto este trabalho visa mostrar como o desenvolvimento dos sistemas de telefonia se tornou essencial à sociedade e o modo que a dependência da utilização do aparelho vem se tornando comum. Portanto, este trabalho explica o desenvolvimento da telefonia celular, de acordo com suas gerações, onde expõe alguns efeitos que podem desencadear uma dependência conhecida como nomofobia.

15 15 1.1OBJETIVOS Objetivo Geral Identificar alguns efeitos que o aparelho celular pode oferecer à sociedade, em relação ao excesso de utilização Objetivos Específicos Mostrar como a utilização excessiva do telefone celular influencia na vida dos usuários e; Apontar como a evolução da telefonia móvel e seus recursos facilitam o cotidiano dos usuários através de diversos serviços. 1.2 JUSTIFICATIVA Com a evolução da telefonia móvel, as formas de comunicação são eficientes, sendo de grande valia para a disseminação de informações em escala global e de forma bastante ligeira. Em uma época de transformações, geradas pela crescente evolução tecnológica, é importante uma análise dos efeitos causados pelo crescimento da utilização da telefonia móvel e seus recursos. A comunicação móvel se reflete na sociedade, tornando-se um fenômeno de grande impacto social. Por estes motivos, o presente trabalho torna-se relevante, pois a escolha justifica-se pelo fato de as telecomunicações passarem pelo desafio de maximizar a contribuição com o desenvolvimento tecnológico, cultural e social.

16 METODOLOGIA De maneira geral, o trabalho de pesquisa se inicia pelo levantamento das bases bibliográficas para a coleta de informações, consultas em meios eletrônicos, periódicos técnicos, teses, dissertações, além de artigos científicos. Baseado numa análise qualitativa e quantitativa apoiada em questionários fechados (Apêndice A) com 40 usuários de telefone celular das operadoras Claro, Vivo, Tim, Oi que atuam na região Norte Fluminense, no qual a pesquisa foi realizada na cidade de Campos dos Goytacazes, RJ, com finalidade de identificar quais as facilidades e benefícios proporcionados e os possíveis efeitos que o dispositivo móvel pode gerar. Assim, a metodologia de um modo geral evoluiu de maneira significativa em relação aos critérios utilizados para a confecção desta pesquisa, uma vez que a mesma é um procedimento de aprendizagem e possui conjuntos de ações, que têm como objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. 1.4 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Com o propósito de verificar a necessidade da telefonia móvel no cotidiano das pessoas e a interação com os recursos disponibilizados, propôs-se a realização de pesquisa para levantamento de informações sobre a frequência de utilização do aparelho pelos usuários, a forma de interação, tipos de serviços e aplicações. Logo, o estudo de caso foi realizado por meio de observações feitas no próprio ambiente escolar. É nele que transparece boa parte da experiência adquirida no contato com os usuários, com os colegas de curso, e com a orientadora, enfim, com todos os que de alguma forma depositaram e ampliaram os conceitos utilizados para a confecção deste trabalho.

17 DESCRIÇÃO DO PROBLEMA O tema telefonia móvel e sua influência nos parâmetros sociais é um assunto relevante e desafiador, uma vez que as características observadas como facilidade de comunicação, avanço tecnológico e convergência digital são bastante importantes. Neste âmbito, a comunicação atinge um nível que estimula as pessoas a aderirem à tecnologia e manter contato com mais frequência, interagindo de diversas maneiras, não somente com a conversa de voz e texto, mas também de forma multimídia. Logo, o problema deste trabalho é analisar os efeitos que o excesso do uso do aparelho móvel possa refletir no cotidiano do usuário aliado à necessidade de mobilidade e interatividade. 1.6 ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Até o presente momento, foi feita uma introdução para que o leitor possa situar-se com os objetivos aqui traçados. Para um melhor entendimento do assunto abordado neste trabalho, será descrita a seguir a sequência da pesquisa sobre o conteúdo de cada parte do Capítulo. Este primeiro Capítulo apresentou as considerações iniciais, a descrição do problema da pesquisa, os objetivos que ressaltam sua importância e os pontos de motivação, a justificativa do tema para o desenvolvimento da pesquisa, a metodologia empregada e, por fim, a estrutura da obra em estudo. O Capítulo 2 explorará o histórico da telefonia móvel, além dos elementos básicos que compõem uma rede de Comunicação Móvel Celular, será descrito também, características das tecnologias das cinco gerações da telefonia móvel. No Capítulo 3 será apresentado os principais serviços disponibilizados nos telefones celulares, frutos da evolução através das gerações e da convergência tecnológica.

18 18 O Capítulo 4 descreverá como a evolução dos serviços de telefonia móvel pode interferir no convívio social dos usuários, seja no cenário da educação ou no cotidiano. Também serão apresentadas as situações causadas pela dependência da utilização do telefone celular (nomofobia). O Capítulo 5 descreverá a elaboração, aplicação e resultados de entrevista apoiada no questionário fechado, realizada com usuários de telefonia celular. O Capítulo 6 foi reservado para as considerações finais, além de direcionar a discussão para uma reflexão de continuidade em pesquisas e estudos para trabalhos futuros. Também apresentará as referências estudadas para a elaboração deste trabalho. Apresenta-se, no Apêndice A, o questionário aplicado aos usuários de telefone celular, tendo como resultado fundamental a conclusão deste trabalho.

19 17 CAPÍTULO 2 TELEFONIA MÓVEL CELULAR Neste Capítulo serão descritos alguns acontecimentos que influenciaram o desenvolvimento da telefonia móvel celular, assim como, contribuíram para o surgimento da mesma. Será abordada também, a composição básica do Sistema Móvel Celular. 2.1 EVOLUÇÃO DA TELEFONIA MÓVEL CELULAR Desde os primórdios da civilização, como na Grécia antiga, com o uso de sinais de fumaça como forma de comunicação, observa-se o desejo de comunicar-se livre de fios e aparatos (DIAS, 2001). A era da telefonia celular teve seu início efetivo nos anos 1990, quando o usuário podia obter o aparelho portátil embora suas dimensões iniciais fossem grandes (DIAS, 2001). Para a obtenção da portabilidade do aparelho celular, foi desenvolvido um sistema móvel sem fio, que permitiu a utilização do serviço móvel celular em qualquer lugar. O espectro de frequências, que constitui o meio de transmissão das redes móveis sem fio, precisa ser compartilhado entre os vários usuários do sistema. É sob este espectro que as técnicas de acesso múltiplo ao meio operam, garantindo um acesso compartilhado e com equidade para todos os terminais móveis (DIAS, 2001). As principais técnicas responsáveis pela divisão dos recursos de frequência em vários canais não interferentes possibilitando o acesso múltiplo dos usuários são FDMA (Frequency Division Multiple Access Divisão de Frequência por Múltiplo Acesso), TDMA (Time Division Multiple Access Divisão de Tempo por Múltiplo Acesso) e CDMA (Code Division Multiple Access Divisão de Código por Múltiplo Acesso). Vários padrões para a telefonia celular foram adotados em diferentes países e ficaram conhecidos como sistemas de 1ª Geração (1G), entre eles podem-se citar: o AMPS (Advanced Mobile Telephone System Sistema

20 20 Avançado de Telefonia Móvel) nos Estados Unidos, o TACS (Total Access Communications System Sistema de Comunicação de Acesso Total) no Reino Unido, o JTACS (Japan Total Access Communications Systems - Sistema de Comunicação de Acesso total do Japão) no Japão e o NMT (Nordic Mobile Telephones system Sistema Nórdico de Telefones Móveis) nos países do norte europeu (Dinamarca, Finlândia, Suécia e Noruega). Os sistemas de 1G utilizam a transmissão de dados no modo analógico e a técnica de acesso ao meio utilizada é a FDMA. Os principais problemas com esses sistemas eram a baixa qualidade e capacidade dos canais de comunicação e a incompatibilidade entre os diversos sistemas existentes. Depois da primeira Geração de sistemas móveis veio a 2ª Geração (2G) numa tentativa de ampliar a capacidade dos sistemas existentes. O sistema AMPS evoluiu para o DAMPS (Digital Advanced Mobile Phone System - Sistema Avançado de Telefonia Móvel Digital) que utilizava TDMA, também conhecido por IS-54 (Interim Standard Padrão Interino - 54). Como uma alternativa ao IS-54 surgiu nos Estados Unidos o IS-95 (Interim Standard 95 Padrão Interino - 95), ainda na primeira metade da década de 90 e utilizava o CDMA, aumentando a capacidade em relação aos sistemas existentes. O IS-54 foi sucedido pelo IS-136 (Ínterim Standard Padrão Interino - 136). Portanto, em meados da década de 90 dois sistemas móveis digitais competiam nas Américas na faixa de 800 MHz (DIAS, 2001). Com a 2ª Geração de celulares foram introduzidos novos serviços de comunicação de voz, com maior qualidade e capacidade de transmissão, possibilitando atender um maior número de usuários e, também, foram criados serviços de envio de dados como o SMS (Short Messages Service Serviço de Mensagens Curtas) para transmissão de pequenos pacotes de dados. O SMS permite que o usuário envie e receba mensagens de texto de até 160 bytes 1 (DIAS, 2001). Ainda no início da década de 90 surgiu a 3ª Geração (3G) dos sistemas celulares, como proposta para o padrão global das comunicações móveis, com a disponibilidade de altas taxas de transmissão de dados possibilitando o suporte 1 Bytes: Sequência constituída de um número fixo de bits adjacentes, considerada como a unidade básica de informação, e cujo comprimento geralmente é constituído de 8bits, chamado de octeto.

21 21 a aplicativos multimídia e acesso à Internet. O IMT-2000 (International Mobile Telecommunications 2000 Telecomunicação Móvel Internacional para o ano 2000) está sendo desenvolvida pela ITU (International Telecommunication Union União Internacional de Telecomunicações). Esses sistemas, que já se encontram em uso no Japão, disponibilizam serviços de voz, dados, e aplicações multimídia sobre as redes sem fio. A ideia é que o IMT-2000 especifique uma família de padrões que disponibilize pelo menos taxas de 2 Mbps (Mega bits por segundo) em ambientes indoor, 384 Kbps em ambientes de baixa mobilidade, 144 kbps (Kilo bits por segundo) em ambientes outdoor (DIAS,2001). Na Europa, no Japão e na América do Norte, os sistemas de terceira Geração já são fornecidos aos usuários. Já no Brasil, no início da década de 70 foi implantado em Brasília um serviço anterior à tecnologia celular, contando com apenas 150 terminais sem fio. Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular que culminou na escolha do padrão americano AMPS1 como modelo a ser introduzido (foi implantado, também, em todos os outros países do continente americano e em alguns países da Ásia e Austrália). A primeira cidade a usar o serviço foi o Rio de Janeiro, em 1990, seguido por Brasília. Em São Paulo, considerado o último dos grandes mercados do mundo, o serviço móvel celular foi inaugurado em O Brasil continuou com o AMPS até que, em 1998, modernizou sua rede com sistemas digitais TDMA e CDMA (ANATEL, 2005). O grande avanço dos sistemas de telecomunicações da Tecnologia da Informação (TI), juntamente com a utilização de um novo tipo de componente de hardware, os dispositivos móveis, trouxe ao mundo a tecnologia wireless 2, denominada comunicação sem fio. E isso fez com que ocorresse em grandes inovações no setor wireless. De acordo com Amorim (2002), este tipo de tecnologia, com o passar dos anos e com as novas exigências do mercado, vem crescendo e possivelmente se tornará um dos meios mais utilizados, pois pode 2 Wireless: Sistemas de telecomunicações em que os sinais são transmitidos por ondas eletromagnéticas, dispensando o uso de fios proporcionado pela tecnologia wireless, as pessoas desfrutarão de informações adaptadas a seus hábitos e interesses.

22 22 propiciar diversas funcionalidades. Tudo isso em qualquer lugar ou a qualquer hora, através de dispositivos móveis. Ainda Amorim (2002) cita que a tecnologia wireless disponibiliza a portabilidade e a praticidade da informação independente do lugar, necessárias aos equipamentos portáteis. Perdendo a dependência de objetos fixos e viagens físicas, se utilizará as redes wireless para acessar dados onde e quando for necessário. Enfim, a tecnologia sem fio é um suporte para a computação móvel, que explora diferentes tecnologias de comunicação que serão inseridas tanto em ambientes computacionais fixos como móveis. 2.2 PRIMEIRA GERAÇÃO DE TELEFONIA MÓVEL (1G) Implementada na década de 80, a primeira Geração de telefonia celular foi marcada pelo uso de sistemas analógicos para telefonia celular e utilizava a tecnologia FDMA (Frequency Division Multiple Access - Múltiplo Acesso por Divisão de Frequência) com operação em 800 MHz. A tecnologia FDMA é um método de acesso ao canal que baseia-se na divisão da banda de frequência disponibilizada em faixas de frequência relativamente estreitas, 30KHz cada, as quais são denominadas canais e que são alocadas exclusivamente a um usuário durante todo o tempo de sua conexão (chamada). No Brasil e nos Estados Unidos, foi implantada a tecnologia AMPS (Advanced Mobile Phone Services Sistema Avançado de Telefonia Móvel). Era uma tecnologia com várias deficiências, que possibilitava somente realizar o tráfego de dados de voz e serviço de roaming 3 entre diferentes provedores de serviço (AURIMAR; PEREIRA e ALVES, 2009). No AMPS, a banda era dividida em canais de RF (Radio Frequência), em que cada canal consiste em um par de frequências de 30 KHz de banda, em que ³Roaming: Sistema que permite o cliente de uma empresa de telefonia móvel possa acessar e ser acessado pelo serviço móvel celular mesmo estando fora da área de abrangência da operadora. A operação ocorre automaticamente, sem que o usuário precise configurar o aparelho ou pedir o serviço à operadora.

23 23 uma faz a transmissão e a outra a recepção. Outra característica é que esse padrão utilizava modulação FM (Frequency Modulation Modulação de frequência) e era composto por 416 canais, sendo 21 para controle e o restante para voz. Esse canal de voz, ao ser alocado, permanecia dedicado somente à chamada durante toda a chamada. A cobertura da rede 1G era restrita devido à baixa capacidade de transmissão e a necessidade de várias antenas para que seja razoável a qualidade do sinal, tornando, assim, dispendioso o uso desse sistema sob o ponto de vista econômico. A primeira geração possuía um funcionamento analógico e era constituída por aparelhos relativamente volumosos. Tratava-se principalmente dos padrões AMPS que apareceu nos Estados Unidos em 1976 e foi o primeiro padrão de rede celular. Teve também a versão européia que ficou conhecida como TAC (Total Access Communication System Sistema de Comunicação de Acesso Total) e foi utilizado na Inglaterra, seguidamente na Ásia (Hong-Kong e Japão). As redes celulares de primeira Geração tornaram-se obsoletas com o surgimento de uma segunda Geração inteiramente numérica (TUDE, 2003). No Tópico 2.3 descreverá as tecnologias e técnicas da segunda Geração de telefonia móvel celular. 2.3 SEGUNDA GERAÇÃO DE TELEFONIA MÓVEL (2G) Com o sistema analógico chegando ao seu limite de capacidade, veio a necessidade de sistemas digitais. Dentre as vantagens sobre os analógicos destacam-se: a codificação digital de voz mais poderosa, maior eficiência espectral, melhor qualidade de voz, facilidade de comunicação de dados e a criptografia. O sinal passa a ser digital, mas a tecnologia de rede ainda é a comutação de circuitos, assim como na Primeira Geração.

24 TDMA (Time Division Multiple Access Múltiplo Acesso por Divisão do Tempo) Cada portadora TDMA possui a largura de 30KHz. Tem como característica a operação na frequência de 800MHz; a divisão dos canais de frequência em até 6 intervalos de tempo diferentes e o controle de interferências, com cada usuário utilizando um espaço específico CDMA Code Division Multiple Access Múltiplo Acesso por Divisão de Código) Diferente das tecnologias utilizadas até então, o CDMA defendia a técnica de espalhamento espectral (spread spectrum) na qual para um determinado canal, seria usada toda a largura de banda disponível (1,23MHz), muitas vezes maior do que necessária, a princípio, para a transmissão de um único sinal. Uma vantagem é que diversos assinantes podem utilizar a mesma banda simultaneamente, e a diferenciação entre cada assinante no sistema CDMA é feita por códigos especiais associados a cada transmissão, do Móvel para a Estação Base e da Estação Base para o Móvel. Cada ligação em andamento possui um código específico, não ocorrendo o uso do mesmo para ligações diferentes e permitindo a separação eficiente entre todas as chamadas que estão utilizando a mesma banda. A capacidade máxima alcançada depende, entre outros fatores, principalmente do controle de potência de cada chamada e dos sinais interferentes. Quanto menor a potência, maior é a capacidade (número de chamadas simultâneas) do sistema. Essa tecnologia opera nas frequências de 800 e 1900 MHz e compete diretamente com a Global System for Mobile Communications (Sistema Global para Comunicações Móveis).

25 GSM Foi desenvolvida na Europa e adotada em boa parte do mundo, seu diferencial é o uso de cartões de memória SIM 4 (Subscriber Identity Module Módulo de Identificação do Assinante) nos aparelhos, o que possibilita mobilidade terminal, ou seja, levar as características do assinante para outro aparelho ou rede GSM. Opera nas faixas de 850, 900, 1800 e 1900 MHz e utiliza uma combinação das técnicas de acesso FDMA e TDMA, onde uma portadora de Rádio Frequência do GSM ARFCN (Absolute Radio Frequency Channel Number - Número Absoluto de Canal de Radiofrequência) possui largura de banda de 200kHz que, por meio da técnica TDMA, é subdividida em oito intervalos de tempo. Dessa forma, até 8 conversações simultâneas compartilham uma única portadora ou canal de 2 x 200kHz. Diversos serviços foram disponibilizados com a tecnologia GSM. Dentre eles: SMS para mensagens de texto, GPRS (General Packet Radio Service Serviço de Rádio de Pacote Geral) para transmissão de pacotes de dados, encaminhamento de chamadas, bloqueio de chamadas recebidas ou efetuadas, chamada em espera, teleconferência e restrição da identificação da chamada (MOTA, 2009). São diversos os benefícios e a revolução que as tecnologias de segunda Geração proporcionaram ao mundo. No entanto, elas ainda estavam longe do que se realmente objetivava. No Tópico 2.4 será mostrado o surgimento das tecnologias digitais, na segunda Geração e meia, onde realmente passam a surtir efeitos e o verdadeiro sentido da comunicação móvel passa a ser entendido. 4 SIM: É um chip que carrega as informações da linha telefônica no aparelho celular GSM. O cartão SIM também identifica quem faz a chamada junto ao operador da rede móvel.

26 GERAÇÃO INTERMEDIÁRIA (2,5G) Neste Tópico, serão abordados os principais fatores que contribuíram para que a evolução dos sistemas celulares retardasse uma terceira Geração e partissem para uma Geração chamada de intermediária ou Geração 2,5. Seu grande diferencial foi uma técnica avançada de modulação que permitia a comutação por pacotes ao invés de circuitos, a mesma técnica de transmissão adotada pelo IP (Internet Protocol Protocolo de Internet) da arquitetura TCP/IP (Transmission Control Protocol/ Internet Protocol - Protocolo de Controle de Transmissão/ Protocolo de Internet) GPRS É um serviço fornecido pelas operadoras que provê transmissão de pacotes, que oferece velocidades máximas de dados de 115kbps e um throughput (taxa de transferência) médio de 30 a 40kbps. Os dados são divididos em pacotes para transmissão, o que favorece os usuários, pois provê uma conexão permanente de dados e assim não há necessidade de entrarem no sistema cada vez que desejarem ter acesso a serviços de dados. A vantagem é que os usuários só pagam pelos dados e não pagam pelo tempo de permanência no ar em que se faz a conexão e nem pelo tempo de carregamento. O funcionamento do GPRS consiste no uso de canais TDMA inutilizados para transmissão de dados. Por utilizar comutação de pacotes, usuários podem utilizar o mesmo canal. Para multiplexação, utilizam-se para atribuição do canal, as técnicas FDMA e FDD (Frequency Division Duplex - Divisão de Frequência Duplex); para a comutação de pacotes, uma multiplexação estatística no domínio do tempo. Cada pacote tem tamanho constante (correspondente ao slot GSM). Para acesso ao meio, utiliza-se, para downlink, um protocolo que distribui os pacotes na ordem em que chegam a Estação Base; para uplink, utiliza-se o

27 27 protocolo S-ALOHA para reservar o canal durante a fase de contenção e o protocolo utilizado no downlink para transmissão dos dados. O padrão suporta conexões IPv4 e PPP (Point-to-Point Protocol), embora esta última geralmente não esteja disponibilizada pelas operadoras. O GPRS que permite a conexão da maior parte dos smartphones e celulares à Internet e atualmente, é o padrão que oferece a maior cobertura móvel para aparelhos de mão com acesso à Internet EDGE (Enhanced Data Rates for GSM Evolution - Taxas de Dados Ampliados para Evolução Global) A EDGE utiliza esquemas de modulação e correção de erros diferentes, possibilitando uma taxa de transmissão de dados maior (com limite teórico de 473,6 kbps utilizando 8slots - conector) e uma conexão mais confiável e robusta. EDGE possibilita a comutação de pacotes, ou seja, pode prover conexão a Internet. A implantação do sistema EDGE em infraestruturas GSM e GPRS é simples. O subsistema de rede não precisa de nenhuma alteração de software ou hardware; a Estação Base requer algumas atualizações e a instalação de transceivers 5 compatíveis com o padrão; os aparelhos, no entanto, precisam ser trocados CDMA X É a evolução do CDMA One. Esta tecnologia abriu mercado para as altas taxas de velocidade de dados, hoje, disponíveis em todo o mundo e que oferecem aos consumidores e profissionais total conectividade sem fio. Sua velocidade teórica é de 153,6 Kbps. A nomenclatura CDMA diz respeito apenas à técnica de modulação usada na interface aérea de sistemas celulares e não 5 Transceiver: É um dispositivo que combina um transmissor e um receptor utilizando componentes de circuito comuns para ambas funções num só aparelho. Se esses componentes não forem comuns, esse aparelho designa-se transmissor-receptor.

28 28 quer dizer que sejam totalmente compatíveis entre si. Na maioria dos casos, os sistemas 2,5G são implementados diretamente sobre as redes 2G existentes. Como resultado, um sistema 2,5G não é uma rede comutada a pacotes pura. Na verdade, pacotes de dados são transmitidos sobre redes de circuitos comutados (DUSSAUX, 2010). A Geração intermediária apresentou o que os sistemas digitais móveis eram capazes, e o que poderia se esperar para a terceira Geração e para o futuro dessas tecnologias. A terceira Geração é mais complexa e marca de forma expressiva os recursos das tecnologias digitais, que serão abordadas no Tópico TERCEIRA GERAÇÃO DE TELEFONIA MÓVEL (3G) Essa Geração de redes celulares tem como objetivo oferecer serviços de dados com altas taxas de transmissão e trazem enormes evoluções frente aos sistemas anteriores. As especificações IMT-2000 (International Mobile Telecommunications for the year Telecomunicação Móvel Internacional para o ano 2000) da União Internacional das Telecomunicações (UIT), definem as características do 3G e tem um elevado débito de transmissão, compatibilidade dos serviços móveis de terceira Geração com as redes de segunda, alto nível de transmissão de vídeo, videoconferência ou acesso à Internet. A qualidade de voz foi mais aprimorada, diversos serviços simultâneos foram aplicados como Serviço de Localização Global (GPS), a criptografia que é mais um obstáculo para as fraudes de chamadas, permite a transferência simultânea de voz e de dados numéricos a elevado débito e a autenticação de cada usuário (ALBERNAZ, 2011).

29 UMTS (Universal Mobile Telecommunications Service Serviço de Telecomunicações Móvel Universal) É baseada em IP e suporta voz e dados em pacotes oferecendo taxas máximas de transmissão de dados de até 2 Mbps e velocidades médias de kbps em movimento. É uma tecnologia Tecnologia desenvolvida para prover serviços com altos níveis de consumo de banda, como streaming, transferência de grandes arquivos e videoconferências para uma grande variedade de aparelhos como telefones celulares, PDAs (Personal Digital Assistant Assistente Digital Pessoal) e laptops. A UMTS é compatível com a EDGE e a GPRS permitindo ao usuário sair de uma área de cobertura UMTS e ser automaticamente transferido para uma rede EDGE ou GPRS, dependendo de fatores como disponibilidade de rede e o consumo de banda do aplicativo (TUDE, 2004) CDMA 1XEV-DO CDMA 1xEV-DO (Evolution, Data-Optimized Evolução, Otimização de Dados) é a tecnologia 3G do CDMA, que possui alta performance para transmissão de dados com picos de até 2,4 Mbps. A taxa de transmissão de dados teórica é de 24Mbps e taxa de transmissão média de 300 a 500kbps. Opera em 800 e 1900 MHz. Portadoras distintas são necessárias para dados e voz neste sistema. O enlace de subida permanece praticamente inalterado em comparação com o CDMA2000, mas no enlace de descida os usuários são multiplexados em tempo CDMA 1XEV-DV CDMA 1xEV-DV (Evolution, Data and Voice Evolução, Dados e Voz) é a segunda etapa na evolução do CDMA 1xEV, onde uma mesma portadora pode ser utilizada para voz e dados. A primeira, o 1xEV-DO, uma portadora de 1,25 MHZ é dedicada apenas para dados.

30 HSDPA/HSUPA O HSDPA (High Speed Downlink Packet Access Pacote de Acesso de Descarregamento de Alta Velocidade) e HSUPA (High Speed Uplink Packet Access - Pacote de Acesso de carregamento de Alta Velocidade) permite que as pessoas enviem e recebam s com grandes anexos, joguem interativamente em tempo real, recebam e enviem imagens e vídeos de alta resolução, façam download de conteúdos de vídeo e de música ou permaneçam conectados sem fio a seus PCs no escritório tudo usando o mesmo dispositivo móvel. HSDPA refere-se à velocidade com a qual as pessoas podem receber arquivos de dados, o downlink. HSUPA refere-se à velocidade com qual as pessoas podem enviar arquivos de dados, o uplink (OLIVEIRA, 2006). No Tópico 2.6 serão abordadas as vantagens e tecnologias referentes à quarta Geração (4G). 2.6 QUARTA GERAÇÃO DE TELEFONIA MÓVEL (4G) Oferece diversos recursos e as principais vantagens da conexão 4G são as altas taxas de transferência de dados, que terão velocidade que atingem a casa das dezenas de megabits. Tem melhor qualidade do serviço, no sentido de que, mesmo em movimento, por exemplo, o sinal de Internet que uma pessoa receberá em seu smartphone ou modem não será drasticamente reduzido. As duas características básicas de uma rede 4G são o uso do Internet Protocol (IP) de modo que cada equipamento estará conectado à Internet e velocidades maiores, explicou Jesper Rhode, diretor de inovação em novos negócios da Ericsson para a América Latina. Ainda Jesper Rhode, a empresa, em testes já atingiu a banda de 160 Mbps em redes 4G. Mas, a princípio, a banda para o usuário final deve variar entre 20 Mbps e 40 Mbps (TAGIAROLI, 2010). Os usuários podem navegar pela Internet ou enviar s usando notebooks com Pacote de Acesso de Download de Alta Velocidade (HSPA) integrado, substituir seus modems DSL (Digital Subscriber Line - Linha de Assinante Digital) fixos por modems HSPA e enviar e receber vídeo ou música usando terminais 3G. Com o LTE (Long Term Evolution - Evolução de Longo Prazo), a experiência do

31 31 usuário será ainda melhor, pois acrescentará novas aplicações, como Televisão interativa, blogs de vídeo móvel, jogos avançados e serviços profissionais. Nos itens sobre benefícios dos telefones celulares 4G com tecnologia LTE serão visto as facilidades disponibilizadas pelos telefones celulares 4G com tecnologia LTE. O LTE oferece vários benefícios para os consumidores e operadores, tais como: Desempenho e capacidade: fornecer taxas de pico downlink de pelo menos 100Mbit/s. A tecnologia permite velocidades acima de 200Mbit/s e a Ericsson já demonstrou taxas acima de 150Mbit/s. Além disso, a latência deverá ser inferior a 10ms. Efetivamente, isso significa que o LTE mais do que qualquer outra tecnologia já atende aos principais requisitos de 4G. Simplicidade: Suporta portadoras com largura de banda flexível, de menos 5MHz até 20MHz nos modos FDD (Frequency Division Duplex Duplexação por Divisão de Frequência) o TDD (Time Division Duplex Duplexação por Divisão de Tempo). Dez faixas de espectro pareadas e quatro não-pareadas foram, até o momento, identificadas pelo 3GPP (3rd Generation Partnership Project Terceira Geração de Parceria de Projeto) de para LTE e há mais faixas em discussão a serem adicionadas em breve. Assim, uma operadora pode introduzir LTE em faixas novas, onde for mais fácil posicionar portadoras de 10MHz ou 20MHz e, assim, implementar o LTE em todas as faixas. Em segundo lugar, produtos LTE terão diversos aspectos que simplificam a construção e gerenciamento das redes de próxima Geração. Por exemplo, aspectos como instalação plug-and-play (conexão e funcionamento automático), autoconfiguração e auto-otimização simplificarão e reduzirão o custo de implantação e gerenciamento da rede. Em terceiro lugar, o LTE será implementado em paralelo com redes de transporte e núcleo baseado em IP simplificados, nos quais a construção, manutenção e introdução de serviços são mais fáceis. Ampla variedade de terminais: além dos telefones móveis, computadores e dispositivos eletrônicos incorporarão módulos LTE. Como o LTE suporta handover e roaming para redes móveis existentes, todos

32 32 esses dispositivos podem ter cobertura de banda larga móvel onipresente desde o primeiro dia. Em resumo, as operadoras podem introduzir a flexibilidade do LTE para ir ao encontro dos objetivos de suas redes existentes, espectro e negócios para banda larga móvel e serviços multimídia (ALMEIDA, 2009). No Tópico 2.7 será vista a quinta Geração (5G) em desenvolvimento para futura implementação. 2.7 QUINTA GERAÇÃO DE TELEFONIA MÓVEL (5G) A quinta geração está apenas no estágio de desenvolvimento e pesquisa para ser implementada futuramente. O grande objetivo da tecnologia não é apenas aumentar a velocidade da conexão, mas melhorar todo o sistema para oferecer uma experiência mais fluida para os usuários. Com isso, mais aparelhos poderão se conectar à rede, que deverá ser muito mais rápida que o 4G atual. Barbosa (2013) afirma que o engenheiro de comunicações Mike Short informou que a rede 5G ainda vai demorar alguns anos para começar a ser utilizada comercialmente. Assim, espera que os primeiros aparelhos equipados para utilizar a tecnologia comecem a ser vendidos em 2022 no Reino Unido e até 2024 em outros países. Contudo, isso não significa que as redes 3G e 4G serão deixadas de lado, mas sim que novas opções passarão a ser utilizadas em longo prazo. 2.8 REDE DE TELEFONIA MÓVEL Uma rede de telefonia celular é composta basicamente de três elementos, Central de Comutação e Controle (CCC), Estação Rádio Base (ERB) e Estação Móvel (EM).

33 Central de Comutação e Controle (CCC) A Central de Comutação e Controle (CCC) interliga um conjunto de células, e é responsável, também, por gerenciar e controlar equipamentos das bases, fornecendo tecnologias de acesso e funções de processamento de chamadas e tarifação. O número de células cobertas por uma central varia de acordo com a necessidade Estação Rádio Base (ERB) São responsáveis pela alocação de canais e realização de chamadas entre os dispositivos de telefonia móvel e para isso, utilizam uma central de comutação. São formadas por um conjunto de transmissores, receptores, torres, antenas e pelo conjunto de controle, consistindo de uma unidade com microprocessador que controla e supervisiona as chamadas entre os telefones móveis. É também responsável por monitorar os níveis de sinais e o controle de handoff Estação Móvel (EM) É o terminal utilizado pelo assinante, onde a estação móvel é identificada por um MIN (Mobile Identification Number - Número de Identificação Móvel). O equipamento dispõe ainda de um Número de Série Eletrônico (ESN - Eletronic Serial Number). Na Figura 1 será ilustrado, de maneira simples, uma comunicação entre a Estação Rádio Base com o aparelho celular (Estação Móvel). 6 Handoff: É a passagem do controle de um assinante de uma ERB para outra conforme ele se movimenta. Associado a troca de ERB, ocorre a troca de canal pelo qual o assinante vai continuar sua conversa.

34 34 Figura 1: Comunicação entre a ERB e a EM. Fonte: Comunidade Wireless Brasil (2000). As estações móveis possuem transceptores (TX e RX) de voz e dados que se comunicam com as ERB s, através dos links direto e reverso por onde são trocadas mensagens como: pedido da EM para acessar um canal, confirmação de alocação do canal, mensagens de handoff da ERB para que a EM troque de canal, entre outros. Neste Capítulo foram vistos as 5 Gerações da telefonia móvel celular juntamente com sua estrutura física. O Capítulo 3 abordará os principais serviços e vantagens do telefone celular, bem como suas facilidades.

35 CAPÍTULO 3 SERVIÇOS E FACILIDADES DOS DISPOSITIVOS MÓVEIS Neste Capítulo serão descritos os principais serviços do telefone celular bem como suas facilidades de forma a mostrar a importância dos mesmos para a nova geração tecnológica. Devido à praticidade dos recursos da telefonia celular, a convergência tecnológica está cada vez mais presente no mundo, agregando recursos e reduzindo a quantidade de dispositivos no cotidiano das pessoas. 3.1 PRINCIPAIS SERVIÇOS DO TELEFONE CELULAR Segundo Cortoni (2006), os fabricantes não só estão criando produtos cada vez mais modernos e sofisticados, como também estão agregando recursos de outros equipamentos e mídias ao celular, o que vem sendo chamado de convergência tecnológica. Por meio do celular, além do conceito básico que é falar, também é possível enviar mensagens, jogar, assistir a programas de TV, tirar fotos, filmar, ouvir rádio, receber notícias, acessar Internet, entre outros. Portanto, com a chegada de uma geração tecnológica, esses recursos certamente serão ainda mais ampliados. Até alguns anos atrás as pessoas queriam o celular realmente para facilitar o contato entre aqueles que estavam distantes ou não, atualmente o celular é muito mais do que um simples meio de comunicação, e passou a ser para os usuários um meio de entretenimento também. A praticidade e a mobilidade são alguns dos atrativos do celular, como também a facilidade de compra e possibilidade de aproximação entre as pessoas, através várias formas de comunicação oferecidas pelo aparelho. Centenas de modelos e marcas são comercializadas e estão sempre evoluindo. Os aparelhos antigos se restringiam apenas a receber e originar chamadas, hoje com o avanço da tecnologia estes se tornaram uma ferramenta útil e

36 36 indispensável para a maioria da população. Os modelos mais recentes possuem convergência tecnológica de mídias digitais em um único dispositivo, além das aplicações básicas de um aparelho celular, acumula também diversos serviços de outros dispositivos como câmera, TV, tablet e ainda possui sistema operacional semelhante a um computador. Algumas das principais funções dos dispositivos móveis são vistos na Tabela 1. Tabela 1: Principais funções dos aparelhos móveis. SERVIÇOS SMS (Short Message Service): Disponibilidade para telefones celulares digitais enviar mensagens curtas. Bluetooth: Provê uma maneira de conectar e trocar informações entre dispositivos a curta distância. MP3 player: Compressão de áudio com perdas imperceptíveis ao ouvido humano. GPS: Conjunto de satélites para o posicionamento do cliente, conta com um sistema de informação eletrônico que fornece a um aparelho receptor móvel a posição do mesmo. FUNÇÕES Quando se deseja apenas dar um recado, sendo assim se gasta menos do que efetuar uma ligação. Troca de dados em alta velocidade sem tarifação. Possibilidade de ouvir músicas através do celular, ocupando pouco espaço na memória. Possibilidade de localização própria e de outras pessoas que possuem o mesmo serviço. Conforme visto na Tabela 1, com o avanço da tecnologia móvel, foram incorporadas mais funções aos aparelhos, além da comunicação por voz. Almeida (2011) afirma que atualmente existe a constante necessidade de agregar serviços e em uma menor quantidade de equipamentos, de forma que seja possível realizar diversas atividades com um único dispositivo. Com o processo de convergência tecnológica, diversos recursos estão sendo agregados ao telefone celular de forma a expandir sua funcionalidade e reduzindo a quantidade de dispositivos necessários para cada função, facilitando o cotidiano dos usuários.

37 37 No Tópico 3.2 será visto como a mobilidade e interatividade provenientes da convergência tecnológica podem promover novas experiências no campo da comunicação e relações interpessoais. 3.2 CONVERGÊNCIA TECNOLÓGICA: MOBILIDADE E INTERATIVIDADE Mobilidade Desde a década de 90, a convergência dos recursos multimídias, oriunda da evolução da tecnologia digital, possibilitou a integração de texto, áudio, imagem e números numa mesma plataforma. Naquela época, devido ao crescimento do consumo de informações multimídia, a convergência tecnológica passou pela implantação e digitalização das informações. Desta forma, foi possível a integração de vários serviços e recursos na plataforma da telefonia móvel (SQUIRRA, 2005). Squirra (2005) afirma que convergência é a integração tecnológica em uma base comum, uma vez que mesmo os tipos da tecnologia serem distintos, elas permitem um princípio simples que é a comunicação direta entre usuários através de um conjunto de conexões em um meio não físico e sistemas de disponibilização e interpretações de informações. Desta forma, permitem trocas de grandes volumes de dados a partir de grande conjunto de interfaces que possibilitam o acesso à informação em tempo real, como acessar a internet no telefone celular. Sendo assim, entende-se que a convergência refere-se a mudanças no campo da tecnologia, no mercado, na cultura e na sociedade. Atualmente, o telefone celular é um aparelho de entretenimento multifuncional. Os dispositivos incorporaram imagem, música, vídeo, texto, e- mail, GPS e acesso à Internet o que permite aos usuários terem acesso à diversos recursos e manterem contato com outros usuários mesmo em movimento, devido à mobilidade proporcionada por este dispositivo (MANTOVANI, 2006).

38 38 O dispositivo móvel permite aos usuários usufruírem dos recursos disponibilizados com mobilidade, seja em casa, escola, trabalho ou andando nas ruas. O telefone celular faz parte do cotidiano de executivos e outros profissionais que necessitam de acesso às informações importantes constantemente e comunicação instantânea através de diversos recursos, além da conversação por voz, mas também a comunicação por , mensageiros instantâneos e redes sociais, por exemplo (JENKINS, 2009). Assim, a vida pessoal e profissional dos usuários está sendo impactada direta ou indiretamente. O telefone celular tornou-se um dos principais dispositivos móveis que possibilita suporte à Internet móvel. A participação dos usuários sofreu além de um aumento, uma mudança que possibilitou novas formas de comunicação além dos serviços básicos já utilizados como a conversação por voz e mensagem de texto (SMS) (JENKINS, 2009) Interatividade Segundo Antunes (2011) interatividade refere-se a instâncias mais concretas, que podem ser a demonstração e o manejo de um equipamento, como um microcomputador e também dimensões mais complexas como a relação do indivíduo com o meio e o objeto do foco. Em linhas gerais, está ligada às novidades tecnológicas da informação, principalmente quando existem no procedimento de comunicação com o dispositivo e sua interface. Desta forma, com o relacionamento entre os usuários do serviço móvel celular é possível estabelecer através do aparelho, uma comunicação que agrega vários elementos da participação presencial, pois há a possibilidade de manipular a voz, o som do ambiente e a imagem dos envolvidos. Como mídia de socialização, em relação aos elementos que são inseridos nas mensagens, tais como: o tom de voz, a possibilidade de intervenção, apropriação e inserção (imagens, sons, vídeos, documentos, caracteres de expressão). Assim, configura-se uma interatividade de troca de experiências de cunho emocional, por exemplo, reforçado por recursos podem intensificar as emoções e

Evolução Telefonia Móvel

Evolução Telefonia Móvel 1 Evolução Telefonia Móvel RESUMO De modo geral o artigo visa esclarecer formas de comunicações utilizadas no passado e atualmente em celulares, tablets, modens portáteis entre outras aparelhos de comunicação

Leia mais

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil

1 Sistemas de telefonia celular no Brasil 1 Sistemas de telefonia celular no Brasil Em 1984, deu-se início à análise de sistemas de tecnologia celular sendo definido o padrão americano, analógico, AMPS Advanced Mobile Phone System, como modelo

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila

PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO. Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila PARTE 1 TELEFONIA CELULAR AULA 2 INTRODUÇAO Sistemas de Telecomunicações II Prof. Flávio Ávila Comunicações móveis 2 Definição antiga: dispositivo móvel Definição atual: alta velocidade Exemplos Pager

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 7 Na minha opinião o telemovél na sociedade tem uma boa vantagem porque com tem uma grande mobilidade (pode-se levar para todo o lado), através dele podemos entrar em contacto com amigos ou familiares

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

HSDPA: A Banda Larga do UMTS

HSDPA: A Banda Larga do UMTS HSDPA: A Banda Larga do UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do High Speed Downlink Packet Access (HSDPA), extensão do WCDMA para implementação de um enlace de descida banda larga no UMTS.

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

HSPA: Conceitos Básicos

HSPA: Conceitos Básicos HSPA: Conceitos Básicos Este tutorial apresenta a tecnologia contida no padrão HSPA (High Speed Packet Access) para as redes celulares de 3ª geração (3G) baseada no conjunto de padrões WCDMA (Wideband

Leia mais

MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000

MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000 MIGRAÇÃO DO SISTEMA DE COMUNICAÇÃO MÓVEL DE 2º GERAÇãO PARA 3º GERAÇãO PADRÃO GLOBAL IMT-2000 ELIÉZER SPINELLI MELO YGOR COSTA LIMA Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília

Leia mais

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA

Tecnologia de redes celular GSM X CDMA Tecnologia de redes celular GSM X CDMA GSM (Global Standard Mobile) GSM (Global Standard Mobile) Também baseado na divisão de tempo do TDMA, o GSM foi adotado como único sistema europeu em 1992, e se espalhou

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Roteiro de Estudo: Telefonia Celular - Tecnologias Básicas I O Portal Teleco passa a apresentar periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 06 Tecnologias para WMAN Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, outubro de 2014 Roteiro Sistemas de Telefonia Celular Evolução dos Sistemas Celulares WMAN WiMAX Arquitetura

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia

A EMPRESA SOLUÇÕES CORPORATIVAS SOLUÇÕES PARA OPERADORAS. Wholesale. Servidores SIP. Flat Fixo Brasil em CLI. IPBX Segurança e economia A EMPRESA A ROTA BRASIL atua no mercado de Tecnologia nos setores de TI e Telecom, buscando sempre proporcionar às melhores e mais adequadas soluções aos seus Clientes. A nossa missão é ser a melhor aliada

Leia mais

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25

Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática. Página 1 de 25 Mestre em Informática Página 1 de 25 Roteiro Introdução Definição História Requerimentos IMT-Advanced Padrões 4G LTE Advanced Padrões 4G WirelessMAN Advanced 4G no Brasil Perguntas Página 2 de 25 Introdução

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 0 Fatos e tendências Sumário Fatos e tendências; Arquitetura

Leia mais

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA.

A 2ª geração se caracteriza pelo advento das redes digitais. São elas o TDMA (Time Division Multiple Access), GSM e o CDMA. GERAÇÕES DA TELEFONIA MÓVEL A Telefonia móvel iniciou no final dos anos 70. A 1ª geração de telefonia era a analógica. O serviço padrão era o AMPS (Advanced Mobile Phone System). Esse sistema tinha como

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Celular no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Sistemas Celulares e sua regulamentação no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 09/12/2002).

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1

A telefonia celular. CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004. André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 CienteFico. Ano IV, v. I, Salvador, janeiro-junho 2004 A telefonia celular André Luiz Pereira Cerqueira Filho, Márcio Belmonte Costa Pinto 1 Resumo Com o avanço das tecnologias dos sistemas de comunicação

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 WMANs (IEEE 802.16) Wi-MAX Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax

Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Tecnologias de banda larga móvel, UMTS e WiMax Alex Rodrigo de Oliveira - 06/30403 Danilo Gaby Andersen Trindade - 06/82039 Pedro Rogério Vieira Dias - 06/93472 28 de junho de 2009 Resumo Trabalho final

Leia mais

Integrated Services Digital Network

Integrated Services Digital Network Integrated Services Digital Network Visão Geral ISDN é uma rede que fornece conectividade digital fim-a-fim, oferecendo suporte a uma ampla gama de serviços, como voz e dados. O ISDN permite que vários

Leia mais

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel

Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Computação Móvel: Sistemas de Telefonia Móvel Mauro Nacif Rocha DPI/UFV 1 Conceitos Básicos Sistema móvel celular (SMC) Estrutura em célula. Célula é uma área geográfica coberta por um transmissor de baixa

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br

CDMA, 3G e Aplicações. Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br CDMA, 3G e Aplicações Luiz Gustavo Nogara nogara@inf.puc-rio.br Tópicos da apresentação História CDMA Padrões 3G Aplicações História Conceito básico: reuso de frequência 1969 Primeiro sistema celular com

Leia mais

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long

1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long 16 1. Introdução 1.1 Os sistemas de 4 a geração Quando falamos em redes de quarta geração (4G), dois nomes vem imediatamente à nossa cabeça: LTE (Long Term Evolution) e WiMAX [11]. A tecnologia LTE é um

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 05 2006 V1.0 Conteúdo Telecomunicação e Canais de Comunicação Multiplexação Tipos de Circuitos de Dados DTE e DCE Circuit

Leia mais

Conceitos Básicos de Telefonia Celular

Conceitos Básicos de Telefonia Celular O curso foi elaborado especialmente para atender o profissional que atua no mercado varejista de aparelhos celulares e quer atender seus clientes com rapidez e qualidade. O treinamento é direcionado ao

Leia mais

Fundamentos de Telecomunicações

Fundamentos de Telecomunicações Fundamentos de Telecomunicações LERCI_FT 1: Introdução Professor Victor Barroso vab@isr.ist.utl.pt 1 Introduzindo O tópico A terminologia A tecnologia O conteúdo... LERCI_FT - Lição 1 Fundamentos de Telecomunicações

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

Telefonia Móvel. Leandro H. Shimanuki

Telefonia Móvel. Leandro H. Shimanuki Telefonia Móvel Leandro H. Shimanuki Índice Motivação História Funcionamento Gerações G s Curiosidades Telefonia Móvel 2 Motivação Contato maior com telefonia no Projeto Aplicativo para Mobilidade Urbana;

Leia mais

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio,

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio, INTRODUÇÃO Para que o Guia Médico de seu Plano de Saúde esteja disponível em seu celular, antes de mais nada, sua OPERADORA DE SAÚDE terá de aderir ao projeto. Após a adesão, você será autorizado a instalar

Leia mais

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL

WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL ARTIGO WWAN DE BANDA LARGA WWAN DE BANDA LARGA: VANTAGENS PARA O PROFISSIONAL MÓVEL Cada vez mais, a conectividade imediata de alta-velocidade é essencial para o sucesso dos negócios bem como para a eficiência

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos)

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca comercial registada da Microsoft Corporation nos EUA.

Leia mais

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC

APÊNDICE B. Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC APÊNDICE B Critérios para Avaliação do Sistema de Rádio Digital FM IBOC Junho de 2007 Sumário Lista de Figuras...ii Lista de Tabelas... iii 1 INTRODUÇÃO...1 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA FM IBOC HÍBRIDO...1

Leia mais

O novo serviço Giro oferece a você o máximo da Internet através da tecnologia móvel digital de terceira geração CDMA 2000 1xEV-DO:

O novo serviço Giro oferece a você o máximo da Internet através da tecnologia móvel digital de terceira geração CDMA 2000 1xEV-DO: Manual da fase de teste do Giro Beta Versão: 1.0 Data de publicação: Janeiro/2004 Descrição: Este manual irá ajudá-lo a responder dúvidas que você possa ter sobre a fase de teste do novo serviço Giro.

Leia mais

Soluções Móveis Corporativas Divisão de Soluções Corporativas

Soluções Móveis Corporativas Divisão de Soluções Corporativas Soluções Móveis Corporativas Divisão de Diretoria de Planejamento e Gestão Data: 09/10/2015 As informações contidas neste documento são proprietárias e para uso público. Propriedade da Vivo. Agenda Institucional

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Segurança de Rede Sem Fio

Segurança de Rede Sem Fio Segurança de Rede Sem Fio Dilson Catói Felipe Boeira João Cancelli Marcelo Dieder Rafael Dreher Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS dilsoncatoi@gmail.com, felipecboeira@gmail.com, jvcancelli@gmail.com,

Leia mais

Cap. 3 Redes sem fios

Cap. 3 Redes sem fios Sistemas de Telecomunicações 2 Sistemas Avançados de Telecomunicações (2004/2005) Cap. 3 Redes sem fios 3.1 Introdução às redes celulares 1 Sumário Conceito de sistema celular Sistemas celulares 1G Sistemas

Leia mais

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE SOLUÇÃO TELEFONIA IP E CORDLESS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE VEÍCULOS

PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE SOLUÇÃO TELEFONIA IP E CORDLESS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE VEÍCULOS PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE SOLUÇÃO TELEFONIA IP E CORDLESS EM UMA CONCESSIONÁRIA DE VEÍCULOS Felipe Tozetto Costa¹; Luis Miguel Schiebelbein², Rafael Scoczynski Ribeiro³ ¹ Faculdades Ponta Grossa Ponta Grossa

Leia mais

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações

Novas Tecnologias para aplicações RF. Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Novas Tecnologias para aplicações RF Alexsander Loula Gerente de Eng. de Aplicações Agenda Espectro de frequência As últimas tecnologias de rádio Algumas coisas para ficar de olho 2 ESPECTRO DE FREQUÊNCIA

Leia mais

Internet 3G - VIVO ZAP

Internet 3G - VIVO ZAP O Vivo Zap 3G é a banda larga da Vivo que você acessa no seu computador ou notebook usando o mesmo modem. E você também pode contratar o Vivo Zap 3G para acessar a internet pelo seu smartphone. VANTAGENS

Leia mais

Redes Sem Fio e Móveis

Redes Sem Fio e Móveis Telecomunicação Redes Sem Fio e Móveis Geraldo Robson. Mateus Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Belo Horizonte - MG Tecnologia de comunicação à distância que possibilita

Leia mais

CDMA(Acesso Múltiplo por Divisão de Código)

CDMA(Acesso Múltiplo por Divisão de Código) CDMA(Acesso Múltiplo por Divisão de Código) BRUNNO LEONARDO AZEVEDO DE SOUSA Resumo Este artigo propõe-se a discutir por que a tecnologia CDMA pode ser a melhor opção em relação às outras tecnologias de

Leia mais

NETCOM 2007 PALESTRA:

NETCOM 2007 PALESTRA: NETCOM 2007 PALESTRA: SOLUÇÕES DE COBERTURA INDOOR PARA APLICAÇÕES WIMAX Marcelo Yamaguchi RFS Radio Frequency Systems Página 1 de (6) INTRODUÇÃO A demanda cada vez maior por portabilidade, mobilidade,

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO FOTO REVISTA

TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO FOTO REVISTA TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO FOTO REVISTA As disposições abaixo regulam a utilização do serviço VIVO FOTO REVISTA ( Serviço ) ofertado pela VIVO ( VIVO ) ao CLIENTE VIVO MÓVEL ( Cliente ), o qual antes

Leia mais

HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel

HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel HSDPA: Transmissão de Dados em Telefonia Móvel O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Anderson Clayton de Oliveira para a etapa de classificação do II Concurso Teleco de Trabalhos

Leia mais

Cobertura de RF em Redes WI-FI

Cobertura de RF em Redes WI-FI Cobertura de RF em Redes WI-FI Este tutorial apresenta as alternativas para estender a área de cobertura de redes locais sem fio com ênfase na utilização de cabos irradiantes. Marcelo Yamaguchi Pós-graduado

Leia mais

HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel

HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel HSPA+: Evolução do Release 7 Para Banda Larga Móvel As operadoras UMTS estão lançando rapidamente o High Speed Packet Access (HSPA) para capitalizar a capacidade de banda larga móvel e a alta capacidade

Leia mais

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões

Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões Redes Sem Fio (Wireless): Fundamentos e Padrões As redes locais sem fio (WLANs) constituem-se como uma alternativa às redes convencionais com fio, fornecendo as mesmas funcionalidades, mas de forma flexível,

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados Fundamentos de Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Rádio Troncalizado Terrestrial Trunked Radio (TETRA): Fatores Relevantes na Integração entre Redes

Rádio Troncalizado Terrestrial Trunked Radio (TETRA): Fatores Relevantes na Integração entre Redes Rádio Troncalizado Terrestrial Trunked Radio (TETRA): Fatores Relevantes na Integração entre Redes Este tutorial apresenta o padrão de rádio troncalizado TETRA (Terrestrial Trunked Radio), desenvolvido

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PLANOS PÓS PAGO CLARO ONLINE

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO PLANOS PÓS PAGO CLARO ONLINE O presente Termo tem a finalidade de registrar as características e a oferta dos novos Planos Pós Pago da e regular as relações entre a S.A., empresa autorizatária do Serviço Móvel Pessoal, inscrita no

Leia mais

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced

LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced LTE/LTE-A Long Term Evolution / Long Term Evolution Advanced Hartur Barreto Brito - hbb@ecomp.poli.br Felipe Jorge Pereira - fjp@ecomp.poli.br 2014.2 1 Introdução O LTE (Long Term Evolution) é a nova geração

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA APLICAÇÃO: 14/9/2014

PADRÃO DE RESPOSTA APLICAÇÃO: 14/9/2014 DISSERTAÇÃO Espera-se que o candidato redija texto dissertativo acerca da evolução das redes de comunicação e da infraestrutura destinada para a provisão de novos serviços, abordando, necessariamente,

Leia mais

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Um roteador wireless é um dispositivo de redes que executa a função de um roteador mas também inclui as funções de um access point.

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution)

2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) 23 2. Tecnologia LTE (Long Term Evolution) O LTE (Long Term Evolution) surge como uma evolução das redes 2G (GSM) e 3G (UMTS) existentes. Espera-se que o LTE seja capaz de absorver, eficientemente o crescente

Leia mais

Segurança em redes sem fio Freqüências

Segurança em redes sem fio Freqüências Segurança em redes sem fio Freqüências Carlos Lamb Fausto Levandoski Juliano Johann Berlitz Vagner Dias Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) 16/08/2011 AGENDA INTRODUÇÃO ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

Leia mais

Acesso Internet. Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008. II Seminário sobre Informação na Internet

Acesso Internet. Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008. II Seminário sobre Informação na Internet Acesso Internet Hernesto Miyamoto Inovação Tecnológica Julho, 2008 Agenda TIM no Brasil Tecnologias de Acesso Banda Larga Aplicações das Tecnologias de Acesso Popularizando o Acesso a Internet TIM no Brasil

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Serviços de telecomunicações de uso pessoal e exposição a radiações de serviços móveis GSM

Serviços de telecomunicações de uso pessoal e exposição a radiações de serviços móveis GSM Serviços de telecomunicações de uso pessoal e exposição a radiações de serviços móveis GSM Trabalho realizado pelo grupo: 1MIEEC06_03 Índice Introdução...1 A importância dos serviços de telecomunicações

Leia mais

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet

Capítulo 1: Redes de computadores e a Internet. Capítulo1. Redes de. computadores. computador. e a Internet. es e a Internet Redes de computadores e a Internet Capítulo : Capítulo Redes de Redes de computadores computador e a Internet es e a Internet O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros

Leia mais

Redes sem Fio 2016.1. Sistemas de Telefonia Celular Evolução. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber

Redes sem Fio 2016.1. Sistemas de Telefonia Celular Evolução. Ricardo Kléber. Ricardo Kléber Redes sem Fio 2016.1 Sistemas de Telefonia Celular Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Turma: TEC.SIS.5M Redes sem Fio Onde Estamos? Sistemas de comunicação wireless Redes locais wireless

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e Redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e Redes móveis Redes de Computadores DCC/UFJF Capítulo 6 Redes sem fio e Redes móveis Material fortemente baseado nos slides do livro: Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet. Os slides foram

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações

Estrutura de um Rede de Comunicações Fundamentos de Profa.. Cristina Moreira Nunes Estrutura de um Rede de Comunicações Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Curso Técnico em Informática. Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores

Curso Técnico em Informática. Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores Curso Técnico em Informática Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores Visão Geral Para entender o papel que os computadores exercem em um sistema de redes, considere

Leia mais

Power Line Communication

Power Line Communication INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA Power Line Communication Nome: Sergio Bezerra Valmir Brasília, 24 de Junho de 2012 Introdução A transmissão de dados via rede de energia elétrica (PLC - Power Line Communications),

Leia mais

TELEFONIA CELULAR: OS RECURSOS E A PORTABILIDADE. Bianca Couto Fortuna¹, Henry Karla Silva², Luís Augusto Mattos Mendes³ RESUMO

TELEFONIA CELULAR: OS RECURSOS E A PORTABILIDADE. Bianca Couto Fortuna¹, Henry Karla Silva², Luís Augusto Mattos Mendes³ RESUMO TELEFONIA CELULAR: OS RECURSOS E A PORTABILIDADE Bianca Couto Fortuna¹, Henry Karla Silva², Luís Augusto Mattos Mendes³ RESUMO Este artigo descreve telefonia celular e portabilidade. Será mostrada a evolução

Leia mais

Comunicado Técnico 20

Comunicado Técnico 20 Comunicado Técnico 20 ISSN 2177-854X Novembro. 2012 Uberaba - MG Redes PLC Uma nova alternativa para a transmissão de dados Instruções Técnicas Responsável: Thiago Lara dos Reis Graduado no curso de Sistemas

Leia mais

10 Análise dos recursos internos

10 Análise dos recursos internos 177 10 Análise dos recursos internos Essa seção do trabalho tem como objetivo fazer a análise dos recursos internos das duas empresas pesquisadas, Globo e Vivo. Como referencial teórico será utilizado

Leia mais

Rádio Definido por Software & Evolução para o Rádio Cognitivo

Rádio Definido por Software & Evolução para o Rádio Cognitivo Rádio Definido por Software & Evolução para o Rádio Cognitivo Eng. Ângelo Canavitsas Objetivos Introdução Capacidade dos RDS Arquitetura Sumário Tecnologia e propriedades de um RDS operando como rádio

Leia mais

AKARI Uma pequena luz na direção do futuro

AKARI Uma pequena luz na direção do futuro AKARI Uma pequena luz na direção do futuro Bruno Magalhães Martins Agostinho Manuel Vaz Tópicos Objetivos e Motivações Problemas da Internet Atual e Exigências para o Futuro Desafios e Requisitos Sociais

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula1: Introdução Slide 1 Questões administrativas Instrutores: Horário do Curso: Terças e Quintas-feiras Texto: "Communications Systems Engineering", Proakis

Leia mais

SISTEMA DE TELEFONIA CELULAR

SISTEMA DE TELEFONIA CELULAR SISTEMA DE TELEFONIA CELULAR COMUNICAÇÃO SEM FIO A comunicação sem fio se dá pela propagação radio elétrica e esta necessita um espectro de freqüência para propagar-se. O espectro de freqüência no Brasil

Leia mais

Seu manual do usuário COMPAQ TOUCHSMART TX2-1040BR http://pt.yourpdfguides.com/dref/3195512

Seu manual do usuário COMPAQ TOUCHSMART TX2-1040BR http://pt.yourpdfguides.com/dref/3195512 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para COMPAQ TOUCHSMART TX2-1040BR. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a

Leia mais

INTERNET, RÁDIO E TV NA WEB

INTERNET, RÁDIO E TV NA WEB INTERNET, RÁDIO E TV NA WEB Moysés Faria das Chagas Graduado em Comunicação Social - Rádio e TV (Unesa) Pós-graduado em Arte-Educação (Universo) Mídia-Educação (UFF) MBA em TV Digital, Radiodifusão e Novas

Leia mais

Introdução. O que é Comunicar?

Introdução. O que é Comunicar? O que é Comunicar? Transmissão de mensagens contendo informação Como definir informação? Existe uma teoria formal que define informação com base no grau de imprevisibilidade das mensagens; uma mensagem

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Versão: 1.5 Vodafone 2009. Reservados todos os direitos. A reprodução e uso escrito ou verbal de

Leia mais

2 Arquitetura do sistema de comunicação móvel celular

2 Arquitetura do sistema de comunicação móvel celular 18 2 Arquitetura do sistema de comunicação móvel celular Neste capítulo será mostrada uma configuração básica para qualquer sistema de comunicação móvel celular, relacionando as principais funções de cada

Leia mais

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP.

Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. Comparativo entre câmeras analógicas e Câmeras IP. VANTAGENS DAS SOLUÇÕES DE VIGILÂNCIA DIGITAL IP É verdade que o custo de aquisição das câmeras digitais IP, é maior que o custo de aquisição das câmeras

Leia mais

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS

LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS LNet Mobility WIRELESS SOLUTIONS INTRODUÇÃO: Entende-se por Mobilidade a possibilidade de poder se comunicar em qualquer momento e de qualquer lugar. Ela é possível graças às redes wireless, que podem

Leia mais

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS

III.2. CABLE MODEMS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS UNIDADE III SISTEMAS HÍBRIDOS 1 III.2. CABLE MODEMS III.2.1. DEFINIÇÃO Cable modems são dispositivos que permitem o acesso em alta velocidade à Internet, através de um cabo de distribuição de sinais de TV, num sistema de TV a cabo.

Leia mais

RFID (Identificação por Radiofrequência)

RFID (Identificação por Radiofrequência) RFID (Identificação por Radiofrequência) Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de RFID, tecnologia wireless de identificação e coleta de dados. Vergílio Antonio Martins Engenheiro de Eletrônica

Leia mais