Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?"

Transcrição

1 Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL UERJ) A aquisição da língua materna é algo tão natural que já a tomamos como garantida no desenvolvimento da criança. Realmente, a aquisição de uma língua começa a acontecer ainda na fase intra-uterina, assim que o sistema auditivo do feto se encontra desenvolvido para captar os contornos da fala da mãe, que são filtrados pelas camadas que o separam do ambiente externo. Assim que o bebê nasce, o ambiente lingüístico o circunda. A voz da mãe é reconhecida nos primeiros dias, a despeito de o som captado na vida intra-uterina ter sido filtrado em suas frequências mais altas. A fala dirigida à criança se apresenta como um modo especial de interação, adequando-se ao que o adulto (e mesmo crianças mais velhas) intuem serem as necessidades afetivas e cognitivas do bebê. Com isso, aspectos da língua tornamse particularmente salientes, o que parece contribuir para a análise do material lingüístico que a fala apresenta. O aparato perceptual do bebê é especialmente talhado para a percepção de material linguístico (sons da fala ou sinais gestuais em línguas de sinais, no caso de filhos de pais surdos, ou de crianças surdas expostas desde cedo a uma língua de sinais) e para análise do mesmo, naquilo que pode ser relevante para a aquisição de qualquer língua. Já nos primeiros dias de vida, o bebê demonstra sensibilidade a padrões rítmicos da fala. No primeiro mês, é capaz de discriminar sons da fala, e é sensível a propriedades acústicas/articulatórias, como a que distingue as consoantes surdas das sonoras (/p/ e /b/, por exemplo). Aos dois meses, o bebê estranha quando depara com outra língua sendo falada, o que demonstra que já está sensível a uma série de propriedades que sua língua materna apresenta. Diferentes habilidades perceptuais e analíticas se desenvolvem ao longo do primeiro ano de vida, de modo que, por volta dos nove meses, o balbucio do bebê, que começara a dissociar-se da expressão de estados emocionais aos cinco meses de vida, passa a ser reconhecido pelos adultos como pertencente à sua língua. É nessa época que o bebê demonstra reconhecer propriedades do sistema fonológico da língua a que é exposto, e a coordenar pistas (rítmicas e distribucionais) que facilitam a delimitação de palavras e de unidades sintáticas mais amplas, como sintagmas (constituintes sintáticos), no fluxo da fala à sua volta. Por volta dos doze meses de vida, podemos dizer que a criança começa a analisar os enunciados linguísticos sintaticamente, ou seja, a combinar palavras, de modo a formar estruturas, com base na distinção entre palavras que existem em pequeno número, com pouca informação semântica, e posição relativamente fixa na frase (como os artigos, por exemplo), daquelas que pertencem a classes sempre abertas a novas aquisições (como os nomes e os verbos). Daí por diante, a criança terá de descobrir o que aquela língua toma como gramaticalmente relevante os nomes se distinguem por gênero? página 1

2 Que elementos concordam em gênero na língua? Nomes e adjetivos? Sujeito e predicativo? Sujeito e verbo? Há contraste de número (como entre singular e plural, ou entre singular, dual, plural). Até os três anos de idade, muitos desses contrastes foram captados (como gênero, número, pessoa, em línguas como o português). Outros contrastes, como os relativos a tempo, aspecto e modo verbal, por exemplo, ainda que possam ser detectados na percepção de diferentes morfemas, irão precisar de mais tempo de desenvolvimento para que se estabeleçam de modo semelhante ao conhecimento por parte do falante adulto. Nuances semânticas com implicações pragmáticas, por sua vez, como as que governam o estabelecimento da referência definida e indefinida são mais sutis. Diante de uma sequência de enunciados como um menino chegou, todos estavam conversando, e o menino chamou seu irmão, sabemos que trata-se do mesmo menino, em ambas as menções (um menino/o menino). Já em Um menino chegou, todos estavam conversando e um menino chamou seu irmão, percebemos que a referência se faz a dois meninos distintos, por conta da informação relativa a definitude presente no determinante (o artigo um). Em Maria comeu as maçãs da cesta, infere-se que Maria comeu todas as maçãs. Mas diante de Maria comeu umas maçãs da cesta, infere-se que Maria comeu parte do conjunto de maçãs em questão. Contrastes desse tipo são mais difíceis de serem estabelecidos, e seu estabelecimento, juntamente com o desenvolvimento de habilidades discursivas, perdura até uma infância tardia. A produção da linguagem não espera, contudo, que todas as distinções gramaticais da língua em aquisição sejam representadas como conhecimento linguístico. A criança começa a expressar suas intenções de fala com os recursos linguísticos e as habilidades de que dispõe tão logo consegue por em uso parte do conhecimento que incorporou sobre a língua de seu meio. Assim, já no segundo ano de vida, a criança começa a emitir enunciados de uma ou de duas palavras, já combinadas de forma sistemática. A produção da fala é, no entanto, um processo relativamente custoso, que parte de uma mensagem préverbal a ser codificada por meio de unidades lexicais combinadas de forma sistemática, ou seja, em uma estrutura sintática, cuja expressão irá requerer o planejamento de gestos articulatórios e a adaptação do trato vocal para emissão de sons (ou o correlato em línguas de sinais). Note-se, que, diante desse custo, a criança começa omitindo elementos de menor carga informacional, os quais, contudo, já foi capaz de perceber -- os elementos de classes fechadas cujo reconhecimento é crucial para desencadear o funcionamento da língua como um sistema produtivo, ou seja, como um sistema que possibilita a formulação e a análise de um número infinitamente grande de enunciados. Tem-se, assim, uma fala telegráfica, com omissão de artigos, preposições, assim como com omissão de constituintes sintáticos (caracteristicamente o sujeito) no início da produção da fala. Por volta dos três anos de idade, no entanto, muitas dessas limitações já estão superadas, e enunciados sintaticamente complexos começam a ser produzidos. O ser humano parece ser dotado de uma faculdade de linguagem que garante que, uma vez constituído um grupo social, uma língua passa a ser espontaneamente criada. Essa faculdade de linguagem também se apresenta como uma disposição para a aquisição de qualquer língua naturalmente constituída. Tal disposição biológica permite que a criança identifique, prontamente, informação relevante para a delimitação de unidades lexicais no fluxo da fala, e para que estas venham a ser combinadas em página 2

3 estruturas sintáticas, sem que a criança se perca em infindáveis tentativas e erros diante das inúmeras combinatórias que os dados ao seu alcance possibilitariam. O processo de aquisição da língua materna, além de natural, é bastante robusto, resistindo a uma série de condições adversas, uma vez que a criança esteja inserida em um ambiente lingüístico. Em alguns casos, contudo, esse processo pode ser comprometido, sem que se identifiquem possíveis causas para isso, externas ao domínio da língua. As manifestações desse comprometimento constituem um conjunto de sintomas que caracteriza o chamado Déficit Específico da Linguagem (DEL). Disfasia do desenvolvimento, afasia congênita e afasia infantil são alguns dos nomes que o DEL já recebeu. O DEL é difícil de ser prontamente identificado e seu diagnóstico se faz por exclusão. Em geral, a criança demora a falar, o que começa a preocupar os pais. O desenvolvimento transcorre de forma um tanto defasada, comparado ao de crianças de mesma idade. Uma vez adquirida a língua, o DEL pode ser difícil de ser detectado, uma vez que a produção de enunciados claramente incompatíveis com a gramática da língua (erros de concordância como esse árvore, o meninos), é rara. Observa-se, com mais frequência, a omissão de elementos, como artigos e pronomes, assim como marcas morfológicas de concordância, de forma mais intensa e por mais tempo do que se observa no desenvolvimento típico. O DEL pode afetar não só a produção como a compreensão de enunciados sintaticamente complexos, assim como a compreensão de relações de correferência estritamente dependentes da sintaxe, como em O jacaré viu que o macaco se mordeu. A sintaxe determina que, nesse caso, apenas o macaco pode ter mordido a si mesmo. Logo, um comprometimento na sintaxe pode acarretar dúvidas do tipo: -- o jacaré mordeu o macaco? O inverso? Um dos animais mordeu a si mesmo? Qual?. Sentenças passivas do tipo O jacaré foi mordido pelo leão também geram dificuldades para a identificação do agente da ação. A reversibilidade dos papéis temáticos (agente e paciente) em relação à ação de morder introduz um problema para aqueles que não tomam a informação relevante para a sintaxe (verbo auxiliar + marca de particípio) como a única capaz que orientar a análise sintática e a interpretação semântica da sentença. Existem ainda outras possíveis manifestações do DEL, que atuam de forma mais evidente, ou mesmo exclusiva, no domínio da fonologia, do léxico e da relação gramática/pragmática, mas o mais característico do DEL é o comprometimento na sintaxe. Diferentes hipóteses vêm sendo formuladas para explicar as manifestações do DEL. Algumas atribuem as causas do DEL a problemas na percepção e no reconhecimento de informação gramaticalmente relevante nos dados da fala. Outras atribuem ao DEL dificuldades centradas em determinadas partes de uma estrutura sintática. Outra explicação focaliza o custo que o processamento de determinadas estruturas sintáticas acarreta. Estruturas complexas como sentenças com orações relativas (adjetivas), tal como A aluna que a professora chamou saiu e João conhece a aluna que a professora chamou, assim como interrogativas do tipo Quem a professora chamou? / Que aluna a professora chamou?, envolvem operações sintáticas que acarretam alto custo de processamento e que são particularmente afetadas no DEL. É comum que essas estruturas sejam mais tardiamente dominadas pelas crianças sem queixa de linguagem, mas, no caso da criança DEL, há uma defasagem ainda maior, que corresponde a cerca de 3 a 4 anos de atraso em relação ao desenvolvimento considerado típico e, em página 3

4 alguns casos, o problema perdura na idade adulta. Assim sendo, diante de sentenças como O aluno que a professora chamou falou com a diretora, é comum que crianças com esse tipo de comprometimento entendam que quem falou com a diretora foi a professora. A produção de sentenças complexas desse tipo pode, por sua vez, apresentar um desafio muitas vezes intransponível para a criança. Um exemplo real que ilustra essa dificuldade pode ser encontrado na fala de um menino de dez anos que, ao participar de um jogo em que deveria escolher o que gostaria de ser, entre um menino que a mãe leva para escola e um menino que a condução leva pra escola, formula sua resposta como Eu gostaria de ser a mãe que leva pra escola. Dificuldades como essas podem passar despercebidas por pais e professores, mas podem afetar o desempenho escolar da criança. Podemos imaginar que o enunciado de tarefas, o entendimento de recados assim como a compreensão de textos podem ficar comprometidos se relações sintáticas e semânticas não forem estabelecidas corretamente. É importante, no entanto, que essa dificuldade com a língua não seja confundida com outros problemas, pois a criança com DEL, caracteristicamente, não apresenta comprometimento cognitivo, sendo seu desempenho afetado apenas em tarefas que envolvam a língua, particularmente na presença de estruturas mais complexas, como aquelas mencionadas acima. Em suma, as manifestações do DEL podem decorrer de problemas na identificação do que pode ser informação gramaticalmente relevante na língua, no acesso a essa informação durante a produção e a compreensão de enunciados linguísticos e na condução de operações sintáticas de alto custo. As hipóteses sobre a natureza do DEL podem orientar práticas de recuperação ou de remediação (já que a recuperação não é garantida) a serem utilizadas por fonoaudiólogos e por professores, evitando-se, com isso, possíveis graves consequências na vida escolar e afetiva da criança. Nos últimos anos, a pesquisa lingüística e a pesquisa psicolingüística têm sido fundamentais para o reconhecimento do tipo de estruturas comumente afetadas nessa síndrome e para a busca de explicações para esse problema. Um maior conhecimento dos resultados dessa pesquisa por parte de professores e de profissionais de saúde, assim como investigações sistemáticas acerca da eficácia de práticas fundadas em hipóteses científicas sobre o DEL são cruciais para se criem procedimentos de diagnóstico e intervenção mais efetivos do que aqueles de que hoje dispomos. Para aprofundamento do tema: Em português: Jakubowicz, C. (2006). Hipóteses psicolingüísticas sobre a natureza do Déficit Específico da Linguagem. Em L. M. S. Correa (Org.). Aquisição da Linguagem e Problemas do Desenvolvimento Linguístico. São Paulo: Edições Loyola/Rio de Janeiro: Editora da PUC-Rio. Em inglês: Leonard, L. (1998). Specific Language Impairment. Cambridge, Mass: MIT Press. Volume Especial do periódico Lingua: An International Review of General Linguistics. Copyright 2010 Elsevier B.V. doi: /j.lingua Links de interesse: página 4

5 LAPAL Laboratório de Psicolinguística e Aquisição da Linguagem da PUC-Rio PLCD Programa Linguagem em Condições Diferenciadas da UERJ página 5

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

Relatório PIBIC 2012

Relatório PIBIC 2012 Relatório PIBIC 2012 Projeto: Déficit Específico da Linguagem (del) e problemas de linguagem ligados a dificuldades de aprendizagem: um estudo exploratório com vistas à intervenção 1 Alunas: Luiza Frizzo

Leia mais

Departamento de Letras

Departamento de Letras AVALIAÇÃO DE HABILIDADES LINGÜÍSTICAS DE CRIANÇAS: QUESTÕES RELATIVAS À REFERÊNCIA NO DESENVOLVIMENTO LINGÜÍSTICO E IMPLICAÇÕES PARA PROBLEMAS DE LINGUAGEM (DEL e DAp) Alunas: Lucia Figueiredo Morabito

Leia mais

Professora: Lícia Souza

Professora: Lícia Souza Professora: Lícia Souza Morfossintaxe: a seleção e a combinação de palavras Observe que, para combinar as palavras loucamente, louco e loucura com outras palavras nas frases de modo que fiquem de acordo

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Compreensão e produção da linguagem verbal

Leia mais

LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS

LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS 4511 LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (UENP FAFIJA) Estas reflexões sobre a inclusão de alunos surdos no ensino comum têm o

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A IMPORTÂNCIA DO ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS (LIBRAS) PARA O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DO DEFICIENTE AUDITIVO Daisy Mara Moreira de Oliveira (UFS) dayseoliveira01@hotmail.com Derli

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

TALKING ABOUT THE PRESENT TIME

TALKING ABOUT THE PRESENT TIME Aula8 TALKING ABOUT THE PRESENT TIME META Apresentar o presente contínuo, chamado de present continuous ou present progressive em inglês, nas suas três formas, afi rmativa, negativa e interrogativa, numa

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391

I SEMINÁRIO INTERDISCIPLINAR DAS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM NO CARIRI DE 21 a 23 DE NOVEMBRO DE 2012 - ISSN 2318-8391 ENSINO E APRENDIZAGEM DE LATIM NA URCA: UM ESTUDO DE CASO SOUZA, Yascara Simão 1 ARRUDA, Francisco Edmar Cialdine 2 RESUMO Este trabalho tem como objetivo apresentar análises colhidas de materiais como

Leia mais

O PAPEL DAS FRONTEIRAS PROSÓDICAS NA RESTRIÇÃO DO PROCESSAMENTO SINTÁTICO

O PAPEL DAS FRONTEIRAS PROSÓDICAS NA RESTRIÇÃO DO PROCESSAMENTO SINTÁTICO 642 O PAPEL DAS FRONTEIRAS PROSÓDICAS NA RESTRIÇÃO DO PROCESSAMENTO SINTÁTICO Carolina Garcia de Carvalho Silva UFJF/CAPES Maria Cristina Lobo Name UFJF 0 Introdução Este trabalho propõe-se a investigar

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

Professor: Gustavo Lambert. Módulo de Português

Professor: Gustavo Lambert. Módulo de Português Professor: Gustavo Lambert Módulo de Português Classes de s Como as gramáticas e os livros didáticos apresentam o estudo das classes de palavras? Subtantivo Adjetivo Advérbio Verbo É o nome de todos os

Leia mais

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA

DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA DIFICULDADES ESPECÍFICAS DE LINGUAGEM E SUAS RELAÇÕES COM A APRENDIZAGEM DALMA RÉGIA MACÊDO PIN TO FONOAUDIÓLOGA E PSICOPEDAGOGA LINGUAGEM A linguagem é um sistema de signos que possibilita o intercâmbio

Leia mais

O IMPACTO DO CONHECIMENTO DA ESTRUTURA DA LÍNGUA MATERNA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

O IMPACTO DO CONHECIMENTO DA ESTRUTURA DA LÍNGUA MATERNA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA O IMPACTO DO CONHECIMENTO DA ESTRUTURA DA LÍNGUA MATERNA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Leandro Leal (UFG Campus Jataí) Neuda Alves do Lago (UFG Campus Jataí) RESUMO: A influência do conhecimento

Leia mais

Aula 05 - Compromissos

Aula 05 - Compromissos Aula 05 - Compromissos Objetivos Agendar compromissos, utilizando verbos no infinitivo ou a estrutura (ir) + ter que + verbos no infinitivo; conversar ao telefone, reconhecendo e empregando expressões

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

Linguagem: produtividade e sistematicidade

Linguagem: produtividade e sistematicidade Linguagem: produtividade e sistematicidade Referências: Chomsky, Noam, Syntactic Structures, The Hague, Mouton, 1957. Chomsky, Noam, Aspects of the Theory of Syntax, Cambridge (Mas.), The MIT Press, 1965.

Leia mais

Orientação à Família de um Adulto Afásico

Orientação à Família de um Adulto Afásico 1 Orientação à Família de um Adulto Afásico Fernanda Papaterra Limongi Nunca é demais enfatizar a importância do aconselhamento familiar quando se trabalha com adultos afásicos. Em geral, o início repentino

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

AUTISMO MITOS, REFLEXÕES E ATUALIDADES KLIGIEL V. B. DA ROSA. NEUROPEDIATRA.

AUTISMO MITOS, REFLEXÕES E ATUALIDADES KLIGIEL V. B. DA ROSA. NEUROPEDIATRA. AUTISMO MITOS, REFLEXÕES E ATUALIDADES KLIGIEL V. B. DA ROSA. NEUROPEDIATRA. Conceito É uma patologia vasto quadro clínico com déficits neurocomportamentais e cognitivos e padrões repetitivos de comportamentos

Leia mais

Linguagens e Programação Ano Lectivo 2006/2007. Relatório Trabalho Teórico. Linguagem Natural

Linguagens e Programação Ano Lectivo 2006/2007. Relatório Trabalho Teórico. Linguagem Natural Linguagens e Programação Ano Lectivo 2006/2007 Relatório Linguagem Natural Trabalho realizado por: Paulo Jorge Morais Costa - 1000334 Índice 1 Introdução 4 2 Compreender a Linguagem Natural 5 3 Linguagem

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE Aula INTRODUÇÃO À SINTAXE META Expor informações básicas sobre sintaxe. OBJETIVOS Ao final desta aula o aluno deverá: levar o aluno a compreender o que seja sintaxe de regência, de colocação e de concordância.

Leia mais

DÉFICIT ESPECÍFICO DA LINGUAGEM (DEL) E PROBLEMAS DE LINGUAGEM LIGADOS A DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM: CUSTO DE PROCESSAMENTO E REMEDIAÇÃO 1

DÉFICIT ESPECÍFICO DA LINGUAGEM (DEL) E PROBLEMAS DE LINGUAGEM LIGADOS A DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM: CUSTO DE PROCESSAMENTO E REMEDIAÇÃO 1 DÉFICIT ESPECÍFICO DA LINGUAGEM (DEL) E PROBLEMAS DE LINGUAGEM LIGADOS A DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM: CUSTO DE PROCESSAMENTO E REMEDIAÇÃO 1 RELAÓRIO DE ATIVIDADES Alunas: Elisabeth Abreu (Letras) Helena

Leia mais

APRESENTAÇÃO LÍNGUAS E DISCURSO: A TEORIA NAS PRÁTICAS

APRESENTAÇÃO LÍNGUAS E DISCURSO: A TEORIA NAS PRÁTICAS APRESENTAÇÃO LÍNGUAS E DISCURSO: A TEORIA NAS PRÁTICAS A relação com as línguas é sempre um fenômeno complexo para toda pessoa, em termos lingüístico-discursivos, identitários e sociais. Este volume é

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais

Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE. Fernanda Gurgel Raposo

Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE. Fernanda Gurgel Raposo Aula3 TALKING ABOUT YOUR ROUTINE META Apresentar a estrutura gramatical do presente simples, simple present em inglês, nas formas afi rmativa, negativa e interrogativa, para as duas primeiras pessoas do

Leia mais

CASOS PARTICULARES S + S + A Obs:

CASOS PARTICULARES S + S + A Obs: 1) Regra geral Palavra que acompanha substantivo concorda com ele. Ex.: O aluno. Os alunos. A aluna. As alunas. Meu livro. Meus livros. Minha pasta. Minhas pastas. Garoto alto. Garotos altos. Garota alta.

Leia mais

TEYL. Education Program. Rodrigo Santana. Expansion Director. rodrigo@ccbeu.com (62) 3093 1313

TEYL. Education Program. Rodrigo Santana. Expansion Director. rodrigo@ccbeu.com (62) 3093 1313 Sejam bem-vindos! Bilinguismo TEYL Education Program Rodrigo Santana Expansion Director rodrigo@ccbeu.com (62) 3093 1313 Quem são os alunos VYL? Aprendem muito rapidamente. Se divertem muito enquanto

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS CRTÉRO EPECÍCO DE AVALAÇÃO 3º ANO (1º CCLO) PORTUGUÊ DOMÍNO OJETVO DECRTORE DE DEEMPENHO MENÇÕE Oralidade 1. Escutar para aprender e construir conhecimentos 2. Produzir um discurso oral com correção 3.

Leia mais

A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias:

A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias: MORFOLOGIA A Morfologia é o estudo da palavra e sua função na nossa língua. Na língua portuguesa, as palavras dividem-se nas seguintes categorias: 1. SUBSTANTIVO Tudo o que existe é ser e cada ser tem

Leia mais

Caminhos para a aprendizagem

Caminhos para a aprendizagem Page 1 of 5 Home Comunicação pessoal Educação Tecnologias na Educação Educação a distância Identidade Caminhos para a aprendizagem inovadora José Manuel Moran Especialista em projetos inovadores na educação

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO . Interação discursiva Princípios de cortesia e cooperação Informação, explicação; pergunta. Compreensão e expressão Vocabulário: variedade e precisão Informação: essencial e acessória; implícita Facto

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Robson Brino Faggiani. Doutorando Psicologia Experimental Universidade de São Paulo

Robson Brino Faggiani. Doutorando Psicologia Experimental Universidade de São Paulo Contornando os prejuízos de comunicação: Ensino de Comportamento Verbal Robson Brino Faggiani Doutorando Psicologia Experimental Universidade de São Paulo 1 O que é Comportamento Verbal? 2 Análise Funcional

Leia mais

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO

ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO 1 ESTUDOS DOS ERROS ORTOGRÁFICOS NOS TEXTOS DE ALUNOS DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO Dóbia Pereira dos Santos NASCIMENTO Gisele da Paz NUNES Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão dobia@wgo.com.br

Leia mais

A Linguística Formal e sua relação com o ensino e com a pesquisa. Prof. Dr. Aline Lorandi Prof. Doutoranda Taíse Simioni UNIPAMPA Bagé Março/2011

A Linguística Formal e sua relação com o ensino e com a pesquisa. Prof. Dr. Aline Lorandi Prof. Doutoranda Taíse Simioni UNIPAMPA Bagé Março/2011 A Linguística Formal e sua relação com o ensino e com a pesquisa Prof. Dr. Aline Lorandi Prof. Doutoranda Taíse Simioni UNIPAMPA Bagé Março/2011 Ementa A Linguística formal se dedica ao estudo da estrutura

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 INFLUÊNCIAS MÚTUAS DE UMA MODALIDADE SOBRE A OUTRA NO INCONSCIENTE DE UM INDIVÍDUO COM UM ALTO GRAU DE LETRAMENTO José Mario Botelho (UERJ e ABRAFIL) botelho_mario@hotmail.com Marcela Cockell (UERJ) marcelacockell@hotmail.com

Leia mais

Recepção de novos servidores: orientações para gestores. DP, DDRH e PRODIRH UFG/2015

Recepção de novos servidores: orientações para gestores. DP, DDRH e PRODIRH UFG/2015 Recepção de novos servidores: orientações para gestores DP, DDRH e PRODIRH UFG/2015 1 Recepção de novos servidores: orientações para gestores Livia Psicóloga - DDRH 2 Qual o verdadeiro sentido da existência

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DE APRENDER UM SEGUNDO IDIOMA NA PRIMEIRA INFÂNCIA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DE APRENDER UM SEGUNDO IDIOMA NA PRIMEIRA INFÂNCIA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DE APRENDER UM SEGUNDO IDIOMA NA PRIMEIRA INFÂNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE ABC AUTOR(ES): LILIAM

Leia mais

Vestibular Comentado - UVA/2010.2

Vestibular Comentado - UVA/2010.2 LÍNGUA PORTUGUESA Comentários: Profs. Evaristo, Crerlânio, Vicente Júnior Texto 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Flor voltara a embalar-se

Leia mais

DISFUNÇÕES DA LINGUAGEM: UM ENCONTRO ENTRE A LINGÜÍSTICA E A NEUROCIÊNCIA

DISFUNÇÕES DA LINGUAGEM: UM ENCONTRO ENTRE A LINGÜÍSTICA E A NEUROCIÊNCIA DISFUNÇÕES DA LINGUAGEM: UM ENCONTRO ENTRE A LINGÜÍSTICA E A NEUROCIÊNCIA Antonio José dos Santos Junior 1 Resumo: O presente artigo discute a interação entre a Lingüística e a Neurociência no que se refere

Leia mais

Objetivos, conteúdo e estruturação do Curso de Hebraico Bíblico (módulo 1)

Objetivos, conteúdo e estruturação do Curso de Hebraico Bíblico (módulo 1) Objetivos, conteúdo e estruturação do Curso de Hebraico Bíblico ( 1) 1) Objetivos 1.1) Apresentar as diferenças básicas entre os idiomas português e hebraico. 1.2) Apresentar alguns estilos de escrita

Leia mais

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e escritos à maneira adequada do padrão da língua materna;

Leia mais

O que são? O ato de desviar-se da norma padrão no intuito de alcançar uma maior expressividade refere-se às figuras de linguagem.

O que são? O ato de desviar-se da norma padrão no intuito de alcançar uma maior expressividade refere-se às figuras de linguagem. Filipe Teotônio O que são? Figuras de linguagem são estratégias que o escritor pode aplicar ao texto para conseguir um determinado efeito na interpretação do leitor, que são características globais do

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

Língua Brasileira de Sinais I

Língua Brasileira de Sinais I Universidade Federal de Santa Catarina Licenciatura e Bacharelado em Letras-Libras na Modalidade a Distância Ronice Muller de Quadros Aline Lemos Pizzio Patrícia Luiza Ferreira Rezende Língua Brasileira

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução 1 Um estudo do vocabulário de crianças ouvintes de cinco anos como subsídio para elaboração de material didático para a iniciação à escrita de crianças surdas Introdução Daniele Marcelle Grannier, UnB

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS

A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS A IMPORTÂNCIA DA COESÃO E DA COERÊNCIA EM NOSSOS TEXTOS Áurea Maria Bezerra Machado (UNIGRANRIO) goldenmary@ig.com.br Márcio Luiz Corrêa Vilaça (UNIGRANRIO) 20 professorvilaca@gmail.com 1. Introdução O

Leia mais

A importância da audição e da linguagem

A importância da audição e da linguagem A importância da audição e da linguagem A linguagem não é apenas uma função entre muitas[...] mas uma característica muito difusa do indivíduo, a tal ponto que ele se torna um organismo verbal.(joseph

Leia mais

Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1

Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1 Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade Hebert Schiavelli Página 1 A maior Ambição do Homem é querer Colher aquilo que Não Semeou. Hebert Schiavelli (Empreendedor) Porque não Seguir o Fluxo da Sociedade

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

Língua Brasileira de Sinais LIBRAS

Língua Brasileira de Sinais LIBRAS Língua Brasileira de Sinais LIBRAS Professora conteudista: Andrea Rosa Sumário Língua Brasileira de Sinais LIBRAS Unidade I 1 LÍNGUA DE SINAIS: COMPLEXIDADE E EXPRESSIVIDADE...2 Unidade II 2 EDUCAÇÃO DE

Leia mais

FERRAMENTA PARA A TRADUÇÃO DA SINTAXE DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS * Manoelisa Goebel ** Andre Zanki Cordenonsi ***

FERRAMENTA PARA A TRADUÇÃO DA SINTAXE DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS * Manoelisa Goebel ** Andre Zanki Cordenonsi *** FERRAMENTA PARA A TRADUÇÃO DA SINTAXE DA LÍNGUA PORTUGUESA PARA A DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS * Manoelisa Goebel ** Andre Zanki Cordenonsi *** RESUMO O ser humano e o computador estão cada vez mais

Leia mais

PARALELISMO SINTÁTICO E SEMÂNTICO Prof. Esp. Volney Ribeiro

PARALELISMO SINTÁTICO E SEMÂNTICO Prof. Esp. Volney Ribeiro PARALELISMO SINTÁTICO E SEMÂNTICO Prof. Esp. Volney Ribeiro O paralelismo consiste na apresentação de idéias similares, coordenadas, equivalentes, numa forma gramatical ou semântica idêntica. Assim, pode-se

Leia mais

Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci. out/2012

Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci. out/2012 Fga. Maria Aurélia de F. Coimbra Amatucci out/2012 É o que fazemos com que ouvimos. (Katz, 1996) É como a orelha conversa com o cérebro. (Musiek, 1994) Compreensão de como as orelhas comunicam-se com o

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Língua Portuguesa

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Língua Portuguesa Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de Língua Portuguesa COMENTÁRIO GERAL: a prova compôs-se de três textos dois breves ensaios (artigo cuja temática é universal) e uma crônica. O conhecimento solicitado

Leia mais

GRUPOS NIVEL SUBNÍVEL INSTRUÇÃO RESPOSTA

GRUPOS NIVEL SUBNÍVEL INSTRUÇÃO RESPOSTA JOGO 1 NIVEL 1 Exemplos de instruções e respostas que podem ser utilizadas nos oito contextos. CONTEXTUALIZAÇÃO DESENVOLVER A COMPREENSÃO SEMÂNTICA AUMENTO DO VOCABULÁRIO VISUAL IDENTIFICAÇÃO DE ELEMENTOS

Leia mais

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO

Leia mais

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental - SEPesq Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental Renata Faria A. Silva da Rosa Mestranda Letras/Linguística PPGL PUCRS renata.faria@acad.pucrs.br

Leia mais

Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem

Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem Disciplina - Aspectos Fonoaudiológicos nos Distúrbios de Aprendizagem Fga. Ms. Adriana de Souza Batista adrianabatista@gmail.com CRDA Curso de Pós-Graduação

Leia mais

O processo de identificação de itens ambíguos Nome ou Adjetivo por falantes adultos do PB

O processo de identificação de itens ambíguos Nome ou Adjetivo por falantes adultos do PB O processo de identificação de itens ambíguos Nome ou Adjetivo por falantes adultos do PB Raquel Fellet Lawall (UFJF) a Maria Cristina Name (UFJF) b RESUMO: Investiga-se o papel de diferentes propriedades

Leia mais

A LINGUAGEM NO PRÉ-ESCOLAR

A LINGUAGEM NO PRÉ-ESCOLAR A LINGUAGEM NO PRÉ-ESCOLAR HELOÍSA MARINHO A linguagem se inicia com o grito e o balbucio. No choro, aparecem primeiramente os sons a e c, variando em altura e intensidade; aos quatro meses, já todos os

Leia mais

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas

Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento. Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Pediatria do Desenvolvimento e do Comportamento Faculdade de Ciências Médicas Prof. Orlando A. Pereira Unifenas Genética e Ambiente A combinação de fatores ambientais e genéticos é que determina o produto

Leia mais

Introdução da Comunicação Alternativa em adulto com Deficiência Múltipla: estudo de caso

Introdução da Comunicação Alternativa em adulto com Deficiência Múltipla: estudo de caso Introdução da Comunicação Alternativa em adulto com Deficiência Múltipla: estudo de caso Olívia Silva e Silva Fonoaudióloga Dayanne Rezende Heitor de Queiroz Terapeuta Ocupacional Resumo O presente artigo

Leia mais

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE?

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? Lívia Ferreira da Silveira 1 Tatiana Azevedo de Souza da Cunha Lima 2 Resumo: O presente trabalho apresenta algumas reflexões acerca da historicidade e do conceito de dislexia

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

CONVIVENDO COM O LÚPUS

CONVIVENDO COM O LÚPUS CONVIVENDO COM O LÚPUS Dr. Jean-Luc Senecal Aprender a viver com o lúpus é semelhante a todas as outras coisas da vida. Alguns deverão exercitar-se e este aprendizado não se faz da noite para o dia. A

Leia mais

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016 Período: 1.º Ano Número total de aulas previstas: 39 Competências Compreensão oral: compreender textos orais, de natureza diversificada e de acessibilidade adequada ao Compreensão escrita: compreender

Leia mais

PARA PROFISSIONAIS DE

PARA PROFISSIONAIS DE FRANCêS PARA PROFISSIONAIS DE SAúDE - NíVEL B1 (OUT 2014) - PORTO A mobilidade de profissionais de saúde é uma realidade e falar francês é uma abertura de portas para o mercado de trabalho internacional

Leia mais

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25)

ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) ANEXO XI (Retificado no DOU de 18/07/2013, Seção 1, pág 25) MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL LAUDO DE AVALIAÇÃO AUTISMO (Transtorno Autista e Autismo Atípico) Serviço Médico/Unidade

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Quem tem boca vai a Roma

Quem tem boca vai a Roma Quem tem boca vai a Roma AUUL AL A MÓDULO 14 Um indivíduo que parece desorientado e não consegue encontrar o prédio que procura, aproxima-se de outro com um papel na mão: - Por favor, poderia me informar

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL DE LÍNGUA PORTUGUESA

PLANEJAMENTO ANUAL DE LÍNGUA PORTUGUESA COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE LÍNGUA PORTUGUESA ANO: 6º anos PROFESSOR(A):

Leia mais

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA GRUPO 5.2 MÓDULO 6 Índice 1. Crianças com Deficiência Auditiva...3 1.1. Os Ouvidos... 3 1.2. Mecanismo da Audição... 3 2. Saúde Auditiva...4 3. Definição de Deficiência Auditiva...5 3.1. Classificação...

Leia mais

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA

TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA 1 TRANSTORNO DE PROCESSAMENTO AUDITIVO E SUAS CONSEQUENCIAS NA APREDIZAGEM. ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Quando nos deparamos com um aluno que apresenta dificuldade de aprendizagem, as perguntas

Leia mais

1) O que é a consciência fonológica?

1) O que é a consciência fonológica? 1) O que é a consciência fonológica? É a consciência de que a linguagem oral (frases, palavras ) é composta por sequências de sons com significado. Ter consciência fonológica proporciona a capacidade de

Leia mais

TEXTO 1964, PASSADO E PRESENTE

TEXTO 1964, PASSADO E PRESENTE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1964, PASSADO E PRESENTE Mundo, maio/2014 O golpe de 1964, que completou meio século, é passado e presente simultaneamente. Passado: o golpe se inscreve na geopolítica da Guerra

Leia mais

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR. Curso: Licenciatura em Educação Básica Ciclo: 1º Ramo: Educação Ano: 2º Designação:

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR. Curso: Licenciatura em Educação Básica Ciclo: 1º Ramo: Educação Ano: 2º Designação: PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR Curso: Licenciatura em Educação Básica Ciclo: 1º Ramo: Educação Ano: 2º Designação: Aquisição e Desenvolvimento da Linguagem Créditos: 5 Departamento: Ciências da Comunicação

Leia mais

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS BEZERRA 1, Aíla Murielle Medeiros CORDEIRO 1, Ingrydh KOCH 1, Bernard; LIMA 1, Tácia Adriana Florentino de NUNES

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola

Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Dislexia: Como Suspeitar e Identificar Precocemente o Transtorno na Escola Autor: Telma Pantano Data: 30/12/2009 Releitura realizada por Lana Bianchi e Vera Lucia Mietto. A identificação precoce de um

Leia mais

LÉXICO E SEMÂNTICA CADERNOS DO CNLF, VOL. XI, N 11

LÉXICO E SEMÂNTICA CADERNOS DO CNLF, VOL. XI, N 11 LÉXICO E SEMÂNTICA A RELEVÂNCIA DA SEMÂNTICA NOS ESTUDOS DA ANÁLISE SINTÁTICA DE ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS: DESVIOS SINTÁTICO-SEMÂNTICOS Giovana Fernandes Dantas (UERJ) Marco Aurélio Lourenço (UERJ)

Leia mais

9. Considerações finais

9. Considerações finais 9. Considerações finais 9.1. Resumo do estudo O estudo realizado caracterizou VPA e VPS como configurações diferentes de significados textuais, ideacionais e interpessoais. Conforme se viu no capítulo

Leia mais

PRIMEIRA AULA DE GRAMÁTICA-INTERNET. Professora: Sandra Franco

PRIMEIRA AULA DE GRAMÁTICA-INTERNET. Professora: Sandra Franco PRIMEIRA AULA DE GRAMÁTICA-INTERNET Professora: Sandra Franco Estudo da Gramática. Sujeito. I. Introdução ao estudo de Gramática. II. Sintaxe e termos da oração. III. Estudo do Sujeito. IV. Recomendações

Leia mais

O Pensamento complexo de Edgar Morin e a conjugação verbal em livros didáticos de PLE

O Pensamento complexo de Edgar Morin e a conjugação verbal em livros didáticos de PLE O Pensamento complexo de Edgar Morin e a conjugação verbal em livros didáticos de PLE Linei Matzenbacher ZAMPIETRO (USP, São Paulo - Brasil) 1. Introdução O paradigma complexo pretende-se uma ciência-tronco

Leia mais

MÓDULO II Funções Cognitivas

MÓDULO II Funções Cognitivas MÓDULO II Funções Cognitivas REALIZAÇÃO CEPSIC e Divisão de Psicologia do Instituto Central do Hospital das Clínicas da FMUSP Drª Mara Cristina Souza de Lucia - Direção www.cepsiconline.com.br AULA 1 Funções

Leia mais

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias

As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias As contribuições de conceitos desenvolvidos pelo Círculo de Bakhtin para a descrição e análise de enunciados de sujeitos com afasias Rosana do Carmo Novaes Pinto 1 Desde 1999, venho defendendo a relevância

Leia mais