MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Manual do Usuário

2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 INTRODUÇÃO 4 ACESSO AO SISTEMA 5 CADASTRO 6 1 Identificação da ICT 6 2 Política de Inovação, Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia 11 3 Núcleo de Inovação Tecnológica 16 4 Situação dos Pedidos de Proteção 23 5 Contratos de Transferência de Tecnologia 25 6 Recursos Obtidos com os Contratos 28 7 Visualizar Cadastro 29 8 Finalizar e Enviar 30 INFORMAÇÕES ÚTEIS 33 SAIR 33

3 APRESENTAÇÃO O preenchimento do Formict busca atender o art. 17 da Lei nº /2004 (Lei de Inovação), o qual dispõe que a Instituição Científica e Tecnológica ICT deve prestar informações anuais quanto à política de propriedade intelectual da instituição, às criações desenvolvidas no âmbito da instituição, às proteções requeridas e concedidas e aos contratos de licenciamento ou de transferência de tecnologia firmados ao Ministério da Ciência e Tecnologia MCT. A Portaria nº 118, de 23 de fevereiro de 2010, aprovou o formulário e essas informações devem ser fornecidas de forma consolidada, anualmente, até 31 de março do ano subsequente ao ano a que se referem. Essa data poderá sofrer alteração, o que deve ser informado no endereço Essa portaria revogou a Portaria nº 942/2006. Recomendamos a leitura com atenção das instruções sobre o preenchimento do formulário e, caso tenha alguma dúvida, envie um para ou ligue para (61) /7884/

4 INTRODUÇÃO Com a reformulação do formulário, estamos implantando um novo sistema de coleta de dados a partir de As informações prestadas pela ICT serão utilizadas de forma restrita pelo Ministério da Ciência e Tecnologia e sua divulgação ocorrerá sempre de forma agregada. Ao serem analisadas as informações prestadas pelas ICTs foi identificada a necessidade de aperfeiçoar a estrutura do formulário de forma a torná-lo mais amigável e permitir uma análise mais apurada das atividades que estão sendo desenvolvidas no âmbito das ICTs. Nas questões abertas, procure escrever de forma sucinta e objetiva. No processo de modificação foram ouvidas as instituições e suas sugestões foram analisadas e implementadas, principalmente visando facilitar o preenchimento do formulário. Para tanto, foi criado esse manual para orientar as ICTs na apresentação das informações. 4

5 ACESSO AO SISTEMA Acessar o Sistema No primeiro acesso ao cadastro, o usuário deverá entrar na página do MCT ( e clicar em Primeiro Cadastro. Tela Efetuar Login Primeiro Cadastro Após clicar nessa opção, será exibida a tela da Identificação da ICT. 5

6 CADASTRO 1 Identificação da ICT Tela 1 Identificação da ICT Nome da ICT Informar o nome da Instituição Científica e Tecnológica. CNPJ Informar o CNPJ da ICT. 6

7 Natureza da Instituição O usuário deverá marcar pública ou privada. Se a opção escolhida for pública : O usuário deverá optar por federal, estadual ou municipal. Deverá ser informado o Ministério ou órgão ao qual esteja subordinado. Entende-se por subordinado a dependência ao órgão de tutela. Deverá selecionar o seu perfil: a) Instituição de Ensino Superior b) Centro de Educação Tecnológica c) Instituto de Pesquisa Tecnológica d) Outros Se o usuário escolher a opção Outros, será exibido caixa de texto para descrever esse perfil. Se a opção escolhida for instituição privada: O sistema não exibirá os campos da opção Pública. Telefone Informar o número do telefone indicando o código da cidade onde está localizada a ICT. Endereço Informar o endereço da ICT. CEP Informar o número do CEP da ICT. 7

8 Bairro Informar o nome do bairro o qual está localizada a ICT. Unidade Federativa UF Selecionar a UF na qual está localizada a ICT. Cidade Escolher na lista de cidades da UF selecionada pelo usuário, o nome onde está localizada a ICT. Região O sistema exibirá a região onde está localizada a ICT (Norte, Nordeste, Sul, Sudeste e Centro-Oeste). Nome do Responsável Institucional da ICT Informar o nome completo do Responsável Institucional da ICT. Endereço Eletrônico Informar o do responsável institucional da ICT. Telefone Informar o número telefônico do responsável institucional da ICT. Nome do Responsável pelas informações Informar o nome completo do Responsável pelo cadastro das informações da ICT. Endereço Eletrônico Informar o do responsável pelas informações da ICT. Telefone Informar o número telefônico do responsável pelas informações da ICT. 8

9 Salvar O usuário depois de informar todo o cadastro da identificação da ICT, deverá clicar no botão salvar. Ao clicar no botão Salvar o sistema verifica se há campos obrigatórios não preenchidos, caso exista, exibirá a mensagem Há campo(s) obrigatório(s) não informado(s) e destaca em vermelho os campos obrigatórios que não foram preenchidos. Caso esteja correto, o sistema salva os dados, envia senha por e exibe a mensagem Dados salvos com sucesso! Sua senha de acesso foi enviada para o do Responsável pela Informação. Limpar O sistema limpa todos os campos. Acesso ao Cadastro Para o usuário já cadastrado deverá ser informado o Login e a Senha. 9

10 Login Para acessar o sistema, o usuário deve informar o já cadastrado. Caso não tenha sido cadastrado, deve clicar na opção Primeiro Cadastro. Senha O usuário deve informar a senha já cadastrada. Caso não tenha sido cadastrada, deve clicar na opção Primeiro Cadastro. Entrar Após informar o e a senha, deverá clicar no botão entrar. Será então apresentada a tela principal do formulário, onde o usuário deverá clicar em Cadastro e escolher os blocos para preenchimento das informações. Limpar O sistema limpa todos os campos. Esqueci Minha Senha Essa opção é para o usuário que já realizou o primeiro cadastro, mas esqueceu a senha. O usuário deverá informar obrigatoriamente o e clicar no Botão Esqueci minha senha. Caso o informado não esteja correto, o sistema exibirá mensagem inexistente, tente novamente. Caso ele esteja correto será enviada mensagem com a senha para o e- mail cadastrado. 10

11 Alteração do Cadastro Se o usuário necessitar alterar o Cadastro da Identificação da ICT, deverá seguir os seguintes passos: Clicar no menu cadastro; Clicar no item de menu 1. Identificação ICT ; Em seguida, o sistema exibe a página inicial com os dados já cadastros no primeiro acesso (Tela 1) Identificação da ICT"; O usuário deverá alterar os campos desejados e clicar em Salvar ; O sistema salva os dados e exibe a mensagem Dados salvos com sucesso!. 2 Política de Inovação, Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia Para acessar esse bloco, o usuário deverá clicar no menu cadastro e clicar no item 2. Política de Inovação, Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia. O sistema exibe a tela para preenchimento das informações a respeito da Política de Inovação implementada na ICT. 11

12 Tela 2 Política de Inovação, Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia O usuário deverá informar se a ICT possui política de inovação implementada, escolhendo uma das opções. Entende-se como política de inovação implementada pela ICT, o conjunto de ações que introduzam novidade ou aperfeiçoamento no ambiente produtivo ou social resultando em novos produtos, processos ou serviços. 12

13 Se a opção for sim, o usuário deverá identificar se os itens da Lei de Inovação estão implementado, em definição ou não se aplica na sua ICT. São esses os conceitos apresentados na Lei de Inovação: 1. Alianças estratégicas (Art. 3º A União, os Estados, o Distrito Federal, os Municípios e as respectivas agências de fomento poderão estimular e apoiar a constituição de alianças estratégicas e o desenvolvimento de projetos de cooperação envolvendo empresas nacionais, ICT e organizações de direito privado sem fins lucrativos voltados para atividades de pesquisa e desenvolvimento, que objetivem a geração de produtos e processos inovadores). 2. Desenvolvimento de projetos de cooperação com terceiros (Art. 3º) 3. Compartilhamento de instalações, permissão de utilização (Art. 4º As ICT poderão, mediante remuneração e por prazo determinado, nos termos de contrato ou convênio:) I - compartilhar seus laboratórios, equipamentos, instrumentos, materiais e demais instalações com microempresas e empresas de pequeno porte em atividades voltadas à inovação tecnológica, para a consecução de atividades de incubação, sem prejuízo de sua atividade finalística; II - permitir a utilização de seus laboratórios, equipamentos, instrumentos, materiais e demais instalações existentes em suas próprias dependências por empresas nacionais e organizações de direito privado sem fins lucrativos voltadas para atividades de pesquisa, desde que tal permissão não interfira diretamente na sua atividade-fim, nem com ela conflite.) 4. Contratos de transferência e licenciamento (Art. 6 o É facultado à ICT celebrar contratos de transferência de tecnologia e de licenciamento para outorga de direito de uso ou de exploração de criação por ela desenvolvida). 13

14 5. Prestação de serviços ( Art. 8 o É facultado à ICT prestar a instituições públicas ou privadas serviços compatíveis com os objetivos desta Lei, nas atividades voltadas à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo) Retribuição pecuniária aos pesquisadores ( Art.8º) 6. Acordos de parcerias (Art. 9 o É facultado à ICT celebrar acordos de parceria para realização de atividades conjuntas de pesquisa científica e tecnológica e desenvolvimento de tecnologia, produto ou processo, com instituições públicas e privadas) Bolsa de estímulo à inovação (Art.9º) Contrato prevendo a titularidade da propriedade intelectual e a participação nos resultados da exploração das criações resultantes de parceria (Art.9º). 7. Cessão de direitos sobre a criação para que o respectivo criador os exerça em seu próprio nome (Art. 11. A ICT poderá ceder seus direitos sobre a criação, mediante manifestação expressa e motivada, a título não oneroso, nos casos e condições definidos em regulamento, para que o respectivo criador os exerça em seu próprio nome e sob sua inteira responsabilidade, nos termos da legislação pertinente). 8. Participação do pesquisador em resultados econômicos (Art. 13. É assegurada ao criador participação mínima de 5% (cinco por cento) e máxima de 1/3 (um terço) nos ganhos econômicos, auferidos pela ICT, resultantes de contratos de transferência de tecnologia e de licenciamento para outorga de direito de uso ou de exploração de criação protegida da qual tenha sido o inventor, obtentor ou autor, aplicando-se, no que couber, o disposto no parágrafo único do art. 93 da Lei n o 9.279, de 1996.) 9. Confidencialidade (Art. 12. É vedado a dirigente, ao criador ou a qualquer servidor, militar, empregado ou prestador de serviços de ICT divulgar, noticiar ou publicar qualquer aspecto de criações de cujo desenvolvimento tenha participado diretamente ou tomado conhecimento por força de suas atividades, sem antes obter expressa autorização da ICT). 14

15 10. Afastamento para prestar colaboração à outra ICT (Art. 14. Para a execução do disposto nesta Lei, ao pesquisador público é facultado o afastamento para prestar colaboração a outra ICT, nos termos do inciso II do art. 93 da Lei n o 8.112, de 11 de dezembro de 1990, observada a conveniência da ICT de origem. 11. Licença sem remuneração para o pesquisador constituir empresa (Art. 15. A critério da administração pública, na forma do regulamento, poderá ser concedida ao pesquisador público, desde que não esteja em estágio probatório, licença sem remuneração para constituir empresa com a finalidade de desenvolver atividade empresarial relativa à inovação). 12. Estímulo ao inventor independente (Art. 22. Ao inventor independente que comprove depósito de pedido de patente é facultado solicitar a adoção de sua criação por ICT, que decidirá livremente quanto à conveniência e oportunidade da solicitação, visando à elaboração de projeto voltado a sua avaliação para futuro desenvolvimento, incubação, utilização e industrialização pelo setor produtivo). 13. Atividade de ensino em temas correlacionados à inovação (Art. 26. As ICT que contemplem o ensino entre suas atividades principais deverão associar, obrigatoriamente, a aplicação do disposto nesta Lei a ações de formação de recursos humanos sob sua responsabilidade). 14. Outros (Explicitar a política de inovação adotada pela ICT). Salvar O usuário depois de informar toda a Política de Inovação, Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia, deverá clicar no botão salvar. Ao clicar no botão Salvar o sistema exibe mensagem Dados salvos com sucesso!. 15

16 Limpar O sistema limpa todos os campos. 3 Núcleo de Inovação Tecnológica Para acessar esse bloco, o usuário deverá clicar no menu cadastro e clicar no item 3. Núcleo de Inovação Tecnológica. O sistema exibirá a tela para preenchimento. Tela 3 Núcleo de Inovação Tecnológica NIT 16

17 Implementação do NIT O usuário deverá identificar o estágio de implementação do NIT. As opções são: Implementado considera-se aquele que já está em funcionamento e já possui uma estrutura mínima. Em implementação considera-se qualquer iniciativa para instituir o NIT, ainda não está em funcionamento (ex: projeto de constituição do NIT). Não implementado considera-se aquele não tenha nenhuma ação para criar um NIT. Identificação do NIT Se a opção for Implementado ou Em Implementação serão exibidos os seguintes campos: 17

18 Vinculação na ICT Informar a sua posição no organograma da instituição de tutela. Nome do NIT Informar o nome do Núcleo de Inovação Tecnológica. Página na Internet Informar o endereço da página na internet. Endereço Informar o endereço do NIT. CEP Informar o CEP do NIT. Nome do Responsável pelo NIT Informar o nome completo do Responsável pelo NIT. Endereço Eletrônico Infomar o do responsável pelo NIT. Telefone Informar o número telefônico e o código de localidade do responsável pelo NIT. Situação atual do NIT que atende à sua ICT O usuário deve identificar se é Exclusivo ou Compartilhado. Se Compartilhado, indicar quais são as instituições. 18

19 Número de pessoas que trabalham no NIT Servidores/Funcionários Informar a quantidade de servidores/funcionários que trabalham no NIT. Bolsistas Informar a quantidade de bolsistas em atividade no NIT. Terceirizados (função permanente no NIT) Informar a quantidade de terceirizados que trabalham no NIT. Estagiários Informar a quantidade de estagiários em atividade no NIT. Outros Informar a quantidade de pessoas que trabalham no NIT e que não foram relacionadas nos itens anteriores. Formação profissional das pessoas que trabalham no NIT Advogado Informar a quantidade de advogados Administrador Informar a quantidade de administradores Engenheiro, Químico, Físico e Tecnólogos Informar a quantidade de Engenheiro, Químico, Físico e Tecnólogos 19

20 Economista Informar a quantidade de economistas Comunicação Social Informar a quantidade de profissionais Outros Informar a quantidade de outros profissionais que não foram relacionados nos itens anteriores. Atividade que o NIT realiza conforme as competências mínimas estabelecidas no parágrafo único do art. 16 da Lei de Inovação e outras atividades complementares. Identificar os itens que o NIT emprega na sua política de inovação. (Selecionar todas as competências). Zelar pela manutenção da política institucional de estímulo à proteção de Propriedade Intelectual - PI (Art. 16, I). Avaliar e classificar os resultados decorrentes de atividades e projetos de pesquisa (Art. 16, II). Avaliar solicitação de inventor independente para adoção de invenção na forma do art. 22 (art. 16, III). Opinar pela conveniência e promover a proteção das criações desenvolvidas na instituição (Art. 16, IV). Opinar quanto à conveniência de divulgação das criações desenvolvidas na instituição (Art. 16, V). 20

21 Acompanhar o processamento dos pedidos e a manutenção dos títulos de PI (Art. 16, VI). Cadastro de pesquisadores e orientação aos pesquisadores. Entende-se aconselhamento; seminários; distribuição de cartilhas, revistas ou outras formas impressas explicativas sobre as atividades do NIT. Acompanhamento das atividades de pesquisa da ICT. O NIT mantém uma atividade regular de acompanhamento das pesquisas realizadas pelos pesquisadores da ICT. Relacionamento com Empresas (seminários, eventos). Realização de atividades de divulgação sobre as patentes da ICT bem como promoção de eventos, seminários e cursos com a participação das empresas. Documentos Padronizados (Contratos, acordos de parcerias, declaração de invenção). Modelos de contratos, acordos de parceria ou outras formas que gerem quaisquer obrigações entre as ICT e terceiros. Política de confidencialidade. Responsabilidade de todos os participantes da pesquisa. Esta formalização pode ser expressa por meio da exigência de assinatura de termo de confidencialidade por toda a equipe do NIT (permanente/temporário). Cadastro de oferta e demanda. Pesquisa, serviços tecnológicos e outras atividades que visem à capacitação tecnológica da empresa. Avaliação econômica dos inventos. Duração do processo sobre o patenteamento ou registro, quando é feita a avaliação econômica do invento. 21

22 Valoração de tecnologia. O NIT utiliza metodologia para valorar a tecnologia ou contratar terceiros para apoiar essa atividade. Negociação de projetos. O NIT realiza a negociação de cláusulas de P.I e sigilo em projetos realizados em parceria com empresas ou outras instituições. Negociação de ativos de PI. O NIT negocia as patentes, cultivares, softwares, etc, com empresas visando o seu licenciamento ou transferência de tecnologia. Comercialização de tecnologia. O NIT define os procedimentos para concretizar a transferência de tecnologia elaborando os contratos e tomando providências institucionais para as suas assinaturas. Outros. Outras atividades que não foram contempladas nos itens anteriores. Se o usuário escolher esse item, deverá obrigatoriamente descrever essa atividade. Salvar Ao clicar no botão Salvar o sistema exibe mensagem Dados salvos com sucesso!. Limpar O sistema limpa todos os campos. 22

23 4 Situação dos Pedidos de Proteção Para acessar esse bloco, o usuário deverá clicar no menu cadastro e clicar no item 4. Situação dos Pedidos de Proteção. O sistema exibirá a tela para preenchimento. Tela 4 Situação dos Pedidos de Proteção Sigilo Identificar a situação desejada. Tipo Selecionar o tipo de proteção desejada. 23

24 Título Informar o título do processo. Status Selecionar se requerida ou concedida. Território Informar se os pedidos de proteção foram solicitados no Brasil e/ou Exterior. País O usuário poderá selecionar vários países. Co-Titularidade Identificar se há ou não co-titularidade. CPF/CNPJ Se a opção for com co-titularidade, o usuário deverá escolher entre CPF e CNPJ e digitar o número. Funcionário da própria ICT Quando a identificação é feita com o CPF, deverá ser indicado se a pessoa é funcionária da ICT. Salvar Ao clicar no botão Salvar o sistema exibe a mensagem Dados salvos com sucesso!. O sistema apresenta o registro salvo na tabela Situações dos Pedidos de Proteção Cadastradas. Caso o usuário precise editar ou excluir um ou mais itens da tabela, deverá clicar em uma dessas opções e em seguida no botão salvar. 24

25 Limpar O sistema limpa todos os campos. 5 Contratos de Transferência de Tecnologia Para acessar esse bloco, o usuário deverá clicar no menu cadastro e clicar no item 5. Contratos de Transferência de Tecnologia. O sistema exibirá a tela para preenchimento. Nesse bloco serão exibidas duas abas: Contratos de Transferência de Tecnologia Firmados e Resumo dos Contratos de Tecnologia. Tela 5 Contratos de Transferência de Tecnologia - Aba Contratos de Transferência de Tecnologia Firmados 25

26 Título Informar o título do processo. Objeto Selecionar o tipo de opção desejada. Forma Selecionar uma dessas opções: exclusividade, sem exclusividade ou outras formas. Entende-se com outras formas, a tecnologia não protegida e transferida. CPF/CNPJ Escolher entre CPF/ CNPJ e digitar o número respectivo. Valor Informar o valor do contrato. Salvar Ao clicar no botão Salvar o sistema exibe mensagem Dados salvos com sucesso!. O sistema apresenta o registro salvo na tabela Contratos de Transferência de Tecnologia Cadastrados. Caso o usuário precise editar ou excluir um ou mais itens da tabela, deverá clicar em uma dessas opções e em seguida no botão salvar. Limpar O sistema limpa todos os campos. 26

27 Tela 6 Contratos de Transferência de Tecnologia - Aba Resumo dos Contratos de Tecnologia Rendimentos obtidos com a transferência de tecnologia acumulado a partir de 2006 Informar todos os rendimentos obtidos com a transferência de tecnologia a partir de Rendimentos no ano percebidos na transferência de tecnologia O usuário não precisa informar, pois o sistema recupera e exibe o resultado da soma do campo "Total" da aba "Recursos obtidos no ano com os contratos de transferência de Tecnologia Firmados". 27

28 Gastos com registro e manutenção da PI O usuário deverá informar os gastos no ano com registro e manutenção da PI. Quantidade de tecnologias não protegidas e transferidas O usuário não precisa informar, pois o sistema recupera e exibe o resultado da soma total de registros "Outras Formas". Quantidade de tecnologias não protegidas disponíveis para negociação O usuário deverá informar o número de tecnologia não protegidas, mas que estão disponíveis para serem negociadas. Salvar Ao clicar no botão Salvar o sistema exibe mensagem Dados salvos com sucesso!. Limpar O sistema limpa todos os campos. 6 Recursos Obtidos com os Contratos Para acessar esse bloco, o usuário deverá clicar no menu cadastro e clicar no Bloco 6. Recursos Obtidos com os Contratos. O sistema exibirá a tela para preenchimento. 28

29 Tela 7 Recursos Obtidos no ano com os Contratos de Tecnologia Essa tela é um resumo dos contratos cadastrados no Bloco 5. Imprimir O usuário tem a opção de imprimir essa tela. 7 Visualizar Cadastro Para acessar esse bloco, o usuário deverá clicar no menu cadastro e clicar no item 7. Visualizar Cadastro. O sistema exibirá a tela para visualização e será possível a impressão no formato pdf. Serão apresentados em vermelho os campos obrigatórios que não foram informados. 29

30 8 Finalizar e Enviar Para acessar esse bloco, o usuário deverá clicar no menu cadastro e clicar no item 8. Finalizar e Enviar. O sistema exibirá o formulário para confirmar o envio. Será apresentada a tela com a mensagem: Atenção! Ao confirmar a finalização e o envio do cadastro das informações não será possível alterar os dados cadastrados no sistema. Tem certeza que deseja finalizar e enviar?. Tela 8 Finalizar e Enviar O sistema mostra todos os blocos em verde, demonstrando que todos os campos obrigatórios foram informados. Se escolher SIM, o sistema exibirá a tela para emissão de recibo de envio. 30

31 Tela 9 Finalizar e Enviar A legenda em vermelho significa que o usuário não preencheu todos os campos obrigatórios. Para resolver o problema, o usuário deverá clicar no bloco que apresenta a legenda em vermelho e o sistema exibe o bloco para preenchimento. O sistema só envia os dados se todos os itens obrigatórios do cadastro estiverem preenchidos. 31

32 Tela 10 Emissão de Recibo O usuário clica no botão Emitir Recibo de Envio e o sistema exibe uma nova janela com o Recibo para impressão. O Recibo será apresentado com as seguintes informações: Cabeçalho: Brasão, Ministério da Ciência e Tecnologia; Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Corpo: FORMICT Recibo de Envio ; Nome da ICT ; CNPJ ; Responsável pela ICT ; Responsável pela Informação ; Número do Recibo e Data e Hora do envio. 32

33 INFORMAÇÕES ÚTEIS Para acessar esse bloco, o usuário deverá clicar no menu Informações Úteis. O sistema exibirá as seguintes opções: Contatos, Lei, Decreto, Portaria e Manual. Contatos Este espaço é reservado para comunicações do usuário com o MCT, a respeito do FORMICT. Pode ser selecionada uma das seguintes opções: crítica, dúvida, reclamação e sugestão. O texto deve conter no máximo 300 caracteres. Lei Permite acesso ao conteúdo da Lei n º /2004. Decreto Permite acesso ao conteúdo do Decreto nº /2005. Portaria Permite acesso ao conteúdo da Portaria nº 188/2010. Manual É um documento para orientação e auxílio no preenchimento do formulário pelas ICTs. SAIR O sistema fecha a aplicação com segurança. 33

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Manual do Usuário SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 ACESSO AO SISTEMA 4 CADASTRO 6 1 Identificação da ICT 6 2 Política

Leia mais

Manual do Usuário. Módulo: Recadastramento (Servidor) Recadastramento Anual. Versão: 0.1. Recife, Outubro de 2013. www.banksystem.com.

Manual do Usuário. Módulo: Recadastramento (Servidor) Recadastramento Anual. Versão: 0.1. Recife, Outubro de 2013. www.banksystem.com. Manual do Usuário Módulo: Recadastramento (Servidor) Recadastramento Anual Versão: 0.1 Recife, Outubro de 2013. 1-16 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/08/2013 0.1 Versão inicial do documento.

Leia mais

Elza Fernandes de Araújo Assessora Adjunta de Inovação Novembro/2015. A importância da inovação tecnológica e o fomento da FAPEMIG

Elza Fernandes de Araújo Assessora Adjunta de Inovação Novembro/2015. A importância da inovação tecnológica e o fomento da FAPEMIG Elza Fernandes de Araújo Assessora Adjunta de Inovação Novembro/2015 A importância da inovação tecnológica e o fomento da FAPEMIG MUDANÇA DE MENTALIDADE O Brasil precisa avançar. É necessário mudar a mentalidade.

Leia mais

Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008

Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 DOE 20/06/2008, Seção I, Pág. 1/3 Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre medidas de incentivo à inovação tecnológica, à pesquisa científica e tecnológica, ao desenvolvimento

Leia mais

1- Acessando o sistema

1- Acessando o sistema 1- Acessando o sistema Na barra de endereços de páginas da Internet escrever o seguinte endereço: webnet.sec.ba.gov.br Na tela inicial do sistema você deve informar os dados para a verificação de acesso.

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

Manual do Usuário - Cliente Externo

Manual do Usuário - Cliente Externo Versão 3.0 SGCL - Sistema de Gestão de Conteúdo Local SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1. Referências... 4 2. COMO ESTÁ ORGANIZADO O MANUAL... 4 3. FUNCIONALIDADES GERAIS DO SISTEMA... 5 3.1. Acessar a Central

Leia mais

ORIENTAÇÃO AO TOMADOR DE SERVIÇO, QUANTO A RETENÇÃO DO ISS

ORIENTAÇÃO AO TOMADOR DE SERVIÇO, QUANTO A RETENÇÃO DO ISS 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE FRANCISCO BELTRÃO SECRETARIA DE FINANÇAS / DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO ORIENTAÇÃO AO TOMADOR DE SERVIÇO, QUANTO A RETENÇÃO DO ISS Olá Tomadores de Serviço, a Prefeitura Municipal

Leia mais

PORTAL DE COMUNICAÇÃO DE CRIAÇÃO. Sistema de solicitação de proteção de propriedades intelectuais on-line.

PORTAL DE COMUNICAÇÃO DE CRIAÇÃO. Sistema de solicitação de proteção de propriedades intelectuais on-line. PORTAL DE COMUNICAÇÃO DE CRIAÇÃO Sistema de solicitação de proteção de propriedades intelectuais on-line. A Agência USP de Inovação, núcleo de inovação tecnológica da Universidade de São Paulo, lançou

Leia mais

Revisão do Projeto de Lei Ministério da Ciência e Tecnologia

Revisão do Projeto de Lei Ministério da Ciência e Tecnologia LEI DE INOVAÇÃO Revisão do Projeto de Lei Ministério da Ciência e Tecnologia Grupo de Trabalho Interministerial Edmundo Machado de Oliveira - MF Marcos de Barros Lisboa - MF Ana Paula Vitali Janes Vescovi

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL Manual do ITIV PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE TRIBUTAÇÃO M A N U A L D O ITIV PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL Manual do ITIV ÍNDICE INFORMAÇÕES GERAIS...3

Leia mais

Acompanhamento e Execução de Projetos

Acompanhamento e Execução de Projetos Acompanhamento e Execução de Projetos Manual do Usuário Atualizado em: 28/11/2013 Página 1/24 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ABRANGÊNCIA DO SISTEMA... 3 3. DESCRIÇÃO DO SISTEMA... 3 4. COMO ACESSAR O SISTEMA...

Leia mais

Cadastro de Usuários e Agendamento de Consultas

Cadastro de Usuários e Agendamento de Consultas 2013 Cadastro de Usuários e Agendamento de Consultas Cris Podologia 1 Conteúdo 1) Cadastro... 3 2) Agendamento... 8 3) Atualização e Complemento do Cadastro... 13 a) Perfil... 15 b) Endereço... 15 4) Recuperação

Leia mais

Q-Acadêmico. Módulo CIEE - Estágio. Revisão 01

Q-Acadêmico. Módulo CIEE - Estágio. Revisão 01 Q-Acadêmico Módulo CIEE - Estágio Revisão 01 SUMÁRIO 1. VISÃO GERAL DO MÓDULO... 2 1.1 PRÉ-REQUISITOS... 2 2. ORDEM DE CADASTROS PARA UTILIZAÇÃO DO MÓDULO CIEE... 3 2.1 CADASTRANDO EMPRESAS... 3 2.1.1

Leia mais

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Versão Fevereiro/2013 Índice PCS - Módulo de Prestação de Contas...3 Acesso ao Módulo PCS...3 1. Contas financeiras...5 1.1. Cadastro de

Leia mais

MÓDULO DE DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS DECORE MANUAL Versão 2.0

MÓDULO DE DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS DECORE MANUAL Versão 2.0 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE MÓDULO DE DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS DECORE MANUAL Versão 2.0 Spiderware Consultoria em Informática Rua Mayrink Veiga, 11 / 804 Rio de Janeiro RJ CEP 20090-050 Tel. 0 (XX)

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO RIO GRANDE DO NORTE Dispõe sobre o incentivo à inovação tecnológica no Estado do Rio Grande do Norte, e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO

Leia mais

O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 16/2011

EDITAL FAPEMIG 16/2011 EDITAL FAPEMIG 16/2011 PROGRAMA ESTRUTURADOR REDE DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA MESTRES E DOUTORES A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG, atendendo à orientação

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007

CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007 CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007 O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC, O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC e o MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - MCT, tornam público e

Leia mais

As pessoas jurídicas deverão promover a solicitação de mais de um cadastramento. O qual deverá ser realizado em duas etapas:

As pessoas jurídicas deverão promover a solicitação de mais de um cadastramento. O qual deverá ser realizado em duas etapas: CeC Cadastro eletrônico de Contribuintes Versão 1.0 Atualizado em 16/01/2012 APRESENTAÇÃO Este manual apresenta a estrutura e a forma de utilização do módulo Cadastro eletrônico de Contribuintes CeC, o

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Acesso ao Sistema - Pessoa Física

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Acesso ao Sistema - Pessoa Física Acesso ao Sistema - Pessoa Física Página 2 de 37 Índice ÍNDICE... 2 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 4 1.1. DEFINIÇÃO... 4 1.2. OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DA NFS-E... 4 1.3. CONTRIBUINTES IMPEDIDOS DA EMISSÃO

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR MANUAL DO USUÁRIO PORTAL DO PROFESSOR ACESSANDO O PORTAL DO PROFESSOR Para acessar o portal do professor, acesse o endereço que você recebeu através da instituição de ensino ou acesse diretamente o endereço:

Leia mais

Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações

Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações Nota Fiscal Cidadã Manual do Registro de Reclamações Versão 6 Objetivo do Manual Orientar sobre os procedimentos necessários para comunicação à SEFA da ocorrência de infrações à legislação do Programa

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

- Nota Fiscal Eletrônica -

- Nota Fiscal Eletrônica - Manual Portal de Clientes e Transportadores - Nota Fiscal Eletrônica - ÍNDICE. INTRODUÇÃO 3. OBJETIVO 3.2 ABRANGÊNCIA 3 2. FUNCIONALIDADES 3 2. CADASTRO DE CLIENTES NO PORTAL 3 2.2 CONSULTA NOTAS FISCAIS

Leia mais

CeC. Cadastro Eletrônico de Contribuintes

CeC. Cadastro Eletrônico de Contribuintes CeC Cadastro Eletrônico de Contribuintes Versão 1.0 Usuário Externo Março/2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Objetivos... 3 3. Solicitação de CeC... 4 3.1. Cadastro de pessoas físicas... 5 3.1.1. Cadastro

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 1.0.7 Manual do Usuário

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 1.0.7 Manual do Usuário Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS DATASUS Gerenciador de Ambiente Laboratorial GAL Versão 1.0.7 Página 1 de 70 Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Usuário

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO

PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO PROCEDIMENTOS PARA AQUISIÇÃO Acesse o site www.teubilhete.com.br, selecione a opção Teu Online, e clique no botão, preencha o formulário com os dados de sua empresa. Reúna duas vias impressas do Contrato

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS DIVULGAÇÃO DE COMPRAS DISPENSA / INEXIGIBILIDADE MANUAL DO USUÁRIO

Leia mais

Manual do Usuário. Menus: Produtor Rural, Propriedade Rural e GTA Módulo: Produtor Rural. dezembro de 13

Manual do Usuário. Menus: Produtor Rural, Propriedade Rural e GTA Módulo: Produtor Rural. dezembro de 13 Manual do Usuário Menus: Produtor Rural, Propriedade Rural e GTA Módulo: Produtor Rural dezembro de 13 Este documento foi produzido por Praça dos Açorianos, s/n CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (51) 3210-3100

Leia mais

Manual. Cadastro de Usuários. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br Brasília, 27 de fevereiro de 2008.

Manual. Cadastro de Usuários. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.br Brasília, 27 de fevereiro de 2008. ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária Manual Cadastro de Usuários Gerência-Geral de Gestão de Tecnologia da Informação Gerência de Desenvolvimento de Sistemas www.anvisa.gov.br Brasília, 27

Leia mais

Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária (SIS 1.0)

Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária (SIS 1.0) Parte:Manual Atualização: OriginalPágina 1 Manual de Instalação e Utilização do Sistema Integrado de Secretária () Instalação Se houver alguma versão do FireBird Instalada na máquina desinstale antes de

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO. 2. ACESSANDO E UTILIZANDO O SISTEMA 2.1. Acessando. Sumário

1. APRESENTAÇÃO. 2. ACESSANDO E UTILIZANDO O SISTEMA 2.1. Acessando. Sumário 1 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. ACESSANDO E UTILIZANDO O SISTEMA... 2 2.1. ACESSANDO... 2 2.2. UTILIZANDO... 5 2.2.1 EMPRESA... 6 2.2.2 FINANCEIRO E CONTÁBIL... 7 2.2.3 AMBIENTAL... 8 2.2.4 SOCIAL...

Leia mais

SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS. RH Online

SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS. RH Online Campus de Botucatu Sistema de Recursos Humanos SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS RH Online Faculdade de Medicina de Botucatu Seção Técnica de Desenv. Adm de RH / Serviço Técnico de Informática Distrito de Rubião

Leia mais

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Usuário Anônimo CeC Cadastro eletrônico de Contribuintes Usuário Anônimo Versão 1.2 13/10/2010 Sumário Apresentação... 3 Objetivo... 3 1. Solicitação de CeC... 4 1.1. Cadastro de Pessoas Físicas... 6 1.1.1 Cadastro de

Leia mais

Como oferto um lance. Clique nas opções abaixo para ser direcionado ao passo a passo: ATENDIMENTO. - Como oferto um lance?

Como oferto um lance. Clique nas opções abaixo para ser direcionado ao passo a passo: ATENDIMENTO. - Como oferto um lance? Clique nas opções abaixo para ser direcionado ao passo a passo: ATENDIMENTO - Como oferto um lance? - Como imprimo 2ª via de boleto ao cliente? - Como realizo uma transferência de cota? - Onde consulto

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá Pró Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação Diretoria de Pesquisa e Pós Graduação (DPPG) Campus de Itabira

Universidade Federal de Itajubá Pró Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação Diretoria de Pesquisa e Pós Graduação (DPPG) Campus de Itabira Universidade Federal de Itajubá Pró Reitoria de Pesquisa e Pós Graduação Diretoria de Pesquisa e Pós Graduação (DPPG) Campus de Itabira EDITAL Nº 006/2016 Campus Itabira PIBIC/PIBITI CNPq, PIVIC Unifei

Leia mais

MANUAL DO OFICIAL DE JUSTIÇA

MANUAL DO OFICIAL DE JUSTIÇA MANUAL DO OFICIAL DE JUSTIÇA TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MATO GROSSO Janeiro 2012 Conteúdo Elaboração do projeto... 3 1. Acesso ao Sistema... 4 2. Tipo de Certificado... 4 2.1. Navegador padrão para acessar

Leia mais

Orientações para os procedimentos de cadastro e inscrição em nosso site.

Orientações para os procedimentos de cadastro e inscrição em nosso site. Orientações para os procedimentos de cadastro e inscrição em nosso site. Atenção: Os dados que aparecem nas imagens abaixo, são meramente ilustrativos, naturalmente os dados que devem ser visualizados,

Leia mais

Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0

Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0 Manual do usuário Sistema de Ordem de Serviço HMV/OS 5.0 DESENVOLVEDOR JORGE ALDRUEI FUNARI ALVES 1 Sistema de ordem de serviço HMV Apresentação HMV/OS 4.0 O sistema HMV/OS foi desenvolvido por Comtrate

Leia mais

Sistema de Processo Seletivo Simplificado

Sistema de Processo Seletivo Simplificado TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PROCESSO SELETIVO Sistema de Processo Seletivo Simplificado VILA VELHA 2015 SUMÁRIO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO 1 SISTEMA DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO... 3 2 COMO ACESSAR O SISTEMA

Leia mais

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Manual CeC

CeC. Cadastro eletrônico de Contribuintes. Manual CeC CeC Cadastro eletrônico de Contribuintes Manual CeC Atualizado em 21/02/2013 APRESENTAÇÃO Este manual apresenta a estrutura e a forma de utilização do módulo Cadastro eletrônico de Contribuintes CeC, o

Leia mais

MANUAL SISTEMA NFS-e

MANUAL SISTEMA NFS-e MANUAL SISTEMA NFS-e SUMARIO Tela Inicial NFe 03 Efetuar Login 1º Acesso Caso não possua Usuário e/ou Senha 03 Efetuar Login 1º Acesso Possuindo o Usuário e Senha 04 Primeira Tela 05 Menu de Opções 05

Leia mais

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD

Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Guia Prático da Escrituração Fiscal DIgital - EFD Infrmações Gerais sobre a EFD Sumário: 1. INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE A EFD 1. 1 APRESENTAÇÃO 1. 2 LEGISLAÇÃO 1. 3 DA APRESENTAÇÃO DO ARQUIVO DA EFD 1. 4

Leia mais

Orientações para os procedimentos de cadastro e inscrição em nosso site.

Orientações para os procedimentos de cadastro e inscrição em nosso site. Orientações para os procedimentos de cadastro e inscrição em nosso site. Atenção: Os dados que aparecem nas imagens abaixo, são meramente ilustrativos, naturalmente os dados que devem ser visualizados,

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Estadual de Informações Ambientais e de Recursos Hídricos VERSÃO 2.0

Manual do Usuário. Sistema Estadual de Informações Ambientais e de Recursos Hídricos VERSÃO 2.0 Manual do Usuário Sistema Estadual de Informações Ambientais e de Recursos Hídricos VERSÃO 2.0 1 Apresentação O SEIA Sistema Estadual de Informações Ambientais e de Recursos Hídricos é uma ferramenta fundamentada

Leia mais

SERVIÇOS REQUERIMENTO

SERVIÇOS REQUERIMENTO Certidão e Reimpressão de Documentos 1 / 17 todos os direitos reservados. ÍNDICE Introdução... 3 Acesso Restrito... 4 Cadastro... 4 Serviços Requerimento... 6 Certidão Web... 7 Certidão Simplificada...

Leia mais

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro

Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Manual do Fornecedor/cedente (MPE) Balcão Financeiro Painel de recebíveis e Painel de linhas de crédito Versão 1.0 1 As informações contidas neste documento, incluindo quaisquer URLs e outras possíveis

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SOLICITAÇÃO DE ORDEM DE SERVIÇO (SOSI) STI Unesp - Campus Experimental de Ourinhos

PROCEDIMENTOS PARA A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SOLICITAÇÃO DE ORDEM DE SERVIÇO (SOSI) STI Unesp - Campus Experimental de Ourinhos PROCEDIMENTOS PARA A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SOLICITAÇÃO DE ORDEM DE SERVIÇO (SOSI) STI Unesp - Campus Experimental de Ourinhos 1 SISTEMA DE ORDEM DE SERVIÇO DE INFORMÁTICA Este documento tem o objeto

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE EMISSÃO DE PARECER TÉCNICO

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE EMISSÃO DE PARECER TÉCNICO MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE EMISSÃO DE PARECER TÉCNICO CADASTRO NO SISTEMA 1 INÍCIO Para dar início ao cadastro de solicitação, digite o número do CNPJ da

Leia mais

CONSULTA PROCESSUAL WEB PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO CONSULTA PROCESSUAL WEB. 1ª e 2ª INSTÂNCIAS MANUAL DO USUÁRIO

CONSULTA PROCESSUAL WEB PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO CONSULTA PROCESSUAL WEB. 1ª e 2ª INSTÂNCIAS MANUAL DO USUÁRIO PODER JUDICIÁRIO CONSULTA PROCESSUAL WEB 1ª e 2ª INSTÂNCIAS MANUAL DO USUÁRIO Brasília - DF 2014 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Página inicial do sítio do TRF1... 7 Figura 2 - Tela inicial do sistema...

Leia mais

PASSO A PASSO PARA HABILITAÇÃO COMPLETA NO CADASTRO DE FORNECEDORES DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Revisão 01 em 12/01/2015

PASSO A PASSO PARA HABILITAÇÃO COMPLETA NO CADASTRO DE FORNECEDORES DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Revisão 01 em 12/01/2015 GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS SEGER SUBSECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL SUBAD GERÊNCIA DE LICITAÇÕES GELIC SUBGERÊNCIA DE CADASTRO DE FORNECEDORES

Leia mais

Guia Rápido do Usuário

Guia Rápido do Usuário CERTIDÕES UNIFICADAS Guia Rápido do Usuário CERTUNI Versão 1.0.0 CASA DA MOEDA DO BRASIL Conteúdo Acessando o Sistema... 3 Alterando Senhas... 3 Encerrando sua Sessão... 4 Gerando Pedido... 4 Alterando

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS QUANTO A UTILIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE CONTROLE DE EXPEDIÇÃO DE DOCUMENTOS/SGA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS QUANTO A UTILIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE CONTROLE DE EXPEDIÇÃO DE DOCUMENTOS/SGA MANUAL DE PROCEDIMENTOS QUANTO A UTILIZAÇÃO DO SUBSISTEMA DE CONTROLE DE EXPEDIÇÃO DE DOCUMENTOS/SGA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE SECRETARIA GERAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÕES ADMINISTRATIVAS

Leia mais

MÓDULO 3 Cadastros básicos

MÓDULO 3 Cadastros básicos MÓDULO 3 Cadastros básicos Agora que você já conhece o SCAWEB, demonstraremos como realizar os cadastros básicos do HÓRUS. Inicialmente, você precisará acessar o HÓRUS com o email e senha cadastrados no

Leia mais

1. INSTALAÇÃO DO SISTEMA. 3 2. PRIMEIRO LOGIN. 8 3. ATUALIZAÇÃO DO SISTEMA. 12 4. DESINSTALAÇÃO DO SISTEMA. 14 5. EXCLUIR DADOS. 15 6.

1. INSTALAÇÃO DO SISTEMA. 3 2. PRIMEIRO LOGIN. 8 3. ATUALIZAÇÃO DO SISTEMA. 12 4. DESINSTALAÇÃO DO SISTEMA. 14 5. EXCLUIR DADOS. 15 6. Índice 1. INSTALAÇÃO DO SISTEMA...3 2. PRIMEIRO LOGIN...8 3. ATUALIZAÇÃO DO SISTEMA...12 4. DESINSTALAÇÃO DO SISTEMA...14 5. EXCLUIR DADOS...15 6. APRESENTAÇÃO DO EXTRANET...17 6.1 Sistema DESCONECTADO...18

Leia mais

Manual de Procedimentos. Acesso pelo Produtor -AGRODEFESA- GTI-

Manual de Procedimentos. Acesso pelo Produtor -AGRODEFESA- GTI- Manual de Procedimentos Acesso pelo Produtor -AGRODEFESA- GTI- 1 Sumário SUMÁRIO... 2 1. SISTEMA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DE GOIÁS (SIDAGO)... 3 1.1. Endereço de Acesso... 3 1.2. Criação de Login e Senha

Leia mais

FALE CONOSCO TUTORIAL

FALE CONOSCO TUTORIAL FLE CONOSCO TUTORIL Índice 1. Como acessar a ferramenta... 2 Figura 1 Link de acesso para a ferramenta Fale Conosco... 2 Figura 2 cesso ao Fale Conosco... 3 Figura 4 Esqueci minha senha... 4 Figura 5 Tela

Leia mais

O sistema CNEs/MJ é composto pelo CNEs/Web e CNEs/ Prestação de contas.

O sistema CNEs/MJ é composto pelo CNEs/Web e CNEs/ Prestação de contas. Material de apoio Material de apoio Informações Gerais O sistema CNEs/MJ é composto pelo CNEs/Web e CNEs/ Prestação de contas. O acesso ao CNEs/Web é realizado pelo site do CNES no endereço: www.mj.gov.br/cnes

Leia mais

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1

paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 paradigma WBC Public - pregão eletrônico Guia do Fornecedor paradigma WBC Public v6.0 g1.1 agosto de 2007 As informações contidas neste documento, incluíndo quaisquer URLs e outras possíveis referências

Leia mais

Índice. Pregão Eletrônico perfil de fornecedor - 1 / 37

Índice. Pregão Eletrônico perfil de fornecedor - 1 / 37 Pregão Eletrônico perfil de fornecedor - 1 / 37 Índice 1 -. Apresentação...3 2 -. Ambiente Operacional & Requisitos...4 3 -. Normas do Pregão Eletrônico...5 4 -. Procedimentos do Pregão Eletrônico...6

Leia mais

Identificação da Empresa

Identificação da Empresa Identificação da Empresa MT-611-00001-13 Última Atualização 04/03/2015 I. Objetivos Após este módulo de capacitação você será capaz de: 1. Preencher em Identificação os dados básicos, itens e as localidades

Leia mais

Sistema Integrado CAPES - Programa de Apoio a Eventos no País

Sistema Integrado CAPES - Programa de Apoio a Eventos no País COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR DIRETORIA DE GESTÃO DGES COORDENAÇÃO GERAL DE INFORMÁTICA CGIN COORDENAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS CSI MANUAL DE UTILIZAÇÃO

Leia mais

TRF5 MANUAL DO SISTEMA JURISDIÇÃO DELEGADA MANUAL DO GESTOR

TRF5 MANUAL DO SISTEMA JURISDIÇÃO DELEGADA MANUAL DO GESTOR 1 TRF5 MANUAL DO SISTEMA JURISDIÇÃO DELEGADA MANUAL DO GESTOR Sumário 2 1 Acesso ao Sistema...3 2 Perfil do Gestor...4 2.1 Cadastros Auxiliares...4 2.1.1 Cadastro de Comarca...4 2.1.2 Cadastro de Vara...6

Leia mais

Juiz de Fora, Maio de 2015

Juiz de Fora, Maio de 2015 GUIA DE INSCRIÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Juiz de Fora, Maio de 2015 Apoio: SHA ACN 00031/11 Para iniciar a inscrição do projeto, o usuário deverá acessar o link: inovare.ifsudestemg.edu.br e clicar em

Leia mais

1 ACESSO PARA SECRETÁRIA... 4 2 - CONFIGURAR HORÁRIOS DE ATENDIMENTO... 4 2.1 BLOQUEANDO E HABILITANDO HORÁRIOS... 5 3 PRÉ-DEFININDO PARÂMETROS DE

1 ACESSO PARA SECRETÁRIA... 4 2 - CONFIGURAR HORÁRIOS DE ATENDIMENTO... 4 2.1 BLOQUEANDO E HABILITANDO HORÁRIOS... 5 3 PRÉ-DEFININDO PARÂMETROS DE 2 1 ACESSO PARA SECRETÁRIA... 4 2 - CONFIGURAR HORÁRIOS DE ATENDIMENTO... 4 2.1 BLOQUEANDO E HABILITANDO HORÁRIOS... 5 3 PRÉ-DEFININDO PARÂMETROS DE ATENDIMENTO... 6 4 - A TELA AGENDA... 7 4.1 - TIPOS

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 Aprova o regulamento de comunicação eletrônica de dados no âmbito do Sistema Financeiro Nacional (SFN). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em

Leia mais

GUIA DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA FAPESC REGISTRO DO PROPONENTE E EDIÇÃO DA PROPOSTA EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 01/2014 PROGRAMA UNIVERSAL

GUIA DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA FAPESC REGISTRO DO PROPONENTE E EDIÇÃO DA PROPOSTA EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 01/2014 PROGRAMA UNIVERSAL GUIA DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA FAPESC REGISTRO DO PROPONENTE E EDIÇÃO DA PROPOSTA EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA FAPESC Nº 01/2014 PROGRAMA UNIVERSAL A Plataforma FAPESC de CT&I é um ambiente de interação

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 Cria o Núcleo de Inovação Tecnológica da UESC - NIT O Presidente do Conselho Universitário CONSU - da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, em

Leia mais

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Manual passo-a-passo para obtenção do Auto de Licença de Funcionamento/ Auto de Licença de Funcionamento Condicionado Eletrônico

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1

Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente. Versão 1.1 Ajuda On-line - Sistema de Relacionamento com o Cliente Versão 1.1 Sumário Sistema de Relacionamento com Cliente 3 1 Introdução... ao Ambiente do Sistema 4 Acessando... o Sistema 4 Sobre a Tela... do Sistema

Leia mais

Manual sistema Laundry 4.0

Manual sistema Laundry 4.0 Manual sistema Laundry 4.0 Sistema para serviços de Lavanderia Comércios Empresa responsável Novacorp informática Fone (41) 3013-1006 E-mail marcio@novacorp.com.br WWW.novacorp.com.br Sumario 1 Este manual

Leia mais

Manual do Registro de Saída da Nota Fiscal Eletrônica. Procedimentos e Especificações Técnicas

Manual do Registro de Saída da Nota Fiscal Eletrônica. Procedimentos e Especificações Técnicas Manual do Registro de Saída da Nota Fiscal Eletrônica Procedimentos e Especificações Técnicas Versão 1.01 Maio 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO GERAL... 3 MODELO OPERACIONAL... 4 REGISTRO DE SAÍDA - SITUAÇÃO NORMAL...

Leia mais

ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO.

ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO. ANEXO 30 PROCEDIMENTOS ADOTADOS PELO DEPOSITÁRIO ESTABELECIDO EM RECINTO ALFANDEGADO. Acrescentado pelo Decreto 24.441 de 14 de agosto de 2008. Publicado no DOE de 14.08.2008 Convênio ICMS nº 143/02 e

Leia mais

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO LEI Nº 3095, de 17 de Novembro de 2006 DISPÕE sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo no âmbito do Estado do Amazonas, e dá outras providências O GOVERNADOR

Leia mais

MANUAL DE ACESSO AO MYSUITE

MANUAL DE ACESSO AO MYSUITE MANUAL DE ACESSO AO MYSUITE A Ferramenta de Atendimento Online MySuite é a nova forma de atendimento utilizada pela Gerpos. Por meio dela, é possível solicitar atendimentos do Suporte Técnico e de outros

Leia mais

Manual do SeCI. Sistema Eletrônico de Prevenção de Conflitos de Interesses. Guia do Administrador

Manual do SeCI. Sistema Eletrônico de Prevenção de Conflitos de Interesses. Guia do Administrador Manual do SeCI Sistema Eletrônico de Prevenção de Conflitos de Interesses Guia do Administrador CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO CGU SAS, Quadra 01, Bloco A, Edifício Darcy Ribeiro 70070-905 Brasília-DF cgu@cgu.gov.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA Edital de seleção de Mestrado Edital 01/2010 Ingresso: 2011 Este edital estabelece as regras para

Leia mais

TUTORIAL DO SISTEMA DE INSCRIÇÃO PROCESSO SELETIVO INTERNO TURMA PDE/ 2015

TUTORIAL DO SISTEMA DE INSCRIÇÃO PROCESSO SELETIVO INTERNO TURMA PDE/ 2015 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE POLÍTICAS E TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS TUTORIAL DO SISTEMA DE INSCRIÇÃO PROCESSO SELETIVO INTERNO TURMA PDE/ 2015 1. Acesso ao Sistema

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.177, DE 2011 INSTITUI O CÓDIGO NACIONAL DE CIÊNCIA,TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. (Análise do Substitutivo apresentado em Abril/2014)

PROJETO DE LEI Nº 2.177, DE 2011 INSTITUI O CÓDIGO NACIONAL DE CIÊNCIA,TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. (Análise do Substitutivo apresentado em Abril/2014) PROJETO DE LEI Nº 2.177, DE 2011 INSTITUI O CÓDIGO NACIONAL DE CIÊNCIA,TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (Análise do Substitutivo apresentado em Abril/2014) MARÇO/2015 Consultor Cláudio Nazareno 2 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO...

Leia mais

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010

Edital FAPERJ n.º 17/2010 Parceria CAPES/FAPERJ PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO CAPES/FAPERJ 2010 Edital n.º 17/2010 Parceria / PROGRAMA EQUIPAMENTO SOLIDÁRIO / 2010 O Ministério da Educação, por meio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, e o Governo do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

Edital Pronametro nº 1/2014

Edital Pronametro nº 1/2014 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA NORMALIZAÇÃO, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Edital Pronametro nº 1/2014 Programa

Leia mais

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015 Monitor de Comercialização Ofertante MT 43-1-00015-0 Última Atualização 12/11/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Como inserir subitens V Emissão de Relatórios VI

Leia mais

PASSOS PARA EFETIVAÇÃO DO CENSO ESCOLAR 2015

PASSOS PARA EFETIVAÇÃO DO CENSO ESCOLAR 2015 DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE TOCANTINOPOLIS SETOR REGIONAL DE INSPEÇÃO ESCOLAR E TECNOLOGIA CENSO ESCOLAR PASSOS PARA EFETIVAÇÃO DO CENSO ESCOLAR 2015 PARTE l INICIAL 1º passo: acessar o site oficial

Leia mais

Cadastro de Docentes 1

Cadastro de Docentes 1 Cadastro de Docentes 1 CONTEÚDO Conteúdo... 2 Introdução... 3 Onde e como acessar o sistema Gestão?... 4 Como obter a sua senha?... 5 Como obter o seu e-mail institucional?... 5 Cadastro de Docentes...

Leia mais

Manual Operacional do Assessor Jurídico

Manual Operacional do Assessor Jurídico Manual Operacional do Assessor Jurídico SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS - MÓDULO COMPRAS - EMISSÃO DE PARECER JURÍDICO PARA PROCESSOS DE COMPRA COM EDITAL OU DE DISPENSA DE LICITAÇÃO

Leia mais

SUA SENHA É SIGILOSA, PESSOAL E INTRANSFERÍVEL.

SUA SENHA É SIGILOSA, PESSOAL E INTRANSFERÍVEL. DÚVIDAS MAIS FREQUENTES - DO CLIENTE 1. Qual o procedimento para se cadastrar na Guia Eletrônica? - Rolar a página e procure pelo item Novo Cliente? - Escolher o perfil: Próprio Interessado: Pessoa Física

Leia mais

Sistemas Corporativos da USP (Web)

Sistemas Corporativos da USP (Web) Sistemas Corporativos da USP (Web) O sistema de estágios remunerados da USP é fruto da colaboração das seguintes áreas da Reitoria da Universidade de São Paulo: Departamento de Recursos Humanos, Departamento

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP CT-INFO- 01/2006 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS DE PROJETOS INOVADORES EM SOFTWARE 1. OBJETIVO O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA MCT, por intermédio da Financiadora de Estudos

Leia mais

Apostila do estagiário MÓDULO I

Apostila do estagiário MÓDULO I Apostila do estagiário MÓDULO I Manual do Gerenciador da Sala de Internet BlueControl Programa Acessa Escola Apresentação O Programa Acessa Escola é uma iniciativa do Governo do Estado de São Paulo,

Leia mais

Manual Portal da Empresa

Manual Portal da Empresa Manual Portal da Empresa 1. INTRODUÇÃO... 3 2. COMO ACESSAR O PORTAL DA EMPRESA... 4 3. COMO OBTER UM LOGIN DE ACESSO... 4 4. COMO RESGATAR SENHA... 5 5. COMO INFORMAR UMA ADMISSÃO... 5 6. COMO VISUALIZAR

Leia mais

Gerenciamento de Deslocamentos e Viagens

Gerenciamento de Deslocamentos e Viagens MANUAL: Gerenciamento de Deslocamentos e Viagens Administrador do Sistema de Viagens Versão: 1.0 Sumário Apresentação... 1 1. Acesso ao sistema... 2 2. Perfis do sistema... 2 3. Configurando o sistema

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO SIGPROJ VERSÃO USUÁRIO

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO SIGPROJ VERSÃO USUÁRIO GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO SIGPROJ VERSÃO USUÁRIO INTRODUÇÃO O SIGProj é um sistema para elaboração, acompanhamento e gestão de projetos. Ele foi criado e é mantido pela Universidade Federal do Mato

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA WEBDIÁRIO PERFIL PROFESSOR. Diário Eletrônico do Sistema Nambei

MANUAL DO SISTEMA WEBDIÁRIO PERFIL PROFESSOR. Diário Eletrônico do Sistema Nambei MANUAL DO SISTEMA WEBDIÁRIO PERFIL PROFESSOR Diário Eletrônico do Sistema Nambei ÍNDICE DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Tela de Acesso... 3 Figura 2 - Alteração de Senha... 3 Figura 3 - Página inicial - Perfil

Leia mais

Manual de Utilização e-rh para Servidor em Geral

Manual de Utilização e-rh para Servidor em Geral UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS P.R.R.H Manual de Utilização e-rh para Servidor em Geral (Módulo Recadastramento) 1 SUMÁRIO 1. SEÇÃO - INFORMAÇÕES INICIAIS... 3 1.1.

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Passo a Passo do Cadastro Funcionários no SIGLA Digital Funcionários Página 1 de 12 O cadastro de funcionários permite cadastrar o usuário que vai utilizar o SIGLA Digital e também seus dados pessoais.

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO PORTAL DE ATENDIMENTO AO PRESTADOR

MANUAL DE PREENCHIMENTO DO PORTAL DE ATENDIMENTO AO PRESTADOR MANUAL DE PREENCHIMENTO DO PORTAL DE ATENDIMENTO AO PRESTADOR Este Manual tem por finalidade orientar o preenchimento do Novo Portal de Serviços de Atendimento ao Prestador no atendimento aos beneficiários

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica Avulsa Tributada NF-e Avulsa

Nota Fiscal Eletrônica Avulsa Tributada NF-e Avulsa Nota Fiscal Eletrônica Avulsa Tributada NF-e Avulsa 1 TRIBUTADA. MANUAL PARA EMISSÃO. 2014. INTRODUÇÃO A Nota Fiscal Eletrônica Avulsa - NF-e avulsa implementada pela Secretaria de Estado da Fazenda do

Leia mais