O transistor de junção bipolar (BJT) NPN Base. PNP Base. Departamento de Engenharia Electrotécnica (DEE)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O transistor de junção bipolar (BJT) NPN Base. PNP Base. Departamento de Engenharia Electrotécnica (DEE)"

Transcrição

1 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O tanssto de junção bpola (J) pola dos tpos de cagas, electões e buacos, enoldos nos fluxos de coente Junção duas junções pn. Junção base/emsso e junção base/colecto pos tpos NPN e PNP. msso msso n p n ase p n p olecto olecto emnas ase, msso e olecto Símbolos - ase NPN ase olecto PNP ase msso msso olecto lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

2 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Fluxos de coente num tanssto npn opeando na ZAD A junção msso/ase é dectamente polazada A junção ase/olecto é nesamente polazada A espessua da egão da base é tpcamente 150 ezes nfeo à espessua do dsposto. A polazação decta da junção base/emsso causa um fluxo de potadoes maotáos (electões) da egão n paa a egão p. n njecção de electões njecção de buacos p de potadoes mnotáos (buacos) da base paa o emsso A soma destes dos fluxos conduz à coente de emsso. n lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

3 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Fluxos de coente num tanssto npn opeando na ZAD njecção de electões njecção de buacos n p n O tanssto é constuído de tal foma que patcamente toda a coente é consttuída pelo fluxo de electões do emsso paa a base. A egão do emsso é muto mas fotemente dopada do que a egão da base. A egão da base é muto fna compaada com a espessua das egões do emsso e do colecto. Os electões que fluem do emsso paa a base, ataessam esta egão e são ataídos paa o colecto, antes de hae tempo paa a ecombnação com os buacos na base. A coente no colecto é da mesma odem de gandeza da coente no emsso. lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

4 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Fluxos de coente num tanssto pnp opeando na ZAD njecção de buacos njecção de electões p n p O tanssto PNP opea de foma semelhante ao descto paa o tanssto NPN A tensão polaza dectamente a junção. A tensão polaza nesamente a junção. No tanssto PNP as coentes são sotudo dedas a coentes de buacos. As coentes de dfusão de electões les da base paa o emsso são muto pequenas em compaação com as coentes de buacos em sentdo contáo. A egão do emsso, tal como no tanssto NPN, é muto mas fotemente dopada do que a egão da base. A espessua da base é muta pequena em compaação com as dmensões do dsposto. lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

5 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) anssto de junção bpola (J) (conenções) NPN PNP Os sentdos de efeênca adoptados paa tensões e coentes aos temnas do tanssto são escolhdos de tal modo que, paa o funconamento na zona acta decta, as coentes são postas. O funconamento dos dos tpos de tansstoes é muto semelhante; quando se passa de um paa outo, todos os esultados se mantêm se se tocaem os sentdos das tensões e coentes. lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

6 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) anssto de junção bpola (J) (modos de opeação) Modo de opeação Junção Junção Aplcações Zona Acta Decta (ZAD) Polazada dectamente Polazada nesamente Amplfcadoes Zona de ote (Z) Polazada nesamente Polazada nesamente nteuptoes Potas lógcas Zona de Satuação (ZS) Polazada dectamente Polazada dectamente cutos L tc.. lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

7 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) anssto de junção bpola (NPN) (quações - esumo) Zona Acta Decta (ZAD) Zona de Satuação (ZS) â. á. > on sat e e 0,7 ( â + â â + 1).. 1 < â. Zona de ote (Z) on sat 0,7 0, 2 < 0,7 0 lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

8 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) anssto de junção bpola (NPN) Modelos paa snas fotes S e α. a) Fonte de coente contolada po tensão b) Fonte de coente contolada po coente S e β. c) Fonte de coente contolada po tensão d) Fonte de coente contolada po coente lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

9 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) anssto de junção bpola (PNP) Modelos paa snas fotes S e α. a) Fonte de coente contolada po tensão b) Fonte de coente contolada po coente S e β. c) Fonte de coente contolada po tensão d) Fonte de coente contolada po coente lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

10 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) uas caacteístcas do J (npn) f( ) paa constante S S β.exp(.exp( ) ) 1 > 2 > 3 0,5 0,8 0,5 0,8 Habtualmente consdea-se on 0,7 feto da tempeatua na caacteístca - de um tanssto npn. decesce apoxmadamente 2m/º. lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

11 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) uas caacteístcas do J (npn) f( ) paa constante Zona de satuação Zona acta decta A A tensão de aly Zona de cote lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

12 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Análse de ccutos dc com o J (npn) - (ecta de caga estátca) 5kΩ Da malha de saída tem-se: + ou kΩ quação de uma ecta, em que: paa paa 0 > 0 > PF - ponto de funconamento em epouso Q (1mA) PF... 10µA... PF( Q, Q )... Q (5) lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

13 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) anssto de junção bpola (NPN) (xemplos) β100 on 0,7 330kΩ 5kΩ kΩ 2,7kΩ 3,3kΩ +10 a) b) c) 5kΩ 10kΩ lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

14 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) anssto de junção bpola (PNP) (xemplos) β100 on 0, ,3kΩ kΩ kΩ 5kΩ 5 100kΩ 2,7kΩ 5kΩ -10 a) b) c) lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

15 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Análse de ccutos dc com o tanssto de junção bpola (npn) - (xemplo) 1. Malha de entada 3. Malha de saída + 4 0,7 330 k. + on on 10 µ A k.1m 0 5kΩ 2. quações do J β µ A 1mA + ( β + 1) µ A 1,01mA 1mA 4 330kΩ +10 lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

16 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) xemplos de polazação dc de ccutos com J s Malha ase-msso β. Malha olecto-msso lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

17 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) xemplos de polazação dc de ccutos com J s (polazação po dso de tensão) 1 H 2 H H H 1 1 // lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

18 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Polazação po dso de tensão (equalente de héenn da malha ase-msso) 1 H H 2. // 2 H H lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

19 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) 1 2 Polazação po dso de tensão e esstênca no msso H H A ntodução de uma esstênca no emsso taduz-se em ccutos com boa establdade do seu ponto de funconamento em epouso (PF) e faz com que a coente seja patcamente ndependente do alo de b e a coente patcamente ndependente de H H on + + +β+ ( 1) 0 H H on H on +β+ ( 1) H β. ( β+ 1) ( + ). lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

20 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Polazação com esstênca de ectoacção colecto-base e esstênca no emsso + ( + ( β + 1) + ) + ) ( β + 1) + ( β + 1) ( β + 1) 0 0 β. + ( + + ) + + ( ) 0 0 lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

21 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Polazação com duas fontes de tensão - + on + ( β+ 1) on + ( β + 1) 0 β lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

22 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Polazação com fonte de coente - α. β lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

23 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Hpótese: ZAD >0; β. ; on 0,7; > sat efcação da zona de funconamento de um ccuto com J s alcula (malha baseemsso) Sm >0 alcula (malha colectoemsso) > sat Sm Zona Acta Decta PF( Q, Q ) Não Não Zona de ote 0; 0; 0 <0,7 PF(, 0) Zona de Satuação sat 0,2 PF( sat, sat ) Pate-se da hpótese que o J está na ZAD; alcula-se a pat da malha de entada, ou base-emsso; Se o alo obtdo paa fo nulo ou negato conclu-se que o J está na Z - Zona de ote; 0; 0 e 0; o é nfeo a 0,7. Se o alo de fo posto calculamos β e calculamos a pat da malha colectoemsso. Se o alo obtdo paa fo nfeo ou gual a sat, concluímos que o J está na ZS- Zona de satuação. sat e há que calcula sat da malha de saída ( β ). Se o alo de fo supeo a sat, então o J enconta-se mesmo na ZAD e Q e Q são os obtdos nos cálculos anteoes. lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

24 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Funconamento do J no cote e satuação 5 Zona de ote : < 0,7 on < ,7 < 0 0 < < 5 100k Ω 4k Ω o Zona de Satuação : > 1,9 sat sat < β. sat 5 0,2 1,2mA 4k 0,7 > 12µ A 100k > 100k.12µ + 0,7 1,9 sat sat on sat > sat β 1,2mA 12µ A 100 o() 5 ote Zona acta Zona Acta Decta : 0,7 < < 1,9 0,2 Satuação 0,7 1,9 5 () lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

25 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Funconamento do J no cote e satuação ( β + 1) sat sat µ A 1,6mA 10 4,7k.1,6m 3,3.1,6m 2,8 < sat on sat sat 6 0,7 16µ A 101x3,3k sat 0,2 ZS 10 0,2 5,3 0,96mA 4,7k 1,6m 0,96m 0,64mA ,7k Ω 3,3k Ω lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

26 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) ondções D As condções de polazação D obtêm-se consdeando 0 S exp( / β / α / ) O J como amplfcado Soposção de um snal A à tensão D Se fo aplcada uma tensão A de alo, a tensão, alo total nstantâneo, é: + Da mesma foma tem-se paa a coente : ondções D; 0 S S exp( exp( / / ) ).exp( S exp[( / ) + ) / ] exp( / ) ondções A; 0 lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

27 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O J como amplfcado Utlzando a apoxmação e x 1 + x se x << 1 Se << tem se exp( ) 1+ ( 1+ / ) + + como + tem se g m c c Defne se g m é desgnado po tanscondutânca c g m. b β β 1 β b ou b 1 β 1 + β β g m g β m g m β lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

28 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O J como amplfcado PF t Opeação de um tanssto em snas facos: um snal faco com a foma snusodal sopõe-se à tensão, o que dá ogem a uma coente no colecto em A, c, também de foma snusodal que se sopõe à coente D, ; c g m.. t lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Feeeo de 2002

29 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O J como amplfcado modelos paa snas pequenos O modelo -híbdo b c b c g m β. b e a) b) e g com g ou e com c m m c β. b b As fguas a) e b) epesentam duas esões lgeamente dfeentes do modelo -híbdo smplfcado do tanssto de junção bpola opeando com snas pequenos: m a) o J é epesentado po uma fonte de coente contolada po tensão [amplfcado de tanscondutânca] m b) o J é epesentado po uma fonte de coente contolada po coente [amplfcado de coente] lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

30 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O J como amplfcado modelos paa snas pequenos O modelo em c c c g m com gm ou c α. e e e com e e b g m e e a) b) b e α. e e As fguas a) e b) epesentam duas esões lgeamente dfeentes do modelo em smplfcado do tanssto de junção bpola opeando com snas pequenos: m a) o J é epesentado po uma fonte de coente contolada po tensão [amplfcado de tanscondutânca] m b) o J é epesentado po uma fonte de coente contolada po coente [amplfcado de coente] stes modelos explctam a esstênca de emsso e em ez da esstênca de base p tal como apaeca nos modelos -híbdo lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

31 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O J como amplfcado modelos paa snas pequenos Modelo -híbdo nclundo o efeto de aly b g m o c - A b e c Fazendo nclu o efeto de aly nos modelos -híbdo, ele taduz-se pela nclusão de uma esstênca o, de alo apoxmado A /, ente o colecto e o emsso. β. b o e o A lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

32 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O J como amplfcado Paâmetos dos modelos paa snas pequenos m temos das condções D β g m e o A m temos do paâmeto g m e α 1 gm gm β g m m temos do paâmeto e α 1 1 g m ( β + 1)e gm + e e 1 e elação ente os paâmetos a e b β α 1 α α β β + 1 β α lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

33 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O J como amplfcado ganho de tensão A tensão total nstantânea no colecto do tanssto,, é: ( + ) ce ( c + c ) Donde se conclu ce c omo ou ce ce c g g g m m m Ganho de tensão A g tem se: m omo ou ce β β. Ganho de tensão c ce b b e β. β. A b β. tem se : lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

34 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O J como amplfcado análse de ccutos em ac Detemna o ponto de funconamento em epouso do tanssto e, em patcula, o alo da coente de colecto,. sta análse é feta consdeando apenas as fontes de tensão e coente dc e substtundo os condensadoes po ccutos em ato. alcula o alo dos paâmetos necessáos paa os modelos ncementas, paa pequenos snas: gm,, e epesenta o esquema ncemental equalente do ccuto amplfcado, substtundo as fontes de tensão dc ndependentes po cuto-ccutos e as fontes de coente dc ndependentes po ccutos em ato. Substtu cada um dos condensadoes de bloqueamento e contono po um cuto-ccuto. Substtu o tanssto po um dos modelos equalentes paa pequenos snas. Utlza-se-á o modelo que se entenda po mas conenente paa a análse da confguação em questão. Analsa o ccuto esultante de acodo com as les e egas da teoa dos ccutos, po foma a obte o ganho de tensão, o ganho de coente, a estênca de entada, etc.., etc. lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

35 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O J como amplfcado exemplo +12 Petende-se detemna o ganho de tensão do amplfcado epesentado na fgua; β100. 5kΩ Detemnemos em pmeo luga o ponto de funconamento em epouso, fazendo kΩ o β. anssto 100.0,023m 2,3mA na on 15 5k.2,3m 3,5 ZAD : 3 0,7 0,023mA 100k PF(3,5;2,3mA) alculemos agoa os paâmetos paa os modelos paa snas pequenos 5kΩ e g m 25m 0,023m 25m 2,32m 1087Ω 10,8Ω 2,3m 92mA/ 25m 3 100kΩ 0,7 lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

36 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O J como amplfcado exemplo (cont.) +15 Utlzemos o modelo -híbdo do tanssto, utlzando o paâmeto β, mas sem o, e substtuamos o ccuto pelo seu equalente ncemental. 5kΩ Da análse do ccuto temos: 100kΩ o b o A A + o c β. β. + β. 100x5k 4,95 1,087k + 100k o b + b 3 c β. b o O snal ( ) no ganho de tensão epesenta a nesão de fase do snal na saída em elação ao snal na entada e cuto equalente ncemental lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

37 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) O J como amplfcado confguações base onsdeam-se tês confguações base paa ccutos amplfcadoes com o tanssto de junção bpola: onfguação em emsso comum msso à massa em A Snal de entada ente a base e o emsso Snal de saída ente o colecto e o emso (massa) onfguação em colecto comum olecot à massa em A Snal de entada ente a base e o emsso Snal de saída ente o emsso e a massa onfguação em base comum ase à massa em A Snal de entada ente o emsso e a base Snal de saída ente o colecto e a base (massa) lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

38 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Amplfcado em msso-omum, o condensadoes de acoplamento (bloqueam as componentes contínuas na entada e na saída) S 1 o condensado de contono (bypass) A capacdade dos condensadoes de acoplamento e de contono é sufcentemente eleada paa que a sua eactânca se possa consdea como um cutoccuto peante as estantes mpedâncas do ccuto paa as fequêncas de nteesse. s 2 a) onfguação típca do amplfcado monoestágo em msso omum com componentes dscetos L o O ccuto equalente paa pequenos snas obtém-se substtundo o J pelo seu modelo equalente -híbdo, elmnando as fontes de tensão D e cutoccutando os condensadoes, o e. S b c s g m L o n o e b) cuto equalente paa pequenos snas do amplfcado em msso omum do ccuto a) lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

39 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Amplfcado em msso-omum (cont.) Ganho de tensão (com g m ) S b c A o s o g g m m // // + // S // L. L S // // + S s g m L o n o e a) cuto equalente ncemental modelo -híbdo com gm, despezando o face a e L Ganho de tensão (com β) S b c A o s b o β 1. b L L // // + β. // //. S S // // + S s β. b L o n o e b) cuto equalente ncemental modelo -híbdo com β, despezando o face a e L esstênca de entada esstênca de saída // // 1 // 2 ou o o o // lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

40 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Amplfcado em msso-omum (cont.) Ganho de tensão quando se substtu a malha consttuída po s, S e pelo seu equalente de héenn th b c th β. b //L o o th A β b // o s S // L β. // + th L th + b. + S S th +. th s e a) cuto equalente paa pequenos snas substtundo a malha consttuda po s, S e pelo seu equalente de héenn th b c Ganho de tensão quando se consdea o efeto de aly ( o ) th β. o b //L o o β ( A b o s o // // L ) β.( o // // + th L b ). + S th + th e a) cuto equalente paa pequenos snas quando se consdea o modelo -híbdo com o paâmeto o. lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

41 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Amplfcado em colecto comum (ou segudo de emsso) Ganho de tensão o A ( b Se e o s então // L ) ( β + 1) ( b + ( β + 1)( b // L ) // ( β + 1).( // L ) + ( β+ 1)( // ) << ( β + 1)( A 1 // daqu o nome de segudo de emsso o s L ) L L ) s S 1 2 a) onfguação típca do amplfcado em olecto omum ou Segudo de msso com componentes dscetos S b s c b L o e o L o esstênca de entada β. b + ( β + 1)( // L ) b) cuto equalente paa pequenos snas do amplfcado em olecto omum do ccuto a) lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

42 Depatamento de ngenhaa lectotécnca (D) Amplfcado em msso-omum degeneado Ganho de tensão S 1 o o β o b // β. L // L. th + b th + th + ( β + 1 ) 1 th + ( β + 1) 1 s L o A o s th β. // L + + ( β + 1) 1. + S th a) Amplfcado em msso omum degeneado b c esstênca de entada th β. b //L o + ( β + 1) ( 1 ) // e 1 b) cuto equalente paa pequenos snas do amplfcado em msso omum degeneado do ccuto a) lectónca - usos de ngª lectotécnca e ngª de lectónca e omputadoes Luís eíssmo, Abl de 2002

Aula-09 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes. Curso de Física Geral F-328 2 o semestre, 2013

Aula-09 Campos Magnéticos Produzidos por Correntes. Curso de Física Geral F-328 2 o semestre, 2013 Aula-9 ampos Magnétcos Poduzdos po oentes uso de Físca Geal F-38 o semeste, 13 Le de Bot - Savat Assm como o campo elétco de poduzdo po cagas é: 1 dq 1 dq db de ˆ, 3 ε ε de manea análoga, o campo magnétco

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

Eletrônica Analógica CEL099 C

Eletrônica Analógica CEL099 C Depto. Crcutos Elétrcos Engenhara Elétrca Faculdade de Engenhara Eletrônca Analógca CEL099 C «Aula Prátca Expermental» Amplfcador Inversor de Pequenos Snas com BJT O amplfcador em estudo nesta prátca é

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

Potencial Elétrico. Prof. Cláudio Graça 2012

Potencial Elétrico. Prof. Cláudio Graça 2012 Potencal Elétco Po. Cláudo Gaça Campo elétco e de potencal Campo e Potencal Elétcos E Potencal gavtaconal Potencal Elétco O potencal elétco é a quantdade de tabalho necessáo paa move uma caga untáa de

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA UM/AET Eng. Elética sem 0 - ab. icuitos Eléticos I Pof. Athemio A.P.Feaa/Wilson Yamaguti(edição) EPEIÊNIA 5 - ESPOSTA EM FEQUENIA EM UM IUITO - ESSONÂNIA INTODUÇÃO. icuito séie onsideando o cicuito da

Leia mais

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I

Geradores elétricos. Antes de estudar o capítulo PARTE I PART I ndade B 9 Capítulo Geadoes elétcos Seções: 91 Geado Foça eletomotz 92 Ccuto smples Le de Poullet 93 Assocação de geadoes 94 studo gáfco da potênca elétca lançada po um geado em um ccuto Antes de

Leia mais

AMPLIFICADORES A TRANSISTOR

AMPLIFICADORES A TRANSISTOR MINISTÉIO D DUÇÃO STI D DUÇÃO POFISSION TNOÓGI INSTITUTO FD D DUÇÃO, IÊNI TNOOGI D SNT TIN USO D TOMUNIÇÕS Áa d onhcmnto: ltônca I MPIFIDOS TNSISTO Pofsso: Pdo mando da Sla J São José, nomo d 213 1 1 MPIFIDOS

Leia mais

Tópico 2. Em cada caso, observe o sentido do campo magnético devido ao f io e determine o sentido da corrente que passa por ele.

Tópico 2. Em cada caso, observe o sentido do campo magnético devido ao f io e determine o sentido da corrente que passa por ele. Tópco ogem do campo magnétco Tópco Um campo magnétco é geado: a) po eletzação: o polo note magnétco é postvo e o polo sul magnétco é negatvo. b) po cagas elétcas em epouso. c) po cagas elétcas necessaamente

Leia mais

Análise de Circuitos com Transístores Bipolares Parte II

Análise de Circuitos com Transístores Bipolares Parte II eoa dos cutos e Fundaentos de lectónca Análse de cutos co ansístos polas Pate Matéa Pate eões de funconaento do J cote, zona acta, satuação cuto neso lóco / aplfcado PF ponto de funconaento e pouso O tansísto

Leia mais

Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação FEEC Universidade Estadual de Campinas Unicamp EE531 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA BÁSICA I EXPERIÊNCIA 2

Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação FEEC Universidade Estadual de Campinas Unicamp EE531 LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA BÁSICA I EXPERIÊNCIA 2 Faculdade de ngenharia létrica e de Computação FC Universidade stadual de Campinas Unicamp 531 LABORATÓRIO D LTRÔNICA BÁSICA I XPRIÊNCIA 2 TRANSISTOR BIPOLAR Prof. Lee Luan Ling 1 o SMSTR D 2010 1 Objetivo:

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

Circuitos Eletrónicos Básicos

Circuitos Eletrónicos Básicos Circuitos Eletrónicos Básicos Licenciatura em Engenharia Eletrónica Transparências de apoio às aulas Cap. 3: Fontes de corrente 1º semestre 2013/2014 João Costa Freire Instituto Superior Técnico Setembro

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA

DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA DESENVOLVIMENTO E APLICAÇÃO DE GERADOR DE INDUÇÃO TRIFÁSICO CONECTADO ASSINCRONAMENTE À REDE MONOFÁSICA LIMA, Nélio Neves; CUNHA, Ygho Peteson Socoo Alves MARRA, Enes Gonçalves. Escola de Engenhaia Elética

Leia mais

Breve Revisão de Cálculo Vetorial

Breve Revisão de Cálculo Vetorial Beve Revsão de Cálculo Vetoal 1 1. Opeações com vetoes Dados os vetoes A = A + A j + A k e B = B + B j + B k, dene-se: Poduto escala ente os vetoes A e B A B A B Daí, cos A AB cos A B B A A B B AB A B

Leia mais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Módulo 5: Conteúdo pogamático Eq da continuidade em egime Pemanente Bibliogafia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Pentice Hall, 7. Eoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Popiedades Intensivas:

Leia mais

PROJETO ASTER: ESTRATÉGIA PARA MANOBRAS DE RENDEZVOUS DA SONDA ESPACIAL BRASILEIRA COM O ASTERÓIDE 2001 SN263

PROJETO ASTER: ESTRATÉGIA PARA MANOBRAS DE RENDEZVOUS DA SONDA ESPACIAL BRASILEIRA COM O ASTERÓIDE 2001 SN263 839 PROJETO ASTER: ESTRATÉGIA PARA MANOBRAS DE RENDEZOUS DA SONDA ESPACIAL BRASILEIRA COM O ASTERÓIDE 2001 SN263 Abeuçon Atanáso Alves 1 ;AntonoDelson Conceção de Jesus 2 1. Bolssta voluntáo, Gaduando

Leia mais

Condicionamento de Sinal

Condicionamento de Sinal ondconamento de Snal rcutos com Díodos 2.2. rcutos com Díodos 2.2.1. Prncípo de funconamento duma junção PN 2.2.2. Díodo de Junção 2.2.2.1. Díodo deal 2.2.2.2. Díodo como elemento rectfcador 2.2.2.3. Polarzação

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6 73 )5d$0$*1e7,&$6%5( &1'875(6 Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a ação de um campo magnético sobe um conduto conduzindo coente. ½ Calcula foças sobe condutoes pecoidos po coentes,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PILHAS EM PARALELO: ONDE E QUANDO A USAMOS? *

ASSOCIAÇÃO DE PILHAS EM PARALELO: ONDE E QUANDO A USAMOS? * ASSOCIAÇÃO DE PILHAS EM PARALELO: ONDE E QUANDO A USAMOS? * Comentáo sobe o atgo Assocação de plhas novas e usadas em paalelo: uma análse qualtatva paa o ensno médo, de Deyse Pedade Munhoz Lopes, Dante

Leia mais

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1 Instituto Escola Supeio Politécnico de Tecnologia ÁREA INTERDEPARTAMENTAL Ano lectivo 010-011 011 Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Eecícios de Electomagnetismo Ficha 1 Conhecimentos e capacidades

Leia mais

EXPERIÊNCIA No. 2 - Associação de Resistores

EXPERIÊNCIA No. 2 - Associação de Resistores FTEC-SP Faculdade de Tecologa de São Paulo Laboatóo de Ccutos Elétcos Pof. Macelo aatto EXPEIÊNCI No. - ssocação de esstoes Nome do luo N 0 de matícula FTEC-SP Faculdade de Tecologa de São Paulo Laboatóo

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos da físca ndade Capítulo 9 Geadoes elétcos esoluções dos execícos popostos 1 P.19 Dados: 4 ; 1 Ω; 0 a) 0 4 1 4 b) Pot g Pot g 4 4 Pot g 96 W Pot º Pot º 0 4 Pot º 80 W Pot d Pot g Pot º Pot d 96 80 Pot

Leia mais

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência Lista de Execícios Capítulo Citéios de Resistência 0.7 A tensão de escoamento de um mateial plástico é y 0 MPa. Se esse mateial é submetido a um estado plano de tensões ocoe uma falha elástica quando uma

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Prof. Carlos Henrique Q. Forster Sala 121 IEC. ramal 5981

Instituto Tecnológico de Aeronáutica. Prof. Carlos Henrique Q. Forster Sala 121 IEC. ramal 5981 CC Vsã Cputacnal Câeas Insttut ecnlógc de Aenáutca P. Cals Henque Q. Fste Sala IEC aal 598 ópcs da aula Mdels de câeas Aqusçã de agens Paâets da câea Recupeaçã da atz de pjeçã Calbaçã de sa Lv paa acpanha

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

Condensador esférico Um condensador esférico é constituído por uma esfera interior de raio R e carga

Condensador esférico Um condensador esférico é constituído por uma esfera interior de raio R e carga onensao esféico Um conensao esféico é constituío po uma esfea inteio e aio e caga + e uma supefície esféica exteio e aio e caga. a) Detemine o campo eléctico e a ensiae e enegia em too o espaço. b) alcule

Leia mais

Eletrônica II PSI3322

Eletrônica II PSI3322 Eletônca II PSI33 Pogamação paa a Tecea Poa 8 3/0 04/ O amplfcado dfeencal MOS com caga ata Eecíco 7. Seda, Cap. 7 p. 45 456 9 6/0 6/0 O amplfcado cascode MOS: análse de pequenos snas Seda, Cap. 6 p. 385

Leia mais

Gregos(+2000 anos): Observaram que pedras da região Magnézia (magnetita) atraiam pedaços de ferro;

Gregos(+2000 anos): Observaram que pedras da região Magnézia (magnetita) atraiam pedaços de ferro; O Campo Magnético 1.Intodução: Gegos(+2000 anos): Obsevaam que pedas da egião Magnézia (magnetita) ataiam pedaços de feo; Piee Maicout(1269): Obsevou a agulha sobe imã e macou dieções de sua posição de

Leia mais

Antes de estudar a tecnologia de implementação do transistor um estudo rápido de uma junção;

Antes de estudar a tecnologia de implementação do transistor um estudo rápido de uma junção; Transistor O transistor é um elemento ativo e principal da eletrônica. Sendo um elemento ativo o transistor é utilizado ativamente na construção dos circuitos lineares e digitais. Os transistores podem

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

O díodo. Dispositivo de dois terminais

O díodo. Dispositivo de dois terminais eparameno de Engenhara Elecroécnca (EE) sposvo de dos ermnas Ânodo O díodo Cáodo Componene elemenar não-lnear ulzado em crcuos muo varados Aplcações: conversores de poênca AC/C recfcadores, processameno

Leia mais

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO. FACULDADE DE ENGENHARIA DE RESENDE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA Laboratório de Eletrônica I 3 Ano de Engenharia

ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO. FACULDADE DE ENGENHARIA DE RESENDE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETRÔNICA Laboratório de Eletrônica I 3 Ano de Engenharia ASSOAÇÃO EDUAONAL DOM BOSO 1 FAULDADE DE ENGENHAA DE ESENDE ENGENHAA ELÉTA ELETÔNA Laboratório de Eletrônica 3 Ano de Engenharia apítulo 2 Transistores Bipolares (BJT) APÍTULO 2 TANSSTOES BPOLAES (BJT)

Leia mais

Amperímetros e voltímetros

Amperímetros e voltímetros Apesentaemos, neste tópco, os galvanômetos, ou seja, apaelhos ou dspostvos capazes de detecta ou med a coente elétca. Apesentamos, também, um método paa a medda da esstênca elétca. Meddoes de coente Ampeímetos

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

1ª Aula do Cap. 6 Forças e Movimento II

1ª Aula do Cap. 6 Forças e Movimento II ATRITO 1ª Aula do Cap. 6 Foças e Movimento II Foça de Atito e Foça Nomal. Atito e históia. Coeficientes de atito. Atito Dinâmico e Estático. Exemplos e Execícios. O efeito do atito ente duas supefícies

Leia mais

Mérito Desenvolvimento Imobiliário I FII. Fundo de Investimento Imobiliário

Mérito Desenvolvimento Imobiliário I FII. Fundo de Investimento Imobiliário 03 09 10 11 13 15 16 18 20 22 24 26 28 29 31 33 02 1. Imobiliário I 03 1. Imobiliário I 04 1. Imobiliário I 05 1. Imobiliário I 06 1. Imobiliário I 07 1. Imobiliário I 1. LANÇAMENTO 2. OBRAS 3. CONCLUÍDO

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE Faculdade de Engenhaia Tansmissão de calo 3º Ano Aula 4 Aula Pática- Equação Difeencial de Tansmissão de Calo e as Condições de Contono Poblema -4. Calcula a tempeatua no

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites OK Necessito de ee esta página... Necessito de apoio paa compeende esta página... Moimentos de satélites geoestacionáios: caacteísticas e aplicações destes satélites Um dos tipos de moimento mais impotantes

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Vesão pelmna 4 de setembo de Notas de Aula de Físca. OTAÇÃO... AS VAÁVES DA OTAÇÃO... Posção angula... Deslocamento angula... Velocdade angula... 3 Aceleação angula... 3 OTAÇÃO COM ACELEAÇÃO ANGULA CONSTANTE...

Leia mais

Introdução. GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima

Introdução. GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima Introdução GRECO-CIN-UFPE Prof. Manoel Eusebio de Lima Programa do curso Introdução (conceitos) Fonte de tensão Fonte de Corrente Teorema de Thevenin Teorema de Norton Resistores/capacitores (revisão)

Leia mais

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb.

F G. m 2. Figura 32- Lei da gravitação Universal de Newton e Lei de Coulomb. apítul 3-Ptencal eletc PÍTULO 3 POTEIL ELÉTRIO Intduçã Sabems ue é pssível ntduz cncet de enega ptencal gavtacnal pue a fça gavtacnal é cnsevatva Le de Gavtaçã Unvesal de ewtn e a Le de ulmb sã mut paecdas

Leia mais

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da algeba geomética) 008 DEEC IST Pof. Calos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da álgeba geomética) 1 De Keple a Newton Vamos aqui mosta como, a pati das tês leis de Keple sobe

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatóio Inteno Método de Calibação de Câmaas Poposto po Zhang Maia Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavaes Setembo de 23 Resumo O pesente elatóio

Leia mais

Tópicos para a resolução de EXA2Fe01022007. 1. Considere o circuito eléctrico representado esquematicamente na Fig.1. Fig. 1 - Circuito eléctrico.

Tópicos para a resolução de EXA2Fe01022007. 1. Considere o circuito eléctrico representado esquematicamente na Fig.1. Fig. 1 - Circuito eléctrico. Tópicos para a resolução de EXA2Fe01022007 1. onsidere o circuito eléctrico representado esquematicamente na Fig.1. Fig. 1 - ircuito eléctrico. RR 2 3 a) R 2 e R 3 : associadas em paralelo; R = equivalente

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

LISTA COMPLETA PROVA 03

LISTA COMPLETA PROVA 03 LISTA COMPLETA PROVA 3 CAPÍTULO 3 E. Quato patículas seguem as tajetóias mostadas na Fig. 3-8 quando elas passam atavés de um campo magnético. O que se pode conclui sobe a caga de cada patícula? Fig. 3-8

Leia mais

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Pofa Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Dinâmica estudo dos movimentos juntamente com as causas que os oiginam. As teoias da dinâmica são desenvolvidas com base no conceito

Leia mais

TRANSISTORES DE EFEITO DE CAMPO

TRANSISTORES DE EFEITO DE CAMPO Engenharia Elétrica Eletrônica Professor: Alvaro Cesar Otoni Lombardi Os Transistores Bipolares de Junção (TBJ ou BJT) São controlados pela variação da corrente de base (na maioria das aplicações) 1 Os

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES CORRENTE ALTERNADA SINUSOIDAL RAUL MONTEIRO

CURSO DE LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES CORRENTE ALTERNADA SINUSOIDAL RAUL MONTEIRO CUSO DE LCENCATUA EM ENGENHAA ELECTOTÉCNCA E DE COMPUTADOES COENTE ALTENADA SNUSODAL AUL MONTEO COENTE ALTENADA SNUSODAL MONOFÁSCA (CA) NECESSDADE DA CA PODUÇÃO TANSPOTE DSTBUÇÃO potência eléctrica transportada

Leia mais

Electrónica I. Curso Ano/Semestre Ano Lectivo Área Científica Dpt. Engenharia de Electrónica e Computadores

Electrónica I. Curso Ano/Semestre Ano Lectivo Área Científica Dpt. Engenharia de Electrónica e Computadores Electrónica I Curso Ano/Semestre Ano Lectivo Área Científica Dpt. Engenharia de Electrónica e Computadores 1º/ 2º 2005/2006 ET DEE Professor Responsável da Disciplina Docente Co-Responsável Corpo Docente

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Transistor Bipolar de Junção TBJ Cap. 4 Sedra/Smith Cap. 8 Boylestad Cap. 10 Malvino

Transistor Bipolar de Junção TBJ Cap. 4 Sedra/Smith Cap. 8 Boylestad Cap. 10 Malvino Transstor Bpolar de Junção TBJ Cap. 4 Sedra/Smth Cap. 8 Boylestad Cap. 1 Malno Amplfcador C Notas de Aula SL 313 Crcutos letrôncos 1 Parte 6 1 o Sem/216 Prof. Manoel Análse de Amplfcadores Báscos Amplfcador

Leia mais

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais

Informação Geográfica em Engenharia Civil

Informação Geográfica em Engenharia Civil Noções Infomação Geogáfica em Engenhaia Civil Infomação Geogáfica Infomação espeitante a fenómenos (o que ocoe no tempo e no espaço) Geoefeenciação Associação da posição espacial à infomação Alexande Gonçalves

Leia mais

Instrumentação e Electrónica - Relatório do 1 Trabalho Experimental

Instrumentação e Electrónica - Relatório do 1 Trabalho Experimental Instrumentação e Electrónica - Relatório do 1 Trabalho Experimental Fonseca, Hugo N o 45341; Pela, João N o 5227; Machado, Miguel N o 523; Lisboa, 16 de Março de 28 O trabalho consiste em projectar um

Leia mais

PLANEJAMENTO DE OPERAÇÕES DE LAVRA EM MINAS A CÉU ABERTO COM ALOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE CARGA E DE TRANSPORTE

PLANEJAMENTO DE OPERAÇÕES DE LAVRA EM MINAS A CÉU ABERTO COM ALOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE CARGA E DE TRANSPORTE PLANEJAMENTO DE OPERAÇÕES DE LAVRA EM MINAS A CÉU ABERTO COM ALOCAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE CARGA E DE TRANSPORTE Mônca do Amaal Unesdade Fedeal de São Calos Rodoa Washngton Luís, km 235, Monjolnho, São Calos

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

Prof. Anderson Coser Gaudio Departamento de Física Centro de Ciências Exatas Universidade Federal do Espírito Santo

Prof. Anderson Coser Gaudio Departamento de Física Centro de Ciências Exatas Universidade Federal do Espírito Santo POLEMAS ESOLVIDOS DE FÍSICA Pof. Andeson Cose Gaudo Depatamento de Físca Cento de Cêncas Eatas Unvesdade Fedeal do Espíto Santo http://www.cce.ufes.b/andeson andeson@npd.ufes.b Últma atualzação: 3/8/5

Leia mais

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas

Aplicação da Lei Gauss: Algumas distribuições simétricas de cargas Aplicação da ei Gauss: Algumas distibuições siméticas de cagas Como utiliza a lei de Gauss paa detemina D s, se a distibuição de cagas fo conhecida? s Ds. d A solução é fácil se conseguimos obte uma supefície

Leia mais

Material Teórico - Módulo Elementos Básicos de Geometria Plana Parte 2. A Desigualdade Triangular. Oitavo Ano

Material Teórico - Módulo Elementos Básicos de Geometria Plana Parte 2. A Desigualdade Triangular. Oitavo Ano Material Teórico - Módulo Elementos ásicos de Geometria Plana Parte 2 esigualdade Triangular Oitavo no utor: Prof. Ulisses Lima Parente Revisor: Prof. ntonio aminha M. Neto 1 desigualdade triangular Iniciamos

Leia mais

Exp. 10 - RESSONÂNCIA

Exp. 10 - RESSONÂNCIA apítulo Exp. 0 - RESSONÂNIA EÉTRIA. OBJETIVOS Estudo das oscilações eléticas foçadas em cicuitos essonantes em séie e em paalelo..2 PARTE TEÓRIA Muitos sistemas físicos estáticos e estáveis, quando momentaneamente

Leia mais

1. TEORIA DOS CIRCUITOS

1. TEORIA DOS CIRCUITOS . TEOA DOS UTOS Fernando Gonçalves nstituto Superior Técnico Teoria dos ircuitos e Fundamentos de Electrónica - 2004/2005 Materiais ondutores Os materiais condutores caracterizam-se por possuírem electrões

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Aula 0 EORIA DA GRAVIAÇÃO UNIVERSAL MEA Mosta aos alunos a teoia da gavitação de Newton, peda de toque da Mecânica newtoniana, elemento fundamental da pimeia gande síntese da Física. OBJEIVOS Abi a pespectiva,

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Transistores Bipolares de Junção Parte II Transistores Bipolares de Junção (TBJs) Parte II

Transistores Bipolares de Junção Parte II Transistores Bipolares de Junção (TBJs) Parte II ansstos Bpolas d Junção Pat ansstos Bpolas d Junção (BJs) Pat apítulo 4 d (SDA SMH, 1996). SUMÁO 4.7. O anssto oo Aplfado 4.8. Modlos qualnts paa Pqunos Snas 4.9. Análs Gáfa 4.7. O ANSSO OMO AMPLFADO Paa

Leia mais

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C

Resoluções dos testes propostos. T.255 Resposta: d O potencial elétrico de uma esfera condutora eletrizada é dado por: Q 100 9 10 Q 1,0 10 9 C apítulo da físca apactores Testes propostos ndade apítulo apactores Resoluções dos testes propostos T.55 Resposta: d O potencal elétrco de uma esfera condutora eletrzada é dado por: Vk 0 9 00 9 0,0 0 9

Leia mais

Fenômenos de Transporte I. Aula 10. Prof. Dr. Gilberto Garcia Cortez

Fenômenos de Transporte I. Aula 10. Prof. Dr. Gilberto Garcia Cortez Fenômenos de Tanspote I Aula Pof. D. Gilbeto Gacia Cotez 8. Escoamento inteno iscoso e incompessíel 8. Intodução Os escoamentos completamente limitados po supefícies sólidas são denominados intenos. Ex:

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

4. Potencial Elétrico (baseado no Halliday, 4a edição)

4. Potencial Elétrico (baseado no Halliday, 4a edição) 4. Potencal létco 4. Potencal létco (baseado no Hallday, 4a edção) Gavtação, letostátca e nega Potencal Mutos poblemas podem se tatados atavés de semelhanças. x.: a Le de Coulomb e a Le da Gavtação de

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA

ESTRATÉGIA DE CONTROLE PARA ACIONAMENTO A VELOCIDADE VARIÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSICOS COM OPERAÇÃO OTIMIZADA ESTRATÉGA DE CONTROLE PARA ACONAMENTO A VELOCDADE VARÁVEL PARA MOTORES MONOFÁSCOS COM OPERAÇÃO OTMZADA Ronilson Rocha * Pedo F Donoso Gacia * Selênio Rocha Silva * Mácio Fonte Boa Cotez x UFMG -CPDEE *

Leia mais

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo Gavitação ecusos com copyight incluídos nesta apesentação: Intodução A lei da gavitação univesal é um exemplo de que as mesmas leis natuais se aplicam em qualque ponto do univeso. Fim da dicotomia

Leia mais

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético Pof. Alexande A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Cuitiba EMENTA Caga Elética Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitância Coente e esistência Cicuitos Eléticos em

Leia mais

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V apítulo 7 da físca Exercícos propostos Undade apítulo 7 ssocação de resstores ssocação de resstores esoluções dos exercícos propostos 1 P.15 a) s 1 s 6 s b) U s U 10 U 0 V c) U 1 1 U 1 U 1 8 V U U 6 U

Leia mais

MAGNETISMO - ELETROMAGNETISMO

MAGNETISMO - ELETROMAGNETISMO MAGNETISMO - ELETROMAGNETISMO MAGNETISMO Estuda os corpos que apresentam a propriedade de atrair o ferro. Estes corpos são denominados imãs ou magnetos. Quando suspendemos um imã deixando que ele gire

Leia mais

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada:

2 - Circuitos espelho de corrente com performance melhorada: Electóica 0/3 - Cicuitos espelho de coete com pefomace melhoada: Po ezes é ecessáio aumeta a pefomace dos cicuitos espelho de coete, tato do poto de ista da pecisão da taxa de tasfeêcia de coete como da

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler).

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler). 3 - DESCRIÇÃO DO EEVADOR Abaixo apesentamos o diagama esquemático de um elevado (obtido no site da Atlas Schindle). Figua 1: Diagama esquemático de um elevado e suas pates. No elevado alvo do pojeto, a

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Aula de UNIDADE - MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO 1) (UFJF-MG) Um astonauta está na supefície da Lua quando solta, simultaneamente, duas bolas maciças, uma de chumbo e outa de madeia, de uma altua de,0 m em

Leia mais