PROCESSOS DE MEDIDAS DA IMITÂNCIA ACÚSTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSOS DE MEDIDAS DA IMITÂNCIA ACÚSTICA"

Transcrição

1 1 CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica AUDIOLOGIA CLÍNICA PROCESSOS DE MEDIDAS DA IMITÂNCIA ACÚSTICA RENATA NASCIMENTO ALMEIDA RIO DE JANEIRO

2 2 CEFAC Centro de Especialização em Fonoaudiologia Clínica AUDIOLOGIA CLÍNICA PROCESSOS DE MEDIDAS DA IMITÂNCIA ACÚSTICA Monografia de conclusão do curso de especialização em Audiologia Clínica. Orientadora: Mirian Goldenberg RENATA NASCIMENTO ALMEIDA RIO DE JANEIRO

3 3 Resumo O trabalho monográfico Processos de Medidas da Imitância Acústica, produzido como parte de conclusão do curso de especialização em audiologia clínica, pode ser resumida através dos seguintes tópicos: 1- Levantamento dos registros históricos. Procurou-se na leitura dos tratadistas e estudiosos ver a seqüência da origem das experiências dos procedimentos de avaliação sistemática da audição e a gradual evolução dos processos de medida da imitância acústica. 2- Definição de terminologia. Para clareza da pesquisa, buscou-se entender as diferentes terminologias e sua adoção e simplificação pelos estudiosos, culminando com o exame das razões da nomenclatura, aí incluindo, a da sistemática de como se processa a imitância acústica, hoje finalmente adotada. 3- Importância das medidas. Foram examinadas as razões do interesse dos estudiosos pelas medidas da impedância acústica e a importância também de seu mecanismo como diagnóstico de avaliação da função auditiva. 4- Tipos de medidas. Foram pesquisados e examinados um a um, sua operacionalidade e o grau de aceitação pelos audiologistas estudiosos, bem como exposta sua direta utilidade nos procedimentos de diagnóstico. 5- Aplicação clínica dos processos. Nesta parte, procurou-se ver, na prática, em apoio à medicina, quais os efeitos da resultante da aplicação das medidas da imitância acústica, contribuindo para cura ou correção de otites crônicas secretórias, otosclerose, função tubária, identificação de fenômenos de perturbação auditiva, paralisias faciais periféricas e outros como simulação de surdez psicogênica. 6- Considerações Finais, que são a visão de todo o trabalho desta pesquisa no seu desenvolvimento, culminando com o asseveramento da importância do papel dos processos de medida da imitância acústica como contribuição da audiologia à medicina, bem como o futuro desses processos face ao desenvonvimento tecnológico. 3

4 4 -- Sumário pág Introdução...01 Processos de medidas da imitância acústica origem: primeiros passos...02 Imitância Acústica : terminologia e sistemática...05 Medidas de Imitância Acústica: Importância...06 Medidas da Imitância Acústica: tipos...08 Timpanometria :...08 Gradiente Timpanométrico...12 Complacência Estática:...15 Reflexo Muscular Acústico da Orelha Média:...16 Reflexo Ipslateral:...18 Aplicação Clínica dos processos de Medida Acústica:...19 Conclusão:...23 Referências Bibliográficas:

5 5 PROCESSOS DE MEDIDAS DA IMITÂNCIA ACÚSTICA Introdução O presente trabalho monográfico, elaborado para o módulo METODOLOGIA CIENTÍFICA, do CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AUDIOLOGIA, centrou seus os pontos no estudo estabelecido dentro da linha estrutural previamente definida, cuja essência foi de obter uma visão da origem dos estudos, experiências e evolução dos processos de medidas auditivas; sua identificação em si e o exame e funcionamento dos procedimentos dessas mesmas medidas da imitância acústica. E, assim projetado, pusemo-nos a pesquisar os trabalhos disponíveis dos tratadistas, autores e outros estudiosos voltados para a problemática da medição auditiva por seus diferentes métodos, vendo-os desde sua linha histórica até a presente época quando se produziram e se editaram trabalhos sobre tais procedimentos, à luz sobretudo da audiologia clínica. O assunto é sem dúvida vasto, além de alguma complexidade, ante os múltiplos de registros de experiências científicas conclusivas, mas buscamos examinar a seqüência traçada, procurando dar não só uma visão do conjunto uniforme e analítico das medidas da imitância acústica e sua importância evolutiva e ainda sua utilização no rotineiro trabalho dos profissionais da audiologia, bem como examinar a realização operacional de cada medida, como procedimento de diagnostico. Finalmente, de forma concisa, vimos a objetiva aplicabilidade clínica, hoje, dos diferentes processos da medida da imitância acústica. 5

6 6 PROCESSOS DE MEDIDAS DA IMITÂNCIA ACÚSTICA I - Origem: primeiros passos As primeiras experiências que tiveram por objetivo identificar o mecanismo fisiológico por meio do qual a onda sonora é captada receptivamente pelo aparelho auditivo humano, ocorreram na década de 30. Os nomes dos cientistas Schuster, Metz e Zwislock, entre outros, são referenciados nas obras e estudos de fonoaudiologia como os pioneiros desse trabalho de apuração da gradualidade de diversas deficiências auditivas. Otacílio Lopes Filho (1997) destaca, por exemplo, que parece ter sido Schuster (1934) quem pela primeira vez aplicou clinicamente os conhecimentos de imitância da orelha média, através de uma ponte mecânica construída para outros fins. Metz, aperfeiçoando a ponte de Schuster, fez o primeiro estudo sistemático a respeito da imitância da orelha média em pacientes normais e com deficiência auditiva, comparando os resultados positivos. O professor Otacílio Lopes fala-nos de Otto Metz, médico-cientista dinamarquês que trabalhou no Hospital Universitário de Kopenhagen, realizando sérios estudos sobre os primeiros processos de medidas de impedância com metodologia de eletroacústica que, à sua época, já era objeto de interesse por parte de outros pesquisadores que vinham tentando a construção de um ouvido artificial para o sistema de telefonia. E realmente Otto Metz teve acentuada importância nesse início, pois, no seu trabalho, os resultados encontrados procuraram demonstrar que a impedância da 6

7 7 membrana timpânica em baixas freqüências (250 Hertz) resulta de forma preponderante da rigidez do sistema, ou seja, que a massa ativa da membrana timpância e dos ossículos exercem influência nesta freqüência, conforme observa Renata Carvalho (1997). Sabe-se hoje, certamente, por esses registros, o quão importantes foram os estudos que Metz realizou na primeira metade deste século. Todavia não se pode também deixar de, aqui, mencionar o esforço dos distantes otologistas (século XIX) que, sem dúvida, foram os primeiros a examinar a audição de forma sistemática, como escreveu Paiva de Lacerda (1976), em que pese somente a partir de 1934 é que essa linha de estudos adquiriu seu ponto de evolução significativa, quando Schuster aplicava clinicamente os conhecimentos de impedância da orelha média, através de uma ponte mecânica construída para outros fins, como nos acentua Otacílio Lopes Filho (1997). Otto Metz, com suas pesquisas, deu assim importante aperfeiçoamento à ponte de Schuster, permitindo um melhor trabalho de obtenção de dados, com precisão, da integridade funcional do conjunto membrana-ossicular. A ponte que Metz melhorou tecnologicamente, dentro dessa evolução da metodologia de medição das ondas sonoras pelo aparelho auditivo humano, e foi mais ainda depois aperfeiçoada por Zwislock que conseguiu, através de um aparelho do formato de uma seringa e tamanho reduzido, atrair a curiosidade dos audiologistas em relação ao problema, como observou Otacílio Lopes Filho (1994). Mais tarde, outro cientista, K. Terkildsen, em 1959, deu novo importante passo, como discorre ainda o ilustre professor Otacílio Lopes Filho no seu livro TRATADO DE OTORRINOLOGIA (1994): Com a construção de novos equipamentos de uso mais simples, como a ponte de TERKILDSEN e cols., a medida daquelas propriedades da orelha passou à prática clínica. 7

8 8 Os americanos J. Albert e Jerger conseguiram igualmente chamar atenção dos audiologistas de seu país com seus estudos, apoiados no que era difundido nos países escandinavos, com Zwislock e Terkildsen. O inglês N. Brooks, em 1971, procedeu trabalhos relativos à aplicação das medidas da imitância acústica em vários programas de triagem de massa. Os audiologistas foram, assim, despertados para todos esses mecanismos que iam sendo aperfeiçoados e que foram servindo ao processo de avaliação auditiva. Todavia o ponto referencial de toda essa movimentação evolutiva do sistema para aquilatar a qualidade de recepção sonora humana está, sem dúvida, no processo que Metz utilizou para obter as medidas de impedância e admitância como um bom indicador da contração reflexa acústica que hoje se conhece por pesquisa do Recrutamento objetivo de Metz.. Desde então - acentua Renata Carvallo (1997) -, existem vários trabalhos descritos na literatura empregando este procedimento de avaliação: diagnóstico diferencial das alterações de orelha média; triagem auditiva em escolares e em pré-escolares; predição de liminares auditivos em indivíduos de difícil testagem audiométrica. Renata Carvallo (1997) conclui também que, em 1974, o eminente estudioso e pesquisador Otacílio Lopes Filho, otorrinolaringologista em São Paulo, introduziu entre nós, o uso dessa medida de diagnóstico. 8

9 9 II -Imitância Acústica : terminologia e sistemática Cabe inicialmente assinalar que embora o médico americano J. Jerger (1975) tenha, em seus estudos, no início dos anos 70, descrito os termos impedância e imitância, a partir de 1986, por recomendação pela ANSI (American National Standard Institute) que propôs nomenclatura definida para especificar a transferência de energia sonora, passou-se, entre os estudiosos e pesquisadores, a ser adotado o termo imitância, como expressão genérica que engloba impedância e admitância. Iêda Russo e Teresa Santos (1993), esclarecendo o assunto, salientam que Imitância Acústica é uma expressão genérica, usada para designar tanto a admitância como a impedância acústicas. A admitância acústica expressa a facilitação por um sistema à passagem do fluxo de energia sonora. A impedância expressa a total oposição à passagem deste fluxo. Admitância e impedância acústicas são recíprocas. Um sistema que oferece alta impedância (oposição) à transferência de energia sonora, apresenta baixa admitância (facilitação acústica e vice-versa). (P.123). E ainda, nessa linha para se conceituar essa terminologia e melhor compreender a funcionalidade do sistema de transferência da onda sonora com vista à correta análise dos processos de medição, assinalamos importante observação de Renata Carvallo (1997) de que a transferência de energia ocorre quando a onda sonora alcança o meato acústico externo e uma pressão sonora é aplicada na membrana timpânica. A passagem do fluxo de energia provoca a movimentação da membrana timpânica, da orelha média e da orelha interna. Esta transferência de energia pode ser analisada, medindo-se o fluxo de energia na altura da membrana timpânica. A orelha média não é um transdutor perfeito, de modo que, somente parte da energia incidente consegue atravessar o sistema, 9

10 10 que oferece, assim, uma certa oposição à passagem do som. Essa oposição à passagem de energia (som) é expressa pela impedância acústica (Z), enquanto que a energia que efetivamente flui pelo sistema é expressa pela admitância acústica (Y). (P. 69). E, nesse caminho expositivo, Renata Carvallo (1997) prossegue de forma conclusiva: a avaliação da imitância do sistema auditivo pode ser alcançada através de procedimentos que medem a impedância ou, ao contrário, de procedimentos que medem a admitância. (P. 69). III - Medidas da Imitância Acústica : importância Iêda Russo e Teresa Santos, em seu trabalho A PRÁTICA DE AUDIOLOGIA CLÍNICA (1993), destacam três boas razões pelas quais as medidas da imitância do ouvido médio se constituem hoje num dos valiosos e inestimáveis instrumentos de avaliação do distúrbio auditivo, tornando-se indispensáveis na bateria audiológica : a objetividade com que a avaliação da função auditiva é feita, exigindo pouquíssima colaboração do paciente examinado; a aplicabilidade simples, até mesmo em crianças que quase sempre não ajudam, por exemplo, na audiometria tonal; e a rapidez, que é sem dúvida uma vantagem técnica, por exigir, assim, pouco tempo para sua realização e sendo, portanto, cômodo para o paciente. Logo, por essas facilidades é que as medidas da imitância acústica vêm sendo bastante utilizadas nas avaliações audiológicas com êxito, principalmente - como 10

11 11 destacam ainda Iêda Russo e Teresa Santos (1993) - no que se refere ao diagnóstico diferencial entre as perdas auditivas condutivas, à pesquisa do recrutamento nas perdas neurosensoriais à avaliação da função tubária em membranas timpânicas perfuradas, à pesquisa do declínio do reflexo estapediano e à detectação de problemas de ouvido médio, tanto em adultos, como em crianças. Portanto a audiologia de hoje tem nos processos de medida da imitância do ouvido médio excelente mecanismo de diagnóstico de avaliaçào da função auditiva. Por outro lado, nessa evolução, na parte de equipamentos de imitância acústica que começaram a surgir a partir da década de 80, têm surgido muitos instrumentais alternativos, como medidores de latência e amplitude do reflexo acústico e sua variabilidade seqüencial; utilização de diferentes freqüências de sonda e outros. Renata Carvallo, segundo registram Iêda Russo e Teresa Santos (1993), aplicou as medidas da imitância acústica com o uso de equipamento computadorizado em crianças de zero a oito meses de idade, visando estudar o comportamento do seu sistema tímpano-ossicular, através de provas tímpano-métricas. (P. 124). Logo todas as medidas da imitância acústica, cujo processamento passaremos a examinar a seguir, são muito importantes na contribuição do diagnóstico da função auditiva e têm recebido grande apoio de modernos instrumentais e até mesmo de computadores, como vimos. 11

12 12 IV -Medidas da Imitância Acústica: tipos É importante inicialmente, antes de analisarmos cada tipo de procedimento, dividirmos as medidas da imitância acústica em: timpanometria, a complacência estática e o reflexo do músculo do estribo, sendo a primeira e a terceira consideradas medidas dinâmicas e a complacência estática a mais simples em termos de teste. Veremos isto de forma específica. Timpanometria A timpanometria é o método utilizado para a avaliação da membrana timpânica e o funcionamento do ouvido médio. Este é feito medindo-se a capacidade da membrana em refletir um som introduzido no meato acústico externo. Esta introdução é feita no meato acústico externo, por uma oliva de látex e um alto-falante localizado na sonda. A intensidade tonal é monitorada por microfone adaptado na mesma sonda. A partir daí, a pressão faz variar a pressão de ar no meato acústico externo. Isto de forma que a membrana timpânica acaba sendo submetida a vários graus de compressão que alternam sua mobilidade. Essas alterações, na mobilidade da membrana timpânica, permitem variação na absorção do tom introduzido. E isto nos dá um indicativo da quantidade de energia sonora que transpõe a membrana timpânica para atingir a orelha média. 12

13 13 Num gráfico, ao qual se denomina timpanograma, tem-se a indicação do grau da mobilidade ou da complacência do sistema do ouvido médio e também as devidas classificações dos diferentes tipos timpanogrâmicos. Por esse caminho é que a admitância é calculada. Renata Carvallo (1997) explica conclusivamente que como o nível de pressão sonora do tom dentro do meato acústico externo varia em função da mobilidade do sistema tímpano-ossicular, é possível o registro dessas variações de mobilidade em função da pressão. O registro gráfico é feito no sentido horizontal (eixo do X) em função da variação de pressão e, no sentido vertical (eixo do Y) em função da mobilidade ou da admitância (Y) do conjunto tímpano-ossicular. Aqui não se poderia deixar de alinhar as diferentes formas da curva timpanométrica que, segundo Jerger, são cinco, a saber, como descrito no livro AUDIÇÃO ABORDAGENS ATUAIS (1997), organizado por Ida Lichig e Renata Carvallo : Tipo A = Caracterizada por um pico máximo ao redor de 0 (zero) decapascal de pressão e foi encontrada em indivíduos normais ou em portadores de otosclerose e encontrado em pacientes com membranas timpânicas intactas, móveis com função normal da tuba de Eustáquio. Y ml 0 dapa 13

14 14 Tipo B = Não existe aquele pico de máxima complacência e a curva se mostra inalterável, mesmo que as variações de pressão no meato acústico externo sejam grandes. Foram encontradas em pacientes portadores de otite média secretora e encontrada em casos de presença de líquido no espaço da orelha média. Y ml 0 dapa Tipo C = Curva com pico de admitância deslocado para pressão negativa, compatível com disfunção da tuba auditiva. Y ml 0 dapa 14

15 15 Tipo AR ou AS = Curva de rigidez, mostra-se achatada, porém seu perfil é semelhante ao da curva A. Foi encontrada em pacientes com otosclerose, timpanosclerose ou com membranas timpânicas espessas. Y ml 0 dapa Tipo Ad = Revela uma complacência extremamente grande. Esta curva não possui o ponto de máxima complacência, pois seus dois ramos ultrapassam o ponto zero do gráfico. Foi encontrada em pacientes com interrupção da cadeia ossicular ou com membranas timpânicas muito flácidas. Y ml 0 dapa 15

16 16 A esse grupo de formas da curva timpanométrica, acrescente-se um sexto tipo, admitido pela pesquisadora Renata Carvallo, que é Tipo D = curva com duplo pico de admitância. Y ml 0 dapa Gradiente Timpanométrico Ainda dentro desse método de avaliação da membrana, mencione-se o gradiente timpanométrico, que tem por objetivo obter informações diagnósticas adicionais sobre o timpanograma. E o que o define é uma mudança no valor da imitância do pico em relação aos valores de imitância que se obtém no intervalo de 50daPa, em cada lado do pico. Ele é utilizado com a finalidade complementar de melhor avaliação do meato acústico externo e ainda pressão para o pico da admitância e da admitância estática igualmente. 16

17 17 Renata Carvallo (1997) diz que analisar a forma da curva timpanométrica nem sempre é tarefa fácil, principalmente nos casos limítrofes entre a curva plana e curva com pico e a presença de pico arredondado também dificulta a interpretação timpanométrica. (P.75). Portanto através do gradiente, isto é, da razão decorrente da distância entre o pico timpanométrico e a linha básica horizontal e a altura do timpanograma, é que se pode ter uma forma de uma melhor descrição quantitativa do timpanograma na região ligada ao pico, chamado no gráfico de o G. É ainda Renata Carvallo (1977) quem registra que os estudiosos Brooks (1969); Paradise, Smith, Bluestone (1976); Koebsell & Margolis (1986) encontraram no gradiente timpanométrico tal meio de obtenção da descrição quantitativa da forma do timpanograma na região vizinha ao pico. Logo é recente a sua valorização, o que leva James Hael e David Chandler (1999), a registrar que finalmente, o gradiente recebeu interesse renovado como parâmetro timpanométrico clinicamente útil. (P.284). Nesse processo do cálculo do gradiente, o chamado gradiente relativo é determinado pela divisão de G ( altura do timpanograma desde o pico até a linha horizontal traçada entre pontos de intersecção no timpanograma, localizados a +/-50daPa do pico) por C ( a admitância total medida desde a base até o pico timpanométrico). 17

18 18 Os equipamentos de hoje já fazem esta medida automaticamente, calculando o G como sendo a média dos valores de admitância entre +/-50daPa distância do pico. Veja-se no gráfico: tm Y G C dapa Saliente-se que o gradiente varia de 0,0 a 1,0 e valores iguais ou acima de 0,2 indicam haver timpanograma normal. Quanto menor é o gradiente, mais achatado é o timpanograma. Em geral, ocorrem quando a 0.M. está completamente ou quase preenchido por líquido. O cálculo do gradiente assim é determinado pela divisão da altura do timpanograma de pico por uma linha horizontal com pontos de interseção no timpanograma, em intervalo de 100daPa, pela complacência medida da base do timpanograma pelo pico de complacência. 18

19 19 Complacência estática Esta expressão complacência estática é igualmente conhecida por impedância acústica, pois historicamente já foi até mesmo chamada de teste de impedância acústica estática. É usada exatamente em contraste com a da medida de complacência dinâmica, exemplificada pela timpanometria - como registra Otacílio Lopes Filho ( e pesquisa do reflexo do músculo do estribo. Por meio da ponte eletroacústica, ela é medida no ponto de máxima complacência do timpanograma, pois os fatores de complacência que são massa, rigidez e resistência, facilitam ou impedem o movimento do sistema do ouvido médio. No caso de uma orelha normal, tal ponto será encontrado próximo da pressão zero dapa, podendo ser negativo ligeiramente. A complacência estática é, assim como se vê, o inverso da resistência do ouvido médio. E os mencionados fatores que participam na impedância, isto é, rigidez, fricção e massa, afetam conjuntamente as características de transmissão de energia do ouvido médio. José Antônio e Taciana Oliveira, expondo no trabalho AVALIAÇÃO DA AUDIÇÃO (1994), observam que como o tom de baixa freqüência (220 HZ) da sonda mede a rigidez, a complacência, que é o inverso da rigidez, é o parâmetro medido pelo impedanciômetro. Tal medida, segundo ainda José Antônio e Taciana Oliveira, não é muito valorizada pelos pesquisadores na bateria de impedância, deixando de aplicá-la na rotina. 19

20 20 Todavia a medida da complacência pode também ser utilizada para detectar, por exemplo, uma pequena perfuração ou até a permeabilidade de um tubo de ventilação, isto porque a complacência estática é uma medida necessária de mobilidade do ouvido médio e revela rigidez ou flacidez do sistema do ouvido médio. Finalmente cabe observar que a medida da complacência estática é susceptível de variação em decorrência da idade, do sexo e do tipo de doença do paciente, levando-a a fornecer dados corroborativos, desde que não seja isoladamente aplicada. Por esta razão é que Iêda Russo e Teresa Momensohn (1993) sacramentam que a complacência estática requer um suporte de outras medidas imitânciométricas, antes que sua contribuição diagnóstica passa ser apreciada. (P.136). Reflexo Muscular Acústico da Orelha Média A alteração da imitância acústica do ouvido médio é a contração do músculo estapédio. Este músculo, o menor do corpo humano e se liga à porção posterior da cabeça do estribo, se contrairá em resposta a um sinal acústico de suficiente intensidade e duração. Isto é denominado reflexo acústico. A pesquisa dos reflexos acústicos estapedianos, assim, possibilita-nos uma boa estimativa da integridade global das vias auditivas. Por outro lado, além disso, enseja-nos também ter dados que possam complementar as informações que se obtêm da timpanometria. Renata Carvallo (1997) salienta que a presença de reflexos é esperada em 20

21 21 todos os casos de audição normal sem patologia da orelha média. A presença de patologia de orelha impede a captação dos reflexos acústicos, assim como uma perda auditiva pode limitar o desencadeamento destes reflexos. O efeito da contração voluntária do conjunto da musculatura timpânica sobre a audição foi descrito por N. Reger (1960), quando da ação do reflexo acústico. Os resultados indicavam presença significativa de mudanças nos limiares, em freqüências graves em razão da contração reflexa. Assim o teste do reflexo muscular acústico, na bateria de imitância, informa o nível de limiar, onde ocorre a contração muscular do estribo. O audiologista informado pode alcançar informações consideráveis do diagnóstico através da sutileza da interpretação do reflexo acústico, definem Jerry Northerm e Marion Downs (1989). É de se salientar, conforme registrou o otorrinolaringologista Hélio Hungria (1987), que quando o reflexo estapédico se evidencia com intensidade sonora menor que 60 db acima do limiar, estamos na presença do recrutamento de Metz. Isto quer dizer que quando é achada uma diferença entre o limiar tonal e o nível do reflexo estapediano e tal diferença é inferior a 60 db, há indicação da presença do recrutamento, que é um fenômeno paradóxico com base na capacidade de alguns ouvidos hipoacústicos em não detectarem o som em intensidades normais. Denes e Naunton têm uma outra definição que Gonzalo de Sebastian reproduz em sua obra AUDIOLOGIA PRÁTICA (1996): Haverá recrutamento quando a sensibilidade de um ouvido é subnormal a baixas intensidades sendo normal, contudo, a intensidades elevadas. (Cf.) 21

22 22 Portanto a pesquisa, para a medida do reflexo ipsilateral (ou reflexo do músculo do estribo), do recrutamento objetivo de Metz, traz várias vantagens no procedimento do diagnóstico. E vale ainda concluir que os tratadistas consideram que a interpretação do reflexo do músculo do estapédico é, sem dúvida, uma das mais importantes técnicas de diagnóstico em audiologia clínica. Jerry Northern e Sandra Gabbard, colaboradores no livro TRATADO DE AUDIOLOGIA CLÍNICA, de Jack Katz ( Ed. Manole, 1999) frisam que desde a publicação da monografia clássica de Metz (1946), os andilogistas têm observado o imenso valor diagnóstico deste simples reflexo fisiológico. (P.298). Reflexo Ipsilateral Essa medição é também chamada de reflexo do músculo do estribo, onde se podem utilizar métodos tradicionais. Através da imitanciometria, tal reflexo do músculo do estribo tem possibilitado avaliar pacientes que possuem alguma lesão da orelha média ou ainda lesões sensorioneurais cocleares ou retrococleares. Por essa medição ainda, por meio de aparelhos modernos, é possível obter o reflexo na mesma orelha em que o tom puro é apresentado, sem a utilização da orelha e das vias auditivas do lado oposto. Por esse motivo é que essa obtenção do reflexo é denominada ipsilateral. Todavia, quando se emprega uma orelha aferente (posição do fone) e outra orelha eferente (posição da sonda) do lado oposto como meio indicador, a obtenção é chamada contralateral. 22

23 23 Assim, para alguns, essa medida melhor tem por denominação reflexo do músculo do estribo. Os estudiosos, de modo geral, vêm vantagens e desvantagens nesse tipo de medida. Otacílio Lopes Filho (1997), por exemplo, indica, por limitação desse tipo de medida, a existência de artefatos, que podem nos levar a interpretações errôneas. E, por vantagens, dentre outras, Otacílio Lopes Filho destaca, desde que consideradas as limitações, que o reflexo ipsilateral é de utilidade quando empregamos em conjunto com o contralateral. V -Aplicação Clínica dos Processos de Medida Acústica Na seqüência deste estudo dos processos de medidas da imitância acústica, não poderíamos deixar de fazer menção sobre a aplicabilidade clínica dessas medidas avaliatórias. Os autores modernos falam da extrema importância dessa aplicação clínica. Dentre esses Fred Bess e Larry Humes (1998) chegam a evidenciar que a natureza da deficiência auditiva depende de fatores como a severidade da perda auditiva, a idade do início ou da instalação, a causa da perda e a localização da lesão no sistema auditivo (p.109), para, em seguida, concluírem que a avaliação da audição tem um papel importante na determinação de alguns desses fatores. (P.109). 23

24 24 É evidente, assim, que está na aplicação clínica a resultante da utilização objetiva dos diferentes processos da imitância acústica. Cremos que Iêda Russo (1993) e Otacílio Lopes (1997), entre nós, foram os que, de modo objetivo e claro, melhor examinaram as principais aplicações clínicas das medidas da imitância acústica nos diversos diagnósticos otológicos. E de forma sintética, procuramos alinhar uma seqüência dessas principais aplicações clínicas, para melhor enfeixamento do presente trabalho, no que tange ao fim próprio da metodologia otológica: o diagnóstico diferencial entre as perdas auditivas de condução é obtido, com boas possibilidades, por meio dos dados que a timpanometria fornece, principalmente entre a otosclerose, a otite média crônica secretória e ainda a interrupção da cadeia ossicular. Já a avaliação quantitativa da função tubária, pela medida da imitância temse importante verificação em caso de membranas timpânicas perfuradas para fins de cirurgia funcional do ouvido médio, com boas possibilidades de prognósticos de resultados. Para a pesquisa do recrutamento de Metz, onde os procedimentos impedanciométricos avaliatórios são aplicáveis recomendadamente a crianças pequenas e pessoas idosas, ao ser encontrada uma diferença entre os limiares tonais e os níveis mínimos do reflexo estapediano, tem-se, aí, forte indicação da presença desse fenômeno que se denominou recrutamento de Metz. Nessa aplicação clínica, Otacílio Lopes (1977) destaca que a pesquisa do fenômeno do recrutamento pela impedanciometria oferece várias vantagens (...) é objetiva, não necessitando da colaboração do paciente; é aplicável tanto a casos de deficiências auditivas unilaterais como em bilaterais simétricas; em deficiências auditivas bilaterais assimétricas (...). (P.183). 24

25 25 Igualmente na pesquisa do declínio do reflexo estapediano, chamado de tone decay que, uma vez identificado, traduzirá uma lesão retrococlear. Aí, também, nessa investigação clínica a impedanciometria oferta ótima possibilidade exploratória. O reflexo estapediano contrateral, por sua vez, é meio importante para se diagnosticar lesões cerebrais, topodiagnosticar paralisias faciais periféricas, enfim tudo que se circunscreve no denominado diagnóstico otoneurológico. Nos casos da chamada surdez psicogênica, Otacílio Lopes (1997), ressalta que o achado de respostas para o reflexo do músculo do estribo dentro dos limites normais (num paciente com deficiência auditiva severa) seria indicativo de que o paciente simula ou apresenta uma surdez psicogênica. (P.187). Também com base na diferença do nível mínimo de reflexo estapediano é possível se ter uma predição do limiar auditivo em perdas auditivas neuro-sensoriais. Iêda Russo e Teresa Momenshn (1993) lembram que esse procedimento clínico foi descrito por Jerger e colaboradores em 1974 (...) e a base do fenômeno parece ser a modificação na largura da faixa crítica para a somação de volume no ouvido com perda neuro-sensorial. (P.149). Nos bebês e crianças pequenas, tanto a timpanometria como a pesquisa do reflexo estapediano têm sido aplicadas clinicamente com o objetivo de avaliar a emergência e o desenvolvimento do reflexo do neonato até seu primeiro ano de vida. Finalmente, pode-se destacar a utilização clínica dos processos de medidas da imitância acústica na triagem imitanciométrica, cujo propósito é estabelecer diferença entre indivíduos normais e anormais dentro de um certo grupo. A triagem - esclarecem Iêda Russo e Teresa Momenshn - não define o tipo de problema nem a severidade do mesmo, mas identifica o indivíduo que necessita de investigação mais profunda. (P.153). 25

26 26 Assim, nessa síntese, vê-se bem, cremos, a importância da aplicação clínica das medidas da imitância acústica como forte auxílio ao diagnóstico otológico. E destacamos por fim a seguinte observação conclusiva que as estudiosas Iêda Russo e Teresa Momensohn fazem no seu trabalho A PRÁTICA DA AUDIOLOGIA CLÍNICA (Cortez, 1993): Com a diversificação dos equipamentos utilizados na análise da imitância do ouvido médio, graças aos avanços na área dos sistemas de microprocessamento que, rapidamente analisam a amplitude e a fase dos sinais refletidos de acordo com as características do sistema tímpano-ossicular, é indispensável a continuidade das pesquisas neste assunto, no sentido de padronizar as respostas de latência e amplitude do reflexo acústico, bem como a variedade de timpanogramas obtidos com diferentes freqüências de sonda, a fim de que estas medidas possam continuar a dar sua enorme contribuição para o diagnóstico otológico-audiológico em nosso meio. ( P. 154 ) 26

27 27 Considerações Finais No exame da evolução dos estudos da verificação dos processos de medidas da imitância acústica, pôde-se notar um desenvolvimento, calcado em experiências e pesquisas feitas e realizadas concomitantemente em diferentes países, Dinamarca, Estados Unidos, Inglaterra e outros. A geração de estudiosos da segunda metade deste século XX (Zwislocki, Terkilsen, Brookx, Otacílio Lopes Filho e outros), aprimorando estudos feitos principalmente por Schuster e Metz, praticamente é responsável pelo quadro resultante da linha das medidas dinâmicas e estáticas de que se utilizam os fonoaudiólogos e otorrinolaringologistas de hoje. Graças a essas pesquisas e estudos é que os procedimentos avaliativos da imitância acústica se constituem em valiosíssimos meios de verificação da qualidade da condição auditiva e, em conseqüência, do diagnóstico de possíveis lesões nos mais diferentes pacientes. Isto no campo da identificação de alterações no sistema tímpanoossicular, na avaliação global das vias auditivas e ainda na altura do tronco cerebral. Cada procedimento de medida, como se viu, possui vantagens e alguns com certas desvantagens, mas o avanço nessas metodologias é de considerável valor, até porque o desenvolvimento de equipamentos de imitância acústica tem possibilitado também aos profissionais da área da audição desenvolver excelente trabalho nos consultórios, nas escolas e nas fábricas. Os diferentes processos de medidas da imitância acústica, como foi observado, dão por resultante valiosos subsídios a que se tenha um diagnóstico eficaz e preciso no atendimento audiológico. E essas medidas vêm sendo, como registram os 27

28 28 estudiosos, largamente empregadas de forma rotineira. E sabe mesmo a sociedade científica especializada que, quanto mais se divulgam estudos a respeito das medidas da imitância acústica e quanto mais se desenvolvem tecnologicamente equipamentos para processá-las, melhor será a qualidade dos serviços que a audiologia poderá prestar. Michael Block e Terry Wiley, na já citada obra coordenada por Jack Katz (1999) já desenham melhor futuro ainda das aplicações das medidas da imitância acústica, ante o desenvolvimento tecnológico: pode-se dizer que a próxima geração de equipamentos clínicos será digital ao invés de analógica. As informações serão armazenadas numa memória de computador ao invés de serem copiadas num protocolo impresso. Uma vez os dados estando disposto de forma digital, uma variada série de transformações matemáticas podem ser realizadas. Os dados podem ser associados com sistema de recuperação de informação para aumentar as possibilidades de análise e interpretação. (...). O sistema de imitância acústica, do audiômetro e até mesmo de análise de prótese auditiva podem todos ser parte de um sistema de informações audiológicas baseado em micro-processamento inserido como uma estação dentro de uma rede de computadores. Desta forma, as medidas de imitância acústica e os dados colhidos durante uma avaliação audiológica poderão ser comparados entre as clínicas de maneira bem abrangentes. (P.279). Logo, cremos, estamos muito próximos de realizar com o sistema das medidas da imitância acústica procedimentos diagnosticais mais preciosos, revelando mudanças de padrões de ressonância que possibilitam, por exemplo, identificar diferencial entre alterações de orelha média numa forma comparativa obtida apenas com uma só freqüência. E, assim, as avaliações audiológicas e seus testes, em muito evoluíram, como vimos no corpo deste trabalho. Os procedimentos como as medidas da imitância acústica e seus diagnósticos decorrentes se tornaram valiosos para identificação de lesões auditivas 28

29 29 periféricas, sendo, sem sombra de dúvida, importantíssimos na aplicação clínica, como também tivemos ensejo de observar, e com eles a audiologia tem seguido e continuará melhor ainda seguindo, através do desenvolvimento tecnológico dos equipamentos, auxiliando em muito o trabalho dos fonoaudiolos e otorrinolaringologista 29

30 30 Referências bibliográficas: COSTA, Sady. CRUZ, Oswaldo. OLIVEIRA, José. OTORRINOLARINGOLOGISTA. Porto Alegre, Artes Médicas, FILHO, Otacílio. TRATADO DE FONOAUDIOLOGIA. São Paulo, Roca, HUNGRIA, Hélio. OTORRINOLARINGOLOGISTA. Rio de Janeiro, Guanabara, 1984, 5ª edição. LAFON, Jean. A DEFICIÊNCIA AUDITIVA NA CRIANÇA. São Paulo, Manole Limitada, LICHTIG, Ida. CARVALLO, Renata (organizadoras). AUDIÇÃO ABORDAGENS ATUAIS. São Paulo, Pró-Fono, NORTHERN, Jerry L., DOWNS, Marion P. AUDIÇÃO EM CRIANÇAS, São Paulo, Editora Manole, 1989, 3ª edição. RUSSO Iêda. SANTOS, Teresa. A PRÁTICA DA AUDIOLOGIA CLÍNICA. Cortez, São Paulo, 1993, 4ª edição. SEBASTIAN, Gonzalo. AUDIOLOGIA PRÁTICA. Enelivros, Rio de Janeiro, 1996, 3ª edição. RUSSO, Iêda C. Pacheco. SANTOS, Teresa M. Momensohn. AUDIOLOGIA INFANTIL, São Paulo, 1996, 4ª edição KATZ, Jack e Cols. TRATADO DE AUDIOLOGIA CLÍNICA, Manole, São Paulo, 1999, 1ª edição brasileira. KATZ, Jack TRATADO DE AUDIOLOGIA, Manole, São Paulo, 1989, 3ª edição 30

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Guias SP/SADT Protocolo Conduta Indicação Clinica Perda Auditiva Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

Leia mais

PERFIL AUDIOLÓGICO EM CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE SETE A DEZ ANOS DA ESCOLA VISCONDE DE MAUÁ ATENDIDAS NA UNIDADE DE SAÚDE DO SESI- DR/AMAPÁ EM 2009.

PERFIL AUDIOLÓGICO EM CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE SETE A DEZ ANOS DA ESCOLA VISCONDE DE MAUÁ ATENDIDAS NA UNIDADE DE SAÚDE DO SESI- DR/AMAPÁ EM 2009. PERFIL AUDIOLÓGICO EM CRIANÇAS NA FAIXA ETÁRIA DE SETE A DEZ ANOS DA ESCOLA VISCONDE DE MAUÁ ATENDIDAS NA UNIDADE DE SAÚDE DO SESI- DR/AMAPÁ EM 2009. INTRODUÇÃO RODRIGO LIMA COIMBRA¹ SHEILA CRISTINA CUNHA

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006 OUVIDO: SENTIDO DA AUDIÇÃO E DO EQUILÍBRIO SUMÁRIO Sobre a Bio Aulas... 03

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO.

AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO. AVALIAÇÃO AUDITIVA DE BOLSISTAS VINCULADOS A UM PROJETO EXTENSIONISTA SOBRE SAÚDE AUDITIVA DESENVOLVIDO NA CIDADE DE MACAÉ, RIO DE JANEIRO. VIVIAN DE OLIVEIRA SOUSA 1 IZABELLA MENDES NOGUEIRA1 ARIADNE

Leia mais

Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora Elevados

Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora Elevados MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA 3214 - NR 7 - ANEXO I - QUADRO II Diretrizes e Parâmetros Mínimos para Avaliação e Acompanhamento da Audição em Trabalhadores Expostos a Níveis de Pressão Sonora

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES

A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES A IMPORTÂNCIA DO LAUDO AUDIOLÓGICO NA SAÚDE DO TRABALHADOR FGA DRA MARCIA MENDES LAUDO AUDIOLÓGICO LAUDO: peça escrita fundamentada, onde os peritos expõem suas observações.. PARECER: opinião fundamentada

Leia mais

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Karoline Sturion Ciniello

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ. Karoline Sturion Ciniello UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Karoline Sturion Ciniello A IMPORTÂNCIA DE INCORPORAR TESTES DE PROCESSAMENTO AUDITIVO NA AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA DE CRIANÇAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. CURITIBA 2010

Leia mais

Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico / Neuro-Audio. Fga. Mara Rosana Araújo mara@neurosoftbrasil.com.br

Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico / Neuro-Audio. Fga. Mara Rosana Araújo mara@neurosoftbrasil.com.br Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico / Neuro-Audio Fga. Mara Rosana Araújo mara@neurosoftbrasil.com.br Atividade bioelétrica provocada por uma estimulação auditiva. Os potenciais evocados auditivos

Leia mais

Ana Paula Bruner Novembro 2012

Ana Paula Bruner Novembro 2012 Ana Paula Bruner Novembro 2012 Laudo Audiológico Grau de Perda Auditiva Baseado na média aritmética entre os limiares tonais das frequências de 500, 0 e 2000 Hz em cada orelha. Laudo Audiológico Grau de

Leia mais

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição

Ouvir melhor é viver melhor. Descobrindo sua audição Ouvir melhor é viver melhor Descobrindo sua audição O mundo o está chamando A capacidade de ouvir é uma parte tão importante da nossa vida e a maioria das pessoas nem se dá conta disso. Ouvir é um dom,

Leia mais

Tabela 1. Fatores de Risco para Perda Neurossensorial (Bailey)

Tabela 1. Fatores de Risco para Perda Neurossensorial (Bailey) Triagem Auditiva A deficiência auditiva permanente, de acordo com o Consenso Europeu em Triagem Auditiva Neonatal (DAP), é definida quando a média dos limiares auditivos obtidos nas freqüências 500, 1000

Leia mais

PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR

PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR PARECER TÉCNICO Nº 16/GEAS/GGRAS/DIPRO/2016 COBERTURA: IMPLANTE COCLEAR Nos termos do art. 4º, inciso III, da Lei nº 9.961, de 2000, compete à Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS elaborar o Rol de

Leia mais

Estudo do perfil audiológico de pacientes com idade acima de 60 anos

Estudo do perfil audiológico de pacientes com idade acima de 60 anos Estudo do perfil audiológico de idade acima de 60 anos Ana Paula Krempel Jurca 1 Fernanda Carla Chagas Pinheiro 1 Karina de Castro Martins 1 Lilian Francisca Herrera 1 Luciane Marins Colleone Sandra de

Leia mais

PORTARIA N.º 19, DE 09 DE ABRIL DE 1998

PORTARIA N.º 19, DE 09 DE ABRIL DE 1998 PORTARIA N.º 19, DE 09 DE ABRIL DE 1998 O Secretário de Segurança e Saúde no Trabalho, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto no artigo 168 da Consolidação das Leis do Trabalho, o disposto

Leia mais

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS Profª. Ms. * Introdução A deficiência auditiva traz algumas limitações para o desenvolvimento do indivíduo, uma vez que a audição é essencial para a aquisição da língua oral.

Leia mais

TRIAGEM AUDITIVA EM CRIANÇAS NAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES

TRIAGEM AUDITIVA EM CRIANÇAS NAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA AUDIOLOGIA CLÍNICA TRIAGEM AUDITIVA EM CRIANÇAS NAS ESCOLAS PÚBLICAS E PARTICULARES LÚCIA DE OLIVEIRA DA FONSECA RODRIGUES RIO DE JANEIRO 1999 1

Leia mais

Página 1 de 5 Sequência Didática As ondas sonoras e suas propriedades físicas Utilizando elementos cotidianos e instrumentos musicais, explique à classe os conceitos físicos do som e os limites saudáveis

Leia mais

FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO

FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO Profa. Geanne Matos de Andrade Depto de Fisiologia e Farmacologia AUDIÇÃO Modalidade sensorial que permite aos animais eaohomenpercebersons Som é a pertubação vibratória do ambiente

Leia mais

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo.

Audição. Audição. Audição e equilíbrio. Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Sistema auditivo Audição Audição Audição e equilíbrio Capta e direcciona as ondas sonoras para o canal auditivo externo. Possui glândulas sebáceas e glândulas sudoríparas apócrinas modificadas glândulas

Leia mais

TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL OPCIONAL: RESULTADOS DE UMA MATERNIDADE EM MARINGÁ-PR

TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL OPCIONAL: RESULTADOS DE UMA MATERNIDADE EM MARINGÁ-PR TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL OPCIONAL: RESULTADOS DE UMA MATERNIDADE EM MARINGÁ-PR Autores: Ana Angelica Melo do Nascimento Fonoaudióloga,especialista em audiologia clínica. Título obtido pela Especialização

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET):

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET): EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS É a energia mecânica produzida vibração de células ciliadas externas na cóclea que voltará de forma reversa pela orelha média e será captada no condutivo auditivo externo.

Leia mais

Aaplicação clínica da imitância acústica tem

Aaplicação clínica da imitância acústica tem Ciências, Humanidades e Letras Reflexo estapediano: uma análise comparativa entre os níveis obtidos com e sem vedação hermética do conduto auditivo externo Resumo Ana Augusta Cordeiro (UNICAP) Kátia Albuquerque

Leia mais

Audiologia. SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari

Audiologia. SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari Sessão de pacientes internos Motricidade oral e disfagia (pacientes internados no HU) A

Leia mais

Medidas de imitância acústica de banda larga em crianças com perda auditiva sensorial severa e profunda e diferentes achados timpanométricos

Medidas de imitância acústica de banda larga em crianças com perda auditiva sensorial severa e profunda e diferentes achados timpanométricos Medidas de imitância acústica de banda larga em crianças com perda auditiva sensorial severa e profunda e diferentes achados timpanométricos Introdução: A avaliação da integridade do sistema tímpano-ossicular

Leia mais

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PRÓTESE AUDITIVA BINAURAL NA CIDADE DE TERESINA

ESTUDO DA PREVALÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PRÓTESE AUDITIVA BINAURAL NA CIDADE DE TERESINA ESTUDO DA PREVALÊNCIA DA INDICAÇÃO DE PRÓTESE AUDITIVA BINAURAL NA CIDADE DE TERESINA INTRODUÇÃO Aline de Miranda Santos Graduanda em Fonoaudiologia - NOVAFAPI Mirian da Silva Rios Graduando em Fonoaudiologia

Leia mais

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA INTRODUÇÃO À ACÚSTICA 1. Introdução As sociedades industriais com o seu desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento dos níveis de ruído, sendo um dos principais factores de risco para a

Leia mais

ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br

ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br 4a. Conferência Latino Americana de Adaptação Pediátrica ESPECTRO DA NEUROPATIA AUDITIVA Profa. Dra. Doris R. Lewis dorislewis@pucsp.br drlewis@uol.com.br São Paulo 21 de Agosto de 2015 Definições Distúrbios

Leia mais

PROJETO DE LEI N /2007

PROJETO DE LEI N /2007 PROJETO DE LEI N /2007 O Congresso Nacional decreta: Art. 1 Fica instituído o Programa de Saúde Auditiva P.S.A., de caráter permanente, com o objetivo de promover ações de prevenção, promoção e desenvolvimento

Leia mais

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS

PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR RUÍDO (PAIR). CID 10 (H 83.3) 1 CARACTERÍTICAS GERAIS As doenças otorrinolaringológicas relacionadas ao trabalho são causadas por agentes ou mecanismos irritativos, alérgicos

Leia mais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Palavras Chave: Audiometria, limiar auditivo, criança. Introdução: Além do exame audiométrico convencional, que testa as freqüências

Leia mais

PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE

PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.278, DE 20 DE OUTUBRO DE 1999 DO 202, de 21/10/99 O Ministro de Estado da Saúde, interino, no uso de suas atribuições legais e, Considerando a importância

Leia mais

3 Estetoscópios. 3.1. Contextualização Histórica.

3 Estetoscópios. 3.1. Contextualização Histórica. . 3 Estetoscópios. 3.1. Contextualização Histórica. No fim do século XVIII o exame físico foi melhorado com a introdução da auscultação direta do tórax introduzido pelo médico austríaco Leopold Auenbrugger

Leia mais

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA GRUPO 5.2 MÓDULO 6 Índice 1. Crianças com Deficiência Auditiva...3 1.1. Os Ouvidos... 3 1.2. Mecanismo da Audição... 3 2. Saúde Auditiva...4 3. Definição de Deficiência Auditiva...5 3.1. Classificação...

Leia mais

MÉTODO PARA REALIZAÇÃO DE REVISÃO DA PRODUÇAO ACADÊMICA NO BRASIL: BANCO DE TESE DA CAPES 1

MÉTODO PARA REALIZAÇÃO DE REVISÃO DA PRODUÇAO ACADÊMICA NO BRASIL: BANCO DE TESE DA CAPES 1 MÉTODO PARA REALIZAÇÃO DE REVISÃO DA PRODUÇAO ACADÊMICA NO BRASIL: BANCO DE TESE DA CAPES 1 André Luiz Borges Milhomem Mestre em Educação UNEMAT andre80@unemat.br Heloisa Salles Gentil Profª Drª do Programa

Leia mais

Introdução da Comunicação Alternativa em adulto com Deficiência Múltipla: estudo de caso

Introdução da Comunicação Alternativa em adulto com Deficiência Múltipla: estudo de caso Introdução da Comunicação Alternativa em adulto com Deficiência Múltipla: estudo de caso Olívia Silva e Silva Fonoaudióloga Dayanne Rezende Heitor de Queiroz Terapeuta Ocupacional Resumo O presente artigo

Leia mais

POTENCIAIS EVOCADOS AUDITIVOS DE TRONCO ENCEFÁLICO PEATE

POTENCIAIS EVOCADOS AUDITIVOS DE TRONCO ENCEFÁLICO PEATE POTENCIAIS EVOCADOS AUDITIVOS DE TRONCO ENCEFÁLICO PEATE Os Potenciais Evocados Auditivos (PEA) são extraídos computadorizadamente da atividade biolétrica a partir da superfície do couro cabeludo e dos

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá

Universidade Estadual de Maringá Universidade Estadual de Maringá SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ REFERENTE AOS EDITAIS 003/2009, 004/2009 e 005/2009 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES

Leia mais

VISÃO GERAL DAS SOLUÇÕES

VISÃO GERAL DAS SOLUÇÕES VIDEO OTOSCOPIA EOA NOAH AUDIOMETRIA R E L AT Ó R I O A C O N S E L H A M E N T O EMR READY IMITANCIOMETRIA H IT P M M VISÃO GERAL DAS SOLUÇÕES www.otometrics.com.br AVALIAÇÃO AUDITIVA AVALIAÇÃO AUDITIVA

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL EM MATERNIDADE NA CIDADE DE BARBALHA-CE

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL EM MATERNIDADE NA CIDADE DE BARBALHA-CE PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL EM MATERNIDADE NA CIDADE DE BARBALHA-CE Séfora Batista Almeida¹; Maria Auxiliadora Ferreira Brito² ¹Estudante do Curso de Medicina da Faculdade de Medicina

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O)

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Objetivos da Aula Saber Reconhecer: Características do som e do ruído ocupacional Noções de fisiologia auditiva e de audiometria clínicas Tipos de

Leia mais

ESTUDO DA PERDA AUDITIVA EM CRIANÇAS DE ZERO A 14 ANOS ATENDIDAS EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

ESTUDO DA PERDA AUDITIVA EM CRIANÇAS DE ZERO A 14 ANOS ATENDIDAS EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE SAÚDE COMUNITÁRIA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA ESTUDO DA PERDA AUDITIVA EM CRIANÇAS DE ZERO A 14 ANOS ATENDIDAS EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

Leia mais

AMBIENTE ACÚSTICO EM CABINA/SALA DE TESTE

AMBIENTE ACÚSTICO EM CABINA/SALA DE TESTE AMBIENTE ACÚSTICO EM CABINA/SALA DE TESTE Orientações dos Conselhos de Fonoaudiologia para o ambiente acústico na realização de testes audiológicos MARÇO 2010 Ambiente Acústico em Cabina/Sala de Teste

Leia mais

PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004

PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004 PORTARIA Nº 589, DE 08 DE OUTUBRO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria GM nº 2.073, de 28 de setembro de 2004, que institui a Política Nacional de

Leia mais

PERFIL AUDITIVO DOS SUJEITOS ATENDIDOS EM UM PROJETO DE EXTENSÃO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY

PERFIL AUDITIVO DOS SUJEITOS ATENDIDOS EM UM PROJETO DE EXTENSÃO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY PERFIL AUDITIVO DOS SUJEITOS ATENDIDOS EM UM PROJETO DE EXTENSÃO NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO LAURO WANDERLEY FERNANDES, Alexandre Dantas 1 CAVALCANTI, Hannalice Gottschalck 2 ANDRADE, Wagner Teobaldo Lopes

Leia mais

TEMA: Intervenção cirúrgica para tratamento de otosclerose coclear

TEMA: Intervenção cirúrgica para tratamento de otosclerose coclear NTRR 79/2014 Solicitante: Juiz Dr Eduardo Soares de Araújo Comarca de Andradas Número do processo: 0019642-3.2014.8.13.0026 Réu: Estado de Minas Data: 03/05/2014 Medicamento Material Procedimento x Cobertura

Leia mais

Sistema Vestíbulo-Coclear. Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP

Sistema Vestíbulo-Coclear. Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP Sistema Vestíbulo-Coclear Matheus Lordelo Camila Paula Graduandos em Medicina pela EBMSP Salvador BA 27 de março de 2012 Componentes Orelha Externa Pavilhão Auditivo Meato Acústico Externo até a membrana

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído Anatomia do Ouvido O ouvido consiste em três partes básicas o ouvido externo, o ouvido médio, e ouvido interno. Perda da audição, por lesão do ouvido interno, provocada pela exposição ao ruído ou à vibração

Leia mais

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL EM AUDIOMETRIA INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (ISO) 8253-1 Versão 2010 Neste material você encontrará informações sobre a ISO 8253 Parte 1 versão 2010 e sua relação

Leia mais

Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO

Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO Detecção de falha em compressor de parafuso através da análise de vibrações 1 - INTRODUÇÃO A globalização hoje se estende no mundo em todos os seus setores e mais do que nunca na indústria mundial, seja

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO EVOLUTIVO E PROPOSTA DE UMA NOVA EQUAÇÃO DE CONJUGAÇÃO DE MÉTODOS

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO EVOLUTIVO E PROPOSTA DE UMA NOVA EQUAÇÃO DE CONJUGAÇÃO DE MÉTODOS ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO EVOLUTIVO E PROPOSTA DE UMA NOVA EQUAÇÃO DE CONJUGAÇÃO DE MÉTODOS Rômulo Lemos, Engenheiro Civil pela Universidade de Pernambuco (2001), especialista em Administração Financeira

Leia mais

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano

Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Universidade Federal de Minas Gerais Pampulha Ciências da Computação Resumo sobre o Sistema Auditivo Humano Trabalho apresentado à disciplina Processamento Digital de Som e Vídeo Leonel Fonseca Ivo 2007041418

Leia mais

PROVA de Cursos 2003 1. Instruções

PROVA de Cursos 2003 1. Instruções S SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR ENC Exame Nacional PROVA de Cursos 2003 1 Instruções 1 - Você está recebendo o seguinte material: a) este caderno com o enunciado das questões objetivas, das

Leia mais

Levantamento de Governança de TI 2014

Levantamento de Governança de TI 2014 Levantamento de Governança de TI 2014 Resultado individual: CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA Segmento: Executivo - Sisp Tipo: Autarquia A classificação deste documento é de responsabilidade

Leia mais

Matéria: Técnicas de medição Aula 7 - Ruido Parte 02

Matéria: Técnicas de medição Aula 7 - Ruido Parte 02 Página1 Nível de Pressão Sonora Decibel Como o ouvido humano pode detectar uma gama muito grande de pressão sonora, que vai de 20 μ Pa até 200 Pa (Pa = Pascal), seria totalmente inviável a construção de

Leia mais

FÓRUM DE POLÍTICAS PÚBLICAS 27 ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA RECOMENDAÇÕES

FÓRUM DE POLÍTICAS PÚBLICAS 27 ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA RECOMENDAÇÕES FÓRUM DE POLÍTICAS PÚBLICAS 27 ENCONTRO INTERNACIONAL DE AUDIOLOGIA RECOMENDAÇÕES INTRODUÇÃO O serviço de assistência à população com deficiência auditiva teve seu início no extinto Instituto Nacional

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Laboratório de Psicofísica e Percepção AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA Fga. Joseane dos Santos Piola Doutoranda do Programa de Pós graduação em Psicobiologia 2009 AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA CLÍNICA: sentimentos-k-sinto-no-coraxao.blogspot.com

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de som e vibração Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Fundamentos

Leia mais

Você sabia que, por terem uma visão quase. nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som?

Você sabia que, por terem uma visão quase. nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som? A U A UL LA Ultra-som Introdução Você sabia que, por terem uma visão quase nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som? Eles emitem ondas ultra-sônicas e quando recebem o eco de retorno são capazes de

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

MEDIUNIDADE ESTUDO E PRÁTICA O TRANSE FACILITADOR: MODESTO ANTONIO CHAVES

MEDIUNIDADE ESTUDO E PRÁTICA O TRANSE FACILITADOR: MODESTO ANTONIO CHAVES MEDIUNIDADE ESTUDO E PRÁTICA O TRANSE FACILITADOR: MODESTO ANTONIO CHAVES TRANSES Todas as manifestações do psiquismo humano, boas ou más, fazem ressonância na mente do ser encarnado ou desencarnado. As

Leia mais

Considerando a necessidade de Cursos de Treinamento para formação de médicos otorrinolaringologistas para realização cirurgias de implante coclear;

Considerando a necessidade de Cursos de Treinamento para formação de médicos otorrinolaringologistas para realização cirurgias de implante coclear; NORMAS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE OTORRINOLARINGOLOGIA E CIRURGIA CÉRVICO FACIAL (ABORL-CCF) E DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE OTOLOGIA (SBO) PARA ACREDITAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO E TREINAMENTO DE MÉDICOS

Leia mais

Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem

Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem Disciplina - Aspectos Fonoaudiológicos nos Distúrbios de Aprendizagem Fga. Ms. Adriana de Souza Batista adrianabatista@gmail.com CRDA Curso de Pós-Graduação

Leia mais

O IMPLANTE COCLEAR E A COMUNIDADE SURDA: DESAFIO OU SOLUÇÃO?

O IMPLANTE COCLEAR E A COMUNIDADE SURDA: DESAFIO OU SOLUÇÃO? O IMPLANTE COCLEAR E A COMUNIDADE SURDA: DESAFIO OU SOLUÇÃO? Ida LICHTIG*, Fabiola F. D. N. MECCA **, Felipe BARBOSA***, Mariana GOMES**** *Livre Docente, Curso de Fonoaudiologia da FMUSP/ São Paulo-SP

Leia mais

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA INFANTIL 0 A 1 ANO DE IDADE

AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA INFANTIL 0 A 1 ANO DE IDADE CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA AUDIOLOGIA CLÍNICA AVALIAÇÃO AUDIOLÓGICA INFANTIL 0 A 1 ANO DE IDADE REGINA MONTENEGRO DE CASTRO GOIÂNIA 1999 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM

Leia mais

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas

Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Capítulo 5 Representações gráficas para variáveis quantitativas Introdução Até o capítulo passado, você aprendeu a sintetizar dados a partir de um conjunto desordenado de dados, identificando a quantidade

Leia mais

Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação Deficiência Deficiência Estabelecidos pelo Decreto Federal 3.298 de 20 de dezembro de 1999 (art. 3º, I e 4 ), que foi alterado pelo Decreto 5.296 de 02 de dezembro de 2004. É todo e qualquer comprometimento

Leia mais

Educação Especial e Novas Tecnologias: O Aluno Construindo Sua Autonomia

Educação Especial e Novas Tecnologias: O Aluno Construindo Sua Autonomia I Introdução Educação Especial e Novas Tecnologias: O Aluno Construindo Sua Autonomia Teófilo Alves Galvão Filho teogf@ufba.br http://infoesp.vila.bol.com.br Com muita frequência a criança portadora de

Leia mais

ALTERAÇÕES DE ORELHA MÉDIA EM CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL RESUMO

ALTERAÇÕES DE ORELHA MÉDIA EM CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL RESUMO ALTERAÇÕES DE ORELHA MÉDIA EM CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL Tatiane Maria Rossi (UNOPAR) Luciana Lozza de Moraes Marchiori (UNOPAR) Juliana Jandre Melo(UNOPAR) Naonne Santos Camargo Luciano(UNOPAR) RESUMO

Leia mais

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição

Sistema Sensorial. Biofísica da Audição Sistema Sensorial Biofísica da Audição Falar pelos cotovelos... Ouvir pelos joelhos... SENTIDO DA AUDIÇÃO - FINALIDADE Detectar predadores, presas e perigo Comunicação acústica intra - específica Som propagação

Leia mais

O Despertar Pleno do Sistema Auditivo: Implantes Cocleares Bilaterais em Crianças

O Despertar Pleno do Sistema Auditivo: Implantes Cocleares Bilaterais em Crianças O Despertar Pleno do Sistema Auditivo: Implantes Cocleares Bilaterais em Crianças Bradley Hubbard, Tania Sih e Blake C. Papsin Os implantes cocleares revolucionaram o tratamento da perda auditiva sensorioneural

Leia mais

COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO

COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO 2686 COMANDOS DE PRODUÇÃO TEXTUAL: ANÁLISE DOS DADOS DE UMA PESQUISA-AÇÃO Contexto da Pesquisa Nagely Beatriz Hütner - ESAP O presente artigo versa sobre o relato de uma pesquisa de mestrado que teve como

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 Resumo: O presente relato é fruto de uma experiência do componente curricular

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA 1ª edição 2000 2ª edição 2001 3ª edição 2004 4ª edição 2008 5ª edição 2009 6ª edição 2011 7ª edição 2013 8ª edição 2014 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro

Leia mais

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução 3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de 3.1.Introdução Neste capítulo serão apresentadas diversas configurações que possibil itam a realização do transformador de impedância

Leia mais

Fisiologia Sentidos Especiais

Fisiologia Sentidos Especiais O Olho Fisiologia Sentidos Especiais Profa. Ana Maria Curado Lins, M.Sc Anatomia do Olho Esclerótica: membrana mais externa do olho, é branca, fibrosa e resistente; mantém a forma do globo ocular e protege-o;

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011

CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011 CONTRIBUIÇÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A À AUDIÊNCIA PÚBLICA 025/2011 NOTA TÉCNICA Nº 014/2011 SRD/ANEEL METODOLOGIA E CRITÉRIOS GERAIS PARA CÁLCULO DAS PERDAS TÉCNICAS NO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO... TERCEIRO

Leia mais

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC

SURDEZ NO IDOSO. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da Fac. de Med. da PUC SURDEZ NO IDOSO www.sorocaba.pucsp.br/atn/apostilas/otorrino/index.htm www.dgsotorrinolaringologia.med.br Imagens particulares e de livros e artigos de vários autores. Dr. Décio Gomes de Souza Prof. da

Leia mais

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana

PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1. Adrielle C. Santana PRINCÍPIOS DA CORRENTE ALTERNADA PARTE 1 Adrielle C. Santana Vantagem da Corrente Alternada O uso da corrente contínua tem suas vantagens, como por exemplo, a facilidade de controle de velocidade de motores

Leia mais

Affinity 2.0 A solução integrada para adaptação. Audiometria, REM, HIT e Mapeamento Visível da Fala

Affinity 2.0 A solução integrada para adaptação. Audiometria, REM, HIT e Mapeamento Visível da Fala Affinity 2.0 A solução integrada para adaptação Audiometria, REM, HIT e Mapeamento Visível da Fala Uma solução completa A solução integrada para adaptação. Audiometria, REM, HIT e Mapeamento Visível da

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 AUDIÇÃO HUMANA A função do ouvido é captar e converter ondas de pressão em sinais elétricos que são transmitidos ao cérebro para produzir

Leia mais

MusiTec: tutorial multimídia no ensino da música contemporânea

MusiTec: tutorial multimídia no ensino da música contemporânea MusiTec: tutorial multimídia no ensino da música contemporânea Henderson J. Rodrigues PPGM/UFPB GMT/UFPB e-mail: henderson_rodrigues@hotmail.com Sumário: Nesta comunicação apresentamos os resultados da

Leia mais

As principais causas das perdas condutivas são:

As principais causas das perdas condutivas são: Perda auditiva: Existem três partes principais da orelha envolvidas no processo de audição: a orelha externa, a orelha média e a orelha interna. O processo auditivo começa quando as ondas sonoras entram

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

Acústica em Reabilitação de Edifícios

Acústica em Reabilitação de Edifícios Reabilitação 009- Parte 1 - Conceitos Básicos 1 Reabilitação 009- Acústica de edifícios / Áreas de Estudo 1 - Condicionamento acústico interior - Isolamento sonoro Sons aéreos Sons de percussão De fachada

Leia mais

Dist. da linha saída à 1ª barreira

Dist. da linha saída à 1ª barreira TÉCNICA DAS CORRIDAS COM BARREIRAS Antes de mais nada podemos dizer que as corridas com barreiras são provas de velocidade rasa porque, muito embora o barreiristas se depare com uma série de barreiras

Leia mais

JULGAMENTO DO RECURSO ADMINISTRATIVO PROCESSO ADMINISTRATIVO DE COMPRAS N 066/2014 PREGÃO PRESENCIAL N 041/2014

JULGAMENTO DO RECURSO ADMINISTRATIVO PROCESSO ADMINISTRATIVO DE COMPRAS N 066/2014 PREGÃO PRESENCIAL N 041/2014 JULGAMENTO DO RECURSO ADMINISTRATIVO PROCESSO ADMINISTRATIVO DE COMPRAS N 066/2014 PREGÃO PRESENCIAL N 041/2014 RAZÕES: AUDITIVA FONOAUDIOLOGIA LTDA. CONTRARRAZÕES: MASTER SAÚDE ASSITENCIAL LTDA. EPP OBJETO:

Leia mais

Ciência. O que é e o que faz a ciência. Quais são os tipos de pesquisa. Quais são os métodos de pesquisa. Como redigir trabalhos científicos

Ciência. O que é e o que faz a ciência. Quais são os tipos de pesquisa. Quais são os métodos de pesquisa. Como redigir trabalhos científicos Plano de Ensino Metodologia Científica O que é e o que faz a ciência Quais são os tipos de pesquisa Quais são os métodos de pesquisa Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Como redigir trabalhos científicos

Leia mais

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 1 PESQUISA EXPLORATÓRIA EM GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Área de conhecimento: Administração Eixo Temático: Outro RESUMO Nézio José da Silva 1 Lirane Elize Defante Ferreto de Almeida 2 O campo científico das

Leia mais

DETECÇÃO E INTERVENÇÃO PRECOCE DE PSICOPATOLOGIAS GRAVES

DETECÇÃO E INTERVENÇÃO PRECOCE DE PSICOPATOLOGIAS GRAVES DETECÇÃO E INTERVENÇÃO PRECOCE DE PSICOPATOLOGIAS GRAVES Laura de Vilhena Abrão Paola Visani Esse estudo faz parte de um projeto de pesquisa maior que surgiu a partir de questões que os profissionais e

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007

Proteção Auditiva. Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007 Proteção Auditiva Existem coisas que você não precisa perder. A audição é uma delas. Proteja-se! Itabira/2007 O Som O som é definido como qualquer variação na pressão do ar que o ouvido humano possa detectar.

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 010 08/02/2015

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 010 08/02/2015 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SESI DR/ES N 010 08/02/2015 O SESI Serviço Social da Indústria torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas, observados os requisitos mínimos

Leia mais

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3.1 INTRODUÇÃO O sistema de geração da imagem de RM emprega muitos fatores técnicos que devem ser considerados, compreendidos e algumas vezes modificados no painel de controle durante

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Gerência de Pesquisa e Pós-Graduação ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA

Leia mais

EDITAL Nº 005/2009 RE-RATIFICAR

EDITAL Nº 005/2009 RE-RATIFICAR EDITAL Nº 005/2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ, no uso de suas atribuições, atendendo aos termos da Lei Complementar nº 108, de 18 de maio de 2005, com alteração dada pela Lei Complementar

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE CURSO DE PSICOPEDAGOGIA TRIAGEM AUDITIVA ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE CURSO DE PSICOPEDAGOGIA TRIAGEM AUDITIVA ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE CURSO DE PSICOPEDAGOGIA TRIAGEM AUDITIVA ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL por Cátia Vieira da Fonseca dos Santos orientador Prof.

Leia mais