Aula 2. Índices Econômicos - Como interpretá-los?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 2. Índices Econômicos - Como interpretá-los?"

Transcrição

1 Aula 2 Índices Econômicos - Como interpretá-los?

2 Introdução Entre as abordagens principais utilizadas para os investidores tomarem as decisões nas negociações de compra e venda no mercado de câmbio, ações, commodities,etc., estão a análise técnica e fundamentalista. As duas formas têm o objetivo comum de estudar a tendência dos preços no mercado e tentar prever o movimento desses preços ao longo do tempo. Entretanto, eles têm abordagens diferentes para chegarem a esses objetivos. Análise técnica Análise técnica ou gráfica tem como principal característica, o uso de gráficos para analisar e determinar o melhor momento para negociar moedas, ações, commodities, etc. Esse tipo de análise será abordado em aulas futuras com mais detalhes. Análise fundamentalista Análise fundamentalista é o estudo dos fatores que afetam o equilíbrio entre oferta e demanda no mercado. Para fazerem as suas avaliações, os analistas baseam-se em 3 pontos: 1-Análise da empresa ou do ativo; 2-Indústria ou mercado nos quais a empresa ou o ativo estão inseridos; 3-Os indicadores econômicos em geral. No caso do mercado mundial de câmbio, o terceiro ponto é levado mais em consideração e vai ser o foco dessa aula. Os indicadores econômicos são dados sobre vários segmentos da economia do país. Através de institutos de pesquisa e estatística estatais e privados, esses dados são levantados periodicamente e divulgados, na maioria das vezes, em datas e horários préestabelecidos. Esse indicadores são utilizados sobre vários aspectos, tais como, base de informação para o governo de um país tomar decisões em relação a sua economia, para as empresas estudarem os segmentos de seus mercados e fazerem os seus planejamentos, entre outros. Algumas formas como os indicadores podem influenciar no mercado de câmbio Como os dados dos indicadores econômicos são divulgados, na maioria das vezes, em dias e horários pré-estabelecidos, os Days Traders(investidores que visam operações de curto prazo) costumam aproveitar o momento da divulgação para fazerem as negociações. Nesse momento, eles avaliam o resultado do índice e tomam as suas decisões quanto às negociações. A importância do indicador e de seu resultado, e o volume de negociações no momento da divulgação do resultado podem provocar oscilações nos preços acima do normal em curto espaço de tempo, fatos que podem ser observados em muitas ocasiões. Outra forma é a análise da influência dos indicadores a longo prazo. Com os dados dos indicadores, os investidores tentam tirar conclusões sobre o estado da economia de um certo país e encontrar uma tendência dos preços a longo prazo. Costumam desconsiderar as oscilações de curto prazo, que podem ser consequências de especulações, esperando que os preços reflitam a situação verdadeira da economia do país e, assim, aguardam resultados a longo prazo. * Este é apenas um material de consulta, existindo outras fontes que podem ser pesquisadas. * Não garantimos lucros ou prejuízos resultantes do uso desse material.

3 Anúncio da Decisão Monetária do BCE Definição O Conselho Governamental do Banco Central Europeu (BCE) consiste de 18 membros. O Conselho é composto por 6 membros do Conselho Executivo e 12 presidentes dos Bancos Centrais membros da Zona do Euro. O Comitê se reúne 2 vezes por mês(geralmente na primeira e terceira quinta-feira do mês). O primeiro encontro, que é o mais focado pelo mercado, é geralmente destinado para a política monetária da Zona do Euro. Quando há mudanças na política monetária, elas são anunciadas imediatamente após o encontro. Depois do final do encontro, uma conferência com a imprensa é mantida por cerca de 45 minutos. O depoimento a respeito da decisão é lido e, em seguida, têm o período de perguntas e respostas. E, ao contrário de muitos Bancos Centrais, não é publicado nenhuma minuta dos encontros. Por que os investidores prestam atenção a esse anúncio? O Banco Central Europeu (BCE) determina a política da taxa de juro nos encontros do seu Conselho Governamental. Como ocorre nas decisões monetárias dos Estados Unidos, o mercado especula a possibilidade de mudança na taxa de juro nesses encontros. Se o resultado é diferente da expectativa, o impacto no mercado costuma ser grande. A taxa de juro definida pelo BCE serve de base para outras taxas da Zona do Euro. De uma forma geral, os Bancos Centrais procuram uma taxa de juro ideal que não faça a economia do país frear e nem crescer descontroladamente. De forma teórica, o aumento da taxa de juro pode inicialmente atrair investimentos externos na moeda do país, fazendo a moeda se valorizar. Entretanto, pode frear a economia pois a população poderá começar a poupar mais do que gastar, tendo como consequência a diminuição do consumo e a queda da inflação, e os empresários diminuirão os empréstimos nos bancos para financiarem a expansão de suas empresas. A queda da taxa de juro deixa o investimento na moeda menos atraente e, por isso pode ter uma fuga de capital para outras moedas de juro mais atraente provocando uma desvalorização da moeda. Mas, por outro lado, pode acelerar o crescimento da economia, estimulando os empresários a investirem mais nos seus negócios pelo fato dos juros dos empréstimos se tornarem menores e fazer a população consumir mais e poupar menos, influenciando no aumento dos preços. Vendo dessa forma, os Bancos Centrais costumam aumentar a taxa de juro para tentar conter a inflação e o crescimento descontrolado, ou diminuir a taxa de juro para estimular o crescimento da economia. Outro ponto importante do encontro do BCE é a conferência à imprensa após o anúncio da decisão monetária. Nesta conferência, o presidente do BCE relata os motivos que levaram à decisão, a situação da economia no momento, o panorama da economia para o futuro, etc. Com esse relato, os investidores procuram tomar uma base para o que pode acontecer no próximo encontro do BCE.

4 Confiança do Consumidor (Medido pela Universidade de Michigan) O Centro de estudo do consumidor da Universidade de Michigan pesquisa mensalmente 500 domicílios a respeito das condições financeiras e o sentimento sobre a economia. A confiança do consumidor está diretamente relacionado ao poder de gasto dos consumidores. Por que os investidores prestam atenção nesse Os gastos dos consumidores correspondem a mais de 2/3 da economia dos EUA, assim, o mercado está sempre ansioso para saber quanto os consumidores estão gastando e como eles podem se comportar no futuro. Quanto maior a confiança dos consumidores sobre a economia do país e as próprias finanças, provavelmente maiores serão os seus gastos. Levando isso em consideração, fica fácil perceber como este índice pode dar sinais da direção da economia. Assim, pode-se notar que mudanças na confiança do consumidor e nas vendas do varejo ocorrem conjuntamente mês a mês.

5 Fluxo de Capital Externo dos EUA Este dado divulgado pelo Departamento do Tesouro dos EUA mostra as aquisições de ações, bônus e outros ativos financeiros pelos investidores estrangeiros nos EUA. Essas aquisições são importantes pois são uma forma do país obter recursos para financiar os investimentos das empresas, gastos do governo e déficit comercial. Porque os investidores prestam atenção nesse Uma das influências da procura por ativos financeiros dos EUA pelos investidores estrangeiros é a necessidade de compra de dólares para adquirir esses ativos e, em consequência, valorização da moeda. Outra conclusão que se pode tirar é que o volume de procura por ativos financeiros dos EUA mostra o interesse dos investidores estrangeiros em investir no país, ou seja, eles vêem no país uma tendência de crescimento da economia e possibilidade de bons retornos do capital aplicado. Por fim, esse índice mostra a capacidade dos EUA de atrair capital estrangeiro suficiente para financiar seu grande déficit da balança comercial.

6 Pedidos de Bens Duráveis Inicialmente vamos explicar o que são bens duráveis. Bens Duráveis são uma categoria de bens que têm utilidade durante um grande período de tempo, abrangendo os bens de consumo duráveis e os bens de capital(maquinário). Os Pedidos de Bens Duráveis refletem os novos pedidos feitos pelas indústrias de manufaturados para as indústrias de bens duráveis com entrega imediata ou futura. Por que os investidores prestam atencao nesse indice? Os Pedidos de Bens Duráveis mostram o quanto as indústrias estarão ocupadas nos próximos meses. Este dado mostra não somente a demanda por itens como refrigeradores e carros, mas também o investimento em negócios como maquinário industrial e elétrico, e computadores. Se as companhias gastam mais em equipamentos e outros capitais, elas estariam projetando um crescimento em seus negócios. Aumentos de investimentos em bens projeta uma maior capacidade produtiva para o país e reduz os riscos da inflação. Pedidos de Bens Duráveis contam aos investidores o que se espera do setor de manufaturados, o maior componente da economia, e, portanto, têm uma grande influência nos seus investimentos.

7 Produto Interno Bruto PIB (GDP em inglês) PIB(Produto Interno Bruto) é o valor total de bens e serviços produzidos na economia de um país em um determinado período. Ele é calculado de acordo com as aquisições do consumidor e do governo, investimentos internos privados e investimentos estrangeiros no país, e o valor total das exportações. Por que os investidores prestam atenção nesse O PIB é o medidor de todas as atividades econômicas de um país, sendo assim o principal indicador da situação econômica. Dessa forma, os investidores procuram ver nos números do PIB se o país está em crescimento, em queda ou mesmo estável em relação à atividade econômica e tomar as decisões para seu investimento. Como o nível de gastos dos consumidores entra no cálculo do PIB, ele dá indicações em relação à inflação. Aumento do PIB pode indicar elevação da procura pelos consumidores devido à melhoria das condições econômicas e, em consequência, gera aumento da atividade produtiva em vários setores. Assim, aumento da procura geralmente provoca aumento dos preços ao consumidor gerando pressão sobre a inflação. E para controlar a inflação muitas vezes o Banco Central de um país aumenta a taxa de juro para fazer com que as pessoas poupe mais ao invés de consumir.

8 Índice de Preço ao Consumidor(CPI) O Preço ao Consumidor é a medida do nível médio dos preços de um conjunto determinado de bens e serviços adquiridos pelos consumidores. A mudança mensal do Preço do Consumidor representa a taxa de inflação. Por que os investidores prestam atenção nesse Nos Estados Unidos, o Índice de Preço ao Consumidor é o indicador de inflação mais largamente utilizado. O investidor que entende o processo da inflação e como ela influencia o mercado se beneficiará mais do que os investidores que não entendem as consequências da inflação. A relação entre a inflação e a taxa de juro é a chave para a compreensão de como o índice tal como o Preço ao Consumidor influencia o mercado e os seus investimentos. Mas qual o efeito da inflação na moeda? Quando existe uma pressão para aumento da inflação, uma das formas que o Banco Central de um país encontra para controlar esse aumento é elevar a taxa de juro. Elevando a taxa de juro, as pessoas podem começam a poupar e consumir menos, tendo como consequência a diminuição da procura pelos produtos e queda dos preços. E, por final, outra consequência da elevação da taxa de juro é a valorização da moeda porque aumentará a procura por investimentos com base na moeda que tem juro alto.

9 Índice de Preço ao Produtor(PPI) O Preço ao Produtor é a medida da variação de preços de bens pagos pelo produtor. Quando o produtor vai fabricar um produto, ele precisa comprar matéria-prima e produtos manufaturados, e também obter capitais se necessário. E o conjunto de preços desses itens necessários para o produtor fabricar o seu produto é que define o índice de Preço ao Produtor. Por que os investidores prestam atenção nesse O investidor observa a pressão dos preços no nível do produtor, podendo antecipar o efeito na inflação nos meses posteriores. O Preço ao Produtor mede os preços no nível do produtor antes de serem repassados aos consumidores. Quando há um aumento do preço ao produtor, se ele não quiser repassar esse aumento aos consumidores, resta a ele diminuir o seu lucro e/ou melhor a sua produtividade. Se ele repassar esse aumento para os consumidores, isso implica em aumento dos preços no varejo, ou seja, terá influência no índice de preço ao consumidor que é o principal indicador da inflação. Mas qual o efeito da inflação na moeda? Quando existe uma pressão para aumento da inflação, uma das formas que o Banco Central de um país encontra para controlar esse aumento é elevar a taxa de juro. Elevando a taxa de juro, as pessoas começam a poupar e consumir menos, tendo como consequência a diminuição da procura pelos produtos e queda dos preços. E, por final, outra consequência da elevação da taxa de juro é a valorização da moeda porque aumentará a procura por investimentos com base na moeda que tem juro alto.

10 Renda e Consumo Pessoal Renda Pessoal é o montante em dólar da renda recebida de todas as fonte por indivíduo. Consumo Pessoal incluem compras de bens duráveis e não duráveis, e serviços pelo consumidor. Por que os investidores prestam atenção nesses índices? Os dados de Renda e Consumo são umas das formas de se medir a força do setor de consumo na economia. Renda dá a população o poder de gastar ou de poupar. Os gastos são um dos motores da economia e mantêm ela crescendo. Os gastos dos consumidores nos EUA correspondem a mais de 2/3 do PIB, assim, se sabemos os dados dos consumidores então teremos uma boa idéia de como a economia se comportará. Poupanças são frequentemente investidos no mercado financeiro e podem dar uma direção no preços das ações e títulos. Mesmo se as poupanças simplesmente ficarem na conta do banco, parte desses fundos são geralmente usados pelo banco para empréstimos aos empresários e aos consumidores, e portanto contribuem para a atividade econômica. Os investidores podem ver através desses índices, como os consumidores estão direcionando os seus gastos, se estão comprando bens duráveis, não duráveis ou serviços. Assim, o crescimento de Renda e Consumo Pessoal podem afetar diretamente no crescimento econômico e no aumento da inflação, levando ao Banco Central estudar uma possibilidade de aumentar a taxa de juro para moderar esse avanço. E, por consequência, aumentos da taxa de juro favorece o investimento na moeda do país e faz com que ela se valorize. Por outro lado, a queda da Renda e Consumo Pessoal pode levar ao desaquecimento da economia e fazer com que o Banco Central abaixe a taxa de juro para poder reaquecer a economia. Portanto, queda da taxa de juro deixa a moeda do país menos atraente e faz com que se ela se desvalorize.

11 Balança Comercial Definição A Balança Comercial mede a diferença entre o valor das importações e exportações de um país durante um período determinado. Importações podem frear o crescimento interno do país e também podem aumentar a pressão competitiva entre os produtores internos. Exportações melhoram a produção interna. Quando as exportações superam as importações é chamado de superávit e diz que a balança comercial é favorável e apresenta um valor positivo. Quando as importações superam as exportações é chamado de déficit e diz que a balança comercial é desfavorável e apresenta um valor negativo. Por que os investidores prestam atenção nesse Mudanças no nível de importação e exportação, acompanhados da diferença entre os dois(que é a balança comercial) são a indicação da tendência da economia dentro e fora do país. Enquanto que esses níveis (de importação, de exportação) podem influenciar diretamente todo o mercado financeiro, ele afetam em primeiro lugar o valor da moeda no mercado cambial. Importações querem dizer que existe procura pelos produtos de fora do país e exportações significam que existe procura pelos produtos internos fora do país. Quando há um aumento da exportação para um determinado país, pode significar crescimento daquele país para qual está se exportando e oportunidade de investimento naquele país. Quando se fala sobre a questão da Balança Comercial dos EUA e influência na questão dos EUA com a China, o principal motivo é a diferença comercial entre os dois países. O valor das importações é maior que o valor das exportações dos EUA para a China, resultando num déficit comercial considerando apenas esses países. Isso acontece porque a moeda chinesa está em nível muito barato e em consequência os produtos chineses ficam mais baratos e os produtos americanos ficam mais caros levando o governo dos EUA a acreditar que é uma concorrência desleal. O resultado de tudo isso é que os chineses comprariam pouco dos EUA, ou seja, pouca exportação para a China e os americanos comprariam mais da China porque é mais barato do que o produto local, ou seja, muita importação de produtos chineses. E uma das soluções dos EUA para diminuir essa diferença está em pressionar a China para que ele permita que o iuane(moeda chinesa) valorize mais. Valorizando o iuane, deve haver uma tendência de desvalorização do dólar frente às principais moedas.

12 Vendas do Varejo Vendas do varejo medem o faturamento total das lojas que vendem bens duráveis e não duráveis. No caso dos EUA, 2/3 do total do PIB vem dos gastos em consumos e por isso é um elemento muito importante do crescimento econômico. Por que os investidores prestam atenção nesse De modo geral, para saber como anda a economia de um país, pode-se ver se as empresas estão aumentando o faturamento e obtendo lucro através da venda aos consumidores dos seus produtos. E, uma forma de medir seria observar o volume de vendas do varejo. Se aumentam as vendas, o faturamento e o lucro das empresas podem aumentar. Outro fator importante em relação a vendas do varejo é mostrar parcialmente se está havendo uma pressão para o aumento da inflação. Quando há um aumento das vendas do varejo pode-se supor que a procura do consumidores está aumentando e tenha uma tendência a aumentar os preços e gerar inflação. No caso dos EUA, como o 2/3 do total do PIB vem dos gastos dos consumidores do país, se for conhecido quanto está sendo consumido com produtos de bens duráveis e não duráveis, é possível ter uma boa idéia do crescimento econômico e dos riscos da inflação. Obs: Os gastos em consumo da Nova Zelândia representa cerca de 60% do PIB.

13 rçamento Fiscal Definição Índice divulgado mensalmente pelo Tesouro dos EUA, referente à receita e a despesa das contas do governo federal. As mudanças na balança do orçamento do ano fiscal(que começa em outubro) indica a tendência orçamentária e a pressão da política fiscal do ano seguinte. Por que os investidores se preocupam? Os dados do orçamento têm diversos significados diretos e indiretos para os mercados financeiros. A relação mais direta do tamanho do déficit orçamentário é com a oferta dos títulos públicos. Quanto maior o déficit do governo, mais títulos e bônus o governo deverá vender para financiar suas despesas. Se a demanda é constante, mas a oferta dos títulos aumentam, o preço cai. O mesmo serve para a queda do déficit - o governo necessita vender poucos títulos do Tesouro, então a oferta cai e os títulos sobem. Nos últimos anos, o déficit fiscal dos EUA aumentou dramaticamente, forçando a emissão de mais títulos no mercado. O Governo Federal toma emprestado dinheiro com a emissão dos títulos, então altos déficits significam uma grande oferta de títulos(considerando uma constante demanda) e baixos preços. Complementando sobre a tendência no superávit e déficit, investidores obtêm informações do estado da economia observando os impostos recebidos pelo governo. Altos recebimentos de impostos melhoram a situação do déficit e indicam que a condição econômica está firme, por outro lado, baixa taxa de recebimento reflete um ambiente de lento crescimento econômico.

14 Vendas de Casas Novas O índice de Vendas de Casas Novas é a medida do número de casas novas construídas com vendas realizadas durante o mês referente. O nível de vendas de casas novas indicam a tendência do mercado imobiliário e, em consequência, a situação da economia e o potencial de consumo em compras de móveis e utensílios. Por que os investidores se preocupam com esse Este índice indica não somente a procura por casas, mas também, a situação da economia do país. As pessoas precisam se sentirem confiantes na sua situação econômica para adquirir uma casa. Além disso, uma parte desses dados tem um potencial como efeito multiplicador na economia. Cada vez que é iniciado a construção de uma nova casa, postos de trabalhos em construção também são criados e os salários desses trabalhadores são injetados na economia em forma de gastos ou de poupança. Quando uma casa é vendida, será gerado um lucro para o construtor e o dono do terreno. Além disso, para o comprador da casa poderá haver a necessidade de adquirir vários itens para a casa, tais como refrigeradores, fogões, máquinas de lavar, móveis, etc. Assim, pode-se concluir que, um panorama de vendas de milhares de casas novas todo mês e gastos em compras de milhares de produtos como móveis e utensílios para essas casas novas, irá influenciar de forma relevante vários setores e, em consequência, favorecer o crescimento da economia.

15 Manufaturados ISM Por que os investidores se preocupam com esse O ISM(Institute for Supply Management) pesquisa aproximadamente 400 empresas de manufaturados referente a empregos, produção, novos pedidos, distribuidores e estoques. De posse desses dados, é formulado um índice das condições do setor de manufaturados do país, onde um valor acima de 50 indica expansão e abaixo de 50 indica retração do setor. O índice de Manufaturados ISM dá uma visão detalhada do setor de manufaturados. Analisando o nível de produção, empregos, entrada de novos pedidos, etc. pode-se tirar conclusões se o ritmo de produção das empresas está aquecido e qual será o direcionamento para o futuro. Alguns dos sub-itens do ISM podem dar uma visão mais profunda sobre o preço de commodities e dar pistas sobre o potencial para o crescimento da inflação. O Fed costuma observar de perto tanto esse índice como o PCE(Price Consumer Expenditure) para determinar a direção da taxa de juro quando sinais de inflação são apresentados nesses dados. Como resultado, o mercado de câmbio e outros como o de títulos se tornam sensíveis ao resultado desse índice.

16 Fontes de Consultas Agência Bloomberg Novo Dicionário de Economia Sandroni, Paulo Dicionário de Termos Financeiros e de Investimento Downes, John; Goodman, Jordan Elliot. TERMOS PUBLICITÁRIOS No Partners FX, devido à oscilação dos valores das moedas operadas ou dos Pontos Swap e em casos em que é necessário pagar os Pontos Swap, o valor do ato da venda pode ser inferior ao valor do ato da compra, o que representa o risco de prejuízo. E ainda, como é possível operar um valor superior ao valor do depósito de garantia, há a possibilidade de o valor do prejuízo superar o valor do depósito de garantia. A comissão referente às operações do Partners FX, no caso da operação via internet, e gratuita tanto para início como para liquidação(via telefone, a comissão é de 0.20 iene por unidade de moeda para lotes inferiores a 100 mil unidades, ou 0.10 iene por unidade de moeda para lotes iguais ou superiores a 100 mil unidades, valores aplicados no início e na liquidação). O depósito de garantia necessário para operações é de 10 mil ienes(5 mil ienes no caso de High Leverage Course) a 50 mil ienes, variando para cada par de moedas, que possibilita operar um montante de até aproximadamente 50 vezes(aproximadamente 100 vezes no caso de High Leverage Course) o depósito de garantia. Existe diferença entre os valores de compra e os valores de venda(spread). Para iniciar as operações leia atentamente os documentos apresentados antes de firmar o contrato e, após sua compreensão, pedimos que por favor tome sua própria decisão. <Razão Social> Money Partners Co., Ltd. (Empresa de Investimentos em Produtos Financeiros) <Número de Registro> Diretor da Secretaria de Finanças de Kanto (Kinsho) No297 <Associação Inscrita> Corporação Jurídica: Associação de Futuros Financeiros do Japão(Associado Número 1540) Endereço: Tokyo-To Minato-Ku Roppongi Izumi Garden Tower 16F Free-dial: FAX: HP:

Partners FX Manual de instruções das notícias Dow Jones

Partners FX Manual de instruções das notícias Dow Jones Partners FX Manual de instruções das notícias Dow Jones Informativo de visualização das notícias do mercado através da ferramenta Notícias Dow Jones. I. Para utilizar o serviço de notícias Dow Jones Por

Leia mais

Manual de Operação Via Computador

Manual de Operação Via Computador Manual de Operação Via Computador Índice 1. Tela inicial de Acesso a Conta... 03 2. Tela principal (Home)... 04 3. Como interpretar as cotações... 05 4. Apresentação dos ícones do menu... 06 5. Ícone A.

Leia mais

Aula 3. ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes

Aula 3. ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes Aula 3 ANÁLISES - Nível Básico Técnica e Fundamentalista Iniciantes Introdução Para auxiliá-los na tomada de decisões, os investidores contam com dois tipos de análises: Análise Fundamentalista que baseia-se

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Panorama Econômico Abril de 2014

Panorama Econômico Abril de 2014 1 Panorama Econômico Abril de 2014 Alerta Esta publicação faz referência a análises/avaliações de profissionais da equipe de economistas do Banco do Brasil, não refletindo necessariamente o posicionamento

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas

O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas O cenário econômico atual e a Construção Civil Desafios e perspectivas 1 O conturbado cenário nacional Economia em recessão: queda quase generalizada do PIB no 2º trimestre de 2015, com expectativa de

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Cenário Macroeconômico

Cenário Macroeconômico INSTABILIDADE POLÍTICA E PIORA ECONÔMICA 24 de Março de 2015 Nas últimas semanas, a instabilidade política passou a impactar mais fortemente o risco soberano brasileiro e o Real teve forte desvalorização.

Leia mais

Manual de Operação Via Computador

Manual de Operação Via Computador Manual de Operação Via Computador Índice 1. Tela inicial de Acesso a Conta... 03 2. Tela principal (Home)... 04 3. Como interpretar as cotações... 05 4. Apresentação dos ícones do menu... 06 5. Ícone A.

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 24/08/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 24/08/2015 24/08/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Mais uma semana bastante volátil de mercado, com as tensões se elevando conforme os indicadores econômicos chineses demonstram um crescimento aquém do projetado

Leia mais

Unidade de Política Econômica

Unidade de Política Econômica Unidade de Política Econômica Brasília, abril de 2007 Superávit na balança comercial e juros altos sustentam valorização do real No primeiro bimestre de 2007, o dólar foi negociado a R$ 2,10, na média

Leia mais

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio

Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio MB ASSOCIADOS Perspectivas para o Agribusiness em 2011 e 2012 Cenários da Macroeconomia e o Agronegócio 26 de Maio de 2011 1 1. Cenário Internacional 2. Cenário Doméstico 3. Impactos no Agronegócio 2 Crescimento

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

2015: um ano de desafios e oportunidades

2015: um ano de desafios e oportunidades 2015: um ano de desafios e oportunidades Luís Artur Nogueira Jornalista e economista Editor de Economia da IstoÉ DINHEIRO Comentarista Econômico da Rádio Bandeirantes São Paulo 25/02/2015 Adeus grau de

Leia mais

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho

Taxa de Câmbio. Recebimento de juros Recebimentos de lucros do exterior Receita de rendas do trabalho Taxa de Câmbio TAXA DE CÂMBIO No Brasil é usado a CONVENÇÃO DO INCERTO. O valor do dólar é fixo e o variável é a nossa moeda. Por exemplo : 1 US$ = R$ 3,00 Mercado de Divisa No mercado de câmbio as divisas

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção

Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia. Prof.: Antonio Carlos Assumpção Curso DSc Bacen - Básico Provas 2001-2010 - Macroeconomia Prof.: Antonio Carlos Assumpção Contabilidade Nacional Balanço de Pagamentos Sistema Monetário 26- Considere a seguinte equação: Y = C + I + G

Leia mais

Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173

Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173 Carta Mensal Fev/Mar de 2013 nº 173 Destaques do mês - Copom sinaliza alta de juros, mas não se compromete com ação já na próxima reunião, em meados de abril; - Atividade econômica mostra sinais de recuperação

Leia mais

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15%

FILOSOFIA DE INVESTIMENTO. Retorno esperado de um lançamento 80% 100% + 20% 100% ( ) = 60% ( 1 20% ) 20 =1,15% Através da CARTA TRIMESTRAL ATMOS esperamos ter uma comunicação simples e transparente com o objetivo de explicar, ao longo do tempo, como tomamos decisões de investimento. Nesta primeira carta vamos abordar

Leia mais

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA

NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA NOTA CEMEC 06/2015 CÂMBIO CONTRIBUI PARA RECUPERAÇÃO DE MARGENS E COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA Agosto de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

Perspectivas para a Inflação

Perspectivas para a Inflação Perspectivas para a Inflação Carlos Hamilton Araújo Setembro de 213 Índice I. Introdução II. Ambiente Internacional III. Condições Financeiras IV. Atividade V. Evolução da Inflação 2 I. Introdução 3 Missão

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Dezembro 2008 Crise Mundo Os EUA e a Europa passam por um forte processo de desaceleração economica com indicios de recessão e deflação um claro sinal de que a crise chegou

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN

Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial. Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Econômico Brasil em uma nova ordem mundial Guilherme Mercês Sistema FIRJAN Cenário Internacional Cenário mundial ainda cercado de incertezas (1) EUA: Recuperação lenta; juros à frente (2) Europa:

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015?

AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015? AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015? Luís Artur Nogueira Jornalista e economista Editor de Economia da IstoÉ DINHEIRO Comentarista econômico da Rádio Bandeirantes Atibaia 17/05/2014 Qual

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images) Economia A Economia do Japão em uma Era de Globalização Bolsa de Valores de Tóquio A Bolsa de Valores de Tóquio é a mais antiga do Japão, tendo sido estabelecida em 1878 (Foto: Cortesia de Getty Images)

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8%

INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES GERAL DIVIDENDO - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. Química 12% Papel e Celulose 8% Outubro de 2015 INFORMATIVO FUNDOS GALT FIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES O Geral Asset Long Term - GALT FIA é um fundo de investimento que investe em ações, selecionadas pela metodologia de análise

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV São Paulo, 06 de julho de 2010. CENÁRIO ECONÔMICO EM JUNHO A persistência dos temores em relação à continuidade do processo de recuperação das economias centrais após a divulgação dos recentes dados de

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos

Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Economia Brasileira: Perspectivas para os próximos 10 anos Conjuntura Economia Americana Crescimento e Mercado de trabalho PIB EUA (%) 11 Desemprego EUA 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 1,6 3,9 2,8 2,8 3,2 1,4

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

O privilégio exorbitante dos EUA

O privilégio exorbitante dos EUA O privilégio exorbitante dos EUA Michael Pettis Valor Econômico, 15.9.2011. O status dominante de uma moeda levou a desequilíbrios que criaram um sério risco para o sistema financeiro global. Alguns países

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Segundo Helen Deresky, (2004, p. 55), as alianças estratégicas não acionárias ocorrem:

Segundo Helen Deresky, (2004, p. 55), as alianças estratégicas não acionárias ocorrem: O modelo supply chain As empresas de hoje atuam segundo algumas correntes, ou modelos econômicos. Dentre estes se pode citar a cadeia de suprimentos ou supply chain, modelo das grandes corporações, e a

Leia mais

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana #100 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Dólar sem freios Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana Festa no exterior Brasileiros continuam gastando cada vez mais fora

Leia mais

1 MÊS EM 10 IMAGENS. Index. 1. A inflação no centro das decisões do BCE, do BoJ e do Fed? Novembro 2015

1 MÊS EM 10 IMAGENS. Index. 1. A inflação no centro das decisões do BCE, do BoJ e do Fed? Novembro 2015 1 MÊS EM 10 IMAGENS Todo mês, a SYZ Wealth Management publica em 1 mês em 10 imagens um panorama da atividade econômica do mundo. Uma imagem, muitas vezes, vale mais que um longo discurso. A cada mês,

Leia mais

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008

Ministério da Fazenda. Crise Financeira. Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo. Nelson Barbosa. Novembro de 2008 1 Crise Financeira Impactos sobre o Brasil e Resposta do Governo Nelson Barbosa Novembro de 20 1 2 Impactos da Crise Financeira nas Economias Avançadas Primeiro impacto: grandes perdas patrimoniais, crise

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes

IGEPP GESTOR - 2013. Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes IGEPP GESTOR - 2013 Política cambial. Relação entre taxa de juros, taxa de câmbio e regimes cambiais. Prof. Eliezer Lopes MACROECONOMIA ABERTA POLÍTICA FISCAL POLÍTICA MONETÁRIA MERCADO DE BENS PRODUTO

Leia mais

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007)

Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Aula 25 - TP002 - Economia - 26/05/2010 Capítulo 32 MANKIW (2007) Teoria macroeconômica da economia aberta Objetivo da aula: criar um modelo que preveja o que determina as variáveis e como elas se relacionam.

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - POLÍTICA ECONÔMICA & MERCADO FINANCEIRO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br INTRODUÇÃO Trata-se da política utilizada pelo Governo para obter desenvolvimento

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest

Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest Cenário Macroeconômico 2015 X-Infinity Invest SUMÁRIO PANORAMA 3 ATUAL CONTEXTO NACIONAL 3 ATUAL CONTEXTO INTERNACIONAL 6 CENÁRIO 2015 7 CONTEXTO INTERNACIONAL 7 CONTEXTO BRASIL 8 PROJEÇÕES 9 CÂMBIO 10

Leia mais

Ativa Corretora. Novembro de 2010

Ativa Corretora. Novembro de 2010 Ativa Corretora Novembro de 2010 Roteiro A economia global passa por ajustes severos, quase que simultaneamente, o que torna o trabalho de previsão ainda mais complexo do que o normal. Existem ainda questões

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro

Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro Roberto Guena de Oliveira USP 29 de agosto de 2013 Poupança, Investimento e o Sistema Financeiro29 de agosto de 2013 1 / 34 Sumário 1 Instituições Financeiras

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013

PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA VOL. 3, Nº 5, JUNHO DE 2013 PANORAMA EUA OBSERVATÓRIO POLÍTICO DOS ESTADOS UNIDOS INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA ESTUDOS SOBRE OS ESTADOS UNIDOS INCT-INEU ISSN 2317-7977 VOL.

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que

POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que Aula 21 12/05/2010 Mankiw (2007) - Cap 26. POUPANÇA INVESTIMENTO E SISTEMA FINANCEIRO. investem. Sistema financeiro serve para unir pessoas que poupam com as pessoas que INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS NA ECONOMIA

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana

Argumentos Contra e a Favor da Valorização O que é o IOF Medidas Adotadas Resultados. Câmbio X IOF Resumo da Semana Câmbio X IOF Nesta apresentação será exposto e discutido parte do debate sobre a valorização do real frente outras moedas, em especial o dólar. Ao final será apresentado um resumo das notícias da semana.

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa

O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa O comportamento pós-crise financeira das taxas de câmbio no Brasil, China, Índia e Europa Guilherme R. S. Souza e Silva * RESUMO - O presente artigo apresenta e discute o comportamento das taxas de câmbio

Leia mais

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira

Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria. 1. Câmbio atual é inadequado para a estrutura industrial brasileira Comissão de Finanças e Tributação Seminário: Taxas de Juros e Câmbio: Efeitos dos juros e do câmbio sobre a indústria Armando Monteiro Neto Presidente CNI Maio 2010 1. Câmbio atual é inadequado para a

Leia mais

Indicadores de Desempenho Julho de 2014

Indicadores de Desempenho Julho de 2014 Alguns fatores contribuiram para acentuar a desaceleração da produção industrial, processo que teve início a partir de junho de 2013 como pode ser observado no gráfico nº 1. A Copa do Mundo contribuiu

Leia mais

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia

Avaliação de Conhecimentos. Macroeconomia Workshop de Macroeconomia Avaliação de Conhecimentos Específicos sobre Macroeconomia Workshop - Macroeconomia 1. Como as oscilações na bolsa de valores impactam no mercado imobiliário? 2. OquemoveoMercadoImobiliário?

Leia mais

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos?

Política Cambial. Política Cambial e. Balanço de Pagamentos 26/03/2013. Mecanismos de intervenção na Economia. O que é Balanço de Pagamentos? Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia e Balança de Pagamentos Economia e Administração 3 º sem./medicina Veterinária Núria R. G. Quintana

Leia mais

Em Compasso de Espera

Em Compasso de Espera Carta do Gestor Em Compasso de Espera Caros Investidores, O mês de setembro será repleto de eventos nos quais importantes decisões políticas e econômicas serão tomadas. Depois de muitos discursos que demonstram

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

Depressões e crises CAPÍTULO 22. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard Depressões e crises Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 22 Depressões e crises Uma depressão é uma recessão profunda e de longa duração. Uma crise é um longo período de crescimento baixo ou nulo,

Leia mais

QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA

QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional, Finanças

Leia mais

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa

Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Como Investir em Ações Eduardo Alves da Costa Novatec CAPÍTULO 1 Afinal, o que são ações? Este capítulo apresenta alguns conceitos fundamentais para as primeiras de muitas decisões requeridas de um investidor,

Leia mais

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO

BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 RESUMO 78 BALANÇO DE PAGAMENTOS: desempenho brasileiro em 2010 Guilherme Fernandes de Souza RESUMO Com o objetivo de conhecer o desempenho brasileiro no que se refere ao Balanço de Pagamentos, esse artigo analisa

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE

FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE FLUTUAÇÕES CAMBIAIS RECENTES EM MOÇAMBIQUE D E T E R M I N A N T E S, I M PA C TOS E I M P L I C A Ç Õ E S D E P O L Í T I C A E D UARDO N E VES J OÃO Quais são os determinantes das taxas de câmbio? Os

Leia mais

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público.

63)A razão dívida/pib é tanto maior quanto mais elevada for a taxa de crescimento da economia e quanto menor for o deficit primário do setor público. 61)O financiamento de programas sociais mediante emissão de moeda não somente elevará a dívida pública como também aumentará o resultado primário em razão do aumento das despesas com juros. 62) A queda

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Outubro 2014 A Evolução do Funding e as Letras Imobiliárias Garantidas Filipe Pontual Diretor Executivo da ABECIP O crédito imobiliário

Leia mais