AMUNDI FUNDS PROSPETO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AMUNDI FUNDS PROSPETO"

Transcrição

1 1 AMUNDI FUNDS PROSPETO Relativo à oferta permanente de Ações da AMUNDI FUNDS sociedade de investimento de capital variável (société d'investissement à capital variable) Abril de 2014

2 2 INFORMAÇÕES IMPORTANTES Caso tenha qualquer dúvida relativamente ao conteúdo deste Prospeto, deverá consultar o seu gestor bancário, corretor, consultor jurídico, contabilista ou outro consultor financeiro. Este Prospeto deve ser lido e compreendido antes da realização de qualquer investimento. A distribuição deste Prospeto (o "Prospeto") e/ou do Formulário de Subscrição e a oferta das Ações são efetuadas legalmente nas jurisdições em que o Amundi Funds foi autorizado para distribuição junto do público. É da responsabilidade de qualquer pessoa na posse deste Prospeto e/ou Formulário de Subscrição e de qualquer pessoa que pretenda investir em Ações nos termos deste Prospeto informar-se e cumprir todas as leis e regulamentos aplicáveis de quaisquer jurisdições relevantes, incluindo quaisquer restrições cambiais e regulamentos de controlo cambial aplicáveis e eventuais implicações fiscais no respetivo país de nacionalidade, residência ou domicílio (consultar, também, eventuais anexos a este Prospeto com informações suplementares dirigidas a Investidores de cada jurisdição relevante, se aplicável). Este Prospeto não constitui uma oferta ou solicitação por parte de qualquer pessoa/entidade em qualquer jurisdição em que tal oferta ou solicitação não seja legal ou em que tal pessoa/entidade não se encontre qualificada para o efeito ou feita à atenção de alguém a quem seja ilegal fazer tal oferta ou solicitação. Em particular, as Ações não foram registadas ao abrigo da Lei dos Estados Unidos "Securies Act" de 1933, incluindo alterações, nem foram registadas na Mercados de Valores Mobiliários (Securies and Exchange Comission) ou em qualquer outra comissão de valores mobiliários dos Estados Unidos, e o Fundo não foi registado ao abrigo da Lei dos Estados Unidos "Investment Company Act" de 1940, incluindo alterações. Em conformidade, exceto se o Fundo obtiver confirmação de que as Ações podem ser atribuídas sem violação das leis dos Estados Unidos sobre valores mobiliários, as Ações não podem ser, direta ou indiretamente, oferecidas ou vendidas nos Estados Unidos da América ou em qualquer dos seus territórios, possessões ou áreas sob jurisdição ou a uma Pessoa dos Estados Unidos ou em benefício da mesma. (relativamente à definição de Pessoa dos Estados Unidos, consultar "Subscrição de Ações: Restrições à Subscrição"). As Ações referidas neste Prospeto são oferecidas unicamente com base nas informações dele constantes e nos relatórios nele mencionados. No quadro da oferta feita por meio deste Prospeto, nenhuma pessoa se encontra autorizada a prestar quaisquer informações ou a fazer quaisquer declarações não constantes deste Prospeto, pelo que qualquer aquisição efetuada por qualquer pessoa, com base em declarações não incluídas neste Prospeto ou inconsistentes com as informações dele constantes, correrá por conta e risco do adquirente. Mediante decisão discricionária do Conselho de Administração, as Ações dos Subfundos atualmente objeto de oferta podem ser admitidas a negociação na Bolsa de Valores do Luxemburgo, e se, à data do lançamento de futuros Subfundos, tais Ações se encontrarem a negociação, então as Ações dos futuros Subfundos também serão admitidas a negociação. O Fundo chama a atenção dos Investidores para o facto de que qualquer Investidor apenas poderá exercer plenamente os seus direitos de investidor diretamente junto do Fundo, nomeadamente a participação nas assembleias-gerais de acionistas, se esse Investidor se encontrar registado em seu próprio nome no registo de acionistas do Fundo. Nos casos em que o Investidor investe no fundo através de um intermediário que invista no Fundo em seu próprio nome, ainda que por conta do Investidor (consultar, mais em particular, o Capítulo XIII. G. Representante), poderá não ser sempre possível ao Investidor exercer determinados direitos de acionista diretamente junto do Fundo. Recomenda-se aos Investidores que se aconselhem relativamente aos seus direitos. Os Investidores deverão ter em consideração que o valor do capital e o rendimento do seu investimento em Ações podem flutuar e que alterações nas taxas de câmbio podem ter um efeito independente de aumento ou diminuição do valor do investimento. Consequentemente, os Investidores poderão receber, aquando do resgate das suas Ações, um montante superior ou inferior ao originalmente investido. Os Investidores são informados de que os seus dados ou informações de caráter pessoal apresentados no Formulário de Subscrição ou, por outra forma, fornecidos ao Fundo ou por este obtidos, à data da subscrição ou em qualquer outro momento, assim como os detalhes relativos à sua titularidade de Ações serão conservados em formato digital ou outro e processados em conformidade com o disposto na Lei do Luxemburgo de 2 de agosto de 2002 sobre proteção de dados. Na medida em que tal exija que o Fundo compartilhe informações com vários prestadores de serviços, constituindo ou não empresas do Grupo Amundi, os Investidores autorizam, também, tal uso das informações. Contudo, alguns prestadores de

3 3 serviços sediados fora da União Europeia poderão estar sujeitos a normas de proteção menos rigorosas. As formas autorizadas de utilização de informações podem incluir a conservação de registos, o processamento de ordens, a resposta a questões colocadas pelos Investidores e, também, o fornecimento aos Investidores de informações sobre outros produtos e serviços. Nem o Fundo nem a Sociedade Gestora divulgarão quaisquer informações confidenciais dos Investidores, exceto se tal lhes for exigido por disposição legal ou regulamentar. Cópias deste Prospeto, das Informações Essenciais do Investidor de cada uma das Classes de Ações e do Formulário de Subscrição podem ser obtidas, nas condições supra fixadas, junto de: AMUNDI FUNDS c/o Amundi Luxembourg S.A. (a "Amundi Luxembourg") 5, allée Scheffer L-2520 Luxembourg Grão-Ducado do Luxemburgo Telefone: (352) (Inglês) (352) (Francês) (352) (Espanhol) (352) (Alemão) (352) (Italiano) (352) (Neerlandês) Sociedades do Grupo Amundi designadas para o efeito e outros agentes autorizados para o efeito pelo Fundo (conjuntamente, os "Agentes Autorizados"). Os pedidos de subscrição devem ser efetuados com base no Prospeto em vigor acompanhado pelo último relatório e contas anuais (auditadas) e, se posteriores, pelo último relatório e contas semestrais.

4 4 GLOSSÁRIO Do glossário seguinte constam expressões e correspondentes definições utilizadas neste Prospeto. Ação Agente Registador e de Transferência Alto Rendimento (high yield) Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) Coreia CSSF Depositário Dia de Cálculo Dia de Cotação Dia de Negociação Dia Útil Dia Útil da Moeda Distribuidor Estado-Membro da EU Estatutos Eurolândia Europa Ação sem valor nominal de qualquer classe do capital do Fundo. A emissão, resgate, transferência e conversão de Ações serão da competência do CACEIS Bank Luxembourg. Títulos com notação inferior a BBB- (Standard & Poor's) e/ou Baa (Moody's) envolvem graus de risco progressivamente maiores e correspondem à classe de risco high yield. Organização de países do sudeste da Ásia que tem por objetivo a promoção do desenvolvimento cultural, económico e político da região. Constituída, em 1967, pela Declaração de Banguecoque, tem os seguintes membros: Indonésia, Malásia, Filipinas, Singapura e Tailândia (membros fundadores), Brunei Draussalam, Cambodja, RDP Laos, Myanmar e Vietname (membros adicionais). Coreia do Norte e Coreia do Sul. Commission de Surveillance du Secteur Financier ( Supervisão do Setor Financeiro) - Autoridade regulamentadora e supervisora do Fundo no Luxemburgo. O Depositário do Fundo - CACEIS Bank Luxembourg. Dia em que os bancos do Luxemburgo se encontram, normalmente, abertos para expediente. Qualquer Dia Útil, com exceção de qualquer dia em que, relativamente aos investimentos de um Subfundo, tenha lugar o encerramento de (ou a restrição ou suspensão das negociações em) qualquer bolsa ou mercado em que seja negociada parte substancial dos investimentos desse Subfundo. Qualquer Dia Útil em que os bancos se encontrem abertos para expediente no Luxemburgo e/ou noutros países, conforme detalhado em D. "Períodos de Negociação", Ponto VI. "Organização de Ações". Dia completo em que os bancos do Luxemburgo se encontram abertos para expediente. Dia em que os mercados se encontram abertos para negociação da moeda em questão. Pessoa ou entidade que, a qualquer momento, seja devidamente designada pela Sociedade Gestora para distribuir ou organizar a distribuição de Ações. Um estado-membro da União Europeia é um dos seguintes: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, Dinamarca, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países-Baixos, Polónia, Portugal, República Checa, Roménia, Suécia e Reino Unido. Estatutos do Fundo incluindo eventuais alterações. Qualquer estado-membro da União Monetária Europeia (UME), incluindo, à data do presente Prospeto: Alemanha, Áustria, Bélgica, Chipre, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Malta, Países-Baixos e Portugal. Albânia, Alemanha, Andorra, Áustria, Bielorrússia, Bélgica, Bósnia-Herzegovina, Bulgária, Croácia, Chipre, Dinamarca e territórios sob sua administração, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Estónia, Finlândia, França e territórios sob sua administração, Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Itália, Letónia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Macedónia, Malta, Moldávia, Mónaco, Montenegro, Noruega, Países- Baixos e territórios sob sua administração, Polónia, Portugal, Reino Unido e territórios sob sua administração, República Checa, Roménia, Rússia e Federação Russa (CIS), São Marino, Sérvia, Santa-Sé (Cidade do Vaticano), Suécia, Suíça, Turquia, Ucrânia e União Europeia.

5 5 Europa Emergente Exercício Instrumentos Associados a Ações Instrumentos de Dívida Instrumentos de Mercado Monetário ISDA Investidor institucional MENA Mercado Autorizado Moedas G4 Moedas G5 Moedas G7 Moedas Sem Livre Conversão Obrigação de Alta Qualidade OCDE OIC (UIC) OICVM (UCITS) Albânia, Bielorrússia, Bósnia-Herzegovina, Bulgária, Croácia, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Hungria, Cazaquistão, Letónia, Lituânia, Macedónia, Moldávia, Montenegro, Polónia, República Checa, Roménia, Rússia e Federação Russa (CIS), Sérvia, Turquia e Ucrânia. O exercício do Fundo termina a 30 de junho de cada ano. Todo o título ou instrumento que replique uma ação ou que nela se baseie, incluindo um warrant, um direito de subscrição, um direito de aquisição ou compra, um derivado incorporado baseado em ações ou índices de ações e cujo efeito económico resulte numa exposição exclusiva a ações, um certificado depósito (tal como um ADR ou um GDR). Os Títulos de Participação (P-Notes) são derivados incorporados que não são abrangidos por esta definição. Os Subfundos que pretendam utilizar P-Notes referi-loão especificamente na respetiva política de investimento. Obrigações de taxa fixa e variável e instrumentos de mercado monetário. Instrumentos normalmente negociados no mercado monetário que sejam líquidos e cujo valor possa ser permanentemente determinado. International Swaps and Derivatives Association (Associação Internacional de Swaps e Derivados): organização de negociação global que representa participantes do mercado privado de produtos derivados. Ao avaliar a qualificação de um subscritor ou de um endossatário como investidor institucional elegível, o Conselho de Administração dará a devida consideração às diretrizes ou recomendações da Autoridade Supervisora do Luxemburgo. Região do Médio-Oriente e Norte de África: Egito, Jordânia, Líbano, Omã, Qatar, Kuwait, Bahrein, Arábia Saudita, Emiratos Árabes Unidos, Tunísia e Marrocos Mercado em conformidade com o disposto no Artigo 41º (1) a), b) e c) da Lei de 17 de dezembro de 2010 sobre Organismos de Investimento Coletivo. Euro (), Dólar dos Estados Unidos (), Iene Japonês (JPY) e Libra esterlina (). Euro (), Dólar dos Estados Unidos (), Iene Japonês (JPY), Libra esterlina () e Franco Suíço (CHF). Bélgica, França, Holanda, Itália e Alemanha (), Canadá (CAD), Japão (JPY), Suécia (SEK), Suíça (CHF), Reino Unido (GPB) e Estados Unidos (). Bolívar da Venezuela (VEB), Dinar do Sudão (SDD), Guarani do Paraguai, Naira da Nigéria (NGN), Novo Sol do Peru (PEN), Peso do Chile (CLP), Peso da Colômbia (COP), Ringgit da Malásia (MYR), Rupia da Indonésia (IDR), Rupia do Sri Lanka (LKR) e Sucre do Equador (ECS). Obrigação com qualidade de investimento (investment grade). Organização para a Cooperação Económica e o Desenvolvimento. Os países da OCDE são os seguintes: Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Chile, Coreia do Sul, Dinamarca, Eslováquia, Eslovénia, Espanha, Estónia, EUA, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Islândia, Israel, Irlanda, Itália, Japão, Luxemburgo, México, Nova Zelândia, Noruega, Países-Baixos, Polónia, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia, Suíça e Turquia. Um Organismo de Investimento Coletivo. (Undertaking for Collective Investment) Um Organismo de Investimento Coletivo em Valores Mobiliários (Undertaking for Collective Investment in Transferable Securies) regulamentado pela Diretiva do Conselho 2009/65/CE do Parlamento Europeu, conforme alterada, e de 13 de julho de 2009 do Conselho sobre a coordenação de leis, regulamentos e disposições

6 6 administrativas relativas a organismos de investimento coletivo em valores mobiliários. País Elegível País Europeu que pretende convergir com o O Países da América Latina Países em Desenvolvimento/ Países Emergentes Qualidade de Investimento (investment grade) Região Ásia-Pacífico RMB Sociedade Gestora Subfundo Suplementar Título hipotecário (MBS) Título securizado (ABS) Valor Mobiliário VaR Estado-membro da Organização para a Cooperação Económica e o Desenvolvimento e qualquer país da Europa Ocidental ou Oriental, de África, da Oceânia e dos continentes americanos. Qualquer estado-membro da UE, cuja moeda oficial não seja o O. Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, El Salvador, Equador, Guatemala, Haiti, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela. Todos os países, exceto, à data deste Prospeto: Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Cidade do Vaticano, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos, Finlândia, França, Grécia, Hong Kong, Irlanda, Islândia, Itália, Japão, Luxemburgo, Mónaco, Noruega, Nova Zelândia, Países-Baixos, Portugal, Reino Unido, São Marino, Singapura, Suécia e Suíça. Avaliação do risco expressa na forma de notação emitida por uma agência de notação de crédito. Títulos com notação igual ou superior a BBB- (Standard & Poor's) e/ou Baa (Moody's) envolvem graus de risco progressivamente menores e correspondem à classe de risco investment grade. Países-membros da associação de Cooperação Económica Ásia-Pacífico (Austrália, Brunei Darussalam, Canadá, Chile, China, Coreia do Sul, Estados Unidos, Filipinas, Hong Kong, Indonésia, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, Peru, Rússia, Singapura, Taiwan, Tailândia e Vietname). Renminbi (moeda oficial da República Popular da China). A sociedade gestora do Fundo é a Amundi Luxembourg S.A. (a "Amundi Luxembourg"). Carteira específica de ativos e passivos no seio do Fundo com o seu próprio valor de ativo líquido e representada pela sua própria classe ou classes de ações ("Classe de Ações" ou "Classes de Ações") que se distingue, essencialmente, pela especificidade da sua política e do seu objetivo de investimento e/ou pela moeda em que é denominada. Até 49% do ativo líquido do Subfundo. Os títulos hipotecários (Mortgage-Backed Securities) consistem em pacotes de empréstimos hipotecários transacionados como valores mobiliários (processo conhecido como securização). Os tipos de empréstimos considerados são os garantidos por propriedades imobiliárias específicas. Os títulos securizados (Asset Backed Securities) são pacotes de empréstimos transacionados como valores mobiliários (processo conhecido como securização). Os tipos de empréstimos utilizados são saldos em dívida de cartões de crédito, empréstimos automóveis, segundas hipotecas imobiliárias, empréstimos a estudantes, etc. Ações e outros títulos equiparáveis a ações, obrigações e outros instrumentos de dívida e, também, quaisquer outros títulos negociáveis que envolvam o direito de adquirir quaisquer de tais valores mobiliários por meio de subscrição ou permuta. Valor de exposição (método estatístico que permite uma monitorização precisa do risco, mas que, em circunstância alguma, garante uma rendibilidade mínima).

7 7 ÍNDICE PÁGINA I. GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO... 9 II. FORMA JURÍDICA III. ESTRUTURA IV. LISTA DOS SUBFUNDOS V. OBJETIVO E POLÍTICA DE INVESTIMENTO A. SUBFUNDOS DE AÇÕES B. SUBFUNDOS DE OBRIGAÇÕES C. SUBFUNDOS DE MULTI ATIVOS D. SUBFUNDOS INDEXADOS E. SUBFUNDOS DE RENDIMENTO ABSOLUTO F. SUBFUNDOS MONETÁRIOS VI. ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES A. SUBFUNDOS E CLASSES DE AÇÕES B. CATEGORIAS DE AÇÕES C. TIPO DE AÇÕES D. PERÍODOS DE NEGOCIAÇÃO E. INTERDIÇÃO DE MARKET TIMING F. PROCEDIMENTOS ANTI-BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS VII. SUBSCRIÇÃO DE AÇÕES A. PROCEDIMENTO B. MÉTODOS DE PAGAMENTO C. RESTRIÇÕES ÀS SUBSCRIÇÕES VIII. CONVERSÃO DE AÇÕES A. PROCEDIMENTO B. GENERALIDADES IX. RESGATE DE AÇÕES A. PROCEDIMENTO B. GENERALIDADES X. PREÇOS DAS AÇÕES A. PREÇOS B. DIVULGAÇÃO DE PREÇOS XI. POLÍTICA DE DIVIDENDOS XII. ENCARGOS E DESPESAS A. ENCARGOS DE NEGOCIAÇÃO B. ENCARGOS ANUAIS XIII. OBRIGAÇÕES E RESPONSABILIDADES DE GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO A. SOCIEDADE GESTORA B. BANCO DEPOSITÁRIO C. AGENTE ADMINISTRATIVO D. AGENTE DE REGISTO, DE TRANSFERÊNCIA E DE PAGAMENTO E. GESTORES DE INVESTIMENTO F. SUBGESTORES DE INVESTIMENTO G. REPRESENTANTE H. REPRESENTANTE DO FUNDO XIV. ANO FISCAL E AUDITORIA XV. ASSEMBLEIA-GERAL DE ACIONISTAS XVI. RELATÓRIOS E CONTAS XVII. DURAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E FUSÃO DO FUNDO A. DURAÇÃO DO FUNDO... 86

8 8 B. LIQUIDAÇÃO DO FUNDO C. FUSÃO DO FUNDO XVIII. REGIME FISCAL A. TRIBUTAÇÃO DO FUNDO NO LUXEMBURGO B. TRIBUTAÇÃO DOS ACIONISTAS NO LUXEMBURGO C. ELIGIBILIDADE PARA "PLANO DE POUPANÇA AÇÕES" FRANCÊS XIX. INFORMAÇÕES ADICIONAIS SOBRE A DISTRIBUIÇÃO DO FUNDO EM ITÁLIA XX. OUTRAS INFORMAÇÕES A. PODERES E LIMITES DE INVESTIMENTO B. RESTRIÇÕES ADICIONAIS DE INVESTIMENTO C. REGRAS ESPECÍFICAS APLICÁVEIS A UM SUBFUNDO FEEDER D. SUBFUNDOS E AÇÕES E. AVALIAÇÕES F. GENERALIDADES XXI. DOCUMENTOS DISPONÍVEIS PARA CONSULTA ANEXO I: CLASSES DE AÇÕES ANEXO II: COMISSÃO DE DESEMPENHO ANEXO III: GESTORES E SUBGESTORES DE INVESTIMENTO ANEXO IV: AVALIAÇÃO E GESTÃO DO RISCO

9 9 I. GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO Sede Social 5, allée Scheffer, L-2520 Luxembourg Conselho de Administração Administradores Etienne Clement Diretor Executivo (CEO), Diretor de Marketing Estratégico, Amundi, Paris Jean-François Pinçon Diretor-geral delegado de Vendas Amundi, Paris Guillaume Abel Diretor-geral de Marketing e Comunicação Institucional e Terceiros Distribuidores Amundi, Paris Laurent Bertiau Diretor-adjunto de Distribuição Institucional e de Terceiros, Amundi, Paris Christian Pellis Diretor Global de Distribuição Externa Amundi, Paris Diretores-gerais Julien Faucher Diretor Executivo Amundi Luxembourg S.A., Luxemburgo Philippe Chossonnery Diretor Executivo-adjunto Amundi Luxembourg S.A., Luxemburgo Sociedade Gestora Amundi Luxembourg S.A ("Amundi Luxembourg") 5, allée Scheffer L-2520 Luxembourg Depositário CACEIS Bank Luxembourg S.A. 5, allée Scheffer, L-2520 Luxemburgo Agente de Registo, de Transferência e de Pagamento CACEIS Bank Luxembourg S.A. 5, allée Scheffer, L-2520 Luxemburgo Agente Administrativo Société Générale Securities Services Luxembourg Place de la Gare 1616 Luxemburgo Gestores de Investimento (consultar no Anexo III a lista de Subfundos geridos por cada Gestor de Investimento)

10 10 Amundi Sede 90, boulevard Pasteur, F Paris, França Filial de Londres 41, Lothbury, London EC2R 7HF, Reino Unido Amundi Hong Kong Ltd , One Pacific Place, 88 Queensway, Hong Kong Amundi Japan 1-2-2, Uchisaiwaicho Chiyoda-Ku, Tokyo Japão Resona Bank Ltd Fukagawa Gatharia W2 Bldg, 5-65, Kiba 1-Chome, Koto-Ku, Tokyo , Japão TCW Investment Management Company, Inc. ("TCW") 865, South Figueroa Street, Suite 800, Los Angeles, California 90017, Estados Unidos da América TOBAM S.A.S. 20, rue Quentin Bauchart, Paris BFT Gestion S.A. 90, Bd Pasteur, Paris Subgestores de Investimento (consultar no Anexo III a lista de Subfundos geridos por cada Subgestor de Investimento) Amundi Singapore Ltd 168, Robinson Road #24-01, Capital Tower, Singapura NH-CA Asset Management Co., Ltd (a partir de 1 de setembro de 2011) 10F Nonghyup Culture & Welfare Foundation Bldg Yeoido-dong Yeongdeungpo-gu, Seoul, Coreia Amundi Japan 1-2-2, Uchisaiwaicho Chiyoda-Ku, Tokyo Japão Auditor do Fundo PricewaterhouseCoopers Société Coopérative 400, route d'esch, L-1471 Luxemburgo

11 11 II. FORMA JURÍDICA A AMUNDI FUNDS (o "Fundo") foi constituída sob a forma de Société d Investissement à Capital Variable (SICAV) ao abrigo das leis do Grão-Ducado do Luxemburgo. O Fundo, originalmente Groupe Indosuez Funds FCP, um fundo de investimento mútuo criado em 18 de julho de 1985 e não constituído como sociedade ("Fundo de Investimento Aberto"), foi convertido, ao abrigo do Artigo 110º (2) da lei de 30 de março de 1988, em Organismo de Investimento Coletivo e redenominado GIF SICAV II, em 15 de março de A escritura de transformação e os respetivos Estatutos (os "Estatutos") foram objeto de publicação no Mémorial, Recueil des Sociétés et Associations, em 28 de abril de Posteriormente, a denominação foi alterada para GIF SICAV, em 1 de dezembro de 1999, para CREDIT AGRICOLE FUNDS, em 8 de dezembro de 2000, para CAAM Funds, em 1 de julho de 2007 e para AMUNDI Funds, em 2 de março de As alterações aos Estatutos foram publicadas no Mémorial, Recueil des Sociétés et Associations, em 14 de janeiro de 2000, 17 de janeiro de 2001 e 13 de junho de 2007, respetivamente, no que respeita às três primeiras mudanças de nome, e em 3 de abril de 2010 no que respeita à última. A mais recente alteração dos Estatutos teve lugar em 14 de março de Desde 1 de julho de 2011, o Fundo encontra-se sujeito à Parte I da lei de 17 de dezembro de 2010 sobre Organismos de Investimento Coletivo (a "Lei de 2010"). O Fundo encontra-se registado sob o número de matrícula B no Registo Comercial da Divisão Judicial do Luxemburgo, onde os respetivos Estatutos se encontram disponíveis para consulta, podendo ser obtida uma cópia dos mesmos mediante pedido. O Capital do Fundo é representado por Ações sem valor nominal e é, a qualquer momento, igual ao total do ativo líquido do Fundo. III. ESTRUTURA Ao invés de se concentrar num objetivo de investimento específico, o Fundo dividiu os seus ativos por diferentes Subfundos (cada um deles um "Subfundo"). Cada um destes Subfundos investe num mercado, grupo de mercados ou setor de atividade específicos e a cada Subfundo corresponde uma diferente base de ativos do Fundo. Este esquema permite aos Investidores ou aos respetivos consultores desenvolver uma estratégia de investimento pessoal através de uma seleção de Subfundos disponíveis no Fundo. Deste modo, os Investidores podem reestruturar o seu investimento consoante as circunstâncias, através de simples alterações, a custo reduzido, na seleção de Subfundos em que investem. Os Subfundos atualmente disponibilizados e descritos mais detalhadamente em "Objetivo e Política de Investimento" dividem-se em seis grupos principais, designadamente, Subfundos de Ações, Subfundos de Obrigações, Subfundo Multi Ativos, Subfundos Indexados, Subfundos de Rendimento Absoluto e Subfundos Monetários, conforme descrito no verso. O Valor Patrimonial Líquido (o "VPL") de cada Subfundo é calculado na respetiva moeda de base. Relativamente a algumas classes de ações, o VPL encontra-se igualmente disponível noutras moedas conforme referido no quadro intitulado "Classes de Ações Emitidas pelos Subfundos". O VPL calculado noutra moeda é equivalente ao VPL na moeda de referência de classe de ações relevante após conversão à taxa de câmbio em vigor.

12 12 IV. LISTA DOS SUBFUNDOS AMUNDI FUNDS SUBFUNDOS DE AÇÕES Subfundos Globais / Regionais / Nacionais Equity Euroland Value 1 Equity Global 2 Equity Japan Target Equity US Concentrated Core Equity US Relative Value Equity Global Select Equity Japan Value Equity Euro Select (alteração de nome para Equity Euro em 19 de maio de 2014) Equity Europe Select (alteração de nome para Equity Europe em 6 de junho de 2014) Subfundos de Pequenas Empresas / Temáticos Equity Euroland Small Cap Equity Europe Small Cap 3 Equity Global Gold Mines Equity Global Luxury and Lifestyle Equity Global Agriculture Equity Global Resources Subfundos de Ásia / Mercados Emergentes Equity ASEAN Equity Asia ex Japan Equity Brazil Equity Emerging Europe 4 Equity Emerging Internal Demand Equity Emerging World Equity Asia Pacific ex-japan Equity MENA Equity Greater China Equity India Equity India Select Equity India Infrastructure Equity Korea Equity Latin America Equity Thailand Subfundos de Investimentos Socialmente Responsáveis Equity Global Aqua Subfundos de Ações da Próxima Geração Equity Emerging Anti-Benchmark Equity Emerging Minimum Variance Equity Europe Minimum Variance Equity Global Minimum Variance Equity World Anti-Benchmark 1 Incorporação deste Subfundo no Equity Europe Select (rebatizado Equity Europe em 6 de junho de 2014) em 6 de junho de 2014 com base no VPL datado de 5 de junho de Lançamento deste Subfundo em 22 de abril de Lançamento deste Subfundo em data ulterior. 4 Incorporação deste Subfundo no Equity Emerging Minimum Variance em 12 de setembro de 2014 com base no VPL datado de 11 de setembro de 2014.

13 13 SUBFUNDOS DE OBRIGAÇÕES Subfundos de Obrigações Convertíveis Convertible Credit 5 Convertible Europe Convertible Global Subfundos de Obrigações Euro Bond Euro Aggregate Bond Euro Corporate Bond Euro Corporate Bond Euro Government Bond Euro Inflation Subfundos de Obrigações de Alto Rendimento Bond Euro High Yield Bond Euro High Yield Short Term Subfundos de Obrigações e de Dívida Globais Bond Global Corporate Bond US Opportunistic Core Plus Bond Europe Bond Global Aggregate Bond Global Bond Global Inflation Bond Enhanced RMB Subfundos de Dívida de Mercados Emergentes Bond Asian Local Debt Bond Emerging Inflation Bond Global Emerging Bond Global Emerging Corporate Bond Global Emerging Hard Currency 7 SUBFUNDOS MULTI ATIVOS Multi Asset Emerging Markets Patrimoine 8 SUBFUNDOS INDEXADOS Subfundos Indexados de Ações Index Equity Emerging Markets Index Equity Euro Index Equity Europe Index Equity Japan 9 Index Equity North America Index Equity Pacific (alteração do nome para Index Equity Pacific ex Japan a partir de 1 de julho de 2014) Index Equity USA 10 Index Equity World Subfundos Indexados de Obrigações Index Global Bond () Hedged 11 5 Lançamento deste Subfundo em data ulterior. 6 Lançamento deste Subfundo em data ulterior. 7 Lançamento deste Subfundo em data ulterior. 8 Lançamento deste Subfundo em 28 de abril de O Subfundo não oferece garantia quer da rendibilidade quer do capital. 9 Lançamento deste Subfundo em 15 de abril de 2014 na sequência da incorporação num Subfundo francês denominado "Amundi Index Japon" de um fundo de investimento aberto denominado "Amundi Index". 10 Lançamento deste Subfundo em 15 de abril de 2014 na sequência da incorporação num Subfundo francês denominado "Amundi Index USA" de um fundo de investimento aberto denominado "Amundi Index".

14 14 Index Bond Euro Corporate 12 Index Bond Euro Govies 13 SUBFUNDOS DE RENDIMENTO ABSOLUTO Subfundos de Macro Global Absolute Forex (alteração do nome para Global Macro Forex a partir de 19 de maio de 2014) Global Macro Forex Strategic 14 Absolute Bonds & Currencies (alteração do nome para Global Macro Bonds & Currencies em 6 de junho de 2014) Absolute Global Macro 2 (alteração do nome para Global Macro Bonds & Currencies Low Vol em 19 de maio de 2014) Absolute Global Macro 4 15 Subfundos de Arbitragem Estatística de Ações Absoluto 16 Absolute Statistical Arbitrage 16 Subfundos Neutros de Mercado de Ações Absoluto Absolute Equity Market Neutral Subfundos de Alto Rendimento Absoluto Absolute High Yield Subfundos de Arbitragem de Volatilidade Absoluto Absolute Volatility Arbitrage Absolute Volatility Arbitrage Plus Subfundos de Volatilidade de Ações Absoluto Absolute Volatility Euro Equities Absolute Volatility World Equities Subfundos de Dividendo Absoluto Absolute Global Dividend SUBFUNDOS MONETÁRIOS Cash Cash 11 Este Subfundo não é um subfundo indicial no sentido do Artigo 44º da Lei de 17 de dezembro de Este Subfundo não é um subfundo indicial no sentido do Artigo 44º da Lei de 17 de dezembro de Lançamento deste Subfundo em 14 de abril de Este Subfundo não é um subfundo indicial no sentido do Artigo 44º da Lei de 17 de dezembro de Lançamento deste Subfundo em 14 de abril de Lançamento deste Subfundo em data ulterior. 15 Incorporação deste Subfundo no Absolute Bonds & Currencies (rebatizado Global Macro Bonds & Currencies em 6 de junho de 2014) em 6 de junho de 2014 com base no VPL datado de 5 de junho de Liquidação deste Subfundo em 16 de maio de 2014.

15 15 V. OBJETIVO E POLÍTICA DE INVESTIMENTO O objetivo do Fundo consiste em proporcionar aos Investidores acesso a uma seleção de mercados de todo o mundo através de uma gama diversificada e internacional de Subfundos. A política de investimento do Fundo é definida pelo respetivo Conselho de Administração (o "Conselho" ou o "Conselho de Administração") com base na situação política, económica, financeira ou monetária prevalecente nos mercados elegíveis (v. "Outras Informações: Poderes e Limites de Investimento"), nos quais os Subfundos podem investir. É possível conseguir uma diversificação alargada do risco através de uma seleção de valores mobiliários, instrumentos do mercado monetário e outros ativos autorizados, os quais (exceto no que se refere às restrições referidas em "Outras Informações: Poderes e Limites de Investimento") não estão sujeitos a limitações em termos geográficos ou económicos ou em termos do tipo de investimento escolhido. Os Subfundos são denominados na moeda do país em que investem ou na moeda que melhor reflete o respetivo conteúdo. O Fundo procura minimizar os riscos cambiais dos Subfundos de investimento internacional através do recurso a instrumentos de cobertura autorizados. O Fundo também pode aplicar os seus ativos em unidades de participação de fundos de investimento e em depósitos bancários nas condições e limites descritos na Parte I da Lei de 2010 e na secção "Outras Informações: Poderes e Limites de Investimento". O Fundo pode, nas condições e limites estabelecidos na Lei de 2010, em regulamentos aplicáveis e na prática administrativa, utilizar técnicas e instrumentos relacionados com valores mobiliários e instrumentos do mercado monetário, desde que tais técnicas e instrumentos apenas sejam utilizados para efeitos de cobertura de riscos e gestão eficiente de carteira ou, ainda, como parte integrante da estratégia de investimento, se tal for referido na política de investimento do Subfundo relevante. O Fundo também pode investir em instrumentos financeiros derivados, dentro dos limites definidos na lei de 2010, nas Circulares CSSF aplicáveis e em quaisquer regulamentos luxemburgueses aplicáveis com eventuais alterações. Devido ao efeito de alavancagem do investimento em alguns instrumentos financeiros e à volatilidade dos preços de contratos de futuros, o risco associado ao investimento em Ações do Fundo é, normalmente, mais elevado do que em políticas de investimento convencionais. Para mais informações sobre o processo de gestão do risco relativo a cada Subfundo, consultar o Anexo IV. De uma forma mais geral e consoante o universo de investimento e o tipo de gestão escolhidos, a aquisição de Ações pode expor o Investidor a um determinado número de riscos de entre os seguintes: Risco Cambial Um Subfundo pode ser investido, dentro de proporções e limites variáveis, em títulos e instrumentos expressos noutras moedas que não a respetiva moeda de denominação, do que pode resultar a exposição à variação das taxas de câmbio. Nos Subfundos objeto de cobertura sistemática, poderá existir um risco cambial residual devido às imperfeições da cobertura. Risco de Crédito É o risco de o emitente de títulos de rendimento fixo detidos pelo Subfundo não cumprir os seus compromissos e de o Subfundo não recuperar o seu investimento. Risco de Estratégia de Gestão e de Investimento O Subfundo poderá tentar obter rendibilidade antecipando a evolução relativa de determinados mercados através de estratégias de arbitragem. Tais antecipações podem revelar-se erradas e traduzir-se por uma rendibilidade inferior à estabelecida no objetivo de gestão. Risco de Liquidez Devido, nomeadamente, a condições invulgares de mercado ou a volumes invulgarmente elevados de ordens de resgate, o Subfundo pode ter dificuldade em proceder ao pagamento de montantes devidos a título de resgate dentro do prazo fixado no Prospeto. Risco de Mercado O valor dos investimentos do Fundo pode diminuir na sequência de movimentos nos mercados financeiros. Risco de Pequenas e Médias Empresas O investimento em pequenas e médias empresas proporciona maiores rendimentos potenciais, mas também envolve um maior grau de risco, devido a riscos mais elevados de insolvência ou falência e devido ao menor volume de títulos cotados e às oscilações mais marcadas que tal implica.

16 16 Risco de Países em Desenvolvimento Os investimentos em títulos de Emitentes de Países em Desenvolvimento envolvem considerações e riscos específicos, incluindo os riscos associados aos investimentos internacionais, de uma forma geral, nomeadamente a flutuações cambiais, a mercados de capitais de menor dimensão, a liquidez limitada, a volatilidade de preços, a diferentes condições de transação e controlo e a restrições ao investimento externo, assim como os riscos associados às economias dos Países em Desenvolvimento, incluindo inflação e taxas de juro elevadas, dívida externa volumosa e incertezas políticas e sociais. Risco de Taxa de Juro O Valor Patrimonial Liquido do Subfundo é afetado em conformidade com as flutuações das taxas de juro. Com efeito, quando as taxas de juro descem, o valor de mercado dos títulos de rendimento fixo tende a subir e viceversa. Uma subida das taxas de juro pode resultar numa depreciação dos investimentos do Subfundo. Risco de Transações com Derivados Os Subfundos podem aplicar várias estratégias para reduzir alguns dos riscos e/ou a aumentar o rendimento. Tais estratégias podem incluir a utilização de produtos derivados, tais como opções, warrants, swaps e/ou futuros. Devido às condições de mercado, estas estratégias podem revelar-se mal sucedidas e acarretar perdas para o Subfundo em questão. Os derivados também envolvem riscos específicos, tais como o risco de avaliação incorreta ou abusiva e o risco de correlação imperfeita entre o derivado e os ativos, taxas de juro e índices subjacentes. Risco de Volatilidade Os Subfundos podem ficar expostos ao risco de volatilidade dos mercados e, por conseguinte, sofrer variações acentuadas dentro do limite do Valor de Exposição pré-estabelecido. Uma intensificação marcada da volatilidade dos mercados pode ter impactos negativos na rendibilidade de um Subfundo relativamente ao respetivo objetivo de investimento. A volatilidade significa a avaliação estatística da dispersão de rendimentos de um determinado título ou instrumento. Na prática, a volatilidade é avaliada com base no cálculo do desvio padrão anualizado da variação diária da cotação. Quanto maior a volatilidade, tanto maior o risco do título ou instrumento. Risco de Pagamento Antecipado Nos investimentos em obrigações e/ou instrumentos de dívida, existe a possibilidade de, em caso de queda das taxas de juro, os emitentes ou devedores liquidarem antecipadamente as suas obrigações (mediante o refinanciamento a taxas de juro mais baixas), obrigando, desse modo, o Subfundo a reinvestir o encaixe com taxas de rendimento também mais baixas. Risco de Concentração Geográfica Risco associado ao investimento efetuado pelos Subfundos num número limitado de países devido ao número limitado destes últimos incluídos no indicador de referência do Subfundo em questão. Riscos Associados à Utilização de Técnicas e Instrumentos Relacionados com Valores Mobiliários e Instrumentos de Mercado Monetário A utilização de técnicas e instrumentos relacionados com valores mobiliários e instrumentos de mercado monetário, tais como o empréstimo de títulos, as operações de recompra e de recompra invertida, em particular no que respeita à qualidade do colateral recebido/reinvestido, pode envolver vários riscos, tais como o risco de liquidez, o risco de contraparte, o risco de emitente, o risco de cotação e o risco de pagamento, que podem ter reflexos no desempenho do Subfundo em questão. Contudo, o risco de contraparte pode ser limitado graças à garantia recebida em conformidade com a circular CSSF 08/356. Na medida em que podem ser realizadas por empresas do mesmo grupo da sociedade gestora ou do gestor de investimento ou do subgestor de investimento, estas operações podem dar lugar ao risco de conflito de interesses. Pode ser consultada no portal da Amundi uma política de prevenção e gestão de conflitos de interesses (http://www.amundi.com/documents/doc_download&file= _ ). Risco de Investimento em Títulos Securizados (ABS) Risco de que uma depreciação do valor do colateral subjacente ao título securizado, por exemplo, pelo não pagamento de empréstimos, resulte numa redução do valor do título. Risco de Extensão de Títulos Securizados (ABS) e de Títulos Hipotecários (MBS) Risco de que, em períodos de subida das taxas de juro, os pré-pagamentos abrandem de modo a que títulos considerados de curto/médio prazo passem a títulos de longo prazo, que são muito mais sensíveis às variações das taxas de juro dos que os títulos de curto prazo. Risco de Pré-Pagamento de Títulos Securizados (ABS) e de Títulos Hipotecários (MBS) Risco de que, em períodos de descida das taxas de juro, os títulos de maior rendimento do Subfundo sejam objeto de pré-pagamentos obrigando o Subfundo a substituí-los por títulos de menor rendimento. Risco de Investimento em Títulos a Anunciar (TBA) A aquisição de Títulos a Anunciar (TBA) envolve o risco de perda no caso de o valor do título a comprar descer previamente à data de concretização da operação.

17 17 Risco de classe de Ações de Duração Coberta (DH) relacionado com as taxas de juro: O risco de taxas de juro tem a ver com o facto de que, quando as taxas de juro sobem ao longo da curva, o valor de mercado dos títulos de rendimento fixo tende a baixar e, como resultado, o Valor Patrimonial Líquido das Ações comuns tende a baixar. Inversamente, quando as taxas de juro descem ao longo da curva, o valor de mercado dos títulos de rendimento fixo tende a subir e, como resultado, o Valor Patrimonial Líquido das ações comuns tende a subir. Os títulos de rendimento fixo de longo prazo acusam, em regra, uma maior volatilidade dos preços devido a este risco do que os títulos de curto prazo. O objetivo da estratégia de overlay em derivados cotados implementada pela Classe de Ações DH consiste em reduzir a exposição a variações paralelas das taxas de juro ao longo das curvas. Por conseguinte, o impacto de variações paralelas das taxas de juro no Valor Patrimonial Líquido das Ações DH tende a ser reduzido comparativamente aos efeitos nas Ações comuns. Quando as taxas de juro sobem, o valor de mercado dos títulos de rendimento fixo tende a baixar pelo que o valor de mercado da estratégia de overlay tende a subir e, como resultado, o impacto da subida das taxas de juro no valor das Ações DH tende a ser mais limitado. Inversamente, quando as taxas de juro baixam, o valor de mercado dos títulos de rendimento fixo tende a subir e o valor de mercado da estratégia de overlay tende a baixar e, como resultado, o impacto da subida das taxas de juro no valor das Ações DH tende a ser mais limitado. O Fundo emite Ações dos diferentes Subfundos seguidamente descritos. A. SUBFUNDOS DE AÇÕES Estes Subfundos têm por objetivo obter um crescimento do capital a longo prazo em conformidade com o índice ou índices dos mercados em que cada um deles investe. O crescimento é conseguido através de uma gestão ativa de carteiras constituídas, essencialmente, por Valores Mobiliários, Instrumentos de Mercado Monetário e outros ativos autorizados admitidos à negociação em bolsa de valores ou negociados noutros mercados regulamentados (os "Mercados Autorizados") (v. "Poderes e Limites de Investimento"). Exceto se, por outra forma, referido na descrição de um Subfundo específico e sempre dentro de todos os limites de investimento aplicáveis (v. "Outras Informações: Poderes e Limites de Investimento"), aplicam-se aos Subfundos os princípios seguintes: - no quadro do objetivo e da política de investimento de cada Subfundo, conforme seguidamente descritos, a referência a uma zona geográfica ou à nacionalidade de um título significa a zona geográfica ou país: o o de domicílio da sociedade ou do emitente e/ou em que uma sociedade ou um emitente desenvolvem o grosso da sua atividade; - a política de investimento de cada Subfundo descreve, de forma sistemática, o universo de investimento definido para um mínimo de duas terças partes do ativo do Subfundo; na ausência de outras/quaisquer indicações relativamente à alocação da parte restante do ativo, cada Subfundo está autorizado a investir em: o o o o o o ações e instrumentos associados a ações além dos mencionados na política de investimento; instrumentos de dívida; obrigações convertíveis; unidades de participação/ações de OICVMs e/ou de outros OICs até 10% do ativo líquido; depósitos; outros valores mobiliários e instrumentos de mercado monetário conforme referidos nos Pontos 1.1 e 1.2 do Capítulo XX "Outras Informações: A - Poderes e Limites de Investimento"; - cada Subfundo pode investir em instrumentos derivados financeiros para efeitos de cobertura e de gestão eficiente de carteira, mas na observância, em termos de valores subjacentes, do(s) limite(s) de investimento previstos na respetiva política de investimento; - cada Subfundo está, também, autorizado a, na observância das condições e limites estabelecidos nos pontos 1.3 a 1.6 do Capítulo XX "Outras Informações: B - Restrições Adicionais de Investimento", utilizar técnicas e instrumentos relacionados com Valores Mobiliários e Instrumentos de Mercado Monetário; - os Subfundos que pretendam utilizar Títulos Securizados (ABS) ou Títulos Hipotecários (MBS) referi-lo-ão especificamente na sua política de investimento. Chama-se a atenção dos Investidores para os seguintes factos: - a moeda de denominação referida na política de investimento de um Subfundo não reflete, necessariamente, as moedas em que o mesmo investe;

18 18 - os investimentos em fundos de investimento fechados ou em fundos de investimento abertos podem dar lugar a uma duplicação de comissões e despesas, exceção feita às comissões de subscrição, conversão e resgate, que não podem ser duplicadas no caso de investimentos em fundos promovidos pelo Grupo Amundi; - no caso do investimento em fundos de investimento fechados não sujeitos, no país de origem, à supervisão permanente de uma autoridade supervisora imposta por lei com o objetivo de garantir a proteção dos investidores, o Fundo pode ficar exposto a maiores riscos (tais como, oportunidades de alienação menos frequentes, atrasos em pagamentos, não receção de montantes de liquidação e estruturas judiciais menos protetoras); - sempre que essa seja a única forma de aceder a mercados fechados, o Fundo pode, relativamente a um dado Subfundo, investir através de um veículo de investimento por si detido na totalidade, desde que tal veículo de investimento seja efetivamente controlado pelo Fundo e respeite as políticas e restrições de investimento do Fundo e do Subfundo em questão, que, à data, se encontrem em vigor. 1. Subfundos de Ações: Subfundos Globais / Regionais / Nacionais Aviso de risco De uma forma geral, os Subfundos Globais / Regionais / Nacionais podem envolver a exposição ao Risco de Mercado e ao Risco de Volatilidade. A utilização de instrumentos derivados por determinados Subfundos, enquanto parte do seu processo de investimento e de estratégias de investimento específicas, pode traduzir-se por uma exposição ao Risco de Gestão e de Estratégia de Investimento assim como ao Risco de Transações com Derivados. Mais ainda, na medida em que os investimentos de um determinado Subfundo possam ser efetuados ou cobertos noutras moedas que não a respetiva moeda de denominação, a aquisição de Ações desse Subfundo pode traduzirse por uma exposição ao Risco Cambial. Perfil de risco O investimento nestes Subfundos envolve determinados riscos, conforme acima definidos em Aviso de Risco. Consoante as condições de mercado, os Investidores deverão estar preparados para a hipótese de terem de suportar perdas não realizadas sobre o investimento inicial ao longo de um período de tempo ou perdas efetivas no caso de optarem por dispor do seu investimento num mercado desfavorável. De notar que as Ações não beneficiam de garantia ou de proteção do capital e que não é possível assegurar que as Ações sejam resgatadas pelo preço a que foram subscritas. Perfil do Investidor típico À luz destes objetivos e estratégias de investimento, estes Subfundos apenas interessam a Investidores que: - procurem uma valorização do capital a longo prazo; - não procurem obter um rendimento corrente do investimento (exceção feita aos Investidores que subscrevam Ações de Distribuição); - estejam dispostos a assumir os riscos acrescidos associados ao investimento em valores mobiliários estrangeiros; e - possam suportar a volatilidade. Equity Euroland Value 17 Este Subfundo tem por objetivo o crescimento a longo prazo do capital mediante o investimento de um mínimo de 75% do seu ativo líquido em ações de empresas subvalorizadas (empresas cujas cotações bolsistas sejam consideradas pelo gestor do fundo como inferiores ao seu valor real) de vários setores domiciliadas e listadas num mercado regulamentado da Zona Euro. A parte restante do ativo pode ser investida nos títulos e instrumentos descritos na introdução de "A. Subfundos de Ações". O indicador de referência deste Subfundo é o índice "DJ Euro STOXX Large (Net Dividend)". A moeda de denominação do Subfundo é o euro. 17 Incorporação deste Subfundo no Equity Europe Select (rebatizado Equity Europe em 6 de junho de 2014) em 6 de junho de 2014 com base no VPL datado de 5 de junho de 2014.

19 19 Equity Global 18 O objetivo deste Subfundo consiste em obter, num horizonte de investimento de 5 anos, um crescimento de longo prazo do capital mediante o investimento de, pelo menos, dois terços do ativo em ações emitidas por sociedades de todo o mundo cotadas num mercado regulamentado e com uma capitalização de mercado à data da aquisição superior a 500 milhões. Para atingir este objetivo de investimento, o Gestor de Investimento aplica um processo de investimento que visa construir uma carteira concentrada de ações mais atrativas selecionadas com base no seu potencial de crescimento e em critérios de avaliação. A parte restante do ativo pode ser investida nos títulos e instrumentos descritos na introdução de "A. Subfundos de Ações". Os derivados serão utilizados exclusivamente para fins de cobertura. O indicador de referência deste Subfundo é o índice "MSCI World All Countries (ACWI) TR". A moeda de denominação do Subfundo é o dólar norte-americano. Equity Japan Target Este Subfundo tem por objetivo o crescimento a longo prazo do capital mediante o investimento de um mínimo de 67% do seu ativo total em ações de empresas japonesas subvalorizadas à luz dos seus ativos ou do seu potencial de crescimento ou em vias de recuperação listadas num mercado regulamentado reconhecido do Japão. A parte restante do ativo pode ser investida nos títulos e instrumentos descritos na introdução de "A. Subfundos de Ações". O indicador de referência deste Subfundo é o índice "TOPIX (RI)". A moeda de denominação do Subfundo é o iene japonês. Equity US Concentrated Core Este Subfundo tem por objetivo o crescimento a longo prazo do capital mediante o investimento de um mínimo de 67% do seu ativo total em ações de empresas dos Estados Unidos com capitalização bolsista mínima de mil milhões à data da aquisição (limite este que se preveja ser sempre mantido) listadas num mercado regulamentado dos Estados Unidos ou de qualquer país da OCDE. Em regra, estas empresas detêm uma grande quota de mercado no respetivo setor e são consideradas como possuidoras de modelos de atividade robustos e duradouros com as inerentes vantagens relativamente às empresas concorrentes. A parte restante do ativo pode ser investida nos títulos e instrumentos descritos na introdução de "A. Subfundos de Ações". O indicador de referência deste Subfundo é o índice "Russell 1000 Growth (Total Return Index)". A moeda de denominação do Subfundo é o dólar norte-americano (). Equity US Relative Value Este Subfundo tem por objetivo o crescimento a longo prazo do capital mediante o investimento de um mínimo de 67% do seu ativo total em ações de empresas subvalorizadas (cuja cotação bolsista seja considerada, à data da aquisição, inferior ao valor real, condição esta que se preveja ser sempre mantida) dos Estados Unidos listadas num mercado regulamentado dos Estados Unidos ou de qualquer país da OCDE, isto com o objetivo de constituir uma carteira com grande potencial de crescimento e risco limitado de desvalorização. A parte restante do ativo pode ser investida nos títulos e instrumentos descritos na introdução de "A. Subfundos de Ações". O indicador de referência deste Subfundo é o índice "S&P 500 (Total Return Index)". 18 Lançamento deste Subfundo em 22 de abril de 2014.

20 20 A moeda de denominação do Subfundo é o dólar norte-americano. Equity Global Select Este Subfundo tem por objetivo o crescimento a longo prazo do capital mediante o investimento de um mínimo de duas terças partes do seu ativo em ações e instrumentos associados a ações de todo o mundo. A parte restante do ativo pode ser investida nos títulos e instrumentos descritos na introdução de "A. Subfundos de Ações". O indicador de referência deste Subfundo é o índice "MSCI World". A moeda de denominação do Subfundo é o dólar norte-americano. Equity Japan Value Este Subfundo tem por objetivo o crescimento a longo prazo do capital mediante o investimento de um mínimo de duas terças partes do seu ativo em ações de empresas japonesas. O método de seleção individualizada de títulos com base no valor visa identificar situações de divergência (ações subavaliadas pelo mercado face a um valor da empresa em crescimento), por forma a beneficiar de futuras correções das cotações e, assim, obter rendibilidades acima do índice. A parte restante do ativo pode ser investida nos títulos e instrumentos descritos na introdução de "A. Subfundos de Ações". O indicador de referência deste Subfundo é o índice "Topix Tokyo SE". A moeda de denominação do Subfundo é o iene. Equity Euro Select (alteração do nome para Equity Euro em 19 de maio de 2014) Este Subfundo tem por objetivo a obtenção de uma rendibilidade acima do índice "MSCI Euro", com reinvestimento dos dividendos, mediante um processo de gestão ativa. Para atingir este objetivo, a equipa de gestão investirá um mínimo de 75% do ativo líquido em ações denominadas em euros de empresas da Eurolândia. O processo de investimento assenta num modelo de seleção individualizada de títulos (stock picking), que visa identificar os títulos mais atrativos com base em critérios de potencial de crescimento e de cotação. A parte restante do ativo pode ser investida nos títulos e instrumentos descritos na introdução de "A. Subfundos de Ações". O indicador de referência deste Subfundo é o índice "MSCI Europe". A moeda de denominação do Subfundo é o euro. Equity Europe Select (alteração do nome para Equity Europe em 6 de junho de 2014) Este Subfundo tem por objetivo a obtenção de uma rendibilidade acima do índice "MSCI Europe", com reinvestimento dos dividendos, mediante um processo de gestão ativa. Para atingir este objetivo, a equipa de gestão investirá um mínimo de 75% do ativo líquido em ações europeias. O processo de investimento assenta num modelo de seleção individualizada de títulos (stock picking), que visa identificar os títulos mais atrativos com base em critérios de potencial de crescimento e de cotação. A parte restante do ativo pode ser investida nos títulos e instrumentos descritos na introdução de "A. Subfundos de Ações". O indicador de referência deste Subfundo é o índice "MSCI Europe". A moeda de denominação do Subfundo é o euro.

AMUNDI FUNDS PROSPETO

AMUNDI FUNDS PROSPETO 1 AMUNDI FUNDS PROSPETO Relativo à oferta permanente de Ações da AMUNDI FUNDS sociedade de investimento de capital variável (société d'investissement à capital variable) Agosto de 2014 2 INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Leia mais

Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond

Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond PROSPECTO SIMPLIFICADO DEZEMBRO 2006 Este prospecto simplificado contém informações sobre o Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond, um subfundo (doravante designado

Leia mais

Consulte o prospeto para conhecer as restantes novas descrições.

Consulte o prospeto para conhecer as restantes novas descrições. ESTE DOCUMENTO É IMPORTANTE E REQUER A SUA ATENÇÃO IMEDIATA. Em caso de dúvida quanto às medidas a tomar, deverá consultar imediatamente o seu corretor, gestor bancário, advogado, contabilista, gestor

Leia mais

Preçário dos Cartões Telefónicos PT

Preçário dos Cartões Telefónicos PT Preçário dos Cartões Telefónicos PT Cartão Telefónico PT 5 e (Continente)... 2 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma dos Açores)... 6 Cartão Telefónico PT 5 e (Região Autónoma da Madeira)... 10 Cartão

Leia mais

CAAM Funds Global Quant

CAAM Funds Global Quant CAAM Funds Global Quant PROSPECTO SIMPLIFICADO Abril de 2009 Este prospecto simplificado contém informações sobre o CAAM Funds Global Quant, um subfundo (o "SubFundo") da CAAM Funds (o "Fundo"), um agrupamento

Leia mais

PARVEST USA LS30. Prospecto simplificado Abril de 2008

PARVEST USA LS30. Prospecto simplificado Abril de 2008 PARVEST USA LS30 Subfundo da SICAV PARVEST, Sociedade de Investimento de Capital Variável O subfundo Parvest USA LS30 foi lançado a 30 de Outubro de 2007. Prospecto simplificado Abril de 2008 Este prospecto

Leia mais

PARVEST China Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990

PARVEST China Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990 PARVEST China Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO FEVEREIRO DE 2006 Este prospecto

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO JUNHO DE 2005

PROSPECTO SIMPLIFICADO JUNHO DE 2005 PARVEST Absolute Return Plus (Euro) Sub-fundo da PARVEST, Sociedade Luxemburguesa de Investimento de Capital Variável (a seguir designada por "SICAV") Constituída no dia 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

JPMorgan Funds JF Hong Kong Fund (o Sub-Fundo )

JPMorgan Funds JF Hong Kong Fund (o Sub-Fundo ) JPMorgan Funds JF Hong Kong Fund (o Sub-Fundo ) prospecto simplificado janeiro de 2007 Sub-Fundo do JPMorgan Funds (o Fundo ), SICAV constituída nos termos da lei do Grão-Ducado do Este prospecto simplificado

Leia mais

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES Breve Descrição do Produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Tributação Internacional Junho 2014

Tributação Internacional Junho 2014 www.pwc.pt/tax Tributação Internacional Junho 2014 Perante a aldeia global em que vivemos, atuar apenas no mercado doméstico não é suficiente. De facto, a internacionalização é um requisito obrigatório

Leia mais

PARVEST BOND EURO GOVERNMENT

PARVEST BOND EURO GOVERNMENT Subfundo da SICAV PARVEST, Sociedade de Investimento de Capital Variável Prospecto simplificado Setembro de 200 Este prospecto simplificado contém as informações gerais relativas ao subfundo e à PARVEST

Leia mais

Dirigimo-nos a V. Exa. na qualidade de acionista do BBVA Multi-Asset Moderate EUR Fund, um sub-fundo da BBVA Durbana International Fund ( SICAV ).

Dirigimo-nos a V. Exa. na qualidade de acionista do BBVA Multi-Asset Moderate EUR Fund, um sub-fundo da BBVA Durbana International Fund ( SICAV ). BBVA Durbana International Fund Société d investissement à capital variable 20, boulevard Emmanuel Servais, L-2535 Luxembourg, Grand Duchy of Luxembourg R.C.S. Luxembourg B 27 711 Esta carta ( Carta ),

Leia mais

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006

PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006. PT Prime Preçário Voz Empresarial 2006 PT PRIME PREÇÁRIOS DE VOZ EMPRESARIAL 2006 Versão: 1.0 Pág.: 1/7 1. ACESSO DIRECTO Chamadas DENTRO DO PAÍS Não Corp Corp Local 0,0201 0,0079 Local Alargado 0,0287 0,0105 Nacional 0,0287 0,0105 FIXO MÓVEL

Leia mais

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012

Ação Cultural Externa Relatório Anual 2011 - Indicadores DSPDCE - 2012 Ação Cultural Externa Relatório Anual 0 Indicadores DSPDCE 0 .Iniciativas apoiadas pelo IC a) Número (total): 0 b) Montante global:.0,0,* Áreas Geográficas África América Ásia Europa Médio Oriente e Magrebe

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Prospecto. datado de Julho de 2015 e Regulamento de Gestão

Prospecto. datado de Julho de 2015 e Regulamento de Gestão Prospecto datado de Julho de 2015 e Regulamento de Gestão datado de terça-feira, 30 de dezembro de 2014 Pioneer Funds Um Fundo de Investimento do Luxemburgo (Fonds Commun de Placement) Índice Definições...

Leia mais

Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. - MARÇO 2014 -

Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. - MARÇO 2014 - Condições Particulares do Distribuidor Banco de Investimento Global, S.A. - MARÇO 2014 - Identificação do Distribuidor O Banco de Investimento Global (de ora em diante o Distribuidor ), com sede na Av.

Leia mais

PARTE A: INFORMAÇÕES DE CARÁCTER GERAL

PARTE A: INFORMAÇÕES DE CARÁCTER GERAL Crédit Agricole Funds - EUROSTOCKS O Crédit Agricole Funds é um OICVM umbrella constituído ao abrigo da Parte I da Lei de 20 de Dezembro de 2002, conforme alterada Sede social: 39, Allée Scheffer, L-2520

Leia mais

É disponibilizada uma cópia electrónica deste aviso no sítio Web: www.jpmorganassetmanagement.com

É disponibilizada uma cópia electrónica deste aviso no sítio Web: www.jpmorganassetmanagement.com JPMorgan Funds Société d Investissement à Capital Variable (a "Sociedade") Registered Office: 6 route de Trèves, L-2633 Senningerberg, Grand Duchy of Luxembourg R.C.S. Luxembourg B 49 663 Telephone: +352

Leia mais

Relatório de contas semestral nao auditado. JPMorgan Investment Funds Société d Investissement à Capital Variable, Luxembourg

Relatório de contas semestral nao auditado. JPMorgan Investment Funds Société d Investissement à Capital Variable, Luxembourg Relatório de contas semestral nao auditado JPMorgan Investment Funds Société d Investissement à Capital Variable, Luxembourg 30 de Junho de 2015 JPMorgan Investment Funds Relatório de contas semestral

Leia mais

SICAV do Luxemburgo Classe OICVM. Sede Social: 33 rue de Gasperich, L-5826 Hesperange Registo do Comércio e das Sociedades do Luxemburgo N.

SICAV do Luxemburgo Classe OICVM. Sede Social: 33 rue de Gasperich, L-5826 Hesperange Registo do Comércio e das Sociedades do Luxemburgo N. SICAV do Luxemburgo Classe OICVM Sede Social: 33 rue de Gasperich, L-5826 Hesperange Registo do Comércio e das Sociedades do Luxemburgo N.º B 33363 - Aviso aos Acionistas As seguintes alterações irão ser

Leia mais

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais,

o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, Deliberação 01 de 23 de fevereiro de 2015. o Diretor Executivo da Fundação de Apoio à Pesquisa e Desenvolvimento - FAPED, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO o que dispõe a Lei n." 8.958, de

Leia mais

Resumo do Desempenho em Moeda da classe de cotas

Resumo do Desempenho em Moeda da classe de cotas Resumo do Desempenho em Moeda da classe de cotas As of 30 setembro 2015 FRANKLIN TEMPLETON INVESTMENT FUNDS - Equity Classe de cotas Data de CUSIP 3 anos 5 anos 10 anos Franklin Biotechnology Discovery

Leia mais

Sub-Fundo do JPMorgan Funds (o Fundo ), SICAV constituída nos termos da lei do Grão-Ducado do Luxemburgo.

Sub-Fundo do JPMorgan Funds (o Fundo ), SICAV constituída nos termos da lei do Grão-Ducado do Luxemburgo. JPMorgan Funds Global Socially Responsible Fund (o Sub-Fundo ) prospecto simplificado janeiro de 2007 Sub-Fundo do JPMorgan Funds (o Fundo ), SICAV constituída nos termos da lei do Grão-Ducado do Este

Leia mais

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes.

PÚBLICO ALVO: Promotores de viagens; agentes de viagens; consultores de viagens; operadores de emissivo e receptivo; atendentes. 3. Geografia Turística 3.1 Geografia Turística: Brasil de Ponta a Ponta Proporcionar ao participante melhor compreensão geográfica do país; Apresentar as principais especificidades existentes nos continentes

Leia mais

Invista no Mundo de A a Z! Países - Índices de Acções

Invista no Mundo de A a Z! Países - Índices de Acções Invista no Mundo de A a Z! Países - Índices de Acções Acesso Fácil aos Mercados Accionistas O ABN AMRO Bank N.V. é um subsidiary undertaking do The Royal Bank of Scotland Group plc. Todos os certificados

Leia mais

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS)

Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) Taxa de Empréstimo Estatísticas Financeiras Internacionais (FMI - IFS) África do Sul: Taxa predominante cobrada pelos bancos de contas garantidas prime. Alemanha: Taxa sobre crédito de conta-corrente de

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB

Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional. Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB Despesas em Propaganda no Brasil e sua Interligação com a Economia Internacional Fábio Pesavento ESPM/SUL André M. Marques UFPB O NÚCLEO DE ECONOMIA EMPRESARIAL ESPM-SUL PESQUISA E APOIO 1. Despesas em

Leia mais

AMUNDI FUNDS Dynarbitrage Forex

AMUNDI FUNDS Dynarbitrage Forex Formatted Table AMUNDI FUNDS Dynarbitrage Forex Prospecto Simplificado - Novembro 2010 Este prospecto simplificado contém informações sobre o Amundi Funds Dynarbitrage Forex, um subfundo (o "SubFundo")

Leia mais

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010

MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 MANUAL PROGRAMA DE ESTÁGIO IAESTE 2009/2010 Caro Participante, Seja bem-vindo ao Programa de intercâmbio de estágio oferecido mundialmente pela IAESTE! Leia atentamente este manual. Ele contém todas as

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

PARVEST EQUITY WORLD EMERGING

PARVEST EQUITY WORLD EMERGING Subfundo da SICAV PARVEST, Sociedade de Investimento de Capital Variável Prospecto simplificado Setembro de 2010 Este prospecto simplificado contém as informações gerais relativas ao subfundo e à PARVEST

Leia mais

PARVEST EQUITY TURKEY

PARVEST EQUITY TURKEY Subfundo da SICAV PARVEST, Sociedade de Investimento de Capital Variável Prospecto simplificado Setembro de 2010 Este prospecto simplificado contém as informações gerais relativas ao subfundo e à PARVEST

Leia mais

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz

Serviços Adicionais. 12400 - Portal de Voz Serviços Adicionais 12400 - Portal de Voz Descrição Totoloto, Totobola, Lotarias e Euro Milhões Pode conhecer os números do Euro Milhões meia hora antes do sorteio na TV. Saiba os resultados e o valor

Leia mais

Portugal Leaping forward

Portugal Leaping forward Portugal Leaping forward Dr. Pedro Reis Presidente da AICEP Lisboa, 16 de Março 2012 Enquadramento internacional Fonte: EIU (Fev 2012) Nota: PIB a preços de mercado Variação (%) Enquadramento internacional

Leia mais

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS 1º. Semestre 2013 O Google Analytics é um serviço gratuito oferecido pelo Google que permite analisar as estatísticas de visitação de um site. Este é o primeiro

Leia mais

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015

Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS. Data de Entrada em vigor: 27-Abr-2015 Preçário AGENCIA DE CAMBIOS CENTRAL, LDA AGÊNCIAS DE CÂMBIOS Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS O Preçário completo da Agência de Câmbios Central, Lda., contém o Folheto de e Despesas (que incorpora

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP)

Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) Parceria para Governo Aberto Open Government Partnership (OGP) 1ª Conferência Anual de Alto-Nível da Parceria para Governo Aberto - OGP Roberta Solis Ribeiro Assessoria Internacional - CGU Conselho da

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC UNIÃO EUROPEIA Comércio Exterior Intercâmbio comercial com o Brasil

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

JPMorgan Investment Funds Société d Investissement à Capital Variable (the "Company") Registered Office:

JPMorgan Investment Funds Société d Investissement à Capital Variable (the Company) Registered Office: JPMorgan Investment Funds Société d Investissement à Capital Variable (the "Company") Registered Office: European Bank & Business Centre, 6 route de Trèves, L-2633 Senningerberg, Grand Duchy of Luxembourg

Leia mais

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados

Mercados. informação regulamentar. Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Mercados informação regulamentar Portugal Acordos Bilaterais Celebrados Janeiro 2013 Índice 5 NOTA DE PRÉVIA 6 ENQUADRAMENTO GERAL A 7 ÁFRICA DO SUL 7 ALBÂNIA 7 ALEMANHA 8 ANDORRA 8 ANGOLA 9 ANGUILLA 10

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Caixa Eurostoxx Down maio 2015_PFC Classificação Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Caracterização do Produto Garantia de Capital O Caixa Eurostoxx Down maio 2015 é um depósito indexado

Leia mais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais O Conselho Superior da Magistratura é membro de duas organizações internacionais que promovem a cooperação e concertação

Leia mais

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA.

MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. MAIS PROTEÇÃO PARA O SEU NEGÓCIO. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida COSEC em resumo

Leia mais

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil PAÍS Visto de Turismo Visto de Negócios Observação Afeganistão Visto exigido Visto exigido África do Sul Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias Albânia Dispensa de visto,

Leia mais

SICAV do Luxemburgo Classe OICVM. Sede Social: 33 rue de Gasperich, L-5826 Hesperange Registo do Comércio e das Sociedades do Luxemburgo N.

SICAV do Luxemburgo Classe OICVM. Sede Social: 33 rue de Gasperich, L-5826 Hesperange Registo do Comércio e das Sociedades do Luxemburgo N. SICAV do Luxemburgo Classe OICVM Sede Social: 33 rue de Gasperich, L-5826 Hesperange Registo do Comércio e das Sociedades do Luxemburgo N.º B 33363 Aviso aos Acionistas As seguintes alterações irão ser

Leia mais

Prospecto simplificado do subfundo

Prospecto simplificado do subfundo Prospecto simplificado do subfundo Fundo de investimento de direito luxemburguês («Fonds commun de placement») Constituído conforme a parte I da lei de 20/12/2002 relativa aos organismos de investimento

Leia mais

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa

Uma Rede de apoio à competitividade das empresas. 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Uma Rede de apoio à competitividade das empresas 30 de abril de 2014, ISCTE-IUL, Lisboa Quem somos Quem somos? Onde estamos? Criada pela Comissão Europeia no âmbito do Programa Quadro para a Competitividade

Leia mais

NevaFunds. Prospeto. Março de 2014

NevaFunds. Prospeto. Março de 2014 O conselho de administração do Fundo, cujos nomes dos membros aparecem no Prospeto, é responsável pelas informações contidas neste documento. Tanto quanto é do conhecimento dos Administradores (que efetuaram

Leia mais

Prospecto Informativo - ATLANTICO Cabaz Energia Série II

Prospecto Informativo - ATLANTICO Cabaz Energia Série II Designação Classificação Caracterização do Produto ATLANTICO Cabaz Energia Série II Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 1 ano (360 dias),

Leia mais

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA.

SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA. Across Mundovip Quadrante Soltrópico TUNÍSIA. Club Med Grantur Mundovip Soltrópico. Travelers Travelplan U GANDA. Quem programa o quê? ÁFRICA ÁFRICA DO SUL ANGOLA BOTSWANA CABO VERDE EGIPTO GUINÉ-BISSAU LÍBIA MARROCOS MAURÍCIAS MOÇAMBIQUE NAMÍBIA QUÉNIA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE SENEGAL SEYCHELLES SWAZILÂNDIA E TANZÂNIA

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

mídiakit www.tvgazeta.com.br

mídiakit www.tvgazeta.com.br mídiakit www.tvgazeta.com.br JUNHO / 2015 #HISTÓRIA Fundada no aniversário da cidade de São Paulo, a TV Gazeta fala com uma metrópole globalizada com a intimidade de quem esteve presente na vida e no coração

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas.

CARTA-CIRCULAR N 2.070. Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. CARTA-CIRCULAR N 2.070 Aos Bancos Múltiplos com Carteira Comercial, Bancos Comerciais e Caixas Econômicas. Divulga relação das missões diplomáticas, repartições consulares de carreira e representações

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO SETEMBRO DE 2006 DESCRIÇÃO GERAL

PROSPECTO SIMPLIFICADO SETEMBRO DE 2006 DESCRIÇÃO GERAL PARVEST Europe Real Estate Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO SETEMBRO DE 2006

Leia mais

Relatório de contas semestral nao auditado. JPMorgan Investment Funds Société d Investissement à Capital Variable, Luxembourg

Relatório de contas semestral nao auditado. JPMorgan Investment Funds Société d Investissement à Capital Variable, Luxembourg Relatório de contas semestral nao auditado JPMorgan Investment Funds Société d Investissement à Capital Variable, Luxembourg 30 de Junho de 2011 JPMorgan Investment Funds Relatório de Contas Semestrais

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

JPMorgan Investment Funds Global Healthtech Fund (o Sub-Fundo )

JPMorgan Investment Funds Global Healthtech Fund (o Sub-Fundo ) JPMorgan Investment Funds Global Healthtech Fund (o Sub-Fundo ) prospecto simplificado agosto de 2006 Sub-Fundo do JPMorgan Investment Funds (o Fundo ), SICAV constituída nos termos da lei do Grão-Ducado

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Advertências ao investidor: Remuneração não garantida DOCUMENTO INFORMATIVO EUR BES DUAL 5%+ÁFRICA FEVEREIRO 2011 NOTES PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Impossibilidade de solicitação de reembolso antecipado

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE)

3. CARTÕES DE CRÉDITO E DE DÉBITO (PARTICULARES) (ÍNDICE) 3.1. Cartões de crédito Comissões (Euros) Redes onde o cartão é aceite 1. Anuidades 1 1.º Titular Outros Titulares 2. Emissão de cartão 1 3. Substituição de cartão 2 4. Inibição do cartão 5. Pagamentos

Leia mais

ETF. Société d'investissement à Capital Variable R.C.S. Luxembourg N B 140.772. Relatório Semestral Não Auditado em 31 de dezembro de 2009

ETF. Société d'investissement à Capital Variable R.C.S. Luxembourg N B 140.772. Relatório Semestral Não Auditado em 31 de dezembro de 2009 ETF Société d'investissement à Capital Variable R.C.S. Luxembourg N B 140.772 Relatório Semestral Não Auditado em 31 de dezembro de 2009 As Unidades não podem ser subscritas com base nos Relatórios Financeiros.

Leia mais

CHAVES DE FIM DE CURSO. Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão

CHAVES DE FIM DE CURSO. Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão CHAVES DE FIM DE CURSO Linha Pesada 441, 461 e 500 Linha à Prova de Explosão Índice Importância das Normas Técnicas página 3 Produtos Especiais página 4 Chaves de Emergência Linha 500 página 5 Chaves de

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) EURO IMPOSTO Em todas as Bolsas 12,00 IVA

CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) EURO IMPOSTO Em todas as Bolsas 12,00 IVA 1. CONTAS DE TÍTULOS CUSTÓDIA (POR SEMESTRE OU NA DATA DA LIQUIDAÇÃO DA CONTA TÍTULO) (*) Em todas as Bolsas 12,00 (*) - Aplicável a todas as Contas Títulos com saldo médio diário superior a zero unidades

Leia mais

Invista no Mundo de A a Z! Países - Índices de Acções

Invista no Mundo de A a Z! Países - Índices de Acções Invista no Mundo de A a Z! Países - Índices de Acções Acesso Fácil aos Mercados Accionistas O Royal Bank of Scotland plc é um agente autorizado do The Royal Bank of Scotland N.V. em determinadas jurisdições.

Leia mais

PORTUGAL. A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades. João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015

PORTUGAL. A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades. João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015 PORTUGAL A recente performance de Portugal enquanto destino turístico Mitos e realidades João Cotrim de Figueiredo 05 dezembro 2015 Um ciclo de crescimento longo e a acelerar 12 000 000 10 000 000 Receitas

Leia mais

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM

IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de Título de Viagem da RAEM IX. Dispensa de Visto de Entrada para Portadores de Passaporte e de (países ordenados por continente) Ásia Brunei 14 dias --- Camboja 30 dias c) --- Coreia do Sul 90 dias --- Filipinas 14 dias --- Indonésia

Leia mais

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro

Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro SERVIÇOS DE INTELIGÊNCIA ECONÓMICA Documento de Inteligência Económica TEMA: Redes de apoio às empresas portuguesas no estrangeiro 1. Importância para as empresas em processo de internacionalização A ação

Leia mais

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula:

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula: 1.Tipo e Duração 2.Entidade Gestora 3.Consultores de Fundo de Capital Garantido Aberto, constituído em Portugal. A sua constituição foi autorizada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, em 12/

Leia mais

THREADNEEDLE (LUX) SICAV

THREADNEEDLE (LUX) SICAV THREADNEEDLE (LUX) SICAV Um Organismo Luxemburguês Para Investimento Colectivo em Títulos Mobiliários Nos termos da Parte I da Lei de 20 de Dezembro de 2002 Prospecto Janeiro de 2011 Este Prospecto é apenas

Leia mais

Fusões e cisões transfronteiras

Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Fusões e cisões transfronteiras Consulta organizada pela Comissão Europeia (DG MARKT) INTRODUÇÃO Observações preliminares O presente questionário tem por objetivo recolher

Leia mais

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Advertências ao Investidor Os riscos do, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos

RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO. sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.6.2015 COM(2015) 314 final RELATÓRIO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO sobre os passivos implícitos com impacto potencial nos orçamentos públicos PT PT RELATÓRIO

Leia mais

gabinete de estratégia e estudos

gabinete de estratégia e estudos Gabinete de Estratégia e Estudos Síntese Estatística gabinete de estratégia e estudos INVESTIMENTO DIRECTO Exterior em Portugal e Portugal no Exterior Agosto de 26 Índice Tratamento e análise dos dados

Leia mais

O programa de Instaladores Qualificados da PROINSO ultrapassa as 2.000 empresas integradas em todo o mundo

O programa de Instaladores Qualificados da PROINSO ultrapassa as 2.000 empresas integradas em todo o mundo O programa de Instaladores Qualificados da PROINSO ultrapassa as 2.000 empresas integradas em todo o mundo PROINSO consolida assim a sua liderança internacional Desde a sua colocação em marcha, em 2010,

Leia mais

"Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein)

Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade. (Adaptado livremente de A. Einstein) Fácil assim. 12345 "Faça tudo o mais simples possível, mas com qualidade." (Adaptado livremente de A. Einstein) 12345 Tudo é mais fácil com Lenze. O forte dinamismo dos tempos atuais o coloca em confronto

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2012

Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2012 Volume 39 Ano base 2011 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2010-2011

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS

Brasil 2012 SERVIÇOS E TARIFAS SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

MALTA TRADING EM MALTA

MALTA TRADING EM MALTA MALTA TRADING EM MALTA Trading em Malta 1. Uma jurisdição eficaz para operações de comércio internacional 410.000 MALTA GMT +1 Localizada no coração do mar Mediterrâneo, Malta sempre se destacou pelo seu

Leia mais

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009.

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA IMAGENS BASE Fonte: IBGE, 2009. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/MAIO/2014-488 TEXTO BASE Os blocos

Leia mais

hp hardware support On-Site - GLOBAL

hp hardware support On-Site - GLOBAL hp hardware support On-Site - descrição geral do O de resposta global no dia útil seguinte da HP proporciona aos utilizadores de computadores portáteis uma solução de suporte de hardware para Produtos

Leia mais

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013

Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Compliance e o Desenvolvimento empresarial Marina Araújo 2013 Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Qual o impacto do Compliance para o desenvolvimento? Econômico Como o Compliance das empresas

Leia mais

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16

Introdução... 14. 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 Sumário Introdução... 14 1. Brasões de Armas da África... 16 1.1. África do Sul... 16 1.1.1. Brasões de Armas da África do Sul... 18 1.1.2. Brasão de armas e Botswana... 23 1.1.3. Brasão de armas do Lesoto...

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes,

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, passa a pagar 0,080. Notas: Este tarifário é taxado

Leia mais

Começar Global e Internacionalização

Começar Global e Internacionalização Começar Global e Internacionalização Artur Alves Pereira Assessor do Conselho de Administração, AICEP Portugal Global Fevereiro 06, 2014 1 A aicep Portugal Global Missão. A aicep Portugal Global é uma

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME

NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME NewVision Enquadramento do projecto de Qualificação e Internacionalização de PME 15.06.2010 Institucional \ Breve Introdução A NEWVISION é uma empresa Portuguesa de base tecnológica, que tem como objectivo

Leia mais