Universidade de Brasília FGA Medição e Análise de Software Alunos: Cleiton Gomes e Hebert Douglas. Expert FGA: Medição no Mercado de Moedas E3M

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade de Brasília FGA Medição e Análise de Software Alunos: Cleiton Gomes e Hebert Douglas. Expert FGA: Medição no Mercado de Moedas E3M"

Transcrição

1 Universidade de Brasília FGA Medição e Análise de Software Alunos: Cleiton Gomes e Hebert Douglas Expert FGA: Medição no Mercado de Moedas E3M

2 1. Considerações iniciais Mensuração é uma tecnologia chave de todo programa de melhoramento. O paradigma Goal /Question /Metric (GQM) [BDR97,BCR94b,BW84] é uma abordagem orientada a metas para a mensuração de produtos e processos de software, suportando a definição top down de um programa de mensuração e a análise e interpretação bottom up dos dados de mensuração. Ela foi utilizada com sucesso em diversas empresas, como NASA SEL (EUA), Robert Bosch GmbH (Alemanha) [BDT96], Allianz Lebensversicherungs AG (Alemanha) [GRR94], Digital SPA (Itália) [FLM96], Motorola [Das92], Schlumberger (Holanda) [HOLR96]. O paradigma GQM é baseado no requisito de que a mensuração deveria ser orientada a metas, por exemplo., toda coleta dos dados deve ser baseada num fundamento lógico, que é documentado explicitamente. Essa abordagem tem várias vantagens: ela suporta a identificação das métricas úteis e relevantes tanto quanto suporta a análise e interpretação dos dados coletados. Ela permite um assessoramento da validade das conclusões a que se chegou e evita a resistência contra programas de mensuração. A figura 1 ilustra a abordagem do GQM. Figura 1: abordagem do GQM O projeto E3M surgiu na disciplina de Medição e Análise na Universidade de Brasília (campus Gama) e possui o GQM como paradigma abordado. No decorrer desse documento variáveis relacionadas ao projeto E3M serão descritas de forma simples e coesa.

3 2. Modelo de qualidade de Software A qualidade de um sistema de software pode ser entendida de diversas formas e utilizando diferentes abordagens. Entrentanto, a norma ISO/IEC 9126, ou conjunto de normas que trata deste assunto no âmbito da ISO, estabelece um modelo de qualidade com os seguintes componentes: Processo de desenvolvimento, cuja qualidade afeta a qualidade do produto de software gerado e é influenciado pela natureza do produto desenvolvido; Produto, compreendendo os atributos de qualidade do produto (sistema) de software. Estes atributos de qualidade podem ser divididos entre atributos internos e externos. Estes se diferenciam pela forma como são aferidos (interna ou externamente ao produto de software) e em conjunto compõem a qualidade do produto de software em si; Qualidade em uso que consiste na aferição da qualidade do software em cada contexto específico de usuário. Esta é, também, a qualidade percebida pelo usuário. 2.1 Modelo de Qualidade da Norma ISO 9126 A norma 9126 se foca na qualidade do produto de software, propondo Atributos de Qualidade, distribuídos em seis características principais, com cada uma delas divididas em sub características, conforme podemos ver na figura 2: Figura 2: norma 9126 no foco na qualidade do produto de software No nível mais alto temos as características de qualidade e nos quadros abaixo as suas sub características. Cada característica/sub característica compõe um Atributo de Qualidade

4 do software. As características temos uma sub categoria com o nome de Conformidade. A conformidade é utilizada para avaliar o quanto o software obedece aos requisitos de legislação e todo o tipo de padronização ou normalização aplicável ao contexto. 3. Mercado de Moedas O comércio de moedas ou foreign exchange (FOREX) é um dos mais antigos mercados do mundo e na atualidade o mais ativo e volumoso. Na época do império romano já existiam cambistas trocando moedas, que eram comuns nas feiras ou onde houvesse aglomerações de pessoas, especialmente viajantes. No mercado de moedas o especulador ou negociador não compra ou vende moeda como no mercado manual em que o negociador liga por telefone para um responsável realizar uma operação, apenas negocia a taxa de câmbio derivada das transações entre os bancos. No mercado interbancário, mais de três trilhões de dólares são negociados diariamente ao redor do mundo. O forex é todo eletrônico e abre na segunda feira pela manhã, no horário da Nova Zelândia, e só fecha as 17 horas de sexta feira, no horário dos Estados Unidos. Trata se de um mercado dinâmico porque as taxas de câmbio podem ser negociadas de qualquer lugar onde houver conexão com a internet. Uma prática bastante utilizada no tempos atuais são as pessoas utilizarem experts para realizarem operações. Experts são softwares que possuem modelos matemáticos como condições para entrar no mercado com uma compra ou venda. Em outras palavras, o expert recebe os dados do mercado dos preços das moedas no passado e com base nesses dados, efetua cálculos para prever o preço futuro da moeda e com base nessas informações realiza uma operação de compra ou venda. Sendo assim, é possível ganhar ou perder dinheiro com a operação efetuada. Se, por exemplo, o negociador compra dólar e o dólar começa a subir, o mesmo começa a ganhar dinheiro. Se o contrário ocorre, o dólar começa a cair e o negociador está comprado, ele começa a perder dinheiro. Várias moedas podem ser negociadas, como dólar, euro, yenen (moeda japonesa), dólar canadense e etc.

5 4. Projeto E3M O modelo de qualidade de software é essencial em diversos contextos da Engenharia de Software. No projeto E3M, isso não é diferente. O projeto E3M irá abstrair um atributo de qualidade de acordo com o tópico 2 deste documento. É importante ressaltar que outros atributos de qualidade podem ser levemente relacionadas no projeto, mas o foco é o atributo de desempenho. Logo, o projeto E3M irá abstrair as melhores métricas relacionadas ao desempenho do Expert Medição no mercado de moedas. Relacionado a isso, o processo GQM será incorporado pelo projeto E3M. 5. Visão Geral do Processo GQM O método GQM descreve o planejamento e execução de um programa de mensuração baseado no paradigma GQM. O escopo do método GQM inclui o planejamento, a execução do programa de mensuração, e a captura das experiências ganhas durante esse programa sob forma de modelos. As fases do processo GQM são orientadas ao Paradigma de Melhoria de Qualidade (QIP). Uma visão geral dos passos do processo de um programa de mensuração é dada na figura 3. Figura 3: Visão geral do GQM No começo do programa de mensuração, um estudo prévio é realizado para encontrar modelos de experiência relevantes baseados nas metas e características da organização e dos projetos. Um projeto piloto para a introdução do programa de mensuração é selecionado e caracterizado. Com base nessa informação, uma meta a ser atingida pelo programa de

6 mensuração é especificada, definindo precisamente objeto, objetivo, enfoque de qualidade, ponto de vista e contexto da análise. Com respeito à meta, um conjunto das medidas elevantes é derivado via perguntas e modelos, resultando em um plano GQM consistindo de uma meta, perguntas, modelos e medidas Visão Geral do Processo GQM do Projeto E3M A Visão Geral do Processo GQM do Projeto E3M é similar a visão tradicional do GQM, claro com suas características próprias. No projeto E3M, também é realizado o estudo prévio, identificação de metas para o desenvolvimento do plano GQM, desenvolvimento do plano de mensuração, análise e interpretação e o capturamento de experiências. Nesse estágio do projeto, a coleta de dados não seria viável e logo a mesma não irá ser especificada Estudo prévio E3M O objetivo do estudo prévio é a coleta de informação que é pertinente à introdução de um programa de mensuração na organização. No inicio da disciplina de Medição e Análise, realizada na UnB Gama, foi realizado um estudo prévio sobre o E3M para se verificar a viabilidade da realização do projeto. Como o expert, nada mais é que um software que realiza operações no forex e o mesmo pode ter atributos de qualidade muito bem explicitos, ficou evidente a viabilidade do projeto Identificação de Metas do GQM E3M Com base nas metas organizacionais e do projeto piloto, as metas a serem alcançadas pelo processo de mensuração são determinadas como uma base para o desenvolvimento de um processo de mensuração efetivo. Em outras palavras, depois de feito o estudo prévio é realizado um processo de mensuração para deixar mais claro o processo do GQM do projeto E3M. A tabela abaixo evidencia a dimensão, a definição e o exemplo para identificação das metas. Dimensão Definição Exemplo

7 Objeto de estudo Expert Medição Expert (software) que realiza operações de compra e venda Objetivo O objeto será analisado pelo motivo do mercado de moedas movimentar 3 trilhões de dólares por dia e diversos experts utilizados no mercado possuem atributos de qualidade inconsistentes. Minimizar as perdas ou maximas os ganhos no mercado. Enfoque de qualidade Os atributos que serão analisados será desempenho e confiabilidade. O fato de um expert ter um tempo de resposta maior pode significar milhões. Ponto de vista Os dados podem ser coletados pela própria ferramenta de negociação do mercado de moedas. Contexto O ambiente em que está sendo desenvolvido o projeto E3M é universitário, entretanto as métricas estudadas e/ou desenvolvidas podem ser aplicadas ao mercado. Os dados são fornecidados em.csv ou.txt e podem ser utilizados facilmente Uma operação de compra ou venda pode ser realizada com maior segurança em diversos contextos que o mercado de moedas oferecer. O quadro acima pode ser encapsulado de forma que as informações fiquem mais diretas conforme segue abaixo. Analisar Com o propósito de Com respeito a Do ponto de vista da No contexto de Robos Experts Entender desempenho nas transações equipe do projeto Mercado de moedas e Engenharia de Software

8 Analisar Com o propósito de Com respeito a Do ponto de vista da No contexto de Robos Experts Melhorar percentual de lucro investidor Mercado de moedas e Engenharia de Software 6. Desenvolvimento do Plano de Mensuração Planos GQM contém a informação necessária para planejar mensuração e analisar e interpretar os dados coletados. O plano define precisamente porque as medidas são definidas e como elas serão usadas. As perguntas identificam a informação necessária para atingir a meta e as medidas definem operacionalmente os dados a serem coletados para responder as perguntas. O modelo usa os dados coletados como entrada para gerar respostas às perguntas. Uma ferramenta para a aquisição e estruturação de conhecimento durante as entrevistas é o Abstraction Sheet. O abstraction sheet é um documento de uma página com quatro quadrantes. A seguir segue a tabela Abstraction Sheet do projeto E3M. Objeto Objetivo Enfoque de Qualidade Ponto de vista Contexto Robo Expert Entender Desempenho nas transações Equipe de projeto Mercado de moedas/engenharia de Software Fatores de Qualidade Fatores de Variação Eficiência do programa Eficácia do programa Tempo de resposta O faturamento do robô tipo de paradigma adotado: OO ou estruturado Modelo matemático utilizado Plataforma Corretora (instituição financeira) País onde está a corretora Hipotese de Linha Base Impacto na Hipotese de Linha Base

9 Tempo de resposta em linguagem estruturada 0,2 segundos Tempo de resposta em linguagem orientada a objetos 0,7 segundos Lucro em linguagem estruturada em 1 ano é de 10% Lucro em linguagem orientada a objetos em 1 ano é de 7% O paradigma de programação utilizado influencia no desempenho do programa. O paradigma de programação utilizado altera a margem de lucro. Plataforma utilizada altera pouco a margem de lucro do robô. O modelo matemático influencia no lucro obtido Refinamento do Plano GQM do E3M O objetivo é a definição quantitativa da meta GQM em um conjunto de medidas via perguntas e modelos, com base nos fatores de qualidade e fatores de variação adquiridos durante as entrevistas. Neste passo o plano GQM é desenvolvido. Primeiro, as perguntas são derivadas, expressando a necessidade de informação em linguagem natural. Um exemplo de uma pergunta é: Quantos defeitos são detectados dependente do tipo da inspeção usada? A resposta para uma pergunta pode ser atingida através dos dados coletados e interpretados para as medidas derivadas através de modelos de qualidade. Através do Abstraction Sheet do projeto E3M é possivel derivar as perguntas no contexto do projeto conforme segue abaixo: Questões Q1: O paradigma utilizado para a construção do projeto interfere no desempenho do software? Hipotése: Espera se um maior desempenho com a linguagem estruturada devido a menor complexidade dos programas. Q2: O padrão MVC melhora o desempenho do programa? Hipotése: A principio o padrão MVC não altera o desempenho do programa. Q3: O horário em que as transações são realizadas faz com que o robô realize mais operações? Hipotése: O mercado no período da manhã (horário da Inglaterra) é mais rápido, logo é de se esperar que o robô entre mais vezes no mercado. Q4. A máquina utilizada para rodar o expert pode influenciar no expert? Hipótese: A princípio não, pois a plataforma do mercado Forex não é pesada. Entretanto, é recomadável seguir as especificações fornecidas pelas corretoras do mercado.

10 Q5. O robô funciona em vários sistemas operacionais? Hipótese: O robô roda pelo menos no windows. Q6. A plataforma utilizada altera a lucratividade dos robôs? Hipótese: Com a mudança de plataformas pode ocorrer uma pequena variação no lucro. Q7. O modelo matemático pode influenciar na comparação das plataformas? Hipótese: O modelo matemático irá influenciar pelo fato de ter outros critérios de entrada e saída do mercado. Q8. A velocidade dos robos em paradigmas diferentes garantem maior lucratividade? Hipótese: Robôs que respondem mais rápido tem maior lucratividade. 7. Medidas M1 Tempo de resposta Nome Entidade Escala de medição Tipo de medição Classificação da medida Descrição Como medir Quando medir Diretrizes para interpretação Tempo de resposta Código (Produto) (interno) Absoluta Direta Objetiva O tempo de resposta do sistema é medido a partir do ponto no qual o usuário realiza alguma ação de controle até que o software responda com a saída ou a ação desejada. Contar o tempo que o sistema leva para executar o modelo matemático e realizar um evento de compra ou venda. Para realizar a contagem associar ao MQL4 e MQL5 um programa em C com a função de clock. Sempre que os robôs estiverem em execução. Deve se coletar no minimo 10 tempos. M2 Lucro por período de tempo

11 Nome Entidade Escala de medição Tipo de medição Classificação da medida Descrição Como medir Quando medir Diretrizes para interpretação Lucro por período de tempo selecionado. Produto Absoluta Indireta Objetiva Lucro é o retorno positivo de um investimento feito por um indivíduo, robô ou uma pessoa nos negócios. Calcular o valor de retorno do investimento de acordo com a margem de lucro, alavancagem e a variação do valor das moedas em um período de tempo previamente determinado. Fazer uso do simulador da própria ferramenta para realizar a medição. Quando o código estiver implementado e pronto para uso. Lucro deve ser maior que zero. 6. Coleta de Dados 6.1. Dinâmica da coleta Foram criados 4 robôs (dois com MQL4 e dois em MQL5), sendo que um robô era o MediaMovel. O mediamovel possui o modelo matemático a média móvel como critério de entrada no mercado. Foi feito um robô média móvel em MQL4 e um robô mediamovel em MQL5 e ambos foram comparados. Eles são exatamente iguais, os mesmos parâmetros, os mesmos critérios de entrada.a única diferença entre eles é o paradigma, pois o mediamovel MQL4 é estruturado (parecido com C) e o mediamovel MQL5 é orientado a objetos (muito parecido com C++). A mesma dinâmica foi adotada para o robô MacSimple. Foi feito um robô MacdSimple em MQL4 e outro em MLQ5 e ambos foram comparados para se obter o tempo de resposta e depois o lucro. O modelo matemático usado no MacdSimple é o stochastic. Os testes dos robos foram gravados e podem ser vistos no site: medicao.webnode.com/. Durante os testes foi escolhido o Robô MediaMovel para linguagem estruturada e linguagem OO. Foram usados diversos períodos de tempo para efeitos comparativos. Por exemplo, o robô mediamovel foi simulado na plataforma MQL4 com o período de tempo de um ano e o mesmo robô só que em MQL5 foi simulado também no mesmo período de um ano e os

12 resultado eram comparados. Outros períodos de tempo foram utilizados como 5 anos, 10 anos e todo o histórico do mercado de moedas. A mesma lógica foi utilizada com outro robô denominado MACDSimple. A seguir segue a imagem de uma simulação na plataforma FXDD com o robô MacdSimple Resultados do robôs em tempo de resposta Para se obter o tempo de resposta foi utilizado o robô MediaMovel como referência. Os tempos de resposta do robô mediamovel foram coletados tanto para o MQL4 quanto para o MQL5. Como a linguagem MQL4/MQL5 não possui nenhum recurso para medir o tempo de resposta, foi utilizado um programa em C para auxiliar nessa atividade. Quando o robô media móvel realiza um evento de compra ou venda, o programa em C começa a contar o tempo através da função clock. Após a venda ou compra ser efeada com sucesso, o programa C calculava o tempo de resposta do robô mediamovel. A seguir pode ser visualizado o código em C que coletava o tempo de resposta do robo mediamovel.

13 Quando o robô mediamovel faz uma operação de compra ou venda, ele registra no arquivo mediamovel.txt o valor de 1. Quando essa compra ou venda é feita com sucesso o robô vai no arquivo e muda esse valor para 0. Isso permite o programa em C ler o arquivo e obter o tempo de resposta. A seguir pode ser visualiza a tabela com o tempo de resposta do robô mediamovel tanto em MQl4 quanto em MQL5.

14 Tempo de resposta em segundos MQL4 Tempo de resposta em segundos MQL5 Data Horário 0, , /11/ :57 0, , /11/ :12 0, , /11/ :23 0, , /11/ :14 0, , /11/ :45 0, , /11/ :32 0, , /11/ :13 0, , /11/ :42 0, , /11/ :45 0, , /11/ :18 0, , /11/ :12 0, , /11/ :43 0, , /11/ :42 0, , /11/ :45 0, , /11/ :43 0, , /11/ : Resultados do robôs em lucro A seguir pode ser visualizada a tabela de desempenho do Robo MacdSimple na corretora Alpari. Linguagem Período em anos Lucro/Prejuizo em USD Corretora Forex MQL4 1 ano 212 Alpari Mt4

15 MQL5 1 ano 321 Alpari Mt5 MQL4 5 anos 1313 Alpari Mt4 MQL5 5 anos 1330 Alpari Mt5 MQL4 10 anos 2443 Alpari Mt4 MQL5 10 anos 1095 Alpari Mt5 MQL4 todo histórico 3579 Alpari Mt4 MQL5 todo histórico 2321 Alpari Mt5 A seguir pode ser visualizada a tabela de desempenho do Robo MacdSimple na corretora FXDD. Linguagem Período em anos Lucro/Prejuizo em USD Corretora Forex MQL4 1 ano 214 FxDD Mt4 MQL5 1 ano 323 FxDD Mt5 MQL4 5 anos 1304 FxDD Mt4 MQL5 5 anos 1321 FxDD Mt5 MQL4 10 anos 2439 FxDD Mt4 MQL5 10 anos 1082 FxDD Mt5 MQL4 todo histórico 3584 FxDD Mt4 MQL5 todo histórico 2337 FxDD Mt5 A seguir pode ser visualizada a tabela de desempenho do Robo MediaMovel na corretora Alpari. Linguagem Período em anos Lucro/Prejuizo em USD Corretora Forex MQL4 1 ano 2716 Alpari Mt4 MQL5 1 ano 338 Alpari Mt5 MQL4 5 anos 9280 Alpari Mt4

16 MQL5 5 anos 3328 Alpari Mt5 MQL4 10 anos 8447 Alpari Mt4 MQL5 10 anos 2213 Alpari Mt5 MQL4 todo histórico 1092 Alpari Mt4 MQL5 todo histórico 3211 Alpari Mt5 A seguir pode ser visualizada a tabela de desempenho do Robo MediaMovel na corretora FxDD. Linguagem Período em anos Lucro/Prejuizo em USD Corretora Forex MQL4 1 ano 2713 FxDD Mt4 MQL5 1 ano 339 FxDD Mt5 MQL4 5 anos 9289 FxDD Mt4 MQL5 5 anos 3321 FxDD Mt5 MQL4 10 anos 8452 FxDD Mt4 MQL5 10 anos 2221 FxDD Mt5 MQL4 todo histórico 1098 FxDD Mt4 MQL5 todo histórico 3231 FxDD Mt5 7. Análise e Interpretação Iniciou se a análise comparando se os tempos de resposta dos programas, para isso foram utilizados os robôs media móvel para MQL4 e MQL5.

17 O MQL4 apresentou uma média de tempo de 0,066 segundos com um desvio padrão de 0,0074, já o MQL5 possui uma média de tempo de 0,6175 com um desvio padrão de 0,0896. Comparando os tempos médios de cada uma das linguagens verifica se que o tempo de resposta do MQL5 é 9,35 vezes maior que o MQL4 (835% maior). Com base nisso e realizando a análise do gráfico acima verificou se que os tempos de resposta no MQL4 foram menores que no MQL5 em todas as datas analisadas. Esta análise confirma nosso hipótese inicial que o MQL4 estruturado é mais rápido que o MQL5. Conhecendo o tempo de resposta deu se inicio a coleta de dados para realizar a comparação entre os lucros gerados por cada plataforma em um determinado período de tempo. O objetivo principal é analisar se os dois robos com o mesmo modelo matemático e linguagens diferentes teriam uma margem de lucro diferente. Utilizando a tabela abaixo criou se um gráfico com a comparação entre o MQL4 e MQL5. Linguagem \ Período 1 ano 5 anos 10 anos Todo histórico MQL4 MacdSimple MQL5 MacdSimple MQL4 MediaMovel MQL5 MediaMovel

18 O gráfico acima deixa evidente que comparando se a as linguagens MQL4 e MQL5 com o mesmo modelo matemático, o MQL5 teve os resultados mais favoráveis em todos os períodos de tempo simulados. Essa confirmação se opõe a nossa hipotese que o programa em linguagem estruturada teria uma lucratividade maior que um orientado a objetos. O gráfico também confirma nossa hipótese inicial que com a mudança de modelo matemático os resultados seriam bastante diferentes. A exemplo se for analisado apenas as linhas do MQL5 o robô com o modelo média móvel teve lucro inferior em três das quatro simulações realizadas sendo melhor apenas na ultima simulaçao que leva em conta tod o período de tempo. Estas variações são normais e garante que a escolha de um modelo matemático é um fator muito importante para o êxito do investidor. As mesmas simulações foram efetuadas com o modelo matemático stochastic e em corretoras diferentes, para verificar se este fator de variação modificaria a lucratividade dos robôs utilizados. A partir dos dados da tabela abaixo plotou se um gráfico para verificar o comportamento das corretoras FxDD e Alpari. Corretora \ Periodo 1 ano 5 anos 10 anos Todo histórico Alpari Mt FxDD Mt Alpari Mt FxDD Mt

19 Em ambas as linguagens percebe se através do gráfico que com a mudança de corretora os valores variam muito pouco, apresentando uma diferença quase imperceptível. A linha de comparação entre o Alpari Mt4 com o FxDD Mt4 estão quase sobrepostas evidenciando a pequena mudança de valores na troca de corretoras, o mesmo ocorre para o MQL5. A comparação entre as corretoras confirma nossa hipótese inicial que se houvesse diferença entre os resultados obtidos por diferentes corretoras eles seriam irrelevantes. Baseado em todas as análises efetuadas foi verificado que apesar da linguagem MQL4 ter um tempo de resposta menor em todas as simulações a MQL5 conseguiu obter uma margem de lucro maior. Ficou evidente que o tempo de resposta não é um fator determinante na escolha de um robô de linguagens e plataformas diferentes, o MQL5 se mostrou mais estável pois mesmo com um tempo maior de resposta sua lucratividade foi superior. Percebe se com a análise que não há apenas uma mudança de paradigma de programação entre o MQL4 e MQL5. A principio pode ter ocorrido apenas uma evolução na plataforma tornando o MQL5 melhor, mesmo com tempos de respostas maiores, ou pode ser que os simuladores do MQL5 não estão estáveis o suficiente. Para obter essas respostas é necessário a criação de um novo GQM que levasse em consideração estas duas variáveis e que a análise seja realizada com os robôs operando no mercado em tempo real. 7.1 Teoria de Rough Sets Para análise de dados podem ser aplicados, por exemplo, os testes ao respeito às hipóteses propostas no plano GQM do projeto E3M. O objetivo da análise é identificar padrões e relações entre atributos para permitir o estabelecimento de linhas base e a identificação de áreas problemáticas. A análise estatística pode ser aprimorada através de uma análise qualitativa, por

20 exemplo, usando a teoria de Rough Sets. O objetivo é gerar regras descrevendo e agregando resultados experimentais. A teoria de Rough Sets deriva regras se então agregadas que podem ser usadas formalmente como a base para a integração de conhecimento de um perito humano com as regras derivadas da análise de dados experimentais. Um exemplo dessas regras pode ser, SE (Tipo de versão = A) E (Número de modules novos = baixo) E (Número de LOC mudado = médio) ENTÃO (esforço = muito alto). No contexto do projeto E3M, pode abstrair as seguintes vertentes: Contexto 1 Contexto 2 Contexto 3 Contexto 4 SE o expert MediaMovel ou MACDSimple estiver sendo simulado na corretora FXDD ou Alpari E estiverem com as mesmas configuração, ENTÃO o desempenho deve ser similar. SE o expert em linguagem estruturada for mais rápida que o expert em linguagem OO E ambos os robôs estiverem com a mesma configuração, ENTÃO não significa que o expert mais rápido vai ganhar mais dinheiro. SE o período em que o robô expert em MQL4 e MQL5 forem atuar seja modificado E eles estejam utilizando o mesmo modelo matemático ENTÃO o MQL5 terá uma maior lucratividade. SE em uma simulação no mercado real o MQL4 obter mais lucro que o MQL5 ENTÃO os simuladores estão atuando de forma equivocada. 8. Capturação de experiências O objetivo do projeto E3M também é capturar explicitamente as experiências ganhas durante o programa de mensuração para reutilizar esse conhecimento em projetos de software futuros. Os dados coletados, analisados e interpretados no programa de mensuração são usados para construir modelos organizacionais, como, por exemplo, modelos de perfis tradicionais ou não (experts que agregam mais risco ou não). Em suma, o modelo GQM do projeto E3M pode trazer experiências para que possivelmente no futuro se elabore modelos mais consistentes. 9. Considerações finais O projeto E3M buscou através do GQM mensurar as variáveis atreladas ao projeto. Foi possível obter uma melhor compreensão do processo, como por exemplo, o entendimento da diferença dos resultados da comparação do paradigma OO com o paradigma estruturado.

21 Após serem definidas as metas e as questões do projeto E3M, foi possível realizar a coleta de dados e interpretar as mesmas de maneira adequada. Foi encontrado dificuldades no decorrer do projeto, como por exemplo, a falta de recurso para se medir o tempo de resposta na MQL4 ou MQL5. Mas, nesse caso utilizou se um programa em C como auxilio para se medir o tempo de resposta do robôs. Ou seja, linguagem C que mediu o tempo de resposta dos robôs através de uma comunicação de arquivos. O robô soltou resposta em um arquivo, o programa em C lia o arquivo e calculava o tempo resposta. Todos os resultados do trabalho E3M, estão no seguinte site medicao.webnode.com No site contém videos de vários testes, todo o material teórico, entre outras coisas interessantes para auxiliar no entendimento do projeto. De fato, só se pode controlar aquilo que pode ser medido. 10. Referências bibliográficas BASILI, Victor R. Software modeling and measurement: the Goal/Question/Metric paradigm Paradigm. Technical Report CS TR 2956, Department of Computer Science, University of Maryland, MD 20742, September Software Engineering Laboratory An Operational Software Experience Factory. ACM,1992. Marciniak, editor, Encyclopedia of Software Engineering, volume 1. GQM no desenvolvimento de Software, Christiane Gresse von Wangenheim, 2000.

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Engenharia de Sistemas de Computador

Engenharia de Sistemas de Computador Engenharia de Sistemas de Computador Sistema é um conjunto ou disposição de elementos que é organizado para executar certo método, procedimento ou controle ao processar informações. Assim, o que é um Sistema????????

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

Comparação entre Ferramentas CASE para gerenciamento de Projeto e Métricas de Software no Curso de Sistemas da Informação do UniFOA

Comparação entre Ferramentas CASE para gerenciamento de Projeto e Métricas de Software no Curso de Sistemas da Informação do UniFOA Comparação entre Ferramentas CASE para gerenciamento de Projeto e Métricas de Software no Curso de Sistemas da Informação do UniFOA Professor Doutor Jason Paulo Tavares Faria Junior (Sistemas da Informação

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

O processo de melhoria de processo

O processo de melhoria de processo O processo de melhoria de processo Prof.ª Dra. Aida Araújo Ferreira aidaferreira@recife.ifpe.edu.br Modelos de Melhoria de Processo de Software Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas IFPE

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

NORMA ISO/IEC 14598. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

NORMA ISO/IEC 14598. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com NORMA ISO/IEC 14598 Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Contexto Normas e Modelos de Qualidade Engenharia de Software Qualidade de Software ISO/IEC 14598 - Avaliação da Qualidade de Produto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO

O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO O MERCADO DE AÇÕES FOI REVOLUCIONADO E REDEFINIDO A FÓRMULA DO SUCESSO PODE SER SIMPLES. A maioria dos corretores da bolsa sente dificuldade em atuar permanentemente com sucesso nos mercados financeiros.

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 Renan J. Borges 1, Késsia R. C. Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí, PR Brasil renanjborges@gmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 A ISO 9000-3 é um guia para a aplicação da ISO 9001 para o desenvolvimento, fornecimento e manutenção de software. As

Leia mais

Utilização do GQM no Desenvolvimento de Software

Utilização do GQM no Desenvolvimento de Software Utilização do GQM no Desenvolvimento de Software UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Instituto de Informática Laboratório de Qualidade de Software Fone: (51)

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

Métricas de Software. Sistemas de Informação

Métricas de Software. Sistemas de Informação Métricas de Software Sistemas de Informação Objetivos Entender porque medição é importante para avaliação e garantia da qualidade de software Entender as abordagens principais de métricas e como elas são

Leia mais

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software

Gerenciador de Log. Documento Visão. Projeto Integrador 2015/2. Engenharia de Software. Versão 2.0. Engenharia de Software Documento Visão e Documento Suplementar Gerenciador de Log Documento Visão Versão 2.0 1 Índice 1. Histórico de Revisões...3 2. Objetivo do Documento...4 3. Sobre o Problema...4 4. Sobre o produto...4 4.1.

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

USANDO O IZCODE PARA GERAR SOFTWARE RAPIDAMENTE

USANDO O IZCODE PARA GERAR SOFTWARE RAPIDAMENTE USANDO O IZCODE PARA GERAR SOFTWARE RAPIDAMENTE SUMÁRIO usando o izcode... 1 para gerar software rapidamente... 1 introdução... 2 o que é o izcode?... 2 Como funciona o izcode?... 2 os tipos diferentes

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 Objetivos Apresentar o processo de gerenciamento de qualidade e as atividades centrais da garantia de

Leia mais

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3

Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando Alves Rodrigues 2, Silvio Francisco dos Santos 3 DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA INFORMATIZADO PARA O CONTROLE DE PROCESSOS DA QUALIDADE NA DIRETORIA DE METROLOGIA CIENTÍFICA E INDUSTRIAL DIMCI/INMETRO. Anderson Corrêa Carraro 1, Fernando

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Requisitos Cap. 06 e 07 Sommerville 8 ed. REQUISITOS DE SOFTWARE» Requisitos são descrições de serviços fornecidos pelo sistema e suas restrições operacionais. REQUISITOS DE USUÁRIOS: São

Leia mais

Apoiando organizações de desenvolvimento de software na medição e análise de projetos

Apoiando organizações de desenvolvimento de software na medição e análise de projetos Apoiando organizações de desenvolvimento de software na medição e análise de projetos EQPS Encontro da Qualidade e Produtividade em Software Anne Elise Katsurayama Tayana Uchoa Conte 31 de Outubro de 2005

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Apresentação da Norma ISO 9000-1. Camila Tamico Ushiwata Pós-Graduação ITA CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software

Apresentação da Norma ISO 9000-1. Camila Tamico Ushiwata Pós-Graduação ITA CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Apresentação da Norma ISO 9000-1 Camila Tamico Ushiwata Pós-Graduação ITA CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Introdução Apresentação da Norma ISO 9000 Derivação da Norma ISO 9000

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade

Decidir como medir cada característica. Definir as características de qualidade. Estabelecer padrões de qualidade Escola de Engenharia de Lorena - EEL Controle Estatístico de Processos CEP Prof. MSc. Fabrício Maciel Gomes Objetivo de um Processo Produzir um produto que satisfaça totalmente ao cliente. Conceito de

Leia mais

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br

Qualidade de Software. Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Qualidade de Software Profa. Cátia dos Reis Machado catia@ifc-camboriu.edu.br Verificação x validação Verificação prova que o produto vai ao encontro dos requerimentos especificados no desenvolvimento

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge

Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge Mercado a Termo e Futuro de Dólar: Estratégias de Hedge 1 Hedge no Mercado a Termo No Brasil, são muito comuns as operações a termo real/dólar. Empresas importadoras, exportadoras, com dívidas ou ativos

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU Jessé de Souza da Silva, José Arnaldo de Oliveira Almeida, Gabriel Pereira da Silva Gerenciamento de Configuração de Software Uma Abordagem Conceitual João Pessoa 2015 FACULDADE

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Engenharia de Software Qualidade de Software

Engenharia de Software Qualidade de Software Engenharia de Software Qualidade de Software O termo qualidade assumiu diferentes significados, em engenharia de software, tem o significado de está em conformidade com os requisitos explícitos e implícitos

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares

Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Leis de Lehman Manutenção de Softwares Garantia de Processo Acidentes são eventos raros em sistemas críticos e pode ser impossível simulá-los durante testes de um sistema. Requisitos

Leia mais

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO A COMBINAÇÃO DA DINÂMICA DE SISTEMAS E A ANÁLISE ESTATÍSTICA MELHORA O PROCESSO DE DECISÃO EM SISTEMAS LOGISTICOS FECHADOS

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Capítulo 12 REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar?

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2.1 Capítulo 2 QUALIDADE DE SOFTWARE 1. INTRODUÇÃO Como foi mencionado no capítulo anterior, o papel da Engenharia de Software é, principalmente, fornecer métodos e ferramentas para

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

CMM - Capability Maturity Model

CMM - Capability Maturity Model Tema da Aula Normas e Padrões de Qualidade em II CMM Prof. Cristiano R R Portella portella@widesoft.com.br CMM - Capability Maturity Model Desenvolvido pelo SEI (Instituto de Engenharia de ) Carnegie Mellon

Leia mais

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Introdução a CMMI Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Campina Grande, 29 de setembro de 2008 Agenda Processos Motivação Sintomas de falha de processo Aprimoramento de Processos O Framework

Leia mais

Algumas propriedades dos objetos:

Algumas propriedades dos objetos: Orientação a Objetos Vivemos num mundo de objetos. Esses objetos existem na natureza, nas entidades feitas pelo homem, nos negócios e nos produtos que usamos. Eles podem ser categorizados, descritos, organizados,

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Objetivos. Requisitos de Software. Tipos de Requisitos. O que é um requisito? Requisitos Funcionais e Não- Funcionais. Requisitos Funcionais

Objetivos. Requisitos de Software. Tipos de Requisitos. O que é um requisito? Requisitos Funcionais e Não- Funcionais. Requisitos Funcionais Objetivos de Software Gidevaldo Novais (gidevaldo.vic@ftc.br) Introduzir os conceitos do usuário e do Descrever requisitos funcionais e nãofuncionais (domínio) Apresentar um esqueleto de documento e notas

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral

Capítulo 1. Extreme Programming: visão geral Capítulo 1 Extreme Programming: visão geral Extreme Programming, ou XP, é um processo de desenvolvimento de software voltado para: Projetos cujos requisitos são vagos e mudam com freqüência; Desenvolvimento

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE

Requisitos de Software. Teresa Maciel DEINFO/UFRPE Requisitos de Software Teresa Maciel DEINFO/UFRPE 1 Requisito de Software Características que o produto de software deverá apresentar para atender às necessidades e expectativas do cliente. 2 Requisito

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

Capítulo 1 - Introdução 14

Capítulo 1 - Introdução 14 1 Introdução Em seu livro Pressman [22] define processo de software como um arcabouço para as tarefas que são necessárias para construir software de alta qualidade. Assim, é-se levado a inferir que o sucesso

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr.

Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Engenharia de Software na Prática Hélio Engholm Jr. Novatec Sumário Agradecimentos... 17 Sobre o autor... 18 Prefácio... 19 Capítulo 1 Desenvolvimento de software para o valor de negócios... 20 1.1 Qualidade

Leia mais

3 Qualidade de Software

3 Qualidade de Software 3 Qualidade de Software Este capítulo tem como objetivo esclarecer conceitos relacionados à qualidade de software; conceitos estes muito importantes para o entendimento do presente trabalho, cujo objetivo

Leia mais

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REPROJETO DA ORGANIZAÇÃO COM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. De que forma o desenvolvimento de um novo sistema poderia mudar a maneira de uma organização trabalhar? 2. Como uma empresa pode certificar-se

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados

MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM. Metadados MBA Inteligência Competitiva BI/CPM 1 Data Warehousing PÓS-GRADUAÇÃO MBA Inteligência Competitiva Com ênfase em BI/CPM Metadados Andréa Cristina Montefusco (36927) Hermes Abreu Mattos (36768) Robson Pereira

Leia mais

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.

PADRÕES DE SOFTWARE. Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade. Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS. PADRÕES DE SOFTWARE 1 Jerffeson Teixeira de Souza, Ph.D. Tarciane de Castro Andrade Grupo de Padrões de Software da UECE (GPS.UECE) Julho-2009 CONTEÚDO Introdução aos Padrões de Software O quê são padrões?

Leia mais

Engenharia de Software Software Requirements

Engenharia de Software Software Requirements Requisitos Engenharia de Software Software Requirements SWEBOK, Capítulo 2 Primeira Classificação de Requisito 1. Requisito do usuário: declarações sobre as funções que o sistema deve oferecer 2. Requisito

Leia mais

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3

Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 Introdução ao Aplicativo de Programação LEGO MINDSTORMS Education EV3 A LEGO Education tem o prazer de trazer até você a edição para tablet do Software LEGO MINDSTORMS Education EV3 - um jeito divertido

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software Marcello Thiry 1 2, Christiane Gresse von Wangenheim 1 2, Alessandra Zoucas 12, Leonardo Reis Tristão 1 1 (II-MPS.BR) Incremental

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem www.bettercotton.org Orientação Text to go here O documento Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem da BCI proporciona uma estrutura para medir as mudanças

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Implantação de um Processo de Medições de Software

Implantação de um Processo de Medições de Software Departamento de Informática BFPUG Brazilian Function Point Users Group Implantação de um Processo de Medições de Software Claudia Hazan, MSc., CFPS claudinhah@yahoo.com Agenda Introdução Processo de Medições

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

Pequenas oportunidades são muitas vezes o começo de grandes empreendimentos.

Pequenas oportunidades são muitas vezes o começo de grandes empreendimentos. Desligue ou coloque o seu telemóvel em silêncio Deixe as dúvidas para o fim da apresentação Pequenas oportunidades são muitas vezes o começo de grandes empreendimentos. _ Demóstenes Vivemos constantemente

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Gerenciamento de Qualidade

Gerenciamento de Qualidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Gerenciamento de Qualidade Engenharia de Software 2o. Semestre de

Leia mais

Modelos do Design de Software

Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software Modelos do Design de Software O processo de design na Engenharia de Software parte de três pressupostos básicos: O resultado do design é um produto; O produto é derivado de

Leia mais

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB OBJETIVO GERAL Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB Marisol de Andrade Maués Como objetivo geral, buscou-se avaliar a qualidade de produtos Web, tendo como base o processo de avaliação de qualidade descrito

Leia mais