RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR : CERFLOR EMPRESA AUDITADA:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA:"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR : CERFLOR EMPRESA AUDITADA: RIGESA CELULOSE PAPEL E EMBALAGENS LTDA FÁBRICA DE PAPEL TRÊS BARRAS (FPTB) ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: Os lotes de papel manufaturados pela RIGESA, contém matéria-prima advinda de área de manejo florestal certificada, sendo parte da produção considerada como 100 %certificada, na forma de créditos de volume. Data da Auditoria Principal: de 31/08/11 a 02/09/11 Data da 1ª Manutenção: de xx/xx/xx a xx/xx/xx NELSON LUIZ MAGALHÃES BASTOS Auditor Líder Bureau Veritas Certification Av. do Café 277, 5 andar, Torre B São Paulo-SP

2 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 RESUMO INFORMAÇÕES GERAIS Dados da organização Histórico da organização Descrição Geral do Produto Processos Tipos de Produtos/Fornecedores Saída de Material Manufaturados ou Comercializados Identificação do OAC Organismo de Avaliação da Conformidade Responsável pelo OAC Equipe de Auditoria PROCESSO DE AVALIAÇÃO Norma ou Padrão Normativo utilizado para avaliação Descrição do Processo de Auditoria Planejamento e Realização da Auditoria Lista de pessoal auditado durante toda a auditoria: Relatório Detalhado Sistema Utilizado Procedimentos e documentos do Sistema de Gestão Fornecimento de matéria prima Recebimento de Material, Métodos de Controle e Armazenamento Registros Uso da Marca Registrada PEFC/CERFLOR

3 5.7. Emissão de Notas Fiscais e de Transporte Prestadores de Serviço (Terceiros) Tratamento de Reclamações Requisitos Avaliados Não Conformidades Registradas Oportunidades de Melhoria e Observações Registradas CONCLUSÃO ANEXOS SF17 - Confidencial...Erro! Indicador não definido SF 16 - Confidencial...Erro! Indicador não definido Documentos Pertinentes...Erro! Indicador não definido. A. AUDITORIA DE FOLLOW-UP A.1. Informações Gerais A.2. Equipe de Auditoria A.3. Descrição do programa de Auditoria A.4. Avaliação das ações corretivas apresentadas para as não conformidades registradas.. 28 A.5. CONCLUSÃO FINAL I. PRIMEIRA AUDITORIA DE MANUTENÇÃO Planejamento e Realização da 1ª Auditoria de Manutenção Lista de pessoal auditado durante toda a auditoria: Equipe de Auditoria Alterações no Escopo do Certificado Lista de Fornecedores atualizada Lista de Produtos atualizada Uso da Marca Registrada PEFC/CERFLOR Processos Auditados

4 9. Não Conformidades Registradas Oportunidades de Melhoria e Observações Registradas Conclusão

5 RESUMO O Bureau Veritas Certification (BVC) é um organismo de certificação reconhecido pelo INMETRO, que atua como organismo acreditador e é atualmente responsável por executar os procedimentos de auditorias anuais pelos próximos 05 anos na empresa RIGESA CELULOSE PAPEL E EMBALAGENS LTDA FPTB.. Essas auditorias são feitas para avaliar as atividades relacionadas a gestão da Cadeia de Custódia de acordo com os Princípios e Critérios do CERFLOR, NBR /2007. A empresa RIGESA CELULOSE PAPEL E EMBALAGENS LTDA FPTB atua na Fabricação e Industrialização de Papéis a partir de matéria prima de origem florestal certificada e a sua comercialização. Foram auditados os seguintes processos: Sistema de Gestão Florestal - Aquisição de Matéria Prima Florestal de terceiros Florestal - Identificação de matéria-prima no campo / Movimentação de madeira Florestal - Planejamento do Abastecimento Fábrica - Balança (recebimento e pesagem) Fábrica - Pátio de estocagem de madeira / Processo Industrial Fábrica - PCP / Logística É uma auditoria de recertificação. A organização foi certificada em 2008 pelo BVC. O escopo da Certificação compreende um site. As auditorias de manutenção serão realizadas no prazo máximo de um (1) ano entre duas auditorias subseqüentes. As auditorias foram realizadas pelo auditor do BV durante os dias 31 de agosto e 02 de setembro de 2011, no seguinte local: Três Barras (Santa Catarina). A equipe de auditoria avaliou todos os requisitos do padrão e constatou que a RIGESA CELULOSE PAPEL E EMBALAGENS LTDA FPTB, atende às exigências em suas unidades de gestão. O sistema de gestão está sendo implementado de forma adequada nas áreas cobertas pelo escopo do certificado. 5

6 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 Dados da organização Identificação da Organização Nome da Empresa: RIGESA CELULOSE PAPEL E EMBALAGENS LTDA FPTB. Endereço: Av. Rigesa, 2400 Tres Barras Caixa Postal 31 CEP Cidade/País: Tres Barras SC CNPJ: / Telefone: (47) Fax: (47) Web site: Contato na organização: Responsável pela organização: Pessoa de contato (responsável pela certificação CERFLOR CoC): Haroldo Süssenbach Diretor Administrativo Nilson Carlos Mendes Telefone: (47) Atividade Tipo: Detalhe: Fabricação de papel Papel para embalagens para as fábricas do grupo RIGESA, parte da produção é comercializada (venda externa sem certificação) Número de Funcionários: 410 Tipo de certificado: Único Número de sites incluídos no escopo do certificado: Sites auditados: 1 Três Barras 6

7 1.2. Histórico da organização No ano de 1970, foi iniciada a construção da Fábrica (FPTB). Após 4 anos, em 1974, a Fábrica de Três Barras produziu seu 1º papel. As atividades operacionais iniciaram-se oficialmente no dia 24 de março de 1974, com a produção de 59,5 toneladas/dia de papel. Com uma área construída de , 65 m², a Fábrica de Papel Três Barras produz atualmente em média 670 toneladas/dia de papel dos seguintes tipos: Liner board, Kraft Liner e miolo semi químico, de várias gramaturas, abastecendo todas as unidades de embalagens da empresa, e ainda exportando seu papel para vários países, com o maior foco no Mercosul. Nos últimos anos devido a preocupação da empresa com Segurança e Meio Ambiente foram realizados diversos investimentos, como por exemplo: sinalização de espaços confinados, vias de acesso, tanques e tubulações; sistema de trava quedas para trabalhos em altura; sistema de enlonamento externo de caminhões; programa STOP; implantação do Aterro Industrial; sistema de coleta e queima de gases não condensáveis; sistema de recuperação de terebintina, Central de Reciclagem e principalmente a instalação da Caldeira de Recuperação III proporcionando uma melhoria significativa da qualidade dos padrões de emissão atmosférica. A Rigesa - FPTB decidiu implementar um Sistema Integrado de Gestão objetivando criar valor para a organização e poder demonstrar assim seus compromissos com a melhoria contínua: Da satisfação dos clientes e de outras partes interessadas Do desempenho ambiental Da saúde e segurança dos funcionários e contratados Este Sistema foi desenvolvido tendo em consideração que: A empresa já possui um sistema integrado certificado, baseado nas normas ISO 9001 (2008), ISO (2004) e OHSAS (2007). A consolidação dos três sistemas em um sistema integrado demonstrou ser importante para a melhoria da gestão e como real ferramenta de trabalho. Para as normas ISO (2004), ISO 9001 (2008), OHSAS (2007), o sistema tem o escopo de Manufatura de celulose, Manufatura e fornecimento de papel Linerboard e produtos especiais para embalagens (produtos especiais: o miolo e papeis desenvolvidos especialmente para solicitações de clientes) 7

8 2. Descrição Geral do Produto Fábrica de Papel Três Barras produz atualmente em média 670 toneladas/dia de papel dos seguintes tipos: Liner board, Kraft Liner e miolo semi químico, de várias gramaturas, abastecendo todas as unidades de embalagens da empresa, e ainda exportando seu papel para vários países, com o maior foco no Mercosul Processos O produto fabricado nesta unidade trata-se apenas de papel, sendo certificado pelo CERFLOR apenas o produto destinado as demais fábricas da Rigesa. A matéria prima certificada conforme NBR14789 CERFLOR é proveniente, em quase que sua totalidade, da divisão Florestal da Rigesa, e uma pequena parte trata-se da aquisição de cavaco certificado adquirido de empresas da região Tipos de Produtos/Fornecedores Site Produto Comprado Natureza Declaração Origem Quantidade (t) ano 2011 * Três Barras Madeira Toras Cerflor Florestal Rigesa Três Barras * até 30/08/11. Cavaco para Processo Cavaco Cerflor Forex/ Energia Quantidade (t) ano Saída de Material Manufaturados ou Comercializados Site Três Barras Produto Vendido Papel no formato de bobinas Natureza Declaração Destino Quantidade (t) ano 2011 * Papel Cerflor Clientes Fábrica de Caixas Rigesa Quantidade (t) ano , ,070 * até 30/08/11. 8

9 3. Identificação do OAC Organismo de Avaliação da Conformidade O BUREAU VERITAS CERTIFICATION (BVC) está credenciado pelo INMETRO para realização de certificações com base na norma NBR 14790:2007, podendo emitir certificados com a logomarca deste organismo credenciador. O objetivo do BVC é realizar serviços de certificação com alta credibilidade, sendo este o motivo pelo qual optou em realizar tais certificações de acordo com os requisitos do Sistema Brasileiro de Certificação. Dados para Contato Escritório São Paulo: BUREAU VERITAS CERTIFICATION (BVC) Sr. José Antônio Ferreira da Cunha: Certification Technical Manager Av. do Café 277 Torre B 5 o andar SÃO PAULO/SP Fone: (0**11) Fax: (0**11) Responsável pelo OAC BUREAU VERITAS CERTIFICATION (BVC) Sr Luiz Carlos Martins (Diretor de Certificação) Av. do Café 277 Torre B 5 o andar SÃO PAULO/SP Fone: (0**11)

10 Fax: (0**11) Equipe de Auditoria Auditor Líder: - Nelson Luiz M. Bastos, NMB, auditor líder 10

11 4. PROCESSO DE AVALIAÇÃO 4.1. Norma ou Padrão Normativo utilizado para avaliação O processo de avaliação foi efetuado com base no Escopo de Certificação descrito acima, conforme o Padrão Normativo NBR :2007 Manejo Florestal Cadeia de Custódia e respectivos anexos, elaborado pela ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é uma entidade nãogovernamental, sem fins lucrativos, reconhecida pelo Conmetro como Fórum Nacional de Normalização. A ABNT é o organismo responsável pelo processo de elaboração e revisão das normas do Programa Cerflor. O Padrão Normativo aqui utilizado faz parte do Sistema Brasileiro de Certificação, em que o INMETRO estabelece as regras para o processo de Certificação Descrição do Processo de Auditoria O processo de auditoria de certificação Cadeia de Custódia CERFLOR compreende: Planejamento inicial da auditoria; Definição da equipe de auditoria; Verificação on site quanto ao atendimento do CERFLOR; Emissão do relatório de auditoria; Planejamento de auditoria complementar e/ou de Follow-up (caso pertinente); Apreciação do processo de auditoria por parte da Comissão de Certificação; Emissão de relatório final após avaliação de ações corretivas (caso pertinente) e demais questões pertinentes. 11

12 Planejamento e Realização da Auditoria De acordo com e Escopo de Certificação pretendida, foram executadas as seguintes atividades: análise de documentação, verificações em campo, entrevistas com colaboradores da empresa, prestadores de serviços e partes interessadas. Como todo o processo de Auditoria, as avaliações ocorreram conforme plano de auditoria estabelecido previamente, considerando o tamanho e complexidade das atividades da empresa e caráter amostral de um processo de auditoria, conforme quadro abaixo. Programa da Auditoria Auditor Período Sites Processos 31/08/2011 NMB Manhã Viagem Três Barras NMB Tarde Reunião inicial / GESTÃO da COC 01/09/2011 NMB Manhã Florestal Campo / Escritório Três Barras NMB Tarde Fábrica Balança / Fabricação / PCP 02/09/2011 NMB Tarde Preparação Relatório / Reunião de Encerramento Três Barras NMB Tarde Viagem 4.3. Lista de pessoal auditado durante toda a auditoria: NILSON MENDES - SISTEMA DE GESTÃO MARIZETE SILVA - SISTEMA DE GESTÃO CARL HEINS (CALI) - PCP MARCELO HAENSCH - LOGÍSTICA 12

13 ANTONIO RODRIGUES - FISCAL DECIO DIMAS BUENO - BALANÇA LUIS FERNANDO POSPOR BALANÇA MARCO BRITO - MEIO AMBIENTE LUIZ CLAUDIO - MADEIRA DE TERCEIRO BRUNO FERREIRA FOREX MÁRIO GUEDES - FOREX 5. Relatório Detalhado Sistema de Gestão 6.2 RESPONSABILIDADES E AUTORIDADES Responsabilidades gerenciais Evidenciado o ítem responsável pela cadeia de custódia: Ali Abdul Ayoub. Ítem A Rigesa assume o seguinte compromisso com a Certificação da Cadeia de Custódia: "Empenhada em demonstrar a rastreabilidade da matéria-prima de seu produto (papel) desde a sua origem, e comprovar que essa matéria-prima provém de fontes de manejo sustentável, a empresa obedece os requisitos da Norma ABNT NBR Manejo Florestal - Cadeia de Custódia" Ítem As responsabilidades e autoridades para o pessoal que esteja executando trabalhos que afetam a cadeia de custódia encontram-se descritas nos perfis de cargo (P17-01), nos demais Procedimentos e Instruções de Trabalho das respectivas áreas e na descrição a seguir: a) Aquisição de matéria-prima e identificação de sua origem Divisão Florestal: atividades realizadas conforme procedimentos ICM 061 e ICO 062. b) Processamento de produto abrangendo separação física ou cálculo de porcentagem, e transferência para os produtos finais Coordenador do DL. c) Venda e rotulagem de produtos Coordenador do DL. d) Manutenção de registros Coordenador do DL e Analista do SIG. e) Auditorias internas e controle de não-conformidade - Analista do SIG e Auditores internos. 13

14 6.3 PROCEDIMENTOS DOCUMENTADOS A descrição dos fluxos da matéria-prima desde a entrega no pátio da Fábrica até a expedição do produto final (papel), e a descrição das atividades e rotinas de trabalho se encontram nos Procedimentos e Instruções de Trabalho relacionados abaixo: - P03-12 Procedimento Cadeia de Custódia P03-12 revisão 2 de 20/09/ P04-01 Serviços Técnicos. - P05-01 Recebimento e Análise de Pedidos. - P18-01 Aquisição de Materiais e Serviços. - IT05-01 Programação de Fabricação. - IT06-01 Produção de Papel. - IT07-01 Atividades do Pátio de Madeira. - IT08-01 Produção de Celulose. - IT10-01 Expedição e Armazenamento. 6.4 MANUTENÇÃO DE REGISTROS Os registros originados em todas as atividades relacionadas à Cadeia de Custódia estão identificados nos respectivos procedimentos e instruções de trabalho, onde se tem as seguintes indicações: tipo e origem do registro, meio de arquivamento, locais e responsabilidades de armazenamento e tempo de retenção (mínimo de 5 anos). Evidenciado no P03-12 Procedimento Cadeia de Custódia P03-12 revisão 2 de 20/09/2010, item 2.4 a guarda dos registros por 05 anos. 6.5 GESTÃO DE RECURSOS Recursos humanos Analisado o escopo do treinamento veiculado pela Rigesa. A eficácia do processo do treinamento foi evidenciada nas entrevistas de campo. No RH existe plano para treinamento em cadeia de custódia no caso de admissão de novos fincionários. Evidenciados 13 funcionários treinados, admitidos desde a ultima auditoria em novembro de A empresa promoveu a divulgação da segunda manutenção da certificação em CoC, na intranet, no RIGENEWS n. 77 de março / abril de 2010 e no RIGEINFORMA edição n. 95 de outubro de 2010 e edição n. 98 de maio de

15 O RIGENEWS é corporativo e circula em todas as unidades, possuindo tiragem de 2900 exemplares. Já o RIGEINFORMA tem circulação para todos os funcionários da FPTB, divisão florestal e comunidade local, com tiragem de 1500 exemplares Infra-estrutura A empresa possui os seguintes equipamentos industriais: - Picador, soprador, digestor, refinadores. - Produção de Papel: 1 máquina de papel / 1 rebobinadeira. A fábrica está em fase de ampliação, devendo dobrar a capacidade instalada. Balanças corretamente aferidas, evidenciados laudos de calibração. Foram verificados os números de série das 3 balanças utilizadas: - 2 balanças rodovíárias (materia prima florestal) e 1 balança de bobinas. Rodoviária Toledo - Balança BL (calibrações anuais) Certificado de conformidade /03/11, realizado pela Toledo Rodoviária Toledo - Balança BL (calibrações anuais) Certificado de conformidade de 25/03/11, realizada pela Toledo Prazo mínimo de retenção de 5 anos em conformidade com a norma. Balança de pesagem de bobinas BL (anual) Certificado de conformidade de 24/03/11, realizada pela Toledo. Evidenciado plano de calibração gerenciado pelo sistema máximo com indicação para execução das calibrações anuais. 6.6 INSPEÇÃO E CONTROLE Analisado o Relatório de Auditoria Interna Cadeia de Custódia - COC que serviu como base para a análise crítica. Coerente com o ítem da norma. Auditoria interna de CoC ocorreu entre 19 a 22 de agosto de Evidenciado o planejamento anual das auditorias internas do SIG de 15/02/ Evidenciada a análise crítica conduzida pela alta direção da empresa em 26/08/ Relatório Análise Crítica Cadeia de Custódia - COC. 15

16 DESCRIÇÃO DO FLUXO DA MATÉRIA-PRIMA CERTIFICADA Operação de corte da madeira nas fazendas da Rigesa. Operação de arraste da madeira até o local de carregamento dos caminhões. Operação de processamento da madeira, com o desgalhamento, corte e empilhamento. Carregamento dos caminhões. Veículo de empresa terceirizada procedendo ao transporte da madeira. Momento da pesagem da madeira na Balança da Fábrica. Operação de descarregamento da madeira no pátio da Fábrica. A madeira passa pelo transportador de 16

17 toras e pelo descascador. Após o descascador a madeira entra no picador, transformando-se em cavaco. Pilha de cavacos Operação de cozimento dos cavacos nos Digestores, formando a polpa celulósica. Na Máquina de Papel a massa celulósica transforma-se em papel. Enroladeira, com a formação das bobinas de papel. Expedição: local onde são armazenadas as bobinas de papel para serem encaminhas aos clientes. FLORESTAL PLANEJAMENTO DO ABASTECIMENTO A Fábrica de Papel de Três Barras da Rigesa opera atualmente com cerca de 80 % de madeira oriunda de áreas próprias, consumindo predominantemente Pinus e também o Eucalipto, ambos certificados. Existe ainda o consumo de cavacos de Pinus 17

18 comprados de terceiros, originário da própria madeira da Rigesa, vendida no mercado local. Verificados também dois fornecedores (FOREX e ENERGIA MADEIRAS) de cavacos limpos (certificado). A partir de outubro de 2009 esta matéria prima começou a contribuir na alavancagem da percentagem de certificação. Os 20 % do volume restantes da madeira não certificada, são comprados de terceiros no mercado local. A Rigesa em função do seu sistema de abastecimento de madeira e seu processo de produção, adota o método baseado em porcentagem. A empresa também vende aproximadamente 33 % da sua produção tanto Pinus como Eucalipto para serrarias regionais, coerente com o princípio 5 - Desenvolvimento Ambiental, Econômico e Social das regiões em que se insere a atividade florestal - CERFLOR Porém esta madeira, não impacta na cadeia de custódia, estando fora do escopo de certificação. A produção da Fábrica de Papel de Três Barras é da ordem de 640 ton /dia, ou 230 mi ton / ano. A previsão de consumo da divisão florestal é feita com base no consumo fabril, estando a produção de madeira atualmente em ton /ano (annual removal) de Pinus e ton /ano de Eucalyptus. A meta atual é de 15 a 18 dias de estoque de cavacos em FPTB. O goal em setembro de 2011 era de mil ton de Pinus e ton de eucalipto, abastecimento de madeira da florestal para a fábrica. O Pinus é manejado sem tratos silviculturais (desrrama e desbrota) e cortado (corte raso) em torno do décimo sexto ano. Foi evidenciado o horizonte de prognose, o planejamento de médio prazo ou planejamento tático (3 anos). Evidenciado o planejamento anual de colheita e transporte de madeira - Eucalyptus e Pinus. Existe cadastro florestal, inventário florestal e Sistema de Informações Geográficas corporativo (webfris). Analisado o relatório P18 - Planejamento Madeira evidenciando o gerenciamento estoques de madeira atualizado mensalmente. A Rigesa possui sistema de informações que identifica espacialmente a matéria prima certificada e monitora o planejamento do abastecimento, garantindo assim a rastreabilidade da madeira certificada. FLORESTAL AQUISIÇÃO DE MATÉRIA PRIMA FLORESTAL DE TERCEIROS A Rigesa estimula o plantio de Pinus e Eucalipto por terceiros, através de programa de fomento florestal. Iniciado oficialmente em 1997, possui atualmente cerca de mil hectares com mais de participantes com produtores rurais em 11 municípios do Paraná e 13 de Santa Catarina, representam 70 % dos participantes. Esta madeira não é certificada, porém é aderente a exigência de legalidade, expressa em Formulário para Avaliação de Fornecedores de Toretes e de Cavacos, tem validade para 3 anos caracterizado como um Checklist para Avaliação de Qualidade, Meio Ambiente e Segurança, com garantia da declaração de origem e avaliada por equipe interna. Existe a 4 anos desta forma. 18

19 O Fomento Florestal participa entre 10 % a 15% do volume mensal do setor de compra de madeira. A maioria da matéria-prima adquirida, advem da compra de toretes de Pinus, Eucaliptos e cavacos de Pinus da própria Rigesa e cavacos para energia. O programa de aquisição mensal atual é da ordem de ton (6500 ton cavacos de Pinus e ton de toretes). Tem 2 fontes de cavacos já certificados: Forex e Energia Madeiras. Fontes Controversas Para garantia de que não haverá a aquisição de matéria-prima de fontes controversas a empresa qualifica seus fornecedores, conforme descrito no procedimento de aquisição P18-02 Qualificação e Avaliação do Fornecedor. Além da qualificação acima descrita, a empresa exige a emissão de declaração do fornecedor de que a madeira não provém de fontes controversas. A Rigesa, conduziu a avaliação de risco de compra de matéria-prima de fontes controversas considerando a lista de indicadores (ítem 3.5 e 3.6 do Anexo "G" da NBR 14790:2007). Tanto os indicadores de probabilidade em nível da cadeia de fornecedor como os de probabilidade em nível de País/região apontaram como baixo no diagrama de Probabilidade de Risco. Os fornecedores de toretes de Pinus são qualificados com base em visitas de campo pelos funcionários da área de compra de madeira, onde é preenchido o formulário FCM Formulário para Avaliação de Fornecedores de Toretes, avaliando o enquadramento às especificações exigidas pela FPTB, existem também auditorias de manutençao realizadas a cada 3 anos. Os fornecedores de cavacos (processo e biomassa), também são qualificados mediante a aplicação do formulário FCM Formulário para Avaliação de Fornecedores de Cavacos e também pela análise de amostra de cavaco. Existem também auditorias de manutenção a cada 3 anos. Atende ao ítem 5.6. da norma. FLORESTAL IDENTIFICAÇÃO DE MADEIRA PRÓPRIA NO CAMPO Evidenciado no campo o procedimento ICO Identificação da Matéria Prima / Produto Florestal na Unidade de Manejo. Correta identificação da origem da madeira no campo: - mapa do microplanejamento da colheita - placas de identificação do talhão nos pontos de melhor visualização Identificada também a rastreabilidade da informação da origem da madeira: - o motorista do caminhão dirige-se ao local de carregamento após liberação pelo trailler de medição; - após o carregamento, o motorista entrega a nota fiscal de transporte ao operador do carregador onde são complementadas as informações da região, talhão data e hora de carregamento; - a nota fiscal preenchida, acompanha a carga até a balança na FPTB; - ao final de cada turno, o operador encaminha o controle de cargas para sede, o qual posteriormente é enviado à Contabilidade. Visitada a Fazenda Ruthes, talhões 15 e 16. Evidenciado a colheita, o carregamento e o picador de resíduos do Pinus. 19

20 FLORESTAL MOVIMENTAÇÃO DA MADEIRA (Colheita / Carregamento /Transporte) Analisado o ICO Atividades da Colheita e Transporte de Madeira. A colheita da madeira é mecanizada, utilizando na derrubada o feller buncher, no arraste o skidder e no desgalhamento e traçamento o processador florestal. A operação é realizada totalmente com recursos próprios, somente a atvidade do transporte é terceirizada. É feito um microplanejamento de colheita, integrado com o SIG, de cada talhão a ser colhido sendo enviado ao responsável pelas operações de campo. Os responsáveis de campo recebem no dia seguinte os relatórios díários das 4 atividades da produção: derrubada, arraste, processamento e carregamento. Estes controles de informações são gerados pelo sistema de controle florestal e são importante ferramenta de gestão das atividades operacionais. Corte próprio de Pinus: Frente em Santa Catarina, região 26 Fazenda RUTHES, município de Itaiópolis, em torno de 50% da produção. A outra frente no Paraná, região 51 Fazenda Avencal da Estrela, município de Antonio Olinto. Estavam operando 1 Feller, e 1 Skidder Tiger Cat 6 x6 e 3 Processadores Florestais. O módulo é 1 Feller para 1 Skidder TigerCat, com a produção aproximada de 350 árvores / hora. A Empresa opera em 3 turnos, das 05:00 hs às 01:06 hs. Módulo de aproveitamento de resíduos no campo: harvester, carregador e picador.(empreiteira NP Resíduos). Corte terceirizado nas áreas de eucaliptos. A Empresa possui quase 500 fazendas agrupadas em 77 Regiões. Vistoriadas em campo todas as operações da produção: corte, arraste, desgalhamento, traçamento, carregamento e picagem de resíduos para FPTB. Evidenciada a correta identificação da origem da madeira, atestando a rastreabilidade da Cadeia de custódia. FÁBRICA BALANÇA ( Recebimento e Pesagem) Atende ao ítem O lote de fabricação, para fins de cadeia de custódia, abrange toda celulose fabricada no período de um mês. Todos os produtos são identificados por um código de barras. De acordo com a IT06-01, através de relatórios, é possível rastrear o lote de cadeia de custódia para cada produto produzido, podendo ser evidenciados: a data 20

21 de fabricação, números do rolo, da máquina, da tiragem, do setor, o peso, as dimensões, o material e o cliente. Atendimento ao ítem Evidenciado no carregamento de madeira entregue na fábrica o documento fiscal com as seguintes informações: área de origem da madeira, estimativa em toneladas da quantidade de madeira e a data de saída do carregamento do ponto de origem. Entrando na FPTB, cada carregamento de madeira é associado, via sistemas informatizados, às seguintes informações: quantidade de madeira (em ton.) real, data de entrega da madeira na empresa e categoria de origem da madeira (certificada ou não certificada). Atendimento ao ítem A matéria-prima própria está coberta por um certificado váildo (CERFLOR) em conformidade com a norma NBR No caso de compra de matéria-prima certificada está previsto no procedimento de Cadeia de Custódia P03-12, a exigência de certificado válido em conformidade com a NBR 14790:2007.fornecedor (Forex) de cavacos certificado, com o. certificado de conformidade n validade 24/03/2014 e fornecedor Energia madeiras, certificado , validade 18/08/2015. A balança de recebimento de madeira na fábrica (FPTB), faz a pesagem do caminhão com toras de Pinus e Eucalipto ou cavacos de Pinus. O balanceiro alimenta os dados de pesagem no sistema. O controle se faz por software, desenvolvido pela Rigesa, onde não é permitido o lançamento indevido de qualquer uma das 3 matérias primas citadas. As notas fiscais de transferência da área florestal para FPTB, passaram a ser emitidas pela balança pelo sistema SAP. A Rigesa adota a nota fiscal eletrônica, o balanceiro digita a placa do caminhão e o número da nota fiscal e o sitema da balança valida as informações. Esta consistência não permite a digitação de número de nota fiscal incorreto, dando maior segurança ao processo da rastreabilidade. São recebidas em média 120 cargas por dia para FBTB (100 Pinus e 20 Eucaliptos) mais 10 cargas de cavacos limpos e 8 de cavacos sujos, material remanescente da picagem de residuos florestais das áreas de colheita da Rigesa. Evidenciado lançamentos de notas fiscais no sistema de informações.verificada a impossibilidade de ocorrer erro no lançamento entre matéria prima certificada e não certificada. Estes dados são utilizados pela contabilidade para seus controles internos de entrada de madeira na FPTB.Esta pesagem tem também a finalidade de conferencia do peso real em relação ao declarado na nota fiscal. Verificada a IT Atividades do DST. FÁBRICA Pátio de estocagem de madeira A Rigesa trabalha com estoque mínimo de matéria prima cortada. Não é caracterizado o pátio de estocagem de madeira na fábrica. A empresa adota como meta 15 dias de produção, estocada nos estaleiros (lenheiros) nas fazendas de produção e 15 dias em forma de cavacos no silo de estocagem na fábrica (FPTB). Existe também aproximadamente entre 1000 e 2000 ton de madeira estocadas no pátio da fábrica. Quinzenalmente o processo de alimentação dos picadores é paralisado por aproximadamente 8 horas, quando é feita a manutenção das esteiras de alimentação. Nesta situação esta madeira estocada próximo das esteiras é carregada diretamente no picador. 21

22 FÁBRICA PCP / Logística O produto comercializado é o papel, nos seguintes tipos: Liner board, Kraft Liner e miolo semi químico, de várias gramaturas. Cálculo da porcentagem certificada (em conformidade com a norma, ítem 5.3) O cálculo da porcentagem certificada de matéria-prima que compõe os produtos (papel) da FPTB é realizado pelo Coordenador do DPE utilizando-se a média móvel dos últimos 12 meses da entrada de matéria-prima adquirida, conforme descrito na IT O controle da entrada de matéria-prima é realizado através de um sistema em cliper Controle Geral da Balança onde são registradas todas as entradas de matéria-prima. Evidenciado o periodo de 01/08/10 à 31/07/11 onde a percentagem de certificação foi 74 % no relatório Cadeia de Custódia - Agosto/2011. (35 RELATÓRIO AGO 11), em anexo. Evidenciado o envio deste relatório de acompanhamento mensal da percentagem de certificação, aos responsáveis nas unidades da Rigesa. Transferência da porcentagem calculada para o produto final (em conformidade com a norma, ítem 5.4) A empresa adota o método do crédito de volume para transferir a porcentagem de matéria-prima certificada (média móvel dos últimos 12 meses) para todo o seu produto final que compõe o mesmo lote de fabricação, de forma que parte da produção seja cadastrada como 100% certificada (item da NBR 14790: 2007), e o restante da produção que compõe o mesmo lote será considerada não certificada. O controle desta transferência do percentual de matéria-prima para a produção de papel é realizado pelo Coordenador do DPE, conforme descrito na IT05-01 e no procedimento P05-01 (evidenciados tanto IT05-01 e P05-01). Venda de produtos (em conformidade com a norma, ítem 5.5), como comprovação de conformidade com os requisitos da Cadeia de Custódia, a empresa envia aos clientes uma cópia do certificado de conformidade com a Cadeia de Custódia Sistema Utilizado Percentagem (crédito de volume) Procedimentos e documentos do Sistema de Gestão - Já evidenciado, ítem Fornecimento de matéria prima Matéria prima certificada fornecida pela RIGESA (áreas florestais certificadas pela NBR14789) e madeira de terceiros (cavacos certificados) Recebimento de Material, Métodos de Controle e Armazenamento Já descrito no item recebimento. 22

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA.

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: INDÚSTRIA GRAFICA FORONI LTDA ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: PRODUÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA ESCOPO

Leia mais

EMPRESA AUDITADA: Bahia Produtos de Madeira SA

EMPRESA AUDITADA: Bahia Produtos de Madeira SA RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: Bahia Produtos de Madeira SA ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: Produção

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: SAMAB CIA. IND. COM. DE PAPEL ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: Importação

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2007 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA ESCOPO

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: Bahia Produtos de Madeira S/A ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: Produção

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: Suzano Papel e Celulose SA Unidade Imperatriz ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO:

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2011 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: Log&Print Gráfica e Logística SA ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO: Produtos

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES - PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014

RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES - PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 RELATÓRIO DE AUDITORIA CADEIA DE CUSTÓDIA PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES - PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 EMPRESA AUDITADA: BSC - Bahia Specialty Cellulose AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO ESCOPO DE CERTIFICAÇÃO:

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

Simulação dos pátios de madeira no Paraná Obtendo o melhor modelo logístico

Simulação dos pátios de madeira no Paraná Obtendo o melhor modelo logístico Simulação dos pátios de madeira no Paraná Obtendo o melhor modelo logístico 1 A Klabin A Klabin é a maior produtora e exportadora de papéis do Brasil*. Líder nos mercados de papéis e cartões para embalagens,

Leia mais

Chapas de compensado de Pinus sp com variações de 06 a 44 mm onde as mais utilizadas são as de 18 e 20 mm.

Chapas de compensado de Pinus sp com variações de 06 a 44 mm onde as mais utilizadas são as de 18 e 20 mm. 1 - OBJETIVO O Tecpar está disponibilizando este Relatório Sumário da Madeireira Rio Claro Ltda à sociedade para que emitam seus comentários e questionamentos. A divulgação tem o objetivo de proporcionar

Leia mais

Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza

Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza Elaboração do manual da qualidade: Experiência em uma indústria de produtos de limpeza Elizangela Veloso elizangelaveloso@yahoo.com.br Carlos Antonio Pizo (UEM) capizo@uem.br Resumo A comercialização de

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA 1235387 Bureau Veritas Certification Brasil Auditoria Principal / 14790:2011 12/18/2012 ÍNDICE 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 INFORMAÇÕES DA ORGANIZAÇÃO 1.2 INFORMAÇÕES DO CONTRATO 2.

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

I. INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA. 1. Razão Social (como deve aparecer no certificado)

I. INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA. 1. Razão Social (como deve aparecer no certificado) 2200 Powell St. Suite 725 Emeryville CA 94608 USA Phone: +1.510.452.8000 Fax: +1.510.452.6882 Programa de Conservação Florestal da SCS Formulário para Certificação de Cadeia de Custódia do FSC. Favor digitar

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Resumo Público de Avaliação de Cadeia de Custódia para: Grafica Packaging International do Brasil Embalagens Ltda em Jundiaí, SP

Resumo Público de Avaliação de Cadeia de Custódia para: Grafica Packaging International do Brasil Embalagens Ltda em Jundiaí, SP Certificação Concedida e Gerenciada por: IMAFLORA Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola Estrada Chico Mendes, 185. Piracicaba SP Brasil Tel: +55 19 3429-0800 Fax: +55 19 3429-0800 www.imaflora.org

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

Sistema de Colheita de Alta Performance. Cassiano Schneider Cláudio Ortolan Rafael Malinovski Raphael Fonseca

Sistema de Colheita de Alta Performance. Cassiano Schneider Cláudio Ortolan Rafael Malinovski Raphael Fonseca Sistema de Colheita de Alta Performance Cassiano Schneider Cláudio Ortolan Rafael Malinovski Raphael Fonseca Contexto Produtivo Sistema Equipamentos Operação Ganhos Contexto Produtivo Sistema Equipamentos

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA 1248146 Bureau Veritas Certification Brasil Auditoria Principal / 14790:2011 ÍNDICE 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 INFORMAÇÕES DA ORGANIZAÇÃO 1.2 INFORMAÇÕES DO CONTRATO 2. 2.1 INFORMAÇÕES

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção 1 de 16 1. OBJETIVO: Estabelecer a metodologia para a solicitação, extensão, manutenção e revalidação de certificados de conformidade. 2. APLICAÇÃO: Aplicável a todo processo de certificação, extensão

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012.

Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 512, de 16 de outubro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064 1 de 10 GP01 INVENTÁRIO DE EMISSÕES Descrição do Processo de Validação e Verificação Bureau Veritas Certification Avenida do Café, 277, 5 andar, Torre B Tel.: +55 (11) 2655-9000 São Paulo/SP - CEP: 04311-000

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? BUROCRACIA? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE

I S O ISO? NORMA ISO 9002 NORMA ISO 9002 ISO SÉRIE 9000? GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE ISO? ITÁLIA CANADÁ ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL, NÃO GOVERNAMENTAL, QUE ELABORA NORMAS. FAZEM PARTE DA ISO ENTIDADES DE NORMALIZAÇÃO DE MAIS DE UMA CENTENA DE PAÍSES. JAPÃO EUA I S O INGLATERRA ALEMANHA BRASIL

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

III Seminário Internacional de Direito, Águas, Energia e Aquecimento Global. Políticas Ambientais Empresariais. Campo Grande / MS

III Seminário Internacional de Direito, Águas, Energia e Aquecimento Global. Políticas Ambientais Empresariais. Campo Grande / MS III Seminário Internacional de Direito, Águas, Energia e Aquecimento Global Políticas Ambientais Empresariais Campo Grande / MS 30.10 a 01.11.2007 International Paper no Mundo Companhia global de papel

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

Gestão de Pessoas na Colheita Florestal

Gestão de Pessoas na Colheita Florestal Gestão de Pessoas na Colheita Florestal Negócios e Mercado Novas Percepções para os Profissionais de Colheita Florestal Altair Negrello Jr. Eng. Florestal Gerente de Colheita e Transporte de Madeira Rigesa,

Leia mais

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana.

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana. Data Revisão Página Código 11/04/2014 03 1 / 22 MQ-01 Referência MANUAL DA QUALIDADE TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE Escrital Contabilidade Rua Capitão Otávio Machado, 405 São Paulo/SP Tel: (11) 5186-5961 Site:

Leia mais

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS

PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS INTERNATIONAL PAPER DO BRASIL LTDA. Unidade Florestal PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRITICOS QUALIFICAÇÃO DE PRESTADORES DE SERVIÇO E FORNECEDORES CRÍTICOS 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

Uso de Softwares destinados ao planejamento das operações

Uso de Softwares destinados ao planejamento das operações Logística Florestal Uso de Softwares destinados ao planejamento das operações AGENDA Estrutura Integração Florestal e Logística Fluxo de Operações Otimizador Transporte - GAPSO LOOMA (Logística Otimizada

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

Resumo Público de Avaliação de Cadeia de Custódia CERFLOR para: Fibria International Trade GmbH em Lustenau, Áustria

Resumo Público de Avaliação de Cadeia de Custódia CERFLOR para: Fibria International Trade GmbH em Lustenau, Áustria Auditoria Realizada por: IMAFLORA Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola Estrada Chico Mendes, 185. Piracicaba SP Brasil Tel: +55 19 3429-0800 Fax: +55 19 3429-0800 www.imaflora.org Pessoa

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Relatório de Avaliação de Fornecedores

Relatório de Avaliação de Fornecedores Relatório de Avaliação de Fornecedores 1. Dados da organização Razão Social: Techfive Comércio e Gestão de Equipamentos de Telec LTDA CNPJ nº 09203925/0001 04 Endereço Rua Wilton Reis Costa, 165 - Condomínio

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP COMO PROCEDER PARA FAZER BACKUP S

CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP COMO PROCEDER PARA FAZER BACKUP S CONHECENDO O BANCO DE DADOS DPCOMP Atualmente, a DpComp, visando ampliar a capacidade corporativa de seus clientes, acompanha a evolução tecnológica e trabalha hoje com o banco de dados MySQL, um dos bancos

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, acreditado pelo INMETRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 9000, a ser usada

Leia mais

- A necessidade de um maior controle estatístico e operacional das cargas movimentadas pelo Porto de Paranaguá;

- A necessidade de um maior controle estatístico e operacional das cargas movimentadas pelo Porto de Paranaguá; ORDEM DE SERVIÇO Nº 046/2006 ARMAZENAGEM O Superintendente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina, no uso de suas atribuições conferidas pelos itens V e X do artigo 16 do Regulamento aprovado

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

OPERAÇÃO LOGÍSTICA GRV SCB NAKATA

OPERAÇÃO LOGÍSTICA GRV SCB NAKATA 1. OBJETIVO Estabelecer procedimento padrão para todos os colaboradores da Irapuru que estão envolvidos na operação logística de recebimento, armazenagem e expedição do fornecedor DANA SCB e DANA NAKATA

Leia mais

RELATÓRIO SUMÁRIO DO PROCESSO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO DA CADEIA DE CUSTÓDIA

RELATÓRIO SUMÁRIO DO PROCESSO DE AUDITORIA DE CERTIFICAÇÃO DA CADEIA DE CUSTÓDIA 1 - OBJETIVO O Tecpar está disponibilizando este Relatório Sumário da Gráfica e Editora Posigraf S/A. à sociedade para que emitam seus comentários e questionamentos. A divulgação tem o objetivo de proporcionar

Leia mais

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº

FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025. Laboratório(s) avaliado(s): Nº FR 19 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DOS REQUISITOS TÉCNICOS DA NBR ISO/IEC 17025 FORMULÁRIO REVISÃO: 04 NOV/2008 Laboratório(s) avaliado(s): Nº Período de Avaliação: Data inicial da avaliação: / / Data término

Leia mais

GP01 FSC CoC eng v5.0 Bureau Veritas Certification

GP01 FSC CoC eng v5.0 Bureau Veritas Certification GP01 Forest Stewardship Council Cadeia de certificação de custódia Descrição do processo de certificação Referência do Documento: [GP01 FSC CoC Eng v5.0] Bureau Veritas Certification France Wood & Forest

Leia mais

Relatório de Auditoria Dinatec Industria e Comercio Ltda

Relatório de Auditoria Dinatec Industria e Comercio Ltda Dinatec Industria e Comercio Ltda Autor do relatório Francois Andre Martinot Data de Inicio da Auditoria 04/03/2011 Introdução Relatório de Auditoria Este relatório foi compilado por Francois Andre Martinot

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO Página 2 de 26 SUMÁRIO 1. Objetivo 05 2. Definições e Termos 05 3. Apresentação da Organização 05 3.1.1 Identificação 06 3.1.2 Histórico 06 3.1.3 Principais Clientes 06 3.1.4 Principais Fornecedores 07

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal

A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal A importância da gestão para o pequeno e médio produtor florestal Richard Respondovesk ESALQ - 20/08/2014 Tópicos A Empresa Áreas de atuação Cadeia produtiva florestal Planejamento e mercado Uso de tecnologias

Leia mais

Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão. - Sistema PAMPA. Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014.

Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão. - Sistema PAMPA. Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014. Os Sistemas de Agendamento como Ferramenta de Gestão - Sistema PAMPA Guillermo Dawson Jr. Porto Alegre, 27 de maio de 2014. A CCGL tem a missão de integrar as atividades do agronegócio com sustentabilidade,

Leia mais

Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF)

Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF) PROCEDIMENTO SL - 002 Página 1 de 6 EDIÇÃO 11/12 Título: Concessionárias Adaptação de Dispositivo de Fixação de Contêiner (DIF) Rev.: 00 Data: 11/12 Emitido Por Verificado Verificado Aprovado Nome Marcos

Leia mais

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel

Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Recebimento, Armazenagem, Movimentação e Expediçao de Produtos à Granel Produto : Logix, WMS, 12 Chamado : PCREQ-1926 Data da criação : 03/07/2015 Data da revisão : 24/07/15 País(es) : Todos Banco(s) de

Leia mais

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. www.san.ag Este documento está disponível nos seguintes sites: www.san.ag www.rainforest-alliance.org

Leia mais

PROCEDIMENTO. O treinamento será efetuado com a ajuda de vídeos e fotos ilustrativas, além de seguir o cronograma estabelecido conforme anexo II.

PROCEDIMENTO. O treinamento será efetuado com a ajuda de vídeos e fotos ilustrativas, além de seguir o cronograma estabelecido conforme anexo II. PROCEDIMENTO MSL - 001 Página 1 de 7 EDIÇÃO 12/03 Título: Concessionárias Adaptação do Eixo Veicular Auxiliar (AEVA) Rev.: 02 Data: 05/15 Emitido Por Verificado Verificado Aprovado Nome Marcos de Bortoli

Leia mais

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos;

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 027, de 09 de fevereiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO 03/07/2014 1 SUMÁRIO 1. Objetivo 1.1 Abrangência 2. Definições, terminologia e siglas 3. Norma Operacional Padrão Entrada de Produção de Grãos 3.1. Estimativas de Produção dos Talhões 3.2. Liberação de

Leia mais

Ser referência de excelência nas soluções de consultoria e desenvolvimento de sistemas de informação, superando as expectativas dos clientes.

Ser referência de excelência nas soluções de consultoria e desenvolvimento de sistemas de informação, superando as expectativas dos clientes. DOMPER CONSULTORIA E SISTEMAS LTDA Rua Dr. Flores, 273 Sala 30-1 andar Ed. Frozzi CEP: 95.200-000 - Vacaria RS Fone (54) 3232-6119 / (54) 3232-8484 / (54) 3232-1471 CNPJ: 08.020.035/0001-02 IE: 154/0101158

Leia mais

Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6.

Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6. Módulo 4 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.5, 6.51, 6.5.2, 6.5.3, 6.5.4, 6.5.5, 6.5.6, 6.5.7, 6.6, 6.6.1, 6.6.2, 6.7, 6.8 Exercícios 6.5 Conduzindo atividades de auditoria no local

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR

MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR MANUAL PRÁTICO DO FORNECEDOR Materiais Indiretos e Prestação de Serviços Março, 2009 2 Índice 1 - Introdução... 3 2 - Objetivos... 3 3 - Interação entre a Sadia e o Fornecedor... 3 4 - Orientações Gerais...

Leia mais

Portaria n.º 501, de 29 de dezembro de 2011.

Portaria n.º 501, de 29 de dezembro de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria n.º 501, de 29 de dezembro de 2011. O PRESIDENTE

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 e SiAC nível-a. Relatório de Auditoria interna

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 e SiAC nível-a. Relatório de Auditoria interna 1/6 1. DADOS DA EMPRESA LATACHE ENGENHARIA E INSTALAÇÕES LTDA Situada na Rua Governador Seabra nº55 Apipucos - Recife - PE. 2. OBJETIVO, ESCOPO E PERÍODO DA AUDITORIA. Verificar a aderência do Sistema

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

Norma de Referência Selo de Qualificação ABPM

Norma de Referência Selo de Qualificação ABPM Histórico das alterações: Nº Data de alteração Sumário das Alterações Revisão 00 24.02.2012 Emissão inicial do documento. 01 16.07.2014 Alteração geral no documento devido à categorização Adesão e Pleno.

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE ACORDO COM A NBR ISO 9001

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE ACORDO COM A NBR ISO 9001 PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE ACORDO COM A NBR ISO 9001 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade para Sistemas

Leia mais

COMPLEMENTO BERÇOS INFANTIS. Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen Carolina Martins

COMPLEMENTO BERÇOS INFANTIS. Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen Carolina Martins Página 1 de 1 Elaborado por: Diego Alves de Oliveira Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Maria Lucia Hayashi Data Aprovação: 06/01/2015 1 - OBJETIVO Estabelecer os critérios para o programa

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS Página: 1 de 15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO 4. DOCUMENTAÇÃO DA QUALIDADE DA ORGANIZAÇÃO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

Leia mais

INTRODUÇÃO À NORMA ISO 9001 Sistemas de Gestão da Qualidade. Estratégica Consultoria Empresarial Multidisciplinar

INTRODUÇÃO À NORMA ISO 9001 Sistemas de Gestão da Qualidade. Estratégica Consultoria Empresarial Multidisciplinar INTRODUÇÃO À NORMA ISO 9001 Sistemas de Gestão da Qualidade Estratégica Consultoria Empresarial Multidisciplinar O que é a ISO? Organização Internacional para Padronização História e Filosofia da ISO A

Leia mais

www.megacursos.com.br O QUE É ISO?

www.megacursos.com.br O QUE É ISO? 1 O QUE É ISO? ISO significa International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização), seu objetivo é promover o desenvolvimento de normas, testes e certificação, com

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Portaria n.º 162, de 05 de abril de 2012.

Portaria n.º 162, de 05 de abril de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria n.º 162, de 05 de abril de 2012. O Presidente

Leia mais

Sistema Normativo Corporativo

Sistema Normativo Corporativo Sistema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 07 01/12/2011 01/12/2011 APROVADO POR Marcio Adriano Franco SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. OBJETIVO...

Leia mais

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO

REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025:2005 REQUISITOS PARA ACREDITAÇÃO OBJETIVO Demonstrar a documentação básica necessária para atender aos requisitos de acreditação para ensaios. ISO 9001 X ISO 17025 Abordagem Abrangência

Leia mais

1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015

1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 FABRICANTES, LOJISTAS, CONSTRUTORAS E CONSUMIDORES 1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 PSQ Esquadrias de Alumínio 2015 Alberto

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão 00-fevereiro de 2014 1/11 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 2. OBJETIVOS DO SISTEMA DE GESTÃO... 3 3. ORGANIZAÇÃO... 4 4. HISTÓRICO... 6 5.

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Nacional da Indústria Cerâmica ANICER Santa Luzia, 651, 12º andar Centro - Rio de Janeiro / RJ Tel/Fax: (21) 2524-0128 Site: www.anicer.com.br E-mail:

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais