O CONCEITO DE EMBARCAÇÃO E A TRIBUTAÇÃO ÀS PLATAFORMAS PETROLÍFERAS: ANÁLISE DO LITÍGIO ENTRE A RECEITA FEDERAL E A PETRÓLEO BRASILEIRO S.A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CONCEITO DE EMBARCAÇÃO E A TRIBUTAÇÃO ÀS PLATAFORMAS PETROLÍFERAS: ANÁLISE DO LITÍGIO ENTRE A RECEITA FEDERAL E A PETRÓLEO BRASILEIRO S.A."

Transcrição

1 O CONCEITO DE EMBARCAÇÃO E A TRIBUTAÇÃO ÀS PLATAFORMAS PETROLÍFERAS: ANÁLISE DO LITÍGIO ENTRE A RECEITA FEDERAL E A PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. GRUPO TEMÁTICO: DIREITO E REGULAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS E DA ENERGIA Carlos Humberto Rios Mendes Júnior Aluno de Graduação em Direito da UFRN, pesquisador e bolsista da ANP - PRH Arthur de Araújo Lucena Aluno de Graduação em Direito da UFRN, pesquisador e bolsista da ANP - PRH INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento tecnológico, novas estruturas marítimas foram criadas com as mais diversas finalidades, tais como as plataformas marítimas. Por ser uma inovação tecnológica e devido à ausência de regulamentação internacional, encontra-se na doutrina do Direito Marítimo, e na esfera administrativa e judiciária, uma calorosa discussão acerca da natureza jurídica a ser aplicada à plataforma marítima, a qual pode acarretar consequências legais distintas. No Brasil, a questão da natureza jurídica das plataformas tem sido constantemente suscitada na esfera tributária, envolvendo controvérsias concernentes à incidência ou isenção de tributos, dando-se especial ênfase ao polêmico caso entre a Receita Federal e a Petróleo Brasileiro S.A., a Petrobras. A Receita Federal intentou em procedimento de cobrança à Petrobras valores expressivos correspondentes ao não pagamento de Imposto de Renda Retido na Fonte IRRF sobre os rendimentos auferidos no País por residentes ou domiciliados no exterior, com o aluguel de plataformas marítimas, no período de 1999 a Nos termos da Lei nº 9.481, de 13, de agosto de 1997, a isenção de IRRF é concedida para o aluguel, afretamento ou arrendamento de embarcações marítimas. Contudo, a Receita Federal entendeu que as plataformas marítimas não se

2 enquadrariam na categoria de embarcação, com base no fato de que a atividade principal das plataformas de exploração petrolífera era desenvolvida enquanto essas estavam estacionadas sobre um determinado ponto no mar. Pretende este trabalho realizar um estudo acerca do caso entre a Receita Federal e a Petróleo Brasileiro S.A., analisando os argumentos suscitados por ambas as partes, e como a questão tem sido entendida no poder judiciário. Para tanto, serão explicitados os conceitos de embarcação e navio no Direito Brasileiro e a natureza jurídica das plataformas offshore, bem como o fruto da desavença, a legislação que definiu em zero a alíquota para IRRF no caso da remessa ao exterior de rendimentos frutos de afretamentos e afins de embarcações. 2. A ALÍQUOTA ZERO DO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE ÀS RECEITAS DE AFRETAMENTO E AFINS DE EMBARCAÇÕES MARÍTIMAS O ato de tributar interfere no funcionamento de todos os ramos de atividades, vez que o tributo será embutido no valor total da empreitada, devendo ser levado em consideração em todas as etapas operacionais, especialmente no caso brasileiro onde os tributos são múltiplos e de complexa incidência. Todavia, da mesma forma que a tributação de um setor infere nos custos das atividades que ele abarca, norteando indiretamente seu funcionamento através do planejamento contábil, que deve levar em consideração também o valor dos tributos, a ausência de tributação molda o comportamento de determinados setores, estimulando-os quando necessário para o Estado e importante para a sociedade. Essa mesma ausência de tributação, ainda, é utilizada para evitar que se onere em demasia o contribuinte, como nos casos onde se deduz, por exemplo, da base de cálculo do Imposto de Renda de pessoas físicas, o gasto com educação, eis que este seria um dever do Estado (SCHOUERI, 2011, p. 231). Da mesma forma, se evita onerar em demasia quando se impede a bitributação, a cobrança de um tributo duas vezes, seja internamente (um tributo federal e outro municipal, por exemplo), ou externamente, quando o outro país, em casos de remessa de receita entre o Brasil e aquele, prevê imposto de mesma monta. É neste diapasão que a Lei Federal 9.481, de 13 de agosto de 1997, em seu artigo 1º, estabeleceu que receitas de fretes, afretamentos, aluguéis ou

3 arrendamentos de embarcações marítimas, terão a alíquota de Imposto de Renda incidente sobre os rendimentos auferidos no Brasil por residentes ou domiciliados no exterior, reduzida para zero. A tributação sobre a renda é, dos tributos em espécie, como afirma Caliendo (2009, p.302), um dos mais recentes na evolução da matéria, visto que leva em consideração conceitos avançados que são pressupostos para sua cobrança, como a neutralidade fiscal, a renda real e a necessidade de uma contabilidade acurada. Termina, desta forma, por se tornar um dos tributos mais justos, no sentido de que traduz uma ótima operacionalização da capacidade contributiva e do princípio da progressividade (SCHOUERI, 2011, p.356). A incidência de tal princípio no Imposto de Renda, por sinal, não é mera sugestão ou fruto de interpretação da natureza daquele tributo, mas é prevista expressamente na Constituição Pátria, em seu art. 153, 2º, inciso I. O espírito da Lei Federal 9.481,de 13 de agosto de 1997 é, entrementes, duplo, ajustando a incidência do IRRF aos interesses do Estado. Por um lado evitase a desvirtuação da capacidade contributiva presente no Imposto de Renda para operações que visem a saída de receitas auferidas no país por residentes ou domiciliados no exterior, na medida que se impede que a tributação ocorra duas vezes, no Brasil e no país de destino. Por outro, funciona como estímulo ao setor que se vê economizando valor significativo, recebendo a mesma benesse de outras atividades que remetem dinheiro para o exterior, mas que a Receita Federal julgou aptas a desonerar (CAMPOS, 2013, p.38). Ao texto da Lei Federal 9.481, de 13 de agosto de 1997, contudo, coube interpretação que não se sabe ser ou não da intenção do legislador, resumida ao termo embarcação marítima e suas definições. 3. CONCEITO DE EMBARCAÇÃO E DE NAVIO NO DIREITO BRASILEIRO Duas vertentes teóricas divergem acerca do efetivo conceito de navio. Uma considera o navio qualquer construção destinada à navegação, defendendo o conceito de navio em sentido amplo. Em posição divergente, a segunda teoria vincula o conceito à atividade de transporte por via marítima, adotando uma posição mais estrita (MARTINS, 2013, p. 122).

4 O Brasil segue essa segunda tendência teórica e acolhe a construção de navio como construção flutuante, suscetível a navegar em quaisquer águas. Assim, o navio é caracterizado como veículo de transporte no mar ou em outro espaço aquático (MARTINS, 2013, p. 123). Além disso, a doutrina marítima, em consonância com tendência contemporânea, considera o navio como espécie de embarcação (MARTINS, 2013, p. 123; PAIM, 2011, p. 130). No entanto, nota-se na legislação pátria efetiva diversidade de conceitos e critérios entre essas duas construções. O Código Comercial Brasileiro não traz em seu teor uma definição do que seja navio, bem como não diferencia esse de embarcação. Observam-se imprecisões na referida legislação, uma vez que usa indiscriminadamente as expressões navio, embarcações e barco como sinônimos. Todavia, apesar da confusão trazida pelo Código Comercial, depreendem-se da legislação marítima e da doutrina marítima algumas definições. Em relação à embarcação, a Lei Federal n , de 11 de dezembro de 1997, em seu artigo 2, a conceitua como qualquer construção (inclusive as plataformas flutuantes e, quando rebocadas, as fixas), sujeita à inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água, por meios próprios ou não, transportando pessoas ou cargas. Da referida definição, torna-se possível abstrair dois elementos essenciais e exclusivos da embarcação: a coisa composta, isto é, um todo composto de várias partes e de diversos acessórios; e a natureza móvel, embora sujeita às regras jurídicas dos bens imóveis. Além disso, importante ressaltar que a locomoção deve ser necessariamente na água, seja de forma parcialmente imersa, como os navios comuns, ou totalmente imersa, como os submarinos (GIBERTONI, 2005, p. 46). Ainda se encontra definição para embarcação na Lei Federal n 8.374, de 30 de dezembro de 1991, em seu artigo 2, parágrafo 1, o qual considera embarcação veículos destinados ao tráfego marítimo, fluvial ou lacustre, dotados ou não de propulsão própria. Em relação especificamente ao navio, encontra-se sua definição na Lei Federal n 9.966, de 28 de abril de 2000, o qual em seu artigo 2, inciso V, estabelece navio como embarcação de qualquer tipo que opere no ambiente aquático, inclusive hidrofólios, veículos a colchão de ar, submersíveis e outros

5 engenhos flutuantes. Seguindo essa mesma abordagem de conceito, é o que preconiza o artigo 2, inciso III, do Decreto n 2.870, de 10 de dezembro de Assim sendo, a partir dos aspectos de embarcação tratados neste tópico, pode-se dizer que navio é toda embarcação de grande porte destinada à navegação marítima, fluvial ou lacustre, dotada ou não de propulsão própria, mas que realize o percurso sobre as águas, transportando para qualquer fim, pessoas e/ou mercadorias (GIBERTONI, 2005, p. 47/48). 4. A NATUREZA JURÍDICA DA PLATAFORMA MARÍTIMA Na legislação pátria, encontra-se definição para plataforma marítima no artigo 2, inciso XIV, da Lei Federal n , de 11 de dezembro de 1997, cujo teor estabelece que plataformas são as instalações ou estruturas, fixas ou flutuantes, que permitem o alcance de reservas no fundo do mar, podendo ser usadas em operações de exploração (perfuração de poços para a avaliação da vantagem econômica da produção de petróleo e gás natural) ou de produção (perfuração de poços para a extração de petróleo e gás natural). Como já visto, no direito brasileiro considera-se embarcação toda e qualquer estrutura marítima capaz de se locomover ou de flutuar sobre as águas, e, quando rebocadas, as fixas. Segundo a Lei Federal n , de 11 de dezembro de 1997, a Marinha do Brasil, autoridade competente para realizar registro, é também responsável por definir qualquer construção capaz de se locomover na água e que, portanto, precisa ser registrada, sendo, então, considerada como embarcação. Nesse sentido, a Norma de Autoridade Marítima n 1 (Norman I), no seu capítulo n 02, na seção I, é expressa ao reconhecer a plataforma marítima como embarcação e, assim, sujeitas aos trâmites exigidos de inscrição e/ou registro, de acordo com o que se encontra previsto na Lei n 7.652, de 3 de fevereiro de Nesse diapasão, merece destaque o Recurso Extraordinário nº , julgado em 13 de setembro 1974 pela 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), em que se discutiu se plataforma autoelevatória para perfuração submarina seria embarcação para efeitos de isenção fiscal de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI). O STF acolheu o entendimento de que a referida estrutura marítima é uma embarcação, com base no argumento técnico de que o próprio

6 Tribunal da Marinha reconhecia a qualidade de embarcação a tal tipo de plataforma marítima em documentos expedidos por tal órgão. Com efeito, a consagração pela doutrina da qualificação das plataformas marítimas como embarcações não exclui o fato de que possam ser inseridas em outras categorias mais específicas, tais como navios e ilhas artificiais. A plataforma marítima de exploração, além de embarcação pode ser considerada também como navio, uma vez que desenvolve a navegação com frequência, pois desloca-se sobre os mares para alcançar o poço que será prospectado e perfurado com a finalidade de colher informações sobre a viabilidade econômica, não sendo possível afasta-la de tal classificação devido ao fato desse tipo de plataforma ficar estacionada por um período de tempo (PAIM, 2011, p. 192). No entanto, o mesmo não pode ser dito das plataformas marítimas de produção, uma vez que são instaladas em lugares já pesquisados pelas plataformas de exploração e considerados aptos para a fase de produção, assim, geralmente são plataformas marítimas fixas que ficam estacionadas sobre o local de produção enquanto houver petróleo e gás natural a ser produzido, o que pode levar de 20 (vinte) a 40 (quarenta) anos, desempenhando a navegação mínima ou inexistente, na maioria das vezes apenas restrita aos momentos de instalação e remoção. Todavia, é bastante plausível qualificar a plataforma de produção como instalação ou ilhas artificiais, isto é, estruturas fixas construídas artificialmente sobre os mares, compreendendo instalações propriamente ditas e outras estruturas que não sejam ilhas naturais nem navios (PAIM, 2011, p. 193). Assim sendo, apesar de não existir uma definição legal única e impositiva sobre a qualificação da plataforma marítima, quer no âmbito internacional ou nacional, enquanto ocorrer essa lacuna, diante das análises e teorias acerca do tema ora estudado, entende-se ser mais acertado a possibilidade de considerar plataforma marítima de exploração como navio, e a plataforma de produção como ilha artificial, em consonância com o escólio de Maria Augusta Paim. 5. ANÁLISE DO LITÍGIO ENTRE A RECEITA FEDERAL E A PETROBRAS No Brasil, a questão da natureza jurídica das plataformas tem sido constantemente suscitada na esfera tributária, envolvendo controvérsias

7 concernentes à incidência ou isenção de tributos, em especial, o polêmico caso entre a Receita Federal e a Petrobras. Em 2003, a Receita Federal lavrou Auto de Infração de Imposto de Renda Retido na Fonte contra a empresa Petróleo Brasileiro S.A (Petrobras), exigindo-se o recolhimento de crédito tributário no valor total de R$ ,54, sendo: R$ ,37, a título de imposto de renda retido na fonte, R$ ,98, de juros de mora (calculados até 31/01/2003) e R$ ,19 de multa de ofício (75%), a título de imposto de renda retido na fonte. A referida autuação decorreu da falta de recolhimento pela Petrobras do Imposto de Renda Retido na Fonte incidente sobre os rendimentos de aluguéis pagos ou creditados de plataformas marítimas para prospecção, exploração e produção de petróleo para residentes ou domiciliados no exterior, relativos ao período de fevereiro a dezembro de À época, o artigo 743 do já extinto Decreto 1.041, de 11 de janeiro de 1994 (revogado pelo Decreto n 3000, de 26 de março de 1999), determinava que fosse retido o imposto sobre proventos de qualquer natureza pagos por fonte situada no país a residentes no exterior, atribuindo, ainda, o artigo 791 à fonte pagadora a responsabilidade pela retenção. Com efeito, entendeu a Receita Federal que o conceito de embarcações abrangeria apenas estruturas destinadas ao transporte de pessoas e/ou cargas sobre ou sob a água, e como as plataformas marítimas não teriam a destinação de navegar ou transportar, não poderiam ser enquadradas na categoria de embarcação, e sendo assim, não poderiam ser privilegiadas pelo artigo 1, inciso I, da Lei Federal , de 13 de agosto de 1997, que, como já explicitado em tópico anterior, concede a isenção de imposto de renda para os fretes, afretamentos, arrendamentos ou aluguéis de embarcações marítimas. Não conformada com o entendimento da Receita Federal, a Petrobras ajuizou recurso administrativo voluntário de n perante o Conselho de Contribuintes, pleiteando a nulidade do auto de autuação. Argumentou a empresa que a Lei nº 9.537, de 11 de dezembro 1997, inclui na definição de embarcação as plataformas marítimas, e que pelo direito brasileiro as plataformas marítimas são obrigadas a cumprir várias exigências legais aplicáveis a embarcações e até mesmo a navios, tais como o registro no Tribunal Marítimo. Suscitou também que embarcação deveria ser analisada como gênero amplo e não exaustivo, do qual navio e plataforma são

8 espécies, assim como diversos outros tipos de estruturas marítimas; e por fim, levantou o precedente do STF, o Recurso Extraordinário nº , julgado em 13 de setembro 1974, o qual a 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal se pronunciava acerca da qualificação de plataforma autoelevatória como embarcação para fins de isenção de IPI. No entanto, a 6 Câmara do 1 Conselho de Contribuintes, em acordão de n , negou provimento ao recurso administrativo da Petrobras, e ratificando o entendimento da Receita Federal, argumentou que no conceito de embarcação figuram aquelas que se prestam para o transporte de pessoas ou cargas, enquanto que as plataformas são instalações ou estruturas marítimas para as atividades relacionadas com a pesquisa, exploração e explotação de recursos petrolíferos, sendo desta categoria as plataformas arrendadas/alugadas pela Petrobras. E acerca do RE , de 1974, do STF, apresentado pela empresa, a autoridade julgadora considerou inaplicável, porque no presente caso a tributação é no âmbito do imposto de renda retido na fonte; e aquela decisão baseou-se na legislação vigente à época, já modificada desde Tal entendimento foi criticado pela doutrina, pois a decisão da Receita Federal desrespeitou a distinção conceitual entre embarcação e navio, aplicando equivocadamente o conceito de navio para embarcação, uma vez que embarcação é gênero, enquanto que navio é espécie dessa (PAIM, 2011, p. 138; MARTINS, 2013, p. 153), e inseriu um indesejável componente de insegurança jurídica na negociação e operacionalização de afretamentos, causando um desarrazoado impacto tributário que afetou a atividade de produção offshore, o qual depende do afretamento de plataforma. No entanto, esgotada a questão perante a esfera administrativa, o feito acabou sendo levado à apreciação do poder judiciário, através de ação anulatória de n , ajuizada perante a 24ª Vara Federal do Rio de Janeiro, a qual decidiu por declarar inexigível o crédito tributário requerido pela Receita Federal, desonerando-se a Petrobras do referido pagamento. Em 29 de maio de 2012, em apelação n , ajuizada pela União, a 3ª Turma Especializada do Tribunal Federal da 2ª Região confirmou a decisão de primeiro grau, reconhecendo o enquadramento das plataformas móveis no conceito de embarcação, sob o fundamento de que apenas a destinação para o transporte de pessoas ou cargas não constitui elemento essencial pra classificação.

9 Em adição, buscando suspender a execução da cobrança do crédito tributário em questão pela Receita Federal, a Petrobras ajuizou medida cautelar perante o Superior Tribunal de Justiça (STJ) de n , vindo a obter, em decisão monocrática do relator, decisão favorável a sua pretensão. Além disso, importante ressaltar que em 2013, em Recurso Especial de n , o qual tinha como recorrente a Fazenda Nacional, e como recorrido a empresa Sedco Forex Perfurações Marítimas Ltda, o STJ entendeu por considerar plataforma marítima como embarcação e garantiu a isenção do Imposto de Importação (IPI) às importações de peças e componentes de reposição, reparo e manutenção necessárias ao funcionamento de plataformas petrolíferas. 6. CONCLUSÃO A definição de embarcação marítima é, como visto, doutrinariamente bem fundamentada, e engloba a plataforma marítima sem maiores desenlaces. No quesito abarcado pela Lei Federal 9.481, de 13 de agosto de 1997, contudo, a Receita Federal levou essa fundamentação por terra ao questionar a incidência da alíquota zero às rendas remetidas pela Petrobras ao exterior, derivadas do arrendamento de plataformas marítimas. Observa-se que, diferentemente da esfera administrativa, contudo, há uma tendência no Poder Judiciário Brasileiro em enquadrar a plataforma marítima como embarcação, em consonância com o que é defendido pela doutrina marítima, ocasionando a que na esfera tributária, ela assim também seja considerada. No entanto, apesar disso, torna-se imprescindível tendo em vista o crescimento da indústria do petróleo no Brasil nos últimos anos devido ao Pré-Sal, uma regulamentação jurídica que forneça com precisão o tratamento jurídico adequado para as plataformas petrolíferas offshore, a fim de evitar insegurança jurídica e futuros transtornos. Assim, de modo a evitar lacunas na legislação pátria, entende-se necessário como solução mais apropriada uma mudança no texto do artigo 1, inciso I, da Lei Federal , de 13 de agosto de 1997, para que o referido ato normativo especifique de forma clara as construções navais que se enquadram no conceito de embarcação e que devam ser privilegiadas pela isenção fiscal.

10 Com tal medida, serão evitadas novas autuações fiscais por parte da Receita Federal, e a indústria do petróleo não ficará a mercê do entendimento do poder judiciário brasileiro, sazonal e inconstante. 7. REFERÊNCIAS -ARLOTA, Alexandre Sales Cabral; CARDOSO, Camila Mendes Vianna. A natureza jurídica das plataformas marítimas petrolíferas: um estudo da indústria offshore. Revista Brasileira de Direito do Petróleo, Gás e Energia, Rio de Janeiro, v. 4, p.25-36, BRASIL. Decreto n 2.870, de 10 de dezembro de Promulga a Convenção Internacional sobre Preparo, Resposta e Cooperação em Caso de Poluição por Óleo, assinada em Londres, em 30 de novembro de Decreto n , de 11 de janeiro de 1994 (revogado pelo Decreto n 300, de 26 de março de 1999). Aprova o regulamento para cobrança e fiscalização do imposto sobre a renda e proventos de qualquer natureza. -. Lei Federal n , de 3 de fevereiro de Dispõe sobre o registro da Propriedade Marítima e dá outras providências. -. Lei Federal n 8.374, de 30 de dezembro de Dispõe sobre o Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por embarcações ou por sua carga e dá outras providências. -. Lei Federal nº9.481, de 13 de agosto de Dispõe sobre a incidência de imposto de renda na fonte sobre rendimentos de beneficiários residentes ou domiciliados no exterior, e dá outras providências. -. Lei Federal n 9.547, de 11 de dezembro de Dispõe sobre a segurança do tráfego aquaviário em águas sob jurisdição nacional e dá outras providências. -. Lei Federal n 9.666, de 28 de abril de Dispõe sobre a prevenção, o controle e a fiscalização da poluição causada por lançamento de óleo e outras substâncias nocivas ou perigosas em águas sob jurisdição nacional e dá outras providências. -. Conselho Administrativo dos Recursos Fiscais. Recurso Administrativo Voluntário n Acordão n Relator: Luiz Antonio de Paula.

11 Recorrente: Petróleo Brasileiro S.A. Recorrido: 1ª Turma da Delegacia da Receita Federal. Distrito Federal, 24 de fevereiro de ª Vara Federal do Rio de Janeiro. Ação Anulatória de Autuação Fiscal n Juiz Federal Theophilo Antonio Miguel Filho. Autor: Petróleo Brasileiro S.A. Réu: União Federal/Fazenda nacional. Rio de Janeiro, 15 de setembro de Tribunal Regional Federal (2ª Região). Apelação Cível n Relator(a): Desembargadora Federal Salete Maccaloz. Apelante: União Federal/Fazenda Nacional. Apelado: Petróleo Brasileiro S.A. Rio de Janeiro, 29 de maio de Superior Tribunal de Justiça. Medida Cautelar n Relator: Ministro Benedito Gonçalves. Requerente: Petróleo Brasileiro S.A. Requerido: União Federal/Fazenda Nacional. Distrito Federal, 14 de junho de Superior Tribunal de Justiça. Recurso Especial n Relator: Ministro Mauro Cambpell Marques. Recorrente: União Federal/Fazenda Nacional. Recorrido: Sedco Forex Perfurações Marítimas Ltda. Distrito Federal, 16 de abril de Supremo Tribunal Federal. Recurso Extraordinário n Relator: Min. Antônio Neder. Recorrente: Companhia Brasileira de Navegação. Recorrido: Empresa Petróleo Brasileiro S.A. Distrito Federal, 13 de setembro COSTA, Maria D Assunção. Comentários à Lei do Petróleo. 2ª ed. São Paulo: Atlas, CALIENDO, Paulo. Direito Tributário e Análise Econômica do Direito: uma visão crítica. Rio de Janeiro: Elsevier, CAMPOS, Juliana Cândido. Plataforma marítima: espécie de embarcação para fins de imposto de renda retido na fonte. Revista Brasileira de Direito do Petróleo, Gás e Energia, Rio de Janeiro, v. 4, p.37-56, GIBERTONI, Carla Adriana Comitre. Teoria e Prática do Direito Marítimo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Renovar, MARINHA DO BRASIL. Norma de autoridade marítima NORMAN 01, de Disponível em: <https://www3.dpc.mar.mil.br/normam/n_01/normam01.pdf>. Acesso em: 07 mar MARTINS, Eliane Maria Octaviano. Curso de direito marítimo. 4ª ed. São Paulo: Manole, v. I.

12 -PAIM, Maria Augusta. O petróleo no mar: o regime das plataformas marítimas petrolíferas no Direito Internacional. 1ª ed. Rio de Janeiro: Renovar, SCHOUERI, Luís Eduardo. Direito Tributário. São Paulo: Saraiva, 2011.

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO. NONA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0047746-68.2014.8.19.0000 Desembargador GILBERTO DUTRA MOREIRA

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO. NONA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0047746-68.2014.8.19.0000 Desembargador GILBERTO DUTRA MOREIRA 1 Agravo de instrumento. Mandado de segurança. Suspensão de exigibilidade de tributo. ICMS. Desembaraço aduaneiro. Contrato de afretamento de embarcação em regime de admissão temporária. REPETRO. Decisão

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES. - Junta de Revisão Fiscal

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES. - Junta de Revisão Fiscal PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de / / Fls. Processo n.º: E-04/897.015/1999 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 07 de Novembro de 2000 PRIMEIRA CÂMARA RECURSO N.º

Leia mais

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO

INFORMATIVO TRIBUTÁRIO INFORMATIVO TRIBUTÁRIO RECENTES DESTAQUES LEGISLAÇÃO FEDERAL 1. REPORTO regulamentação A Instrução Normativa nº 1.370 de 28.06.2013, publicada no DOU de 01.07.2013 regulamentou as regras para habilitação/aplicação

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DESEMBARGADOR RAIMUNDO NONATO SILVA SANTOS fls. 122 Processo: 0135890-46.2012.8.06.0001 - Apelação Apelante: Sindicato dos Guardas Municipais da Região Metrolitana de Fortaleza - SINDIGUARDAS Apelado: Município de Fortaleza Vistos etc. DECISÃO

Leia mais

Sessão de 12 de março de 2014 RECURSO Nº - 44.950 ACÓRDÃO Nº 7.232 RECORRENTE - SMITH INTERNATIONAL DO BRASIL LTDA

Sessão de 12 de março de 2014 RECURSO Nº - 44.950 ACÓRDÃO Nº 7.232 RECORRENTE - SMITH INTERNATIONAL DO BRASIL LTDA PUBLICAÇÃO DA DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. 01 / 04 / 2014 Fls.: 08 SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Sessão de 12 de março de 2014 CONSELHO PLENO RECURSO Nº - 44.950 ACÓRDÃO Nº 7.232 INSCRIÇÃO ESTADUAL Nº - 82.603.212

Leia mais

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6

TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 TRIBUTÁRIO EM FOCO #edição 6 Maio de 2012 NOVIDADE NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA "GUERRA DOS PORTOS" - ICMS NAS IMPORTAÇÕES - RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 13, DE 26 DE ABRIL DE 2012 DECISÕES JUDICIAIS PARTICIPAÇÃO

Leia mais

TRIBUTÁRIO PROVISÓRIA Nº 651/14 ASPECTOS RELACIONADOS À TRIBUTAÇÃO DE SETORES DE INFRAESTRUTURA

TRIBUTÁRIO PROVISÓRIA Nº 651/14 ASPECTOS RELACIONADOS À TRIBUTAÇÃO DE SETORES DE INFRAESTRUTURA TRIBUTÁRIO 17/11/2014 LEI 13.043/14 - CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651/14 ASPECTOS RELACIONADOS À TRIBUTAÇÃO DE SETORES DE INFRAESTRUTURA A edição de 14 de novembro do Diário Oficial da União publicou

Leia mais

IRRF nos pagamentos de afretamentos para o exterior. Histórico da controvérsia

IRRF nos pagamentos de afretamentos para o exterior. Histórico da controvérsia Histórico da controvérsia Estrutura Tripartite Proprietário dos Ativos Afretamento Fretador Tripulação Mão-de-Obra Afretamento Cliente Serviços Reembolso/ Serviços ($) Técnicos Prestador de Serviços Exterior

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 704.881 - RS (2004/0126471-0) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN AGRAVANTE : TRANSPORTADORA DE CARGAS MERCOSUL LTDA ADVOGADO : CLÁUDIO LEITE PIMENTEL E OUTRO(S) AGRAVADO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 10/02/2015 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 805.859 RIO DE JANEIRO RELATOR AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) ADV.(A/S)

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 23/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 30/08/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 684.169 RIO GRANDE DO SUL RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S)

Leia mais

Renúncia à Instância Administrativa Trabalhista

Renúncia à Instância Administrativa Trabalhista Renúncia à Instância Administrativa Trabalhista Abel Ferreira Lopes Filho* 1. Introdução. Para Mariana Wolfenson, renunciar à instância administrativa decorre da opção lógica feita pelo administrado em

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 16.998/05/1 a Rito: Sumário Impugnação: 40.010113973-31 Impugnante: Resipetrol Ltda. PTA/AI: 02.000208279-85 CNPJ: 28.166072/0001-22 Origem: DF/ Juiz de Fora EMENTA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA - ÓLEO

Leia mais

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique:

Para acessar diretamente o texto referente a cada um desses temas, clique: Prezados Leitores: A publicação Nota Tributária # Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo tem por objetivo atualizar nossos clientes e demais interessados sobre os principais assuntos que estão

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEXTA CÂMARA

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEXTA CÂMARA Processo n : 10680.009868/00-54 Recurso n : 143.694 Matéria : IRPF - Ex(s): 1998 Recorrente : WALBER BRAGA Recorrida : 5ª TURMA/DRJ em BELO HORIZONTE MG Sessão de : 26 DE JANEIRO DE 2006 Acórdão n : 106-15.272

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.423.457 - PR (2013/0400739-4) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : ZR IMPORTAÇÕES LTDA ADVOGADOS : CRISTIANO LISBOA YAZBEK E OUTRO(S) FERNANDO SOLÁ SOARES TAILANE

Leia mais

20/03/2014 PLENÁRIO : MIN. MARCO AURÉLIO

20/03/2014 PLENÁRIO : MIN. MARCO AURÉLIO Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 6 20/03/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 784.682 MINAS GERAIS RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO RECTE.(S)

Leia mais

CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO - CONAT CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS- CRT

CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO - CONAT CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS- CRT .-...- _.\ (Q~' Processo n 1/4246/2006 ~ CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS- CRT RESOLUÇÃO N ~ 50 /2010 2 8 CÂMARA DE JULGAMENTO 144 8 SESSÃO ORDINÁRIA EM: 03/09/2010 PROCESSO N 1/4246/2006 AUTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS PROCESSO Nº 0275/2012 PAT Nº 0274/2012-1ª URT RECURSO VOLUNTÁRIO E EX OFFICIO RECORRENTE CLIN CLINICA DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Acórdão 10a Turma PODER JUDICIÁRIO FEDERAL CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA. DECADÊNCIA. PRESCRIÇÃO. PRAZO INICIAL. O processo do trabalho guarda perfeita simetria ao processo administrativo tributário posto

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO. A controvérsia foi assim relatada pelo juiz da causa:

EMENTA ACÓRDÃO RELATÓRIO. A controvérsia foi assim relatada pelo juiz da causa: PELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5011683-79.2010.404.7200/SC RELATOR : Juiz Federal LUIZ CARLOS CERVI APELANTE : UNIÃO - FAZENDA NACIONAL APELADO : ALPHA TRADE IMPORTACAO DE ELETRONICOS LTDA ADVOGADO : JOSÉ

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ IMUNIDADE TRIBUTÁRIA NA VISÃO DO STF E STJ Sequência da Palestra Tempo da Palestra: 1 hora 1ª Parte: Expositiva 2ª Parte: Perguntas e comentários FUNDAÇÕES DE APOIO LEI 8.958/94 Definição Artigo 2º INSTITUIÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 426.242 - RS (2013/0370295-0) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN EMENTA PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. COFINS. EMPRESAS CORRETORAS DE SEGUROS. MAJORAÇÃO DA ALÍQUOTA

Leia mais

Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA Acórdão Nº 373.518 E M E N T A

Desembargador JOSÉ DIVINO DE OLIVEIRA Acórdão Nº 373.518 E M E N T A Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 6ª Turma Cível Processo N. Agravo de Instrumento 20090020080840AGI Agravante(s) POLIMPORT COMÉRCIO E EXPORTAÇÃO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli APELAÇÃO CÍVEL Nº 550822-PE (2001.83.00.010096-5) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL REPTE : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE APDO : LUZIA DOS SANTOS SANTANA ADV/PROC : SEM ADVOGADO/PROCURADOR

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ MARIA LUCENA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL JOSÉ MARIA LUCENA APELANTE APELADO ADV/PROC REMTE ORIGEM RELATOR : FAZENDA NACIONAL : SUASSUNA CORRETORA E ADMINISTRADORA DE SEGUROS LTDA : MÁRIO DE GODOY RAMOS e outro : JUÍZO DA 12ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO (RECIFE)

Leia mais

Regime Fiscal Brasileiro. Guido Vinci Veirano & Advogados Associados Março 2002

Regime Fiscal Brasileiro. Guido Vinci Veirano & Advogados Associados Março 2002 Regime Fiscal Brasileiro Guido Vinci Veirano & Advogados Associados Março 2002 Introdução - Base Legal Constituição Federal de 1988 Código Tributário Nacional de 1966 ("CTN") Constituição: estabelece os

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.216.610 - RJ (2010/0180280-5) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : DEUTSCHE LUFTHANSA AG ADVOGADOS : ROBERTO ANTÔNIO D'ANDRÉA VERA VIRGÍNIA D ANDREA VERA RECORRIDO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES VIDRARIA RIO MINAS S/A

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES VIDRARIA RIO MINAS S/A PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de / / Fls. Proc. nº: E04/548.367/1995 SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 07de agosto de 2001 PRIMEIRA CÂMARA RECURSO N.º - 18.182

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 184.727 - DF (2012/0112646-2) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN : MINISTÉRIO PÚBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITÓRIOS EMENTA PROCESSUAL CIVIL. COMPETÊNCIA. PERIÓDICO

Leia mais

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011

PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011 PARECER PGFN/CRJ/Nº 2113 /2011 Denúncia espontânea. Exclusão da multa moratória. Inexistência de distinção entre multa moratória e multa punitiva, visto que ambas são excluídas em caso de configuração

Leia mais

06/02/2007 SEGUNDA TURMA : PGE-SP - MANOEL FRANCISCO PINHO : ROBERTO DE SIQUEIRA CAMPOS E OUTRO(A/S) R E L A T Ó R I O

06/02/2007 SEGUNDA TURMA : PGE-SP - MANOEL FRANCISCO PINHO : ROBERTO DE SIQUEIRA CAMPOS E OUTRO(A/S) R E L A T Ó R I O 06/02/2007 SEGUNDA TURMA RECURSO EXTRAORDINÁRIO 461.968-7 SÃO PAULO RELATOR RECORRENTE(S) ADVOGADO(A/S) RECORRENTE(S) ADVOGADO(A/S) RECORRIDO(A/S) : MIN. EROS GRAU : ESTADO DE SÃO PAULO : PGE-SP - MANOEL

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 989.735 - PR (2007/0223796-0) RELATORA : MINISTRA DENISE ARRUDA RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL PROCURADORES : BERENICE FERREIRA LAMB E OUTRO(S) CLAUDIO XAVIER SEEFELDER FILHO RECORRIDO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 8 17/12/2013 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 635.398 SANTA CATARINA RELATORA AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN.

Leia mais

Recentes precedentes jurisprudenciais em matéria de tributação internacional. Luís Eduardo Schoueri

Recentes precedentes jurisprudenciais em matéria de tributação internacional. Luís Eduardo Schoueri Recentes precedentes jurisprudenciais em matéria de tributação internacional Luís Eduardo Schoueri Preços de transferência Tribunal Regional Federal da 3ª Região, Acórdão nº 2.208/10, julgado em 19 de

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Município Beta instituiu por meio de lei complementar, publicada em 28 de dezembro de 2012, Taxa de Iluminação Pública (TIP). A lei complementar previa que os proprietários

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO Nº 89000/2012-026/00

TERMO DE CONVÊNIO Nº 89000/2012-026/00 MARINHA DO BRASIL COMANDO DO 8º DISTRITO NAVAL PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO TERMO DE CONVÊNIO Nº 89000/2012-026/00 PROCESSO Nº 62455.001094/2012-95 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE

Leia mais

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP

Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP PLR: pressupostos para caracterização conforme jurisprudência do CARF e a tributação dos planos de stock option Júlio M. de Oliveira Mestre e doutor PUC/SP A TRIBUTAÇÃO DOS PLANOS DE STOCK OPTION Hipótese

Leia mais

. ' ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS /

. ' ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS / 4, 8 -'. ' ".:". :... ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS / ~~~ RESOLUÇÃO N 449/2005 2 a 'CÂMARA SESSÃO DE: 04 / 05 / 2005 PROCESSO DE RECURSO N 1/3404/03 AUTO DE INFRAÇÃO:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES TERCEIRA CÂMARA

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES TERCEIRA CÂMARA Processo nº : 10882.000720/2001-30 Recurso nº : 140.294 Matéria : CSLL - Ex(s): 1997 Recorrente : IMOPAR PARTICIPAÇÕES E ADMINISTRAÇÃO IMOBILIÁRIA LTDA. Recorrida : 2ª TURMA/DRJ-CAMPINAS/SP Sessão de :

Leia mais

RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006

RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006 PROC: 1/004193/2004 \ AL: 1/200410475 ESTADO DO CEARA SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃO N ^ /2006 Ia CÂMARA SESSÃO DE 17/07/2006 PROCESSO DE RECURSO N 1/004193/2004 AUTO

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO Depósitos Judiciais (REsp. 1.251.513/PR) e a conversão do depósito pela Fazenda Pública José Umberto Braccini Bastos umberto.bastos@bvc.com.br CTN ART. 151 o depósito é uma das

Leia mais

110 - O auto de infração é ato administrativo que, enquanto tal, goza de presunção de veracidade e legitimidade.

110 - O auto de infração é ato administrativo que, enquanto tal, goza de presunção de veracidade e legitimidade. Z.+ TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA ACÓRDÃO APELAÇÃO CINTEL NI' 200.2008.013618-3/001 RELATOR : Marcos Williain de Oliveira Juiz Convocado APELANTE: : Renascente

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014

DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014 DIÁRIO OFICIAL Nº 004/2014 DO DIA 11/01/2014 LEI Nº 17.976 /2014 Delibera sobre o Processo Administrativo Tributário da Secretaria de Finanças e altera dispositivos da Lei nº 15.563, de 27 de dezembro

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Locacao de Bens Moveis

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Locacao de Bens Moveis Locacao 03/04/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Lei Complementar 116/2003... 3 3.2. Mensagem 362/2003... 4 3.3.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA AGRAVANTE : ONDREPSB LIMPEZA E SERVIÇOS ESPECIAIS LTDA ADVOGADO : IVAR LUIZ NUNES PIAZZETA E OUTRO(S) AGRAVADO : FAZENDA NACIONAL PROCURADORES : ANGELA T GOBBI ESTRELLA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO fls. 163 SENTENÇA Processo nº: 1020203-79.2015.8.26.0053 Classe - Assunto Procedimento Ordinário - Anulação de Débito Fiscal Requerente: Comercial Móveis das Nações Sociedade Ltda. (Lojas Marabraz) Requerido:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 31.648 - MT (2010/0037619-1) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO PROCURADOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES : AMAGGI EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO LTDA : EUCLIDES RIBEIRO

Leia mais

UNIDADE V Tributação sobre a propriedade. 1. Imposto sobre a propriedade territorial rural. 1.1. Legislação. 1.1.1. Constituição (art.

UNIDADE V Tributação sobre a propriedade. 1. Imposto sobre a propriedade territorial rural. 1.1. Legislação. 1.1.1. Constituição (art. UNIDADE V Tributação sobre a propriedade 1. Imposto sobre a propriedade territorial rural 1.1. Legislação 1.1.1. Constituição (art. 153, inciso VI) 1.1.2. Lei n. 9.393, de 1996 1.1.3. Decreto n. 4.382,

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS

RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DA TRIBUTAÇÃO CONSELHO DE RECURSOS FISCAIS PROCESSO N.º : 0160/2013- CRF PAT N.º : 0309/2013 2ª URT RECORRENTE : I DA SILVA NUNES - ME RECORRIDA : SECRETARIA DE ESTADO DA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA ADVOGADO : LUIZ ANTÔNIO MUNIZ MACHADO E OUTRO(S) EMENTA DIREITO SINDICAL. CONTRIBUIÇÃO SINDICAL RURAL. ART. 8º, IV, DA CF/88. COMPETÊNCIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. PUBLICAÇÃO

Leia mais

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010

IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 IMPORTAÇÃO POR CONTA E ORDEM À LUZ DO CONVÊNIO ICMS Nº 36, DE 26 DE MARÇO DE 2010 Rinaldo Maciel de Freitas * Nas operações de comércio exterior, é preciso entender a existência de duas modalidades de

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS A.l: 1/200310806 ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOSTRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃO N 671/2005 la CÂMARA SESSÃO DE 20/09/2005 PROCESSO DE RECURSO N 1/000273/2004 AUTO DE INFRAÇÃO: 1/200310806

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 04/10/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 12 20/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 688.223 PARANÁ RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

Curso de atualização do Instituto Brasileiro de Direito Tributário (IBDT) 21.8.2010

Curso de atualização do Instituto Brasileiro de Direito Tributário (IBDT) 21.8.2010 JOSÉ LUIS RIBEIRO BRAZUNA Advogado em São Paulo, Mestre em Direito Tributário pela USP e Juiz do Tribunal de Impostos e Taxas de São Paulo - TIT ISS Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza Curso de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEGUNDA CÂMARA

MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEGUNDA CÂMARA MINISTÉRIO DA FAZENDA PRIMEIRO CONSELHO DE CONTRIBUINTES SEGUNDA CÂMARA Processo nº : 11080.002645/00-42 Recurso nº : 144.361 Matéria : IRPF - EX.: 1998 Recorrente : TÂNIA REGINA ESTEVES MARQUES Recorrida

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Conselho de Contribuintes

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Conselho de Contribuintes PUBLICAÇÃO DA DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. 18 / 12 / 2014 Fls.: 13 SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Processo nº E-04 / 082.025/2012 Rubrica: ID:42833175 Sessão de 15 de outubro de 2014 SEGUNDA CÂMARA RECURSO Nº

Leia mais

VIGÉSIMA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Nº 70036490548 COMARCA DE PORTO ALEGRE TRANSPORTES PANAZZOLO LTDA

VIGÉSIMA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Nº 70036490548 COMARCA DE PORTO ALEGRE TRANSPORTES PANAZZOLO LTDA PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO. DECISÃO MONOCRÁTICA. JURISPRUDÊNCIA DOMINANTE. DÉBITO TRIBUTÁRIO. COMPENSAÇÃO. CRÉDITO DE PRECATÓRIO. AUTORIZAÇÃO LEGISLATIVA. AUSÊNCIA. INVIABILIDADE. De acordo com jurisprudência

Leia mais

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial.

VI pedido de reexame de admissibilidade de recurso especial. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, 2013 - COMPLEMENTAR Estabelece normas gerais sobre o processo administrativo fiscal, no âmbito das administrações tributárias da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos

Leia mais

Sentença Tipo A MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL Impetrante: GUSTAVO BARBOSA DE MIRANDA Impetrado: DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM GOIÂNIA/GO

Sentença Tipo A MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL Impetrante: GUSTAVO BARBOSA DE MIRANDA Impetrado: DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM GOIÂNIA/GO Sentença Tipo A MANDADO DE SEGURANÇA INDIVIDUAL Impetrante: GUSTAVO BARBOSA DE MIRANDA Impetrado: DELEGADO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL EM GOIÂNIA/GO SENTENÇA Cuida-se de mandado de segurança impetrado

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES

SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 30 / 09 / 2002 Fls. 15 Proc. nº: E 04/141.494/1997 Rubrica: SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 20 de agosto de 2002 PRIMEIRA CÂMARA

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 18/09/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 13 06/09/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 651.703 PARANÁ RELATOR : MIN. LUIZ FUX RECTE.(S)

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO E DIREITO PROCESSUAL TRIBUTÁRIO

DIREITO TRIBUTÁRIO E DIREITO PROCESSUAL TRIBUTÁRIO DIREITO TRIBUTÁRIO E DIREITO PROCESSUAL TRIBUTÁRIO PEÇA PROFISSIONAL A ARDJ Comércio de Equipamentos Ltda., empresa com sede na cidade do Rio de Janeiro, constituída em 1.º/3/1995 e, desde então, tributada

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO nº 133023/PE (0006482-31.2013.4.05.0000)

AGRAVO DE INSTRUMENTO nº 133023/PE (0006482-31.2013.4.05.0000) AGRTE AGRDO ADV/PROC ORIGEM RELATOR : UNIÃO (FAZENDA NACIONAL) : CLEIDE & LIMA LTDA ME : PEDRO MELCHIOR DE MELO BARROS e outros : 28ª VARA FEDERAL DE PERNAMBUCO (ARCOVERDE) : DESEMBARGADOR FEDERAL FERNANDO

Leia mais

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies.

AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. AULA 03 e 04: NAVIO E NAVEGAÇÃO. Navio: Conceito e regime jurídico. Navegação. Espécies. Navio: deriva do latim navigium; o navio é juridicamente uma coisa; no estaleiro, já possui existência real; reconhecido

Leia mais

Locação de bens móveis.

Locação de bens móveis. Locação de bens móveis. Entende-se por Locação de Bens Móveis aquela em que o locador entrega o bem ao locatário, dispondo este da coisa como bem lhe convier, sem a necessidade do locador operar ou executar

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL RECORRIDO : SIAM ALIMENTOS LTDA E OUTRO : MARCELO DE LIMA CASTRO DINIZ E OUTRO(S) EMENTA

Leia mais

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE 1 SIMPLES NITERÓI. Lei nº 2115 de 22 de dezembro 2003. A Câmara Municipal de Niterói decreta e eu sanciono e promulgo a seguinte Lei: TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Fica instituído, na forma

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL RELATOR: JUIZ FEDERAL RELATÓRIO Cuida-se de pedido de uniformização de jurisprudência que tem por objeto divergência entre julgado da 2ª Turma Recursal do Rio de Janeiro e acórdão proferido pela Turma

Leia mais

I - RELATÓRIO. O não pronunciamento da autuada, obrigou a repartição preparadora a lavrar o competente Termo de revelia (( fls. 31).

I - RELATÓRIO. O não pronunciamento da autuada, obrigou a repartição preparadora a lavrar o competente Termo de revelia (( fls. 31). PROCESSO N.º 0124/2008 CRF PAT N. 0258/2007 1 A. URT RECORRENTE: ZANDICK GONDIM ALVES JÚNIOR EPP RECORRIDO: SEC DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO/RN RECURSO: VOLUNTÁRIO RELATOR: CONS. PEDRO DE MEDEIROS DANTAS JUNIOR

Leia mais

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA

O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA O JUDICIÁRIO E A CARGA TRIBUTÁRIA NO SETOR ELÉTRICO ISABEL LUSTOSA Agosto de 2007 Tópicos da Apresentação Questões tributárias já decididas pelo Judiciário Questões tributárias pendentes de apreciação

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS

ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS ,/ 1 / r'»"., ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA FAZENDA CONSELHO DE RECURSOS TRIBUTÁRIOS RESOLUÇÃO N 431 /2005 2 a 'CÂMARA SESSÃO DE: 03 / 05 / 2005 PROCESSO DE RECURSO N 1/3804/02 AUTO DE INFRAÇÃO: 1/1200311078

Leia mais

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL Gilberto de Castro Moreira Junior * O artigo 229 da Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/76) define a cisão como sendo a operação pela qual a companhia

Leia mais

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios

constitucional dos Estados e Municípios d) supletiva da legislação dos Estados e Municípios e) concorrente com os Estados e os Municípios 01- O estabelecimento de normas gerais em matéria de legislação tributária sobre obrigação, lançamento, crédito, prescrição e decadência tributários, deverá fazer-se, segundo norma contida na Constituição,

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINENTE DO DESEMBARGADOR

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINENTE DO DESEMBARGADOR PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA APELADO APELAÇÃO CÍVEL N 200.2006.021661-7/002 Capital RELATOR : Miguel de Britto Lyra Filho Juiz de Direito convocado. APELANTE : Indústria Reunidas F. Matarazzo

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO 1I MAIO DE 2010 1 LUCRO IMOBILIÁRIO E O IMPOSTO DE RENDA A incidência do Imposto de Renda sobre o ganho de capital na venda de

Leia mais

Sumário. I - O tráfego internacional de telecomunicações; II Da União Internacional das Telecomunicações UIT;

Sumário. I - O tráfego internacional de telecomunicações; II Da União Internacional das Telecomunicações UIT; A tributação das telecomunicações: A alteração do Tratado de Melbourne e suas implicações na tributação internacional de Telecom Incidência de IRRF e CideRoyalties nas operações de interconexão Sumário

Leia mais

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA

O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA O NOVO CPC E OS PRECEDENTES EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA Fernando Facury Scaff Professor de Direito Financeiro da USP. Doutor e Livre Docente pela mesma Universidade. Sócio de Silveira, Athias, Soriano de Melo,

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.451.602 - PR (2014/0100898-3) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : MTD COMÉRCIO LTDA ADVOGADOS : CHRISTIANO MARCELO BALDASONI CRISTIANO CEZAR SANFELICE

Leia mais

Controvérsias sobre o fato gerador do IPI

Controvérsias sobre o fato gerador do IPI Controvérsias sobre o fato gerador do IPI Kiyoshi Harada* Não há unanimidade na doutrina e na jurisprudência quanto ao fato gerador do IPI. Muitos doutrinadores sustentam que o produto industrializado

Leia mais

- CASAS SENDAS COMÉRCIO E INDÚSTRIA S/A. - Conselheiro Wantheriel Ribeiro da Silva

- CASAS SENDAS COMÉRCIO E INDÚSTRIA S/A. - Conselheiro Wantheriel Ribeiro da Silva 24 fevereiro 99 SEGUNDA CÂMARA - 15.097 - Proc. E-04/701.128/96 3.348 - CASAS SENDAS COMÉRCIO E INDÚSTRIA S/A - Junta de Revisão Fiscal - Conselheiro José Torós REDATOR - Conselheiro Wantheriel Ribeiro

Leia mais

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011

IRPF Imposto de Renda da. Nathália Ceia Março 2011 IRPF Imposto de Renda da Pessoa Física Nathália Ceia Março 2011 Programa Aula 1 1. Princípios Gerais 2. Fato Gerador 3. Características 4. Contribuinte e Responsável Programa Aula 2 5. Alíquotas e Formas

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

ICMS/SP - Industrialização por conta e ordem de terceiro e a dificuldade de fixar a base de cálculo do imposto

ICMS/SP - Industrialização por conta e ordem de terceiro e a dificuldade de fixar a base de cálculo do imposto ICMS/SP - Industrialização por conta e ordem de terceiro e a dificuldade de fixar a base de cálculo do imposto José Antonio Pachecco O tema merece destaque e reflexão, pois se configura em uma armadilha

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005

SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005 PUBLICADA A DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. de 01 /12 /2005 Fls. Processo nº: E04/261.891/1998 Data: 11/09/1998 Fls. SECRETARIA DE ESTADO DA RECEITA CONSELHO DE CONTRIBUINTES Sessão de 26 de outubro de 2005

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. Processo nº 10950.000992/2007-74. Recurso nº 148.951

MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA. Processo nº 10950.000992/2007-74. Recurso nº 148.951 MINISTÉRIO DA FAZENDA SEGUNDO CONSELHO DE CONTRIBUINTES PRIMEIRA CÂMARA Processo nº 10950.000992/2007-74 Recurso nº 148.951 Matéria IOF - Base de Cálculo e Decadência Acórdão nº 201-81.317 Sessão de 08

Leia mais

EMENTA: ANÁLISE JURÍDICA. ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA DE PESSOA FÍSICA POR DOENÇAS GRAVES. ROL

EMENTA: ANÁLISE JURÍDICA. ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA DE PESSOA FÍSICA POR DOENÇAS GRAVES. ROL PARECER N. 001/2015-SINDIJUS/MS INTERESSADO: SINDICATO DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL SINDIJUS/MS EMENTA: ANÁLISE JURÍDICA. ISENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA DE PESSOA FÍSICA POR DOENÇAS

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO Fls. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO TIPO DE AUDITORIA : AUDITORIA DE GESTÃO EXERCÍCIO : 2007 PROCESSO N.º : 00218.000799/2008-54 UNIDADE AUDITADA

Leia mais

PROCESSO PGT/CCR/PP/N. INTERESSADO 3: GULF MARINE SERVIÇOS MARÍTIMOS DO BRASIL LTDA. ASSUNTO: JORNADA DE TRABALHO AQUAVIÁRIOS. JORNADA DE TRABALHO

PROCESSO PGT/CCR/PP/N. INTERESSADO 3: GULF MARINE SERVIÇOS MARÍTIMOS DO BRASIL LTDA. ASSUNTO: JORNADA DE TRABALHO AQUAVIÁRIOS. JORNADA DE TRABALHO PROCESSO PGT/CCR/PP/N. 10242/2009 ORIGEM: PROCURADORIA REGIONAL DE CABO FRIO PROCURADOR OFICIANTE: BRENO DA SILVA MAIA FILHO INTERESSADO 1: PROCURADORIA REGIONAL DE CABO FRIO INTERESSADO 2: AGÊNCIA MARÍTIMA

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO :WASHINGTON LUIS SILVA PLÁCIDO

02/10/2014 PLENÁRIO :WASHINGTON LUIS SILVA PLÁCIDO Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 14 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 823.347 MARANHÃO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES RECTE.(S)

Leia mais

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal Processo N. Apelação Cível do Juizado Especial 20120111781267ACJ

Leia mais

CIRCULAR CGJ N. 122 DE 26 DE AGOSTO DE 2015.

CIRCULAR CGJ N. 122 DE 26 DE AGOSTO DE 2015. CIRCULAR CGJ N. 122 DE 26 DE AGOSTO DE 2015. PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS. INFORMAÇÕES INSERIDAS NA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE DIRF ORIUNDAS DO SIDEJUD. EQUÍVOCOS REITERADOS, RISCOS AO TRIBUNAL

Leia mais

AULA 10 - PIS E COFINS

AULA 10 - PIS E COFINS AULA 10 - PIS E COFINS O PIS É A CONTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL. A COFINS ÉA CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL. FATO DO PIS E DA COFINS SÃO OS MESMOS: a)a RECEITA

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS. Apesar de ter apresentado a declaração, não efetuou o recolhimento do crédito

Leia mais