REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Direcção de administra e finanças. Manual de procedimentos Para a gestão do fase.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Direcção de administra e finanças. Manual de procedimentos Para a gestão do fase."

Transcrição

1 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Direcção de administra e finanças Manual de procedimentos Para a gestão do fase II Edição Abril 2012

2 Glossário ADE...Apoio Directo às Escolas CREI...Centro de Recursos de Educação Inclusiva CUT...Conta Única do Tesouro DPPF..Direcção Provincial do Plano e Finanças DPEC s...direcções Provinciais de Educação e Cultura FASE...Fundo de Apoio ao Sector da Educação IFEA s...institutos de Formação de Educadores e Alfabetizadores; IFP s...institutos de Formação de Professores PA s...processos Administrativos PESD...Programa de Educação à Distância para o Ensino Secundário SDEJT..Serviço Distrital de Educação Juventude e Tecnologia SISTAFE Sistema de Administração Financeira do Estado. UGEA..Unidade Gestora Executora das Aquisições 1

3 Índice Introdução Contexto e enquadramento do manual CAPÍTULO I O Projecto FASE Parceiros Signatários do FASE: Fluxos de Fundos Fluxograma de desembolso Descentralização dos Recursos Financeiros do FASE Medidas de controlo Interno Pagamento das despesas Transacções via e-sistafe Pagamento via cheque Controlo Orçamental Verificação de documentos Organização do arquivo Elaboração das Reconciliações Inventário Contabilização das transacções efectuadas no e-sistafe Invalidação de documentos Controlo de Alfabetizadores Gestão de contratos de empreitada CAPÍTULO II Fundo de Supervisão Provincial e Distrital Pagamento de viagens Aquisição de material de escritório Aquisição de outras maquinarias e equipamento Aquisição de meios circulantes Aquisição de combustível Despesas não suportadas pelo fundo de supervisão: O papel da DPEC e do SDEJT na gestão do fundo de supervisão São responsabilidades da DPEC: São responsabilidades do SDEJT: Incidência da supervisão:

4 CAPÍTULO III Prestação de Contas e Relatórios Financeiros Relatórios Financeiros Documentos que compõem o processo de prestação de contas: Documentos do âmbito geral Documentos relacionados com o e-sistafe Intervenção dos vários níveis na execução e prestação de contas Fundo de supervisão distrital Fundo de ADE Fundo de IFP s, IFEA s e CREI Documentos a serem enviadas trimestralmente por estas instituições ás DPECs: Anexos: ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO

5 Introdução. O sector da educação na sua componente de investimento conta com um grande financiamento dos parceiros de cooperação que depositam as suas contribuições na CUT. Para a gestão desses recursos financeiros, foi criado ao nível do MINED, o projecto FASE. Trata-se de um projecto cuja gestão esteve centralizada no órgão central. Para atender as reformas da gestão financeira e a política vigente, foi descentralizado até aos níveis provincial e distrital com autonomia financeira e administrativa o que lhes permite implementar as actividades constantes nos seus programas. Para a gestão do FASE existe um Memorando de Entendimento e outros dispositivos de gestão onde estão plasmadas as regras de gestão financeira que devem ser escrupulosamente seguidos. O MINED vem realizando um conjunto de acções que inclui a produção de materiais de consulta, realização de capacitações dos gestores ao nível provincial e distrital e acompanhamento sistemático da gestão do FASE com vista a reforçar a capacidade de gestão do projecto. Com a produção do presente manual pretende-se facultar aos gestores, um instrumento de consulta que os oriente na gestão do FASE bem como assegurar a uniformização dos procedimentos de gestão ao nível do sector. 4

6 Contexto e enquadramento do manual. Na gestão financeira há sempre uma necessidade de se proceder ao acompanhamento das mudanças resultantes das reformas e disponibilizar aos gestores, ferramentas necessárias para o seu quotodiano laboral. A correcta gestão do FASE, só será possível através de uma orientação adequada aos gestores aos vários níveis para que tenham conhecimentos sólidos sobre os novos procedimentos e outros aspectos relacionados com: A descentralização de fundos de alguns programas (que são geridos directamente pelos SDEJT s e DPEC s); A criação do SISTAFE através da Lei 9/2002, de 12 de Fevereiro, O Regulamento de Contratação de Empreitada de Obras Públicas, Fornecimento de Bens e Prestação de Serviços ao Estado aprovado pelo Decreto nº 15/2010 de 24 de Maio e Revogado o Decreto nº 54/2005 de 13 de Dezembro; Procedimentos do Banco Mundial Assegurar uma gestão de qualidade deve ser assumida como responsabilidade de todos os gestores. Por isso o MINED produziu-se o presente instrumento de consulta para acompanhar todas as mudanças operadas no sistema de gestão financeira do Estado em geral, e para melhorar a gestão do FASE, em particular Espera-se que os gestores ponham em prática todas as instruções contidas no presente manual e melhorem o seu desempenho individual o que terá uma repercussão directa no desempenho institucional. CAPÍTULO I 1. O Projecto FASE. O Fundo de Apoio ao Sector de Educação (FASE) é um programa do Governo da República de Moçambique que é implementado pelo Ministério da Educação. 1.1 Parceiros Signatários do FASE: Canadian International Development Agency Canada (CIDA); Embaixada da Irlanda; Ministério dos Negócios Estrangeiros da Finlândia; Governo da República Federal da Alemanha; DFID Reino Unido; Banco Mundial; UNICEF; Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal; Cooperação Espanhola; Cooperação Flamenga. 5

7 1.2 Fluxos de Fundos Os parceiros de cooperação acordaram em utilizar um mecanismo para a integração de fundos numa conta única designada Forex. Procedeu-se à abertura de uma conta bancária no banco de Moçambique (BM), à ordem de tesouro cujos assinantes para a sua movimentação foram indicados pelo MPF. Os depósitos são feitos na moeda originária do financiador e convertido em dólares americanos (USD) ao câmbio da data de recepção dos fundos. Por cada movimento (depósito ou transferência), o BM emite um Bordeaux e envia-o à Direcção Nacional do Tesouro (DNT)/MF, que por sua vez, deverá enviar cópias para a Direcção de Administração e Finanças (DAF-MINED). O Registo de entradas e saídas na conta em USD e o valor correspondente em meticais é da responsabilidade da DNT-MF, assim como as reconciliações bancárias e a remessa do mapa à DAF/MINED com o respectivo extracto bancário da conta Forex. A DAF/MINED efectua um registo no livro de controlo bancária (Conta Forex), em USD e MZM, com base nas cópias dos Borderaux recebidos da DNT/MF. Mensalmente a DNT/MF efectua o resumo mensal dos fundos canalizados para conta Forex, individualizados por parceiro de Cooperação, dos pagamentos ou transferências efectuadas, e remete-se ao DAF/MINED para efeitos de reconciliação. A transferência de fundos é mediante a requisição através do e-sistafe que são disponibilizados da conta Forex do MINED no Tesouro (MF) para conta virtual nas finanças enquanto os valores não forem transferidos para as contas do MINED e DPEC s abertas para o efeito Fluxograma de desembolso 6

8 Registo de Necessidade (PF) Carta para o MINED com informação da (PF) DAF Central Cc Contab. Pública A DAF faz uma carta para o Tesouro O Tesouro debita a conta forex do MINED Credita na conta CUT do MF Debita-se o Órgão Central Credita-se a CUT do FASE órgão central Credita-se na CUT da Província- FASE Cabimentação, Liquidação e Pagamento (Via Directa) 7

9 Transferências dos doadores Relatórios Conta FOREX Execução CUT Central, DPEC e SDEJT 2. Descentralização dos Recursos Financeiros do FASE. Como foi referido atrás, o FASE encontra-se descentralizado para dinamizar o processo de implementação dos programas do sector ao nível das províncias e distritos. Dentre vários programas cujo fundo se encontra descentralizado, citamos os seguintes: Fundo de Supervisão Provincial e Distrital; Fundo de Apoio às Escolas de Professores do Futuro; Construção de salas de aulas para o Ensino Primário e Secundário; Fundo para a reprodução dos módulos para o programa PESD; Subsídios de Alfabetizadores; Fundo para alimentação dos lares e centros internatos; Fundos para os programas de prevenção e mitigação do HIV/SIDA Fundo de apoio aos IFPs, CREI e IFEAs Distribuição do Livro Escolar 8

10 3. Medidas de controlo Interno. Qualquer organização precisa de instrumentos e planos para acompanhamento da execução e avaliação do cumprimento de normas e procedimentos financeiros e administrativos que salvaguardem o património da mesma. A eficiência e eficácia na gestão financeira são determinadas pelo cumprimento integral de todas as medidas de controlo interno recomendáveis numa organização, pelo que todas as medidas de controlo interno devem ser estritamente observadas em todos os níveis de gestão. 3.1 Pagamento das despesas. No contexto da Reforma da Gestão Financeira do Estado foi introduzido o SISTAFE que tem como aplicação financeira o e-sistafe. Era desejável que todas as transacções fossem efectuadas via e-sistafe. No entanto, esta aplicação financeira ainda não foi instalada em todos os distritos do país, o que faz com que alguns ainda recorram à transferências bancárias ou emissão de cheques. O gestor financeiro deve observar todas as regras de gestão financeira e cumprir com todos os actos administrativos Transacções via e-sistafe. Para todas as despesas pagas por esta modalidade deve-se observar os seguintes aspectos: Verificar se os documentos que compõem o processo estão devidamente autorizados pela entidade competente; Verificar a conformidade orçamental da despesa antes do pagamento assim como a sua legibilidade; Após o pagamento devem ser anexados no processo, todos os documentos gerados designadamente, NC (Nota de Cabimentação, LD (Nota de Liquidação de Despesa) e OP (Ordem de Pagamento). 9

11 Passos a observar no processo de pagamento: VIA DIRECTA PROCESSO ADMINISTRATIVO - PA CABIMENTAÇÃO - NC LIQUIDAÇÃO - LD CONFORMIDADE PROCESSUAL PAGAMENTO - OP ANEXAR DOCUMENTOS DE SUPORTE REGISTO NO SISTEMA CONTABILISTICO CONFORMIDADE DOCUMENTAL ENCERRAMENTO DO PROCESSO ARQUIVO 10

12 VIA INDIRECTA PROCESSO ADMINISTRATIVO - PA CABIMENTAÇÃO - NC CONFORMIDADE PROCESSUAL DA CABIMENTAÇÃO ADIANTAMENTO DE FUNDOS A UGB -OP LIQUIDAÇÃO DA DESPESA POR PRESTAÇÃO DE CONTAS CONFORMIDADE PROCESSUAL DA LIQUIDAÇÃO DA DESPESA CONFORMIDADE DOCUMENTAL ENCERRAMENTO DO PROCESSO ARQUIVO 11

13 3.1.2 Pagamento via cheque. Esta modalidade só se aplica onde o e-sistafe ainda não está operacional. Aspectos que devem ser observados no uso de cheques: Não assinar cheques em branco; Inutilizar todos os cheques cancelados e conservá-los para serem verificados em caso de necessidade (devendo deixar o número intacto); Emitir cheques em nome do legítimo beneficiário (funcionário, fornecedor de bens e serviços etc.) Cruzar os cheques emitidos; Entretanto, é importante que os gestores assegurem, em alguns pagamentos, a existência de: Contratos assinados pelas partes, com condições e valor evidentes; Garantias bancárias confirmadas e válidas; Guias de remessa contendo quantidades e especificações dos bens recebidos e outros documentos relevantes; 3.2 Controlo Orçamental Antes da efectivação da despesa os gestores devem verificar se a actividade está inscrita no orçamento do ano, o projecto e a respectiva CED, de modo a evitar desvios de aplicação ou pagamento de actividades de outros projectos. 3.3 Verificação de documentos O gestor deve ser rigoroso na verificação de todos os documentos de suporte nomeadamente facturas, recibos, notas de débitos ou créditos, mapa de subsídios, guias de marcha e relatórios. As facturas e os recibos devem: Ser emitidos em nome da instituição com especificação do projecto; Ser originais; Conter o NUIT, localização e nome de fornecedor; Estar isentos de qualquer suspeita, ou seja, não devem se apresentar rasurados. 3.4 Organização do arquivo. Um dos indicadores de gestão exemplar na organização é a existência de um sistema de arquivo organizado. Por isso, todos os processos após o pagamento devem ser devidamente arquivados. Com vista a harmonizar o arquivo, recomenda-se que todos os processos do FASE sejam arquivados de acordo com o projecto e por ordem de lançamentos na aplicação contabilística em uso. 12

14 3.5 Elaboração das Reconciliações. O gestor deve elaborar obrigatoriamente as reconciliação das contas existentes na instituição numa base mensal, o que irá permitir por um lado, a detecção de falhas que eventualmente possam ser cometidos de forma involuntária ou voluntaria pelo banco, finanças, secretaria distrital, DPEC ou SDEJT. A reconciliação deve ser composto por: Folha de reconciliação; Extracto bancário do mês ou extracto do e-sistafe ( ); Mapa do controlo bancário ou mapa de lançamentos no sistema contabilístico em uso. Todas as situações de débito ou crédito do banco ou e-sistafe que não tenham sido registados na conta devem ser esclarecidas e resolvidas em tempo útil. 3.6 Inventário Na inventariação do imobilizado devem constar todos os Bens pertencentes ao FASE que devem ser reconciliados com os registos contabilísticos da aplicação informática em uso numa base trimestral. O registo do património será feito via e-sistafe. Entretanto, para os distritos que não dispõem do e-sistafe devem fazer o registo em excel, worl ou outra forma recomendável. É responsabilidade da área de Procurement e Património fazer o registo, mas todos os acréscimos, transferências e abates no mesmo, deverão ser rubricados pelo Chefe do DAF. O registo deverá conter, entre outros, os seguintes detalhes: Descrição do activo; Código (CED) Código Orgânico; Número de inventário; Localização; Data de aquisição; Custo do activo; Número da factura; Fornecedor; Valor líquido contabilístico; Valor das amortizações acumuladas e do período, bem como as respectivas taxas utilizadas; Data de validade do seguro (se aplicável); 13

15 Número de anos de vida esperada. 3.7 Contabilização das transacções efectuadas no e-sistafe. Todas as transacções realizadas na CUT do projecto devem ser controladas pelo gestor financeiro. Neste contexto, para melhor controlo da conta de pagamento via directa é necessário a abertura duma conta específica no programa de contabilidade na rubrica 48. Por exemplo: 4850 MF CUT. Neste caso devemos debitar a conta 4850 (MF CUT) e creditar a conta 4901 quando as finanças libertam os fundos, pois a conta 4850 (MF CUT) funciona como nosso banco virtual. No acto da realização da despesa a conta 4850 (MF CUT) vai ser creditada em contrapartida da rubrica específica da despesa ou adiantamento para supervisão distrital (4860.). Depois da realização das despesas nos SDEJT, estes preparam o processo e enviam as cópias dos justificativos para a DPEC. Esta por sua vez, confere os documentos e certifica-se do lançamento do adiantamento no sistema contabilístico. Em seguida, procede-se a contabilização a Débito na conta de despesas, de acordo com a CED, em contrapartida da conta (4860 ) do respectivo SDEJT, eliminando deste modo o saldo do adiantamento. Todos os lançamentos que mexem com as contas de despesas, devem mexer igualmente com as contas analíticas abertas anualmente, de acordo com as actividades planificadas para cada ano. A troca de contas analíticas cria distorções na execução das actividades, pois algumas actividades podem apresentar no fim do exercício, uma execução acima de 100%. Os remanescentes de adiantamentos devem ser depositados na conta de receitas de terceiros do Ministério das Finanças. Posteriormente estes valores são transferidos para a nossa conta 4850 no e-sistafe. Para que o valor seja revertido a nosso favor, a DPEC deve solicitar através de carta dirigida à DNT- Direcção Nacional de Tesouro, com conhecimento da DPPF e do MINED- FASE. Após o envio da carta deve se assegurar uma articulação constante até a transferência do valor. A operação será contabilizada da seguinte forma: 1. Pelo adiantamento: debita-se a conta do distrito beneficiário do adiantamento em contrapartida do nosso banco virtual (4850) 2. Pelo depósito do remanescente na conta das Finanças: debita-se a conta de receitas de terceiros (4851) em contrapartida da conta do distrito que depositou. 3. Pela Guia de recolhimento das Finanças: Debitamos o banco virtual (4850) e creditamos receitas de terceiros (4851). E assim o valor estará 14

16 disponível para ser utilizado no pagamento das diversas despesas da respectiva actividade. Para evitar a ocorrência de eventuais erros na gestão deste fundo, os procedimentos de controlo atrás descritos devem ser observados cuidadosa e integralmente. 3.8 Invalidação de documentos Todos os documentos de suporte (facturas, recibos, V.D, guias de marcha, declarações) devem ser invalidados com o carimbo PAGO- FASE do programa quer ao nível da DPEC quer ao nível dos SDEJT s como forma de evitar riscos de duplicação de pagamentos. 3.9 Controlo de Alfabetizadores. É importante garantir o controlo de todo o processo ligado à alfabetização e criar-se condições para que esteja disponível sempre que for solicitado para verificação. As despesas por distrito devem ser registadas na folha de excel numa base mensal como forma de garantir o controlo de todas as despesas efectivadas. Por outro lado, é preciso que haja consistência entre o número de alfabetizando e o número de contratos existentes, tendo como base o rácio de alfabetizando por alfabetizador. Os contratos devem ser assinados pelo Alfabetizador e pelo Director do SDEJT As folhas de pagamento devem ser autorizadas pela DPEC, com o visto do chefe do DAF, assinadas pelo técnico que processa e o que efectua o pagamento assim como o beneficiário. Os contratos originais devem ser arquivados nos SDEJT s, devendo as cópias dos mesmos serem arquivados nas DPEC. As folhas de pagamento originais devem ser arquivadas na DPEC e as cópias nos SDEJT Gestão de contratos de empreitada. Face à existência de vários contratos de empreitada no âmbito de construção de salas de aula e outras infra-estruturas, o gestor financeiro deve assegurar o controlo financeiro da execução de todos os contratos assinados. Esse controlo pode ser feito numa folha de Excel de acordo com o mapa que se segue. 15

17 MAPA DE CONTROLO FINANCEIRO DE CONTRATOS Detalhes do contrato Número do contrato: Nome do contratado Valor do contrato Objecto Ordem Data Valor em Meticais Nº da factura Saldo Observação Total - Valor por pagar Para a gestão de contratos de empreitada e bens e serviços deve-se ter em conta ainda os seguintes aspectos: Actualizar os contratos quando estes por motivos diversos expirar; Data do início e término do Contrato; Assegurar a existência de garantias bancárias nos contratos, se estiver previsto. Todas as garantias devem ser confirmadas nas respectivas instituições que as emitiram. Garantir a existência de adendas aos contratos em caso de alteração das condições contratuais inicias; Sempre que receber facturas para pagamento verificar a existência do relatório do fiscal, mapa de quantidades e autorização do superior hierárquico (obras) Verificar no contrato as quantidades, especificações e o preço unitário. 16

18 CAPÍTULO II 1. Fundo de Supervisão Provincial e Distrital. 1.1 Despesas elegíveis Este fundo deve atender de forma integral as seguintes áreas: Pedagógica; Administrativa e financeira; e Inspecção O fundo de supervisão poderá ser usado para: Pagamento de viagens Pagamento de ajudas de custos ou subsídio de alimentação, combustível e subsídio de transporte, Os documentos comprovativos de viagens devem obedecer o seguinte: Guias de marcha. Devem ser individuais e averbadas em todos os locais visitados e reflectir a efectividade do tempo de permanência nos mesmos. A apresentação das guias de marcha deve ser efectuada dentro de 48 horas após o regresso Modelo de entrega de valores. O preenchimento do anexo 1 Modelo de entrega de valores é obrigatório assim como as assinaturas do responsável, do técnico que entrega e do beneficiário Relatórios de viagem. Todos os relatórios de supervisão devem ser elaborados em conformidade com o Anexo 2 Modelo do Relatório de Supervisão. O modelo apresenta a relação dos visitados que serão determinados pelo número de instituições a serem visitadas. Para as deslocações cuja missão é de carácter sigilosa, recomenda-se a elaboração de sumário executivo. Os relatórios devem ser elaborados de forma criteriosa e devem apresentar conteúdos que permitem a introdução de algumas acções concretas de apoio imediato. Devem igualmente assegurar que as equipas subsequentes que visitarem as escolas, tenham bases que lhes orientem melhor para continuarem com o trabalho. Todas as brigadas (ou o funcionário) após a realização de visita de trabalho devem assegurar a existência do relatório no local visitado. Para o caso de 17

19 visitas às escolas, recomenda-se que o relatório seja canalizado à sede da ZIP e esta, por sua vez, ira canalizar às escolas Realização de seminários Na realização do seminário devem ser assegurados os seguintes documentos: Termos de referências; Listas de presenças diárias devidamente assinadas pelos participantes; Aquisição de material de escritório. Trata-se do material que será utilizado para a realização de capacitação e/ou encontros de superação Aquisição de outras maquinarias e equipamento. Pode ser adquirido material ou equipamento que tem relação directa com o trabalho, como sejam, computadores de mesa incluindo impressoras, armários para arquivo, secretárias, entre outros Aquisição de meios circulantes A deslocação dos técnicos da DPEC aos SDEJT e às escolas e dos SDEJT s às escolas, pressupõe a existência de meios circulantes. Considerando a ausência ou défice desses meios, poderão ser adquiridas motorizadas e bicicletas. Chama-se a atenção para que haja racionalidade na aquisição desses meios por forma a não comprometer a actividade de supervisão. Nestes termos, o número máximo de motorizadas e bicicletas a serem adquiridas em cada exercício económico deve ser de 5 e 6 respectivamente. Todos os meios circulantes adquiridos devem ser registados a favor do respectivo SDEJT ou DPEC Regras para distribuição dos meios circulantes A entrega dos meios deve ser evidenciada pela existência de um termo de entrega devidamente assinado pelas partes; Os SDEJT s devem preparar um mapa de controlo paralelo que mostre a relação das repartições ou das ZIP s que já se beneficiaram desses meios com vista a se evitar repetições desnecessárias Aquisição de combustível. Os gestores devem pautar por uma gestão correcta e transparente e facilitarem a verificação quer da aquisição quer do consumo de combustível. Assim, para o abastecimento dos meios circulantes, deve se assegurar a existência de mapas de controlo que deverão conter, dentre outros, todos os elementos descritos no quadro abaixo: 18

20 Data Tipo de combustível Qtd Tipo de meio circulante Chapa de matrícula Missão Beneficiário Assnatura legível Dado que para além do financiamento do FASE, existem outras fontes, deve se encontrar uma forma de se proceder o controlo em mapas separados Despesas não suportadas pelo fundo de supervisão: Água; Energia; Telefone; Salário; Festividades e comemorações escolares; Aluguer de viaturas e taxas de qualquer natureza; Constução e manutenção de infraestruturas; Cadeiras de sofás; Geradores 1.2 O papel da DPEC e do SDEJT na gestão do fundo de supervisão. A DPEC representa o nível do sector da educação que tem tido contactos regulares com os SDEJT s e estes por sua vez com as escolas. Por isso de forma específica apresenta-se o papel de cada nível: São responsabilidades da DPEC: Acompanhar todas as actividades desenvolvidas ao nível dos distritos; Apoiar os distritos, em termos de materiais pedagógicos na realização das suas actividades (planificação, elaboração/adaptação de documentos do uso interno); Organizar seminários de capacitação de acordo com as necessidades; Realizar visitas às escolas; Sistematizar relatórios das actividades realizadas e enviá-los trimestralmente ao MINED; Disseminar as boas práticas do processo de educação na província São responsabilidades do SDEJT: Assegurar a utilização do Fundo de Supervisão de forma a responder às necessidades da educação ao nível do distrito. 19

21 Acompanhar todas as actividades desenvolvidas ao nível das Zonas de Influência Pedagógica (ZIP), Escolas, e Núcleos Pedagógicos de Base (NPB); Realizar a supervisão tendo em conta as áreas: pedagógica e administrativa e financeira Incidência da supervisão: Situação do livro escolar; Disponibilidade e uso do livro de turma; Processo do aluno e do alfabetizando; Documentos normativos; Assistência às aulas; Planos de actividades e de desenvolvimento da escola; Disponibilidade e assiduidade do professor, do alfabetizador e do funcionário; Acompanhamento do levantamento estatístico de 3 de Março; Avaliação das necessidades psicopedagógicas dos professores e dos alfabetizadores; Desempenho da escola; Situação de pagamento de salários dos professores, alfabetizadores e funcionários; Plantio de árvores; Execução e prestação de contas do fundo de supervisão distrital; Análise e verificação documental das despesas realizadas; Execução e prestação de contas dos fundos do Programa de Apoio Directo às Escolas (ADE); Execução e prestação de contas dos fundos descentralizados aos IFP s, IFEA s e CREI. CAPÍTULO III 1. Prestação de Contas e Relatórios Financeiros Cada nível do sector deve ter no seu arquivo o processo de prestação de conta de todas as despesas realizadas e proceder o respectivo registo. 1.1 Relatórios Financeiros Para garantir que as demonstrações financeiras permitam a tomada de decisões racionais e com eficiência e eficácia, é necessário que a informação financeira seja credível. Numa base trimestral, cada Direcção Provincial deverá preparar relatórios cobrindo as transacções tanto do fluxo de caixa como das contas bancárias, que devem ser enviados ao Gestor Financeiro do Projecto ao nível do órgão central, para que ele faça a respectiva consolidação. 20

22 Nos casos em que a DPEC efectua adiantamento de fundos para o distrito, e este tiver realizado as despesas, deve recolher todos os justificativos num período máximo de dois meses para efeitos de contabilização na aplicação contabilística em uso. Nestes termos, ao nível da DPEC (na sua relação com os SDEJT) são contabilizados: Os adiantamentos directos efectuados pelas Finanças para os SDEJT s (para efeitos de controlo da execução); Justificativos originais resultantes dos adiantamentos feitos pela DPEC ao SDEJT; Cópia de justificativos dos valores do fundo de supervisão distrital inscrito no orçamento do distrito que não transita pela DPEC, ou seja, que é transferido directamente pela DPPF para o distrito. Deve haver celeridade na justificação das despesas ao nível dos SDEJT s, na medida em que, enquanto os justificativos não forem canalizados à DPEC, todos os desembolsos efectuados não serão assumidos como despesa. Assim, mantendo-se sob forma de adiantamento até ao final do semestre ou do ano, resultando numa aparente baixa execução financeira o que poderá reflectir-se de forma negativa nos desembolsos subsequentes Documentos que compõem o processo de prestação de contas: Documentos do âmbito geral Documentos de autorização da despesa, Requisições Internas e externas Justificativos (exemplo: facturas, recibos, V.D, mapas de controlo de consumo de combustível, guias de marcha, relatórios, processos de concurso, contrato com fornecedor, Guias de remessa, e.t.c) Relação de cheques emitidos Extractos bancários Relação dos cheques em circulação Balancetes Cartas de confirmação da recepção de bens (ex: mobiliário e equipamento escolar) Documentos relacionados com o e-sistafe. Visto que nem todos os níveis do sector da educação dispõem da terminal do e-sistafe, recomenda-se que nos processos de prestação de contas sejam assegurados, pelo menos, os seguintes documentos: NC Nota de cabimentação; LD Nota de Liquidação da despesa; OP Ordem de pagamento. 21

23 1.3. Intervenção dos vários níveis na execução e prestação de contas. Como foi referido atrás, os recursos financeiros do FASE foram descentralizados para vários programas. Entretanto, para atender alguns aspectos específicos decorrentes da introdução de novos procedimentos acordados entre o MINED e os pareceiros de cooperação (sem por em causa a autonomia financeira e administrativa de cada nível), devem ser observados os procedimentos que se seguem de acordo com cada programa Fundo de supervisão distrital O fundo de supervisão distrital está inscrito no orçamento do distrito e é canalizado aos SDEJT s por intermédio das Secretarias Distritais. Não obstante esta realidade, ao nível das DPEC s os valores comunicados aos SDEJT s são lançados como adiantamento no sistema contabilístico e contabilizados como despesas à medida que os distritos prestam contas. O Decreto 15/2010, assim como o novo acordo com o Banco Mundial apresentam várias modalidades de contratação que são aplicadas por todos os níveis do sector. Deste modo, todos os processos de aquisição ao nível dos SDEJT s relacionados com bens e serviços e outras maquinarias e equipamento (com recurso ao Ajuste Directo), devem apresentar um visto prévio da DPEC, devendo os dois níveis definir a melhor estratégia para a operacionalização desta recomendação. O SDEJT depois de compor o processo da despesa, antes de submeter à Secretária Distrital, deve canalizar à DPEC para efeitos de verificação Prestação de contas deste fundo pelos SDEJs: Enviar os justificativos originais à Secretaria Distrital para efeitos de encerramento dos PA s abertos na DPPF; Enviar uma cópia do mesmo processo à DPEC; Arquivar uma cópia no SDEJT Por imperativo de auditoria externa, num prazo máximo de dois meses após submissão dos justificativos na Secretaria Distrital os SDEJT s devem negociar a recolha dos documentos originais e arquivá-los na instituição para efeitos de consulta. Esta recomendação surge pelo facto de as cópias não constituírem documentos sujeitos `a verificação no âmbito de auditoria externa. Se dentro deste período os SDEJT s serem auditados, poderão levar o auditor até a Secretaria Distrital para verificação dos mesmos Fundo de ADE. O ADE é um programa que é implementado no Ensino Prímário, Secundário e Técnico Profissional e representa um grande investimento para o sector. Assim, para o alcance dos objectivos para os quais foi criado, é necessário que os vários níveis do sector, e principalmente os SDEJT s e DPEC s: 22

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GUIÃO RELATIVO AO FINANCIAMENTO EXTERNO NO ORÇAMENTO DO ESTADO 1. INTRODUÇÃO Moçambique possui uma dependência externa elevada e o ponto de partida para

Leia mais

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE I INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento Legal A Constituição da República de Moçambique estabelece, na alínea l) do n.º 2 do artigo 179, que é da exclusiva competência da Assembleia da República deliberar sobre

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS

TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS I. Introdução TERMOS DE REFERÊNCIA PARA O POSTO DE CONSELHEIRO EM GESTÃO DE FINANÇAS PUBLICAS O melhoramento da prestação de serviços públicos constitui uma das principais prioridades do Governo da Província

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio

INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio ASSUNTO: CASAS DE CÂMBIO - Regras Operacionais Considerando a necessidade de se adequar as regras operacionais das casas de câmbio, ao efectivo monitoramento do fluxo

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Educação. Guião de Planificação de Aquisições Procurement

República de Moçambique Ministério da Educação. Guião de Planificação de Aquisições Procurement República de Moçambique Ministério da Educação Guião de Planificação de Aquisições Procurement 2012 1. Apresentação O presente guião foi elaborado pela Direcção de Administração e Finanças com o objectivo

Leia mais

REGULAMENTO Nº 3/2009

REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO Nº 3/2009 REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE RECEITAS MUNICIPAIS Preâmbulo A dispersão geográfica dos serviços da Câmara Municipal torna impraticável a cobrança de todas as receitas na

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Governo do Estado do Amazonas Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Plano de Contas Manaus Amazonas 2012 0 Índice 1. Introdução

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO CIRCULAR N 01/ GAB-MF/2010

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO CIRCULAR N 01/ GAB-MF/2010 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS GABINETE DO MINISTRO CIRCULAR N 01/ GAB-MF/2010 ASSUNTO: CONCEITOS E PROCEDIMENTOS RELATIVOS A INSCRIÇÃO NO OE, COBRANÇA, CONTABILIZAÇÃO E RECOLHA DE RECEITAS

Leia mais

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004.

ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. CIRCULAR N.º 11/ORÇ/2003 (PROVISÓRIA) A todos os serviços da administração pública regional ASSUNTO: EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DA REGIÃO PARA 2004. O Decreto Regulamentar Regional n.º ---/---M, de --de --,

Leia mais

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS (ANTE- PROJECTO) Considerando que no âmbito do Programa de Modernização das Finanças Públicas foi aprovada o código dos Valores Amovíbil PROJRELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO I. INTRODUÇÃO

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE

MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS GABINETE DA MINISTRA Unidade Técnica da Reforma Da Administração Financeira do Estado - UTRAFE MODELO DE GESTÃO DO SISTAFE Maputo, 12 de Julho de

Leia mais

Documentação Comercial Controlo de Tesouraria

Documentação Comercial Controlo de Tesouraria Documentação Comercial Controlo de Tesouraria 1.Introdução A tesouraria surgiu da necessidade das entidades possuíssem um órgão que efectua-se a cobrança das receitas e os pagamentos de despesas. Tendo

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO JUNTA DE FREGUESIA DE SALVATERRA DE MAGOS REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO INTRODUÇÃO I O Plano oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), aprovado pelo Decreto-Lei nº 54-A/99, de 22 de Fevereiro,

Leia mais

CAPÍTULO III COMO PREENCHER OS MODELOS

CAPÍTULO III COMO PREENCHER OS MODELOS CAPÍTULO III COMO PREENCHER OS MODELOS SECÇÃO I POR ONDE COMEÇAR Os primeiros modelos a serem elaborados devem ser aqueles que menos relações estabelecem com outros modelos, sendo que os últimos serão

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA 24.º SUPLEMENTO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Sexta Feira, 28 de Dezembro de 2012 Número 159 GOVERNO

DIÁRIO DA REPÚBLICA 24.º SUPLEMENTO SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Sexta Feira, 28 de Dezembro de 2012 Número 159 GOVERNO Sexta Feira, 28 de Dezembro de 2012 Número 159 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE DIÁRIO DA REPÚBLICA 24.º SUPLEMENTO GOVERNO Decreto n.º42/2012. Define as regras, procedimentos e calendário para o exercício de prestação

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo A CASFIG, EM Coordenação de âmbito Social e Financeiro das Habitações Sociais de Guimarães, Empresa Municipal - tem como objecto social principal a promoção e

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA TESOURARIA Coordenação: Conselho para a Avaliação e Qualidade Gabinete de Qualidade, Avaliação e Procedimentos Instituto Politécnico de Beja Rua Pedro Soares, s/n 7800-295 BEJA Equipa Técnica: João Leal Manuel Monge

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Transformamos Informação em Conhecimento

Transformamos Informação em Conhecimento Transformamos Informação em Conhecimento Contabilidade Parametrização automática de uma estrutura para centros de custo. Automatização de tipos de lançamentos. Tratamento automático do final do exercício.

Leia mais

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO DE CONTROLO INTERNO Preâmbulo O Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL) aprovado pelo Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, com as alterações introduzidas pela Lei

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA PROGRAMA EUROSTARS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FINANCEIRA INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ACOMPANHAMENTO FINANCEIRO COMPONENTES DO RELATÓRIO A verificação da execução financeira dos projectos EUROSTARS é suportada

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS EM MOÇAMBIQUE

SISTEMA NACIONAL DE CONTRATAÇÕES PÚBLICAS EM MOÇAMBIQUE 2014 FIDIC GAMA ANNUAL CONFERENCE LOCAL INVOLVEMENT IN MAJOR PROJECTS FOR SUSTAINABILITY MAPUTO: 23 TO 26 TH MARCH 2014 Group of African Member Associations International Federation of Consulting Engineers

Leia mais

CAPÍTULO II CONCILIAÇÃO DOS MODELOS

CAPÍTULO II CONCILIAÇÃO DOS MODELOS CAPÍTULO II CONCILIAÇÃO DOS MODELOS SECÇÃO I RELAÇÃO ENTRE OS MODELOS Neste capítulo o principal objectivo é ajudar à compreensão global dos modelos e estabelecer a forma como os modelos se relacionam.

Leia mais

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep Julho de 2009 Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep A aplicação dbgep é constituída pelos seguintes módulos: Aplicação Função Situação comercial dbgep C Contabilidade em comercialização dbgep

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos;

DESPACHO ISEP/P/13/2010. 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; DESPACHO ISEP/P/13/2010 Considerando: 1. A importância de promover a transparência e a eficiência das actividades e da salvaguarda dos activos; 2. A necessidade de garantir a prevenção e detecção de situações

Leia mais

GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1 valor; uma resposta errada dá lugar à dedução de 0,25 pontos.

GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1 valor; uma resposta errada dá lugar à dedução de 0,25 pontos. NOTA: ------------ -- Docente atribuído: Docente que frequentou e que corrigirá a prova: Aluno Nº: Turma: Nome: Assinatura: GRUPO I (10 valores) Assinale a resposta mais correcta; cada resposta vale 1

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2012 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

eduardo sá silva Classe 1 Meios Financeiros Líquidos Abordagem contabilística, fiscal e auditoria

eduardo sá silva Classe 1 Meios Financeiros Líquidos Abordagem contabilística, fiscal e auditoria eduardo sá silva carlos martins Classe 1 Meios Financeiros Líquidos Abordagem contabilística, fiscal e auditoria Índice Geral INTRODUÇÃO... I. CLASSE 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS... I.1 NORMAS RELEVANTES...

Leia mais

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício Anexo à Instrução nº 5/96 IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS 703 - Juros de recursos

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções:

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções: Leia com atenção as seguinte instruções: As questões de múltipla escolha têm uma cotação de 0,1 cada. Caso queira alterar a sua resposta, risque a anterior e assinale a sua opção final com um círculo e

Leia mais

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros perante esta e que não estão

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL

REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL REGULAMENTO DO SISTEMA DE CONTROLO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DISTRITO DE SETÚBAL PREÂMBULO Com

Leia mais

NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 B. CONTAS DE TERCEIROS 11 C. IMOBILIZADO 13

NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 B. CONTAS DE TERCEIROS 11 C. IMOBILIZADO 13 INDICE Pág. Nr. NORMA DE CONTROLO INTERNO 4 ANEXO: PROCEDIMENTOS DE CONTROLO INTERNO 7 A. DISPONIBILIDADES 8 A.I CAIXA 8 A.I.1 Fundo de maneio 8 A.II BANCOS 9 A.II.1 Abertura e movimentação de contas bancárias

Leia mais

Decreto n.º 8/95 Acordo entre a República Portuguesa e a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO)

Decreto n.º 8/95 Acordo entre a República Portuguesa e a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) Decreto n.º 8/95 Acordo entre a República Portuguesa e a Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (UNIDO) Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2013 de de

REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º /2013 de de REPÚBLICA DE ANGOLA ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º /2013 de de O Orçamento Geral do Estado é o principal instrumento da política económica e financeira do Estado Angolano que, expresso em termos de valores,

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Normas de Execução Financeira

Normas de Execução Financeira PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 1. Âmbito do financiamento POCI e POS_C Normas de Execução Financeira 1.1. As verbas atribuídas destinam-se a financiar as despesas do

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno

SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno SISTEMA DE CONTROLO INTERNO Procedimento de Controlo Interno Página 2 de 17 ORIGINAL Emissão Aprovação Data Data / / (Orgânica Responsável) / / (Presidente da Câmara) REVISÕES REVISÃO N.º PROPOSTO APROVAÇÃO

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2013 JANEIRO A MARÇO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública

Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro. Bases da contabilidade pública Lei nº 8/90 de 20 de Fevereiro Bases da contabilidade pública A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), e 169.º, n.º 3, da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objecto

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

MAPA DE PESSOAL 2009

MAPA DE PESSOAL 2009 MAPA DE PESSOAL 2009 Atribuições / Competências/Actividades Administração Competência para coordenar e viabilizar toda a actividade normal e funcional da LIPOR; Executar e velar pelo cumprimento das deliberações

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes Título: MÓDULO DE GESTÃO DE BANCOS & CONTROLO LETRAS Pag.: 1 Módulo Gestão Contas Bancárias O módulo Gestão de Contas Bancárias, tem como principal objectivo, permitir ao utilizador saber num exacto momento,

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

Regulamento de Controlo Interno. Freguesia de Paçô. Arcos de Valdevez

Regulamento de Controlo Interno. Freguesia de Paçô. Arcos de Valdevez Regulamento de Controlo Interno Freguesia de Paçô Arcos de Valdevez 2013 Regulamento de Controlo Interno Artigo 1º Objecto O presente regulamento tem por objectivo estabelecer as regras, métodos e procedimentos

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

O FUNDO DE MANEIO. Breviário de funções do secretário de justiça ENTRAR. Direção-geral da Administração da Justiça. Ver instruções de utilização

O FUNDO DE MANEIO. Breviário de funções do secretário de justiça ENTRAR. Direção-geral da Administração da Justiça. Ver instruções de utilização O FUNDO DE MANEIO Centro de Formação de Funcionários de Justiça ENTRAR Ver instruções de utilização Direção-geral da Administração da Justiça Bem vindo ao Manual sobre o Fundo de Maneio Esta apresentação

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO S FINANÇAS RELATÓRIO DE EXECUÇÃO DO ORÇAMENTO DO ESTADO ANO 2013 JANEIRO A JUNHO RELATÓRIO 1. Introdução 2. Equilíbrio Orçamental 3. Receitas do Estado 4. Financiamento

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

CAPÍTULO I. Disposições gerais ARTIGO 1.º. Âmbito de aplicação

CAPÍTULO I. Disposições gerais ARTIGO 1.º. Âmbito de aplicação O Sistema de Controlo Interno deverá englobar o plano de organização, políticas, métodos e procedimentos de controlo, bem como todos os demais métodos e procedimentos. A elaboração de um tal documento

Leia mais

GM CONTABILIDADE. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação

GM CONTABILIDADE. O parceiro ideal nas tecnologias de Informação GM CONTABILIDADE O GM Contabilidade é uma aplicação concebida para o eficaz controlo informático de toda a área da Contabilidade Geral, Analítica e Orçamental Com um interface intuitivo e bastante profissional,

Leia mais

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Descritivo completo Contabilidade 2008 Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Benefícios Fácil de utilizar; Totalmente integrada com o restante

Leia mais

PREÇÁRIO. Entrada em Vigor: 2 de janeiro de 2015

PREÇÁRIO. Entrada em Vigor: 2 de janeiro de 2015 PREÇÁRIO Entrada em Vigor: 2 de janeiro de 2015 Caixa Geral de Depósitos, SA Sede Social: Av. João XXI, 63 1000-300 Lisboa Portugal Capital Social: 5.900.000.000 CRCL e NIP C 500960046 www.bnu.tl Sucursal

Leia mais

FINANCIAMENTO AO NIVEL COOPERAÇÃO NO SECTOR SAÚDE: ASPECTOS CONTEMPORÁNEOS MAPUTO 13 DE OUTUBRO

FINANCIAMENTO AO NIVEL COOPERAÇÃO NO SECTOR SAÚDE: ASPECTOS CONTEMPORÁNEOS MAPUTO 13 DE OUTUBRO FINANCIAMENTO AO NIVEL DISTRITAL COOPERAÇÃO NO SECTOR SAÚDE: ASPECTOS CONTEMPORÁNEOS MAPUTO 13 DE OUTUBRO Estrutura da apresentação Que é o financiamento externo ao nível distrital? Por que é importante?

Leia mais

NOTA TÉCNICA. EIXO 1 Qualificação Inicial e 1.2.5 Formação de Adultos da Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida

NOTA TÉCNICA. EIXO 1 Qualificação Inicial e 1.2.5 Formação de Adultos da Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA EIXO 1 Qualificação Inicial e 1.2.5 Formação de Adultos da Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NATUREZA E LIMITES MÁXIMOS DOS CUSTOS ELEGÍVEIS (Decreto - Regulamentar 84-A/2007

Leia mais

Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC

Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC República de Moçambique Ministério das Finanças Autoridade Tributária de Moçambique DIRECÇÃO GERAL DE IMPOSTOS Imposto Simplificado para Pequenos Contribuintes - ISPC Maputo, Julho de 2013 INDICE Contextualização

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Harmonização do regulamento com a Lei 9/02, 12 de Fevereiro.

Harmonização do regulamento com a Lei 9/02, 12 de Fevereiro. FUNDAMENTAÇÃO Por Decreto nº 17/2002, de 27 de Junho, o Governo aprovou o Regulamento do Sistema de Administração Financeira do Estado que teve o mérito de introduzir alterações profundas ao anterior sistema

Leia mais

sãcção r,ì ACRO-PROCESSO DE "EXECUçÃO DO ORçÁMENTO DO ESTADO" ÁssuNTo: ÁDMrrursrRnçÃo E execvção Do orçámento Do ESTADO PARÁ 2OO9 DrsPosrçõEs aernrs

sãcção r,ì ACRO-PROCESSO DE EXECUçÃO DO ORçÁMENTO DO ESTADO ÁssuNTo: ÁDMrrursrRnçÃo E execvção Do orçámento Do ESTADO PARÁ 2OO9 DrsPosrçõEs aernrs REPUBLICA DE MOçAMBIQUE MrNrsrERro DAs FINANçA5 GABINETE DO MINI5TRO crrcular ru. " j)-z GAB-MF/zoog t, t, MÁPUTO, AOS 1+ DE FEVERETRO DE 2009 ÁssuNTo: ÁDMrrursrRnçÃo E execvção Do orçámento Do ESTADO

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

INSTRUTIVO N.08/99. de 21 de Maio

INSTRUTIVO N.08/99. de 21 de Maio ASSUNTO: POLITICA CAMBIAL Operações de mercadorias INSTRUTIVO N.08/99 de 21 de Maio Com vista a estabelecer os procedimentos operacionais decorrentes das operações de mercadorias, em conformidade com o

Leia mais

Assembleia Nacional. Lei 17/92

Assembleia Nacional. Lei 17/92 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Nacional Lei 17/92 A Assembleia Nacional, no uso das faculdades que lhe são conferidas pela alínea g) do artigo 86.º da Constituição Política, para

Leia mais

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio!

Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP. Otimize a Gestão do Seu Negócio! Soluções de Gestão Integradas SENDYS ERP Otimize a Gestão do Seu Negócio! Universo da Solução de Gestão SENDYS ERP Financeira Recursos Humanos Operações & Logística Comercial & CRM Analytics & Reporting

Leia mais

Sistema de Controlo Interno

Sistema de Controlo Interno Câmara Municipal Sistema de Controlo Interno (SCI) REGULAMENTO INDICE CAP. I DISPOSIÇÕES GERAIS Art.º 1º Objecto... 4 Art.º 2º Âmbito... 4 Art.º 3º Competências... 4 Art.º 4º Documentos e registos... 5

Leia mais

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO

República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO República de Moçambique ---------------- Governo da Província de Maputo REGULAMENTO INTERNO DA SECRETARIA PROVINCIAL PREÂMBULO Havendo necessidade de regulamentar o funcionamento da Secretaria Provincial

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1 - RECEITAS 1.1 - Orçamento da Receita 1.2 - Receita Prevista 1.3 - Execução Orçamentária da Receita ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA I - Verificar se os registros das

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 2. EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida

NOTA TÉCNICA Nº 2. EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NOTA TÉCNICA Nº 2 EIXO 1 Adaptabilidade e Aprendizagem ao Longo da Vida NATUREZA E LIMITES MÁXIMOS DOS CUSTOS ELEGÍVEIS (Decreto - Regulamentar 84-A/2007, na sua atual redação e Despacho Conjunto das Secretarias

Leia mais

Guião para o Processo de integração da componente externa no ciclo orçamental

Guião para o Processo de integração da componente externa no ciclo orçamental REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA PLANIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Guião para o Processo de integração da componente externa no ciclo orçamental Versão 07/02/2012 Índice 1. Introdução...

Leia mais

Frequência de Contabilidade Financeira I

Frequência de Contabilidade Financeira I Classificação I II III IV V NOME: Prova cotada para 5,00 valores 1.ª Teste A Frequência de Docentes: Ana Paula Matias e Francisco Antunes N.º: Prova: Frequência Data: 2011 11 29 Comprovativo de entrega

Leia mais

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE

INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE INSTRUÇÃO 1/2006 INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A ADOPTAR PARA CUMPRIMENTO DOS DEVERES DE NATUREZA PREVENTIVA DA PRÁTICA DOS CRIMES DE BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS E DE FINANCIAMENTO AO TERRORISMO

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras

Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras Nota de Informação Preçários das instituições de crédito passam a ter novas regras O Banco de Portugal acaba de publicar novas regras para os Preçários, que vêm reforçar e harmonizar a informação sobre

Leia mais

MANUAL DE CONTROLO INTERNO

MANUAL DE CONTROLO INTERNO MANUAL DE CONTROLO INTERNO ARSN, IP Página 1 de 12 Ed. Rev. Data Autor 00 00 s/ data Implementação do Modelo de Controlo Interno nas ACSS ARS. 01 00 jan./2013 Adequação dos procedimentos à ARSN,IP. UACI

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS PROJECTO DE APOIO À GESTÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA (PAGEF) TERMOS DE REFERÊNCIA RESPONSÁVEL ADMINISTRATIVO

Leia mais

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR Este documento apresenta-se como um resumo das Condições Gerais e Especiais do seguro Prévoir PPR e não dispensa a consulta integral das mesmas. SEGURADOR FINALIDADE SEGMENTO-ALVO CONDIÇÕES DE SUBSCRIÇÃO

Leia mais