A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação"

Transcrição

1 A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação NAT Network Translation Address A funcionalidade de NAT consiste no procedimento de translado de endereços de uma rede para a outra. Essa técnica possibilita esconder os endereços do segmento interno da rede e a conexão de uma grande quantidade de máquinas à internet, fazendo uso de uma quantidade pequena de endereços válidos, ou fazendo uso de endereços administrativos. O NAT possibilita que uma rede utilize um conjunto de endereços internos e um conjunto diferente de endereços quando negociando com redes externas. Ele por si mesmo não provê segurança, mas ajuda a esconder a topologia lógica da rede interna e força, assim, que todas as conexões sejam realizadas via um único ponto de passagem. Quando uma máquina da rede interna envia um pacote para fora de sua rede, o NAT modifica o seu endereço de origem, de forma que o pacote pareça ter vindo de um endereço válido para a Internet. Quando uma máquina externa envia um pacote para dentro da rede, o NAT modifica o endereço de destino, visível externamente, em um endereço interno. Existem algumas vantagens em utilizar esse recurso do firewall, o NAT: 1. ajuda a melhorar o controle do firewall sobre as conexões externas; 2. ajuda a restringir o tráfego que chega à rede, proveniente da rede externa; 3. ajuda a ocultar a configuração

2 da rede interna. Desvantagens de se utilizar o NAT: 1. a alocação dinâmica de portas pode interferir com a filtragem de pacotes; 2. pode interferir autenticação. com sistemas de criptografia e O sistema NAT pode utilizar esquemas diferentes para realizar o translado entre endereço interno e externo, conforme apresentado na figura 1. Nesta situação é realizado NAT N:1, isto é, toda as máquinas da sub-rede /24 terão o seu endereço de origem mapeado para e os endereços das máquinas da sub-rede /24 serão mapeados para Desta forma, as máquinas das sub-redes podem conversar com o servidor. Firewall fazendo NAT N:1 Além do NAT N:1, apresentado na figura 1, essa funcionalidade do firewall pode fazer uso de diferentes formas para mapear os

3 endereços internos em endereços externos e vice-versa. Algumas dessas formas são as seguintes: 1. alocar um endereço externo para cada endereço interno e sempre aplicar a mesma regra (NAT 1:1). Esta é uma medida temporária, utilizada por sites que têm o seu espaço de endereçamento ilegalmente utilizado; 2. alocar de forma dinâmica um endereço externo a cada vez que uma máquina interna inicia uma conexão, sem modificar o número das portas. Limita-se o número de máquinas internas que podem simultaneamente acessar a Internet ao número de endereços externos disponíveis (NAT N:N); 3. criar um mapeamento entre os endereços internos e os endereços externos (NAT N:N); 4. alocar dinamicamente o par de porta e endereço externo a cada conexão iniciada por uma máquina interna. Segundo Filho (2010), existem vários recursos que utilizam NAT. Dentre eles, pode- se destacar: mascaramento (masquerading) esse recurso possibilita fazer uma rede privada navegar na Internet com um único endereço IP (NAT N:1). A rede solicita os dados para a máquina que faz o mascaramento. Entretanto um host da Internet, por vontade própria, não consegue ultrapassar o filtro; redirecionamento de portas (port forwarding ou PAT) ocorre quando se deseja alterar a porta de destino de uma requisição (proxy transparente todo tráfego para a porta 80 é redirecionado para a porta 3128); redirecionamento de servidores (forwarding) todos os pacotes destinados a um servidor serão redirecionados para outro servidor; balanceamento de carga (load balance) o balanceamento de carga (load balance) é uma técnica utilizada para distribuir carga entre servidores sincronizados. O load

4 balance é o ato de distribuir os clientes aos servidores mais desocupados. VPN (Virtual Private Network) O conceito de VPN surgiu da necessidade de se utilizarem redes de comunicação não confiáveis para trafegar informações de forma segura. As VPNs são redes virtuais que possibilitam a economia de custos quando utilizadas em substituição às tradicionais redes baseadas em linhas privadas, reduzindo, assim, investimento em equipamentos, treinamento e manutenção. Elas também podem ajudar a tornar as redes mais flexíveis (imediata escalabilidade, com mínimo esforço), possibilitando respostas rápidas às constantes mudanças ocorridas no enfoque dos negócios. Elas ainda proporcionam um gerenciamento e controle efetivo, por permitir a utilização das facilidades de um provedor público sem perder o controle total da rede, e por controlar de forma efetiva a autenticação, privilégios de acesso, segurança (garantir a confidencialidade, integridade e autenticidade). Logo, uma VPN pode ser definida como uma emulação de uma rede privativa de longa distância (WAN), utilizando estruturas de redes IP já existentes, Internet ou redes privadas. Tendo em vista a fragilidade de segurança deste ambiente, a VPN deve possuir dispositivos que proporcionem um tráfego seguro, túnel, sem que exista qualquer tipo de vazamento de pacotes IP (GLEESON, 2000; ROSSI e FRANZIN, 2000). Outra definição interessante é a apresentada por Chin (1998), na qual ele cita que uma VPN consiste em túneis de criptografia entre pontos, criados através de redes, sejam públicas, ou não, para transferência de informações de modo seguro, entre redes corporativas ou usuários remotos. Além da segurança, a VPN tem como vantagem a redução de custos com comunicações corporativas, não fazendo uso de backbones corporativos ou de acessos dedicados, por exemplo. Passa a ser

5 uma solução bem interessante sob o ponto de vista econômico, principalmente para WANs. Funcionalidades de uma VPN Transporte de pacotes de forma opaca isto é, o tráfego dentro da VPN pode não ter relação com o tráfego do backbone IP. Isto se deve ao fato de que o tráfego é multiprotocolar ou porque os usuários da rede IP podem não relacionar o seu endereçamento com o utilizado no backbone da rede IP; Segurança de dados os usuários da VPN necessitam de alguma forma de segurança dos seus dados; e Qualidade de serviço em adição à segurança, existem redes privadas que garantem largura de banda e garantem um atraso contínuo. Mecanismo de Tunelamento Para que a VPN possa ser implantada de forma adequada e atender as funcionalidades acima citadas, são utilizados mecanismos de tunelamento. Esses mecanismos consistem na capacidade de tornar transparente a estrutura física de uma rede na implementação de uma VPN. Ao invés de serem enviados os dados originais, o protocolo de tunelamento encapsula estes dados com um cabeçalho proprietário, provendo as informações necessárias de roteamento para fazer chegar a informação ao seu destino. O caminho lógico utilizado pelos pacotes, desde o ponto inicial até o seu destino, é chamado de túnel. O mecanismo de tunelamento é implementado via o uso de protocolos, sejam da camada 2, 3 ou 7 do modelo OSI (Open Systems Interconnection). Estes são chamados de protocolos de tunelamento. Alguns protocolos podem ser destacados na execução dessa tarefa. Siga os detalhes. Camada de Enlace (camada 2) 1. PPTP (Point to Point Tunneling Protocol) criado por um

6 grupo de empresas (3Com, Microsoft, Us Robotics, ECI Telematics e Ascent Communications), tem como princípio possibilitar que usuários ou empresas façam acesso remoto, via Internet, por exemplo, de forma segura. 2. L2TP Layer 2 Tunneling Protocol foi criado para ser o sucessor dos protocolos PPTP e L2F (Layer 2 Forwarding protocol). Ele possibilita, por exemplo, o uso de mecanismos de segurança; transporte multiprotocolar, manutenção do túnel, entre outras características. Camada de Rede (camada 3) 1. IPSec (Internet Protocol Security) os datagramas IP são encapsulados em um cabeçalho adicional antes de serem transmitidos pela rede. Neste caso o túnel é criado e encerrado na rede intermediária. Esse protocolo será abordado posteriormente. Camada de Aplicação (camada 7) 1. SSL (Secure Socket Layer) trata-se de um protocolo de comunicação que implementa um túnel seguro para comunicação de aplicações na internet. Funcionamento da VPN Uma VPN conecta os componentes e recursos de uma rede sobre outra rede, utilizando-se de um túnel via Internet ou outra rede pública, de forma que os usuários deste túnel façam uso dos recursos de segurança e serviços, como se estivessem conectados a uma rede privada. As figuras 2 e 3 apresentam duas formas de implantar VPNs. Na figura 3, existe uma VPN entre o usuário e a Empresa, normalmente utilizada quando colaboradores necessitam acessar os serviços e/ou informações localizadas na rede de informações da organização. As vantagens de se utilizar essa implementação é a redução de investimentos (Ex.: servidores de

7 acesso); a possibilidade de realizar chamadas locais, ao invés de interurbanos; uma maior escalabilidade no crescimento do número de usuários; e agir diretamente com os negócios da empresa. A figura 2 apresenta uma VPN entre empresas, por exemplo: quando a sede interliga-se com as suas filiais, isto é, uma INtranet. Essa implementação possibilita uma redução de custo, facilidade de conexão para novos sites e boa disponibilidade para os sistemas, em função da redundância de links que podem ser providos. Firewall fazendo VPN Rede Rede Firewall fazendo VPN Usuário Rede Uma terceira forma interessante de se utilizar VPN é quando se

8 deseja implantar uma Extranet, conforme visualizado na figura 4. Essa implementação tem como objetivo disponibilizar o acesso de parceiros, representantes, clientes e fornecedores à rede da Empresa. Esta comunicação é permitida, com a finalidade de agilizar o processo de troca de informações entre as partes, estreitando o relacionamento e tornando mais dinâmica e efetiva a interação. A conectividade é obtida com a utilização da mesma estrutura e protocolos utilizados na Intranet e sistema de acesso remoto. Firewall fazendo VPN Usuário Rede e Rede Rede Referências GLEESON, B.A. Framework for IP Based VPN, IETF RFC, 2764, ROSSI, Marco Antonio G. e FRANZIN, Oswaldo. VPN Virtual Private Network Rede Privada Virtual, GPr Sistemas/ASP Systems. Agosto/2000. FILHO, João Eriberto Mota. Firewall com Iptables. Disponível

9 em: < iptables>. Acesso em: set Autor: Ms. Luiz Otávio Botelho Lento Mapa Mental de Redes de Computadores - Elementos de Interconexão de Redes Mapa Mental de Redes Interconexão de Redes de Computadores Elementos de Mapa Mental de Redes Interconexão de Redes de Computadores Elementos de

10 Mapa Mental de Redes de Computadores - Classes IP Mapa Mental de Redes de Computadores Classes IP Mapa Mental de Redes de Computadores Classes IP

11 Qual a diferença entre redes Wifi A B G N? Com certeza você já deve ter se deparado com o termo Wi-Fi em vários lugares, para tanto, nunca buscou realmente o seu significado. Portanto, vamos conhecer hoje o significa essa palavra, o seu funcionamento e também as diferenças desse tipo de rede.

12 O que é uma rede Wi-Fi? O termo Wi-Fi é uma marca registrada pela Wi-Fi Alliance, porém, a expressão é um sinônimo para a tecnologia IEEE Esse tipo de rede permite a conexão entre diversos dispositivos sem o uso fio. O termo Wi-Fi, atualmente muito usado, não possui uma definição específica. A expressão Wi-Fi surgiu baseada na expressão High Fidelity (Hi-Fi), e está sendo usada desde a década de 50, ao ser lançado pelo indústria fonográfica. Portanto, o termo Wi-Fi é a contração das palavras Wireless Fidelity. Como o Wi-Fi funciona? As redes Wi-Fi tem seu funcionamento através de ondas de rádio. A transmissão se dá através de um adaptador, o nosso conhecido roteador. O roteador tem a capacidade de receber os sinais, decodificar e após os emitir a partir de uma antena. Porém, para que o computador, notebook, tablet, enfim, qualquer dispositivo que possa ter acesso à internet, consiga capturar esses sinais é necessário que ele esteja dentro de um determinado raio, que é chamado de hotspot. De acordo com o roteador e a antena, o raio de abrangência da internet é bastante variável. Em lugares abertos poderá variar até 300 metros, porém, nos fechados, poderá se estender até 300 metros. O padrão de rede Wi-Fi é divido em várias partes, conheça algumas delas: IEEE a: Esse tipo de padrão é usado normalmente em empresas de grande tráfego de informações. A principal vantagem desse tipo de padrão é a alta velocidade, como também a ausência de interferências. Esse padrão Wi-Fi é para frequência 5 GHz com capacidade teórica de 54 Mbps. O único problema encontrado nesse tipo de padrão é o seu alcance, que não costuma ser muito grande. IEEE b: Esse padrão de rede é o mais usado no meio

13 doméstico, isto é, em casas. Também é encontrado em pequenas empresas. A sua principal vantagem realmente é o seu alcance. Porém, como desvantagem, a sua velocidade, que costuma ser inferior se comparada às outras. O padrão Wi-Fi para frequência 2,4 GHz com capacidade teórica de 11 Mbps. IEEE g: Esse padrão poder ser comparado ao (b), porém, se comparado a velocidade, esse padrão costuma responder melhor. Igualmente ao padrão (b), é amplamente usado em residência e empresas de porte pequeno. Para tanto, como desvantagem, o alcance costuma ser menor ao padrão (b). O padrão Wi-Fi para frequência 2,4 GHz com capacidade teórica de 54 Mbps. IEEE n: Este é o mais recente padrão, poucos equipamentos fazem uso dessa tecnologia, porém, com o decorrer do tempo, a tendência é aumentar. A Apple, famosa pela qualidade de seus produtos, já possui alguns aparelhos com essa tecnologia, como por exemplo, o iphone de quarta geração e alguns modelos de MacBooks. O padrão Wi-Fi para frequência 2,4 GHz e/ou 5 GHz com capacidade teórica de 65 à 600 Mbps. Fonte: Oficina da Net Mapa Mental de Redes de Computadores - Camadas TCP/IP Mapa Mental de Redes de Computadores Camadas TCP/IP Mapa Mental de Redes de Computadores Camadas TCP/IP

14 Mapa Mental de Redes de Computadores - Camadas OSI Mapa Mental de Redes de Computadores Camadas OSI

15 Mapa Mental de Redes de Computadores Camadas OSI

16

17 Mapa Mental de Arquitetura e Organização de Computadores Hardware Mapa Mental de Arquitetura e Organização de Computadores Hardware Mapa Mental de Arquitetura e Organização de Computadores Hardware

18 Mapa Mental de Arquitetura e Organização de Computadores Barramentos Mapa Mental de Arquitetura e Organização de Computadores Barramentos Mapa Mental de Arquitetura e Organização de Computadores Barramentos

19

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação. NAT Network Address Translation

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação. NAT Network Address Translation A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação NAT Network Address Translation A funcionalidade de NAT consiste no procedimento de translado de endereços de uma rede para a outra.

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 3 VPN Tecnologias Atuais de Redes - VPN 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Vantagens, Desvantagens e Aplicações Etapas da Conexão Segurança Tunelamento Protocolos de

Leia mais

Rede Local - Administração Acesso Remoto

Rede Local - Administração Acesso Remoto Rede Local - Administração Acesso Remoto Formador: Miguel Neto (migasn@gmailcom) Covilhã - Novembro 16, 2015 Introdução Alguns dos serviços e dados das empresas devem estar apenas disponíveis dentro da

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Conceito de Rede e seus Elementos. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos Prof. Marciano dos Santos Dionizio Conceito de Rede e seus Elementos O conceito de rede segundo Tanenbaum é: um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores

Segurança de Redes de Computadores Segurança de Redes de Computadores Aula 10 Segurança na Camadas de Rede Redes Privadas Virtuais (VPN) Prof. Ricardo M. Marcacini ricardo.marcacini@ufms.br Curso: Sistemas de Informação 1º Semestre / 2015

Leia mais

O que é VPN? A VPN Connection

O que é VPN? A VPN Connection O que é VPN? As redes virtuais privadas (VPNs) são conexões ponto a ponto em redes privadas ou públicas, como a Internet. Um cliente VPN usa protocolos especiais baseados em TCP/IP, denominados protocolos

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Segurança da Informação

Segurança da Informação Segurança da Informação 1 Agenda Segurança em Comunicações Protocolos de Segurança VPN 2 1 Comunicações Origem Destino Meio Protocolo 3 Ataques Interceptação Modificação Interrupção Fabricação 4 2 Interceptação

Leia mais

OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN

OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN OSRC Segurança em Redes de Computadores Módulo 11: VPN Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br VPN: Virtual Private Networks Uma Rede Virtual Privada (VPN) é um meio de simular uma

Leia mais

SMTP SMTP SMTP. Formato das Mensagens

SMTP SMTP SMTP. Formato das Mensagens Simple Message Transfer Protocol Objetivo: enviar mensagens de correio eletrônico. Usa porta 25 como padrão. Oritentado à conexão. Formatação de Endereços: ges@di.ufpe.br Formato das Mensagens Cabeçalho

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 5: Comutação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network

Segurança e Auditoria de Sistemas. Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Segurança e Auditoria de Sistemas Segurança de Redes VPN - Virtual Private Network Prof. Me Willians Bueno williansbueno@gmail.com UNIFEB/2013 INTRODUÇÃO; ROTEIRO APLICAÇÕES; VANTAGENS; CARACTERÍSTICAS;

Leia mais

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão.

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES O que é uma Rede? Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. Uma Rede de Computadores é constituída por vários computadores conectados

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Lembrar a estrutura organizacional do cliente ajuda a planejar a atribuição de endereços e nomes O mapa topológico também ajuda, pois indica onde há hierarquia

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 3-1. A CAMADA DE REDE (Parte 1) A camada de Rede está relacionada à transferência de pacotes da origem para o destino. No entanto, chegar ao destino pode envolver vários saltos em roteadores intermediários.

Leia mais

Capítulo 11: NAT para IPv4

Capítulo 11: NAT para IPv4 Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 11: NAT para IPv4 Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID 1 Capítulo 11 11.0

Leia mais

Como as Virtual Private Networks Funcionam

Como as Virtual Private Networks Funcionam Como as Virtual Private Networks Funcionam Índice Introdução Antes de Iniciar Convenções Pré-requisitos Componentes Usados Informações Complementares O que forma uma VPN? Analogia: Cada LAN É um IsLANd

Leia mais

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para

Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Prof. Edson Maia Graduado em Web Design e Programação Bacharel e Licenciado em Geografia Especialista em Gestão Ambiental Complementação para Magistério Superior Especialista em Docência para Educação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores edes de Computadores edes de Computadores Nível de ede edes de Computadores 2 1 Esquema de endereçamento original: cada rede física tem seu endereço de rede, cada host em uma rede tem o endereço de rede

Leia mais

Nível de segurança de uma VPN

Nível de segurança de uma VPN VPN Virtual Private Network (VPN) é uma conexão segura baseada em criptografia O objetivo é transportar informação sensível através de uma rede insegura (Internet) VPNs combinam tecnologias de criptografia,

Leia mais

Segurança em Sistemas de Informação Tecnologias associadas a Firewall

Segurança em Sistemas de Informação Tecnologias associadas a Firewall Algumas definições Firewall Um componente ou conjunto de componentes que restringe acessos entre redes; Host Um computador ou um dispositivo conectado à rede; Bastion Host Um dispositivo que deve ser extremamente

Leia mais

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013 Disciplina: Redes de Comunicação Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. João Oliveira Turma: 10º 13ª Setembro 2013 INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta os principais

Leia mais

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1)

Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Modelo de Referência OSI. Nível Físico (1) Modelo de Referência OSI OSI (Open Systems Interconnection) Criado pela ISO (International Standards Organization) É um modelo abstrato que relaciona funções e serviços de comunicações em sete camadas.

Leia mais

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Segurança de Sistemas na Internet. Aula 10 - IPSec. Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Segurança de Sistemas na Internet Aula 10 - IPSec Prof. Esp Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Slide 2 de 31 Introdução Há inúmeras soluções de autenticação/cifragem na camada de aplicação

Leia mais

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET 2010/2011 1 Introdução às redes e telecomunicações O que é uma rede? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados Fundamentos de Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12

Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12 Padrão menos utilizado; Padãro 100 VG-AnyLAN(IEEE 802.12 Combina elementos da Ethernet com Token Ring; Velocidade de 100 Mbps; Cabos par Trançado (cat. 3, 4 e 5) ou fibras ópticas. Cabos de Fibra Óptica;

Leia mais

MÓDULO I - INTERNET APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. Prof. BRUNO GUILHEN. O processo de Navegação na Internet. Aula 01

MÓDULO I - INTERNET APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. Prof. BRUNO GUILHEN. O processo de Navegação na Internet. Aula 01 APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN Prof. BRUNO GUILHEN MÓDULO I - INTERNET O processo de Navegação na Internet Aula 01 O processo de Navegação na Internet. USUÁRIO A CONEXÃO PROVEDOR On-Line EMPRESA

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente)

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Redes Heterogênea e Convergente Professor Rene - UNIP 1 Redes heterogêneas Redes Heterogêneas Todo ambiente de rede precisa armazenar informações

Leia mais

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO

IPSec. IPSec Internet Protocol Security OBJETIVO ROTEIRO ROTEIRO OBJETIVO Internet Protocol Security Antonio Abílio da Costa Coutinho José Eduardo Mendonça da Fonseca Apresentar conceitos sobre segurança em redes de comunicação de dados, relacionados ao Protocolo (Internet

Leia mais

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA DA NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT 1/10 CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA

Leia mais

REDES VIRTUAIS PRIVADAS

REDES VIRTUAIS PRIVADAS REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN Universidade Católica do Salvador Curso de Bacharelado em Informática Disciplina: Redes de Computadores Professor: Marco Antônio Câmara Aluna: Patricia Abreu Página 1 de 10

Leia mais

VPN. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

VPN. Prof. Marciano dos Santos Dionizio VPN Prof. Marciano dos Santos Dionizio VPN Virtual Private Network ou Rede Privada Virtual É uma rede de comunicações privada normalmente utilizada por uma empresa ou um conjunto de empresas e/ou instituições,

Leia mais

Como as redes privadas virtuais funcionam

Como as redes privadas virtuais funcionam Como as redes privadas virtuais funcionam Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Informações de Apoio Que faz um VPN? Analogia: Cada LAN é uma ilha Tecnologias de

Leia mais

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona.

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona. Aula 14 Redes de Computadores 24/10/07 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ROTEAMENTO EM UMA REDE DE COMPUTADORES A máscara de sub-rede é utilizada para determinar

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações

Estrutura de um Rede de Comunicações Fundamentos de Profa.. Cristina Moreira Nunes Estrutura de um Rede de Comunicações Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 12

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 12 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 12 Índice 1. Serviços Orientados à Conexão...3 1.1 O protocolo IP... 3 2. Serviços não Orientados à Conexão...4 2.1 Tecnologias de redes token ring... 4

Leia mais

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Interconexão de Redes Aula 03 - Roteamento IP Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Repetidor Transceiver Hub Bridge Switch Roteador Domínio de Colisão Domínio de Broadcast

Leia mais

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. www.brunoguilhen.com.br 1 INFORMÁTICA BÁSICA

O processo de Navegação na Internet APRESENTAÇÃO DO CURSO. Prof. BRUNO GUILHEN. O Internet Explorer. www.brunoguilhen.com.br 1 INFORMÁTICA BÁSICA APRESENTAÇÃO DO CURSO Prof. BRUNO GUILHEN O processo de Navegação na Internet INFORMÁTICA BÁSICA A NAVEGAÇÃO Programas de Navegação ou Browser : Internet Explorer; O Internet Explorer Netscape Navigator;

Leia mais

Lista de Exercícios-01 DISCIPLINA DE ARQUITETURA FECHADA WINDOWS SERVER Estrutura lógica estrutura física

Lista de Exercícios-01 DISCIPLINA DE ARQUITETURA FECHADA WINDOWS SERVER Estrutura lógica estrutura física Lista de Exercícios-01 1. Faça uma breve descrição sobre o Active Directory-AD Serviço de diretório é um conjunto de Atributos sobre recursos e serviços existentes na rede, isso significa que é uma maneira

Leia mais

19/09/2009 MEIOS DE COMUNICAÇÃO. REDES E COMUNICAÇÃO DE DADOS George Gomes Cabral FIO DE PAR TRANÇADO

19/09/2009 MEIOS DE COMUNICAÇÃO. REDES E COMUNICAÇÃO DE DADOS George Gomes Cabral FIO DE PAR TRANÇADO MEIOS DE COMUNICAÇÃO No caso de armazenamento de dados, o termo meio significa o meio de armazenamento usado. No contexto atual, meio significa aos fios, cabos e outros recursos para transferência de dados.

Leia mais

Redes e Conectividade

Redes e Conectividade Redes e Conectividade Camada de enlace: domínio de colisão e domínio de broadcast, segmentação, modos de switching para encaminhamento de quadros Versão 1.0 Março de 2016 Prof. Jairo jairo@uninove.br professor@jairo.pro.br

Leia mais

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação

VPN. Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação VPN Desempenho e Segurança de Sistemas de Informação Conceito Vantagens Tipos Protocolos utilizados Objetivos VPN (Virtual Private Network) Rede Privada Virtual - uma conexão onde o acesso e a troca de

Leia mais

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br 1 Equipamentos de rede Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Repetidores É o dispositivo responsável por ampliar o tamanho máximo do cabeamento de rede; Como o nome sugere, ele repete as informações

Leia mais

Módulo 16 Redes sem Fio (Wireless)

Módulo 16 Redes sem Fio (Wireless) Módulo 16 Redes sem Fio (Wireless) A comunicação sem o uso de cabo já existe a milhares de anos, como exemplo mais antigo temos a fala e a comunicação através de gestos. No mundo computacional o conceito

Leia mais

Introdução a redes de computadores UNESP - São José do Rio Preto andre.proto@sjrp.unesp.br O que será abordado O que é uma rede Transmissão de dados em meios físicos Tipos de transmissão Classificação

Leia mais

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura.

Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. Módulo 14 Segurança em redes Firewall, Criptografia e autenticação Falaremos um pouco das tecnologias e métodos utilizados pelas empresas e usuários domésticos para deixar a sua rede segura. 14.1 Sistemas

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Redes 1 Redes de Dados Inicialmente o compartilhamento de dados era realizado a partir de disquetes (Sneakernets) Cada vez que um arquivo era modificado ele teria que

Leia mais

Firewall IPTables e Exemplo de Implementação no Ambiente Corporativo.

Firewall IPTables e Exemplo de Implementação no Ambiente Corporativo. Firewall IPTables e Exemplo de Implementação no Ambiente Corporativo. Guilherme de C. Ferrarezi 1, Igor Rafael F. Del Grossi 1, Késsia Rita Marchi 1 1Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano.

No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano. No projeto das primeiras redes de computadores, o hardware foi a principal preocupação e o software ficou em segundo plano. Essa estratégia foi deixada para trás. Atualmente, o software de rede é altamente

Leia mais

Ferramentas de Acesso Remoto

Ferramentas de Acesso Remoto Ferramentas de Acesso Remoto Minicurso sobre Ferramentas de Acesso remoto Instrutor Marcelino Gonçalves de Macedo Tópicos Abordados O que é acesso remoto? Por que utilizar acesso remoto? Características

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Exemplos de SD Quais podem ser? Ex. de SD: Internet Internet é um conjunto de redes de computadores, de muitos tipos diferentes,

Leia mais

Segurança de redes com Linux. Everson Scherrer Borges Willen Borges de Deus

Segurança de redes com Linux. Everson Scherrer Borges Willen Borges de Deus Segurança de redes com Linux Everson Scherrer Borges Willen Borges de Deus Segurança de Redes com Linux Protocolo TCP/UDP Portas Endereçamento IP Firewall Objetivos Firewall Tipos de Firewall Iptables

Leia mais

Rede Wireless ou rede cabeada?

Rede Wireless ou rede cabeada? Rede Wireless ou rede cabeada? Rede Wireless ou rede Cabeada? Página 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Desenvolvimento... 4 2.1. Avaliando seu ambiente... 4 2.2. Custos e necessidades... 5 2.3. Redes mistas...

Leia mais

OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN

OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN OTES07 - Segurança da Informação Módulo 08: VPN Prof. Charles Christian Miers e-mail:charles.miers@udesc.br VPN: Virtual Private Networks Uma Rede Virtual Privada (VPN) é um meio de simular uma rede privada

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II UDP Prof: Ricardo Luís R. Peres Tem como objetivo prover uma comunicação entre dois processos de uma mesma sessão que estejam rodando em computadores dentro da mesma rede ou não.

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

ANEXO XII INFRAESTRUTURA E SEGURANÇA. A finalidade desse Anexo é apresentar a infraestrutura e a segurança requeridas para a execução do Contrato.

ANEXO XII INFRAESTRUTURA E SEGURANÇA. A finalidade desse Anexo é apresentar a infraestrutura e a segurança requeridas para a execução do Contrato. 1 ANEXO XII INFRAESTRUTURA E SEGURANÇA 1. FINALIDADE A finalidade desse Anexo é apresentar a infraestrutura e a segurança requeridas para a execução do Contrato. 2. INFRAESTRUTURA PARA REALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS

Leia mais

(Open System Interconnection)

(Open System Interconnection) O modelo OSI (Open System Interconnection) Modelo geral de comunicação Modelo de referência OSI Comparação entre o modelo OSI e o modelo TCP/IP Analisando a rede em camadas Origem, destino e pacotes de

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Cap. 5: VPN Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução VPN (Virtual Private Network, ou rede virtual privada) criada para interligar duas redes distantes, através

Leia mais

Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT

Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT Apresentar os conceitos da camada de rede e seus principais protocolos. Camada de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Equipamentos de Redes Prof. Eduardo Cabos de redes O cabo de rede é composto de 8 pares de fios de cobre separados por cores e é responsável por fazer a comunicação entre os computadores

Leia mais

Mecanismos de controle de acesso

Mecanismos de controle de acesso Mecanismos de controle de acesso Os mecanismos de segurança da informação são responsáveis pela concretização das políticas de segurança nos sistemas computacionais. Desta forma, as políticas de segurança

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Dispositivos de Interconexão www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Componentes de Rede Diversos são os componentes de uma rede de computadores e entendê-los

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

VPN: Uma solução prática e economicamente viável

VPN: Uma solução prática e economicamente viável VPN: Uma solução prática e economicamente viável Fernando Santos Lima; Jefferson Alves da Silva; Thiago dos Reis de Moura; Jocênio Marquios Epaminondas, Israel Rodrigues Gonçalves Resumo Com o crescente

Leia mais

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs

VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs VELOCIDADE DE TRANSMISSÃO DE DADOS UTILIZANDO VPNs Rogers Rodrigues Garcia 1, Júlio César Pereira¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavai PR Brasil rogersgarcia@live.com, juliocesarp@unipar.br Resumo:

Leia mais

Endereçamento Privado Proxy e NAT. 2008, Edgard Jamhour

Endereçamento Privado Proxy e NAT. 2008, Edgard Jamhour Endereçamento Privado Proxy e NAT Motivação para o Endereçamento IP Privado Crescimento do IPv4 07/2007 490 milhões de hosts 01/2008 542 milhões de hosts IPv4 permite endereçar 4 bilhões de hosts. PREVISÃO

Leia mais

LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO

LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO Aldo Ventura da Silva * RESUMO O presente trabalho teve como objetivo principal apresentar a tecnologia LonWorks, passando por alguns atributos da tecnologia,

Leia mais

PON PASSIVE OPTICAL NETWORK

PON PASSIVE OPTICAL NETWORK Cleiber Marques da Silva PON PASSIVE OPTICAL NETWORK Texto sobre a tecnologia de Redes ópticas passivas (PON) apresenta conceitos básicos, características e modelos existentes CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

Leia mais

Projeto Integrador Segurança de Redes e Transmissão de Dados

Projeto Integrador Segurança de Redes e Transmissão de Dados FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Projeto Integrador Segurança de Redes e Transmissão de Dados AYLSON SANTOS EDFRANCIS MARQUES HEVERTHON LUIZ THIAGO SHITINOE AYLSON SANTOS EDFRANCIS

Leia mais

3. Faça uma breve descrição sobre a topologia da rede e o Active Directory-AD DISCIPLINA DE ARQUITETURA FECHADA WINDOWS SERVER

3. Faça uma breve descrição sobre a topologia da rede e o Active Directory-AD
 DISCIPLINA DE ARQUITETURA FECHADA WINDOWS SERVER Lista de Exercícios-01 1. Faça uma breve descrição sobre o Active Directory-AD O Active Directory-AD é uma implementaçao de serviço de diretório no protocolo LDAP que armazena informaçoes sobre objetos

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Nome dos Alunos

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Nome dos Alunos Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Nome dos Alunos Cenário 1: Considere a seguinte topologia de rede IPB 210.0.0.1/24 IPA 10.0.0.5/30 220.0.0.1\24 4 5 3 1 IPC 10.0.0.9/30 REDE B

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Domínios. Domínios Mundiais Usado para atividades comerciais. Usado em instituições sem fins lucrativos. Usado para nomes pessoais.

Domínios. Domínios Mundiais Usado para atividades comerciais. Usado em instituições sem fins lucrativos. Usado para nomes pessoais. Aula 01 Domínios Domínios são todos os nomes registrados na base de dados do DNS e que, portanto, recebem um endereço IP e passam a estar disponíveis na Internet. Todos os endereços de sites existentes

Leia mais

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços

Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Curso de extensão em Administração de sistemas GNU/Linux: redes e serviços Italo Valcy - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch.

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Implementação de uma VPN com Protocolo PPTP

Implementação de uma VPN com Protocolo PPTP Implementação de uma VPN com Protocolo PPTP Rafael Folhal 1, Msc. Rafael Rodrigues 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC (FATEC PELOTAS) Rua Gonçalves

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Nesta modalidade o cliente, além da administração de seus servidores, o cliente executa os procedimentos de backup e recovery do seu conteúdo.

Nesta modalidade o cliente, além da administração de seus servidores, o cliente executa os procedimentos de backup e recovery do seu conteúdo. 1. DATACENTER 1.1. Hospedagem simples de servidor (colocation) Fornecimento de alocação de espaço e infraestrutura de alta disponibilidade no Datacenter da PRODEPA para hospedagem de equipamentos de propriedade

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

Componentes de um sistema de firewall - II. Segurança de redes

Componentes de um sistema de firewall - II. Segurança de redes Componentes de um sistema de firewall - II Segurança de redes O que são Bastion Hosts? Bastion host é o nome dado a um tipo especial de computador que tem funções críticas de segurança dentro da rede e

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Mobilidade IP em Telefonia Celular www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Quando as idéias acerca da Internet foram concebidas em 1960-70, o objetivo

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

VPN - VIRTUAL PRIVATE NETWORK REDES VIRTUAIS PRIVADAS

VPN - VIRTUAL PRIVATE NETWORK REDES VIRTUAIS PRIVADAS VPN - VIRTUAL PRIVATE NETWORK REDES VIRTUAIS PRIVADAS Alfredo Alves da Silva Neto, Técnico em Eletrônica,CCNA-M4 pela academia Cisco Poli - UPE 2009 MCTIP MCTS MCT - Infra Estrutura Servidores e Virtualização

Leia mais

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes

Figura 1 Taxas de transmissão entre as redes Conceitos de Redes Locais A função básica de uma rede local (LAN) é permitir a distribuição da informação e a automatização das funções de negócio de uma organização. As principais aplicações que requerem

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC

UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TIC Código: NO01 Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região Comissão de Segurança da Informação Núcleo de Governança Corporativa de TIC Setor de Segurança da Informação Revisão: 1.1 Vigência: 12/02/2016 Classificação:

Leia mais

Segurança em Redes. <Nome> <Instituição> <e-mail>

Segurança em Redes. <Nome> <Instituição> <e-mail> Segurança em Redes Agenda Riscos Cuidados gerais a serem tomados Configurando o acesso Internet da sua casa Configurando uma rede Wi-Fi doméstica Cuidados: ao se conectar

Leia mais

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio

Roteador Sem Fio. Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Prof. Marciano dos Santos Dionizio Roteador Sem Fio Um roteador wireless é um dispositivo de redes que executa a função de um roteador mas também inclui as funções de um access point.

Leia mais

REPLICACÃO DE BASE DE DADOS

REPLICACÃO DE BASE DE DADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO - NPGE REPLICACÃO DE BASE DE DADOS BRUNO VIEIRA DE MENEZES ARACAJU Março, 2011 2 FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E

Leia mais

Trabalho de Redes de Computadores

Trabalho de Redes de Computadores UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO UFC VIRTUAL PROJETO JOVEM DIGITAL KP NOME: Trabalho de Redes de Computadores Questão 1: Assinale V para verdadeiro e F para falso. Os itens que estiverem falsos

Leia mais