Protocolos emergenciais para programas de inseminação artificial em suínos. Protocols for emergency programs of artificial insemination in pigs

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Protocolos emergenciais para programas de inseminação artificial em suínos. Protocols for emergency programs of artificial insemination in pigs"

Transcrição

1 Acta Scientiae Veterinariae. 36(Supl 1): s27-s32, ISSN (Print) ISSN (Online) Protocolos emergenciais para programas de inseminação artificial em suínos Protocols for emergency programs of artificial insemination in pigs Paulo Eduardo Bennemann INTRODUÇÃO A inseminação artificial (IA) é uma técnica amplamente difundida na suinocultura moderna tecnificada. A estratégia de utilizar três, ou, eventualmente, até quatro inseminações por matriz, em intervalo de oito a 16 horas após a detecção do estro é uma prática comum na maioria dos programas de IA. O uso de múltiplas inseminações por estro em cada fêmea é decorrente da grande variabilidade da duração do estro, momento da ovulação e viabilidade dos oócitos e espermatozóides no trato genital da fêmea [19]. Apesar das pesquisas relacionadas às práticas de inseminação artificial em suínos terem evoluído nos últimos anos, ainda é preconizada a utilização de doses inseminantes contendo 3-4 bilhões de espermatozóides, ou seja, 9-12 bilhões de espermatozóides/matriz inseminada/estro o que, de certa forma limita o número de doses inseminantes produzidas por reprodutor a doses por coleta [14]. Em uma central de doadores de sêmen a produção de doses inseminantes é, normalmente, estável. No entanto, podem ocorrer determinadas situações em que essa produção pode ser prejudicada, seja por um aumento do plantel de matrizes, falta de reprodutores ou problemas sanitários que impeçam a produção normal de doses inseminantes. Sendo assim, há necessidade de planos de contingência. Dentre eles a redução do número de espermatozóides por matriz inseminada, seja por redução do número de inseminações/estro ou redução do número de espermatozóides/dose inseminante. O objetivo da presente revisão é abordar a possibilidade da utilização de novos protocolos de IA que possam maximizar a produção de doses inseminantes e otimizar a mão-de-obra em granjas, principalmente, em situações emergenciais sem que a performance reprodutiva seja prejudicada. I - MOMENTO E FREQÜÊNCIA PARA REALIZAR A INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL O intervalo tido como ótimo para realização da inseminação artificial, em pluríparas, é de até 24 horas antes da ovulação, pois, após esse período, existe comprometimento na taxa de parto e tamanho de leitegada [12,20,21]. Para outros autores [17], no entanto, este intervalo pode ser estendido até 28 horas antes da ovulação e até quatro horas após a ovulação. Infelizmente, não existe um meio seguro e comercialmente aplicável de predizer o momento exato da ovulação, o que impossibilita a realização de uma única inseminação por matriz. Como via de regra, a ovulação ocorre, em média, 39 horas após o início do estro em pluríparas [7,9] e 30 horas em nulíparas [7,15,23]. Segundo os mesmos autores, 80,9% das nulíparas e 93,5% das multíparas ovularam entre 24 e 60 horas após o início do estro [7,9,15,23]. Das nulíparas, 12,8% [15] a 20,6% [23] tiveram ovulação em um intervalo inferior a 24 horas e somente 5,7% [11] a 7,7% [9] das multíparas apresentaram o mesmo comportamento, demonstrando a diferença entre as categorias. Dessa forma, o diagnóstico de estro é o ponto de partida para qualquer estratégia de inseminação artificial. Master Agropecuária, Videira, SC/Brasil. CORRESPONDÊNCIA: P.E. Bennemann s27

2 II - INTERVALO ENTRE INSEMINAÇÕES A maioria dos protocolos de IA utilizados em granjas comerciais rege a utilização de uma primeira dose no turno seguinte a detecção de estro e as demais com intervalos de 8-16 horas, ou seja, duas inseminações diárias. De acordo com os resultados dos trabalhos realizados em multíparas [17,21] é possível concluir que com uma IA realizada ao dia (intervalo pré-ovulatório de, no máximo, 24 horas) é possível obter resultados semelhantes ao de inseminações com intervalos de 8-16 horas (duas inseminações diárias). Dessa forma, sob condições práticas, foi conduzido um experimento onde foram utilizados diferentes intervalos entre as inseminações em duas propriedades [5]. A primeira inseminação foi realizada no turno seguinte ao início do estro e as IAs subseqüentes com 12 horas de intervalo (duas IAs ao dia) para um grupo e 24 horas de intervalo (uma IA ao dia) para o outro. A performance reprodutiva das matrizes (Tabela 1) em relação a taxas de retorno ao estro e de parto, bem como o número de leitões nascidos não diferiu nos dois grupos, nas duas propriedades (P>0,05). Estes dados são semelhantes aos encontrados por outros autores quando as IAs foram conduzidas uma ou duas vezes ao dia [18] (Tabela 2). Silveira et al. [18] conduziram um experimento para avaliar o efeito de um protocolo de inseminação de duas doses por matriz sobre a composição da leitegada. Os autores demonstraram através de um teste de paternidade dos leitões que tanto a primeira como a segunda dose inseminante contribuíram, conjuntamente, para a formação das leitegadas. Nesse experimento, 85% das porcas tiveram a maior parte (51-100%) dos leitões provenientes da segunda IA, mas 15% das porcas tiveram a maioria ou a totalidade dos leitões filhos da primeira inseminação. Com essas informações é possível confirmar que as células espermáticas estão viáveis no trato genital da fêmea por até 24 horas e que protocolos de inseminação de duas doses (intervalos de 24 horas) são seguros, pois contemplam porcas que possuem uma ovulação precoce ou problemas de diagnóstico de estro tardio. Em nulíparas, os estudos do momento ótimo para a realização da inseminação têm apresentado resultados conflitantes. Waberski et al. [24] observaram que o intervalo ótimo entre IA e ovulação foi de 12 horas. Em outro estudo, Uemoto [23] observou que, quando a inseminação era realizada em um intervalo de até 24 horas antes da ovulação, a taxa de prenhez e número de embriões não foram afetados (P>0,05). Em outro experimento foram inseminadas 218 leitoas em diferentes intervalos pré-ovulatórios [2]. Os autores não observaram diferença na taxa de prenhez e número de embriões quando as inseminações foram realizadas até 30 horas antes da ovulação (P>0,05). Segundo Bortolozzo et al. [6], quando uma população espermática é depositada no trato genital de uma leitoa por um período superior a 16 horas antes da ovulação há, aparentemente, uma queda no desempenho reprodutivo. Nesse sentido, foi conduzido um experimento onde um grupo de 105 leitoas, divididas em dois tratamentos foram inseminadas duas vezes ao dia, em intervalos de 12 horas ou, uma vez ao dia em intervalos de 24 horas [6]. As leitoas submetidas a IAs com 24 horas de intervalo não apresentaram diferença na taxa de retorno ao estro e taxa de parto ajustada (P>0,05), no entanto, tiveram uma redução na taxa de parto e tamanho da leitegada (Tabela 3). Devido à variabilidade dos resultados obtidos em vários experimentos que analisaram o intervalo entre a inseminação e a ovulação em nulíparas, não é possível definir exatamente qual seria o intervalo ótimo para a inseminação. Entretanto, alguns autores citam que podem ocorrer maiores taxas de falhas reprodutivas se esse intervalo for superior a 16 horas [6]. Isso significa que ao pensar em aumentar o intervalo entre as IAs deve-se estar ciente de que os riscos de perdas no desempenho reprodutivo também aumentam. Cabe salientar que, no dia-a-dia, para recomendar o intervalo de 24 horas entre as inseminações, é imprescindível que seja realizado um diagnóstico de estro efetivo e que uma dose inseminante de boa qualidade seja empregada. III - REDUÇÃO DO NÚMERO DE ESPERMATOZÓIDES POR DOSE INSEMINANTE Atualmente, na maioria das centrais de IA são confeccionadas doses inseminantes contendo três a quatro bilhões de espermatozóides. No entanto, vários trabalhos têm demonstrado que esse número pode ser reduzido sem prejuízo aos índices reprodutivos. Outros autores realizaram um experimento com IAs com doses de sêmen contendo um, três e seis bilhões de espermatozóides e avaliaram a taxa de fecundação em fêmeas multíparas [22]. Quando as IAs foram realizadas até 24h antes da ovulação, o número de espermatozóides não influenciou a taxa de fecundação (P>0,05). Da mesma maneira outros autores [2] inseminaram leitoas com doses inseminantes contendo 1,5 bilhões de espermatozóides e obtiveram taxas de prenhez superiores a 90% e mais de 14,0 embriões totais. s28

3 Behan & Watson [1], avaliando um novo modelo de cateter descartável de IA tradicional (IAT), observaram, em leitoas, que não houve diferença nas taxas de prenhez, parto e tamanho da leitegada quando foram utilizadas doses inseminantes contendo um ou dois bilhões de espermatozóides (P>0,05). Marchetti [13] utilizou inseminação em doses inseminantes de dois, três e quatro bilhões de espermatozóides e não observou diferença na taxa de retorno ao estro e taxa de parto ajustada (P>0,05). No entanto, o número total de leitões nascidos reduziu quando foram realizadas IAs com dois bilhões de espermatozóides em comparação a três e quatro bilhões (P<0,05). Existem indícios de que o número de espermatozóides contidos na dose inseminante pode ser reduzido a valores inferiores aos atuais três bilhões. No entanto, para que isso possa ser aplicado é necessário que pontos críticos como a qualidade da dose inseminante e de IA propriamente dita, estejam controlados. IV - INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL INTRA-UTERINA A inseminação artificial intra-uterina (IAU) é uma técnica que permite, de forma estratégica, trabalhar em situações emergenciais de IA. A IAU permite multiplicar em, pelo menos, cinco vezes o número de doses produzidas por ejaculado uma vez que há uma redução no número de espermatozóides e volume total da dose inseminante. Watson & Behan [25] trabalhando em uma situação de granja comercial conduziram uma avaliação com a técnica de IAU e IAT, ambas com doses inseminantes contendo um, dois e três bilhões de espermatozóides. Os autores demonstraram que é possível alcançar resultados semelhantes empregando um bilhão de espermatozóides por dose na IAU em comparação a dois e três bilhões de espermatozóides na IAT. Em teste de validação a campo, outros autores [8] compararam o emprego da IAT com três bilhões de espermatozóides em 90 ml com a IAU com 1,5 bilhões de espermatozóides em 60 ml. Os autores não observaram diferença entre os dois tratamentos (P>0,05). Os resultados obtidos por vários autores permitem concluir que índices satisfatórios de desempenho reprodutivo podem ser obtidos na IAU com o emprego de 1,0-1,5 bilhão de espermatozóides por dose inseminante (Tabela 4). Buscando informações a respeito do número mínimo de espermatozóides por dose inseminante outros autores [3], conduziram um experimento de IAU utilizando 500 milhões de espermatozóides em 20 ml frente a IAT com três bilhões de espermatozóides em 90 ml. A taxa de parição não diferiu entre os tratamentos (P>0,05), porém os resultados mostraram que o emprego da IAU em larga escala com doses de 500 milhões de espermatozóides pode comprometer o tamanho da leitegada. A Tabela 5 apresenta uma simulação do que representa a utilização da técnica de IAU em comparação a IAT em uma granja comercial. CONSIDERAÇÕES FINAIS Em situações emergenciais, manejos que antes eram considerados corriqueiros passam a ser de fundamental importância. Ao definir o momento e a freqüência ideal de realização da IA, deve-se partir do princípio de que o diagnóstico do estro é realizado corretamente, duas vezes ao dia, e que a dose inseminante empregada tem qualidade garantida. Em multíparas, atendendo essas premissas, é possível realizar as IAs com intervalos de 24 horas, sendo a primeira realizada no turno subseqüente a detecção do estro. Em leitoas, entretanto, o intervalo entre as IAs não deve ser superior a 16 horas. Os resultados de desempenho reprodutivo obtidos com a inseminação intra-uterina mostram que essa biotécnica possui aplicação prática e constitui uma ferramenta estratégica em situações onde a produção de doses inseminantes não pode ser mantida. O fato de permitir a redução do número de espermatozóides, pelo menos para um bilhão por dose, implicaria em aumento de 200% na produção de doses inseminantes por macho. Devido a esse fato, ao empregar a inseminação intra-uterina, deve-se estar atento às mudanças implícitas no emprego da tecnologia, pois, a partir de um ejaculado, passarão a serem produzidas 70 a 90 doses e falhas na sua produção poderão ter um impacto, proporcionalmente maior quando comparados à inseminação tradicional. s29

4 Tabela 1. Número de inseminações por estro, taxa de retorno (TR), taxa de parto ajustada (TPa) e número de leitões nascidos totais (NT) em pluríparas inseminadas uma e duas vezes ao dia em duas granjas TRAT n N IA/ESTRO TR(%) TPa(%) NT Granja 1 Granja 2 1 IA/DIA 239 2,00±0,50 a 6,69 a 92,92 a 11,31±3,01 a 2 IAs/DIA 244 3,30±0,90 b 4,92 a 94,78 a 11,25±2,95 a 1 IA/DIA 357 2,16±0,45 a 9,52 a 87,75 a 11,53±2,91 a 2 IAs/DIA 361 3,08±0,56 b 6,09 a 91,98 a 11,34±2,90 a Letras diferentes na coluna diferem para P<0,05. Adaptado de [5]. Tabela 2. Parâmetros reprodutivos de porcas inseminadas em diferentes protocolos de IA TRAT Tempo IA (h) n TP(%) NT 1 IA/DIA 12/ ,22a 13,18±3,31a 2 IAs/DIA 12/24/ ,79 a 13,69±3,44a Letras iguais na coluna não diferem entre si (P>0,05). TP taxa de parto; TRAT tratamento; NT nascidos totais. Adaptado de [18]. Tabela 3. Taxa de retorno (TR), taxa de parto ajustada (TPa) e número de leitões nascidos totais (NT) em leitoas inseminadas uma e duas vezes ao dia durante o estro TRAT N TR(%) TPa(%) NT 1 IA/DIA 53 13,2a 81,1a 9,6±3,05a 2 IAs/DIA 52 7,70a 90,2a 10,8±0,4b Letras diferentes na coluna diferem para P=0,05. TRAT tratamento. Adaptado de [6]. Tabela 4. Desempenho reprodutivo de fêmeas inseminadas através da técnica de inseminação intra-uterina TRAT SPTZ (X10 9 ) VOL (ml) TPr(%) TP(%) NT/ET Autor IAU 3, ,4 11,76 IAT 1, ,9 11,5 IAU 1, ,9 12,1 IAT 3, ,5 12,3 IAU 0, ,7 11,3 IAT 3, ,1 12,1 [8] [25] [3] IAU IAU IAU 1, ,7-13,3 0, ,5-14,3 1, ,1-15,9 2, ,5-14,9 1, ,4 90,6 12,4 1, ,2 95,1 12,7 [16] [4] [10] IAU-inseminação intra-uterina; IAT-inseminação tradicional; SPTZ-espermatozóides; Vol-volume; TPr-taxa de prenhez; PT-taxa de parto; NT-leitões nascidos totais; ET-embriões totais; TRAT tratamento. s30

5 Tabela 5. Comparativo entre o número de espermatozóides totais utilizados por matriz por ano no protocolo atual de inseminação (duas inseminações por dia) e protocolo alternativo de inseminação artificial (uma inseminação por dia) Item Avaliado Protocolo Atual nas Granjas Protocolo Alternativo Diferença N IA / estro 3,2 2,2-1,0 N estros / fêmeas / ano 2,6 2,6 - N doses / fêmea / ano 8,3 5,7-2,6 Sptz / fêmea / ano (DI 3bi) 24,9 17,1 bi - 7,8 Sptz / fêmea / ano( DI 2 bi) 16,6 11,4 bi - 5,2 Sptz / fêmea / ano( DI 1 bi IAU) 8,3 5,7 bi - 2,6 SPTZ espermatozóides; IAU inseminação intra-uterina; bi bilhão; DI dose inseminante. REFERÊNCIAS 1 Behan J.R. & Watson P.F A field investigation of intra-cervical insemination with reduced sperm numbers in gilts. Theriogenology. 66: Bennemann P.E., Diehl G.N., Milbradt E., Vidor R.M., Fries H.C.C., Wentz I., Bernardi M.L. & Bortolozzo F.P Artificial Insemination of gilts with 1,5 billion sperms stored in different periods associated with different pre-ovulatory intervals. Reproduction in Domestic Animal. 40: Bennemann P.E., Koller F.L., Bernardi M.L., Wentz I. & Bortolozzo F.P Efeito da inseminação artificial intra-uterina com 500 milhões de espermatozóides na taxa de prenhez e tamanho da leitegada em fêmeas suínas. In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Veterinários Especialistas em Suínos (Fortaleza, Brasil). pp Bennemann P.E., Milbradt G, Diehl G.N., Weber D., Schimidt A.C.T., Bernardi M.L., Wentz I. & Bortolozzo F.P Reproductive performance of sows submitted to intrauterine insemination at different pre-ovulatory intervals. Animal Reproduction. 1: Bortolozzo F.P., Bennemann P.E., Wentz I. & Bernardi M.L Técnica, momento e frequência de realização da inseminação artificial em suínos. In: Bortolozzo F.P. & Wentz I. (Eds). Suinocultura em ação: Inseminação artificial na suinocultura tecnificada. Porto Alegre: Pallotti, pp Bortolozzo F.P., Uemoto D.A, Bennemann P.E., Pozzobon M.C., Castagna C.D., Peixoto C.H., Barioni Jr. W. & Wentz I Influence of time of insemination relative to ovulation and frequency of insemination on gilt fertility. Theriogenology. 64: Castagna C.D., Bortolozzo F.P. & Wentz I Estratégias de Inseminação Artificial na Suinocultura Moderna In: Anais do 10º Congresso Brasileiro de Veterinários Especialistas em Suínos (Porto Alegre, Brasil). pp Dallanora D., Mezalira A., Katzer L.H., Bernardi M.L., Bortolozzo F.P. & Wentz I Desempenho reprodutivo de fêmeas suínas inseminadas pela técnica intrauterina ou tradicional. Pesquisa Agropecuária Brasileira. 39: Dias C.P., Marchetti A.N., Pozzobon M.C., Bortolozzo F.P., Wentz I. & Borchardt Neto G Desempenho reprodutivo de fêmeas suínas inseminadas no metaestro. In: Anais do 9º Congresso Brasileiro de Veterinários Especialistas em Suínos (Belo Horizonte, Brasil). pp Diehl G.N., Amaral Filha W.S., Kummer R., Koller F., Bernardi M.L. & Wentz I Nova pipeta para inseminação intra-uterina em suínos. Ciência Rural. 36: Heck A., Bortolozzo F.P., Wentz I., Martini R.L., Stahlberg R., Guidoni A.L. & Nagae R Determinação do momento da ovulação em porcas de granjas comerciais via diagnóstico ultra-sonográfico transcutâneo. In: Anais do 8º Congresso Brasileiro de Veterinários Especialistas em Suínos (Foz do Iguaçu, Brasil). pp Kemp B. & Soede N.M Consequences of variation in interval from insemination to ovulation on fertilization in pigs. Journal of Reproduction and Fertility. 52 (Suppl 5): Marquetti A.N., Bortolozzo F.P., Wentz I. & Borchardt Neto G Efeito da utilização de 2, 3 e 4 bilhões de espermatozóides na dose inseminante sobre a taxa de retorno ao estro, taxa de parto e tamanho das leitegadas de fêmeas suínas. ARS Veterinária. 17: Martinez E.A., Vazquez J.M., Roca J., Cuello C., Gil M.A., Parrilla I. & Vazquez J.L An update on reproductive technologies with potential short-term application in pig production. Reproduction in Domestic Animal. 40: Martini R.L., Wentz I., Bortolozzo F.P., Heck A., Stahlberg R., Uemoto D.A., Nagae R. & Guidoni A.L Infusões uterinas de plasma seminal no início do estro e sua influência na eficiência reprodutiva de leitoas. In: Anais do 8º Congresso Brasileiro de Veterinários Especialistas em Suínos (Foz do Iguaçu, Brasil). pp s31

6 16 Mezalira A., Dallanora D., Schimidt A.C.T., Zilli R., Bernardi M.L., Wentz I. & Bortolozzo F.P Inseminação intra-uterina em fêmeas suínas com redução no volume e número de espermatozóides. In: Anais do 11º Congresso da Associação Brasileira de Veterinários Especialistas em Suínos (Goiânia, Brasil). pp Nissen A.K., Soede N.M., Hyttel P., Schmidt M. & D hoore L The influence of time of insemination relative to time of ovulation on farrowing frequency and litter size in sows, as investigated by ultrasonography. Theriogenology. 47: Silveira P.R.S., Zanella E.L., Flores P.R.S. & Coldebela A Eficiência de protocolos de inseminação artificial de porcas com duas versus três doses durante o mesmo estro. In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Veterinários Especialistas em Suínos (Fortaleza, Brasil). pp Soede N.M. & Kemp B Expression of oestrus and timing of ovulation in pigs. Journal of Reproduction and Fertility. 52: Soede N.M., Wetzels C.C.H., Zondag W., Hazeleger W. & Kemp B Effect of a second insemination after ovulation on fertilization rate and accessory sperm count in sows. Journal of Reproduction and Fertility. 105: Soede N.M., Wetzels C.C.H., Zondag W., Koning M.A.I. & Kemp B Effect of time of insemination relative to ovulation, as determined by ultrasonography, on fertilization rate and accessory sperm count in sows. Journal of Reproduction and Fertility. 104: Steverink D.W., Soede N.M., Bouwman E.G. & Kemp B Influence of insemination-ovulation interval and sperm cell dose on fertilization in sows. Journal of Reproduction and fertility. 111: Uemoto D.A Comportamento estral e desempenho reprodutivo de leitoa submetidas à inseminação artificial em diferentes períodos pré-ovulatórios. 96f. Porto Alegre, RS. Dissertação (Mestrado em Ciências Veterinárias) - Programa de Pós-graduação em Ciências Veterinárias, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 24 Waberski D., Weitze K.F., Gleumes T., Schwarz M., Willmen T. & Petzoldt R Effect of time of insemination relative to ovulation on fertility with liquid and frozen boar semen. Theriogenology. 42: Watson P.F. & Behan J.R Intrauterine Insemination of sows with reduced sperm numbers: results of a commercially based field trial. Theriogenology. 57: Supl 1 s32

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM SUINOS RELATO DE CASO

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM SUINOS RELATO DE CASO INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM SUINOS RELATO DE CASO ÁVILA, Francielly Castro de 1 ; COPETTI, Gabriel Pissinin¹; HENKES, Thalis¹; GARLET, Ricardo¹; MUNCHEM, Gustavo Ruan¹; KAISER, Vagner Ventura¹; BORGES, Luiz

Leia mais

Redução do número total de espermatozoides para técnica de inseminação artificial intrauterina em fêmeas suínas

Redução do número total de espermatozoides para técnica de inseminação artificial intrauterina em fêmeas suínas 106 Redução do número total de espermatozoides para técnica de inseminação artificial intrauterina em fêmeas suínas Reduction in the total number of spermatozoa for intrauterine insemination in sows Lucas

Leia mais

Nova pipeta para inseminação intra uterina em suínos

Nova pipeta para inseminação intra uterina em suínos Ciência Rural, Santa Maria, v.36, n.1, Nova p.179-185, pipeta para jan-fev, inseminação 2006 intra - uterina em suínos. ISSN 0103-8478 179 Nova pipeta para inseminação intra uterina em suínos New pipette

Leia mais

Até onde é possível reduzir o número de espermatozóides empregados na inseminação artificial intra-cervical em suínos sem comprometer a fertilidade?

Até onde é possível reduzir o número de espermatozóides empregados na inseminação artificial intra-cervical em suínos sem comprometer a fertilidade? Acta Scientiae Veterinariae. 36(Supl 1): s17-s26, 2008. ISSN 1678-0345 (Print) ISSN 1679-9216 (Online) Até onde é possível reduzir o número de espermatozóides empregados na inseminação artificial intra-cervical

Leia mais

Comunicado Técnico. Inseminação Artificial de Suínos: Inseminar duas vezes durante o estro é suficiente?

Comunicado Técnico. Inseminação Artificial de Suínos: Inseminar duas vezes durante o estro é suficiente? 0,1,67e5, ' $*5,&8/785$ 3(&8É5, $%$67(&,0(172 Comunicado 360 Técnico ISSN 0100-8862 Maio/2004 Concórdia, SC Inseminação Artificial de Suínos: Inseminar duas vezes durante o estro é suficiente? Paulo Roberto

Leia mais

Avaliação do custo de doses inseminantes suínas em diferentes cenários Evaluation of the cost of insemination doses in different settings

Avaliação do custo de doses inseminantes suínas em diferentes cenários Evaluation of the cost of insemination doses in different settings Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.38, n.2, p.116-120, abr./jun. 2014. Disponível em www.cbra.org.br Avaliação do custo de doses inseminantes suínas em diferentes cenários Evaluation of the cost

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS NOVA PIPETA PARA INSEMINAÇÃO INTRA-UTERINA EM SUÍNOS GUSTAVO NOGUEIRA DIEHL PORTO ALEGRE

Leia mais

Introdução. Parte do trabalho de conclusão de curso da primeira autora. 2

Introdução. Parte do trabalho de conclusão de curso da primeira autora. 2 BIOTECNOLOGIAS DA REPRODUÇÃO APLICADA EM GRANJAS COMERCIAIS DE SUÍNOS Amanda Pessoa Londe Camargos 1, Isabela de Castro Oliveira 2, Diogo Souza dos Santos 3, Mariana Costa Fausto 4 Resumo: Maiores benefícios

Leia mais

PARÂMETROS REPRODUTIVOS DE MATRIZES SUÍNAS INSEMINADAS COM SÊMEN DILUÍDO EM ÁGUA DE COCO APÓS MONITORAMENTO ULTRA-SONOGRÁFICO TRANSCUTÂNEO 1

PARÂMETROS REPRODUTIVOS DE MATRIZES SUÍNAS INSEMINADAS COM SÊMEN DILUÍDO EM ÁGUA DE COCO APÓS MONITORAMENTO ULTRA-SONOGRÁFICO TRANSCUTÂNEO 1 Ciência Animal Brasileira 4(1): 61-67, jan./jun. 03 6 1 PARÂMETROS REPRODUTIVOS DE MATRIZES SUÍNAS INSEMINADAS COM SÊMEN DILUÍDO EM ÁGUA DE COCO APÓS MONITORAMENTO ULTRA-SONOGRÁFICO TRANSCUTÂNEO 1 EDNA

Leia mais

ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS

ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS Bicudo, S.D.*; Azevedo, H.C.; Silva Maia, M.S.; Sousa, D.B.; Rodello, L. DRARV - FMVZ UNESP Botucatu - *sony@fmvz.unesp.br Características reprodutivas

Leia mais

Desempenho reprodutivo de fêmeas suínas inseminadas pela técnica intra-uterina ou tradicional

Desempenho reprodutivo de fêmeas suínas inseminadas pela técnica intra-uterina ou tradicional Desempenho reprodutivo de fêmeas suínas inseminadas 815 Desempenho reprodutivo de fêmeas suínas inseminadas pela técnica intra-uterina ou tradicional Djane Dallanora (1), Alisson Mezalira (1), Lia Helena

Leia mais

Tipos e volumes de diluentes para inseminação artificial intrauterina em suínos 1

Tipos e volumes de diluentes para inseminação artificial intrauterina em suínos 1 Revista Brasileira de Zootecnia ISSN 1516-3598 (impresso) ISSN 1806-9290 (on-line) www.sbz.org.br R. Bras. Zootec., v.38, n.10, p.1886-1892, 2009 Tipos e volumes de diluentes para inseminação artificial

Leia mais

Desempenho reprodutivo de fêmeas suínas submetidas à inseminação artificial intrauterina ou à tradicional

Desempenho reprodutivo de fêmeas suínas submetidas à inseminação artificial intrauterina ou à tradicional Ciência Rural, Desempenho Santa Maria, reprodutivo v.35, n.6, de fêmeas p.1735-1739, suínas submetidas nov-dez, 2005 à inseminação artificial intra-uterina ou à tradicional. ISSN 0103-8478 1735 Desempenho

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Congelamento de sêmen suíno e seu uso em nível de granja

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Congelamento de sêmen suíno e seu uso em nível de granja PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Congelamento de sêmen suíno e seu uso em nível de granja Carine Dahl Corcini 1,2 ; Denise Calisto Bongalhardo 3 ; Stela Mari Meneghello Gheller

Leia mais

Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.34, n.2, p.105-113, abr./jun. 2010. Disponível em www.cbra.org.br

Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.34, n.2, p.105-113, abr./jun. 2010. Disponível em www.cbra.org.br Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.34, n.2, p.105-113, abr./jun. 2010. Disponível em www.cbra.org.br Recentes avanços na tecnologia de sêmen e em inseminação artificial em suínos Recent progresses

Leia mais

Performance reprodutiva de leitoas submetidas à inseminação artificial pós-cervical

Performance reprodutiva de leitoas submetidas à inseminação artificial pós-cervical Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.69, n.4, p.777-784, 2017 Performance reprodutiva de leitoas submetidas à inseminação artificial pós-cervical [Reproductive performance of gilts submitted to post-cervical

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NA SUINOCULTURA MODERNA

ESTRATÉGIAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NA SUINOCULTURA MODERNA ESTRATÉGIAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL NA SUINOCULTURA MODERNA Castagna, C. D.; Bortolozzo, F. P.; Wentz, Ivo. Setor de Suínos FAVET - UFRGS, Bento Gonçalves, 9090, CEP 91540-000, Porto Alegre / RS. Fone

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina VET381 Fisiologia da Reprodução

Programa Analítico de Disciplina VET381 Fisiologia da Reprodução Programa Analítico de Disciplina Departamento de Veterinária - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 5 Carga horária semanal Períodos

Leia mais

Define-se tecnologia como

Define-se tecnologia como Novas Tecnologias em Reprodução Suína Rafael Tomás Pallás Alonso Kubus S.A. Espanha rtpallas@gmail.com Introdução Define-se tecnologia como sendo a ciência aplicada ou o método científico empregado para

Leia mais

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO

RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO RESPOSTAS REPRODUTIVAS DE OVELHAS SUBMETIDAS A PROTOCOLOS DE INDUÇÃO DE ESTRO DE CURTA E LONGA DURAÇÃO Josilaine Aparecida da Costa Lima 1 ; Aya Sasa 2 1 Acadêmica do curso de Zootecnia da UEMS, Unidade

Leia mais

V Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 110

V Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 110 V Seminário de Iniciação Científica e Pós-Graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 110 Reconcentração do sêmen congelado de carneiros por centrifugação: efeito sobre a ocorrência de refluxo da dose inseminante

Leia mais

Acta Scientiae Veterinariae ISSN: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil

Acta Scientiae Veterinariae ISSN: Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil Acta Scientiae Veterinariae ISSN: 1678-0345 ActaSciVet@ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Brasil Pandolfo Bortolozzo, Fernando; Wentz, Ivo; Dallanora, Djane Situação atual da inseminação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA VETERINARIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA VETERINARIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIA 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA VETERINARIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIA Inseminação artificial pós-cervical em tempo fixo em porcas recebendo plh

Leia mais

UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO

UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO No inicio da inseminação artificial (IA) no Brasil, em meados da década de 1970, os principais argumentos gerenciais dos técnicos e produtores para a

Leia mais

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE

EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE EFEITO DO TAMANHO DO FOLÍCULO DOMINANTE NO MOMENTO DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO NA TAXA DE GESTAÇÃO EM VACAS NELORE Éder Augusto Gonçalves 1 ; Fábio Luiz Bim Cavalieri 2 ; José Mauricio Gonçalves

Leia mais

VITRIFICAÇÃO DE SÊMEN SUÍNO

VITRIFICAÇÃO DE SÊMEN SUÍNO I Mostra de Iniciação Científica I MIC 30/09 e 01/10 de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA MEDICINA VETERINÁRIA VITRIFICAÇÃO

Leia mais

ENSAIO PRELIMINAR UTILIZANDO CULTURAS DE DAPHNIA SIMILIS, PARA A DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE REPRODUÇÃO, SEGUNDO A EQUAÇÃO DE MALTHUS

ENSAIO PRELIMINAR UTILIZANDO CULTURAS DE DAPHNIA SIMILIS, PARA A DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE REPRODUÇÃO, SEGUNDO A EQUAÇÃO DE MALTHUS ENSAIO PRELIMINAR UTILIZANDO CULTURAS DE DAPHNIA SIMILIS, PARA A DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE REPRODUÇÃO, SEGUNDO A EQUAÇÃO DE MALTHUS Roberta Vendramini do Nascimento*, Laís Donini Abujamara*, Laura Fernandes

Leia mais

EFEITO DA NUTRIÇÃO NA REPRODUÇÃO EM MARRÃS REVISÃO DE LITERATURA EFFECT OF NUTRITION ON THE REPRODUCTION IN GILTS A REVIEW

EFEITO DA NUTRIÇÃO NA REPRODUÇÃO EM MARRÃS REVISÃO DE LITERATURA EFFECT OF NUTRITION ON THE REPRODUCTION IN GILTS A REVIEW EFEITO DA NUTRIÇÃO NA REPRODUÇÃO EM MARRÃS REVISÃO DE LITERATURA EFFECT OF NUTRITION ON THE REPRODUCTION IN GILTS A REVIEW Márcio Gilberto ZANGERONIMO Médico Veterinário, DSc. Professor Adjunto do Departamento

Leia mais

DILUIDORES E VOLUMES DE SÊMEN DESTINADOS À INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL INTRA-UTERINA EM SUÍNOS ANA LUÍSA NEVES ALVARENGA

DILUIDORES E VOLUMES DE SÊMEN DESTINADOS À INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL INTRA-UTERINA EM SUÍNOS ANA LUÍSA NEVES ALVARENGA DILUIDORES E VOLUMES DE SÊMEN DESTINADOS À INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL INTRA-UTERINA EM SUÍNOS ANA LUÍSA NEVES ALVARENGA 2008 ANA LUÍSA NEVES ALVARENGA DILUIDORES E VOLUMES DE SÊMEN DESTINADOS À INSEMINAÇÃO

Leia mais

Importância do cachaço. Manejo do cachaço. Funções do cachaço. Preparação de cachaços jovens. Causas de impotência coeundi

Importância do cachaço. Manejo do cachaço. Funções do cachaço. Preparação de cachaços jovens. Causas de impotência coeundi Disciplina AZ044 - Suinocultura Manejo do cachaço Prof. Marson Bruck Warpechowski Importância do cachaço Eficiência reprodutiva: precocidade sexual, ritmo reprodutivo, raças e cruzamentos, alimentação,

Leia mais

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos ebook Avanza Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos Sumário 01 02 03 04 05 Introdução - Aumente a produtividade da sua criação Fertilização In Vitro Transferência de Embriões

Leia mais

Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro

Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro Como estimar peso vivo de novilhas quando a balança não está disponível? Métodos indiretos: fita torácica e hipômetro Introdução O principal objetivo nos sistemas de criação de novilhas leiteiras é conseguir

Leia mais

Manejo Reprodutivo em Suínos. Rafael Ulguim

Manejo Reprodutivo em Suínos. Rafael Ulguim Manejo Reprodutivo em Suínos Rafael Ulguim Reposição Oportunistas Creche Recria / Terminação Abate Parto Desmame Estro Parto Ciclo produtivo da porca Lactação IDE Gestação 18-25 dias 3-7 dias 114 dias

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM PEQUENOS RUMINANTES NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ, BRASIL

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM PEQUENOS RUMINANTES NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ, BRASIL ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM PEQUENOS RUMINANTES NA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ, BRASIL Caroline

Leia mais

RUTE MARIA DE PAULA OLIVEIRA COMPORTAMENTO SEXUAL DE CABRAS TOGGENBURG DURANTE A ESTAÇÃO REPRODUTIVA APÓS LUTEÓLISE NATURAL OU INDUZIDA

RUTE MARIA DE PAULA OLIVEIRA COMPORTAMENTO SEXUAL DE CABRAS TOGGENBURG DURANTE A ESTAÇÃO REPRODUTIVA APÓS LUTEÓLISE NATURAL OU INDUZIDA RUTE MARIA DE PAULA OLIVEIRA COMPORTAMENTO SEXUAL DE CABRAS TOGGENBURG DURANTE A ESTAÇÃO REPRODUTIVA APÓS LUTEÓLISE NATURAL OU INDUZIDA Dissertação apresentada à Universidade Federal de Minas Gerais, como

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS NO RESULTADO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL

INFLUÊNCIA DOS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS NO RESULTADO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL INFLUÊNCIA DOS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS NO RESULTADO DA TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL CARNEIRO 1 Cláudia; CAVALVANTI 2 Hannalice; NETA 3 Ivanilde; SOUZA 4 Dayse Centro de Ciências da Saúde /Departamento de

Leia mais

TÉCNICAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL E USO DE DIFERENTES DOSES INSEMINANTES EM SUÍNOS

TÉCNICAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL E USO DE DIFERENTES DOSES INSEMINANTES EM SUÍNOS TÉCNICAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL E USO DE DIFERENTES DOSES INSEMINANTES EM SUÍNOS MOREIRA, Fabiana 1 FERREIRA, Carlos Eduardo Ranquetat 2 PANZARDI, Andrea 3 CORCINI, Carine Dahl 4 1 Médica Veterinária,

Leia mais

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda.

Manejo reprodutivo. Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Manejo reprodutivo Gustavo M. Chilitti Coordenador Técnico MT Intervet do Brasil Vet. Ltda. Para produzir é preciso reproduzir!!! Eficiência Reprodutiva Rebanho Bovino Brasileiro Vacas e novilhas > 24

Leia mais

PLANO DE ENSINO Unidade: UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ (UFPA) / EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL / UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA (UFRA).

PLANO DE ENSINO Unidade: UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ (UFPA) / EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL / UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA (UFRA). PLANO DE ENSINO Unidade: UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ (UFPA) / EMBRAPA AMAZÔNIA ORIENTAL / UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA (UFRA). Curso: MESTRADO EM CIÊNCIA ANIMAL ( ) ESPECIALIZAÇÃO ( x ) MESTRADO

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

Fatores de produção. Variáveis de Classificação dos SISTEMAS. Tipos de produção. Sistemas de produção em suinocultura. Suinocultura Brasileira

Fatores de produção. Variáveis de Classificação dos SISTEMAS. Tipos de produção. Sistemas de produção em suinocultura. Suinocultura Brasileira Disciplina AZ044 - Suinocultura Suinocultura Brasileira Sistemas de produção em suinocultura Prof. Marson Bruck Warpechowski Suinocultura Brasileira Fatores de produção Produtor / mão-de-obra Animais (genótipo)

Leia mais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais

Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais Avaliação agronômica de variedades de cana-de-açúcar, cultivadas na região de Bambuí em Minas Gerais César Ferreira Santos¹; Antônio Augusto Rocha Athayde²; Geann Costa Dias 1 ; Patrícia Fernades Lourenço¹

Leia mais

ANÁLISE REPRODUTIVA E PRODUTIVA DO SISTEMA INTENSIVO DE CRIAÇAO DE SUINOS AO AR LIVRE (SISCAL) NA REGIAO DE ARAGUAINA - TO

ANÁLISE REPRODUTIVA E PRODUTIVA DO SISTEMA INTENSIVO DE CRIAÇAO DE SUINOS AO AR LIVRE (SISCAL) NA REGIAO DE ARAGUAINA - TO ANÁLISE REPRODUTIVA E PRODUTIVA DO SISTEMA INTENSIVO DE CRIAÇAO DE SUINOS AO AR LIVRE (SISCAL) NA REGIAO DE ARAGUAINA - TO Daniel Henrique Sousa Tavares 1; Gerson Fausto da Silva 2 1 Aluno do Curso de

Leia mais

Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.1, p.27-31, jan./mar. 2007. Disponível em www.cbra.org.br

Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.1, p.27-31, jan./mar. 2007. Disponível em www.cbra.org.br Rev Bras Reprod Anim, Belo Horizonte, v.31, n.1, p.27-31, jan./mar. 2007. Disponível em www.cbra.org.br Uso da gonadotrofina coriônica humana (hcg) visando melhorar as características reprodutivas e fertilidade

Leia mais

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS

AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS AVANÇOS NOS PROTOCOLOS DE SUPEROVULAÇÃO DE BOVINOS Manoel F. Sá Filho, Claudiney M. Martins, José Nélio S. Sales, Roberta M. Ferreira, Pietro S. Baruselli. Departamento de Reprodução Animal, FMVZ-USP,

Leia mais

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA

SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA SUINOCULTURA DINÂMICA Ano II N o 11 Janeiro/1993 Periódico técnico-informativo elaborado pela EMBRAPA CNPSA Diagnóstico do cio e manejo da cobertura: Tarefas importantes na criação Isabel R. Scheid 1 Ivo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS DARLETE LIMA MATOS SOBREVIVÊNCIA IN VITRO E FERTILIDADE

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM SUÍNOS

BOLETIM TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM SUÍNOS 1 BOLETIM TÉCNICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE MEDICINA VETERINÁRIA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM SUÍNOS Boletim Técnico - n.º 79 - p. 1-16 - 2008 Lavras/MG GOVERNO DO BRASIL 2 MINISTÉRIO

Leia mais

Leitões de baixo peso: o desafio de conciliar prolificidade e sobrevivência

Leitões de baixo peso: o desafio de conciliar prolificidade e sobrevivência Leitões de baixo peso: o desafio de conciliar prolificidade e sobrevivência Durante as ultimas duas décadas os avanços genéticos na espécie suína culminaram com o desenvolvimento de matrizes chamadas hiperprolíficas,

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 SISTEMA ANTILUTEOLÍTICO E MORTE EMBRIONÁRIA EM FÊMEAS BOVINAS JEAN CAIO FIGUEIREDO DE ALMEIDA¹, ANA KELLY MENDES DA SILVA¹, GESSIANE PEREIRA DA SILVA¹, BRENDA JULIANE SILVA DOS SANTOS¹, CAMILA DE ALMEIDA

Leia mais

SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM OVINOS: RELATO DE CASO

SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM OVINOS: RELATO DE CASO SINCRONIZAÇÃO DE ESTRO E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO (IATF) EM OVINOS: RELATO DE CASO ZANATTA, Giliardi 1 ; CORSETTI, Angel 1 ;SOUZA, Déborah Andrade¹;BORGES, Luiz F.K 2. Palavras-chave: Acetato

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS

PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS ANEXO TÉCNICO DO MANUAL DE SINCRONIZAÇÃO E INSEMINAÇÃO EM TEMPO FIXO EM BOVINOS PROGRAMAS DE IATF EM NOVILHAS ZEBUÍNAS Os protocolos de inseminação artificial em tempo fixo (IATF) são utilizados de forma

Leia mais

EFEITO DAS TÉCNICAS TRANSCERVICAL E LAPAROSCÓPICA SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE OVELHAS INSEMINADAS EM TEMPO-FIXO

EFEITO DAS TÉCNICAS TRANSCERVICAL E LAPAROSCÓPICA SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE OVELHAS INSEMINADAS EM TEMPO-FIXO EFEITO DAS TÉCNICAS TRANSCERVICAL E LAPAROSCÓPICA SOBRE A TAXA DE PRENHEZ DE OVELHAS INSEMINADAS EM TEMPO-FIXO VIVIANE ROHRIG RABASSA, 1 VINÍCIUS COITINHO TABELEÃO, 2 LUIZ FRANCISCO MACHADO PFEIFER, 3

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ZOOTECNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ZOOTECNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE ZOOTECNIA JOSIANE HANNOFF PILON AVALIAÇÃO DE MATRIZES SUÍNAS SUBMETIDAS À INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL INTRACERVICAL E INTRAUTERINA

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE BIOTECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE BIOTECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS CENTRO DE BIOTECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA EFICIÊNCIA REPRODUTIVA COM INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL INTRA-CERVICAL E PÓS- CERVICAL,

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA Flávia Teixeira Germano, Universidade Potiguar, flavinhabebezao@hotmail.com Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar,

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ciclos reprodutivos e coberturas em suínos - machos e fêmeas

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ciclos reprodutivos e coberturas em suínos - machos e fêmeas PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Ciclos reprodutivos e coberturas em suínos - machos e fêmeas Sílvia Ferreira dos Santos 1, Raquel Peres de Oliveira 1, João Paulo Rodrigues Bueno

Leia mais

Lista VIII - Testes de Independência e Aderência

Lista VIII - Testes de Independência e Aderência Lista VIII - Testes de Independência e Aderência 19/1/011 Professor Salvatore Estatística II Grau Instrução Região Lista VIII - Lista VIII - Testes de Independência e Aderência Testes de Independência

Leia mais

Produtividade de matrizes suínas com diferentes taxas de crescimento corporal. Sows production with different body growth rate

Produtividade de matrizes suínas com diferentes taxas de crescimento corporal. Sows production with different body growth rate Acta Scientiae Veterinariae. 37(Supl 1): s175-s182, 2009. ISSN 1678-0345 (Print) ISSN 1679-9216 (Online) Produtividade de matrizes suínas com diferentes taxas de crescimento corporal Sows production with

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões Carolina Gonçalves Borges 1 ; Marco Antônio Pereira da Silva 1 ; Jakeline Fernandes Cabral

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Cupom de IGP-M Futuro de Cupom de IGP-M Um instrumento de proteção contra variações na taxa de juro real brasileira O produto O Contrato Futuro de Cupom de IGP-M oferece

Leia mais

ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO

ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO ESCORE CORPORAL DE MATRIZES SUINAS NA FASE DE GESTAÇÃO Alves, Bruna 1 ; Fischer, Janaina 1 ; Fritz, Osman 1 ; Bako, Erica, Perez Marson 2 ; Bianchi, Ivan 2 ; Ferreira, Vagner 3 ; Oliveira Jr, Juahil 4.

Leia mais

CASTRAÇÃO DE ANIMAIS DE COMPANHIA: MITOS E VERDADES

CASTRAÇÃO DE ANIMAIS DE COMPANHIA: MITOS E VERDADES 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CASTRAÇÃO

Leia mais

Efeito da Duração do Cio sobre a Fertilidade de Éguas Inseminadas com Sêmen Eqüino Diluído, Resfriado a 20 o C e Transportado

Efeito da Duração do Cio sobre a Fertilidade de Éguas Inseminadas com Sêmen Eqüino Diluído, Resfriado a 20 o C e Transportado R. Bras. Zootec., v.27, n.4, p.738-742, 1998 Efeito da Duração do Cio sobre a Fertilidade de Éguas Inseminadas com Sêmen Eqüino Diluído, Resfriado a 20 o C e Transportado José Monteiro da Silva Filho 1,

Leia mais

estação de monta Escolha do Leitor

estação de monta Escolha do Leitor estação de monta Realmente existe importância na gestão da fazenda e benefício para o produtor que se utiliza do período reprodutivo? Luís Adriano Teixeira* 32 - ABRIL 2015 A Estação de monta (EM) período

Leia mais

PRODUÇÃO DE CRIA, ALIMENTOS E PRÓPOLIS EM COLMÉIAS DE Apis mellifera EM DIFERENTES ÉPOCAS DO ANO.

PRODUÇÃO DE CRIA, ALIMENTOS E PRÓPOLIS EM COLMÉIAS DE Apis mellifera EM DIFERENTES ÉPOCAS DO ANO. PRODUÇÃO DE CRIA, ALIMENTOS E PRÓPOLIS EM COLMÉIAS DE Apis mellifera EM DIFERENTES ÉPOCAS DO ANO. Alisson Chiréa, (PIBIC/Fundação Araucária/), Sheley Daiana Sutil, Edmar Soares de Vasconcelos, Jeferson

Leia mais

EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE

EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE EMPREGO DE IATF (INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM TEMPO FIXO) COMO ALTERNATIVA NA REPRODUÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE INFORZATO, Guilherme Repas SANTOS, William Ribeiro Martins dos CLIMENI, Bruno Santi Orsi DELLALIBERA,

Leia mais

Introdução. Material e Métodos

Introdução. Material e Métodos INFLUÊNCIA DO NÚMERO DE ANIMAIS NA UNIDADE EXPERIMENTAL E O TIPO DE COMEDOURO SOBRE AS EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E COMPOSIÇÃO DE CARCAÇA DE SUÍNOS NA FASE DE TERMINAÇÃO Eriane de Paula (1), Francisco Carlos

Leia mais

Categorias Temas Significados Propostos

Categorias Temas Significados Propostos 91 5. Conclusão O objetivo do presente trabalho foi descrever a essência do significado da experiência consultiva para profissionais de TI que prestam de serviços de consultoria na área de TI. Para atingir

Leia mais

Resumo. Introdução. Palavras-chave: Sincronização. Ovulação. Gonadotrofinas. Inseminação artificial. Suínos.

Resumo. Introdução. Palavras-chave: Sincronização. Ovulação. Gonadotrofinas. Inseminação artificial. Suínos. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science (2004) 41:124-130 ISSN printed: 1413-9596 124 ISSN on-line: 1678-4456 Única ou dupla inseminação artificial em tempo fixo em porcas com ovulações

Leia mais

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA ZANATTA, Guilherme Machado 1 ; SCHEEREN, Verônica Flores da Cunha 2 ; ARAUJO, Laurence Boligon de 3; PESSOA, Gilson Antônio 4 ; RUBIN, Mara

Leia mais

ASPECTOS DE UM PROGRAMA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM SUÍNOS. Ricardo TONIOLLI RESUMO

ASPECTOS DE UM PROGRAMA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM SUÍNOS. Ricardo TONIOLLI RESUMO Ciência Animal, 12(1):7-17, 2002 ASPECTOS DE UM PROGRAMA DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM SUÍNOS (Aspects of an artificial insemination program in swine) Ricardo TONIOLLI Universidade Estadual do Ceará, Faculdade

Leia mais

Válvulas de Controle-"Case"- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2

Válvulas de Controle-Case- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 Válvulas de Controle-"Case"- Copesul Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 RESUMO Visando rever conceitos, procedimentos, estratégias e tecnologias voltadas para a manutenção de válvulas, partimos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DO CORTE DOS DENTES DOS LEITÕES NA MATERNIDADE

AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DO CORTE DOS DENTES DOS LEITÕES NA MATERNIDADE AVALIAÇÃO DA PRÁTICA DO CORTE DOS DENTES DOS LEITÕES NA MATERNIDADE Aruan Alexander de Araújo 1 ; Juliana da Costa Cidral 1 ; Elizabeth Silvano 1 ; Nilberto Afonso RESUMO Lafin 2 ; Erica Perez Marson 3

Leia mais

Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral

Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral Carlos Antônio de Carvalho Fernandes 1 Faculdade de Medicina Veterinária.- Unifenas. Rod. MG 179 km 0 371300-000 Alfenas

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005

DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 4T05 e 2005 Americana SP, 23 de março de 2005 A VIVAX S.A. (Bovespa: VVAX11), ou Companhia, segunda maior operadora de TV a Cabo do Brasil, em número de assinantes, e uma das principais

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS Prof. Dr. Jurandir Ferreira da Cruz Eng. Agr. Rita de Cássia Nunes Ferraz Introdução A eficiência da produção de um rebanho está diretamente relacionada com o número

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 1 BIOESTATÍSTICA, BIOÉTICA E METODOLOGIA

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 1 BIOESTATÍSTICA, BIOÉTICA E METODOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO PROCESSO SELETIVO 2013 Nome: PARTE 1 BIOESTATÍSTICA, BIOÉTICA E METODOLOGIA 1) Um histograma construído a partir de informações amostrais de uma variável

Leia mais

Uso de modelagem para a racionalização do manejo nutricional de fêmeas suínas gestantes e lactantes

Uso de modelagem para a racionalização do manejo nutricional de fêmeas suínas gestantes e lactantes Acta Scientiae Veterinariae. 38(Supl 1): s211-s220, 2010. ISSN 1678-0345 (Print) ISSN 1679-9216 (Online) Uso de modelagem para a racionalização do manejo nutricional de fêmeas suínas gestantes e lactantes

Leia mais

MÉTODO PARA REALIZAÇÃO DE REVISÃO DA PRODUÇAO ACADÊMICA NO BRASIL: BANCO DE TESE DA CAPES 1

MÉTODO PARA REALIZAÇÃO DE REVISÃO DA PRODUÇAO ACADÊMICA NO BRASIL: BANCO DE TESE DA CAPES 1 MÉTODO PARA REALIZAÇÃO DE REVISÃO DA PRODUÇAO ACADÊMICA NO BRASIL: BANCO DE TESE DA CAPES 1 André Luiz Borges Milhomem Mestre em Educação UNEMAT andre80@unemat.br Heloisa Salles Gentil Profª Drª do Programa

Leia mais

ANDRÉIA PASSOS PEQUENO USO DA ULTRA-SONOGRAFIA MODO-B NO DIAGNÓSTICO DE GESTAÇÃO EM MATRIZES SUÍNAS

ANDRÉIA PASSOS PEQUENO USO DA ULTRA-SONOGRAFIA MODO-B NO DIAGNÓSTICO DE GESTAÇÃO EM MATRIZES SUÍNAS ANDRÉIA PASSOS PEQUENO USO DA ULTRA-SONOGRAFIA MODO-B NO DIAGNÓSTICO DE GESTAÇÃO EM MATRIZES SUÍNAS RECIFE 2008 Livros Grátis http://www.livrosgratis.com.br Milhares de livros grátis para download. UNIVERSIDADE

Leia mais

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS Orivaldo Rodrigues de Oliveira 1 ; Francisca Elda Ferreira Dias 2 ; Andréa Azevedo Pires de Castro 3. 1 Aluno do

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETO EM UMA CONSTRUTORA DE FORTALEZA Alessandra Luize Fontes SALES Eng.ª Civil, Universidade Federal do Ceará, Rua Quintino Cunha, nº 994, CEP 60425.780, Benfica, Fortaleza (Ce)

Leia mais

MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG

MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG MINUTA DA RESOLUÇÃO DA COMISSÃO DE IMPLANTAÇÃO DAS 30 HORAS SEMANAIS DO CEFET-MG Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização da jornada de trabalho dos servidores técnico-administrativos

Leia mais

Influência do momento da cobrição, em relação à ovulação, na fertilidade e na ocorrência de morte embrionária precoce em eqüinos

Influência do momento da cobrição, em relação à ovulação, na fertilidade e na ocorrência de morte embrionária precoce em eqüinos Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.58, n.4, p.537-543, 2006 Influência do momento da cobrição, em relação à ovulação, na fertilidade e na ocorrência de morte embrionária precoce em eqüinos [Influence of mating

Leia mais

Curva ROC. George Darmiton da Cunha Cavalcanti Tsang Ing Ren CIn/UFPE

Curva ROC. George Darmiton da Cunha Cavalcanti Tsang Ing Ren CIn/UFPE Curva ROC George Darmiton da Cunha Cavalcanti Tsang Ing Ren CIn/UFPE Introdução ROC (Receiver Operating Characteristics) Curva ROC é uma técnica para a visualização e a seleção de classificadores baseado

Leia mais