VI OFICINA DE CONHECIMENTO GESTÃO E SUSTENTABILIDADE PARA O 3 SETOR. Forma de Constituição de uma Associação sem fins econômicos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VI OFICINA DE CONHECIMENTO GESTÃO E SUSTENTABILIDADE PARA O 3 SETOR. Forma de Constituição de uma Associação sem fins econômicos"

Transcrição

1 VI OFICINA DE CONHECIMENTO GESTÃO E SUSTENTABILIDADE PARA O 3 SETOR Forma de Constituição de uma Associação sem fins econômicos

2 Como é constituída uma associação sem fins econômicos? É constituída através de uma assembléia geral de constituição onde será debatida a necessidade de criação de uma pessoa jurídica, sua finalidade e seus objetivos. Caberá aos membros fundadores seguinte: Caberá aos membros fundadores seguinte: Aprovação das características da organização (denominação, missão, objetivos, endereço da sede, duração, administração e outros); Aprovação do Estatuto Social (documento que registra essas características e regula o seu funcionamento); Eleição dos primeiros dirigentes seja provisório ou definitivo (isto é, as pessoas que serão responsáveis pela direção da associação).

3 O Estatuto Social e as características da associação O Estatuto Social é o documento que registra as características e o conjunto de regras de uma associação civil sem fins econômicos. Assegurar que o Estatuto Social seja coerente com o propósito, as características e a forma de atuação da associação a ser criada.

4 O Estatuto Social deve dispor obrigatoriamente sobre o seguinte: Nome ou denominação social, endereço da sede; finalidade (missão) e objetivos sociais, duração (pode ser por prazo indeterminado); Tipos de associados, Condições para admissão e retirada e os correspondentes direitos e deveres; Se os associados respondem ou não pelas obrigações sociais; A estrutura de administração: que órgãos administrarão a organização e que poderes terá cada um deles?

5 O Estatuto Social deve dispor obrigatoriamente sobre o seguinte: O modo de representação quem pode assinar pela organização, e em que condições; Formas de sustentação ou tipos de receita Condições de modificação dos estatutos; As hipóteses de dissolução da associação e conseqüente destino do patrimônio; Forma de prestação de contas

6 Cada organização deve avaliar o que é mais prático e coerente para a sua proposta e suas condições específicas de atuação. De qualquer modo, é preciso determinar alguns aspectos.

7 Registro em cartório O registro da pessoa jurídica em cartório é equiparável ao registro de uma pessoa física ao nascer. As entidades são registradas no Cartório de Registros Civis de Pessoas Jurídicas. Segundo a Lei de Registros Públicos, é preciso apresentar (no mínimo): 2 (duas) vias do estatuto social visitadas pelo advogado; 2 (duas) vias da ata da assembléia geral de constituição visitadas pelo advogado, com eleição dos dirigentes e termos de posse; e o requerimento de registro assinado pelo representante legal da organização.

8 Demais registros Fiscal, trabalhista e local; É importante procurar um (a) contador (a), que É importante procurar um (a) contador (a), que também será responsável pela contabilidade da associação e demais obrigações contábeis (como entrega de documentos e prestação de informações tributárias e trabalhistas) após a sua constituição.

9 Demais registros Fiscal: a regularização da organização junto à Secretaria da Receita Federal permite o seu registro no CNPJ, Trabalhista:a organização, mesmo que não tenha empregados, deve apresentar documentos e informações anuais (RAIS, GFIP). Quem contratar empregados, registrar-se no INSS, Local: CMAS,CMDCA,CME, CEAS

10 Registros facultativos UTILIDADE PÚBLICA ( Federal, Estadual, Municipal) OSCIP ( Federal, Estadual) CEBAS ( Assistência Social, Educação, Saúde)

11 BENEFÍCIOS E VANTAGENS DAS QUALIFICAÇÕES ORGANIZAÇÃO SOCIAL Habilitar a entidade a celebrar contrato de gestão com a Administração Pública; Facilitar a administração de recursos materiais, Facilitar a administração de recursos materiais, financeiros e humanos do Poder Público sem a burocracia das normas a ele inerentes,

12 BENEFÍCIOS E VANTAGENS DAS QUALIFICAÇÕES UTILIDADE PÚBLICA FEDERAL Acesso a subvenções e auxílios do poder público e suas autarquias; Possibilidade de receber bens móveis ou imóveis considerados irrecuperáveis; Possibilidade de receber doações de empresas, dedutíveis até o limite de 2% do lucro operacional; Requerer o CEBAS; Requerer receitas das Loterias Federais; Possibilidade de receber bens apreendidos, abandonados, ou disponíveis, administrados pela Secretaria da Receita Federal;

13 BENEFÍCIOS E VANTAGENS DAS QUALIFICAÇÕES UTILIDADE PÚBLICA ESTADUAL Possibilidade de firmar convênios com o Estado; Verbas, isenções e outros benefícios. UTILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL Isenção do IPTU, ISS; Auxílio financeiro concedido pelo Poder Público local; Isenção de Tarifas Públicas nos Municípios onde esses serviços não foram privatizados (água, luz). Observação: Cada município elabora sua lei para a concessão do Título de Utilidade Pública.

14 BENEFÍCIOS E VANTAGENS DAS QUALIFICAÇÕES CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Requisitos legal para entidades que pretendem ter isenção de: Parte patronal da contribuição previdenciária sobre a folha de pagamento; Contribuição Social sobre o Lucro Líquido CSLL; Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social COFINS; Contribuição PIS/PASEP Possibilidade de parcelamento da dívida como Governo Federal; A entidade Certificada como Entidade de Assistencia Social tem prioridade na celebração de convênios, contrato, acordo, ou ajuste com o poder público para execução de programas projetos e ações de assistência social

15 BENEFÍCIOS E VANTAGENS DAS QUALIFICAÇÕES OSCIP Possibilidade de remunerar seus dirigentes; Possibilidade de receber bens moveis considerados irrecuperáveis; Possibilidade de firmar Termo de Parceria com o Poder Público Possibilidade de receber bens apreendidos, abandonados, ou disponíveis, administrados pela Secretaria da Receita Federal; Possibilidade de receber doações de empresas, dedutíveis até o limite de 2% do lucro operacional

16 Nenhum desses títulos e registros modifica a forma jurídica da entidade de interesse social, que continuará a ser uma associação civil ou uma fundação. De qualquer modo, a concessão de um título ou registro normalmente exige que o Estatuto Social contenha algumas disposições específicas, que podem variar de caso para caso

Gestão de Projetos Sociais

Gestão de Projetos Sociais Gestão de Projetos Sociais COMO FORMAR E ADMINISTRAR UMA ASSOCIAÇÃO, ONG, OU OSCIP SIMEILACERDA@HOTMAIL.COM 1 O que é o Terceiro Setor Primeiro setor Público (Governo) Segundo setor Privado ( Empresas

Leia mais

No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação.

No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação. Gestão e Sustentabilidade para o 3 Setor Orientações Técnicas CONCEITOS No Brasil as entidades de interesse social só podem se constituir juridicamente na forma de associação ou fundação. Pessoa Jurídica:

Leia mais

Apresenta-se como importante ferramenta para fortalecer a gestão do SUS, promover a adequação, a expansão e a potencialização dos serviços de saúde ¹

Apresenta-se como importante ferramenta para fortalecer a gestão do SUS, promover a adequação, a expansão e a potencialização dos serviços de saúde ¹ Importância do CEBAS Apresenta-se como importante ferramenta para fortalecer a gestão do SUS, promover a adequação, a expansão e a potencialização dos serviços de saúde ¹ - Isenção das Contribuições Sociais;

Leia mais

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada?

O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? O que é associação sem fins lucrativos? Como constituir e como é tributada? Parecer: I - Conceitos e objetivos: Associação Sem Fins Lucrativos: Associação é uma entidade de direito privado, dotada de personalidade

Leia mais

Lei nº 12.101 de 27 de novembro de 2009

Lei nº 12.101 de 27 de novembro de 2009 CERTIFICAÇÃO CEBAS - NA ÁREA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - MDS Lei nº 12.101 de 27 de novembro de 2009 Da Assistência Social Art. 18. A certificação ou sua renovação será concedida à entidade de assistência

Leia mais

Mobilização de Recursos e Legislação. Benefícios fiscais e segurança jurídica necessária à atividade de mobilização de recursos

Mobilização de Recursos e Legislação. Benefícios fiscais e segurança jurídica necessária à atividade de mobilização de recursos Mobilização de Recursos e Legislação Benefícios fiscais e segurança jurídica necessária à atividade de mobilização de recursos Introdução CAPTAÇÃO DE RECURSOS Características da Atividade Atividade planejada

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

OFICINA DE CONHECIMENTO GESTÃO E SUSTENTABILIDADE PARA O TERCEIRO SETOR

OFICINA DE CONHECIMENTO GESTÃO E SUSTENTABILIDADE PARA O TERCEIRO SETOR OFICINA DE CONHECIMENTO GESTÃO E SUSTENTABILIDADE PARA O TERCEIRO SETOR TERCEIRO SETOR O TERCEIRO SETOR PODE SER CONCEITUADO COMO AQUELE COMPOSTO PELO CONJUNTO DE ENTIDADES QUE TENHA COMO OBJETIVO E FINALIDADE

Leia mais

São José do Rio Preto, 06 de março de 2015

São José do Rio Preto, 06 de março de 2015 São José do Rio Preto, 06 de março de 2015 Considerando-se os questionamentos feitos na assembleia do dia 31 de março de 2015, relacionados à proposta da criação de uma Associação Educacional que terá

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O TERCEIRO SETOR NO BRASIL. Conceitos, atuações, avanços e desafios

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O TERCEIRO SETOR NO BRASIL. Conceitos, atuações, avanços e desafios BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O TERCEIRO SETOR NO BRASIL Conceitos, atuações, avanços e desafios REFLETINDO Art.6º da CF. São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança,

Leia mais

Contabilidade Básica do Terceiro Setor. Benildo Rocha Costa

Contabilidade Básica do Terceiro Setor. Benildo Rocha Costa Contabilidade Básica do Terceiro Setor Benildo Rocha Costa O que é o terceiro setor? Terceiro Setor é um termo usado para fazer referência ao conjunto de sociedades privadas ou associações que atuam no

Leia mais

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DAS INSTITUIÇÕES EDUCACIONAIS (possibilidades de redução de custos)

IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DAS INSTITUIÇÕES EDUCACIONAIS (possibilidades de redução de custos) IMUNIDADE TRIBUTÁRIA DAS INSTITUIÇÕES EDUCACIONAIS (possibilidades de redução de custos) TRIBUTOS (art. 145 CF) IMUNIDADES E ISENÇÕES -IMUNIDADE VEDAÇÃO, PROIBIÇÃO CONSTITUCIONAL - ISENÇÃO CONCESSÃO FAVOR

Leia mais

Cabe destacar que todo o dinheiro obtido pela associação deve ser usado para cumprir a missão dela; não pode ser dividido entre os associados.

Cabe destacar que todo o dinheiro obtido pela associação deve ser usado para cumprir a missão dela; não pode ser dividido entre os associados. Quais são as vantagens de criar uma associação? A vantagem de criar uma associação é poder agir legalmente em nome dela, movimentando recursos e firmando convênios. Os convênios podem ser firmados com

Leia mais

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.749-C DE 2011

REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.749-C DE 2011 REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 1.749-C DE 2011 Autoriza o Poder Executivo a criar a empresa pública denominada Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares EBSERH; acrescenta dispositivos ao Decreto-Lei

Leia mais

Nova Lei de Filantropia e Acompanhamento Finalístico das Entidades do Terceiro Setor

Nova Lei de Filantropia e Acompanhamento Finalístico das Entidades do Terceiro Setor MINISTÉRIO PÚBLICO E TERCEIRO SETOR-ATUAÇÃO INSTITUCIONAL NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS SOCIAIS Nova Lei de Filantropia e Acompanhamento Finalístico das Entidades do Terceiro Setor Brasília DF 06 de outubro

Leia mais

Normas e Legislação do 3 Setor. Prof. Mestra Rosimeire Ayres

Normas e Legislação do 3 Setor. Prof. Mestra Rosimeire Ayres Normas e Legislação do 3 Setor Prof. Mestra Rosimeire Ayres A Emergência ESTADO Democratização Estado de Direito Privatização Descentralização Parcerias Responsabilidade Social Corporativa 3º SETOR Expansão

Leia mais

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!!

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! P R O F M S K E I L L A L O P E S M E S T R E E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P E L A U F B A E S P E C I A L I S T A E M G E S T Ã O E M P R E S A R I A L P E L A U E F S G R A

Leia mais

TKL SERVIÇOS CONTÁBEIS LTDA. Contabilidade. Auditoria. Consultoria. Perícia Contábil

TKL SERVIÇOS CONTÁBEIS LTDA. Contabilidade. Auditoria. Consultoria. Perícia Contábil MISSÃO RAMACRISNA Notas Explicativas às Demonstrações Contábeis Exercícios findos em 31 de dezembro de 2009 e 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Missão Ramacrisna é uma associação, sem fins lucrativos e de caráter

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO ÂMBITO DO MDS

CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO ÂMBITO DO MDS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME MDS SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SNAS CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO ÂMBITO DO MDS DEPARTAMENTO DA REDE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014 DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DE SUBVENÇÃO SOCIAL, AUXÍLIO FINANCEIRO, CONTRIBUIÇÃO E OUTRAS FONTES DE RECURSO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO. A Controladoria Geral do Município

Leia mais

Obrigações Fiscais das Entidades sem Fins Lucrativos e Sociedades Cooperativas. Impostos - Contribuições Obrigações Fiscais

Obrigações Fiscais das Entidades sem Fins Lucrativos e Sociedades Cooperativas. Impostos - Contribuições Obrigações Fiscais OSMAR REIS AZEVEDO Pós-graduado em Contabilidade. Formado em Ciências Contábeis. Professor universitário da Universidade São Judas Tadeu na década de 1990. Autor de três livros tributários, com os títulos:

Leia mais

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO

Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - FINEDUCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação, doravante denominada FINEDUCA, é uma associação civil de direito privado,

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que atuam na área da saúde (Art. 4º ao Art. 11º da Lei nº 12.101/2009) ÓRGÃO RESPONSÁVEL

Leia mais

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa

Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa Legislação Básica da Micro e Pequena Empresa A Constituição Federal e o Estatuto Os artigos 146, 170, 179 da Constituição de 1988 contêm os marcos legais que fundamentam as medidas e ações de apoio às

Leia mais

O Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente

O Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA OS PROMOTORES DE JUSTIÇA PROGRAMA INFÂNCIA EM 1º LUGAR 2ª ETAPA O Fundo dos Direitos da Criança e do Gestão e Captação de Recursos Fernando Carlos Almeida Fernando Carlos Almeida

Leia mais

ONG S E ASSOCIAÇÕES. Aproveite bem todas as dicas, fotos e textos deste guia, pois eles são muito importantes.

ONG S E ASSOCIAÇÕES. Aproveite bem todas as dicas, fotos e textos deste guia, pois eles são muito importantes. ONG S E ASSOCIAÇÕES PARA COMEÇAR Você tem vontade de participar mais do que acontece ao seu redor, dar uma força para resolver questões que fazem parte da rotina de certos grupos e comunidades e colocar

Leia mais

SÍNTESE DA CONDUÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NA ÁREA DA SAÚDE - CEBAS- SAÚDE

SÍNTESE DA CONDUÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NA ÁREA DA SAÚDE - CEBAS- SAÚDE SÍNTESE DA CONDUÇÃO DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DAS ENTIDADES BENEFICENTES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NA ÁREA DA SAÚDE - CEBAS- SAÚDE Base documental: a) Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009 - dispõe sobre

Leia mais

BB Capitalização S.A.

BB Capitalização S.A. BB Capitalização S.A. CNPJ 07.681.872/0001-01 Demonstrações Contábeis Intermediárias Semestre findo em 30.06.2014 Contadoria Gesub - Gerência de Subsidiárias Subsi V - Divisão de Subsidiárias V RELATÓRIO

Leia mais

AIM ASSOCIAÇÃO DA IGREJA METODISTA PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

AIM ASSOCIAÇÃO DA IGREJA METODISTA PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES O que é AIM A Associação da Igreja Metodista (AIM) é a pessoa jurídica da Igreja, constituída de acordo com a legislação civil, tendo por finalidade manter e orientar a administração patrimonial e econômica

Leia mais

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples Wagner Mendes Contador, Pós-Graduado em Controladoria, Auditoria e Tributos, Consultor Tributário, Especialista em Tributos Federais, Contabilidade e Legislação

Leia mais

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!!

COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! COMO ABRIR UMA EMPRESA!!! P R O F M S K E I L L A L O P E S M E S T R E E M A D M I N I S T R A Ç Ã O P E L A U F B A E S P E C I A L I S T A E M G E S T Ã O E M P R E S A R I A L P E L A U E F S G R A

Leia mais

MODIFICAÇÕES DO NACIONAL

MODIFICAÇÕES DO NACIONAL Fecomércio MG Jurídico MODIFICAÇÕES DO NACIONAL Outubro de 2014 www.fecomerciomg.org.br S umário O que é o Simples Nacional... 3 Quem pode optar pelo Simples Nacional... 4 Modificações...5 Principais modificações

Leia mais

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS?

Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? Relação de documentos necessários para requerer o CEBAS? DOCUMENTO DESCRIÇÃO DO DOCUMENTO SOLICTADO Requerimento assinado pelo O modelo do requerimento pode ser obtido no anexo I desta relação representante

Leia mais

Incentivos Fiscais para captação de recursos

Incentivos Fiscais para captação de recursos Incentivos Fiscais para captação de recursos a) Dedutibilidade das doações A partir de 1º de janeiro de 1996, a Lei 9.249, de 26 de dezembro de 1996, limitou a dedutibilidade de algumas despesas operacionais,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL EDUMANGUE. Título I. Da Denominação, missão, prazo de duração e sede.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL EDUMANGUE. Título I. Da Denominação, missão, prazo de duração e sede. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM ÁREAS DE MANGUEZAL Título I Da Denominação, missão, prazo de duração e sede. Art. 1º - A Associação brasileira para Educação Ambiental em Áreas de Manguezal,

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica A REFORMULAÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO DE BENS, SERVIÇOS E

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DOS DIRETÓRIOS PARTIDÁRIOS Tendo em vista a obrigação das agremiações partidárias de prestar contas até 30 de abril de 2014, referente ao exercício

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA Equipe Portal de Contabilidade Para encerrar as atividades de uma empresa, é preciso realizar vários procedimentos legais, contábeis e tributários, além de, é claro,

Leia mais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais

Gestão Financeira de Entidades Sindicais Gestão Financeira de Entidades Sindicais Constituição Federal Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:

Leia mais

Certificado Digital - Pessoa Jurídica. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS DA PESSOA JURÍDICA (CNPJ A1 ou CNPJ A3)

Certificado Digital - Pessoa Jurídica. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS DA PESSOA JURÍDICA (CNPJ A1 ou CNPJ A3) Certificado Digital - Pessoa Jurídica DOCUMENTOS NECESSÁRIOS DA PESSOA JURÍDICA (CNPJ A1 ou CNPJ A3) Além dos documentos da Pessoa Jurídica, são necessários, também, dois documentos de identificação do

Leia mais

Normas aplicadas às transferências voluntárias da União

Normas aplicadas às transferências voluntárias da União Portal dos Convênios SICONV Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse Normas aplicadas às transferências voluntárias da União Agosto de 2014 Leonardo Vieira Nunes Órgão Gestor do SICONV MP

Leia mais

ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: Um estudo de caso sobre a importância da accountability em uma instituição de ensino no município de Bezerros-PE

ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: Um estudo de caso sobre a importância da accountability em uma instituição de ensino no município de Bezerros-PE ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR: Um estudo de caso sobre a importância da accountability em uma instituição de ensino no município de Bezerros-PE Francisca Vanelsa Lima de Sousa Karina Simões Campelo Alexandre

Leia mais

Questões legais da constituição da Empresa

Questões legais da constituição da Empresa Questões legais da constituição da Empresa 1 Escolha do tipo societário O novo Código Civil (2002), alterou os tipos societários anteriormente existentes Agora há três grupos distintos de tipo societário:

Leia mais

Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação,

Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação, 1 Palestrante Profº. Affonso d Anzicourt Professor e Palestrante da Escola Nacional de Seguros, Contador, Perito Judicial Federal por Nomeação, Advogado Especializado em Direito Tributário e Societário.

Leia mais

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 (Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara') Agência Câmara Tel. (61) 3216.1851/3216.1852 Fax. (61) 3216.1856

Leia mais

Alguns Aspectos da Tributação das Fundações de Direito Privado

Alguns Aspectos da Tributação das Fundações de Direito Privado Alguns Aspectos da Tributação das Fundações de Direito Privado I. INTRODUÇÃO Frederico da Silveira Barbosa Advogado Como regra geral, os atributos específicos da pessoa jurídica tributada não são relevantes

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica

CARTA TÉCNICA. Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica CARTA TÉCNICA Nome do Credenciamento e envio de projetos: PRONON Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica ENTIDADES QUE PODEM SE CREDENCIAR: Pessoas jurídicas de direito privado, associativas ou

Leia mais

a) Certidão de débitos de tributos e contribuições federais, emitida pela Secretaria da Receita Federal do Brasil;

a) Certidão de débitos de tributos e contribuições federais, emitida pela Secretaria da Receita Federal do Brasil; Ofício-Circular n. 01/2014-PF Porto Alegre, 12 de maio de 2014. Senhor(a) Dirigente: Ao cumprimentar Vossa Senhoria, informo que está disponível no site do Ministério Público www.mprs.mp.br/fundacao a

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA.

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA. ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA. Capítulo I Denominação, fins e sede do CEPESC Art. 1º. O Centro de Estudos, Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS

VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS 1 de 5 19/5/2012 17:30 VGL NEWS ANO 8 - INFORMATIVO 128-15 DE SETEMBRO A 30 DE SETEMBRO DE 2008 ASSUNTOS FISCAIS Tributos e Contribuições Federais DRAWBACK VERDE E AMARELO SUSPENSÃO DE TRIBUTOS FEDERAIS

Leia mais

INOVAÇÕES LEGISLATIVAS: área de atuação das fundações e remuneração de dirigentes

INOVAÇÕES LEGISLATIVAS: área de atuação das fundações e remuneração de dirigentes INOVAÇÕES LEGISLATIVAS: área de atuação das fundações e remuneração de dirigentes AIRTON GRAZZIOLI Ministério Público do Estado de São Paulo Promotor de Justiça de Fundações de SP Art. 62, p. único: ÁREA

Leia mais

SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO. Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora.

SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO. Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. PALESTRA: Os Novos Benefícios da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa

Leia mais

1 Requerimento devidamente preenchido, fornecido pelo Conselho Municipal de Assistência Social, assinado pelo representante legal da Entidade;

1 Requerimento devidamente preenchido, fornecido pelo Conselho Municipal de Assistência Social, assinado pelo representante legal da Entidade; VI- Promover o atendimento e o assessoramento aos beneficiários da Lei Orgânica da Assistência Social e a defesa e garantia dos seus direitos. Em se tratando de entidade da área de saúde, a entidade deve

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E BENEFICENTES PARA 2007

AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E BENEFICENTES PARA 2007 AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E BENEFICENTES PARA 2007 Esta agenda descreve as obrigações das entidades filantrópicas e beneficentes, da área da saúde, para com órgãos públicos das três

Leia mais

Lei n. 12.101/2009 Decreto n. 7.237/2010

Lei n. 12.101/2009 Decreto n. 7.237/2010 Lei n. 12.101/2009 Decreto n. 7.237/2010 LEI N. 12.101/2009 DECRETO N. 7237/2010 O principal objetivo da presente Lei é dispor sobre a certificação das entidades beneficentes de assistência social. Tem

Leia mais

Finanças Públicas. Aula 1

Finanças Públicas. Aula 1 Finanças Públicas Aula 1 Finanças Públicas Teoria do bem estar social Finanças Públicas Conceito de ponto Ótimo de Pareto Finanças Públicas As Falhas de mercado Falhas de mercado Existência de Bens públicos

Leia mais

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?

Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação? 1 Sumário I. Introdução... 3 II. Empresa Júnior constitui ou não Instituição de Educação?... 3 III. As Imunidades Tributárias das Empresas Juniores... 4 IV. Incidência de Tributos sobre Empresas Juniores:...

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS SEM FINS LUCRATIVOS E FILANTRÓPICOS 2011

AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS SEM FINS LUCRATIVOS E FILANTRÓPICOS 2011 AGENDA DE OBRIGAÇÕES DOS HOSPITAIS SEM FINS LUCRATIVOS E FILANTRÓPICOS 2011 Título/Benefício/Órgão Obrigação/Procedimento Fundamento Legal Prazo CEBAS - CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. SEGURIDADE SOCIAL

SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. SEGURIDADE SOCIAL SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. SEGURIDADE SOCIAL 1.1 Noção geral 1.1.1 Saúde 1.1.2 Assistência social 1.2 Breve histórico 1.2.1 Evolução legislativa no Brasil 1.3 Conceituação 1.4 Objetivo, organização e princípios

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12. Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.409/12 Aprova a ITG 2002 Entidade sem Finalidade de Lucros. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com fundamento no disposto na

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DO CERTAME

REGULAMENTO OPERACIONAL DO CERTAME Banco do Brasil - edital nº 2007/21407 (7420) - Registro de Preços - edital 8. REGULAMENTO OPERACIONAL DO CERTAME 8.2 CREDENCIAMENTO NO APLICATIVO LICITAÇÕES 8.2.7 Em se tratando de Microempresa ou Empresa

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL. Expede Instruções para Funcionamento de Agência de Carga Aérea.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL. Expede Instruções para Funcionamento de Agência de Carga Aérea. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA N o 749B/DGAC, DE 25 DE JUNHO DE 2002 Expede Instruções para Funcionamento de Agência de Carga Aérea. O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO

Leia mais

WORKSHOP RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA (CEAS) PARA ENTIDADES DE EDUCAÇÃO

WORKSHOP RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA (CEAS) PARA ENTIDADES DE EDUCAÇÃO WORKSHOP RENOVAÇÃO DO CERTIFICADO DE ENTIDADE FILANTRÓPICA (CEAS) PARA ENTIDADES DE EDUCAÇÃO Palestrante: KILDARE MEIRA São Paulo, 19 de março de 2012. 1ª EXPOSIÇÃO: PROCEDIMENTO DE RENOVAÇÃO DO CEAS COMO

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 30/10/2015 Prezados clientes, A Câmara dos Deputados aprovou na noite de 28.10.2015, o Projeto de Lei de Conversão ( PLV ) nº 21/2015, referente à Medida

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 041/2014 Aprova o Estatuto da Fundação Caixa Beneficente dos Servidores da Universidade de Taubaté (Funcabes). O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, na conformidade do Processo nº FUNCABES-

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO 1 ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO ESTATUTO 2011 2 SUMÁRIO CAPÍTULO TÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins II Dos Associados III Da Administração IV Do Patrimônio V Da Prestação de Contas VI Das Disposições

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS, doravante, neste estatuto, denominada pelo

Leia mais

Como montar uma ONG no Amapá

Como montar uma ONG no Amapá Como montar uma ONG no Amapá Eis um modelo básico do Estatuto Social de uma ONG comumente divulgado na internet. Faça as alterações e adapte à sua realidade. Existem modelos mais amplos e mais completos,

Leia mais

Artigo para uso exclusivo do IPEC.RJ REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO

Artigo para uso exclusivo do IPEC.RJ REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO www.ipecrj.com.br CONTABILIZANDO A LEITURA nº 01 Dia 05/JUL/2010 REGISTRO CONTÁBIL DAS SUBVENÇÕES PARA INVESTIMENTOS E O TRATAMENTO FISCAL E SOCIETÁRIO ANTES DA INTRODUÇÃO: HOMENAGEM A GEBARDO Acho importante,

Leia mais

Manual do Fornecedor. Novembro 2012 Rio de Janeiro

Manual do Fornecedor. Novembro 2012 Rio de Janeiro Manual do Fornecedor Novembro 2012 Rio de Janeiro Caro parceiro, O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 trabalha para entregar Jogos excelentes, com celebrações memoráveis que

Leia mais

Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais - DCTF

Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais - DCTF NOTA TÉCNICA n. 003/2008/GECON Vitória, 20 de abril de 2008. Alterado o item 7 em 21 de janeiro de 2010. Alterado o item 6 em 29 de janeiro de 2010. Assunto: Declaração de Débitos e Créditos Tributários

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL

MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL O QUE MUDA COM O NOVO MARCO REGULATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL LEI N. 13.019/2014 REALIZAÇÃO INSTITUTO ATUAÇÃO ELABORAÇÃO Porf. Dr. FERNANDO BORGES MÂNICA DISTRIBUIÇÃO INSTITUTO GRPCom O QUE

Leia mais

Distribuição de Lucros: Critérios e Benefícios

Distribuição de Lucros: Critérios e Benefícios INFORMATIVO Nº 03 ASSUNTO: DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS Distribuição de Lucros: Critérios e Benefícios Com o objetivo de contribuir e esclarecer os critérios e benefícios da DISTRIBUIÇÃO DE LUCROS e DIVIDENDOS

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 25/ 2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais,

DECRETO LEGISLATIVO Nº 25/ 2014. O Presidente da Câmara Municipal, no uso e gozo de suas atribuições legais, DECRETO LEGISLATIVO Nº 25/ 2014 DECRETA: Aprova a Instrução Normativa SRH nº. 04/2014 na Versão 001 do Controle Interno da Câmara Municipal de Paranatinga e dá outras Providências. O Presidente da Câmara

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Assistência Social e Cidadania 1 EDITAL N.001/2013 Estabelece normas para a habilitação e seleção de propostas de entidades e organizações de assistência social interessadas em receber apoio técnico e financeiro de caráter continuado

Leia mais

IR Retido na Fonte - Apurado no Período do Fato Gerador - 21 a 31 de agosto de 2012.

IR Retido na Fonte - Apurado no Período do Fato Gerador - 21 a 31 de agosto de 2012. 05/09(4ª. Feira) IR Retido na Fonte - Apurado no Período do Fato Gerador - 21 a 31 de agosto de 2012. IRRF - Juros sobre Capital Próprio e Aplicações Financeiras, Prêmios e outros rendimentos de Capital

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO

ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO ESTATUTO SOCIAL DA AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO TURISMO DA MACRORREGIÃO SUL DO BRASIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO E DURAÇÃO Art. 1 - A Agência de Desenvolvimento do Turismo da Macrorregião Sul

Leia mais

a) Relação explícita do pessoal técnico especializado, adequado e disponível para a realização do

a) Relação explícita do pessoal técnico especializado, adequado e disponível para a realização do 2. CONDIÇÕES PARA CREDENCIAMENTO 2.1. Poderão participar deste Credenciamento, as empresas que: 2.1.1 Atendam a todas as exigências deste Edital, inclusive quanto à documentação constante deste instrumento

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 2.312, DE 2003

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 2.312, DE 2003 COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 2.312, DE 2003 Dispõe sobre a criação do Cadastro Nacional das Organizações Não Governamentais. Autor: Comissão de Legislação

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

AJUDA DE CUSTO/TRANSPORTE DA FAMÍLIA/TRANSPORTE DE MOBILIÁRIO E BAGAGEM

AJUDA DE CUSTO/TRANSPORTE DA FAMÍLIA/TRANSPORTE DE MOBILIÁRIO E BAGAGEM AJUDA DE CUSTO/TRANSPORTE DA FAMÍLIA/TRANSPORTE DE MOBILIÁRIO E BAGAGEM Ao servidor público civil regido pela Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, que, no interesse da administração, for mandado servir

Leia mais

ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA. Como criar ou adequar a sua

ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA. Como criar ou adequar a sua ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA Como criar ou adequar a sua A presente publicação é dirigida às pessoas que desejam ir além de suas obrigações e deveres individuais, para trabalharem por questões de interesse

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 001/2012 EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIROS PESSOA JURÍDICA TIPO: MELHOR TÉCNICA

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 001/2012 EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIROS PESSOA JURÍDICA TIPO: MELHOR TÉCNICA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 001/2012 EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIROS PESSOA JURÍDICA TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Estudos de Cultura Contemporânea CEDEC, entidade privada sem fins lucrativos,

Leia mais

TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS

TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS TIPOS DE RELACIONAMENTO COM A INICIATIVA PRIVADA E FORMAS DE ESTRUTURAÇÃO DE PROJETOS terça-feira, 10 de novembro de 2015 Objetivo Apresentar os alguns dos tipos de relacionamento estabelecidos entre a

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

QUALIFICAÇÕES, TÍTULOS E CERTIFICADOS. PAULA MELLO Assessoria Jurídica no Terceiro Setor

QUALIFICAÇÕES, TÍTULOS E CERTIFICADOS. PAULA MELLO Assessoria Jurídica no Terceiro Setor QUALIFICAÇÕES, TÍTULOS E CERTIFICADOS EMITIDOS PELOS ÓRGÃOS PUBLICOS PAULA MELLO Assessoria Jurídica no Terceiro Setor As qualificações, títulos e certificados podem ser pleiteados em âmbito: Federal Estadual

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Contábeis ENDEREÇO: Campus Universitário,

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

SOCIEDADE BATISTA DE BENEFICÊNCIA TABEA

SOCIEDADE BATISTA DE BENEFICÊNCIA TABEA ALTERAÇÃO ESTATUTÁRIA Conforme Assembléia Geral Extraordinária realizada em vinte e três de julho de dois mil e dez (23.07.2010), devidamente convocada na forma prevista pelo estatuto, para o fim específico

Leia mais

Marcelo Monello Conselheiro

Marcelo Monello Conselheiro Marcelo Monello Conselheiro Prestação de contas das Entidades de Assistência Social O que são gratuidades? Como deve ser realizado esse lançamento no caso das contribuições das empresas 1 da taxa de contribuição

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO

TRIBUTAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO TRIBUTAÇÃO DO SETOR ELÉTRICO VANTAGENS: SIMPLICIDADE HOMOGENEIDADE VINCULAÇÃO DA RECEITA À IMPLEMENTAÇÃO E MELHORIA DO PARQUE ELÉTRICO NÃO TINHA FINS ESTRITAMENTE ARRECADATÓRIOS DEPOIS DA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC. Relatório dos auditores independentes

FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC. Relatório dos auditores independentes FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS FACPC Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2015 e 2014 FPRJ/ORN/TMS 0753/16 FUNDAÇÃO DE APOIO AO COMITÊ

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS SEGER PORTARIA Nº. 39-R, DE 29 DE AGOSTO DE 2013.

GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS SEGER PORTARIA Nº. 39-R, DE 29 DE AGOSTO DE 2013. I - Órgãos e Entidades Públicas PORTARIA Nº. 39-R, DE 29 DE AGOSTO DE 2013. a) Cédula de Identidade do representante; b) Inscrição no CPF do representante; c) Cartão de inscrição do órgão ou entidade pública

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 7 de outubro de 2015. Série. Número 154

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 7 de outubro de 2015. Série. Número 154 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 7 de outubro de 2015 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Portaria n.º 184/2015 Cria e regula o funcionamento

Leia mais

PEQUENA CASA DA CRIANÇA

PEQUENA CASA DA CRIANÇA PEQUENA CASA DA CRIANÇA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADES E DURAÇÃO Art. 1º - A PEQUENA CASA DA CRIANÇA é uma Associação Civil, Sem Finalidade de Lucros e Filantrópica, tem seus

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO Através deste manual, a Tecnicont pretende orientar seus clientes e facilitar os procedimentos a serem realizados no envio de documentos

Leia mais