O estilo de Liderança das mulheres que comandam as organizações de Serra Talhada-PE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O estilo de Liderança das mulheres que comandam as organizações de Serra Talhada-PE"

Transcrição

1 O estilo de Liderança das mulheres que comandam as organizações de Serra Talhada-PE Eliane Gomes dos Santos 1 ; Flávio Augusto Feitosa Barbosa Gominho 1* 1 Faculdade de Integração do Sertão FIS Resumo A partir da década de 70 é que se constata a expansão da mulher no mercado de trabalho. Com a globalização isso se intensificou e levou a mesma até o mundo empresarial, onde passou a ter um estilo próprio de atuação. Isso fez com que passasse a exercer cargos de liderança em diversos segmentos superando os desafios da entrada tardia no mercado de trabalho. Hoje, fala-se em estilo feminino de liderança, que aborda não só a competência técnica e intelectual, mas a interpessoal. Dentro desse contexto, realizou-se uma pesquisa bibliográfica a respeito do conceito de liderança, com foco na sua evolução e nos tipos e estilos de liderança que podem ser adotados, além do levantamento sobre o mercado de trabalho feminino no Brasil, o estilo feminino de liderar e um estudo comparativo da liderança entre homens e mulheres. Com o objetivo de identificar o estilo de liderança das mulheres que ocupam cargos estratégicos nas organizações da cidade de Serra Talhada, no Estado de Pernambuco, foram realizadas entrevistas com líderes reconhecidas socialmente pela população local e que atuam em segmentos diversos no mercado. Como resultado, verificouse que o grupo de mulheres participantes da pesquisa possuem características peculiares como persistência, intuição, espírito empreendedor, autoconfiança, ente outros. Palavras-chave: Liderança. Mulheres. Organizações. * Autoria para correspondência: Flávio Augusto Feitosa Barbosa Gominho. Rua João Luiz de Melo, 2110, Tancredo Neves, Serra Talhada - PE, CEP

2 1 Introdução É a partir da década de 70 que se constata uma visível expansão da participação feminina no mercado de trabalho, atuando como trabalhadoras assalariadas (muitas delas pertencentes à classe média, casadas e mães de família) e assumindo uma nova identidade nos espaços públicos (OLIVEIRA, 2003). Essa expansão acabou acontecendo não só no Brasil, mas também em diversos países por conta do acelerado processo de industrialização e urbanização dos grandes centros. E prosseguiu até a década de 80, apesar de ter havido, nesse período, a estagnação da atividade econômica e a deterioração das oportunidades de ocupação. A década de 90 chega e é marcada pela intensa abertura econômica, pelos baixos investimentos e pela terceirização da economia. Mesmo com essas mudanças, continuou-se verificando o crescimento da incorporação da mulher no mercado de trabalho (MOURÃO & GALINKIN, 2008). Com a globalização o envolvimento da mulher com a força de trabalho ganhou mais impulso. Surgindo assim, no mundo empresarial, mulheres que apresentam como características: a flexibilidade para se adaptar a diferentes situações; maior estabilidade emocional; objetividade e persistência; paciência e disposição para começar de níveis inferiores; capacidade de aprendizado, principalmente, em situações impróprias; e, administrar serviços sob condições específicas de desempenho (LODI, 1999). Não é mais possível identificar papéis diferenciados, nem barreiras intransponíveis entre homens e mulheres no mercado de trabalho. No Brasil, só a partir dos últimos anos é que as mulheres têm construído sua trajetória em direção aos altos escalões hierárquicos das organizações. Isso pode ser conseqüência de uma possível mudança causada pelo ambiente empresarial. Esse conduz as organizações a se estruturarem através de formas planas e de redes, favorecendo ao que tem sido interpretado como estilo feminino de administrar (MOURÃO & GALINKIN, 2008). 2 Referencial Teórico 2.1 Liderança O processo de liderança desenvolve-se em diversas situações e diferentes ambientes, desde o grupo familiar, escolar, esportivo, político até o trabalho. Dessa forma, pode ser entendido como um processo social no qual se estabelece relação de influência entre as pessoas, onde qualquer um pode exercer influência sobre outras pessoas, logo, toda pessoa é um líder em potencial (LIMONGI- FRANÇA & ARELLANO, 2002). Para Stoner e Freeman (1985), a liderança consiste num processo de dirigir e influenciar as atividades relacionadas às tarefas dos membros de um grupo e, sendo assim definida, abarca três importantes implicações. A primeira delas aponta que tal processo envolve outras pessoas, sejam subordinados ou seguidores, que estão dispostas a aceitar ordens do líder. A segunda trata da distribuição desigual de poder entre o líder e os membros do grupo, tendo o líder, na maioria das vezes, mais poder. E a terceira implicação aborda a capacidade do líder de usar as diferentes formas de poder para influenciar, de várias maneiras, o comportamento dos seguidores. Com ênfase nas pessoas, no processo de influenciar e nas metas, o conceito de liderança tem evoluído, observando sempre que possível as necessidades empresariais e destaca a idéia de que os líderes precisam se envolver com outras pessoas na execução das metas e objetivos organizacionais (DAFT, 2005). E ao abordar o conceito de liderança, fazse necessário diferenciar este do conceito de líder, identificando-o como o indivíduo que executa a atividade ou a função de liderança, dentro do contexto organizacional (ROBBINS, 2000). Além disso, cabe ainda diferenciar os líderes dos gerentes, embora esses papéis nem sempre sejam exclusivos, podendo um deles se sobrepor ao outro, em determinadas situações. Embora os dois sejam necessários a vida empresarial, cabe ao gerente lidar com a preservação da ordem e da consistência das atividades e, ao líder, lidar com mudanças, com uma visão de futuro e o estabelecimento de uma direção para essa visão (KOTTER, 1990 apud DUBRIN, 2006). 2.3 Teorias de Liderança Uma das teorias de liderança, que predominou entre as décadas de 20 a 50 foi a de traços de personalidade, que enfatizava as qualidades pessoais do líder (DAVEL & MACHADO, 2001; LIMONGI-FRANÇA & ARELLANO, 2002). De acordo com essa teoria, o líder já nascia feito e possuía algumas características que o classificavam como tal e essas diziam respeito ao aspecto físico (estatura, força física, aparência), aos aspectos intelectuais (autoconfiança, entusiasmo, inteligência elevada), aos traços sociais (cooperação, habilidades

3 administrativas e interpessoais) e, aos aspectos relacionados com as tarefas (persistência, iniciativa, impulso de realização) (VERGARA, 2003). A partir da década de 50, estudiosos comportamentais passaram a se preocupar com os aspectos que caracterizam o estilo de comportamento do líder. E, nesse momento, o foco passa a ser o que o líder fazia, mas especificamente, o que determinava a sua eficácia junto aos liderados (DAVEL & MACHADO, 2001). O líder poderia ser preparado para desenvolver seu papel e este passaria por dois extremos: a liderança orientada para o subordinado (participação do trabalhador) e a liderança orientada para a produção (submissão do trabalhador) (LIMONGI-FRANÇA & ARELLANO, 2002). Entre a década de 60 e o início da década de 80, os enfoques passaram a ser os aspectos situacionais e contingenciais, inserindo o ambiente na avaliação da eficácia do líder (DAVEL & MACHADO, 2001). Assim, a liderança passa a variar de acordo com o momento, devendo o líder adaptar o seu estilo de comando ao nível de desenvolvimento dos colaboradores em cada tarefa específica, passando a forma de liderar a ser o resultado de um conjunto de variáveis - características do líder, comportamento dos liderados, situação específica, dentre outros (LIMONGI-FRANÇA & ARELLANO, 2002). A partir dos anos 80 encontram-se estudos sobre as Teorias Neocarismáticas, que abordam as lideranças transacional, transformacional e servidora (ROBBINS, 2005). Entende-se por transacional aquela que objetiva atender as necessidades dos subordinados, com foco na troca entre esse seu líder. Nesse formato, o líder compensa o seu seguidor. As recompensas podem ser tangíveis (recursos financeiros) ou não (reconhecimento) (BASS, 1985). Já a liderança transformacional inspira os seguidores a transcenderem seus próprios interesses para o bem da organização. Para atingir esse objetivo, os líderes utilizam recursos pessoais, incluindo tempo, conhecimento e experiência, servindo como coach, professor e mentor (CRAWFORD; LAWRENCE, V. & LAWRENCE, G., 2003). E, por último, a liderança servidora apresenta-se como aquela em que o líder coloca as necessidades, aspirações e interesses de outras pessoas acima das suas. O líder, nesse contexto, escolhe servir aos outros. E, quando os liderados reconhecem que seu líder segue, verdadeiramente, as idéias da liderança servidora, esses se tornam também servidores (PATTERSON; REDMER & STONER, 2003). 2.4 Estilos de Liderança Para estabelecer uma direção de futuro para a empresa, o líder faz uso de habilidades bem peculiares, que o diferenciam dos demais, é o que se entende por estilo de liderança. São os vários padrões de comportamento preferidos pelos líderes durante o processo de dirigir e influenciar os empregados (STONER & FREEMAN, 1985). Segundo Chiavenato (1999), três fatores influenciam a capacidade do líder em conduzir pessoas e estabelecer um estilo de liderança próprio, são eles: a posição hierárquica, a competência profissional e a personalidade. Para o autor, quanto mais alta for a posição hierárquica do profissional, maior a força de liderança oferecida pela estrutura organizacional. Além disso, afirma que a competência profissional é resultante dos conhecimentos gerais (cultura geral) e específicos (cultura técnica) que a pessoa tem. E, no que diz respeito a personalidade, os liderados podem ser influenciados pelas qualidades pessoais do líder que tem haver com o seu temperamento, o seu caráter, a sua inteligência e como estabelecer relacionamentos de trabalho, dentre outros. Para Chiavenato (1999) e Robbins (2005), esses estilos podem ser classificados como: autocrático (o líder é o principal responsável pelas decisões e impõe as ordens aos seus seguidores, sem explicá-las ou justificá-las), liberal (o líder não se impõe, deixando a cargo dos empregados o poder de decisão sobre as operações) e democrático (o líder é responsável por apresentar o trabalho aos empregados, as alternativas de execução e seus objetivos). Rowe (2002) destaca mais três estilos de liderança: o gerencial (a maioria dos executivos exerce a função gerencial, já que as organizações os treinam, de forma implícita ou explícita para isso), visionária (esse tipo de líder é relativamente proativo, moldando idéias, ao invés de se opor a elas) e estratégica (raros na maioria das organizações, estão preocupados com a viabilidade futura e a estabilidade financeira atual da organização, tomam decisões que maximizam o retorno do investimento e, portanto, criam valor para a organização).

4 Para estudiosos como Wolk (2008), há de se destacar o estilo coaching. Estilo onde o líder/facilitador assume a responsabilidade de potencializar e enriquecer o trabalho em equipe. Coach e coachee trabalham juntos na definição de metas para o desenvolvimento pessoal e profissional do coachee e, através de um relacionamento de confiança e maturidade, assumem e cumprem responsabilidades. Portanto, vê-se que o estilo de liderança a ser adotado, dentro do contexto organizacional, pode ser caracterizado por vários aspectos, entre os quais: tipo de decisão que cada um adota, os procedimentos que interferem nas relações humanas e a situação enfrentada, não indicando a existência do melhor estilo (ARAÚJO & ARAÚJO FERREIRA, 2009). É fundamental entender que o estilo de liderança depende em parte do contexto em que os líderes e seus subordinados interagem. Um ponto que se apresenta crucial na adoção de um estilo específico é a cultura organizacional. Esta pode influenciar, dentre outros aspectos, como as pessoas estabelecem suas metas pessoais e profissionais, desempenham suas tarefas e administram recursos para atingi-las. (SCHEIN, 1990 apud KARK; DIJK, 2007). Outro ponto a se destacar é que diferenças de idade, gênero e experiência também influem o estilo de liderança adotado e impactam no resultado. (SARROS; GRAY & DENSTEN, 2001). Deste modo, é necessário que se entenda que não se pode estender o estilo de liderança para um contexto global. A mudança de fronteira, de raça e cultura elimina uma visão padrão sobre qualquer assunto e cria uma base sobre a qual diferentes percepções de liderança podem ser consideradas. Cultura, geografia e organizações nacionais moldam instituições e também as expectativas e comportamentos de lideranças e de membros organizacionais com os quais os líderes interagem (MACLEOD, PAI, 2002). 2.5 A Liderança Feminina Atualmente, as organizações estão a procura de líderes que devem ter entre as suas responsabilidades gerar confiança em seus seguidores, ou seja, lide deve ser percebido como alguém em quem confiar, alguém com quem se pode discutir alternativas de solução para superação de metas e problemas (BENTO et al.; 2009). Além dessas características Drucker e Bennis (apud Frankel, 2007) acreditam que uma boa liderança requer dos líderes capacidades de: estabelecer metas, alinhar pessoas na realização delas e desenvolver planos para executá-las; promover a comunicação entre os membros do grupo, de modo a inspirar confiança e credibilidade; motivar os seguidores para a manutenção de esforços necessários á realização dos objetivos organizacionais; formar equipes capazes de compreender e valorizar a interdependência e sinergia; correr alguns riscos capazes de trazer benefícios para a organização; desenvolver network que proporcione apoio à execução das metas e ao desempenho profissional. Dentro do que é exigido pelas organizações o estilo feminino de liderança pode ser beneficiado, já que as mulheres líderes estimulam a participação, dividem o poder e a informação, aumentam a auto-estima das outras pessoas e fazem com que os outros fiquem estimulados pelo trabalho (ABUDERNE & NAISBITT, 1993). Numa recente pesquisa encomendada ao Hay Group pelo Lidem grupo de mulheres líderes empresariais com 40 executivas e seus 225 empregados, constatou-se que a executiva brasileira é flexível para intercalar estilos diversos de liderança e atuam com mais freqüência em três deles: o democrático (solicita opinião e procura consenso), o coercitivo (dá ordens e supervisiona a equipe de perto) e o afetivo (preocupa-se com as questões pessoais dos empregados) (HAY GROUP, 2010). Para Kornfeld e Cohen (apud Frankel, 2007), a grande contribuição feminina para as organizações está relacionada a razões como, por exemplo, a de que as mulheres executivas consultam com maior freqüência as demais pessoas especialistas, empregados e outros empresários durante o desenvolvimento de estratégia e elas possuírem uma tendência natural mais acentuada de lidar com múltiplas tarefas. 3 Metodologia Esse estudo é caracterizado como exploratório e descritivo, já que envolve levantamento bibliográfico e entrevistas, além de descrever os perfis de liderança encontrados nas organizações estudadas, através de questionários estruturados. De acordo com Gil (1991), esse tipo

5 de pesquisa tem como objetivo aumentar a experiência do pesquisador em torno de determinado problema e descrever fenômenos, indo além de uma simples coleta. Com esta percepção o estudo foi dividido nas seguintes etapas: caracterização da amostra, o instrumento de coleta de dados, o procedimento e análise dos dados. O universo da pesquisa é caracterizado pelo total de mulheres que exercem cargos estratégicos nas organizações de Serra Talhada, Pernambuco. Como não existem dados oficiais publicados sobre o mesmo, a pesquisa foi realizada com dez gestoras de organizações que pertencem a diferentes setores de atuação. A escolha destas foi realizada de maneira intencional, levando em conta a sua trajetória profissional e o reconhecimento do seu trabalho perante a sociedade da cidade de Serra Talhada. Segundo Acevedo e Nohara (2009), esse tipo de amostra é caracterizada como amostragem por julgamento, onde o pesquisador escolhe os sujeitos a serem entrevistados segundo um critério específico de julgamento, ou seja, em suas crenças sobre o que o elemento selecionado pode oferecer ao estudo. A pesquisa se desenvolveu através de um instrumento de coleta de dados composto por vinte e cinco questões, baseado no questionário apresentado pela autora Lois P. Frankel, em seu livro Mulheres lideram melhor que homens. São questões sobre atitudes em relação ao seu próprio trabalho, onde as gestoras avaliam cada situação numa escala de classificação composta de termos como: raramente, algumas vezes, muitas vezes e quase o tempo todo. O uso do questionário com questões desse tipo - múltipla escolha - se deu por conta da facilidade de aplicação, processo e análise; pela facilidade e rapidez no ato de responder; por poder trabalhar com um número maior de alternativas; e, pela pouca possibilidade de obtenção erros (MATTAR, 1994). 4 Resultados da Pesquisa Os resultados da pesquisa aplicada foram divididos em cinco categorias distintas. A primeira trata da Visão da Organização observando-se que: Ao julgar o item que aborda a visão clara do que deseja das pessoas, da organização ou das atividades lideradas, 50% acreditam que fazem isso muitas vezes e as outras 50% agem dessa forma quase o tempo todo. Esse resultado fortalece a idéia de que no processo de gestão conduzido por mulheres, há uma tendência para que os objetivos sejam claros e bem difundidos entre os integrantes da organização (MACHADO, 1999). Quanto aos procedimentos organizacionais, 60% compreendem e conseguem lidar com eles muitas vezes e 30% delas, quase o tempo todo, enquanto que 10% fazem isso algumas vezes. Isto se dá pelo fato de que para atingir um nível gerencial adquirido pelo novo ambiente organizacional, os líderes precisam ter raciocínio sistêmico. (CASE, 1996). No tocante ao planejamento os dados apresentados informam que: Com relação ao alinhamento consciente das pessoas com a visão, missão e metas da equipe, 40% responderam que realizam tal atividade muitas vezes e 40% quase o tempo todo, enquanto que 20% trabalham dessa forma, algumas vezes. Segundo Hunter (2004) faz parte do processo de liderar, a habilidade de influenciar pessoas a trabalharem entusiasticamente visando atingir os objetivos identificados como sendo para o bem comum. Em situações em que é possível transformar idéias em planos tangíveis, 70% consideram que realizam essa tarefa quase o tempo todo, 20% trabalham dessa forma algumas vezes, enquanto que 10% fazem isso raramente. Observa-se com isto que a transformação esta relacionada com a habilidade do líder de ser também um entrepreneur (empreendedor), ou seja, aquele indivíduo que atua como iniciador e planejador das atividades da organização. (MAXIMIANO, 1997). Quando ao processo de tomada de decisão, que engloba a análise de dados e situações antes de passar efetivamente para a ação, 80% das entrevistadas realizam tal metodologia muitas vezes e 20% agem dessa forma quase o tempo todo. A função de liderança está associada intimamente ao processo de tomada de decisão. Os cargos de liderança também estão associados a decisões estratégicas. Dessa forma, o líder deve se utilizar de um comportamento adequado para cada situação e que o ajude a ir além de um raciocínio onde a suposição de que a solução mais superficialmente lógica ou óbvia é a correta (STONER & FREEMAN, 1985).

6 Tratando-se do trabalho em equipe os dados coletados descrevem que: Para 50% das entrevistadas, muitas vezes elas identificaram oportunidade de fazer como que os membros da equipe pudessem contribuir, de alguma forma, para a execução das atividades do grupo. Para 40% essas situações aconteceram quase o tempo todo e para 10%, algumas vezes. Esse tipo de comportamento voltado para o outro, expressa uma necessidade de cuidar da organização e de seus colaborares (GOMES, 2005). Para Boff (2001 apud GOMES, 2005), cuidar é mais que um ato é uma atitude, abrange mais que um momento de atenção, revela preocupação, responsabilização e envolvimento afetivo com o outro. Quanto ao feedback positivo ou negativo dado a equipe, por suas atividades, 20% das entrevistadas fazem isso algumas vezes, 50% muitas vezes e 30% quase o tempo todo. Para Cruz (2007), o verdadeiro segredo de uma equipe de sucesso relaciona-se com a freqüência e a forma com que o líder fornece feedbacks, principalmente, positivos. Metade das entrevistadas acredita que, quase o tempo todo, esclarecem os papéis e responsabilidades dos membros da equipe na execução de suas atividades. 30% fazem isso algumas vezes e 20%, muitas vezes. O esclarecimento caracteriza-se como um estímulo participativo de direção, predominando assim, a valorização do indivíduo, a sensibilidade, a compreensão, a necessidade de conciliação em situações de conflito, o espírito do grupo e a liderança pelo consenso (BOWEN e HIRSRICH, 1986; MUNHOZ, 2000 apud GOMES, 2005). No que se refere à coordenação de esforços dos membros da equipe, identificação e afastamento de eventuais obstáculos para a obtenção do sucesso, 80% agem assim muitas vezes e 20%, quase o tempo todo. É papel do líder refletir constantemente a respeito dos ganhos que impulsionarão a organização em termos de desempenho, de métodos para angariar o comprometimento das pessoas com esses ganhos de desempenho e da forma como se dispõe para apoiá-los no cumprimento de suas tarefas (SMITH, 1999). Quando se trata de trabalhar com a equipe a fim de articular claramente as metas mais elevadas e os passos necessários para alcançá-las, 50% das profissionais acreditam que fazem isso muitas vezes, 40% quase o tempo todo e apenas 10%, algumas vezes. No processo de gestão ativa, os líderes especificam padrões, metas e o que constitui um desempenho efetivo. Trabalhando dessa maneira, pode punir os que têm desempenho fora do padrão estabelecido, acompanhando e monitorando de perto os desvios e agindo de maneira corretiva quando esses acontecerem (BASS, 1985). Para 60%, dar apoio às idéias coletivas é algo que elas fazem quase o tempo todo. Enquanto que 40% delas fazem isso muitas vezes. De acordo com Batt (2002), os líderes orientados para empregados, que focam o seu desenvolvimento e estabelecem com eles relacionamentos de confiança obtêm maior produtividade, maior satisfação com o trabalho e são vistos pela equipe como mais competentes. Quanto à cobrança aos membros da equipe quanto ao cumprimento das metas e a recompensa quando do atingimento das metas organizacionais e pessoais, 45% das respondentes fazem isso algumas vezes, enquanto que 33% e 22% fazem isso muitas vezes e quase o tempo todo, respectivamente. Em determinado momento das atividades em grupo, faz-se necessário que o líder garanta que as atividades planejadas sejam, realmente, realizadas. É o que se entende por controle de operação (STONER & FREEMAN, 1985). Com relação à capacidade de assumir riscos: Metade delas acredita que sabem avaliá-lo, de forma calculada, muitas vezes. Enquanto que 40% o avaliam algumas vezes. Faz parte do processo de tomada de decisão planejado o risco. E esse ocorre quando o líder encontra-se numa situação onde não consegue prever, com certeza, o resultado de uma alternativa. No entanto, tem a informação necessária sobre a probabilidade dessa alternativa atingir o objetivo desejado (STONER & FREEMAN, 1985). - 60% delas julgam que muitas vezes assumem riscos cujos benefícios os outros nem sempre enxergam de início, enquanto que 40% comportam-se assim, algumas vezes. O processo de assumir riscos tem muito haver com o pioneirismo. Líderes precisam ser pioneiros, que procuram novos caminhos, moldam novos métodos para velhos problemas e têm fortes valores e crenças que dirigem as suas ações (ULRICH 1996 apud COSTA, 2007). Um quinto prefere, quase o tempo todo, errar ao assumir riscos calculados, ao invés de agir

7 apenas dentro da mediocridade segura. 40%, 30% e 10% agem dessa forma muitas vezes, algumas vezes e raramente, respectivamente. Nesse processo é preciso observar que isso só acontece quando existe um relacionamento baseado em respeito e confiança entre o líder e seus seguidores, onde os erros, que por ventura existirem, serão vistos como parte do processo de aprendizagem e não resultarão em rejeição (COSTA, 2007). Por fim, tratando-se de características pessoais de liderança observa-se: Quatro quintos, quase o tempo todo, estabelecem metas e estratégias baseadas em seus próprios valores e 20% delas fazem isso muitas vezes. No posto de liderança, o profissional deve possuir carisma, metas idealizadas e ter grande compromisso individual em alcançá-los. Além disso, devem ser modelos para seus seguidores e isso é estabelecido através das crenças e valores cultivados durante a sua vida pessoal e profissional (ARAÚJO & ARAÚJO FERREIRA, 2009). Sob a afirmação de que projetos são administrados e pessoas são lideradas, 60% das entrevistas acreditam que realizam essa tarefa muitas vezes, 30% quase o tempo todo e 10% algumas vezes. Ao analisar este aspecto, entendese que se um bom gestor não necessariamente credencia alguém para ser um bom líder. Isso porque as atividades de gestão baseiam-se na estabilidade, no refinamento de processos internos, na criação de hábitos, nas atividades que levam a organização na direção pretendida. Já a liderança foca na mudança, na criatividade, na possibilidade de gerir o inesperado, de levar a organização para o futuro, ajudando a ultrapassar a incerteza e o arriscado. Apesar das diferenças, a liderança e a gestão são essenciais ao funcionamento da organização e, de um ponto de vista ideal, um líder deve ser capaz de ser gestor e vice-versa (ARAÚJO, 2007). Metade julgou que emana autoconfiança muitas vezes, enquanto que 40% delas fazem isso quase o tempo todo e 10%, algumas vezes. Para Mileris (2009), a autoconfiança representa a certeza do próprio valor e de sua própria capacidade, é a admissão e confiança nas próprias habilidades. Líderes autoconfiantes demonstram segurança para aceitar desafios e tarefas difíceis, assim como para assumir posição no seu grupo. Para 50% das respondentes, algumas vezes, o ambiente inovador proporciona sua própria evolução, 30% consideram que isso acontece muitas vezes e 20% quase o tempo todo. É importante entender que este ambiente depende da cultura organizacional, essa deve estar pautada em um ambiente que haja confiança entre os empregados, onde se apresente uma filosofia de tolerância a erros e as idéias sejam avaliadas e implementadas (FERRAZ, 2002). Quanto ao estilo de comunicação, 70% das respondentes acreditam que muitas vezes o seu estilo envolve e dirige a atenção das pessoas. Para 10% isso ocorre algumas vezes e para 20%, quase o tempo todo. O estilo de comunicação funciona como um alicerce da liderança. É através dela que o líder demonstra a sua habilidade com as palavras, o modo de dizê-las e a capacidade de transformar idéias em mensagens convincentes (MAXIMIANO, 1997). Aproximadamente, 70% acreditam que expressam as suas opiniões em termos claros e firmes quase o tempo todo, enquanto que 30% fazem isso muitas vezes. A comunicação persuasiva é um importante elemento no processo de liderança. Para Greenleaf (1977 apud COSTA, 2007), existem três maneiras do líder ganhar poder em relação ao grupo: coerção, manipulação e persuasão. No que se refere a confiança em seus próprios instintos, sem que haja necessidade de fatos para confirmá-los, 10% das entrevistadas agem assim raramente, 50% fazem isso algumas vezes e 30% e 10% agem dessa forma muitas vezes e quase o tempo todo, respectivamente. Vergara (1991) acredita que a realidade organizacional exige que decisões sejam tomadas não apenas levando em consideração a razão objetiva dos fatos, como também a intuição, estas complementares na estruturação do ser humano. No aspecto persistência, 10% das entrevistadas julgam que é extremamente persistente algumas vezes, enquanto que 40% e 50% delas julgam que agem dessa forma muitas vezes e quase o tempo todo, respectivamente. O fator persistência é um dos ingredientes utilizados pelos líderes para enfrentar situações, principalmente, que se relacionam com mudanças e com o grande desafio de se obter aliados para as novas batalhas. (SILVA, 1996). 5 Considerações Finais Os dados coletados com mulheres que ocupam cargos estratégicos, de liderança, em organizações de diversos segmentos, da cidade de

8 Serra Talhada apresentam características bastante comuns ao que se vê nos estudos de diversos autores que retratam o estilo feminino de liderança. Fica evidente, em primeiro lugar, que a grande maioria das profissionais tem a percepção correta da organização, das pessoas, dos processos e das atividades organizacionais sob sua responsabilidade. A partir desse entendimento é possível se posicionar e comunicar, de forma clara e firme, o que deseja dos liderados, em termos de objetivos, metas e, principalmente, de resultados. Com relação ao trabalho em equipe, é importante ressaltar que esse grupo de mulheres, em sua maioria é ouvinte, pede a colaboração de seus seguidores, em momento oportuno, com idéias que favoreçam a consecução das atividades propostas. Também de forma maciça oferece feedback sobre a atuação de seus seguidores, fato importante porque é da natureza do ser humano saber o quão importante é a sua parcela de contribuição para o atingimento das metas grupais e organizacionais. Essa característica de ouvir os liderados pode ser conseqüência de uma relação profissional pautada na confiança e credibilidade que a líder exerce. E esses dois fatores estão associados a forma como a líder esclarece os papéis e responsabilidades dos membros da equipe, mostrando o caminho correto para seguir e em como coordena os esforços do grupo e afasta os obstáculos que, por ventura, venham a atrapalhar o sucesso de determinada operação. Algo que chama atenção nesse grupo de mulheres líderes é que existe uma certa dificuldade no tocante ao fator cobrança e prestação de contas pelos membros da equipe. Isso evidencia que, em algum momento, o processo de controle das atividades pode ser comprometido, já que o mesmo consiste em comparar se o que foi estabelecido está sendo executado da forma correta. Fica difícil fazer esse controle sem realizar uma prestação de contas, para verificar o andamento das tarefas e corrigir possíveis desvios. Outro ponto importante a se destacar é o processo de tomada de decisão, onde se verificou que a maioria delas analisa bastante uma situação antes de tomar a decisão, com pouca pretensão de correr riscos que não sejam calculados. Além disso, o fator intuição está bastante arraigado nesse processo. Num ambiente competitivo, turbulento e dinâmico em que estão inseridas as organizações, a análise detalhada das alternativas para a tomada de decisão pode ser prejudicial, caso o tempo de resposta seja considerado fator primordial para a organização. Quanto às características pessoais desse grupo de mulheres, fica evidente que o seu posicionamento de liderança tem muito haver com suas crenças, seus valores, por acreditar na sua competência, no seu potencial de desenvolvimento profissional, na sua forma de se comunicar e se fazer entender e ser aceita pelos membros do grupo. E, por fim, entendem a essência da liderança que trata não só de gerir atividades, processos, recursos, mas da arte de lidar com as pessoas, de interagir, de respeitar, de ouvir, de empreender, de inovar, de pensar no futuro e de estabelecer um estilo próprio, que não segue regras específicas, mas é determinado pelo momento, pela tarefa, pela organização e pelo grupo. Referências ACEVEDO, C. R.; HOHARA, J. J. Monografia no curso de administração: guia completo de conteúdo e forma. 3. ed. São Paulo: Atlas, ARAÚJO, J. Líder e gestor são a mesma coisa? Disponível em: <HTTP://diarioeconomico.sapo.pt/edicion/diarioe conomico/opinion/columnistas/pt/desarrollo/ html>. Acesso em: 08 nov ARAÚJO, K.; ARAÚJO FERREIRA, M. A. O exercício da liderança por meio do estilo coaching na gestão de equipes. Revista Administração em Diálogo, São Paulo, v. 2, n. 13, p , BASS, B. M. Leadership and performance beyond expectations. New York: The Free Press, BATT, R. Managing customer services: human resource practices, quit races, and sales growth. Academy of Management Journal, v. 45, n. 3, p , BENTO, M. H. S. Desafios da liderança: ume estudo realizado nas empresas participantes do sismte de auto-avaliação do PGQP da região de Santa Maria, RS. In: CONGRESSO

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão.

Objetivo. Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. Liderança Objetivo Apresentar uma síntese das principais teorias sobre liderança e suas implicações para a gestão. 2 Introdução O que significa ser líder? Todo gestor é um líder? E o contrário? Liderança

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados

Aperf r e f iço ç a o m a ent n o t o Ge G re r nci c al a para Supermercados Aperfeiçoamento Gerencial para Supermercados Liderança Liderança é a habilidade de influenciar pessoas, por meio da comunicação, canalizando seus esforços para a consecução de um determinado objetivo.

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Enquete. O líder e a liderança

Enquete. O líder e a liderança Enquete O líder e a liderança Muitas vezes, o sucesso ou fracasso das empresas e dos setores são creditados ao desempenho da liderança. Em alguns casos chega-se a demitir o líder, mesmo aquele muito querido,

Leia mais

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento.

Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Atitude Empreendedora: Uma competência estratégica ao profissional de treinamento e desenvolvimento. Por PAULA FRANCO Diante de um cenário empresarial extremamente acirrado, possuir a competência atitude

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES

NOSSA MISSÃO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES Desde 1999 NOSSA MISSÃO AÇÕES DE TREINAMENTO OS PROGRAMAS METODOLOGIAS AVALIAÇÕES MISSÃO Inspirar nossos clientes para a expansão de ideias e formação de relacionamentos saudáveis e duradouros no ambiente

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Liderança e Comunicação Professor: Roberto César Liderança O líder nasce líder ou aprende a ser líder? Liderar é conhecer a motivação humana e saber conduzir as pessoas a

Leia mais

ESCOLAS E FACULDADES QI MBA DE GESTÃO DE PESSOAS E NOGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E OS SISTEMAS DE GESTÃO DE PESSOAS TIANE RIBEIRO BERNY

ESCOLAS E FACULDADES QI MBA DE GESTÃO DE PESSOAS E NOGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E OS SISTEMAS DE GESTÃO DE PESSOAS TIANE RIBEIRO BERNY ESCOLAS E FACULDADES QI MBA DE GESTÃO DE PESSOAS E NOGÓCIOS PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E OS SISTEMAS DE GESTÃO DE PESSOAS TIANE RIBEIRO BERNY O COACH NO MUNDO CORPORATIVO GRAVATAÍ 2011 TIANE RIBEIRO BENRY

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

LIDERANÇA. "Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha." (Provérbio Árabe)

LIDERANÇA. Um exército de ovelhas liderado por um leão derrotaria um exército de leões liderado por uma ovelha. (Provérbio Árabe) LIDERANÇA "O grande líder é aquele que está disposto a desenvolver as pessoas até o ponto em que elas eventualmente o ultrapassem em seu conhecimento e habilidade." Fred A. Manske "Um exército de ovelhas

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos.

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 2. Liderança X Gerenciamento. Contextualização. Empreendedor Conflitos. Gestão de Recursos Humanos Aula 2 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Liderança Competências gerenciais Formação de equipes Empreendedor Liderança X Gerenciamento Conceito e estilos

Leia mais

LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1

LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1 1 LIDERANÇA: O líder contemporâneo André Lanna 1 RESUMO Este artigo analisa o perfil de diferentes tipos de líderes, bem como a análise de situações encontradas do ponto de vista de gestão de pessoas.

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

ANÁLISE DA ATUAÇÃO DO LÍDER NO SETOR DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO CONCHECITA CIARLINI MOSSORÓ/RN

ANÁLISE DA ATUAÇÃO DO LÍDER NO SETOR DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO CONCHECITA CIARLINI MOSSORÓ/RN 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE DA ATUAÇÃO DO LÍDER NO SETOR DE SERVIÇO SOCIAL DA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO CONCHECITA CIARLINI MOSSORÓ/RN Paula Gurgel Dantas 1, Andréa Kaliany

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie

Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações. Prof Rodrigo Legrazie Escola das relações humanas: Sociologia nas Organizações Prof Rodrigo Legrazie Escola Neoclássica Conceitua o trabalho como atividade social. Os trabalhadores precisam muito mais de ambiente adequado e

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA TIPOS DE LIDERANÇA ADOTADOS POR GESTORES NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Anápolis GO - 05 2015 Marcos Wesley da Silva - Unievangélica marcos.wesley@unievangelica.edu.br Gustavo Ferreira Gomes - Unievangélica -

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE

A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE A ATUAÇÃO DE LÍDERES NA MOTIVAÇÃO DE COLABORADORES, MANTENDO A UNIÃO DA EQUIPE Augusto César de Aguiar CUÉLLAR 1 Victor Dutra MARTINS 2 Roberta Gomes CAVALCANTE 3 RESUMO: As empresas atualmente têm sofrido

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A

8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A 8. AS EQUIPES VIRTUAIS PROMOVENDO VANTAGENS COMPETITIVAS NA BUNGE FERTILIZANTES S/A Adriane Hartman Fábio Gomes da Silva Dálcio Roberto dos Reis Luciano Scandelari 1 INTRODUÇÃO Este artigo pretende mostrar

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Perfil de estilos de personalidade

Perfil de estilos de personalidade Relatório confidencial de Maria D. Apresentando Estilos de venda Administrador: Juan P., (Sample) de conclusão do teste: 2014 Versão do teste: Perfil de estilos de personalidade caracterizando estilos

Leia mais

O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o

O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o O que é Coaching? É um processo que visa aumentar o desempenho de um indivíduo, grupo ou empresa, possibilitando o alcance de resultados planejados, através de metodologias, ferramentas e técnicas, conduzidas

Leia mais

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli

Conflitos. Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos Conflitos, como superá-los com eficácia? por Alexandre Cristiano Rosaneli Conflitos, quem nunca passou por um momento de conflito? A palavra CONFLITO possui uma conotação negativa, sempre imaginamos

Leia mais

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL

COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL COMPETÊNCIAS E COMPORTAMENTO DOS LÍDERES NO CENÁRIO ATUAL 1.Osnei FranciscoAlves 2. Jéssica Barros 1. Professor das Faculdades Integradas Santa Cruz. Administrador, MBA Executivo em Gestão de Pessoas e

Leia mais

Relatório de Competências

Relatório de Competências ANÁLISE CALIPER DO POTENCIAL DE DESEMPENHO PROFISSIONAL Relatório de Competências LOGO CLIENTE CALIPER Avaliação de: Sr. Márcio Modelo Preparada por: Consultora Especializada Caliper e-mail: nome@caliper.com.br

Leia mais

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES?

ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? ESTUDO DE CASO: QUAL GRUPO, FORMAL OU INFORMAL, POSSUI MAIOR INFLUÊNCIA NA EMPRESA V8 PRODUÇÕES LTDA, NA REALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES? Andrieli Ariane Borges Avelar, UNESPAR/FECILCAM João Marcos Borges Avelar,

Leia mais

Aula 5. Teorias sobre Liderança

Aula 5. Teorias sobre Liderança Aula 5 Teorias sobre Liderança Profa. Ms. Daniela Cartoni daniela.cartoni@veris.edu.br O que é Liderança Capacidade de influenciar um grupo em direção ao alcance dos objetivos. Desafios para o líder: desenvolvimento

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br

TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Cursos para Melhoria do desempenho & Gestão de RH TEOREMA CONSULTORIA Rua Roma, 620 Sala 81-B,Lapa Capital- SP CEP: 05050-090 www.teoremaconsult.com.br Administração do Tempo Ampliar a compreensão da importância

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Que Liderança hoje? A Transformação acontece aqui e agora o que permanecerá? Mentoring, Tutoring, Coaching A Inteligência Emocional

Que Liderança hoje? A Transformação acontece aqui e agora o que permanecerá? Mentoring, Tutoring, Coaching A Inteligência Emocional Que Liderança hoje? A Transformação acontece aqui e agora o que permanecerá? Mentoring, Tutoring, Coaching A Inteligência Emocional Estamos numa encruzilhada Não é a falta de saídas que é problemática,

Leia mais

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional

LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional LÍDER COACH Obtenha excelência em sua vida pessoal e profissional Ao investir em pessoas o seu resultado é garantido! Tenha ganhos significativos em sua gestão pessoal e profissional com o treinamento

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

LIDERANÇA, SER OU NÃO SER UM LÍDER?

LIDERANÇA, SER OU NÃO SER UM LÍDER? LIDERANÇA, SER OU NÃO SER UM LÍDER? AILA MORAIS V. DE CARVALHO ALAN CÁSSIO G. EVERTON BENFICA DOS SANTOS MARAISA DE LIMA BARCELOS SHÁDYA AMÁBILLE RAMOS LOPES FACULDADES INTEGRADAS DE TRÊS LAGOAS - AEMS

Leia mais

Programação Novas turmas INSTITUIÇÕES CERTIFICADORAS: PROMOVEM: CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM COACHING. Certificado Europeu. Formadora: Cris Carvalho

Programação Novas turmas INSTITUIÇÕES CERTIFICADORAS: PROMOVEM: CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM COACHING. Certificado Europeu. Formadora: Cris Carvalho Programação Novas turmas INSTITUIÇÕES CERTIFICADORAS: PROMOVEM: CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL EM COACHING Certificado Europeu Formadora: Cris Carvalho Apresentação Este curso foi desenvolvido através da experiência

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

Avaliação Confidencial

Avaliação Confidencial Avaliação Confidencial AVALIAÇÃO 360 2 ÍNDICE Introdução 3 A Roda da Liderança 4 Indicadores das Maiores e Menores Notas 7 GAPs 8 Pilares da Estratégia 9 Pilares do Comprometimento 11 Pilares do Coaching

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais

Evolução da Disciplina. Modelo de Gestão CONTEXTUALIZAÇÃO. As Funções Gerenciais e as Mudanças. As Funções Gerenciais Evolução da Disciplina Modelos de Gestão Aula 1: Principais Modelos das Teorias da Administração Aula 2: Origem, Evolução, Classificação e Tipologia das Organizações Aula 3: Termos comuns às Organizações;

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas

Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Comunicação estratégica como diferencial competitivo para as organizações Um estudo sob a ótica de Administradores e Relações Públicas Ana Carolina Trindade e-mail: carolinatrindade93@hotmail.com Karen

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

Como se tornar um líder de Sucesso!

Como se tornar um líder de Sucesso! Como se tornar um líder de Sucesso! Os 10 mandamentos do Como se tornar um líder de Sucesso! O líder é responsável pelo sucesso ou fracasso de uma organização. A liderança exige de qualquer pessoa, paciência,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento ético

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH

FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH FEG - UNESP MBA GESTÃO DA PRODUÇÃO GESTÃO DE RH Liderança Roberto Carvalho robertjc@uol.com.br Ambientes Turbulentos & Competitivos 10/30/2009 1 Passado Pensamentos mecanicistas! Você não é pago para questionar

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE

AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE MOVE 2015 AVALIAÇÃO E EDUCAÇÃO PERMANENTE DE SAÚDE II CONGRESSO TODOS JUNTOS CONTRA O CANCER MOVE 2015 PRINCIPAIS MENSAGENS 01 AVALIAÇÃO É FUNDAMENTAL PARA GARANTIR A QUALIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE EDUCAÇÃO

Leia mais

Desempenho. Processos. Processos. Gerente Apuração de dados. Avaliação. Avaliação. Avaliação. Planejamento. Implantação. Diagnóstico.

Desempenho. Processos. Processos. Gerente Apuração de dados. Avaliação. Avaliação. Avaliação. Planejamento. Implantação. Diagnóstico. NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSOR-AUTOR: Maria Helena Duarte de Oliveira NAS ORGANIZAÇÕES DESENVOLVIMENTO HUMANO APRESENTAÇÃO Desempenho Sabe-se que uma organização não existe as

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Apresentar

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO

FACULDADE ARQUIDIOCESANA DE CURVELO BEATRIZ APARECIDADE MOURA JOYCE SOARES RIBAS JUCIELE OTTONE MALAQUIAS MARTINS LUANA PÉRSIA DINIZ MÍRIAN DUARTE MACHADO GONZAGA DA SILVA O PAPEL DO GESTOR E A AUTO-ESTIMA DOS FUNCIONÁRIOS UMA ANÁLISE DA

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D

AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D AVALIAÇÃO DO PLANO DE T&D Ariadne Cedraz 1 Léa Monteiro Rocha 2 Luciana Cristina Andrade Costa Franco 3 A quarta e última etapa do processo refere-se à avaliação que tem por objetivo averiguar se os resultados

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO

RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO RESUMO DE CONCLUSÃO DE CURSO CONCEITO Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação de um projeto (técnico, científico, empresarial). Tem

Leia mais

Administração Judiciária

Administração Judiciária Administração Judiciária Planejamento e Gestão Estratégica Claudio Oliveira Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica Conselho Superior da Justiça do Trabalho Gestão Estratégica Comunicação da Estratégia

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Inteligência. Emocional

Inteligência. Emocional Inteligência Emocional Inteligência Emocional O que querem os empregadores?? Atualmente, as habilitações técnicas específicas são menos importantes do que a capacidade implícita de aprender no trabalho

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais