A Famosa Agulhada do Didi. Figura 1 A Agulhada do Didi. Obs: linha azul média de 3 dias linha verde média de 8 dias linha roxa média de 20 dias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Famosa Agulhada do Didi. Figura 1 A Agulhada do Didi. Obs: linha azul média de 3 dias linha verde média de 8 dias linha roxa média de 20 dias"

Transcrição

1 A Famosa Agulhada do Didi Figura 1 A Agulhada do Didi Obs: linha azul média de 3 dias linha verde média de 8 dias linha roxa média de 20 dias Na verdade o padrão aqui e 5 minutos e não dias. Como será dito abaixo, a média segue o intervalo colocado no gráfico. Utilizaremos estas cores paras as médias em todos os gráficos. A agulhada do Didi foi criada pelo famoso grafista brasileiro conhecido como Didi. Ele estudou o comportamento das diversas médias móveis e observando as de 3, 8 e 20 dias determinou a famosa agulhada. Para se visualizar a agulhada do Didi deve-se colocar no seu programa de gráficos as médias móveis de 3, 8 e 20 dias, cada uma com uma cor a sua escolha. Utilize sempre as mesmas cores. Dias aqui seriam o padrão. Se o gráfico for semanal por exemplo, seriam 3, 8 e 20 semanas. Se o gráfico for de 5 minutos seriam 3, 8 e 20 intervalos (candles) de 5 minutos. Considero, em mercados voláteis e de grande volume, o melhor critério para determinar grandes movimentos de alta ou de baixa. A observação da agulhada do didi e bastante simples: 1 - Normas Gerais:

2 a) Escolha um ativo com grande volume e número de negócios elevados. A agulhada perde valor em mercados de pouca liquidez. b) A agulhada é melhor observada em gráficos de candlestick. 2 Preparação da Agulhada: a) Fique atento sempre que as três médias começarem a correr juntas, ou ao menos próximas. b) A agulhada irá acontecer quando, após estarem juntas, elas se separarem. Figura 2 Preparação da Agulhada 3 A Agulhada do Didi de Alta: a) Observe quando as três médias se juntarem b) O ideal é que as três médias, antes de se separarem, passem por dentro de um candle (Como a linha passando pela agulha) c) Ao se separarem, a média de 3 dias sai por cima, a de 8 fica no meio e a de 20 dias sai por baixo.

3 Figura 3 A Agulhada do Didi de Alta 4 A Agulhada do Didi de Baixa: a) Observe quando as três médias se juntarem b) O ideal é que as três médias antes de se separarem, passem por dentro de um candle (Como a linha passando pela agulha) c) Ao se separarem, a média de 20 dias sai por cima, a de 8 fica no meio e a de 3 dias sai por baixo.

4 Figura 4 A Agulhada do Didi de Baixa. 5 - Critérios para conformação e intensificação da agulhada: a) Um candle que confirma o movimento na direção da agulhada, o ideal e que se inicie acima do anterior (no caso de agulhada de alta) ou abaixo do anterior (no caso de agulhada de baixa), não necessariamente com Gap. b) Aumento concomitante do volume ou número de negócios no momento ou logo após a agulhada. c) O fato dela acontecer no rompimento de um suporte ou de uma resistência Observe na figura abaixo os três critérios de intensificação que vão comprovar a agulhada:

5 Figura 5 Critérios de Intensificação da agulhada 6 - O Fim da agulhada a) Alguns consideram que a agulhada terminou e realizam lucro quando ocorre fechamento de um candle abaixo da média de 8 dias (Atenção, fechamento e não somente a perfuração por uma perna (sombra) de um candle. Esta é a forma mais segura mas que pode diminuir os lucros. b) A agulhada termina com certeza quando a fechamento de um candle abaixo da média contrária ao movimento. (A de 20 dias no caso de agulhada de alta e a de 3 dias no caso de agulhada de baixa). Esta forma e mais arriscada mas poderá trazer lucros maiores. c) Pode-se considerar terminada a agulhada tambem quando um objetivo de Fibonacci é totalmente realizado (50% ou 62%) Observe na figura abaixo o fim da agulhada nas três situações: F1 Quando ocorreu fechamento abaixo da média de 8 dias F2 Quando ocorreu fechamento abaixo da média de 20 dias (para o caso de uma agulhada de alta) Fibo Indica realização após extensão de Fibonacci de 50%.

6 Figura 6 O Fim da agulhada 7 - A Agulhada Falsa ou O Violino a) Quando após uma aparente agulhada ocorre movimento na direção contrario a que indica a agulhada ou então ocorre uma acumulação. b) Figuras de reversão como dojis, martelos após a agulhada devem levantar suspeitas quanto a uma falsa agulhada. c) O STOP deve ser dado quando o ponto da agulhada for ultrapassado em direção contraria. Deve-se ficar atento para possível nova agulhada em qualquer das duas direções.

7 Figura 7 A falsa agulhada 8 - Quando Realizar o Lucro? a) Pode-se utilizar as extensoes de fibonacci e realizar o lucro em qual delas o mercado parar encontrar uma resistência forte 38%, 50% ou 62%. A extensão de 50% e sempre a mais provável após uma agulhada. b) Quando umas das situações que mostram que a agulhada acabou, descritas no item 6, a e b. c) Deve-se ficar atento que as vezes o fim da agulhada e falso e ela abre de novo em seguida. Observe na figura abaixo que temos o objetivo de 62% de Fibonacci cumprido e temos o ponto F1 Fechamento abaixo da média de 8 dias. São estes dois critérios para realização de lucros. Apesar disso não temos ainda o ponto F2 Fechamento abaixo da média de 20 dias e no ponto A assinalado no gráfico a agulhada abre de novo. Pode-se realizar o lucro pois dois critérios já foram preenchidos ou esperar o ponto F2 (fechamento abaixo da média de 20 dias). Uma boa estratégia e realizar metade do lucro no ponto F1 e aguardar o ponto F2 para realizar a outra metade.

8 Figura 8 A realização de lucros. 9 A Agulhada do Didi e outros tipos de Gráficos da Análise Técnica: a) Pode-se utilizar a agulhada do Didi em conjunto com outros gráficos como o MACD o estocástico, etc. Estes gráficos servirão de confirmação da agulhada, sendo que para mim o que mais serve para este fim e o MACD. b) A agulhada do Didi em conjunto com o volume, o estudo dos suportes e das resistências e as extensões de Fibonacci já são mais do que suficientes. O uso de outros gráficos fica a critério de cada um. Observe na figura abaixo o cruzamento da linha de 26 dias do MACD pelo sinal, confirmando a Agulhada do Didi. Observe tambem o candle de alta que se inicia acima do anterior após a agulhada confirmando a mesma. Observe o incremento de volume Observe a preparação da agulhada com as três linhas juntas

9 Figura 9 Agulhada do Didi e MACD

CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇÃO DE: FIBONACCI/CANDLESTICKS

CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇÃO DE: FIBONACCI/CANDLESTICKS CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇÃO DE: FIBONACCI/CANDLESTICKS Grafista de Bsb CURSO DE ANÁLISE TÉCNICA APLICAÇAO DE FIBONACCI E CANDLESTICK CONTEÚDO 1 - DEFINIÇÃO DE ANÁLISE TÉCNICA 2 A TÉCNICA 3 - OS

Leia mais

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi

MINICURSO SEMAT. Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities. Lucas Guilherme Rigo Canevazzi MINICURSO SEMAT Análise Técnica para Investimentos em Bolsa de Valores, Índices e Commodities Lucas Guilherme Rigo Canevazzi Matheus Furtado de Souza Popp Prof. Dr. Geraldo Nunes Silva Prof. Dr. Maurílio

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES

ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES Página 1 de 8 ANÁLISE TÉCNICA MÉTODO EQUIPE AÇÕES POR OPÇÕES Olá, apresentaremos um método prático de análise técnica visando o fácil entendimento e a facilidade nas operações. Recomendamos que o leitor

Leia mais

Sumário. Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16. Capítulo 1 Definições básicas...

Sumário. Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16. Capítulo 1 Definições básicas... Marcos Abe Novatec Sumário Agradecimentos...11 Sobre o autor...12 Aviso importante...13 Prefácio...14 Introdução...16 Capítulo 1 Definições básicas...17 Métodos de análise...17 Os agentes do mercado...

Leia mais

CANDLESTICK. Carlos Alberto Debastiani. Um método para ampliar lucros na Bolsa de Valores. Novatec

CANDLESTICK. Carlos Alberto Debastiani. Um método para ampliar lucros na Bolsa de Valores. Novatec CANDLESTICK Um método para ampliar lucros na Bolsa de Valores Carlos Alberto Debastiani Novatec Fundamentos Capítulo 1 A formação dos elementos do gráfico: os candles Ao analisar o mercado, podemos utilizar

Leia mais

Joseilton S. Correia

Joseilton S. Correia O P E R A N D O N A Bolsa de Valores U T I L I Z A N D O ANÁLISE TÉCNICA Aprenda a identificar o melhor momento para comprar e vender ações Joseilton S. Correia Novatec Sumário Agradecimentos... 13 Sobre

Leia mais

Análise Técnica diária

Análise Técnica diária IBOVESPA Índice IBOV / FIQUE DE OLHO >Apesar > da pressão de venda no diário, mercado vai largando doji (candle de indecisão) em área de suporte, colocando um fio de esperança na galera, mas nada que empolgue

Leia mais

Guia de registo de Reserva de Recursos. Reserva de Recursos

Guia de registo de Reserva de Recursos. Reserva de Recursos Reserva de Recursos Indice Introdução 2 Reserva simples 3 Reserva avançada 5 Consulta de disponibilidades de recursos 7 Reservas efetuadas 10 Serviços de Informática - Direção dos Serviços de Documentação

Leia mais

Manual do Usuário. Solução de Informações Gerenciais - BI

Manual do Usuário. Solução de Informações Gerenciais - BI Manual do Usuário Solução de Informações Gerenciais - BI Versão 08.2011 Conteúdo Solução de Informações Gerencias - BI...4 1 - O que encontramos em Versões?...5 2 - O que contém a aba Ajuda?...6 2.1 -

Leia mais

Análise de Investimentos pela Escola Técnica

Análise de Investimentos pela Escola Técnica Análise de Investimentos pela Escola Técnica Eduardo Werneck Diretor de Sustentabilidade da Apimec Apimec - Associação dos Analistas e Profissionais de Investimento do Mercado de Capitais LEANDRO MARTINS

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO Nº 084 Novembro 2012

BOLETIM INFORMATIVO Nº 084 Novembro 2012 BOLETIM INFORMATIVO Nº 084 Novembro 2012 Novo Procedimento para Geração de Ordem de Serviço PREZADO(s) PARCEIRO(s) A Luizaseg tem uma novidade para vocês! Agora, será possível gerar a Ordem de Serviço

Leia mais

Como oferto um lance. Clique nas opções abaixo para ser direcionado ao passo a passo: ATENDIMENTO. - Como oferto um lance?

Como oferto um lance. Clique nas opções abaixo para ser direcionado ao passo a passo: ATENDIMENTO. - Como oferto um lance? Clique nas opções abaixo para ser direcionado ao passo a passo: ATENDIMENTO - Como oferto um lance? - Como imprimo 2ª via de boleto ao cliente? - Como realizo uma transferência de cota? - Onde consulto

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Regional de São Paulo. Escola SENAI Hessel Horácio Cherkassky

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL. Departamento Regional de São Paulo. Escola SENAI Hessel Horácio Cherkassky SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Departamento Regional de São Paulo GUIA DE REFERÊNCIA RÁPIDA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUIA DO ALUNO Cubatão SP SUMÁRIO página 1. O QUE É ESTÁGIO SUPERVISIONADO?

Leia mais

OBJETIVO MATERIAL POPULAÇÃO APLICAÇÃO INSTRUÇÕES 31/08/2011

OBJETIVO MATERIAL POPULAÇÃO APLICAÇÃO INSTRUÇÕES 31/08/2011 OBJETIVO TESTE DE ATENÇÃO CONCENTRADA TEACO-FF Avaliação Psicológica II Professora: Patrícia Volpato Avalia a capacidade de uma pessoa em selecionar apenas uma fonte de informação diante de vários estímulos

Leia mais

Commodities Agrícolas

Commodities Agrícolas Commodities Agrícolas sexta-feira, 13 de setembro de 2013 CAFÉ CAFÉ Bolsas Venc Ajuste Máx BM&F Mín Variação Venc Ajuste ICE FUTURES Máx Mín Variação SET13 139,70 0,00 0,00-0,55 SET13 116,25 116,10 115,75-0,20

Leia mais

Manual do Sistema de Trâmite de Processos da UFMT

Manual do Sistema de Trâmite de Processos da UFMT Manual do Sistema de Trâmite de Processos da UFMT Sumário OBJETIVO...2 INFORMAÇÕES...3 GRUPOS...4 OPERAÇÃO COM PROCESSOS E OFICIOS...5 USUÁRIOS...6 ACESSO...7 1º ACESSO...8 TELA INICIAL DO ACESSO...9 MENU:

Leia mais

3 Estratégias de Análise Técnica

3 Estratégias de Análise Técnica 3 Estratégias de Análise Técnica Como foi visto no Capítulo 2, as estratégias dos investidores do mercado são compostas por dois fatores, a saber: o mecanismo de ativação σ i (t) (Eq. 2-10) e o mecanismo

Leia mais

PROJETO PILOTO. Setembro 2015

PROJETO PILOTO. Setembro 2015 PROJETO PILOTO Setembro 2015 Manual completo de funcionamento do projeto: Instruções Iniciais, Perguntas Frequentes e Tutorial de Utilização 1 Projeto Piloto - Aplicativo Di@rio de Classe 1) Instruções

Leia mais

SISTEMA AGHOS. Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas

SISTEMA AGHOS. Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas AGHOS - GESTÃO E REGULAÇÃO ASSISTENCIAL E FINANCEIRA DE SAÚDE MÓDULO DE REGULAÇÃO AMBULATORIAL DE CONSULTAS ESPECIALIZADAS ESPECIALIZADAS Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas SISTEMA

Leia mais

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem.

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar. Ceder a passagem apenas ao meu veículo. Ceder a passagem apenas ao veículo

Leia mais

Apostila da Oficina. Aprenda a Investir na Bolsa de Valores

Apostila da Oficina. Aprenda a Investir na Bolsa de Valores Apostila da Oficina Aprenda a Investir na Bolsa de Valores O objetivo da Oficina é ensinar como começar a investir no mercado acionário. Então vamos iniciar recapitulando os passos básicos. A primeira

Leia mais

Mini Curso Básico De Introdução Ao Metasys. Apostila 1

Mini Curso Básico De Introdução Ao Metasys. Apostila 1 Mini Curso Básico De Introdução Ao Metasys. Apostila 1 Aluno: Turma Aula 1: Objetivos Aprender quais são as partes principais do computador, e quais suas funcoes. Aprender a ligar e desligar o computador

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA ACESSO ÀS NOTIFICAÇÕES FEITAS PELO NOTIVISA Interessado: DETENTOR DO REGISTRO DO PRODUTO REGISTRADO EM SEU NOME = Empresa

ORIENTAÇÃO PARA ACESSO ÀS NOTIFICAÇÕES FEITAS PELO NOTIVISA Interessado: DETENTOR DO REGISTRO DO PRODUTO REGISTRADO EM SEU NOME = Empresa ORIENTAÇÃO PARA ACESSO ÀS NOTIFICAÇÕES FEITAS PELO NOTIVISA Interessado: DETENTOR DO REGISTRO DO PRODUTO REGISTRADO EM SEU NOME = Empresa I Acesso do Notivisa 1. Empresa deverá acessar o Notivisa pelo

Leia mais

GUIA DO USUÁRIO. FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTONIO CARLOS Faculdade Presidente Antônio Carlos de Nova Lima BIBLIOTECA PROFESSOR BONIFÁCIO ANDRADA

GUIA DO USUÁRIO. FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTONIO CARLOS Faculdade Presidente Antônio Carlos de Nova Lima BIBLIOTECA PROFESSOR BONIFÁCIO ANDRADA GUIA DO USUÁRIO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO De segunda às sextas-feiras: de 13:00h às 21:50h. OBS: No período de férias, o horário de funcionamento poderá sofrer alterações. CADASTRAMENTO DOS USUÁRIOS Para

Leia mais

Ordem de Serviços. Abaixo será informado o procedimento passo a passo para emissão da ordem de serviço no CIAF.

Ordem de Serviços. Abaixo será informado o procedimento passo a passo para emissão da ordem de serviço no CIAF. Ordem de Serviços. Abaixo será informado o procedimento passo a passo para emissão da ordem de serviço no CIAF. 1 -Abertura da Ordem de Serviços: 1.1 Entre em Serviços + Ordem de Serviço + Abertura de

Leia mais

TELA INICIAL: BOTÕES INICIAIS:

TELA INICIAL: BOTÕES INICIAIS: Sumário 1. Tela Inicial... 02 2. Venda [F1]... 03 a. Cliente [F2]... 03 b. Importar [F9]... 04 c. Produtos [F3]... 04 d. Fechamento [F4]... 05 e. Impressão, Ponto de Referência e Observações... 07 f. Consulta

Leia mais

AGHOS - GESTÃO E REGULAÇÃO ASSISTENCIAL E FINANCEIRA DE SAÚDE MÓDULO DE REGULAÇÃO AMBULATORIAL DE CONSULTAS ESPECIALIZADAS

AGHOS - GESTÃO E REGULAÇÃO ASSISTENCIAL E FINANCEIRA DE SAÚDE MÓDULO DE REGULAÇÃO AMBULATORIAL DE CONSULTAS ESPECIALIZADAS Manual de Regulação Ambulatorial de Consultas Especializadas SISTEMA AGHOS Versão 01.2011 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 1. O SISTEMA...4 1.1 Acesso ao Sistema AGHOS:...4 1.2 Teclas de funções do Sistema:...5 1.3

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Geral. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Geral Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema de Almoxarifado

Leia mais

Curso Análise Técnica 1

Curso Análise Técnica 1 Curso Análise Técnica 1 Módulo 2 de 4 Continuação do Módulo 1 www.tradernauta.com.br Médias Móveis Linhas contínuas utilizadas como Suporte e Resistência; Podem ser traçadas com qualquer média estatística,

Leia mais

TREINAMENTO LBCGAS. MODULO Financeiro

TREINAMENTO LBCGAS. MODULO Financeiro TREINAMENTO LBCGAS MODULO Financeiro INDICE 1. Faturamento de clientes 3 2. Contas a Pagar 10 3. Contas a Receber 13 4. Cartão de crédito 14 5. Cheques 18 6. Devolução de cheques 22 7. Boleto Bancário

Leia mais

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica

Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análises: Análise Fundamentalista Análise Técnica Análise Fundamentalista Origem remonta do final do século XIX e princípio do século XX, quando as corretoras de bolsa tinham seus departamentos de análise

Leia mais

ACESSANDO A PÁGINA DO CADASTRO DE DEPÓSITOS

ACESSANDO A PÁGINA DO CADASTRO DE DEPÓSITOS ACESSANDO A PÁGINA DO CADASTRO DE DEPÓSITOS Localize o processo no sistema. Na capa do processo em INFORMAÇÕES ADICIONAIS clique na opção DEPÓSITO JUDICIAL. 1. CADASTRANDO CONTAS JUDICIAIS 1.1- Na tela

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento do Imposto sobre

Leia mais

Este programa tem a finalidade de incluir campos novos que serão utilizados na Folha de Pagamento.

Este programa tem a finalidade de incluir campos novos que serão utilizados na Folha de Pagamento. Rio de Janeiro, 18 de Junho de 2013. 2ª Circular do Ano de 2013. Ref: - Criação de um Modelo adicional de Homologet (2) - Comunicado de Dispensa em Meio Magnético - Relação de Contribuição Sindical (PIS)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MANGARATIBA. Manual Rápido SERVIDOR PÚBLICO

PREFEITURA MUNICIPAL DE MANGARATIBA. Manual Rápido SERVIDOR PÚBLICO PREFEITURA MUNICIPAL DE MANGARATIBA Manual Rápido SERVIDOR PÚBLICO CONTRACHEQUE E COMPROVANTE DE RENDIMENTOS MANUAL DESENVOLVIDO PELA: SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO PESSOAL Elaborado

Leia mais

FUNCIONALIDADE MANUTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO Plataforma eletrónica da certificação

FUNCIONALIDADE MANUTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO Plataforma eletrónica da certificação FUNCIONALIDADE MANUTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO Plataforma eletrónica da certificação DSQA / Agosto 2015 Este documento tem como objetivo apoiar as entidades formadoras registadas na plataforma eletrónica da

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE CONSIGNADOS COMPRAS/ RECEBIMENTO/ ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO

SOLICITAÇÃO DE CONSIGNADOS COMPRAS/ RECEBIMENTO/ ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO 1 de 8 Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Processo MTQ, OAP, JBM 1 Objetivo Gestão de material de alto custo consignado, estabelecendo fluxo de solicitação,

Leia mais

O que é o Sistema Geodésico de Referência? Qual é o Sistema Geodésico adotado no Brasil? Qual a diferença entre o Sistema SAD69 e SIRGAS2000?

O que é o Sistema Geodésico de Referência? Qual é o Sistema Geodésico adotado no Brasil? Qual a diferença entre o Sistema SAD69 e SIRGAS2000? O que é o Sistema Geodésico de Referência? É um sistema coordenado que serve de referência ao posicionamento no globo terrestre ou em um território nacional ou continental, utilizado para representar características

Leia mais

Apostila de Análise Gráfica

Apostila de Análise Gráfica Apostila de Análise Gráfica Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE ANÁLISE GRÁFICA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS DE SELEÇÃO E INGRESSO PAVE EDITAL 053/2015 04/10/2015 INSTRUÇÕES PARA O DIA DA PROVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS DE SELEÇÃO E INGRESSO PAVE EDITAL 053/2015 04/10/2015 INSTRUÇÕES PARA O DIA DA PROVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS DE SELEÇÃO E INGRESSO PAVE EDITAL 053/2015 04/10/2015 INSTRUÇÕES PARA O DIA DA PROVA ! UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS COORDENAÇÃO DE PROCESSOS

Leia mais

Levantamento de processos de negócio. Douglas Machado Silva douglas.machado@uniriotec.br

Levantamento de processos de negócio. Douglas Machado Silva douglas.machado@uniriotec.br Levantamento de processos de negócio Douglas Machado Silva douglas.machado@uniriotec.br Objetivos da aula Entender o que é o levantamento de processos de negócio Conhecer abordagens de levantamento de

Leia mais

REGISTRO DE PROJETOS

REGISTRO DE PROJETOS REGISTRO DE PROJETOS 1. REGISTRO DE PROJETOS Esta aplicação tem o objetivo de realizar o Registro de Projetos da Instituição. É possível, incluir, alterar ou excluir essas informações. 1.1. Acessando a

Leia mais

Manual Sistema AtecSoftware

Manual Sistema AtecSoftware Manual Sistema AtecSoftware ÍNDICE Sistema Janela principal... 3, 4 Cadastros Cadastro de Horários... 5, 6, 7, 8, 9, 10 Cadastro de Funcionários... 11 Feriados... 12,13 Movimentações Movimentações... 14,

Leia mais

1º Passo. Página para acessar o FacWeb

1º Passo. Página para acessar o FacWeb Página para acessar o FacWeb 1º Passo O usuário deverá digitar no campo usuário/senha - o CPF e/ou CNPJ / no campo Acesso deve ser preenchido conforme tipo da Clínica, Laboratório e ou médico/ Logo em

Leia mais

4.2.1 Resumo do enquadramento de operações para procedimentos especiais

4.2.1 Resumo do enquadramento de operações para procedimentos especiais 1 / 7 CAPÍTULO IV DO PREGÃO ELETRÔNICO 4.1 LEILÕES Denomina-se apregoação por leilão aquela realizada com destaque das demais, mencionando-se, obrigatoriamente, o Ativo, o lote e o preço. As apregoações

Leia mais

PROPOSTA DE QUESTIONÁRIO PARA AUTO-AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO INSTRUMENTO APLICÁVEL A TODOS OS SEGMENTOS ATENDIDOS PELO CURSO

PROPOSTA DE QUESTIONÁRIO PARA AUTO-AVALIAÇÃO DE CURSOS DE GRADUAÇÃO INSTRUMENTO APLICÁVEL A TODOS OS SEGMENTOS ATENDIDOS PELO CURSO DADOS GERAIS DE IDENTIFICAÇÃO [PERFIL] (Com vistas a tabulação e cruzamento de variáveis): CURSO. CODIGO DO CURSO, CPC; DATA DA ULTIMA AVALIAÇÃO EXTERNA; TAXA DE SUCESSO; PORTARIA DE RECONHECIMENTO. RESPONDENTES.

Leia mais

MENU DE COMMODITIES SOJA MAIO (SOJK10) Soja fechou em leve baixa, trabalha na casa entre 21,50 e 21,80. JULHO 2009/ MAIO 2010 (N/K)

MENU DE COMMODITIES SOJA MAIO (SOJK10) Soja fechou em leve baixa, trabalha na casa entre 21,50 e 21,80. JULHO 2009/ MAIO 2010 (N/K) MENU DE COMMODITIES SOJA MAIO (SOJK10) SOJA MAIO (SOJK10) Médias no Profitchart utilizando o after market. Tempo 60 minutos MÉDIAS 12 SIMPLES E 23 SIMPLES TEMPO 60 MINUTOS SUPORTE 1 R$ 21,80 SITUAÇÃO VENDA

Leia mais

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t)

ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS. Gráfico posição x tempo (x x t) ESTUDO GRÁFICO DOS MOVIMENTOS No estudo do movimento é bastante útil o emprego de gráficos. A descrição de um movimento a partir da utilização dos gráficos (posição x tempo; velocidade x tempo e aceleração

Leia mais

Documentação Trade Manager. Metarobôs.

Documentação Trade Manager. Metarobôs. Documentação Trade Manager Metarobôs. Gráfico Parâmetro declaração do ativo operado: Sempre utilize letras MAIÚSCULAS (números são padrões). Não deixe o nome do ativo em BRANCO. Só será permitido deixar

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE EMISSÃO DE PARECER TÉCNICO

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE EMISSÃO DE PARECER TÉCNICO MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE EMISSÃO DE PARECER TÉCNICO CADASTRO NO SISTEMA 1 INÍCIO Para dar início ao cadastro de solicitação, digite o número do CNPJ da

Leia mais

Este documento tem o objetivo de orientar e esclarecer sobre os procedimentos para adesão ao ProInfo Programa Nacional de Informática na Educação.

Este documento tem o objetivo de orientar e esclarecer sobre os procedimentos para adesão ao ProInfo Programa Nacional de Informática na Educação. Prezado(a) Prefeito(a), Este documento tem o objetivo de orientar e esclarecer sobre os procedimentos para adesão ao ProInfo. Estes procedimentos estão divididos em três etapas: Primeira Etapa Termo de

Leia mais

ANEXO VIII DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA NOMEAÇÃO AUXILIAR ADMINISTRATIVO

ANEXO VIII DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA NOMEAÇÃO AUXILIAR ADMINISTRATIVO ANEXO VIII DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA NOMEAÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA NOMEAÇÃO AUXILIAR ADMINISTRATIVO Completo Completo Verde TÉCNICO DE LABORATÓRIO/CIÊNCIAS Profissionalizante na Área ou Diploma

Leia mais

Sistema Integrado de Atendimento

Sistema Integrado de Atendimento Sistema Integrado de Atendimento Sistema Integrado de Atendimento. Um sistema moderno, completo e abrangente que modifica a realidade do atendimento de sua empresa, proporcionando maior segurança na tomada

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo Programa AMG Manual de Operação Conteúdo 1. Sumário 3 2. Programa

Leia mais

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO

APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO APLICAÇÃO DA TEORIA DAS FILAS NO SISTEMA DE ATENDIMENTO DE UMA EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO Ana Victoria da Costa Almeida (anavictoriaalmeida@yahoo.com.br / UEPA) Kelvin Cravo Custódio (kelvim_scb9@hotmail.com

Leia mais

Se A é o sucesso, então é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada. (Albert Einstein)

Se A é o sucesso, então é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada. (Albert Einstein) Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância da Malagueira Teste de Avaliação Matemática 9ºB Nome: Nº: Data: 4 3 11 Classificação: A prof: O Enc. Educação: Se A é o sucesso, então é igual a X mais Y mais

Leia mais

Guia de Consulta do Portal Educacional

Guia de Consulta do Portal Educacional Guia de Consulta do Portal Educacional 1 Apresentação No Portal Educacional Web o aluno terá acesso as seguintes informações: Dados cadastrais, Faltas por etapa, Frequência diária, Notas por etapa e Quadro

Leia mais

Se A é o sucesso, então é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada. (Albert Einstein)

Se A é o sucesso, então é igual a X mais Y mais Z. O trabalho é X; Y é o lazer; e Z é manter a boca fechada. (Albert Einstein) Escola Básica Integrada c/ Jardim de Infância da Malagueira Teste de Avaliação Matemática 9ºB Nome: Nº: Data: 4 3 11 Classificação: A prof: O Enc. Educação: Se A é o sucesso, então é igual a X mais Y mais

Leia mais

I. Personalizando a Área de Trabalho

I. Personalizando a Área de Trabalho 1 I. Personalizando a Área de Trabalho Área de Trabalho (desktop) do Novo Painel de Negociação do Home broker: Existem quatro desktops disponíveis para uso. Para alternar entre um e outro, clique sobre

Leia mais

PIBIC Online Manual do Usuário

PIBIC Online Manual do Usuário SIG@UFPE PIBIC Online PIBIC Online Manual do Usuário SIG@UFPE PIBIC Online ÍNDICE 1. OBJETIVOS DO DOCUMENTO 4 2. INTRODUÇÃO 5 3. FORMULÁRIO DE AUTO AVALIAÇÃO 6 3.1. ACESSO 6 3.1.1. Menu Principal 6 3.1.2.

Leia mais

2º ano do Ensino Médio

2º ano do Ensino Médio 2º ano do Ensino Médio Instruções: 1. Você deve estar recebendo um caderno com dez questões na 1ª parte da prova, duas questões na 2ª parte e duas questões na 3ª parte. Verifique, portanto, se está completo

Leia mais

Manual da AGENDA GRACES 2011

Manual da AGENDA GRACES 2011 1 Agenda Graces Manual da AGENDA GRACES 2011 O Sistema Agenda Graces integrada ao Sistema Graces e Agenda Graces Grátis foi desenvolvido pela empresa Quorum Informática. Este Manual tem por objetivo atender

Leia mais

Velocidade Média. Se um

Velocidade Média. Se um Velocidade Média 1. (Unicamp 2013) Para fins de registros de recordes mundiais, nas provas de 100 metros rasos não são consideradas as marcas em competições em que houver vento favorável (mesmo sentido

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS. Manual do Usuário

SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS. Manual do Usuário SISTEMA DE BIBLIOTECAS DO IFRS Manual do Usuário Acesso Rápido Apresentação 2 Consulta ao Catálogo do SiBIFRS 3 Pesquisa geral 5 Opções de consulta 7 Detalhamento da obra 8 Detalhamento da obra Guia Exemplares

Leia mais

Data: Turma: 5º anos A B C

Data: Turma: 5º anos A B C Aluno (a): Nº TRABALHO 2º BIMESTRE - ENSINO FUNDAMENTAL Disciplina: Interdisciplinar Professor(a): Danielle e Patrícia Data: Turma: 5º anos A B C Vamos rumo ao 2 bimestre? Muito bem, nossa tarefa dessa

Leia mais

Relatórios. Manual. Pergamum

Relatórios. Manual. Pergamum Relatórios Manual Pergamum Manual PER-MAN-005 Estatísticas Circulação de Materiais - Geral Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 1-4 1.1 PESQUISANDO ESTATÍSITICAS E RELATÓRIOS... 1-10 1.2 UTILIZANDO O MÓDULO RELATÓRIOS...

Leia mais

Guia Rápido - CMA Series 4 Premium/Start. Guia Rápido de Utilização do CMA Series 4 Premium/Start

Guia Rápido - CMA Series 4 Premium/Start. Guia Rápido de Utilização do CMA Series 4 Premium/Start Guia Rápido de Utilização do CMA Series 4 Premium/Start 1 Prezado Usuário (a), Seja bem vindo (a) ao Guia Rápido de Utilização do CMA Series 4 Premium/Start, um roteiro prático para iniciar as configurações

Leia mais

CONSIDERAÇÕES INICIAIS

CONSIDERAÇÕES INICIAIS Página 1 de 7 Considerações Iniciais Previous Top Next CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1 - Procedimento de Backup - Segurança Recomendamos a Atualização do Sistema pelo Site da Sistematec, para utilizar a última

Leia mais

Introdução ao jseta (Sistema para o Estudo Técnico de Ações em JAVA) e ao estudo técnico de ações

Introdução ao jseta (Sistema para o Estudo Técnico de Ações em JAVA) e ao estudo técnico de ações Introdução ao jseta (Sistema para o Estudo Técnico de Ações em JAVA) e ao estudo técnico de ações José Tarcísio F. de Camargo Faculdade Municipal Professor Franco Montoro (2012) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Vamos ver duas telas: Mesa e Itens de uma Mesa, como exemplo.

Vamos ver duas telas: Mesa e Itens de uma Mesa, como exemplo. 41 9 Restaurantes, Pizzarias, Hotéis, Casas Noturnas e similares Aos estabelecimentos como Restaurantes, há os controles de Atendentes, Quartos, Mesas, VIP (Cartões Pessoais de Consumação) e as comissões

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS DIVULGAÇÃO DE COMPRAS DISPENSA / INEXIGIBILIDADE MANUAL DO USUÁRIO

Leia mais

Curso de Inteligência Financeira

Curso de Inteligência Financeira Curso de Inteligência Financeira 1.1- Porque planejar-se financeiramente? 1.2- O que é Inteligência Financeira? 1.3- Guia da Academia Financeira Ajudando você a conquistar sua independência financeira

Leia mais

Manual do Sistema "Coelho - Sistema de Analise Loterica" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Coelho - Sistema de Analise Loterica Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Coelho - Sistema de Analise Loterica" Editorial Brazil Informatica I Coelho - Sistema de Analise Loterica Conteudo Part I Introdução 2 1 Coelho- Sistema... de Analise Loterica 2 Part

Leia mais

PAINEL DIGITAL SUNDOW WEB - COMPLETO * SD40

PAINEL DIGITAL SUNDOW WEB - COMPLETO * SD40 RUA SIGFREDO DAY, 50 - SOBRELOJA CIC CEP 81.170-650 CURITIBA PR FONE / FAX: (41)3014-3536. E-MAIL: vendas@guster.com.br INSTRUMENTOS AUTOMOTIVOS MONITORAMENTO DE VEÍCULOS RASTREADORES GPS - TRAVAS PAINEL

Leia mais

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS

GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS GUIA DO COORDENADOR DE PROJETOS Sumário 1. Introdução... 2 2. Início Portal Coordenador... 2 2.1. Novos Pedidos... 2 2.2. Pendências... 3 2.3. Menu... 4 2.4. Sair... 4 3. Saldo de Projetos... 5 4. Extrato

Leia mais

DIRF 2012 (Ano base 2012) Entrega e Prazo. Da Obrigatoriedade de Entrega

DIRF 2012 (Ano base 2012) Entrega e Prazo. Da Obrigatoriedade de Entrega DIRF 2012 (Ano base 2012) A RFB (Receita Federal do Brasil) divulgou as regras para o preenchimento e o envio da Dirf (Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte) 2013. A Instrução Normativa nº 1.297/2012

Leia mais

1 ACESSO PARA SECRETÁRIA... 4 2 - CONFIGURAR HORÁRIOS DE ATENDIMENTO... 4 2.1 BLOQUEANDO E HABILITANDO HORÁRIOS... 5 3 PRÉ-DEFININDO PARÂMETROS DE

1 ACESSO PARA SECRETÁRIA... 4 2 - CONFIGURAR HORÁRIOS DE ATENDIMENTO... 4 2.1 BLOQUEANDO E HABILITANDO HORÁRIOS... 5 3 PRÉ-DEFININDO PARÂMETROS DE 2 1 ACESSO PARA SECRETÁRIA... 4 2 - CONFIGURAR HORÁRIOS DE ATENDIMENTO... 4 2.1 BLOQUEANDO E HABILITANDO HORÁRIOS... 5 3 PRÉ-DEFININDO PARÂMETROS DE ATENDIMENTO... 6 4 - A TELA AGENDA... 7 4.1 - TIPOS

Leia mais

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico do TCE/SP, aplicada em 06/12/2015.

Resolução da Prova de Raciocínio Lógico do TCE/SP, aplicada em 06/12/2015. de Raciocínio Lógico do TCE/SP, aplicada em 6/12/215. Raciocínio Lógico p/ TCE-SP Na sequência, criada com um padrão lógico-matemático, (1; 2; 1; 4; 2; 12; 6; 48; 24;...) o quociente entre o 16º termo

Leia mais

Tamanho da arte. Margens. O que é Sangra? Caixa de informações

Tamanho da arte. Margens. O que é Sangra? Caixa de informações Tamanho da arte O site disponibiliza para download os Arquivos padrão, que são arquivos modelo para auxiliar a confecção do seu material. Eles possuem margens predefinidas e tamanho adequado ao tipo de

Leia mais

Manual de Solicitante

Manual de Solicitante Conteúdo 1. OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 3 2. CONHECENDO O MAXIMO... 4 3. CRIANDO UMA SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO.... 6 4. CONSULTAR CHAMADOS ABERTOS... 8 5. ACEITAR SOLUÇÃO DA SOLICITAÇÃO E REABERTURA DA SOLICITAÇÃO....

Leia mais

MANUAL do UTILIZADOR

MANUAL do UTILIZADOR Software OFICIAR Gestão de Expediente Versão 2 para Windows MANUAL do UTILIZADOR Janeiro de 2014 J.P.M. & ABREU, Lda. Apartado 2927 2410-902 LEIRIA Telef: 244800570 Fax: 244 824576 Linha Verde: 800 225

Leia mais

Manual de apoio à plataforma de candidaturas a cursos de mestrado e pós-licenciatura

Manual de apoio à plataforma de candidaturas a cursos de mestrado e pós-licenciatura Manual de apoio à plataforma de candidaturas a cursos de mestrado e pós-licenciatura Centro de Informática e Técnico 1 passo 1: abrir candidatura O primeiro passo consiste em efetuar a abertura do processo

Leia mais

Curso Análise Técnica 1

Curso Análise Técnica 1 Curso Análise Técnica 1 Módulo 1 de 4 www.tradernauta.com.br Introdução Análise Técnica ou Gráfica Avaliação dos preços históricos de um ativo por meio de um gráfico típico para realizar projeções de performance

Leia mais

Multimedidor Portátil MPK

Multimedidor Portátil MPK [1] Introdução O Multimedidor Portátil é um instrumento que facilita a análise de instalações elétricas em campo com alta flexibilidade. A solução é composta de: Multimedidor: Instrumento digital microprocessado,

Leia mais

Alguns conselhos para melhorar a qualidade do polimento

Alguns conselhos para melhorar a qualidade do polimento Alguns conselhos para melhorar a qualidade do polimento Página 1 de 7 Conselhos para melhorar a Qualidade do Polimento INTRODUÇÃO Para conferir um polimento de excelente qualidade às chapas ou ladrilhos

Leia mais

MANUAL DO PETICIONAMENTO ELETRÔNICO

MANUAL DO PETICIONAMENTO ELETRÔNICO 2013 MANUAL DO PETICIONAMENTO ELETRÔNICO Via Sistema de Automação da Justiça (SAJ) DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Homero Lupo Medeiros Defensor Público de Primeira Instância SUMÁRIO

Leia mais

Educação Física Componente Escrita

Educação Física Componente Escrita Informação Prova de Equivalência à Frequência / Prova Final de Ciclo Educação Física Componente Escrita Prova 26 2015 9.º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 45 minutos 3º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei

Leia mais

Alertas ComStop Manual de Instruções

Alertas ComStop Manual de Instruções Alertas ComStop Manual de Instruções Índice: 1. Introdução: O que são e quando são enviados os Alertas 2. Como visualizar os Alertas ComStop no seu Terminal Enfoque 3. Alertas de Compra e Venda 3.1 Botão

Leia mais

Manual Ponto System CB7 WWW.PONTOSYSTEM.COM.BR. Telefones: (041) 3333-4740

Manual Ponto System CB7 WWW.PONTOSYSTEM.COM.BR. Telefones: (041) 3333-4740 Manual Ponto System CB7 WWW.PONTOSYSTEM.COM.BR Telefones: (041) 3333-4740 1 ÍNDICE Instalação do Sistema... 3 Atualização do Sistema... 4 Acesso ao Sistema... 5 Janela principal... 6 Cadastros Cadastro

Leia mais

Material. 2 Cristiane Débora

Material. 2 Cristiane Débora Feltro : - Cor de pele - Verde claro - verde escuro - Branco - Cáqui - Marrom - Laranja - Bege Papelão Paraná Palito de churrasco Manta siliconada 2 mini botões/ 2 meio pérolas pretas Linhas das cores

Leia mais

Manual do programa EXPERT PARK Versão 1.x

Manual do programa EXPERT PARK Versão 1.x Manual do programa EXPERT PARK Versão 1.x Ifox Eletrônica Ltda página: 1 de 31 1 Índice 1 ÍNDICE...2 2 APRESENTAÇÃO...3 3 TELA PRINCIPAL...4 3.1 TELA DE CADASTRAMENTOS E RELATÓRIOS F9...4 3.1.1 CADASTRA

Leia mais

DIÁRIO DE CLASSE ELETRÔNICO APRESENTAÇÃO... 2

DIÁRIO DE CLASSE ELETRÔNICO APRESENTAÇÃO... 2 DIÁRIO DE CLASSE ELETRÔNICO APRESENTAÇÃO... 2 PLANO DE CURSO Como cadastrar um plano de curso?... 3 Como importar um plano de curso?... 4 Como cadastrar o conteúdo programático?... 7 Como cadastrar atividades

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE INSERÇÃO PROJETO DE TUTORIA ACADÊMICA

MANUAL PRÁTICO DE INSERÇÃO PROJETO DE TUTORIA ACADÊMICA MANUAL PRÁTICO DE INSERÇÃO PROJETO DE TUTORIA ACADÊMICA 2014 ACESSO AO SISTEMA Após acessar o site da UNIPAR www.unipar.br, deve-se acessar o link Diretorias Ensino Superior, e no campo Programa de Tutoria

Leia mais

Pró-Reitoria de Educação a Distância. Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos

Pró-Reitoria de Educação a Distância. Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos Pró-Reitoria de Educação a Distância Manual do Ambiente Virtual de Aprendizagem para alunos Como acessar o ambiente 1. Entre no Ambiente Virtual de Aprendizagem localizado na página principal do Portal

Leia mais

Para os demais formatos, o relatório será gerado mas virá com configurações incorretas.

Para os demais formatos, o relatório será gerado mas virá com configurações incorretas. Balancete Orçamentário Produto : TOTVS Gestão Patrimonial - 12.1.6 Processo : Relatórios Subprocesso : Balancete Orçamentário Data publicação da : 17/06/2015 O Balancete é um relatório contábil oficial

Leia mais

LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES

LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Pós Graduação em Engenharia de Produção Ênfase na Produção Enxuta de Bens e Serviços (LEAN MANUFACTURING) LEAN E A TEORIA DAS RESTRIÇÕES Exercícios de Consolidação - gabarito - Prof. Eduardo G. M. Jardim,

Leia mais

REGISTRO VISITA TÉCNICA COMISSÃO TEMÁTICA DE ATIVIDADES PRODUTIVAS PROJETO DA COOPERATIVA DE CORTE, COSTURA E ARTESANATO

REGISTRO VISITA TÉCNICA COMISSÃO TEMÁTICA DE ATIVIDADES PRODUTIVAS PROJETO DA COOPERATIVA DE CORTE, COSTURA E ARTESANATO REGISTRO VISITA TÉCNICA COMISSÃO TEMÁTICA DE ATIVIDADES PRODUTIVAS 1 PROJETO DA COOPERATIVA DE CORTE, COSTURA E ARTESANATO PROGRAMA ENERGIA SOCIAL PARA A SUSTENTABILIDADE LOCAL Perolândia - GO Data: 22/08/2012

Leia mais

MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA

MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA MANUAL CONTRATAÇÃO DE EVENTOS PRÉ EVENTO A) ELABORAÇÃO DA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E TRÂMITES PARA CONTRATAÇÃO DA EMPRESA 1) Reunião Prévia (Responsável: Secretaria Demandante) Solicitação de Contratação,

Leia mais

Manual de Procedimentos. Acesso pelo Produtor -AGRODEFESA- GTI-

Manual de Procedimentos. Acesso pelo Produtor -AGRODEFESA- GTI- Manual de Procedimentos Acesso pelo Produtor -AGRODEFESA- GTI- 1 Sumário SUMÁRIO... 2 1. SISTEMA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DE GOIÁS (SIDAGO)... 3 1.1. Endereço de Acesso... 3 1.2. Criação de Login e Senha

Leia mais