Introdução... 3 Requisitos funcionais... 4 Requisitos não funcionais... 6 Viabilidade técnica... 7

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução... 3 Requisitos funcionais... 4 Requisitos não funcionais... 6 Viabilidade técnica... 7"

Transcrição

1

2 Índice Introdução... 3 Requisitos funcionais... 4 Requisitos não funcionais... 6 Viabilidade técnica ) HARDWARE... 7 Decisão ) LINGUAGENS E FRAMEWORKS Decisão ) SOFTWARE Decisão ) PROBLEMÁTICA ACTUAL ) CONCLUSÃO

3 Introdução De acordo com o processo de criação de um projeto é fulcral definir os requisitos funcionais e a viabilidade técnica do mesmo, uma vez que estes permitem entender o que o utilizador irá enfrentar na utilização da aplicação e o que realmente é necessário para o correto desenvolvimento da aplicação, sendo que o presente documento vem, então, responder a esta necessidade. 3

4 Requisitos funcionais Os requisitos funcionais (figura 1 e 2) representam as ações/funcionalidades possíveis de executar na aplicação por parte do utilizador. Para uma melhor organização, e de acordo com o que foi pedido, estes foram agrupados de acordo com os ecrãs ou momentos na aplicação, hierarquizados por prioridade de implementação. Foram também associados ao acesso por parte dos dois tipos de utilizadores: registados e não registados, havendo ainda a indicação das dependências entre os requisitos. Figura 1 4

5 Figura 2 5

6 Requisitos não funcionais Nos requisitos não funcionais (figura 3) procuramos perceber o que seria fundamental que a aplicação tivesse tanto a nível de arquitetura física como da arquitetura lógica. De realçar que este tipo de requisitos não depende do utilizador. Figura 3 Tendo em conta os requisitos não funcionais definidos, podemos construir um esquema de forma a entender qual a ligação existente entre os mesmos. Desta forma, conseguimos também perceber qual será a arquitetura sobre a qual a aplicação irá funcionar (figura 4). Figura 4 6

7 Viabilidade técnica Em termos da elaboração da viabilidade técnica, o grupo está limitado uma vez que nos foi apenas atribuído a box da MEO para o desenvolvimento da aplicação. Para além disso, as funcionalidades necessárias para o correcto funcionamento da mesma irão necessitar do mesmo HARDWARE, SOFTWARE e linguagens de programação. Sendo que a plataforma televisão interativa irá ser utilizada mais como um suporte de consulta de informação e não produção e edição, toda a programação irá basear-se na apresentação dessa informação através da correcta comunicação com o servidor. No entanto, apesar de estarmos limitados dessa forma, pensamos que seria importante fazer a comparação entre as várias soluções possíveis. 1) HARDWARE Em termos de hardware, teremos a necessidade de três dispositivos. No primeiro caso, iremos necessitar de um televisor que permita a ligação à Meo box, que pode ser tanto por HDMI ou por ligação SCART, pois a box é que irá ser responsável pelo processamento da informação que irá receber bem como de toda a interação realizada pelo utilizador, sendo o utilizador apenas um dispositivo de output. Em termos da box a utilizar, existem várias opções a que poderíamos recorrer, como é o caso da Meo Box, da set-up box Tru2way ou até mesmo da Zon Box (figura 5 e 6). a) Meo Box A Meo Box tem a essencial vantagem de permitir o suporte de aplicações interactivas na sua box, pois o facto de esta funcionar através de IPTV faz com que seja mais simples a ligação ao servidor de forma a efetuar os necessários pedidos ao servidor para a execução da aplicação. Para além disso, funciona com o sistema operativo Windows CE, sistema utilizado neste tipo de plataforma bem como em Tablet PC ou outros dispositivos móveis. Outra vantagem está no facto de esta box estar disponível nos Laboratórios da Sapo de forma aberta, ou seja, está já preparada para a implementação de aplicações que poderão ser desenvolvidas na própria universidade, sendo então mais acessível por parte do grupo. b) True2way A Tru2way consiste não apenas na box mas também num serviço de televisão interativo, tal como a Meo. Permite também o desenvolvimento de aplicações interactivas, tendo apenas como diferença a utilização do middleware baseado em 7

8 Java. Não utiliza Java na sua totalidade, mas sim uma API do Java (JavaTV) desenvolvida exclusivamente para a criação de aplicações para set-up boxes. Para além disso, o facto de suportar Java, faz com que seja possível o desenvolvimento de aplicações não só por parte dos operadores responsáveis pela ligação, mas também por parte de outros programadores. c) Zon Box A Zon Box é também uma possível hipótese uma vez que esta já suporta um conjunto de widgets que permitem a interatividade do utilizador com o dispositivo e ter acesso a informação que não está relacionada apenas com o conteúdo de programação da televisão. No entanto, tendo em conta a experiência pessoal dos elementos do grupo deste aparelho bem como na opinião de vários internautas espalhados pelos vários blogues portugueses, entendemos que a velocidade de interatividade e os paradigmas utilizados em termos de interface não são muito favoráveis para os requisitos funcionais de que dispomos. Isto poderia levar a um tempo de espera para o utilizador entre os vários ecrãs demasiado excessivo, o que acabaria por tornar esta aplicação algo cuja implementação no mercado não seria do interesse da operadora Zon. Para além da problemática da velocidade, existe também o facto da documentação em relação ao ambiente de desenvolvimento neste dispositivo ser muito reduzida. Figura 5 8

9 Figura 6 d) Base de dados Outra necessidade em termos de hardware será então um servidor MySQL que seja responsável pelo armazenamento da base de dados bem como toda a informação que dela irá fazer parte. Uma vez que iremos recorrer à linguagem C.Sharp que recorre à.net Framework, e sabendo que o sistema operativo da Meo Box é o da Microsoft e a linguagem utilizada no desenvolvimento para esta box é o C.Sharp ou Visual Basic.Net, o ideal seria a utilização de um servidor com MS SQL Server, pois este sistema contém uma componente chamada SQL CLR (Common Languagem Runtime) que possui já incorporada a.net Framework Runtime, ou seja, possui já a framework responsável pelo processamento e execução de programas que recorre ao.net, como é o caso do C.Sharp ou do Visual Basic.NET. No entanto é de frisar o MS SQL Server está apenas disponível para plataforma Windows. A outra hipótese seria então utilizar o sistema de base de dados SQL. Este é um sistema gratuito que, ao contrário do MS SQL Server é possível instalar em qualquer 9

10 plataforma (Windows, Linux ou Mac OS X) e também é um sistema que é utilizado pela maioria dos fornecedores de alojamento na web. Decisão: Uma vez que o equipamento que nos irá ser fornecido em primeira instância será a Meo Box, então este será o dispositivo pelo qual nos iremos basear, uma vez que também o Laboratório da Sapo nos permite utilizar a sua box para o desenvolvimento da aplicação e respetivo teste. Em relação ao servidor, iremos recorrer ao MySQL pois, tal como indicado acima, este é gratuito e é compatível com todas as plataformas que estão associadas a este projeto (Web, Mobile e itv). Fontes consultadas: Wikipedia. "Microsoft SQL Server - Wikipedia, the free encyclopedia." Consultado a , a partir de Microsoft. "Database Management Data Mining & Warehousing Microsoft SQL Server." Consultado a , a partir de Microsoft. "Hardware and Software Requirements for installing SQL Server 2008 R2" Consultado a , a partir de Wikipedia. "Tru2way - Wikipedia, the free encyclopedia." Consultado a , a partir de Tru2way. "tru2way." Consultado a , a partir de Admin. "Meo Box o que é?." Consultado a , a partir de Meo. "Manual de Utilização." Consultado a , a partir de Wikipedia. "Windows CE - Wikipedia, the free encyclopedia." Consultado a , a partir de Vlaskha. "Bugs da ZON BOX HD+/HD+DVR." Consultado a , a partir de 10

11 2) LINGUAGENS E FRAMEWORKS a) C.Sharp e Visual Basic.Net Em termos de linguagens, teremos duas escolhas ao nosso dispor. É necessário ter em conta que ambas terão que suportar a.net Framework, uma vez que esta framework consiste numa livraria que permite a utilização de interfaces de utilizador, acesso a informação localizada numa base de dados, e que permite sobretudo o desenvolvimento de programas para o sistema operativo Windows, como é o caso da Meo Box. Desta forma, poderemos tanto recorrer ao C.Sharp como ao Visual Basic.NET (figura 7). Ambas possuem uma desvantagem para os elementos do grupo, pois a experiência de desenvolvimento com recurso a estas é praticamente nula, o que faz com que seja necessário recorrer a uma fase de aprendizagem em termos do seu funcionamento, sintaxe e mecanismos de segurança. b) Windows Presentation Framework Enquanto C.Sharp e Visual Basic.NET são responsáveis por toda a vertente lógica, irá ser necessário recorrer ao Windows Presentation Framework (WPF) para a vertente gráfica e de interface. Esta Framework consiste na utilização do DirectX que faz a renderização de todo o subsistema gráfico das aplicações criadas para Windows. Mais uma vez, esta recorre à biblioteca.net, pelo que a única escolha em termos de software para a criação de toda a vertente gráfica será este sistema (figura 8). c) XML Uma vez que o nosso serviço irá recorrer a um conjunto de feeds de forma a recolher informação relacionada com ofertas de emprego a partir de várias fontes, é necessário que essa informação seja convertida para XML para depois ser então colocada no servidor, pois os feeds RSS que são fornecidos por parte dos vários websites que estão codificados por código XML (figura 8). 11

12 Figura 7 12

13 Figura 8 13

14 Decisão: Uma vez que estamos limitados a estas linguagens, e depois de termos contactado um elemento do Laboratório da Sapo, foi-nos aconselhado a utilização do C.Sharp, uma vez que teríamos o apoio por parte do próprio laboratório pois todas as aplicações para o Meo são lá desenvolvidos por esta linguagem. Em relação à vertente gráfica, não temos também nenhuma segunda escolha, uma vez que o Windows Presentation Framework recorre ao.net Framework, tal como o C.Sharp, de forma a que haja alguma correspondência entre ambas. Para além disso, mais uma vez, esta é a framework que o Laboratório também utiliza e em que nos pode dar mais apoio e documentação. Fontes consultadas: Wikipedia. " C Sharp (programming_language) - Wikipedia, the free encyclopedia." Consultado a , a partir de Microsoft. "Getting started with Visual C#." Consultado a , a partir de Wikipedia. " Visual Basic.NET - Wikipedia, the free encyclopedia." Consultado a , a partir de Wikipedia. " Windows Presentation Foundation - Wikipedia, the free encyclopedia." Consultado a , a partir de Microsoft. "Windows Presentation Foundation." Consultado a , a partir de Microsoft. "Introducing Windows Presentation Foundation." Consultado a , a partir de W3Schools. "Introducing to XML." Consultado a , a partir de 14

15 3) SOFTWARE a) Microsoft Visual Studio Como software iremos recorrer ao Microsoft Visual Studio (figura 9). É uma ferramenta IDE (Integrated Development Environment) que permite, para além da programação em C.Sharp ou Visual Basic.NET, a integração do WPF bem como da.net Framework. Desta forma é possível ter a integração de todos os ingredientes necessários para o desenvolvimento da aplicação que pretendemos. Apesar disso, também possui uma versão gratuita, fazendo com que a nível de custos não tenhamos quaisquer limitações, uma vez mais que a própria WPF também é gratuita. Para além disso, é necessário utilizar o Microsoft Mediaroom ADK, ou seja, num plugin que permite a integração também com o Microsoft Visual Studio de forma a que seja possível o desenvolvimento da aplicação juntamente com o WPF. O Microsoft Mediaroom é uma plataforma de edição de software que funciona através de IPTV cujo sistema operativo utilizado é o Windows. Esta é uma plataforma que assegura a interatividade do utilizador com o serviço de televisão, como o serviço on-demand ou a programação televisiva. Desta forma, é necessário a utilização do Application Development Kit do Microsoft Mediaroom de forma a que a aplicação que vamos desenvolver seja compatível com a Meo Box. Para além disso, a integração deste pacote só é possível com o Microsoft Visual Studio, uma vez que todo o software pertence à Microsoft. b) Eclipse Outra escolha possível como ferramenta IDE (Integrated Development Environment) será então o Eclipse (figura 9). Esta é uma ferramenta open-source, gratuita muito intuitiva e que está disponível para várias plataformas (Windows, Linux e Mac OS X). Apesar disso, ela permite utilizar uma extensa quantidade de plugins e frameworks de forma a tornar a programação mais produtiva e simples. Apesar de ser utilizada maioritariamente para desenvolvimento em Java, ela permite a instalação de outros plugins de forma a que seja possível o desenvolvimento em outras linguagens. Esta seria uma excelente ferramenta para o desenvolvimento da aplicação em C.Sharp, uma vez mais que inclui o plugin para utilizar a.net Framework bem como para a Windows Presentation Framework. No entanto, não permite a incorporação com o Microsoft Mediaroom ADK, pacote essencial para o desenvolvimento desta aplicação, uma vez que a Meo Box recorre a este software. 15

16 Figura 9 Decisão: Ao analisar ambas as hipóteses para o desenvolvimento da aplicação, escolheríamos o Eclipse, uma vez que este é gratuito e muito intuitivo. No entanto, o facto de não permitir utilizar o Microsoft Mediaroom ADK, faz com que seja uma opção a descartar. Para além disso, depois de contactar um elemento do Laboratório da Sapo, foi-nos vivamente aconselhado utilizarmos o Microsoft Visual Studio, uma vez que é este o software utilizado pelo Laboratório e que de certa forma nos podem ajudar em qualquer problema que tenhamos. Outra razão para esta escolha é o facto de este IDE permitir a incorporação tanto da Windows Presentation Framework como o Microsoft Mediaroom ADK de forma a termos acesso a ferramentas e opções essenciais para o correto desenvolvimento e funcionamento da aplicação. 16

17 Fontes consultadas: Wikipedia. " Microsoft Visual Studio - Wikipedia, the free encyclopedia." Consultado a , a partir de Microsoft. "Visual Studio Home Microsoft Visual Studio." Consultado a , a partir de Wikipedia. " Microsoft mediaroom - Wikipedia, the free encyclopedia." Consultado a , a partir de Microsoft. "Introducing to WPF." Consultado a , a partir de Microsoft. "Microsoft Mediaroom Presentation Framework Building Differantiated Experiences 2.0." Consultado a , a partir de award.de/fileadmin/user_upload/material/microsoft_mediaroom_presentation_framework_- _white_paper.pdf Microsoft. "Overview of Microsoft Visual Studio 2010 Professional Microsoft Visual Studio." Consultado a , a partir de editions/professional/overview 17

18 4) PROBLEMÁTICA ACTUAL Após uma análise a todas as várias possibilidades, entendemos que a Meo Box coloca-nos algumas limitações. Em primeira instância, gostaríamos de referir que a linguagem de programação utilizada no desenvolvimento de aplicações para esta box é desconhecida pelos elementos do grupo e, dada a necessidade de uma aprendizagem e o curto espaço temporal que temos ao nosso dispor, temos em mente uma segunda hipótese para a criação do protótipo de alta-fidelidade, sendo esta o Adobe Flash. Não só a linguagem a utilizar na Meo Box nos levou a esta hipótese, mas também algumas características que não são favoráveis tendo em conta o número de funcionalidades e a sua exigência ao nível de processamento. Visto que a capacidade de memória RAM da box é muito reduzida (128MB) e o processador também possui uma velocidade de relógio reduzida (266Mhz), concluímos que a velocidade da navegação e de todas as ações de interação seria muito baixa, uma vez que a quantidade de informação a ser disponibilizada, tanto texto, como vídeos e imagens das várias empresas e do utilizador é elevada, afastando assim potenciais utilizadores. Fontes consultadas: Meo. "Manual de Utilização." Consultado a , a partir de 18

19 5) CONCLUSÃO Considerando a plataforma escolhida para este projeto televisão interativa e de acordo com a informação que nos foi dada inicialmente, em que a implementação seria na Meo Box, é de realçar que este seria o cenário ideal mas que pode não se realizar. Tendo em conta as limitações técnicas que este equipamento nos apresenta, surgiu a possibilidade de o protótipo se realizar em Adobe Flash, para que também se cumpram as funcionalidades desejadas e não condicionarmos a ação do utilizador. Caso optemos pelo desenvolvimento na Meo Box será necessário existir uma aprendizagem da linguagem de C.Sharp e a utilização do software como o Microsoft Visual Studio 2010 Profissional, Windows Presentation Framework e Microsoft MediaRoom ADK, uma vez que estas aplicações e linguagens são as utilizadas pelo Laboratório da Sapo e as quais nos foram aconselhadas pelo mesmo. Por outro lado, se optarmos pela prototipagem em Adobe Flash, em termos de linguagem de programação, precisamos dos conhecimentos, já adquiridos, de ActionScript 3. De realçar que foi também importante a consideração do JobFinder nas outras duas plataformas, web e mobile, sendo que o servidor deveria ser compatível com os três serviços, daí optarmos pelo MySQL. Nota: A decisão acerca da opção escolhida será tomada o mais breve possível. 19

Índice. Introdução... 3 Requisitos funcionais... 4 Viabilidade técnica... 6. Requisitos não funcionais... 18 Conclusão... 19

Índice. Introdução... 3 Requisitos funcionais... 4 Viabilidade técnica... 6. Requisitos não funcionais... 18 Conclusão... 19 Índice Introdução... 3 Requisitos funcionais... 4 Viabilidade técnica... 6 1) HARDWARE... 6 2) LINGUAGENS E FRAMEWORKS... 11 3) SOFTWARE... 14 4) DECISÃO... 17 Requisitos não funcionais... 18 Conclusão...

Leia mais

YMT REQUISITOS FUNCIONAIS + REFLEXÃO VIABILIDADE TÉCNICA

YMT REQUISITOS FUNCIONAIS + REFLEXÃO VIABILIDADE TÉCNICA REQUISITOS FUNCIONAIS + REFLEXÃO VIABILIDADE TÉCNICA YMT DeCA NTC ANO3 PROJECTO NTC SEM2 RENATO COSTA RICARDO CARVALHO TIAGO FIGUEIREDO MARTIM SANTOS JOÃO ELVAS REQUISITOS FUNCIONAIS 1. Paradigma de interacção

Leia mais

Principais características

Principais características .Net Framework O que é.net? Proprietário da Microsoft Versão simplificada para Linux Versão compacta para dispositivos móveis Plataforma de desenvolvimento e execução Interface com usuário, conectividade

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService

Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService Faculdade de Negócios e Administração de Sergipe Disciplina: Integração Web Banco de Dados Professor: Fábio Coriolano Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService Professor: Fabio

Leia mais

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes Ambiente de Programação Visual Framework.NET Prof. Mauro Lopes 1-31 13 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net. Ao final desta aula, o aluno terá compreendido a Arquitetura de uma aplicação.net.

Leia mais

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes

Ambiente de Programação Visual. Framework.NET. Prof. Mauro Lopes. Ambiente de Programação Visual Prof. Mauro Lopes Ambiente de Programação Visual Framework.NET Prof. Mauro Lopes 1-31 16 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net. Ao final desta aula, o aluno terá compreendido a Arquitetura de uma aplicação.net.

Leia mais

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C#

Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Linguagem de Programação 3 Framework.NET, Microsoft Visual C# 2010 Express e Elementos da Linguagem C# Prof. Mauro Lopes 1-31 35 Objetivos Nesta aula iremos apresentar a tecnologia.net, o ambiente de desenvolvimento

Leia mais

Novas Tecnologias Microsoft. http://formacao.rumos.pt/

Novas Tecnologias Microsoft. http://formacao.rumos.pt/ Novas Tecnologias Microsoft http://formacao.rumos.pt/ Rich Internet Applications (RIA) Carlos Lima carlos.lima@rumos.pt Agenda Objectivos da sessão O que é uma RIA O que é o Silverlight Software necessário

Leia mais

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi

Fundament n os s da platafo f rm r a. NE N T André Menegassi Fundamentos da plataforma.net André Menegassi O que é o.net Framework?.NET é uma plataforma de software para desenvolvimento de aplicações que conecta informações, sistemas, pessoas e dispositivos através

Leia mais

Introdução à Computação. Conceitos básicos sobre computadores. ISEP DEI, Angelo Martins 2006 Conceitos básicos sobre computadores - 1

Introdução à Computação. Conceitos básicos sobre computadores. ISEP DEI, Angelo Martins 2006 Conceitos básicos sobre computadores - 1 Introdução à Computação Conceitos básicos sobre computadores ISEP DEI, Angelo Martins 2006 Conceitos básicos sobre computadores - 1 Conteúdo Computadores Apresentação sumária da estrutura interna dos computadores

Leia mais

ASP.NET 2.0 e PHP. Autor: Glauber de Almeida e Juarez Fernandes

ASP.NET 2.0 e PHP. Autor: Glauber de Almeida e Juarez Fernandes ASP.NET 2.0 e PHP Autor: Glauber de Almeida e Juarez Fernandes Linguagens pesquisadas ASP.NET 2.0 e PHP. 1 - ASP.NET 2.0 ASP.NET não é nem uma linguagem de programação como VBScript, php, nem um servidor

Leia mais

Viabilidade Técnica - #entrega02 INTRODUÇÃO LISTA DE MATERIAL

Viabilidade Técnica - #entrega02 INTRODUÇÃO LISTA DE MATERIAL Índice INTRODUÇÃO LISTA DE MATERIAL PORQUÊ? TECNOLOGIAS ANDROID MESA TOUCH E COMPONENTES PULSEIRA BLUETOOTH PONTOS DE ACESSO BLUETOOTH SISTEMA DE VIGILÂNCIA ROOTER ECRÃ EXTERNO PLATAFORMAS ADOBE ILLUSTRATOR

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 4 Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software 2 1 OBJETIVOS

Leia mais

Gestão da Informação

Gestão da Informação Gestão da Informação Problemas típicos das empresas no âmbito da gestão da informação Luis Borges Gouveia, lmbg@ufp.pt Aveiro, Fevereiro de 2001 elementos de estudo Empresa (abordagem sistémica) conceptualizada

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III. Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br. Agenda

Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III. Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br. Agenda Informática para Gestão de Negócios Linguagem de Programação III Prof. Me. Henrique Dezani dezani@fatecriopreto.edu.br Professor Apresentação Agenda Ementa, Objetivo, Conteúdo Programático, Bibliografia,

Leia mais

A interface do Microsoft Visual Studio 2005

A interface do Microsoft Visual Studio 2005 Tarefa Orientada 1 A interface do Microsoft Visual Studio 2005 Objectivos: Introdução à framework.net Iniciar o Visual Studio 2005. Criar um novo projecto de Windows Forms em Visual Basic Introdução à

Leia mais

Relatório de projecto

Relatório de projecto Relatório de projecto 9ºB 2005/2006 Página 1 de 12 1) Projecto inicial O projecto proposto é fruto de uma proposta independente que se integrou num dos projectos a integrar e desenvolver na disciplina

Leia mais

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor.

UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES Fortaleza - CE Apresentação. O mais famoso tipo de arquitetura utilizada em redes de computadores

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE AULA 1 CAMPUS SANTO ANDRÉ CELSO CANDIDO SEMESTRE 2014 1 Características da Plataforma.NET A plataforma.net Framework 4.0 (.NET 4.0) é uma plataforma de softwares que fornece

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 1. estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 1. estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 1 estrutura do curso e conceitos fundamentais professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com Sobre o docente Especialista em Desenvolvimento Web (UEM) Mestre em Tecnologia Educacional

Leia mais

Como acompanhar a evolução dos aplicativos? Console >> Desktop >> Web >> Mobile >> Cloud. Como aproveitar o melhor de cada programador?

Como acompanhar a evolução dos aplicativos? Console >> Desktop >> Web >> Mobile >> Cloud. Como aproveitar o melhor de cada programador? Como acompanhar a evolução dos aplicativos? Console >> Desktop >> Web >> Mobile >> Cloud Como aproveitar o melhor de cada programador? Clientes querem tudo pra ontem. Como atender essa necessidade? Microsoft.NET

Leia mais

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS

FUNDAÇÃO PARQUE TECNOLÓGICO DE SANTOS Anexo I Modelo para inscrição e apresentação dos projetos EDITAL DE CONVOCAÇÃO PÚBLICA nº 01/2016 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Nome ou Razão Social 1.2 Ramo de atividade (se empresa) 1.3 Endereço completo 1.4

Leia mais

Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML

Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML Estudo comparativo de diferentes linguagens de interfaces baseadas em XML Ricardo Alexandre G. C. Martins, José Carlos Ramalho, and Pedro Rangel Henriques \{ram,jcr,prh\}@di.uminho.pt Departamento de Informática

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

Redes Sociais na Educação Contextos, Cases e Frameworks

Redes Sociais na Educação Contextos, Cases e Frameworks 299 Redes Sociais na Educação Contextos, Cases e Frameworks Vitor Hugo Lopes¹, Karina Wiechork¹, Adriana Soares Pereira¹, Roberto Franciscatto¹ 1 Colégio Agrícola de Frederico Westphalen (CAFW) - Universidade

Leia mais

Integração de Sistemas de Informação Universitários via Web Services

Integração de Sistemas de Informação Universitários via Web Services Integração de Sistemas de Informação Universitários via s Carlos Costa Serviços Académicos da Universidade dos Açores CMATI Universidade dos Açores ccosta@uac.pt Ana Cristina Melo Serviços Acção Social

Leia mais

Seu manual do usuário KASPERSKY LAB ADMINISTRATION KIT 8.0 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3741343

Seu manual do usuário KASPERSKY LAB ADMINISTRATION KIT 8.0 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3741343 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para KASPERSKY LAB ADMINISTRATION KIT 8.0. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas

Leia mais

Conteúdo Programático de PHP

Conteúdo Programático de PHP Conteúdo Programático de PHP 1 Por que PHP? No mercado atual existem diversas tecnologias especializadas na integração de banco de dados com a WEB, sendo o PHP a linguagem que mais se desenvolve, tendo

Leia mais

Papyrus: Sistema de compras de livros, uma proposta do Instituto Federal do Paraná - Campus Curitiba

Papyrus: Sistema de compras de livros, uma proposta do Instituto Federal do Paraná - Campus Curitiba Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Papyrus: Sistema de compras de livros, uma proposta do Instituto Federal do Paraná - Campus Curitiba Eutália Cristina do Nascimento Moreto (IFPR) - cristina.moreto@ifpr.edu.br

Leia mais

Pi Personnel Information

Pi Personnel Information Pi Personnel Information Ao contrário da maioria dos actuais sistemas de Assiduidade e Acessos, o PI foi projectado para ser muito mais do que apenas uma aplicação. É capaz de combinar poderosas ferramentas,

Leia mais

Visual Studio Team System 2008 Test Edition com MSDN Premium. Visual Studio Team System 2008 Architecture Edition com MSDN Premium

Visual Studio Team System 2008 Test Edition com MSDN Premium. Visual Studio Team System 2008 Architecture Edition com MSDN Premium PROFISSIONAIS System subscrição System com System Architecture com System Test com System com Projectos de base de dados com integração sistema de versões de todos os objectos e suporte para representação

Leia mais

SOFTWARES. Rotina de Instruções. Dados

SOFTWARES. Rotina de Instruções. Dados SOFTWARES 1 CONCEITOS Podemos dizer que os softwares são a alma do computador, eles são responsáveis pelo seu funcionamento e aproveitamento. De uma forma geral os softwares se desenvolvem através de uma

Leia mais

2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC

2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC Agrupamento de escolas de Pevidém 2-Introdução e Conceitos Básicos das TIC Conhecer e adotar regras de ergonomia e exploração de diferentes tipos de software Prof.: Alexandra Matias Sumário Conhecer as

Leia mais

BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS

BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS 21/11/2013 PET Sistemas de Informação Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 1 BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS Leonardo Pimentel Ferreira Higor Ernandes Ramos Silva 21/11/2013

Leia mais

Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva

Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva Google Web Toolkit* Clério Damasceno Soares, Daniel da Silva Filgueiras e Fábio Figueiredo da Silva Universidade Federal de Juiz de Fora UFJF-MG Campo Universitário Bairro Marmelos Juiz de Fora MG Brasil

Leia mais

Sistema para gestão de restaurante

Sistema para gestão de restaurante Sistema para gestão de restaurante Luciana Tavares Rosa luciana.rosa@inf.aedb.br AEDB Fábio Rezende Dutra fabio.dutra@inf.aedb.br AEDB Resumo:O sistema para gestão de restaurante é um software desenvolvido

Leia mais

Resolução de avarias de MPEG

Resolução de avarias de MPEG Resolução de avarias de MPEG Esta secção é para utilizadores de cardiologia que visualizam MPEGs. Consulte os seguintes tópicos para o ajudarem a resolver problemas detectados ao visualizar MPEGs. Componentes

Leia mais

Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem. Luiz Filipe Licidonio. Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms. Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem. Luiz Filipe Licidonio. Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms. Porto Alegre, Rio Grande do Sul 1 Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem Luiz Filipe Licidonio Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms Porto Alegre, Rio Grande do Sul luiz_np_poa@hotmail.com 2 Análise de Sistemas I: Programação em

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0 CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0 2011 1 1. APRESENTAÇÃO No momento de sua concepção não haviam informações detalhadas e organizadas sobre os serviços de Tecnologia da

Leia mais

Edição Colaborativa de Documentos

Edição Colaborativa de Documentos Edição Colaborativa de Documentos Que uso fazem os docentes da FEUP de ferramentas de edição colaborativa? Supervisor: José Cruz Monitora: Raquel Pinho Equipa EQ58B: 080501320 Frederico Martins 080501223

Leia mais

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Willian Magalhães 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.

Módulo I - Introdução. Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010. Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres. Módulo I - Introdução Aula 2 Carlos Eugênio Torres Engenheiro de Informática http://cetorres.com Faculdade Christus Sistemas de Informação 17/09/2010 Graduado em Ciência da Computação pela UFC, Brasil

Leia mais

Guia de Instalação TOTVS Segurança e Acesso 11.6.7

Guia de Instalação TOTVS Segurança e Acesso 11.6.7 10/2013 Sumário 1. Prefácio... 3 1.1. Finalidade... 3 1.2. Público Alvo... 3 1.3. Organização deste Guia... 3 1.4. Documentações Importantes... 4 2. Introdução... 5 2.1. Arquitetura Distribuída do Produto...

Leia mais

Vitor Diogo Faria Pereira. Programador / Analista de Sistemas e Software

Vitor Diogo Faria Pereira. Programador / Analista de Sistemas e Software Curriculum Vitae INFORMAÇÃO PESSOAL Vitor Diogo Faria Pereira Rua da Vista Alegre nº184 1ºdrt, 4815-519 Vizela (Portugal) 936369288 vitor_pereira_16@sapo.pt Skype vitor_pereira_16 Sexo Masculino Data de

Leia mais

MOBILIDADE NA GESTÃO DE CUSTOS DE EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO. DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO

MOBILIDADE NA GESTÃO DE CUSTOS DE EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO. DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO MOBILIDADE NA GESTÃO DE CUSTOS DE EDIFÍCIOS DE HABITAÇÃO. DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO Ciro Miranda Aluno - Engenharia Informática (FCT-UFP) 00@ufp.pt Nuno Magalhães Ribeiro Professor Associado - Faculdade

Leia mais

Paradigmas de Linguagens de Programação

Paradigmas de Linguagens de Programação Paradigmas de Linguagens de Programação Faculdade Nova Roma Cursos de Ciências da Computação (6 Período) Prof. Adriano Avelar - Site: www.adrianoavelar.com Email: edson.avelar@yahoo.com.br Ementa Introdução

Leia mais

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle.

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle. Introdução Os principais elementos de um sistema de computação são a unidade central de processamento (central processing unit CPU), a memória principal, o subsistema de E/S (entrada e saída) e os mecanismos

Leia mais

Apresentação. Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 2002 Waldemar Celes

Apresentação. Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 2002 Waldemar Celes Apresentação A disciplina de Estruturas de Dados (ED) está sendo ministrada em sua nova versão desde o segundo semestre de 1998. Trata-se da segunda disciplina de informática oferecida no curso de Engenharia

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2010 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural)

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural) Universidade Federal de Campina Grande Pb Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Projeto em Computação I 2111185 Professora: Francilene Procópio Garcia, P.Sc Alunos: Arnaldo de Sena Santos;

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário Asura 9.6, Asura Pro 9.6, Garda 5.6...2 PlugBALANCEin 6.6, PlugCROPin 6.6, PlugFITin 6.6, PlugRECOMPOSEin 6.6, PlugSPOTin 6.6,...2 PlugTEXTin 6.6, PlugINKSAVEin 6.6, PlugWEBin

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comercial e Editorial OneVision Software AG Sumário Asura 9.5, Asura Pro 9.5,Garda 5.0...2 PlugBALANCEin 6.5, PlugCROPin 6.5, PlugFITin 6.5, PlugRECOMPOSEin 6.5, PlugSPOTin 6.5,...2 PlugTEXTin 6.5, PlugINKSAVEin 6.5, PlugWEBin

Leia mais

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa Adobe Flex Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa O que é Flex? Estrutura de Código aberto para a criação de aplicativos Web Utiliza o runtime do Adobe

Leia mais

19/05/2009. Módulo 1

19/05/2009. Módulo 1 ASP.NET Módulo 1 Objetivo Mostrar os conceitos fundamentais da plataforma Microsoft.Net e suas ferramentas; Apresentar os conceitos fundamentais de aplicações web e seus elementos; Demonstrar de forma

Leia mais

Instalação do PrefSuite 2008 Requisitos Dezembro de 2008

Instalação do PrefSuite 2008 Requisitos Dezembro de 2008 Instalação do PrefSuite 2008 Requisitos Dezembro de 2008 Conteúdos 1. Requisitos para a instalação do PrefSuite 3 1.1. Cliente 3 1.1.1. Mínimo 3 1.1.2. Recomendado 3 1.2. Servidor 4 1.2.1. Mínimo 4 1.2.2.

Leia mais

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework

Introdução ao C# . Visão geral do.net Framework Introdução ao C# Microsoft.NET (comumente conhecido por.net Framework - em inglês: dotnet) é uma iniciativa da empresa Microsoft, que visa uma plataforma única para desenvolvimento e execução de sistemas

Leia mais

Principais Responsabilidades:

Principais Responsabilidades: DESENHO DE CARGO E TAREFAS DO DESENVOLVEDOR WEB Conhecimento dos sistemas gerenciadores de banco (MySQL), modelagem de dados, inglês técnico. Conhecimento em plataformas e metodologias de desenvolvimento

Leia mais

Aula 4: Montagem e Disponibilização Frameworks Genéricos

Aula 4: Montagem e Disponibilização Frameworks Genéricos Aula 4: Montagem e Disponibilização Frameworks Genéricos Diego Passos Universidade Federal Fluminense Técnicas de Projeto e Implementação de Sistemas II Diego Passos (UFF) Montagem e Disponibilização Frameworks

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Acronis Backup & Recovery 10 Server for Windows

Acronis Backup & Recovery 10 Server for Windows Acronis Backup & Recovery 10 Server for Windows Guia da Instalação Índice 1 Antes da instalação...3 1.1 Componentes do Acronis Backup & Recovery 10... 3 1.1.1 Agente para Windows... 3 1.1.2 Criador de

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas.

MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas. MANUAL DE INSTALAÇÃO O melhor sistema de Gestão Financeira para micro e pequenas empresas. INDÍCE 1. Características gerais 2. Guia rápido de instalação 3. Processo de instalação 4. Opções avançadas de

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO E PESQUISA FORMULÁRIO II: Relatório de Atividades de Pesquisa

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO E PESQUISA FORMULÁRIO II: Relatório de Atividades de Pesquisa PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO DIRETORIA DE INOVAÇÃO E PESQUISA FORMULÁRIO II: Relatório de Atividades de Pesquisa 1. IDENTIFICAÇÃO TÍTULO TMCAP Tecnologia Móvel para Captura e Armazenamento

Leia mais

Controlo de acessos em rede

Controlo de acessos em rede Manual do software Controlo de acessos em rede Access (Versão do software: 1.0.2) (Versão do documento: 1.0.9) Para mais informação, visite o nosso website: www.simonalert.com Página - 1 - Para mais informação,

Leia mais

Produção de aplicativo de catálogo de cursos da UTFPR para o sistema Android

Produção de aplicativo de catálogo de cursos da UTFPR para o sistema Android Produção de aplicativo de catálogo de cursos da UTFPR para o sistema Android Wenner S. Santos*, Marcos Silvano Orita Almeida* *COINT / UTFPR, Campo Mourão, Brasil e-mail: wenner.santos@hotmail.com Resumo/Abstract

Leia mais

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes

Microsoft.NET. Desenvolvimento Baseado em Componentes Microsoft.NET Lirisnei Gomes de Sousa lirisnei@hotmail.com Jair C Leite jair@dimap.ufrn.br Desenvolvimento Baseado em Componentes Resolução de problemas específicos, mas que podem ser re-utilizados em

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 1000/3000

Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 1000/3000 Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy 1000/3000 Serviços HP Dados técnicos O Serviço de instalação e arranque da solução de armazenamento de rede HP StoreEasy

Leia mais

Coletor de Dados de Medição em Média e Alta Tensão Através de Hand Helds

Coletor de Dados de Medição em Média e Alta Tensão Através de Hand Helds XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Coletor de Dados de Medição em Média e Alta Tensão Através de Hand Helds C. E. Affonso

Leia mais

Prof. Me. Marcos Echevarria

Prof. Me. Marcos Echevarria Prof. Me. Marcos Echevarria Como definição, protótipo é qualquer representação da ideia de um produto. Na Engenharia de Software, protótipos podem ser entendidos como uma representação gráfica, não necessariamente

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

13/10/11 TIPOS DE UTILITÁRIOS UTILITÁRIOS 0798 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO TIPOS DE UTILITÁRIOS TIPOS DE UTILITÁRIOS

13/10/11 TIPOS DE UTILITÁRIOS UTILITÁRIOS 0798 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO TIPOS DE UTILITÁRIOS TIPOS DE UTILITÁRIOS 2 OBJETIVOS E COMPETÊNCIAS OBJETIVOS Instalar e configurar utilitários sobre o sistema operativo (SO). UTILITÁRIOS 0798 COMPETÊNCIAS No final do curso os/as formandos/as deverão ser capazes de utilizar

Leia mais

Como se tornar um desenvolvedor de plug-ins para AutoCAD e Revit

Como se tornar um desenvolvedor de plug-ins para AutoCAD e Revit Como se tornar um desenvolvedor de plug-ins para AutoCAD e Revit Vitor Paulo Silva Se você é um projetista e sua principal ferramenta de trabalho é o AutoCAD ou o Revit, certamente você já se deparou com

Leia mais

Requisitos de Sistema Impressão Comerciale Editorial

Requisitos de Sistema Impressão Comerciale Editorial Impressão Comerciale Editorial OneVision Software AG Sumário Asura 10.2, Asura Pro 10.2, Garda 10.2...2 PlugBALANCEin 10.2, PlugCROPin 10.2, PlugFITin 10.2, PlugRECOMPOSEin 10.2, PlugSPOTin10.2,...2 PlugTEXTin

Leia mais

Tu ganhas. Todos ganham. Aceita o desafio. O mais importante concurso mundial de tecnologia, a nível académico.

Tu ganhas. Todos ganham. Aceita o desafio. O mais importante concurso mundial de tecnologia, a nível académico. Tu ganhas. Todos ganham. Aceita o desafio. O mais importante concurso mundial de tecnologia, a nível académico. Aceita o Desafio Tu ganhas. Todos ganham. Aos Participantes dos Imagine Cup é dada a oportunidade

Leia mais

Portabilidade da Linha RM Versão 11.40.0

Portabilidade da Linha RM Versão 11.40.0 Portabilidade da Linha RM Versão 11.40.0 Data Responsável Versão Doc. Observação 23/11/2012 Camilo Ribeiro da Silva 2 Revisão Conteúdo Portabilidade para Servidor de Banco de Dados... 3 Níveis de Compatibilidade

Leia mais

Bruno Gerardo 1. 1) Instituto Politécnico de Portalegre a13889@estgp.pt. Resumo. Abstract

Bruno Gerardo 1. 1) Instituto Politécnico de Portalegre a13889@estgp.pt. Resumo. Abstract A linguagem de programação Objective- C Bruno Gerardo 1 1) Instituto Politécnico de Portalegre a13889@estgp.pt Resumo Este trabalho tem por objectivo dar a conhecer alguns aspectos sobre a linguagem de

Leia mais

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s

Sistema Datachk. Plano de Projeto. Versão <1.0> Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s Plano de Projeto Versão Z u s a m m e n a r b e i t I d e i a s C o l a b o r a t i v a s 2010 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores 07/04/2010 1.0 Criação da primeira versão do Plano

Leia mais

Descrição geral do Android

Descrição geral do Android Descrição geral do Android (POO) Centro de Cálculo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Pedro Alexandre Pereira (palex@cc.isel.ipl.pt) Versões & API A versão 1.0 foi lançada em Fevereiro de 2009

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Portátil de dimensões adequadas ao trabalho diário; Software de planeamento de serviços de transporte;

Portátil de dimensões adequadas ao trabalho diário; Software de planeamento de serviços de transporte; A Linha Starter foi especialmente concebida para ir ao encontro das necessidades básicas de informatização da micro-empresas de transporte rodoviário de mercadorias, capaz de fornecer ao empresário dos

Leia mais

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO

ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO ANDRE KUSUMOTO VIRTUALIZAÇÃO OBJETIVO Objetivo do deste trabalho é o autoaprendizado e a disseminação do conhecimento empregado no conceito de virtualização. Assim como a demostração de seu uso em conjunto

Leia mais

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet.

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. TERMINOLOGIA Navegador ou Browser Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. Os Browsers se comunicam com servidores

Leia mais

Fundamentos da Computação Móvel

Fundamentos da Computação Móvel Fundamentos da Computação Móvel (Plataformas Sistemas Operacionais e Desenvolvimento) Programação de Dispositivos Móveis Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus

Leia mais

Informações importantes

Informações importantes Informações importantes Genexus Web: Marketing e TI alinhados em Aplicativos para Dispositivos móveis DUAS ÁREAS IMPORTANTES... DOIS AMBIENTES... Mais do nunca, marketing e TI precisam estar alinhados

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA Manual de Instalação Tecer [Linux] ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 Tecer-ds...8 Figura 2 Criando a pasta tecer...9 2 P á g i n a SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...4

Leia mais

O IMPACTO DA WEB TV NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL

O IMPACTO DA WEB TV NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL O IMPACTO DA WEB TV NA COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Agenda Novas formas de comunicação online Perspectivas e entendimentos O porquê da linguagem mais visual e cinestésica Inovar é preciso IPTV versus Web TV

Leia mais

Microsoft Office (Inclusive Word 2007)

Microsoft Office (Inclusive Word 2007) 10 Parte I: Conhecendo o ASP.NET e o Visual Web Developer Microsoft Office (Inclusive Word 2007) Quando Bill Gates percebeu que a Microsoft estava atrasada em termos de Internet, as palavras passaram a

Leia mais

Aplicativo de referência em tecnologias Microsoft

Aplicativo de referência em tecnologias Microsoft Aplicativo de referência em tecnologias Microsoft André Luis Voltolini Sousa Prof. Everaldo Artur Grahl- Orientador Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Especificação Implementação Operacionalidade

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Unidade 4 Ambiente de desenvolvimento Java QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática SUMÁRIO A LINGUAGEM JAVA... 3 JVM, JRE, JDK... 3 BYTECODE... 3 PREPARANDO O AMBIENTE

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Embarcadas

Desenvolvimento de Aplicações Embarcadas Desenvolvimento de Aplicações Embarcadas Aplicações embarcadas, ou sistemas embarcados, executam em processadores instalados (embarcados) em dispositivos cuja função precípua não é o processamento da informação.

Leia mais

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC

ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC ONE TOONE CURSOS PARTICULARES HTML5 + CSS3 + ADOBE DREAMWEAVER CC Plano do Curso. Curso One. Os Cursos desenvolvidos pela One To One, são reflexo da experiência profissional no âmbito da Formação, do Design

Leia mais

Micro Application Example

Micro Application Example Micro Application Example Comunicação de processo simples baseada em tecnologia Web (com S7-200 e CP243-1 IT) Micro Automation Set 15 Nota Nota Os exemplos de função são facultativos e não pretendem ser

Leia mais

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL

PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL PRÓTOTIPO MÓVEL DE TELEMEDICINA PARA AUXILIO DE DIAGNOSTICO CARDIACO COM ECG EM CARATER EMERGENCIAL Adson Diego Dionisio da SILVA 1, Saulo Soares de TOLEDO², Luiz Antonio Costa Corrêa FILHO³, Valderí Medeiros

Leia mais