RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE. partilhar valor. Portugal Telecom

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE. partilhar valor. Portugal Telecom"

Transcrição

1 2004 RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE partilhar valor Portugal Telecom

2 Este relatório refere-se ao Grupo Portugal Telecom em Portugal, sendo os dados de carácter social e económico resultado da consolidação das contas do Grupo, para o ano de 2004, seguindo as normas contabilísticas existentes. Os dados ambientais são os da PT Comunicações e da TMN, que representam um total de 80% dos resultados operacionais do negócio da PT em Portugal. Adiantam-se também compromissos para 2005, em relação a outras empresas do Grupo. Contactos Portugal Telecom Abílio Martins Director de Comunicação Corporativa Av. Fontes Pereira de Melo, Lisboa Portugal Tel: +(351) Site:

3 Portugal Telecom RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE partilhar valor 2004 As expressões PT, Grupo Portugal Telecom, Grupo PT, Grupo e Empresa referem-se ao conjunto das empresas que constituem a Portugal Telecom ou a qualquer uma delas, consoante o contexto. Global Reporting Initiative (GRI) Este primeiro relatório de sustentabilidade é elaborado de acordo com as linhas orientadoras da Global Reporting Initiative, no grau mais elevado de exigência. Tabela GRI A tabela com o índice referente aos indicadores da GRI pode ser encontrada na página 121 deste relatório. Período de análise Este relatório abrange os dados de Faz também referências a acções e compromissos estabelecidos no primeiro trimestre de Uma vez que o Grupo PT é constituído por várias empresas com termos de existência bastante diferenciados, as séries temporais divulgadas neste relatório não abrangerão sempre os mesmos períodos. Isto deve-se ao facto de algumas empresas do Grupo terem já um historial maior e, como tal, serem detentoras de mais informação. Auditoria e veracidade dos dados apresentados Este relatório foi sujeito a um processo de verificação da totalidade da informação nele incluída, em linha com as directrizes do GRI, no que respeita à credibilidade e qualidade do seu conteúdo e à orientação da auditoria por parte de uma entidade independente. Critérios e definições usados na contabilização dos custos e benefícios económicos, ambientais e sociais A contabilização dos custos e benefícios, nos dados económicos e sociais, tem por base as regras de contabilidade nacional, o sistema fiscal e a legislação do direito do trabalho em Portugal. Relativamente ao ambiente, a PT Comunicações e a TMN desenvolveram metodologias internas que estão na base dos valores evidenciados no investimento feito nesta área. Um canal sempre aberto para que nos possa fazer chegar as suas sugestões. Para aperfeiçoarmos continuamente o nosso Relatório de Sustentabilidade.

4 Vamos continuar a partilhar valor é este o nosso compromisso Miguel Horta e Costa PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA Longe de ser uma moda de gestão, a sustentabilidade empresarial é, sem dúvida, um tema que ocupará um lugar de destaque nas nossas agendas para os próximos anos, e, se trabalharmos bem, para as próximas décadas e séculos. Um tema que não é novo na Portugal Telecom, mas que estamos empenhados em redobrar esforços a cada dia que passa. Ao elaborarmos o primeiro relatório de sustentabilidade empresarial do Grupo PT tivemos como primeira preocupação o rigor. Para além de constituir um precioso painel de bordo do nosso envolvimento com a comunidade, este documento foi construído no mais estrito respeito pelas normas adoptadas a nível internacional. O nosso negócio é construído sobre uma base sólida de relações. Relações que estabelecemos com clientes, colaboradores, investidores, fornecedores, parceiros, sociedade civil e que temos por objectivo reforçar e potenciar cada vez mais. É assim que olhamos para o futuro: como uma realidade que vamos construir em conjunto. É também esta a orientação que organizações determinantes da nossa vida em comum como as Nações Unidas (através do Global Compact), o Banco Mundial e a Comissão Europeia têm incentivado, disponibilizando recursos para que caminhemos nessa direcção. A importância que a nossa actividade exerce na economia nacional não é apenas quantificável pelo seu emprego e investimento directo, mas também pela actividade económica gerada em outros sectores e associada ao desempenho de serviços e produção de bens da PT. Nesta perspectiva, chegamos a indicadores que permitem um novo olhar e também uma maior responsabilidade sobre o nosso envolvimento na economia nacional. Portugal Telecom RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

5 No sentido económico do termo, esta é a nossa forma de partilhar valor Ainda na vertente económica, o modelo de governo e o relacionamento com os stakeholders são temas da maior importância. Em relação ao modelo de governo, do qual fomos pioneiros na aplicação em Portugal, os indicadores existentes mostram que estamos no bom caminho. A separação das funções inerentes ao poder accionista e ao poder executivo está assumida pela organização como uma prática estruturante e os progressos realizados nos últimos dois anos foram muito significativos. No relacionamento com os stakeholders, tem existido um investimento sério da nossa parte no sentido de intensificar o diálogo e de abrir novos canais. Hoje, mais do que nunca, pensar no futuro é pensar em ambiente. Reciclagem, gestão de resíduos, racionalização de gastos e reutilização de materiais, mas, sobretudo, uma consciencialização que deve ser promovida, apreendida e consolidada. No sector das telecomunicações existe uma diversidade de produtos que podem ser reaproveitados ou reciclados. Desde telemóveis a cabos de cobre, de fitas de cinema a cartões de power box, existem soluções ambientais para produtos que já não têm qualquer utilidade. Uma preocupação que exercemos tanto em Portugal como no Brasil procurando acompanhar a evolução do tempo e da tecnologia. As políticas ambientais das várias empresas do Grupo têm vindo a ser implementadas de modo consistente e, nalguns casos, já fortemente consolidadas. Por isso uma parte significativa das empresas já tem certificado ambiental. Ao nível do ambiente, é esta a nossa forma de partilhar valor Nada do que possamos fazer em matéria de responsabilidade social e de gestão sustentável responde ao nosso desígnio se não colocarmos as pessoas no centro de toda e qualquer iniciativa. E essa é uma preocupação que a Portugal Telecom tem levado exaustivamente à prática, externa e internamente. Para o meio exterior, a cidadania empresarial tem sido uma área-chave de actuação. O mercado das telecomunicações dispõe de recursos poderosos para aproximar as pessoas e melhorar a qualidade de vida, nomeadamente de quem mais precisa. É esse o sentido que atribuímos à utilização da tecnologia em benefício da comunidade. Um sentido que só fica completo quando envolvemos as pessoas, seja desenvolvendo programas internos Portugal Telecom RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

6 de responsabilidade social em áreas como a saúde, a educação e o entretenimento, seja em acções orientadas para as comunidades em que nos inserimos, utilizando a inovação e o voluntariado como ferramentas privilegiadas de intervenção. Paralelamente, ao nível interno da organização temos trabalhado de forma persistente e sistemática no sentido de tornar o Grupo PT na melhor empresa para trabalhar. Para tal, desenvolvemos programas de atracção e retenção de talentos e apostamos de forma consistente na sua formação. Uma boa qualidade de vida envolve não apenas os Activos Humanos, mas também a sua família e, em particular, os filhos que constituem a prioridade principal das nossas vidas. Foi com este espírito que lançámos um programa global de atribuição de bolsas de estudo que beneficiasse os filhos dos colaboradores de acordo com o rendimento do agregado familiar. Uma iniciativa que entendemos como uma parceria de futuro entre a Empresa, os Activos Humanos e as suas famílias. Intrinsecamente relacionada com o seu negócio, a promoção activa da Sociedade da Informação tem sido uma tarefa que chamou a si. No mesmo ano em que o Grupo se envolveu activamente na busca de soluções que permitissem disseminar a aquisição de computadores e o acesso à Internet por toda a população, demos mais um passo em frente ao implementar um programa idêntico para a nossa comunidade interna. Actualmente, os colaboradores do Grupo PT dispõem de acesso aos serviços de banda larga e à aquisição de computadores em condições muito favoráveis. De que forma podemos tocar as vidas das pessoas e melhorá-las tem sido matéria para uma profunda reflexão na Portugal Telecom. À medida que cresceu, aumentaram também as nossas responsabilidades enquanto agente social, cultural e científico. A constituição da Fundação Portugal Telecom surge precisamente como resposta a essas necessidades crescentes, integrando na sua estrutura as diversas componentes da nossa partilha de valor com a comunidade. Nos últimos dois anos, tem desenvolvido um conjunto de mudanças que têm por objectivo servir melhor os clientes, fomentando a proximidade através da criação de canais permanentes de diálogo. Exemplo disso é o camião apetrechado com as mais modernas tecnologias de comunicação e multimédia que se Portugal Telecom RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

7 encontra, desde o final de 2004, a percorrer o País, acompanhado por toda a minha equipa que, nesta viagem, procura conhecer as necessidades reais dos clientes em cada região. De entre os seus clientes, a PT destaca e dá prioridade, desde há muito, aos clientes com necessidades especiais, tendo, para estes, criado um Gabinete de Soluções de Telecomunicações. Não se trata apenas de filantropia ou de apoio social é mais do que isso. É colocar todos os nossos clientes em pé de igualdade e agir com a consciência de quem tem a responsabilidade de oferecer soluções de comunicação àqueles que, por algum motivo, não dispõem de todas as suas capacidades. Um trabalho agora enquadrado na Fundação Portugal Telecom que lhe dará continuidade. Ao nível social, são múltiplas as formas de intervenção através das quais partilhamos valor O conjunto de iniciativas e, sobretudo, o compromisso que assumimos com a sociedade e com os nossos parceiros está traduzido neste relatório de sustentabilidade empresarial relativo ao ano de É uma nova etapa num grupo empresarial que tem uma história de envolvimento social, cultural e científico e que caminha para o futuro com a segurança que lhe advém de uma atitude intrínseca de boas práticas. Por estas razões a PT realizou agora o seu primeiro Relatório de Sustentabilidade. Este relatório foi elaborado de acordo com as directrizes de 2002 da Global Reporting Initiative e apresenta um balanço equilibrado e correcto do desempenho económico, ambiental e social do nosso Grupo. Miguel Horta e Costa Presidente da Comissão Executiva 31 de Maio de 2005 Portugal Telecom RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

8 11 } Visão e estratégia de sustentabilidade 13 } Os nossos compromissos 19 } Perfil e apresentação do Grupo 24 } Descentralização das actividades da PT 25 } Modelo de governo orientado para a sustentabilidade 26 } O nosso modelo de governo 33 } Análise de risco global e integrada 36 } Accionistas 40 } Estrutura accionista 41 } Indicadores económicos-chave 44 } Estrutura de custos e geração de riqueza indirecta na economia portuguesa 48 } Clientes 52 } Comunidade financeira 54 } Entidades reguladoras e fiscalizadoras 56 } Colaboradores 74 } Fornecedores 77 } Sociedade 82 } Novos mercados e novas necessidades 87 } Políticas de gestão ambiental 90 } PT Comunicações e o meio ambiente 100 } TMN e o meio ambiente 109 } Impacte paisagístico das nossas actividades 111 } Desenvolvimento em Portugal 112 } A nossa contribuição 115 } Projectos PT 119 } Investigação e desenvolvimento 121 } Índice remissivo de acordo com os indicadores da Global Report Initiative 126 } Declaração de verificação por SGS ICS, Serviços Internacionais de Certificação, Lda. Portugal Telecom

9 10 Empresa sustentável partilhar valor para o futuro 32 Sustentabilidade do negócio partilhar valor com o accionista 46 Envolvimento com a comunidade partilhar valor com todos 86 Relação com o meio partilhar valor com o ambiente 110 Sociedade da informação partilhar o valor do conhecimento RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2004

10 partilhar valor para o futuro Portugal Telecom RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

11 Ñ Empresa Sustentável Publicação do primeiro Relatório da Sustentabilidade O Grupo Portugal Telecom decidiu publicar o seu primeiro relatório de sustentabilidade num acto de partilha dos compromissos que assume na área da gestão sustentável. De âmbito nacional, o documento foi elaborado de acordo com as Directrizes da Global Reporting Initiative, contendo um conjunto de indicadores que permite analisar o desempenho do Grupo na óptica tridimensional da sustentabilidade: económica, ambiental e social. Este relatório descreve, igualmente, os compromissos que a PT assume perante os seus stakeholders ou partes interessadas. De modo a evidenciar um conjunto de informação de fácil percepção por parte dos leitores, a PT desenvolveu todos os esforços para seguir os princípios da GRI ao nível da inclusão, auditabilidade, abrangência, relevância, contexto da sustentabilidade, exactidão, neutralidade, comparabilidade, clareza e periodicidade, na elaboração deste documento. A PT tem vindo a desenvolver ao longo dos anos um conjunto de acções que constituem exemplos de boas práticas a vários níveis. Assim, a publicação do primeiro relatório de sustentabilidade será, por isso, um importante marco de um caminho que se considera necessário para a criação de valor a médio longo prazo para o accionista. A elaboração deste relatório integrou um profundo processo de consulta interna às principais direcções das diferentes empresas do Grupo PT, as quais, no desempenho das suas funções, assumem o papel de interfaces da PT com as várias partes interessadas. Ou seja, este relatório é simultaneamente um testemunho das práticas e acções do Grupo PT na área da sustentabilidade e um compromisso de partilha de valor com futuro para todos. 4 Visão e estratégia de sustentabilidade A sociedade do século XXI tem-nos alertado para o valor económico que certas preocupações do foro ético-reputacional têm no desempenho financeiro de médio-longo prazo de uma empresa. Hoje em dia, verifica-se um conjunto de acções, por parte de agências de rating de sustentabilidade, investidores, fundos de investimento socialmente responsáveis, ou índices bolsistas como é o caso do Dow Jones Sustainability Índex e FTSE4GOOD, que evidenciam o valor da incorporação, na estratégia de negócio, destes novos temas. Assim, a solidez financeira de uma empresa não deve ignorar os riscos. O compromisso com a sustentabilidade é assumido pela União Europeia através da Estratégia Europeia para o Desenvolvimento Sustentável, onde se faz um forte apelo ao papel que o sector privado terá na prossecução dos objectivos dessa estratégia. Este documento está intimamente relacionado com a Estratégia de Lisboa, que tem como objectivo transformar a Europa na região mais competitiva do mundo. Para o alcance dessa competitividade, a Sociedade da Informação e a coesão social são duas variáveis relevantes, sobre as quais se desenvolvem planos, documentos e directivas, que têm sido transpostas para cada um dos Estados-membros. Para além do trabalho realizado pelos Governos dos Estados-membros, as associações industriais dos sectores económicos mais sensíveis à sustentabilidade têm vindo a implementar um conjunto de políticas e medidas específicas nesta área. A PT participa activamente no conjunto de movimentos internacionais do sector das telecomunicações, que procuram contribuir para o desenvolvimento sustentável. A ETNO European Telecommunications Network Operators Association é uma associação que se distingue pelo trabalho dedicado à gestão dos riscos ambientais. Esta associação lançou a sua Carta Ambiental, em 1996, que evoluiu para a Carta de Sustentabilidade, em A PT, reconhecendo a importância das iniciativas, assinou nesses mesmos anos cada uma delas. Nestes documentos, as principais operadoras europeias comprometem-se a desenvolver e incorporar as questões do ambiente e do desenvolvimento sustentável nas actividades diárias do seu negócio. Desde a criação da ETNO, em 1992, a Portugal Telecom tem sido sempre eleita para membro do Conselho Executivo. Atendendo aos desafios do sector das telecomunicações, a gestão da Empresa tem vindo também a introduzir os factores ambientais e sociais na sua estratégia de negócio. Assim, o crescimento financeiro foi acompanhado por uma preocupação Portugal Telecom RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

12 Sumário do Código de Ética A Identidade das empresas e a sua imagem resultam cada vez mais, não só dos seu desempenho económico e financeiro, mas também do conjunto de princípios, valores, comportamento e opções nelas dominantes. A ética de uma empresa resulta, antes de mais, da ética dos seus colaboradores, que devem seguir um conjunto de normas e princípios de conduta, consubstanciando um padrão de comportamento irrepreensível. Valores a preservar > Princípios de actuação: honestidade, integridade, dignidade, correcção e diligência profissional, isenção e equidade > Dever de lealdade > Cumprimento de legislação Normas de conduta > Responsabilidades > Relacionamento Internacional > Aperfeiçoamento e mérito profissional > Confidencialidade e sigilo profissional > Conflitos de interesses > Transacções de valores mobiliários > Recurso a actividade Ilegais > Transacções particulares efectuadas por colaboradores > Utilização dos recursos das empresas > Relacionamento com fornecedores > Relações com concorrentes em respeitar e contribuir positivamente para a sociedade e para o ambiente. O Código de Ética em vigor desde 2002 apresenta o enquadramento, os valores a preservar e um conjunto de normas de conduta a serem cumpridas por todos os trabalhadores do Grupo, e igualmente nas suas interacções com outros agentes. A nível social, o Grupo tem, desde sempre, desenvolvido um conjunto de práticas internas e externas que evidenciam a sua responsabilidade empresarial. A forte aposta no mérito dos colaboradores revela que a política de gestão da Empresa reconhece serem os colaboradores o activo mais valioso do Grupo. A carta-compromisso de gestão estratégica dos Activos Humanos da PT, assinada pelo Presidente da Comissão Executiva, Miguel Horta e Costa, e pelo Administrador com o pelouro dos Activos Humanos, Carlos Vasconcellos Cruz, válida para o ano de 2005, é o símbolo de uma importante etapa, e testemunha o investimento que se pretende continuar a desenvolver em relação aos Activos Humanos. A formação é outra das áreas a merecer uma especial atenção. Presente no Acordo da Empresa como uma garantia dos colaboradores, a Portugal Telecom continua a entender a formação dos seus Activos Humanos como uma prioridade, com consequências directas na mobilidade profissional e na valorização do colaborador. Externamente, o Grupo tem uma história que integra um vasto conjunto de práticas de responsabilidade social: desde o desenvolvimento de produtos para grupos de cidadãos portadores de deficiência, até aos serviços especificamente dirigidos a idosos e famílias com baixo rendimento. São exemplos da actuação responsável de uma empresa, que pretende levar os seus serviços ao maior número possível de pessoas. Uma forte política de mecenato cultural, o apoio comunitário e as acções de voluntariado constituem outros exemplos que demonstram a forma responsável como o Grupo realiza o seu negócio. Este compromisso com a sociedade ficou patente, em 2003, com a criação da Fundação Portugal Telecom, cujo objectivo é precisamente o de promover o acesso à informação das camadas sociais com mais dificuldades e de grupos de cidadãos com necessidades especiais. O papel fundamental da PT para a inclusão digital tem ainda consideráveis impactes económicos e sociais. Ao conceder o acesso aos serviços de telecomunicações à sociedade, Portugal Telecom RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

13 Ñ Empresa Sustentável a Empresa desempenha o papel de motor para a economia, nomeadamente, através de novas formas de informação e educação. A existência do Serviço Universal, que garante o acesso a uma linha telefónica independentemente do local em que o cidadão se encontra, é uma constatação desse empenho. A área da gestão ambiental e dos impactes ambientais provenientes da actividade está a receber um investimento crescente. Uma preocupação que se associa à procura de maior eficiência nas áreas da energia, água e combustíveis, bem como no cuidado de gestão dos resíduos. Este trabalho na área ambiental tem sido particularmente desenvolvido pela PT Comunicações e pela TMN, empresas certificadas pela norma NP EN ISO A PT Comunicações iniciou em 1995 os primeiros levantamentos ambientais. Outras empresas, como a PT Inovação, a PT Contact e a PT PRO, estão a promover intensamente o ambiente na gestão das suas actividades. É também de destacar que os serviços prestados pela Portugal Telecom têm impactes ecológicos positivos, uma vez que as suas actividades promovem, indirectamente, a redução de viagens e deslocações e, consequentemente, a diminuição dos impactes ambientais negativos daí decorrentes. Para além da gestão ambiental que decorre das actividades desenvolvidas pelas empresas, implementou-se um sistema de gestão que pretende minimizar os impactes ambientais dos seus fornecedores, ao ponderar o seu comportamento ambiental como critério de selecção. 4 Os nossos compromissos > A Portugal Telecom está empenhada em integrar na sua estratégia a orientação para o desenvolvimento sustentável nas vertentes económica, ambiental e social respeitando, informando, formando, comunicando e dialogando com os colaboradores, clientes, parceiros, entidades reguladoras, órgãos de comunicação social, analistas financeiros e sociedade em geral. Por isso, a Empresa reforçará os canais de comunicação com os diversos públicos. > Foi planeado ao longo do ano de 2004 a criação de um Comité de Sustentabilidade que, presentemente, integra o seu modelo de governo, do qual fazem parte, entre outros representantes, todos os membros da Comissão Executiva. > O desenvolvimento da Sociedade da Informação e do conhecimento (interno e externo) é, e será, uma das prioridades do Grupo, não só na sua condição de operador de telecomunicações, mas também como agente activo na modernização social. > A satisfação dos clientes, a qualidade, a confiança, a integridade, o know-how, a inovação e o respeito e intervenção social são valores que o Grupo continuará a prosseguir e que estão reflectidos no Código de Ética que norteia a sua actuação. > A dinamização de programas de apoio comunitário e de voluntariado empresarial continuarão a fazer parte da agenda de actividades da Portugal Telecom através da sua Fundação. > A promoção do diálogo face-a-face entre os dirigentes da PT com os seus colaboradores, clientes e forças vivas de cada região do País é um desígnio a prosseguir e a reforçar durante o ano de > A maior eficiência energética e de gestão de resíduos a par do estabelecimento de parcerias de I&D para estudo dos impactes ambientais decorrentes da actividade de telecomunicações, são também áreas assumidas como prioritárias e em que o Grupo continuará empenhado. > Os programas de captação e retenção de talentos serão também uma vertente em que a Empresa se empenhará ao longo do ano de Portugal Telecom RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

14 Ñ Empresa Sustentável A nova fórmula de gestão, onde os vectores sociais e ambientais são assumidamente factores para criação de valor, é apresentada no quadro que a seguir se apresenta: Vector Social Objectivos da gestão Internamente > Maximizar o valor dos Activos Humanos Externamente > Promover a Inclusão Digital de todo o mercado, criando soluções para grupos de clientes com necessidades especiais > Estimular a qualidade e o acesso a actividades culturais, através do mecenato > Desenvolver projectos de responsabilidade social estratégica a comunidades com necessidades específicas Instrumentos de gestão > Modelo de Análise de Performance Individual dos colaboradores > Modelo de Formação > Política de benefícios para os colaboradores > Acordo de Empresa > Código de Ética > Investigação e Desenvolvimento de Produtos > Comunicação e Informação a Trabalhadores > Fundação PT áreas de actuação estratégica: Sociedade do Conhecimento Comunidade Clientes com Necessidades Especiais Mecenato História e Património Ambiental Gerir os impactes ambientais decorrentes do exercício da sua actividade económica > Gestão ambiental > Certificação ambiental > Gestão dos níveis de consumo de energia > Gestão dos níveis de consumo de água > Gestão dos níveis de consumo de materiais > Gestão de resíduos > Gestão de impactes ambientais dos fornecedores através da inclusão do critério ambiente na selecção dos fornecedores Económico Maximizar o retorno dos accionistas > Marketing financeiro e comercial > Planeamento e controlo > Tecnologia e inovação > Gestão de Activos Humanos Atendendo ao papel social da Portugal Telecom pelo âmbito da sua actividade, pela sua dimensão accionista, pela dimensão económica e volume de emprego gerado, as questões da sustentabilidade foram consideradas como fundamentais à manutenção de uma liderança responsável. Em 2004, a PT empregou directamente em Portugal trabalhadores, e a nível internacional. Relativamente à economia nacional, a Empresa representa cerca de 0,3% do emprego nacional, 3,2% do PIB e 1,4% 1 do investimento valores que revelam, só por si, o impacte positivo da PT no desenvolvimento nacional. A responsabilidade para com a sociedade em que se insere é necessariamente intrínseca à sua gestão. Considerando a sustentabilidade um assunto-chave para a gestão do negócio, foi iniciado em 2004 um estudo para a criação de um Comité de sustentabilidade, que esteja directamente ligada ao Conselho de Administração. 1 Fonte: INE. Portugal Telecom RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

15 Participações em organizações nacionais e internacionais Tem uma forte presença ao nível da participação em várias associações, fóruns de discussão, fundações que se dedicam ao desenvolvimento de actividades em várias áreas da sociedade. As tabelas seguintes identificam as principais organizações em que as empresas do Grupo participam activamente. Ñ Empresa Sustentável Associações internacionais Sociedade da Informação ETNO European Telecommunication Network Operator s Association ETSI European Telecommunications Standards Institute EUROTEAM Telefonica Euroteam EUSIDIC The European Association of Information Services FORINO Associação para a Escola de Novas Tecnologias ICANN Internet Corporation for Assigned Names and Numbers IEP Instituto Electrotécnico Português IT Instituto de Telecomunicações Telemanagement Fórum UIT União Internacional das Telecomunicações WWRF Wireless World Research Forum Objecto Tem como objectivo estabelecer um diálogo construtivo entre as empresas associadas e outros agentes económicos envolvidos no desenvolvimento da Sociedade da Informação. Pretende ainda contribuir para o desenvolvimento de políticas que conduzam a um eficiente ambiente regulatório para o mercado europeu das telecomunicações, promovendo ainda o desenvolvimento e implementação da Sociedade da Informação. Organização não-lucrativa e independente que tem como missão produzir standards de telecomunicações. É oficialmente responsável pelo desenvolvimento de um conjunto de normas e de documentação técnica, que constituem o contributo europeu para as normas mundiais do ICT. É reconhecida oficialmente pela Comissão Europeia e pelo Secretariado da EFTA. Fomento da cooperação internacional em matéria de formação em gestão, com enfoque nas telecomunicações. Fórum para o estudo, debate e partilha de conhecimentos entre profissionais do ramo da indústria da informação. Formação nas áreas de telecomunicações e redes, organização industrial, energia e automação, electricidade/electrónica e de administração e gestão. Órgão mundial responsável por estabelecer regras do uso da Internet. De âmbito internacional, é uma entidade sem fins lucrativos responsável pela distribuição de números de Protocolo de Internet (IP), designação de identificações de protocolo, controlo do sistema de nomes de domínios de primeiro nível com códigos genéricos (gtld) e de países (cctld). Sendo uma sociedade de capital misto, a ICANN dedica-se à manutenção da estabilidade operacional da Internet, à promoção da concorrência, a obter uma ampla representação das comunidades globais congregadas na Internet. Organismo que actua nos domínios da normalização, controlo de qualidade, certificação, metrologia, desenvolvimento e investigação científica e tecnológica. Criar e difundir o conhecimento científico no domínio das telecomunicações, o que pressupõe o desenvolvimento de actividades de investigação fundamental e aplicada num contexto internacional, como meio para elevar o nível de ensino e formação, graduado e pós-graduado e a incrementar a competitividade da indústria portuguesa e dos operadores de telecomunicações. Identificação, desenvolvimento e implementação de soluções práticas orientadas para a automatização e coerência das actividades operacionais dos operadores de telecomunicações, em particular na área da gestão das redes e dos serviços de telecomunicações. Organização independente e internacional que promove o trabalho conjunto de Governos e do sector privado para a exploração de redes e serviços de telecomunicações, bem como o desenvolvimento das tecnologias de comunicação. São objectivos da UIT: manter e ampliar a cooperação internacional entre os Estados-membros e melhorar a utilização racional de todas as classes de telecomunicações; promover assistência técnica aos países em desenvolvimento na área das telecomunicações e impulsionar o desenvolvimento de meios técnicos para aumentar a rentabilidade dos serviços de telecomunicações e promover a extensão dos benefícios das telecomunicações a todos os habitantes do planeta. Contribuir para o desenvolvimento de uma visão integrada do mundo sem fios, concentrar esforços na definição da investigação relevante para o futuro das comunicações móveis e sem fios. Portugal Telecom RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE. partilhar valor. Portugal Telecom

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE. partilhar valor. Portugal Telecom RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE partilhar valor Portugal Telecom Este relatório refere-se ao Grupo Portugal Telecom em Portugal, sendo os dados de carácter social e económico resultado da consolidação das

Leia mais

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010 PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom 17 de Junho de 2010 Agenda Missão e História da PT Compras Centralização da Função Compras Modelo de Compras da Portugal Telecom Um Modelo

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Sociedade. Governo. Portugal Telecom. Negócio Fixo Negócio Móvel Negócios Negócios Empresas Portugal Portugal Multimédia Internacionais Instrumentais

Sociedade. Governo. Portugal Telecom. Negócio Fixo Negócio Móvel Negócios Negócios Empresas Portugal Portugal Multimédia Internacionais Instrumentais Face à crescente importância e complexide dos assuntos relativos à divulgação de informação sobre o Societário, o Grupo PT apresenta em anexo a este relatório, mas como sua parte integrante, o Relatório

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL

3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL 3º Fórum da Responsabilidade Social das Organizações e Sustentabilidade WORKSHOP RESPONSABILIDADE SOCIAL João de Sá Nogueira Administrador / Director Executivo Fundação Infantil Ronald McDonald joao.sanogueira@pt.mcd.com

Leia mais

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA E CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA POLÍTICA DE ÉTICA A Política de Ética do CPCBeja está reflectida no Código de Conduta e Ética e integra os seguintes Princípios e Orientações: - Direitos e Dignidade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas

Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Corporate Governance e responsabilidade social das empresas Fernando Teixeira dos Santos Presidente da CMVM 1 - Os recentes escândalos financeiros e falências de importantes empresas cotadas chocaram os

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013

Política de Responsabilidade Corporativa. Março 2013 Política de Responsabilidade Corporativa Março 2013 Ao serviço do cliente Dedicamos os nossos esforços a conhecer e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Queremos ter a capacidade de dar uma

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão. Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Incluindo os de Corrupção e Infracções Conexas Introdução No âmbito da sua actividade, o Conselho de Prevenção da Corrupção (CPC), aprovou a Recomendação n.º 1/2009,

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais

Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Relatório de Comunicação e Engajamento COE Instituto Venturi Para Estudos Ambientais Declaração de Apoio Continuo da Presidente 23/10/2015 Para as partes interessadas: É com satisfação que comunicamos

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Política de Responsabilidade Social

Política de Responsabilidade Social Política de Responsabilidade Social e Programa 2015 I. ENQUADRAMENTO A criação da Fábrica do Chocolate materializa por si só o sentido de responsabilidade social da empresa e das pessoas envolvidas na

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL

Case study. Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL Case study 2009 Gente com Ideias UMA EQUIPA COM RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESA A Caixa Seguros e Saúde é a holding do Grupo Caixa Geral de Depósitos e Gente com Ideias é o programa de Responsabilidade

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT A Responsabilidade Social Corporativa no Contexto da Internacionalização Abril, 2014 AGENDA QUEM SOMOS SUSTENTABILIDADE A IMPORTÂNCIA

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA

CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA CÓDIGO DE CONDUTA DOS COLABORADORES DA FUNDAÇÃO CASA DA MÚSICA Na defesa dos valores de integridade, da transparência, da auto-regulação e da prestação de contas, entre outros, a Fundação Casa da Música,

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA

CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA CÓDIGO DE ÉTICA GALP ENERGIA 1. Introdução A materialização da Missão, Visão e Valores de uma Empresa traduz-se na actuação quotidiana dos seus colaboradores, de acordo com práticas éticas consensuais

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com

Moçambique. Agenda EVENTOS 2013 NEW!! INSCREVA-SE EM. Também in Company. inscrip@iirportugal.com. VISITE www.iirportugal.com Moçambique Agenda EVENTOS 2013 NEW!! Também in Company INSCREVA-SE EM inscrip@iirportugal.com VISITE www.iirportugal.com INOVAÇÃO Estimado cliente, Temos o prazer de lhe apresentar em exclusiva o novo

Leia mais

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação

I. CÓDIGO DE ÉTICA. 1. Âmbito de Aplicação I. CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação O presente Código de Ética define os princípios e as regras a observar pela N Seguros, S.A. sem prejuízo de outras disposições legais ou regulamentares aplicáveis

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES 2014 1 RELATÓRIO FINAL 1. Objectivos do Grupo de Trabalho 1.1. Caracterizar as Empresas Familiares, em termos da sua definição, especificidades

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

Shared Services Center Get the global picture. Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP )

Shared Services Center Get the global picture. Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP ) Shared Services Center Get the global picture Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP ) Enquadramento Shared Services Center: Get the global picture

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL DG 02.30 CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Resposta Social: Estrutura Residencial para Idosos Prestamos Serviços de Qualidade Aldeia de S. Sebastião ADCS Aldeia de S. Sebastião, Largo da Igreja

Leia mais

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP 12 de Outubro 2005 Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP Neves de Carvalho EDP Energias de Portugal SA Existe globalmente uma crise de credibilidade nas instituições que

Leia mais

Sustentabilidade e mercado de capitais. Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade

Sustentabilidade e mercado de capitais. Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade Sustentabilidade e mercado de capitais Luís d Eça Pinheiro Direcção de Relações com Investidores, Comunicação e Sustentabilidade Brisa e mercado de capitais Título Brisa 2000-2004 Dividendo por acção Cêntimos

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social

Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social. João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Os Empresários, as Empresas e a Inclusão Social João Oliveira Rendeiro Presidente da Associação EIS Empresários pela Inclusão Social Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril

Leia mais

Operador global centrado na sustentabilidade

Operador global centrado na sustentabilidade Operador global centrado na sustentabilidade Francisco Nunes, Administrador PT Portugal Lisboa, 8 maio 2012 CONFIDENCIAL A utilização deste documento, para quaisquer fins, sem autorização expressa da Portugal

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS

CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS CÓDIGO DE CONDUTA DO GRUPO JERÓNIMO MARTINS MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Caros Colaboradores, A missão de Jerónimo Martins é promover a eficiência em todas as suas áreas de negócio,

Leia mais

Princípios Gerais de Negócio da Shell

Princípios Gerais de Negócio da Shell Princípios Gerais de Negócio da Shell Royal Dutch Shell plc Introdução Os Princípios Gerais de Negócio da Shell regem a forma como cada uma das empresas que constituem o Grupo Shell* deve conduzir as suas

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders

oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders oikos desafio de profissionalização de uma ONG gestão da mudança responsabilidade perante os stakeholders João José Fernandes director geral executivo jjfernandes@oikos.pt Lisboa, 24 Junho 2008 oikos desafio

Leia mais

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas

A auditoria à Conta Geral da. Regiã o Administrativa Especial de Macau. no â mbito da prestaçã o de contas A auditoria à Conta Geral da Regiã o Administrativa Especial de Macau no â mbito da prestaçã o de contas São Tomé e Príncipe, 11-14 de Outubro de 2010 VI Assembleia Geral da OISC/CPLP Índice 1. Introdução

Leia mais

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA ESTATUTO DA ASSEMBLEIA PARLAMENTAR DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Nós, representantes democraticamente eleitos dos Parlamentos de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné- Bissau, Moçambique, Portugal,

Leia mais

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão

O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão O ensino e a cooperação na investigação para o turismo entre os países lusófonos: uma reflexão Alexandre Panosso Netto Escola de Artes, Ciências e Humanidades Universidade de São Paulo Fábia Trentin Departamento

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social

APGC. Associação Portuguesa de Gestão Cultural. Pacto Social APGC Associação Portuguesa de Gestão Cultural Pacto Social Constituída por escritura pública a 09 de Novembro de 2001 Capítulo I Denominação, Natureza, Sede, Objecto, Missão e Objectivos Artigo 1.º - Denominação

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Em ambos os casos estão em causa, sobretudo, os modos de relacionamento das empresas com os seus múltiplos stakeholders.

Em ambos os casos estão em causa, sobretudo, os modos de relacionamento das empresas com os seus múltiplos stakeholders. Notas de apoio à Intervenção inicial do Director Executivo da AEM, Abel Sequeira Ferreira, na Conferência Responsabilidade Social e Corporate Governance, organizada, em parceria, pelo GRACE, pela AEM e

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O CHC, E.P.E. rege-se pelo regime jurídico aplicável às entidades públicas empresariais, com as especificidades previstas

Leia mais

RSE NUMA REGIÃO INSULAR. Jorge Rio Cardoso Novembro de 2011 Funchal

RSE NUMA REGIÃO INSULAR. Jorge Rio Cardoso Novembro de 2011 Funchal RSE NUMA REGIÃO INSULAR Jorge Rio Cardoso Novembro de 2011 Funchal Síntese da Apresentação 1. Origem do Tema. O que é a RSE? 2. Importância da RSE. Porquê a RSE? 3. Dimensões da RSE (interna e externa)

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Índice Apresentação... 3 Principais Objectivos do Código... 3 Finalidade do Código de Ética... 4 Âmbito de Aplicação... 4 Serviço Público... 4 Missão... 5 Visão... 5 Responsabilidade

Leia mais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais

Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais 24 de maio de 2012 Auditório ISEGI - UNL Patrocínio Principal Apoios Patrocinadores Globais APDSI A AICEP e os apoios à internacionalização das empresas Lisboa,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS

CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS CÓDIGO DE ÉTICA DA GEBALIS DEZEMBRO DE 2008 PREÂMBULO O presente Código visa clarificar as normas de conduta que devem orientar os comportamentos e as atitudes de todos os Colaboradores da GEBALIS, independentemente

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. transparência integridade. seriedade. honestidade. cooperação. informação comunicação. ética

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. transparência integridade. seriedade. honestidade. cooperação. informação comunicação. ética seriedade cooperação ética CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA transparência integridade honestidade informação comunicação Índice 1. Âmbito de aplicação 2. Princípios Fundamentais 3. Normas gerais de conduta 4.

Leia mais

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015

OCPLP Organização Cooperativista dos Povos de Língua Portuguesa. Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 Proposta de Plano de Atividades e Orçamento 2014-2015 1 Índice: I Enquadramento II Eixos de Intervenção Estratégica III Proposta de Orçamento IV Candidaturas a Programas de Apoio 2 I Enquadramento Estratégico

Leia mais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais

1. Âmbito de Aplicação 2. Valores Gerais CÓDIGO DE ÉTICA 1. Âmbito de Aplicação 1.1. O presente Código de Ética aplica-se a todos os colaboradores da COMPANHIA DAS LEZÍRIAS, S.A., adiante designada como CL, qualquer que seja o seu vínculo laboral

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais