Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes Consultoria Legislativa Anexo III - Térreo Brasília - DF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes Consultoria Legislativa Anexo III - Térreo Brasília - DF"

Transcrição

1 César Costa Alves de Mattos Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Econômico, Economia Internacional Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes Consultoria Legislativa Anexo III - Térreo Brasília - DF

2 I - Características Gerais das Regras Tarifárias de Telecomunicações entre 1997 e II - Regras Tarifárias do Serviço Local III - Regras Tarifárias para o Serviço de Longa Distância Interurbano IV - Tarifas de Longa Distância Internacional V - Os Três Grupos de Serviços a Usuários Finais: Consolidação dos Valores de X e Rebalanceamento Tarifário Pré-Privatização...9 VI - A Evolução Real das Tarifas VI.1 - Serviço Local...14 VI.2 - Longa Distância Interurbano...18 VI.3 - Longa Distância Internacional...20 VII - Tarifas para a Interconexão de Redes...21 VII.1 - Regras Tarifárias para a Interconexão de Redes...21 VII.2 - Evolução Real dos Tetos Tarifários da Interconexão...24 VIII - Telefonia Móvel...28 VIII.1 - Regras Tarifárias do Serviço Móvel...28 VIII.2 - Evolução dos Tetos Tarifários da Telefonia Móvel...31 IX - Novos Contratos no STFC...35 X - Conclusão...40 Anexo I - A Polêmica sobre a Assinatura Básica...43 Anexo II Considerações sobre Tarifas Públicas e Indexação...46 Anexo III - Modelos de Regulação Tarifária em Infra-estrutura...54! " # $% &% " &% &%'" ' %" % 2

3 Texto para Discussão - Versão Preliminar 3 César Mattos 2 ( # ) ""&* +#), - #. /01 2//1 " 34""&* 5*!! 4&* "44 " ""% &%4 667" ( 4 " " " "4"&*! #)&""&* ( "4"&% 4 8 #) 4 3 " 9 :";! & ""&* <,", ( "4"&% 4 8= #) 4 5"&%& '<,7", > 804!7" &""&*""5?:" A% "B ( ' " $& 4C" D? +$D,! " &* " ""+ ",! 2 ) " 3 &% 4 &* '"" (E(# " " $ ) ( # 6 ( >? %?" # "64FGHAEI = % " J " 3

4 :"9";95"7";(" 9 ; 9; 2 + " 9 ;,! 4 " &% " ""%4" 97"; > & " " % 7"+ 81 #), "% 7"" E "? " 4 ""&* "" " $D! ' " & 7" "+6 47" 80 #), > & 7" ""% "% 0 ( &7"""%4 " &% $D #IF($< 4" I " ( 4 " &% 52/// & " " "?% 4 'B4 "&%K" %!!&%4 " &?"""" ( 5! 4" " " "?%44 """% 34 '=2H2H 8 """+&B,E 7 ' < 4B 5 " &!! "B49L;! E M " &% I"2/N0 "&"4O"6& P 5 +F 6" M? -F6M, E I " " + & " ",4M)6BM 9L;44 " 2/// '> 542" +! ' " 5 &%2//N,"(E(# 0 E%"% &%7" ' ""% M " "! " 7 6 "" G < 6" (:" 3 $ ""&* I< A 6$QAM$(6#(EK(GE>>ERGM> P= E2 (-M6( 8 > " PMM /= #) 4! 4 " "' 5 %%4"""% 4

5 >! " ' ' & " " " & > " 9L; "! &%!""4"! " 4" &" "4" 4!4!" &* & 4 4 &% ' " 4"% " " &% 4"! &(&*MMMMMMP 4$D" &" " " " ( &%P"" " 4'B 4? &% 49L;$D("% 5 $D' &%PM( &% 4 "?% $D % " &*PMMPMMM(&%PMMM &% " 4 4 &% ML ' ""%4 "":?! "*"" 4 & &%4""&*>(?M" :" 4 " > (? MM 7 " % 3? &% M)6BM "! " 4" "% 4 (? MMM 4""&* > " ""% +4C" I",$D" 6 I" $&#" +6I$#, 4" 1 >6I$#"? 4 &% " 447" " $ & " 4 : " < 4?! % &% ( 4?! &! " E&"" ' 4 &%-S(I B($$+ 4? 792;, B ' " +η o, 1 (4"!" (E(# ""! 5

6 EB! " 4"+,!! "5 " 4 ' "" " 9" "";>&"'4< HAB t + Ass t + η IGP DI + (1) t ( 1 k) * * ( HAB + Ass η * P ) to * Pt to to to to IGP DI to 4 2/// 2T2 >B"9 0 ;9; 5EB! %" M)6BM 5M)6BM " 4&% E&"44 " +1,: &% +" % ", : + "%",>' "6 > 5 " 4 9 -/T " &%"+S(IF,' ""< IGP DI HAB Re s t HAB Re sto *1.09 * IGP DI EB! "4" &" 2/// /T!"&* "4" 4 4 & "! &%+2, 52/// 5 "4" & " N NT " M)6BM G B! " ' " " &* 6? 5 " " 4 ' 4 % 4 " "4 $ B! " " N NT! " % " &*"%" 2T 6 t to (2)

7 +2T ",% 4! /2 =T +/T 2T, 4! &%+2, 4"&% 2+!92; &* %! "&%, 4 &% & " " " &% 4 " 2// " &+"",&*!! "" " ( " " 4 : "GIF(# (7"4& GIF(#4&%! &* "! GIF(#7 &* $ " " ' 2 4 &2"4" "" """ " "< " +? 9; +? 95; E " "" " " 9 4; "4" " 9" ; +, 9 ' U; +2, 92U;+=,92U=U;+0,9!=U;+,E "0" &* +4,! "?! 4< 4"B """" " +L0V,24"4" > " " ' " &* "HB, "4 < 7

8 5 i= 1 24 j= 1 T ijt M * M ijto t ( 1 k) ( IGP DI ) * IGP DI t to * 5 24 i= 1 j= 1 T ijto M * Mt ijto (3) : -4" " & " " " &% H95;"9; -& " " &% H95;"9; - & " 7 % ( &* " 4 % &%! " "4" +" &% "HB, "& 6 Q!! 4!! " & &% "4! " & &% B " " " 9; '! ' 9; &%"92;" > 9L;+9W;, " 44 "T2/// 0T2T $2 " " " &%" 9L;$?!4V 'U&B4 31< % IGP DI t T ijt Tijto * 1.05* (4) IGP DI to 8

9 ( 7" 3! 4 "" &% " " 4 GIF(#>"""% 96I"$&# "M " ; > & " " " " &%,! " " / 4, " &% B " " 0 4!& " " " ' 3 " B "" +, " + 4, +/, $ " ' +0L/,V 20 " %44 > " T 2/// 2T!" #$% &'" ( Q M! " 4 9L; I2/// "54 "4 $D< Quadro I - Fatores X Anuais no Price-Cap do STFC Brasileiro $& Cap Geral do Serviço Local Caps Específicos da Cesta Básica Local (7 itens) Cap Geral do Serviço Interurbano Caps Específicos do Serviço Interurbano (120 caps) Cap geral do Serviço Internacional Caps específicos do Serviço Internacional (214 itens) Fonte: ANATEL. Elaboração do Autor. Nota: O sinal de (-) implica possibilidade de aumentos reais da tarifa e o de (+) reduções reais, tendo em vista que a fórmula é IGP-DI X. Assim, se X=-5, por exemplo, o reajuste da tarifa seria IGP-DI (-5)= IGP + 5%. EB! 4 L & " %! "! %4 " " " %! &" 2"""9"";&%3 9

10 M" " "! 2T?% ""&%&* 4 " " >5 9:"; :"&%3" % "5&+ &", ' $4 2//N &% " 4 " " &% &"( ( $ ""&* 2//1 N 5 &% 4 "? " 4 " " " $! "! 0=T " ""&* &"N2T"&! 1T "& " 2/T " & " 4 " &%! 4?? &"!" &%3" 4 I "" " 9;"B!& "I? E + 20, ""&* Q "&% "" "$ " " 4I 3 &% 4 4" "43"":"E%" &% '! "5 "%!9 %; 4 " &% &"4 G!' &%! 4 ""&* " " " " " 4&% 2/1/ 2//0 $ ' " "" 44 &% N P (E(#XXX I"B6"&* / P "C" &% " " " & 5 I G < A $" I G 4 "" F4 FPM$($A>$>ERGM>$A$6H$6 P= 10

11 Quadro II Comparativo das Tarifas Telefônicas no Brasil e no Exterior em 1994 TELEBRAS Média Internacional Internacional Menores/Telebras (em %) Internacional Maiores/Telebra s (em %) Média- Média Maiores Assinatura Residencial (US$/mês) Assinatura Comercial (US$/Mês) Pulso (3 Minutos, US$/mês) Interurbano (US$/1 minuto) Internacional para os EUA Fonte: Novaes (2000) Menores 0, ,4 1169,8 7, ,5 276,9 0,029 0,1 0,1 244,8 244,8 0,26 0,2 0,5-23,07 92,31 1,94 1,12 1,12-42,27-42,27 D"! &% 4" " 4 3 '" N ' " (4'4" "" + 8 T N, + 4, 4!& " + =T, 4 & " "+/ =T,(4 " "4:" " A( 4!! 0 T ' "% 3'"! " "&% 4 5 " % ( " &% " "&% &%" " "( A( E +,7 11

12 Quadro III - Tarifas de Telefonia no Brasil 1994/1998 e Comparação Internacional Jul/ Variação (%) Argentina Chile EUA Privatização Habilitação n.d. 43,1 n.d Assinatura Residencial 0,63 11, ,48% 12,75 19,48 12,5 Assinatura Comercial 7,45 17,87 139,87% 36,16 19,48 17,31 Chamada Local de 3 0,03 0,07 133,33% 0,09 0,04 0,08 Minutos (Horário de Pico) Interurbano (1 Minuto) 0,26 0,21-19,23% 0,28 0,21 0,23 Internacional (1 2,61 0,93-64,37% 1,4 1,35 0,69 Minuto) Fonte: Novaes (2000) 4""&*4 " 4 " "+21/ 0NTA$Y,! + A$Y, 4 " A 4:" +( A(,I 4 ""!+""8T4, " 4& " " +" 2T 4, E " "" " 4 4 " A(!! 4 " "! A( " " " " "&"" "4? Z +, 2! " I " 4 & " 4 4 9L; " ""&* 3 '" 5 " &% " "" (' " " " ' " 4 """I E""4"& " " "?" " " ' 54" 4" 9L;!&" A5 &% "" 7"E%I ('"# " """" &% 2 F Z <Z [4A$"\Z $I" ; IWM6Z 12

13 E "? " &* & " * &%?" " 4 E +, &% #IF($ A$Y 2N / * 8= 0T! $D+ I"4", 4 4! '! % ' %! $D 5 "5 4 & 7 " 9L; %"""% 4 4 " " " (' (E(# % " " % &% " ""% 4! " &" " ]""! &%? +, 4 & (E(# "5 % +!4 4", 7" EB! 9; " " 4!44G! $D! +$G6,4"B4"B! (E(#M! 4 " "? 2 $DE"$G6 2 A &% &% 4 4 " "E 5 % 4" " &% 4" "5 &% 7 (E(# % % '4!5"?"" &% " &%4" "" &* 3 &% 4(E(# & & 13

14 ()*+,-../01 > 4":"&%3&%4 &% 3 4 " " 22 ' 4 4 " 4" M)6BM=0!$ 467"#"I &%+7", 4&" 2 Q uadro IV - E volução R eal das Tarifas do S TFC 1997/ ,0 120,0 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 A ssinatura R esidencial A ssinatura N ão R esidencial A ssinatura T ronco P ulso H abilitação Fonte: ANATEL (Tarifas Nominais) e Banco Central (IGP-DI). Elaboração do Autor 44"B ' " " &% &*! " 2//1H " 2= 1T 1T EB!! 4! " " > " " 5 22 S" ' &% " "4 G "&*E ""?M ""4"!!"" 2 6 3?"&%2/// "B &% 4 M)6BM 5 (?"&% 2/// 4 "! 4 "% 4 + 2///,('" &%+52//N, " " "B 4&% " 2//1! 6! "! &%%= 2//1 14

15 "! T 2//1! % " 5 = +0 1T, 4 &*!! 4" &% ]?"&%4" 4 &% 4&% "":" B 4 &% ""'"3!" "&% "%! 4C"% & " &! ' 4? + &%, +, 7 " ' " G "! &%"4 " "3 4C" &%" " " 'B &% " %!! 4 " 4 &* 4! &%! B!%'% & &%" 3 " + 5% 9";, + &%,"+", 4M" 5%"!"44&% + " 9? ";', B" 5 ""1 T!! 2T&% M)6BM "Q P? Quadro V - Evolução Real Média dos Itens Tarifários da Telefonia Local no Brasil Assinatura Residencial 2,9% 5,0% 6,3% 4,2% -3,5% -0,5% -1,0% Assinatura Não Residencial 2,7% 8,3% 5,8% -2,8% 9,0% -0,6% -1,0% Assinatura Tronco -1,5% 6,2% 3,0% -20,3% 9,0% -0,6% -1,0% Pulso -3,5% -6,6% -9,8% -0,5% -3,4% -0,5% -1,0% Habilitação -52,3% -11,7% -8,1% -33,9% 9,0% -21,9% -1,0% Fonte: ANATEL (Tarifas Nominais) e Banco Central (IGP-DI). Elaboração do Autor 15

16 0 5 "! 8T 2 /T &% 4 +,&%& "4! &%+2,2T 2= P Q MP " B! &% " 2/// 2 5 '? 4&%! N 8T &2//1 K &% "! 20 " &% 11T" 2//14 >! &% " 5 2///+B =T,A &'! " 4"B 5 &* " % " " " "4 47" 4! &% +, 5 4!" B9 &%; > * %! MP P " 4! &%+,% 54' " /T ( = '? /T %"" &%> 5 " ' 4"" &%" 6 ' &% 4 " "4 : 6)> Quadro VI - Valor da Tarifa da Assinatura Residencial em Números Índices Reais (Deflacionados pelo IGP-DI) Média Geral ,9 108,0 114,8 119,7 115,5 114,9 113,7 Média Área da Telemar ,4 108,6 115,5 120,3 116,2 115,6 114,4 Média Área Brasil Telecom ,9 106,9 113,7 118,4 114,4 113,8 112,7 Média Área Telefonica ,4 108,6 115,5 120,3 115,2 114,6 113,4 Fonte: ANATEL (Tarifas Nominais) e Banco Central (IGP-DI). Elaboração do Autor 2=! " 4 % (E(# % 4" &% 7 ' 9; "" " ' 5! &%92; " 4!3(E(# % 9"4" ;EB9&7"; " "! &% 5 " " "!7'4 &% 7"" ""&%""""M"! ""!% 4 & " ""&* " 5 :" 20 (?"&%4=" /T 16

17 Quadro VII - Valor da Tarifa da Assinatura Não Residencial em Números Índices Reais (Deflacionados pelo IGP-DI) Média Geral 100,0 102,7 111,2 117,7 114,4 124,7 124,0 122,7 Média Área da Telemar 100,0 102,7 111,2 117,6 114,0 124,2 123,6 122,3 Média Área Brasil Telecom 100,0 103,4 112,3 118,0 117,1 127,6 127,0 125,7 Média Área Telefonica 100,0 102,2 110,0 117,4 108,9 118,7 118,1 116,9 Fonte: ANATEL (Tarifas Nominais) e Banco Central (IGP-DI). Elaboração do Autor Quadro VIII - Valor da Tarifa da Assinatura Tronco em Números Índices Reais (Deflacionados pelo IGP-DI) Média Geral 100,0 98,5 104,6 107,7 85,8 93,5 93,0 92,0 Média Área da Telemar 100,0 98,3 104,3 107,3 85,5 93,2 92,7 91,7 Média Área Brasil Telecom 100,0 102,5 109,8 110,2 87,8 95,7 95,2 94,2 Média Área Telefonica 100,0 92,1 95,6 102,0 81,7 89,0 88,6 87,7 Fonte: ANATEL (Tarifas Nominais) e Banco Central (IGP-DI). Elaboração do Autor Quadro IX - Valor da Tarifa de Pulso em Números Índices Reais (Deflacionados pelo IGP-DI) Média Simples 100,0 96,5 90,1 81,2 80,9 78,1 77,7 76,9 Média Área da Telemar 100,0 96,5 90,2 81,3 80,9 78,2 77,8 77,0 Média Área Brasil Telecom 100,0 94,6 88,3 79,6 79,5 76,8 76,4 75,7 Média Área Telefonica 100,0 99,3 93,1 83,9 83,2 80,3 79,9 79,1 Fonte: ANATEL (Tarifas Nominais) e Banco Central (IGP-DI). Elaboração do Autor Quadro X - Valor da Tarifa de Habilitação em Números Índices Reais (Deflacionados pelo IGP-DI) Média Geral ,7 42,2 38,8 25,6 27,9 21,8 21,6 Média Área da Telemar ,5 42,0 38,6 25,7 28,0 21,9 21,7 Média Área Brasil Telecom ,5 46,9 42,5 24,6 26,8 20,5 20,2 Média Área Telefonica ,8 35,4 33,5 26,5 28,9 23,1 22,9 Fonte: ANATEL (Tarifas Nominais) e Banco Central (IGP-DI). Elaboração do Autor EB! % &% 3 &% 4 " 4 : ( 5" " "! I " % " " ( I " 4" " 5 " 4+, &% " 11T "4!% 4 "! &% +2, " " ' 4! " 4 % 17

18 (E(# %4"&% 7' 9;"" " ' 5! &%92; " 4! 3 (E(# % 9"4" ;EB9& 7"; " "! &% 5 " " "! 7 ' 4 &% 7" " " "&% " """M"! ""!% 4 & " ""&* " 5 :" %4" 4" 4 4" "! &%"4 (.230,4562/,025)*7*802. >! ' +, &% 4 " I " == 2 " GIF(# EB! 4 &% 0TE"2+U,4""B &% '08 8T Quadro XI - Média de Reajuste Real das Operadoras de Longa Distância Interurbano 1997/2005 Normal Diferenciado Reduzido Super-Reduzido D1-45,5% -46,6% -45,6% -45,6% D2-40,7% -40,0% -40,8% -41,1% D3-42,0% -42,4% -41,0% -41,9% D4-41,6% -45,4% -41,4% -42,1% Fonte: ANATEL (Tarifas Nominais) e Banco Central (IGP-DI). Elaboração do Autor S &% 5 ( I" &* ' 4 T " 'B0 8T " &%" ( &% ' : &% 4 " &* (! ' 4 4 =T "" &%%"'" ' 2 E%" M!&%' 18

19 ] " % " &% 5 GIF(# EB! 3?"&% " &* " " 4 W+2,4"B" 4 Quadro XII - Evolução da Tarifa de LDN EMBRATEL 1997/2005 Normal Diferenciado Reduzido Super-Reduzido D1-18,3% -18,3% -18,4% -18,6% D2 17,9% 9,2% 17,8% 17,7% D3 9,2% 9,2% 17,8% 17,8% D4 9,2% -26,4% 17,8% 17,8% Fonte: ANATEL (Tarifas Nominais) e Banco Central (IGP-DI). Elaboração do Autor EB! GIF(#" " 5 ' "" 81T ' :" 5 " = Q LMM " S * %6 % :"!4 ' 4 " 9L; 4 " "":" " " " 4 + 4", 0 +I ", " 28 " * 4 6 ) > +6)>,( "" M"(! " &% " "" " 21 %#E! LMMM 28 (! "4 ( I ""&* " 4 " "W " 4 $% 2=" "W "I 21 ^?"&% I"!% " 19

20 Quadro XIII - Evolução da Participação das Operadoras de LDN no Brasil (em %) Telemar Brasil Telecom Telefonica Embratel Outras (inclui Intelig) D<(E(#+ 4E,I "+M)6BM,&%( EB 4! "$D"%% "" &%"! &%+=,( &*%! (9.230,4562/,025)*20/,.201 >! LMP? &* 4 " 2//NI 4! 9L; 4 " 4 " " > 4! " *4" 3?"&%=! " ('" " ('" #! "B &* N= =T %49;G )$ $ # $ I " "! T 4 " = 20

21 Quadro XIV - Variações Reais das Tarifas Internacionais entre 1998 e 2005 por Grupo de Países!"!# $%&# $&$# '$# $ &($#!&%# $()# *)#!+,-./ $)# &%# **# &**#. & !&# &!#!&# &!# +5 ' &)# "'# $$# *)# :2++, /4 ";-./..+ 27!)%# $$'# $)# %# (;.,<7=2 &&*#!#!&# &$# );/..+6>1 $(%# ))# %$# $!# *;-./ />12? $(%# ))# %$# $!# ; ,72 &*$#!""#!*)# $&)# ; &*$#!""#!*)# $&)# ; '%%#!('# &")# 2A-B ;=2 7.2C/C.+212 &*$#!""#!*)# ; )!'# (*&# '%%# 2/C Fonte: ANATEL (Tarifas Nominais) e Banco Central (IGP-DI). Elaboração do Autor!!'# $&)#!('# ( &*&%34! 3 4 " " " ' 5 #M%! $" ()3*040*,:;*,04<0*0025)*/.2)=>.?))?)4 E I #) 4 '" "?%? F M"?% 2N " ""% &%(" 4"?% 4:" 4""""5"?%" """ 2N F&%0H/N 21

22 9; %&" 3 " " &% ' '4" " "":" 4 >" 43"?%I%< 2,&%"" _,%B" &%&% _=,"&%" &% " > F ) M"?% " " " "! "?% &* "&%&%&%4 &* " "?%?4 ( " 3 4 "?% $D 4 4 FF&% AF 2/ S:4&*" " " 4"<,ABF#B 4 "" "_,ABFMAB 4 "" "_",AB>GB 4 "" " ( 4 "?% 4 " &" 9 W; "(! "!T4""?"" ABF#3 " > 5 4"?%'" "B" " 4 " " " 4 4 $D &% M)6BM E " ABFMA " 2 " "4" ' " & " % " &* "H ' 2 ABFMA 2/ F&%==H/N 9I U; &%4"9 ;E " " " "&"?% "!4?4 " ""?!!" 22

23 5 i= 1 24 j= 1 TU RIU ijt M * M ijto t ( 1 k) ( IGP DI ) * IGP DI t to * 5 24 i= 1 j= 1 TU RIU ijto Mijto * Mt (5) >2"4": IGP DI t TU RIU ijt TU RIU ijto * 1.05* (6) IGPDI to < B 9ABFMA5; - 4 " H 95;"9;!_ B 9ABFMA5;B 4 " H 95;"9;!_ B 9G5;BG " H 95;"9; 7 5_ B 9G;BG " 7 5_ B 9;B 5_ B 9;B 7 5 B 9W;BD 9L;T ' 0T '=T0 ' (4&'" ABF#! +% &%, ( ABF# % 4 ' 7" ' 0H ( IGP DI ) t TU RL jt * M jto ( 1 k) * * TU RL jto * j= 1 IGP DI to j= 1 M jto (7) 4 3 ( &% 4 9L;! % 54 "?%! LP?< 23

24 Quadro XV - Fatores X da Interconexão de STFC 1999/ $%%% $%% $%%! $%%' % %' % %' $ & & ' $% ' ' ' '.71/>12. Fonte: ANATEL. Elaboração do Autor. E! 9L; ABFMA 4? 4"4" 'T +0 1T2///,!" "&* " 4 &% 9L; " "?% " > " "&% ' &* (+.17->.)01?.4)5.40*,:;*,.4?025)*/.2)=>. ( ABFMA? " 5 7" % ""4" 2" &*"H"" """%( 54" =0!6 "4&? 2" (?! " &% 5 ' ABFMA ABF# Quadro XVI - Evolução dos Reajustes Nominais e Reais da TU-RIU e TU-RL (sem tributos) no Período 1998/2005 TU-RIU 1999/ / / / / / /2004 Variações Nominais 5,45% 11,92% 7,75% 5,01% 24,85% 3,20% 2,93% Variações Reais -2,5% -2,0% -2,9% -4,0% -4,0% -4,4% -5,0% -X da TU-RIU no -2% -2% -4% -4% -4% -5% -5% Contrato TU-RL Variações Nominais 7,97% 14,20% 8,58% 1,64% 14,33% -10,48% -13,32% Variações Reais -0,2% 0,0% -2,1% -7,1% -12,1% -17,1% -20,0% -X da TU-RL no Contrato 0 0-0,5% -1% -1% -1,5% -1,5% Fonte: ANATEL. Elaboração Própria. 2 " 2//N 4 2///6 "5 M?"! &% 2///" " 9L;T! MP 24

25 ABFMA&* E &*44 4"""%"2+&% 2 2" 4 4",0+&% 84 4 ", E &* 4?! 4 "! " T ABFMA 2//N 4"B! N 1T4 E " ABF# ' 4" B 3?"&%! % &% 4B&* (" ABFMA &* 4 " " " ("B 4&=1 1T &% " ABF# > 5 " ABF# 1T!! 01T ( "" 4 "" 4& 2N T " B! 5 ABF# 4 ""? :"!" 9L; " 4:"% ( &%! 4 '! ' 4 " "! " " 5 4 "?% " 4 4" "":" ( " 9! "; " "! ' 4 " 3 " 4&% 4 ABFMA ABF# 4 " " " 5" " B =0?!? 25

26 Quadro XVII - Evolução das TU-RIU entre 1998 e 2005 por Setores **) *** $%%% $%% $%%$ $%%! $%%& $%%' %< %%'(!% %%"%&$ %%"("$ %%($)" %%("' %%*''$ %%*)') %%&( %$ %%"'*% %%"*&* %%(((( %%)!)% %%))%% %%*)" %!!) %"( %!$$$'!! %%'()% %%"%*' %%")$ %%(!&* %%(() %%*"!' %%**&! %%$!' 12- %& %%(%%% %%(!)$ %%)$"$ %%)*%! %%*!'% %"(! %$%&( %$&%% %' : %%'(!% %%"%&$ %%"("$ %%($)" %%("' %%*''$ %%*)') %%&( %" %%"%!% %%"!'* %%(( %%(""* %%)%'& %%%'' %%!(( %%") %( %%")(% %%($&' %%)%) %%)(!( %%*(' %&'& %)$ %$") %) %%'("% %%"%(& %%"(*) %%(!$' %%("*$ %%*"%! %%**% %%$% %* %%'()% %%"%*' %%")$ %%(!'% %%((* %%*"!" %%**&& %%$!" % %%')'% %%""* %%"*%& %%(&!* %%()$ %%*('! %%%"' %%!"% %%'("% %%"%(& %%"(*) %%(!$' %%("*$ %%*"%! %%**% %%$% $ %%"*%% %%($(" %%)&! %%)((' %%*$' %'%& %)($ %$$$%! %%'("% %%"%(& %%"(*) %%(!$' %%("*$ %%*"%! %%**% %%$% & %%"!"% %%"(%( %%('%" %%)%)) %%)&*& %%"%& %%*&! %$"& ' %%"%!% %%"!'* %%(( %%(""* %%)%'& %%%'' %%!(( %%") " %%"*"% %%(!&% %%)$' %%))'$ %%*$*" %"%' %*(" %$!$( ( %%(%%% %%(!)$ %%)$"$ %%)*%! %%*!'% %"(! %$%&( %$&%% ) %%"!"% %%"(%( %%('%" %%)%)) %%)&*& %%"%& %%*&! %$"& * %%"'*% %%"*&* %%(((( %%)!)% %%))%% %%*)" %!!) %"( $% %%'(!% %%"%&$ %%"("$ %%($)" %%("' %%*''$ %%*)') %%&( $ %%(%%% %%(!)$ %%)$"$ %%)*%! %%*!'% %"(! %$%&( %$&%% $! %%'()% %%"%*' %%")$ %%(!'% %%((* %%*"!" %%**&& %%$!" $& %%"*% %%"'$) %%(!%" %%()(! %%)$") %%!$$ %%"'$ %%*"& $" E %%'()% %%"%*' %%")$ %%(!'% %%((* %%*"!" %%**&& %%$!" $( %%(%%% %%(!)$ %%)$"$ %%)*%! %%*!'% %"(! %$%&( %$&%% $) %%"%!% %%"!'* %%(( %%(""* %%)%'& %%%'' %%!(( %%") $* %%"'*% %%"*&* %%(((( %%)!)% %%))%% %%*)" %!!) %"(!% %%'(!% %%"%&$ %%"("$ %%($)" %%("' %%*''$ %%*)') %%&(! %%"'*% %%"*&* %%(((( %%)!)% %%))%% %%*)" %!!) %"(!$ %%'(!% %%"%&$ %%"("$ %%($)" %%("' %%*''$ %%*)') %%&(!& %%(%%% %%(!)$ %%)$"$ %%)*%! %%*!'% %"(! %$%&( %$&%% %!& %%"%)% %%"&$ %%((" %%((!$ %%)$% %%!( %%&" %%(") Fonte: ANATEL 26

27 Quadro XVIII - Evolução das TU-RL entre 1998 e 2005 por Setores **) *** $%%% $%% $%%$ $%%! $%%& $%%' %< %%!(*% %%&%*$ %%&"(! %%'%(& %%''( %%')*" %%'$() %%&'(' %$ %%!"%% %%!))( %%&&!* %%&)$% %%&)** %%'"% %%'%& %%&!&" %!$$$'!! %%&%*% %%&&" %%'%&! %%'&(' %%''"' %%"!"$ %%'"*' %%&*!" 12- %& %%&%(% %%&!*' %%'%* %%'&'% %%''!* %%"!!! %%'""* %%&*& %' : %%!))% %%&)* %%&()& %%'*' %%'$)% %%"%!" %%'&%! %%&")! %" %%!)% %%&& %%&"*) %%'% %%')' %%'*$) %%'!%( %%&"%% %( %%&% %%&&!) %%'%") %%''%! %%''*! %%"!*& %%'($& %%&*" %) %%!"*% %%!*)& %%&''% %%&*&% %%'%$ %%'(&% %%'!) %%&&'! %* %%&%&% %%&!"$ %%&*) %%'&%* %%'&*) %%"$)" %%'"$( %%&)(( % %%&%&% %%&!"$ %%&*) %%'&%* %%'&*) %%"$)" %%'"$( %%&)(( %%!'!% %%!) %%&!'$ %%&($' %%&)%$ %%'&*% %%&*' %%&$"% $ %%!)%% %%&%! %%&")' %%'%)( %%'(% %%'* %%'$* %%&')"! %%!"*% %%!*)& %%&''% %%&*&% %%'%$ %%'(&% %%'!) %%&&'! & %%!')% %%!)"' %%&&& %%&(*! %%&)($ %%''(% %%&*)" %%&!$$ ' %%!)%% %%&%! %%&")' %%'%)( %%'(% %%'* %%'$* %%&')" " %%&% %%&&!) %%'%") %%''%! %%''*! %%"!*& %%'($& %%&*" ( %%!)%% %%&%! %%&")' %%'%)( %%'(% %%'* %%'$* %%&')" ) %%!'!% %%!) %%&!'$ %%&($' %%&)%$ %%'&*% %%&*' %%&$"% * %%!"%% %%!))( %%&&!* %%&)$% %%&)** %%'"% %%'%& %%&!&" $% %%&% %%&&!) %%'%") %%''%! %%''*! %%"!*& %%'($& %%&*" $ %%!*&% %%&$'& %%&)') %%'$(' %%'!" %%"$* %%'&)( %%&('" $! %%&%&% %%&!"$ %%&*) %%'&%* %%'&*) %%"$)" %%'"$( %%&)(( $& %%!"!% %%!** %%&&(' %%&)'* %%&*!* %%'"&( %%'%'' %%&!) $" E %%&%&% %%&!"$ %%&*) %%'&%* %%'&*) %%"$)" %%'"$( %%&)(( $( %%&% %%&&!) %%'%") %%''%! %%''*! %%"!*& %%'($& %%&*" $) %%&% %%&&!) %%'%") %%''%! %%''*! %%"!*& %%'($& %%&*" $* %%!))% %%&)* %%&()& %%'*' %%'$)% %%"%!" %%'&%! %%&")!!% %%&% %%&&!) %%'%") %%''%! %%''*! %%"!*& %%'($& %%&*"! %%!"%% %%!))( %%&&!* %%&)$% %%&)** %%'"% %%'%& %%&!&"!$ %%&% %%&&!) %%'%") %%''%! %%''*! %%"!*& %%'($& %%&*"!& %%&% %%&&!) %%'%") %%''%! %%''*! %%"!*& %%'($& %%&*" Fonte: ANATEL 64 %' 4" " 5"! &*+,+1,4&% %&% 4(E(# 27

28 @ ()3*040*,:;*,04?.)*+,-.A+)1 > " 4 " " % 7""" $D S""$D 4&&% & E" 7""' % 4 & 4" " > 5 4"$D &" ""4:"P? &% "" %" " & " ' ( "4"&% " @ 4 % ' 4"?%>6$&I" 4" "'4<,P? S &%_,P? ( _ ", P? &% P "&% 2 B PB2! ' "< 4&% " 3` F ( $& " ""&% 4&%( $&4C"67"_ ", ""&% 4&% " 3 ` F ( " 4&% " 3` F+",( E ""&% "' " $& " "'" '=T+6", PB2,P?&%P "&%BPB! "< 2, ""&% &% " 3! " ` F( $& " ""&% EB! 4 " 28

29 &% ( $& 4C" 67" % 4 " &%! " ` F( " ""&% &%! " ` F+", ( %4 ""2, P? &% P "&% = B PB=! ' "< &%3! " ` F( " ""&% 44 &%( &%3! " ` F( " ""&% 44 &%3! " ` F+", ( _ 4,P?(" +(,!'( " "%! "4 ` G _,P?"$#B2 "3""&% ( " $& 4 ` G '" &%_,P?"$#B "3""&% ( " $& 4 ` G &%_,P? 4A 4"?% " B >"& "4:"6$&I" 4 4!< Cesta de Referência = (HAB 36) + AS + (K1xVC-1) + (K2xVC-2) + (K3xVC-3) + (K4xDSL-1) + (K5xDSL-2) + (K6xAD) (8) 29

30 < U2 U U= U0UV! PB2 PB PB= $#B2$#B " _ U8V! " (_ S(IV F +FY, &%_ ($V F +FY, _ PB2 PBPB=V F +FY,43&%&_ $#B2$#BV F +FY,4 "_ (V F +FY, " " ( 4B " " %! PB2%43 ABG 6 4 " " $& 4C" 67" ` "% ' " " % 4 6$& "4:"+!', % P G? F4:" ` "% ( " &% 4 ' 3 &% % &%! "54" %3 "" "5&? % " 2//N > "' 4 " 9F6;! "&4"& 4!:" 4 "4:" "4 RP = sendo ( 0.6 * EP K and TM TP. E K) ( Tm TP * K Tm p ) (9) 30

31 < UB6&4?&%& B4!:"_ 6-6& 4 " % 4!:"_ G-P G? F4:"4 (E(#_ 6-P F4:"" ' *44? 2 " 55(E(#A """""" ' 5 4 4B! " 4:" +N, 4 "?% " ABG % 5 "4 &% M)6BM EB! 4 "" 4? " " ""4" " % "4" 3?"&% 4 "?%ABG F&%. =2/ 4 "' &% $& 6 +$G6, " $& +$G,! ""% " D"F&%P F&%AF $G6 PABG " E " % I U 5 M)6B M" +5 9L;4??B, '"&%" (E(# > " $G6 &% " (E(#$G 2 B " (+.17->.?.4)5.40*,:;*,.4?0)1):.2,0 A+)1 4" &%4 "&% 4 " " 6 %M! LML? 31

32 Quadro XIX - Evolução dos Tetos Tarifários Reais na Região I Bandas A e B (Mar 97(*)/Dez 004) Operadoras Bandas Habilitação Assinatura VC-1 VC AD VU-M Amazônia Celular (AM) A 187,9% 506,1% 520,4% 275,5% 404,1% 64,4% Amazônia Celular (RR) A 187,9% 506,1% 520,4% 275,5% 404,1% 64,4% Amazônia Celular (MA) A 187,9% 506,1% 520,4% 275,5% 404,1% 64,4% Amazônia Celular (PA) A 209,6% 551,7% 567,1% 303,7% 444,7% 64,4% Amazônia Celular (AP) A 187,9% 506,1% 520,4% 275,5% 404,1% 64,4% ATL Algar Telecom Leste (ES) B 0,0% 454,1% 554,7% 751,1% 441,5% 78,5% ATL Algar Telecom Leste (RJ) B 0,0% 495,8% 604,1% 815,3% 481,9% 78,5% BSE-PI B 0,0% 424,1% 442,3% 428,8% 110,9% 388,7% BSE-CE/RN/AL B 0,0% 439,0% 458,0% 444,0% 115,5% 388,7% BSE-PE B 0,0% 447,1% 466,1% 452,0% 120,1% 388,7% BSE-PB B 0,0% 463,4% 483,2% 468,6% 124,7% 388,7% Maxitel - Bahia/Sergipe B 0,0% 545,7% 669,3% 351,0% 560,6% 72,1% Maxitel-MG B 0,0% 455,2% 574,8% 365,4% 460,8% 96,5% Norte Brasil Telecom MA/AP/RR/AM B 0,0% 438,1% 551,2% 334,9% 330,8% 129,5% Norte Brasil Telecom PA B 0,0% 478,7% 598,3% 362,8% 362,5% 129,5% Telest Celular A 84,4% 503,3% 499,1% 276,0% 377,0% 73,0% Telerj Celular A 98,3% 548,7% 544,2% 304,3% 414,2% 64,2% Telebahia Celular A 116,0% 550,3% 550,7% 279,2% 410,8% 61,5% Telergipe Celular A 116,0% 550,3% 550,7% 279,2% 410,8% 61,5% Telasa A 111,4% 562,8% 562,8% 286,3% 431,1% 64,2% Telepisa A 105,5% 544,2% 544,2% 275,5% 414,2% 64,2% Telpa A 121,0% 592,8% 592,8% 303,7% 454,8% 64,2% Teleceará A 111,4% 562,8% 562,8% 286,3% 431,1% 64,2% Telern A 111,4% 562,8% 562,8% 286,3% 484,2% 64,2% Telpe A 114,5% 572,5% 572,5% 291,9% 491,7% 64,2% Telemig A 157,8% 516,3% 510,3% 283,0% 390,5% 76,5% CTBC A 154,3% 504,4% 499,0% 275,9% 380,4% 76,6% Média 87,5% 510,7% 540,8% 355,8% 380,0% 120,7% (*) Banda B a partir de outubro de EB!2//1 ' PB2+" 4?, (I %M""0 NT " ""2 1T>" 4 &%!4! % 5 " Quadro XX - Evolução dos Tetos Tarifários Reais na Região I Bandas D e E (Ago 2003/Dez 2004) Operadoras Bandas Habilitação Assinatura VC-1 VC AD VU-M Stemar Telecomunicações E 65,9% 65,9% 65,9% 65,9% 65,7% 29,7% 1) TNL PCS AP/PI/MA/RR/ESMG/AM D 0,0% 80,7% 78,4% 78,4% 79,2% 29,5% 2) TNL PCS BA/SE/CE/RN/AL D 0,0% 86,0% 83,5% 83,5% 84,6% 29,5% 3) TNL PCS PE D 0,0% 88,7% 86,2% 86,2% 87,3% 29,5% 4) TNL PCS RJ/PA/PB D 0,0% 94,4% 91,8% 91,8% 92,6% 29,5% 1) TIM Celular PA/RJ E 141,8% 141,9% 139,3% 139,3% 136,8% 29,5% 2) TIM Celular ES/AM/RR/AP/MA E 124,9% 124,9% 122,6% 122,6% 120,7% 29,5% Média 47,5% 97,5% 95,4% 95,4% 95,3% 29,5% 32

33 E 5 ' 4 ' ""! &%! A %4" F%MM" Quadro XXI - Evolução dos Tetos Tarifários Reais na Região II Bandas A e B (Mar 97(*)/Dez 2004) e D e E (Ago 2003/Dez 2004) Habilitação Assinatura VC-1 VC AD VU-M Americel (TO/AC/DF) B -43,6% 494,1% 492,3% 506,5% 62,2% 382,5% Americel (GO) B -40,2% 529,4% 527,4% 542,6% 69,3% 382,5% Americel (MS) B -42,0% 511,4% 509,4% 524,1% 65,8% 382,5% Americel (MT) B -39,3% 539,0% 536,9% 552,3% 72,8% 382,5% Americel (RO) B -34,4% 591,0% 588,8% 605,4% 86,9% 382,5% Celular CRT A 159,6% 556,0% 544,9% 290,3% 424,4% 59,7% Global Telecom(SC) B 0,0% 549,1% 622,8% 440,3% 446,7% 108,3% Global Telecom(PR) B 0,0% 567,7% 643,8% 455,9% 464,3% 108,3% Sercomtel Celular A 187,1% 527,8% 517,1% 273,4% 400,7% 58,5% TeleCentro Oeste Cel. Part (DF) A 190,3% 510,3% 499,7% 262,9% 387,2% 66,0% TeleCentro Oeste Cel. Part (GO) A 207,6% 546,5% 535,4% 284,5% 414,2% 66,0% Teleacre A 190,3% 510,3% 499,7% 262,9% 387,2% 66,0% Telegoiás (TO) A 190,3% 510,3% 499,7% 262,9% 387,2% 66,0% Telegoiás (GO) A 207,6% 546,5% 535,4% 284,5% 414,2% 66,0% Telemat A 212,2% 556,3% 544,9% 290,3% 424,4% 66,0% Telems A 198,7% 527,9% 517,1% 273,4% 400,7% 66,0% Teleron A 237,7% 609,8% 597,5% 322,1% 465,0% 66,0% Telet B 0,0% 530,5% 536,9% 552,3% 72,8% 363,5% TIM Sul (CTMR) A 128,7% 568,3% 556,9% 297,6% 434,5% 59,7% TIM Sul (Telesc) A 162,8% 539,4% 528,5% 280,3% 410,8% 59,7% TIM Sul (Telepar) A 155,5% 521,5% 510,9% 269,7% 397,3% 59,7% CTBC GO A -65,5% 540,4% 534,6% 298,2% 424,4% 59,7% CTBC MS A -66,5% 521,9% 516,2% 286,8% 410,8% 76,6% Média Bandas A e B 91,2% 539,4% 539,0% 366,1% 327,1% 150,2% Telet (SC) D 61,2% 61,2% 61,2% 61,2% 61,1% 32,8% Telet (PR) D 65,9% 65,9% 65,9% 65,9% 65,7% 32,8% Brasil Telecom (SC/AC/TO/DF) E 61,2% 61,2% 61,2% 61,2% 61,1% 30,8% Brasil Telecom (MT/RS) E 73,4% 73,4% 73,4% 73,4% 72,6% 30,8% Brasil Telecom (GO) E 70,8% 70,8% 70,8% 70,8% 70,3% 30,8% Brasil Telecom (MS/PR) E 65,9% 65,9% 65,9% 65,9% 65,7% 30,8% Brasil Telecom (RO) E 87,5% 87,5% 87,5% 87,5% 86,4% 30,8% Tim Celular TO/AC/DF D 124,9% 124,9% 122,6% 122,6% 120,7% 30,8% Tim Celular (MT/RS) D 141,8% 141,9% 139,3% 139,3% 136,8% 30,8% Tim Celular (GO) D 138,2% 138,3% 135,8% 135,8% 134,1% 30,8% Tim Celular (MS/PR) D 131,4% 131,4% 129,0% 129,0% 127,4% 30,8% Tim Celular (RO) D 161,5% 161,6% 158,8% 158,8% 156,8% 30,8% Média Bandas D e E 98,6% 98,6% 97,6% 97,6% 96,5% 31,1% 33

34 >4"" %MMM Quadro XXII - Evolução dos Tetos Tarifários Reais na Região III Bandas A e B (Mar 97(*)/Dez 2004) e D e E (Ago 2003/Dez 2004) Região III Habilitação Assinatura VC-1 VC AD VU-M BCP B 152,6% 456,6% 431,7% 314,7% 75,8% 389,1% Telesp Celular (área 1) A -68,2% 496,1% 521,3% 276,0% 397,3% 51,5% Telesp Celular (área 2) A -45,2% 496,1% 521,3% 276,0% 397,3% 51,5% Telesp Celular (Ceterp) A -45,2% 496,1% 521,3% 276,0% 397,3% 51,5% Tess B -74,9% 531,5% 538,1% 323,2% 486,7% 52,4% CTBC A 39,8% 504,4% 499,0% 275,9% 380,4% 76,6% Média -6,9% 496,8% 505,4% 290,3% 355,8% 112,1% Tim Celular D 95,9% 124,9% 122,6% 122,6% 120,7% 30,7% M4 % &%! 4 "" PB2 ( &*% 6 " 7 ' " +2, % &% &% %! " 54" ""S " " ' " "! " " 4&% % "! " " 'B 4 "% "! " &%4 >'B "" %!% ' &% 4 4 = $ 4 5 " 4"%":"&%!? &% " & " &! E 9":; ' " = >% &% 4"?% "?E &!%" &% $G6"&%!" " 34

35 "!" " " " >5 B &! 4&% 4" +,! E%'! 10 I 2//0 18 * " 5 " 2 4 "! 7 " % % " " 4&"4$G6 4 $ =2H2H " " ""% & " " $D>"""%!%" (E(# 54" 5 &! " "&% " & " " " &%! 4 A " 4"&* ' &% M)6BM "? "&" O"( &% 4+M$,! ' 4"?%4"" 9;E%""! "&% ""4" &&% " 2//N ' "? "'% 2 2 ( 4&% $&#" 4B"< +(a?gme,b+2bw,?d?+(a?gme, < (V6F?(Fa6EF?(EFa 6"?("a6?( V2 (V6?(Fa6EF?(EFa 6"?("a6?( V2 35

36 ( 4B (F (EF (" ( "4" 5 " "4" ' T (Fb(F?2?D M*B&% "54 &%< (Fb(EFb(" (4+!" 4&% ", &% 4 7" 4" 4 & " % % "4"" < GMEbGME?2?D S(IFbS(IF?D?+2BW, S(IEFbS(IEF?D?+2BW, S(I"bS(I"?D?+2BW, S(IbS(I?D?+2BW, A6bA6?D?+2BW, >< V 5 V 7 5 GMEVP &%&"!" 6FV" "6I"$&#" " 7 5 6EF V " % " 6 I" $& #" " 7 5 6"V" "6I"$&#" " 7 5 6V" 6I"$&#" " 7 5 (V ( ' (FV ( F"!" (EFV ( E%F"!" ("V ( "!" 36

37 (V (!" S(IFV? &% "!" S(IEF V? &% % "! " S(I"V? &% "!" S(IV? &%!" A6V 4&% " 47" V 7 ' 4 6 I" $& #" "! 3 " " "7 5 >D%'!? &%M$<DVM$HM$ >9W;+9L;," 4" 4D( 4 < WVLaD( LV44:" D(V4 " 6 : 8H1 4 4:" L " (E(#" 4"!" 4" "C"4 9 ;9&%;" 4 & "&% > 9L; % 4$ 44 5? 7 * 'B4&%9L; K 2. 5 N 4 4:" L "(E(#"!" &%" &% & &% " " "" 4 4:" L 5 +! " 5 4, +,( &% ""!9L;4 " 5 4 % > 4 " D( &%M$+5 D, < 37

38 I 0 para Ft 10%; II 0,01 para 10%<Ft 20%; e III 0,02 para Ft> 20%. Serviço de Interurbano E" & 3 """% 2//N " 4&< B B B B B E% 49" ; 0 0 "5"_ B7"""4"!"* +0c0,V/8 >M)6BM'M$_ >9W;'' ""4 "D( " &"_ ( &% "4" ' T ' 2_ '%'B49L;"&" ' % &% : 8H1 &% &% "&N2 $&M " 4!% &"5! "* " &* "4" &* 4 & % '! M"?% > ABFMA 4 ABFMA2 ABFMA > 43"& " " " 4!5 >" " " " 4 '4 1 0 G &5" 4 " ^'" F&==H/N % &% "E " " " "4>5 " 38

39 > 4"?% 4 4 "! 5 " " """ ' & "?" >! "?* Quadro XXIII Tarifas Finais e de Interconexão no Novo Modelo Tus Ano TU Máximo TU-RL Até % da tarifa local do usuário final. TU-RL % da tarifa local do usuário final. TU-RIU (1 e 2) Até % da tarifa de longa distância no degrau tarifário relativo à distância entre 100 e 300 Km do usuário final TU-COM Até % do valor da TU-RIU1 > 5 " " " " " ' & "?" > # " 2 5 = " 01== " 4"?%! &% """% &%""&*8 " " 1. " 4 "?% % ""+#FM" B#FM, ( 94X BW; + 4, #FM "" " "! 9 &% ; ' " E"?" "9#FM4"; """ 5 4% "&"" +49L;,"" " &%" ( (E(# 5 " 9F ) M"?%; 8 9F F&%A F""&*; 1 9F $ &% ("&% ; "' 4&% 4"?%% ( " & 6"" &%#FM>#FM44 "9 8 F&%0H/N 1 F&%==H/N 39

40 !;>""9"";4 "44"9"!; " " % " "" 4?""""9;#FM ""!" 4? E "? #FM 94 '" 4";! "4 &%" %& " " "" "!, % """""9 4; +!#, % + #, 6B % " "&% " "! "! 5 4? I > #FM "" " : N%8! """%4 &%" 44 ("" 4 &% 4"?%<6G"$4"+6G$,>!4 " " 6G$ % " 4 4" "&*" (?:"6G$4 " < " &* " 4 "?% " " " " 4 % "!&% &%" 3 " 4 " (! 4 " " 6G$ % 4 >? 4 AB FMA ABF# AB>G % 4 "?:" % 6G$ 4""4"4 (E(# 4 4 " 6G$ $ % " 6G$ 4"?%%" $" > &%44 &% " 40

ANEXO 85 (Art. 300 do RICMS Anexo ao Convênio ICMS 126/98, atualizado até o Conv. ICMS 67/07)

ANEXO 85 (Art. 300 do RICMS Anexo ao Convênio ICMS 126/98, atualizado até o Conv. ICMS 67/07) Alterado pelo Decreto nº 19.229, de 30/06/06 Alterado pelo Decreto nº 19.285, de 11/08/06 Alterado pelo Decreto nº 19.432, de 25/10/06, com efeitos a partir de 11/10/06. Alterado pelo Decreto nº 19.607,

Leia mais

EMPRESAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TELECOMUNICAÇÕES. Item Empresas Sede Área de Atuação

EMPRESAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TELECOMUNICAÇÕES. Item Empresas Sede Área de Atuação ANEXO III - REVOGADO; (Redação dada pelo Decreto 2.306, de 20.12.04) (Redação dada pelo Decreto 997/00 de 26.07.00). ANEXO III RELAÇÃO DAS EMPRESAS OPERADORAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS DE TELECOMUNICAÇÕES,

Leia mais

ITEM Tarifa Anterior R$ Tarifa Nova R$ VARIAÇÃO R$ VARIAÇÃO (%) Autofinanciamento 1.117,63 1.117,63 0,00 0,00

ITEM Tarifa Anterior R$ Tarifa Nova R$ VARIAÇÃO R$ VARIAÇÃO (%) Autofinanciamento 1.117,63 1.117,63 0,00 0,00 TARIFAS DE TELEFONIA NO PLANO REAL Maria D arc Lopes Bezerra 1 Introdução Observouse, nesse curto espaço de tempo de vigência do Plano Real, uma gigantesca modificação no setor de telecomunicações, tanto

Leia mais

DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO de SERVIÇO Nº35A

DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO de SERVIÇO Nº35A DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO de SERVIÇO Nº35A I) Empresas: Este Plano Alternativo de Serviço aplica-se à TELEMAR NORTE LESTE S.A., sucessora por incorporação das Empresas Concessionárias do Serviço

Leia mais

DESCRITIvO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 110

DESCRITIvO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 110 DESCRITIvO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 110 I) Empresas: Este Plano Alternativo de Serviço aplica-se à TELEMAR NORTE LESTE S.A., sucessora por incorporação das Empresas Concessionárias do Serviço

Leia mais

DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 103

DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 103 DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 103 I) Empresas: Este Plano Alternativo de Serviço aplica-se à TELEMAR NORTE LESTE S.A., sucessora por incorporação das Empresas Concessionárias do Serviço

Leia mais

(ANEXO ÚNICO DO ATO COTEPE/ICMS Nº 10, DE 23 DE ABRIL DE 2008, alterado pelos Atos COTEPE/ICMS 12/08, 25/08, 39/08, 13/09, 21/09.)

(ANEXO ÚNICO DO ATO COTEPE/ICMS Nº 10, DE 23 DE ABRIL DE 2008, alterado pelos Atos COTEPE/ICMS 12/08, 25/08, 39/08, 13/09, 21/09.) ANEXO XVIII EMPRESAS DE TELECOMUNICAÇÕES (A que se refere o artigo 361 deste regulamento) (AC pelo Dec. 14725, de 18.11.09 efeitos a partir de 1º.05.08 - Ato COTEPE/ICMS nº 10/08) (ANEXO ÚNICO DO ATO COTEPE/ICMS

Leia mais

Acre. Planos Antigos:

Acre. Planos Antigos: Acre Planos Antigos: Planos Assinatura mensal Minuto excedente de ligações locais dentro da área de registro Plano 50 minutos R$ 58,74 R$ 0,93 Plano 100 minutos R$ 90,84 R$ 0,74 Plano 150 minutos R$ 104,75

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N o 486, DE 24 DE JANEIRO DE 2012 DOU: 25.01.12 Seção 1 pág. 63 Retificado DOU: 27.01.2012 Seção I pág. 49 O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES,

Leia mais

TELEFONIA FIXA E MÓVEL

TELEFONIA FIXA E MÓVEL DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TELEFONIA FIXA E MÓVEL NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PLANTA DE TELEFONIA NO BRASIL 2011 Acessos fixos 14,4% Acessos móveis 85,6% FONTE: ANATEL dez/10 PLANTA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA 1 DECRETO Nº 9631, DE 27 DE AGOSTO DE 2001. DOE 4810, de 28/08/01 Introduz alterações no Regulamento do ICMS em função da 102ª reunião ordinária do Conselho Nacional de Política Fazendária CONFAZ. O GOVERNADOR

Leia mais

PLANOS DE LONGA DISTÂNCIA - VC2 E VC3 NOVOS VALORES VIGENTES NOVOS VALORES MÁXIMOS NOVOS VALORES PROMOCIONAIS (1) REGIÃO DO PGO

PLANOS DE LONGA DISTÂNCIA - VC2 E VC3 NOVOS VALORES VIGENTES NOVOS VALORES MÁXIMOS NOVOS VALORES PROMOCIONAIS (1) REGIÃO DO PGO EMBRATEL PREÇOS E TARIFAS DE CHAMADAS ENVOLVENDO TERMINAIS MÓVEIS TABELA REFERENTE AO COMUNICADO PUBLICADO NO JORNAL DO COMMERCIO, EM 31/03/2014 PLANOS ALTERNATIVOS DE SERVIÇOS ENVOLVENDO ACESSOS DO SMP

Leia mais

Bahia. Planos Antigos:

Bahia. Planos Antigos: Bahia Planos Antigos: Planos Assinatura mensal Minuto excedente de ligações locais dentro da área de registro Plano 15 minutos R$ 27,19 R$ 1,21 Plano 20 minutos R$ 35,15 R$ 1,17 Plano 30 minutos R$ 28,19

Leia mais

BRASIL TELECOM S.A. First Field Trip Posicionamento estratégico para a abertura do mercado

BRASIL TELECOM S.A. First Field Trip Posicionamento estratégico para a abertura do mercado BRASIL TELECOM S.A. First Field Trip Posicionamento estratégico para a abertura do mercado Abril 2002 1 A presente apresentação contém previsões acerca de eventos futuros que não constituem fatos ocorridos

Leia mais

DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 150

DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 150 DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 50 A. Empresa: Oi (Telemar Norte Leste S.A.) B. Nome do Plano: Plano Alternativo de Serviço n.º 50 Franquia 500 minutos Internet sem Limites + Franquia VC

Leia mais

4. Mercado de Telefonia Móvel

4. Mercado de Telefonia Móvel 70 4. Mercado de Telefonia Móvel Tendo em vista que este estudo de caso é de uma empresa de telefonia móvel, torna-se relevante que seja abordada a evolução histórica da telefonia móvel no Brasil, suas

Leia mais

DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 145

DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 145 DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 145 A. Empresa: Oi (Telemar Norte Leste S.A.) B. Nome do Plano: Plano Alternativo de Serviço n.º 145 Franquia 230 minutos + Franquia VC1 C. Identificação para

Leia mais

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi EMPRESA CONTROLE sem fidelização

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi EMPRESA CONTROLE sem fidelização TELEMAR NORTE LESTE S/A, com sede na cidade e estado do Rio de Janeiro, na Rua do Lavradio, n 71 Centro, inscrita no CNPJ sob o n 33.000.118/0001-79, Oi S.A., sociedade anônima, com sede na Cidade do Rio

Leia mais

Gestão da Qualidade da Banda Larga

Gestão da Qualidade da Banda Larga Gestão da Qualidade da Banda Larga Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17 de maio de 2013 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO INDICADORES DE BANDA LARGA FIXA Avaliações realizadas através de medidores instalados

Leia mais

Brasil Telecom. Gigantes dos Mercados Emergentes UBS Warburg. Dezembro de 2002

Brasil Telecom. Gigantes dos Mercados Emergentes UBS Warburg. Dezembro de 2002 Brasil Telecom Gigantes dos Mercados Emergentes UBS Warburg Dezembro de 2002 1 OSetor de Telecomunicações no Brasil 2 Empresas de Telefonia Fixa Região IV (Somente Longa Distância) Preço Mínimo: US$1.548

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS DA TELEFONIA FIXA NO BRASIL. ABRIL DE 2009 Superintendência de Serviços Públicos

TARIFAS E PREÇOS DA TELEFONIA FIXA NO BRASIL. ABRIL DE 2009 Superintendência de Serviços Públicos TARIFAS E PREÇOS DA TELEFONIA FIXA NO BRASIL ABRIL DE 2009 Superintendência de Serviços Públicos CARACTERÍSTICAS DA OFERTA DE SERVIÇOS DE TELEFONIA FIXA ACESSO INDIVIDUAL ITENS NORMALMENTE TARIFADOS: HABILITAÇÃ

Leia mais

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi EMPRESA CONTROLE

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi EMPRESA CONTROLE Oi MÓVEL S.A., no Setor Comercial Norte, quadra 03, Bloco A, Ed. Estação Telefônica Térreo Parte 2, Brasília, inscrita no CNPJ sob o nº 05.423.963/0001-11, doravante em conjunto denominada simplesmente

Leia mais

VOLUME 3 / 7 RELATÓRIO FINAL DE RESULTADOS SEGMENTO: USUÁRIOS DE TELEFONES RESIDENCIAIS (STFC-R)

VOLUME 3 / 7 RELATÓRIO FINAL DE RESULTADOS SEGMENTO: USUÁRIOS DE TELEFONES RESIDENCIAIS (STFC-R) VOLUME 3 / 7 RELATÓRIO FINAL DE RESULTADOS SEGMENTO: USUÁRIOS DE TELEFONES RESIDENCIAIS (STFC-R) CONTRATANTE: AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL EXECUTANTES: FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Qualidade na Telefonia Fixa

Qualidade na Telefonia Fixa Qualidade na Telefonia Fixa Este tutorial apresenta os indicadores básicos utilizados pela Anatel para acompanhar a Qualidade do Serviço prestado pelas operadoras do Serviço Telefônico Fixo Comutado no

Leia mais

Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC)

Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC) Superintendência de Serviços Públicos (SPB) Gerência-Geral de Outorga, Acompanhamento e Controle das Obrigações Contratuais (PBOA) Gerência de Outorga de Serviços

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N.º 51.300, DE 30 DE JUNHO DE 2005.

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N.º 51.300, DE 30 DE JUNHO DE 2005. AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO N.º 51.300, DE 30 DE JUNHO DE 2005. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art.

Leia mais

Jarbas José Valente. Superintendente de Serviços Privados. Brasília, 27 de fevereiro de 2008

Jarbas José Valente. Superintendente de Serviços Privados. Brasília, 27 de fevereiro de 2008 Jarbas José Valente Superintendente de Serviços Privados Brasília, 27 de fevereiro de 2008 Agenda O que é SMP? Ponto de vista legal Ponto de vista de negócio Ponto de vista social Pontos Positivos Desafios

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Tarifas de Uso de Rede Este tutorial apresenta os conceitos básicos de Tarifas de Uso de Rede das Operadoras de Telefonia Fixa e Celular. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

PLANO BÁSICO LOCAL (Região III, Setor 3 da Região - I do PGO)

PLANO BÁSICO LOCAL (Região III, Setor 3 da Região - I do PGO) PLANO BÁSICO LOCAL (Região III, Setor 3 da Região - I do PGO) A. Empresa: Oi (Telemar Norte Leste S.A.) B. Nome do Plano: C. Identificação para a Anatel: D. Modalidade do STFC coberta: Local E. Descrição

Leia mais

Data de Referência do Relatório: 05/06/2012

Data de Referência do Relatório: 05/06/2012 Data de Referência do Relatório: 05/06/2012 Demanda: Multas aplicadas nos últimos 3 anos (abr/2009 a abr/2012) em decorrência de descumprimento de plano geral de metas de qualidade identificando o tipo

Leia mais

Novembro 2006. www.telemar.com.br/ri

Novembro 2006. www.telemar.com.br/ri Novembro 2006 www.telemar.com.br/ri Índice Visão Geral Telemar Mercado de Telecom no Brasil Telemar: Destaques Operacionais e Financeiros Anexos 2 Telemar: Visão Geral Empresa líder em serviços integrados

Leia mais

Telefonia Móvel. Audiência Pública da Comissão de Defesa do Consumidor Requerimentos 03/2011 e 05/2011 24 de março de 2011

Telefonia Móvel. Audiência Pública da Comissão de Defesa do Consumidor Requerimentos 03/2011 e 05/2011 24 de março de 2011 Telefonia Móvel Audiência Pública da Comissão de Defesa do Consumidor Requerimentos 03/2011 e 05/2011 24 de março de 2011 Sumário Base de clientes Investimentos Empregos gerados Competição Preço dos serviços

Leia mais

Perspectiva Regulatória. Novembro de 2015

Perspectiva Regulatória. Novembro de 2015 Perspectiva Regulatória Novembro de 2015 acesso móvel TV por assinatura telefone fixo banda larga fixa Panorama Setorial - Tradicional 44,1 milhões de assinantes 25,2 milhões de assinantes R$ 204 bi RECEITA

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços 2 A inflação mais elevada no trimestre finalizado em fevereiro evidenciou, essencialmente, o realinhamento dos preços monitorados e livres, pressões pontuais advindas da desvalorização cambial,

Leia mais

Qualidade da Banda Larga Fixa (SCM) Relatório de Indicadores de Desempenho Operacional

Qualidade da Banda Larga Fixa (SCM) Relatório de Indicadores de Desempenho Operacional Qualidade da Banda Larga Fixa (SCM) Relatório de Indicadores de Desempenho Operacional 2014 Superintendência de Controle de Obrigações - SCO Gerência de Controle de Obrigações de Qualidade - COQL Brasília,

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

I I F ó r u m N a c i o n a l d o s. Conselhos de Usuár ios

I I F ó r u m N a c i o n a l d o s. Conselhos de Usuár ios I I F ó r u m N a c i o n a l d o s Conselhos de Usuár ios PESQUISA DE SATISFAÇÃO E QUALIDADE PERCEBIDA Destaques dos Resultados Coletiva de Imprensa Superintendência de Relações com Consumidores 29/03/2016

Leia mais

Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Educação. Novembro de 2015

Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Educação. Novembro de 2015 Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Educação Novembro de 2015 acesso móvel TV por assinatura telefone fixo banda larga fixa Panorama Setorial - Tradicional 44,1 milhões de assinantes 25,2

Leia mais

DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 124a

DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 124a DESCRITIVO DO PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Nº 124a A. Empresa: Oi (Telemar Norte Leste S.A.) B. Nome do Plano: Plano Alternativo de Serviço n.º 124A Oi Fixo Controle C. Identificação para a Anatel: Plano

Leia mais

3 CONTEXTO DO ESTUDO DE CASO

3 CONTEXTO DO ESTUDO DE CASO 27 3 CONTEXTO DO ESTUDO DE CASO Este capítulo apresenta o setor de telecomunicações no Brasil e o mercado de banda larga residencial. 3.1 O setor de telecomunicações no Brasil O setor de telecomunicações

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 458, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2007.

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 458, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2007. ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 458, DE 8 DE FEVEREIRO DE 2007. REGULAMENTO DE REMUNERAÇÃO PELO USO DE REDES DE PRESTADORAS DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO - STFC TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DO

Leia mais

DADOS DO CLIENTE OI MÓVEL TITULAR DO PLANO:

DADOS DO CLIENTE OI MÓVEL TITULAR DO PLANO: Via PROMOÇÃO PAIS - JUL/12 PROMOÇÃO VÁLIDA DE 12/07/2012 a 03/09/2012. Certificamos a sua adesão à PROMOÇÃO PAIS - JUL/12, que consiste em um pacote ilimitado de minutos mensais em chamadas locais originadas

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço 1 - Aplicação Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 009 - Plano Conta Light Requerimento de Homologação Nº 3556 Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável pela autorizatária 14 BRASIL

Leia mais

Comunicação por meio de dispositivos móveis ainda tem muito para crescer no país

Comunicação por meio de dispositivos móveis ainda tem muito para crescer no país Comunicação por meio de dispositivos móveis ainda tem muito para crescer no país Atualmente, não dá para falar em mídias digitais sem considerar o mobile. Se por um lado os acessos móveis ganham força,

Leia mais

Resultados Financeiros e Operacionais de 2002. Fevereiro - 2003

Resultados Financeiros e Operacionais de 2002. Fevereiro - 2003 1 Resultados Financeiros e Operacionais de 2002 Fevereiro - 2003 Agenda 2 Ambiente Competitivo Posicionamento Resultados Operacionais e Financeiros Amazônia Celular Telemig Celular Ambiente Competitivo

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Questões Estruturantes para as Telecomunicações

Questões Estruturantes para as Telecomunicações ABDI Questões Estruturantes para as Telecomunicações Camilla Tápias Diretora de Assuntos Jurídico-Regulatórios Agenda 01 02 Cenário atual das telecomunicações Questões estruturantes 03 Conclusão 2 01 Cenário

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS OUTUBRO DE 2015 PRODUTOS INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NO BRASIL 2012 EXPORTAÇÕES US$ 43 Bilhões (23%) 23% Ásia 22% União Europeia FATURAMENTO

Leia mais

TELEMAR NORTE LESTE S/A

TELEMAR NORTE LESTE S/A REGULAMENTO Regulamento Oi Livre por Minuto Empresas participantes: OI MÓVEL S/A, pessoa jurídica de direito privado, autorizatária para a exploração do Serviço Móvel Pessoal (SMP), com sede no Setor Comercial

Leia mais

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES NO BRASIL COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY BRASÍLIA, 04 DE NOVEMBRO DE 2014 crescimento do setor de telecomunicações

Leia mais

Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes de Segurança Visão Geral Incidentes envolvendo clientes do PoP-SC

Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes de Segurança Visão Geral Incidentes envolvendo clientes do PoP-SC Relatório Mensal de Incidentes de Segurança como instrumento de melhoria contínua Rildo Souza Centro de Atendimento a Incidentes de Segurança (CAIS) Agenda Sobre o CAIS Estatísticas Relatório de Incidentes

Leia mais

Preços. 2.1 Índices gerais

Preços. 2.1 Índices gerais Preços A inflação, considerada a evolução dos índices de preços ao consumidor e por atacado, apresentou contínua elevação ao longo do trimestre encerrado em maio. Esse movimento, embora tenha traduzido

Leia mais

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor Jarbas José Valente Superintendente de Serviços Privados Brasília, 16 de abril de 2009 Agenda Serviço Móvel Pessoal SMP Principais Conceitos do SMP

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e SME à luz do Regulamento anexo à Resolução nº 576/2011 da Anatel Luciana Chaves Freire Félix Procuradora Federal em Brasília-DF

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (dezembro/13) Janeiro de 2014 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

1.1 A promoção está disponível para atuais e novos clientes Oi Cartão, em todo o Brasil, no período de 08/08/2014 a 30/09/2014.

1.1 A promoção está disponível para atuais e novos clientes Oi Cartão, em todo o Brasil, no período de 08/08/2014 a 30/09/2014. REGULAMENTO Regulamento Promoção Pré-pago da Oi Empresa participante: OI MÓVEL S/A (Oi), pessoa jurídica de direito privado, autorizatária para a exploração do Serviço Móvel Pessoal (SMP), com sede no

Leia mais

PLANO GERAL DE OUTORGAS APROVADO PELO DECRETO N.º 2.534, DE 02 DE ABRIL DE 1998. (publicação - D.O.U. de 03/04/98)

PLANO GERAL DE OUTORGAS APROVADO PELO DECRETO N.º 2.534, DE 02 DE ABRIL DE 1998. (publicação - D.O.U. de 03/04/98) PLANO GERAL DE OUTORGAS APROVADO PELO DECRETO N.º 2.534, DE 02 DE ABRIL DE 1998. (publicação - D.O.U. de 03/04/98) Art. 1º. O serviço telefônico fixo comutado destinado ao uso do público em geral será

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas do Pa CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indicador Nº 2/215 Técnicos Responsáv

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (setembro/13) outubro de 2013 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO

TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO TABELA DE CONTRIBUIÇÃO DO SEGURADO EMPREGADO, DOMÉSTICO E AVULSO A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2010 Salário-de-contribuição (R$) INSS até 1.040,22 8,00% de 1.040,23 até 1.733,70 9,00% de 1.733,71 até 3.467,40

Leia mais

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO

PANORAMA DO SETOR EVOLUÇÃO EVOLUÇÃO A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto de 10% nos últimos 16 anos, tendo passado de um faturamento "ExFactory",

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Estrutura e Distribuição Geográfica Estrutura Estatutária A GEAP GEAP é administrada por por um um Conselho Deliberativo responsável pela pela definição da da

Leia mais

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi Velox 3G + mini modem Wi-fi"

Regulamento OFERTA DO PLANO DE SERVIÇO Oi Velox 3G + mini modem Wi-fi Oi MÓVEL S.A., autorizatária do Serviço Móvel Pessoal com sede no Setor Comercial Norte, quadra 03, Bloco A, Ed. Estação Telefônica Térreo Parte 2, Brasília, inscrita no CNPJ sob o nº 05.423.963/0001-11,

Leia mais

Divulgação de Resultado Consolidado

Divulgação de Resultado Consolidado TCSP3: R$18,00/1.000 ações TCSP4: R$19,10/1.000 ações BRP: US$39,45/ADR (1 ADR=5.000 ações) VALOR DE MERCADO: R$6.511 MILHÕES Preço de fechamento (15 de novembro de 2001) Divulgação de Resultado Consolidado

Leia mais

Sistemas de Custos Aplicados à Indústria de. Telefonia Fixa Local e de Longa-Distância. Intra-Regional no Brasil

Sistemas de Custos Aplicados à Indústria de. Telefonia Fixa Local e de Longa-Distância. Intra-Regional no Brasil Sistemas de Custos Aplicados à Indústria de Telefonia Fixa Local e de Longa-Distância Intra-Regional no Brasil Marcelo Leandro Ferreira Junho 2001 Resumo O artigo apresenta a estimação de sistemas de custos

Leia mais

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015 Programa de Requalificação de UBS Março/2015 PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UBS Instituído no ano de 2011 OBJETIVOS: Criar incentivo financeiro para as UBS Contribuir para estruturação e o fortalecimento

Leia mais

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry.

Siemens AG 2009 SIRIUS SENTRON SIVACON. Catálogo LV 90 2009. Baixa Tensão Corte, protecção e comando. Answers for industry. SIRIUS SENTRON SIVACON Catálogo LV 90 2009 Baixa Tensão Corte, protecção e comando Answers for industry. Interruptores de corte em carga, sistemas de barramentos SENTRON 8US Introdução Tipo 3NP 1 3K 3NJ4

Leia mais

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5

PANORAMA DO SETOR. Evolução do setor 2. Crescimento do setor x crescimento da economia 3. Comparativo de índices de preços 4. Comércio Exterior 5 PANORAMA DO SETOR Evolução do setor 2 Crescimento do setor x crescimento da economia 3 Comparativo de índices de preços 4 Comércio Exterior 5 Perfil Empresarial 8 Mercado Brasileiro 11 Canais de distribuição

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INFORMÁTICA MARÇO DE 2010 1 2 PRODUTOS CADEIA PRODUTIVA DO SETOR DE INFORMÁTICA - 2007 Hardware Software Serviços 38,2% 11,8% 50,0% Computadores Gerenciamento

Leia mais

OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015

OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015 OS POSSÍVEIS EFEITOS DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 683/2015 SÓCRATES ARANTES TEIXEIRA FILHO Consultor Legislativo da Área IV Finanças Públicas AGOSTO/2015 Sócrates Arantes Teixeira Filho 2 SUMÁRIO 1. Introdução...

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

(MLRV) TRANSPORTES INTERNACIONAIS JAN A JUNHO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) TRANSPORTES INTERNACIONAIS JAN A JUNHO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 TRANSPORTES INTERNACIONAIS JAN A JUNHO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: Lamentavelmente a SUSEP alterou a estrutura de resultados não mais detalhando os

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Código de Seleção de Prestadora (CSP) Este tutorial apresenta o Código de Seleção de Prestadora (CSP) utilizado no Brasil para chamadas de longa distância. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e

Leia mais

Brasil Telecom Participações S.A.

Brasil Telecom Participações S.A. BRTP3: R$21,00 / 1.000 ações BRTP4: R$17,80 / 1.000 ações BRP: US$31,35 / ADR Valor de Mercado: R$6.838 milhões Fechamento de 01 de novembro de 2004 Brasil Telecom Participações S.A. Divulgação de Resultado

Leia mais

BANCO ITAÚ AGÊNCIA 0911 CONTA 03927-9 BANCO DO BRASIL AGÊNCIA 3070-8 CONTA 343-3 AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S/A CNPJ = 33.050.

BANCO ITAÚ AGÊNCIA 0911 CONTA 03927-9 BANCO DO BRASIL AGÊNCIA 3070-8 CONTA 343-3 AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S/A CNPJ = 33.050. AMPLA ENERGIA E SERVIÇOS S/A CNPJ = 33.050.07110001-58 CASAS BAHIA CNPJ = 59.291.534/0001-67 CDL RIO CLUBE DOS DIRETORES LOJISTAS CLARO S/A (Sucessora de ATL ALGAR TELECOM LESTE S/A e BCP S/A) CNPJ = 40.432.544/0001-47

Leia mais

Financiamento Projetos de Infra-estrutura: Financiamento Corporativo, Project Finance e Parcerias Público-Privadas (PPP)

Financiamento Projetos de Infra-estrutura: Financiamento Corporativo, Project Finance e Parcerias Público-Privadas (PPP) Lei nº 11.079, de 30.12.2004 Decreto nº 5.385, de 04.03.2005 Financiamento Projetos de Infra-estrutura: Financiamento Corporativo, Project Finance e Parcerias Público-Privadas (PPP) Luiz Ferreira Xavier

Leia mais

COMO FHC E SERRA VENDERAM O BRASIL

COMO FHC E SERRA VENDERAM O BRASIL COMO FHC E SERRA VENDERAM O BRASIL O Sr. José Serra do PSDB, tocava o programa de privatização e era o responsável pela vendas das estatais brasileiras, quando foi ministro do planejamento do governo FHC.

Leia mais

REGULAMENTO MODELO DE CUSTOS. Brasília, 18 de junho de 2014

REGULAMENTO MODELO DE CUSTOS. Brasília, 18 de junho de 2014 REGULAMENTO MODELO DE CUSTOS Brasília, 18 de junho de 2014 MATÉRIA OBJETO DA DELIBERAÇÃO Norma para fixação dos valores máximos das tarifas de uso de rede do STFC, dos valores de referência de uso de rede

Leia mais

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP PLANO DE REFERÊNCIA DE SERVIÇO

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP PLANO DE REFERÊNCIA DE SERVIÇO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP PLANO DE REFERÊNCIA DE SERVIÇO Nome da Prestadora: 14 BRASIL TELECOM CELULAR S.A. Área 7 (AC, GO, MT, MS, RO, TO e DF) Número: 001/REF/SMP Brasil Telecom GSM. Página 1 de 9 1

Leia mais

Número 04 São Paulo, 07 de outubro de 2013. Operadora:

Número 04 São Paulo, 07 de outubro de 2013. Operadora: Número 04 São Paulo, 07 de outubro de 2013 Operadora: Indicadores operacionais e financeiros 2º trimestre/2013 1. Desempenho Operacional - Claro No 2º trimestre de 2013 (2T13) a Claro teve aumento de 5,6%

Leia mais

OFERTA PAIS/2015 - OI INTERNET MÓVEL COM DESCONTO NA MENSALIDADE

OFERTA PAIS/2015 - OI INTERNET MÓVEL COM DESCONTO NA MENSALIDADE Via do Cliente Oferta válida de 20/10/2015 a 23/11/2015 OFERTA PAIS/2015 - OI INTERNET MÓVEL COM DESCONTO NA MENSALIDADE Certificamos a sua adesão à OFERTA PAIS/2015 - OI INTERNET MÓVEL COM DESCONTO NA

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS PERGUNTAS E RESPOSTAS I - SOBRE AÇÕES DA TELEBRÁS 1. Como ficaram as ações da Telebrás após a cisão? Em 22 de maio de 1998, a Telebrás passou por um processo de reestruturação, que resultou na cisão da

Leia mais

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA

PROJETOHORTAEMCASA. Manualdo. Apoio. Realização CDHU PREFEITUR A DE SÃO PAULO VERDE E MEIO AMBIENTE. Instituto GEA M RJETHRTAEMCAA CM LANTAR E CLHER ALIMENT EM CAA 201 A Rzçã Ch Dvv Hb Ub CDHU I GEA é b REFEITUR A DE Ã AUL VERDE E MEI AMBIENTE FhTé Ebçã Tx Agô Jé Lz Ch T Nh Rh Rvã A M Dg Lz Egá j Nh Rh Rq L R Rf Tv

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Siglas d CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Indica Nº 1/215 Técnicos Respon Equipe

Leia mais

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 CRIADOR TELEFONE GAIOLA ANEL SEXO NOMENCLATURA VALOR OBS ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 1 IB-105-40-13 FM CN OP AM MF IN 100,00 BANCO: 2 BB-3992-44-11

Leia mais

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS

ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ELETRODOMÉSTICOS E ELETROELETRÔNICOS MAIO DE 2016 PRODUTOS CADEIA DE ELETROELETRÔNICOS Matérias-primas Básicas Aço Motores Componentes Outros insumos

Leia mais

OI INTERNET MÓVEL - PNBL PLANO NACIONAL BANDA LARGA - OI INTERNET MÓVEL

OI INTERNET MÓVEL - PNBL PLANO NACIONAL BANDA LARGA - OI INTERNET MÓVEL Via do Cliente Oferta válida de 20/10/2015 a 23/11/2015 OI INTERNET MÓVEL - PNBL PLANO NACIONAL BANDA LARGA - OI INTERNET MÓVEL Certificamos a sua adesão à OFERTA OI INTERNET MÓVEL PNBL que consiste na

Leia mais

2ª Reunião Grupo Técnico de Sistematização de Informações Contábeis e Fiscais

2ª Reunião Grupo Técnico de Sistematização de Informações Contábeis e Fiscais Subsecretaria de Contabilidade Pública Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação 2ª Reunião Grupo Técnico de Sistematização de Informações Contábeis e Fiscais SICONFI 2014 OBJETIVOS

Leia mais

MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011

MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011 MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO JANEIRO / ABRIL -2011 1 MERCADO DE CAPITALIZAÇÃO: O Mercado de títulos de capitalização vem mantendo crescimentos fortes e retornos robustos. Nesse período o volume de vendas atingiu

Leia mais

Período 2016 a 2020. Revisão dos Contratos de Concessão. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro

Período 2016 a 2020. Revisão dos Contratos de Concessão. Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Revisão dos Contratos de Concessão Período 2016 a 2020 Conselheiro Rodrigo Zerbone Loureiro Agência Nacional de Telecomunicações 746ª Reunião do Conselho Diretor Brasília, 18/06/2014 Índice Revisão dos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante

Prefeitura Municipal de Venda Nova do Imigrante INTRODUÇÃO II - DO OBJETO E DESCRIÇÃO DOS PRODUTOS III - DOTAÇÃO ORÇAMENTÁRIA IV - DAS CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO V - DO RECEBIMENTO DA DOCUMENTAÇÃO E DA PROPOST VI - ABERTURA DOS ENVELOPES VII - DA DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter

Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais. Flávio Bitter Ações e Experiências de Operadoras na Gestão de suas Redes Assistenciais Flávio Bitter outubro 2015 Destaques Presença Nacional Beneficiários (Mil) Operadora líder no mercado brasileiro de Saúde suplementar,

Leia mais