CONSUMO ALIMENTAR, ESTADO NUTRICIONAL E INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE LACTANTES ATENDIDAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS¹

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSUMO ALIMENTAR, ESTADO NUTRICIONAL E INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE LACTANTES ATENDIDAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS¹"

Transcrição

1 CONSUMO ALIMENTAR, ESTADO NUTRICIONAL E INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE LACTANTES ATENDIDAS NA ATENÇÃO PRIMÁRIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS¹ FONTOURA, Ethiene da Silva 1 ; MALDONADO, Karla de Souza²; BLÜMKE, Adriane Cervi³; MATTOS, Karen Mello de 3 ¹ Trabalho de Pesquisa_UNIFRA ² Curso de Nutrição do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria, RS, Brasil ³ Professora Orientadora RESUMO A mulher que amamenta, denominada nutriz ou lactante, possui necessidades nutricionais específicas decorrentes tanto do processo de lactação quanto dos efeitos da gestação. Este trabalho objetivou avaliar a adequação do consumo de calorias, macro e micronutrientes segundo indicadores socioeconômicos. Os dados foram coletados no período de abril a agosto de 2012 através de entrevistas individuais com aplicação de um questionário contendo dados de identificação, renda, escolaridade, pré-natal, amamentação e recordatório de 24 horas. Participaram 38 lactantes de 14 a 39 anos. Observou-se que o grupo etário de 19 a 30 anos consome a maior porção do valor calórico total de proteínas e lipídios em relação às outras faixas etárias. No que se refere aos micronutrientes, a prevalência de inadequação foi elevada em todas as faixas etárias. A mulher que amamenta deve ser acompanhada e orientada sobre a alimentação adequada para esse período a fim de manter sua qualidade de vida. Palavras-chave: Lactante; Necessidades nutricionais; Alimentação adequada. 1. INTRODUÇÃO A assistência à saúde materna concentra-se primariamente na gestação, sendo poucas as informações sobre o consumo alimentar, estado nutricional e indicadores socioeconômicos na lactação. Fatores como ingestão de macronutrientes e micronutrientes inter-relacionados com o consumo energético diário, idade, escolaridade e renda são importantes indicadores das condições de saúde e situação de vida da mulher que amamenta e consequentemente reflete na saúde do seu filho. Uma nutrição adequada após a gestação é benéfica para o organismo da mulher que requer consumo energético aumentado para nutrir seu filho e manter suas funções normais, mas também porque deve fazer escolhas alimentares corretas pensando em seu futuro. 1

2 2. DESENVOLVMENTO O aleitamento materno exclusivo é recomendado pela Organização Mundial de Saúde até seis meses de idade devido aos inúmeros benefícios à saúde do bebê e da mãe. A mulher que amamenta, denominada nutriz ou lactante, possui necessidades nutricionais específicas decorrentes tanto do processo de lactação quanto dos efeitos da gestação (ACCIOLY; LACERDA; SAUNDERS, 2010). Durante a gestação, a mãe ganha peso para o crescimento e desenvolvimento do feto e acumula reservas energéticas para a fase seguinte, a lactação, quando seu filho dependerá do leite materno para seu crescimento e desenvolvimento. A demanda de nutrientes durante a lactação é consideravelmente maior que durante a gestação, especialmente nos quatro primeiros meses após o parto, pois é neste período que o lactente duplica o seu peso de nascimento (RIBEIRO et al., s/a). Além dos aspectos biológicos devem-se incluir nas considerações que norteiam a amamentação, os fatores psicológicos e socioculturais das mulheres, pois o aleitamento materno depende de fatores que podem influir positiva ou negativamente no seu sucesso. Fatores circunstanciais, como o trabalho materno e as condições habituais de vida influenciam na motivação e disponibilidade para amamentar. Outro fato importante é a idade materna, pois mães mais jovens tendem a amamentar por menos tempo. E no que se refere ao grau de instrução materna, estudos têm demonstrado que esse fator afeta a motivação para amamentar. Mães com maior grau de instrução tendem a amamentar por mais tempo, em decorrência principalmente da possibilidade de um maior acesso a informações sobre as vantagens do aleitamento materno (ARAÚJO; CAMPELO; CUNHA et al., 2008). O consumo de macronutrientes não interfere em sua concentração no leite humano, mas a deficiência de alguns micronutrientes pode afetar seu teor no leite materno com subsequente depleção nutricional do lactente (ACCIOLY; LACERDA; SAUNDERS, 2010). As deficiências de micronutrientes como, vitamina A e ferro são considerados um grande problema de saúde pública em muitos países em desenvolvimento e ocasionam diversos agravos à saúde dos indivíduos, pois esses nutrientes apresentam importante atuação na manutenção de diversas funções orgânicas vitais, como crescimento, reprodução, função antioxidante e função imune. Durante o período de lactação, as deficiências nutricionais da nutriz podem contribuir para a manutenção de baixas reservas de nutrientes nos lactentes, aumentando as chances para o desenvolvimento de carências nutricionais nos primeiros anos de vida, período em que há maior prevalência de agravos à saúde infantil (RAMALHO; SAUNDERS; SILVA et al., 2007). 2

3 Com base no exposto, esta pesquisa objetiva avaliar o consumo alimentar de nutrizes atendidas na atenção primária do município de Santa Maria, RS. Como objetivos específicos pretendem-se: verificar a adequação do consumo de calorias, macro e micronutrientes das lactantes e avaliar o consumo alimentar segundo indicadores socioeconômicos e idade. 3. METODOLOGIA Esta pesquisa caracterizou por ser do tipo transversal, descritiva e quantitativa com coleta de dados primários em Unidades de Saúde do município de Santa Maria, RS. Foram selecionadas todas as Unidades Básicas de Saúde da área urbana do município devido a presença de pediatra nesses locais. O público-alvo foram nutrizes atendidas nas nove unidades básicas de saúde do referido município. Os dados foram coletados no período de maio a agosto de 2012 por acadêmicas do curso de nutrição devidamente capacitadas. Foram incluídas no estudo todas as nutrizes que procuraram atendimento nos dias da pesquisa, cujos bebês tivessem até 12 meses de vida e que autorizavam a participação no estudo de forma voluntária. Para a coleta dos dados foi elaborado e aplicado um questionário contendo dados de identificação (idade, endereço); socioeconômicos (escolaridade, renda, profissão, estado civil); amamentação (número de filhos, se já amamentou, se faz uso de suplementos, quais e por quanto tempo); saúde da lactante; consumo alimentar; estado nutricional e segurança alimentar. Os dados sobre o consumo alimentar foram obtidos por meio da aplicação de um recordatório de 24 horas, com informações sobre o que habitualmente a nutriz consumia, em casa, fora do lar, incluindo alimentos, bebidas e suplementos. Essas informações foram analisadas no software Dietwin para determinar a composição nutricional dos alimentos e da dieta de cada lactante a fim de obter o consumo médio de calorias, macro (carboidratos, lipídios e proteínas) e micronutrientes (cálcio, ferro, fósforo, vitaminas A, D, E e C) do grupo pesquisado. A adequação dos nutrientes investigados foi feita utilizando as recomendações das Dietary Refernce Intakes (DRIs) para o grupo de nutrizes de acordo com a faixa etária, a partir do cálculo da Prevalência de Inadequação considerando o método da Estimated Average Requirement (EAR) como ponto de corte (FISBERG et al., 2005). A avaliação da adequação do consumo foi analisada considerando o período de lactação, uma vez que durante os primeiros seis meses de amamentação a demanda nutricional para a produção do leite é maior, e, portanto os cuidados com a alimentação adequada em qualidade e 3

4 quantidade são importantes. O consumo calórico foi analisado com base no estado nutricional avaliado através do Índice de Massa Corporal usando a classificação proposta pelo Ministério da Saúde (BRASIL, 2004), segundo a faixa etária, adulta ou adolescente. As informações coletadas foram armazenadas em um banco de dados no programa Excel e posteriormente sofreram tratamento estatístico descritivo (média, mediana, desviopadrão e frequência) no software SPSS, versão As diferenças médias no consumo de micronutrientes entre as faixas etárias das nutrizes foram analisadas por meio da ANOVA, sendo considerado significante quando p<0,05. Este trabalho está inserido na linha de pesquisa Educação, Sociedade e Integralidade na Saúde do Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Saúde (GIPES) do Centro Universitário Franciscano UNIFRA e faz parte de um PROBIC intitulado Consumo alimentar de lactantes atendidas na atenção primária do município de Santa Maria, RS o qual foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UNIFRA sob registro Os dados da pesquisa foram coletados somente após o consentimento e assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). 4. RESULTADOS E DISCUSSÕES Participaram da pesquisa 38 lactantes com idade entre 14 e 39 anos sendo que a média foi 25,63 + 7,01 anos. A maioria das mulheres são primíparas (36,8%; n=14), 34,2% (n=13) possuem dois filhos e 29% (n=11) possuem três ou mais filhos. Segundo, Barros; Gigante; Victora (2000) mães com menor idade tendem a amamentar menos, sendo a prevalência de amamentação significativamente maior conforme aumenta a idade materna. Esse quadro ocorre possivelmente pelas interferências de fatores externos figurarem em menor proporção à medida que a mulher adquire experiência e confiança. Essa situação da mãe saber como agir influencia também na paridade, pois se observa que as mulheres primíparas amamentam por menos tempo que mulheres que possuem dois filhos ou mais (BARROS; GIGANTE; VICTORA, 2000). A Tabela 1 descreve a média do valor energético diário e de nutrientes consumidos relacionando-os à renda e a escolaridade. Ao interpretar a influência da renda e escolaridade sobre o consumo, percebe-se que a maioria das entrevistadas possuem renda de até um salário mínimo (n=16), e que são as que ingerem a maior quantidade de energia diária, 2032,27 ± 764,16 kcal, quantidade essa que decaí conforme as categorias de renda diminuem. Porém, há uma pequena diferença entre as categorias de renda entre 2 e 3 salários mínimos e mais de 4. O maior consumo de proteína é observado na categoria com menor consumo energético, cuja renda é de 2 e 3 salários mínimos, representando 22,09 ± 6,37% e o menor consumo de proteína, lipídios e cálcio é observado na categoria com maior renda, de 4 salários mínimos ou mais. Ao contrário, a proporção de carboidrato aumenta 4

5 conforme aumenta a renda (Tabela 1). Esse padrão de consumo alimentar verificado na pesquisa pode ser resultante do consumo de alimentos fontes de energia, mais calóricos, em detrimento de uma alimentação variada e com menor teor energético. Sabe-se que o perfil socioeconômico e a escolaridade interferem na decisão e poder de compra de alimentos. Com o aumento da renda, podem ser adquiridos alimentos em maior quantidade, porém não necessariamente com melhor qualidade, sendo esse fator de escolha dependente da escolaridade (CARMO et al., 2007). Tabela 1 Média do consumo energético diário e de nutrientes segundo a renda e a escolaridade de lactantes atendidas na atenção primária do município de Santa Maria, RS. Agosto Variáveis Kcal PTN (%) CHO (%) LIP (%) Ca (mg) Fe (mg) Média ± DP Média ± DP Média ± DP Média ± DP Média± DP Média± DP Renda (em salário mínimo) Até ,27±764,16 19,67±5,49 47,35±11,12 32,97±8,23 252,9±219, 15,07±7,09 (n=16) 8 Entre 1 e ,07±392,53 18,32±6,13 48,09±9,30 33,58±7,67 277,55±244 11,17±4,01 (n=14),09 Entre 2 e ,8±738,34 22,09±6,37 43,21±12,86 34,69±8,35 253,96±94 12,67±5,23 (n=3) De 4 ou mais (n=2) Escolaridade < 8 anos (n=17) 8 anos (n=21) 1666,98±422,75 15,78±2,41 52,30±0,98 31,91±3,39 188,65±135, ,77±722,22 20,23±5,56 44,92±10,46 34,84±8,73 179,60±11 9, ,14±535,68 17,70±5,66 49,48±9,27 32,81±6,76 314,31±24 3,13 5,90±1,83 12,94±6,63 12,38±4,30 Quando se analisa a escolaridade, o consumo de cálcio reduz proporcionalmente aos anos de estudo. O valor energético consumido é maior à medida que aumenta os anos de estudos. Mulheres com 8 anos ou mais de estudo, consomem 243,4kcal a mais que mulheres com menos que 8 anos de estudos. Esse fator só se repete no consumo de carboidratos e cálcio, em que com o aumento da escolaridade, o consumo de carboidratos aumenta, no valor de 49,48 ± 9,27% contra os 44,92 ± 10,46% para mulheres com menos de 8 anos de estudo e o consumo de cálcio é de 314,31 ± 243,13mg contra os 179,60 ± 119,03mg de mulheres com menos anos de estudos (Tabela 1). O aumento de carboidratos por mulheres com maior grau de escolaridade possivelmente deriva de uma diminuição de tempo para preparação das refeições e por ficarem mais tempo fora de casa, ou seja, como dito anteriormente, o consumo não depende somente da oportunidade, mas da escolha do contexto de vida que está inserida a mulher. Na Tabela 2 está descrito a média do consumo de macronutrientes e de calorias de acordo com a faixa etária. Observa-se que o grupo etário com mulheres de 19 a 30 anos consome maior porção do valor calórico total de proteínas, 20,3 ± 6%, ultrapassando a recomendação sugerida por Vitolo (2010) de 10 a 15% do valor calórico total, entretanto, 5

6 está adequada considerando a AMDR (distribuição aceitável para macronutrientes). Ainda em relação a esta faixa etária, que predominou no estudo totalizando 63,16% da amostra, é possível verificar maior densidade de lipídios consumidos em relação aos outros grupos. Já o grupo de mulheres com idade inferior ou igual a 18 anos, relatou maior consumo de carboidratos, e menor consumo de proteína, porém mantendo-se dentro das recomendações (Tabela 2). De acordo com Mahan; Escott-Stump (2010), o carboidrato é importante para suprir a demanda calórica para volumes adequados de leite e manter a glicose sanguínea durante a lactação. Houve diferença decrescente entre o consumo calórico total e as faixas etárias, pois à medida que a idade aumenta o consumo é reduzido. Nutrizes com menor idade apresentam o maior consumo calórico, com uma diferença de 730 quilocalorias para o valor calórico do grupo de mulheres com mais idade, acima de 31 anos, cuja ingestão média de energia diária é a menor dos três grupos (Tabela 2). Tabela 2 - Média do consumo de macronutrientes e calorias de acordo com faixa etária de lactantes atendidas na atenção primária do município de Santa Maria, RS. Agosto Nutrientes <18 anos (n=6) anos (n=24) 31 anos (=8) Recomendação (%) Média± DP Média± DP Média± DP PTN (%) 14,7±1,8 20,3±6 17,5±4, * 0,067 CHO (%:) 53,7±9,2 44,7±10 51,1±7, ,066 LIP (%) 31,6±7,8 35±6,9 31,4±9, ** 0,409 KCAL (%) 2421,2±685,6 1714,8±568,4 1690,6± ,107 #: ANOVA; * 10 a 30% (menores de 18 anos); ** 25 a 35% (menores de 18 anos). p # Na Tabela 3, ao analisar a média do consumo de micronutrientes e a prevalência de inadequação de acordo com a faixa etária, pode-se verificar que a vitamina A possui a maior inadequação no grupo de mulheres com idade inferior ou igual a 18 anos. De acordo com Ramalho; Saunders; Silva et al. (2007) a deficiência de vitamina A se associa com risco cinco vezes maior de mortalidade materna nos dois anos pós-parto. Ao contrário, a vitamina C apresentou o consumo mais adequado entre as faixas etárias com uma prevalência de inadequação de apenas 55,9% da faixa etária de 19 a 30 anos. O cálcio não atingiu suas necessidades em nenhuma faixa etária, apresentando a ingestão com menor prevalência de inadequação na faixa etária de mulheres com idade superior a 31 anos, com um consumo médio de 300,2 ± 29,5 mg, porém, ainda distante da EAR no valor de 800mg/dia. Segundo Mahan; Escott-Stump (2010), o conteúdo de cálcio do leite materno não está relacionado com o consumo materno, sendo a perda óssea rapidamente recuperada após o desmame. Em quase todas as faixas etárias o fósforo foi o micronutriente consumido que mais de aproximou das necessidades do período de lactação, 6

7 destacando-se com aumento de inadequação apenas na faixa etária de menores de 18 anos. O micronutriente que figurou com maior prevalência de inadequação em todas as faixas etárias foi a vitamina D, justificado também pelo reduzido consumo de cálcio em todas as faixas etárias. A vitamina E, assim como o fósforo, revelou uma prevalência de inadequação não tão divergente. As vitaminas são micronutrientes essenciais para diversos processos metabólicos, como a diferenciação celular, a síntese de DNA, o ciclo visual, o crescimento, a reprodução, sistema antioxidante e imunológico. Apresentando assim, especial importância durante os períodos de proliferação e rápida diferenciação celular, como na gestação e recuperação no pós-parto, sendo de fundamental importância para a saúde da mulher (MAHAN; ESCOTT-STUMP 2010). Tabela 3 - Mediana do consumo de micronutrientes e prevalência de inadequação, segundo a faixa etária de lactantes atendidas na atenção primária do município de Santa Maria, RS. Agosto Nutrientes <18 anos (n=) anos (n=) >31 anos (n=) Med. EAR % Inad. Med. EAR % Inad. Med. EAR % Inad. Vit. A (µg) 80, ,9% 198, ,3% 233, ,3% Vit. C (mg) 24, ,9% 48, ,9% 51, ,7% Vit. D (µg) 0, ,9% 0, ,9% 0, ,9% Vit. E (mg) 8, ,6% 9, ,7% 4, ,1% Fe (mg)* 21, ,7% 19,65 6,5 18,41% 18,60 6,5 22,7% Cálcio (mg) 250, ,9% 165, ,8% 237, ,5% Fósforo (mg) 675, ,3% 737, ,12% 531, ,9% Med.: Mediana; EAR: Estimated Average Requirement; % Inad. Prevalência de Inadequação; * R24+suplemento. Em relação ao consumo de ferro, cabe considerar separadamente as nutrizes que faziam uso de sulfato ferroso das que não usaram o suplemento. Conforme preconizado pelo Ministério da Saúde, lactantes com até três meses após o parto devem receber suplementação de 60mg de sulfato ferroso. No presente estudo, a mediana de consumo de ferro dietético foi de 12,65mg, enquanto o ferro total (dietético + suplemento) foi de 19,65mg. Entretanto, ao analisar separadamente, observou-se que entre as nutrizes que não usavam suplemento a mediana de consumo de ferro dietético foi de 13,95mg, diferente das nutrizes que usavam suplemento de sulfato ferroso em que a mediana de consumo do ferro dietético foi de 9,85mg, enquanto de ferro total foi de 75,95mg/dia. Este valor está acima do limite máximo tolerável (UL) que para nutrizes é de 45mg/dia. Dessa forma, o percentual de inadequação foi mais baixo entre as que usavam o suplemento, porém também apresentaram maior risco de efeito colaterol devido o excesso de consumo. 7

8 Os dados obtidos do consumo energético diário relacionando-o com as categorias do IMC estão representados na Tabela 4. A eutrofia prevaleceu entre as nutrizes, 42,1% (n=16), entretanto, se somados as prevalências de sobrepeso e obesidade ultrapassam os 50% das entrevistadas. Observa-se que o consumo calórico foi maior na categoria de eutrofia e à proporção que o índice de massa corporal aumenta, o consumo calórico relatado reduz. É válido ressaltar que há possibilidade de sub relato do valor energético realmente consumido. Segundo Westerterp et al. apud Teixeira et al. (2010), a variação entre o consumo real e o relatado por pacientes obesos pode variar cerca de 41%, representando uma hipótese para a discordância entre o estado nutricional dos pacientes e a média do valor calórico averiguado (1489,68 ± 466,02kcal). Tabela 4 - Média do consumo calórico diário segundo categorias do IMC de lactantes atendidas na atenção primária do município de Santa Maria, RS. Agosto Classificação % (n) IMC Consumo Calórico Média ± DP Média ± DP Eutrofia 42,1 (16) 22,48±2, ,56±593,90 Sobrepeso 36,8 (14) 26,88±1, ,25±683,52 Obesidade 21,1 (8) 33,89±3, ,68±466,02 Total 100 (38) 26,51 + 4, ,26±629,05 IMC: Índice de Massa Corporal. Como mencionado anteriormente, o consumo alimentar das lactantes foi avaliado de maneira indireta através do recordatório 24 horas devido aos baixos custos, rapidez e praticidade. Contudo, como todos os inquéritos alimentares, o recordatório 24 horas apresenta confiabilidade relativa, porque não considera as variações na dieta do indivíduo, podendo não representar o habitual. Além disso, foi avaliado apenas um dia de inquérito sendo que o ideal seria pelo menos três dias para melhor representar o hábito alimentar do indivíduo (FISBERG et al., 2005). 5. CONCLUSÃO A avaliação do consumo de macro e micronutrientes das lactantes que participaram do estudo mostrou a inadequação que ocorre em todas as faixas etárias. O consumo alimentar não satisfaz suas necessidades, se tornando uma situação mais relevante por ser um período de aumento dessas demandas. É importante conhecer o perfil socioeconômico dessas mulheres, pois, assim pode ser estabelecido e justificado a relação que existe entre sua escolaridade e condições de obter o alimento. As recomendações durante a lactação centram-se basicamente no aleitamento materno sem focar a atenção na saúde da mulher, que também precisa zelar pela sua saúde e seu bem estar. Dessa forma, a mulher que 8

9 amamenta deve ser acompanhada e orientada sobre a alimentação adequada para esse período a fim de manter sua qualidade de vida. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ACCIOLY, Elizabeth; LACERDA, Elisa; SAUNDERS, Cláudia. Nutrição em Obstetrícia e Pediatria. Rio de Janeiro: Cultura médica: Guanabara Koogan, ARAÚJO, Olívia Dias de; CAMPELO, Sônia Maria de Araújo; CUNHA, Adélia Leana da; LUSTOSA, Lidiana Rocha; MENDONÇA, Rita de Cássia Magalhães; NERY, Inez Sampaio. Aleitamento materno: fatores que levam ao desmame precoce. Revista Brasileira de Enfermagem. v. 61, n. 4, p , jul-ago., Brasília, BARROS, Fernando C. Cesar G.; GIGANTE, Denise Petrucci; VICTORA. Nutrição materna e duração da amamentação em uma coorte de nascimento de Pelotas, RS. Revista de Saúde Pública. v. 34, n. 3, p , Pelotas, RS, BRASIL. Ministério da Saúde. Vigilância Alimentar e Nutricional SISVAN: orientações básicas para a coleta, o processamento, a análise de dados e a informação em serviços de saúde. Brasília: CARMO, Heron Carlos Esvael do; CLARO, Rafael Moreira; MACHADO, Flávia Mori Sarti; MONTEIRO, Carlos Augusto. Renda, preço dos alimentos e participação de frutas e hortaliças na dieta. Revista de Saúde Pública. v. 41, n.4, ago., São Paulo, FISBERG, R. M.; SLATER, B.; MARCHIONI, D. M. L.; MARTINI, L. A. Inquéritos alimentares: métodos e bases científicos. São Paulo: Manole, MAHAN, Kathleen; SCOTT-STUMP, Sylvia. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. Ed: Elsevier RIBEIRO, Luciana Cisoto; DEVINCENZI, Macarena Urrestarazu; GARCIA, José Navarro et al. Nutrição e Alimentação na Lactação. Compacta Nutrição. s/a. Disponível em: < Nutricao> Acesso em 5 ago RAMALHO, Andréa; SAUNDERS, Cláudia; SILVA, Luciane de Souza Valente da; SOUZA, Gisele Gonçalves de; THIAPÓ, Ana Paula. Micronutrientes na gestação e lactação. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. v.7, n. 3, p , jul./set., Recife, TEIXEIRA, Andrea Mariana Nunes da Costa et al. Identificação de Risco Cardiovascular em Pacientes Atendidos em Ambulatório de Nutrição. Revista Brasileira de Cardiologia. v. 23, n. 2, p , mar./abr., São Paulo, VITOLO, Márcia Regina. Nutrição: da Gestação à Adolescência. Reichmann & Affonso, Rio de Janeiro: 9

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINOS DA CIDADE DE AMPARO - SÃO PAULO Mari Uyeda* Pedro Henrique Martins de Lima** RESUMO: As mudanças nas práticas alimentares e no padrão de atividades físicas culminaram em

Leia mais

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER

RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL INFLUÊNCIA NO PESO AO NASCER ISBN 978-85-61091-05-7 EPCC VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA CONDIÇÃO SOCIOECONÔMICA DE GESTANTES E SEUS HÁBITOS ALIMENTARES E POSSÍVEL

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NA INFÂNCIA Andréa Ott 1, Arléia Maria Gassen 1, Catiana de Moura Morcelli 1, Elisângela Maria Politowski 1, Débora Krolikowski 2 Palavras-chave: nutrição humana, criança, saúde. INTRODUÇÃO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC RODRIGUES DE ABREU - EXTENSÃO AGUDOS Código: 135.01 D Município: AGUDOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Componente Curricular: PLANEJAMENTO ALIMENTAR

Leia mais

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. CURSO: Nutrição ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA. DOCENTE RESPONSÁVEL : Maria Antonieta de Barros Leite Carvalhaes

Campus de Botucatu PLANO DE ENSINO. CURSO: Nutrição ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA. DOCENTE RESPONSÁVEL : Maria Antonieta de Barros Leite Carvalhaes PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO CURSO: Nutrição MODALIDADE: DISCIPLINA: Nutrição Materno-Infantil ( X ) OBRIGATÓRIA ( ) OPTATIVA DEPARTAMENTO:Enfermagem DOCENTE RESPONSÁVEL : Maria Antonieta de Barros

Leia mais

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição.

Projeto Ação Social. Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Projeto Ação Social Relatório equipe de Nutrição Responsável pelos resultados: Vanessa de Almeida Pereira, Graduanda em Nutrição. Objetivo Geral: A equipe de Nutrição teve por objetivo atender aos pacientes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO: Bacharelado em Nutrição DEPARTAMENTO: Nutrição em Saúde

Leia mais

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS

Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Novas curvas de avaliação de crescimento infantil adotadas pelo MS Em 2006 foi lançada pela Organização

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR

PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ, PR ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE PRÉ - ESCOLARES E ESCOLARES DE UMA INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA DA CIDADE DE MARINGÁ,

Leia mais

CONSULTA DE ENFERMAGEM: O ALEITAMENTO MATERNO NO PERÍODO PUERPERAL

CONSULTA DE ENFERMAGEM: O ALEITAMENTO MATERNO NO PERÍODO PUERPERAL 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONSULTA DE ENFERMAGEM: O ALEITAMENTO MATERNO NO PERÍODO

Leia mais

Programa Analítico de Disciplina NUT344 Nutrição Materno-Infantil

Programa Analítico de Disciplina NUT344 Nutrição Materno-Infantil Programa Analítico de Disciplina Departamento de Nutrição e Saúde - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 5 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal 3

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública. Universidade Atlântica. 4.º Ano. - Investigação Aplicada

Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública. Universidade Atlântica. 4.º Ano. - Investigação Aplicada Licenciatura de Análises Clínicas e Saúde Pública Universidade Atlântica 4.º Ano - Investigação Aplicada AVALIAÇÃO DO GRAU DE SENSIBILIZAÇÃO PARA A AMAMENTAÇÃO Projecto de Investigação Docente: Ana Cláudia

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MANUAL NUTRICIONAL PARA ASMÁTICOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA

ELABORAÇÃO DE MANUAL NUTRICIONAL PARA ASMÁTICOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA ELABORAÇÃO DE MANUAL NUTRICIONAL PARA ASMÁTICOS PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA ANDRADE, A. H. G.; CHERON, L. S. Resumo A asma é uma doença comum hoje em dia. O exercício físico e alimentação ajudam no

Leia mais

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI.

Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Perfil nutricional de crianças de 6 a 10 anos de idade das escolas municipais na cidade de Picos/PI. Professor Assistente da Universidade Federal do Piauí Gilvo de Farias Júnior Nutricionistas: Francilany

Leia mais

PROBLEMAS DE SAÚDE CONSEQUENTES À MÁ TRITURAÇÃO DOS ALIMENTOS: PERCEPÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO DE NUTRIÇÃO.

PROBLEMAS DE SAÚDE CONSEQUENTES À MÁ TRITURAÇÃO DOS ALIMENTOS: PERCEPÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO DE NUTRIÇÃO. PROBLEMAS DE SAÚDE CONSEQUENTES À MÁ TRITURAÇÃO DOS ALIMENTOS: PERCEPÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO DE NUTRIÇÃO. Ana Claudia Gonçalves Mota, Sara Tavares Malheiro Quinderé, Sâmia Varlyan Nunes de Alcantara,

Leia mais

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA).

INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). INGESTÃO DIETÉTICA E COMPOSIÇÃO CORPORAL DE DANÇARINAS DA UFPA (BELÉM PA). GLEICIANE MARTINS GOMES ADRIANA MOURA DOS SANTOS JOSEANA MOREIRA ASSIS RIBEIRO FERNANDO VINÍCIUS FARO REIS JÚLIO ALVES PIRES FILHO

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL RESUMO

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL RESUMO AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS DE TRÊS A NOVE ANOS DE IDADE DE INSTITUIÇÕES FILANTRÓPICAS DE CAMPO GRANDE / MATO GROSSO DO SUL GISLAINE DOMINGUES CRN-3 12.129 SUELLEN CRISTINA MENDES MAGRO CRN-3 22.132

Leia mais

TÍTULO: AUTORAS INSTITUIÇÃO: E-mail ÁREA TEMÁTICA:

TÍTULO: AUTORAS INSTITUIÇÃO: E-mail ÁREA TEMÁTICA: TÍTULO: AÇÕES EDUCATIVAS EM ALEITAMENTO MATERNO E ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR NO PRIMEIRO ANO DE VIDA EM UMA COMUNIDADE DA CIDADE DO RECIFE. AUTORAS: Osório, M.M.; Javorski,M.; Santana, S.C.S.; Leal, L.P.;

Leia mais

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ANÁLISE DE ASPECTOS NUTRICIONAIS EM IDOSOS ADMITIDOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Belarmino Santos de Sousa Júnior¹ ; Fernando Hiago da Silva Duarte²; Ana Elza da Silva Mendonça³ ¹ Acadêmico de Enfermagem

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS EDUCAÇÃO NUTRICIONAL NA INFÂNCIA: INTRODUÇÃO DOS VEGETAIS NA REFEIÇÃO DAS CRIANÇAS Vanessa dos Santos Ortega Jéssica de Paula Francisco Laudicéia Soares Urbano INTRODUÇÃO As crianças estão entre as populações

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS EDUCAÇÃO NUTRICIONAL ENTRE CRIANÇAS Nayara Andrade de Oliveira 1, Vivian Rahmeier Fietz 2, Emmanuela Alves Inácio Carvalho 1 Estudante do Curso de Enfermagem da UEMS, Unidade Universitária de Dourados;

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG

EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG 369 EDUCAÇÃO NUTRICIONAL PARA PRÉ-ESCOLARES DO CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM VIÇOSA-MG Jacira Francisca Matias 2 Jaqueline Miranda Lopes 2, Eliene da Silva Martins Viana 3 Resumo: A formação dos hábitos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Amamentação. Educação em Saúde. Enfermagem. Traumas Mamários

PALAVRAS-CHAVE Amamentação. Educação em Saúde. Enfermagem. Traumas Mamários 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA INFLUÊNCIA DA ESCOLARIDADE NOS TRAUMAS

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ÍNDIVIDUOS IDOSOS Flávia Regina Moleiro 1, Rose Mari Bennemann² RESUMO: O aumento da expectativa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA NA FORMAÇÃO DOS HÁBITOS ALIMENTARES INTRODUÇÃO Bruna Barreto da Costa Cristina Faria de Souza Moreira Rafael Lima da Cruz Laudicéia Soares Urbano Embora a existência de creches

Leia mais

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO

PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO 1 PROMOVENDO A REEDUCAÇÃO ALIMENTAR EM ESCOLAS NOS MUNICÍPIOS DE UBÁ E TOCANTINS-MG RESUMO Iara de Souza Assunção 1 Josiane Kênia de Freitas 2 Viviane Modesto Arruda 3 Silvana Rodrigues Pires Moreira 4

Leia mais

TRANSTORNO DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA EM PACIENTES PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO E TARDIO EM CIRURGIA BARIÁTRICA

TRANSTORNO DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA EM PACIENTES PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO E TARDIO EM CIRURGIA BARIÁTRICA TRANSTORNO DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA EM PACIENTES PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO E TARDIO EM CIRURGIA BARIÁTRICA Nogueira, Sabrina Martins; Queiroz, Joana Oliveira; Assumpção, Renata Pereira. A presença

Leia mais

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA

PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PADRÃO ALIMENTAR DE INDIVÍDUOS ADULTOS NOS PERÍODOS PRÉ E PÓS-CIRURGIA BARIÁTRICA Bruno Guilherme Morais Pagan 1 ; Luzia Jaeger Hintze 2 ; Alexandre dos

Leia mais

ANÁLISE SENSORIAL DE DIETAS ENTERAIS INDICADAS PARA USO VIA ORAL

ANÁLISE SENSORIAL DE DIETAS ENTERAIS INDICADAS PARA USO VIA ORAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ANÁLISE SENSORIAL DE DIETAS ENTERAIS INDICADAS PARA USO VIA ORAL Mariah Benine Ramos Silva 1, Thanise Pitelli Paroschi 2, Ana Flávia de Oliveira 3 RESUMO:

Leia mais

PREVALÊNCIA DE ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO NO BRASIL

PREVALÊNCIA DE ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO NO BRASIL PREVALÊNCIA DE ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO NO BRASIL POZZEBON, Nathália Mezadri; FREIRE, Ariane Bôlla; REAL, Amanda Albiero; BRAZ, Melissa Medeiros; PIVETTA, Hedioneia Maria Foletto; PRESTES, Maria Lúcia.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS FRUTAS NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DAS FRUTAS NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS FRUTAS NA ALIMENTAÇÃO INFANTIL Shyrley Rita da Silva Madureira de ABREU 1 Scarlatt Samanta Fonseca PEREIRA 2 Frederico de Barros TRINDADE 3 Gabrielle Cristina de OLIVEIRA 4 Cecy Maria

Leia mais

Atividade física no ambiente escolar

Atividade física no ambiente escolar Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção BásicaB Coordenação ão-geral da Política de Alimentação e Nutrição Atividade física x alimentação saudável no ambiente escolar

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE UM PRODUTO NO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Cleidiane Silva e Silva¹; Tassyane Lara Souza²; Patrícia Caroline Verissimo³; Antônio Luiz Ferreira Junior 4 1234 Universidade

Leia mais

Questões Socioeconômicas e Nutricionais do Projeto de Assentamento São Sebastião, Pirambu, Sergipe

Questões Socioeconômicas e Nutricionais do Projeto de Assentamento São Sebastião, Pirambu, Sergipe II Seminário de iniciação científica e pós - graduação da Embrapa Tabuleiros Costeiros 9 Questões Socioeconômicas e Nutricionais do Projeto de Assentamento São Sebastião, Pirambu, Sergipe José Valter dos

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG.

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA ESPECÍFICO DE ATENÇÃO À SAÚDE DO ADOLESCENTE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA MG. AUTORES: Kiriaque Barra Ferreira Barbosa bolsista CNPq (kiribarra@hotmail.com.br),

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA

CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA CENTRO UNIVERSITÁRIO CENTRAL PAULISTA CURSO DE NUTRIÇÃO MANUAL DO ESTAGIÁRIO ROTEIROS E ORIENTAÇÕES PARA O RELATÓRIO DE ESTÁGIO NA ÁREA DE SAÚDE PÚBLICA SUPERVISORAS DE ESTÁGIO Angélica de Moraes Manço

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR

PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADULTOS E IDOSOS EM UMA UBS DE APUCARANA-PR Resumo Lourival, N B S Fernandes, L S; A Educação nutricional ocorre devido ações educativas com a finalidade de um maior conhecimento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1

A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 A IMPORTÂNCIA DA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO 1 Angélica Aparecida De Almeida 2, Ligia Beatriz Bento Franz 3, Mabili Tresel Freitas 4, Vanessa Huber Idalêncio 5. 1 Pesquisa Institucional

Leia mais

BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE

BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE BENEFÍCIOS DO ALEITAMENTO MATERNO EXLUSIVO ATÉ O SEXTO MÊS DE VIDA, E AS PRINCIPAIS CAUSAS DO DESMAME PRECOCE MARIN, T; MORAES, A.C.S. Resumo:O aleitamento materno consiste na prática alimentar ideal para

Leia mais

Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição

Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição Centro de Ciências da Saúde Curso: Nutrição RESUMO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Título do Trabalho: Aspectos nutricionais de mulheres submetidas à cirurgia bariátrica relacionados ao período gestacional

Leia mais

Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento

Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento 9 Estilo de Vida Ativo: A Importância do Estímulo por parte dos Adultos Erika da Silva Maciel Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos - USP Os programas de promoção da qualidade de vida buscam o desenvolvimento

Leia mais

ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP

ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP ASSISTÊNCIA À SAÚDE ENTRE CRIANÇAS RESIDENTES EM ÁREAS ATENDIDAS E NÃO ATENDIDAS PELA PASTORAL DA CRIANÇA NA REGIÃO DE CAMPINAS, SP Maria Aurora D. Chrestani* Juraci A. Cesar** Nelson A. Neumann*** * Residência

Leia mais

Criança nutrida & criança Vitaminada

Criança nutrida & criança Vitaminada Criança nutrida & criança Vitaminada IMC INFANTIL Muitos pais se preocupam com o peso e a estatura de seu filho. Questionam-se se a massa corporal da criança está de acordo com a idade, se a alimentação

Leia mais

Paridade. puerperais Não 24 45,3. neonatal Não 34 63,0 19 35,8 29 54,7

Paridade. puerperais Não 24 45,3. neonatal Não 34 63,0 19 35,8 29 54,7 PERCEPÇÃO DA PUÉRPERA EM RELAÇÃO À ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA Viana, J.C 1 ; Mota, L.L 2 ; Corrêa, A.L³; Perroni, C. A. 4 jamilli-viana@bol.com.br; lidiener @hotmail.com.br;

Leia mais

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL

ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL 1 ANÁLISE DO PROGNÓSTICO DE PACIENTES INFECTADOS COM HIV DE LONDRINA E REGIÃO DE ACORDO COM PERFIL NUTRICIONAL Ana Carolina Borghesi Marques Branco Mariah Martins da Silva Josiane Correia Juliana Ferreira

Leia mais

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE

CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE 01 CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA OBESIDADE A obesidade é uma doença crónica que se caracteriza pelo excesso de gordura corporal e que atinge homens, mulheres e crianças de todas as etnias e idades. A sua prevalência

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1

EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1 393 EXCESSO DE PESO E SUA ASSOCIAÇÃO COM A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ENTRE CRIANÇAS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE MINAS GERAIS 1 Marceli Almeida Mendonça 1, Mônica de Paula Jorge 1, Simone Angélica Meneses Torres

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE ESCOLARES E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NO CONSUMO DE ALIMENTOS CARNEIRO, Alessandra Rosa de Araújo ARAÚJO, Ana Cristina Tomaz (UNITRI) anacrisnutricao@yahoo.com.br RESUMO: Introdução:

Leia mais

4.6 Análise estatística

4.6 Análise estatística 36 4.6 Análise estatística Na análise dos dados, foi utilizado o programa estatístico SPSS, versão 11.5 (Windows). Inicialmente, apresentou-se o resultado geral do grupo dos adolescentes obesos e de eutróficos,

Leia mais

ALEITAMENTO MATERNO EM REDE SOCIAL: CONHECIMENTOS E PRÁTICAS PRÉ E PÓS ATIVIDADE EDUCATIVA

ALEITAMENTO MATERNO EM REDE SOCIAL: CONHECIMENTOS E PRÁTICAS PRÉ E PÓS ATIVIDADE EDUCATIVA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ALEITAMENTO MATERNO EM REDE SOCIAL: CONHECIMENTOS E PRÁTICAS PRÉ E PÓS ATIVIDADE EDUCATIVA Ana Maria Bufolo Macedo 1 ; Camilla Ramos Silva 1 ; Cristiane

Leia mais

MULHERES NO CLIMATÉRIO: FATORES RELACIONADOS AO SOBREPESO/OBESIDADE

MULHERES NO CLIMATÉRIO: FATORES RELACIONADOS AO SOBREPESO/OBESIDADE MULHERES NO CLIMATÉRIO: FATORES RELACIONADOS AO SOBREPESO/OBESIDADE Maria do Carmo A. Duarte de Farias (E-mail: carmofarias@hotmail.com) 1 Renan Alves Silva 1 Raimunda Andrade Duarte 2 Rosimery Cruz de

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: avaliação antropométrica; oficina de culinária; Síndrome de Down.

PALAVRAS-CHAVE: avaliação antropométrica; oficina de culinária; Síndrome de Down. AVALIAÇÃO NUTRICIONAL E ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DE 06 E 36 MESES, COM SÍNDROME DE DOWN, E OFERTA DE OFICINAS DE CULINÁRIA À SUAS FAMÍLIAS FUNDAÇÃO DOM BOSCO B.H. Luciana Ramos Costa SIMÕES Centro Universitário

Leia mais

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG

Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Satisfação dos consumidores: estudo de caso em um supermercado de Bambuí/MG Ana Clara Rosado Silva (1) ; Daiane Oliveira Borges (2) ; Tatiana Morais Leite (3) ; Vanessa Oliveira Couto (4) ; Patrícia Carvalho

Leia mais

ANALISE DA CONCENTRAÇÃO DE CLORO ATIVO EM ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS EM PARÁ DE MINAS SUBMETIDAS A DIFERENTES FORMAS DE ARMAZENAMENTO.

ANALISE DA CONCENTRAÇÃO DE CLORO ATIVO EM ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS EM PARÁ DE MINAS SUBMETIDAS A DIFERENTES FORMAS DE ARMAZENAMENTO. SynThesis Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, v.2, n.2, 120-126, nov. 2010 ISSN 2177-823X 120 ANALISE DA CONCENTRAÇÃO DE CLORO ATIVO EM ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS EM PARÁ DE MINAS SUBMETIDAS A

Leia mais

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO

CONSULTA PUERPERAL DE ENFERMAGEM: IMPORTÂNCIA DA ORIENTAÇÃO PARA O ALEITAMENTO MATERNO 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Titulação: Bacharel em Nutrição; Especialista em Nutrição e Saúde; MBA EM Gestão Executiva de Negócio; Mestrado em Meio Ambiente e Sustentabilidade.

Titulação: Bacharel em Nutrição; Especialista em Nutrição e Saúde; MBA EM Gestão Executiva de Negócio; Mestrado em Meio Ambiente e Sustentabilidade. C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Nutrição e Dietética Código: ODO-19 Pré-requisito:

Leia mais

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES

ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES ALIMENTAÇÃO DE CORDEIROS LACTENTES Mauro Sartori Bueno, Eduardo Antonio da Cunha, Luis Eduardo dos Santos Pesquisadores Científicos do Instituto de Zootecnia, IZ/Apta-SAA-SP CP 60, Nova Odessa-SP, CEP

Leia mais

ALEITAMENTO MATERNO VERSUS ALEITAMENTO ARTIFICIAL*

ALEITAMENTO MATERNO VERSUS ALEITAMENTO ARTIFICIAL* ALEITAMENTO MATERNO VERSUS ALEITAMENTO ARTIFICIAL* CAMILA DOS SANTOS MELO, RENATA MOREIRA GONÇALVES Resumo: o objetivo foi verificar as características, benefícios e impossibilidade do aleitamento materno

Leia mais

EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL

EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL I Seminário de Pesquisas sobre Desenvolvimento Infantil Parceria FAPESP e FMCSV EFEITO DO ACONSELHAMENTO NUTRICIONAL DA ESTRATÉGIA AIDPI SOBRE PRÁTICAS ALIMENTARES, ESTADO DE NUTRIÇÃO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação.

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. NUTRIÇÃO DE GATOS DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3 Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. Introdução Nutrição veterinária é a ciência que tem por objetivo descobrir

Leia mais

Aleitamento Materno Por que estimular?

Aleitamento Materno Por que estimular? Aleitamento Materno Por que estimular? Francine Canovas Dias Nutricionista Especializanda Disciplina de Gastroenetrologia Pediátrica Escola Paulista de Medicina/UNIFESP Recomendações 1980-1 s estudos sobre

Leia mais

O PRÉ-ESCOLAR DE DOIS A CINCO ANOS DE IDADE: COMO ANDA SUA ALIMENTAÇÃO?

O PRÉ-ESCOLAR DE DOIS A CINCO ANOS DE IDADE: COMO ANDA SUA ALIMENTAÇÃO? ISBN 97-5-191-5-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 3 de outubro de 9 O PRÉ-ESCOLAR DE DOIS A CINCO ANOS DE IDADE: COMO ANDA SUA ALIMENTAÇÃO? Pâmela Carla de Andrade¹, Fabíola Roberta

Leia mais

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR

CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Os textos são de responsabilidade de seus autores. CONSUMO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR HOMENS PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO, NAS ACADEMIAS CENTRAIS DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA/PR Edson Luis Quintiliano 1 Orientador:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUAS FORMOSAS ESTADO DE MINAS GERAIS Processo Seletivo 001/2012

PREFEITURA MUNICIPAL DE ÁGUAS FORMOSAS ESTADO DE MINAS GERAIS Processo Seletivo 001/2012 À Comissão Especial do Processo Seletivo nº 001/2012 da Prefeitura Municipal de Águas Formosas / Minas Gerais. Ref.: Recursos Administrativos. Prezados Senhores, Foram protocolados/enviados recursos contra

Leia mais

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS Autora: Márcia de Fátima Ferraretto Pavan Resumo: Diabetes mellitus é uma doença crônica e está associada a complicações que comprometem

Leia mais

PROPONDO UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR NA ESCOLA: DO ASPECTO INFORMATIVO À PRÁTICAS TRANSFORMADAS

PROPONDO UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR NA ESCOLA: DO ASPECTO INFORMATIVO À PRÁTICAS TRANSFORMADAS PROPONDO UM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO ALIMENTAR NA ESCOLA: DO ASPECTO INFORMATIVO À PRÁTICAS TRANSFORMADAS RESUMO Maria Márcia Melo de Castro Martins 1 Leandra Fernandes Nascimento 2 Maria Gorete de Gois 3

Leia mais

INSTITUIÇÃO: FACULDADE MUNICIPAL PROFESSOR FRANCO MONTORO DE MOGI GUAÇU

INSTITUIÇÃO: FACULDADE MUNICIPAL PROFESSOR FRANCO MONTORO DE MOGI GUAÇU TÍTULO: UTILIZAÇÃO DA CREATINA POR PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE MUNICIPAL PROFESSOR FRANCO MONTORO DE MOGI

Leia mais

Disponível no site Nutrição Ativa (www.nutricaoativa.com.br)

Disponível no site Nutrição Ativa (www.nutricaoativa.com.br) ESTUDO COMPARATIVO DO ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS EM IDADE ESCOLAR MATRICULADAS EM ESCOLA PÚBLICA E PRIVADA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA RS. MOREIRA, Thaís Rodrigues; PRASS, Francine Sarturi; BLASI,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO SUS E PSF

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO SUS E PSF 11 A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO NUTRICIONISTA NO SUS E PSF Marceli Almeida Mendonça¹, Renata Chequer de Souza¹, Simone Angélica Meneses Torres¹, Rosilene Cardoso Barbosa Monteiro 2, Glauce Dias da Costa

Leia mais

PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO SOBRE O CONSUMO DE REFRIGERANTE

PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO SOBRE O CONSUMO DE REFRIGERANTE PERCEPÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE NUTRIÇÃO SOBRE O CONSUMO DE REFRIGERANTE Maria Simone Silva Sousa 13, Cícera Suyanne de Jesus Lima 1, Christiane Gonçalves Monteiro 1, Lívia Fernanda Ferreira de Freitas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1

AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE COMPOSTOS FITOQUÍMICOS EM PACIENTES SUBMETIDOS À TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO (2011) 1 MOURA, Deise Silva de 2 ; BLASI, Tereza Cristina²; BRASIL, Carla Cristina Bauermann 3 ; COSTA

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR

ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR Secretaria de Saúde do Estado do Tocantins Gerência de Alimentação e Nutrição E-mail: nutricao@saude.to.gov.br (63) 3218 1789 Terezinha Franco Nutricionista ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR

Leia mais

NUNCA É TARDE PARA COMEÇAR : A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO DE IDOSOS QUE PRATICA O ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL

NUNCA É TARDE PARA COMEÇAR : A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO DE IDOSOS QUE PRATICA O ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL NUNCA É TARDE PARA COMEÇAR : A EXPERIÊNCIA DE UM GRUPO DE IDOSOS QUE PRATICA O ENVELHECIMENTO ATIVO E SAUDÁVEL SANTOS, Leidyane Cristina 1, OLIVEIRA, Luma Laiane 2 ; PEREIRA, Geovanna Líscio 2 ; SINTRA,

Leia mais

O JOGO DIDÁTICO NA TRILHA DA SAÚDE : CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA TEMÁTICA DIETA, ALIMENTAÇÃO E SAÚDE NO ENSINO DE CIÊNCIAS.

O JOGO DIDÁTICO NA TRILHA DA SAÚDE : CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA TEMÁTICA DIETA, ALIMENTAÇÃO E SAÚDE NO ENSINO DE CIÊNCIAS. O JOGO DIDÁTICO NA TRILHA DA SAÚDE : CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA TEMÁTICA DIETA, ALIMENTAÇÃO E SAÚDE NO ENSINO DE CIÊNCIAS. Andressa Luíssa França Borralho (Licenciando em Ciências da Natureza - UFPI),

Leia mais

Hábitos saudáveis na creche

Hábitos saudáveis na creche 11 Hábitos saudáveis na creche Elvira Bezerra Pessoa: elvirabe@gmail.com Patrícia Edióne da Silva Graduada edionne.jp@hotmail.com Adeilson Paulino de Barros UEPB 1.INTRODUÇÃO No Brasil o atendimento á

Leia mais

Nutrientes. E suas funções no organismo humano

Nutrientes. E suas funções no organismo humano Nutrientes E suas funções no organismo humano O corpo humano necessita de uma série de substâncias básicas indispensáveis para a formação de tecidos, para obtenção de energia, para a realização de atividades

Leia mais

AUTOR(ES): CAMILA QUINTELLA GONÇALVES, RAFAEL MONTEIRO BORGES, VANESSA FURTADO REIS

AUTOR(ES): CAMILA QUINTELLA GONÇALVES, RAFAEL MONTEIRO BORGES, VANESSA FURTADO REIS TÍTULO: QUALIDADE DE VIDA DE CUIDADORES DE IDOSOS COM DEMÊNCIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU AUTOR(ES): CAMILA QUINTELLA

Leia mais

Ações Educativas Em Nutrição: Testando a Efetividade de um Modelo para Reduzir a Obesidade Infantil

Ações Educativas Em Nutrição: Testando a Efetividade de um Modelo para Reduzir a Obesidade Infantil 844 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Ações Educativas Em Nutrição: Testando a Efetividade de um Modelo para Reduzir a Obesidade Infantil Kalinca Oliveira 1, Giovana Skonieski 2, Bernardete Weber 2,

Leia mais

Intolerância à Lactose

Intolerância à Lactose Intolerância à Lactose A intolerância à lactose é a condição que se refere aos sintomas decorrentes da má digestão da lactose. Esta situação ocorre quando o organismo não produz lactase suficiente, uma

Leia mais

COMUNICAÇÃO ORAL ALEITAMENTO MATERNO E PESO À NASCENÇA FATORES PROTETORES OU DE RISCO PARA A OBESIDADE INFANTIL? - ESTUDO COSI PORTUGAL 2010

COMUNICAÇÃO ORAL ALEITAMENTO MATERNO E PESO À NASCENÇA FATORES PROTETORES OU DE RISCO PARA A OBESIDADE INFANTIL? - ESTUDO COSI PORTUGAL 2010 COMUNICAÇÃO ORAL ALEITAMENTO MATERNO E PESO À NASCENÇA FATORES PROTETORES OU DE RISCO PARA A OBESIDADE INFANTIL? - ESTUDO COSI PORTUGAL 2010 Joana Baleia 1,2, Ana Valente 2 e Ana Rito 1,3 1 Centro de Estudos

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL X ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL X ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL X ALIMENTOS INDUSTRIALIZADOS Resumo PRZYBYSZ, Mariângela Prefeitura Mun. Curitiba mari_prz@yahoo.com.br MENEGAZZO, Raquel Cristina Serafin Prefeitura Mun. Araucária Prefeitura Mun.

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO EM FOTOTERAPIA: UMA REVISÃO DE LITERATURA Flávia Teixeira Germano, Universidade Potiguar, flavinhabebezao@hotmail.com Ana Eliedna Nogueira, Universidade Potiguar,

Leia mais

COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES

COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES COMPORTAMENTO ALIMENTAR, AUTOCONCEITO E IMAGEM CORPORAL EM PRÉ-ADOLESCENTES COMO FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE TRANSTORNOS ALIMENTARES Renata Tavares Beschizza Pini;Alessandra Costa Pereira

Leia mais

Obesidade Infantil. O que é a obesidade

Obesidade Infantil. O que é a obesidade Obesidade Infantil O que é a obesidade A obesidade é definida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma doença em que o excesso de gordura corporal acumulada pode atingir graus capazes de afectar

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO GRADE (2009).

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO GRADE (2009). EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO GRADE (2009). ABASTECIMENTO E CUSTOS EM NUTRIÇÃO 1593 C/H 68 Conceito, processo e classificação de custos. Custos de mão-de-obra. Custos diversos. Política,

Leia mais

RESUMOS SIMPLES... 392 RESUMOS DE PROJETOS... 395

RESUMOS SIMPLES... 392 RESUMOS DE PROJETOS... 395 391 RESUMOS SIMPLES... 392 RESUMOS DE PROJETOS... 395 392 RESUMOS SIMPLES EFEITO DA SUPLEMENTAÇÃO COM PHASEOLUS VULGARIS E DO TREINAMENTO CONCORRENTE NA COMPOSIÇÃO CORPORAL DE MULHERES NA MENOPAUSA...

Leia mais

CONHECIMENTO NUTRICIONAL DE PRATICANTE DE ATIVIDADES FÍSICAS: uma revisão sistemática

CONHECIMENTO NUTRICIONAL DE PRATICANTE DE ATIVIDADES FÍSICAS: uma revisão sistemática CONHECIMENTO NUTRICIONAL DE PRATICANTE DE ATIVIDADES FÍSICAS: uma revisão sistemática Aline Vernochi Graduanda em Nutrição Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Gabriela Bonilha de Souza Graduanda

Leia mais

O LANCHE EM ESCOLAS PARTICULARES E SUA RELAÇÃO COM AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ALUNOS DE 6ª SÉRIE.

O LANCHE EM ESCOLAS PARTICULARES E SUA RELAÇÃO COM AS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ALUNOS DE 6ª SÉRIE. O LANCHE EM ESCOLAS PARTICULARES E SUA RELAÇÃO COM AS AULAS Bruno da Silva Freire Carlos Vinícius da Silva Fonseca Diogo José dos Santos Ferreira DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ALUNOS DE 6ª SÉRIE. RESUMO O estudo

Leia mais

SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO

SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO SEXUALIDADE E EDUCAÇÃO Danielle de Sousa Macena- UFCG danyellehta-@hotmail.com Januzzi Gonçalves Bezerra UFCG januzzigoncalves@gmail.com Janaina Gonçalves Bezerra - UFCG jgoncalves003@gmail.com Resumo

Leia mais