Gestão da mudança climática na cadeia de valor: desafios e conquistas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão da mudança climática na cadeia de valor: desafios e conquistas"

Transcrição

1 Gestão da mudança climática na cadeia de valor: desafios e conquistas Sumário Executivo do CDP Supply Chain Brasil 2014 Fevereiro

2 Índice Introdução...3 Principais resultados de Gestão de emissões...5 Riscos das mudanças climáticas...6 Boas práticas...8 Histórias para se contar e replicar...9 3

3 Introdução Esta publicação foi elaborada com base nas respostas de 140 fornecedores brasileiros à solicitação de 66 empresas-membro da edição 2014 do programa CDP Supply Chain, que representam US$ 1.3 trilhões em poder aquisitivo e incluem organizações como Ford, Unilever, Walmart, Banco Bradesco, Braskem, Marfrig, entre outras. O CDP Supply Chain permite às organizações construir estratégias para engajamento de fornecedores, por meio da análise dos riscos e oportunidades associados às mudanças climáticas e gerenciamento das emissões de gases de efeito estufa. O programa oferece uma abordagem colaborativa e inovadora que contribui para o desenvolvimento sustentável da cadeia de valor, auxiliando tanto clientes como fornecedores a ampliarem conhecimentos e experiências em relação às mudanças climáticas e gestão da água. O programa Em média, mais de 50% das emissões das empresas provém da sua cadeia de valor. Se analisarmos determinados setores como o de varejo e tecnologia da informação, percebemos que esses impactos estão ainda mais distribuídos, de modo que os fornecedores podem representar mais de 60% das emissões de carbono de uma empresa. Diante disso, a gestão de emissões ao longo da cadeia de valor se faz necessária para proteger e gerar valor para o negócio. O Programa Supply Chain permite que as empresas atendam a demanda por informação ambiental de diferentes stakeholders por meio de um questionário único, evitando a duplicidade de esforços por meio de um processo padronizado de coleta e sistematização de informações, bem como avaliação e construção de indicadores que orientam a decisão de investimento e a gestão de risco. Nas páginas a seguir, apresentamos os principais resultados da edição brasileira do programa CDP Supply Chain, além de boas práticas de gestão das mudanças climáticas, identificadas entre os fornecedores das empresas-membro brasileiras. O Sumário foi elaborado pelo CDP em parceria com a Gestão Origami, também responsável por implementar a metodologia de scoring do CDP para avaliar as empresas participantes do Programa Supply Chain no Brasil, avaliando as respostas das empresas de forma idônea. Em parceria com o Insper, o CDP construiu três estudos de caso de uma empresa de grande, médio e pequeno porte, mostrando quais foram os principais direcionadores que levaram à integração das mudanças climáticas à estratégia de negócios e os principais benefícios alcançados a partir da gestão de emissões e o exercício de reporte ao CDP. 4

4 Principais resultados de 2014 Em 2014 foram convidadas 191 empresas brasileiras foram convidadas a reportar por meio do programa CDP Supply Chain, das quais 140 responderam (61% do total), sendo 96 o questionário completo (69%) e 44 o questionário reduzido para pequenas e médias empresas(31%). No programa como um todo, em 79 países, empresas fornecedoras dos membros do Supply Chain foram convidadas, empresas responderam. O Brasil é o 3 maior em número de empresas convidadas/ respondentes, ficando atrás somente dos EUA e Inglaterra. De uma amostra de nove setores econômicos 1, podemos verificar que grande parte das empresas respondentes concentram-se nos setores industrial e de materiais. Por exemplo, das empresas que responderam o questionário completo, 54% estão nesses dois setores enquanto no questionário reduzido para pequenas e médias empresas 63%. Esta concentração acompanha uma tendência mundial de evolução na gestão corporativa das mudanças climáticas, em que empresas com maior nível de emissões diretas (escopo 1) avançam mais rapidamente no entendimento do tema em comparação às empresas com maior nível de emissão indireta (escopo 2). Além destes, aparecem com destaque também os setores de tecnologia da informação e de bens de consumo. Os gráficos 1 e 2 abaixo apresentam essa distribuição setorial. Questionário módulo SME % 9,1% Bens de Consumo discricionário Questionário módulo completo % 8,3% Bens de Consumo discricionário 4,5% Bens de Consumo básico 12,5% Bens de Consumo básico 2,3% Energia 2,1% Energia 2,3% Financeiro 1% Financeiro 18,2% Industrial 35,4% Industrial 13,6% Tecnologia da Informação 10,4% Tecnologia da Informação 45,5% Materiais Básicos 18,8% Materiais Básicos 2,3% Serviços de Telecomunicação 5,2% Serviços de Telecomunicação 2,3% Concessionárias 6,2% Concessionárias 1 Consumo Discricionário, Bens de Consumo, Energia, Financeiro, Industrial, TI, Materiais, Serviços de Telecomunicações e Utilidades. 5

5 Gestão de Emissões No que esse refere ao relato de redução de emissões, verificou-se uma tendência geral tanto no questionário completo como no reduzido de as empresas não relatarem e/ou não possuírem iniciativas ativas de redução de emissões em Por outro lado, embora somente 15% das empresas relatem reduções de emissões, os setores de bens de consumo, financeiro, tecnologia da informação, serviços de telecomunicações e de concessionárias se destacam por apresentar percentuais maiores de redução em comparação ao universo total de empresas que relatam suas reduções. Em relação às metas de redução de emissões a grande maioria das empresas relatam não possuir metas no ano de análise. Enquanto 64% das grandes empresas não possuem metas ativas de redução de emissões, esse percentual sobe para 75% nas pequenas e médias empresas. Quando se analisa esse contexto com uma lente setorial, os setores de energia e de utilidades se destacam pela maior propensão em estabelecer metas de redução de emissões. Verificou-se que cerca de 55% das empresas, tanto de grande porte como as de pequeno e médio porte, relatam suas emissões de escopo 1 e 2. Destaca-se também, no entanto, que em média 39% das empresas de todos os portes não relatam o padrão, método ou metodologia de cálculo utilizada para coleta os dados de atividade e para calcular suas emissões. Esta falta de consistência indica que, apesar da significativa intenção de relatar as emissões, as empresas ainda precisam avançar no sentido de formalizar seus cálculos a fim de possibilitar uma melhor comparação entre as empresas de um mesmo setor. O engajamento dos fornecedores sobre as emissões de gases de efeito estufa e estratégias de mudança climáticas ainda é uma prática incipiente. Por exemplo, somente 13% das empresas de grande porte e 7% de pequeno porte mostram algum tipo de envolvimento. Vale destacar que os resultados mostram que as empresas dos setores financeiro, de utilidade e de bens de consumo possuem um nível de engajamento na cadeia de valor maior do que a média geral. A integração da mudança do clima na estratégia de negócio, se mostra presente em 46% das grandes empresas e em 43% das pequenas e médias. Setorialmente destacam-se os setores de energia, industrial e bens de consumo como aqueles cujas estratégias de negócio mais frequentemente levam em conta aspectos da mudança do clima. A diferença entre o número de empresas que reporta possuir metas de redução e o número de empresas que integra a mudança do clima na estratégia demonstra que ainda existe um caminho a ser percorrido para que as ações de mudanças climáticas deixem de ser entendidas como táticas e passem a ser tratadas como estratégicas. 6

6 Riscos das Mudanças Climáticas Grande parte das empresas, tanto as grandes como as de pequeno e médio porte, não identifica riscos físicos ou de regulação como ameaça aos seus negócios. No entanto daquelas empresas que identificam riscos, o risco regulatório é percebido com maior intensidade do que o físico. Independentemente do tamanho da empresa, as indústrias de serviços profissionais e comerciais, de materiais, de bens de capital e automobilística e seus componentes, identificam os riscos regulatórios como àqueles com potencial de gerar substantiva mudança em suas operações, receitas ou custos. Já em relação à identificação de riscos físicos destacam se as indústrias de materiais e de transportes. O relatório riscos regulatórios tem como objetivo mostrar onde estão os riscos da mudança climática relacionados com a regulação em sua cadeia de suprimentos. Os resultados indicam, às empresas-membro, a relação desse risco no que diz respeito a probabilidade e magnitude e o que seus fornecedores estão fazendo para gerenciá-los. Foram relatados um total de 14 categorias de riscos regulatórios que surgem a partir legislações municipais, estaduais, federais e internacionais relacionadas à mudança climática. A maioria das empresas que respondem ao questionário completo do Supply Chain, possuem processos de gestão de riscos climáticos integrados ao seu sistema de gerenciamento de riscos mais amplo, enquanto que uma minoria gerencia seus riscos climáticos por meio de um processo específico. Por outro lado, verificou-se que parcela significativa das empresas de pequeno e médio porte não possuem nenhum processo de gestão de riscos climáticos. Conforme o gráfico abaixo, dentre as categorias de riscos regulatórios mais citados destacaram-se cinco: regulações e taxas sobre combustíveis e energia; regulações ambientais gerais; limites para poluição do ar; incertezas sobre novas regulações; e, obrigações de relato de emissões. Tipo de Risco 0% Não Sabe 12,1% Limite de poluição do ar 5,7% Sistema de compra e venda de carbono 9,2% Taxa de carbono 10,6% Obrigação de reporte de emissão 14,9% Taxas regulatórias para energia/ combustivel 12,1% Regulações ambientais gerais, incluindo gerenciamento 7,1% Acordos internacionais 1,4% Falta de regulação 4,3% Outros riscos regulatórios 5% Padrões de eficiencia e regução em produtos 2,8% Rotulagem de produtos em eficiência e padrões 2,1% Regulação em energia renovável 11,3% Incerteza de novas regulações 1,4% Acordos voluntários 7

7 A indústria de materiais foi a que mais relatou riscos regulatórios, com um total de 12 categorias de riscos com distribuição equivalente entre elas. Outras duas indústrias aparecem na sequência com relatos de uma quantidade significativa de riscos: a indústria de bens de capital e de alimento, bebidas e tabaco. Enquanto na primeira, as categorias de risco obrigação de relato de emissões e incertezas sobre novas regulações aparecem com destaque, na segunda indústria regulações ambientais gerais e incertezas sobre novas regulações são as categorias que mais aparecem nas respostas. Considerando-se todos os riscos regulatórios as empresas respondentes esperam que esses riscos se materializem apenas no médio e longo prazo, com parte dos riscos se tornando realidade nos próximos três anos e parte se tornando realidade em mais de 6 anos. A maior propensão a identificar riscos regulatórios, em comparação aos riscos físicos das mudanças climáticas, pode ser justificada pelo histórico de regulação a que algumas empresas com atividades em países com arranjos regulatórios específicos ao tema estão sujeitas, como os limites de emissão. Entretanto, é necessário ressaltar que os riscos físicos das mudanças climáticas tendem a crescer em relevância na agenda das empresas. Diferentemente dos riscos regulatórios, que tendem a ser associados mais facilmente às mudanças climáticas, os riscos físicos são comumente classificados pelas empresas como riscos de suprimentos ou riscos ambientais. Este é o caso do risco de escassez de recursos hídricos, diretamente associado às mudanças do clima, porém geralmente percebido de forma isolada pelas empresas. Neste sentido, o CDP Supply Chain reforça a sua importância principalmente com a inclusão do módulo água no questionário. Mais do que incentivar que a cadeia de suprimentos adote medidas de mitigação das mudanças climáticas, com foco nas iniciativas de gerenciamento de emissões, as informações obtidas a partir do questionário possibilitam que as empresasmembro e seus fornecedores realizem um diagnóstico da capacidade de adaptação à um novo contexto regulatório e climático, viabilizando, desta forma, a adoção de soluções conjuntas. É esta capacidade de dividir esforços que possibilitará que as empresas continuem a gerar valor compartilhado ao longo do tempo. 8

8 Boas práticas Na medida em que cresce a pressão por produtos e processos menos intensivos em carbono, a competitividade de uma companhia será determinada pela sua habilidade de mobilizar fornecedores na gestão e redução das emissões de carbono. Apesar de complexa, essa tarefa tem proporcionado às empresas e seus fornecedores ganhos de eficiência em processos, redução de custos e, consequentemente, uma melhor performance econômica. É que podemos observar nos estudos de caso a seguir que foram construídos em parceria com o Insper. O Insper é uma instituição de ensino superior e pesquisa sem fins lucrativos que reverte todo o resultado operacional para a realização de sua missão que é Ser um centro de referência em educação e geração de conhecimento nas áreas de administração, economia, direito e engenharia, explorando suas complementaridades para agregar valor às organizações e à sociedade. No início de 2013 iniciamos uma aproximação voluntária entre CDP, representados por Juliana Lopes (Diretora do CDP na América Latina) e Lauro Marins (Gerente do Programa CDP Supply Chain) e Insper, representado pela Profa. Priscila Claro, que junto com seus alunos de graduação, tem trabalhado na formalização de iniciativas no âmbito do Programa Supply Chain, através do desenvolvimento de casos de sucesso. Nesta parceria, os representantes do CDP coletam parte substancial das informações junto às empresas, que é parte do processo anual de avaliação de empresas, e os representantes do Insper trabalham os dados de forma a estruturarem os casos, complementando com informações públicas sobre as empresas selecionadas. Nossa expectativa é desenvolver alguns casos anualmente não só para fins de premiação das melhores empresas do Programa Supply Chain, mas também para que estes possam ser trabalhados no âmbito acadêmico, em ensino e pesquisa. Elaboração dos estudos de caso Em 2014, selecionamos três empresas para elaboração dos estudos de caso. As empresas fornecedoras selecionadas, foram engajadas no Programa Supply Chain por indicação de empresas-membro das quais eram parceiras na cadeia de valor. As informações utilizadas para desevolvimento dos casos foram as respostas das empresas por meio do CDP através da coleta de dados primários, por meio de questionários estruturados. Após análise dessas informações, as empresas receberam uma nota sudvidivida em 2 categorias: uma em Disclosure (transparência) e uma em Performance (desempenho), que tem como referência a metodologia de scoring do CDP[i]. A nota de transparência varia de e indica a compreensão da empresa em relação a mudanças climáticas e o nível de abertura das informações referentes a este tema. Nesta categoria, quanto maior a nota, ou seja, mais próxima de 100, melhor. A nota de desempenho é dada por bandas, que vão de A a E, indicando o nível de integração das mudanças climáticas à estratégia de negócio e se a empresa está conseguindo reduzir emissões, sendo A o melhor e E o pior desempenho[ii]*. Estas informações foram repassadas ao Insper que ficou responsável por estruturar os casos, coletando adicionalmente, dados secundários relevantes sobre as empresas selecionadas. Estas informações complementares foram coletadas em fontes secundárias, tais como website, relatórios anuais das próprias empresas e clipping de mídia. As três empresas selecionas em 2014 para construção de estudos de caso foram: Grupo Libra em sua relação de parceria com a Braskem, Mod Line Soluções Corporativas em sua relação de parceria com o Banco Bradesco e a WEG em sua relação de parceria com a Marfrig. 9

9 Histórias para se contar e replicar Nas próximas seções deste material iremos apresentar as iniciativas desenvolvidas por essas empresasreconhecidas no ano de 2014, tais como os principais aprendizados, as dificuldades enfrentadas bem como os desafios futuros. Grupo Libra O Grupo Libra é um dos maiores operadores portuários e de logística de comércio exterior do Brasil com capital 100% nacional. Atualmente, o Grupo conta com cerca de três mil colaboradores. Desde 2011 é a primeira companhia do setor na América Latina a operar de forma integrada todos os modais de transporte. A atuação da empresa está estrategicamente desenhada através de uma rede de logística integrada, composta por terminais portuários, recintos especiais para despacho aduaneiro de exportação (REDEX), Centro Logístico Industrial e Aduaneiro (CLIA), portos secos e aeroportos, distribuídos pelas cidades de Santos, Cubatão, Campinas, Uberlândia, Cabo Frio e Rio de Janeiro. O maior impacto da empresa em relação ao meio ambiente são o consumo de combustíveis fósseis e a emissão de dióxido de carbono (CO2) em sua operação. A empresa identifica e busca mitigar os riscos regulatórios e associados a futuras obrigações em relação a taxas de emissão de Gases do Efeito Estufa (GEE) ou restrições de emissão, bem como avalia regularmente potenciais oportunidades custoefetivas de reduções de emissão. Neste sentido, o Grupo estabeleceu metas públicas de redução de emissões GEE, e vem monitorando periodicamente seu desempenho por meio de indicadores. O Grupo Libra, através da indicação da Braskem, se propôs voluntariamente a aderir ao Programa Supply Chain, pois acredita na importância do engajamento dos fornecedores na análise dos riscos e oportunidades associados às mudanças climáticas e gerenciamento das emissões de gases de efeito estufa. Com isso, a partir de 2014 o Grupo passou a reportar suas emissões e estratégias frente às mudanças climáticas através do CDP. Diretamente, esta ação gerou um impacto positivo pois o Grupo foi reconhecido como uma das melhores empresas pelas atividades desenvolvidas. O engajamento em monitoramento e relato das emissões tem também permitido que o Grupo compare sua atuação com a de outras empresas do setor. Finalmente, o controle das emissões e impactos tem contribuido para manter e melhorar o desenvolvimento de estratégias, projetos e ações relacionados ao tema de emissões e sustentabilidade empresarial. Indiretamente, a participação no Programa propiciou maior transparência e visibilidade não só sobre o desempenho do próprio Grupo mas também dos parceiros (fornecedores e clientes) ou emissões de escopo 3, tal como queima de querosene de aviação por aeronaves no Aeroporto Internacional de Cabo Frio, que é de propriedade do Grupo. Com isso, o próximo passo é estimular seus parceiros (fornecedores e clientes) a monitorarem e gerirem suas emissões e impactos. A participação no Programa tem sido prioridade de todos os colaboradores do Grupo. Internamente, porém, os colaboradores responsáveis, por responder aos indicadores de emissões fazem parte de diversas unidades de negócio e ocupam diferentes níveis hierárquicos na organização. A equipe de SSMA (Saúde, Segurança e Meio Ambiente) e os gestores de cada unidade (Libra Terminais, Libra Aeroportos, Libra Logística e CNA) do Grupo são envolvidos diretamente, pois cada um deles realiza medições e gerenciam estas emissões em suas unidades. As informações geradas são consolidadas e reportadas a área corporativa e aos diretores. Ao todo, em torno de 40 pessoas estão envolvidas diretamente neste processo, que teve que ser adaptado para uma realidade de empresa de capital fechado. Os ganhos e mudanças são percebidos tanto no ambiente interno quanto externo, em relação a redução de riscos e custos consequentes. Internamente, metas de redução de emissões anuais até 2017 já foram definidas para todas as unidades operacionais do Grupo. As metas variam em torno de 50% na Libra Terminais Santos e 40% na Libra Terminais Rio. Isso torna o Grupo uma referência no setor de logística 10

10 portuária e aeroportuária no Brasil e no mercado internacional. Um desafio para desenvolvimento dos projetos futuros, na visão da empresa, se relaciona aos investimentos em tecnologias mais limpas dada as variações e instabilidade da economia brasileira que podem impor restrições e, portanto, maior cautela. Por exemplo, investimentos em novos equipamentos portuários com fontes que substituem o diesel por eletricidade (fonte mais limpa). Este investimento já foi realizado no Rio de Janeiro, mas ainda está em análise para Santos e outras unidades. Apesar do Grupo ter sido reconhecido logo no primeiro ano de adesão ao Programa Supply Chain, o objetivo principal e maior desafio é continuar desenvolvendo projetos e ações que fechem o ciclo, envolvendo toda a cadeia de valor, engajando também os fornecedores de forma colaborativa. Resaltamos que o principal ganho de participar desse processo foi o de ter recebido um feedback de uma organização internacional como o CDP e ter uma referência para se balizar na gestão de emissões de gases de efeito estufa, o que é bastante raro no Brasil, e principalmente no setor de logística portuária e aeroportuária. Além disto, entendemos que isto gera uma visibilidade externa no mercado. 11

11 Mod Line A Mod Line é uma empresa brasileira do segmento moveleiro, que preza pela excelência na fabricação e na comercialização de mobiliário corporativo, oferecendo soluções para os mais diversos espaços e perfis de empresa. Além de várias linhas de móveis, a Mod Line também produz pisos elevados, forros, divisórias e perfis. Como um dos principais insumos utilizados é a madeira uma das principais preocupações da empresa é garantir que toda madeira seja procedente de áreas reflorestadas certificadas. A empresa possui representantes em diversas partes do país e um parque industrial localizado em Contagem, Minas Gerais. A empresa investe também em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos e conta com profissionais treinados para oferecer o acompanhamento necessário, desde o processo de produção até a entrega do produto final. contínua, redução de resíduos, melhora no desempenho da produção e qualidade dos processos. Adicionalmente, a participação no Programa Supply Chain gerou um aprendizado coletivo e uma visão crítica coletiva sobre a necessidade de se mensurar, com indicadores específicos, todas as emissões e impactos gerados no seu processo e no de seus parceiros. Internamente, grande parte dos colaboradores participam do processo de coleta e integração de informações sobre os indicadores. Diretamente, há envolvimento da diretoria e dos setores de meio ambiente e qualidade que planejam e executam o programa de redução de emissões. Encarregados e líderes dos setores que geram as emissões também auxiliam na coleta dos dados, garantindo maior precisão das informações. Desde 2012 a Mod Line é indicada pelo Bradesco para fazer parte do Programa Supply Chain do CDP e foi categorizada na categoria Pequenas e Médias (SME Small and Medium Companies). Anteriormente à indicação, a Mod Line já atuava na redução de emissões de dióxido de carbono através de programas de melhoria Dentre os resultados já alcançados pela Mod Line, destacam-se: ARedução de 21% do consumo de gás GLP em estufas de pintura, B C Redução de resíduos enviados a aterros possibilitados pela segregação correta dos mesmos, encaminhamento para reciclagem e reaproveitamento interno e externo (cerca de 150 a 200 kg por mês); Redução de mais de 30% das emissões provenientes do transporte dos funcionários (cerca de 8 toneladas métricas de CO2); DRedução de 100 toneladas métricas de CO2 devido ao estudo e programação adequada da logística de entrega de matéria-prima e produtos. 12

12 Em suma, a emissão da empresa no que tange a escopo 1 e 2 é quase nula devido aos programas de economia e produção mais limpa inseridos na gestão. A maior emissão atualmente, apesar de não ser tão alta, é relacionada ao escopo 3, geradas devido ao transporte de matérias-primas, dos produtos e dos funcionários. Na visão da empresa, apesar de não existir uma pressão para reduções drásticas e bruscas, o objetivo é manter os resultados positivos alcançados e trabalhar ainda mais para uma logística mais eficiente, reduzindo o número de viagens e consequentemente as emissões. A Mod Line é um exemplo claro de empresa que também sofre diretamente com as mudanças climáticas. A irregularidade e mudança do sistema hidrológico no Brasil podem vir a ser um grande problema para os plantios de pinus e eucalipto, usados na fabricação de móveis e painéis. Tais mudanças podem encarecer e até mesmo inviabilizar toda a produção da empresa. O Programa Supply Chain deveria ser uma obrigação de todos os empreendimentos, só assim a sociedade conseguiria avaliar com precisão e decidir por escolher produtos e serviços de empresas que prezam pela melhoria continua e que buscam garantir às futuras gerações um meio ambiente equilibrado. O resultado final da avaliação da Mod Line no Programa demonstra que independente do porte da companhia é possível integrar as mudanças climáticas à estratégia de negócio. A empresa que é brasileira, caracterizada como pequena e média (SME) obteve, pela primeira vez no Brasil, score A- no que tange a integração das mudanças climáticas a estratégia de negócio e a redução sginificativa de emissões. Isto é um exemplo concreto de que independente do setor de atuação, do tamanho e da origem, qualquer empresa pode se tornar protagonista na busca por melhorias em seus processos e operações e também em sua cadeia de valor, visando reduzir emissões e impactos no meio ambiente e sociedade. 13

13 WEG S.A. A WEG S.A. é uma das maiores produtoras mundiais de soluções em eletro-eletrônicos com foco em: equipamentos industriais, equipamentos para geração, transmissão e distribuição de energia; motores elétricos para uso doméstico, resinas em geral e materiais tintoriais. Seus produtos e soluções são comercializados em mais de 100 países e plantas industriais em sete diferentes países. A WEG se compromete com os princípios da sustentabilidade em suas três dimensões: social, ambiental e econômica por meio de investimentos em projetos e ações. Isto tem gerado reconhecimento do mercado, com destaque em vários rankings relacionados a sustentabilidade (Empresas Sustentáveis da Revista Exame), gestão de pessoas ( Melhores Empresas para se Trabalhar - Ranking Exame/Voceˆ S/A). Além disso, a WEG também faz parte do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da BM&FBovespa. O ISE identifica as empresas listadas que se destacam pelo seu compromisso com o desenvolvimento sustentável e alinhamento estratégico com a sustentabilidade. Racionalizar o uso de energia tem sido uma busca incessante da indústria em geral. O Brasil tem um custo elevado de energia, prejudicando a competitividade nacional. A nível mundial também existe a preocupação com a redução de custos relacionados a energia e com o nível de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE). A WEG passou a reportar ao CDP no Programa Supply Chain em Os envolvidos diretamente no Programa Supply Chain são a área de Qualidade e Meio Ambiente que é responsável pela elaboração do inventário de emissões anuais da empresa, elaboração das respostas e coordenação dos programas de eficiência energética. O departamento de Engenharia Industrial e Manutenção é responsável por desenvolver linhas de produção mais eficiente, ou seja, que utilizem uma quantidade menor de energia elétrica durante o processo. Além disso, através da modulação do funcionamento de alguns equipamentos, a fim de torná-los mais eficientes, a área de Engenharia de Produto tem como função desenvolver novos produtos com novas tecnologias que garantam aos clientes um menor consumo de energia elétrica. Após a adesão ao Programa Supply Chain, a WEG despertou a intenção para aprimoramento da metodologia de reporte das emissões, atualmente divulgadas por receita operacional líquida (ROL). Futuramente, pretendese desenvolver um novo indicador de emissões que já está sendo estudado. Internamente, outros programas foram desenvolvidos para redução de emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE), tais como programas de eficiência energética para redução do consumo de energia elétrica nos processos de fabricação dos produtos, implantação da ISO em uma das fábricas e o desenvolvimento linhas de produtos mais eficientes, beneficiando também os clientes. Dentre os exemplos, pode se citar o aprimoramento das linhas de motores elétricos que atendem aos maiores graus de eficiência existentes no mercado, o desenvolvimento de inversores de frequência que possibilitam o controle e proteção destes. Estes sistemas basicamente reduzem o consumo de energia por adequarem a potência utilizada dos motores elétricos à potência requerida no processo, evitando as perdas de energia. Em um outro segmento de atuação, de materiais tinturiais, a WEG também passou a desenvolver, por exemplo, tintas antiincrustantes que são utilizadas em cascos de embarcações marítimas e fluviais. Esta tinta impede a proliferação de material marinho, não comprometendo o rendimento do motor destas embarcações e, por consequência, o consumo de combustível. Dentro do Programa Supply Chain a WEG atua muito forte em oportunidades colaborativas de redução de emissões, sugerindo que as empresas que requisitam informações à ela possam se beneficiar de seu programa de eficiência energética e de seus produtos e serviços, tendo como base os próprios resultados alcançados por eles em suas unidades. O core business da WEG é relacionado a energia elétrica. Do ponto de vista ambiental, a WEG busca alinhar as preocupações globais em relação ao uso de energia por meio do desenvolvimento de produtos caracterizados como tecnologia limpa, que sejam mais eficientes na utilização de energia (uso racional de energia). Esta expertise tanto na área de energias renováveis desenvolvida pela WEG ao longo dos últimos anos, ao lado do crescente interesse pela utilização eficiente da energia elétrica, têm sido o foco da empresa e de suas estratégias. 14

14 A empresa tem planejamento e metas de curto, médio e longo prazo em relação ao Programa Supply Chain. A curto prazo foi estabelecido que em 2015 todas unidades da WEG (Brasil e exterior) deverão estabelecer metas de redução do consumo de energia elétrica. A médio e longo prazo os objetivos são: A B Engajar os fornecedores no envio de informações relativas as emissões de escopo 3 a fim de aprimorar este desempenho no Programa Supply Chain. Além disso, ainda sobre os fornecedores, a WEG tem como objetivo inseri-los no seu Programa de Eficiência Energética que vai além do envio de informações, focando na busca de soluções conjuntas; Aprimorar a metodologia de coleta de informações devido à grande variedade de produtos desenvolvidos, e; Aprimorar a acuracidade dos dados coletados para elaboração do inventário de emissões por meio do desenvolvimento de processos. Por todo este engajamento e pelos resultados alcançados no Programa Supply Chain em 2014, a WEG S.A. também foi reconhecida pelo CDP como um dos casos de sucesso do ano. 15

15 Mantendo o rumo No atual paradigma de Desenvolvimento Sustentável e Economia Verde, a Sustentabilidade Corporativa, enquanto modelo de atuação das empresas, tem sido considerado um dos grandes temas nas agendas estratégicas de diversas organizações. Sustentabilidade Corporativa não é um estado, um resultado, que quando alcançado jamais será perdido. Sustentabilidade é uma estrada sem fim, que se altera ao longo do tempo, e que em todas as suas as dimensões, incluindo as mudanças climáticas e emissão de gases do efeito estufa, possui curvas e subidas ingrimes. Cortar caminho não é uma escolha inteligente, pois cedo ou tarde, a conta chega, por meio de pressão dos diversos stakeholders diretos ou indiretos, que influenciam a perenidade das organizações. O desafio atual no mundo corporativo é alinhar os projetos e as ações internas e externas em sustentabilidade com os objetivos estratégicos da empresa. Adicionalmente, é necessário controlar os resultados alcançados a cada ciclo, a fim de se realizar as ações corretivas necessárias. Neste sentido, o Programa Supply Chain do CDP têm contribuído significativamente no desenvolvimento de uma metodologia que auxilia empresas-membros e seus fornecedores no planejamento e controle de suas emissões e impactos. Os três casos de sucesso apresentados neste material demonstram que é possível desenvolver estratégias no âmbito corporativo e na cadeia de valor, que sejam capazes de trazer o conceito de sustentabilidade corporativa para uma esfera pragmática, capaz de gerar aprendizado coletivo e desempenho superior. Grupo Libra - book2/assets/basic-html/page4.html Mod Line - Soluupolibra.com.br/inc/flipbook/pt/flipbook/relat WEG S.A. - CDP - Insper - 16

16 Equipe responsável pela produção do relatório: CDP Latin America Juliana Campos Lopes Diretora América Latina Diana Sanchez Gerente Administrativa Nina Braun Gerente de Relacionamento Gestão Origami Bruno Vio Vicente Manzione Filho Contatos Tel.: INSPER Priscila Borin de Oliveira Claro Professora associada Contatos Tel.: Lauro Marins Gerente do Programa Supply Chain Andreia Banhe Gerente do Programa Cities Contatos Rua Fiação da Saúde, sala 21, Saúde São Paulo/SP Brasil CEP: Tel.: Fax: Membros do Programa CDP Supply Chain 2014 Parceiros Estratégicos 17

Gestão da mudança climática na cadeia de valor: desafios e conquintas

Gestão da mudança climática na cadeia de valor: desafios e conquintas Gestão da mudança climática na cadeia de valor: desafios e conquintas Sumário Executivo do CDP Supply Chain Brasil 2014 Fevereiro 2015 2 Índice Introdução...3 Principais resultados de 2014...4 Gestão de

Leia mais

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES Profa. Dra. Priscila Borin de Oliveira Claro priscila.claro@insper.edu.br 05/02/2015 Apoio: Agenda Apresentação Parceria CDP e Insper

Leia mais

www.cdp.net @CDP #CDPSUPPLYCHAINBR

www.cdp.net @CDP #CDPSUPPLYCHAINBR #CDPSUPPLYCHAINBR Agenda: 09h 09h20: Credenciamento 09h20 09h30: Boas Vindas Lauro Marins Gerente Programa CDP Supply Chain América Latina Dexter Galvin - Head CDP Supply Chain Juliana Lopes - Diretora

Leia mais

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014

Agenda. O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 www.cdp.net @CDP Agenda O que é o CDP O que é o CDP Supply Chain CDP Supply Chain 2014 O que é Organização internacional que trabalha com as principais forças do mercado para motivar as empresas e cidades

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

CDP Supply Chain. Gestão de emissões, riscos e oportunidades ao longo da cadeia de valor. Novembro 2014. Evento Frotas & Fretes Verdes 2014

CDP Supply Chain. Gestão de emissões, riscos e oportunidades ao longo da cadeia de valor. Novembro 2014. Evento Frotas & Fretes Verdes 2014 CDP Supply Chain Gestão de emissões, riscos e oportunidades ao longo da cadeia de valor Novembro 2014 Evento Frotas & Fretes Verdes 2014 Page 1 CDP, maior sistema de divulgação ambiental do mundo Mais

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza

Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais. André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Sustentabilidade Planetária: Mudanças Climáticas Globais André Rocha Ferretti Fundação O Boticário de Proteção à Natureza Via Láctea Estamos aqui Sistema Solar Terra Estamos aqui Planeta Terra Estamos

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

09:00h Abertura: Alex Costa Cavalcante Gerente Executivo de Compras Bradesco. 09:10h Vídeo Institucional do Bradesco

09:00h Abertura: Alex Costa Cavalcante Gerente Executivo de Compras Bradesco. 09:10h Vídeo Institucional do Bradesco Agenda 09:00h Abertura: Alex Costa Cavalcante Gerente Executivo de Compras Bradesco 09:10h Vídeo Institucional do Bradesco 09:20h CDP Mudanças Climáticas e CDP SupplyChain: Marcelo Rocha -Diretor do CDP

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros

A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira. Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros A Sustentabilidade no Processo de Decisão Financeira Indicadores e práticas nos setores de Crédito, Investimentos e Seguros 15 de Agosto 2013 Agenda Conceitos e Evolução Atuação do Setor Financeiro O Mercado

Leia mais

Mudanças Climáticas na Vale

Mudanças Climáticas na Vale 30/09/2011 Mudanças Climáticas na Vale Gerência de Nova Economia e Mudanças Climáticas Departamento de Desenvolvimento Sustentável Política de Sustentabilidade Operador Sustentável Legado Econômico, Social

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

ANDREIA BANHE CDP SUPPLY CHAIN

ANDREIA BANHE CDP SUPPLY CHAIN ANDREIA BANHE CDP SUPPLY CHAIN Workshop com os fornecedores do Banco Bradesco: CDP Supply Chain 2013 19 de Junho de 2013 respond@cdp.net Agenda O que é o CDP? Sobre o programa CDP Supply Chain; Como responder

Leia mais

Roberto Strumpf 01.06.2011. Mensuração e Gestão de GEE

Roberto Strumpf 01.06.2011. Mensuração e Gestão de GEE Roberto Strumpf 01.06.2011 Mensuração e Gestão de GEE Conteúdo A economia de baixo carbono Mensuração de emissões Programa Brasileiro GHG Protocol Gestão de emissões Plataforma Empresas Pelo Clima Economia

Leia mais

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Sumário Objetivo... 2 Parte 1 - Entendendo o Inventário de Gases

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

e Gestão de Riscos Alicerces firmes para o crescimento sustentável Compromissos internacionais assumidos Sustentabilidade Ambiental

e Gestão de Riscos Alicerces firmes para o crescimento sustentável Compromissos internacionais assumidos Sustentabilidade Ambiental 8 Sustentabilidade resultado 31 e Gestão de Riscos A Companhia reconhece que suas atividades influenciam as comunidades nas quais opera e se compromete a atuar de forma proativa para monitorar e mitigar

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

6 Análise dos resultados

6 Análise dos resultados 6 Análise dos resultados A seguir, apresenta-se a análise dos resultados obtidos por meio da coleta de dados no campo, a partir de cada uma das questões intermediárias indicadas no Capítulo 1. A análise

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR, PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA (MAIO/2015) Dimensão Mudanças Climáticas

VERSÃO PRELIMINAR, PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA (MAIO/2015) Dimensão Mudanças Climáticas VERSÃO PRELIMINAR, PARA AUDIÊNCIA PÚBLICA (MAIO/2015) Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO...

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015

ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 ANEXO 2 Estrutura Modalidade 1 ELIS PMEs PRÊMIO ECO - 2015 Critérios Descrições Pesos 1. Perfil da Organização Breve apresentação da empresa, seus principais produtos e atividades, sua estrutura operacional

Leia mais

SUSTENTABILIDADE: estratégia de geração de valor para a MMX. Agosto 2013

SUSTENTABILIDADE: estratégia de geração de valor para a MMX. Agosto 2013 SUSTENTABILIDADE: estratégia de geração de valor para a MMX Agosto 2013 ESTRATÉGIA EM SUSTENTABILIDADE Visão Uma estratégia de sustentabilidade eficiente deve estar alinhada com o core business da empresa

Leia mais

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Nelson Pereira dos Reis Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Fiesp Vice presidente Departamento de

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

estufa para setores agropecuários

estufa para setores agropecuários Simpósio de Mercado de Carbono pós COP15 e Código Florestal para o Sistema Cooperativista Inventário de gases de efeito fi estufa para setores agropecuários Inventário de gases de efeito estufa para setores

Leia mais

GESTÃO CARBONO 2014 (BASE 2013)

GESTÃO CARBONO 2014 (BASE 2013) GESTÃO CARBONO 2014 (BASE ) O CENÁRIO DO CARBONO E A EVEN O Cenário do Carbono A principal ameaça ao meio-ambiente são as mudanças climáticas decorrentes do aumento das emissões de Gases de Efeito Estufa,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Estratégias Empresariais de Adaptação

Estratégias Empresariais de Adaptação Estratégias Empresariais de Adaptação Seminário: Cenários Corporativos de Riscos Climáticos no Brasil e a Inovação Regulatória da Administração Barack Obama 29 de setembro, 2015 MISSÃO Expandir continuamente

Leia mais

Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq

Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO QUÍMICA PILARES FUTURO FUTURO DA DISTRIBUIÇÃO AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O Prêmio ECO foi instituído pela Amcham em 1982. Foi pioneiro no reconhecimento de empresas que adotam práticas socialmente responsáveis e gerou uma

O Prêmio ECO foi instituído pela Amcham em 1982. Foi pioneiro no reconhecimento de empresas que adotam práticas socialmente responsáveis e gerou uma O Prêmio ECO foi instituído pela Amcham em 1982. Foi pioneiro no reconhecimento de empresas que adotam práticas socialmente responsáveis e gerou uma rica reflexão sobre o desenvolvimento empresarial sustentável

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 JBS Nome fantasia: JBS S/A - CNPJ: 02.916.265/0001-60 Tipo da empresa: Holding Setor econômico: C. Indústrias de

Leia mais

Pegada de Carbono. Carbon Footprint. Abril 2013

Pegada de Carbono. Carbon Footprint. Abril 2013 Pegada de Carbono Carbon Footprint Abril 2013 O que é pegada de carbono Carbon Footprint É o total de emissões de CO2 e de quaisquer outros gases (GEE), expressas em termos de carbono equivalentes de dióxido

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO A Ultrapar realizou em 2011 um programa de comunicação e disseminação do tema sustentabilidade entre seus colaboradores, com uma série de iniciativas voltadas para o engajamento e treinamento das pessoas.

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

Gestão da mudança climática e recursos hídricos na cadeia de valor: cadeias e negócios sustentáveis e resilientes

Gestão da mudança climática e recursos hídricos na cadeia de valor: cadeias e negócios sustentáveis e resilientes Gestão da mudança climática e recursos hídricos na cadeia de valor: cadeias e negócios sustentáveis e resilientes Sumário Executivo do CDP Supply Chain América Latina 205 Fevereiro 206 2 Índice Introdução...4

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria

Confederação Nacional da Indústria Confederação Nacional da Indústria Brasília, novembro de 2010 mudança do clima COP 16: A Contribuição da Indústria Brasileira As Principais Mensagens Os esforços da indústria brasileira são uma importante

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem. Jorge Soto 11/08/2015

Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem. Jorge Soto 11/08/2015 Mudanças Climáticas Ameaças e Oportunidade para a Braskem Jorge Soto 11/08/2015 1 Braskem INTEGRAÇÃO COMPETITIVA EXTRAÇÃO Matérias Primas 1 ª GERAÇÃO Petroquímicos Básicos 2 ª GERAÇÃO Resinas Termoplásticas

Leia mais

CDP Supply Chain 2012 - Pedido de Informações

CDP Supply Chain 2012 - Pedido de Informações CDP Supply Chain 2012 - Pedido de Informações O conjunto de perguntas a seguir compõe o Pedido de Informação do CDP Supply Chain 2012. Solicita-se as companhias que respostas às perguntas através do Online

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015

PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 PLANO ESTRATÉGICO 2015 2018 REVISÃO 4.0 DE 09/09/2015 Líderes : Autores do Futuro Ser líder de um movimento de transformação organizacional é um projeto pessoal. Cada um de nós pode escolher ser... Espectador,

Leia mais

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS

GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS GRUPO SEGURADOR BANCO DO BRASIL E MAPFRE PRINCÍPIOS PARA SUSTENTABILIDADE EM SEGUROS 2015 E m um período de profundas mudanças socioambientais, torna-se ainda mais estratégico incluir a sustentabilidade

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

The Carbon Disclosure Project

The Carbon Disclosure Project The Carbon Disclosure Project Agosto 2012 Ciclo do Carbono O ciclo do carbono é uma sucessão de transformações que sofre ao longo do tempo. Umas das principais fontes de carbono: CO2 atmosférico CO2 atm

Leia mais

Seminário Ambientronic

Seminário Ambientronic Seminário Ambientronic 27/04/2011 11.06.2010 Perfil da Empresa PERFIL Empresa de Tecnologia 100% nacional, controlada pelo Grupo Itaúsa Mais de 30 anos de presença no mercado brasileiro Possui 5.891 funcionários

Leia mais

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*)

A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A SILENCIOSA MUDANÇA DO MODELO DE NEGÓCIOS DO SETOR ELÉTRICO MUNDIAL (*) A evolução tecnológica proporcionada pelas Smart Grids já colocou em plena marcha, mundialmente e silenciosamente, uma grande mudança

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Ecoeficiência. Inventário de emissões. Assumimos o compromisso de monitorar as emissões de GEE anualmente

Ecoeficiência. Inventário de emissões. Assumimos o compromisso de monitorar as emissões de GEE anualmente Relatório Anual de Sustentabilidade 2011 69 Ecoeficiência A Redecard aprimorou seu nível de controle de consumo de água, energia elétrica, combustível e da geração de lixo para adotar práticas responsáveis

Leia mais

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013

Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS. Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 Prêmio Nacional de Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS 2013 RELATÓRIO DE DESCRIÇÃO DE PRÁTICA DE GESTÃO: FROTA AZUL Setembro/2013 1 Estrutura Organizacional da OC 2 A Organização

Leia mais

Go To Market Estratégias de Otimização de Resultados Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Go To Market Estratégias de Otimização de Resultados Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

PRESS RELEASE. Empresas portuguesas reduzem emissões de carbono, embora não possuam estratégias de redução de emissões a longo prazo

PRESS RELEASE. Empresas portuguesas reduzem emissões de carbono, embora não possuam estratégias de redução de emissões a longo prazo PRESS RELEASE Iberia 125 Climate Change Report Empresas portuguesas reduzem emissões de carbono, embora não possuam estratégias de redução de emissões a longo prazo O relatório Iberia 125 Climate Change

Leia mais

A beleza é resultado do trabalho de todos. Responsabilidade Compartilhada

A beleza é resultado do trabalho de todos. Responsabilidade Compartilhada Responsabilidade Compartilhada A beleza é resultado do trabalho de todos A preocupação e o fortalecimento do relacionamento com nossos públicos estão presentes em toda a história do Grupo Boticário. Desde

Leia mais

Evento de Lançamento do Processo ISE 2015

Evento de Lançamento do Processo ISE 2015 Evento de Lançamento do Processo ISE 2015 25 de fevereiro de 2015 Carteira ISE 2015 R$ 1.224.784.660.586,93-49,87% do valor total de mercado (base 24/11/2014) Carteira ISE 2015 R$ 1.224.784.660.586,93-49,87%

Leia mais

NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento

NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento Inteligência e Colaboração na Cadeia de Suprimentos e Demanda NeoGrid & Ciclo Desenvolvimento Paulo Viola paulo.viola@neogrid.com Introdução Tema: Inteligência e Colaboração na Cadeia de Suprimentos e

Leia mais

Conheça a MRV Engenharia

Conheça a MRV Engenharia Conheça a MRV Engenharia MRV em Números Ficha técnica MRV Engenharia Número de empregados nas obras (média 2014)...23.704 Vendas Contratadas (R$ milhões) (2014)...R$ 6.005 Receita liquida (R$ milhões)

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances

Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances Mobilidade urbana Eficiência energética Edifícios e suas appliances O futuro do uso do Gás Natural no novo desenho urbano das cidades Gás na cidade 1872-1999 1872 1890 1900 1900 Missão Possível O desafio

Leia mais

Código de Fornecimento Responsável

Código de Fornecimento Responsável Código de Fornecimento Responsável Breve descrição A ArcelorMittal requer de seus fornecedores o cumprimento de padrões mínimos relacionados a saúde e segurança, direitos humanos, ética e meio ambiente.

Leia mais

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015

O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil. Mario Lima Maio 2015 O Mercado de Energias Renováveis e o Aumento da Geração de Energia Eólica no Brasil Mario Lima Maio 2015 1 A Matriz Energética no Brasil A base da matriz energética brasileira foi formada por recursos

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Webinar O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Juliana Scalon 4 de Setembro de 2013 Aprimore o desempenho dos fornecedores Para se sobressair no mercado atual

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Performance com Propósito. A promessa da PepsiCo

Performance com Propósito. A promessa da PepsiCo Performance com Propósito A promessa da PepsiCo Performance com Propósito A promessa da PepsiCo Na PepsiCo, Performance com Propósito significa gerar crescimento sustentável através do investimento em

Leia mais

Produtos para um mundo mais belo. Matérias-Primas e Embalagens

Produtos para um mundo mais belo. Matérias-Primas e Embalagens Matérias-Primas e Embalagens Produtos para um mundo mais belo Relatório de Sustentabilidade Grupo Boticário 2012 Fragrâncias, cremes, sabonetes e maquiagens certamente são os ícones que primeiro vêm à

Leia mais

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia

Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia Ficha de Inscrição do 17º Prêmio Expressão de Ecologia OBS: Apresentação obrigatória na primeira página do case Informações cadastrais a) Identificação: empresa b) Nome: Borachas Vipal S/A c) Setor/Atividades:

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 1. Dados do inventário Banco Santander S.A. (Brasil) Tipo de preenchimento: 1.1 Responsável pela elaboração do inventário

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA ecodesktop posso fornecer economias de custos e reduções no consumo de energia e na pegada de carbono de PCs e desktops de maneira precisa? agility made possible Você pode. Com o CA

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais

Plano de Sustentabilidade da Unilever

Plano de Sustentabilidade da Unilever Unilever Plano de Sustentabilidade da Unilever Eixo temático Governança Principal objetivo da prática Para a Unilever, o crescimento sustentável e lucrativo requer os mais altos padrões de comportamento

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis

Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis Minando nosso futuro Um estudo dos investimentos dos bancos em um grupo de companhias ativas em combustíveis fósseis e energias renováveis Um estudo de caso da Fair Finance Guide International 5 de novembro

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 Outubro/2014 VERSÃO 01 AUTOR Guilherme Pacheco Schuchter Belo Horizonte, MG Brasil guilherme@waycarbon.com COLABORADORES Jussara Utsch Belo Horizonte, MG Brasil jussara.utsch@scdcbrasil.com.br

Leia mais

Estudo de Caso da Iniciativa Metano Global: o Estado do Kentucky

Estudo de Caso da Iniciativa Metano Global: o Estado do Kentucky Estudo de Caso da Iniciativa Metano Global: o Estado do Kentucky JOHN A. ROGNESS III PH.D. DIRETOR, DIVISÃO DE ANÁLISE FINANCEIRA COMISSÃO DE SERVIÇO PÚBLICO DO ESTADO DO KENTUCKY 1 A Comissão de Serviço

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas na Guatemala. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas na Guatemala Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Na Guatemala, existem várias definições fornecidas por diferentes instituições

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Sobre a WayCarbon 7 anos no mercado sul-americano de consultoria em mudanças climáticas Portifólio de projetos

Leia mais