Mecanismos de transmissão da política monetária: a visão das diferentes escolas de pensamento *

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mecanismos de transmissão da política monetária: a visão das diferentes escolas de pensamento *"

Transcrição

1 Mecansmos de transmssão da polítca monetára: a vsão das dferentes escolas de pensamento * Marcos Wagner da Fonseca ** Marcelo Luz Curado *** Doutor em Desenvolvmento Econômco pelo Programa de Pós-Graduação em Desenvolvmento Econômco (PPGDE) da Unversdade Federal do Paraná (UFPR) e Professor do Departamento de Admnstração Geral e Aplcada da UFPR Doutor em Polítca Econômca pela Unversdade Estadual de Campnas (Uncamp) e Professor do Departamento de Economa da UFPR Resumo O objetvo deste trabalho é apresentar a dscussão sobre os mecansmos de transmssão da polítca monetára desenvolvdos pelas dversas escolas do pensamento econômco ao longo do tempo. A organzação dessa dscussão a partr das escolas do pensamento é nédta e permte o estabelecmento de comparações relevantes sobre o tema. Parte-se da vsão convenconal dos velhos-keynesanos por meo do modelo IS-LM para economas fechadas e abertas. A crítca nca-se com a contrbução da escola monetarsta e passa pela vsão das escolas novo-clássca e novo-keynesana, fnalzando com a contrbução da escola pós-keynesana para o debate. Conclu-se que os efetos da polítca monetára sobre o sstema se encontram muto além de seus mpactos sobre a taxa de juros. Impactos sobre a taxa de câmbo, o nível de rqueza, expectatvas, condções de crédto e o grau de lqudez dos atvos que compõem o sstema podem ser esperados em decorrênca de alterações na polítca monetára. * Artgo recebdo em nov e aprovado para publcação em jun Revsora de Língua Portuguesa: Valesca Casa Nova Nonng. ** E-mal: *** E-mal: Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

2 424 Marcos Wagner da Fonseca; Marcelo Luz Curado Palavras-chave Mecansmos de transmssão monetára; polítca monetára; escolas de pensamento econômco. Abstract The purpose of ths paper s to present a dscusson on the monetary polcy transmsson mechansms developed by the varous schools of economc thought over tme. The organzaton of ths dscusson from the schools of thought s unprecedented and allows the establshment of relevant comparsons on the subject. We start wth the conventonal vew of the old- -Keynesans through the IS-LM model for closed and open economes. The crtque starts wth the contrbuton of the monetarst school and passes through the vson of the new-classcal and new-keynesan schools, endng wth the contrbuton of the post-keynesan school to the dscusson. It s concluded that the monetary polcy effects on the system are far beyond ts mpacts on nterest rates. Impacts on the exchange rate, level of wealth, expectatons, credt terms and lqudty degree of assets that are part of the system can be expected due to changes n monetary polcy. Key words Monetary transmsson mechansm; Monetary polcy; Schools of thought economc. Classfcação JEL: E44, E51, E52, E58. 1 Introdução O objetvo central deste trabalho é apresentar a dscussão sobre os mecansmos de transmssão da polítca monetára desenvolvdos pelas dversas escolas do pensamento econômco ao longo do tempo. A organzação dessa dscussão a partr das escolas do pensamento é nédta e permte o estabelecmento de comparações relevantes sobre o tema. Em partcular, merecem destaque: (a) a crítca monetarsta à vsão estabelecda no modelo IS-LM padrão; (b) a dscussão novo-clássca sobre o canal das expectatvas, tão relevante para os países que adotam o regme Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

3 Mecansmos de transmssão da polítca monetára: a vsão das dferentes escolas de pensamento 425 de metas de nflação; (c) a potencalzação dos efetos da polítca monetára proposta pela lteratura novo-keynesana através da adção do chamado canal do crédto; e (d) a dscussão pós-keynesana sobre a permanênca dos efetos da polítca monetára ao longo do tempo. Em tempos em que a polítca monetára tem-se lmtado quase exclusvamente ao controle dos preços, como no caso braslero e seu sstema de metas de nflação, o presente artgo acaba, em últma análse, chamando atenção para a complexdade dos efetos de alterações na polítca monetára sobre a economa. A análse a partr das escolas de pensamento permte entender a evolução do tema e torna explícta a sua complexdade. Dos mecansmos báscos de taxa de juros e câmbo, a lteratura passou a ncorporar os efetos sobre a rqueza dos agentes, a formação de expectatvas, o comportamento do crédto e a composção da lqudez dos atvos do sstema. O artgo encontra-se organzado da segunte forma. Após esta breve Introdução, a seção 2 promove a dscussão sobre os mecansmos de transmssão de acordo com a vsão convenconal desenvolvda no modelo IS-LM. As seções 3 e 4 são dedcadas, respectvamente, às contrbuções do monetarsmo e dos novos clásscos. A seção 5 é dedcada à análse das recentes contrbuções da escola novo-keynesana. A seção 6 estuda a contrbução pós-keynesana ao tema. Fnalmente, na seção 7, é apresentada uma síntese dos mecansmos dscutdos pela lteratura. 2 Mecansmo de transmssão da polítca monetára no modelo IS-LM padrão O modelo IS-LM está presente nos manuas de macroeconoma, como em Romer (2006), e apresenta o funconamento do mecansmo de transmssão da polítca monetára para uma economa fechada e com preços fxos. A análse completa dos mecansmos de transmssão dá-se por meo do modelo de demanda e oferta agregadas. A curva de demanda agregada é dervada do modelo IS-LM, no qual se pressupõem os preços como fxos. Essa hpótese lmta o mecansmo de transmssão, pos, obvamente, não atngra a varável preços. Para sso, o modelo apresenta a curva de oferta agregada, que é representada por uma curva de Phllps. A nteração entre oferta e demanda agregadas completa o mecansmo de transmssão nessa abordagem. Impulsos na polítca monetára, no modelo, passam pelas varáves reas, que determnam a demanda agregada e atngem os preços e a nflação pela dnâmca permtda na curva de Phllps. A polítca monetára, nesse modelo, é de ntera responsabldade do banco central, que pode alterar a oferta de moeda. Supondo uma polítca Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

4 426 Marcos Wagner da Fonseca; Marcelo Luz Curado monetára contraconsta, na qual o banco central dmnu a quantdade de moeda em crculação na economa, o que causa um deslocamento da curva, por conta da elevação da taxa de juros de equlíbro no mercado monetáro, a elevação da taxa de juros provoca uma queda no nível do nvestmento, dmnundo a demanda agregada, a renda e o produto de equlíbro. A polítca monetára contraconsta, ao dmnur a demanda agregada e a produção, aumenta o hato do produto. Na oferta agregada, tomada como uma curva de Phllps, o aumento do hato do produto permte uma queda na varação do nível geral de preços. Dessa forma, apresenta-se o funconamento do mecansmo de transmssão da polítca monetára no modelo IS- -LM, defndo por Mshkn (1995) como canal da taxa de juros. O modelo Mundell-Flemng é consderado um avanço do modelo IS-LM para uma economa aberta. 1 A formalzação do modelo encontra-se mas adaptada em Romer (2006). Assm, o equlíbro de curto prazo do modelo ocorre quando o mercado de bens também está em equlíbro e não há expectatva de mudanças na taxa de câmbo. A taxa de juros de equlíbro do modelo é a do mercado fnancero nternaconal, pos é obtda pela pardade descoberta da taxa de juros. A taxa de juros doméstca, por sua vez, deve gualar-se à nternaconal. De acordo com Romer (2006), alterações na polítca monetára são verfcadas a partr da defnção do regme cambal adotado. Sob taxa de câmbo flexível, há um ajuste na taxa de câmbo, sempre que houver dscrepânca entre a taxa de juros doméstca e a nternaconal. Tome-se, por exemplo, o movmento de expansão monetára numa * LM para economa sob o regme de câmbo flexível: este desloca a curva a dreta, levando a uma taxa de juros doméstca menor que a nternaconal. Em consequênca, há uma saída de captas do país e uma alteração na taxa de câmbo. A saída de captas causa deprecação na taxa de câmbo até a gualdade entre as taxa de juros doméstca e nternaconal. Ocorre, assm, deprecação da taxa de câmbo, e o equlíbro fnal dá-se num ponto em que a taxa de juros é gual à ncal, mas o produto, ou a renda de equlíbro, é maor que o ncal. O aumento do produto é mpulsonado pelo superávt nas transações correntes. Dessa forma, a polítca monetára sera bastante efetva para alterar o produto, a renda e o emprego, sob a hpótese de flutuação do câmbo. Esse mecansmo de transmssão da polítca monetára fo defndo por Mshkn (1995) como canal da taxa de câmbo. 1 De acordo com Carln e Soskce (2006), são quatro os elementos que defnem o modelo: (a) uma curva IS de economa aberta, que nclu as mportações e as exportações e demonstra o equlíbro no mercado de bens; (b) uma curva LM, que apresenta a condção de equlíbro no mercado monetáro; (c) uma condção de pardade descoberta da taxa de juros, que estabelece a arbtragem entre os atvos em moeda doméstca e os em estrangera; e (d) uma condção de ntegração fnancera, que estabelece um fluxo de captas entre os países, na qual a taxa de juros doméstca se guala à taxa de juros do mercado fnancero nternaconal. Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

5 Mecansmos de transmssão da polítca monetára: a vsão das dferentes escolas de pensamento 427 Sob o regme de taxa de câmbo fxa, a polítca monetára tem pouco efeto sobre o produto e a renda da economa. A oferta de moeda torna-se endógena, já que o banco central tem que estar pronto para comprar ou vender moeda naconal à taxa predetermnada. No caso de uma expansão da oferta de moeda, há dmnução da taxa de juros doméstca e um descolamento da taxa nternaconal. Esse descolamento leva à saída de captas do país, em busca de uma remuneração maor para os atvos. Esse movmento provoca uma troca de moeda doméstca por dvsas, o que dmnu a quantdade de moeda em crculação. Esse processo só cessará quando houver gualdade entre a taxa de juros doméstca e a nternaconal. Sendo assm, a economa volta para o ponto de equlíbro ncal. Nesse sentdo, um aumento da oferta de moeda doméstca é anulado por uma entrada de dvsas, o que torna a polítca monetára nefcaz para alterar a renda, o produto e o emprego. Nesse regme cambal, a polítca fscal é que tera efeto sobre o produto e a renda de equlíbro. Outra questão de destaque é quanto à manpulação da taxa de câmbo com objetvo de alterar o produto e a renda. De fato, uma desvalorzação cambal once for all 2, por exemplo, pode mpulsonar o produto e a renda. Cabe destacar que o modelo é de curto prazo e que não há varação nos preços, apenas o produto é determnado pela demanda agregada. Anda, há um fluxo perfeto de captal entre os países, sendo que o únco nstrumento que nfluenca o fluxo é o dferencal de taxa de juros. Fnalmente, observa-se que o modelo é construído para uma pequena economa aberta. Isso sgnfca que as mudanças na taxa de juros doméstca não nfluencam a taxa de juros nternaconal. Em síntese, o modelo IS-LM e sua versão para a economa aberta apresentam os canas convenconas de transmssão dos efetos da polítca monetára para a economa, através de seus efetos sobre a taxa de juros e a taxa de câmbo. 3 Os mecansmos de transmssão da polítca monetára de acordo com a escola monetarsta De acordo com a tradção monetarsta, que tem em Mlton Fredman um de seus prncpas expoentes, a moeda é a prncpal varável do sstema econômco. Suas flutuações explcam as varações nos preços e nos 2 Sgnfca que é realzada uma vez apenas, pos a repetção modfcara o regme cambal para taxa de câmbo flexível. Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

6 428 Marcos Wagner da Fonseca; Marcelo Luz Curado produtos, no curto prazo. Fredman (1968) advoga que a polítca monetára deve segur uma regra clara, amplamente conhecda pelos agentes econômcos, e que a utlzação de polítcas monetáras expansonstas deve ser evtada, em função do potencal desestablzador de curto prazo partcularmente sobre o nível de preços da economa e também em função da nefcáca desse tpo de polítca, no longo prazo, sobre as varáves reas do sstema. Apesar de Fredman ser o fundador da escola monetarsta, coube a Karl Brunner e a Allan Meltzer sstematzarem a crítca monetarsta ao modelo IS-LM, prncpalmente quanto ao papel do mercado monetáro. Nessa perspectva, esta seção apresenta uma breve exposção das deas do monetarsmo sobre a transmssão da polítca monetára. De acordo com Meltzer (1995), na vsão monetarsta, o mecansmo de transmssão da polítca monetára demonstrado pelo modelo IS-LM é excessvamente restrtvo e mecânco. Isto porque um mpulso na polítca monetára, ao alterar o estoque real e o nomnal de moeda, provoca mudanças não apenas na taxa de juros de curto prazo ou no custo de tomada de empréstmos, mas também nos preços de uma varedade de atvos doméstcos e estrangeros. Para Brunner e Meltzer (1993), a análse do mecansmo de transmssão da polítca monetára presente no modelo IS-LM é ncompleta. Há um mportante papel desempenhado pelo mercado de crédto e pela sua nteração com o mercado monetáro que é gnorado no modelo. O modelo IS-LM restrnge os atvos não monetáros a apenas um, sendo que os títulos desempenham o papel de todos os demas atvos, que são, sumaramente, tomados como substtutos perfetos. Dessa forma, toda a dscussão dos problemas assocados com o mercado de crédto fca fora do maor e mas conhecdo paradgma macroeconômco. Em Meltzer (1995), o ponto de vsta dos monetarstas dentfcou, no modelo IS-LM, algumas omssões no processo de transmssão da polítca monetára. The IS-LM model omts mportant features of the transmsson process. Frst, the model neglects the adjustment of asset stocks as new nvestment n captal accumulates. Second, t leaves open whether the sngle rate of nterest s a short-term rate, consdered relevant for the demand for money, or a long- -term rate relevant for nvestment and captal accumulaton. Thrd, there s no role for fnancal ntermedares; money s ether the monetary base or drectly proportonal to the monetary base. Fourth, the model leaves open whether money substtutes for bonds only or for a full range of assets ncludng both bonds and real captal. On the latter nterpretaton, bonds and real captal are perfect substtutes n portfolos (or only dffer by a constant rsk premum). Ffth, many of changes n short-term nterest rate are transtory dsturbances that do not Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

7 Mecansmos de transmssão da polítca monetára: a vsão das dferentes escolas de pensamento 429 affect spendng decsons. IS-LM does not dstngush these transtory movements from permanent or persstent changes n nomnal real returns. (MELTZER, 1995, p. 52). Para comprovar os efetos da polítca monetára sobre o mercado de crédto e sobre o mercado de produtos e preços, demonstrando o funconamento do mecansmo de transmssão, Meltzer (1995) apresenta um modelo analítco por meo de análse gráfca. 3 Para capturar a nteração entre os preços relatvos, o modelo toma os seguntes atvos: (a) moeda ou base monetára, sendo um atvo defndo nomnalmente que promove o servço de ntermedáro nas transações; (b) títulos, que são atvos nomnas que têm um retorno também nomnal, por meo da taxa de juros ; e (c) estoque de captal real, que tem retorno real, sendo P o preço do captal. O estoque de captal real é formado por números atvos, sendo P composto pelos preços dos bens de consumo duráves, bens de captal, habtação, dentre outros. Os agentes escolhem a composção de seu portfólo entre esses três atvos, para otmzarem seus ganhos, e todos os atvos são substtutos mperfetos entre s. Uma vez defndos os três atvos que compõem a rqueza, o modelo passa a determnar dos preços relatvos, que são resultado do equlíbro de portfólo da economa, o chamado equlíbro no mercado de atvos. No Gráfco 1, o equlíbro no mercado de atvos é demonstrado pela determnação de uma taxa de juros e de um preço de atvos P na ntersecção das curvas MM e CM. A curva MM apresenta a relação de equlíbro no mercado monetáro ou de base monetára. A curva CM demonstra os pontos de equlíbro no mercado de títulos (bonds ou securtes). O estoque de atvos, o nível do produto, os preços dos bens atuas e os preços futuros são tomados como varáves predetermnadas. Com sso, as alterações dessas varáves promoverão deslocamentos nas curvas MM e CM. A posção de equlíbro, no Gráfco 1, na ntersecção de MM e CM, apresenta um valor de e um de P condconas à exstênca de um determnado estoque de atvos e de sua respectva demanda. A nclnação de MM é postva, o que ndca que aumentos na taxa de juros promovem uma recomposção da rqueza, dmnundo a retenção de moeda e elevando a busca por títulos. Um aumento nos preços dos atvos em captal real restabelece o equlíbro, pos dmnu a busca pelo captal real exstente e majora a procura por moeda e títulos. A curva CM tem nclnação negatva, pos um aumento na taxa de juros ampla a busca de títulos para 3 Em Meltzer (1995, p. 53), na nota de rodapé 9, lê-se o segunte: As there s no representatve monetarst model, my dscusson follows Brunner e Meltzer (1963, 1968, 1976). Versões recentes dos textos de Brunner e Meltzer (1963, 1968, 1976) estão contdos em Brunner e Meltzer (1993), que está nas Referêncas deste trabalho. Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

8 430 Marcos Wagner da Fonseca; Marcelo Luz Curado compor a rqueza, em detrmento dos atvos em captal real, que teram o preço dmnuído, para manter o equlíbro ao longo da curva. Gráfco 1 Equlíbro no mercado de atvos MM MM 1 MM 2 1 CM CM 1 P 1 P 2 P FONTE: MELTZER, A H. Monetary, credt (and other) transmsson processes: a monetarst perspectve. The Journal of Economc Perspectves, Pttsburgh, v. 9, n. 4, p , Fall, Esse modelo permte entender o mpacto de uma mudança na polítca monetára sobre a economa. Um mpulso na polítca monetára, tomado como uma operação de compra de títulos pelo banco central no mercado aberto, prmeramente, é transmtdo para o mercado de atvos, alterando o seu equlíbro. No Gráfco 1, esse efeto é lustrado pelo deslocamento das curvas MM e CM. Incalmente, o equlíbro no mercado monetáro é alterado, pos essa operação aumenta a base monetára, que pode ser representada pelo deslocamento da curva MM para MM 1. Presume-se que a moeda adconal é utlzada para a compra de atvos de captal real e de títulos exstentes. Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

9 Mecansmos de transmssão da polítca monetára: a vsão das dferentes escolas de pensamento 431 Dado que o estoque desses atvos é predetermnado, essa compra causa queda na taxa de juros e aumento no nível de preços dos atvos reas. Analsando sob o ponto de vsta do mercado de crédto, uma compra de títulos no mercado aberto reduz a quantdade de títulos à dsposção do públco, provocando um desequlíbro. No Gráfco 1, essa alteração é vsta pelo deslocamento da curva CM para CM 1. Esse menor estoque de títulos nduz a uma menor taxa de juros, para equlbrar o portfólo de atvos, que reflete a composção da rqueza das pessoas. O novo equlíbro, após a operação de compra de títulos no mercado aberto, leva a um nível de taxa de juros 1 e a um nível de preços de atvos reas P 1. Os efetos sobre a taxa de juros ocorrem no mesmo sentdo, quando se trata dos deslocamentos da curva MM e CM. Contudo o efeto sobre P dependerá da resposta que cada mercado dará em relação à operação, pos os snas são opostos. Nesse exemplo, percebe-se que houve aumento no preço dos atvos em relação ao equlíbro anteror. Estudos empírcos sugerem que as operações de compra no mercado aberto aumentam o nível de preços, e as de venda dmnuem o nível de preços dos atvos reas. Segundo Meltzer (1995), o modelo de mercado de atvos permte entender algumas mplcações relevantes. A prmera ndca que uma modfcação no estoque de moeda e de títulos exerce efetos dferentes sobre a taxa de juros e o nível de preços dos atvos. Destaca-se, assm, a devda atenção para a relevânca do mpacto que o défct do setor públco e a dívda públca exercem sobre a economa, pos esses efetos dferentes são transmtdos para o mercado de produtos. A segunda mplcação é que o modelo permte analsar a condução da polítca monetára sob meta para a taxa de juros. No modelo IS-LM, um aumento de demanda por moeda permte expandr a oferta de moeda sem alterar o nível estabelecdo de taxa de juros e, com sso, não nfluencar o equlíbro da economa. Na análse monetarsta, segundo Meltzer (1995), essa mplcação é falsa, como pode ser percebdo no Gráfco 1. Um aumento da oferta de moeda, para sanconar um aumento na demanda de moeda, desloca a curva MM para MM 2. A manutenção da taxa de juros em 1, segundo uma meta preestabelecda, exge um novo equlíbro no nível de preços em P 2. Esse aumento no nível de preços dos atvos mpulsona o dspêndo e a produção adconal na economa, crando um efeto expansvo. Esse modelo monetarsta também apresenta uma nterpretação alternatva sobre a ocorrênca da armadlha da lqudez. Na nterpretação keynesana, abaxo de um determnado nível de taxa de juros, uma expansão de moeda sera toda absorvda pelos agentes e não modfcara a taxa de juros e as demas varáves econômcas. Na vsão monetarsta, a expansão monetára pode não dmnur a taxa de juros, mas aumenta o preço dos atvos. A mudança dos preços relatvos e seus efetos sobre o Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

10 432 Marcos Wagner da Fonseca; Marcelo Luz Curado dspêndo não são elmnados por uma armadlha da lqudez para taxa de juros. Fca mas destacado anda que, para os monetarstas, a taxa de juros não é o únco preço no mercado de atvos, mas um dos preços. O mpulso na polítca monetára muda os preços relatvos no mercado de atvos, e essa mudança provoca dos efetos no mercado de bens e servços ou de produtos. Os efetos dependem da dstnção que os agentes econômcos fazem entre mudanças transtóras e permanentes sobre a demanda e a oferta agregadas. Segundo o exemplo da operação de compra no mercado aberto, os ajustes verfcados no mercado de atvos levam à mudança do equlíbro no mercado de produtos. Um aumento dos preços dos atvos leva a uma queda relatva dos preços dos produtos novos, o que expande a compra dos mesmos, dnamzando a demanda agregada. Consderando que o produto margnal do captal não muda, uma queda nas taxas de juros reduz o custo dos produtos novos, prncpalmente dos bens de consumo duráves e dos bens de captal. O mecansmo de transmssão exposto pelos monetarstas avala a mportânca de se consderar o mercado de atvos e não somente um atvo, como no modelo IS-LM. Dessa forma, verfca-se que a composção da rqueza dos agentes terá um papel fundamental para a transmssão de alterações da polítca monetára para o lado real da economa. Esse canal de transmssão da polítca monetára fo, em função do exposto, batzado por Mshkn (1995) de canal da rqueza. 4 Mecansmos de transmssão da polítca monetára de acordo com a escola novo- -clássca A escola novo-clássca parte de hpóteses como: taxa natural de desemprego, expectatvas raconas e equlíbro contínuo dos mercados; que, tomadas em conjunto com alguns postulados que explcam o comportamento da oferta agregada, geram a proposção de nefcáca da polítca monetára, formalzada em Sargent e Wallace (1975). A construção do modelo parte de Lucas (1972), que formula a questão central: quando um produtor observa uma alteração no preço do bem que produz, não é capaz de determnar se a mesma revela alterações nos preços relatvos ou varações no nível geral de preços. No prmero caso, a quantdade ótma a produzr altera-se, mas, no segundo caso, não. A dea é que os agentes econômcos antecpam suas ações quando do anúnco de meddas de polítca monetára, fazendo com que haja alterações apenas nos preços, mantendo os níves das varáves reas Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

11 Mecansmos de transmssão da polítca monetára: a vsão das dferentes escolas de pensamento 433 mesmo no curto prazo. Isso torna a polítca monetára nócua, gnorando qualquer relação de trade-off entre nflação e desemprego. Nesse sentdo, a transmssão da polítca monetára toma um rumo sngular na vsão dos novos-clásscos: a adoção de meddas sstemátcas afeta somente os preços e não nterfere nas varáves reas. Essa vsão dferenca o modelo das proposções dos velhos-keynesanos e dos monetarstas, apresentadas anterormente. Para que haja nterferênca nas varáves reas, é necessáro que a polítca não possa ser prevsta pelos agentes. Para demonstrar o fundamento e o funconamento desse mecansmo são apresentados, na sequênca, os prncpas pontos do modelo sstematzado em Romer (2006). Assume-se que os ndvíduos produzem bens com seu própro trabalho, vendem os produtos em mercados compettvos e usam os rendmentos para comprar outros produtos. Podem ocorrer perturbações aleatóras nas preferêncas dos agentes, o que altera a procura relatva por cada um dos bens, provocando varações nos seus preços relatvos e na quantdade produzda. Há também a possbldade de perturbações na oferta de moeda (demanda agregada). Quando esses choques são esperados pelos agentes, alteram apenas o nível geral de preços, sem mpactos reas. Quando não são esperados, alteram o nível de preços e o produto agregado. Para entender a nefcáca da polítca monetára anuncada, o modelo obrga a passar pela defnção de neutraldade da moeda. Para sso, parte- -se da presença de nformação perfeta nos mercados. Uma vez que se admta a nformação perfeta 4, pode-se defnr a oferta agregada, partndo do comportamento dos produtores, consderando-se que há mutos e dferentes bens na economa. Admtndo que os mercados sejam compettvos e tomando-se P e P como dados, o ndvíduo maxmza a sua utldade escolhendo L, de forma a satsfazer a condção de prmera ordem expressa na equação (1). P L P γ 1 = 0 L = P P 1/ ( γ 1), γ > 1 (1) Onde γ é a desutldade margnal do trabalho. Representando-se por letras mnúsculas os logartmos das varáves em causa, obtém-se a equação (2): l 1 = γ 1 ( p p) (2) 4 É quando todos os agentes da economa têm lvre acesso à nformação, tas como: preços, tecnologa de produção e organzação dos mercados. Dessa forma, há um ajuste rápdo e perfeto nas varáves, dante de mudanças observadas em alguma varável específca. Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

12 434 Marcos Wagner da Fonseca; Marcelo Luz Curado A equação (2) é uma função de oferta de trabalho, sendo ndretamente uma função de produção, em que a oferta de trabalho do produtor ( l ) depende postvamente do preço relatvo do seu bem ( p ). A demanda pelo bem por produtor depende de três fatores: do rendmento real agregado ( Y ), do preço relatvo do bem ( P) perturbação aleatóra nas preferêncas ( Z ) P / e de uma. Por smplfcação, admte-se uma função de demanda logarítmca e lnear. A demanda pelo bem por produtor ( q ) passa a ser expressa pela equação (3). q = y + z η ( p p), > 0 η (3) Admte-se que z tem méda zero entre os bens, representando choques puramente relatvos na demanda. η, por sua vez, é a elastcdade da demanda pelo bem. Admte-se anda que: y = q (4) e p = p (5) Assm, defne-se a demanda agregada da segunte forma: = (6) y m p Essa forma de defnr a demanda agregada dexa mplícta uma relação nversa entre preços e produto, que é característca fundamental da demanda agregada. Lteralmente, m representa o logartmo da oferta de moeda, mas pode ser entenddo como qualquer outra varável capaz de nfluencar a demanda agregada. O equlíbro ocorre quando a quantdade demandada por produtor (equação 3) se guala à quantdade ofertada (equação 2). Assm, tem-se: 1 γ 1 ( p p) = y + z η( p p) Utlzando médas p = γ 1 p = y + p 1+ ηγ η O equlíbro ocorre quando: p = e z 0, obtém-se: y = 0 (nível de produto = 1) (9) De 6 e 9, chega-se a segunte expressão: m = p (10) (7) (8) Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

13 Mecansmos de transmssão da polítca monetára: a vsão das dferentes escolas de pensamento 435 Logo, conclu-se que a moeda é neutra, pos um aumento em m dá orgem a um aumento gual em todos os p e, portanto, no nível geral de preços, não sendo afetadas as varáves reas. Essa vsão retoma a conclusão da teora quanttatva da moeda, mas com uma roupagem nova e com uma dedução analítca mas sofstcada. Assm, admtndo-se nformação perfeta, alterações na demanda agregada não afetam as varáves reas. A explcação dos novos-clásscos sobre as flutuações do produto, que ocorrem no curto prazo, parte da dea de que os agentes podem ter nformação mperfeta. Admtndo nformação mperfeta 5, os produtores observam o preço do seu bem, mas não o nível geral de preços. Nesses termos, o comportamento do produtor parte da condção expressa pelo preço relatvo do bem : r p p p = p + r = (11) Para o produtor, a sua decsão de produção devera ser tomada com base no preço relatvo do bem que produz em relação aos demas ( r ), mas ele não possu essa nformação. O produtor conhece apenas o preço do bem que produz ( p ). De acordo com Romer (2006), Lucas assume que os produtores cram expectatvas raconas para r com base em p e agem como se o valor esperado fosse conhecdo com certeza. Logo, a equação (12) torna-se: 1 l = E γ 1 [ r p ] (12) Pela possbldade de calcular a estmatva de r, Lucas assume que: (a) os choques monetáros ( m ) seguem uma dstrbução normal, com m V ; (b) os choques na demanda de cada um dos E e varânca m bens ( z ) seguem uma dstrbução normal com méda zero e varânca V z e são ndependentes de m ; (c) como p = p + r, p segue a dstrbução méda [ ] normal, a sua méda é a soma das médas de p e r, e a sua varânca é a soma das varâncas. Nesses termos, o problema do ndvíduo consste em prever r com base em p. Vsto que r e p seguem, conjuntamente, a dstrbução 5 É quando há agentes que detêm nformação em detrmento de outros que não têm o mesmo acesso, o que modfca o processo de ajuste das varáves no modelo, dante da alteração de alguma varável específca. Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

14 436 Marcos Wagner da Fonseca; Marcelo Luz Curado normal, a expectatva de Assm, tem-se: E r [ r p ] = ( p Ep) V r V + V p r é uma função lnear da observação de p. (13) Onde V r é a varânca de r ; e V p, a varânca de p. Segundo Romer (2006), essa equação pode ser assm nterpretada: - se p gualar a sua méda, a expectatva de r é gual à sua méda (zero); - a expectatva de r é superor (nferor) à sua méda, se p for superor (nferor) à sua méda; - a parcela do desvo de p da sua méda (que se estma ser devda ao desvo de r da sua méda) é V r /( Vr + V p ). Isso representa a parcela da varânca total de p que se deve à varânca de r. Substtundo (13) em (12), chega-se a segunte oferta de trabalho: 1 Vr l = γ 1V + V l r ( p Ep) p ( p Ep) b (14) Calculando-se a méda para os produtores e usando-se as defnções de y e p, deduz-se a função de oferta agregada de Lucas: y b ( p Ep) = (15) O desvo do produto do seu valor normal (0 nesse caso) é função crescente da surpresa no nível de preços. Essa curva de oferta é, essencalmente, a mesma que a deduzda da curva de Phllps, aumentada das expectatvas, para a dferença entre o produto efetvo e o potencal. O equlíbro do modelo é encontrado ao combnar-se a curva de oferta agregada (15) com a equação da demanda agregada (6). Resolvendo-se em relação a p e y, têm-se: 1 b p = m + 1+ b 1+ b 1 y = m 1+ b 1 b + b E[ p] E[ p] (16) (17) Nas equações (16) e (17), percebe-se que, ex-post, sto é, após a Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

15 Mecansmos de transmssão da polítca monetára: a vsão das dferentes escolas de pensamento 437 defnção de m, as gualdades são verfcadas. Dessa forma, conclu-se que, ex-ante, sto é, antes da defnção de m, as expectatvas dos dos lados da equação (16) são guas. Pode-se, portanto, usar (16) para obter E p. Subtrando-se os valores esperados de ambos os lados da [ ] gualdade, tem-se: E 1 1+ b b 1+ b [ p] = E[ m] + E[ p] Resolvendo-se em relação a E [ p], tem-se: E [ p] = E[ m] Sabendo que m E[ m] + ( m E[ m] ) (17), têm-se: p = E b y = 1+ b 1 1+ b (18) (19) = e substtundo (19) em (16) e [ m] + ( m E[ m] ) ( m E[ m] ) (20) (21) Segundo Romer (2006), dessas duas equações podem-se extrar as mplcações báscas do modelo: a) varações esperadas na oferta de moeda (e, genercamente, na demanda agregada), E [ m], afetam, na mesma proporção, os preços, dexando nalterado o produto; b) varações não esperadas na oferta de moeda, m E[ m], têm efetos nas varáves reas e nos preços. A dvsão dos mpactos depende da varânca dos preços relatvos e do nível geral de preços; c) alterações nas preferêncas causam alterações nos preços relatvos e, consequentemente, no que é produzdo de cada um dos bens, mas, em méda, o produto real não se altera. De acordo com Romer (2006), o modelo de Lucas defne que choques não antecpados na procura agregada aumentam o produto e os preços acma do esperado. Verfca-se, portanto, uma relação postva entre nflação e produto, como os encontrados utlzando-se a curva de Phllps. No entanto, não exste uma troca explorável entre produto e nflação, dado que só a surpresa 6 na oferta de moeda tem efetos reas. Uma dea mas abrangente dessa análse é a de que as expectatvas são mportantes 6 Cabe destacar que essa surpresa não pode ser recorrente, pos, assm, se transformará num evento esperado e, com sso, dexará de ter efeto. Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

16 438 Marcos Wagner da Fonseca; Marcelo Luz Curado em mutas relações entre varáves agregadas e que alterações na forma de condução da polítca econômca podem alterar essas expectatvas. Em consequênca, alterações nas regras de polítca podem alterar as relações entre as varáves agregadas. Essa dea é conhecda como a Crítca de Lucas (LUCAS, 1972). A vsão dos novos-clásscos de que somente choques não antecpados na demanda agregada causam efetos reas tem uma mplcação mportante. A polítca monetára deve ser utlzada para establzar o produto somente se os governantes tverem acesso à nformação a que o públco em geral não tem acesso. Nessa perspectva, as polítcas defndas de acordo com regras não surtem efetos reas. Para a escola novo-clássca, o fato de o governo ter acesso a mas nformações do que o públco não é razão válda para defender polítcas keynesanas de establzação, pos a maora dessas polítcas é adotada com base em ndcadores econômcos observáves. Assm, se o públco não tem acesso a esses ndcadores, será mas smples dvulgar essa nformação do que alterar as regras de condução da polítca monetára, com o objetvo de establzar a economa. A contrbução dessa escola é mportante por apresentar a relevânca de se consderarem as expectatvas, para avalar os mpactos da polítca monetára na economa. Isso crou condções para que se formulassem as bases de um canal das expectatvas na transmssão da polítca monetára. O canal das expectatvas contou com avanços promovdos por outras escolas de pensamento e ajuda na compreensão da reação dos agentes frente a mudanças da polítca monetára, prncpalmente num regme de metas de nflação. 5 Mecansmos de transmssão da polítca monetára de acordo com a escola novo- -keynesana A escola novo-keynesana nasceu em resposta ao estabelecmento dos pressupostos novos-clásscos quanto à nefcáca da polítca econômca, notadamente a monetára, em nterferr nas flutuações de curto prazo do produto. O ponto básco que dentfca os novos-keynesanos é a acetação da exstênca de mperfeções no funconamento do mercado, com destaque para a rgdez de preços no curto prazo, que pode estabelecer flutuações observadas no produto e no emprego. Essa escola buscou os fundamentos mcroeconômcos dessas mperfeções. A explcação dos mecansmos de transmssão da polítca monetára dos novos-keynesanos va além do modelo de raconamento de crédto, Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

17 Mecansmos de transmssão da polítca monetára: a vsão das dferentes escolas de pensamento 439 proposto por Stgltz e Wess (1981), ncorporando, no modelo, o canal do crédto como mecansmo de transmssão da polítca monetára para as varáves reas da economa. Os trabalhos de Bernanke e Blnder (1988) e Bernanke e Gertler (1995), dentre outros, 7 são mportantes contrbuções dessa escola. Nesse sentdo, destaca-se o modelo de Bernanke e Blnder (1988), uma vez que esse estabelece alguns resultados nteressantes para a dscussão dos mecansmos de transmssão da polítca monetára. O modelo construído por Bernanke e Blnder (1988) ncorpora o canal do crédto na transmssão da polítca monetára, por meo do canal de empréstmos bancáros. Os autores constataram que o modelo IS-LM padrão trata moeda e crédto de manera assmétrca, como exposto anterormente, na vsão monetarsta por Meltzer (1995). Para a moeda, é dado um papel de destaque, enquanto os empréstmos, os títulos e outros nstrumentos de dívda são todos undos num mercado de títulos (bonds). Cabe observar que, quando há equlíbro no mercado monetáro, o mercado de títulos fca fora da análse, por ser consderado em equlíbro. Partndo do Modelo IS-LM, Bernanke e Blnder (1988) assumem que os empréstmos (crédto) e os títulos não são substtutos perfetos. Dessa forma, o modelo é alterado, para demonstrar que modfcações na oferta e na demanda por crédto têm efetos ndependentes sobre a demanda agregada. A perspectva de raconamento de crédto pode ser mportante, mas não é necessára para raconalzar um canal do crédto de transmssão monetára e, no modelo, não será consderada. A noção que permea é que o crédto e os demas títulos são substtutos mperfetos por conta de problemas com nformações, dferença de lqudez ou elevado custo de transação de papés no mercado aberto. O modelo parte de três atvos: moeda, títulos e empréstmos. Assume- -se que os tomadores de recursos e os aplcadores escolhem entre títulos e empréstmos, de acordo com a taxa de juros. A demanda por empréstmos ( L ) tem uma relação negatva com a taxa de juros sobre os empréstmos ( ) os títulos ( ) e postva com o produto ( ) equação (22): ( ρ, y) L d L, d ρ, postva com a taxa de juros sobre y, sendo representada pela = (22) A oferta de empréstmos ( L ) tem sua gênese num balancete smplf- s 7 Podem-se ctar: Bernanke e Blnder (1992), Bernanke, Gertler e Glchrst (1996), Bernanke e Mhov (1998) e Bernanke e Gertler (1989). Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

18 440 Marcos Wagner da Fonseca; Marcelo Luz Curado cado dos bancos, no qual o atvo é formado por reservas ( ) s e empréstmos ( L ) ( D ) (equação (23)). L s ( ρ, ) D( τ ) = λ 1 d R, títulos ( B ), enquanto o passvo é formado apenas por depóstos (23) Sendo λ a sensbldade dos empréstmos e dos títulos em relação a suas taxas de retorno, enquanto τ é a taxa do recolhmento compulsóro. Assm, a oferta de empréstmos tem uma relação postva com a taxa de juros sobre os empréstmos, negatva com a taxa de juros sobre os títulos e postva com a quantdade de reservas bancáras lvres. Desse modo, a condção de equlíbro no mercado de crédto é dada por: por: ( ρ,, y) = λ( ρ, ) D( 1 τ ) L (24) O mercado monetáro é descrto por uma convenconal curva LM, dada D y, = m( )R (25) + + Dessa manera, a demanda por depóstos pode alterar-se pelo motvo de transações e dependerá da taxa de juros, da renda (produto) e da rqueza total, sendo que esta últma é tomada como constante e suprmda da análse. Implctamente, D (, y) e L ( ρ,, y) defnem a função de demanda por títulos do setor não bancáro, desde que a demanda por moeda mas a demanda por títulos menos a demanda por empréstmos seja gual à rqueza fnancera total. O mercado de bens é defndo como uma convenconal curva IS, como defnda pela equação (26): y = Y, ρ (26) Para analsar grafcamente, conforme especfca Bernanke e Blnder D 1 τ do lado dreto da (1988), usa-se a equação (25) para substtur ( ) (24) por ( 1 τ ) m ( ) R ρ como uma função de, y e R: = φ, y, R + +. Então, a equação (24) pode ser resolvda para ρ (27) Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

19 Mecansmos de transmssão da polítca monetára: a vsão das dferentes escolas de pensamento 441 Fnalmente, substtundo (27) em (26), obtém-se: (,φ(, y R) ) y Y, = (28) Através da equação (28), obtém a curva CC ( commodtes and credt ). A curva CC é negatvamente nclnada, tendo um formato semelhante à curva IS. Na curva CC, o produto é determnado, negatvamente, pela taxa de juros sobre títulos, negatvamente, pelo própro produto e, postvamente, pelas reservas bancáras. Portanto, a curva CC é o lócus geométrco do equlíbro no mercado de crédto e no mercado de bens. A estátca comparatva do modelo de Bernanke e Blnder (1988) apresenta resultados semelhantes ao modelo IS-LM tradconal, quanto aos efetos de choques no dspêndo e na demanda por moeda (Gráfco 2). A novdade é o efeto que ocorre por modfcação nas reservas bancáras. Um aumento nas reservas bancáras pode levar a uma elevação na taxa de juros, nesse modelo com crédto. Grafcamente, esse aumento nas reservas bancáras rá deslocar para a dreta as curvas LM e CC; mas, pelo formato das curvas, o novo equlíbro ocorre com um maor nível de produto e um maor nível de taxa de juros sobre títulos. Economcamente, o canal do crédto faz a polítca monetára mas expansonsta do que no modelo IS-LM convenconal. O modelo de Bernanke e Blnder (1988) destaca um camnho alternatvo para a transmssão da polítca monetára va empréstmos bancáros. Assm, uma elevação da quantdade de moeda aumenta os depóstos e contrbu para amplar os empréstmos. O aumento do crédto bancáro faz com que haja crescmento do consumo e do nvestmento, levando a uma expansão do produto e da renda. A taxa de juros sobre os títulos deve fcar num patamar maor por força do aumento da demanda por moeda, mpulsonado pela elevação do produto, enquanto a taxa de juros sobre os empréstmos tende a fcar menor, pela amplação dos recursos dsponíves para o crédto bancáro. É necessáro enfatzar também que, de acordo com Bernanke e Gertler (1995), alguns problemas são omtdos no modelo IS-LM, prncpalmente quanto aos efetos de alterações na taxa de juros sobre as varáves reas da economa, chamando essas omssões de caxa preta. O canal do crédto levanta hpóteses que permtem decfrar a "caxa preta". Parte do entendmento é atrbuída a partculardades de atuação do mercado fnancero, pos a concessão e a tomada de crédto sofrem os efetos da nformação assmétrca, prncpalmente os relaconados à seleção adversa e ao rsco moral. Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

20 442 Marcos Wagner da Fonseca; Marcelo Luz Curado Gráfco 2 Polítca monetára expansonsta no modelo Bernanke e Blnder LM 1 2 B LM 2 1 A CC 2 CC 1 Y 1 Y 2 FONTE: BERNANKE, B.; BLINDER, A. Credt, money and aggregate demand. Amercan Economc Revew, Nashvlle, v. 78, n. 2, p , May Em Mshkn (1995), o canal do crédto representa uma nterpretação alternatva sobre como a taxa de juros afeta a economa. A análse desse mecansmo enfatza a presença de nformação assmétrca no mercado fnancero. Em oposção ao canal da taxa de juros, o canal do crédto estabelece que os mercados fnanceros não trabalham de forma perfeta, havendo mperfeções sgnfcatvas para a transmssão da polítca monetára. Segundo Bernanke e Gertler (1995), a taxa de juros assume um papel preponderante mas não determnante na transmssão das modfcações da polítca monetára. O canal do crédto evdenca os problemas exstentes no mercado fnancero, desde a exstênca de nformação assmétrca até a composção, a organzação e a atuação do setor fnancero e do setor produtvo. Há dos canas de transmssão monetára que dervam dos problemas de nformação assmétrca nos mercados de crédto e compõem o chamado canal do crédto: o canal de empréstmos bancáros (bank lendng channel), conforme apresentado no modelo de Bernanke e Blnder (1988), e o canal Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

21 Mecansmos de transmssão da polítca monetára: a vsão das dferentes escolas de pensamento 443 do balanço, que funcona por meo dos efetos sobre os balanços patrmonas das frmas e dos ndvíduos (balance sheet channel). Segundo Mshkn (1995) e Bernanke e Gertler (1995), o canal de empréstmos bancáros surge do reconhecmento da função especal que os bancos desempenham no sstema fnancero, o que os torna especalmente bem suprdos de nformação para avalar a concessão de crédto. A maora dos tomadores de crédto necessta dos bancos, porque não conseguem chegar até o mercado de captas e tomar recursos dretamente dos nvestdores. Isso sgnfca que exstem tomadores que conseguem crédto apenas quando os bancos o colocam à sua dsposção. Os bancos, para poder oferecer crédto, têm que buscar recursos no mercado, através da captação de fundos. Isso depende, dretamente, do volume de moeda em crculação: quanto maor o volume de moeda, maores são a captação e, por consegunte, a dsponbldade de empréstmos bancáros aos agentes. Desde que não haja uma perfeta substtução de depóstos bancáros do varejo por outros fundos, o canal de transmssão monetára funcona da segunte forma: uma expansão da oferta de moeda (M) aumenta o nível de reservas (R) e os depóstos bancáros (D), elevando a quantdade de empréstmos nos bancos (L). Esses empréstmos são dreconados para certos tomadores que realzam nvestmento (I) ou consumo (C), aumentando, com sso, a demanda agregada (DA) e o produto (Y). Smbolcamente, pode ser assm demonstrado: M R D L I C DA Y Esse canal é determnante para compreender a forma de expansão das pequenas empresas. Isto porque grande parte dessas é altamente dependente de empréstmos bancáros. Portanto, para a expansão de seus negócos, há necessdade de terem acesso ao mercado de crédto dos bancos, dferentemente das grandes empresas, que conseguem captar recursos no mercado fnancero nternaconal e nos mercados de captas. Anda sobre o canal de empréstmos bancáros, é nteressante destacar que o volume de empréstmos depende também do porte dos bancos. Os pequenos e médos bancos não possuem facldade de acesso aos mercados fnanceros nternaconas e fcam em dfculdade dante de uma contração da moeda, dmnundo, mas que proporconalmente, o volume de empréstmos aos tomadores. Por outro lado, os grandes bancos, por terem maor acesso aos mercados, conseguem manter os empréstmos em níves mas elevados que os pequenos e médos quando dante de uma polítca monetára contraconsta. O canal do balanço também se derva da presença de problemas de nformação assmétrca. A polítca monetára pode afetar as empresas da segunte forma: uma dmnução da oferta monetára (M) provoca aumento na taxa de juros (), o que pode mprmr uma tendênca de queda no preço Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

22 444 Marcos Wagner da Fonseca; Marcelo Luz Curado das ações (PA), dmnundo o valor patrmonal das frmas (PL). A dmnução do valor das frmas aumenta a possbldade de seleção adversa e do rsco moral. Isto porque um valor líqudo mas baxo das empresas sgnfca que os emprestadores têm menos garantas para seus empréstmos, e, portanto, os possíves prejuízos decorrentes de seleção adversa são maores. O valor líqudo menor da empresa também aumenta o problema do rsco moral, porque sgnfca que os propretáros têm uma fata menor das ações de suas frmas, dando-lhes mas ncentvo para se engajarem em projetos de nvestmento mas arrscados, o que dmnu a concessão de empréstmos bancáros (L) para nvestmento. Dessa forma, cram-se dfculdades para as frmas consegurem tomar recursos para contnuarem o processo produtvo e também para nvestmento, o que pode causar uma queda na demanda agregada (DA) e no produto (Y). Smbolcamente, pode ser assm demonstrado: M PA PL seleção adversa rsco moral L I DA Y A síntese apresentada por Bernanke e Gertler (1995) permte um leque maor de possbldades para o entendmento dos mecansmos de transmssão da polítca monetára para o restante da economa, estabelecendo a contrbução dos novos-keynesanos para esse debate. 6 Mecansmos de transmssão da polítca monetára de acordo com a escola pós- -keynesana Assm como em outros temas, o ponto de partda da análse pós- -keynesana sobre a questão dos mecansmos de transmssão da polítca monetára é a contrbução orgnal de Keynes. Em sua Teora Geral, o autor traça consderações mportantes sobre a transmssão da polítca monetára para as varáves reas da economa: Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov Introduzmos, assm, a moeda em nosso nexo causal e podemos ter uma prmera déa do modo como as varações na quantdade de moeda ntervêm no sstema econômco. Contudo, se nos vemos tentados a consderar a moeda como a bebda que estmula a atvdade do sstema, não nos esqueçamos de que podem surgr mutos percalços entre a taça e os lábos. Embora seja de esperar que, ceters parbus, um aumento na quantdade de moeda reduza a taxa de juros, sto não ocorrerá se a preferênca do públco pela lqudez aumentar mas que a quantdade de moeda; e, conquanto se possa esperar que, ceters parbus, uma baxa taxa de juros

23 Mecansmos de transmssão da polítca monetára: a vsão das dferentes escolas de pensamento 445 estmule o fluxo de nvestmento, sto não acontecerá se a escala da efcênca margnal do captal car mas rapdamente que a taxa de juros; quando, enfm, se possa esperar que, ceters parbus, um aumento no fluxo de nvestmento faça aumentar o emprego, sso não se produzrá se a propensão a consumr estver em declíno. Fnalmente, se o emprego aumentar, os preços subrão numa proporção que depende, em parte, da forma das funções da oferta e, em parte, da tendênca da taxa de saláros subr em termos monetáros (KEYNES, 1985, p. 125). O quadro traçado pelo autor apresenta o conjunto de possbldades sobre como as modfcações na polítca monetára afetam os fluxos reas, o que mplca tratar do comportamento dos agentes quanto à demanda por moeda, da sensbldade do nvestmento à taxa de juros e de como a demanda agregada pode afetar o nível de emprego, de saláros e de preços. Conforme Davdson (2002), o fundamento do pensamento keynesano não é a análse dos efetos macroeconômcos da exstênca de rgdez de preços e/ou saláros nomnas. O aspecto fundamental estara na análse dos efetos da exstênca da ncerteza não probablístca sobre o comportamento e as decsões dos agentes econômcos, em partcular, as decsões sobre a determnação do rtmo e da forma pela qual a rqueza é acumulada. Os agentes econômcos adotam comportamentos defensvos na presença de ncerteza. Essa ação justfca a preferênca pela lqudez, pos a moeda é o atvo que possu maor lqudez, ou lqudez plena. Assm, os agentes estaram agndo de manera raconal, ao manterem moeda em seus portfólos, prevenndo-se de eventos nesperados e desfavoráves. Nesse sentdo, a moeda torna-se um substtuto de outros atvos no portfólo dos tomadores de decsão, pos um aumento da preferênca pela lqudez rá nduzr os ndvíduos a substtuírem atvos menos líqudos por atvos mas líqudos, dentre os quas, a moeda. No contexto apontado, a moeda torna-se não neutra tanto no curto como no longo prazo, pos ela pode afetar tanto o rtmo como a forma da acumulação de rqueza (DAVIDSON, 2002). Segundo Carvalho (2005, p. 324, grfos do autor), [...] o traço dstntvo mas mportante da teora monetára de Keynes, e da vsão de polítca monetára que dela segue, é certamente o suposto de não-neutraldade da moeda, sto é, o postulado de que a polítca monetára exerce um mpacto real e duradouro sobre a economa. Nesse sentdo, dferentemente das demas escolas tratadas neste artgo, que assumem a moeda como neutra no longo prazo, podendo apenas afetar as varáves no curto prazo, os pós-keynesanos defendem Ensaos FEE, Porto Alegre, v. 33, n. 2, p , nov. 2012

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos INFORMAÇÕES ASSIMÉTRICAS NO MERCADO DE CRÉDITO: UMA ABORDAGEM SOBRE O COMPORTAMENTO DOS BANCOS BRUNO FERREIRA FRASCAROLI Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Economa Unversdade Federal da Paraíba

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO.

TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO. ELMO TAMBOSI FILHO TESTANDO EMPIRICAMENTE O CAPM CONDICIONAL DOS RETORNOS ESPERADOS DE PORTFOLIOS DO MERCADO BRASILEIRO, ARGENTINO E CHILENO. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insttuto de Cêncas Humanas Departamento de Economa ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS André Gustavo Lacerda Skendzel Orentador:

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL

UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL 1 UM ESTUDO SOBRE A DESIGUALDADE NO ACESSO À SAÚDE NA REGIÃO SUL Área 4 - Desenvolvmento, Pobreza e Eqüdade Patríca Ullmann Palermo (Doutoranda PPGE/UFRGS) Marcelo Savno Portugal (Professor do PPGE/UFRGS)

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16%

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16% Análse de Rsco 1 RISCO Rsco possbldade de perda. Quanto maor a possbldade, maor o rsco. Exemplo: Empresa X va receber $ 1.000 de uros em 30 das com títulos do governo. A empresa Y pode receber entre $

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA Vtor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconoma I Ano lectvo 2008/09 Uma pequena economa aberta é uma economa para a qual o mercado externo, tanto a nível

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM FINANÇAS E ECONOMIA EMPRESARIAL FELIPE ABAD HENRIQUES

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM FINANÇAS E ECONOMIA EMPRESARIAL FELIPE ABAD HENRIQUES FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM FINANÇAS E ECONOMIA EMPRESARIAL FELIPE ABAD HENRIQUES ESTUDO DO COMPORTAMENTO DO RETORNO DAS AÇÕES AO REDOR DA DATA EX-DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

MODELO DO MERCADO MONETÁRIO 6 Modelo Matemático

MODELO DO MERCADO MONETÁRIO 6 Modelo Matemático Auxílos vsuas para o ensno de acroeconoma e para o lvro: José Alfredo A Lete - ACROECONOIA - Edtora Atlas, São Paulo, 2000 ODELO DO ERCADO ONETÁRIO 6 odelo atemátco 1. ercado de oeda a) Defnção de oeda:

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Rastreando Algoritmos

Rastreando Algoritmos Rastreando lgortmos José ugusto aranauskas epartamento de Físca e Matemátca FFCLRP-USP Sala loco P Fone () - Uma vez desenvolvdo um algortmo, como saber se ele faz o que se supõe que faça? esta aula veremos

Leia mais

Sistemas de Seguro Depósito: Sugestões para a reformulação do Fundo Garantidor de Créditos *

Sistemas de Seguro Depósito: Sugestões para a reformulação do Fundo Garantidor de Créditos * Sstemas de Seguro Depósto: Sugestões para a reformulação do Fundo Garantdor de Crédtos * Ana Carla Abrão Costa Resumo Sstemas explíctos de seguro depósto vêm sendo adotados por países de todo o mundo,

Leia mais

Mercado de Água e o Estado: Lições da Teoria dos Jogos

Mercado de Água e o Estado: Lições da Teoria dos Jogos RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 13 n.4 Out/Dez 2008, 83-98 Mercado de Água e o Estado: Lções da Teora dos Jogos Francsco de Asss de Souza Flho Unversdade Federal do Ceará - UFC assssouzaflho@gmal.com

Leia mais

FLÁVIA Z. DALMÁCIO - flavia@fucape.br Doutoranda em Contabilidade pela Usp e Professora. da FUCAPE

FLÁVIA Z. DALMÁCIO - flavia@fucape.br Doutoranda em Contabilidade pela Usp e Professora. da FUCAPE 1 UM ESTUDO DO IMPACTO DA GOVERNANÇA CORPORATIVA NA RENTABILIDADE E PERFORMANCE DO ÍNDICE BRASIL (IBrX) CARLOS BOLÍVAR DE ASSUMPÇÃO JÚNIOR - bolvar.vx@terra.com.br Mestrado Profssonal em Cêncas Contábes

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL.

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. André Matos Magalhães Vctor Carvalho Castelo Branco 2 Tago Vasconcelos Cavalcant 3 Resumo Este trabalho consste

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Área Temátca: Economa e Relações Internaconas O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Paulo Rcardo Festel¹ Slva Zanoso Mssagga² Resumo:O objetvo deste

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 4.3 Decsão Intertemporal do Consumdor O Mercado de Captal Isabel Mendes 2007-2008 4/17/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 3. EQUILÍBRIO

Leia mais

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS)

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) Lenlma Vera Nunes Machado CPF: 425.454.202-04 Economsta do Banco da

Leia mais

Desemprego de Jovens no Brasil *

Desemprego de Jovens no Brasil * Desemprego de Jovens no Brasl * Prsclla Matas Flor Palavras-chave: desemprego; jovens; prmero emprego; Brasl. Resumo Este trabalho tem como objetvo analsar a estrutura do desemprego dos jovens no Brasl,

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL RISCO DE TAXA DE JUROS 1. Introdução O rsco de taxas de juros é a exposção da condção fnancera de um

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Novas Forças de Atração nas Grandes Cidades *

Novas Forças de Atração nas Grandes Cidades * Novas Forças de Atração nas Grandes Cdades * Cro Bderman ** Resumo Este artgo procura explcar a atual desconcentração dos servços nas grandes áreas urbanas e o movmento paralelo de concentração para os

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Análise Fatorial F 1 F 2

Análise Fatorial F 1 F 2 Análse Fatoral Análse Fatoral: A Análse Fatoral tem como prncpal objetvo descrever um conjunto de varáves orgnas através da cração de um número menor de varáves (fatores). Os fatores são varáves hpotétcas

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL Danlo Augusto Hereda VIEIRA 1 Celso Correa de SOUZA 2 José Francsco dos REIS NETO 3 Resumo. As

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA 658 Gaudo & Zandonade Qum. Nova Qum. Nova, Vol. 4, No. 5, 658-671, 001. Dvulgação PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA Anderson Coser Gaudo

Leia mais

1º LUGAR - DEFESA DA CONCORRÊNCIA AUTOR: SÉRGIO GOLDBAUM SÃO PAULO - SP

1º LUGAR - DEFESA DA CONCORRÊNCIA AUTOR: SÉRGIO GOLDBAUM SÃO PAULO - SP 1º LUGAR - DEFESA DA CONCORRÊNCIA AUTOR: SÉRGIO GOLDBAUM SÃO PAULO - SP BARREIRAS À ENTRADA EM MERCADOS MONOPOLIZADOS: A DISTRIBUIÇÃO DE AUTOMÓVEIS. 1 Resumo O objetvo deste trabalho é analsar os efetos

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO*

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Artgos Prmavera 2007 EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Isabel Correa**. INTRODUÇÃO Apesar das reformas fscas serem um fenómeno recorrente nas últmas décadas em

Leia mais

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS PREVISÃO DE PRTIDS DE FUTEBOL USNDO MODELOS DINÂMICOS Oswaldo Gomes de Souza Junor Insttuto de Matemátca Unversdade Federal do Ro de Janero junor@dme.ufrj.br Dan Gamerman Insttuto de Matemátca Unversdade

Leia mais

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1 DETERMINANTES DA ADOÇÃO DA TECNOLOGIA DE DESPOLPAMENTO NA CAFEICULTURA: ESTUDO DE UMA REGIÃO PRODUTORA DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS govanblas@yahoo.com.br Apresentação Oral-Cênca, Pesqusa e Transferênca

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

3 Formulação da Metodologia

3 Formulação da Metodologia 54 3 Formulação da Metodologa 3.1. Resumo das Prncpas Heurístcas de Solução A maora das heurístcas de solução para o ELSP aborda o problema na sua forma clássca, sto é, quando os tempos e custos de setup

Leia mais

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr Fara dos Santos, Wlson da Cruz Vera & Bríco dos ISSN Santos Res 1679-1614 EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENTE DA EDIFICAÇÃO

TRANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENTE DA EDIFICAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA CENRO ECNOLÓGICO DEPARAMENO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENE DA EDIFICAÇÃO ELABORADO POR: Martn

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais