Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade _ 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade _ 2008"

Transcrição

1 Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade _ 2008

2

3 Portugal Telecom Relatório de Sustentabilidade _ 2008 Notas metodológicas A apresentação deste relatório obedece aos seguintes critérios: Global Reporting Initiative O relatório de sustentabilidade empresarial da Portugal Telecom é elaborado de acordo com as directrizes da Global Reporting Initiative, G3, no nível A+. O índice referente aos indicadores da GRI encontra-se no final deste relatório e identifica o cumprimento dos requisitos que o nível exige relativamente ao perfil e indicadores de desempenho e inclui ainda os indicadores relacionados com o sector das telecomunicações. Período da informação disponibilizada Este relatório contém dados relativos ao perfil da PT durante o ano de A PT publica anualmente o relatório de sustentabilidade empresarial a par do relatório e contas consolidadas, sendo que a última publicação se refere ao ano de Âmbito do relatório A informação disponibilizada refere-se predominantemente à actuação da PT em Portugal, onde o Grupo detém participações superiores a 50%. Estrutura e informação disponibilizadas A estrutura e informação disponibilizadas neste relatório constituem um acto de transparência e partilha da PT para com os stakeholders, evidenciando as metas atingidas e as políticas adoptadas no sentido de garantir a sustentabilidade do negócio a longo prazo e, deste modo, responder às questões colocadas pelo mercado, especialmente pela comunidade financeira (investidores e analistas), a nível nacional e internacional. A identificação dos assuntos materiais da gestão sustentada da PT, que está integrada neste relatório, foi realizada em conformidade com a análise da informação recebida dos nossos stakeholders, através dos seus canais de comunicação. Alterações na apresentação dos dados As alterações procedidas nos dados quantitativos foram: A apresentação dos benefícios de reforma apresentados corresponde ao valor apresentado na demonstração de fluxos de caixa consolidado, reportando assim o valor concreto pago ao longo do ano em benefícios de reforma; A PT abrangeu o seu cálculo de investimento em inovação a todos os investimentos classificados como tal em todas as empresas do Grupo, de forma a apresentar um dado mais aproximado da realidade, o que implicou abandonar a antiga forma de cálculo, que abrangia apenas o orçamento da PT Inovação. Auditoria e veracidade dos dados apresentados Este relatório é sujeito a um processo de verificação da totalidade da informação nele incluída, em linha com as directrizes da GRI, no que respeita à credibilidade e qualidade do conteúdo e à orientação da auditoria por parte de uma entidade externa e independente. Critérios utilizados na apresentação dos dados económicos, sociais e ambientais Os dados apresentados têm por base os sistemas de informação do Grupo e têm por base as Normas Internacionais de Contabilidade IFRS, o sistema fiscal, a legislação do direito do trabalho e do ambiente, os princípios de conduta adoptados pelo Grupo e as directrizes da GRI. Fontes de informação Dados das Contas Nacionais _ Dados do sector de Comunicações Electrónicas _ Sugestões de aperfeiçoamento Este relatório incorpora as sugestões de aperfeiçoamento que nos são transmitidas através do canal aberto para esse efeito em 1

4 Este Relatório refere-se ao Grupo Portugal Telecom em Portugal, sendo que os dados de carácter económico, social e ambiental apresentados resultam da consolidação da realidade das empresas do Grupo. Portugal Telecom, SGPS Sociedade aberta Capital social euros Matrícula na conservatória Do registo comercial de Lisboa E pessoa colectiva nº Contactos: Abílio Martins Membro do Comité de Sustentabilidade Av. Fontes Pereira de Melo, Lisboa Portugal Tel: Site:

5 04 Mensagem do presidente executivo 10 Portugal Telecom em síntese 14 Desempenho integrado do ano 24 Metas e oportunidades do negócio Criação de valor no longo prazo 26 Governo orientado para a sustentabilidade 29 Políticas de gestão 31 Modelo de governo 45 Estratégia orientada para a sustentabilidade 49 Gestão de riscos e oportunidades 54 Principais temas de sustentabilidade para os negócios do grupo 58 Construção dos alicerces do futuro 60 Inovação 65 Sociedade do conhecimento e inclusão digital 74 Preservação do ambiente 77 Política e desempenho ambiental 87 Estratégia de gestão energética 87 Combate às alterações climáticas 88 Implementação de acções 90 Envolvimento com stakeholders 93 Clientes 99 Colaboradores 117 Fornecedores 123 Entidades reguladoras e fiscalizadoras 125 Média 127 Comunidade financeira 132 Responsabilidade social 135 Fundação Portugal Telecom 139 Voluntariado 140 Práticas de responsabilidade social das participadas do Grupo 146 Anexos 146 Participação em organizações nacionais e internacionais 148 Índice remissivo aos indicadores da Global Reporting Initiative 151 Declaração de Verificação da SGS ICS Serviços Internacionais de Certificação

6 Mensagem do presidente executivo Zeinal Bava Presidente executivo Em 2008 a Portugal Telecom mudou. Mudámos enquanto empresa, mudámos o mercado em que actuamos e mudámos os hábitos de mais de 70 milhões de clientes que temos em todo o mundo. Num ano marcado pela extensão da crise de crédito hipotecário subprime aos mercados financeiros e à economia mundial e, no mercado interno, pelo aumento da competitividade, com a consolidação de um novo operador, é com grande sentido de realização e satisfação pessoal que a empresa alcançou e, em muitos casos, superou os objectivos a que se propôs. Um dos primeiros passos dados foi a adaptação da organização aos desafios futuros. Internamente, a criação da PT Portugal através da fusão organizativa entre a PT Comunicações e a TMN foi um marco histórico para toda a empresa, representando um ponto de viragem ao nível da eficiência e da agilidade de funcionamento das diversas áreas de negócio. No ano de 2008, a PT viu reforçada a sua liderança no mercado doméstico, vendo confirmado o sucesso das três prioridades estratégicas delineadas: o lançamento do meo a TV do futuro, a aposta na liderança da banda larga móvel e a aposta no segmento das PMEs, através de ofertas inovadoras e convergentes, tais como o Office Box. No mercado internacional conseguimos os melhores resultados dos últimos anos, confirmando as duas prioridades estratégicas de consolidação do turnaround da Vivo e de maior aproximação às restantes operações, alavancando-as no know-how da PT e reforçando a nossa estratégia de presença em mercados de alto crescimento, nomeadamente Brasil e África. Estamos convictos de que correspondemos à maioria das expectativas dos nossos stakeholders e que, mais uma vez, somos merecedores do seu reconhecimento. No que depender de mim, vamos continuar a trabalhar e a inovar para continuar a merecer a confiança de todos.

7 Ética nos negócios e o nosso compromisso de continuar a criar valor no longo prazo A transparência, o rigor da informação e os níveis de confiança na gestão das organizações e das marcas têm vindo a tornar-se factos determinantes nos processos de decisão e nas opções finais dos cidadãos, dos clientes e dos investidores. Por isso, na PT, cada vez mais acreditamos que uma boa performance económica e financeira só é e continuará a ser possível no futuro se as empresas investirem de forma consciente e empenhada no seu progresso, salvaguardando o respeito pelos accionistas, pela comunidade e pelo ambiente. O diálogo com os nossos clientes e accionistas, com as universidades, com as organizações não governamentais, com entidades estatais e com os nossos colaboradores, a par do alinhamento com a lei e com as directrizes das associações do sector, tem-nos feito seguir escrupulosamente o Código de Ética, que norteia a actuação entre a PT e a sociedade em geral, os manuais de conduta e de compliance em vigor na nossa empresa. Afirmamos sem reservas a transparência da nossa actuação, corroborada pelo canal de participação de práticas indevidas que disponibilizamos ao público interno e externo. No amplo universo das telecomunicações existem recursos poderosos para aproximar as pessoas e melhorar a vida de todos. E, por isso, na PT usamos as potencialidades da tecnologia para recolher sugestões, agregar conhecimento e criar valor, contribuindo em simultâneo para minorar o consumo energético e o de papel, para fomentar o relacionamento profissional, académico e familiar e para permitir a antecipação de acontecimentos relacionados com segurança da natureza, de bens e de pessoas. Queremos preservar e promover a preservação do ambiente O respeito e preservação do ambiente com vista a garantir condições de vida aceitáveis para as próximas gerações são, na minha perspectiva, uma responsabilidade de todos nós. As alterações climáticas e as suas consequências previsíveis têm estado na agenda das preocupações internacionais e têm merecido um forte envolvimento e interesse por parte da PT. Já há alguns anos, incorporámos na nossa organização a preocupação de preservar e valorizar o ambiente e, por isso, adoptámos políticas e mobilizámos recursos no sentido de acompanhar as exigências legais e as directivas e recomendações europeias sobre as melhores práticas ambientais. Nos últimos anos, sujeitámos as empresas do grupo, a nível nacional, aos processos de auditoria e certificação ambiental de acordo com o standard internacional ISO e, neste momento, estamos a proceder à certificação energética dos edifícios do Grupo e a implementar novas formas de climatização e iluminação das áreas técnicas. 5

8 Mensagem do presidente executivo Sabemos que as principais questões sobre este tema se relacionam com as emissões de dióxido de carbono, mas temos tido também em consideração a racionalização do consumo de recursos, as emissões de ruído, os impactes paisagísticos que geramos e o encaminhamento que damos aos resíduos que produzimos diariamente. E, por isso, temos desenvolvido campanhas de sensibilização e formação específica junto dos colaboradores, temos disponibilizado informação aos clientes, passámos a incluir critérios ambientais na selecção e contratação dos nossos fornecedores e temos estabelecido parcerias com universidades e grupos de investigação no sentido de monitorizar os impactes decorrentes da nossa actividade e estar sempre a par das novas oportunidades de melhoria. Mas não queremos ficar por aqui. Além de prepararmos a organização para ser ambientalmente responsável, temos também inovado nos serviços que prestamos ao mercado e na forma como, no terreno, ampliamos as infra-estruturas para prestar mais e melhores serviços. Foi neste espírito que a PT preparou e lançou em 2005 a Factura Electrónica, com validade legal conferida pela certificação da assinatura digital, um projecto que teve e tem por objectivo facilitar a vida aos clientes e também evitar o consumo de papel. O investimento que estamos a fazer em infra-estruturas e equipamentos de nova geração também contribuirá para melhorar significativamente o dia-a-dia de todos nós, aos níveis da educação, saúde, ambiente e segurança de bens e pessoas. Vamos continuar a assumir a nossa responsabilidade social Pessoalmente defendo que as empresas devem procurar contribuir para o equilíbrio da comunidade onde estão inseridas, de acordo com as suas capacidades e competências específicas, promovendo com esta uma articulação saudável e que ultrapasse a legítima vontade de gerar lucro. Por isso, na PT, assumimos o compromisso de desenvolver produtos e serviços de telecomunicações para clientes com necessidades especiais ou portadores de deficiência, de prestar serviços especificamente direccionados para pessoas de baixo rendimento, de participar em iniciativas de combate à infoexclusão e de dinamização da sociedade do conhecimento e de promover jovens talentos, além dos programas de mecenato cultural e social em que estamos envolvidos. A objectivação deste compromisso de responsabilidade social está consubstanciada na Fundação Portugal Telecom, instituição de direito privado, sem fins lucrativos e de utilidade pública, que ao fim de um ano revelou ser a maior fundação portuguesa associada a um grupo económico. 6

9 O nosso compromisso A actual conjuntura económica e social exige de todos nós um elevado empenho, rigor e responsabilidade, e na PT estamos dispostos a encarar este desafio. A nossa actuação diária assentará em dois pilares fundamentais: nas conclusões que inferirmos do diálogo e da troca de informação e conhecimento, e na consequente identificação e implementação das soluções mais ajustadas à criação de valor económico, ambiental e social. Este percurso, no entanto, depende em muito das sugestões que recebemos de todos os que connosco caminham e dos compromissos que assumimos em conjunto. Por isso, a todos os que têm colaborado na construção deste caminho, gostaria de expressar o meu agradecimento e de convosco partilhar as mudanças e evoluções que concretizámos ao longo do último ano, através da publicação deste relatório, elaborado de acordo com as directrizes da Global Reporting Initiative e que apresenta um perfil equilibrado do impacte económico, ambiental e social da empresa na sociedade portuguesa. Conte connosco, nós continuamos a contar consigo. Zeinal Bava Presidente executivo 7

10

11 Criar valor de longo prazo

12 Portugal Telecom em síntese Brasil Vivo Móvel UOL ISP, conteúdos internet Dedic Serviços call centre São Tomé e Príncipe CST Fixo, móvel, internet e dados Marrocos Médi Télécom Móvel Cabo Verde CVT Fixo, móvel, internet e dados Directel Cabo Verde Directórios

13 Quénia Kenya Postel Directories Directórios Moçambique LTM Directórios Teledata ISP e dados Angola Unitel Móvel Elta Directórios Multitel ISP e dados Namíbia MTC Móvel Hungria HDT Operação VSAT Timor-Leste Timor Telecom Fixo, móvel, internet e dados Macau [RAEM-China] CTM Fixo, móvel, internet e dados Directel Macau Directórios

14 Portugal Telecom em síntese Portugal Rede fixa milhões de euros de receitas > PT Comunicações 100% > PT Prime 100% Móvel milhões de euros de receitas > TMN 100% Principais activos internacionais receitas (milhões de euros) Vivo 31,78% > Brasil > Móvel 6,080 Médi Télécom 32,18% (1) > Marrocos > Móvel 453 Unitel 25% (1) (2) > Angola > Móvel 863 CTM 28% (1) > Macau > Fixo e móvel 207 MTC 34% (2) > Namíbia > Móvel 106 CVT 40% (2) > Cabo Verde > Fixo e móvel 73 CST 51% (2) > São Tomé e Príncipe > Fixo e móvel 9 UOL 29% (3) > Brasil > ISP, conteúdos e internet 197 Dedic 100% > Brasil > Call center 124 Timor Telecom 41,12% > Timor > Fixo e móvel 26 (1) Estes investimentos são contabilizados pelo método de equivalência patrimonial. (2) Estas participações são detidas pela Africatel, que é controlada em 75% pela PT. (3) À data deste relatório, a UOL ainda não tinha divulgado os seus resultados anuais de Empresas instrumentais Serviços de sistemas e TI [PT Sistemas de Informação 100%]; Inovação, investigação e desenvolvimento [PT Inovação 100%]; Serviços administrativos e de gestão partilhada [PT PRO 100%]; Serviços de negociação [PT Compras 100%]; Call centers [PT Contact 100%]; Gestão de fundos de pensões [Previsão 82,05%]

15 Princípios orientadores Missão Prestar serviços de telecomunicações e multimédia de reconhecido valor para os clientes através de uma permanente actualização tecnológica e de recursos qualificados e motivados. Continuar a gerar valor no longo prazo para os accionistas e para as comunidades onde desenvolvemos a nossa actividade. Valores Integridade, lealdade e honestidade no relacionamento com os stakeholders Solidariedade, responsabilidade e rigor entre os colaboradores do Grupo Respeito pelo ambiente e pelas comunidades onde desenvolvemos a nossa actividade Princípios e organizações externas ETNO (European Telecommunications Network Operators) United Nations Global Compact Pacto de responsabilidade social e ecológica do Convénio Global da ONU BCSD (membro do World Business Council for Sustainable Development) UNI (Union Network International) Legislação portuguesa, europeia e americana Princípios internos Código de Ética da Portugal Telecom Código de Ética para CFOs Corporate Governance & Compliance Guide for Corporate Board Members Diálogo com os stakeholders através dos canais de comunicação do Grupo Equipas das unidades corporativas estruturação do diálogo Equipas comerciais Website corporativo Call centers Surveys épt! canal de comunicação interno Participação qualificada de práticas indevidas Wikicare Assuntos materiais para a gestão sustentável do Grupo PT Ambiente Colaboradores Accionistas Entidades Reguladoras Consumo de energia Saúde e segurança Distribuição de dividendos Compliance com exigências Alterações climáticas Condições de trabalho Cotação bolsista Consumo de combustível Atracção e retenção de talentos Consumo de materiais Satisfação dos colaboradores Sociedade Campos electromagnéticos Exclusão digital e social Impactes paisagísticos Cadeia de Valor Transparência e reputação da empresa Emissão de ruído Condições de trabalho dos nossos fornecedores Consumo de água Práticas ambientais dos nossos fornecedores Serviços Produção de resíduos Inovação Clientes Privacidade do cliente Inclusão digital Satisfação do cliente Utilização responsável dos nossos serviços pelos clientes

16 Resumo do ano Impacte da PT no país 2,658% 2,679% 2,091% O impacte da PT em Portugal e no sector Desde 2007 que a PT tem identificado um conjunto de indicadores que permitem enquadrar e contextualizar a performance da PT no panorama nacional e sectorial, nos pilares ambientais, sociais e económicos. Estes indicadores permitem posicionar a nossa performance, servindo como um guia e uma âncora para a gestão sustentável da Portugal Telecom. 0,199% 0,202% 1,534% No panorama nacional, podemos observar que no contexto de crise que vivemos, a importância da Portugal Telecom para a empregabilidade nacional, para o investimento do país e o peso das nossas receitas no PIB aumentaram de forma coerente entre os dois períodos de análise. Percentagem das receitas PT no PIB Nacional Contribuição para a empregabilidade nacional Percentagem do investimento no total de investimento do país n 2007 n 2008 TX Crescimento Investimento 26,63% Os dados nacionais relativos ao PIB e formação bruta do capital fixo (FBCF) ou investimento são referentes ao ano de 2007 e a sua fonte é o INE. 18,57% -10,08% Impacte da PT no Sector 5,57% 77,126% 80,641% 3,38% 47,493% 48,700% 48,893% 54,288% -8,12% n PT n Sector das Comunicações Electrónicas Os dados nacionais relativos ao PIB e Formação bruta do capital fixo (FBCF) ou investimento são referentes ao ano de 2007 e a sua fonte é o INE No sector das Comunicações Electrónicas, verificamos a mesma tendência nos três indicadores. A importância da Portugal Telecom para o sector aumentou de forma coerente e significativa, reafirmando a importância da nossa organização para o desenvolvimento sustentado do sector em Portugal. Percentagem das receitas no sector Percentagem de colaboradores no sector Percentagem do investimento no sector n 2007 n 2008 Os dados do sector são referentes a 2007 e a sua fonte é a ANACOM. > Os impostos pagos foram de 466,93 milhões de euros > Os subsídios recebidos foram de 1,044 milhões de euros > Os pagamentos relacionados com benefícios de reforma foram de 196,80 milhões de euros > A satisfação dos clientes evoluiu de forma positiva, aumentando 2,82% > As receitas em Portugal aumentaram em cerca de 1% > As receitas totais do Grupo aumentaram em 9,53% > O rácio de investigação e desenvolvimento (I&D) da Portugal Telecom sobre os seus resultados líquidos foi de 20,2% > A distribuição de riqueza a fornecedores aumentou cerca de 17%, totalizando milhões de euros 14

17 Eco-eficiência da PT Consumo de energia / volume de vendas _ 0, GJ > Por cada euro de receitas operacionais a PT regista um consumo de 0, GJ de energia, um aumento de 7,8% em relação ao período anterior. Emissões de CO2/ volume de vendas _ 0,005 kg > Por cada euro de receitas operacionais a PT emite 0,005 kg de CO2, o que implica um aumento do consumo de CO2 por volume de vendas de 12,1%. Consumo de água / volume de vendas _ 0,07 l > Por cada euro de receitas operacionais a PT regista um consumo de 0,07 litros de água, uma diminuição de cerca de 1,3%. Produção de resíduos / volume de vendas _ 1,01 g > Por cada euro de receitas operacionais a PT produz 1,01 g de resíduos, uma diminuição de 14% na produção de resíduos. Consumo de materiais / volume de vendas _ 4,09 g > Por cada euro de receitas operacionais a PT consome 4,09 g de materiais, uma diminuição de cerca de 1% relativamente ao consumo de materiais por volume de vendas do ano transacto. A contribuição para a sociedade > Contributo para a empregabilidade em Portugal 0,2%. > Investimento na comunidade sobre o resultado líquido registou um aumento de 45%, distribuindo a PT, em 2008, 0,89% do seu resultado líquido à comunidade. > Investimento na sociedade de informação sobre o resultado líquido 34%. > Utilizadores de banda larga PT / Total de utilizadores de banda larga 40,3%. > Salário mais baixo da PT / Salário mínimo nacional 1,06. Este valor é representativo apenas de cerca de 10 colaboradores da PT PRO, auferindo os restantes colaboradores da PT um salário bastante acima do salário mínimo. A contribuição das participadas para o desenvolvimento económico do seu respectivo país As empresas participadas da Portugal Telecom possuem uma elevada responsabilidade no desenvolvimento sustentável do seu respectivo país. Por tal importa perceber qual o seu impacte económico na criação de riqueza para o país onde opera. Embora os mercados sejam bastante diferentes, podemos facilmente perceber que todas as empresas possuem elevada responsabilidade na criação de riqueza do seu país e na dinamização do sector, como alavanca da produtividade dos mercados onde estão inseridos. Receitas da empresa / Produto Interno Bruto do país Médi Télécom 1,05% Unitel 4,51% MTC 2,91% CVT 9,69% CTM 2,92% CST 5,12% Timor 10,86% Vivo 0,58% Os dados referentes ao PIB são informação do Banco Mundial, referente ao PIB de 2007, e a receita da empresa é referente a

18 Resumo do ano Distribuição de dividendos a accionistas 47,5 47,5 57,5 Gerar valor para os accionistas Receitas operacionais 6.734,3 milhões Custos operacionais 4.291,4 milhões EBITDA 2.442,9 milhões Resultado líquido 581,5 milhões Taxa de crescimento de receitas 9,5% Taxa de crescimento dos custos operacionais 13,1% Taxa de crescimento do resultado líquido -21,6% Taxa de crescimento do EBITDA 8,6% Clientes no centro da organização Presença em 14 países e 4 continentes Clientes (milhões) Dividendo por acção (cêntimos de euro) Clientes por região Portugal 16% África 20% Brasil 64% Satisfação dos clientes 7,1 7, Amostras proporcionais ao universo de clientes por serviço Nº médio de reclamações reduziu 23% entre o 1º e 2º semestre a nível nacional Índice de satisfação médio dos clientes (escala de 1 a 10) , , ,3 Wikicare, espaço online onde os clientes podem fazer sugestões sobre o Serviço de Apoio ao Cliente que gostariam de ter (lançado em 2008) > 2008 registou 40 mil logins, cerca de 70 mil pageviews e 400 sugestões, das quais a esmagadora maioria foi implementada. 16

19 Inclusão e literacia digital Investimento em projectos dinamizadores da sociedade de informação, inclusão e literacia digital mais de 200 milhões euros e-escola O programa distribuiu, até ao final do ano, computadores (70% da TMN) Taxa de penetração de banda larga móvel Média da Europa 3,9% Média em Portugal 6,9% > Programa nacional de distribuição de computadores portáteis com banda larga móvel a alunos e professores e a um preço simbólico. O sucesso da iniciativa extravasou as fronteiras nacionais, tendo sido premiado com o Best European Project Award, da Toshiba, e apresentado por Bill Gates a líderes de diversas nações como melhor prática a implementar noutros países. e-escolinha > A TMN prepara agora o lançamento do e-escolinhas, programa cujo objectivo passa pela distribuição de 500 mil computadores Magalhães, de fabrico nacional, ao ensino primário. Conectividade do sistema de ensino em Portugal Durante o ano completámos 100 escolas a 100 Mbps > A PT tem em desenvolvimento a instalação de local area networks em mais de escolas com fornecimento de equipamento e cobertura wireless e ainda o lançamento de uma wide area network, ligando mais de escolas e 19 ministérios, com uma velocidade até 64 Mbps Rede de saúde digital Primeiro Centro de Saúde do Futuro utentes beneficiados Marcação de consultas on-line, consultas e historial do doente on-line > A PT desenvolveu ao longo do ano o primeiro Centro de Saúde do Futuro, com protótipo em São Julião, Figueira da Foz. Graças à modernização tecnológica desta unidade, os seus utentes passaram a ter acesso a um serviço mais eficiente e de maior qualidade, assim como a um conjunto de funcionalidades inovadoras, disponíveis on-line. A solução deverá ser replicável noutras zonas do país. Segurança de bens e pessoas O Car Control para combater o car jacking, > Permitirá ao utilizador, através de um simples SMS, localizar a viatura, bloquear e desbloquear remotamente a ignição e receber alarmes de naturezas diversas (intrusão, reboque de viatura, falta de bateria, etc.). 17

20 Resumo do ano Inovação e renovação de oferta de serviços Números do investimento em inovação e renovação de oferta de serviços: > Investimento em Portugal (Capex) 646,4 milhões de euros > Investimento total (Capex) 1.242,3 milhões de euros > Capex em % das receitas operacionais 18,4% > Investigação e desenvolvimento 150 milhões de euros de investimento na Portugal Telecom TDT Vencemos o concurso da Televisão Digital Terrestre, tanto para canais gratuitos como para canais pagos, dando um passo importante na implementação da estratégia multiplataforma de TV por subscrição. Convergência fixo móvel: Office Box Mais de 8000 postos de trabalho já instalados em Portugal. A solução Office Box da PT é única a nível europeu, disponibilizando num só pacote serviços de voz fixa e móvel, conectividade de banda larga fixa e móvel, hardware de última geração e um serviço de suporte integrado. Meo para todos os portugueses Com o meo Satélite, a televisão do futuro chegou a casa de todos os portugueses. A PT lançou a oferta comercial do meo Satélite e, para adesões até 31 de Maio, ofereceu as mensalidades do serviço de televisão até 31 de Agosto de 2008, bem como outras vantagens. TMN lança banda larga móvel pré-paga A TMN lançou a primeira banda larga móvel pré-paga, pronta a navegar, sem mensalidades e carregamentos obrigatórios. Pela primeira vez em Portugal, os clientes da TMN tiveram possibilidade de aceder à internet da banda larga móvel sem compromissos e a pagar só o que consumirem. Music Box e Contacto Disponível A evolução do portfolio de produtos e serviços de banda larga, quer fixa, quer móvel, garantiram a diferenciação face à concorrência. Multimédia IP Serviços e aplicações context awareness de suporte aos futuros ambientes de multimédia IP. Mobile TV Desenvolvimento de soluções de content delivery e interactividade para plataformas de mobile TV. Electrónica de consumo doméstico Connected home systems e a sua integração com equipamentos domésticos. 18

21 Interacção com conteúdos multimédia Investigação e experimentação de spatial motion recognition de suporte a novas formas de interacção, de forma física, fácil e imersiva. Sistemas de tecnologias ópticas para a rede Estudo e desenvolvimento, com especial enfoque em soluções GPON de baixo custo. Carnegie Mellon University Portugal No âmbito do envolvimento activo no programa, a Portugal Telecom não só apoiou a participação de diversos alunos nos programas Professional Masters e Doutoral, como também recebeu os alunos que terminaram a 1ª edição do programa, reforçando a aposta na captação de jovens talentos em áreas tecnológicas e na inovação. Neste contexto, desenvolveram-se projectos de investigação aplicada nas seguintes áreas: > Operational information intelligence > Design and optimization of triple-play infrastructures for converged Networks > Anti-phishing e cybersecurity > Hospital do Futuro > Usabilidade do portal web do serviço meo > Segmentação geográfica em redes de nova geração. Captação e retenção de talento Números do investimento em captação e retenção de talento na PT: > Custos e investimentos com os colaboradores 616,6 1 milhões de euros > Custos e investimentos com os colaboradores em percentagem das receitas operacionais 9,1%. Trainees candidaturas 152 seleccionados O programa de trainees captação, preparação e selecção de talento contou com mais de candidaturas de alunos provenientes das melhores escolas portuguesas das áreas de engenharia, gestão e ciências sociais. PT lança programa é Seguro Prevenção, segurança e saúde no trabalho: o é Seguro é um programa composto por um conjunto de iniciativas associadas ao tema e que teve como objectivo marcar o início de uma nova atitude e cultura assentes num compromisso de co-responsabilização, colaboração e participação responsável de todos os colaboradores do grupo. Programa Crescer 400 bolsas de estudo, 14 prémios de excelência e 27 menções honrosas foram atribuídas em 2008 para apoiar o desenvolvimento de competências individuais e reconhecer o mérito dos filhos dos colaboradores, fomentando o espírito de excelência académica. 1 O Investimento com os colaboradores corresponde aos custos com colaboradores consolidados 19

22 Resumo do ano Bebé PT 99 bébes Para celebrar o nascimento dos filhos dos colaboradores, foram entregues kits bebé no domicílio dos colaboradores. Esta acção abrangeu um total de 99 bebés. Acções de formação para colaboradores PT em Portugal 5196 Nível académico dos colaboradores Básico 18% Secundário 36% Superior 46% Certificação de competências em colaboradores em processo de reconhecimento 300 certificados durante o ano Através do Processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências (RVCC), os colaboradores podem assumir o desafio da qualificação. Este é o instrumento essencial do programa e permite que sejam reconhecidas as aprendizagens, competências e conhecimentos adquiridos ao longo da vida. Dirigido a colaboradores com idade igual ou superior a 18 anos, o RVCC caracteriza-se por ser um processo mais ágil e rápido do que o ensino recorrente. Os colaboradores PT que não terminaram o ensino básico e secundário têm assim uma nova possibilidade de o fazer. Este processo é desenvolvido em Centros de Novas Oportunidades (CNO) com equipas de profissionais que actuam no sentido de reconhecer, validar e certificar competências. Pode ser iniciado em qualquer altura do ano, com um horário a ser acordado entre o colaborador, a PT e o CNO. Bookpoint 5500 títulos requisitados. Espaço PT, com 2000 títulos bibliográficos e 6 quiosques multimédia. Certificação na OSHAS Renovação da certificação em higiene, saúde e segurança, OSHAS 18001, em todas as empresas do Grupo Eficiência energética, redução de emissões e gestão ambiental Renovação da certificação ambiental ISO para todas as empresas do Grupo Portugal Telecom em Portugal Custos e investimentos na eficiência energética, redução de emissões e gestão ambiental Consumo de energia (Gjoules)

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal

Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal 1 Redução da pegada carbónica dos clientes da PT Portugal As alterações verificadas no comportamento dos consumidores, consequência dos novos padrões

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010

PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom. 17 de Junho de 2010 PT Compras: Central de Negociação e Compras da Portugal Telecom 17 de Junho de 2010 Agenda Missão e História da PT Compras Centralização da Função Compras Modelo de Compras da Portugal Telecom Um Modelo

Leia mais

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case

Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado. Business Case Comunicação institucional clara, rigorosa e transparente com o mercado Business Case 2013 AGENDA ENQUADRAMENTO COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL CLARA, RIGOROSA E TRANSPARENTE COM O MERCADO ENQUADRAMENTO Na economia

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira

1. Objectivos do Observatório da Inclusão Financeira Inclusão Financeira Inclusão Financeira Ao longo da última década, Angola tem dado importantes passos na construção dos pilares que hoje sustentam o caminho do desenvolvimento económico, melhoria das

Leia mais

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética

EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética EDP Renováveis, S.A. Regulamento do Código de Ética 1. Objecto e Âmbito do Regulamento O presente regulamento foi adoptado pelo Conselho Geral e de Supervisão (CGS) e pelo Conselho de Administração Executivo

Leia mais

Operador global centrado na sustentabilidade

Operador global centrado na sustentabilidade Operador global centrado na sustentabilidade Francisco Nunes, Administrador PT Portugal Lisboa, 8 maio 2012 CONFIDENCIAL A utilização deste documento, para quaisquer fins, sem autorização expressa da Portugal

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações

Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Contributo do Balanced Scorecard para Competitividade Sustentável das Organizações Rita Almeida Dias 18 Setembro de 2012 2012 Sustentare Todos os direitos reservados Anterior Próximo www.sustentare.pt

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Preâmbulo Considerando que, constituem objectivos do CRÉDITO AGRÍCOLA, enquanto Entidade Promotora: - Promover iniciativas empresariais inovadoras e conciliadoras com sinergias

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE Os Amigos do Cáster em parceria com a Câmara Municipal de Ovar criam o PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE, inserido no âmbito do Programa Integrado de

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP

Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP 12 de Outubro 2005 Reportar o desempenho de sustentabilidade de uma empresa: O caso EDP Neves de Carvalho EDP Energias de Portugal SA Existe globalmente uma crise de credibilidade nas instituições que

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS

ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS ESPOSENDE PACTO DE AUTARCAS Novembro de 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE ESPOSENDE ESPOSENDE AMBIENTE, EEM OBJECTIVOS DE COMBATE ÀS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Até ao ano de 2020, Aumentar em 20% a eficiência energética

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012

Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012 Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012 Finantia S.G.F.T.C., S.A. Rua General Firmino Miguel, nº 5 1º 1600-100 Lisboa Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e Pessoa Colectiva nº

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie

ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie ConselhoCientíficodoLNEGCo nselhocientíficodolnegconsel hocientíficodolnegconselho CientíficodoLNEGConselhoCie RELATÓRIO DE ACTIVIDADES ntíficodolnegconselhocientífi Científico 2011 12/31/2011 codolnegconselhocientíficod

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias:

Introdução. O Júri seleccionará cinco organizações para cada uma das seguintes categorias: REGULAMENTO Introdução O Prémio Healthy Workplaces - Locais de Trabalho Saudáveis pretende reconhecer e distinguir as organizações portuguesas com contributos notáveis e inovadores para a segurança, o

Leia mais

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES

Recomendações para Empresas e Grupos Empresariais Familiares RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES RECOMENDAÇÕES PARA EMPRESAS E GRUPOS EMPRESARIAIS FAMILIARES 2014 1 RELATÓRIO FINAL 1. Objectivos do Grupo de Trabalho 1.1. Caracterizar as Empresas Familiares, em termos da sua definição, especificidades

Leia mais

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação)

Capítulo I Denominação, sede e objecto. Artigo 1º. (Firma e sede) Artigo 2º. (Agências, filiais, delegações e outras formas de representação) Capítulo I Denominação, sede e objecto Artigo 1º (Firma e sede) 1 - A sociedade adopta a firma de APOR - Agência para a Modernização do Porto, S.A. e tem a sua sede na Rua Justino Teixeira, nº 861, 4300-281

Leia mais

Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas

Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas 1 Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas O lançamento do portefólio Eco veio abrandar a tendência de redução de receitas e pelo terceiro

Leia mais

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT

Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT Mais valias dos Relatórios de Sustentabilidade Um contributo da PT A Responsabilidade Social Corporativa no Contexto da Internacionalização Abril, 2014 AGENDA QUEM SOMOS SUSTENTABILIDADE A IMPORTÂNCIA

Leia mais

Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade _ 2007

Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade _ 2007 Portugal Telecom Relatório de sustentabilidade _ 2007 Este relatório refere-se ao Grupo Portugal Telecom em Portugal, sendo que os dados de carácter económico, social e ambiental apresentados resultam

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation

Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Factura Electrónica by Carlos Costa Tavares Executive Manager da Score Innovation Desafios da Facturação Electrónica A facturação electrónica (e-invoicing) poderá fazer parte das iniciativas emblemáticas

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O CHC, E.P.E. rege-se pelo regime jurídico aplicável às entidades públicas empresariais, com as especificidades previstas

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS

CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS CARTA EUROPEIA DAS PEQUENAS EMPRESAS As pequenas empresas são a espinha dorsal da economia europeia, constituindo uma fonte significativa de emprego e um terreno fértil para o surgimento de ideias empreendedoras.

Leia mais

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional 1024036 - PROFIFORMA, GABINETE DE CONSULTADORIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, LDA Missão É missão do CQEP Profiforma: -

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1.

Índice. rota 3. Enquadramento e benefícios 6. Comunicação Ética 8. Ética nos Negócios 11. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13. Percurso 1. rota 3 CLIENTES Rota 3 Índice Enquadramento e benefícios 6 Percurso 1. Comunicação Ética 8 Percurso 2. Ética nos Negócios 11 Percurso 3. Promoção para o Desenvolvimento Sustentável 13 responsabilidade

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA

GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA GRUPO SAG CÓDIGO DE CONDUTA 1. Preâmbulo O perfil das empresas e a sua imagem estão cada vez mais interligados não só com o desempenho económico e financeiro, mas também com o quadro de valores, princípios

Leia mais

Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças. Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco,

Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças. Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco, Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco, Exmos. Senhores Presidentes e demais membros dos Conselhos de Administração e das

Leia mais

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Descentralização da rede de call centres Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Francisco Cesário PT Contact A PT CONTACT A PT Contact, Empresa do grupo Portugal Telecom,

Leia mais

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos Plano Tecnológico da Educação Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos 23 de Jun de 2008 O Plano Tecnológico da Educação constitui-se como um poderoso meio

Leia mais

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

Auditoria Sistemática

Auditoria Sistemática ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Auditoria Sistemática Resumo do Relatório da Inspecção Geral do MCTES 18.Novembro.2010 Índice INTRODUÇÃO... 3 CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE DOS PROCEDIMENTOS...

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas

Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Estrutura do Plano de Acção de Energia e Sustentabilidade - Pacto dos Autarcas Cascais, 26 de Agosto de 2010 1 P á g i n a ÍNDICE 1.ENQUADRAMENTO... 1 2.METAS E OBJECTIVOS... 2 3.MEDIDAS A IMPLEMENTAR...

Leia mais

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

REGULAMENTO. 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH. 12 de Março de 2014 Centro de Congressos do Estoril REGULAMENTO DISPOSIÇÕES GERAIS 1) Os Masters do Capital Humano são uma iniciativa do Grupo IFE e do Salão Profissional de Recursos Humanos - EXPO RH.

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Case study. LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA

Case study. LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA Case study 2010 LX Sustentável BLOGUE SOBRE SUSTENTABILIDADE URBANA EMPRESA A Siemens está em Portugal há 105 anos, sendo líder nos seus sectores de Indústria, Energia e Saúde. Com cerca de 2 mil colaboradores,

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Sociedade. Governo. Portugal Telecom. Negócio Fixo Negócio Móvel Negócios Negócios Empresas Portugal Portugal Multimédia Internacionais Instrumentais

Sociedade. Governo. Portugal Telecom. Negócio Fixo Negócio Móvel Negócios Negócios Empresas Portugal Portugal Multimédia Internacionais Instrumentais Face à crescente importância e complexide dos assuntos relativos à divulgação de informação sobre o Societário, o Grupo PT apresenta em anexo a este relatório, mas como sua parte integrante, o Relatório

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas

Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Regulamento da CMVM n.º 1/2010 Governo das Sociedades Cotadas As alterações normativas recentes, quer a nível interno, quer a nível

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001)

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE. (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal, realizada em 21 de Novembro de 2001) REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE (Aprovado na 23ª Reunião

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA

APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA APRESENTAÇÃO DO GRUPO INCENTEA Quem Somos Somos um grupo de empresas de prestação de serviços profissionais nas áreas das Tecnologias de Informação, Comunicação e Gestão. Estamos presente em Portugal,

Leia mais

Governo societário de Sistemas de Informação

Governo societário de Sistemas de Informação Governo societário de Sistemas de Proposta de princípios e recomendações para o governo societário de Sistemas de «Governo do Sistema de : O conjunto de práticas relativas à tomada de decisões políticas

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ESTRATÉGIA E PERFORMANCE ÍNDICE Artigo 1.º Instituição

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DE 17 DE ABRIL DE 2012

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DE 17 DE ABRIL DE 2012 PONTO UM DA ORDEM DE TRABALHOS: O Conselho de Administração propõe aos Senhores Accionistas: Apreciar, discutir e votar o Relatório de Gestão, o Balanço, as Demonstrações de Resultados, a Demonstração

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA IDENTIFICAÇÃO Data da auditoria 23-02-2015 24-02-2015 Organização Morada Sede Representante da Organização Câmara Municipal de Santa Maria da Feira - Biblioteca Municipal Av. Dr. Belchior Cardoso da Costa

Leia mais

Liderança Empresarial A crise como alavanca de oportunidades. AEP Março.2012

Liderança Empresarial A crise como alavanca de oportunidades. AEP Março.2012 Liderança Empresarial A crise como alavanca de oportunidades AEP Março.2012 1/ Perfil Em busca da Excelência Missão Inovar com qualidade 1/ Perfil Trabalhamos diariamente no desenvolvimento de soluções

Leia mais

Regulamento do Green Project Awards

Regulamento do Green Project Awards Regulamento do Green Project Awards A GCI em parceria com a Agência Portuguesa do Ambiente e a Quercus Associação Nacional de Conservação da Natureza, institui um Prémio de reconhecimento de boas práticas

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ORGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E FISCALIZAÇÃO 1. Objectivos da Política de Remuneração dos órgãos de administração e fiscalização da Companhia de Seguros Açoreana, SA (

Leia mais