AVALIAÇÃO DE DADOS DE PRONTUÁRIOS DO MÓDULO URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DE DADOS DE PRONTUÁRIOS DO MÓDULO URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DE DADOS DE PRONTUÁRIOS DO MÓDULO URGÊNCIA E EMERGÊNCIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Resumo Jeanne Silveira Dall aglio * Zênite Martins ** O prontuário do paciente, também denominado prontuário médico, é um elemento fundamental ao bom atendimento e um instrumento de educação permanente e de pesquisa. Este artigo tem como objetivo avaliar os primeiros 8 meses de uso do Prontuário Eletrônico ALERT EDIS no Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia. Foi avaliada uma amostra de 1226 prontuários de pacientes atendidos na Pediatria (27,41%), Ginecologia Obstetrícia (25,69%), Clínica Médica (17,62%), na Cirurgia Geral (12,8%) e os restante em outras especialidades. Em 95% dos prontuários havia inserção de responsável e em 100% de inserção de diagnóstico, e em somente 0,32% não havia anamnese e informação da causa externa (quando pertinente). Em 9,54% dos prontuários não havia evolução e em 31% os resultados de exames solicitados não estavam descritos. Em 42,22 dos prontuários da Ginecologia Obstetrícia, em 37,58% da Cirurgia e 6,48% na Pediatria e Clínica Médica o diagnóstico não estava de acordo com a história. Considerado como um todo, o prontuário apresenta boa completude na maioria dos itens avaliados (menos de 10% de ausência). O prontuário eletrônico com preenchimento compulsório de campos é de grande valia para a qualidade do prontuário, com benefícios para a assistência, ensino e pesquisa. Palavras-chave: Prontuário Eletrônico. Hospital Universitário. Arquivologia. 1. INTRODUÇÃO A Resolução 1638/2002 do Conselho Federal de Medicina (2002) define prontuário médico como o documento único constituído de um conjunto de informações, sinais e imagens registradas, geradas a partir de fatos, acontecimentos e situações sobre a saúde do paciente e a assistência a ele prestada, de caráter legal, sigiloso e científico, que possibilita a comunicação entre membros da equipe multiprofissional e a continuidade da assistência prestada ao indivíduo. Os hospitais universitários, de ensino ou escola, fazem parte do nível de maior complexidade do Sistema Único de Saúde e também por essa condição o esperado é que disponham de prontuário do paciente de melhor qualificação. Nesses hospitais, o prontuário mesmo os modelos em formato tradicional ou suporte em papel é especialmente útil, porque * Médica, Cirurgiã Geral, Mestre em Clínica Médica, Universidade Federal de Uberlândia. ** Arquivista, Especialista em Educação e Ensino de História, Especialista em Organização e Administração de Arquivos, Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade Católica de Uberlândia.

2 nessas unidades, além das atividades de assistência, há atividades de ensino e pesquisa. A atividade em ensino é ampla, incluindo cursos de graduação e de pós-graduação das ciências da saúde, a educação permanente e aquela dirigida aos pacientes e à comunidade, bem como o treinamento de pessoal de nível médio e auxiliar (SILVA E TAVARES NETO, 2007). O Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia (HCU UFU) é uma unidade hospitalar que pertence à Universidade Federal de Uberlândia e integra a rede de hospitais Universitários do Ministério da Educação e Cultura (MEC). É uma instituição pública e universitária, totalmente destinada à pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) e sua mantenedora é a Fundação de Assistência, Estudo e Pesquisa de Uberlândia FAEPU. Foi construído em 1970 em uma área de 2.300m², e contava com 27 leitos de enfermaria. Atualmente compreende uma área de ,64m², conta com 510 leitos de enfermaria, destes, 38 destinados às Unidades de Terapia Intensiva. Credenciado desde 2003 como hospital de alta complexidade, presta atendimento em variadas especialidades, sendo referência pólo Macrorregional para 30 município da Região Triângulo Norte. Oferece campo para o ensino e a pesquisa dos cursos de medicina, ciências biológicas, odontologia, enfermagem, psicologia, biometria, educação física, cursos técnicos de enfermagem, anatomia patológica, prótese dentária, higiene dental e outros cursos relacionados à saúde.gradativamente vem se modernizando, caminhando para a implantação do Prontuário Eletrônico. Até 2010 o prontuário utilizado no HCU UFU era somente em suporte papel, preenchido manualmente (UFU, 2010). Desde 2008 foi implantada a prescrição eletrônica como passo inicial para implantação do Prontuário Eletrônico, através do Sistema de Informação Hospitalar (SIH). O Prontuário Eletrônico pode ser definido como um registro clínico e administrativo informatizado da saúde e doença do paciente desde seu nascimento até sua morte, dentro de um sistema utilizado para apoiar os usuários, disponibilizando acesso a um completo conjunto de dados corretos, alertas e sistemas de apoio à decisão. Deve conter informações como: dados pessoais, histórico familiar, doenças anteriores, hábitos de vida, alergias, imunizações, medicamentos que faz uso, dentre outros. Os fatores clínicos que impulsionaram a implementação de um Prontuário Eletrônico foram: possibilidade de compartilhar informações, melhoria da qualidade da assistência, aumento da eficiência de processos clínicos e redução de erros médicos (SALVADOR, 2005). Inúmeras são as vantagens do prontuário eletrônico: acesso mais veloz às informações do paciente, disponibilidade remota, uso simultâneo das informações, legibilidade absoluta, eliminação de redundância de pedido de exames, integração com outros sistemas de 2

3 informação, processo contínuo dos dados evitando o envio do prontuário papel para vários setores para processamento da informação contida, diminuição de custos, padronização dos dados e facilidade de pesquisas nos prontuários para o paciente e para fins científicos. A informatização permite avaliação imediata através de gráficos, análises estatísticas, que demanda trabalho e tempo nos prontuários em suporte papel. Há desvantagens do prontuário eletrônico: custo alto de implantação com aquisição de hardware, softwares e computadores, resistência ao treinamento e uso de sistemas informatizados, falhas e lentidão no sistema, dificuldade de uso por complexidade do sistema implantado, disponibilidade simultânea das informações levando à banalização do acesso e quebra do sigilo médico (CFM, 2007). No caso de prontuário em suporte papel há uma maior dificuldade de acesso às informações, ao contrário do sistema informatizado, em que todo usuário registrado no sistema pode acessar a qualquer momento informações de pacientes, seja dentro da Instituição de Saúde ou em qualquer computador com acesso à Internet,mesmo que estes pacientes não estejam sob seus cuidados ou que não haja benefício nenhum para este paciente. A quebra do sigilo decorrente desta facilidade de acesso pode levar a demandas legais, prevista em lei (Presidência da República, 1991) O Conselho Federal de Medicina reconhece a importância do uso de sistemas informatizados para a guarda e manuseio de prontuários de pacientes e para o compartilhamento de informação em saúde, bem como a digitalização dos prontuários em papel, como instrumento de modernização, com conseqüente melhoria no atendimento ao paciente (CFM, 2007). Nesta mesma resolução o CFM estabelece normas para a certificação digital e da necessidade de se garantir o nível de segurança 2, através da instituição das Chaves Públicas Brasileiras e posteriormente com a Certificação Digital pelo próprio CFM. O disposto no Manual de Certificação para Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde, elaborado, conforme convênio, pelo Conselho Federal de Medicina e Sociedade Brasileira de Informática em Saúde garante que, para eliminar o papel, os sistemas informatizados para guarda e manuseio de prontuários de pacientes, atendam integralmente aos requisitos do Nível de garantia de segurança 2 (NGS2). Considerando benefícios maiores que desvantagens, em 04 de maio 2010 foi implantado no HCU UFU o ALERT EDIS (ALERT, 2010), versão , modelo de prontuário eletrônico de origem português, módulo atendimento de urgência em atendimento a Convênio firmado com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES). Todas as Clínicas de atendimento de Urgência, isto é, Cirurgia Geral, Clínica Médica, Pediatria, Ginecologia Obstetrícia e Ortopedia com suas respectivas sub especialidades assim como a 3

4 Odontologia foram contemplados na implantação do ALERT EDIS. Houve treinamento para utilização do sistema, durante um mês, ministrado por profissionais do ALERT, com resultado de comparecimento de 85% da enfermagem, 59% do pessoal administrativo, 28% dos técnicos em radiologia e 51% dos médicos, entre docentes, administrativos, residentes e alunos. Após o treinamento inicial houve presença por mais um mês de profissional do ALERT para treinamento in job, e também treinamento de alunos de medicina para atuarem como monitores (informações obtidas em documentos consultados na Direção do HCU UFU). O ALERT é um modelo de prontuário eletrônico para ser "paper-free" (ALERT, 2011), isto é, sem suporte papel, mas não foi implantado com todos os recursos disponíveis no HCU UFU e nem é certificado pelo CFM ou pela Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS). Em decorrência da não implantação de outros módulos e a falta da certificação, as fichas de atendimento do Pronto Socorro ainda estão sendo impressas, pois o módulo fornecido pela SES não contempla faturamento e codificação pelo Código Internacional de Doenças Décima Revisão (CID-10), e após atendimento do paciente e preenchimento, estas fichas seguem para o Setor de Faturamento (SEFAT) e o Setor de Nosologia (SENOS) para estes dois serviços, faturamento e codificação, e depois arquivadas no Setor de Arquivo Médico (SAME). Além disso, o sistema ALERT não possui Certificação Digital pelo CFM e pela SBIS e por isso as fichas tem que ser impressas e armazenadas como suporte papel, já que este sistema tem Nível de Segurança 1, obrigando então à manutenção do prontuário em suporte papel. As informações obtidas no prontuário suporte papel são processadas pelo Sistema de Informação Hospitalar (SIH), que é um Sistema informatizado criado pelo próprio Hospital com o fim de gerenciar as informações geradas, e que foi implantado em 1999 (informação pessoal do Sr. Lúcio Alvarenga, funcionário do Núcleo de Processamento de Dados, NUPRO, em 01/06/2011). Tanto no suporte papel quando em prontuários eletrônicos, a qualidade das informações prestadas é fundamental, já que esse prontuário é de propriedade do paciente (CFM-DF, 2006) e toda documentação referente ao atendimento prestado ao assistido pertence a este, servindo a ele, à assistência e à pesquisa, e que a precisão das informações é direito do paciente e dever daqueles que incluem informações no prontuário (CFM, 2009). As instituições têm o dever de guarda destes prontuários (CFM, 2002) e a Comissão de Revisão de Prontuários destas instituições tem a responsabilidade de observar os itens que 4

5 deverão constar obrigatoriamente do prontuário confeccionado em qualquer suporte, eletrônico ou papel. No SAME do HCU UFU há uma revisão sistemática e organização dos prontuários dos pacientes que vêm do módulo internação, feita pelos técnicos do setor, com revisão de em torno de prontuário por mês, com o objetivo de avaliar formulários obrigatórios dentro de cada envelope onde fica armazenado o prontuário do paciente e organizar em ordem cronológica e segundo protocolo próprio. Há revisão também de prontuários que vêm do módulo ambulatório (especialmente de pacientes crônicos, com prontuários volumosos e com consultas freqüentes), organizando as folhas de consulta em cadernos por especialidade, e aquelas especialidades que contém muitos atendimentos, é feito uma organização anexando exames por ordem cronológica. A Comissão de Revisão de Prontuários do HCU UFU tem como meta a revisão de 10% de todos os prontuários arquivados nas dependências do SAME, com o objetivo de cumprir legislação específica e de melhorar a qualidade destes documentos (CRPM, 2007). O número de entradas no Pronto Socorro do HCU UFU é em torno de 5800 consultas mensais, média de 190 consultas dia (informação obtida através do SIH). A avaliação, por profissional médico ou outro profissional da área da saúde, das folhas impressas de pacientes atendidos no sistema ALERT EDIS, vindas dos módulos Urgência e Emergência, dos itens preenchidos pelos médicos, ainda não havia sido feita por ser um tipo de prontuário implantado recentemente. É infração à ética não anotar, no prontuário, todos os procedimentos decorrentes da assistência ao doente, segundo o Código de Ética Médica, art. 69, capítulo V (CFM, 2002), e traz grande prejuízo quando da necessidade do paciente de cópias de seu prontuário, além de impossibilitar estatísticas fidedignas, seguimento do paciente e pesquisas. 2. OBJETIVO Avaliar, após oito meses de implantação do sistema ALERT EDIS, a ausência de itens a serem preenchidos pelos médicos, considerados obrigatórios pelo CFM, nos prontuários de pacientes atendidos no Pronto Socorro do HCU UFU cuja ficha foi preenchida pelo Sistema ALERT EDIS. 5

6 3. JUSTIFICATIVA O prontuário e seus respectivos dados pertencem ao paciente e devem estar permanentemente disponíveis, com anotações corretas e completas, de modo que quando solicitado por ele ou seu representante legal permita o fornecimento de cópias autênticas das informações pertinentes. A revisão dos prontuários, função da Comissão de Revisão de Prontuários, tem o objetivo de manter esses documentos fidedignos, através da detecção de incorreções e solicitação das correções. Esse trabalho se justifica por objetivar revisar prontuários e fornecer dados à Comissão de Revisão de Prontuários que permitam engendrar ações de aprimoramento do armazenamento das informações de prontuários médicos do HCU UFU. 4. METODOLOGIA Foi estudada uma amostra de fichas preenchidas no Sistema ALERT EDIS, impressas e enviadas ao Setor de Informação Hospitalar, amostra de conveniência, captada após codificação no SENOS do HCU UFU. Captamos prontuários disponíveis neste Setor com datas de atendimento de 16 a 26 de dezembro de 2010 e 16 a 26 de janeiro de 2011, num total de 1226 prontuários. Foram estudados em cada ficha: número de prontuário, clínica onde foi preenchido, especialidade do médico que preencheu, nome e número de inscrição no Conselho Regional de Medicina (CRM) do profissional responsável pelo preenchimento, anamnese, evolução, exames solicitados, se há relato dos resultados dos exames solicitados, diagnóstico de saída, se o atendimento foi motivado por causa externa, se foi relatada esta causa externa, diagnóstico topográfico compatível com a história clínica, diagnóstico final compatível com a história clínica, data do atendimento. Foi considerada anamnese a queixa do paciente, informações sobre história, exame físico e dados pregressos de interesse atual. Por evolução considerou-se qualquer informação sobre melhora, piora, óbito ou manutenção do estado do paciente. As causas externas de lesão, intoxicação e efeito adverso, constituem um eixo de classificação da Classificação Internacional de Doenças, desde sua nona revisão (OMS, 2000), e se referem a violências, agressões e acidentes sofrido por um paciente. Os dados foram coletados em Planilha Excel e avaliados item a item, com a confecção de tabelas. 6

7 5. RESULTADOS Os resultados serão apresentados segundo os itens pesquisados para melhor apreciação Atendimentos por especialidade Tabela 1: Número de atendimentos por especialidade na amostra pesquisada Especialidade Número de atendimentos Porcentagem Cirurgia Geral ,8 Cirurgia Plástica 3 0,24 Cirurgia torácica 2 0,16 Cirurgia Vascular 9 0,73 Clínica Médica ,62 Ginecologia / Obstetrícia ,69 Neurocirurgia 1 0,08 Oftalmologia 6 0,49 Otorrinolaringologia 11 0,89 Pediatria ,41 Psiquiatria 28 2,28 Traumatologia 119 9,71 Urologia 9 0,73 TOTAL 1.226* *Não foram computados pacientes atendidos somente na Triagem ou que evadiram do HCU UFU sem aguardar conclusão do caso Presença do nome e CRM do médico responsável Não é possível inserir dados num prontuário ALERT sem antes inserir nome e senha daquele que está assistindo o paciente. Assim, 100% dos prontuários havia presença de responsável pelo preenchimento, sendo este acadêmico, residente ou médico plantonista. Foi observado em 39 casos (3,18%) ausência de anotação de quem foi o médico residente ou chefe de plantão que discutiu o caso com o acadêmico que atendeu a paciente Anamnese 7

8 Somente quatro prontuários (0,32%) não tinham anotação de queixa principal, história pelo menos sucinta e/ou exame físico Evolução Foram observados os seguintes resultados para a não conformidade ausência de evolução. Por evolução considerou-se qualquer anotação de: melhora ou piora do paciente, se o paciente recebeu alta, foi internado ou morreu. Tabela 2: Número de prontuários que não continham evolução na amostra pesquisada Especialidade Número de prontuários Porcentagem Cirurgia Geral 7 4,45 Cirurgia Plástica 0 0 Cirurgia torácica 0 0 Cirurgia Vascular 0 0 Clínica Médica 40 18,51 Ginecologia / 5 1,59 Obstetrícia Neurocirurgia 0 0 Oftalmologia 0 0 Otorrinolaringologia 3 27,27 Pediatria 29 8,36 Psiquiatria 8 28,57 Traumatologia 21 17,65 Urologia 2 22,22 TOTAL , Exames Em 1226 prontuários, 445 pacientes tiveram exames solicitados, mas 135 (31,10%) destes exames não foram avaliados, ou se foram avaliados, não constam resultados descritos nos prontuários Diagnóstico topográfico 8

9 Foi avaliado se há diagnóstico topográfico adequado, isto é, se o diagnóstico final contempla a área anatômica da doença em avaliação. Foram obtidos os seguintes resultados: Tabela 3. Número de prontuários que não continham diagnóstico topográfico de acordo com a história clínica na amostra estudada. Especialidade Número de prontuários Porcentagem Cirurgia Geral 40 25,48 Cirurgia Plástica 0 0 Cirurgia torácica 0 0 Cirurgia Vascular 2 22,22 Clínica Médica 13 6,02 Ginecologia Obstetrícia 37 11,75 Neurocirurgia 0 0 Oftalmologia 1 16,67 Otorrinolaringologia 1 9,09 Pediatria 11 3,27 Psiquiatria 2 7,14 Traumatologia 9 7,56 Urologia ,44 TOTAL , Diagnóstico compatível O diagnóstico foi considerado compatível quando de acordo com a história clínica. Foram obtidos os seguintes resultados: Tabela 4. Numero de prontuários cujo diagnóstico não era compatível com a história clínica na amostra estudada Especialidade Número de prontuários Porcentagem Cirurgia Geral 59 37,58 Cirurgia Plástica 0 0 Cirurgia torácica 0 0 Cirurgia Vascular 2 22,22 Clínica Médica 14 6,48 9

10 Ginecologia / Obstetrícia ,22 Neurocirurgia 0 0 Oftalmologia 3 50 Otorrinolaringologia 1 9,09 Pediatria ,84 Psiquiatria ,14 Traumatologia ,6 Urologia ,33 TOTAL ,04 Consideramos como diagnósticos não compatíveis aqueles que não contemplavam a queixa do paciente, independente da Clínica onde tenha sido atendido. Na Clínica Cirurgia Geral, o diagnóstico de Politraumatizado foi considerado incompatível quando o paciente apresentava lesão única ou suas lesões não preenchiam os requisitos de Trama Maior. Na Clínica Ginecologia Obstetrícia, foi considerado incompatível o diagnóstico Supervisão de Gestação Normal pacientes que apresentavam Infecção Urinária, Sangramento genital em qualquer data do período gestacional, HAS ou qualquer outro diagnóstico passível de classificação pelo CID-10 (OMS, 2000) Causa externa A informação de causa externa não é contemplada no item diagnóstico na quase totalidade dos prontuários, apesar de ser possível verificar, no conteúdo do prontuário, se o atendimento foi decorrente ou não deste tipo de agravo. Apenas em 4 prontuários (0,32%) não foi possível verificar qual foi a causa externa que motivou o atendimento, isto é, a informação não estava presente na ficha, nem no diagnóstico nem no texto do prontuário. 6. DISCUSSÃO A OMS preconiza itens básicos para Acreditação Hospitalar (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2010) no que tange ao Arquivo Médico de uma Instituição: no Nível 1 é exigido datação das folhas de prontuário, identificação do doentes, assinatura do médico e também os itens investigados no presente trabalho, anamnese, exame físico, evolução, resumo e/ou diagnóstico de alta; no nível 2 é exigida existência de Comissão de Revisão de Prontuários; no nível 3 é exigido existência de protocolos de preenchimento dos prontuários elaborados 10

11 pela Comissão de Revisão de Prontuários e pesquisa de satisfação dos usuários dos registros médico-hospitalares. A qualidade do prontuário é então item fundamental para acreditar um hospital. A completude do prontuário deve ser avaliada regularmente pela Comissão de Revisão de Prontuários, e os desvios corrigidos. Romero & Cunha (2006) avaliaram a qualidade das variáveis do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM), entre elas a completude, medida pela proporção de informação ignorada no preenchimento de determinada variável. Criaram um escore com os seguintes graus de avaliação: excelente (menor de 5%), bom (5%-10%), regular (11%-20%), ruim (21%-50%) e muito ruim (mais de 50%). Por ser uma forma simples e direta de avaliação, utilizaremos estes critérios para avaliar a completude dos prontuários, avaliando porcentual dos itens avaliados presentes nos prontuários, itens estes considerados obrigatórios pelo CFM. Os resultados deste estudo mostram um grande número de atendimentos na Pediatria (27,41%) e Ginecologia Obstetrícia (25,69 %). Os itens Médico responsável e CRM apresentaram completude excelente, com número menor que 5% de ausência de médico responsável inscrito no CRM, mas que consideramos fato grave, já que é infração ética a ausência do responsável pelo atendimento (CFM, 2002). Mesmo que este prontuário tenha sido preenchido por aluno, é necessário que haja supervisão e inserção de médico responsável inscrito no CRM, seja residente ou médico chefe. Apesar dos resultados mostrarem somente 4 fichas sem o item anamnese (0,32% dos prontuários, completude excelente), muitas vezes essa anamnese se resumia na queixa principal. A adequação do preenchimento deste item não foi avaliado no presente trabalho, isto é, se a anamnese está de acordo com o preconizado nos manuais ou não, por não ser objetivo deste trabalho. A ausência em 9,54% dos prontuários do item evolução demonstra um desinteresse médico em informar se o tratamento foi eficaz ou não, dando-se importância maior em registrar a queixa e o tratamento, ficando a anotação da reavaliação após este último, relegada a segundo plano. O excesso de demanda alegado por muitos médicos em serviço público não pode servir de desculpa, no caso, por exemplo, da Clínica Médica, onde a ausência de evolução ocorreu em quase 20% dos casos (completude regular), já que em volume de atendimento esta clínica fica em terceiro lugar (17,62% de todos os atendimentos da amostra), depois da Pediatria e Ginecologia Obstetrícia. Além disso, considerando o HC UFU 11

12 referência de tratamento terciário e a grande complexidade dos problemas dos pacientes típicos desta especialidade, isto é, idosos, ou com múltiplas doenças ou casos graves, deveria estimular os médicos a um cuidado maior na anotação da evolução destes doentes. Apesar disso, considera-se boa a completude quanto a este item quando considerada a amostra como um todo. Na Clínica Traumatologia Ortopedia foi grande a ausência deste item (17,65% dos casos, completude regular), o que pode ser decorrência da característica desta especialidade neste Hospital, já que o Pronto Socorro conta com um residente responsável pelo atendimento do Pronto Socorro e prescrição de todos os casos internados, e também por dois chefes de plantão, que têm que se ausentar muitas vezes do Pronto Socorro para operar os casos urgentes que são atendidos, ficando então o residente sobrecarregado. Apesar desta característica do Serviço, é importante ressaltar que é obrigatória a informação deste item no prontuário, segundo o CFM, que preconiza também que más condições de trabalho devem ser informadas ou denunciadas a este órgão, se esse for o caso. A completude dos prontuários em alguns locais, como em Hospitais avaliados em Belo Horizonte (REGO et als, 2009) varia de 72 a 86%, apesar de ter sido avaliado neste estudo dados da assistência perinatal, e não o prontuário como um todo. Em outras fontes de informação, como avaliação feita por Souza (2011) em fichas de notificação de Doenças de Notificação Compulsória (SINAN), a ausência de itens como anotação de resultado de exames varia de 7,5% para radiografias e 7,06% para histopatológico, em caso de tuberculose. Nas especialidades psiquiatria, otorrinolaringologia, urologia e oftalmologia não se pode concluir com consistência por ser a amostra estudada muito pequena. Com relação à anotação de resultados de exames solicitados a completude foi ruim (68,90% completos), o que se deve provavelmente à disponibilidade destes resultados no SIH, na tela do computador, o que leva o médico a não fazer esta anotação no prontuário do paciente. Um dos benefícios do ALERT EDIS é a impossibilidade de encerrar o caso e proceder à alta do paciente sem informar o diagnóstico, fato este que contrasta com outros locais onde levantamentos mostram ausência de diagnóstico, diagnóstico ilegível ou incoerência de registro em até 12% dos prontuários estudados em prontuários de pacientes atendidos em quatro anos seguidos (LOTUFO E DUARTE, 1987). Ressalta-se que o trabalho citado estudou prontuários em suporte papel, preenchido manualmente, e que a implantação de um sistema de informação naquele local estava em fase incipiente. Por outro lado, estudos feitos completude de prontuários em implantação da forma eletrônica (KLUK ET AL, 2011) mostra que este é um dos grandes benefícios desta forma de prontuário, além da legibilidade. 12

13 Deste modo, considera-se excelente a completude do item presença de diagnóstico nos prontuários avaliados no HCU UFU. Por outro lado, foi grande o número de pacientes (42,22%) que foram atendidos na Ginecologia Obstetrícia que tiveram um diagnóstico genérico, como Supervisão de Gestação Normal ou Gravidez em lugar de contemplar um diagnóstico sindrômico ou dirigido à queixa da paciente, semelhante ao relatado por Lotufo e Duarte (1987). Desta forma, se perde a oportunidade da codificação correta da motivação da consulta da cliente, levando a dificuldades de estatísticas futuras através de pesquisa por diagnóstico e também perdas financeiras para o HCU UFU, já que pacientes com diagnósticos Gestação de Alto Risco, Doença Hipertensiva Específica da Gestação, por exemplo, tem consulta remunerada de forma diferenciada, além de gerar Indicadores que modificam a classificação dos hospitais. Deste levantamento, apresentado à Comissão de Revisão de Prontuários, surgiram ações no sentido de melhorar a qualidade da informação dos registros médicos. Foi proposto como ação inicial enviar memorandos aos médicos que registraram no ALERT prontuários com irregularidades, informando sobre a ciência da Comissão destas irregularidades e solicitando melhora do seu preenchimento, e após três meses reavaliação das fichas preenchidas para avaliação das ações. Foi também solicitado aos médicos que inseriram diagnósticos não totalmente compatíveis com a história clínica do doente reavaliação dos mesmos e se necessário, inserir novo diagnóstico contemplando de forma mais adequada a queixa do doente. Foram feitas reuniões informais com o Coordenador do Departamento de Ginecologia Obstetrícia para orientar os médicos lotados no departamento, residentes e alunos da necessidade da inserção precisa do diagnóstico. 7. CONCLUSÃO A revisão sistemática de registros médicos é necessária para melhorar a qualidade das informações nos prontuários e é exigência legal. As ações tomadas após essas revisões são de grande importância na busca da Acreditação Hospitalar e também para melhoria do prontuário que é disponível nas instituições, tanto para o paciente, como para a assistência e para a pesquisa. A existência do prontuário eletrônico vem ajudar muito esta tarefa, pois a falta de legibilidade deixa de ser um impeditivo, e as informações estão disponíveis de forma remota, com possibilidade de investigação e pesquisa mesmo o pesquisador não tendo acesso ao prontuário em suporte papel. Há necessidade de treinamento repetido não somente pelo aspecto do prontuário eletrônico, mas do prontuário como um todo, pois ainda hoje a equipe 13

14 responsável pelo preenchimento de todas as variáveis do prontuário não tem a completa dimensão do que é um prontuário completo e com elevada qualidade. O prontuário médico do HCU UFU módulo ALERT EDIS pode ser considerado adequado em relação à completude, mas pode ser melhorado no sentido das informações serem mais condizentes com o quadro apresentado pelo paciente durante a consulta. A possibilidade do programa ALERT EDIS ser moldável de acordo com a necessidade da Instituição é uma grande vantagem, pois permite adequar o programa às idiossincrasias locais. A instalação de outros módulos, como faturamento e codificação permitiria o processamento imediato e em tempo real das informações, mas depende de políticas Estaduais, que independem do desejo local. A estruturação do prontuário eletrônico com registro de campos obrigatórios tem potencial inequívoco para melhoria da qualidade das informações contidas no prontuário. É necessário buscar a Certificação Digital para que o suporte papel possa ser eliminado e o espaço ocupado pelos prontuários seja utilizado para assistência ou outros fins determinados pela comunidade. São necessárias ações contínuas e constantes para que a qualidade melhore e permaneça alta, principalmente em Hospital Universitário (onde a rotatividade de alunos residentes é constante) com educação continuada realizada por profissionais com alta resiliência. As Comissões de Revisão de Prontuário Médico e Documentação e Estatística assim como todas as Faculdades que compõe a UFU têm papel relevante nesta missão de aprimoramento da informação contida do prontuário médico do paciente. Referências 120. Arranque do ALERT EDIS do projecto SES/MG no Brasil. ALERT. Disponível em < Acesso em 01/04/2011. COMISSÃO DE REVISÃO DE PRONTUÁRIOS DO HCU UFU. Regimento interno. 19 de janeiro de CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução no.1638/2002, de 10 de julho de Define prontuário médico, responsabilidade médica e criação de Comissão de Revisão de Prontuário Médico. Disponível em <http://www.protalmedico.org.br/resolucoes/dfm/2002/1638_2002.htm> Acesso em 29/03/

15 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Código de Ética Médica. Cap. 10, artigo 1 de 17 de setembro de Disponível em <http://portal.cfm.org.br/index.php?option=com_content&view=category&id=9&itemid=122 >. Acesso em 29/03/2011. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução 1821/2007, de 22 de novembro de Aprova normas técnicas de digitalização do prontuário médico. Disponível em <http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2007/1821_2007.htm.> Acesso em 01/06/2011. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA DO DISTRITO FEDERAL. Prontuário Médico do Paciente. Guia para uso prático. Brasília Disponível em <http://www.crmdf.org.br/sistemas/biblioteca/files/7.pdf> Acesso em 20/03/2011. KLUCK, M. M.; GUIMARÃES, J. R.; CAYE, L.; ZIRBES, S. F. Registro eletrônico do atendimento ambulatorial: consolidando o prontuário eletrônico do paciente no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Disponível em: <http://www.sbis.org.br/cbis/arquivos/713.rtf> Acesso em 25/04/2011. LOTUFO, M.; DUARTE, E. C. Avaliação dos serviços de saúde do Município de Cáceres, MT (Brasil): contribuições à programação local. Revista de Saúde Pública v.21 n. 5. São Paulo Outubro de Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsp/v21n5/08.pdf> Acesso em 20/04/2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual Brasileiro de Acreditação Hospitalar Serviços de Apoio Técnico e de Abastecimento Arquivo Médico. 3a. Edição.Brasília pg 76. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Lei 8159, de 8 de janeiro de Disponível em Acesso em 0206/2011. Acesso em 02/06/2011. REGO, M. A. S.; FRANÇA, E. B.; AFONSO, D. C. C. Avaliação da qualidade da informação do Sistema de Informação Perinatal (SIP-CLAP/OPAS) para monitoramento da assistência perinatal, Belo Horizonte, Revista. Brasileira de Saúde Mater. Infantil, v. 9, n. 3. Recife, Disponível em < Acesso em 25/04/2011. ROMERO, D. E.; CUNHA. C. B. Avaliação da qualidade das variáveis sócio-econômicas e demográficas dos óbitos de crianças menores de um ano registrados no sistema de Informação sobre Mortalidade do Brasil (1996/2001). Cadernos de Saúde Pública, v. 22, n.3, Rio de Janeiro, março de Disponível em: <http://cielo.br/pdf/csp/v22n3/22.pdf> Acesso em 20/04/2011. SALVADOR, V. F. M. ; ALMEIDA FILHO, F. G. V. Aspectos éticos e de Segurança do Prontuário Eletrônico do Paciente. Disponível em <http://www.uel.br/projetos/oicr/pages/arquivos/valeria_farinazzo_aspecto_etico.pdf> Acesso em 01/06/

16 SILVA, F. G.; TAVARES-NETO, J. Avaliação dos Prontuários Médicos de Hospitais de Ensino do Brasil. Revista Brasileira de Educação Médica. Rio de Janeiro, v.31, no. 2. pg , Disponível em <http://scielo.br/pdf/rbem/v31n2/01.pdf> Acesso em 18/03/2011. SOUZA, A. P.; PEREIRA, A. G. L.; ESCOSTEGUY, C. C. Análise da completude, consistência e indicadores epidemiológicos da tuberculose no HSE. Boletim Epidemiológico do HSE/RJ, no Disponível em Acesso em 25/04/2011. UFU. Universidade Federal de Uberlândia. Indicadores de atividades do HCU - UFU

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.638, DE 10 DE JULHO DE 2002 Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. O CONSELHO

Leia mais

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria

Gestão Eletrônica de Documentos na Auditoria 6º Congresso Nacional Unimed de Auditoria em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Búzios-RJ, 17 de junho de 2011 Duke em 1935 2 Slide do Dr. Ed Hammond Duke em 2011

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002

Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Sistemas informatizados para a guarda do prontuário médico - Resolução: 1639 de 10/7/2002 Ementa: Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário

Leia mais

Residência Médica. Equivalência da Residência Médica com Curso de Especialização e Título de Especialista

Residência Médica. Equivalência da Residência Médica com Curso de Especialização e Título de Especialista Residência Médica A Residência Médica foi instituída no Brasil pela Lei nº. 6.932 de 07 de julho de 1981 e regulamentada pelo Decreto nº. 80.281, de 05 de setembro de 1977. Equivalência da Residência Médica

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente

Prontuário Eletrônico do Paciente 10º AUDHOSP - Congresso Nacional de Auditoria em Saúde e Qualidade da Gestão e da Assistência Hospitalar Marcelo Lúcio da Silva Gerente Executivo e de Certificação da SBIS Águas de Lindóia-SP, 16 de setembro

Leia mais

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR O Coordenador do Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Marília UNIMAR, no uso de suas atribuições legais, expede o presente regimento, regulamentando

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012

EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 EDITAL DE RETIFICAÇÃO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 002/2012 A FUNDAÇÃO HOSPITAL MUNICIPAL GETÚLIO VARGAS, divulga a retificação do Edital de Abertura do Processo Seletivo Simplificado n 002/2012 destinado

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG

Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM. Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário Eletrônico em MT - estado atual relacionado às exigências do CFM Cláudio de Souza Corregedor do CRMMG Prontuário médico É um documento único constituído de um conjunto de informações, sinais

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

PRONTUÁRIO ELETRÔNICO E ASSINATURA DIGITAL. Instituto de Câncer do Estado de São Paulo 07 de Abril de 2011

PRONTUÁRIO ELETRÔNICO E ASSINATURA DIGITAL. Instituto de Câncer do Estado de São Paulo 07 de Abril de 2011 PRONTUÁRIO ELETRÔNICO E ASSINATURA DIGITAL Instituto de Câncer do Estado de São Paulo 07 de Abril de 2011 AGENDA Introdução Prontuário Eletrônico Assinatura Digital Implantação ICESP é um hospital que

Leia mais

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE

RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE RELATÓRIO DE SUPERVISÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AMBULATÓRIO DE ESPECIALIDADES MUNICÍPIO: DATA: / / IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE: Nome: CGC: Endereço: Bairro: Telefone: Responsável pela unidade (formação): TURNO

Leia mais

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP

Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Assistência do Hospital das Clínicas da FMRPUSP Conteúdo DISPOSIÇÕES GERAIS 3 APOIO AO APRIMORAMENTO DE RECURSOS HUMANOS 4 Participação em congressos e eventos científicos

Leia mais

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

Gerenciamento Total da Informação

Gerenciamento Total da Informação RESOLUÇÃO CFM nº 1.639/2002 Aprova as "Normas Técnicas para o Uso de Sistemas Informatizados para a Guarda e Manuseio do Prontuário Médico", dispõe sobre tempo de guarda dos prontuários, estabelece critérios

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES

NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES NORMAS DE ATENDIMENTO A CONVÊNIOS E PARTICULARES Conceitos CONSULTAS Atendimentos sem urgência por ordem de chegada. Não existe dentro do Pronto-Socorro e em nenhum local do hospital prévia marcação de

Leia mais

PARECER Nº, DE 2014. RELATOR: Senador CÍCERO LUCENA

PARECER Nº, DE 2014. RELATOR: Senador CÍCERO LUCENA PARECER Nº, DE 2014 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 167, de 2014, do Senador Roberto Requião, que autoriza o armazenamento eletrônico dos prontuários dos pacientes.

Leia mais

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde

Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde III Workshop de Informática e Tecnologia em Saúde da SESAB Segurança da Informação nos Registros Eletrônicos em Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Salvador-BA, 05

Leia mais

GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS

GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS GSUS Sistema de Gestão Hospitalar e Ambulatorial do SUS O sistema GSUS é uma aplicação WEB para gestão operacional da assistência de saúde executada a nível hospitalar ou ambulatorial, tendo como foco

Leia mais

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN

Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN Hospital Universitário Ana Bezerra HUAB/UFRN DIMENSIONAMENTO DE SERVIÇOS ASSISTENCIAIS E DA GERÊNCIA DE ENSINO E PESQUISA BRASÍLIA-DF, 27 DE MARÇO DE 2013. Página 1 de 20 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 1.1.

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AIH AUTORIZAÇÃO DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR - SUS

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AIH AUTORIZAÇÃO DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR - SUS MANUAL DE ORIENTAÇÃO AIH AUTORIZAÇÃO DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR - SUS MANUAL DE ORIENTAÇÃO DAS AUTORIZAÇÕES DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES - AIH'S Este manual tem por objetivo capacitar os servidores das Unidades

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à PEDIATRIA da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde Objetivo do curso:

MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso de MBA em Auditoria dos Serviços de Saúde é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos

Leia mais

Art. 77 O Curso terá duração determinada pela AMB/CFM...

Art. 77 O Curso terá duração determinada pela AMB/CFM... Cursos de Especialização em Oftalmologia Normas para Credenciamento de Cursos de Especialização em Oftalmologia Art. 75 Para obter o credenciamento do CBO para ministrar Curso de Especialização em Oftalmologia,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10.

LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10. LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10. DISPÕE SOBRE A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EMERGENCIAL DE PROFISSIONAIS PARA ÁREA MÉDICA ESPECIALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI LEONARDO CHERINI PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

30/03/2010 a 30/03/2011

30/03/2010 a 30/03/2011 POP ACCR 01 Abertura da Ficha do Usuário ASSUNTO: Padronizar o procedimento para abertura da ficha do usuário. Nº 01 Resultados esperados: Cadastros atualizados dos Usuários Este POP aplica-se na recepção

Leia mais

Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar e Ensino

Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar e Ensino Núcleos de Vigilância Epidemiológica Hospitalar e Ensino A experiência do NHE do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP Curitiba, 16 de abril de 2015 Hospital das Clínicas

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 4.728/08 PARECER CFM Nº 10/09 INTERESSADO:

PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 4.728/08 PARECER CFM Nº 10/09 INTERESSADO: PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 4.728/08 PARECER CFM Nº 10/09 INTERESSADO: Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem ASSUNTO: Tempo de guarda de exames radiológicos; RELATOR: responsabilidade

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PROCESSO. para RECONHECIMENTO. SERVIÇOS ou PROGRAMAS. ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR. pela S B A C V

PROCESSO. para RECONHECIMENTO. SERVIÇOS ou PROGRAMAS. ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR. pela S B A C V PROCESSO para RECONHECIMENTO de SERVIÇOS ou PROGRAMAS de ANGIOLOGIA e CIRURGIA VASCULAR pela S B A C V 1 Procedimento ETAPA I: O processo do solicitante, com o requerimento dirigido ao Presidente da SBACV,

Leia mais

TOTVS Série 1 Saúde. CASE Hospital do Círculo. Diego Tatsch TOTVS Saúde / Maio- 2011

TOTVS Série 1 Saúde. CASE Hospital do Círculo. Diego Tatsch TOTVS Saúde / Maio- 2011 1 TOTVS Série 1 Saúde CASE Hospital do Círculo Diego Tatsch TOTVS Saúde / Maio- 2011 2 TOTVS Série 1 Saúde Apresentação I) Produto Série 1 Saúde II) Especialidades específicas III) TISS IV) Segurança I)

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

DIAMANTE V7.2.2 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 9 do PRODOCTOR) Primeira instalação do DIAMANTE

DIAMANTE V7.2.2 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 9 do PRODOCTOR) Primeira instalação do DIAMANTE SERVIDOR DIAMANTE V7.2.2 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 9 do PRODOCTOR) Primeira instalação do DIAMANTE Opção A O Prodoctor foi instalado de forma padrão, no disco C do servidor. C:\Prodoctor9

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO"

Seminário: TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO" FLEURY LINHA DO TEMPO Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso

Leia mais

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina

Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina Serviço Público Federal Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Coordenação do Curso de Medicina REGIMENTO DO INTERNATO DO CURSO DE MEDICINA UFPE CAPÍTULO I DEFINIÇÃO: Artigo 1 -

Leia mais

Definir metodologia para realizar o processo de cobrança de Prontuários Clínicos e Cirúrgicos.

Definir metodologia para realizar o processo de cobrança de Prontuários Clínicos e Cirúrgicos. 1/6 1. OBJETIVO Definir metodologia para realizar o processo de cobrança de Prontuários Clínicos e Cirúrgicos. 2. DEFINIÇÃO E CONCEITO GUIATISS- Guia de Troca de Informações em Saúde Suplementar; PM- Prescrição

Leia mais

Fica autorizada a remuneração por parte das OS (Organizações Sociais) de acordo com tabela e instruções contidas em anexo - Orientações

Fica autorizada a remuneração por parte das OS (Organizações Sociais) de acordo com tabela e instruções contidas em anexo - Orientações Circular S/SUBPAV/SAP n.º 10/2011. Aos Coordenadores das A.P.s com vistas às Unidades Primárias de Saúde Assunto: Pagamento de gratificações Rio de Janeiro, 15 de abril de 2011. CONSIDERANDO a necessidade

Leia mais

Média de Permanência Geral

Média de Permanência Geral Média de Permanência Geral V1.02 Janeiro de 2013 1. Sigla E-EFI-05 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio 2. Nome Média de Permanência Geral 3. Conceituação Representa o tempo médio em dias que os pacientes

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ. ANEXO I DO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO n. o 001/2007-PMC CARREIRAS/CARGOS/ÁREAS DE CONHECIMENTO/REQUISTOS BÁSICOS/VAGAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ. ANEXO I DO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO n. o 001/2007-PMC CARREIRAS/CARGOS/ÁREAS DE CONHECIMENTO/REQUISTOS BÁSICOS/VAGAS PREFEITURA MUNICIPAL DE CUIABÁ ANEXO I DO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO n. o 001/2007-PMC CARREIRAS/CARGOS/ÁREAS DE CONHECIMENTO/REQUISTOS BÁSICOS/VAGAS Carreira: Regulação e Fiscalização Especialista em

Leia mais

Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU

Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU Projetos desenvolvidos para o Hospital e Maternidade Municipal de Uberlândia e a o Hospital Escola de Uberlândia - UFU AMBULATÓRIO Cadastro de paciente ( caso o paciente já tenha consultado no hospital

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252)

RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) RESOLUÇÃO CFM Nº 1.821/07 (Publicada no D.O.U. de 23 nov. 2007, Seção I, pg. 252) Aprova as normas técnicas concernentes à digitalização e uso dos sistemas informatizados para a guarda e manuseio dos documentos

Leia mais

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral São Paulo, 19 de setembro de 2005 Agenda Introdução Desafios MVPEP Formas de acessos Funcionalidades Formulários eletrônicos Índices clínicos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 824, DE 31 DE MARÇO DE 2006

RESOLUÇÃO Nº 824, DE 31 DE MARÇO DE 2006 RESOLUÇÃO Nº 824, DE 31 DE MARÇO DE 2006 Reconhece e regulamenta a Residência Médico- Veterinária e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA CFMV, no uso da atribuição que lhe

Leia mais

Prontuário médico? ou Prontuário do paciente?

Prontuário médico? ou Prontuário do paciente? Prontuário médico? ou Prontuário do paciente? CONCEITO Prontuário do Paciente é o conjunto de documentos padronizados e ordenados, destinados ao registro dos cuidados profissionais, prestados ao paciente

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária

ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1. 60 h. 104 h. 146 h. 72 h 2º SEMESTRE. Carga horária MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE MEDICINA DE DIAMANTINA - FAMED CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA ESTRUTURA CURRICULAR 2014/1 MED001 MED002 MED003

Leia mais

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO:

PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: PARECER CRM/MS N 16/2012 PROCESSO CONSULTA Nº 33/2011 INTERESSADO: Dra. B. F. D./SECRETARIA DE ESTADO DA SAUDE/MS ASSUNTO/PALAVRA CHAVE: Sigilo medico. Prontuário Médico. Registro de Câncer de Base Populacional.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.107/2014 (Publicado no D.O.U. de 17 dez 2014, Seção I, p. 157-158) Define e normatiza a Telerradiologia e revoga a Resolução CFM nº 1890/09, publicada no D.O.U. de 19 janeiro de 2009,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 016/2012 CT PRCI n 102.430/2012 e Ticket n 292.881 e 293.555

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 016/2012 CT PRCI n 102.430/2012 e Ticket n 292.881 e 293.555 PARECER COREN-SP 016/2012 CT PRCI n 102.430/2012 e Ticket n 292.881 e 293.555 Ementa: Anotação de código da Classificação Internacional de Doenças (CID) em fichas de atendimento. 1. Do fato Feito questionamento

Leia mais

DIAMANTE PLUS-CORP Versão 1.00.01 (Compatível com o PRODOCTOR PLUS e PRODOCTOR CORP)

DIAMANTE PLUS-CORP Versão 1.00.01 (Compatível com o PRODOCTOR PLUS e PRODOCTOR CORP) DIAMANTE PLUS-CORP Versão 1.00.01 (Compatível com o PRODOCTOR PLUS e PRODOCTOR CORP) Esta orientação é para clientes que vão iniciar a utilização do DIAMANTE PLUS CORP. SERVIDOR Acesse o site www.pacotediamante.com.br.

Leia mais

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP Complexo Hospitalar - Hospital Filantrópico - Área 69.000 m² - 10 prédios - 1.143 leitos - 101 leitos de UTI NHE (VEH / GRSH / CCIH) COMISSÕES

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções:

ANEXO I DO OBJETO. Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: ANEXO I DO OBJETO Descrição da Prestação de Serviços relacionados à CIRURGIA GERAL da FUSAM, compreendendo as seguintes funções: 1) Os serviços deverão ser prestados nas dependências da Fundação por profissionais

Leia mais

Aspectos do Prontuário Eletrônico. Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276

Aspectos do Prontuário Eletrônico. Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276 Aspectos do Prontuário Eletrônico Lincoln de Assis Moura Jr., MSc, DIC, PhD lincoln.moura@zilics.com.br +55 11 8426-6276 Sumário Complexidade da Informação em Saúde Declaração de Convicção Aspectos Éticos

Leia mais

Curso Superior Completo em Medicina com especialização reconhecida pelo CRM em Cardiologia e registro no órgão competente

Curso Superior Completo em Medicina com especialização reconhecida pelo CRM em Cardiologia e registro no órgão competente ANEXO DEMONSTRATVO DE VAGAS, REQUSTOS E DESCRÇÃO DAS ATVDADES DOS CARGOS DO PLANO DE CARRERA DA SECRETARA MUNCPAL DE SAÚDE (Lei n.º 7.403 de 28/12/94) Cargo / Nível Função Especialidade N.º de Vagas Requisitos

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema Números do Sistema Números do Sistema 36 Prestadoras 300 Operadoras (30% das operadoras de saúde) 15 Federações Institucionais 351 Cooperativas 1 Confederação Nacional 1 Confederação Regional 1 Central

Leia mais

Atendimento de urgência (Pronto Atendimento)

Atendimento de urgência (Pronto Atendimento) 1 de 6 RESULTADO ESPERADO: 642 PROCESSOS RELACIONADOS: Apoio ao Cliente DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO: AÇÃO RESPONSÁVEL REGISTROS DESCRIÇÃO DA AÇÃO 1. Atender o cliente Técnico de Enfermagem e Recepcionista

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003

RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003 RELATÓRIO DE GESTÃO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS 2003 A justificação da proposta de orçamento da Faculdade de Ciências Médicas para 2003 começava com uma nota introdutória na qual se reforçava de novo,

Leia mais

Dr. Lueiz Amorim Canêdo DIRETOR DE AUDITORIA MÉDICA

Dr. Lueiz Amorim Canêdo DIRETOR DE AUDITORIA MÉDICA Dr. Lueiz Amorim Canêdo DIRETOR DE AUDITORIA MÉDICA DIRETORIA DE AUDITORIA Art. 52 A Diretoria de Auditoria Médica compete, entre outras, as seguintes atribuições: I coordenar as ações do departamento

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Certificação Digital na Saúde

Certificação Digital na Saúde Marcelo Lúcio da Silva Diretor Executivo e de Certificação da SBIS Brasília, 23 de setembro de 2015 Sobre a SBIS Sociedade científica para o desenvolvimento da Informática em Saúde no Brasil Fundada há

Leia mais

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino

INCA - Relatório Anual 2003 - Ensino 54 55 Ensino Principais realizações Início da primeira etapa do Projeto de Diagnóstico de Recursos Humanos em Oncologia no país. Implementação da inscrição informatizada. Início do Projeto de Educação

Leia mais

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ

Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ Cartilha REGISTROS DE CÂNCER E O RHC DO HAJ O que é um registro de câncer? -Centro de coleta, armazenamento, processamento e análise - de forma sistemática e contínua - de informações (dados) sobre pacientes

Leia mais

Quem vou ser daqui a 20 anos Público. Privado. Assistencial Acadêmica Gestão. Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo

Quem vou ser daqui a 20 anos Público. Privado. Assistencial Acadêmica Gestão. Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo Dr Milton Glezer Quem vou ser daqui a 20 anos Público Assistencial Acadêmica Gestão Privado Assistencial Acadêmico Gestão Autônomo Mudanças nos planos de saúde- melhorar cada vez mais o funcionamento dos

Leia mais

Medware Clínicas Sistema de Gerenciamento de Clínicas e Consultórios

Medware Clínicas Sistema de Gerenciamento de Clínicas e Consultórios Medware Clínicas Sistema de Gerenciamento de Clínicas e Consultórios A Empresa MEDWARE Sistemas Médicos Ltda A Medware Sistemas Médicos é uma empresa de desenvolvimento de sistemas voltada para a criação

Leia mais

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro

Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Sistemas de Informação Hospitalar: Presente e Futuro Halley Johanston Unysis Corporation, EUA Revista Informédica, 1 (2): 5-9, 1993. A utilização da Informática na gestão hospitalar evoluiu, nos últimos

Leia mais

SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS

SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS SISTEMA DE SOLUÇÕES PARA GESTÃO DE CLÍNICAS DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS OBJETIVO DA SOLUÇÃO GERCLIM WEB A solução GERCLIM WEB tem por objetivo tornar as rotinas administrativas e profissionais de sua clínica,

Leia mais

Momento ético Prontuário Médico

Momento ético Prontuário Médico Momento ético Prontuário Médico Luiz Antonio da Costa Sardinha Conselheiro Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo PRONTUÁRIO MÉDICO Tem um morto no plantão. Por onde iniciar História Tudo

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde)

Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Conceitos e definições da ANS (Agencia Nacional de Saúde) Demonstrativo de retorno: modelo formal de representação e descrição documental do padrão TISS sobre o pagamento dos eventos assistenciais realizados

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO CONCURSO DE RESIDÊNCIA MÉDICA

EDITAL DE SELEÇÃO CONCURSO DE RESIDÊNCIA MÉDICA ASSOCIAÇÃO BENEFICENTE DE CAMPO GRANDE SANTA CASA COREME A. B. C. G FUNDAÇÃO CENTRO DE ESTUDOS DA SANTA CASA DR. WILLIAM MAKSOUD EDITAL DE SELEÇÃO CONCURSO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 Rua Eduardo Santos

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS

QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS QUESTIONÁRIO PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL PARA MÉDICOS, PSICÓLOGOS, FISIOTERAPEUTAS E DEMAIS PRESTADORES DE SERVIÇOS MÉDICOS O objetivo deste questionário é analisar as atividades

Leia mais

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Smartcity Business América 2015 Curitiba PR Brazil Maio de 2015 Sociedades Inteligentes e Governaça Airton Coelho, MsC, PMP Secretário de Ciência e

Leia mais

DIAMANTE V11.00.03 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 11 do PRODOCTOR)

DIAMANTE V11.00.03 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 11 do PRODOCTOR) DIAMANTE V11.00.03 www.pacotediamante.com.br (Compatível com a versão 11 do PRODOCTOR) SERVIDOR ATENÇÃO Esta operação só poderá ser efetuada no servidor, e com todas as estações do PRODOCTOR DESLIGADAS.

Leia mais

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22

IESUS. Anexo 1. Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS. Informe Epidemiológico do SUS 22 IESUS Novas Metodologias para Vigilância Epidemiológica: Uso do SIH/SUS Anexo 1 Instrumentos do Sistema de Informação Hospitalar Laudo Médico para Emissão de AIH O Laudo Médico é o instrumento para solicitação

Leia mais

I - COM BASE NO RELATÓRIO DO CRM

I - COM BASE NO RELATÓRIO DO CRM I - COM BASE NO RELATÓRIO DO CRM I.a) Obrigar o Município a providenciar que apenas médicos participem do ato cirúrgico, reservada as atribuições do corpo de enfermagem, por razões legais e para evitar

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online ENFERMAGEM GINECOLÓGICA Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS.

PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS Coordenação do Curso de Enfermagem PROPOSTA DE REORIENTAÇÃO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFMS: Formando Profissionais Integrados ao SUS. RESUMO DO PROJETO 1. INTRODUÇÃO:

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no

Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no Com carga horária de 480 horas o curso Enfermagem do Trabalho é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos diversos pólos, atividades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA

REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA 20//2013 1 REGIMENTO INTERNO DO HOSPITAL SANTA HELENA CAPÍTULO I Princípios e Objetivos ARTIGO 1 O regimento interno do corpo clínico visa disciplinar a constituição, ações, relações, avaliações e direção

Leia mais

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello

SAÚDE. Coordenador: Liliane Espinosa de Mello Coordenador: Liliane Espinosa de Mello SAÚDE Visão: Que Santa Maria seja o principal Polo na Área de Saúde do interior do Rio Grande do Sul, contribuindo para a melhor qualidade de vida da população da

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE

ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE ANEXO II REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS DO PROCESSO DE SELEÇÃO SIMPLIFICIDA DA SECRETARIA DE SAÚDE 1 ATENÇÃO PRIMÁRIA 1.1 MÉDICO CLINICO GERAL Medicina. ATRIBUIÇÕES: Atendimento aos pacientes em área

Leia mais

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE PORTARIA Nº 2.600, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 Aprova o Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes. [...] ANEXO VI NORMAS PARA AUTORIZAÇÃO DE EQUIPES ESPECIALIZADAS E ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE

Leia mais

INSCRIÇÃO DE ESTUDANTES IRREGULARES

INSCRIÇÃO DE ESTUDANTES IRREGULARES 2013 INSCRIÇÃO DE ESTUDANTES IRREGULARES Este documento visa orientar as ações para a inscrição de estudantes irregulares no de anos anteriores e esclarecer as dúvidas que possam aparecer durante o processo

Leia mais