Ponto de Equilíbrio Custo: Custo Fixo: Custo Variável: Despesas variáveis: Despesas fixas:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ponto de Equilíbrio Custo: Custo Fixo: Custo Variável: Despesas variáveis: Despesas fixas:"

Transcrição

1 54 Ponto de Equilíbrio É o valor das vendas que permite a cobertura dos gastos totais (custos, despesas fixas e despesas variáveis). Neste ponto, os gastos são iguais à receita total da empresa, ou seja, a empresa não apresenta lucro nem prejuízo. Denominamos o Ponto de Equilíbrio também como ponto de ruptura (break-even point). Normalmente fazemos as seguintes perguntas: - Quanto terei que faturar para conseguir pagar os meus custos, despesas fixas e variáveis? - Quais as quantidades que terei que produzir/vender para poder ter lucro? O ponto de equilíbrio é que vai definir e esclarecer essas dúvidas. Para Padoveze (2004), evidencia, em termos quantitativos, qual é o volume que a empresa precisa produzir ou vender, para que consiga pagar todos os custos e despesas fixas, além dos custos e despesas variáveis que ela tem necessariamente que incorrer para fabricar/vender o produto. No ponto de equilíbrio, não há lucro ou prejuízo. A partir de volumes adicionais de produção ou venda, a empresa passa a ter lucros. Segundo Crepaldi (2004), Antes que seu negócio possa gerar lucro, devemos entender o conceito de equilíbrio. Para alcançar o equilíbrio nas linhas de produção e/ou serviço do departamento, deveremos calcular o volume de vendas necessário para cobrir os custos e como usar essa informação. Devemos também entender como os custos reagem com mudanças de volume. A expressão ponto de equilíbrio, tradução de break-even-point, referese ao nível de venda em que não há lucro nem prejuízo, ou seja, onde os custos totais são iguais às receitas totais. Todas as empresas, independentemente da área de atuação (comércio, indústria ou serviços), possuem gastos. Estes gastos se subdividem genericamente em custos, despesas variáveis e despesas fixas. A análise destes gastos se faz necessária para a apuração correta de sua lucratividade e também para o gerenciamento financeiro mais eficiente. Custo: Gasto relativo a bem ou serviço utilizado na produção de outros bens e serviços: são todos os gastos relativos à atividade de produção. Custo Fixo: Custos fixos são aqueles cujos valores são os mesmos qualquer que seja o volume e produção da empresa. É o caso, por exemplo, do aluguel da fábrica. Este será cobrado pelo mesmo valor qualquer que seja o nível de produção, inclusive no caso da fábrica nada produzir. Custo Variável: Custos variáveis são aqueles cujos valores se alteram em função do volume de produção da empresa. Exemplo: matéria-prima consumida. Se não houver quantidade produzida, o custo variável será nulo. Os custos variáveis aumentam à medida em que aumenta a produção. Despesas variáveis: São aquelas que variam proporcionalmente ao volume produzido ou ao volume vendido, ou seja, só haverá despesa se houver venda ou unidades produzidas. Exemplo: comissões sobre vendas, impostos. Despesas fixas: São aquelas cujo total não varia proporcionalmente ao volume produzido (na indústria), ou ao volume de vendas (comércio e serviço), ou seja, existem despesas a serem pagas independente da quantidade produzida ou do valor de vendas. Exemplo: aluguel, honorários de contador, seguro da empresa, salário dos funcionários, entre outros.

2 55 O ponto de equilíbrio também é chamado de análise custo-volume-lucro e é usado para determinar o nível de operações necessárias para cobrir todos os custos operacionais e para avaliar a lucratividade associada a vários níveis de renda. A figura abaixo representa graficamente o ponto de equilíbrio. $ RECEITA = p.q Ro CF CUSTOS = CF + v.q Qo QUANTIDADE Ponto de equilíbrio contábil: Identifica a quantidade mínima a ser vendida para cobrir os custos contábeis da empresa. Representa o ponto de equilíbrio operacional e é adequado para análises de médio prazo. Ponto de equilíbrio econômico: Mostra a quantidade mínima que a empresa terá que vender para assegurar a rentabilidade real, dada pela taxa de mínima remuneração do capital investido. É adequado para análises de longo prazo. Os custos de oportunidade são muito subjetivos e difíceis de serem calculados - são apenas um instrumento gerencial de apoio à tomada de decisões, não representando os custos reais da empresa. Ponto de equilíbrio financeiro: Informa o quanto a empresa terá que vender para não ficar sem dinheiro e, assim, ter que tomar empréstimos, prejudicando ainda mais sua lucratividade. É adequado para análises de curto prazo. Se a empresa estiver operando abaixo do ponto de equilíbrio financeiro, ela poderá até mesmo cogitar uma interrupção temporária de suas atividades. Ponto de Equilíbrio Contábil (PEC) Segundo Bruni e Famá (2004), a análise dos gastos variáveis e fixos tornam possível obter o ponto de equilíbrio contábil da empresa: representação do volume (em unidades ou $) de vendas necessário para cobrir todos os custos e no qual o lucro é nulo. Sendo assim, temos: O ponto de equilíbrio em quantidade pode ser calculado através da seguinte fórmula: PEC(q) = Custos Fixos (Preço Custo variável unitário) O ponto de equilíbrio em valor monetário pode ser calculado pela seguinte equação: PEC($) = Preço x PEC(q) ou PEC($) = Preço x [Custos Fixos (Preço Custo variável unitário)]

3 56 Exemplo: Uma empresa possui Custos Fixos da ordem de $ ,00 por mês. Sabe-se que o Custo variável unitário de seus produtos vendidos é aproximadamente igual a $ 50,00 por unidade, e o preço de venda unitário dos produtos da empresa é igual a $ 70,00. Para saber qual o volume de vendas do ponto de equilíbrio contábil, bastaria aplicar a fórmula anterior. PEC(q) = Custos fixos (Preço Custo variável unitário) PEC(q) = ,00 (70,00 50,00) = unidades A empresa deverá vender unidades para permanecer no pronto de equilíbrio contábil sem lucros ou prejuízos, mantendo, portanto, a receita total igual aos custos totais. Para se conseguir o valor em moeda do PEC, bastaria multiplicar as vendas em unidades pelo preço de cada unidade comercializada. PEC($) = Preço x PEC(q) PEC($) = 70,00 x = $ ,00 A empresa deverá faturar $ ,00 para cobrir todos de seus gastos e não apresentar nem lucros e nem prejuízos. Entende-se que quanto mais próximo uma empresa estiver operando do seu ponto de equilíbrio, mais riscos ela correrá, pois, fica iminente que é mais fácil ela incorrer em prejuízo do que alcançar lucro. Ponto de Equilíbrio Econômico (PEE) O conceito de PEE apresenta a quantidade de vendas (ou do faturamento) que a empresa deveria obter para conseguir um mínimo de lucro desejado. Sendo assim, PEE(q) = [(Lucro desejado + Custos fixos) (Preço Custo variável unitário)] PEE($) = Preço x PEE(q) ou PEE($) = Preço x [(Lucro desejado + Custos fixos) (Preço Custo variável unitário)] Exemplo: Uma empresa possui Custos fixos da ordem de $ ,00 por mês. Sabe-se que o CDV unitário de seus produtos vendidos é aproximadamente igual a $ 50,00 por unidade, e o preço de venda unitário dos produtos da empresa é igual a $ 70,00. A empresa deseja obter um lucro de $ ,00 por mês. Para saber qual o volume de vendas do ponto de equilíbrio contábil, bastaria aplicar a fórmula anterior. Em outras palavras: PEE(q) = [(Lucro desejado + Custos fixos) (Preço Custo variável unitário)] PEE (q) = [(10.000, ,000 ( 70,00 50,00)] PEE (q) = ,00 20,00 = unidades A empresa deverá vender unidades para conseguir obter um lucro de $ ,00 desejado pelos gestores. Para se conseguir o valor em moeda do PEC, bastaria multiplicar as vendas em unidades pelo preço de cada unidade comercializada. PEC($) = Preço x PEC(q) 70,00 x = $ ,00 A empresa deverá faturar $ ,00 para cobrir todos de seus gastos e apresentar um lucro desejado de $ ,00.

4 57 Ponto de Equilíbrio Financeiro (PEF) Entende-se como PEF, o valor que se equipara a receita com o total dos gastos que representam desembolso para a organização. Sendo assim, o referido cálculo não deve constar as depreciações, amortizações e ou exaustões, pois tais gastos não representam desembolso para a empresa. Sendo assim: PEF(q) = [(Custos fixos Custos fixos não desembolsáveis) (Preço CV unitário)] As vendas em valor monetário podem ser calculadas pela seguinte equação: PEF($) = Preço x PEF(q) ou PEF($) = Preço x [(CF CF não desembolsáveis) (Preço CV unitário)] Exemplo: Uma empresa produziu unidades de um único produto, sendo que seu preço de venda é $ 25,00. Sabe-se que a empresa incorreu nos seguintes gastos. Com base nesses gastos, qual seria o ponto de equilíbrio financeiro da empresa? Gasto Valor Embalagem ,00 Matérias-primas ,00 Depreciação fabril ,00 MOD ,00 Salários e encargos administrativos (fixos) ,00 Outros gastos fixos ,00 Custos variáveis $ , = $ 9,00 / unidade PEF (q) = ( ) 25 9 = unidades Exemplo: Calcular a quantidade de equilíbrio de uma empresa que tenha Custo fixo estimado de 2.500; preço de venda de 10 reais e custo variável unitário de 5 reais. PE = (10 5) = 500 unidades. O que aconteceria com o ponto de equilíbrio, se: 1. O custo fixo aumentasse para R$ 3.000,00? Q = 3.000/ 10-5 = 600 Resposta: A quantidade de equilíbrio aumentaria e o ponto de equilíbrio se deslocaria para a direita e para cima. 2. O preço unitário de venda aumentasse para R$ 12,50? Q = 2.500/12,5-5 = 333 Resposta: A quantidade de equilíbrio diminuiria e o ponto de equilíbrio se deslocaria para a esquerda e para baixo. 3. O custo unitário variável aumentasse para R$ 7,50? Q = 2.500/10-7,5 = Resposta: A quantidade de equilíbrio aumentaria e o ponto de equilíbrio se deslocaria para a direita e para cima. 4. As três variáveis aumentassem nas proporções dadas, ao mesmo tempo? Q = 3.000/12,5-7,5 = 600 Resposta: A quantidade de equilíbrio aumentaria e o ponto de equilíbrio se deslocaria para cima e para a direita.

5 58 Exercícios sobre ponto de equilíbrio 1) A empresa Master produz um só produto e, ao elaborar o seu orçamento corporativo, projetou a seguinte estrutura de receita e custos. Receita de Vendas ,00 Custos Variáveis ,00 Custos Fixos ,00 Vendas previstas unidades Para obter R$ ,00 de lucro, quantas unidades a empresa deverá vender? 2) A Weaver fabrica uma linha de relógios para senhoras vendidos em lojas de descontos. Cada relógio é vendido por R$ 25; os custos fixos são de $ ; os custos variáveis são de R$ 15 por relógio. a) qual o ganho ou perda da empresa com venda de relógios? E de relógios? b) qual o ponto de equilíbrio? c) O que acontece com o ponto de equilíbrio se o preço de venda se elevar para $ 31, mas os custos variáveis aumentarem para $ 23 por unidade? 3) Os dados a seguir são da Megaware, um fabricante de componentes eletrônicos. Cada unidade produzida é vendida por $ 45; os custos fixos são de $ , dos quais $ são despesas de depreciação anual; os custos variáveis são de $ 20 por unidade. a) qual é o ganho ou perda da empresa com vendas de unidades? E de unidades? b) qual o ponto de equilíbrio operacional? c) suponha que a Dellva opere em um nível de unidades. É provável que os credores busquem a liquidação da companhia se ela atrasar o pagamento das contas? 4) A empresa Navenet apresenta um custo fixo é R$ ,00 para uma produção e venda de unidades. O preço unitário atual é de R$ 20,00 e o custo variável de R$ 5,00. Acredita-se que se houver uma redução para R$ 15,00 a quantidade vendida crescerá 30%. Como ficará o resultado? Há vantagens em se fazer essa redução de preço por unidade vendida? 5) Uma empresa obteve um faturamento no mês anterior de R$ ,00. Sabendo-se que devido a um re-posicionamento estratégico realizado por uma agência de publicidade e propaganda cujo contrato fez com que o custo fixo passasse de 45% para 50% da receita, com variável total de R$ ,00 e unidades vendidas por mês a um preço à vista de R$ 20,00, calcule o novo ponto de equilíbrio da empresa, na hipótese de não se alterarem as quantidades vendidas em um primeiro momento e portanto com o mesmo faturamento. 6) Um lojista sabe que, para não ter prejuízo, o preço de venda dos seus produtos deve ser no mínimo 36% superior do valor de custo. Porém, ele prepara a tabela de preço de venda acrescentando 70% ao preço de custo, porque sabe que o cliente gosta de obter desconto no momento da compra. Qual é o maior desconto que ele pode conceder ao cliente sobre o preço da tabela, de modo a não ter prejuízo?

6 59 Indicadores Financeiros Os ÍNDICES apurados representam parcela significativa do trabalho de análise, pois além de mostrar relações importantes entre os vários grupamentos de valores patrimoniais e dos componentes do resultado econômico dentro de um exercício financeiro, possibilita também o exame das oscilações desses índices ano a ano. Serão apurados e analisados os seguintes índices: ÍNDICES DE LIQUIDEZ: a) Liquides Imediata: Disponibilidades, onde: Passivo Circulante Disponibilidades = Caixa + Bancos + Aplicações de Liquidez Imediata Este índice representa a relação de quanto dispomos imediatamente com as nossas dívidas de curto prazo. É preciso considerar que a composição etária do numerador e denominador é completamente distinta. b) Liquidez Corrente: Ativo Circulante Passivo Circulante Relaciona quanto dispomos e poderemos dispor a curto prazo em dinheiro, com as dívidas a curto prazo. É preciso observar que no numerador estão incluídos itens diversos, que possuem prazos de conversibilidade também diversos. No denominador estão incluídas as dívidas e obrigações de curto prazo que, por sua vez, também possuem prazos de vencimento diversos. Portanto, a relação dos prazos de recebimento e de pagamento deverá ser considerada na análise deste índice. Prazo Médio de Recebimento = 360 X Clientes Receita Operacional Bruta Prazo Médio de Pagamento = Compras = CMV + EF EI 360 X Fornecedores Total das compras portanto, CMV = EI + COMPRAS EF A influência deste quociente é muito grande sobre a posição presente e futura de liquidez (a curto e longo prazos). À medida que diminuirmos o PMR em relação ao PMP, estaremos propiciando condições mais tranqüilas para obter posicionamentos estáticos de liquidez mais adequados. Como o excesso de recebíveis diminui o giro do ativo, é preciso aumentar a margem de lucro sobre as vendas para compensar o efeito negativo do giro baixo. Isto nem sempre é possível. Como dificilmente podemos modificar sensivelmente o PMP, resta agirmos sobre o PMR e sobre a Margem de Lucro. A empresa deve fazer o possível para tornar esse quociente inferior a 1 (um) ou, pelo menos, ao redor de 1 (um), a fim de garantir uma posição neutra.

7 60 c) Liquidez Seca: Ativo Circulante Estoques Passivo Circulante Trata-se de uma análise conservadora da situação de liquidez da empresa. A eliminação dos estoques do numerador retira uma fonte de incerteza. Além disso, estamos eliminando as influências e distorções que a adoção deste ou daquele critério de avaliação de estoques poderia acarretar. d)liquidez Geral: Ativo Circulante + Realizável a Longo Prazo Passivo Circulante + Exigível a Longo Prazo Serve para detectar a saúde financeira, no que se refere à liquidez de longo prazo. Mais uma vez o problema dos prazos deve ser devidamente considerado. Às vezes acontece que os índices de liquidez corrente e seco se apresentam razoáveis em decorrência de vultosos empréstimos a longo prazo. ÍNDICES DE SEGURANÇA / ESTRUTURA. a) Grau de endividamento = Exigível Total, onde: Patrimônio Líquido Exigível Total = PC + PNC É uma outra forma de encarar a dependência de recursos de terceiros. Se o quociente, durante vários anos, for consistente e acentuadamente maior que um, denotaria uma dependência exagerada de recursos de terceiros. b) Participação de Capitais de Terceiros = Exigível Total sobre os Recursos Totais Exigível Total + PL Expressa a porcentagem que o endividamento representa sobre os fundos totais. Também significa qual a porcentagem do Ativo Total financiada com recursos de terceiros. No longo prazo, a porcentagem de capitais de terceiros sobre os fundos totais não poderia ser muito grande, pois isto iria progressivamente aumentando as despesas financeiras, deteriorando a posição de rentabilidade da empresa. Entretanto, muito irá depender da taxa de retorno ganha pelo giro no ativo dos recursos tomados por empréstimo, quando comparada com a taxa de despesas financeiras sobre o endividamento. c) Imobilização de Recursos permanentes = Ativo Permanente PL + PNC Representa a parcela dos fundos a longo prazo que está financiando o Ativo Permanente. Se o índice for maior que 1 (um) significa que o Patrimônio Líquido e o Exigível a Longo Prazo não são suficientes para cobrir o Ativo Permanente, concluindo-se que a empresa está utilizando recursos de curto prazo (Passivo Circulante) para financiar seus investimentos permanentes.

8 61 d) Grau de Imobilização= Ativo Permanente Ativo Total Exprime a parcela dos recursos totais que se encontra aplicada no Ativo Permanente, conseqüentemente, em valores circulantes. Tal índice nunca será superior à unidade e sofrerá diretamente as influências do ramo de atividade explorado pela empresa, variando de acordo com suas necessidades de investimentos fixos e circulantes. ÍNDICES DE RENTABILIDADE a) Poder de Ganho da empresa = Lucro Operacional Líquido x 100, onde: Ativo Operacional Ativo Operacional = Ativo Total (Imóveis não Operacionais + Suprimentos a Controladas/Coligadas) Serve para medir a capacidade da empresa em gerar lucros. O quociente apurado será o retorno anual do investimento. Do PGE podemos extrair o Prazo de Retorno do Investimento, conforme abaixo: b)rentabilidade do Capital Próprio = Lucro Antes do Imposto de Renda x 100 Patrimônio Líquido onde: Determina a remuneração dos capitais próprios investidos no negócio. Deve, em princípio, ser superior à taxa de juros do mercado, de modo a remunerar o risco do investimento. c) Lucratividade sobre Vendas/Serviços = Lucro Operacional Líquido x 100 Receita Operacional Bruta Apura a margem de lucros obtida nas operações da empresa. Para sua melhor avaliação, deve-se levar em conta o ramo de negócios explorado e a conjuntura econômica regional. d) Rotação do Ativo Operacional = Receita Operacional Bruta Ativo Operacional Este índice mede a produtividade total dos investimentos aplicados nas atividades principais e acessórias da empresa, isto é, determina o número de vezes que o Ativo Operacional gira durante um exercício.

9 62 SITUAÇÃO FINANCEIRA Uma empresa pode apresentar uma excelente situação econômica com elevada participação de capitais próprios e, no entanto, em determinado momento, não ter em mãos recursos numerários suficientes para a liquidação de seus compromissos. Esse último aspecto - suficiência ou não de recursos para o pagamento das obrigações - é o que caracteriza a situação financeira da empresa, ou a sua capacidade de pagamento. No estudo da capacidade de pagamento a curto prazo, preocupamo-nos com as dívidas vencíveis no exercício seguinte ao Balanço, procurando verificar se a empresa contará no mesmo período com valores disponíveis e rentáveis em montante suficiente para o resgate das mesmas. No caso da liquidez corrente, índices inferiores à unidade revelam, em princípio, situação financeira deficitária. Dessa forma, podemos enquadrar os resultados obtidos nas seguintes situações: ruim = menor que 0,5; apertada = de 0,5 a 0,7; satisfatória = de 0,8 a 1,0; boa = maior que 1,0. Para a liquidez seca os resultados abaixo da unidade devem ser vistos com mais cuidado, antes de se tirar conclusões precipitadas. A natureza dos estoques e sua facilidade de comercialização devem ser analisadas. Portanto, considerando que, dificilmente, pelo menos parte dos estoques deixará de ser vendida, podemos considerar com normal índices até ligeiramente inferiores à unidade. A capacidade de pagamento geral é definida pelo índice de liquidez geral, que compara todas as dívidas com todos os valores disponíveis e realizáveis, sem preocupação de limitação do prazo. Podemos considerar normal que os quocientes de Liquidez Geral sejam inferiores aos de liquidez corrente, pelos seguintes motivos: - quase toda empresa necessita recorrer a capitais de terceiros a longo prazo; - o realizável a longo prazo é, geralmente, menor que o exigível a longo prazo ; - os financiamentos a longo prazo geralmente não apertam tanto a empresa, pois os prazos de resgate são de uma forma dilatados e bem equacionados. ESTRUTURA Cada empreendimento possui uma estrutura otimizante de composição de recursos e não existem regras fixas. A natureza do endividamento, as taxas de juros e os riscos, quando comparados com o retorno que tais recursos propiciam uma vez investidos, devem ser, por sua vez, comparados com os custos alternativos da captação de capital de risco. Mais importante do que uma posição estática de tais quocientes é sua evolução no tempo e seus efeitos sobre a rentabilidade da empresa. Mesmo que durante certo tempo a empresa se tenha beneficiado de uma taxa de endividamento, surgirá o momento a partir do qual, pela grandeza dos custos financeiros, o endividamento adicional não será mais desejável, mesmo porque os emprestadores de dinheiro, a partir de certo grau de endividamento da empresa, vêem aumentar seus riscos de aplicação de capital, aumentando, portanto a taxa de juros. Isto ocorre não só com empresas, mas também com indivíduos e até com nações. RENTABILIDADE Expressar a rentabilidade em termos absolutos tem uma utilidade informativa bastante reduzida. De maneira geral, devemos relacionar um lucro de um empreendimento com algum valor que expresse a dimensão relativa do mesmo, para analisar quão bem se saiu a empresa em determinado período.

10 63 Determinar um padrão ideal para a rentabilidade é uma tarefa difícil. Poderíamos dizer que uma boa taxa de rentabilidade seria aquela que permitisse à empresa manter e desenvolver suas atividades sem ter que procurar outros capitais (próprios ou de terceiros). É lógico que tudo depende da natureza do produto, das condições que a empresa tenha para se desenvolver e da conjuntura econômica. Através dessa análise podemos perceber, também, a importância de dois fatores: a) custo operacional influindo diretamente na margem de lucro; b) movimento de vendas influindo diretamente na rotatividade e, indiretamente, na margem de lucro (através da variação do custo operacional). ROTATIVIDADE Estes quocientes, importantíssimos, representam a velocidade com que elementos patrimoniais de relevo se renovam durante determinado período de tempo. Por sua natureza têm seus resultados normalmente apresentados em dias, meses ou períodos maiores, fracionários de um ano. A importância de tais quocientes consiste em expressar relacionamentos dinâmicos que acabam, direta ou indiretamente, influindo bastante na posição de liquidez e rentabilidade. A interpretação destes quocientes deverá ser realizada em conjunto com a Margem de Ganho, a fim de verificar se esta compensa a velocidade ou vice versa. 1 Liquidez Índices Financeiros (Gitman) Capital de Giro Líquido Índice de liquidez corrente Índice de liquidez seco CCL = Ativo circulante Passivo circulante Ativo circulante / Passivo circulante Ativo circulante estoques / Passivo circulante 2 Atividade Giro dos estoques Período médio de cobrança Período médio de pagamento Giro do ativo permanente Giro do ativo total CMV / estoques Duplicatas a receber / vendas médias por dia Duplicatas a pagar / compras médias por dia Vendas / ativo permanente líquido Vendas / ativo total 3 Endividamento Índice de endividamento geral Índice PNC PL Exigível total / ativo total Passivo não circulante / patrimônio líquido

11 64 4 Lucratividade Margem bruta Margem operacional Margem líquida Taxa de retorno sobre ativo total (ROI) Taxa de retorno sobre o PL (ROE) Fórmula Dupont Vendas CMV / vendas Lucro operacional / vendas Lucro após o IR / vendas Lucro após o IR / ativo total Lucro após o IR / patrimônio líquido ROI = margem líquida x giro do ativo total Outros índices (Braga) Prazo médio de estocagem nº de dias / giro dos estoques ou Prazo médio de estocagem Prazo médio de cobrança Prazo médio de pagamento Giro das duplicatas a receber Capital de terceiros versus cap. próprio Imobilização do capital próprio Imobilização dos recursos permanentes Liquidez geral Liquidez imediata saldo médio (sm) dos estoques x 360 /CMV sm Dup. A rec. X 360 / Rec. bruta vendas a prazo sm Dup. A pág. X 360 / Compras brutas a prazo ROB dev. e abat. / sm duplicatas a receber PC + PNC / PL AP / PL AP / PNC + PL AC + RLP / PC + PNC Disponibilidades / PC Exercícios 1) Uma empresa possui as seguintes informações extraídas de seu Balancete de Verificação: Ativo Circulante R$ ,00 R$ ,00 Passivo Circulante R$ 9.500,00 R$ ,00 Em relação ao crescimento do Índice de Liquidez Corrente da empresa em 2009, é CORRETO afirmar que:

12 65 a) A empresa terminou o exercício de 2009 com crescimento positivo na Liquidez Corrente de aproximadamente R$ 0,09. b) A empresa terminou o exercício de 2009 com crescimento positivo na Liquidez Corrente de aproximadamente R$ 0,93 para cada R$ 1,00 de Passivo Circulante. c) A empresa terminou o exercício de 2009 com crescimento negativo na Liquidez Corrente de aproximadamente R$ 0,09. d) A empresa terminou o exercício de 2009 com crescimento negativo na Liquidez Corrente de aproximadamente R$ 0,91 para cada R$ 1,00 de Passivo Circulante. 2) Você é o Administrador financeiro da empresa Faísca e Fumaça instalações elétricas. O contador está de férias e você precisa do balanço patrimonial (BP) para verificar como está a situação da empresa. Ao entrar em contato com o departamento de contabilidade o estagiário se encarregou de terminar o balanço e repassá-lo a você. O BP enviado por ele está descrito a seguir. (Você tem liberdade de fazer as alterações que julgar necessárias) Após isso, você deve dizer como está a situação da empresa em relação à liquidez, rentabilidade, CCL, endividamento e recomendações pessoais. ATIVO Circulante Caixa e bancos Empréstimos e Financiamentos Salários a pagar (-) Depreciação acumulada Lucros (P) Acumulados Permanente Estoques Capital Social Balanço Patrimonial 31/12/2009 Faísca e Fumaça PASSIVO Circulante Fornecedores Reserva legal Imobilizado (16.000) (62.000) Patrimônio Líquido Duplicatas a receber Aplicações financeiras Adiantamento de clientes Total do Ativo Total do Passivo + PL ATIVO Circulante Balanço Patrimonial 31/12/2009 Faísca e Fumaça PASSIVO Circulante Permanente Patrimônio Líquido Total do Ativo Total do Passivo + PL Demonstração do Resultado do Exercício 31/12/2009

13 66 Receita com Vendas (-) Custo das Mercadorias Vendidas (=) Lucro Bruto (-)Despesas Operacionais (=) Lucro Operacional (-) Imposto de Renda (IR) (=) Lucro Líquido ) Interprete o Balanço Patrimonial da Companhia ALPHA e os gráficos de estrutura patrimonial apresentados abaixo e responda às questões 4, 5 e 6. Balanço Patrimonial Cia. ALPHA ATIVO PASSIVO Circulante Circulante Disponibilidades Fornecedores Duplicatas a Receber Dividendos a Pagar (-) Provisão Devedores Duvidosos (300) Empréstimo Bancário Estoques Provisão para Imposto de Renda Permanente Salários e Encargos Imobilizado Patrimônio Líquido (-) Depreciação Acumulada (5.000) Capital Social Reserva Legal 600 Reservas de Lucros Lucros (P) Acumulados TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO + PL I Ativo Passivo II Ativo Passivo III Ativo Passivo Circulante Circulante Circulante Circulante Circulante Circulante 67% 46% 33% 49% 35% 35% Patrimônio Permanente Patrimônio Permanente Patrimônio Permanente Líquido 67% Líquido Líquido 33% 54% 51% 65% 65% 100% 100% 100% 100% 100% 100% IV Ativo Passivo V Ativo Passivo Circulante Circulante Circulante Circulante 45% 35% 55% 65% Patrimônio Permanente Patrimônio Permanente 35% Líquido 55% 65% Líquido 45% 100% 100% 100% 100% 4) A estrutura patrimonial da Companhia ALPHA corresponde ao gráfico da Estrutura: (A) I. (B) II. (C) III. (D) IV. (E) V. 5) Das empresas representadas graficamente, a que se encontra mais próxima da insolvência

14 67 técnica é a da Estrutura: (A) I. (B) II. (C) III. (D) IV. (E) V. 6) Considerando que todas as empresas representadas graficamente tiveram a mesma receita bruta de vendas, a que apresentou o maior giro do ativo permanente foi a da Estrutura: (A) I. (B) II. (C) III. (D) IV. (E) V. 7) A empresa Tersec S/A demonstra seu patrimônio em apenas quatro grupos: Ativo Circulante, Ativo Permanente, Passivo Circulante e Patrimônio Líquido. O seu Capital Próprio, no valor de R$ ,00, está registrado na Junta Comercial. O grau de endividamento dessa empresa foi calculado em 35%. O quociente de liquidez corrente foi medido em 1,2. Levando-se em consideração apenas as informações acima, assinale a alternativa correta: (A) O ativo total é de (B) O ativo circulante é de (C) O passivo circulante é de (D) O CCL é de 910 8) A empresa Simplificada, para conhecimento do mercado, publicou as seguintes informações sobre seu patrimônio: não há recursos realizáveis a longo prazo; o quociente de solvência é 2,5 mas apenas R$ ,00 são exigibilidades de longo prazo; as exigibilidades não circulantes, contidas no grupo Patrimonial chamado "Passivo Exigível a Longo Prazo", têm um coeficiente de estrutura patrimonial (Análise Vertical) igual a 0,05; (representam 5% do total dos Passivos mais o Patrimônio Líquido ou do total do ativo). 60% dos recursos aplicados estão financiados com capital próprio; o quociente de liquidez corrente (AC/PC) é de 1,4, enquanto que a liquidez imediata (disponibilidades/pc) alcança apenas o índice 0,4. Considerando que os cálculos da análise supra indicada estão absolutamente corretos, não havendo nenhuma outra informação a ser utilizada, podemos afirmar que, no Balanço Patrimonial, o valor: (A) do Patrimônio Líquido é: R$ ,00 (B) do Ativo Circulante é: R$ ,00 (C) do Ativo Permanente é: R$ ,00 (D) do Passivo Circulante é: R$ ,00 (E) das disponibilidades é: R$ ,00

15 68 Alavancagem Financeira A alavancagem financeira, ou Leverage está relacionada com a captação de recursos de terceiros com uma remuneração inferior aos lucros obtidos nas operações da empresa. Com o intuito de ampliar os negócios e desse modo aumentar a remuneração do capital próprio. Todavia esta alavancagem gera um risco financeiro se não bem administrado poderá em virtude do risco econômico ou por sazonalidade do produto gerar prejuízos, em virtude dos custos de remuneração do capital de terceiros serem maiores do que a remuneração obtida com estes recursos. A alavancagem financeira diz respeito à prática de usar títulos de dívida para financiar investimentos e consiste na relação entre LAJIR (lucro antes do pagamento do juro e do IR) e o LPA (lucro por ação). Quando a obrigação é emitida, a empresa compromete-se a pagar os juros e a amortizar o principal em alguma data no futuro. Devido os juros serem despesas dedutíveis do cálculo do IR, uma maior parcela do lucro operacional sobra para os acionistas. Entretanto, quanto mais dívidas uma empresa tiver em sua estrutura de capital, maior será o risco financeiro. Isso significa que, independente do seu nível de lucro operacional, a empresa deve continuar a efetuar os pagamentos fixos de juros e principal. Se as atividades comerciais declinam em função de uma contração no nível econômico, o LAJIR também declinará, aumentando a probabilidade de a empresa não ser capaz de efetuar os pagamentos de juros com os lucros operacionais existentes. Neste sentido, a alavancagem financeira é uma faca de dois gumes. Embora ela possa ser benéfica em um período cíclico de expansão, ela é danosa numa fase cíclica de contração. Comparando uma empresa alavancada com uma empresa não alavancada. A empresa não alavancada é financiada pela emissão de ações ordinárias e não tem nenhuma dívida em sua contabilidade. Uma empresa alavancada financia parte de suas operações através de dívidas. Como resultado, ela possui uma combinação de capital de terceiros e de capital próprio em sua estrutura de capital. Empresa A Não alavancada (D/C = 0) Empresa B Alavancada (D/C = 50%) LAJIR Juros 10% LAIR IR 40% Lucro líquido Ações existentes LPA (lucro p/ ação) 6 8,4 10,8 15,6 Alavancagem Financeira: tomando como base o dilema da administração financeira (liquidez x rentabilidade), analisa-se a relação entre posição financeira e retorno do acionista. Se uma empresa opta por trabalhar com alta liquidez, ela mantém um nível de endividamento baixo, evitando o risco financeiro através da manutenção de poucos recursos de terceiros em sua estrutura de capital. A empresa abre mão da rentabilidade que poderia ser proporcionada por estes recursos. Por outro lado, quanto maior o nível de endividamento, menor a liquidez e maior o risco financeiro. Mas é na sábia utilização destas fontes externas de recursos, que encontra-se o aumento da rentabilidade. Se a empresa, ao analisar os pontos fortes e fracos comentados no item anterior, aplica os recursos tomados em ativos que geram rendimentos maiores que o custo desta captação, temos a formação do spread. É a parcela gerada na utilização de capital de terceiros que, ao somar-se com o retorno das atividades operacionais formam o retorno final do acionista. Assim, a alavancagem financeira é definida por Silva (2006, p. 536) como...o impacto do uso de capitais de terceiros na geração de valor.... É importante ressaltar que, se os recursos de terceiros aplicados não gerarem um

16 69 resultado superior ao seu custo, o acionista terá o seu retorno prejudicado. Ou seja, a alavancagem financeira pode funcionar de maneira positiva ou negativa, maximizando ou minimizando o retorno do acionista. Bernstein e Wild (2000, p. 258) afirmam que quanto maior a alavancagem financeira, menor é a proporção de ativos financiados por capital próprio, sendo maior a participação de recursos de terceiros na estrutura de capital. Silva (2006) aponta também esta relação ao dizer que a alavancagem financeira muda conforme a modificação no percentual de dívida em relação ao ativo total. Assim, quanto maior a alavancagem financeira, maior o retorno do acionista e maior o risco financeiro. Existe forte tendência para que as empresas de grande porte apresentem uma alavancagem financeira maior. Isso ocorre por terem maior acesso ao mercado de crédito e de capitais do que pequenas e médias empresas. É o que afirma a pesquisa desenvolvida pelo Banco da Inglaterra e publicada no Financial Times (ATRILL e McLANEY 2005), na qual é citado o aumento da alavancagem financeira nas empresas de grande porte daquele país. O fato acontece também no Brasil, de acordo com um estudo realizado por Prates e Leal (2005). Porém, ressaltam que o efeito é inverso nas pequenas e médias empresas devido à restrição do mercado brasileiro de crédito e de capitais, já que diminui as fontes de financiamento disponíveis. Este é o principal motivo pelo qual estas empresas têm dado preferência ao financiamento interno, através da retenção de lucros e diminuição da distribuição dos dividendos. Isto ocorre na maioria das vezes, por falta de alternativas e não por opção. Assaf (2006) aponta a alavancagem financeira como um auxílio à geração de valor econômico. Nesse caso, a utilização do capital de terceiros funciona como uma estratégia financeira. Segundo o autor, a criação de valor para o acionista acontece quando as receitas operacionais superam não apenas custos e despesas, mas também o custo de oportunidade do capital próprio. Assim, mesmo incorrendo em despesas financeiras que podem diminuir o lucro contábil, a utilização de recursos externos é um ponto estratégico na gestão baseada no valor, onde a valorização econômica da riqueza é o ponto central. Tipos de alavancagens: ALAVANCAGEM OPERACIONAL É determinada pela relação entre as receitas de vendas da empresa e seu LAJIR (Lucro antes dos juros e do Imposto de Renda). Em outras palavras, é o uso potencial de custos operacionais fixos para aumentar os efeitos das mudanças nas vendas sobre os lucros das empresas, antes dos juros e dos impostos. Quanto maior for o uso dos custos fixos em relação aos custos variáveis unitários, maior será o grau de alavancagem operacional. ALAVANCAGEM FINANCEIRA Refere-se à relação entre o LAJIR e o LPA (Lucro por Ação). É a capacidade da empresa para usar encargos financeiros fixos, a fim de maximizar os efeitos da variação do LAJIR sobre o LPA da empresa. Quanto maior for o uso destes encargos financeiros fixos, maior será o grau de alavancagem financeira. ALAVANCAGEM TOTAL É o uso potencial de custos fixos, tanto operacionais como financeiros, para aumentar o efeito de variações nas vendas/lpa. Fórmulas para cálculo do grau de alavancagem: Alavancagem Operacional: GAO¹= Variação percentual no LAJI = LAJI = nº de vezes Var. percentual nas vendas RTV GAO²= Margem de contribuição total = MCT = nº de vezes LAJI LAJI

17 70 Alavancagem Financeira: GAF¹= Variação percentual no LL = LL = nº de vezes Variação percentual no LAJI LAJI GAF²= LAJI = LAJI = nº de vezes LAJI Desp. financeiras LAIR 1) Uma empresa tinha empréstimos anuais de R$ ,00 a juros de 10% ao ano, a alíquota de IR era de 40% e distribuiu dividendos no valor de R$ 2.400,00. Sabendo que possui ações ordinárias, qual a variação do LPA para níveis de LAJIR de R$ 6.000,00, R$ ,00 e R$ ,00? LAJIR (-) Juros LAIR (-) IR LLE (-) Dividendos LDDD LL/1.000 ações 2) Calcule os efeitos de alavancagem sobre os resultados da Indústria Unipro. DRE Situação Variações no volume de produção e vendas base +10% +15% -10% -15% Unidades vendidas Receitas de vendas Custos variáveis (24.000) Margem de contribuição Custos operacionais fixos (27.000) (27.000) (27.000) (27.000) (27.000) LAJI Despesas financeiras (3.000) (3.000) (3.000) (3.000) (3.000) LAIR Provisão para IR (35%) (2.100) Lucro Líquido Variações RTV +10% +15% -10% -15% LAJI LL Indústria Unipro: GAO em diferentes níveis de operações. Volumes em mil unidades Receitas de vendas (qx10) Custos variáveis (qx4) Margem de contribuição (qx6) Custos operacionais fixos LAJI

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br Análise Financeira Adriano Leal Bruni 1 Por que analisar? Mensurar riscos de crédito de correntes e potenciais clientes. Julgar o desempenho esperado das firmas. Monitorar o progresso da firma em alcançar

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 1) Considere os demonstrativos a seguir: Balanço Patrimonial em 31.12.2011 Ativo Passivo Ativo Circulante R$ 252.000,00 Passivo Circulante R$ 168.000,00 Ativo Imobilizado R$ 348.000,00

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais Sumário 1. A Importância Dos Índices Nas Demonstrações Financeiras 1.1 - Preparação e Reclassificação Das Contas 2. Grupos de Índices 3. Capital

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

Índices de Análise das Demonstrações Contábeis

Índices de Análise das Demonstrações Contábeis Índices de Análise das Demonstrações Contábeis Índices de Estrutura Patrimonial Índices de Estrutura Índices de Estrutura Estrutura do Balanço Patrimonial Estrutura das Aplicações (Ativo) Estrutura das

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Análise Através dos Índices

Análise Através dos Índices PARTE II Avaliação do Desempenho Empresarial Análise Através dos Índices 1 RECORDANDO 1.1 INTRODUÇÃO Numa empresa, freqüentemente os responsáveis pela administração estão tomando decisões, quase todas

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

LL = Q x PVu Q x CVu CF

LL = Q x PVu Q x CVu CF UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ANÁLISE FINANCEIRA 2745 CARGA HORÁRIA: 68 PROFESSOR: MSc Vicente Chiaramonte

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Balanço Patrimonial Relembrando da ultima aula!!!! Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Análise Financeira de Balanços O balanço Patrimonial de uma organização é uma peça contábil, em

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004.

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. Analista CNMP Contabilidade Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. De maneira geral, foi uma prova

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Última Parte Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 15- A empresa Livre Comércio e Indústria S.A. apurou, em 31/12/2008, um lucro líquido de R$ 230.000,00, antes da provisão para o Imposto de Renda e Contribuição Social sobre

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

ÍNDICES PARA ANÁLISE DE BALANÇO 1 ÍNDICES DE LIQUIDEZ

ÍNDICES PARA ANÁLISE DE BALANÇO 1 ÍNDICES DE LIQUIDEZ ÍNDICES PARA ANÁLISE DE BALANÇO 1 ÍNDICES DE LIQUIDEZ Liquidez Imediata = Disponibilidade / Passivo circulante Expressa a fração de reais que a empresa dispõe de imediato para saldar cada R$ 1,00 de suas

Leia mais

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos Administração Prof: Marcelo dos Santos Índices Financeiros e Capital de Giro A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONTABILIDADE AVANÇADA CAPÍTULO 1: DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1.1 - CONCEITO A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

Análise Dinâmica do.capital de Giro

Análise Dinâmica do.capital de Giro Análise Dinâmica do.capital de Giro Questões 12.1 O que são contas cíclicas do giro? Dê exemplos de contas ativas e passivas. 12.2 Desenvolva uma análise comparativa entre as medidas do capital circulante

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral

IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral NOME: RA: PARTE A - Testes 1. As quatro áreas básicas de finanças são,,, e. Finanças Corporativas trata das decisões financeiras

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis 1 I. Introdução Para efetuarmos uma análise profissional das demonstrações financeiras devemos inicialmente: a) simplificar os dados das demonstrações realizando arrendodamentos e/ou efetuando o corte

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 10 Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos Tópicos do Estudo Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (Doar). Uma primeira tentativa de estruturar

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.5. Índices

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES

PROVA ESCRITA PROCESSO SELETIVO 2016 Nº DE INSCRIÇÃO: LEIA COM ATENÇÃO E SIGA RIGOROSAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROVA ESCRITA PROCESSO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços.

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. QUESTÕES COMENTADAS Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. 01. (FCC Analista Contabilidade TRT 24ª Região 2011) Considere: ATIVO CIRCULANTE Companhia X Companhia

Leia mais

CAPÍTULO IV CAPITAL DE GIRO E EQUILÍBRIO FINANCEIRO. 4.1. Conceitos Básicos OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM

CAPÍTULO IV CAPITAL DE GIRO E EQUILÍBRIO FINANCEIRO. 4.1. Conceitos Básicos OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM CAPÍTULO IV CAPITAL DE GIRO E EQUILÍBRIO FINANCEIRO OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM 1. Definir capital de giro ou capital circulante e capital circulante líquido mostrando as transações que elevam e reduzem

Leia mais

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS

COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS COMO ANALISAR E TOMAR DECISÕES ESTRATÉGICAS COM BASE NA ALAVANCAGEM FINANCEIRA E OPERACIONAL DAS EMPRESAS! O que é alavacagem?! Qual a diferença entre a alavancagem financeira e operacional?! É possível

Leia mais

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 04 NOVEMBRO / 2009 O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS (2 a FASE) LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material:

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M Aluna: Larissa de Souza Chaves

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial

Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro. Contabilidade. História. Contabilidade e Balanço Patrimonial Logística Prof. Kleber dos Santos Ribeiro Contabilidade e Balanço Patrimonial Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

CLEVERSON FORATO ORÇAMENTO E FINANÇAS 1

CLEVERSON FORATO ORÇAMENTO E FINANÇAS 1 ORÇAMENTO E FINANÇAS 1 ORÇAMENTO E FINANÇAS 2 SUMÁRIO: 1) INTRODUÇÃO A GESTÃO FINANCEIRA a. A IMPORTANCIA DA INFORMAÇÃO NA GESTÃO DAS EMPRESAS b. O CONTEXTO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA c. A FUNÇÃO DO ADMINISTRADOR

Leia mais

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE

COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE COMO CALCULAR E ANALISAR A CAPACIDADE DE! Como calcular o fluxo de caixa! Qual a fórmula para determinar a capacidade de pagamento! Como analisar a liquidez Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Fatos ou Eventos Econômico- Financeiros Processo ========> Contábil Demonstrações Financeiras = DADOS Técnicas de Análise ===========> de Balanço Informações Financeiras

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R1) DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo OBJETIVO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

Gestão Capital de Giro

Gestão Capital de Giro Gestão Capital de Giro Conceito Capital de giro (ou de capital circulante), identifica os recursos que giram (circulam) várias vezes em determinado período. É formado basicamente por três importantes ativos

Leia mais

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro Projeções dos Demonstrativos Contábeis Prof. Isidro Planejamento Financeiro O planejamento financeiro de uma empresa busca determinar suas necessidades de caixa e é feito em dois níveis: Curto prazo (operacional)

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan Fundamento da Contabilidade Prof. Adilson C. Bassan Conteúdo Análise das Demonstrações Financeiras Análise da Rentabilidade Análise por Indicadores Análise Vertical e Horizontal e Avaliação Geral 1 Análise

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS

ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS Geisibel Costa da Silva Lajeado, outubro de 2014 Geisibel

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo

Contabilidade Geral - Teoria e Exercícios Curso Regular Prof. Moraes Junior Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo Aula 10 Demonstração do Fluxo de Caixa. Conteúdo 12. Demonstração do Fluxo de Caixa 2 12.1. Introdução 2 12.2. Conceitos Importantes 2 12.3. Atividades Operacionais 5 12.4. Atividades de Investimento 7

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Aula n 04 online MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Balanço Patrimonial Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO

ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO ANÁLISE DE INDICADORES FINANCEIROS E A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO FINANCEIRO Potenciais interessados na análise Sócios/acionistas: extraem da análise das demonstrações financeiras os dados necessários para

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período,

A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, A demonstração dos fluxos de caixa evidencia a variação ocorridas no saldo das disponibilidades da companhia, em um determinado exercício ou período, por meio eo da exposição posção dos fluxos de recebimentos

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais