APLICANDO A QUALIDADE NA REDUÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A REDUÇÃO DE HORA EXTRA EM UMA EMPRESA DE GRANDE PORTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICANDO A QUALIDADE NA REDUÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A REDUÇÃO DE HORA EXTRA EM UMA EMPRESA DE GRANDE PORTE"

Transcrição

1 APLICANDO A QUALIDADE NA REDUÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A REDUÇÃO DE HORA EXTRA EM UMA EMPRESA DE GRANDE PORTE Stela SantAnna Guerin (CEFET-RJ ) Ceres Lopes de Azevedo (CEFET-RJ ) Ursula Gomes Rosa Maruyama (CEFET-RJ ) Marcelo Sampaio Dias Maciel (CEFET-RJ ) Andre Figueiredo Moraes (CEFET-RJ ) Este trabalho refere-se a um estudo de caso sobre a redução de custos por meio do controle de horas extras de uma empresa de grande porte utilizando uma ferramenta de controle, cuja elaboração baseou-se nos princípios da Qualidade. A análisse foi realizada numa unidade fabril da organização, localizada no Rio de Janeiro. Foi realizado um levantamento de todos os custos, onde o maior deles, passível de redução - hora extra - foi escolhido para uma intervenção que somada à estratégia de produção da empresa, possibilitasse a entrega do resultado esperado. O projeto foi desenvolvido e, apenas com um ano de implantação, os resultados superaram as expectativas. Palavras-chaves: Redução de custos, Controle de hora extra, Qualidade, Estratégia de Produção

2 1. Introdução Em função da alta competitividade de mercado, as organizações têm buscado utilizar diversas ferramentas de gestão para alcançarem seus objetivos estratégicos. A partir do uso do conceito qualidade com perspectiva estratégica nos processos produtivos, de pessoas e de serviços é aprimorado um diferencial de mercado frente à concorrência. Para se tornar mais competitiva, a empresa foca em diversos projetos atrelados a melhoria de processos, seja através do aumento de controle e da minimização de alguma perda, como por exemplo, retrabalho refugo ou outro tipo de desperdício. A qualidade é envolvida como conceito perante os colaboradores desde sua admissão a fim de envolvê-los nesta cultura organizacional. Atrelar qualidade aos processos produtivos faz com que haja minimização das perdas e redução nos custos envolvidos. No entanto, a utilização do conceito estratégico de tal ramo de conhecimento não deve ser exclusivamente de maneira intuitiva e sem a utilização de um arcabouço teórico específico. É de imensa valia que se faça necessário o uso de ferramentas específicas que auxiliam o desenvolvimento deste, o que aumenta as possibilidades dos projetos executados de terem um melhor grau de desempenho. O estudo tem por objetivo responder a questão: Como utilizar a qualidade no desenvolvimento de ferramentas para a redução de perdas nos custos produtivos? Por meio da análise das ferramentas de Qualidade mais utilizadas no mercado, discute-se a perspectiva estratégica da qualidade na administração da produção, levando-se em conta também as particularidades verificadas como pelo foco dos custos produtivos. Foram considerados objetivos intermediários: Coletar dados financeiros e operacionais da unidade fabril; Analisar os custos realizados da unidade fabril; Analisar os processos a fim de visualizar os gaps; Desenvolver ferramentas de controle para cada gap analisado; 2

3 Aplicar as ferramentas desenvolvidas; Controlar os resultados (tracking) a fim de monitorar o desempenho do projeto. Quanto à metodologia, conforme Vergara (2006), a pesquisa pode ser analisada por dois tipos de critérios: quantos aos fins e quantos aos meios. Quanto aos fins este trabalho pode ser entendido como pesquisa aplicada, pois visa desenvolver mecanismos de solução sobre o problema relatado. Em relação aos meios de investigação, estudo de caso (YIN, 2001) com análise bibliográfica, documental e não invasiva, pois foram utilizados referenciais teóricos e observacionais no ambiente fabril. O estudo foi restrito à aplicação de ferramentas de qualidade com foco na redução de custos diretos e indiretos no período de um ano na unidade fabril, de uma empresa multinacional de bens de consumo identificada neste trabalho como PGB, localizada na cidade do Rio de Janeiro. 2. Qualidade: conceito, estratégia e gestão Em função de sua importância e papel estratégico nas organizações e na sociedade, a qualidade vem sido conceituada pelo ponto de vista exclusivo de uma determinada área. Estas perspectivas não necessariamente se integram, e estão mais ligadas a um quesito subjetivo de percepção de cada indivíduo ou do que é necessário para obter o cumprimento de suas necessidades em um dado momento, não conseguindo assim ter uma definição única para tal termo. No entanto, conforme exposto por Neto e Campos (2004) aos moldes da gestão empresarial pode-se entender que a qualidade visa atingir permanentemente a melhoria de seus produtos ou serviços oferecidos, por meio da mudança dos processos produtivos, da redução de custos de uma mudança cultural e do envolvimento e comprometimento dos trabalhadores. Desta forma, vista como estratégia competitiva, a gestão está diretamente ligada à melhoria continua de todas as atividades inerentes ao processo envolvido. A qualidade está sustentada por algumas abordagens específicas tais como: transcendental, baseada no produto, baseada no usuário, baseada na produção, baseada no valor (GARVIN, 1992, p.48). Carvalho e Paladini (2005) consideram que a perspectiva estratégica da qualidade 3

4 se dá inicialmente através da análise de diversos cenários contendo os stakeholders envolvidos em relação à variável escolhida. Para sua gestão efetiva, o conceito de qualidade como ferramenta estratégica deve ser absorvido no agir e pensar de todos os colaboradores, desde o nível operacional até o estratégico. Como consequência, obtém-se a difusão e transformação da qualidade como valor na cultura organizacional, a fim de atender aos seus propósitos. Portanto, a qualidade deve possuir foco estratégico, mas o seu resultado efetivo se dá apenas se for praticada de fato pelas metas táticas da organização Custos da Qualidade Segundo Oakland (2007, p.189), é necessário que haja geração de um produto e serviço a níveis competitivos no mercado em vários aspectos, inclusive através de um equilíbrio entre custos e qualidade, o que contraria o argumento de que para obter qualidade são necessários altos custos e grandes aquisições, no que diz respeito a valores. Os custos de qualidade podem ser classificados por duas formas (NETO, CAMPOS, 2004; CARVALHO, PALADINI, 2005; OAKLAND, 2007): Prevenção, análise e falhas (este último subdividido em falhas internas e externas); Conformidade e não conformidade. Segundo Slack (2002, p.671), há um valor ótimo de esforço de qualidade a ser aplicado em qualquer situação que minimize o custo total da qualidade.. Ou seja, quando o conceito qualidade é pouco absorvido pela organização, os custos totais de qualidade são altos, com ênfase nos custos de falhas (MEGLIORINI, 2007). Desta forma, pode-se concluir que à medida que as ações preventivas refletem um resultado eficiente, há diminuição dos custos das falhas e avaliação e, consequentemente, dos custos totais (MOSSO, 2001). 3. Estratégias de produção 4

5 O termo estratégia possui várias definições que podem ser encontradas nos trabalhos de alguns conhecidos autores (ANSOFF, 1977; HAMBRICK, 1983; SLACK, 1997, MARIOTTO, 2000). Neste trabalho, considera-se a definição proposta por Slack (1997), na qual a estratégia é o padrão global de decisões e ações que posicionam a organização em seu ambiente e têm o objetivo de fazê-la atingir seus objetivos em longo prazo. Quando são analisadas as diferentes definições de estratégia da produção, todas possuem determinadas características em comum. Estratégia, portanto, não é um conceito fixo, mas sim adaptável a cada situação e empresa sempre com a finalidade de ganhar vantagem competitiva (MARIOTTO, 2000). A qualidade passou a ter destaque como prioridade competitiva da produção mais recentemente (KRAJEWSKI, RITZMAN, MALHOTRA, 2009). Com o mercado mais exigente e consumidores mais conscientes, a qualidade passou a assumir uma importância semelhante ao custo e, mais do que isso, qualidade e custo passaram a ser diretamente associados como a melhor combinação na obtenção de vantagem competitiva. Porém, nas palavras Ghemawat (2000), não basta criar uma vantagem competitiva, a questão é como sustentá-la. Ao fazer uma análise nos países da América Latina especificamente, o Brasil tem um custo muito elevado de pessoas quando comparado aos outros países. Portanto, tendo em vista o apresentado acima, para que seja obtida uma redução de custos sem alteração na qualidade do produto, projetos de produtividade representam um grande diferencial. O tema é de suma importância principalmente para indústrias com sede em países com moedas muito divergentes frente ao dólar. Comparando o valor de manutenção de pessoas no Brasil e no México na análise documental da empresa analisada, foi verificado que o custo da mão de obra brasileira é três vezes maior. O cenário citado acima como exemplo, não só representa uma possível perda de mercado na América Latina, considerando que ambas as unidades são exportadoras, mas também dificulta qualquer justificativa em análises financeiras. 4. Estudo de caso: a redução de hora-extra numa empresa de bens de consumo 5

6 Fundada no século XIX, mais especificamente na década de 1930, a empresa objeto desse estudo de caso é do ramo de bens de consumo e de origem norte-americana. Inicialmente era uma empresa familiar e de um segmento exclusivo. Atualmente a empresa está presente em mais de 170 países com mais de 300 marcas, com aproximadamente quatro mil funcionários na subsidiária brasileira. O projeto que será abordado nesse estudo de caso foi desenvolvido numa unidade fabril da empresa PGB, localizada no Rio de Janeiro, manufatureira do segmento de cosméticos e com cerca de 450 funcionários. O grande desafio das empresas que possuem unidades fabris é oferecer aos consumidores produtos de qualidade ao menor preço possível. Para alcançar esse resultado, as fábricas recebem uma grande pressão por redução de seus custos, diretos e indiretos. Entende-se por custo direto todos aqueles necessários para a transformação da matéria prima em produto final, por exemplo: pessoas, máquinas, manutenções, materiais, etc. Já os custos indiretos são considerados os custos das áreas de suporte à produção, porém alocados na mesma unidade fabril, como por exemplo: Qualidade, RH, Planejamento, Finanças, etc. Essa redução de custo, na empresa PGB, tem como visão uma linha de produção com zero de perdas. Considerando que a perda, não é somente aquilo que foi desperdiçado, mas tudo aquilo que não agrega valor para o consumidor final. No caso da empresa PGB, o grau de exigência alto por parte dos executivos pode ser atribuído como fruto da competição externa, com empresas semelhantes no mercado, e da competição interna, em especial com uma unidade fabril localizada no México que produz os mesmos produtos a um custo bem inferior. Essa competição interna é baseada na disputa do mercado da América Latina. Ao ingressar na companhia, o funcionário recebe treinamentos que o fazem entender a cultura da empresa de melhoria e a importância de cada um fazer o que estiver ao seu alcance para contribuir de alguma forma. Essa contribuição é registrada e acompanhada através de kaizens, que registram a iniciativa do empregado e possibilitam o tracking dos resultados dos mesmos. 6

7 O sistema kaizen tem como premissa a melhoria contínua e sua filosofia consiste em um importante recurso na busca incessante da melhora de processos produtivos e administrativos, tornando-os mais enxutos e velozes. No que se refere à aplicação do sistema kaizen em uma organização, pode-se considerar o seguinte: A alta administração da empresa passa a assumir os valores do kaizen como parte da política da qualidade; A alta administração precisa instituir uma série de atividades para a promoção dos valores adotados; O corpo de funcionários passa a incorporar no seu cotidiano práticas relacionadas com a melhoria contínua. Dentre estas oportunidades, a hora-extra foi considerada a variável selecionada para que fosse submetida ao estudo de intervenção visando sua redução de custos. O custo pode ser divido basicamente em: pessoas, máquinas, utilidades, depreciação, serviços e despesas (MARTINS, 2000). O custo dos recursos humanos é o mais significativo, representando aproximadamente 35% do custo total da fábrica. No levantamento realizado, verificou-se que 17% do custo referente às pessoas eram de hora-extra. Em uma breve análise do histórico de custos foi detectado que a quantidade de hora-extra não variava de forma uniforme com volume, número de pessoas ou eventos pontuais, como auditorias e visitas, apresentando-se como uma oportunidade para aprofundamento de pesquisa Essa ausência de um comportamento uniforme na atribuição dos custos de horaextra, indicou a priori que se tratava também de horas-extras indevidas. Outro fator que impulsionou o projeto foi a observância da questão legal em relação ao excesso de carga horária identificada por funcionário. De acordo com a lei brasileira (BRASIL, 2007), o funcionário não pode exceder em duas horas diárias a sua jornada, ficando a empresa sujeita a multa Etapas do projeto 7

8 Uma vez identificadas as necessidades e os pontos básicos a serem trabalhados, foi realizado um levantamento, baseando-se no PDCA, dando-se início ao projeto em março de As etapas foram trabalhadas conforme descrição seguinte. a) FASE 1 - Plan (planejar): após o mapeamento previamente descrito, a meta definida foi eliminar a hora-extra indevida, identificando a motivação das horas-extras devidas visando minimizá-las, mitigando-se assim o risco trabalhista legal. Os métodos escolhidos a serem utilizados neste plano de ação foram: Elaboração de uma apresentação para os líderes mostrando o problema e a proposta; Engajar os mesmos no projeto para que eles se tornassem ativos no projeto, cada um responsável pela sua respectiva área; Entender com os gerentes o que gerava o excesso de hora-extra e o que poderia melhorar na proposta para que eles pudessem ter ação sobre o problema. Por conseguinte, a proposta desenvolveu uma ferramenta que tivesse como base um conjunto de dados já existente na intranet da fábrica, que listava o nome do funcionário e quantas horas ele havia realizado no mês. O acesso a essas informações era de uso restrito do RH, o qual não realizava nenhuma análise sobre estes dados. Essa ferramenta era alimentada uma vez ao mês e enviada juntamente com um relatório com a informação consolidada do total de hora-extra por área. A lista dos funcionários de cada área que obtiveram mais horas-extras contabilizadas no mês apresenta três gráficos do risco legal existente sob três perspectivas: quantos eventos geraram risco no mês; quantos funcionários geraram esses eventos e o percentual de risco da empresa são representadas pela figura 1. Figura 1 Gráficos sobre risco legal relacionados às horas-extras 8

9 Fonte: Ferramenta de Overtime Empresa PGB (adaptado pelas autoras) Após apresentação do relatório com a consolidação dos dados ao time de líderes da fábrica, o resultado obtido foi positivo, observando-se somente algumas alterações: A frequência de envio do relatório deveria ser semanal; Seria criada uma planilha na ferramenta que mostrasse o evolutivo do total de horas de cada funcionário por mês; Na revisão dos custos, mensalmente realizada pela área de finanças, a redução dessas horas seria mais um item considerado na avaliação de resultados. b) FASE 2 Do (fazer): nesse estágio, foram realizados treinamentos aos líderes sobre a abordagem junto ao funcionário. Além disso, após as alterações solicitadas, a nova ferramenta foi exibida e a liderança pôde esclarecer dúvidas. Cada gerente realizou uma seção com seus funcionários explicando que existia um projeto de redução de hora-extra e, por sua vez, engajaram o time a promover ações que reduzissem essa perda. Ao mesmo tempo, o RH iniciou uma política de reconhecimento e premiações mensais para os melhores kaizens da fábrica. Tais atitudes tornaram o processo menos agressivo para os empregados, que se empenharam na formação de kaizens. Diversos tipos de kaizens de produtividade foram desenvolvidos, dentre eles destacam-se: 9

10 Ordem de produção de tinturas: O foco do projeto era diminuir a lavagem das panelas entre uma batelada e outra, pela simples organização da produção. Tintas loiras não podem ser produzidas após tinturas vermelhas sem que haja uma lavagem completa das panelas e dutos, já o contrário pode acontecer, por exemplo. Essa simples reorganização economizou tempo, além de água e gás. Reorganização de pallets: A reorganização da maneira em que eram colocados os pallets solicitados pela produção facilitou o trabalho do responsável pela transportadora de pallets e evitou atrasos na produção. c) FASE 3 Check (verificar): após três meses de projeto, com o total de horas diminuído consideravelmente, foi verificado um aumento no quarto mês. Esse aumento, contrário à linha de tendência, foi objeto de discussão em uma nova reunião com a liderança. Nesse encontro, os gerentes alegavam que já haviam conseguido a redução máxima, que ainda existiam problemas devido a pessoas que marcavam o ponto de saída somente após se arrumarem (e.g. para troca de uniforme e equipamentos de segurança). Esses três pontos foram citados como causas dessas horas indevidas. Outro argumento utilizado foram que essas horas variavam de acordo com o número de pessoas e de volume. d) FASE 4 Act (agir): Nesta etapa já existiam dois projetos do RH quase em conclusão, que eram catracas no restaurante e na saída, implantados justamente para esse tipo de controle. A esses projetos foi dada prioridade máxima, mas os mesmos ainda não excluíam a questão do tempo da troca de uniformes após o turno. Para esse último item, nessa mesma reunião, foi sugerido que os relógios de ponto da produção fossem colocados dentro da produção, onde ainda era necessária a utilização dos trajes de segurança. Quanto aos dois últimos argumentos avaliados, como já haviam sido realizadas análises que comprovavam que não existia um comportamento uniforme entre os colaboradores e a respectiva hora-extra, a solução foi simplesmente incluir essa informação na ferramenta para que os líderes também pudessem visualizar isso e aplicar o tratamento adequado conforme a sua necessidade. 10

11 Figura 2 Gráficos de hora-extra total versus volume e pessoas Fonte: Ferramenta de Overtime Empresa PGB (elaborado pelas autoras) Uma vez esclarecidas as questões de volume e número de pessoas, o gerente da fábrica solicitou aos gerentes das áreas um controle ainda mais preciso sobre os horários dos seus funcionários. A partir dessa nova etapa, a redução percebida foi ainda maior, ficando próxima à média de duas horas por dia por funcionário Resultados preliminares Após um ano de projeto foram relatados os principais resultados do mesmo. Os sistemas de tracking se fundamentaram nas consultas ao sistema SAP e ao próprio Sistema de RH, sendo este base para a ferramenta. Os resultados obtidos foram os seguintes: Total de hora-extra por funcionário: com base na análise dos quinze primeiros, tivemos uma redução de uma média de 160 horas que gera uma média de seis horas por dia para 70 horas média de três horas por dia; Total de hora extra da fábrica: quando o projeto foi iniciado a média era de dezoito mil horas por mês. Na primeira fase do projeto, essa média diminui para doze mil horas 11

12 por mês. Finalmente, após a última alteração, essa média foi reduzida para sete mil horas por mês; Risco legal: o risco ainda existe, mas foi reduzido pela metade; Custo: O saving (redução de custo) total do primeiro ano foi de $ 1,5 milhões, e até o momento vem ocorrendo mensalmente de forma consistente. Visibilidade: o projeto obteve visibilidade mundial, onde os envolvidos foram premiados pelo desenvolvimento da ferramenta e pelo saving alcançado. O mesmo projeto já foi reaplicado em duas unidades da empresa e outras ainda fazem benchmarking para aplicá-lo. Como fatores críticos de sucesso tem-se a cultura da empresa, o engajamento dos líderes, a boa resposta por parte dos funcionários, a visibilidade provida pela ferramenta e a frequência de envio da mesma, o desenvolvimento de projetos de engenharia em paralelo e kaizens de produtividade Aplicabilidade da ferramenta Aparentemente, não existe barreira para aplicação desta ferramenta em empresas de segmentos diferentes. No entanto, para que a mesma possa ser implantada, deve existir uma cultura de liderança, uma comunicação clara e objetiva junto aos empregados e, essencialmente, um sistema de controle de ponto automatizado. Vale ressaltar que os resultados alcançados neste estudo tiveram a influência de projetos paralelos, tais como a instalação de catracas e a mudança na localização do relógio de ponto. Logo, para que a ferramenta seja bem sucedida, algumas intervenções podem ser necessárias para complementá-la. 5. Conclusão A vantagem competitiva tomou proporções tão grandes quanto à importância, que, atualmente, ela não mais se restringe aos clientes externos, mas principalmente aos clientes internos de uma organização. Com o mercado exigindo melhores performances, em casos 12

13 críticos, como em crises financeiras, a decisão de corte é tomada baseada no balanço custo versus qualidade das unidades de uma mesma organização. Frente a exigências por redução de custos, a empresa PGB, objeto de estudo deste trabalho, elaborou um projeto na tentativa de reduzir o total de hora-extra, identificada como uma das maiores perdas da empresa. Para responder ao questionamento, foi realizada a interação entre três componentes: Qualidade, Custos e Estratégia Produtiva. Em resposta ao problema proposto: Como utilizar a qualidade no desenvolvimento de ferramentas para a redução de perdas nos custos produtivos? Além das Ferramentas da Qualidade, conceitos como o de Zero Defeito e a Engenharia de Confiabilidade incrementaram a resposta neste contexto. Ao fazer a análise da Gestão de Custos com a Gestão da Qualidade, é primordial entender o significado e as classificações de custos. Para este estudo, foram observados os custos variáveis, diretos e indiretos, da fábrica. Dentre os benefícios provenientes da mensuração de custos, alguns foram comprovados durante a pesquisa documental do valor agregado ao know how da empresa pelo conhecimento histórico de como os custos se comportam e o seu melhor desempenho, o que acabou sendo um fator facilitador durante o desenvolvimento do projeto em si. Quanto à Estratégia de Produção, observou-se que não existe uma fórmula única de sucesso, cada estratégia deve ser desenvolvida para melhor atender aos objetivos da organização. Visando desenvolver uma ferramenta que melhorasse a qualidade de processos reduzindo, assim, os custos por unidade, iniciou-se uma análise que levou à elaboração de um processo de controle acerca da hora-extra em uma unidade fabril localizada no Rio de Janeiro. O processo se dividiu em coleta de dados, mais especificamente de todos os dados financeiros; a análise desses dados, fazendo uso do Diagrama de Pareto; análise das maiores despesas, focando onde pudesse existir uma ação etapa na qual a hora-extra foi escolhida como foco do projeto análise das causas deste gargalo (e.g. localização do relógio de ponto; falta de controle de entrada e saída, entre outros). 13

14 A implantação utilizou o Ciclo PDCA como guia, e alguns ajustes na configuração da ferramenta foram realizados. Desde o início do projeto até o momento de análise para elaboração deste estudo, em um período aproximado de um ano, os principais resultados alcançados foram: Redução mensal de R$ ,00 (duzentos mil reais); Redução mensal de horas-extras, sem nenhum dano à produção; Diminuição do risco legal em 50%. No entanto, é importante ressaltar que tais resultados não foram unicamente alcançados com a utilização das ferramentas. Concomitantemente, kaizens foram desenvolvidos por funcionários para aprimorar processos, melhorando a produtividade; estas iniciativas são frutos da cultura organizacional, que tem foco no conceito de Zero Defeito. De forma geral, a utilização da Qualidade por meio do Diagrama de Pareto, Ciclo PDCA, Kaizen e conceito de Zero Defeito, aliados a melhorias de processos produtivos, foram essenciais para a redução de custos. Os resultados, tão positivos, alcançados em apenas um ano de implantação comprovam que a interação entre Qualidade, Custos e Produção é eficiente quando bem trabalhada. Não obstante, ainda existem oportunidades a serem trabalhadas em futuros projetos como o aprimoramento contínuo dos processos produtivos visando à implantação de um sistema que maneja os funcionários de uma área para outra aproveitando o tempo ocioso do empregado, eliminado uma ou mais possíveis contratações dentro da empresa (Flow to the Work). Neste caso, potencialmente, o ganho financeiro seria não só pela eliminação do custo de hora-extra, mas do custo do funcionário em si. Portanto, percebe-se a representatividade do presente estudo para que possa dar espaço a novas pesquisas que utilizem estas informações ao aprofundamento e melhoria contínua para aprimoramento dos processos industriais na empresa. REFERÊNCIAS ANSOFF, I. Estratégia Empresarial. São Paulo: McGraw-Hill

15 BRASIL. CLT Saraiva e Constituição Federal. 34 ed. São Paulo: Saraiva, CAMPOS, L.; NETO, A.S. Manual de gestão da qualidade aplicado os cursos de graduação. Rio de Janeiro: Forense, CARVALHO, M.; PALADINI, E. P. Gestão da Qualidade: teoria e casos. Rio de Janeiro: Elsevier, CHAMBERS S.; JOHNSTON R.; SLACK N. Administração da Produção. 2 ed. São Paulo: Atlas, CHIAVENATO, I. Introdução à Teoria Geral da Administração. 6 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, GARVIN, D.A. Gerenciando a qualidade: uma visão estratégica e competitiva. Rio de Janeiro: Qualitymark, GHEMAWAT, P. A Estratégia e o Cenário dos Negócios. Porto Alegre: Bookman, HAMBRICK, D. C. Some tests of the effectiveness and functional attributes of Miles and Snow's strategic types. Academy of Management Journal. v. 26, n. 1, pp. 5-26, KRAJEWSKI, L., RITZMAN, L., MALHOTRA, M. Administração da Produção e Operações. 8.ed. Rio de Janeiro: Pearson, MARTINS, E. Contabilidade de custos. São Paulo: Atlas, MARIOTTO, F.L. Mobilizing emergent strategies. Relatório No. 10/2000. Fundação Getúlio Vargas, Núcleo de Pesquisas e Publicações (NPP). São Paulo: Disponível em Acessado em 24 de maio de MEGLIORINI, E. Custos: análise e gestão. São Paulo: Pearson Prentice Hall, MOSSO, M. Introdução à estratégia em qualidade. Rio de Janeiro: Esc, OAKLAND, J. Gerenciamento da qualidade total TQM. São Paulo: Nobel,

16 SLACK, N. et al. Administração da produção. São Paulo: Atlas, VERGARA, S.C. Métodos de pesquisa em administração. 4 ed. São Paulo: Atlas, YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. São Paulo: Bookman,

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL

MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL MEDIÇÃO DE DESEMPENHO NA CONSTRUÇÃO CIVIL Eng. Dayana B. Costa MSc, Doutoranda e Pesquisadora do NORIE/UFRGS Conteúdo da Manhã Módulo 1 Medição de Desempenho Conceitos Básicos Experiência de Sistemas de

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Sistemas de Indicadores de Desempenho

Sistemas de Indicadores de Desempenho Sistemas de Indicadores de Desempenho Aula 11 Profª. Ms. Eng. Aline Soares Pereira Sistemas Produtivos I Indicadores Indicadores são formas de representação quantificáveis das características de produtos

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques

Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Pesquisa sobre: Panorama da Gestão de Estoques Uma boa gestão de estoques comprova sua importância independente do segmento em questão. Seja ele comércio, indústria ou serviços, o profissional que gerencia

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO GUIA PARA EXECUTIVOS Professo MSc Lozano 2015 FERRAMENTAS DE GESTÃO Técnicas gerenciais utilizadas pelas organizações para aumentar competitividade. Ferramentas Básicas para Gestão

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RECURSOS HUMANOS EM UMA ORGANIZAÇÃO HOSPITALAR COM PERSPECTIVA DE DESENVOLVIVENTO DO CLIMA ORGANIZACONAL: O CASO DO HOSPITAL WILSON ROSADO EM MOSSORÓ RN

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

Caros alunos, Vários assuntos essenciais para a Gestão da Segurança das Informações foram discutidos em nossa cadeira. Dentre eles, posso citar:

Caros alunos, Vários assuntos essenciais para a Gestão da Segurança das Informações foram discutidos em nossa cadeira. Dentre eles, posso citar: Caros alunos, Fundação Getúlio Vargas FGV Management MBA Gerenciamento de Projetos com Ênfase em TI Cadeira de Gestão da Segurança da Informação Questionamentos Úteis Vários assuntos essenciais para a

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença?

Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? Inteligência Organizacional, Inteligência Empresarial, Inteligência Competitiva, Infra-estrutura de BI mas qual é a diferença? * Daniela Ramos Teixeira A Inteligência vem ganhando seguidores cada vez mais

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL

PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL PESQUISA DE CLIMA ORGANIZACIONAL UTILIZANDO O MÉTODO SURVEY, COM OS COLABORADORES DE UMA EMPRESA DO RAMO DA CONTRUÇÃO CIVIL Julia Ferreira de Moraes (EEL-USP) moraes.julia@hotmail.com Everton Azevedo Schirmer

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes 25 de junho Mogi das Cruzes - Gestão Fabril: - Implantação de Melhorias e Sistemas de Gestão; - Estruturação e Desenvolvimento de Equipes; - Mentoring de Gestores para a Produtividade e Qualidade. - Otimização

Leia mais

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM

A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM XIII SIMPEP Bauru, SP, Brasil, 6 a 8 de novembro de 6. A Utilização de Etiquetas de Detecção de Inconveniências na Manutenção Autônoma do TPM Marcos Roberto Bormio (UNESP) mbormio@feb.unesp.br Nilson Damaceno

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 553 A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO DE CUSTOS NA ELABORAÇÃO DO PREÇO DE VENDA Irene Caires da Silva 1, Tamires Fernanda Costa de Jesus, Tiago Pinheiro 1 Docente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. 2 Discente

Leia mais

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N

I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N I D C A N A L Y S T C O N N E C T I O N Dan Vesset Vice-presidente de Programa, Business Analytics P r át i cas recomendadas para uma estr a t ég i a d e B u s i n e s s I n teligence e An a l yt i c s

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL

INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ORGANIZACIONAL ZAROS, Raíssa Anselmo. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG E-mail: raissa_zaros@hotmail.com LIMA, Sílvia Aparecida Pereira

Leia mais

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Eunice Zucchi (CESCAGE) eunicezucchi@gmail.com Balduir Carletto (CESCAGE) bcarletto@uol.com.br Camila Lopes

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades

Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Aula 2 Governança do projeto Papéis e Responsabilidades Objetivos da Aula: Nesta aula, iremos conhecer os diversos papéis e responsabilidades das pessoas ou grupos de pessoas envolvidas na realização de

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Ana Carolina Oliveira Santos Carlos Eduardo Sanches Da Silva Resumo: O sistema de custos

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM

União Metropolitana de Educação e Cultura. Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM União Metropolitana de Educação e Cultura Interdisciplinar I Módulo CSTs: RH, Logística e GESCOM Lauro de Freitas - BAHIA 2013 2 JUSTIFICATIVA A principal justificativa para o desenvolvimento e implementação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados

Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados Débora Cristina de Souza RODRIGUES1; Matheus Soares NAMETALA2; Rafaela Leite das CHAGAS3.Ciniro Aparecido Leite NAMETALA4; Wemerton Luís

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Jonas de Souza H2W SYSTEMS

Jonas de Souza H2W SYSTEMS Jonas de Souza H2W SYSTEMS 1 Tecnólogo em Informática Fatec Jundiaí MBA em Gerenciamento de Projetos FGV Project Management Professional PMI Mestrando em Tecnologia UNICAMP Metodologia de apoio à aquisição

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

Controle ou Acompanhamento Estratégico

Controle ou Acompanhamento Estratégico 1 Universidade Paulista UNIP ICSC Instituto de Ciências Sociais e Comunicação Cursos de Administração Apostila 9 Controle ou Acompanhamento Estratégico A implementação bem sucedida da estratégia requer

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores

Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores Utilização do preço de transferência na avaliação do desempenho das divisões e dos gestores Emanuel R. Junqueira (FAESA-ES) ejunqueira@faesa.br Gilberto Aurino Silva Neto (FAESA-ES) professorgilberto@terra.com.br

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial

Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial Segurança Patrimonial - Sistema de Informações para Proteção Patrimonial Conheça mais sobre a coleta de dados por meio de bastão de rondas, entrevistas e auditorias. Artigo Publicado no Jornal da Segurança

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Impactos sobre os custos de energia elétrica: é possível quantificá-los?

Impactos sobre os custos de energia elétrica: é possível quantificá-los? 1 Impactos sobre os custos de energia elétrica: é possível quantificá-los? RESUMO O presente trabalho teve como objetivo o desenvolvimento de uma metodologia para a quantificação do impacto dos principais

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV

PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO PLANO DE REMUNERAÇÃO VARIÁVEL - PRV 1. PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO DE PESSOAS 1.1 Histórico da Prática Eficaz A Nova Escola tem aplicado a Meritocracia como um recurso na Gestão de

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

DEPARTAMENTO DE HELP DESK DA DIXIE TOGA MELHORA METAS COM PRÁTICAS DE ITIL

DEPARTAMENTO DE HELP DESK DA DIXIE TOGA MELHORA METAS COM PRÁTICAS DE ITIL agosto/2012 Case de Sucesso DEPARTAMENTO DE HELP DESK DA DIXIE TOGA MELHORA METAS COM PRÁTICAS DE ITIL Para publicar um case no Portal IT4CIO, entre em contato pelo e-mail comunicacao@it4cio.com. PERFIL

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução

GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução GESTÃO DA QUALIDADE DE SOFTWARE Introdução Considerações iniciais Qualidade: Grau de perfeição, de precisão, de conformidade a um certo padrão. É conceito multidimensional, isto é, o cliente avalia a qualidade

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais