RELATÓRIO E CONTAS 2011 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO E CONTAS 2011 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA"

Transcrição

1 RELATÓRIO E CONTAS 2011 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA

2 RELATÓRIO E CONTAS 2011 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA

3 Índice I. RELATÓRIO DE GESTÃO 06 Destaques 09 Introdução O Grupo Soares da COSTA 12 II. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS 100 III. POLÍTICAS CONTABILÍSTICAS E NOTAS EXPLICATIVAS desenvolvimento SustentávEL atividade Enquadramento Área de Negócio Produção 36 IV. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 134 V. RELATÓRIOS DE FISCALIZAÇÃO Área Comercial Recursos Humanos análise económica e financeira Contas Individuais Contas Consolidadas GESTÃO DE RISCOS PERSPETIVAS PARA FATOS RELEVANTES APÓS O TERMO DE EXERCÍCIO OUTRAS INFORMAÇÕES LEGAIS RECONHECIMENTO PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS 96

4 I Relatór io de Gestão

5 09 Destaques // Volume de negócios (VN) consolidado atinge 796,2 milhões de euros, em linha com o valor do ano anterior (-0,5%); // VN no mercado externo cresce 4,1% para 532,0 milhões de euros, com o VN do mercado interno a decrescer 8,5% para 264,2 milhões de euros; // EBITDA atinge 47,7 milhões (53,0 milhões em 2010), reduzindo a margem de 6,6% um ano antes para 6,0%; // Resultados financeiros situam-se em -16,9 milhões que comparam com -15,3 milhões do ano anterior (Δ 10,1%); // Resultado consolidado atribuído ao Grupo de 7,4 milhões de euros fica 44,6% abaixo do valor de 13,4 milhões do ano 2010; // Resultado líquido individual cifra-se em 4,1 milhões de euros (12,8 milhões um ano antes); // SDC Construção SGPS, SA fusiona por incorporação a SDC Indústria, SGPS, SA. Principais indicadores consolidados da AN Construção (Milhões de euros) Rubricas Variação% Volume de negócios 796,2 800,0-0,5% Portugal 264,2 288,8-8,5% Mercado externo 532,0 511,2 4,1% EBITDA 47,7 53,0-10,0% Resultados operacionais (EBIT) 29,4 33,2-11,4% Resultados financeiros -16,9-15,3 10,1% Resultado líquido 7,4 13,4-44,6%

6 10 11 Introdução O Conselho de Administração da Soares da Costa Construção, S.G.P.S., S.A., no cumprimento das disposições legais e estatutárias apresenta e submete à apreciação da Assembleia-Geral de Acionistas, o Relatório de Gestão, as contas do exercício e demais documentos de prestação de contas, referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de Estes documentos dão conhecimento sobre a evolução dos negócios, o desempenho e a posição financeira da Soares da Costa Construção, S.G.P.S., S.A. e das principais sociedades em que participa, bem como sobre os principais riscos e incertezas com que se defronta. Os dados contabilísticos apresentados quer respeitantes às demonstrações financeiras individuais da sociedade quer no contexto das contas consolidadas devem ser interpretados à luz das normas internacionais (IAS/IFRS: Normas Internacionais de Contabilidade/Normas Internacionais de Relato Financeiro), tal como adotadas na União Europeia. Mais se informa que, enquanto entidade totalmente detida pela sociedade Grupo Soares da Costa, S.G.P.S., S.A., sociedade aberta ao investimento do público, a Soares da Costa Construção SGPS, S.A. não está sujeita à elaboração e divulgação de contas consolidadas, cabendo essa responsabilidade à empresa-mãe. Assim, as contas consolidadas que aqui se referem assumem um caráter facultativo que, porém, elaboradas segundo o quadro normativo internacional já acima referido, transmitem a dimensão conjunta e a respetiva performance da atividade da área de negócios da construção do Grupo Soares da Costa. A informação financeira relativa a cada empresa participada individualmente referida neste relatório deve ser entendida no contexto do seu interesse para a compreensão da atividade e desempenho da área de Construção e não substitui as demonstrações financeiras que cada sociedade elabora e apresenta nos termos da legislação vigente. Relatório de Gestão do Exercício de 2011 Soares da Costa Construção, SGPS, SA

7 12 1. O Grupo Soares da Costa Vila Olímpica, Moçambique (Sociedade de Construções Soares da Costa)

8 14 15 Missão e Valores Referências Históricas Na sua qualidade de estrutura coordenadora de toda a atividade do Grupo Soares da Costa diretamente ligada à construção, é à Soares da Costa Construção S.G.P.S., S.A. que incumbe a responsabilidade de, através deste segmento de atividade um dos dois considerados estratégicos no Grupo (a par das Concessões / Serviços) - realizar a missão deste, ou seja, a de "corresponder às exigências do mercado e dos seus clientes, através de um modelo de negócio sustentado, recursos qualificados e motivados, geradores de valor económico, social e ambiental, de modo a proporcionar um retorno atrativo aos acionistas". A Soares da Costa Construção, S.G.P.S., S.A., de um ponto de vista formal, nasceu em 30 de dezembro de 2002, tendo sido criada mediante o apport pelo seu acionista único o Grupo Soares da Costa S.G.P.S., S.A. do portefólio de participações sociais da área de negócios da construção. Todavia, remontam a 1918 as origens do que é hoje o Grupo Soares da Costa. De pequena empresa com 10 operários dedicada essencialmente à execução de acabamentos de alta qualidade a um dos maiores grupos económicos portugueses com presença global, toda a história da Empresa se encontra intimamente ligada ao negócio da Construção. No decorrer da sua já longa existência, a Empresa atravessou várias fases de crescimento, acompanhando sempre os sinais dos tempos: Em 1944, converte-se numa sociedade por quotas, com 8 milhões de escudos de capital; Esta missão é prosseguida não ao acaso ou de modo aleatório, antes através do sulco de caminhos áridos e difíceis mas bem orientados e que se consubstanciam na prática reiterada de valores que, sendo definidos ao nível geral do Grupo, são orgulhosamente partilhados pela Sociedade: Orientação permanente para o mercado e para a satisfação do cliente; Eficácia e eficiência da gestão; Integridade e ética; Conduta socialmente responsável; Respeito pelo ambiente. Em 1968, e já com atividade em toda a região Norte de Portugal, transforma-se em Sociedade Anónima com um capital de 9 milhões de escudos, ainda detido inteiramente pelos herdeiros do fundador; No período que se seguiu à Revolução de 1974, e reagindo com inovação à crise que então se instalou no mercado, a empresa encontrou na construção, utilizando tecnologia de cofragem túnel", a porta para a continuação do seu crescimento. Em 1977, já com mais de trabalhadores, a sede social é transferida para um novo edifício na Avenida da Boavista; No início da década de 80 do século passado, é iniciada a expansão internacional da empresa, sendo a Venezuela e a Guiné-Bissau os países eleitos como pioneiros. O seu capital social passa a ser de 180 milhões de escudos; É também na mesma década que, aproveitando a explosão de crescimento das infraestruturas do país que a adesão à Comunidade Europeia anunciava, a atividade da empresa sai da quase exclusividade dos edifícios e se alarga à construção dessas infraestruturas; Relatório de Gestão do Exercício de 2011 Soares da Costa Construção, SGPS, SA

9 16 17 Em 1988, e após uma mudança acionista interna que, sem ainda perder o caráter familiar, levou a Empresa a um período de maior exposição ao Mercado Financeiro, procede-se a um novo aumento de capital, para contos; Durante as décadas de 80 e 90, a atividade internacional da Empresa diversifica-se e o volume de exportações cresce. A presença em Mercados tão distantes entre si como Iraque, Macau, Egipto, Guiana, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde e Alemanha são exemplos da clarividência na busca de oportunidades e da capacidade para as aproveitar; A entrada da Empresa no mercado dos Estados Unidos da América deu-se em 1994, com a constituição da SDC Contractor Inc.; Em 2002 dá-se uma nova reestruturação que conduziu à formalização do grupo económico. A Sociedade de Construções Soares da Costa, S.A., converte-se numa sociedade gestora de participações sociais, a Grupo Soares da Costa, S.G.P.S., S.A., com o capital social de 160 milhões de euros, que por sua vez detém inteiramente o capital social de quatro outras sociedades gestoras de participações sociais, cada uma delas encabeçando as participações do respetivo segmento de negócios. À Soares da Costa Construção, S.G.P.S., S.A., cabe-lhe a missão de gerir todo o negócio da Construção, sendo constituída com o capital social nominal de 90 milhões de euros; O período compreendido entre o final do ano de 2006 e o início de 2007 é outro marco histórico para a Empresa, com a obtenção por parte do Grupo Investifino - Investimentos e Participações S.A. do controlo do Grupo Soares da Costa. O caráter familiar que, até então, estava intimamente ligado à gestão (e, sobretudo, à imagem da empresa) desaparece, dando origem a uma nova filosofia de gestão, mais profissionalizada e moderna. É longa e complexa a história do Grupo Soares da Costa no mercado da construção, mas nas suas várias fases sempre procurou e soube encontrar espaço para modernização e crescimento. Desta forma, a Soares da Costa Construção S.G.P.S., S.A. tem a responsabilidade de honrar com a sua atividade os pergaminhos de que é depositária, vendo no seu passado o exemplo mas sabendo sempre encontrar no presente o caminho de crescimento que lhe garanta o futuro. Daí que competindo-lhe a gestão e o desenvolvimento do negócio da Construção, uma das áreas estratégicas de negócios do Grupo, a sociedade evidencia um grande crescimento e dinâmica desde que nasceu formalmente. Em 2008, procedeu às aquisições da Contacto em Portugal e da Prince, no estado da Florida, Estados Unidos da América, para além da integração da Clear adquirida à área industrial. No decurso do ano de 2011 incorporou, por fusão, a Soares da Costa Indústria, S.G.P.S., S.A.. Também no ano findo, tendo em conta as substanciais alterações do contexto macroeconómico, a escassez de financiamento e a forte contração do mercado de construção doméstico, a gestão do Grupo Soares da Costa procedeu ao ajustamento do seu plano estratégico 1. Esta atualização direciona as linhas de orientação estratégica para a INTERNACIONALIZAÇÃO, para a ÁREA DE NEGÓCIOS DA CONSTRUÇÃO e para a SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA das atividades. Assim, visando assegurar um nível de crescimento da atividade do Grupo compatível com as condicionantes externas, nomeadamente de índole financeira, protegendo os níveis de rentabilidade e possibilitando, no final do período de aplicação do plano (2015), atingir uma expressiva redução do endividamento, foram selecionados os seguintes vetores de atuação: Manutenção do crescimento em África; Desenvolvimento do mercado brasileiro por via orgânica, perspetivando uma aquisição a médio prazo; Permanência dos Estados Unidos, com enfoque na rentabilidade; Adiamento dos investimentos em novos negócios de Energia e Ambiente; Alienação de ativos; Concessões: minimização de necessidades de capital; Redução de custos de estrutura. Como se compreende nem todos estes vetores de atuação se relacionam com a área de negócios da construção e por isso se relacionam com a sociedade a que respeita este relatório. Porém, dado o enfoque na Construção e sendo a sociedade a holding de participações desta área de negócios esta assume um papel fundamental na implementação e concretização desta estratégia. 1 Vide Comunicado no sítio da CMVM Relatório de Gestão do Exercício de 2011 Soares da Costa Construção, SGPS, SA

10 18 19 Orgãos Sociais Organização da Sociedade Os órgãos sociais da Soares da Costa Construção, Durante o exercício de 2011 a composição do Vogais A Soares da Costa Construção, S.G.P.S., S.A., enquanto S.G.P.S., S.A. à data do início do exercício de 2011 Conselho de Administração sofreu algumas alterações, Pedro Gonçalo de Sotto-Mayor de Andrade Santos entidade gestora da área de negócios da construção tinham a seguinte composição válida para o mandato a saber: Luís Miguel Andrade Mendanha Gonçalves do Grupo, exerce a sua atividade enquadrando as ( ): António José Cadete Paisana Ferreira participações nas várias empresas dedicadas à Na sequência da renúncia, por carta datada de 28 Paulo Eugénio Peixoto Ferreira execução de obras de construção civil, engenharia e MESA DA ASSEMBLEIA-GERAL de Julho, do Dr. Pedro Manuel de Almeida Gonçalves António Manuel Lima de Miranda Esteves infraestruturas. Presidente com efeitos em 31 de Agosto de 2011, por deliberação Paulo Jorge dos Santos Pinho Leal Jorge Manuel Oliveira Alves da Assembleia-Geral de Acionistas de 9 de Setembro Carlos Alberto Príncipe dos Santos Todos os membros que constituem o Conselho de Secretário de 2011, foi nomeado para Presidente do Conselho Administração têm funções executivas, repartindo a Pedro Miguel Tigre Falcão Queirós de Administração o Dr. António Manuel Pereira Caldas Acionistas coordenação das várias participações da Sociedade. de Castro Henriques. Mais foi deliberado nomear CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO para o cargo de Vice-Presidente do Conselho de Com a operação de fusão a que já se aludiu o capital Presidente Administração o Eng. Jorge Domingues Grade Mendes social da Soares da Costa Construção, SGPS, SA foi Novas participações e alterações no perímetro de Pedro Manuel de Almeida Gonçalves e para o cargo de vogal daquele Conselho o Eng. Carlos aumentado de 90 milhões de euros para consolidação da AN Construção durante o exercício Vogais Alberto Príncipe dos Santos, todos para completar o euros, passando a ser representado por de 2011 Pedro Gonçalo de Sotto-Mayor de Andrade Santos mandato em curso (2010/2012). ações nominativas de valor nominal unitário de 5 Luís Miguel Andrade Mendanha Gonçalves euros. A totalidade do capital social continua a ser 1. Inclusão da Soares da Costa Brasil Construções, António José Cadete Paisana Ferreira Por sua vez, o vogal do Conselho de Administração detida pela sociedade Grupo Soares da Costa, S.G.P.S., Ltda., uma sociedade constituída em janeiro de Paulo Eugénio Peixoto Ferreira Eng. Fernando Manuel Fernandes de Almeida, S.A e detida pelo Grupo em 100%, cujo objeto António Manuel Lima de Miranda Esteves com efeitos a partir de 30 de Novembro de 2011, social é a construção civil em geral, em particular nas Paulo Jorge dos Santos Pinho Leal apresentou carta de renúncia ao seu cargo. Em cumprimento do disposto na alínea d) do número 5 áreas de engenharia civil, elétrica e mecânica, por Fernando Manuel Fernandes de Almeida do artigo 66º do Código das Sociedades Comerciais administração ou empreitada, bem como a elaboração Assim, à data deste Relatório é a seguinte a informa-se que a Sociedade não detém nem de projetos, cálculos e estudos, compra e venda de FISCAL ÚNICO composição do Conselho de Administração: transacionou no exercício findo quaisquer ações bens móveis, imóveis e materiais de construção, Efetivo próprias. incorporações imobiliárias, concessão de serviços Grand Thornton & Associados SROC, Lda CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO públicos e de utilidade pública e atividades afins às Representada por Joaquim Filipe Martins Presidente mencionadas, sempre visando práticas sustentáveis de Moura Areosa António Manuel Pereira Caldas de Castro Henriques na construção civil para a redução do consumo Suplente Vice-Presidente de energia e outras soluções ecológicas para a José Carlos Nogueira Faria e Matos Jorge Domingues Grade Mendes preservação do meio ambiente. Relatório de Gestão do Exercício de 2011 Soares da Costa Construção, SGPS, SA

11 Inclusão no perímetro de consolidação de Soares da Costa e Lena, A.C.E., um agrupamento complementar de empresas constituído em março de 2011 e detido pelo Grupo em 50%, que tem por objeto melhorar as condições de exercício, a otimização de meios e o resultado da atividade económica das agrupadas, através da realização em conjunto de todos os atos, materiais e jurídicos, necessários à execução de todos os trabalhos de construção civil relativos à empreitada de construção do lote 2, numa extensão de quilómetros, do troço Poceirão Caia do corredor da linha de alta velocidade entre Lisboa e Madrid. 3. Inclusão no perímetro de consolidação da sociedade Cerenna Cerâmica Nacional de Angola, S.A., uma sociedade detida pelo grupo em 51%, cujo objeto social é a produção e comercialização de telhas, tijolos, abobadilhas e outros artefactos de barro vermelho ou branco, bem como, a implementação e/ou gestão de projetos de investimento e desenvolvimento relacionados com a indústria mineira e derivados, cerâmica, metalo-mecânica, comércio, importação e exportação, tecnologias de informação, transportes, hotelaria, e turismo, construção civil e industrial, imobiliária, formação profissional, representações, intermediação, gestão e exploração de imóveis ou empreendimentos imobiliários, próprios ou alheios, incluindo a sua exploração comercial ou turística. 4. Inclusão no perímetro de consolidação da sociedade Santolina Holding B.V., sociedade constituída em abril de 2011 e detida pelo grupo em 100%, cujo objeto social é a incorporação, participação, condução da gestão e aquisição de participações financeiras noutras empresas, prestação de serviços administrativos, técnicos, financeiros, económicos ou de gestão a outras empresas ou pessoas, aquisição, alienação, gestão e exploração de bens móveis e imóveis, incluindo patentes, marcas, licenças, permissões e propriedade industrial e outros direitos, emprestar e/ou pedir emprestado dinheiro, atuar como fiador ou avalista, desempenho e promoção de todas as atividades que direta ou indiretamente se relacionem com este objeto. 5. Reforço da participação no capital da sociedade Coordenação & Soares da Costa, SGPS, Lda., sociedade que passou a ser totalmente detida pelo Grupo. 6. Fusão da Soares da Costa Indústria, SGPS, S.A. na Soares da Costa Construção, SGPS, S.A., e consequente migração de todas as participações financeiras por esta detidas para a área de negócio da Construção Civil e Obras Públicas. 7. Inclusão no perímetro de consolidação da sociedade Terceira Onda Planejamento e Desenvolvimento LTDA, uma sociedade detida pelo grupo em 50%, que tem por objeto o planeamento, desenvolvimento, gestão e elaboração de projetos, consultoria e execução de obras de engenharia civil, serviços de elétrica e mecânica, relativos aos empreendimentos nas unidades de Rio Branco PR e de São Luiz MA, da empresa Votorantim Cimentos, S.A.,nos termos indicados no Edital para Contratação de Serviços de Construção de 20 de setembro de No âmbito de reorganização do Grupo Vortal: transmissão por venda das ações detidas na Vortal Comércio Electrónico, Consultadoria e Multimédia, S.A. à Vortal SGPS, S.A. e aquisição de participação no capital social da sociedade Vortal SGPS, S.A. na percentagem correspondente à participação antes detida na Vortal Comércio Electrónico, Consultadoria e Multimédia, S.A. 9. Redução da posição detida na sociedade MTA Máquinas e Tractores de Angola, Limitada, com a alienação de 66% do capital desta sociedade. Na página seguinte representa-se o organigrama de participações da Sociedade: Relatório de Gestão do Exercício de 2011 Soares da Costa Construção, SGPS, SA

12 22 Estrutura de participações da Soares da Costa Construção, SGPS, S.A. SDC Construção, SGPS, SA 100% 50% 17,9% SDC América, INC Transmetro, ACE Normetro, ACE 60% 80% 100% 100% Porto Construction Group, LLC SDC Construction Services, LLC Prince, LLC SDC Contractor, LLC ASSOC - Estádio de Braga, ACE Estádio Coimbra, ACE Israel Metro Builders 40% 60% 30% 50% 40% 50% SdC e Lena, ACE Estádio de Braga Acabamentos, ACE Somague-SDC, ACE 50% 49% Grupul Portughez de Constructti SDC Emirates, LLC VSL, SA VORTAL, SA 11,3% 7,24% 51% 80% 100% GEC - Guiné Ecuatorial Construcciones SDC Moçambique, SARL SDC S. Tomé e Príncipe, Construções, Lda. Três ponto dois, ACE HidroAlqueva, ACE LGV, ACE GCF, ACE 50% 50% 50% 25% 17,25% 28,57% 28,57% 28,57% Teatro Circo, ACE Nova Estação, ACE GCVC, ACE Matosinhos, ACE 99,96% Soares da Costa Brasil, 0,04% Ltda. 100% CARTA, LDA 99% Carta Angola, Lda 1% LGC - Linha de Gondomar, ACE Terceira Onda, Lda 30% 50% 50% 24% CAET XXI, ACE GACE - Gondomar, ACE 100% Soc. Construções Soares da Costa, SA SANTOLINA Holding B.V 100% 100% 100% Contacto, SA 65% SDC/Contacto ACE SDC Construcciones Centro Americanas, SA 35% Construtora - S. José- Caldera, SA 17% Construtora S. José Ramon, SA 100% CLEAR, SA 95% CLEAR ANGOLA, SA 33,33% CFE - Indústria de Condutas, SA 100% Coordenação & SDC 33% MTA. LDA. (1) 100% SOCOMETAL, SA 51% CERENNA, SA 45% Alsoma, ACE 40% SOMAFEL, SA 100% OFM, SA 50% Traversofer, SARL 60% Somafel e Ferrovias, ACE 95% Somafel, Ltda. (Brasil) 5% Método Integral Método Proporcional E. Patrimonial Custo de aquisição (1) Adicionalmente, a Sociedade de Construções Soares da Costa, S.A. detém uma participação de 1% no capital social da MTA - Máquinas e Tractores de Angola, Lda. Relatório de Gestão do Exercício de 2011 Soares da Costa Construção, SGPS, SA

13 2. Desenvolvimento Sustentável Ponte sobre o Rio Zambeze, Moçambique (Sociedade de Construções Soares da Costa)

14 26 27 O compromisso do Grupo Soares da Costa para com um desenvolvimento sustentável está incutido na Visão e Missão da Empresa, que aspira, simultaneamente, à rentabilidade e criação de valor acionista, à proteção e bem-estar dos seus colaboradores e comunidades com quem interatua, à preservação do meio ambiente, através da minimização de impactes ambientais negativos e à melhoria contínua do valor criado para os grupos de interesse prioritários. Este compromisso é transversal a todas as áreas de negócio do Grupo Soares da Costa e, sendo a construção a mais representativa, assume especial relevância no contexto dos projetos e ações que são desenvolvidos, nos quais é procurada, continuamente, a minimização de impactes negativos destas atividades e, por outro lado, a maximização de potenciais impactes positivos. Saúde e segurança, ambiente, e educação são as três grandes preocupações do Grupo Soares da Costa em matéria de responsabilidade social corporativa. A gestão ambiental, a saúde e a segurança e o apoio a diversas comunidades com quem interagimos foram alvo de uma gestão sustentável durante o ano, mas foi sobretudo ao nível da educação e formação dos nossos colaboradores de áreas técnicas que se desenvolveram mais ações em A par do aumento generalizado das horas de formação técnica prestadas aos nossos colaboradores, foram desenvolvidas várias sessões teóricas e práticas que tiveram como objetivo a partilha do conhecimento entre eles. Nos seus mais de 90 anos de atividade, o Grupo Soares da Costa tem vindo a acumular entre os colaboradores das várias empresas que o integram um imenso knowhow, procurando cada vez que essas experiências pessoais e profissionais sejam transmitidas às gerações mais jovens que se juntam ao Grupo. Assim, em 2011 e com este mesmo objetivo, voltaram a repetir-se as Jornadas Técnicas do Grupo Soares da Costa, iniciadas em 2010, complementadas por um conjunto de sessões mais direcionadas a determinados quadros da empresa os Workshops Técnicos - e, sempre que possível, complementadas com visitas práticas a obras em curso. Por outro lado, não só os temas técnicos da atividade de construção foram abordados nestas iniciativas, havendo lugar à discussão de temas complementares, vocacionados para a gestão de contratos e de grandes obras de construção. De realçar que a maior parte dos temas foram apresentados por colaboradores do Grupo Soares da Costa, que em cada sessão partilharam com outros colaboradores diferentes aspetos das experiências vividas. Temas apresentados nas II Jornadas Técnicas da Construção: Investigação na Alta Velocidade, LEAN Construction, Gestão da Sustentabilidade em Obra, Técnicas de Automação na Segurança Contra Incêndios em Edifícios, Reforço da Potência da Barragem do Alqueva, Viaduto sobre o Rio Corgo, SDC Angola - Algumas Obras de Referência. Temas apresentados nos Workshops Técnicos Construção e Gestão: Código Contratos Públicos, Viaduto sobre o Rio Corgo, Modelo de Contrato FIDIC, Índice de Gestão da Sustentabilidade em Obra, Metodologias de Montagem de Obras de Arte Metálicas e Mistas, Sistema LEED: Avaliação da Construção Sustentável, Produção Descentralizada e Eficiência Energética, Procurement Internacional. Visitas Técnicas Realizadas: Ponte sobre o Rio Fervença, Reforço da Potência da Barragem do Alqueva, Viaduto sobre o Rio Corgo. Mais informações sobre o Desenvolvimento Sustentável no Grupo Soares da Costa, SGPS, SA, podem ser consultadas no Relatório de Sustentabilidade 2011, disponível em Relatório de Gestão do Exercício de 2011 Soares da Costa Construção, SGPS, SA

15 3. At iv idade Ponte pedonal de Coimbra, Portugal (Socometal)

16 ENQUADRAMENTO Análise Geral A Economia Portuguesa O ano de 2011 mostrou um enfraquecimento do crescimento à escala global e um aumento da incerteza. O produto mundial ter-se-á expandido 4,0% 2 continuando a ter como motor as economias emergentes, com a Ásia na liderança. A economia mundial vive sob a confluência de dois desenvolvimentos adversos: uma quase estagnação das economias avançadas e um acréscimo da incerteza nos planos financeiro e fiscal. A consolidação fiscal prosseguida em muitas das economias mais desenvolvidas tem implicações na procura interna; por outro lado, verificou-se um aumento do ceticismo dos mercados relativamente à capacidade de muitos países estabilizarem a sua dívida pública, preocupações essas mais generalizadas e não só limitadas, como antes, aos países periféricos da Europa. A economia dos EUA terá tido uma expansão no ano findo de 1,7% estimando-se para 2012 uma taxa de crescimento ligeiramente mais elevada (2,0%), mas ainda abaixo da média histórica. A necessidade de acelerar o processo de consolidação fiscal coloca em pressão a despesa pública que deixará de constituir um estímulo ao crescimento, enquanto o investimento empresarial sendo positivo tem evoluído de forma tímida. Observa-se um esvaziamento da bolha imobiliária com a redução dos stocks e os preços das casas a cair menos mas tão cedo o setor não constituirá um fator propulsor determinante do crescimento económico. A Zona Euro, afetada pelas preocupações relacionadas com a dívida pública, viu em 2011 a sua atividade económica muito condicionada. Políticas orçamentais conservadoras e em alguns casos severamente restritivas, a necessidade de aceleração do processo de desalavancagem financeira e o aumento do preço de petróleo conduzem a que o produto revele um fraco crescimento tendendo expetavelmente em 2012 para a estagnação, com as principais economias como a Alemanha e a França a apresentar expansões do produto muito limitadas. O ano de 2011 foi dominado pelo pedido de assistência financeira do Estado português junto do Fundo Monetário Internacional e da União Europeia (formulado ainda antes do ato eleitoral que conduziria à substituição do partido dominante no Governo). Este pedido deu lugar à formalização de um Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF), em que o Governo de Portugal se comprometeu a adotar medidas de ajustamento dos desequilíbrios macroeconómicos e de caráter estrutural. Estas medidas que se consubstanciam designadamente na significativa redução do investimento público e de agravamento fiscal visando a consolidação orçamental refletem-se em termos económicos numa contração em resultado da evolução negativa do consumo privado (em ambas as vertentes de consumo corrente e consumo duradouro). Observa-se igualmente uma contração do investimento com o indicador da FBCF a fixar-se em novembro de 2011 no mínimo histórico da série iniciada em 1995, com contributos negativos de todas as componentes: material de transporte, máquinas e equipamentos e construção, sendo mais significativo no último caso. O bom andamento do comércio internacional de bens com as exportações a registarem um crescimento assinalável (+15,1% em termos de variação homóloga em novembro, com as importações a reduzirem-se 3,6%) é insuficiente para compensar a forte redução da procura interna 3. Assim, o Banco de Portugal no seu Boletim de Inverno aponta para uma contração da economia portuguesa em 2011 que ter-se-á situado em -1,6% e projeta para 2012 uma quebra mais acentuada de 3,1%. Em termos de inflação em 2011 o Índice de Preços no Consumidor (IPC) registou uma taxa de variação média de 3,7% (1,4% em 2010). Este resultado traduz o aumento bastante acentuado do preço dos produtos energéticos e a alteração da taxa do IVA a partir de janeiro de Já a variação média anual do Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) passou de 1,4% em 2010 para 3,6% em 2011, registando um 2 Projeções do Fundo Monetário Internacional IMF - World Economic Outlook, setembro, Segue-se aqui como fonte a Síntese Económica de Conjuntura dezembro de 2011, INE. Relatório de Gestão do Exercício de 2011 Soares da Costa Construção, SGPS, SA

17 32 33 Mercado Externo diferencial face à Área Euro de 0,9 p.p. (-0,2 p.p. no ano anterior) 4. O desemprego continua a ser uma variável com evolução preocupante ao nível económico e social. Os dados mais recentes disponibilizados pelo INE 5 colocam a taxa de desemprego estimada no 3º trimestre de 2011 em 12,4%, tendo-se incrementado 0,3 pontos relativamente ao trimestre anterior. Mercado Interno: O Setor da Construção Em 2011 os indicadores da evolução do setor da construção traduzem invariavelmente uma progressiva degradação. Assim, o índice de produção na construção apresentou em novembro findo uma variação homóloga de -11,6% em resultado das variações homólogas de -11,5% na construção de edifícios e de -11,7% no segmento da engenharia civil. Este acentuar do ritmo de decréscimo das variações homólogas mensais levou a taxa de variação média nos últimos doze meses a situar-se em -9,3%, com a construção de edifícios a apresentar uma variação média em novembro de -9,9% ainda pior do que a correspondente à da engenharia civil (-8,7%) 6. Não obstante a acostumada demora no ajustamento do mercado de trabalho, o ciclo recessivo setorial inusitadamente longo a que se vem assistindo, traduz-se inevitavelmente na redução do emprego com a taxa de variação média nos últimos doze meses, aferida em novembro, a situar-se em -9,8%. Este clima recessivo prolongar-se-á a fazer crer no número de concursos promovidos pela administração central que contrairam 70,3% em termos homólogos acumulados até novembro. Em termos globais, a quebra em valor dos concursos abertos até novembro, por comparação com o período homólogo, foi de milhões de euros (-31,6%) 7. Também os licenciamentos de novas habitações e de novos fogos registaram em novembro reduções homólogas de -21,7% e 29,6%, respetivamente 8. 4 Índice de Preços no Consumidor, dezembro de 2011, INE 11 janeiro de Estatísticas de Emprego - 3º. trimestre de novembro de Índices de Produção, Emprego e Remunerações na Construção, novembro 2011, INE, 11 janeiro de Conjuntura da Construção nº. 57, dezembro de 2011, FEPICOP. 8 Síntese Económica de Conjuntura - setembro de 2011, INE. Uma breve referência ao enquadramento macroeconómico nos principais mercados externos de intervenção direta da sociedade: ANGOLA Em Angola o Relatório do FMI datado de 16 de setembro de 2011 relativo à Quinta Avaliação no âmbito do Acordo Stand-By, refere que o crescimento económico em 2010 e no primeiro semestre de 2011 foi forte, apesar de muito abaixo dos níveis anteriores à crise. As principais condicionantes foram a produção de petróleo abaixo do esperado e a desaceleração no fluxo de créditos e na atividade dos setores afetados pelos atrasos nos pagamentos do governo. Ainda assim o mesmo relatório projetava em 7,7% a taxa de crescimento do PIB não petrolífero para 2011; já a estimativa do crescimento do PIB global situa-se em 3,4%. Com efeito, as estimativas de crescimento da economia angolana continuam a sugerir um forte desempenho ainda que os cenários de fraca performance da economia mundial e a queda verificada na produção de petróleo coloquem incertezas que recomendam prudência nas projeções das taxas de expansão da economia. O controlo da inflação é uma das prioridades das autoridades. A tendência de descida tem sido conseguida situando-se em novembro a taxa de variação dos preços nos últimos doze meses em 11,3% e assumindo-se como objetivo para 2012 o valor de 10%. MOÇAMBIQUE O país é considerado um caso de sucesso entre as economias africanas e tem assumido um papel cada vez mais importante no contexto da África Austral, atendendo, designadamente ao seu potencial como fornecedor de energia. Quer fontes internas (OE retificativo de 2011) quer entidades internacionais projetam taxas de expansão da economia moçambicana para 2011 e anos subsequentes superiores a 7% 9, acima do crescimento de 6,8% verificado em 2010 e já de si uma das expansões mais pronunciadas da África Subsariana. Esta aceleração do ritmo de crescimento deve-se aos avanços promovidos pelo investimento direto estrangeiro sob a forma de megaprojetos em particular no setor da exploração de recursos minerais, aumento do investimento público e bem assim ao bom comportamento do setor agrícola, fatores determinantes para o progresso na concretização do 9 7,4% ao final do 1º. semestre de 2011 segundo declarações proferidas pelo Senhor Governador do Banco de Moçambique em discurso oficial do fim do ano económico de Relatório de Gestão do Exercício de 2011 Soares da Costa Construção, SGPS, SA

18 34 objetivo estratégico global de erradicação da pobreza absoluta do país. Não obstante estes indicadores, importa relevar a dependência ainda muito expressiva deste país da ajuda internacional. Uma das prioridades ao nível político tem sido o combate à inflação que, no entanto, é afetado por fatores exógenos como o aumento do preço das commodities e dos bens alimentares ao nível internacional. A adoção por parte do Banco de Moçambique de medidas monetárias restritivas e o comportamento mais estável da moeda nacional (metical) tem vindo a possibilitar uma desaceleração da inflação ainda assim, a apresentar uma taxa de variação média anual de 11,3% aferida em novembro. ROMÉNIA Em 2011 a Roménia obteve um crescimento económico do PIB na ordem de 1,5% e as previsões apontam para um crescimento do PIB na ordem dos 4,3% para o ano de O setor de construção no país apresentou em 2011 um certo dinamismo suportado essencialmente no desenvolvimento e construção de infraestruturas. ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Como se disse acima a economia dos EUA terá tido uma expansão no ano findo de 1,7% e as projeções para 2012 da taxa de expansão da economia situam-se ao redor dos 2%. Na área imobiliária as restrições de crédito e os ajustamentos que ainda se verificam no excesso de stocks no mercado de habitação levam a admitir um mercado ainda pouco dinâmico, embora o mínimo do ciclo já tenha sido ultrapassado. Por sua vez a política orçamental federal e a de muitos estados, menos expansionista, conduzem a que o investimento público não constitua um grande fator propulsor de crescimento económico. As respostas aos inquéritos de opinião realizados pela AGC of AMERICA (The Associated General Contractors of America) com referência ao setor da construção no Estado da Florida para 2012 são, para a generalidade dos segmentos, conservadoras ou pessimistas (autoestradas, outros transportes, águas/saneamento, edifícios públicos, escritórios, etc.), constituindo apenas o segmento da energia o único em que as respostas de previsível aumento de volume de negócios para 2012 superam as respostas de redução. Ao nível das parcerias público-privadas, depois de um ano de 2011 desapontante com um comportamento anémico e a verificação de cancelamentos de projetos designadamente na Flórida Florida High-Speed Rail - e na Georgia, onde neste último se refere especificamente o cancelamento do West by Northwest Project, no segmento das autoestradas rodoviárias, em que o Grupo estava pré-qualificado, espera-se em 2012 uma reanimação em vários campos: greenfield", brownfield, infraestruturas sociais e águas. Relatório de Gestão do Exercício de 2011 Soares da Costa Construção, SGPS, SA

19 ÁREAS DE NEGÓCIO PRODUÇÃO Portugal As sociedades integradas na AN Construção pelo O desempenho destas sociedades não é imune não fora a importância deste projeto e o decréscimo de EDIA Bloco de Aljustrel; método integral com intervenção significativa no país ao clima depressivo verificado no mercado nacional atividade teria sido bastante significativo. EDIA Bloco de Pedrógão 3; são: da construção civil e obras públicas já acima Infraestruturas de Loteamento em Tróia; caraterizado. Há ainda que considerar, não obstante Para além do merecido destaque deste projeto Substituição da cobertura na Central da Vitória, Sociedade de Construções Soares da Costa, SA; a assinatura da reforma do Contrato de Concessão em particular relevam-se pela sua importância as na Madeira. Contacto Sociedade de Construções, SA; ocorrida em fevereiro de 2011, o atraso na concessão seguintes obras concluídas em Portugal, durante o Clear Instalações Electromecânicas, SA; do visto por parte do Tribunal de Contas (contrato com exercício de 2011: Quanto à distribuição geográfica operacional da Construções Metálicas Socometal, SA, proveniente o concessionário ELOS), referente ao projeto da linha atividade nacional da Sociedade de Construções da área da Indústria. de alta velocidade para o troço Poceirão-Caia. Parque Escolar Lote 2AN2; Soares da Costa, SA, confirmou-se uma grande ETAR do Barreiro; estagnação na Madeira (1% da atividade em 2011, Para além disso, existem em operação vários Sendo fortes os condicionalismos de mercado que Subsistema de drenagem Barreiro-Moita; a comparar com 4% em 2010 e 14% em 2009) Agrupamentos Complementares de Empresas ou enquadram a atividade das empresas do setor em Rede de Rega da Capinha, na Cova da Beira; e uma grande concentração da atividade no norte ACEs (consolidados pelo método proporcional) em Portugal, a Sociedade de Construções Soares da Pousada da Cidadela de Cascais; do país. Deve ser referido que esta percentagem que, nomeadamente, a primeira das sociedades Costa, SA, soube tornear com sucesso o ano de 2011, Amarsul - Estação de Triagem; resulta sobretudo da autoestrada Transmontana, que acima enunciadas participa; no exercício de 2011 podendo-se afirmar que o desempenho da empresa no Variante a Madalena do Mar, na Madeira; representa uma importante parcela deste número. juntaram-se, consolidadas pelo método proporcional, mercado nacional conseguiu superar positivamente as Central de Valorização Orgânica do Seixal, que as participadas do segmento das obras ferroviárias e dificuldades que se lhe colocaram. entrou em fase de testes ao equipamento e sistemas. marítimas provenientes da área da Indústria: Somafel e OFM. Com grande relevância na atividade do ano assume-se Em relação às iniciadas em 2011, e apesar do clima o projeto de construção da autoestrada Transmontana de contenção instalado em Portugal, destacam-se as Analisemos em seguida, com especial enfoque no desenvolvido pelo agrupamento complementar de seguintes: capítulo da produção, os aspetos mais relevantes empresas CAET XXI - Construções, ACE, em que a da atividade desenvolvida por estas sociedades no sociedade participa em 50%. Na realidade, tendo sido Pousada da Serra da Estrela, na Covilhã; mercado nacional: a atividade nacional da sociedade expressa no VN em World Hotel, na Praia da Tocha; linha (até ligeiramente acima +1,8%) com o ano anterior Hotel Sana Evolution, em Lisboa; Relatório de Gestão do Exercício de 2011 Soares da Costa Construção, SGPS, SA

20 38 39 ATIVIDADE NACIONAL 2011: DISTRIBUIÇÃO POR ÁREA GEOGRÁFICA Madeira 1% Dentro do Segmento da Construção Civil, quase três quartos da atividade foi materializada no subsegmento de Hotelaria, partilhando a Habitação e a construção de Escolas o resto da atividade em Este último subsegmento, por ser investimento público, reforça ainda mais a ideia atrás transmitida de iniludível estagnação de investimento privado. Sul 31% ATIVIDADE NACIONAL 2011 CONSTRUÇÃO CIVIL: DISTRIBUIÇÃO POR SUBSEGMENTO Norte 68% Habitação 12,2% Escritórios 1,8% Escolas 11,8% Indústria 0,6% A distribuição por segmentos de atividade, seguindo a tendência do setor que já se manifestara em 2010, em que pode ser detetada uma clara desaceleração da atividade privada, caraterizou-se por um maior peso do segmento da Engenharia e Infraestruturas, que de uma quota de apenas 27% em 2008 passou para quase 54% em 2009,representando cerca de dois terços em 2010 e subiu para mais de 90% em Mais uma vez, é de referir que este número não representa qualquer tendência de vontade de investimento público, mas reflete, por isso mesmo, a queda abrupta do investimento privado. Hotéis 73,6% No segmento da Engenharia e Infraestruturas, as Estradas representaram cerca de dois terços da atividade, seguidos das Infraestruturas e Ambiente com peso rondando os 10%, das Barragens (correspondendo essencialmente ao reforço de potência da barragem do Alqueva) com cerca de 6% e das Pontes, com 5%. ATIVIDADE NACIONAL 2011: DISTRIBUIÇÃO POR SEGMENTO ATIVIDADE NACIONAL 2011 ENGENHARIA E INFRAESTRUTURAS: DISTRIBUIÇÃO POR SUBSEGMENTO Construção Civil 8,8% Infraestruturas 10,5% Túneis 0,1% Ferrovias 1,7% Pontes 4,8% Ambiente 11,3% Engenharia e Infraestruturas 91,2% Estradas 65,2% Barragens 6,4% Relatório de Gestão do Exercício de 2011 Soares da Costa Construção, SGPS, SA

RELATÓRIO E CONTAS 2011 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA

RELATÓRIO E CONTAS 2011 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA RELATÓRIO E CONTAS 2011 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA RELATÓRIO E CONTAS 2011 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA Índice I. RELATÓRIO DE GESTÃO 06 Destaques 09 Introdução 11 1. O Grupo Soares da

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2012 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA 1. Soares da Costa Construção, SGPS, SA

RELATÓRIO E CONTAS 2012 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA 1. Soares da Costa Construção, SGPS, SA RELATÓRIO E CONTAS 2012 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA 1 2012 Soares da Costa Construção, SGPS, SA RELATÓRIO E CONTAS 2012 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA 2 Índice 01. RELATÓRIO DE GESTÃO Destaques

Leia mais

GRUPO SOARES DA COSTA, SGPS, SA RUA DE SANTOS POUSADA, 220 4000-478 PORTO CAPITAL SOCIAL: 160 MILHÕES DE EUROS NIPC E NÚMERO DE MATRICULA NA CRC

GRUPO SOARES DA COSTA, SGPS, SA RUA DE SANTOS POUSADA, 220 4000-478 PORTO CAPITAL SOCIAL: 160 MILHÕES DE EUROS NIPC E NÚMERO DE MATRICULA NA CRC 1 GRUPO SOARES DA COSTA, SGPS, SA RUA DE SANTOS POUSADA, 220 4000-478 PORTO CAPITAL SOCIAL: 160 MILHÕES DE EUROS NIPC E NÚMERO DE MATRICULA NA CRC PORTO 500 265 763 ÍNDICE I RELATÓRIO DE GESTÃO 3 DESTAQUES

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2013 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA. Soares da Costa Construção, SGPS, SA RELATÓRIO E CONTAS

RELATÓRIO E CONTAS 2013 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA. Soares da Costa Construção, SGPS, SA RELATÓRIO E CONTAS RELATÓRIO E CONTAS 2013 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA Soares da Costa Construção, SGPS, SA RELATÓRIO E CONTAS 2013 1 RELATÓRIO E CONTAS 2013 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA índice A RELATÓRIO

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016

Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 Projeções para a Economia Portuguesa: 2014-2016 1 Projeções para a economia portuguesa: 2014-2016 As projeções para a economia portuguesa apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte.

Leia mais

O Setor da Construção em Portugal 2011

O Setor da Construção em Portugal 2011 O Setor da Construção em Portugal 2011 1º semestre FEVEREIRO 2012 Ficha Técnica Título: Relatório Semestral do Setor da Construção em Portugal 1º Sem. 2011 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO RESULTADOS 2011 ESTRUTURA FINANCEIRA PERSPETIVAS CALENDÁRIO FINANCEIRO 2012

ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO RESULTADOS 2011 ESTRUTURA FINANCEIRA PERSPETIVAS CALENDÁRIO FINANCEIRO 2012 23 ABRIL 2012 ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO RESULTADOS 2011 ESTRUTURA FINANCEIRA PERSPETIVAS CALENDÁRIO FINANCEIRO 2012 Este documento foi preparado pela Grupo Soares da Costa, SGPS, SA (Soares da Costa), unicamente

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico

Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Análise ao Comércio Externo de Equipamento Elétrico e Eletrónico Janeiro Dezembro 2013 1. Análise global Setor Elétrico e Eletrónico Confirma-se uma tendência decrescente na evolução do comércio externo

Leia mais

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA

C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA C&M CENÁRIOS 8/2013 CENÁRIOS PARA A ECONOMIA INTERNACIONAL E BRASILEIRA HENRIQUE MARINHO MAIO DE 2013 Economia Internacional Atividade Econômica A divulgação dos resultados do crescimento econômico dos

Leia mais

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho

Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Nota sobre as alterações do contexto socioeconómico e do mercado de trabalho Mudanças recentes na situação socioeconómica portuguesa A evolução recente da economia portuguesa têm-se caracterizado por um

Leia mais

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1.

Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9 pontos na UE e +0.5 pontos na Área Euro 1. Jan-04 Jan-05 Jan-06 Jan-07 Jan-08 Jan-09 Jan-10 Jan-11 Jan-12 Análise de Conjuntura Fevereiro 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Janeiro de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou +0.9

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000

Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 Informação à Imprensa 8 de Março de 2001 Reestruturação da Sonae Indústria prosseguiu como planeado durante o exercício de 2000 As vendas da Sonae Indústria no exercício de 2000 ascenderam a Euro 1 294

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP

Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Discurso do Encontro Ministerial sobre Infraestruturas entre China e PLP Senhores Ministros, É com grande satisfação que venho ouvir as políticas de investimento internacional, a nível das infraestruturas,

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Exercício de 2011 EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO - ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA

FICHA TÉCNICA. Exercício de 2011 EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO - ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA EMPRESAS DO SETOR DA CONSTRUÇÃO ANÁLISE ECONÓMICO-FINANCEIRA - - Instituto da Construção e do Imobiliário, I.P. FICHA TÉCNICA Título: Empresas do Setor da Construção Análise Económico-Financeira Autoria:

Leia mais

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção Índice 1. Introdução. 3 2. PROM&E GROUP.... 4 3. Building Management Organograma. 6 3.1 Project Management 7 3.2 Gestão Manutenção.. 16 3.3 Otimização

Leia mais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais

VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção. VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais 1 VISABEIRA GLOBAL > Telecomunicações Energia Tecnologia Construção VISABEIRA INDÚSTRIA > Cerâmica e Cristal Cozinhas Recursos Naturais VISABEIRA TURISMO > Hotelaria Entretenimento & Lazer Restauração

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017. Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção

PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017. Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção PROJEÇÕES PARA A ECONOMIA PORTUGUESA: 2015-2017 Caixa 1 Hipóteses do exercício de projeção Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 7 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 1. Introdução

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E.

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. DIPLOMA / ATO : Decreto-Lei n.º 229/2012 NÚMERO : 208 SÉRIE I EMISSOR: Ministério dos Negócios Estrangeiros SUMÁRIO: Aprova

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

NEWSLETTER InCI ano III nº 25 Dezembro/ 2013

NEWSLETTER InCI ano III nº 25 Dezembro/ 2013 I NOTÍCIAS/INFORMAÇÕES Foi aprovado pelo Parlamento Europeu a revisão da legislação europeia sobre os contratos públicos de obras, bens e serviços e as concessões. Consulte aqui o comunicado de imprensa.

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL. Junho 2015

BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL. Junho 2015 BOLETIM ECONÓMICO BANCO DE PORTUGAL EUROSISTEMA Junho 2015 BOLETIM ECONÓMICO Junho 2015 Lisboa, 2015 www.bportugal.pt BOLETIM ECONÓMICO Junho 2015 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa

Leia mais

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA

INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA 2 PROGRAMA INTERNACIONALIZAR EM PARCERIA A Mota-Engil Indústria e Inovação e a Caixa Capital celebraram um acordo para a concretização de um Programa, designado Internacionalizar

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 9 setembro 211 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e do Emprego G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5

EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2. Atividade global... 2. Atividade setorial... 3. - Produção... 3. - Volume de negócios... 5 SÍNTESE DE CONJUNTURA Mensal fevereiro 2015 - Newsletter ÍNDICE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE ECONÓMICA... 2 Atividade global... 2 Atividade setorial... 3 - Produção... 3 - Volume de negócios... 5 Comércio internacional...

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO

BUSINESS BRIEFING MAIO 2012 INTRODUÇÃO BUSINESS BRIEFING Análise IPD 2011 MAIO 2012 INTRODUÇÃO O Investment Property Databank (IPD) é um índice que analisa o retorno do investimento institucional direto em ativos imobiliários, assumindo-se

Leia mais

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO

ANGOLA FICHA DE MERCADO BREVE CARACTERIZAÇÃO FICHA DE MERCADO ANGOLA BREVE CARACTERIZAÇÃO Situa-se na região da África Subsariana, apresentando uma economia em forte crescimento, que converge para uma economia de mercado. É um país extremamente rico

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem

indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem boletim trimestral - n.º 6 - outubro 2014 algarve conjuntura turística indicadores 1. Hóspedes 2.1. Número total de hóspedes 2.2. Hóspedes por tipologia de alojamento 2.3. Hóspedes por país de origem 1.

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 05 Maio 2015 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos).

O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer na União Europeia (+2.0 pontos), quer na Área Euro (+1.4 pontos). Nov-02 Nov-03 Nov-04 Nov-05 Nov-06 Nov-07 Nov-08 Nov-09 Nov-10 Nov-12 Análise de Conjuntura Dezembro 2012 Indicador de Sentimento Económico O indicador de sentimento económico melhorou em Novembro, quer

Leia mais

Resultados Consolidados

Resultados Consolidados Resultados Consolidados 2013 1. MENSAGEM DO PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA 2013 constitui um marco no processo de reposicionamento e recuperação da Inapa. Para além da melhoria do desempenho económico

Leia mais

relatório de gestão e demonstrações financeiras

relatório de gestão e demonstrações financeiras Soares da Costa Construção SGPS, SA Sociedade de Construções Soares da Costa, SA Exercício de 2010 relatório de gestão e demonstrações financeiras 2 SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO SGPS, SA /// EXERCÍCIO DE

Leia mais

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO

A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO A SUA EMPRESA PRETENDE EXPORTAR? - CONHEÇA O ESSENCIAL E GARANTA O SUCESSO DA ABORDAGEM AO MERCADO EXTERNO PARTE 03 - MERCADOS PRIORITÁRIOS Introdução Nas últimas semanas dedicamos a nossa atenção ao

Leia mais

COMUNICADO. - Informação Privilegiada - DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS RELATIVOS AO EXERCÍCIO DE 2014 (NÃO AUDITADOS)

COMUNICADO. - Informação Privilegiada - DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS RELATIVOS AO EXERCÍCIO DE 2014 (NÃO AUDITADOS) COMUNICADO - Informação Privilegiada - DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS RELATIVOS AO EXERCÍCIO DE 2014 (NÃO AUDITADOS) A "TEIXEIRA DUARTE, S.A." procede à publicação de informação sobre os resultados de 2014 através

Leia mais

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 %

O EBITDA no 4T13 foi de 9,6 M, o que corresponde a uma margem EBITDA de 7 % DESTAQUES página 3 O total de Proveitos Operacionais foi de 592,9 M, a registar uma subida de 15 % quando comparado com o ano anterior, a refletir um crescimento significativo no volume de negócio das

Leia mais

Resultados do 1º trimestre de 2015

Resultados do 1º trimestre de 2015 Resultados do 1º trimestre de 2015 Grupo Media Capital, SGPS, S.A. 11º ano de liderança Liderança em Grupo de canais Número um no digital Novos conteúdos na área da ficção e entretenimento: A Única Mulher,

Leia mais

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012

Consórcio CGD/IHRU. Fundo de Desenvolvimento Urbano TEKTÓNICA. Iniciativa Comunitária JESSICA. 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Consórcio CGD/IHRU TEKTÓNICA 9 de Maio 2012 Iniciativa Comunitária JESSICA Consórcio IHRU/GCGD 18 de Abril de 2012 1 Portugal Evolução de

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO INTERCALAR AO 3º TRIMESTRE 2010 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS INTERCALARES

RELATÓRIO DE GESTÃO INTERCALAR AO 3º TRIMESTRE 2010 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS INTERCALARES ÍNDICE RELATÓRIO DE GESTÃO INTERCALAR AO 3º TRIMESTRE 2010 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS INTERCALARES Demonstração da Posição Financeira Consolidada Demonstração dos Resultados Consolidados Separada

Leia mais

----------------------------------------------- ACTA Nº. 24 ----------------------------------------------------- Aos vinte e nove dias do mês de

----------------------------------------------- ACTA Nº. 24 ----------------------------------------------------- Aos vinte e nove dias do mês de ----------------------------------------------- ACTA Nº. 24 ----------------------------------------------------- Aos vinte e nove dias do mês de Janeiro de dois mil e dez, pelas quinze horas, reuniu no

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006

MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006 MOTA-ENGIL, S.G.P.S., S.A. RELATÓRIO DE GESTÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA INTERCALARES DO 1º TRIMESTRE DE 2006 MOTA-ENGIL, SGPS, S.A. EDIFÍCIO MOTA TEL: 351 22 5190300 SOCIEDADE ABERTA RUA DO REGO LAMEIRO,

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA. Apresentação Institucional

SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA. Apresentação Institucional , SGPS, SA Apresentação Institucional 4 março 2015 ÍNDICE PERFIL 3 ATIVIDADE 4 EXPERIÊNCIA E HISTÓRIA 9 MULTINACIONAL 11 DIMENSÃO 12 CAPITAL HUMANO 14 CONTACTOS 16 ANEXO: PORTFÓLIO SOARES DA COSTA 17 2

Leia mais

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014

Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Resultado Líquido da Reditus aumenta 57,7% no 1º semestre de 2014 Proveitos Operacionais de 60,8 milhões de euros (+ 8,1%) EBITDA de 5,6 milhões de euros (+ 11,1%) Margem EBITDA 9,2% (vs. 8,9%) Resultado

Leia mais

Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português.

Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português. Identificação da empresa Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português. Breve Historial da STCP A STCP - Sociedade de Transportes Colectivos

Leia mais

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO Maia, 11 de março de 2015 Reforço de posições de liderança em Portugal, internacionalização e compromisso com famílias em 2014 SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO 1. PRINCIPAIS DESTAQUES DE 2014:

Leia mais

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015

NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ESTRATÉGIAS E ARTICULAÇÃO INTERMODAL 9 DE NOVEMBRO DE 2015 NOVOS INVESTIMENTOS NA FERROVIA ENQUADRAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO DA REDE TRANSEUROPEIA DE TRANSPORTES E DO MECANISMO INTERLIGAR A EUROPA JOSÉ VALLE / CEETVC ORIENTAÇÕES BASE DO PROGRAMA DA CEETVC PARA O

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

O Financiamento Bancário no Contexto Atual

O Financiamento Bancário no Contexto Atual Seminário: Modelos de Financiamento de Operações Urbanísticas: desafios e oportunidades O Financiamento Bancário no Contexto Atual José Herculano Gonçalves IST Lisboa, 28 Janeiro 2014 Direção de Financiamento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção

Menos Crédito e destruição de emprego continuam a refletir grave crise na Construção Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 71 Agosto

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

A Chevron e Angola. Parceiros de Longa Data

A Chevron e Angola. Parceiros de Longa Data A Chevron e Angola Parceiros de Longa Data As oportunidades de crescimento e progresso nunca foram tão vastas nas seis décadas de história da Chevron em Angola. Biliões de dólares estão a ser investidos

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA. Apresentação Institucional

SOARES DA COSTA CONSTRUÇÃO, SGPS, SA. Apresentação Institucional , SGPS, SA Apresentação Institucional Setembro 2014 ÍNDICE PERFIL 3 ATIVIDADE 4 EXPERIÊNCIA E HISTÓRIA 9 MULTINACIONAL 10 DIMENSÃO 11 CAPITAL HUMANO 13 CONTACTOS 15 ANEXO: PORTFÓLIO SOARES DA COSTA 16

Leia mais

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS

Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Índice PORTUGAL - BREVE CARATERIZAÇÃO A CIP ATIVIDADE ASSOCIADOS ORGANIZAÇÃO E CONTACTOS Portugal Breve caraterização Portugal Caraterização geral Inserido na União Europeia desde 1986, Portugal é o país

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO 1. Breve panorama da evolução histórica Em 1 de Janeiro de 1986, quando Portugal entra na então Comunidade Económica Europeia (CEE), o sector

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos

Conjuntura da Construção n.º 36. Construção em 2009 verificou dois andamentos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas ANEOP Associação Nacional dos Empreiteiros

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA As alterações no sistema de Segurança Social, bem como a importância da manutenção do nível de vida após a idade de aposentação, têm reforçado

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal em 2010 Setembro de 2011 Ficha Técnica Título: Relatório O Sector da Construção em Portugal em 2010 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta

COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta COFINA, S.G.P.S., S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO ANO DE 2006 Após

Leia mais

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas

Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Atividade Turística Fevereiro de 20 15 de Abril de 20 Hotelaria mantém crescimento mas com desaceleração no número de hóspedes e de dormidas Os estabelecimentos hoteleiros registaram cerca de 2 milhões

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais