O QUE É A RECICLAGEM?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O QUE É A RECICLAGEM?"

Transcrição

1 O QUE É A RECICLAGEM? A reciclagem é a transformação dos resíduos de embalagens - depois de separados por famílias de materiais (papel/cartão, vidro e embalagens de plástico ou metal) em novos objectos. A reciclagem de embalagens apresenta inegáveis benefícios, dos quais se destacam: Redução de custos no destino final dos resíduos, nomeadamente com a sua deposição em aterros sanitários, uma vez que diminui o volume aí depositado; Diminuição do consumo de matérias primas virgens, conservando desta forma, diversos recursos naturais; Poupança de energia. Por exemplo, é possível fazer metal ou vidro novo, usando apenas embalagens recuperadas. Uma lata de bebida pode ser infinitamente reciclada. Ou seja, cada lata de bebida que se deita fora poderá dar origem a uma nova lata poupando matéria-prima. Deste modo, é extremamente importante a participação activa e empenhada de todos os cidadãos, na valorização e reciclagem de materiais. 1

2 O QUE É, COMO FUNCIONA, E QUAIS OS OBJECTIVOS DA RECOLHA SELECTIVA. A Recolha Selectiva consiste em separar uma ou mais categorias de resíduos com vista à sua Valorização. É realizada em Ecopontos, que são contentores destinados a receber Papel/Cartão, Vidro, Plástico e Metal. Estes Contentores distinguem-se pela cor impressa em cada um deles: - Papelão (Papel/Cartão) - Azul - Vidrão (Vidro) - Verde - Embalão (Plástico e Metais) - Amarelo A recolha Selectiva tem como principal objectivo a recolha eficiente de vários materiais, com destino à reciclagem. Isto leva a uma poupança no uso de matérias primas virgens, e a um aumento, tanto da valorização ambiental como da valorização económica. No entanto, sem a adesão dos Munícipes consumidores, que em sua casa separam por tipo de material os resíduos de embalagens, para depois os depositarem no equipamentos disponibilizados, ecopontos, a recolha selectiva e encaminhamento para reciclagem, não poderão funcionar. Uma Pré - Triagem doméstica bem efectuada, representa um grande contributo para fazer baixar os custos, na Triagem 2

3 propriamente dita e, consequentemente, tornar o sistema menos oneroso para os intervenientes. Seguidamente, expõe-se alguns passos que os munícipes deverão ter em conta, para uma correcta deposição dos seus resíduos nos ecopontos, ajudando desta forma, a melhorar a performance ambiental e económica do Município de Aveiro. Como deve separar os resíduos em casa? - Em primeiro lugar, escorra e despeje todo o conteúdo das embalagens; - Para evitar maus cheiros pode passar por água algumas embalagens. - Quando possível espalme-as para ocuparem menos espaço, facilitar o seu transporte e diminuir o número de deslocações ao ecoponto. - Retire tampas e rolhas, pois na maioria dos casos são feitas de materiais diferentes da embalagem que vedam. - Deposite no ecoponto o saco que usou para transportar as embalagens usadas. 3

4 O que se deve colocar no Papelão (Azul)? - Papel e Cartão; - Jornais, revistas, livros, catálogos, sacos de papel, papel de arquivo, papel de computador, prospectos publicitários, e outros papeis não contaminados. - Cartão Complexo embalagens de cartão para líquidos alimentares com película metálica no interior (ex.: pacotes de sumo, pacotes de leite, entre outros). O que não de deve colocar no Papelão? - Papeis e cartões contaminados com outro tipo de materiais, como guardanapos e autocolantes; - Embalagens que tenham contido resíduos orgânicos ou gorduras, como por exemplo, papel de cozinha, lenços de papel, fraldas e pacotes de batatas fritas, porque a degradação dos resíduos orgânicos em contacto com as embalagens pode não permitir a reciclagem; 4

5 - Embalagens que tenham contido resíduos tóxicos e perigosos, como por exemplo, sacos de cimento, porque podem constituir um perigo para a saúde pública; - Papéis metalizados e plastificados ou sujeitos a tratamentos especiais, como por exemplo, papel de lustro, papel vegetal, papel químico, papel de alumínio e papel autocolante, porque são constituídos por uma mistura de materiais diversos. O que se deve colocar no Vidrão (Verde)? - Todo o tipo de Embalagens de vidro, com garrafas, frascos, boiões de água, vinho, cerveja, sumos, néctar e refrigerantes, azeite e vinagre, produtos de conserva, molhos, mel e compotas, leite e iogurtes. O que não se deve colocar no Vidrão? - Espelhos, lâmpadas, cerâmica, tampas de garrafas, porcelanas, acrílicos. 5

6 O que se deve colocar no Embalão (Amarelo)? - Embalagens de Plástico de iogurte, garrafas de plástico, sacos de plástico, esferovite limpa; - Latas de bebidas, latas de conservas, aerossóis. O que não se deve colocar no Embalão (Amarelo)? - Embalagens de plástico que tenham contido gorduras, como por exemplo, manteiga porque o custo do processo da sua lavagem faz com que não seja compensatória a reciclagem; - Embalagens de plástico que tenham contido produtos tóxicos ou perigosos e pilhas e baterias porque podem constituir um perigo para a saúde pública; 6

7 - Outros objectos de metal que não sejam embalagens, como por exemplo, tachos e panelas, talheres, ferramentas e electrodomésticos porque, para além de não serem embalagens, são constituídos por diferentes materiais e mecanismos eléctricos. ECOPONTOS (PAPELÃO, VIDRÃO, EMBALÃO) NO MUNICÍPIO DE AVEIRO Os ecopontos encontram-se distribuídos por uma rede que cobre todas as Freguesias do Concelho. A sua distribuição é faseada e obedece a alguns critérios: solicitações de Juntas de Freguesias sempre que uma Junta de Freguesia o considere necessário, são colocados ecopontos (contentores isolados ou completos) nos locais por elas indicados; necessidades locais sempre que se verifique necessário são colocados ecopontos (contentores isolados ou completos) nos locais pretendidos; solicitações de munícipes, comerciantes, professores, entre outros sempre que um destes grupos mostre interesse na colocação de um ecoponto na área geográfica a que pertence, é estudada a sua viabilidade, e proposta a sua colocação. 7

Câmara Municipal da Póvoa de Varzim ÍNDICE. 1. Local. 2. Horário de funcionamento. 3. Materiais a depositar no ecocentro

Câmara Municipal da Póvoa de Varzim ÍNDICE. 1. Local. 2. Horário de funcionamento. 3. Materiais a depositar no ecocentro ÍNDICE 1. Local 2. Horário de funcionamento 3. Materiais a depositar no ecocentro 4. Normas e regras de utilização 5. Código do Catálogo Europeu dos Resíduos 6. Anexos Anexo I - Registo diário de entradas

Leia mais

O que é o lixo? Pastilha elástica

O que é o lixo? Pastilha elástica O que é a INOVA-EM? A INOVA-EM é a empresa responsável pela qualidade da água que chega às nossas torneiras, pelo tratamento das águas que vão para o saneamento, pela recolha do lixo, limpeza urbana, manutenção

Leia mais

Azul. Amarelo. Verde. Pilhão. Conheça a nova vida de cada resíduo ECOPONTO ECOPONTO ECOPONTO

Azul. Amarelo. Verde. Pilhão. Conheça a nova vida de cada resíduo ECOPONTO ECOPONTO ECOPONTO Conheça a nova vida de cada resíduo Ao chegar ao ecoponto correto, cada embalagem inicia uma pequena viagem que tem como destino uma nova vida. São recolhidos pela RESIESTRELA por camiões especiais e levados

Leia mais

Agenda. Fluxos financeiros. Como preencher a declaração anual. Reciclagem de embalagens. Multipacks. Valores Ponto Verde 2013

Agenda. Fluxos financeiros. Como preencher a declaração anual. Reciclagem de embalagens. Multipacks. Valores Ponto Verde 2013 JORNADAS TÉCNICAS Lisboa, 13 Dezembro 2012 Agenda 2 Fluxos financeiros Como preencher a declaração anual Reciclagem de embalagens Multipacks Valores Ponto Verde 2013 Fluxos financeiros 3 Fluxos financeiros

Leia mais

Campanha de sensibilização, no âmbito dos projectos ALINHAS? e Eco-Escolas. ( Formação Cívica )

Campanha de sensibilização, no âmbito dos projectos ALINHAS? e Eco-Escolas. ( Formação Cívica ) RECICLAGEM E ECOPONTOS Campanha de sensibilização, no âmbito dos projectos ALINHAS? e Eco-Escolas ( Formação Cívica ) Significado do nome reciclagem? A palavra reciclagem difundiu-se nos media no A palavra

Leia mais

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Introdução O objetivo desse trabalho é ajudar as Escolas e demais instituições na implantação do programa da coleta seletiva do lixo e do lixo eletrônico.

Leia mais

RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL

RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL RESPEITO E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL A Comissão Ministerial de Gestão Ambiental foi criada através da Portaria POR-PGJ n 204/08, com o fim de estudar, sugerir e acompanhar a implementação de medidas administrativas

Leia mais

A EMBALAGEM ALIMENTAR NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL. Raquel P. F. Guiné* * Assistente do 1º Triénio - Dep. Agro-Alimentar, ESAV.

A EMBALAGEM ALIMENTAR NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL. Raquel P. F. Guiné* * Assistente do 1º Triénio - Dep. Agro-Alimentar, ESAV. A EMBALAGEM ALIMENTAR NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL Raquel P. F. Guiné* * Assistente do 1º Triénio - Dep. Agro-Alimentar, ESAV 1 - Introdução A embalagem é hoje em dia uma presença tão constante no

Leia mais

Guia de triagem. O que devemos pôr no saco azul? Recolha selectiva de resíduos das embalagens domésticas

Guia de triagem. O que devemos pôr no saco azul? Recolha selectiva de resíduos das embalagens domésticas Recolha selectiva de resíduos das embalagens domésticas O que devemos pôr no saco azul? 08/12 plan K Editor responsável: Ernest Boever - VALORLUX asbl - BP 26 - L-3205 Leudelange - Fone: 37 00 06-20 -

Leia mais

ECOCENTRO DA VARZIELA RESIDUOS ADMISSÍVEIS E NÃO ADMISSÍVEIS RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS PLÁSTICO ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS

ECOCENTRO DA VARZIELA RESIDUOS ADMISSÍVEIS E NÃO ADMISSÍVEIS RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS PLÁSTICO ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS Equipamentos de frio (frigoríficos, combinados, arcas congeladoras, aparelhos de ar condicionado o transporte dos equipamentos deve ser feito por forma

Leia mais

Manual de Segurança e Ambiente

Manual de Segurança e Ambiente Manual de Segurança e Ambiente Edição A Segurança, Higiene i e Saúde do Trabalho (SHST) Manual de Segurança Edição A índice Segurança, Higiene e Saúde do Trabalho Termos e Definições Sinistralidade Laboral

Leia mais

Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás

Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás PRATIQUE COLETA SELETIVA Mensagem do Ministério Público do Estado de Goiás O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) tem a missão de defender a ordem jurídica, o regime democrático e os interesses

Leia mais

Reciclagem do papel: como é feita e qual a sua importância?

Reciclagem do papel: como é feita e qual a sua importância? Reciclagem do papel: como é feita e qual a sua importância? Cristina Pereira Num anterior artigo falámos-lhe da história do papel. Hoje propomo-nos contar como é feito o aproveitamento de papel usado,

Leia mais

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1 Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica NORMAS GERAIS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo 1 Laboratório de Química Orgânica 2 QOI - 02/03 1 1) Não entre no laboratório

Leia mais

Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra. A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à

Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra. A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra A Câmara Municipal das Lajes do Pico convida todos os munícipes a aderir à Campanha de Limpeza e Conservação do Ambiente da Nossa Terra, e a

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

ECOCENTROS MUNICÍPIO DE MATOSINHOS RESIDUOS ADMISSÍVEIS E NÃO ADMISSÍVEIS RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS PLÁSTICO ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS

ECOCENTROS MUNICÍPIO DE MATOSINHOS RESIDUOS ADMISSÍVEIS E NÃO ADMISSÍVEIS RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS PLÁSTICO ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS E ELETRÓNICOS Equipamentos de frio (frigoríficos, combinados, arcas congeladoras, aparelhos ar condicionado/precisam de um transporte seguro, salvaguardando a integridade

Leia mais

Ana Loureiro Diretora de Comunicação, Imagem e Documentação

Ana Loureiro Diretora de Comunicação, Imagem e Documentação Ana Loureiro Diretora de Comunicação, Imagem e Documentação MISSÃO Implementar e gerir um sistema integrado, tecnicamente avançado, ambientalmente correto e economicamente sustentável, para tratamento

Leia mais

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM

13-09-2010 MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM MATERIAIS RECICLÁVEIS, PROCESSO DE RECICLAGEM 1 2 Introdução História da limpeza; Educação Ambiental; Campanhas de Sensibilização, Publicidade; Reciclagem antigamente; Materiais reutilizáveis; Processos

Leia mais

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA O QUE É? Coleta seletiva é o processo de separação dos materiais recicláveis do restante dos resíduos sólidos. Como definição de resíduos sólidos, pelo Wikipédia, entende-se

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS PARA O CIDADÃO

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS PARA O CIDADÃO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS PARA O CIDADÃO Co-Financiamento: Índice 1. Nota introdutória... 2 2. Prólogo... 3 3. Introdução... 5 4. Resíduos... 7 7. Transportes... 15 8. Biodiversidade... 17 9.

Leia mais

Guia. Boas Práticas Ambientais. Espalhe a Mensagem Ecológica.

Guia. Boas Práticas Ambientais. Espalhe a Mensagem Ecológica. Guia Espalhe a Mensagem Ecológica. INTRODUÇÃO 02 POLÍTICA DO AMBIENTE 04 DECLARAÇÃO DE COMPROMISSO 05 PRINCIPAIS ACÇÕES IMPLEMENTADAS 06 OBJECTIVOS A ATINGIR 07 BOAS PRÁTICAS A SEGUIR 08 SIMBOLOGIA ÚTIL

Leia mais

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO SERVIÇO EXTRA URBANO O Serviço extra Urbano corresponde ao serviço a ser prestado aos produtores de resíduos não urbanos de embalagens, de forma a garantir a esses produtores um destino final adequado

Leia mais

BASES ECOLÓGICAS PARA A COLETA SELETIVA. Comparativo Metrópoles Brasileiras X Primeiro Mundo. Jonathan Cawettiere Eng. Ambiental 16/11/2009

BASES ECOLÓGICAS PARA A COLETA SELETIVA. Comparativo Metrópoles Brasileiras X Primeiro Mundo. Jonathan Cawettiere Eng. Ambiental 16/11/2009 BASES ECOLÓGICAS PARA A COLETA SELETIVA Comparativo Metrópoles Brasileiras X Primeiro Mundo Jonathan Cawettiere Eng. Ambiental 16/11/2009 CONCEITOS Coleta seletiva É um sistema de recolhimento de materiais

Leia mais

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA

Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA Reciclagem de Materiais COLETA SELETIVA COLETA SELETIVA Conheça algumas medidas importantes para não poluir o meio ambiente na hora de jogar fora o seu lixo Já é inquestionável hoje a importância da reciclagem

Leia mais

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM

VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO REUTILIZAÇÃO REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM 1 VAMOS FAZER MENOS LIXO: REDUÇÃO, REUTILIZAÇÃO E RECICLAGEM POLÍTICA DOS 3 R S: consiste na aplicação dos seguintes princípios, por ordem de prioridade: REDUÇÃO da quantidade de resíduos produzidos e

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo Amanda Aroucha de Carvalho Reduzindo o seu resíduo 1 Índice 1. Apresentação 2. Você sabe o que é Educação Ambiental? 3. Problemas Ambientais 4. Para onde vai o seu resíduo? 5. Soluções para diminuir a

Leia mais

Guia prático para o descarte de resíduos

Guia prático para o descarte de resíduos Guia prático para o descarte de resíduos 1 2 Apresentação Eleições - vocês já pensaram em quantos resíduos se produz a mais? São tantos manuais e experimentos de toda a natureza que acabamos por não perceber

Leia mais

PALESTRA: CIDADANIA E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL. Palestrante: Gisela Verri de Santana E-mail: givsantana@gmail.com.br

PALESTRA: CIDADANIA E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL. Palestrante: Gisela Verri de Santana E-mail: givsantana@gmail.com.br PALESTRA: CIDADANIA E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL Palestrante: Gisela Verri de Santana E-mail: givsantana@gmail.com.br Rio de Janeiro, 14 de agosto de 2007 ROTEIRO DA PALESTRA Apresentação pessoal Visualização

Leia mais

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO

Case study 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA ENVOLVIMENTO Case study 2010 100R RECICLAGEM 100% GARANTIDA EMPRESA A Sociedade Ponto Verde é uma entidade privada sem fins lucrativos que tem por missão organizar e gerir a retoma e valorização de resíduos de embalagens

Leia mais

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação

Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12. 1. Objectivo. 2. Aplicação Código: CHCB.PI..EST.01 Edição: 1 Revisão: 0 Páginas:1 de 12 1. Objectivo o Estabelecer normas para o processamento dos dispositivos médicos, baseadas em padrões de qualidade. o Estabelecer condições de

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES...

PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 4. RESPONSABILIDADES... PLANO DE GESTÃO DE RESIDUOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS... 4 3. MODO OPERATIVO... 5 3.1. FASE DE PLANEAMENTO (PRÉ-OBRA)...5 3.2. FASE DE CONSTRUÇÃO...5 3.2.1. Deposição

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE VIDRO Documentos de referência: Despacho n.º15370/2008 (Alteração à licença concedida à Sociedade Ponto Verde em 7 de Dezembro de 2004); Ajustamento, de 24 de Novembro de 2008,

Leia mais

Reciclar, são ações que. Reduzir É o inicio da conservação do meio. Reutilizar Significa reutilizar um produto de

Reciclar, são ações que. Reduzir É o inicio da conservação do meio. Reutilizar Significa reutilizar um produto de Especialistas em meio ambiente alertam para a necessidade da utilização racional dos recursos naturais. Reduzir, Reutilizar e Reciclar, são ações que contribuem para o consumo responsável reduzindo o impacto

Leia mais

BOAS PRÁTICAS PARA UM CONSUMO SUSTENTÁVEL

BOAS PRÁTICAS PARA UM CONSUMO SUSTENTÁVEL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE BOAS PRÁTICAS PARA UM CONSUMO SUSTENTÁVEL APDL ADMINISTRAÇÃO DOS PORTOS DO DOURO E LEIXÕES, S.A. BOAS PRÁTICAS PARA UM CONSUMO SUSTENTÁVEL 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO 1

Leia mais

Por favor, separe os seus resídous/lixo!

Por favor, separe os seus resídous/lixo! Por favor, separe os seus resídous/lixo! Preste atenção às seguintes regras de separação dos resíduos de Salzburgo e apoe-nos na redução e reciclagem de resíduos/lixo! A sua contribuição para a protecção

Leia mais

Definição e classificação

Definição e classificação Definição A gestão de resíduos urbanos Qual o nosso papel? Definição e classificação «Resíduo» qualquer substância ou objecto de que o detentor se desfaz ou tem a intenção ou a obrigação de se desfazer,

Leia mais

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES

BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES BR 448 RODOVIA DO PARQUE GESTÃO E SUPERVISÃO AMBIENTAL MÓDULO II EDUCADORES 3 Definições de lixo: No dicionário: sujeira, imundice, coisa(s) inúteis, velhas, sem valor. Na linguagem técnica: sinônimo

Leia mais

A Grande Viagem do Lixo

A Grande Viagem do Lixo Olá! Eu sou a Clarinha a mascote da Lipor. Sempre que me vires, é sinal que alguém está a cuidar do ambiente e a aprender como viver num mundo mais limpo, mais verde. E tu? sabias que... Há 4 R s nossos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 Regulamentação do descarte de resíduos comuns, recicláveis, pilhas e baterias e lâmpadas no Centro de Ciências da Saúde da UFRJ - CCS-UFRJ. 1 Objetivo e aplicação Com o

Leia mais

NÚMERO: 1. TÍTULO: Os ciclos dos materiais. IDEIAS CHAVE: Papel e cartão, plástico, vidro, matéria fermentável.

NÚMERO: 1. TÍTULO: Os ciclos dos materiais. IDEIAS CHAVE: Papel e cartão, plástico, vidro, matéria fermentável. NÚMERO: 1 TÍTULO: Os ciclos dos materiais. IDEIAS CHAVE: Papel e cartão, plástico, vidro, matéria fermentável. DESCRIÇÃO: Serão apresentados os ciclos de quatro materiais mais representativos da composição

Leia mais

19-01-2007. Educação Ambiental. Mafalda Sousa. 19 de Janeiro de 2007. Lixo que fazemos! Água que bebemos! Ar que respiramos!

19-01-2007. Educação Ambiental. Mafalda Sousa. 19 de Janeiro de 2007. Lixo que fazemos! Água que bebemos! Ar que respiramos! Jardim de Infância + EB1 de Vendas, Seixezelo Educação Ambiental Mafalda Sousa 19 de Janeiro de 2007 Vamos falar Lixo que fazemos! Água que bebemos! Ar que respiramos! Floresta que temos! 1 Cada um de

Leia mais

Memória Descritiva. Ecoponto Marítimo. Fevereiro 2009

Memória Descritiva. Ecoponto Marítimo. Fevereiro 2009 Memória Descritiva Ecoponto Marítimo Fevereiro 2009 1 ECOPONTO MARÍTIMO O Ecoponto Marítimo consiste num local de deposição selectiva de resíduos como pilhas, óleos, baterias, filtros de óleo dos barcos

Leia mais

INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS)

INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS) 25 de Novembro de 2008 Cristina Santos; Esmeralda Santos; Fernando Campos INFECÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE (IACS) DEFINIÇÃO É uma infecção adquirida pelos doentes em consequência dos cuidados e

Leia mais

Química na cozinha: www.interaulaclube.com.br

Química na cozinha: www.interaulaclube.com.br Química na cozinha: funções químicas Na Aula 43, você estudou um processo chamado fermentação, que determinados seres vivos promovem para sobreviver. Você aprendeu qual a importância da fermentação para

Leia mais

Você sabia. As garrafas de PET são 100% recicláveis. Associação Brasileira da Indústria do PET

Você sabia. As garrafas de PET são 100% recicláveis. Associação Brasileira da Indústria do PET Você sabia? As garrafas de PET são 100% recicláveis Associação Brasileira da Indústria do PET O Brasil é um dos maiores recicladores de PET do mundo A reciclagem é uma atividade industrial que gera muitos

Leia mais

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental Programa de Gestão Ambiental Cartilha Ambiental Índice Responsabilidade Ambiental 1. Responsabilidade Ambiental 2. Organograma 4. Política Ambiental 6. Coleta Seletiva Interna 12. Dicas Importantes A preocupação

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA Usando Bem Ninguém Fica Sem. PROGRAMA DE COLETA SELETIVA 1. O QUE É COLETA SELETIVA 2. DESTINO FINAL DO LIXO DE SÃO PAULO 3. COMPOSIÇÃO DO LIXO SELETIVO

Leia mais

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS

ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS ARMAZENAGEM DE PRODUTOS QUÍMICOS 2011 Índice 1. Sinalização... 3 2. Organização do Armazém... 3 3. Estabelecer um esquema de armazenamento para:... 4 4. Manter em local visível... 6 5. Deveres do Responsável

Leia mais

Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) Revitalização dos Programas de Coleta Seletiva e de Minimização de Resíduo Sólido na FEC

Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) Revitalização dos Programas de Coleta Seletiva e de Minimização de Resíduo Sólido na FEC Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) Revitalização dos Programas de Coleta Seletiva e de Minimização de Resíduo Sólido na FEC mar. 2013 Programa de Coleta seletiva na FEC Iniciado

Leia mais

Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR)

Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Edital Pibid n 11 /2012 CAPES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID Plano de Atividades (PIBID/UNESPAR) Tipo do produto: Plano de aula 1 IDENTIFICAÇÃO NOME DO SUBPROJETO: POPULARIZANDO

Leia mais

O que acontece com o teu Lixo?

O que acontece com o teu Lixo? VIDRARIA FABRICANTE DE PAPEL COMPOSTAGEM O que acontece com o teu Lixo? Cada um tem seu próprio rumo... O orgânico.. O compost O compostagem de residuos umido reproduz o processo natural de decomposição

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO

INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO INSTRUÇÕES DE UTILIZAÇÃO ANTES DE UTILIZAR A PLACA DE FOGÃO SUGESTÕES PARA A PROTECÇÃO DO AMBIENTE PRECAUÇÕES E RECOMENDAÇÕES GERAIS SUGESTÕES PARA POUPANÇA DE ENERGIA CUIDADOS E MANUTENÇÃO GUIA PARA RESOLUÇÃO

Leia mais

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro 2005. Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Química 12º Ano. Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente. Actividades de Projecto Laboratorial. Janeiro 2005. Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva Efeitos da composição em temperaturas de fusão e de ebulição Química 12º Ano Unidade 2 Combustíveis, Energia e Ambiente Actividades de Projecto Laboratorial Janeiro 2005 Jorge R. Frade, Ana Teresa Paiva

Leia mais

RELATÓRIO SANTA VITÓRIA SANTA VITÓRIA 1/19. VERSÃO FINAL. Julho de 2013

RELATÓRIO SANTA VITÓRIA SANTA VITÓRIA 1/19. VERSÃO FINAL. Julho de 2013 1/19 Relatório População Na freguesia de Santa Vitória, para além da sede de freguesia, existe outro aglomerado urbano com importância que possui PU definido no âmbito do PDM de Beja actualmente em vigor

Leia mais

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS

1. OBJETIVO 2. APLICAÇÃO 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES E ABREVIAÇÕES GESTÃO DE RESÍDUOS Versão: 03 Página 1 de 6 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes para a segregação, coleta e transporte interno, armazenamento temporário, transporte e destinação dos resíduos sólidos gerados, de acordo

Leia mais

CATÁLOGO RECOLHA SELECTIVA DE EXTERIORES

CATÁLOGO RECOLHA SELECTIVA DE EXTERIORES CATÁLOGO RECOLHA SELECTIVA DE EXTERIORES MENOS RESÍDUOS - MENOS POLUIÇÃO MAIS FUTURO A ALMOVERDE Ecologia, Lda. dedica se, desde o seu início, à comercialização de equipamentos para a recolha selectiva

Leia mais

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP

Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP Resíduos Hospitalares e a sua Perigosidade Segurança a e Higiene na Produção e Tratamento de Resíduos Hospitalares Riscos Ambientais e de Saúde PúblicaP 1. Gestão de Resíduos O Tratamento dos RSH é um

Leia mais

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Há muitos anos, a indústria de tintas, sob a liderança da ABRAFATI (Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas), pesquisa

Leia mais

Press Release Soluções para recolha selectiva By appointment to Her Majesty

Press Release Soluções para recolha selectiva By appointment to Her Majesty Página: 1 / 5 A P.S.A. - Plásticos Santo António foi seleccionada pela Câmara de Westminster (Londres) para fornecer 20 mil cestos para recolha de resíduos, destinados aos edifícios governamentais, Parlamento

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor PARLAMENTO EUROPEU 1999 2004 Comissão do Meio Ambiente, da Saúde Pública e da Política do Consumidor 31 de Março de 2004 PE 340.787/1-10 ALTERAÇÕES 1-10 Projecto de relatório (PE 340.787) Hans Blokland

Leia mais

Fique de bem. com a natureza!! Turma do Lixildo em:

Fique de bem. com a natureza!! Turma do Lixildo em: Fundado em agosto de 2003, o Instituto Kautsky é uma Associação sem fins lucrativos que tem como missão estabelecer a harmonia do homem com o meio ambiente pesquisando, promovendo e disseminando conhecimentos

Leia mais

Valorização Orgânica. Fórum Eco-Escolas 2009

Valorização Orgânica. Fórum Eco-Escolas 2009 Valorização Orgânica VALNOR Fórum Eco-Escolas 2009 RESÍDUOS UM PROBLEMA PRESENTE E FUTURO Quantidade de LIXO que se produz Cada Português produz cerca de 1,2Kg de lixo por dia! No SISTEMA VALNOR entram

Leia mais

CATÁLOGO PILHÃO MENOS RESÍDUOS - MENOS POLUIÇÃO MAIS FUTURO

CATÁLOGO PILHÃO MENOS RESÍDUOS - MENOS POLUIÇÃO MAIS FUTURO CATÁLOGO PILHÃO MENOS RESÍDUOS - MENOS POLUIÇÃO MAIS FUTURO i A ALMOVERDE Ecologia, Lda. dedica se, desde o seu início, à comercialização de equipamentos para a recolha selectiva de resíduos sólidos, nomeadamente

Leia mais

CATÁLOGO MOBILIÁRIO URBANO - ECOPONTOS EM INOX -

CATÁLOGO MOBILIÁRIO URBANO - ECOPONTOS EM INOX - CATÁLOGO MOBILIÁRIO URBANO - ECOPONTOS EM INOX - MENOS RESÍDUOS - MENOS POLUIÇÃO MAIS FUTURO A ALMOVERDE Ecologia, Lda. dedica se, desde o seu início, à comercialização de equipamentos para a recolha selectiva

Leia mais

1 Nº 1 - Fevereiro de 2011

1 Nº 1 - Fevereiro de 2011 O Senhor Buriti, guardião do PLANETA para proteger a cidade fez cinco anéis mágicos a partir do arco íris com os poderes do vento, água, terra, fogo e amor. A união dos cinco poderes fazem surgir o capitão

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

1) O que entende por contaminação cruzada? Cite algumas medidas de prevenção da contaminação cruzada. 2) Quais as categorias de perigos que conhece? 3) Dê alguns exemplos de Perigos Biológicos. 4) Quais

Leia mais

Preparação e Aplicação de Tintas. Normas de Segurança. Formador: Paulo Silva

Preparação e Aplicação de Tintas. Normas de Segurança. Formador: Paulo Silva Normas de Segurança Formador: Paulo Silva Equipamento de Segurança Uso de: Fato de Pintura; Máscara de Pintura; Máscara de Pó; Máscara de Preparação de Pintura Luvas de Protecção de Pintura; Luvas de Protecção

Leia mais

A energia é um bem escasso e o seu consumo excessivo constitui um desperdício que o Mundo já não consegue tolerar muito mais tempo

A energia é um bem escasso e o seu consumo excessivo constitui um desperdício que o Mundo já não consegue tolerar muito mais tempo A energia é um bem escasso e o seu consumo excessivo constitui um desperdício que o Mundo já não consegue tolerar muito mais tempo O sucesso na melhoria das condições ambientais é da responsabilidade de

Leia mais

DESIGN DE EMBALAGENS PARA ALIMENTOS, FERRAMENTA ESSENCIAL DE COMPETITIVIDADE. Erivan Witamar EW Design Studio

DESIGN DE EMBALAGENS PARA ALIMENTOS, FERRAMENTA ESSENCIAL DE COMPETITIVIDADE. Erivan Witamar EW Design Studio DESIGN DE EMBALAGENS PARA ALIMENTOS, FERRAMENTA ESSENCIAL DE COMPETITIVIDADE. Erivan Witamar VISÃO GERAL FUNÇÕES DA EMBALAGEM PROJETO DESIGN DE EMBALAGENS DESIGN ESTRUTURAL Materiais DESIGN GRÁFICO Funções

Leia mais

RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS. De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos.

RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS. De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos. RESIDUOS ORGÂNICOS E INORGÂNICOS De modo geral, podemos dizer que os resíduos domiciliares se dividem em orgânicos e inorgânicos. Resíduos orgânicos: São biodegradáveis (se decompõem naturalmente). São

Leia mais

Na vida apressada dos nossos dias nem sempre nos apercebemos da realidade que nos cerca. Grande parte das vezes não nos questionamos ou refletimos

Na vida apressada dos nossos dias nem sempre nos apercebemos da realidade que nos cerca. Grande parte das vezes não nos questionamos ou refletimos Na vida apressada dos nossos dias nem sempre nos apercebemos da realidade que nos cerca. Grande parte das vezes não nos questionamos ou refletimos sobre questões que, afinal, são cruciais para a nossa

Leia mais

Produtos e materiais inovadores provenientes da reciclagem. Como promover a sua efetiva introdução na economia?

Produtos e materiais inovadores provenientes da reciclagem. Como promover a sua efetiva introdução na economia? Produtos e materiais inovadores provenientes da reciclagem. Como promover a sua efetiva introdução na economia? PRINCIPAIS MARCOS SOCIEDADE PONTO VERDE PRINCIPAIS MARCOS SOCIEDADE PONTO VERDE ÍNICIO 1996

Leia mais

Apresenta: PAPEL METAL LIXO ORGÂNICO VIDRO PLÁSTICO. no luga

Apresenta: PAPEL METAL LIXO ORGÂNICO VIDRO PLÁSTICO. no luga Apresenta: Coloqu e o lixo no luga r, na hor a e no d certo. ia ORGÂNICO CAPItao VAREJO em: coleta seletiva Enquanto isso, na sala secreta de reuniões... Olá, Capitão Varejo! Grande Gênio, bom dia! Espero

Leia mais

PERSPETIVAS DE FUTURO DO SETOR DOS RESÍDUOS EM PORTUGAL. Lisboa, 29 de abril de 2013 Fernando Leite Administrador-Delegado

PERSPETIVAS DE FUTURO DO SETOR DOS RESÍDUOS EM PORTUGAL. Lisboa, 29 de abril de 2013 Fernando Leite Administrador-Delegado PERSPETIVAS DE FUTURO DO SETOR DOS RESÍDUOS EM PORTUGAL Lisboa, 29 de abril de 2013 Fernando Leite Administrador-Delegado A LIPOR. ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS 2 A LIPOR NO CONTEXTO NACIONAL População 10 %

Leia mais

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores?

Perguntas Frequentes. Pilhas e Acumuladores. 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? Perguntas Frequentes Pilhas e Acumuladores 1. Qual é a legislação nacional em vigor em matéria de Pilhas e Acumuladores? É o Decreto-Lei n.º 6/2009, de 6 de Janeiro, que estabelece o regime de colocação

Leia mais

COLETA SELETIVA VIDRO

COLETA SELETIVA VIDRO PROJETO COLETA SELETIVA VIDRO Florianópolis, 29 de abril de 2013 Assessoria Técnica - ASTE Departamento Técnico DPTE 2 1. CONTEXTUALIZAÇÃO As obrigações impostas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

SEGURANÇA E TÉCNICA DE LABORATÓRIO AULA 01: ORGANIZANDO O LABORATÓRIO TÓPICO 03: ORGANIZAÇÃO LABORATORIAL O laboratório, seja de uma indústria, de um centro de pesquisa ou de uma instituição de ensino

Leia mais

OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento

OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento A GESTÃO DE RESÍDUOS EM ZONAS INSULARES: UM DESAFIO PARA OS AÇORES OS TECNOSISTEMAS - O CASO DA ILHA DO PICO Perspectivas de desenvolvimento Paulo Santos Monteiro (Prof. Auxiliar da FEUP) 1.700 km 270

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO SÉCULO XXI

SUSTENTABILIDADE NO SÉCULO XXI SUSTENTABILIDADE NO SÉCULO XXI CAOE O CAOE oferece Orientação Educacional, Atendimento Clínico e também novos projetos: Interidades e Universo das Artes INSTITUTO REINVENTAR Missão Sensibilizar indivíduos

Leia mais

As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate)

As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate) As matérias-primas alimentares frescas (após a colheita, a captura, a produção ou o abate) são conservadas pela indústria alimentar, de modo a aumentar a sua estabilidade e o seu tempo de prateleira. 1

Leia mais

Compostagem doméstica: como fazer?

Compostagem doméstica: como fazer? Compostagem, o que é? É um processo dereciclagem de resíduos orgânicos (de cozinha, da horta, do jardim...) realizado através de microrganismos que transformam os resíduos biodegradáveis num fertilizante

Leia mais

Saneamento- - ResíduosSólidos_FCS,2000 11

Saneamento- - ResíduosSólidos_FCS,2000 11 SANEAMENTO SANEAMENTO SANEAMENTO BÁSICO Resíduos Resíduos Sólidos Sólidos - ResíduosSólidos_FCS,2000 11 SANEAMENTO BÁSICO Resíduos Sólidos Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária

Leia mais

O símbolo internacional da reciclagem.

O símbolo internacional da reciclagem. O símbolo internacional da reciclagem. A reciclagem é termo genericamente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. Muitos materiais

Leia mais

SITE DW Made For Minds, 24 de Julho de 2015

SITE DW Made For Minds, 24 de Julho de 2015 SITE DW Made For Minds, 24 de Julho de 2015 BRASIL Data 24.07.2015 Autoria Marcio Pessôa Link permanente http://dw.com/p/1g4a8 Metas de redução de resíduos estão atrasadas no Brasil Movimentos sociais

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 59/2007 de 14 de Junho de 2007

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES. Resolução do Conselho do Governo n.º 59/2007 de 14 de Junho de 2007 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES Resolução do Conselho do Governo n.º 59/2007 de 14 de Junho de 2007 A Resolução n.º 131/2006, de 6 de Outubro, aprovou o Plano de Gestão de Resíduos Produzidos

Leia mais

PROGRAMA DE TREINO DE COMPETÊNCIAS DE GESTÃO DOMÉSTICA ECONOMIA ALIMENTAR

PROGRAMA DE TREINO DE COMPETÊNCIAS DE GESTÃO DOMÉSTICA ECONOMIA ALIMENTAR de formação PROGRAMA DE TREINO DE COMPETÊNCIAS DE GESTÃO DOMÉSTICA ECONOMIA ALIMENTAR 16 HORAS Página 1 de 11 INTRODUÇÃO O Programa de Treino de Competências Básicas de Gestão Doméstica Economia Alimentar

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO DISTRIBUIDOR DAS FARMÁCIA COMUNITÁRIAS Luis Figueiredo 2016.01.19 12:27:21 Z PROCEDIMENTO 1. OBJECTIVO Definição de procedimentos nos distribuidores das farmácias comunitárias aderentes à VALORMED. 2. ÂMBITO A VALORMED tem por objectivo a implementação

Leia mais

Misturar todos os ingredientes. Fazer bolinhas e fritar em óleo quente. Escorrer em papel toalha e servir.

Misturar todos os ingredientes. Fazer bolinhas e fritar em óleo quente. Escorrer em papel toalha e servir. 1 BOLINHO DE JACARÉ I 1 kg. de carne de jacaré moída 100 g. de farinha de milho ou farinha de mandioca flocada 3 ovos inteiros 3 dentes de alho, picadinhos pimenta-do-reino e salsinha e cebolinha bem picadinhas

Leia mais

Uso racional de Água, Papel e Copo na Administração Pública

Uso racional de Água, Papel e Copo na Administração Pública Uso racional de Água, Papel e Copo na Administração Pública Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Cidadania e Responsabilidade Ambiental

Leia mais

Introdução ao icare 2

Introdução ao icare 2 Introdução ao icare 2 (Instrumentação para a Coleta Assistida de Resíduos Recicláveis V.2) Arthur Elídio da Silva Lucas Zenaro José Tarcísio F. de Camargo Unipinhal (2015) SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 O

Leia mais

Normas de funcionamento do ECOCENTRO Municipal de S. João da Madeira. Preâmbulo

Normas de funcionamento do ECOCENTRO Municipal de S. João da Madeira. Preâmbulo Normas de funcionamento do ECOCENTRO Municipal de S. João da Madeira Preâmbulo O presente documento define as normas e regras a que ficam sujeitos os utilizadores que pretendam proceder à deposição de

Leia mais

MARCA E MATERIAIS GRÁFICOS

MARCA E MATERIAIS GRÁFICOS MARCA E MATERIAIS GRÁFICOS FARDAS Uma das diferenças que os clientes, ao entrar na loja, se apercebem, entre uma cadeia profissional de lojas e uma loja amadora, é o vestuário e apresentação dos seus empregados.

Leia mais

Logistica e Distribuição. Definição de embalagem. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993. Outras funções da embalagem são:

Logistica e Distribuição. Definição de embalagem. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993. Outras funções da embalagem são: Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Embalagem Primárias Apoio 1 2 Definição de embalagem A embalagem é um recipiente ou envoltura que armazena produtos temporariamente

Leia mais

Meio ambiente: a conscientização começa pela educação. Implementação. Coleta Seletiva Solidária

Meio ambiente: a conscientização começa pela educação. Implementação. Coleta Seletiva Solidária Meio ambiente: a conscientização começa pela educação Implementação da Coleta Seletiva Solidária A guardiã da natureza Judith Cortesão "... Quem conhece ama, quem ama protege. Uma das descobertas mais

Leia mais

Campanha Nacional de recolha de roupa de Inverno para as crianças refugiadas da Síria. Manual de Campanha

Campanha Nacional de recolha de roupa de Inverno para as crianças refugiadas da Síria. Manual de Campanha Antigo Alto Representante das Nações Unidas para Campanha Nacional de recolha de roupa de Inverno para as crianças refugiadas da Síria Manual de Campanha 2 Índice Índice... 2 Justificativo da Campanha...

Leia mais