Entre joias e cabeças: algumas representações do carbúnculo na literatura. Resumo. Palavras Chave: Carbúnculo Animal Encantado Literatura Lendas Mito

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Entre joias e cabeças: algumas representações do carbúnculo na literatura. Resumo. Palavras Chave: Carbúnculo Animal Encantado Literatura Lendas Mito"

Transcrição

1 REVISTA LITTERIS ISSN Número 4, Março de Entre joias e cabeças: algumas representações do carbúnculo na literatura Elisângela Aparecida Zaboroski de Paula 1 (UFSC, Florianópolis, Brasil) Resumo Carbúnculo: que animal é esse que nos causa tanto fascínio? Ficção ou realidade, o fato é que ele está presente na literatura mundial, representado em várias lendas e por diversos autores. O presente trabalho tem o intuito de mapear/ traçar uma genealogia inicial sobre esse animal encantado. Lembrando que ao falarmos dos carbúnculos o associaremos também com o mito dos dragões e das serpentes protetoras de tesouros. Abordaremos qual seria o possível surgimento desses seres encantados, os primeiros relatos literários acerca deles, onde e como aparecem. As lendas são as principais fontes onde podemos encontrar referências ao carbúnculo e através delas pretendemos apresentar esse animal encantado aos humanos, fazendo, por fim, uma relação do carbúnculo com o homem. Palavras Chave: Carbúnculo Animal Encantado Literatura Lendas Mito Abstract Carbuncle: what is this kind of animal that causes us so much fascination? Fiction or reality, the fact is that the carbuncle is present in the worldwide literature, represented in several languages and for many authors. This paper has the intention of mapping/ drawing up an initial genealogy about this enchanted animal. Remembering that at speaking about those carbuncles we will associate them with the myth of dragons and the serpents that protect treasures. We will deal with what would be the possible appearance of these enchanted creatures, the firsts literary narratives concerning them, where and how they appeared. The legends are the main source where we can find the reference to the carbuncles and through them we intent presenting this enchanted animal to humans, doing, at last, a relationship of the carbuncle with the man. Keywords: Carbuncle Enchanted animal Literature Legends Myth INTRODUÇÃO Nossa pesquisa pretende trabalhar com o tema dos carbúnculos, ou carbunclos, como querem alguns autores, esses animais encantados que possuem uma pedra preciosa incrustada na cabeça, juntamente com o tema dos dragões, das serpentes aladas, da 1 Elisângela Aparecida Zaboroski de Paula é graduada em Letras Português/ Inglês pela Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras de União da Vitória FAFIUV. Atualmente cursa mestrado em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina UFSC.

2 2 teiniaguá, a moura encantada transformada em animal, que possui uma joia no lugar da cabeça, e queremos, contudo, ressaltar que esses seres ficcionais estão, na grande maioria das vezes, relacionados com o mito da proteção de tesouros. Seriam eles os principais guardiões das moedas de ouro, joias, pedras preciosas e dos tesouros encantados. E ao falarmos sobre dragões e serpentes lembramos de Mircea Eliade ( ) que em seu livro Tratado de Historia de las Religiones: Morfologia e dialéctica de lo sagrado (2008) ele fala sobre esse tema de animais encantados, de pedras preciosas e joias mágicas. O autor fala, por exemplo, que na Índia acredita-se que as nâgas i têm na face, e também na cabeça certas pedras mágicas brilhantes. Certamente uma variação para nosso tema, dos carbúnculos. Para evidenciarmos como esse tema secular é ainda muito recorrente na literatura mundial nos valeremos novamente do Tratado de Historia de las Religiones de Mircea Eliade que em um verbete intitulado Degradación de los símbolos o autor discorre sobre o tema dos dragões e das serpentes protetoras de tesouros. El origen y el fundamento teórico de estas leyendas y tantas otras es claro: es el mito arcaico de los monstruos (serpientes, dragones), guardianes del árbol de la vida, de una zona consagrada por excelencia, de una sustancia sagrada, de valores absolutos (immortalidad, eterna juventud, ciencia del bien y del mal, etc.). No hay que olvidar que los símbolos de esta realidad absoluta están siempre guardados por monstruos que prohíben el acceso a los no elegidos; el árbol de la vida ; el árbol de las manzanas de oro o el vellocino de oro, los tesoros de todas especie (las perlas del fondo del oceano, el oro de la tierra, etc.) están defendidos por un dragón, y el que quiera apoderarse de uno de esos símbolos de la immortalidad tendrá primero que dar pruebas de su heroísmo o de su sabiduría, afrontando toda clase de peligros y acabando por dar muerte al monstruoso reptil. De este tema mítico arcaico han derivado, por múltiples procesos de racionalización y de degradación, todas las creencias en los tesoros, las piedras mágicas y las joyas. (ELIADE, 1964, p ) Desejamos, por fim, com isso estreitar as relações entre humanos e animais, mostrando ao final de nossa pesquisa e através do mito do encantamento da princesa moura em animal com uma joia no lugar da cabeça que as relações entre humanos e animais podem ser bem mais estreitas do que parecem e são.

3 3 ALGUMAS REPRESENTAÇÕES DOS CARBÚNCULOS NA LITERATURA MUNDIAL Carbúnculos: Que animais são esses que enriquecem a mitologia e a literatura mundial? Acerca deles estamos fazendo uma genealogia, tentando mapear seu surgimento, sua aparição no mundo das letras, uma vez que histórias populares que aludem a sua existência perdem-se pelos séculos e séculos passados. É com esse intuito de buscar sua fonte livresca primária que recorremos a Filostrato, Plínio, Shakespeare, Daniel Granada, entre outros. Filóstrato ( a.c.), também conhecido como Filóstrato, O Ateniense, o qual era filho de Filóstrato de Lemnos, escritor grego, escreveu dizendo que os dragões também seriam seres mágicos, encantados e, ainda segundo ele, dentro das cabeças desses seres poderiam ser encontradas pedras preciosas. Filóstrato: según el cual el ojo de ciertos dragones es una piedra de destelhos cegadores y dotada de virtudes mágicas; los hechiceros, añade Filostrato, después de haber adorado a los reptiles, les cortan la cabeza y sacan de ella piedras preciosas. (ELIADE, 1964, p. 615) Outro autor que em sua obra alude ao tema de animais com pedras preciosas incrustadas na cabeça e que cita Filostrato quando fala sobre esses seres encantados é o irlandês Oscar Wilde ( ) em sua obra O retrato de Dorian Gray (1891) onde sua personagem principal Dorian Gray descobre uma série de histórias sobre pedras preciosas. Dorian Gray descobrira igualmente histórias fantásticas sobre pedras preciosas. Certa obra mencionava uma serpente de olhos de jacinto autêntico; outra lenda atribuía a Alexandre a sorte rara de haver descoberto, no vale do Jordão, serpentes de cujo dorso brotavam enfiadas de esmeraldas verdadeiras. (WILDE, 1998, p. 141) Embora na versão de Wilde as pedras preciosas estejam incrustadas no dorso da serpente podemos vê-la como uma variação de nosso tema. Apesar da mudança de local corporal, uma vez que temos carbúnculos por animais que possuem pedra incrustada em suas cabeças, podemos dizer que a serpente idealizada por Wilde e descoberta por Dorian Gray pode aludir ao tema desses animais encantados.

4 4 Wilde também faz referência, nesta mesma obra, ao filósofo grego Filostrato, já citado anteriormente: Filostrato conta que havia uma pedra preciosa no cérebro do dragão que a simples vista de letras de ouro e de uma roupagem de púrpura induzia a um sono mágico, durante o qual era possível matá-lo facilmente. (WILDE, 1998, p. 141) Novamente Wilde nos apresenta uma modificação do tema dos carbúnculos, pois o dragão descrito por Filostrato e citado por Wilde possui uma pedra mágica dentro do próprio cérebro, o que o torna vulnerável, como vimos, mas esse dragão pode nos remeter também aos animais que possuem gemas em suas cabeças. Lembremos ainda de Plínio, O Velho, (23-79 d. C.) onde encontramos, em sua Historia Naturalis (77/79), lembrando que a mesma possui 37 volumes. No volume XXXVII, capítulo 57 ele faz uma referência sobre a crença de que a dracontia ou dracontites é uma pedra que se forma no cérebro dos dragões. Draconitis or dracontia is a stone produced from the brain of the dragon; but unless the head of the animal is cut off while it is alive, the stone will not assume the form of a gem, through spite on the part of the serpent, when finding itself at the point of death: hence it is that, for this purpose, the head is cut off when it is asleep. (PLINIO,1855, p.6448) Plínio é citado por diversos autores quando o assunto diz respeito a dragões que possuem no cérebro uma pedra incrustada. Exemplo disso temos, a obra Tesoro de la Lengua Catelhana o Española (1611) de Sebastián de Covarrubias Orozco ( ), onde o referido autor faz uma alusão a Plínio em um verbete intitulado Dragón. Refiere Plínio [...] que se saca de la cabeza de los dragones una piedra de mucho valor y estima llamada dracontias en latín, si bien no se halla si no se quita de los vivos porque si el dragón se muere primero, aquella duricia a modo de piedra se resuelve y desaparece, juntamente con el alma. (OROZCO, 2006, p. 442) Outro autor que alude a Plínio, sobre a pedra no cérebro do dragão e sobre o dever de retirá-lo quando o dragão ainda está vivo é Filippo Picinelli ( ) em seu livro El mundo simbólico: serpientes y animales venenosos: Los insectos (1694) que nada mais é do que uma espécie de bestiário moderno onde Picinelli fala de seres encantados e para falar do dragão relembra Plínio.

5 5 Relata Plínio que en la cabeza del dragón, una vez arrancada y triturada se encuentra una piedra preciosa llamada dracontia. Los dragones, o mejor dicho, la dracontia, salen de la cabeza de los dragones, pero sólo el caso de que áun estén vivos, nunca resulta una piedra preciosa si el dragón está ya muerto. (PICINELLI, 1999, p. 108) Outro autor que trata do assunto dos carbúnculos em sua obra é Isidoro de Sevilha ( d.c.), em suas Etimologias ele faz uma alusão ao que seria em síntese a definição da palavra carbúnculo, referindo, no entanto, a pedra como carbúnculo e não ao animal em si, como fazem a maioria dos outros autores aqui mencionados. Mas resolvemos incluí-lo nesta genealogia, uma vez que ele fala sobre nosso objeto de pesquisa. No capítulo VI intitulado De Acvtis Morbis temos a seguinte definição para o carbúnculo: Carbunculus dictus, quod in ortu suo rubens sit, ut ignis, postea niger, ut carbo extinctus. ii (ETIMOLOGIAS, s.p.) Sendo que Isidoro de Sevilha ainda faz outra referência explícita aos animais que possuem uma gema incrustada na cabeça, fazendo juntamente uma alusão aos dragões. It is taken from the dragon s brain but does not harden into a gem unless the head is cut from the living beats; wizards, for this reason, cut the heads from sleeping dragons. Men bold enough to venture into dragon lairs scatter grain that has been doctored to make these beasts drowsy, and when they have fallen asleep their heads are struck off and the gems plucked out. (SEVILHA, Apud. BORGES; DI GIOVANNI, s.p.) Encontramos também em William Shakespeare ( ), escritor referencial para estudos sobre a literatura inglesa, uma referência a um ser que possui uma gema incrustada em sua cabeça. Trata-se de sua obra As you like it (1599), onde no Ato II, Cena I da referida peça o poeta inglês alude ao tema dos carbúnculos. Fato demonstrado pela fala do Duke, personagem da peça. I smile and say/ This is no flaterry persuade me what I am?/ Sweet are the uses of adversity,/ Which, like the toad, ugly and venomous,/ Wears yet a precious jewel in his head. (SHAKESPEARE, 1968, p. 70. Grifo nosso.) Aqui Shakespeare vale-se da figura do carbúnculo para falar da inveja humana, para denominar uma pessoa astuciosa e sem escrúpulos. Temos, portanto, a aproximação das relações entre o homem e o animal, uma vez que o autor inglês utiliza-se dessa metáfora da

6 6 joia na cabeça do sapo para falar de um personagem de sua peça. Alguém que quer persuadir o outro assim como faz o sapo que tem a referida pedra na cabeça. Outro autor que alude ao tema dos carbúnculos é o francês Gustave Flaubert ( ) em seu livro As tentações de Santo Antão (1874), onde Santo Antão é tentado pelo diabo durante uma noite inteira, onde vários seres fantásticos o atormentam, e quando Apolônio está falando a Antão temos a seguinte fala: Verás dormindo sobre prímulas, o lagarto que só desperta de século e século, quando cai de maduro o rubi que tem na testa. (FLAUBERT, 2004, p. 101) Sem dúvida temos aqui uma referência explícita ao carbúnculo feita pelo escritor francês. Ao falarmos sobre animais que irradiam luz de suas cabeças não podemos deixar de também recorrer a Daniel Granada ( ), escritor espanhol nascido em Sevilha, mas que passou quase toda a vida no Uruguai. Granada dedicou um livro todo para falar sobre os mitos guaranis e as lendas da região do Rio da Prata. Em sua Reseña Historico- Descriptiva de Antiguas y Modernas Supersticiones del Rio de La Plata (1896), o escritor sevilhano falará em várias passagens de sua obra sobre um animal que possui uma pedra incrustada na cabeça, lembrando que esses seres encantados, na maioria das vezes, estão ligados com o mito da proteção dos tesouros e pedras preciosas. En los lugares metalíferos de las propias regiones andinas aparecíase ante la imaginación de los indios comarcanos un ser viviente que despedía de la cabeza una luz vivísima extraordinaria, que muchos presumían fuese el ambicionado carcunclo, según refiere el P. Techo. Esta aparición, o farol, ha continuado presentándose hasta el día de hoy a los ojos de los arribemos, que miran en ello un indicio inequívoco de las muchas riquezas que oculta aún la tierra, ahora en minas, ahora en tesoros escondidos por la mano del hombre. Buen modo de esconder un tesoro: encendiendo un farol. El carbunclo, por tanto, de las regiones próximas a los Andes, que no es sino, bajo alguna forma parecida, el teyuyaguá de las Misiones del Paraná y Uruguay, se halla en relación íntima con el origen de los metales. (GRANADA, p. 99) E não podemos deixar de relacionar o carbúnculo com os dragões e as serpentes encantadas, que, segundo as lendas, também eram símbolo da proteção dos tesouros. Daniel Granada faz em sua Reseña uma referência a esses seres mitológicos:

7 7 En la antigua Europa, en el Oriente, en la India, hubo dragonesy serpientes aladas que despedían de la cabeza una luz vivísima, semejante a un rubí o carbunclo de color muy encendido. Simbolizaban, según antiguas leyendas, el sol de la primavera que comunica a la naturaleza el movimiento de la vida: la luz desvaneciendo las tinieblas. (GRANADA, 1947, p.99) Encontramos ainda no livro do autor espanhol mais referências a esses dragões encantados, protetores de tesouros ocultos, especialmente na região do Rio da Prata. El dragón e los demonios bajo diversas formas custodian igualmente los tesoros en el Río de la Plata. En las regiones andinas especialmente tienen centinelas de fuego. El fuego es señal constante de tesoros ocultos y encantos. Pero en las regiones andinas más señaladamente que en otras partes. (GRANADA, 1947, p. 98) Neste mesmo livro o escritor sevilhano alude ainda a vários mitos guaranis, entre os quais podemos citar o do encantamento de uma jovem e bela princesa moura por Anhangá- Pitã, o diabo dos guaranis. El teyuyaguá, que repetidas veces habíase transformado en impúdica mujer hechicera, desapareció. (GRANADA, 1947, p. 105) Granada também faz referência ao padre e poeta espanhol Martín del Barco Centenera ( ), falando de uma viagem que o padre teria feito até essa região do Rio da Prata, de seu encontro com esse animal encantado que possuía uma pedra incrustada na cabeça e a qual seria a jovem e bela princesa moura encantada e transformada em teiniaguá. Granada nos relata todas as peripécias que Centenera teria passado ao deparar-se com tal animal. El arcediano Martín del Barco Centenera, autor del poema histórico La Argentina, vino al Río de la Plata el año 1573 con la expedición del adelantado D. Juan Ortiz Zárate. Por este tiempo corría valida la especie de que en las Indias había un animalejo que tenía en la cabeza una piedra preciosa, semejante a una brasa vivísima, del color del rubí. Llamánle carbunclo o carbúnculo. Barco Centenera dice haberle visto más de una vez en el Río de la Plata y que pasó infinitas congojas y trabajos por darle caza. El maravilhoso reptil se le escapaba de entre las manos, por decirlo así, merced a la extremada agilidad de que estaba dotado. L a misma luz que despedia, ofuscando la vista, extraviaba al perseguidor. Los guaraníes denominábanle añangpitang, o sea, diablo de piel colorada, por el aspecto ígneo que presentaba su cuerpo o su cabeza. El añangapitanga o carbunclo que Barco Centenera tuvo la fortuna de ver repetidas veces en las comarcas rioplatenses, no es otra cosa, ni menos real y verdadera,

8 8 que el teyuyaguá de la salamanca del Yarao que vino a meterse en la guampa del sacristán de la iglesia de Santo Tomé. (GRANADA, 1947, p. 104) Outra referência importante sobre o padre Martín del Barco Centenera é a feita pelo tradutor do escritor argentino Jorge Luis Borges ( ), Norman Thomas di Giovanni (1933) que diz que Borges teria também feito uma referência ao poema La Argentina (1602) de Centenera. Borges fala sobre esse livro do padre e poeta Martín del Barco e sobre um animal que possuía uma luz na cabeça. The poet-priest Martín del Barco centenera, who claims to have seen the animal in Paraguay, describes it in his Argentina (1602) only as a smallish animal, with a shining mirror of light on its head like a glowing coal. (BORGES; GIOVANNI, 2009, s.p.) E precisamos ressaltar também que o escritor argentino utiliza o tema dos carbúnculos para produzir um livro intitulado, em um primeiro momento: Manual de zoologia fantástica (1957), um livro de descrições de seres fantásticos, ao qual foram adicionados mais animais encantados e foi então republicado sob o título de O livro dos seres imaginários (1967). Neste livro, entre todos os animais fantásticos mencionados encontramos um verbete intitulado El Dragón, o qual irá falar sobre os dragões e de uma característica em especial nestes animais fantásticos: a de possuir uma pérola no pescoço, a qual tem poderes mágicos, referência aos animais que levam incrustada uma gema na cabeça. Dragón [...] Es habital representarlo con una perla, que pende de su cuello y es emblema del sol. En esa perla está su poder. Es inofensivo si se la quitan. (BORGES; GUERRERO, 1979, p. 617) E podemos encontrar ainda outra referência sobre o dragão, neste mesmo verbete, como sendo o dragão um dos protetores de possíveis tesouros encantados. el Dragón Subterráneo cuida los tesoros vedados a los hombres. (Idem. Ibidem.) Já no verbete intitulado El dragón del Ocidente, Borges aborda, o que seriam as possíveis características físicas de um dragão e discursa também acerca das lendas germânicas, da história de Beowulf, onde então Borges relaciona a figura do dragão com a proteção de objetos preciosos e com o mito da caverna.

9 9 En el Ocidente el Dragón siempre fue concebido como malvado. Una de las hazañas clásicas de los héroes (Hércules, Sigurd, San Miguel, San Jorge) era vencerlo y matarlo. En las leyendas germânicas, el Dragón custodia objetos preciosos. Así, en la Gesta de Beowulf, compuesta en Inglaterra hacia el siglo VIII, hay un dragón que durante años es guardián de un tesoro. (BORGES; GUERRERO, 1979, p. 622) Na versão publicada em inglês, e somente nesta, do Livro dos seres imaginários intitulada The book of Imaginary Beings (1969) traduzido por Di Giovanni e atualmente disponibilizada no site do tradutor, temos outra referência clara e agora explícita ao carbúnculo. Trata-se de um verbete intitulado: The carbuncle (O carbúnculo), onde Borges fala de um animal visto pelos colonizadores espanhóis do século XVI na América do Sul, ao qual chamaram de carbúnculo. In mineralogy the carbuncle, from the Latin carbunculus, A little coal, is a ruby; as to the carbuncle of the ancients, it is supposed to have been a garnet. In sixteenth-century South America, the name was given by the Spanish conquistadors to a mysterious animal mysterious because nobody ever saw it well enough to know whether it was a bird or a mammal, whether it had feathers or fur. (BORGES; GIOVANNI, 2009, s.p.) Sendo que Di Giovanni ainda faz referência a Isidoro de Sevilha e William Shakespeare, para referenciar autores que escolheram o carbúnculo como tema de suas literaturas. Sejam eles conquistadores, padres, dramaturgos ou historiadores, todos fascinados pelo tema desses animais encantados fizeram alusão a eles em alguma parte de suas obras. Ao vermos Martín del Barco Centenera referenciado por autores como Jorge Luis Borgese Daniel Granada, somos levados a falar sobre este padre historiador e de seu livro La Argentina de 1602, onde Centenera fala sobre os vinte e quatro anos que passou aqui na América, sobre o que observou e os perigos que passou, entre outros. No entanto, o que nos chama a atenção no livro de Centenera são as referências que são feitas ao carbúnculo. No Discurso preliminar de La Argentina de Centenera, feito por Pedro de Angelis ( ), historiador ítalo-rioplatense em 1836, (ficou conhecido por seus estudos históricos científicos na Argentina) ele faz uma alusão ao que Barco Centenera teria visto na região do Rio da Prata.

10 10 Aun así, la autoridad de Centenera ha sido de tanto peso para sus sucesores, que hasta han adoptado sus fábulas; y si por mucho tiempo se há creido en las Sirenas, en los Carbunclos y en otras patrañas del mismo quilate, es porque él aseguró que los habia visto con sus propios ojos. (DE ANGELIS, 1836, p. 11) E com isso buscando no livro de poemas do padre espanhol encontramos referência ao carbúnculo em seu Canto Tercero, onde ele falará sobre animais, répteis, víboras e serpentes, sobre a sereia, sobre o carbúnculo, sobre a saga de Dom Rui Diaz Melgarejo e do mesmo ter devido sua má sorte por ter ajudado tal animal, entre outros. Otra laguna grande mas crecida, De mas admiracion que aquesta vemos, Que està la tierra adentro algo metida; Los indios del Acay en sus extremos Habitan, y ellos dicen que fundida Antiguamente fué gente, y creemos, Nos dicen, està el diablo atormentando Aquellos que pecaron en nefando. Gran grita y alarido y gran estruendo Allá dentro parece que resuena; Cuando se allega junto, estremeciendo El cuerpo queda todo con gran pena. Algunos de temor vuelven huyendo; Pajas, se les antoja, y el arena Que son diablos que vienen en pos de ellos, Y vuelven erizados los cabellos. Y no lejos de aquí, por propios ojos, El Carbunclo animal veces he visto: Ninguno me lo juzgue por antojos, Que por cazar alguno anduve listo. Mil penas padecí, y mil enojos En seguimiento de èl; Mas cuan bien quisto, Y rico y venturoso se hallàra Aquel que Anagpitan vivo cazára! Un animalejo es, algo pequeño, Con espejo en la frente reluciente, Como la brasa ignita en recio leño. Corre y salta veloz y diligente: Asì como le hirieren echa el ceño, Y entùrbiase el espejo de repente: Pues para que el Carbunclo de algo preste En vida el espejuelo sacan de este.

11 11 Cuan triste se hallò, y cuan penoso Rui Diaz Melgarejo! que hallado Habia, à mi me dijo, de uno hermoso; Perdiólo por habérsele volcado Una canòa en que iba muy gozoso. Yo le ví lamentar su suerte y hado, Diciendo "si el carbunclo no perdiera, Con él al Gran Philipo yo sirviera." (CENTENERA, 1836, p ) Martín del Barco Centenera, alude a esse animal fantástico assim como Daniel Granada o faz, falando de um ser fantástico, mas como se ele realmente existisse, e ao falarmos de Granada lembramos do escritor brasileiro, João Simões Lopes Neto ( ), uma vez que é através de Daniel Granada que apresentaremos Simões, pois, segundo, estudiosos da obra de Lopes Neto, teria ele conhecido a obra de Granada e ela pode ter influenciado, ou pode ter sido uma de suas fontes literárias para que o escritor gaúcho produzisse a lenda da Salamanca do Jarau, lenda esta que alude ao mito dos tesouros encantados e dos carbúnculos como protetores dos mesmos, Foi Daniel Granada, pois, quem forneceu a Simões Lopes todos os elementos de que se valeu para compor a Salamanca do Jarau. (MEYER, 1979, p. 180) E através da obra de Granada e de suas informações sobre o carbúnculo que adentramos na literatura brasileira e na obra do escritor regionalista gaúcho João Simões Lopes Neto, contador de casos, mitos e lendas que ao produzir sua obra utilizou-se desse tema dos carbúnculos para produzir a saga de seu personagem Blau Nunes, na lenda/ conto A salamanca do Jarau componente de seu livro Lendas do Sul (1913). Segundo essa versão da lenda contada por Simões iii o carbúnculo trata-se de uma jovem e bela bruxa moura encantada pelo diabo e transformada em uma espécie de lagarto - teiniaguá e que no lugar da cabeça tem incrustada um joia cujo brilho é semelhante ao de uma brasa viva. O diálogo entre o escritor gaúcho e o autor espanhol é evidente, lembrando que Lopes Neto valeu-se da obra de Daniel Granada para escrever suas Lendas do Sul. Nessa versão da lenda contada pelo escritor gaúcho temos mais uma referência explícita ao carbúnculo. O maldoso pegou o condão mágico que navegara em navio bento e entre frades rezadores e santos milagrosos -, esfregou-os no suor do seu corpo e virou-o em

12 12 pedra transparente, e lançando o bafo queimante do seu peito sobre a fada moura, demudou-a em teiniaguá, sem cabeça. E por cabeça encravou então no novo corpo da encantada a pedra, aquela que era o condão, aquele. E como já era sobre a madrugada, no crescimento da primeira luz do dia, do sol vermelho que ia querendo romper dos confins por sobre o mar, por isso a cabeça de pedra transparente ficou vermelha como brasa e tão brilhante que olhos de gente vivente não podiam parar nela, ficando encandeados, quase cegos... (LOPES NETO, 2006, p ) Nessa versão para o carbúnculo Simões cita como o encantamento de uma jovem fada moura em teiniaguá pode nos remeter a uma transmutação do humano em animal. Uma relação do ser racional com o ser irracional e precisamos lembrar ainda que essa teiniaguá encantada seja ora mulher, portanto, humana, ora animal. Ambos estão interligados pelo encantamento sendo que misturados o animal passa a raciocinar e a moura encantada enquanto teiniaguá passa a ter hábitos animalescos. Para falarmos desse híbrido entre humanos e animais, precisaremos refletir primeiro sobre as relações entre homens e animais. E qual seria essa relação do homem com os animais? Amistosa, amigável ou apenas uma relação de dominação onde, na maioria das vezes, o homem, enquanto ser pensante, escraviza os animais, enquanto, ditos, seres irracionais. É com esse questionamento que queremos falar um pouco mais sobre esse animal encantado já tão citado em nossa pesquisa. Será que pode existir uma relação entre um animal encantado e um humano? Produto da nossa imaginação e da literatura mundial, o fato é que animal e homem unem-se e misturam-se em um só, sem podermos distinguí-los. Com essa perspectiva encontramos a obra O Tempo e o Vento (1947) do escritor também gaúcho Erico Veríssimo ( ) no volume intitulado O continente II da referida obra, onde o autor dedica um capítulo inteiro para a teiniaguá, o animal encantado citado por Granada e Simões Lopes Neto. Nessa parte de seu livro Veríssimo fala do comportamento humano e de como são as relações humanas utilizando-se para isso da sua personagem Luzia que em muitas passagens desse capítulo é citada como sendo a teiniaguá, como sendo esse animal encantado de que tanto falamos. É clara, portanto, a junção entre humano e animal, pois em

13 13 certa ocasião não podemos saber quem é quem, e o autor ainda faz uma alusão explícita a essa transformação de sua personagem humana em animal: Estava ela sentada no sofá ao lado do noivo, vestida de crinolina verde, de saia muito rodada com aplicações de renda, tinha cravado nos cabelos dum castanho profundo grande pente em forma de leque, no centro do qual faiscava um brilhante. Winter pensou imediatamente na bela e jovem bruxa moura, que o diabo, segundo a lenda que corria pela Província, transformara numa lagartixa cuja cabeça consistia numa pedra preciosa de brilho ofuscante. Como era mesmo o nome do animal? Ah! Teiniaguá. A sua musa da Tragédia havia agora virado teiniaguá. (VERISSIMO, 1995, p Grifo nosso) Através deste pequeno fragmento do texto do escritor gaúcho podemos observar como a literatura enriquece essa relação íntima entre homem e animal. E aqui poderíamos valer-nos das ideias de Jacques Derrida ( ) e de se livro O animal que logo sou (2004) quando o filósofo discute que animal é ele, quando fala sobre as relações entre humanos e animais e ainda quando debate acerca do porquê de serem designados animais todos os viventes não humanos. (DERRIDA, 2002, p. 64) Essas relações entre humanos e animais podem ser escravizadoras e aqui conversamos novamente com Derrida, uma vez que, para ele a palavra animal é apenas um termo utilizado pelos humanos como forma de dominação do ser racional para com o ser irracional. O animal, dizem eles. E eles se deram essa palavra concedendo-se ao mesmo tempo, a eles mesmos, para reservar-se, a eles os humanos, o direito à palavra, a nome, ao verbo, ao atributo, à linguagem de palavras, enfim àquilo de que seriam privados os outros em questão, aqueles que se coloca no grande território do bicho: O animal. (DERRIDA, 2002, p ) Já na literatura encontramos uma forma mais amistosa de relacionamentos, onde alguns autores, como é o caso de Erico Veríssimo colocam o animal no mesmo nível que os humanos, onde muitas vezes, não podemos distingui-los. Em sua obra o escritor gaúcho, naturalmente, está relacionando sua personagem Luzia com a teiniaguá animal para falar de sua esperteza, de sua ambição, de seu olhar que e certos momentos, não parece ser humano e de sua malícia que fugia dos padrões da

14 14 época e da região. Era uma mulher astuciosa. A Teiniaguá pensou Dr. Carl Winter, e ficou olhando para o animal, como que enfeitiçado... (VERISSIMO, 1995, p. 386) E então? O que há de mais misterioso nesta simples comparação de Veríssimo? Seria um animal encantado com hábitos humanos ou um humano com os hábitos de um animal? Realidade ou não, o fato é que os carbúnculos vêm fazendo parte da literatura universal ao longo dos séculos até chegarmos aqui em Veríssimo e depois dele certamente virão outros que encantados com o tema do carbúnculo ou enfeitiçados pela magia das pedras preciosas farão alguma referência a esse animal que hoje domina nossos sonhos e as páginas de nossos livros. Nossa genealogia sobre os carbúnculos chega ao fim com a certeza de que o ser humano e o ser animal podem ser muito parecidos. Quanto ao carbúnculo, esse ser mitológico que habita nosso imaginário, pode-se dizer, que enquanto existir o folclore e a cultura popular ele continuará enriquecendo e transformando escritores e leitores em verdadeiros amantes dos mitos. REFERÊNCIAS BORGES, J. L; GUERRERO, M. El Libro de los seres imaginários. In: Obras Completas en colaboración. Buenos Aires: EMECÉ, ; DI GIOVANNI, N. T. The Carbuncle. Disponível em: Acessado em: 29 jun DE ANGELIS, P. Discurso preliminar a La Argentina de Barco Centenera. In: CENTENERA, M. D. B. La Argentina. Buenos Aires: Imprenta del Estado, DERRIDA, J. O animal que logo sou. Trad. Fábio Landa. São Paulo: UNESP, ELIADE, M. Tratado de Historia de las Religiones: Morfologia y dialéctica e lo sagrado. Madrid: Ediciones Cristiandad, ETIMOLOGIAS. Disponível em: Acesso em: 07 jul

15 15 FLAUBERT, G. As tentações de Santo Antão. Trad. Luís de Lima. São Paulo: Iluminuras, GRANADA, D. Resenã historico-descriptiva de antiguas y modernas supersticiones del rio de la Plata. 2. ed. Buenos Aires: Kraft, LOPES NETO, J. S. Contos Gauchescos e Lendas do Sul. Edição crítica por Aldyr Garcia Schlee. Porto Alegre: UNISINOS, MEYER, A. Prosa dos pagos. Rio de Janeiro: Presença, OROZCO, S. C. Tesoro de la lengua castellana o española. Madrid: Castalia, PICINELLI, F. El mundo simbólico: serpientes y animales venenosos: Los insectos. Trad. Rosa Lucas González e Eloy Goméz Bravo. Zamora, México: Consejo Nacional de Ciencia y Tecnología, PLINIO. Historia Naturalis. Trad. John Bostock (English). Trad. Karl Friedrich Theodor Mayhoff (Latin). Livro XXXVII. Londres: Perseus, SHAKESPEARE, W. As you like it. England: Penguin Books, VERISSMO, E. A teiniaguá. In: O Continente II. In: O Tempo e o Vento. São Paulo: Globo, WILDE, O. O retrato de Dorian Gray. Trad. Mariana Gaspari. São Paulo: PubliFolha, i Nagâs: na mitologia Hindu, são definidas como serpentes, filhas de Kadru, a verdadeira personificação das trevas. ii O carbúnculo se chama assim porque no princípio é vermelho como o fogo e depois como o carbono extinguido. iii Uma vez que essa lenda sobre uma princesa encantada pelo diabo e transformada em réptil e que possui no lugar da cabeça uma pedra preciosa semelhante a um rubi, que protege um tesouro e tem pacto com o demônio, que vive em uma salamanca/ furna encantada, é recorrente na cultura popular e ganhou os campos do sul do Brasil com a chegada dos colonizadores espanhóis naquela região do Rio da Prata e que, devido a proximidade com o Rio Grande do Sul chegou em terras brasileiras.

AS ORIGENS DA LENDA A SALAMANCA DO JARAU, DE JOÃO SIMÕES LOPES NETO THE LEGEND S ORIGINS A SALAMANCA DO JARAU, BY JOÃO SIMÕES LOPES NETO

AS ORIGENS DA LENDA A SALAMANCA DO JARAU, DE JOÃO SIMÕES LOPES NETO THE LEGEND S ORIGINS A SALAMANCA DO JARAU, BY JOÃO SIMÕES LOPES NETO 268 AS ORIGENS DA LENDA A SALAMANCA DO JARAU, DE JOÃO SIMÕES LOPES NETO THE LEGEND S ORIGINS A SALAMANCA DO JARAU, BY JOÃO SIMÕES LOPES NETO Elisângela Aparecida Zaboroski de Paula Mestranda em Literatura

Leia mais

S A N C H O I, R E Y D E P O R T U G A L

S A N C H O I, R E Y D E P O R T U G A L Í N D I C E NOTA DE APERTURA.............................. ) 7 ( NOTA DE ABERTURA............................. ) 11 ( PRÓLOGO.................................... ) 15 ( PREFÁCIO....................................

Leia mais

Planejamento estratégico

Planejamento estratégico espaço ibero-americano espacio iberoamericano Planejamento estratégico Quem somos, onde queremos ir e como chegaremos lá são indagações necessárias em todas as escolas Como qualquer empresa, instituições

Leia mais

Vocabulário e frases chave

Vocabulário e frases chave Vocabulário e frases chave la tradición La sociedad moderna tiende a desvincularse de las tradiciones. a tradição A sociedade moderna tende a se afastar das tradições. la cultura Las distintas culturas

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

XHEKPON. Dossier de Imprensa. Site da Revista HOLA www.hola.com

XHEKPON. Dossier de Imprensa. Site da Revista HOLA www.hola.com XHEKPON Dossier de Imprensa Site da Revista HOLA www.hola.com Marian Camino licenciada em Economia e especializada em Economia Internacional, mas com verdadeira paixão e vocação pelo mundo da beleza e

Leia mais

SUMÁRIO GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO: UM OLHAR A PARTIR DA ADMINISTRAÇÃO... 2

SUMÁRIO GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO: UM OLHAR A PARTIR DA ADMINISTRAÇÃO... 2 SUMÁRIO GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO: UM OLHAR A PARTIR DA ADMINISTRAÇÃO... 2 A IMPORTÂNCIA DO CONTEXTO GEOECONÔMICO DE FAMÍLIAS EM SITUAÇÃO DE POBREZA PARA A GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA-FAMÍLIA... 3 QUÉ

Leia mais

Third Party Relationships: Auditing and Monitoring

Third Party Relationships: Auditing and Monitoring Third Party Relationships: Auditing and Monitoring October 3, 2012 3 de octubre del 2012 Agenda Speakers On-going monitoring of third party relationship On-site audits/ distributor reviews Questions &

Leia mais

2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA

2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA 2 POEMAS DE SANTA TERESA D ÁVILA traduzidos por Wanderson Lima VIVO SEM EM MIM VIVER Vivo sem em mim viver e tão alta vida espero Vivo já fora de mim depois que morro de amor, porque vivo no Senhor, que

Leia mais

Conteúdo: Aula: 11.1. Pretérito Indefinido x Pretérito Imperfeito LÍNGUA ESPANHOLA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA

Conteúdo: Aula: 11.1. Pretérito Indefinido x Pretérito Imperfeito LÍNGUA ESPANHOLA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Aula: 11.1 Conteúdo: Pretérito Indefinido x Pretérito Imperfeito 2 Habilidades: Combinar o pretérito indefinido com o pretérito imperfeito para fazer descrição. 3 Pretérito Imperfecto de Indicativo É um

Leia mais

DEUS ESTÁ MORTO. A LEITURA DE MARIA ZAMBRANO DESSA AFIRMAÇAO RESUMO

DEUS ESTÁ MORTO. A LEITURA DE MARIA ZAMBRANO DESSA AFIRMAÇAO RESUMO DEUS ESTÁ MORTO. A LEITURA DE MARIA ZAMBRANO DESSA AFIRMAÇAO Nara Rela RESUMO O objetivo do presente texto é apresentar um primeiro estudo da leitura que a filósofa espanhola Maria Zambrano faz da frase

Leia mais

Prova Escrita de Espanhol

Prova Escrita de Espanhol EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de de julho Prova Escrita de Espanhol 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Iniciação bienal Prova 47/1.ª Fase Critérios de Classificação 6 Páginas

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português

Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português 1 Equivalência da estrutura de uma frase em inglês e português A partir do momento que você souber de cor a função de cada peça do nosso jogo de dominó, você não terá mais problemas para formular frases,

Leia mais

FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL

FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL UN SELLO DE CALIDAD EN LAS RELACIONES BILATERALES FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL UM SELO DE QUALIDADE NAS RELAÇÕES BILATERAIS FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL diseño

Leia mais

Texto I EL CONGRESO DE BRASIL ASESTA UN DURO GOLPE A LA PRESERVACIÓN FORESTAL

Texto I EL CONGRESO DE BRASIL ASESTA UN DURO GOLPE A LA PRESERVACIÓN FORESTAL Texto I EL CONGRESO DE BRASIL ASESTA UN DURO GOLPE A LA PRESERVACIÓN FORESTAL Los verdes denuncian que detrás de la reforma hay una ofensiva de los especuladores de tierra y de los grandes latifundistas.

Leia mais

Instalação para viagem - Série Espaços. Madeira, espelhos, lentes, aço inox, acrílico, refletores. 8x16x26cm 2008/2011

Instalação para viagem - Série Espaços. Madeira, espelhos, lentes, aço inox, acrílico, refletores. 8x16x26cm 2008/2011 Claudio Álvarez CLAUDIO ÁLVAREZ nasceu em Rosário-Argentina. Vive e trabalha em Curitiba, Paraná, Brasil desde 1977. Expõe desde 1981. Realizou mais de 13 exposições individuais e participou de várias

Leia mais

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. 01- Quem são os personagens que dialogam na história? R.:

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. 01- Quem são os personagens que dialogam na história? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PRODUÇÃO TEXTUAL - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Querido(a)

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA

ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA ANÁLISE DO CONTO DE FADAS ENCANTADA Andréa Nunes Ribeiro Marília Felix de Oliveira Lopes RESUMO: Este trabalho científico tem como objetivo analisar os contos de fadas e a conversão do in Magic para o

Leia mais

VII Congresso Hispano-Luso de Avaliação do Dano Corporal VII Congreso Hispano-Luso de Valoración del Daño Corporal

VII Congresso Hispano-Luso de Avaliação do Dano Corporal VII Congreso Hispano-Luso de Valoración del Daño Corporal Programa Científico VII Congresso Hispano-Luso de Avaliação do Dano Corporal VII Congreso Hispano-Luso de Valoración del Daño Corporal PROGRAMA CIENTÍFICO PRELIMINAR* * O programa científico indicado poderá

Leia mais

32 explican como un enfrentamiento de raíces étnicas entre árabes y africanos, la realidad 33 es más compleja. 34 Hay que tener en cuenta el

32 explican como un enfrentamiento de raíces étnicas entre árabes y africanos, la realidad 33 es más compleja. 34 Hay que tener en cuenta el Cambio climático 1 En el año 2007 el cambio climático logró por fin situarse en la agenda política global 2 como uno de los grandes problemas que afronta la humanidad. Así lo reflejaron las 3 conclusiones

Leia mais

Teste de diagnóstico de Espanhol 8º ano nível A2 MATRIZ

Teste de diagnóstico de Espanhol 8º ano nível A2 MATRIZ AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS PROFESSOR JOSÉ BUÍSEL Teste de diagnóstico de Espanhol 8º ano nível A MATRIZ COMPETÊNCIAS TIPOLOGIA DE EXERCÍCIOS ESTRUTURA COTAÇÃO OUVIR/ LER / ESCREVER Audição de texto.

Leia mais

Cristo recrucificado no Evangelho segundo Marcos, de Jorge. Luis Borges

Cristo recrucificado no Evangelho segundo Marcos, de Jorge. Luis Borges Cristo recrucificado no Evangelho segundo Marcos, de Jorge Luis Borges Delzi Alves Laranjeira (UFMG) Em uma série de palestras proferidas em Harvard entre 1967 e 1968, Borges (2000, p. 55) afirmou que

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Cachorros das ruas. Polvo. Dente do rato. Pego no flagra. Que marcou. Toda minha vida. Colher dos frutos. E sem mãos. E eu sem bico.

Cachorros das ruas. Polvo. Dente do rato. Pego no flagra. Que marcou. Toda minha vida. Colher dos frutos. E sem mãos. E eu sem bico. Cachorros das ruas Pedro Granados Leila Yatim Tradução I Pulpo Diente de la rata Descubierto infraganti Acto oscuro antiguo Radicalmente inmoral Que ha marcado Toda mi vida Coger de los frutos En la otra

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Caro programador: Polichinelo sensibiliza para a diferença, para o respeito pelo outro. Uma peça de teatro que estimula a imaginação e a criatividade

Caro programador: Polichinelo sensibiliza para a diferença, para o respeito pelo outro. Uma peça de teatro que estimula a imaginação e a criatividade Caro programador: Polichinelo sensibiliza para a diferença, para o respeito pelo outro. Uma peça de teatro que estimula a imaginação e a criatividade com a criação de um mundo de magia e fantasia. Sinopse

Leia mais

Estudo de Unidades fraseológicas e seus sentidos metafóricos em dois Dicionários Bilíngües Español-Português, Português- Espanhol.

Estudo de Unidades fraseológicas e seus sentidos metafóricos em dois Dicionários Bilíngües Español-Português, Português- Espanhol. Estudo de Unidades fraseológicas e seus sentidos metafóricos em dois Dicionários Bilíngües Español-Português, Português- Espanhol. Ana María Barrera Conrad Sackl Universidad Federal de Santa Catarina (UFSC)

Leia mais

MEMÓRIA VISUAL DO VELHO OESTE PAULISTA: REGISTRO HISTÓRICO E PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DA VANGUARDA CAFEEIRA

MEMÓRIA VISUAL DO VELHO OESTE PAULISTA: REGISTRO HISTÓRICO E PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DA VANGUARDA CAFEEIRA MEMÓRIA VISUAL DO VELHO OESTE PAULISTA: REGISTRO HISTÓRICO E PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DA VANGUARDA CAFEEIRA MEMORIA VISUAL DEL VIEJO OESTE PAULISTA: HISTÓRICO Y PRESERVACIÓN DE ACCIONISTAS DE VANGUARDIA

Leia mais

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros

Rica. Eu quero ser... Especial ???????? Luquet. Um guia para encontrar a rota da prosperidade. Apoio: por Mara. Elas&Lucros ???????? Apoio: Rica Eu quero ser... Um guia para encontrar a rota da prosperidade por Mara Luquet 81 Era uma vez... Era uma vez uma princesa, dessas que passeiam pelos campos e bosques e são muito bonitas

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

Resolução da Questão 1 Item I Texto definitivo

Resolução da Questão 1 Item I Texto definitivo Questão No Curso de linguística geral, Saussure opõe a língua à fala; porém, ele mesmo reconhece que a língua não se realiza senão na fala. Além disso, a fala é feita por meio de frases, que,

Leia mais

ESCUELAS INTERCULTURALES BILINGUES DE FRONTERA: UNA MIRADA HACIA LA FORMACIÓN DOCENTE

ESCUELAS INTERCULTURALES BILINGUES DE FRONTERA: UNA MIRADA HACIA LA FORMACIÓN DOCENTE ESCUELAS INTERCULTURALES BILINGUES DE FRONTERA: UNA MIRADA HACIA LA FORMACIÓN DOCENTE Fabiana Perpétua Ferreira Fernandes Universidade Federal de Goiás brasucaya@yahoo.com.br A partir del primer semestre

Leia mais

Aula 03 Passado do to be e past continuous

Aula 03 Passado do to be e past continuous Aula 03 Passado do to be e past continuous No passado, o to be se comporta de forma semelhante ao presente, ou seja, as afirmações, negações e questões são feitas da mesma forma. Examples: I was worried

Leia mais

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão

3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas. Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão 3º ano Filosofia Teorias do conhecimento Prof. Gilmar Dantas Aula 4 Platão e o mundo das ideias ou A teoria do conhecimento em Platão ACADEMIA DE PLATÃO. Rafael, 1510 afresco, Vaticano. I-Revisão brevíssima

Leia mais

Antonio Parreiras: pinturas e desenhos (2012) estudo de caso 4. Curso de Capacitação para Museus Sisem Módulo Curadoria

Antonio Parreiras: pinturas e desenhos (2012) estudo de caso 4. Curso de Capacitação para Museus Sisem Módulo Curadoria ANTONIO PARREIRAS - PINTURAS E DESENHOS Arte rasil nob uma história na Pinacoteca de São Paulo imagem da capa Manhã de inverno, 1894 óleo sobre tela 102 x 152 cm Pinacoteca do Estado de São Paulo Transferência

Leia mais

Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning. Vamos começar o espetáculo.

Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning. Vamos começar o espetáculo. The case of the missing ring Script: part three A transcrição abaixo não é uma cópia fiel do áudio. Apresentadora: Bem-vindo ao Inspector Stone uma produção da BBC Learning English. Série 1 o caso da aliança

Leia mais

As vozes do prólogo de Lazarillo de Tormes

As vozes do prólogo de Lazarillo de Tormes As vozes do prólogo de Lazarillo de Tormes Katia Aparecida da Silva Oliveira (FAAC/ PG-USP) O prólogo é um tipo de texto que antecede boa parte das obras literárias. Como uma espécie de apresentação, dirige-se

Leia mais

Um na Estrada Caio Riter

Um na Estrada Caio Riter Um na Estrada Caio Riter PROJETO DE LEITURA 1 O autor Caio Riter nasceu em 24 de dezembro, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É bacharel em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Pontifícia

Leia mais

Teatro O Santo e a Porca ( 1957)

Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Modernismo Teatro O Santo e a Porca ( 1957) Biografia Ariano Suassuna (1927-2014) foi um escritor brasileiro. "O Auto da Compadecida", sua obra prima, foi adaptada para a televisão e para o cinema. Sua

Leia mais

Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves

Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves Um café em Madri com Ian Gibson, prato principal: Federico Garcia Lorca - Por Syntia Pereira Alves Ian Gibson, irlandes, mas desde 1984, cidadão espanhol. Hispanista internacionalmente reconhecido por

Leia mais

Resultados do Censo do Setor de TI 2013. 11 de junho de 2014 Vitória (ES)

Resultados do Censo do Setor de TI 2013. 11 de junho de 2014 Vitória (ES) Resultados do Censo do Setor de TI 2013 11 de junho de 2014 Vitória (ES) Agenda Pra quê esse Censo? Participação 2013 Resultados sobre Principais Temas Conclusões Para quê esse Censo? Histórico do Censo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 52 Discurso por ocasião da inauguração

Leia mais

O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA?

O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA? O QUE É A ATITUDE FILOSÓFICA? Rodrigo Janoni Carvalho 1 A atitude filosófica se remete ao ato de pensar, questionar o óbvio, criticar, enfim, filosofar. Toda filosofia deve ser radical, não se contentando

Leia mais

ESPANHOL. Professor Chico

ESPANHOL. Professor Chico ESPANHOL Professor INTERPRETAÇÃO DE TEXTO COMO DEVO LER OS TEXTOS E RESOLVER AS QUESTÕES DA PROVA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA? Para que respondas corretamente as questões sobre os textos da prova, deves fazer

Leia mais

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck

Bicho de sete cabeças e outros seres fantásticos, de Eucanaã Ferraz: poesia para não ter medo do desconhecido. Ana Paula Klauck Publicado na revista eletrônica Tigre Albino Volume 3, Número 3. 2010. ISSN: 1982-9434 Disponível em: http://www.tigrealbino.com.br/texto.php?idtitulo=08f1c7471182e83b619f12bfa4 27e1e0&&idvolume=9a2be2ed7998330d41811b14e9f81f2d

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

Conteúdo Programático Anual

Conteúdo Programático Anual INGLÊS 1º BIMESTRE 5ª série (6º ano) Capítulo 01 (Unit 1) What s your name? What; Is; My, you; This; Saudações e despedidas. Capítulo 2 (Unit 2) Who s that? Who; This, that; My, your, his, her; Is (afirmativo,

Leia mais

CONVIVENDO COM O LÚPUS

CONVIVENDO COM O LÚPUS CONVIVENDO COM O LÚPUS Dr. Jean-Luc Senecal Aprender a viver com o lúpus é semelhante a todas as outras coisas da vida. Alguns deverão exercitar-se e este aprendizado não se faz da noite para o dia. A

Leia mais

Aula 15.2 Conteúdo. Cores Estações do Ano Expressões de gostos e preferências Verbos gustar e preferir LÍNGUA ESPANHOLA CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 15.2 Conteúdo. Cores Estações do Ano Expressões de gostos e preferências Verbos gustar e preferir LÍNGUA ESPANHOLA CONTEÚDO E HABILIDADES A A Aula 15.2 Conteúdo Cores Estações do Ano Expressões de gostos e preferências Verbos gustar e preferir 2 A A Habilidades Aumentar vocabulário referente a cores e estações do ano em espanhol. Expressar

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

Guião E. 1.º MOMENTO Intervenientes e tempos

Guião E. 1.º MOMENTO Intervenientes e tempos Proposta de Guião para uma Prova Disciplina: Espanhol, Nível de Iniciação, 11.º ano (A2) Domínio de Referência: Viajes y Transportes Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião E 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

ELABORAÇÃO E APLICAÇÃO DA OFICINA PARA ALUNOS DO 3º ANO

ELABORAÇÃO E APLICAÇÃO DA OFICINA PARA ALUNOS DO 3º ANO ELABORAÇÃO E APLICAÇÃO DA OFICINA PARA ALUNOS DO 3º ANO Alayse Alcântara de Oliveira 3 (UFS) Márcia de Jesus Araujo 4 (UFS) CONSIDERAÇÕES INICIAIS O referido trabalho é fruto do grupo de pesquisa intitulado

Leia mais

DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA

DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA DICIONÁRIO REGIONALISTA E ESPANHOL: UMA ANÁLISE DISCURSIVA Branco, Natieli Luiza Trabalho de Iniciação Científica/financiamento PET/Conexões de Saberes/MEC Universidade Federal de Santa Maria/Curso de

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

Borges, Cortázar e os bestiários latino-americanos

Borges, Cortázar e os bestiários latino-americanos Borges, Cortázar e os bestiários latino-americanos Eduardo Jorge de Oliveira (UFMG) Este texto tem como ponto de partida os bestiários medievais e a tentativa de esboçar uma definição direcionada aos estudos

Leia mais

3. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Areane Kanawati Prof. o Felipe Lopes

3. o ANO ENSINO MÉDIO. Prof. a Areane Kanawati Prof. o Felipe Lopes 3. o ANO ENSINO MÉDIO Prof. a Areane Kanawati Prof. o Felipe Lopes Unidade IV Trabalho A trajetória humana, suas produções e manifestações 2 Aula 10.1 Conteúdo O emprego verbal: Formas pessoais (indicativo,

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

XHEKPON. THE BEAUTY BLOG - Eleito o melhor. Dossier de Imprensa. Blog de Beleza pela Revista ELLE e Revista Marie Claire em Espanha

XHEKPON. THE BEAUTY BLOG - Eleito o melhor. Dossier de Imprensa. Blog de Beleza pela Revista ELLE e Revista Marie Claire em Espanha XHEKPON Dossier de Imprensa THE BEAUTY BLOG - Eleito o melhor Blog de Beleza pela Revista ELLE e Revista Marie Claire em Espanha Susana Garcia autora e editora do blog de beleza THE BEAUTY BLOG, apesar

Leia mais

Palavras-Chave: Teatro Espanhol. Dramaturgia. História. RESUMEN

Palavras-Chave: Teatro Espanhol. Dramaturgia. História. RESUMEN ARANTES, Luiz H.M. Dramaturgia Espanhola/Catalã Contemporânea: estudo sobre Porão, de Benet i Jornet. Uberlândia/MG: Universidade Federal de Uberlândia/PPGArtes; Professor Associado. RESUMO A presença

Leia mais

Estratégia de Leitura Elementos de Referência. Reference devices ou elementos de referência

Estratégia de Leitura Elementos de Referência. Reference devices ou elementos de referência Estratégia de Leitura Elementos de Referência Reference devices ou elementos de referência Ao ler textos sobre qualquer assunto, em qualquer área de conhecimento, todo leitor percebe uma relação de REFERÊNCIA

Leia mais

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS

PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS PLATÃO E SOCRÁTES: LEITURAS PARADOXAIS Alan Rafael Valente (G-CCHE-UENP/CJ) Douglas Felipe Bianconi (G-CCHE-UENP/CJ) Gabriel Arcanjo Brianese (G-CCHE-UENP/CJ) Samantha Cristina Macedo Périco (G-CCHE-UENP/CJ)

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

BRASIL. Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor.

BRASIL. Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor. 1 BRASIL Fernando Ribeiro Alves Edição especial para distribuição gratuita pela Internet, através da Virtualbooks, com autorização do Autor. O Autor gostaria imensamente de receber um e-mail de você com

Leia mais

A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público

A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público Bruno Alexander Vieira Soares Promotor de Justiça de Defesa da Saúde/BH Coordenador da Coordenadoria de Defesa das Pessoas

Leia mais

Terceira viagem Missionária de Paulo ITQ-Vila Ema Prof.Baroni

Terceira viagem Missionária de Paulo ITQ-Vila Ema Prof.Baroni Terceira viagem Missionária de Paulo ITQ-Vila Ema Prof.Baroni Éfeso foi uma das grandes cidades dos jônicos na Ásia Menor, situada no local onde o rio Cayster desagua no Egeu. Foi fundada por colonos provenientes

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

DESAFIOS DE MATEMÁTICA E LÓGICA

DESAFIOS DE MATEMÁTICA E LÓGICA DESAFIOS DE MATEMÁTICA E LÓGICA 1. Use the same 7 letters in the same order to fill the gaps in the sentence below: A _ surgeon was _ to operate because there was _. 2. Four people (A, B, C and D) wanted

Leia mais

Meu pássaro de papel

Meu pássaro de papel ALUNO (A): ANO: 3º TURMA: (A) (C) PROFESSOR (A): VALOR DA AVALIAÇÃO: 40 pontos DATA: CENTRO EDUCACIONAL SAGRADA FAMÍLIA 22 / 08 / 2013 TRIMESTRE: 2º NOTA: COMPONENTE CURRICULAR: LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO

Leia mais

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante?

Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Do you know how to ask questions in English? Você sabe fazer perguntas em Inglês? Em primeiro lugar observe as frases abaixo: Afirmativo: Ele é estudante Interrogativo: Ele é estudante? Note que tanto

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

ACTIVE VOICE X PASSIVE VOICE

ACTIVE VOICE X PASSIVE VOICE www.blogpensandoemingles.com www.facebook.com/pensandoeminglesblog O que é? ACTIVE VOICE X PASSIVE VOICE Active Voice ( Voz Ativa): Ocorre quando o sujeito pratica a ação, e é chamado de agente. Ex: Robert

Leia mais

Septuaginta: As lendas dos crentes

Septuaginta: As lendas dos crentes Septuaginta: As lendas dos crentes A Septuaginta é uma lenda, assim como a Caipora 1, boi tatá 2, mula sem cabeça 3, negrinho do pastoreio 4, cobra grande 5 e saci pererê 6. Os crentes ignoram que muitas

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

PROGRAMAÇÃO VIII JORNADAS DE HISTÓRIA DA ARTE: COLEÇÕES, ARQUIVOS E NARRATIVAS São Paulo, 10 a 13 de novembro de 2015

PROGRAMAÇÃO VIII JORNADAS DE HISTÓRIA DA ARTE: COLEÇÕES, ARQUIVOS E NARRATIVAS São Paulo, 10 a 13 de novembro de 2015 Terça-feira dia 10/11 quarta-feira dia 11/11 quinta-feira dia 12/11 sexta-feira dia 13/11 Credenciamento 8:30 9:00 Credenciamento 8:30 9:00 Credenciamento 8:30 9:00 Sessão de comunicações COLEÇÕES E Sessão

Leia mais

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos

Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Autovaliação em Práticas de Linguagem: uma reflexão sobre o planejamento de textos Luna Abrano Bocchi Laís Oliveira O estudante autônomo é aquele que sabe em que direção deve avançar, que tem ou está em

Leia mais

Fábula. Obs: A estrutura das fábulas segue a mesma explicada no gênero anterior Conto. Afinal fazem parte do mesmo tipo textual: Narrativa.

Fábula. Obs: A estrutura das fábulas segue a mesma explicada no gênero anterior Conto. Afinal fazem parte do mesmo tipo textual: Narrativa. 10 Fábula O que é: Trata-se de um gênero narrativo ficcional bastante popular. É uma história curta, vivida por animais e que termina com uma conclusão ético- moral. As fábulas eram narrativas orais, e

Leia mais

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha

TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha TRADUÇÃO Hope Gordon Silva Regina Aranha 7 João Desfrutando João ao máximo Pode-se resumir o fato mais relevante de toda a história em quatro palavras: Jesus Cristo é Deus! A maior declaração da Bíblia

Leia mais

Como dizer quanto tempo leva para em inglês?

Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Como dizer quanto tempo leva para em inglês? Você já se pegou tentando dizer quanto tempo leva para em inglês? Caso ainda não tenha entendido do que estou falando, as sentenças abaixo ajudarão você a entender

Leia mais

Três importantes invenções

Três importantes invenções Três importantes invenções Por Pedro Varanda Para mim o fogo foi a maior conquista do ser humano na pré-história. A partir desta conquista o homem aprendeu a utilizar a força do fogo em seu proveito, extraindo

Leia mais

Índice. Sabedoria literária para viver com autenticidade e paixão... 11. Oscar Wilde: o homem que amava os prazeres... 115

Índice. Sabedoria literária para viver com autenticidade e paixão... 11. Oscar Wilde: o homem que amava os prazeres... 115 Índice Sabedoria literária para viver com autenticidade e paixão... 11 Oscar Wilde: o homem que amava os prazeres... 115 Bibliografia recomendada de Oscar Wilde... 125 Referências bibliográficas... 127

Leia mais

A!TEMPORALIDADE!EM!"O!INIMIGO",!DE!CHARLES!BAUDELAIRE! TEMPORALITY/IN/"THE/ENEMY"/BY/CHARLES/BAUDELAIRE/

A!TEMPORALIDADE!EM!O!INIMIGO,!DE!CHARLES!BAUDELAIRE! TEMPORALITY/IN/THE/ENEMY/BY/CHARLES/BAUDELAIRE/ ATEMPORALIDADEEM"OINIMIGO",DECHARLESBAUDELAIRE TEMPORALITY/IN/"THE/ENEMY"/BY/CHARLES/BAUDELAIRE/ AnaPaulaMoralesDelavigneBueno 1 SuelenArianeCampioloTrevizan 2 AnaLorenaGonzalezYamashita 3 RESUMO: A análise

Leia mais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Letras Álbum Amanhecer João da Ilha (2011) «Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Já sei que és buliçoso Trazes

Leia mais

Apoio: Patrocínio: Realização:

Apoio: Patrocínio: Realização: 1 Apoio: Patrocínio: Realização: 2 CINDERELA 3 CINDERELA Cinderela era uma moça muito bonita, boa, inteligente e triste. Os pais tinham morrido e ela morava num castelo. A dona do castelo era uma mulher

Leia mais

A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA

A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA A INCLUSÃO DA LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA Tassiana Quintanilha de Souza (G CLCA UENP/CJ) Denise da Silva de Oliveira (Orientadora CLCA UENP/CJ) RESUMO: Este artigo visa discorrer sobre a formatação

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

O olho no caleidoscópio: novas cenas para novos espectadores.

O olho no caleidoscópio: novas cenas para novos espectadores. O olho no caleidoscópio: novas cenas para novos espectadores. Oliveira, Areias Fernanda.São Luís: Universidade Federal do Maranhão. UFMA, Professora Mestra. Assistente 1 departamento de Artes. Diretora

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

Mas tive uma preciosa informação: Cérbero, quando dorme, está com os olhos abertos, mas quando está de olhos fechados, está desperto.

Mas tive uma preciosa informação: Cérbero, quando dorme, está com os olhos abertos, mas quando está de olhos fechados, está desperto. Hades das Artes: a exumação da memória recente. Suyan de Mattos 1 Resumo: A obra de Sol LeWitt Buried Cube Containing an Object of Importance but Little Value, 1968. Aço, 25,4 x 25,4 x 25,4, é dada como

Leia mais

MATERIAL CANDIDATOS. Textos y Fichas

MATERIAL CANDIDATOS. Textos y Fichas MATERIAL CANDIDATOS Textos y Fichas Comercio Chile - China De acuerdo a un informe de Aduanas, China se consolidó como el principal destino de las exportaciones chilenas con embarques por US$ 8.257 millones

Leia mais

Disponível em: http://www.chile.com. Acesso em: 27 abr. 2010 (adaptado).

Disponível em: http://www.chile.com. Acesso em: 27 abr. 2010 (adaptado). La cueca chilena La cueca es la danza nacional de Chile, la protagonista de las celebraciones y festividades criollas. Su origen no está claramente definida, ya que investigadores la vinculan a culturas

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

São Paulo. Mágico por Acaso EDITORIAL 14/05/2009-14:17 SERVIÇO. Mágico por Acaso

São Paulo. Mágico por Acaso EDITORIAL 14/05/2009-14:17 SERVIÇO. Mágico por Acaso NOTÍCIAS 14/05/2009-14:17 Mágico por Acaso SERVIÇO Mágico por Acaso Local: SESC Pompéia R. Clélia, 93 Temporada: de 1º de maio até 31 de maio Datas: Sábados, 13h30 e Domingos, às 12h Ingresso: R$ 8,00

Leia mais

Os natos Beto Junqueyra

Os natos Beto Junqueyra ATIVIDADE III Ensino Fundamental Conteúdo: Atividades de Geografia e História para livro Os Natos Os natos Beto Junqueyra O Ícaro, nome dado ao meio de transporte utilizado pela equipe dos Natos, apresentava

Leia mais

ulher não fala muito Mulher pensa alto

ulher não fala muito Mulher pensa alto ulher não fala muito Mulher pensa alto bla bla PROF. GRETZ Mulher não fala muito. Mulher pensa alto. Reflexões bem humoradas para uma ótima vida a dois Florianópolis 2014 1. Silêncio 7 2. Percepção 13

Leia mais