Componente curricular: Zootecnia II. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Componente curricular: Zootecnia II. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli"

Transcrição

1 Componente curricular: Zootecnia II Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

2 Sistema de produção, instalações e manejo da avicultura.

3 1. Introdução. Avicultura: criação de aves para produção de alimentos. Espécies mais explorada: frango (carne e ovos) Outros: codornas, patos, marrecos, perus, avestruzes, entre outros. Avicultura: exemplo de atividade e de cadeia produtiva de sucesso. Setor que mais tem se destacado no campo da produção animal.

4 1.1. Vantagens. necessidade de pequena área de terra a ser usada para a implantação da granja podendo estar localizada em terra fraca e desvalorizada ciclo de produção é rápido, dando um bom retorno num período relativamente curto (LANA, 2000). A avicultura gera renda, melhora o nível social da população e pode ser atividade de pequeno produtor.

5 1.2. Classificação zoológica. Aves domésticas: Galiformes: galinha, peru, galinha-d angola, pavão e faisão Anseriformes: pato, marreco, ganso e cisne Columbiformes: pombos em geral Passeriformes: pássaros em geral (Andriguetto et al,1983).

6 1.2. Classificação zoológica. peru (Meleagris gallopavo) ganso (Anser anser) marreco (Anas boschas) pato (Cairina moschata) faisão (Phasianus colchicus) pavão (Pavo cristatus) pombo (Columbia Lívia) cisne (Cygnus columbianus) avestruz (Struthio camelus) codorna (Coturnix coturnix).

7 1.3. Avicultura brasileira e mundial.

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17 Diferença de preços: tipo de produto exportado. EUA: coxa/sobrecoxa. Brasil: frango inteiro, cortes de frango, industrializados e carne salgada.

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28 2. Raças e linhagens em avicultura.

29 2.1. Raças. As raças são diferenciadas pelo tamanho e pela conformação do corpo. A cor da plumagem e o tipo de crista são as características que geralmente diferenciam as variedades de uma mesma raça.

30 New Hampshire. Origem: americana Aptidão: grande produtora de carne e ovos, chega a produzir 200 ovos por ano, o que lhe confere essa dupla aptidão. A cabeça tem aspecto vigoroso, apresentando crista simples e com cinco pontas nos machos. Nas fêmeas, a crista apresenta leve inclinação lateral. A pele apresenta cor amarelada.

31 Rhode Island Red. Origem: desenvolvida a partir do cruzamento de várias raças nos Estados Unidos. Aptidão: boa produtora de ovos e carne. Possui corpo largo, profundo e comprido, crista serra, de tamanho médio, bico avermelhado, plumagem vermelho brilhante e cauda preta.

32 Plymouth. Raça mais antiga. Apresenta diversas variedades - Brasil a variedade mais difundida é a Barrada. Utilizada nos cruzamentos para produção de pintos de corte. Características físicas: crista simples, reta e bem assentada na cabeça, de tamanho mediano nos machos e pequeno nas fêmeas.

33 Wyandotte. Corpo ligeiramente arredondado, dando impressão de dorso curto, em virtude do tipo de plumagem que possuem. Dupla finalidade, porém, devido ao pequeno tamanho do seu ovo e da baixa eclodibilidade (baixo nascimento) não foram utilizadas para a formação das atuais linhagens produtivas.

34 Gigante negro. Origem: New Jersey - mais pesada de todas as raças americanas. Apresenta dupla aptidão, mas a postura é um pouco inferior. Pigmento de cor escura das penas nas partes comestíveis da carcaça, ocorreu uma depreciação dessa raça.

35 Australorp. Origem: australiana Aptidão: selecionada para produção de ovos, apesar de ser considerada de dupla utilidade. Plumagem completamente preta, crista serra, brincos vermelhos, pele branca, tarsos e dedos pretos - existe também de cor branca.

36 Cornish. Origem: Inglaterra Conformação semelhante entre o macho e a fêmea. Usada na obtenção da linha paterna na produção de pintos de corte. As fêmeas não são boas poedeiras. Possui peito largo, penas fortes e pretas, crista do tipo ervilha e pele amarela.

37 Orfington. Origem: Inglesa, pouco difundida no Brasil. Raça criada para produção de carne e raramente para produção de ovos. São pesadas, de corpo profundo, arredondado e peito desenvolvido.

38 Sussex. Origem: Inglesa Destaca-se pela beleza de sua plumagem e por ser uma excelente produtora de carne. Pouco explorada no Brasil por apresentar pele branca - pele amarela são mais apreciadas em nosso país. Quase toda branca, com penas preto-esverdeadas nos lados, na parte posterior do pescoço e na cauda.

39 Possui extraordinária capacidade de produção de ovos, destacando-se tanto na quantidade como na qualidade Leghorn.

40 2.2 Marcas de aves de corte e postura. Em busca de melhores índices zootécnicos, foram criadas, a partir de cruzamentos entre as melhores raças, marcas comercias ou linhagens de aves para produção de carne e de ovos.

41 Características desejáveis nas aves para produção de carne. boa conversão alimentar rápido ganho de peso crescimento uniforme empenamento precoce peito largo pernas curtas resistir a doenças boa pigmentação de pele. Marcas de frango de corte: Hubbard-Isa, Cobb, Ross, Arbor, Acres, Shaver.

42 Características desejáveis nas aves para produção de ovos. boa produtividade boa conversão alimentar resistir a doenças apresentar ovos com casca resistente e uniforme baixa mortalidade. Marcas de poedeiras comerciais: Hubbard- Isa, Dekalb, Hyline, Babcock, Shaver.

43

44 3. Sistemas de produção na avicultura. a) Sistema extensivo aves criadas em liberdade e podem debicar e esgravatar à procura de comida.

45 3. Sistemas de produção na avicultura. b) Sistema semi-intensivo conhecido como produção de pátio/quintal número de aves por bando varia entre 50 a 200. criação em pequena escala. confinamento em espaço aberto fechado. galinheiro para as aves permanecer à noite. o criador fornece praticamente toda a comida, a água e outras necessidades.

46 3. Sistemas de produção na avicultura. c) Sistema intensivo requer maiores investimentos - capital e mão de obra. bandos de aves: milhares. alcançado através dos avanços na investigação sobre incubação artificial, necessidades nutricionais e controle das doenças.

47 4. Modelos de exploração. Modelo independente: o avicultor se responsabiliza por todas as fases da produção, desde a aquisição dos pintinhos, sua criação até o ponto de abate. Modelo verticalizado: várias fases de produção estão inseridas em uma mesma empresa, por exemplo, criação dos pintinhos, abate e comercialização. Modelo integrado: tradicionalmente, a integradora dispõe de frigorífico e fábrica de rações, fornecendo insumos e assistência técnica aos produtores integrados, que produzem em suas próprias áreas e entregam a produção à empresa integradora.

48 5. Instalações 5. Instalações.

49 5. Instalações.

50 Não é possível exibir esta imagem no momento. Não é possível exibir esta imagem no momento. 5. Instalações.

51

52

53 Frangos de corte, poedeiras comerciais e pintos de um dia.

54 1. Criação e manejo de frangos de corte. 1.1 Limpeza e desinfecção das instalações e equipamentos retirar toda matéria orgânica acumulada na criação do lote anterior. retirar restos da ração; remover equipamentos, lavandoos, desinfetando-os e expondo-os ao sol; retirar a cama; varrer os tetos, telas, paredes, silos e pisos; lavar com água sob pressão, com sabão ou detergente, o teto, paredes, equipamentos fixos e piso. desinfecção das instalações/vazio sanitário de duas semanas.

55

56 1. Criação e manejo de frangos de corte. Vazio sanitário Período imediatamente após a limpeza e desinfecção do aviário em que este permanece fechado e interditado, sem a presença de animais até o início de um novo alojamento. 1.2 Cama do aviário função: reduzir o impacto e atrito da ave com o piso. características: ser disponível na região, apresentar baixo custo e ser absorvente. materiais utilizados: maravalha, serragem de madeira, sabugo de milho triturado, casca de arroz, amendoim, palhas de cultura, fenos de gramíneas e rama de mandioca.

57 1. Criação e manejo de frangos de corte. 1.3 Escolha dos pintinhos devem ser saudáveis e de boa qualidade - ter boa procedência. devem ser ativos, apresentar olhos brilhantes, umbigo bem cicatrizado, tamanho e cor uniformes.

58

59 1. Criação e manejo de frangos de corte. 1.4 Alimentação maior parcela do custo de produção de aves. água e ração: devem ser fornecidas à vontade e não devem conter impurezas. limpeza diária dos bebedouros e comedouros. diferentes rações de acordo com a idade ou programa de alimentação adotado. pré-inicial (1 a 7 dias), inicial (8 a 21 dias), crescimento (22 a 35 dias) terminação ou final (36 dias ao abate: ± 42 dias de vida).

60 1. Criação e manejo de frangos de corte. 1.5 Manejo sanitário e registros manejo sanitário: fundamental para a prevenção de doenças. limpeza antes e durante o alojamento das aves uso de vacinas: ajuda no não aparecimento de doenças no lote. remoção das aves descartadas ou mortas pode evitar a multiplicação registros de dados: indispensáveis para o acompanhamento e avaliação do lote.

61

62 2. Criação e manejo de poedeiras comerciais. O ponto mais importante da produção do ovo é a sua qualidade - envolve desde a compra da pintinha até a venda do ovo. período de criação de poedeiras é contínuo e abrange três fases inicial (1ª a 11ª semana) crescimento (10ª a 17ª semana) produção (18ª semana). limpeza e desinfecção das instalações, vacinas e registros na criação de poedeiras comerciais são atividades indispensáveis para o bom resultado da produção.

63 2. Criação e manejo de poedeiras comerciais Pintinhas podem ser criadas em cama, gaiolas ou baterias cuidados na fase inicial são os mesmo para frangos de corte. Quando se inicia a postura, as aves apresentam canibalismo com as aves companheiras, bicando os ovos no ato da postura. Com isso, recomenda-se a debicagem das pintinhas antes de entrarem na fase de postura, evitando assim futuros prejuízos. Com o uso de máquina especializada, a primeira debicagem deve ser feita entre os 7 e 10 dias de vida e a segunda entre a 6ª e 10ª semana de idade.

64 2. Criação e manejo de poedeiras comerciais.

65

66 2. Criação e manejo de poedeiras comerciais Manejo dos ovos coleta: manual ou mecânica. deve ser feita várias vezes ao dia a coleta mecânica ocorre de forma automática, porém, a quebra dos ovos pode chegar a 4% quando existem falhas nas máquinas.

67 2. Criação e manejo de poedeiras comerciais. ovos férteis para incubação: presença do galo para que haja a fertilização. ovos para consumo como alimento: dispensável a presença do galo na granja. período de incubação do ovo da galinha é de 21 dias e 6 horas.

Principais raças e suas. Prof. Dr. Leandro Barradas Pereira

Principais raças e suas. Prof. Dr. Leandro Barradas Pereira Principais raças e suas características ZOOTECNIA DOS MONOGÁSTRICOS Prof. Dr. Leandro Barradas Pereira 02-05-16 OBJETIVOS Descrever as raças de aves exploradas na avicultura. Identifi car marcas comerciais

Leia mais

Ilustração Bruno Carneiro Daniel Motta. Capa Figuramundo

Ilustração Bruno Carneiro Daniel Motta. Capa Figuramundo Autor Júlio César Bertolucci Murad Possui graduação (1985) e mestrado (1990) em Zootecnia pela Universidade Federal de Lavras (UFLA). Foi professor do Centro Federal de Educação Tecnológica de Urutaí GO

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. RAÇAS PARA FRANGO DE CORTE

1. INTRODUÇÃO 2. RAÇAS PARA FRANGO DE CORTE Produção de Frango de Corte Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL PARA AVES E OVOS FÉRTEIS COM FINALIDADE DE PRODUÇÃO DE CARNE, OVOS E MATERIAL GENÉTICO

MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL PARA AVES E OVOS FÉRTEIS COM FINALIDADE DE PRODUÇÃO DE CARNE, OVOS E MATERIAL GENÉTICO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE SAÚDE ANIMAL DSA COORDENAÇÃO DE TRÃNSITO E QUARENTENA ANIMAL CTQA MANUAL DE PREENCHIMENTO PARA

Leia mais

MANUAL DA PRODUÇÃO DE AVES CAIPIRAS

MANUAL DA PRODUÇÃO DE AVES CAIPIRAS MANUAL DA PRODUÇÃO DE AVES CAIPIRAS Rosemeire Kishibe 1 Luciana Cardoso Cancherini 1 Veruska Santos Goulart 1 Antonio Gilberto Bertechini 2 Édison José Fassani 3 INTRODUÇÃO Até 1960 a avicultura no Brasil

Leia mais

Raças e Linhagens de Galinhas para Criações Comerciais e Alternativas no Brasil

Raças e Linhagens de Galinhas para Criações Comerciais e Alternativas no Brasil Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Raças e Linhagens de Galinhas para Criações Comerciais e Alternativas no Brasil Elsio Antonio Pereira de Figueiredo 1 Gilberto Silber Schmidt 2 Mônica

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. ESCOLHA DA RAÇA

1. INTRODUÇÃO 2. ESCOLHA DA RAÇA Produção de Poedeiras Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com.) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com.) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Técnico em Agropecuária

Técnico em Agropecuária Técnico em Agropecuária Jackelline Cristina Ost Lopes Avicultura CAF UFPI Avicultura Jackelline Cristina Ost Lopes CAF UFPI Floriano 2011 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação

Leia mais

CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS

CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS CRIAÇÃO E MANEJO DE AVES POEDEIRAS INTRODUÇÃO Galinhas poedeiras ou de postura são aquelas destinadas à produção de ovos, sendo este considerado de alto valor nutricional, podendo a sua qualidade ser influenciada

Leia mais

TRANSPORTE DE PEIXES E ALEVINOS

TRANSPORTE DE PEIXES E ALEVINOS TRANSPORTE DE PEIXES E ALEVINOS Espécies cultivadas (nativas e exóticas) - Vacinação contra a raiva, com vacina oficialmente controlada. - Devem proceder de propriedade rural cadastrada na Secretaria da

Leia mais

Criação de galinha caipira

Criação de galinha caipira Criação de galinha caipira CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA 1 Introdução A criação de galinhas caipiras sempre foi para os pequenos produtores uma importante fonte de produção de alimentos proteicos (carne e

Leia mais

21/9/2012. Produção de ovos no Brasil. Consumo mundial de ovos. Estados brasileiros produtores de ovos em 2011 PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL

21/9/2012. Produção de ovos no Brasil. Consumo mundial de ovos. Estados brasileiros produtores de ovos em 2011 PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL BEM-ESTAR ESTAR NA PRODUÇÃO DE AVES DE POSTURA PRODUÇÃO DE AVES NO BRASIL 1930-1960 Período comercial Piracicaba/SP Setembro de 2012 Dra. Aérica Cirqueira Nazareno Pesquisadora - NUPEA A criação de aves

Leia mais

PALESTRA: Criação, Manejo e Comercialização de Galinhas Caipiras e Ovos. Bons motivos para criar Frangos e Galinhas Caipiras

PALESTRA: Criação, Manejo e Comercialização de Galinhas Caipiras e Ovos. Bons motivos para criar Frangos e Galinhas Caipiras PALESTRA: Criação, Manejo e Comercialização de Galinhas Caipiras e Ovos INTRODUÇÃO: Bons motivos para criar Frangos e Galinhas Caipiras A criação de frangos e galinhas caipiras hoje é uma atividade produtiva

Leia mais

Material de apoio para a disciplina Avicultura CAP.3 RAÇAS E LINHAGENS

Material de apoio para a disciplina Avicultura CAP.3 RAÇAS E LINHAGENS Material de apoio para a disciplina Avicultura CAP.3 RAÇAS E LINHAGENS Rio Branco AC I/2015 0 1. Raças e Linhagens de Galinhas para Criações Comerciais e Alternativas no Brasil Existe um grande número

Leia mais

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs

FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO. Irenilza de Alencar Nääs FERRAMENTAS E PRÁTICAS DE BAIXO CUSTO PARA MELHORAR O BEM-ESTAR DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO Irenilza de Alencar Nääs 1 O Brasil é um dos maiores produtores de aves no mundo. Crescimento mundial do consumo Preocupação

Leia mais

Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2

Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2 ARTIGO NU MERO 187 EFEITOS DA DENSIDADE DE ALOJAMENTO SOBRE A PRODUÇA O DE FRANGOS DE CORTE Edenilse Gopinger 1*, Aiane A.S. Catalan 1, Victor F.B. Roll 2 1 Aluna do Programa de Pós-Graduação em Zootecnia

Leia mais

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Avicultura

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Avicultura V e t e r i n a r i a n D o c s Avicultura Introdução -Classificação Biológica -Filo: Chordata -Sub-filo: Vertebrata -Classe: Aves -Sub-classe: Neornithes -Super-ordem: Neognathae -Ordem: Galliformes -Sub-ordem:

Leia mais

Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte

Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte Benefícios e Pontos Críticos da Implantação do Sistema de Pressão Negativa para Frangos de Corte Sebastião Florêncio Pereira Neto CRMV-SP 20766 Itabom - SP Pontos Primordiais para a Produção de Frangos

Leia mais

Mai/2010. Cama de Aviário. shaping tomorrow s nutrition

Mai/2010. Cama de Aviário. shaping tomorrow s nutrition Mai/2010 Cama de Aviário Cama de Aviário Introdução O objetivo do uso da cama de aviário é evitar o contato direto da ave com o piso, servir de substrato para a absorção da água, incorporação das fezes

Leia mais

REGULAMENTO EXPOSIÇÃO DE AVICULTURA ALCAC 2014

REGULAMENTO EXPOSIÇÃO DE AVICULTURA ALCAC 2014 REGULAMENTO EXPOSIÇÃO DE AVICULTURA ALCAC 2014 A Exposição/Concurso de Avicultura ALCAC 2014 decorrerá de acordo com o regulamento elaborado pela Associação Lusa de Criadores de Aves de Capoeira (ALCAC)

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES Pablo Zotti AMADOR 1 ; Maribel Barbosa da CUNHA 2 1 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC; 2 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O

D O S S I Ê T É C N I C O D O S S I Ê T É C N I C O Avicultura de postura Karime Cruz França Instituto de Tecnologia do Paraná Setembro 2007 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário 1 INTRODUÇÃO...3 2 SISTEMAS DE PRODUÇÃO...4 2.1 Pinteiro...4 2.2

Leia mais

Standards Agapórnis. 1. Agapornis canus

Standards Agapórnis. 1. Agapornis canus 1. Agapornis canus Forma e posição: A ave deve apresentar uma posição no poleiro próxima dos 70º em relação à horizontal, as asas devem ser simétricas e não se cruzarem, a cabeça é redonda e proporcionalmente

Leia mais

COMPORTAMENTO DE FRANGOS DE CORTE EM SISTEMAS DE AQUECIMENTO

COMPORTAMENTO DE FRANGOS DE CORTE EM SISTEMAS DE AQUECIMENTO ISSN 0100-8862 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Suínos e Aves Ministerio da Agricultura e do Abastecimento Caixa Postal 21, 89700-000, Concórdia, SC Telefone:

Leia mais

Comunicado Técnico 01

Comunicado Técnico 01 Comunicado Técnico 01 Sistema Intensivo de Suínos Criados ao Ar Livre (Siscal) Instruções Técnicas para Implantação. Responsável: Evandro José Rigo Zootecnista; MSc. Produção Animal; Professor FAZU evandro@fazu.br

Leia mais

2. Já foram diagnosticados casos de influenza aviária no Brasil?

2. Já foram diagnosticados casos de influenza aviária no Brasil? 1. O que é influenza aviária? A influenza aviária (IA) também conhecido como gripe aviária é uma doença altamente contagiosa, transmitida pelo vírus da influenza tipo A, que ocorre principalmente em aves

Leia mais

PALESTRA: Projetos de Inclusão Social e Mercado Alternativo

PALESTRA: Projetos de Inclusão Social e Mercado Alternativo PALESTRA: Projetos de Inclusão Social e Mercado Alternativo PROJETO: CRIAÇÃO DE FRANGOS E GALINHAS CAIPIRAS NO COMPLEXO CASTANHÃO RECURSO DO PROJETO: Proveniente do Governo Federal através do DNOCS em

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICIPALIDADE DE BIGUAÇU FUNDAÇÃO MUN. DE MEIO AMBIENTE DE BIGUAÇU

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICIPALIDADE DE BIGUAÇU FUNDAÇÃO MUN. DE MEIO AMBIENTE DE BIGUAÇU IN-16 AVICULTURA Última atualização: 18/06/2014 INSTRUÇÕES GERAIS: A FAMABI coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta Instrução Normativa. Sempre que julgar necessário

Leia mais

MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CHOCADEIRA GC 660

MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CHOCADEIRA GC 660 MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO CHOCADEIRA GC 660 APRESENTAÇÃO Ao mesmo tempo em que expressamos nossos agradecimentos pela aquisição desse produto fabricado com tanto orgulho, lembramos também que não basta

Leia mais

Tratamento de cama de aves para sua reutilização

Tratamento de cama de aves para sua reutilização Tratamento de cama de aves para sua reutilização Valéria M. N. Abreu Cuiabá, 04 de maio 2010 Introdução evitar o contato direto das aves com o piso; servir de substrato para a absorção da umidade do ambiente;

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL Antonio Gilberto Bertechini Professor Titular-UFLA Introdução O agronegócio tem tido papel fundamental para a economia brasileira e representa

Leia mais

Fatores de produção. Variáveis de Classificação dos SISTEMAS. Tipos de produção. Sistemas de produção em suinocultura. Suinocultura Brasileira

Fatores de produção. Variáveis de Classificação dos SISTEMAS. Tipos de produção. Sistemas de produção em suinocultura. Suinocultura Brasileira Disciplina AZ044 - Suinocultura Suinocultura Brasileira Sistemas de produção em suinocultura Prof. Marson Bruck Warpechowski Suinocultura Brasileira Fatores de produção Produtor / mão-de-obra Animais (genótipo)

Leia mais

EXIGÊNCIAS PARA TRÂNSITO DE ANIMAIS MATO GROSSO DO SUL - 2004

EXIGÊNCIAS PARA TRÂNSITO DE ANIMAIS MATO GROSSO DO SUL - 2004 1. ANIMAIS AQUÁTICOS (PEIXES, MOLUSCOS E CRUSTÁCEOS EM QUALQUER FASE DE DESENVOLVIMENTO: ALEVINOS, ISCAS, LARVAS, ETC) Trânsito de espécies cultivadas (nativas e exóticas) Trânsito de espécies coletadas

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE BIOSSEGURIDADE DA ABPA

PROCEDIMENTOS DE BIOSSEGURIDADE DA ABPA PROCEDIMENTOS DE BIOSSEGURIDADE DA ABPA Considerando a gravidade do cenário e nossa posição internacional como detentores de um dos melhores status sanitários mundiais sem qualquer registro de Influenza

Leia mais

Serviço Veterinário Oficial A importância em Saúde Animal e Saúde Pública

Serviço Veterinário Oficial A importância em Saúde Animal e Saúde Pública Serviço Veterinário Oficial A importância em Saúde Animal e Saúde Pública Supervisão Regional de Pelotas - SEAPA Objetivos do Serviço Veterinário Oficial * Promoção da saúde animal * Prevenção, controle

Leia mais

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA FAMÍLIA SERRATALHADENSE. Serra Talhada, 2014 CRIAÇÃO

Leia mais

Município: CEP: UF: Endereço eletrônico: 4. Atuação do Estabelecimento Área: Atividade: Classificação: Característica Adicional:

Município: CEP: UF: Endereço eletrônico: 4. Atuação do Estabelecimento Área: Atividade: Classificação: Característica Adicional: ANEXO I DO DECRETO Nº 13.064, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2010. FICHA DE CADASTRO DE ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS 1. Dados Gerais do Estabelecimento CNPJ/CPF: Inscrição Estadual ou Cadastro de Produtor: Número do

Leia mais

VII SEMINÁRIO DE EXTENSÃO RURAL EM PERNAMBUCO

VII SEMINÁRIO DE EXTENSÃO RURAL EM PERNAMBUCO INCENTIVO A CRIAÇÃO DE GALINHA DE CAPOEIRA NA PERSPECTIVA DA SEGURANÇA ALIMENTAR, GERAÇÃO DE RENDA E CONVIVÊNCIA COM O SEMIÁRIDO, PETROLINA-PE. Petrolina, 2014 Incentivo a criação de galinha de capoeira

Leia mais

Instalações para Bovinos de Corte. Profa. Dra. Letícia Ane Sizuki Nociti

Instalações para Bovinos de Corte. Profa. Dra. Letícia Ane Sizuki Nociti Instalações para Bovinos de Corte Profa. Dra. Letícia Ane Sizuki Nociti Aspectos gerais As instalações adequadas facilitam o bom manejo do rebanho, devendo ser bem planejadas, projetadas e construídas,

Leia mais

Sistema de produção, instalações e manejo de Avicultura

Sistema de produção, instalações e manejo de Avicultura Sistema de produção, instalações e manejo de Avicultura Profª Paula Iaschitzki Ferreira Histórico - A domesticação da galinha teve origem na Índia - As atuais variedades foram originadas da espécie selvagem

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CONSTITUIÇÃO DA COLÔNIA. A constituição de uma colônia é a seguinte: 60000 a 80000 abelhas operárias; 1 rainha e 0 a 400 zangões.

1. INTRODUÇÃO 2. CONSTITUIÇÃO DA COLÔNIA. A constituição de uma colônia é a seguinte: 60000 a 80000 abelhas operárias; 1 rainha e 0 a 400 zangões. Obtenção do Mel Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO Abelhas

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DE JERSEY PARA O BEM-ESTAR DAS

CÓDIGO DE CONDUTA DE JERSEY PARA O BEM-ESTAR DAS CÓDIGO DE CONDUTA DE JERSEY PARA O BEM-ESTAR DAS AVES DE CAPOEIRA O CÓDIGO O Código de recomendações para o bem-estar das aves de capoeira visa incentivar todas as pessoas responsáveis por cuidar destas

Leia mais

QUÍMICA VERDE (green chemistry, química sustentável)

QUÍMICA VERDE (green chemistry, química sustentável) QUÍMICA VERDE (green chemistry, química sustentável) Baseia-se na utilização de técnicas químicas e metodologias que reduzem ou eliminam o uso de solventes e reagentes ou geração de produtos e sub-produtos

Leia mais

RAÇAS DE CAPRINOS. Profa. Alda Monteiro - 2013

RAÇAS DE CAPRINOS. Profa. Alda Monteiro - 2013 RAÇAS DE CAPRINOS Profa. Alda Monteiro - 2013 As raças de cabras estão reunidas em 3 troncos distintos, sendo aceitas as subdivisões que se seguem: Tronco europeu: raças do sub-tronco europeu alpino, com

Leia mais

Apostila. Apostila. Criação de Aves Orgânicas. Dra. Onice Souza Gauglitz Médica Veterinária

Apostila. Apostila. Criação de Aves Orgânicas. Dra. Onice Souza Gauglitz Médica Veterinária Apostila Apostila Criação de Aves Orgânicas Dra. Onice Souza Gauglitz Médica Veterinária A Criação Orgânica de Aves Introdução Nas últimas décadas, temos visto uma evolução significativa de modelos de

Leia mais

IV SEMINÁRIO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM CUNICULTURA. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. UNESP Botucatu Campus Lageado

IV SEMINÁRIO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM CUNICULTURA. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. UNESP Botucatu Campus Lageado Cuidados e conforto para coelhos de companhia Maísa Melo Heker* *Zootecnista e Mestrando Programa de Pós Graduação em Zootecnia FCAV- UNESP Campus Jaboticabal. Introdução Atualmente todas as raças de coelhos

Leia mais

O NOME DO PROJETO. SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE

O NOME DO PROJETO. SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE Coordenadoria ESPAÇO RESERVADO de Formação PARA Profissional Rural O NOME DO PROJETO SENAR Minas ESPAÇO RESERVADO PARA O NOME DO PALESTRANTE CNA Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil representação

Leia mais

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia Agroecologia Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia aspectos teóricos e conceituais Capítulo 4 Aplicações

Leia mais

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados Melhorar A Eclodibilidade MELHORAR A ECLODIBILIDADE USANDO PERÍODOS DE INCUBAÇÃO CURTOS DURANTE A ARMAZENAGEM DE OVOS (SPIDES) 09 Ovos armazenados por longos períodos não eclodem tão bem quanto os ovos

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA NA ANÁLISE DE SISTEMAS DE CRIAÇÃO DE FRANGO DE CORTE RESUMO

MODELAGEM MATEMÁTICA NA ANÁLISE DE SISTEMAS DE CRIAÇÃO DE FRANGO DE CORTE RESUMO Mostra Nacional de Iniciação Científica e Tecnológica Interdisciplinar III MICTI Fórum Nacional de Iniciação Científica no Ensino Médio e Técnico - I FONAIC-EMT Camboriú, SC, 22, 23 e 24 de abril de 2009

Leia mais

Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1.

Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1. Avaliação de desempenho de poedeiras Isa Brown criadas no IFMG campus Bambuí em comparação aos dados de desempenho descritos no Manual da Linhagem 1. Tiago Antônio dos SANTOS 2 ; Adriano GERALDO 3 ; Karina

Leia mais

Livros Grátis. http://www.livrosgratis.com.br. Milhares de livros grátis para download.

Livros Grátis. http://www.livrosgratis.com.br. Milhares de livros grátis para download. Livros Grátis http://www.livrosgratis.com.br Milhares de livros grátis para download. MEC/SESG/SETC Manual de Orientação ZOOTECNIA I MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO DE ASSISTÊNCIA AO ESTUDANTE Rio de Janeiro

Leia mais

JOSÉ HENRIQUE CARVALHO MORAES Médico-Veterinário CRMV 5/1995 Gerente de Pequenos e Médios Animais da EMATER-RIO

JOSÉ HENRIQUE CARVALHO MORAES Médico-Veterinário CRMV 5/1995 Gerente de Pequenos e Médios Animais da EMATER-RIO JOSÉ HENRIQUE CARVALHO MORAES Médico-Veterinário CRMV 5/1995 Gerente de Pequenos e Médios Animais da EMATER-RIO INFORMAÇÕES SOBRE AVESTRUZES CRIAÇÃO DE RATITAS: - EMA Vivem na América do Sul e são menores.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ABATEDOURO DE AVES: ALTERNATIVAS DE MANEJO E TRATAMENTO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ABATEDOURO DE AVES: ALTERNATIVAS DE MANEJO E TRATAMENTO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE ABATEDOURO DE AVES: ALTERNATIVAS DE MANEJO E TRATAMENTO Luciana de Mattos Moraes (1) Zootecnista, Formada pela Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias de Jaboticabal,

Leia mais

CRIAÇÃO DE CABRAS LEITEIRAS

CRIAÇÃO DE CABRAS LEITEIRAS CRIAÇÃO DE CABRAS LEITEIRAS PRINCIPIOS E RECOMENDAÇÕES ATIVIDADE CAPRINOCULTURA LEITEIRA É UM DOS RAMOS QUE MAIS TEM SE DESENVOLVIDO NO PAÍS, SENDO UMA OPÇÃO VIÁVEL AO PEQUENO PRODUTOR DE LEITE DE VACA,

Leia mais

CAPÍTULO VII DA RAÇA E DA SUA CLASSIFICAÇÃO PARA FINS DE REGISTRO

CAPÍTULO VII DA RAÇA E DA SUA CLASSIFICAÇÃO PARA FINS DE REGISTRO CAPÍTULO VII DA RAÇA E DA SUA CLASSIFICAÇÃO PARA FINS DE REGISTRO Artigo 23 - Para o Serviço de Registro Genealógico denominam-se Bovinos da Raça Holandesa, os bovinos de qualquer idade, sexo ou variedade

Leia mais

Comunicado 501 Técnico

Comunicado 501 Técnico Comunicado 501 Técnico ISSN 0100-8862 Versão Eletrônica Maio, 2012 Concórdia, SC Foto: Valdir Avila/Embrapa Custo do avicultor para a produção de frango de corte para a região de Dourados no Mato Grosso

Leia mais

ANTES DE LIGAR O SEU EQUIPAMENTO, FAVOR LER O MANUAL ATENTAMENTE, PARA MELHOR APROVEITAMENTO MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO

ANTES DE LIGAR O SEU EQUIPAMENTO, FAVOR LER O MANUAL ATENTAMENTE, PARA MELHOR APROVEITAMENTO MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO Página 1 de 10 MANUAL DE USO E MANUTENÇÃO GC 220TU (110-220V E BATERIA) COM CONTROLE DE UMIDADE NÃO POSSUI CARREGADOR DE BATERIA A 1ª. CHOCADEIRA A BATERIA DO MERCADO. APRESENTAÇÃO Ao mesmo tempo em que

Leia mais

Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para Aves

Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para Aves MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL PET PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Milho: Produção, Armazenamento e sua utilização na elaboração de ração para

Leia mais

Manual de Legislação. manual técnico

Manual de Legislação. manual técnico Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Saúde Animal Manual de Legislação PROGRAMAS NACIONAIS DE SAÚDE ANIMAL DO BRASIL manual técnico Missão

Leia mais

Portal - Acesso do Fornecedor

Portal - Acesso do Fornecedor Portal - Acesso do Fornecedor Créditos Criação, Formatação e Desenvolvimento: Marcos Soares Colaboração: Sergio Priori Dados técnicos: Número de revisões: V1 Número de páginas: 15 Pré-Requisitos Navegação

Leia mais

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos

Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos Professor: Aparecido Porto da Costa Disciplina: Caprinovinocultura E-mail: aparecidoport@hotmail.com Introdução Importância Produtividade do rebanho => obter sucesso

Leia mais

Código Sanitário de Animais Terrestres da OIE

Código Sanitário de Animais Terrestres da OIE Comissão Técnica Permanente de Bem-estar Animal Departamento de Sistemas de Produção e Sustentabilidade Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Sanitário de Animais Terrestres da OIE

Leia mais

Fluxo da produção de pintainhos de corte: proposta e discussão

Fluxo da produção de pintainhos de corte: proposta e discussão 2 Fluxo da produção de pintainhos de corte: proposta e discussão Recebimento dos originais: 14/05/2012 Aceitação para publicação: 11/02/2014 Resumo Frankimar Wilson Mazetto Especialista em Ciências Contábeis

Leia mais

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO Página 1 de 14 1. NOME DO MEDICAMENTO VETERINÁRIO NOBILIS MG 6/85 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Substâncias ativas: Por dose de vacina reconstituída:

Leia mais

CRIAÇÃO DE GALINHAS CAIPIRAS EM SISTEMA ORGÂNICO

CRIAÇÃO DE GALINHAS CAIPIRAS EM SISTEMA ORGÂNICO CRIAÇÃO DE GALINHAS CAIPIRAS EM SISTEMA ORGÂNICO INTRODUÇÃO José Sávio Muruci Vieira A criação de galinhas caipiras deve obedecer a alguns requisitos básicos, afinal, as aves estão sujeitas a problemas

Leia mais

Componente curricular: Zootecnia I. Curso: Técnico em Agronegócio Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Zootecnia I. Curso: Técnico em Agronegócio Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Zootecnia I Curso: Técnico em Agronegócio Professor: Janice Regina Gmach Bortoli 1. Introdução a zootecnia. 1. Introdução a zootecnia. 1. Introdução a zootecnia. Homem na terra:

Leia mais

AGRIFAM 2014 01 A 03 DE AGOSTO DE 2014

AGRIFAM 2014 01 A 03 DE AGOSTO DE 2014 AGRIFAM 2014 01 A 03 DE AGOSTO DE 2014 REGULAMENTO ANIMAL CAPÍTULO I DA FEIRA E SUAS FINALIDADES Artigo I A AGRIFAM 2014 Feira da Agricultura Familiar e do Trabalhador Rural - será realizada sob o auspício

Leia mais

Produção de Ovos Comerciais

Produção de Ovos Comerciais Introdução 1- Características das Granjas Modernas Produção de Ovos Comerciais Operação em grandes volumes: Lucro pequeno Crises cíclicas Plantéis acima de 100.000 aves Sistema tudo dentro / tudo fora;

Leia mais

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

(Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 7.7.2006 Jornal Oficial da União Europeia L 186/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 1028/2006 DO CONSELHO de 19 de Junho de 2006 relativo às normas de

Leia mais

ARTIGO NÚMERO 180 PANORAMA DA COTURNICULTURA NO BRASIL

ARTIGO NÚMERO 180 PANORAMA DA COTURNICULTURA NO BRASIL ARTIGO NÚMERO 180 PANORAMA DA COTURNICULTURA NO BRASIL Silvana Marques Pastore 1, Will Pereira de Oliveira 2 & Jorge Cunha Lima Muniz 1 2-1- Estudante de pós-graduação em Zootecnia da Universidade Federal

Leia mais

PAC 01. Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais

PAC 01. Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais PAC 01 Página 1 de 8 PAC 01 Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais PAC 01 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Bem-estar de poedeiras: caminhos a serem percorridos

Bem-estar de poedeiras: caminhos a serem percorridos AVES DE POSTURA Bem-estar de poedeiras: caminhos a serem percorridos Fabíola Fernandes Schwartz Medica Veterinária, Mestre em Agroecologia e Desenvolvimento Rural, sócia proprietária da SFS Boas Práticas

Leia mais

MANEJO DE MATRIZES PARTE I

MANEJO DE MATRIZES PARTE I FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA LABORATÓRIO DE CIÊNCIAS AVÍCOLAS Disciplina de Avicultura LAVINESP/FCAV MANEJO DE MATRIZES PARTE I Prof. Edney Pereira da Silva Jaboticabal

Leia mais

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011

PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS. Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 PROGRAMA HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZ PESADA VACCINAR ASPECTOS PRÁTICOS Marcelo Torretta Coordenador Técnico Nacional Aves Curitiba 10/08/2011 CONCEITO HD DE NUTRIÇÃO DE MATRIZES Quando se pensa em quilos

Leia mais

Produção de Ovos Comerciais

Produção de Ovos Comerciais Produção de Ovos Comerciais Introdução 1 Características das Granjas Modernas Operação em grandes volumes: Lucro pequeno, Crises cíclicas, Plantéis acima de 100.000 aves; Sistema tudo dentro / tudo fora;

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PRODUÇÃO ANIMAL SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE E GALINHAS POEDEIRAS

FUNDAMENTOS DA PRODUÇÃO ANIMAL SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE E GALINHAS POEDEIRAS FUNDAMENTOS DA PRODUÇÃO ANIMAL SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE E GALINHAS POEDEIRAS FUNDAMENTOS DA PRODUÇÃO ANIMAL Sistemas de Produção de Frangos de Corte Manejo de Frangos de Corte Manejo de

Leia mais

Avicultura de corte Formação das linhagens atuais e Sistemas de produção. Zootecnia I Aves e Suínos 02/06/2016. Principais raças envolvidas

Avicultura de corte Formação das linhagens atuais e Sistemas de produção. Zootecnia I Aves e Suínos 02/06/2016. Principais raças envolvidas UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA Zootecnia I Aves e Suínos Prof. Edney Pereira da Silva Unesp FCAV Avicultura

Leia mais

Escola: E. M. José Evaristo Costa. Turmas: 3º ano do Ensino Fundamental - B e D

Escola: E. M. José Evaristo Costa. Turmas: 3º ano do Ensino Fundamental - B e D RELATO DE EXPERIÊNCIA: ESTUDANDO A ANATOMIA DE UM ANIMAL VERTEBRADO (AVE) E CONHECENDO ALGUMAS COMIDAS DE ORIGEM AFRICANA QUE SE FIZERAM PRESENTES AQUI NO BRASIL. Professoras: Maria Cristina Santos de

Leia mais

CRIAÇÃO DE ANIMAIS CONFINADOSPEQUENO, MÉDIO E GRANDE PORTE

CRIAÇÃO DE ANIMAIS CONFINADOSPEQUENO, MÉDIO E GRANDE PORTE CRIAÇÃO DE ANIMAIS CONFINADOSPEQUENO, MÉDIO E GRANDE PORTE IN-37 INSTRUÇÕES GERAIS: A FATMA coloca-se a disposição dos interessados dirimir possíveis dúvidas sobre esta Instrução Normativa; Sempre que

Leia mais

Como surgiu o projecto:

Como surgiu o projecto: Projeto O ovo Como surgiu o projecto: O projeto do ovo surgiu ao trabalhar o tema da alimentação: 1. Visualizaram as imagens dos alimentos que trouxeram de casa; 2. Visualizaram a roda dos alimentos que

Leia mais

Custos do processo de formação de aves matrizes e da produção de ovos incubáveis

Custos do processo de formação de aves matrizes e da produção de ovos incubáveis Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Custos do processo de formação de aves matrizes e da produção de ovos incubáveis Roniglei Puton (Unochapecó) - roniglei-puton@auroraalimentos.com.br Silvana Dalmutt Kruger

Leia mais

Os Produtores (gado corte) diante do SISBOV e Novo SISBOV

Os Produtores (gado corte) diante do SISBOV e Novo SISBOV Os Produtores (gado corte) diante do SISBOV e Novo SISBOV RESUMO: EXIGENCIAS DA UE 40 DIAS ULTIMA PROPRIEDADE 90 DIAS AREA HABILITADA ESTOQUES ANIMAIS : BND=AG.DEFESA = FAZENDAS VALORIZAR O BOI APTO A

Leia mais

CONTROLE INTEGRADO DE MOSCAS NO MEIO RURAL (VÍDEO) GUIA PEDAGÓGICO DO INSTRUTOR

CONTROLE INTEGRADO DE MOSCAS NO MEIO RURAL (VÍDEO) GUIA PEDAGÓGICO DO INSTRUTOR CONTROLE INTEGRADO DE MOSCAS NO MEIO RURAL (VÍDEO) GUIA PEDAGÓGICO DO INSTRUTOR CONTROLE INTEGRADO DE MOSCAS NO MEIO RURAL (VÍDEO) GUIA PEDAGÓGICO DO INSTRUTOR Doralice Pedroso de Paiva Rosali Salette

Leia mais

Ferramentas Nutricionais Moduladoras do Sistema Imune

Ferramentas Nutricionais Moduladoras do Sistema Imune Ferramentas Nutricionais Moduladoras do Sistema Imune Luiz Felipe Caron A resposta imune pode ser dividida em resposta inata e resposta adaptativa nas aves, como em outras espécies. Esta diferença está

Leia mais

EXIGÊNCIAS CONSTANTES NA RESOLUÇÃO 005 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2011.

EXIGÊNCIAS CONSTANTES NA RESOLUÇÃO 005 DE 4 DE FEVEREIRO DE 2011. AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SAÚDE ANIMAL UNIDADE REGIONAL DE SANIDADE AGROPECUÁRIA UNIDADE LOCAL DE SANIDADE AGROPECUÁRIA LONDRINA - PARANÁ EXIGÊNCIAS

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO

AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES ZOOTÉCNICOS DOS INTEGRADOS DA EMPRESA FRANGO AMERICANO INTRODUÇÃO O sistema de integração surgiu em Santa Catarina no início dos anos de 196 e é definido como uma parceria existente

Leia mais

Notas de Aula de ENT 110 Sericicultura

Notas de Aula de ENT 110 Sericicultura 1 MANEJO DA CRIAÇÃO DO BICHO-DA-SEDA A criação do bicho-da-seda é dividida em duas fases: a jovem e a adulta. A fase jovem do bicho-da-seda compreende o 1 o e o 2 o estádio larval. Nessa, as lagartas são

Leia mais

Luciano LaGatta Médico Veterinário MSc. - Coordenadoria de Defesa Agropecuária Orientador: Prof. Dr. Augusto Hauber Gameiro

Luciano LaGatta Médico Veterinário MSc. - Coordenadoria de Defesa Agropecuária Orientador: Prof. Dr. Augusto Hauber Gameiro Estimativa do custo de implantação das medidas de biosseguridade preconizadas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento sobre a postura comercial. Luciano LaGatta Médico Veterinário MSc.

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE CRIAÇÃO DE GALINHAS CAIPIRAS UTILIZADO NA GRANJA XINGU, ALTAMIRA, PARÁ

SISTEMA ALTERNATIVO DE CRIAÇÃO DE GALINHAS CAIPIRAS UTILIZADO NA GRANJA XINGU, ALTAMIRA, PARÁ 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE ALTAMIRA FACULDADE DE ENGENHARIA AGRONÔMICA SISTEMA ALTERNATIVO DE CRIAÇÃO DE GALINHAS CAIPIRAS UTILIZADO NA GRANJA XINGU,

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO INTRODUÇÃO À AVICULTURA A avicultura é a atividade agropecuária que apresentou os maiores índices de evolução nas últimas décadas Os pilares de seu desenvolvimento estão assentados

Leia mais

PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro

PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro PROJETO DE CHOCADEIRA PARA 84 OVOS DE GALINHA CAIXA DE MADEIRA Autor: Randolfo Ribeiro PROJETO DE CHOCADEIRA EM CAIXA DE MADEIRA Capacidade 84 ovos de galinha Autor: Randolfo Ribeiro Este projeto contém

Leia mais

MANEJO DE FRANGOS DE CORTE. Prof. Dr. Levy Rei de França

MANEJO DE FRANGOS DE CORTE. Prof. Dr. Levy Rei de França MANEJO DE FRANGOS DE CORTE Prof. Dr. Levy Rei de França Produção frango de corte (dinâmica) (45g) 42 dias (1080 horas) (2,600 kg) - ganhando 60,8 g/dia 2,53g/hora Simultâneo Aves na mesma idade Planejamento

Leia mais

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto Genética Humana Faculdade Anísio Teixeira Prof João Ronaldo Neto Segregação dos Genes Segregação independente ou Herança diibrida; Com base nos experimentos de Mendel com as ervilhas chamamos de segregação

Leia mais

DISCUSSÕES UE/EUA RELATIVAS AO ACORDO SOBRE EQUIVALÊNCIA VETERINÁRIA

DISCUSSÕES UE/EUA RELATIVAS AO ACORDO SOBRE EQUIVALÊNCIA VETERINÁRIA MEMO/97/37 Bruxelas, 3 de Abril de 1997 DISCUSSÕES UE/EUA RELATIVAS AO ACORDO SOBRE EQUIVALÊNCIA VETERINÁRIA Na sequência da conclusão dos acordos da OMC de 1993 no sector agrícola, a União Europeia (UE)

Leia mais

INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC.

INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC. INFLUÊNCIA DO LOCAL E CONDIÇÕES DE ARMAZENAGEM SOBRE A QUALIDADE INTERNA DOS OVOS DE MESA, COMERCIALIZADOS EM VIDEIRA/SC. Gustavo Ribeiro Bonatto 1 ; Marinês Kerber 2 INTRODUÇÃO Atualmente se busca qualidade

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais