Como enfrentar as dores do crescimento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como enfrentar as dores do crescimento"

Transcrição

1 RELATÓRIOS ESPECIAIS NORDESTE 6 DE MARÇO DE 2013 Como enfrentar as dores do crescimento Os administradores públicos e da iniciativa privada pregam a necessidade de um programa federal que planeje o desenvolvimento da região como um todo, a fim de evitar retrocesso nos avanços econômicos e sociais já obtidos MINIMORGAN EECapaRelatorio45.indd 35 27/02/13 20:23

2 NORDESTE: Integração Políticas para quem precisa O combate às desigualdades sociais entre as regiões brasileiras ainda é a arma mais eficiente para manter a rota do crescimento POR MARIANA SEGALA Há muitas maneiras de encarar quais são as melhores fórmulas para garantir o crescimento de regiões economicamente 38 desfavorecidas, como é o caso do Nordeste brasileiro. Uma parcela dos entendidos no assunto defende que elevar o nível de consumo das famílias é a saída mais rápida. Outro grupo sugere que não há meio mais eficaz e duradouro de assegurar o avanço do Produto Interno Bruto (PIB) do que uma pesada carga de investimentos. O fato é que quem sente na pele o que é a realidade nordestina e mais, quem administra pedaços dessa região tão cheia de peculiaridades não hesita ao afirmar que o cerne da questão está em atacar as desigualdades sociais antes de qualquer outra coisa. Precisamos consolidar o conceito de que as desigualdades regionais são um freio ao desenvolvimento do País, afirmou Eduardo Campos, governador de Pernambuco, durante o seminário Nordeste Como enfrentar as dores do crescimento, da série Diálogos Capitais, promovido por CartaCapital no Recife na segunda-feira 25. O fim da inflação foi importante para ordenar os fundamentos macroeconômicos do País, mas por si só não nos levou a retomar o crescimento. As áreas economicamente mais deprimidas só responderam quando a desigualdade começou a ser combatida, dez anos atrás, acrescentou. A resposta do Nordeste, no entanto, chegou com uma velocidade e numa intensidade que ainda não foram suficientes para levar a região a superar seu passivo social histórico. Estudos conduzidos pelo Banco do Nordeste do Brasil (BNB) indicam que os estados da região precisam crescer bem acima do restante do Brasil, e durante muitos anos, para conseguir equiparar a renda dos seus habitantes à média nacional mais precisamente, seria necessário contar com mais de 40 anos de avanço de 1 ponto porcentual acima da cifra brasileira. Entre 2002 e 2010, um período de elevada prosperidade no Nordeste, em que o consumo na região se descolou (para cima) das outras áreas do País, a diferença no crescimento do PIB foi de apenas meio ponto porcentual para a média nacional um número que ajuda a entender a dimensão do desafio. E, ainda que tenha superado o ritmo de crescimento do País, a participação da região na economia brasileira também não aumentou mais do que meio ponto porcentual. Hoje, o PIB nordestino representa em torno de 13,5% da riqueza produzida no Brasil, embora a região abrigue mais de 28% da população do País. Uma calorosa onda de investimentos migrou para o Nordeste nos últimos anos de 2008 para cá, foram anunciados investimentos de pelo menos 282 bilhões de reais nos estados nordestinos, o equivalente às economias de Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Norte somadas. No entanto, a inexistência de uma estratégia nacional que privilegie a região abre a possibilidade de que esse movimento não se sustente no longo prazo. Tânia Bacelar, professora de economia regional da Universidade Federal de Pernambuco (Ufpe) e sócia da consultoria Ceplan, já enxerga sinais de reconcentração industrial no Brasil, o que não ajuda em nada o desenvolvimento do Nordeste. Não é saudável nos deslumbrarmos com a chegada da Fiat a Pernambuco ou das refinarias da Petrobras ao Ceará e ao Maranhão, ressaltou Tânia durante o seminário. Muito mais eficiente seria estabelecer recortes regionais nos desenhos das EEAbreRelatorio45.indd 38 27/02/13 20:25

3 RELATÓRIOS ESPECIAIS CARTACAPITAL FOTOS: LEO CALDAS políticas de apoio que têm sido desenvolvidas para setores como a indústria automotiva e a exploração de óleo e gás. Devemos evitar que a exploração do petróleo da camada do pré-sal, por exemplo, acabe se tornando um fator de reconcentração, concordou o governador Eduardo Campos. Para Tânia, o Brasil tem potencial para fazer sua indústria renascer, mas isso só é válido se acontecer de forma desconcentrada. Do ponto de vista dos governantes da região, não há outra saída para esse entrave a não ser combater as desigualdades com políticas mais amplas de desenvolvimento regional, que embutam ferramentas de financiamento específicas, em vez das ações pontuais mais usualmente aplicadas. Trata-se de um debate sobre o pacto federativo, ressaltou Campos, mencionando que a parcela dos tributos federais compartilhados com os estados e municípios onde se encontram as principais iniciativas de promoção do desenvolvimento social caiu de 80% para 36% de 1985 para cá. Na saúde pública, a contribuição da União para o financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) passou de 75% para 45% em menos de 15 anos. Hoje, os estados bancam 55% dos custos do sistema. Somos uma federação e precisamos do esforço de todos os entes federados. O Nordeste contribui com o Brasil e, por isso, o Brasil deve contribuir nos proporcionando direitos e não favores como o acesso à saúde e à educação. Para o governador, está claro que não basta fazer a população chegar à periferia do mercado de consumo, coisa que já aconteceu nos últimos anos. Falta ainda todo o resto. O risco de não pensar em políticas públicas regionais no âmbito do Estado e não dos governos é acabar retrocedendo em conquistas que já foram alcançadas e demorar muito para alcançar as próximas, avaliou Jaques Wagner, governador da Bahia, que também participou do seminário. Não podemos permitir nenhum passo para trás nessa caminhada dos últimos dez anos e, para tanto, também não devemos esquecer que o foco no combate sistêmico da desigualdade regional depende de quem está sentado na cadeira de presidente da República, afirmou. Para Wagner, é fundamental que o conceito da distribuição de renda e da luta por avanços sociais se solidifique e seja tão reverenciado quanto o da estabilização da economia e Para Campos e Wagner, há um longo caminho a fim de superar o histórico passivo social Sem deslumbre. Tânia Bacelar já enxerga sinais de uma indesejável reconcentração industrial do combate à inflação, que se tornaram valores da política econômica brasileira durante as duas últimas décadas. É isso que levará os avanços sociais ainda pendentes no Nordeste a se tornarem uma prioridade do País. Quem não comia dez anos atrás e hoje consegue comer está no céu. Mas quem já nasceu nessa situação apresenta outras demandas para nós, afirmou o governador baiano. Dar comida à população, talvez fosse a solução dos maiores problemas sociais brasileiros dez anos atrás. Hoje, definitivamente, já não é mais. CARTACAPITAL 6 DE MARÇO DE EEAbreRelatorio45.indd 39 27/02/13 20:25

4 NORDESTE: Finanças O que é que a região tem A Sudene possui em carteira 7 bilhões de reais, apenas em projetos já pré-aprovados, e pleiteia um reforço no orçamento para atender à crescente demanda por recursos O volume de recursos para financiar investimentos na Região Nordeste, que se ampliou enormemente na última década, promete crescer ainda mais já neste ano. O avanço deve se dar por obra da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), extinta em 2001 e recriada durante o governo Lula. Nos últimos três anos, o orçamento da instituição para financiamento de grandes projetos na região, por meio do Fundo de Desenvolvimento do Nordeste (FDNE), variou de 1,5 bilhão até 2 bilhões de reais. Para este ano, no entanto, a diretoria da autarquia está pleiteando um valor cinco vezes maior, de 10 bilhões de reais, junto ao governo federal. Nosso argumento é o volume de projetos que estão chegando à Sudene, explicou Henrique Aguiar, diretor de gestão de fundos, incentivos e atração de investimentos da Sudene, que participou do seminário Nordeste Como enfrentar as dores do crescimento, no Recife, na segunda-feira 25. Hoje, segundo Aguiar, a Sudene tem na carteira um montante de, aproximadamente, 7 bilhões de reais apenas em projetos já pré- -aprovados para receber recursos. Os investimentos financiados pelo FDNE fundo operado pela Sudene que tem a origem dos seus recursos fortemente baseada em repasses do Tesouro Nacional são considerados projetos de impacto. Trata-se de obras do porte da ferrovia Transnordestina ou de fábricas como a que a Fiat está levantando em Goiana, no estado de Pernambuco. Calculamos que o Nordeste tenha uma demanda reprimida potencial de 18 milhões de automóveis e é por isso que estamos instalando na região uma fábrica que poderá produzir até 250 mil carros por ano, explicou 40 Cledorvino Belini, presidente da Fiat no Brasil, durante o seminário. Em torno da fábrica, considerada a mais moderna do Grupo Fiat no mundo, deve ser erguido um polo automotivo completo, com dois parques de fornecedores, campo de provas e área de desenvolvimento. Só a construção da montadora, que já começou, deve gerar 7 mil empregos. A operação da fábrica quando pronta demandará outras 4,5 mil pessoas e é por isso que o projeto conseguiu obter recursos da Sudene. Projetos de impacto causam uma repercussão imediata na economia e, na Sudene, estamos nos desafiando a participar cada vez mais deles, diz Aguiar. Financiá-los dá uma resposta rápida ao crescimento baixo do PIB, já que o Nordeste é visto como uma máquina que gira mais rapidamente que o Brasil. Por isso, acreditamos que será possível ampliar o nosso orçamento. Se conseguir o que está propondo, a Sudene chegará ao fim deste ano com um or- Aguiar visa projetos de impacto para a região, como o da Fiat, de Belini Novas ações. Perez, da Provider, expandiu-se para o Chile e prepara a abertura de capital çamento de recursos para investimentos de longo prazo que se aproxima do que dispõe o Banco do Nordeste do Brasil (BNB), atualmente uma das principais fontes de financiamento para grandes projetos na região. Em 2012, o BNB desembolsou quase 23 bilhões de reais para a economia nordestina, dos quais cerca de 12,5 bilhões foram voltados especificamente para EEMateria2Relatorio45.indd 40 27/02/13 20:22

5 financiamentos de longo prazo. Neste ano, a expectativa é de que esse volume alcance 13,8 bilhões de reais. Fora o dinheiro para financiar os projetos, no âmbito da Sudene também é possível obter benefícios fiscais que tornam um investimento no Nordeste ainda mais atrativo. Quem aterrissa na região pode conseguir até 75% de desconto no Imposto de Renda por um período de dez anos. Do valor que sobra para pagar, mais 30% podem ser usados em projetos de modernização (mais exemplos de FOTOS: LEO CALDAS benefícios no quadro abaixo). Os incentivos valem para as áreas consideradas prioritárias para o desenvolvimento regional, como infraestrutura, indústria, exploração mineral e agricultura. Aos incentivos proporcionados pela Sudene se somam outros tantos oferecidos pelos próprios governos estaduais. Os benefícios de estar no Nordeste, no entanto, não se resumem a isso. Um setor que tem ampliado a presença na região é o de contact centers, formado por empresas de tecnologia especializadas no contato entre as companhias e os seus consumidores. No Brasil, o segmento fatura perto de 30 bilhões de reais por ano. Aproximadamente, 18% desse mercado está no Nordeste, disse João Luiz Dias Perez, presidente do Grupo Provider, que atua no ramo. Sua empresa, fundada no Recife ainda na década de 1990, encontra na região a mão de obra mais adequada para trabalhar nos serviços que presta, como o de call center: jovens entre 18 e 25 anos, a maioria mulheres, com ensino médio completo e em busca do primeiro emprego. Os índices de rotatividade da mão de obra são muito menores aqui no Nordeste. Em geral, chegam a ser 30% mais baixos do que em outras regiões do Brasil, afirmou Perez. A empresa, que já conseguiu expandir as operações até o Chile, fatura perto de 275 milhões de reais por ano e se prepara para abrir o capital na Bolsa de Valores em dois anos. A Fiat, por sua vez, está especialmente interessada nos reflexos que o aumento da renda dos nordestinos tem causado no padrão de consumo da região. O Brasil já é o quarto maior mercado de automóveis do mundo, com vendas que chegaram a 3,6 milhões de unidades no ano passado, disse Belini, calculando que a demanda nacional pode chegar a 4,5 milhões de unidades em Uma parte significativa desse aumento virá do Nordeste, onde a frota cresceu quase 200% nos últimos dez anos. No País, o avanço foi de, aproximadamente, 115%. A Fiat foi a primeira montadora a sair do eixo paulista, abrindo uma fábrica em Betim, Minas Gerais, ainda na década de Hoje, somos a que mais cresce no Brasil, destacou Belini. Produzimos, em solo mineiro, um carro a cada 20 segundos, mas isso já não é suficiente. Agradam ao executivo as iniciativas de reindustrialização implementadas pelo governo de Pernambuco. O apoio do estado na empreitada, aliás, impressionou as lideranças da Fiat. Em parceria com o governo estadual, a empresa enviou dez engenheiros para a Itália, para que se especializem no Politecnico di Torino, instituto tecnológico na cidade de Turim. A recompensa não deve tardar a chegar, e na forma de arrecadação de impostos. Ainda nos anos 1990, a fábrica da Fiat, em Betim, chegava a comprar 80% dos componentes dos automóveis fora do estado. Hoje, esse índice não passa de 30%. POR MARIANA SEGALA Os incentivos fiscais a quem vai para o Nordeste Redução de 75% do Imposto de Renda, por dez anos, para projetos de instalação, ampliação, modernização ou diversificação em setores prioritários para o desenvolvimento regional. Redução de 12,5% do Imposto de Renda para qualquer empreendimento econômico, enquadrado em setores prioritários para o desenvolvimento regional, como infraestrutura e indústria. Isenção do Imposto de Renda para fabricantes de máquinas, equipamentos, instrumentos e dispositivos baseados em tecnologia digital. Reinvestimento de 30% do Imposto de Renda, acrescido de 50% de recursos próprios, para aplicação em projetos de modernização ou complementação de equipamentos. Isenção do Adicional ao Frete para Renovação da Marinha Mercante (AFRMM), tributo que varia de 10% a 40% sobre o valor do frete, para empreendimentos implantados, modernizados, ampliados ou diversificados no Nordeste, declarados pela Sudene de interesse para o desenvolvimento regional. Depreciação acelerada incentivada e desconto do PIS/Pasep e da Cofins para bens adquiridos por empresas de setores prioritários para o desenvolvimento regional, situadas em áreas menos desenvolvidas. Fonte: Sudene CARTACAPITAL 6 DE MARÇO DE EEMateria2Relatorio45.indd 41 27/02/13 20:22

6 NORDESTE: Infraestrutura LEO CALDAS Cosenza, da Petrobras, garante que as refinarias Premium sairão do papel Razões do atraso. O objetivo é não repetir os erros que encareceram a construção da Abreu e Lima Combustível para crescer A Petrobras e várias empresas privadas executam projetos para suprir o déficit energético da região Não dá para o Nordeste avançar de maneira sustentada sem dispor de combustível e energia suficientes para alimentar os motores do seu crescimento. Não por outra razão os nordestinos vibraram com a escolha da região pela Petrobras, em meados da década passada, para a instalação de três novas refinarias, depois de a estatal ter passado mais de 30 anos sem construir nenhuma no País. A primeira delas a Refinaria de Abreu e Lima, que está sendo erguida em Ipojuca, Pernambuco deve ficar pronta no ano que vem, mas nem de longe vai dar conta de suprir toda a demanda da região. Com um consumo diário de pouco mais de 1 milhão de barris de combustível, o Nordeste ainda manterá um déficit de aproximadamente 450 mil barris por dia mesmo depois da inauguração da planta. Por isso, as incertezas sobre os projetos das refinarias Premium I, no Maranhão, e Premium II, no Ceará, causam arrepios nos consumidores e nos investidores da região. No último plano de negócios da empresa, divulgado no ano passado, as duas constam como projetos em avaliação, com a sua implantação ainda condicionada a uma série de fatores. A construção dessas duas refinarias está mantida no planejamento da Petrobras, elas não foram descartadas, apressou-se a explicar José Carlos Cosenza, diretor de abastecimento da estatal, que participou do seminário Nordeste Como enfrentar as dores do crescimento, promovido por CartaCapital no Recife na segunda-feira 25. Ambos estão em revisão para que consigamos adequar os projetos de execução a padrões técnicos internacionais, o que deve nos permitir reduzir os custos, destacou. Juntas, as duas refinarias já chegaram a ser orçadas em quase 60 bilhões de reais, um custo que entrou no radar de Graça Foster depois que ela assumiu a presidência da companhia, no ano passado. O objetivo é evitar repetir erros como os cometidos na construção da própria Abreu e Lima que, além de atrasar, teve o orçamento recorrentemente ampliado até chegar perto dos atuais 35 bilhões de reais os primeiros cálculos eram de que a obra custaria em torno de 5 bilhões. A fase em que é possível baixar mais os custos de uma obra é a do planejamento da estratégia de construção. Não fizemos isso muito bem em Pernambuco, então é hora de compensar nas Premium I e II, justificou Cosenza. 42 EEMateria3Relatorio45.indd 42 27/02/13 20:20

7 NORDESTE: Infraestrutura Até lá, o que resta à Petrobras é manter o formato baseado no abastecimento com petróleo importado. Atualmente, a estatal tem comprado do exterior cerca de 300 mil barris de combustível por dia, o equivalente à produção estimada para a Premium I, a refinaria do Ceará. Importar não é necessariamente mau negócio, mas abastecer-se com importação amplia a dependência do Brasil com o mercado internacional de petróleo, altamente instável. Depois de efetivamente saírem do papel, as duas plantas nordestinas que hoje estão em avaliação e devem deixar essa condição em meados deste ano só devem dar a partida na produção entre 2017 e 2018, pelas projeções da empresa. Sem as novas refinarias, a Petrobras consegue elevar a sua produção de combustível a uma taxa de aproximadamente 2% ao ano, ampliando a produtividade das fábricas já existentes. Mas o consumo está crescendo até 3,5% ao ano, afirma Cosenza. Não podemos esperar suprir o mercado só com o que já temos. O Nordeste tem sido alvo de vários outros projetos ligados ao setor energético, muito em razão dos recursos de que dispõe no seu território. A MPX, empresa do Grupo EBX, de Eike Batista, por exemplo, está dando a largada, desde o fim do ano passado, em usinas termoelétricas para produzir energia no Maranhão e no Ceará. O projeto mais importante da empresa, a Usina de Parnaíba, no Maranhão, movida a gás natural, promete ter todas as suas turbinas funcionando até o início do ano que vem. Quando isso acontecer, Parnaíba deverá se consolidar como o maior polo de energia termoelétrica do País, disse Marcus Temke, diretor de operações da MPX, durante o seminário no Recife. A intenção do governo de poupar as hidrelétricas para que seus reservatórios cheguem a 2014 com níveis razoáveis de água anima a empresa, ainda mais quando se considera o preço da geração de energia em usinas como a de Parnaíba lá, é possível produzir 1 megawatt/hora de energia elétrica por até 80 reais, enquanto em uma termoelétrica tradicional, movida a óleo, o custo para a geração dessa mesma quantidade de energia chega a 600 reais. Verticalizamos os processos, explorando gás em Parnaíba, e essa é uma das qualidades mais importantes desse projeto, explicou Temke. 44 Temke, da MPX, promete para a região o maior polo de energia termoelétrica do País Alternativa. Lima, da AD Diper: menos impostos a quem usar energia limpa gerada em Pernambuco Alternativas renováveis de geração de energia também têm sido alvo de investimentos pesados no Nordeste. Só para a construção de parques eólicos, que produzem energia elétrica a partir da força dos ventos, mais de 16 bilhões de reais estão sendo injetados na região fora o que já foi gasto com parques que já estão em operação, segundo a Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica). É o caso da Enel Green Power, empresa do grupo italiano Enel que veio para o Nordeste para gerar energia eólica em estados como a Bahia. O potencial das fontes renováveis de energia na região é tão grande que todos os estados, até os menos bem servidos de matérias-primas, estão tentando se beneficiar. Pernambuco, por exemplo, está fazendo um esforço para se consolidar como um polo de produção de equipamentos destinados aos parques eólicos, como torres e pás. Não somos tão bem servidos de jazidas de vento como a Bahia ou o Rio Grande do Norte, diz Roberto Abreu e Lima, presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper). Mas temos um bom porto para receber os insumos e uma localização privilegiada, o que nos permite produzir os equipamentos para serem distribuídos por quase todo o Nordeste. Atualmente, três grandes empresas do setor já estão instaladas nos arredores do Porto de Suape: a argentina Impsa, fabricante de aerogeradores; a espanhola Gestamp, que produz torres; e a dinamarquesa LM Wind Power, de pás eólicas. O estado também está buscando ampliar o uso das energias renováveis no seu território e, para tanto, criou um programa apelidado de PE Sustentável. Pelo projeto, que ainda está em fase de regulamentação, empresas que comprarem no mercado livre energia de fontes limpas produzida no estado terão direito a redução na sua carga tributária. Para os interessados, a AD Diper promete: Os incentivos devem começar a ser dados ainda neste ano. POR MARIANA SEGALA FOTOS: LEO CALDAS EEMateria3Relatorio45.indd 44 27/02/13 20:20

INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS E FINANCEIROS

INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS E FINANCEIROS DIRETORIA DE GESTÃO DE FUNDOS E INCENTIVOS E DE ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS Coordenação-Geral de Incentivos e Benefícios Fiscais e Financeiros INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS E FINANCEIROS 1º DE JANEIRO DE

Leia mais

Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O

Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O Comitê de Arranjos Produtivos, Inovação, Desenvolvimento Local, Regional e Socioambiental 6ª Reunião Extraordinária PERSPECTIVAS PARA O DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO NORDESTE ORGANOGRAMA SFRI INSTRUMENTOS

Leia mais

RECIFE, JULHO DE 2012 SECRETERIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

RECIFE, JULHO DE 2012 SECRETERIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO RECIFE, JULHO DE 2012 7,10% CONSTRUÇÃO CIVIL 14,80% 5,50% 26,10% 15,60% 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: FMI/Ceplan * Primeiro Trimestre Área geográfica 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012* Mundo 4,8

Leia mais

INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS E FINANCEIROS

INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS E FINANCEIROS DIRETORIA DE GESTÃO DE FUNDOS E INCENTIVOS E DE ATRAÇÃO DE INVESTIMENTOS Coordenação-Geral de Incentivos e Benefícios Fiscais e Financeiros INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS E FINANCEIROS PROJETOS BENEFICIADOS

Leia mais

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE

PROPOSIÇÕES PARA O FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA DE EQUIPAMENTOS PARA GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA EM TEMPOS DE CRISE 1ºTri 00 3ºTri 00 1ºTri 01 3ºTri 01 1ºTri 02 3ºTri 02 1ºTri 03 3ºTri 03 1ºTri 04 3ºTri 04 1ºTri 05 3ºTri 05 1ºTri 06 3ºTri 06 1ºTri 07 3ºTri 07 1ºTri 08 3ºTri 08 1ºTri 09 3ºTri 09 1ºTri 10 3ºTri 10 1ºTri

Leia mais

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa

Brasil. 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Brasil 1º Congresso de Engenheiros da Língua Portuguesa Maurício Muniz Secretário do Programa de Aceleração do Crescimento SEPAC Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC

Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Notas sobre o balanço de um ano do PAC Brasília, 22 de janeiro de 2008 NOTAS SOBRE O BALANÇO DE UM ANO DO PAC AVALIAÇÃO GERAL Pontos positivos e destaques: 1)

Leia mais

INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO DA PNDR

INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO DA PNDR INSTRUMENTOS DE FINANCIAMENTO DA PNDR FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO Origem: Constituição Federal de 1988 destinou 3% de toda a arrecadação com o IR e IPI. CRIAÇÃO E OBJETIVO Criados pela Lei

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

BRANDS COMPONENTES 2

BRANDS COMPONENTES 2 BRANDS COMPONENTES 2 GRUPO FIAT CHRYSLER NA AMÉRICA LATINA CONTAGEM (MG) VENEZUELA GOIANA PERNAMBUCO (2014) Máquinas para construção Iluminação automotiva HORTOLÂNDIA / SANTO ANDRÉ (SP) Sistemas de suspensão,

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

Nordeste FEVEREIRO 2015

Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste do Brasil Visão Geral Banco Múltiplo com 62 anos de atuação para o desenvolvimento da região Nordeste, norte de MG e do ES. Ativos Totais R$ 71,0 bilhões

Leia mais

MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3

MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3 MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3 FATO RELEVANTE MPX e E.ON Formam Joint Venture para Promover Crescimento no Brasil -- E.ON alcançará 10% de participação na

Leia mais

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online

Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Clipping, Segunda-feira, 04 de Janeiro de 2010 Jornal do Commercio PE (28/12/09) - online Porto Gente (04/01/10) online Pernambuco Na indústria, mais demanda por trabalho Texto publicado em 28 de Dezembro

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze)

PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) *C0051416A* C0051416A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 409, DE 2015 (Do Sr. Luis Carlos Heinze) Institui isenção da contribuição para o PIS/PASEP, COFINS e CIDE- Combustíveis incidente sobre o óleo

Leia mais

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL *

O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * O PLANEJAMENTO ECONÔMICO E A ARTICULAÇÃO REGIONAL * Lúcio Alcântara ** Durante o dia de hoje estaremos dando continuidade aos debates que vêm sendo realizados desde o início do governo Lula sobre a reestruturação

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006

DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 DESENVOLVIMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS, GERAÇÃO DE EMPREGO E INCLUSÃO SOCIAL. XII Seminario del CILEA Bolívia 23 a 25/06/2006 Conteúdo 1. O Sistema SEBRAE; 2. Brasil Caracterização da MPE; 3. MPE

Leia mais

Usina Hidrelétrica de Belo Monte

Usina Hidrelétrica de Belo Monte Usina Hidrelétrica de Belo Monte PA Ao dar continuidade ao maior programa de infraestrutura do Brasil desde a redemocratização, o Governo Federal assumiu o compromisso de implantar um novo modelo de desenvolvimento

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica

Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Painel Geração Renovável Energia Solar Fotovoltaica Nelson Colaferro Presidente do Conselho de Administração Brasília 28/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA

MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA MEDIDA PROVISÓRIA Nº512, DE 2010 NOTA DESCRITIVA DEZEMBRO/2010 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO I - MEDIDA PROVISÓRIA Nº 512, DE 2010...3 II EMENDAS PARLAMENTARES...4 III JUSTIFICATIVA DA MEDIDA PROVISÓRIA...6

Leia mais

Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste Ministério da Integração Nacional

Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste Ministério da Integração Nacional Fundo de & Incentivos Fiscais Finalidade Assegurar recursos para investimentos na área de atuação da SUDENE, em infra-estrutura e serviços públicos e em empreendimentos produtivos com grande capacidade

Leia mais

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País

Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País Atraso afeta as obras de geração e distribuição no País SETEMBRO 23, 2014 by ABEGAS REDACAO in NOTÍCIAS Auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) constatou grandes atrasos nas obras de geração e transmissão

Leia mais

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para o jornal Metro, edição São Paulo e edição ABC Publicada em 27 de novembro de 2009 Jornalista: Muitos

Leia mais

Desempenho de vendas do setor segue forte

Desempenho de vendas do setor segue forte Macro Setorial segunda-feira, 20 de maio de 2013 Veículos Desempenho de vendas do setor segue forte Depois de obter recorde na venda de automóveis e comerciais leves em 2012, impulsionado por incentivos

Leia mais

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011

Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Integração de Cadeias Produtivas Superintendência de Desenvolvimento Industrial Setembro, 2011 Agenda 1. Crescimento do Mercado Consumidor e Ascensão da Classe Média 1. Áreas de Investimento e Adensamento

Leia mais

Atuação do Banco do Nordeste

Atuação do Banco do Nordeste São Luis MA Novembro de 2012 Atuação do Banco do Nordeste O Banco do Nordeste tem como área básica de atuação os nove Estados da região Nordeste, o norte e os Vales do Mucuri e do Jequitinhonha do Estado

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Oportunidade de Investimento no Pará. Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia

Oportunidade de Investimento no Pará. Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia Seminário: Oportunidade de Investimento no Pará Palestra: Principais linhas de financiamento do Banco da Amazônia Palestrante: Valmir Pedro Rossi - Presidente São Paulo, 02 de dezembro de 2013 Pauta da

Leia mais

Reunião Pública com Analistas e Investidores 2011. Relações com Investidores

Reunião Pública com Analistas e Investidores 2011. Relações com Investidores Reunião Pública com Analistas e Investidores 2011 Relações com Investidores A Tenaris Sobre a Tenaris Líder global na produção de tubos de aço e serviços para a indústria energética, automotiva e aplicações

Leia mais

Wellington Santos Damasceno Banco do Nordeste

Wellington Santos Damasceno Banco do Nordeste SEMINÁRIO: O Papel das Instituições Financeiras de Desenvolvimento no Desenvolvimento Regional e o Fomento ao Investimento Privado de Longo Prazo Mecanismos Inovadores de Promoção de Investimento Privado

Leia mais

SERÁ QUE HÁ MOTIVAÇÃO PARA INVESTIR NO VEÍCULO ELÉTRICO NO BRASIL?

SERÁ QUE HÁ MOTIVAÇÃO PARA INVESTIR NO VEÍCULO ELÉTRICO NO BRASIL? Maksen SERÁ QUE HÁ MOTIVAÇÃO PARA INVESTIR NO VEÍCULO ELÉTRICO NO BRASIL? O VE É UM DOS TEMAS MAIS DISCUTIDOS DA ATUALIDADE, NO ENTANTO NÃO EXISTE AINDA UM CONSENSO QUANTO À TECNOLOGIA E ESTIMATIVAS DE

Leia mais

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi

PAC Programa de Aceleração do Crescimento. Retomada do planejamento no país. Marcel Olivi PAC Programa de Aceleração do Crescimento Retomada do planejamento no país Marcel Olivi PAC PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO Lançado em 22/01/2007 o programa é constituído por Medidas de estímulo

Leia mais

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE

Cenários Macroeconômicos para 2014. Wellington Santos Damasceno ETENE Cenários Macroeconômicos para 2014 Wellington Santos Damasceno ETENE Fortaleza CE 28/11/2013 Cenário Internacional Regiões e Países Selecionados Variação do PIB real (%) Fonte: World Economic Outlook Database,

Leia mais

Reunião Conjunta da Câmara de Assuntos de Energia e do Comitê para o Carvão Mineral da FIESC

Reunião Conjunta da Câmara de Assuntos de Energia e do Comitê para o Carvão Mineral da FIESC 1 2 Reunião Conjunta da Câmara de Assuntos de Energia e do Comitê para o Carvão Mineral da FIESC Incentivos Fiscais e Tributação sobre Geração de Energia Elétrica a Carvão Mineral julho/2013 3 Agenda Contexto

Leia mais

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil

Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil Pesquisa Principais Investimentos em Infraestrutura no Brasil PATROCINADOR INICIATIVA REALIZAÇÃO SUBCAPA O trabalho e a pesquisa O TRABALHO E A PESQUISA A 4ª edição do relatório principais investimentos

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore

Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Produtos e Serviços para a Construção Naval e a Indústria Offshore Condições de Financiamento Luiz Marcelo Martins (luizmarcelo@bndes.gov.br) Março 2011 Crescimento Brasileiro e Investimentos Crescimento

Leia mais

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte

VIII CONSE VIII CONSE. Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012. Apresentação. Carlos Monte VIII CONSE Sao Paulo - 24, 25 e 26 de setembro de 2012 Apresentação Carlos Monte Conceitos Gerais A Engenharia é a profissão do Crescimento. Mais emprego, melhores sálarios e inclusão social com distribuição

Leia mais

MPX Assina Acordos Definitivos para Joint Venture com a E.ON

MPX Assina Acordos Definitivos para Joint Venture com a E.ON MPX ENERGIA S.A. CNPJ/MF: 04.423.567/0001-21 Companhia Aberta BOVESPA: MPXE3 MPX Assina Acordos Definitivos para Joint Venture com a E.ON Rio de Janeiro, 18 de abril de 2012 MPX Energia S.A. ( MPX ou Companhia

Leia mais

JOINT VENTURE MPX / E.ON. Rio de Janeiro Janeiro 2012

JOINT VENTURE MPX / E.ON. Rio de Janeiro Janeiro 2012 JOINT VENTURE MPX / E.ON Rio de Janeiro Janeiro 2012 AVISO LEGAL Esta apresentação contém algumas afirmações e informações prospectivas relacionadas a Companhia que refletem a atual visão e/ou expectativas

Leia mais

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte

Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração. e às s Fontes Alternativas de Energia. Alternativas de Energia. Raquel Batissaco Duarte Atuação do BNDES no Financiamento à Cogeração e às s Fontes Alternativas de Energia Raquel Batissaco Duarte Gerente Departamento de Gás, Petróleo, Cogeração e Fontes Alternativas de Energia Belo Horizonte,

Leia mais

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015

JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015 JULIO THEMES NETO Diretor de Fomento e Crédito 01.06.2015 Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente

Leia mais

PROGRAMAS DE INCENTIVO

PROGRAMAS DE INCENTIVO PROGRAMAS DE INCENTIVO SANTA CATARINA Arrecadação Tributária R$ (milhões) Repasse Municípios ICMS... 7.180 (325 Simples)... 25% IPVA... 583... 50% ITCMD... 49 ICMS Arrecadação por setor Serviços 26,66%

Leia mais

Energia Solar Fotovoltaica

Energia Solar Fotovoltaica Energia Solar Fotovoltaica Dr. Rodrigo Lopes Sauaia Diretor Executivo São Paulo 12/05/2015 Energia Solar Fotovoltaica 2 Quem Somos Reúne empresas nacionais e internacionais de toda a cadeia produtiva do

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2005 Cria a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Fica criada a Zona Franca de São Luís, no Estado do Maranhão, definida

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

As perspectivas do mercado para os hospitais

As perspectivas do mercado para os hospitais As perspectivas do mercado para os hospitais Yussif Ali Mere Jr Presidente da Federação e do Sindicato dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (FEHOESP e SINDHOSP) 1. CONTEXTO 2.

Leia mais

Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional?

Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional? Inovar-Auto: novas perspectivas para a indústria automotiva nacional? Com a participação ativa dos Metalúrgicos da CNM/CUT, em 3 de outubro de 2012 o Governo Federal publicou o decreto 7.819/2012 1 que

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

Termoelétricas Ou Termelétricas

Termoelétricas Ou Termelétricas Termoelétricas Ou Termelétricas É uma instalação industrial usada para geração de energia elétrica/eletricidade a partir da energia liberada em forma de calor, normalmente por meio da combustão de algum

Leia mais

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar.

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Prof. Dr. Luiz Roberto Carrocci Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus de Guaratinguetá Definições a) Energia

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014

Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 1 Petrobras aprova Plano de Negócios 2010-2014 O Conselho de Administração aprovou o Plano de Negócios 2010-2014, com investimentos totais de US$ 224 bilhões, representando a média de US$ 44,8 bilhões

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro.

2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 1 1 2 2 3 2003: ajuste macroeconômico, com corte substancial nos gastos públicos e aumento nas taxas reais de juro. 2004-06: recuperação econômica, com direcionamento do aumento da arrecadação federal

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação

ESTUDO IBPT Frete marítimo e seu impacto na arrecadação tributária e na inflação Junho 2013 ESTUDO IBPT AUMENTO DO FRETE MARÍTIMO NA IMPORTAÇÃO TEM REFLEXOS NA ARRECADAÇÃO TRIBUTÁRIA E NA INFLAÇÃO Frete marítimo na importação teve aumento de 82,11% em Dólar no período de janeiro de

Leia mais

Criada pela Lei Complementar no. 124/2007 de 03 de janeiro de 2007. Finalidade

Criada pela Lei Complementar no. 124/2007 de 03 de janeiro de 2007. Finalidade Criada pela Lei Complementar no. 124/2007 de 03 de janeiro de 2007. Finalidade Art. 3 o A Sudam tem por finalidade promover o desenvolvimento includente e sustentável de sua área de atuação e a integração

Leia mais

O desenvolvimento de recursos energéticos renováveis e alternativos: o papel do comissário Jeff Davis Comissário Comissão de Serviços Públicos do Missouri 1 Recursos energéticos renováveis e alternativos:

Leia mais

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015

Educação Fiscal e Financiamento. 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Educação Fiscal e Financiamento 10º Encontro Estadual da UNCME/ES 14 de maio de 2015 Vinculação Constitucional de Recursos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Art. 212. A União aplicará,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 283, DE 04 DE JULHO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 283, DE 04 DE JULHO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 283, DE 04 DE JULHO DE 2013 Data D.O.: 05/07/2013 O Ministro de Estado da Integração Nacional, no uso das atribuições

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

Nordeste atrai novos investimentos em celulose

Nordeste atrai novos investimentos em celulose Reportagem de Capa Agência Vale Nordeste atrai novos investimentos em celulose O PAPEL - Março 2010 O sul da Bahia já tem exemplos de sucesso, como as fábricas da Veracel e da Suzano. Agora, os Estados

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009.

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Prezado Secretário Ronaldo Motta: Seguem as sugestões do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e PG das Universidades Brasileiras) com relação ao

Leia mais

FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO

FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO Bahia que Faz: Densificação da Base Econômica e Geração de Emprego e Renda 233 FOMENTO AO DESENVOLVIMENTO No desempenho do seu papel de indutor do desenvolvimento, o Governo do Estado promove ações específicas

Leia mais

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais)

12 portos marítimos (+8 terminais privados de uso misto) 409.473 km de rodovias. 18 aeroportos (9 internacionais) Fórum Nacional Eólico Carta dos Ventos Financiamento de Projetos José Maria Vilar Superintendente do Banco do Nordeste do Brasil (BNB) Natal, 19.06.2009 Nordeste do Brasil: Infraestrutura 12 portos marítimos

Leia mais

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES

A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES A economia brasileira e as perspectivas do investimento Luciano Coutinho Presidente do BNDES O Brasil ingressa em um novo ciclo de desenvolvimento A economia brasileira continuarácrescendo firmemente nos

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente O papeldo BNDES napromoçãodo desenvolvimento econômico e social do Brasil IV Fórum Internacional de comunicação e sustentabilidade Brasília, 26 de maio de 2011 Luciano Coutinho Presidente O Brasil ingressa

Leia mais

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009

FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO ADMINISTRADOS PELA ELETROBRÁS 2009 4.7 - FUNDOS DO SETOR ELÉTRICO A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. - Eletrobrás é a responsável pela gestão de recursos setoriais que atendem às diversas áreas do Setor Elétrico, representados pelos

Leia mais

Apresentação de Resultados 4T10

Apresentação de Resultados 4T10 Apresentação de Resultados 4T10 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que apresentem expectativas da Administração da Companhia sobre eventos ou resultados futuros. Todas as declarações

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Indústria metalúrgica - uma década de mudança

Indústria metalúrgica - uma década de mudança Indústria metalúrgica - uma década de mudança Muito já se falou dos efeitos perversos das medidas adotadas durante a década de 1990 para o desenvolvimento econômico e social do país. Mas nunca é demais

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3

4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3 Investimentos em queda 4278866 - O ESTADO DE S. PAULO - NOTAS E INFORMAÇÕES - SÃO PAULO - SP - 16/04/2014 - Pág A3 As mudanças de atitude do governo em relação ao novo Código de Mineração tornaram mais

Leia mais

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro

Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES. A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social CDES A Consolidação das Políticas Sociais na Estratégia de Desenvolvimento Brasileiro A CONTRIBUIÇÃO DO CDES PARA O DEBATE DA CONSOLIDAÇÃO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

Leia mais

Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora

Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora Entrevista: Duke passa de alvo de aquisições para investidora Wellington Bahnemann São Paulo Mickey Peters, presidente da Duke Energy no Brasil, demonstra entusiasmo ao falar das perspectivas da companhia

Leia mais

EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013

EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013 EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013 QUEM SOMOS Legal Instituição Financeira do Estado de São Paulo, vinculada a Secretaria

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito?

Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito? SESSÃO TEMÁTICA Investimento em infraestrutura: o que precisa ser feito? Brasília, 17 de novembro de 2009 Perspectivas de Investimentos O Brasil está diante de uma oportunidade inédita para aumentar de

Leia mais

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil

NERGIA LIMPA ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA: O Sol promovendo sustentabilidade e segurança energética para o Brasil Geração distribuída e centralizada, leilões e incentivos fiscais contribuem para geração de energia solar

Leia mais

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo

Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal. Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Alguns desafios no Brasil Biodiesel e Pré-Sal Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo Biodiesel BIODIESEL no Brasil Jatropha Lei nº 11.097 / 2005 - Introduziu o biodiesel na matriz energética brasileira

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC)

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA. D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA D 4.7 Monitoramento e Avaliação de Políticas Públicas (20h) (Aula 3: Monitoramento do PAC) Professor: Pedro Antônio Bertone Ataíde 23 a 27 de março

Leia mais

A Parceria Apex-Brasil e RENAI

A Parceria Apex-Brasil e RENAI A Parceria Apex-Brasil e RENAI Mário Neves Coordenador-Geral da Rede Nacional de Informações sobre o Investimento Alexandre Petry Gerente de Promoção e Facilitação de Investimentos da Apex-Brasil Ciclo

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Por que investir na AMAZÔNIA?

Por que investir na AMAZÔNIA? Por que investir na AMAZÔNIA? POR QUE INVESTIR NA AMAZÔNIA? A Região Amazônica tem localização estratégica em relação aos principais centros comerciais do globo. Seus produtos e insumos tem rota facilitada

Leia mais

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS

Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS Apresentação O Fórum e Exposição Energias Renováveis e Alternativas no Cone Sul- ERACS ocorrerá nos dias 13, 14 e 15 de outubro de

Leia mais

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Page 1 of 5 Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Carolina Medeiros, da Agência CanalEnergia, Reportagem Especial

Leia mais

DEBATES FUCAPE F U C A P E. Quebra de Monopólio e Aumento da Produtividade: Lições da Indústria de Petróleo no Brasil. Editorial.

DEBATES FUCAPE F U C A P E. Quebra de Monopólio e Aumento da Produtividade: Lições da Indústria de Petróleo no Brasil. Editorial. F U C A P E DEBATES Editorial Em 1995 o monopólio da Petrobras no setor de petróleo foi legalmente quebrado. Mais de 10 anos depois ela continua controlando quase 1 0 0 % d o m e r c a d o d e extração

Leia mais

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014

Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho / 2014 Os Desafios do Pré-Sal: Riscos e Oportunidades para o País As Políticas Industrial e de Inovação no setor de Petróleo e Gás Rodrigo Matos Huet de Bacellar Superintendente Área de Insumos Básicos Junho

Leia mais