PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DE TRANSPARÊNCIA ADMINISTRATIVA MUNICIPAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DE TRANSPARÊNCIA ADMINISTRATIVA MUNICIPAL"

Transcrição

1 PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DE TRANSPARÊNCIA ADMINISTRATIVA MUNICIPAL

2 Façam perguntas por: Telefone: (71)

3 DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Com a inspiração do 3º do art. 1º do Decreto Federal nº 5.205/04, para fins hermenêuticos, entende-se por desenvolvimento institucional os programas, as ações, os projetos e as atividades, inclusive de natureza infra-estrutural, que levem à melhoria das condições do poder público para o cumprimento da sua missão institucional.

4 FUNDAMENTOS LEGAIS O PDI se fundamenta no direito constitucional que todos têm de receber dos órgãos públicos informação de seu interesse particular ou coletivo ou geral, no prestígio da cidadania e dos valores democráticos, e no dever que os gestores municipais têm de fazer a gestão documental, a gestão da informação, a gestão do princípio constitucional da publicidade, a avaliação periódica da qualidade dos serviços públicos e de assegurar a manutenção de serviços de atendimento aos usuários de serviços públicos.

5 OBJETIVOS DO PDI DE TAM 1. Preparar a administração municipal para a interferência dos cidadãos através da participação popular; 2. Preparar a administração municipal para a fiscalização dos cidadãos através do controle social; 3. Preparar a administração municipal para disponibilizar informação do interesse dos cidadãos sem perder o controle da situação;

6 OBJETIVOS DO PDI DE TAM 4. Preparar administração municipal para fazer a gestão documental; 5. Preparar a administração municipal para fazer a publicação de todos os atos oficiais corretamente, sem falhas ou irregularidades; 6. Preparar a administração municipal para fazer a avaliação periódica dos serviços públicos e disponibilizar serviço de ouvidoria.

7 PROGRAMAS ESTRUTURANTES 1. Gestão da informação Este programa tem como objetivo organizar e gerir, sob a forma de sistema, a informação que resulte de processos administrativos correntes; 2. Gestão documental Este programa tem como objetivo a proteção especial a documentos de arquivos, como instrumentos de apoio à administração, à cultura, ao desenvolvimento científico e como elementos de prova e informação;

8 PROGRAMAS ESTRUTURANTES 3. Gestão do princípio constitucional da publicidade Este programa tem como objetivo confrontar os atos que a sua Prefeitura tem que publicar com o padrão requisitos e especificações de legalidade do Programa da Qualidade Total de publicação de atos oficiais, a fim de serem realizados sem vícios ou incorreções.

9 PROGRAMAS DE INCLUSÃO SOCIAL 1. Avaliação através da aplicação de pesquisa Este programa tem como objetivo medir a efetividade do PDI de Transparência Administrativa Municipal e de outros serviços públicos;

10 PROGRAMAS DE INCLUSÃO SOCIAL 2. Atendimento ao usuário através de serviço de ouvidoria Este programa tem como objetivo receber as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos;

11 PROGRAMAS DE INCLUSÃO SOCIAL 3. Participação popular Este programa tem como objetivo preparar a administração municipal para a realização de audiências públicas de avaliação de metas fiscais, de elaboração do orçamento, de política de meio ambiente e outras tantas necessárias e determinadas pela legislação em vigor;

12 PROGRAMAS DE INCLUSÃO SOCIAL 4. Controle social Este programa tem como objetivo preparar a administração municipal para a fiscalização dos atos, documentos, procedimentos e processos administrativos por parte dos cidadãos.

13 SUBPROGRAMAS 1. Normatização da política pública de transparência administrativa municipal; 2. Atendimento ao usuário - Ouvidoria; 3. Suporte de infra-estrutura de tecnologia da informação; 4. Educação para a transparência; 5. Procedimentalização administrativa;

14 SUBPROGRAMAS 6. Qualidade Total de publicação dos atos oficiais; 7. Publicação de atos oficiais; 8. Avaliação periódica externa e interna da qualidade da política pública de transparência administrativa municipal e outros serviços.

15 O subprograma de normatização da política de transparência administrativa municipal tem seis metas: 1. Examinar a Lei Orgânica e demais leis municipais quanto aos aspectos que envolvam os seguintes temas: acesso à informação, gestão documental, publicação de atos oficiais, participação popular, controle social e princípio constitucional da publicidade;

16 2. Elaborar estudo e proposta de adequação da legislação municipal à legislação federal, estadual, normas, instruções e resoluções dos Tribunais de Contas e da Secretaria do Tesouro Nacional com relação aos temas mencionados no item anterior; 3. Elaborar minutas de decretos ou de projetos de lei que venham orientar a edição de normas legais sobre a organização, a implantação e o funcionamento da política municipal de transparência administrativa e do Diário Oficial impresso e eletrônico;

17 4. Elaborar o mapa de riscos fiscais, administrativos e judiciais em face do descumprimento do princípio constitucional da publicidade; 5. Elaborar o calendário anual de divulgação de atos oficiais com base na legislação vigente;

18 6. Elaborar e fornecer uma cópia dos seguintes manuais: Guia prático de gestão do princípio constitucional da publicidade, Agenda de publicação dos atos oficiais, Como publicar os atos de licitação e de contratação direta, Como publicar os instrumentos de transparência da gestão fiscal, Como publicar as contas públicas e Como publicar os atos normativos leis, decretos e portarias e outros atos oficiais não especificados.

19 O subprograma de atendimento ao usuário tem uma meta, a seguir relacionada: Disponibilizar serviço de atendimento ao usuário, canal receptivo de comunicação e de relacionamento dos usuários de serviços públicos com a administração municipal. O subprograma de atendimento ao usuário disponibiliza canais de call center (central de atendimento virtual e telefônico) para servir como ouvidoria municipal compartilhada.

20 O objetivo da Ouvidoria é assegurar aos usuários de serviços públicos a oportunidade de gratuitamente requerer informação, fazer petição, reclamação, sugestão, denúncia e outras manifestações através de telefone (0800) fornecido pela Associação Transparência Municipal e da internet de cada usuário.

21 Os canais de call center recebem as manifestações dos usuários de serviços públicos, feitas via telefone (0800) ou internet, registram em sistema e armazenam em banco de dados, encaminhando-as para o ouvidor-geral da Prefeitura. Este as repassa para as secretarias municipais ou áreas responsáveis, cobrando soluções e respondendo aos usuários dentro de um prazo previamente estabelecido pelo órgão responsável.

22 Os canais de atendimento aos usuários funcionam de segunda a sexta, em dias úteis, das 8h às 18h. São benefícios do subprograma de atendimento ao usuário: 1. Aproximação da Prefeitura com os cidadãos e servidores municipais; 2. Construção de um canal sustentável, acessível, direto e gratuito de comunicação com os cidadãos;

23 3. Identificação das áreas que estejam merecendo maior atenção dos gestores, definindo-se eixos prioritários de ação; 4. Fornecimento de respostas sobre a atuação da Prefeitura, permitindo a correção de disfunções e o redirecionamento das ações desenvolvidas; 5. Identificação de necessidades dos usuárioscidadãos;

24 6. Relacionamento transparente com a sociedade; 7. Maior credibilidade e fortalecimento da imagem da Prefeitura junto à população.

25 O subprograma de suporte de infra-estrutura de tecnologia da informação de transparência administrativa municipal tem seis metas: 1. Uma página eletrônica (site) na internet do Diário Oficial eletrônico da Prefeitura, instrumento tecnológico de WEB totalmente adequado para a divulgação das edições do Diário Oficial da Prefeitura;

26 2. Um sistema de Diário Oficial totalmente adequado para fazer funcionar na internet o site do Diário Oficial da Prefeitura e disponibilizar e organizar o banco de dados das publicações em cinco grupos: extrato de publicações, instrumentos de transparência da gestão fiscal, contas públicas, licitações e atos oficiais leis, decretos, portarias e outros atos não especificados;

27 3. Um sistema (ARCHIVE) de armazenamento on-line de documentos digitais, instrumento tecnológico de WEB necessário para armazenar organizadamente a documentação corrente digitalizada da Prefeitura; 4. Um sistema de ouvidoria totalmente adequado para auscultar a população, a fim de que o ouvidor-geral do Município gerencie o relacionamento da Prefeitura com os cidadãos através de canais de atendimento ao usuário, por meio de telefone (0800) e internet;

28 5. Um sistema de publicação de licitação, instrumento tecnológico de WEB totalmente adequado para a divulgação cumulativa de avisos de licitação nas modalidades carta-convite, concorrência, tomada de preços, concurso, leilão e pregão;

29 6. Um Internet Datacenter IDC, composto de banco de dados Oracle 9i e servidor de aplicação Cold Fusion, que funciona na modalidade ASP (Application Service Provider), além de serviços de firewall e de backup geral e incremental robotizado para apoiar o funcionamento dos sistemas relacionados nos itens anteriores deste subprograma.

30 O subprograma de educação para a transparência administrativa municipal tem uma meta: Treinar e capacitar os servidores municipais indicados pela Prefeitura, através de cursos on-line de transparência administrativa municipal, que abordarão os seguintes temas:

31 Gestão da informação; gestão documental; publicação de atos oficiais; institutos de participação popular e de controle social e gestão de ouvidoria. Tais cursos serão ministrados pela Associação Transparência Municipal por meio da sua TV TM (TV Transparência Municipal), cujo acesso dá-se pelo endereço eletrônico

32 O curso on-line de transparência administrativa municipal será realizado em módulos e ministrado a cada dois meses, com duração de seis horas-aula por vez, totalizando 36 horas-aula por ano. A direção didática, pedagógica e a construção do conteúdo programático são da competência e responsabilidade exclusivas da Associação Transparência Municipal.

33 O subprograma de procedimento administrativo tem três metas: 1. Editorar, diagramar, arte-finalizar e editar as edições do Diário Oficial da Prefeitura, disponibilizando-as na internet, no formato PDF, consolidado por assinatura digital no âmbito da Infra-estrutura de Chaves Públicas Brasileira ICP-Brasil;

34 2. Organizar os bancos de dados digitais da publicação de leis, decretos, portarias, contas públicas, instrumentos de transparência da gestão fiscal, licitações e de documentos correntes de prestação de contas e convênios; 3. Fornecer o suporte administrativo para fazer funcionar os subprogramas e suas metas.

35 O subprograma da Qualidade Total de publicação dos atos oficiais tem três metas: 1. Fornecer à Prefeitura os serviços do Programa da Qualidade Total PQT de publicação de atos oficiais, que compreende a metodologia e a padronização de conformidades criadas pela Associação Transparência Municipal e validadas por consultoria externa;

36 2. Emitir, através de equipe técnica especializada, relatório de conformidade ou de não-conformidade, de acordo com o caso, quando do recebimento de matéria encaminhada para publicação pela Prefeitura;

37 3. Encaminhar as matérias para publicação e emissão do relatório. Se conformes, serão preparadas e veiculadas e, se não conformes, serão devolvidas para a Prefeitura para que sejam tomadas medidas administrativas visando a publicação correta e dentro dos padrões de legalidade e de outros requisitos de conformidade.

38 O subprograma de publicidade legal tem uma meta: Divulgar os atos oficiais que se sujeitam ao princípio constitucional da publicidade nos seguintes veículos:

39 1. Diário Oficial da União 2. Diário Oficial do Estado 3. Diário Oficial da Prefeitura 4. Jornal diário de grande circulação 5. Internet

40 O subprograma de avaliação periódica externa e interna da qualidade dos serviços públicos de transparência administrativa municipal tem uma meta: Fazer pesquisa de avaliação periódica externa e interna da qualidade dos serviços públicos de transparência administrativa municipal e de outros serviços que sejam do interesse da Prefeitura avaliar.

41 A pesquisa é uma ação governamental específica, tendo como finalidade ouvir e conhecer cientificamente a opinião e o nível de satisfação dos usuários dos serviços públicos e da política pública de transparência administrativa municipal.

42 O PDI É UMA POLÍTICA PÚBLICA O PDI de Transparência Administrativa Municipal é uma política de transparência, composta de três programas estruturantes, quatro programas de inclusão social, oito subprogramas e 22 metas, conforme detalhamento feito.

43 O PDI É UMA POLÍTICA PÚBLICA Uma política pública de transparência administrativa municipal é um poderoso instrumento de relacionamento com os cidadãos, principalmente através da organização da informação, da gestão documental, da publicização dos atos oficiais, da ouvidoria e da pesquisa de opinião pública.

44 O PDI É UMA POLÍTICA PÚBLICA A implantação do PDI de Transparência Administrativa Municipal é muito rápida, fácil e apresenta resultados imediatos, principalmente de redução de custo com a publicação de atos oficiais e de fortalecimento da imagem da Prefeitura junto aos órgãos de controle externo.

45 Por que implantar o PDI de Transparência Administrativa Municipal? 1. Para organizar os registros administrativos e as informações sobre atos de governo, porque os cidadãos durante todo o mandato vão exercer o direito de peticionar, reclamar, fiscalizar, denunciar e acessar as informações públicas para fazer valer a DEMOCRACIA PARTICIPATIVA (interferir através da participação popular e fiscalizar através do controle social); 2. Para diminuir o atrito social que existirá entre a Democracia Representativa e a Democracia Participativa; 3. Para evitar as infrações político-administrativas, os atos de improbidade administrativa, as infrações administrativas contra as leis de finanças públicas e as punições administrativas da Lei de Responsabilidade Fiscal, que recaem sobre o prefeito e a administração municipal em face do descumprimento do princípio constitucional da publicidade.

46 Ao implantar o PDI de Transparência Administrativa Municipal, a administração municipal terá: 1. Política pública de transparência 2. Ouvidoria municipal 3. Diário Oficial da Prefeitura/ Câmara de Vereadores 4. Sistema de avaliação da qualidade dos serviços públicos através de pesquisa de opinião 5. Suporte de infra-estrutura de software 6. Suporte de infra-estrutura de hardware 7. Arquivo digital de prestação de contas, documentos e dos atos oficiais 8. Publicação de todos os atos oficiais através do Programa da Qualidade Total de publicação de atos oficiais 9. Capacitação de servidores em informação pública, gestão documental, publicação de atos oficiais, participação popular e controle social

47 Sugestão - O que você deve fazer? Entre em contato com a Associação Transparência Municipal ATM para fazer seu convênio de implantação do Programa de Desenvolvimento Institucional PDI de Transparência Administrativa Municipal da sua Prefeitura.

48 Muito obrigado! PAULO SÉRGIO GOMES DA SILVA Diretor-presidente Tels.: (71) ou

O que é uma administração transparente?

O que é uma administração transparente? O que é uma administração transparente? Uma prefeitura transparente É quela que respeita o cidadão Expõe as suas contas para toda a população Uma prefeitura transparente É aquela que publica seus atos

Leia mais

I Encontro de Prefeitos e Secretários de Finanças dos Municípios do Estado da Bahia

I Encontro de Prefeitos e Secretários de Finanças dos Municípios do Estado da Bahia I Encontro de Prefeitos e Secretários de Finanças dos Municípios do Estado da Bahia A Associação Transparência Municipal ATM foi fundada em 5 de abril de 2008 DEFINIÇÃO A ASSOCIAÇÃO TRANSPARÊNCIA MUNICIPAL

Leia mais

Como prefeituras e câmaras podem criar e gerenciar os seus Diários Oficiais Eletrônicos próprios

Como prefeituras e câmaras podem criar e gerenciar os seus Diários Oficiais Eletrônicos próprios Como prefeituras e câmaras podem criar e gerenciar os seus Diários Oficiais Eletrônicos próprios 1 A maioria dos Prefeitos e Presidentes de Câmaras de Vereadores não sabe que podem criar o Diário Oficial

Leia mais

Como Prefeituras e Câmaras podem criar e gerenciar seus Diários Oficiais Eletrônicos

Como Prefeituras e Câmaras podem criar e gerenciar seus Diários Oficiais Eletrônicos Como Prefeituras e Câmaras podem criar e gerenciar seus Diários Oficiais Eletrônicos Publicação Técnica, nº 4, 1ª edição, 2.000 exemplares, fevereiro de 2009. Direitos reservados à ASSOCIAÇÃO TRANSPARÊNCIA

Leia mais

Projeto de Desenvolvimento Institucional de. Gestão Documental

Projeto de Desenvolvimento Institucional de. Gestão Documental 01 02 Projeto de Desenvolvimento Institucional de Gestão Documental O Archive é um projeto de desenvolvimento institucional de gestão documental com fornecimento de suporte de infra-estrutura tecnológica

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROGRAMA DE MUNICIPALIZAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR É com satisfação que a Fundação Procon/SP apresenta o novo Programa de Municipalização que tem como objetivo fortalecer o Sistema Estadual

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre os procedimentos para publicação de documentos na Biblioteca Digital do Tribunal Superior do Trabalho

Leia mais

O Portal da Prefeitura de Olivedos foi construído levando em conta: Livre acesso sem necessidade de cadastro prévio ou senha.

O Portal da Prefeitura de Olivedos foi construído levando em conta: Livre acesso sem necessidade de cadastro prévio ou senha. Prefeitura Municipal de Olivedos MANUAL PRÁTICO DE NAVEGAÇÃO APRESENTAÇÃO Este é o Manual de Navegação da Prefeitura Municipal da cidade de Olivedos - PB. Tem linguagem simples e é ilustrado para que você,

Leia mais

PALESTRA CONFEA. Ricardo Garcia França

PALESTRA CONFEA. Ricardo Garcia França PALESTRA CONFEA Ricardo Garcia França OGU HOJE Ciclo que se encerra 40 Ouvidorias em 2002 para 165 em 2011; Investimento em criação de ouvidorias e capacitação PRIORIDADES Fortalecer sistema de Ouvidorias

Leia mais

EVENTO PÚBLICO ALVO OBJETIVO

EVENTO PÚBLICO ALVO OBJETIVO EVENTO O curso enfoca as diversas etapas do SICONV Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse, criado e desenvolvido pelo Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão com o objetivo de propiciar

Leia mais

Portal da Transparência do Governo Municipal de Conceição do Coité - Bahia

Portal da Transparência do Governo Municipal de Conceição do Coité - Bahia MANUAL DE NAVEGAÇÃO Portal da Transparência do Governo Municipal de Conceição do Coité - Bahia Versão 1.0 Este é o Manual de Navegação do Portal de Transparência do Município de Conceição do Coité, Bahia.

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS

ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS ESTRUTURA PARA PORTAIS ELETRÔNICOS MUNICIPAIS 1. Apresentação Os sites e sistemas web desenvolvidos pela Dynamika apresentam um conjunto de critérios de desenvolvimento que visam entregar o projeto de

Leia mais

SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL

SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL 1 SIMPROC SISTEMA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO E CONTROLE DOCUMENTAL Toda organização, pública ou privada, independente de seu tamanho, deve constituir uma área para atendimento às demandas dos colaboradores

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS RESOLUÇÃO CMAS Nº 16, DE 26 DE SETEMBRO DE 2011 Resolução CMAS nº 16, 26 de setembro de 2011, revoga a Resolução CMAS nº 01/2002 e define os parâmetros para

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

SISTEMA DE GESTAO DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA EM TEMPO REAL DE CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

SISTEMA DE GESTAO DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA EM TEMPO REAL DE CONTRATOS ADMINISTRATIVOS SISTEMA DE GESTAO DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA EM TEMPO REAL DE CONTRATOS ADMINISTRATIVOS A Lei nº 12.846, de 5 de junho de 2013, dispõe sobre a responsabilização administrativa e civil de pessoas jurídicas

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA 2008 Universidade Federal de Uberlândia Ouvidoria Avenida João Naves de Ávila, nº. 2121 Sala 14, Bloco 1A - Bairro Santa Mônica Uberlândia-MG CEP: 38400-902

Leia mais

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA

ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC 001/2007 1 ANEXO III DAS OBRIGAÇÕES DA CONTRATADA ESTABELECE, RESPONSABILIDADES DIVERSAS, TIPOS E HORÁRIO DE COBERTURA DE SUPORTE, E DEMAIS RESPONSABILIDADES DA CONTRATADA RELATIVAS

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

Soluções em TI ao alcance de todos

Soluções em TI ao alcance de todos Você sabia que a sua prefeitura, independentemente do tamanho, pode ser beneficiada com o uso de mais de 50 aplicações que fazem parte do Portal do Software Público Brasileiro? Soluções em TI ao alcance

Leia mais

PELA TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS

PELA TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS PELA TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA n 01, de 02 de janeiro de 2010, atualizada em 01 de dezembro de 2012. Toda ação da sociedade em relação à transparência

Leia mais

aumentar a arrecadação?

aumentar a arrecadação? Como aumentar a arrecadação? Como economizar recursos públicos? Como modernizar a Gestão Pública? Como oferecer melhores serviços ao cidadão? Melhoria da Gestão com o uso de Tecnologia da Informação Melhore

Leia mais

O Portal da Prefeitura de Assunção foi construído levando em conta: Livre acesso sem necessidade de cadastro prévio ou senha.

O Portal da Prefeitura de Assunção foi construído levando em conta: Livre acesso sem necessidade de cadastro prévio ou senha. Prefeitura Municipal de Assunção MANUAL PRÁTICO DE NAVEGAÇÃO APRESENTAÇÃO Este é o Manual de Navegação da Prefeitura Municipal da cidade de Assunção - PB. Tem linguagem simples e é ilustrado para que você,

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

www.aciccolombo.com.br.com.br Serviço Completo para a Gestão de sua Nota Fiscal Eletrônica

www.aciccolombo.com.br.com.br Serviço Completo para a Gestão de sua Nota Fiscal Eletrônica Serviço Completo para a Gestão de sua Nota Fiscal Eletrônica NF-e OnDemand Serviço Completo para a Gestão de sua Nota Fiscal Eletrônica através de um provedor de aplicação Parcerias de Sucesso! Firmamos

Leia mais

EVENTO PÚBLICO ALVO OBJETIVO

EVENTO PÚBLICO ALVO OBJETIVO EVENTO O curso enfoca as diversas etapas do SICONV Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse, criado e desenvolvido pelo Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão com o objetivo de propiciar

Leia mais

ANEXO II - TERMO DE REFERÊNICA EDITAL Nº 05373/2009

ANEXO II - TERMO DE REFERÊNICA EDITAL Nº 05373/2009 ANEXO II - TERMO DE REFERÊNICA EDITAL Nº 05373/2009 OBJETO: Contratação de serviços de desenvolvimento de software para criar o Website da Sudam, utilizando a linguagem de programação PHP, com o Banco

Leia mais

OGU Ações e Projetos 2011/2012

OGU Ações e Projetos 2011/2012 OGU Ações e Projetos 2011/2012 FUNDAMENTOS NORMATIVOS Constituição Federal Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios

Leia mais

QUEM SOMOS MISSÃO VISÃO

QUEM SOMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS A TOP BAHIA ASSESSORIA MUNICIPAL é uma empresa baiana que atua no mercado com profissionais capacitados, prestando um serviço de excelência, fornecendo aos nossos clientes soluções completas

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

Curso Avançado em Controle Interno Municipal a Distância

Curso Avançado em Controle Interno Municipal a Distância Informações sobre Curso Avançado em Controle Interno Municipal a Distância Sua prefeitura não pode ficar de fora e os servidores municipais também COMO SUA ENTIDADE PARTICIPA DO CURSO? Assinando e devolvendo

Leia mais

Interlegis. Legislativo Moderno e Integrado. Jean Rodrigo Ferri Interlegis - DF

Interlegis. Legislativo Moderno e Integrado. Jean Rodrigo Ferri Interlegis - DF Interlegis Legislativo Moderno e Integrado Jean Rodrigo Ferri Interlegis - DF Agenda Interlegis Pilares Sistemas Comunidades Informação Interlegis Origem do Interlegis Projeto iniciado em 1997 no PRODASEN

Leia mais

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE

Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE Política do Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE O Programa de Voluntariado Corporativo GRPCOM ATITUDE visa fortalecer a missão de desenvolver a nossa terra e nossa gente e contribuir para

Leia mais

Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM

Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM Criar rádios e TV's comunitárias voltadas à prestação de contas das ações, programas e 1 projetos existentes nos municípios e divulgação dos serviços públicos locais,

Leia mais

Ouvidoria UNIFESP. Ouvidoria no Brasil. Neile G. Ribeiro Ferlante

Ouvidoria UNIFESP. Ouvidoria no Brasil. Neile G. Ribeiro Ferlante Ouvidoria UNIFESP Ouvidoria no Brasil Neile G. Ribeiro Ferlante São Paulo 2010 Ouvidoria A Ouvidoria é um canal de comunicação entre a organização e seus clientes internos e externos, visando o estreitamento

Leia mais

Portal dos Convênios. Um novo modelo para gestão das Transferências Voluntárias da União. SLTI/MP Brasília, ago/2008

Portal dos Convênios. Um novo modelo para gestão das Transferências Voluntárias da União. SLTI/MP Brasília, ago/2008 Portal dos Convênios Um novo modelo para gestão das Transferências Voluntárias da União SLTI/MP Brasília, ago/2008 Roteiro da apresentação Histórico Distribuição das Transferências Voluntárias O novo Sistema

Leia mais

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS

Imprensa Eletrônica. Caderno 02: CONTAS PÚBLICAS Neste veiculo podem ser lidos todos os atos oficiais do Prefeitura de Conceição do Almeida-BA ano vi edição extraordinária Documento assinado digitalmente conforme MP no- 2.200-2 de 24/08/2001, que institui

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO.

TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. TERCEIRIZAÇÃO, OUTSOURCING, INFRAESTRUTURA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS E SITES, AUDITORIAS E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. OneIT A gente trabalha para o seu crescimento. Rua Bento Barbosa, n 155, Chácara Santo

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO FINANCEIRA I CICLO DE APERFEIÇOAMENTO EM GESTÃO FINANCEIRA O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO Prof. Ariel Lopes Torres E-mail: ariel@unemat.br CÁCERES

Leia mais

Os Tribunais de Contas e a Lei de Acesso à Informação. Conselheiro Antonio Joaquim Presidente da ATRICON

Os Tribunais de Contas e a Lei de Acesso à Informação. Conselheiro Antonio Joaquim Presidente da ATRICON Os Tribunais de Contas e a Lei de Acesso à Informação Conselheiro Antonio Joaquim Presidente da ATRICON O que é a ATRICON 20 anos de fundação Representa conselheiros e auditores substitutos de conselheiros

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL

RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL RELATÓRIO ANUAL SOBRE A APLICAÇÃO DA LEI DE ACESSO À INFORMAÇÃO NO SENADO FEDERAL Brasília 2013 SUMÁRIO MOTIVAÇÃO DO RELATÓRIO... 3 INTRODUÇÃO... 3 INICIATIVAS DO SENADO FEDERAL PARA ADEQUAÇÃO À LEI DE

Leia mais

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente

Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Minuta de Lei para criação do Sistema Municipal do Meio Ambiente Faço saber que a Câmara Municipal de, Estado de Goiás, decreta e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: Art. 1.º - Esta lei, com

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO Nº 01/2013 PREÂMBULO

EDITAL DE CHAMAMENTO Nº 01/2013 PREÂMBULO EDITAL DE CHAMAMENTO Nº 01/2013 PREÂMBULO A Confederação Nacional de Municípios faz saber que por ordem de seu Presidente, a quem possa interessar, que realizará através do presente chamamento público,

Leia mais

SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124

SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 1 12 SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 12 Em 2013, o registro de dados no

Leia mais

Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório.

Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório. Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório. Fique atento aos procedimentos e prazos estabelecidos pela Lei para declaração de despesas com saúde. art certificado digital-siops-10,5x29,7.indd

Leia mais

PROGRAMA SEFIN-M BAHIA EDUCACIONAL

PROGRAMA SEFIN-M BAHIA EDUCACIONAL 1 Lauro de Freitas, 16 de setembro de 2010 Ofício circular nº 5/10 Prezado (a) Secretário (a) de Finanças/Fazenda Temos a satisfação de apresentar e recomendar o Programa de Capacitação e Aperfeiçoamento

Leia mais

irtualização de Processos Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática DO PODER JUDICIÁRIO ALAGOANO

irtualização de Processos Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática DO PODER JUDICIÁRIO ALAGOANO Compreendendo o Processo Eletrônico na Prática Apresentação O Tribunal de Justiça do Estado de Alagoas, diante dos avanços tecnológicos e das vantagens do processo eletrônico, resolveu implantar em todas

Leia mais

Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira

Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira Trabalhando em conjunto com os municípios pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira CONHECENDO O FNDE O FNDE é uma Autarquia Federal vinculada ao Ministério da Educação. Sua missão é prestar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

Política Nacional de Participação Social

Política Nacional de Participação Social Política Nacional de Participação Social Apresentação Esta cartilha é uma iniciativa da Secretaria-Geral da Presidência da República para difundir os conceitos e diretrizes da participação social estabelecidos

Leia mais

TRANSPARÊNCIA MUNICIPAL

TRANSPARÊNCIA MUNICIPAL TRANSPARÊNCIA MUNICIPAL ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM RORAIMA Janeiro, Fevereiro e Março de François E. J. de Bremaeker Salvador, janeiro de Transparência Municipal 2 A ONG TRANSPARÊNCIA MUNICIPAL é uma

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

O acesso a informações públicas será assegurado mediante:

O acesso a informações públicas será assegurado mediante: SIMRECI Sistema de Relacionamento com o Cidadão O SIMRECI é um programa de computador que oferece ferramentas para a gestão do relacionamento com o cidadão e, especialmente garante ao poder público atender

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

CERTIFICADO DE FILIAÇÃO

CERTIFICADO DE FILIAÇÃO CERTIFICADO DE FILIAÇÃO Processo de Certificação do Observatório Social 1 É papel do OSB zelar pela marca Observatório Social. Assim, o OSB conduz anualmente um processo de certificação das organizações

Leia mais

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 002/2012, DE 06 DE NOVEMBRO DE 2012. Versão nº 01 Aprovação em: 06/11/2012 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 56/2012 Unidade Responsável: Departamento de Tecnologia da Informação

Leia mais

TERMO DE CREDENCIAMENTO N.º 514/2014

TERMO DE CREDENCIAMENTO N.º 514/2014 TERMO DE CREDENCIAMENTO N.º 514/2014 Termo de credenciamento para contratação de instituições financeiras oficiais com agência estabelecida no território do Município de Não-Me-Toque para prestação de

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

Capacitações em Gestão Documental

Capacitações em Gestão Documental Capacitações em Gestão Documental Responde por este documento: Blenda de Campos Rodrigues, Dra. Sócia diretora da Anima Ensino Mídia e Conhecimento blenda.campos@animaensino.com.br 48.2107.2722 Conteúdo

Leia mais

OS CARTÓRIOS VÃO ACABAR

OS CARTÓRIOS VÃO ACABAR VOCÊ SEMPRE OUVIU DIZER QUE... OS CARTÓRIOS VÃO ACABAR O QUE VOCÊ VAI FAZER A RESPEITO? QUAL O FUTURO DOS REGISTROS PÚBLICOS O QUE QUEREMOS? A QUEM INTERESSA? COMO FAZER? CRISE OPORTUNIDADE Lei nº 11.977,

Leia mais

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara

E S T A D O D O M A T O G R O S S O Prefeitura Municipal de Jaciara INSTRUÇÃO NORMATIVA SJU SISTEMA JURÍDICO N.º 001/2011 Versão: 001/2011 Aprovação em: 28/11/2011 Ato de aprovação: Decreto nº. 2995/2011. Unidade Responsável: Sistema Jurídico I - FINALIDADE: Representar

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CG ICP-BRASIL COMITÊ GESTOR DA ICP-BRASIL

TERMO DE REFERÊNCIA CG ICP-BRASIL COMITÊ GESTOR DA ICP-BRASIL Presidência da República Casa Civil da Presidência da República TERMO DE REFERÊNCIA CG ICP-BRASIL COMITÊ GESTOR DA ICP-BRASIL 1 1. Introdução O Comitê Gestor da ICP-Brasil (CG ICP-Brasil) é a entidade

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 016/2013

NOTA TÉCNICA Nº 016/2013 NOTA TÉCNICA Nº 016/2013 Brasília, 3 de maio de 2013. ÁREA: Educação TÍTULO: Prestação de contas na Educação. REFERÊNCIA(S): Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Lei Complementar nº 101,

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA. Prestação de Serviços de Treinamento para Atendimento a Usuários de TIC

TERMO DE REFERENCIA. Prestação de Serviços de Treinamento para Atendimento a Usuários de TIC TERMO DE REFERENCIA Prestação de Serviços de Treinamento para Atendimento a Usuários de TIC 1. OBJETO Contratação de empresa para prestação de serviço(s) de treinamento para os servidores da área de atendimento

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Serviço Público Estadual GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Agricultura e Pecuária COMISSÃO DE PREGÃO BANCO MUNDIAL - BIRD

Serviço Público Estadual GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Agricultura e Pecuária COMISSÃO DE PREGÃO BANCO MUNDIAL - BIRD BANCO MUNDIAL - BIRD PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS RIO RURAL EDITAL DO PREGÃO ELETRÔNICO N.º 019/2013 PROCESSO N.º E-02/001/00583/2013 ANEXO I - TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Diretoria de Tecnologia da Informação Central de Relacionamento com o Instituto Rui Barbosa CR-IRB

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Diretoria de Tecnologia da Informação Central de Relacionamento com o Instituto Rui Barbosa CR-IRB Manual Central de Relacionamento com o Instituto Rui Barbosa CR- IRB. A Central de Relacionamento com o TCE é um sistema web. Devem ser utilizados os navegadores de Internet Explorer versão mínima 9 Google

Leia mais

Câmara de Vereadores de Piracicaba Setor de Informática Dezembro/2015

Câmara de Vereadores de Piracicaba Setor de Informática Dezembro/2015 Seja bem vindo ao novo Portal da Transparência da Câmara de Vereadores de Piracicaba. Este manual lhe auxiliará a navegar pelo site, acessando diversas informações a respeito do Poder Legislativo Piracicabano.

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE TÉCNICAS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCT SP

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE TÉCNICAS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCT SP NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE TÉCNICAS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCT SP O Papel e a Missão do CFC: (1) No processo de adoção, no Brasil, do paradigma científico para a Contabilidade Aplicada ao

Leia mais

OUVIDORIAS JUDICIÁRIAS

OUVIDORIAS JUDICIÁRIAS OUVIDORIAS JUDICIÁRIAS 1. Origem e Histórico Proponho, de início, uma breve exposição da origem e do histórico da criação das Ouvidorias no mundo e no Brasil, onde se verifica rápida expansão nas instituições

Leia mais

Conheça o Sistema Piloto Technologies.:

Conheça o Sistema Piloto Technologies.: Conheça o Sistema Piloto Technologies.: Para atender a legislação da NF-e definida pelas Secretarias de Fazendas dos Estados, apresentamos a solução da PILOTO TECHNOLOGIES, que atende de forma completa

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU?

1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU? Atualizado: 17 / 09 / 2013 - FAQ - AI 1. Diário Oficial da União (DOU) 1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU?

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS:

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: Diário Oficial do Município de Guanambi - Bahia Poder Executivo Ano VII Nº 1047 10 de Novembro de 2015 RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: LEIS LEI Nº 1008 DE PORTARIAS PORTARIA

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 018/2013

NOTA TÉCNICA Nº 018/2013 NOTA TÉCNICA Nº 018/2013 Brasília, 09 de maio de 2013. ÁREA: Finanças TÍTULO: Certificado Digital e a Importância para os Municípios. REFERÊNCIA(S): Cartilha SIOPS; Comunicado CGSN/SE nº 3, de 10 de março

Leia mais

1. REQUISITOS DO SOLICITANTE

1. REQUISITOS DO SOLICITANTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL Nº 023/PRPGP/UFSM, DE 29 DE ABRIL DE 2015 Programa Especial de Incentivo às Revistas Científicas

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS TERMO DE ADESÃO Leia com atenção: Ao aceitar o presente termo de adesão no site de cadastro - o que representa sua assinatura eletrônica, ou seja, tem a mesma validade jurídica de uma assinatura num documento

Leia mais

SOLUÇÕES FISCAIS PARA O VAREJO

SOLUÇÕES FISCAIS PARA O VAREJO SOLUÇÕES FISCAIS PARA O VAREJO SAT-CF-e e NFC-e Palestra Sindilojas São Paulo 17/03/2015 Agenda I SAT-CF-e Motivação do projeto Modelo de funcionamento e características do SAT Mudanças na legislação Pontos

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ESTUDOS E PESQUISAS SOBRE DESATRES CEPED/RS CURSO DE EXTENSÃO

Leia mais

MANUAL PORTAL ACADÊMICO

MANUAL PORTAL ACADÊMICO MANUAL PORTAL ACADÊMICO Sumário Sumário... 2 1. Apresentação... 3 2. Navegação no site da Escola do Legislativo... 4 3. Ministrante... 6 3.1.Cadastro de ministrante... 6 3.2. Preencher os campos... 7 3.3

Leia mais

No nosso encontro de hoje abordaremos um assunto que tem visitado bastante os editais de concursos, a Conta Única do Tesouro Nacional.

No nosso encontro de hoje abordaremos um assunto que tem visitado bastante os editais de concursos, a Conta Única do Tesouro Nacional. Conta Única do Tesouro Nacional Caro amigo estudante! No nosso encontro de hoje abordaremos um assunto que tem visitado bastante os editais de concursos, a Conta Única do Tesouro Nacional. Esse tema é

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25/2007 Dispõe sobre a entrega, o envio e a disponibilização dos dados e das informações em meio informatizado, que os responsáveis pelos órgãos ou entidades da administração direta

Leia mais

Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS

Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS RESOLUÇÃO Nº 14, DE 15 MAIO DE 2014 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades ou organizações de Assistência Social, bem como dos serviços,

Leia mais

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da 1 SUGESTÕES PARA UMA POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO COMITÊ DE POLÍTICAS DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO (CPCOM), REUNIÃO DE 30 DE MARÇO DE 2011 Redesenhado a partir da Constituição

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O SUS X EDIÇÃO ANO

PRÊMIO DE INCENTIVO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA PARA O SUS X EDIÇÃO ANO 1 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA EM SAÚDE COORDENAÇÃO-GERAL DE LICITAÇÕES E CONTRATOS DE INSUMOS ESTRATÉGICOS PARA SAÚDE EDITAL DE CONCURSO Nº 01/2011 PRÊMIO DE INCENTIVO

Leia mais

OUVIDORIA 27/07/2015

OUVIDORIA 27/07/2015 1. Apresentação Este Procedimento tem por objetivo normatizar o processo de Ouvidoria da Junior Achievement Rio Grande do Sul. 2. Introdução A condição de Organização Social atribuída à Junior Achievement

Leia mais

RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008

RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO CD/FNDE Nº 24 DE 04 DE JUNHO DE 2008 Estabelece orientações e diretrizes para o apoio financeiro às

Leia mais

Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes

Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes Centro de Informática e Automação do Estado de Santa Catarina Você pode não perceber, mas nós estamos sempre presentes Missão Marco Legal Atuação do CIASC Sistemas Data Center Rede Governo Responsabilidade

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania A União dos Vereadores do Estado de São Paulo UVESP, desde 1977 (há 38 anos) promove parceria com o Poder Legislativo para torná-lo cada vez mais forte, através de várias ações de capacitação e auxílio

Leia mais

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas

Realizar pesquisas de satisfação da comunidade frente aos serviços prestados e torná-las públicas PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE GESTÃO PÚBLICA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: Que em 2020 Santa Maria seja um município que preste Serviços de Qualidade a seus cidadãos, com base

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA REALIZAR A AUTOMATIZAÇÃO DA ANÁLISE DOS PROCESSOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ. SUMÁRIO Objetivo da contratação...2

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA DO SISP SERVIÇOS DE CONSULTORIA EIXO TEMÁCO: GOVERNANÇA DE Implantação de Metodologia de Elaborar e implantar uma metodologia de gerenciamento de projetos no órgão solicitante, com a finalidade de inserir as melhores

Leia mais

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1

Autoridade Certificadora CAIXA Pessoa Física CONTRATO DE ASSINANTE A1 TERMO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CERTIFICAÇÃO DIGITAL que entre si fazem, de um lado, como contratada a CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, Empresa Pública de Direito Privado, inscrita no CNPJ/MF sob

Leia mais

ÍNDICE. Manual do COMPRASNET Versão 1 Jan/2002 2

ÍNDICE. Manual do COMPRASNET Versão 1 Jan/2002 2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Navegando pela área de livre acesso...4 3. Navegando pela área de ACESSO SEGURO...6 A. Instalando o Certificado de Segurança...6 B. Fazendo Cadastramento nos Serviços

Leia mais