UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES - A VEZ DO MESTRE CURSO GESTÃO ESTRATÉGICA EM VENDAS E NEGOCIAÇÃO MARKETING DE RELACIONAMENTO REVERSO FOCO NO FORNECEDOR:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES - A VEZ DO MESTRE CURSO GESTÃO ESTRATÉGICA EM VENDAS E NEGOCIAÇÃO MARKETING DE RELACIONAMENTO REVERSO FOCO NO FORNECEDOR:"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES - A VEZ DO MESTRE CURSO GESTÃO ESTRATÉGICA EM VENDAS E NEGOCIAÇÃO MARKETING DE RELACIONAMENTO REVERSO FOCO NO FORNECEDOR: CASO PROFARMA Deise Lucia Machado da Silva Universidade Cândido Mendes Rio de Janeiro

2 2 UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES - A VEZ DO MESTRE CURSO GESTÃO ESTRATÉGICA EM VENDAS E NEGOCIAÇÃO Deise Lucia Machado da Silva Aprovada em: Grau final: Orientador: André Cunha Grau: Avaliador 1: Grau: Avaliador 2: Grau:

3 3 AGRADECIMENTOS Agradeço a todos os professores sem exceção, pois são figuras extremamente importantes para o crescimento de um profissional. Agradeço também aos meus colegas de turma por proporcionar uma troca de experiências significantes para nosso aprendizado. Agradeço principalmente a minha mãe e meu marido.

4 4 EPÍGRAFE O poder nasce do querer. Sempre que o homem aplicar a veemência e perseverante energia de sua alma a um fim, vencerá os obstáculos, e, se não atingir o alvo fará, pelo menos, coisas admiráveis. Dale Carnegie

5 5 RESUMO O objetivo deste trabalho é compreender de forma clara e concisa, através de pesquisas bibliográficas e estudo de caso em que consiste o Marketing de relacionamento no âmbito do Marketing corporativo. O Marketing relacional tem um papel importante e decisivo no ambiente corporativo, pois em um mundo altamente competitivo, as questões relacionais agregam valor ao produto ou serviço ofertado, que é bastante percebido pelo cliente empresarial. Através de um melhor entendimento do comportamento do consumidor empresarial e principalmente do ramo de distribuição, pode-se estruturar estratégias, unindo forças com os fornecedores, e assim, oferecer bens alinhados à necessidade do cliente organizacional. Essa união, compreendida por fornecedor e empresa, chama-se aliança corporativa. E a valorização do cliente desta empresa se chama cumplicidade corporativa. Portanto, no que diz respeito ao mundo do Marketing industrial, a negociação e decisões de compra, dependerão do nível de relacionamento que a empresa tem com seus fornecedores e consequentemente com seus clientes.

6 6 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO CAPÍTULO I 1 - MARKETING DE RELACIONAMENTO Conceito de Marketing de Relacionamento Evolução do relacionamento com o cliente O valor do cliente: como atrair, satisfazer e reter clientes Conceito e objetivos do CRM Customer Relashionship Management 21 CAPÍTULO II 2 - MARKETING INDUSTRIAL Conceitos Fundamentais de Marketing Industrial Comportamento do comprador empresarial Segmentação de mercado empresarial Vendas corporativas CRM corporativo CAPÍTULO III 3 - CASE: DISTRIBUIDORA DE MEDICAMENTOS PROFARMA... 36

7 7 3.1 História da Profarma Mix de Marketing Preço Praça Produto Promoção Pessoas Responsabilidade Social Relacionamento corporativo Eventos Service Mix Serviço exclusivo para clientes Marketing de Relacionamento voltado para fornecedor III CONCLUSÃO IV REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS V REFERÊNCIAS ELETRÔNICAS... 50

8 8 SUMÁRIO DE FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS 1. FIGURAS Figura 1. Evolução do relacionamento com cliente Figura 2. Inversão de valores Figura 3. Escala da lealdade Figura 4. Rede de Relacionamento Corporativo RRC Figura 5. Evolução do CRM no Brasil Figura 6. Variáveis de análise em compra e venda empresarial Figura 7. Conceito de CRM Figura 8. Área de atuação da Profarma Figura 9. Edições Superação QUADRO Quadro 1. Princípios do marketing transacional e do marketing 15 relacional... Quadro 2. Níveis de marketing de relacionamento Quadro 3. Diferenças entre bens de consumo e bens e serviços 25 industriais... Quadro 4. Principais variáveis de segmentação para o mercado 30 empresarial... Quadro 5. Matriz dos perfis de comportamento Quadro 6. Formação do banco de dados... 45

9 9 I - INTRODUÇÃO Frente a um mercado altamente competitivo, em que a concorrência cresce não só em mercados tradicionais, mas também em novos modelos de negócio, cada vez mais os produtos e serviços se tornam iguais e a parceria entre a indústria e o varejo ganha força no mercado, definindo juntas estratégias de atuação. O Marketing de Relacionamento desenvolve um ponto muito importante, não só na retenção de clientes como também no relacionamento com fornecedores. Parceria neste campo decide bons negócios e cria um diferencial competitivo percebido pelo mercado. A globalização, ou seja, abertura de novos mercados tem provocado uma nova consciência no ambiente de consumo. Consumidores mais informados, com gostos diversificados, adquirindo novas expectativas, determinando novos perfis de consumo. Clientes são bombardeados por produtos similares e mais baratos, e empresas passam a olhar para o mercado de consumo de fora para dentro, internalizando a realidade de que sua sobrevivência depende da qualidade do relacionamento prestado ao seu cliente. Então, formata-se um modelo de serviço ou produto, que seja compatível com as aspirações do mercado. O Marketing de Relacionamento entra definindo o fornecedor como aliado e o cliente como cúmplice. Esta concepção é o diferencial competitivo adquirido através de um conjunto formado por fornecedor e empresa e orientado pelo marketing. A contribuição que este estudo poderá dar à empresa, será de agregar valores aos produtos ou serviços, tornando-a mais competitiva e, conseqüentemente, aumentando sua longevidade no mercado. Através do estudo de caso da distribuidora de medicamentos PROFARMA, serão expostas, as práticas do Marketing Relacional no Marketing Industrial. Será realizada uma

10 10 detalhada análise sobre as atuais atividades voltadas para o Marketing de Relacionamento adotado pela PROFARMA. Sua visão perante o fornecedor e sua percepção perante o cliente. E, ainda, será estruturada a forma de atuação estratégica onde o fornecedor passa ter a mesma importância para a empresa como seu cliente tem, ou seja, a forma de atuação do Marketing Relacional, tornando-se um elo entre o fornecedor, distribuidor e o cliente. A monografia apresentada utilizou pesquisa bibliográfica, assim como, pesquisas internas, realizada na empresa PROFARMA. E está dividida em três partes. O capítulo I, define o que é Marketing de Relacionamento, seu objetivo, sua evolução, apresenta a ferramenta que agrega na gestão do CRM Customer Relashionship Management, ou seja, database Marketing, conceitos e objetivos do próprio CRM, o novo call center, a formação de valor para o cliente, o processo com que o e-commerce tangibiliza a atuação do Marketing de Relacionamento via internet, Marketing Relacional no mundo corporativo.

11 11 CAPÍTULO I MARKETING DE RELACIONAMENTO Este capítulo, proporciona o entendimento da evolução do Marketing de Relacionamento, que se iniciou através do Marketing Direto até o CRM, ferramenta de gestão do Marketing de relacionamento. Compreendem também as estratégias de atrair, manter e fidelizar os clientes. 1.1 Conceito de Marketing de Relacionamento. Segundo MADRUGA (2004), a baixa eficiência do marketing convencional na atuação de mercado fez surgir uma expressão de Marketing de Relacionamento. Sua formação foi provocada por duas vertentes, o Marketing Industrial e o marketing de serviço. O Marketing Industrial contribuiu para o fortalecimento das alianças com empresas e fornecedores, cujo objetivo final é de proporcionar uma maior satisfação para consumidor. Em ambiente de mercado B2B, o Marketing de Relacionamento é inevitável e indispensável, como em todos os ambientes de negócio. Já o marketing de serviço contribuiu para a concretização do relacionamento, pois propunha interação com o consumidor. Apesar de ser um assunto novo, está entre os conteúdos essenciais do mundo de negócios de hoje, pois agrega um diferencial capaz de aproximar as empresas dos clientes, de posicionar uma empresa em liderança de mercado e até retornar com uma maior rentabilidade para a empresa. Segundo HUNT Apud MADRUGA (2004), o Marketing de Relacionamento corresponde a qualquer movimento de marketing, capaz de buscar a interação, efetivação e perpetuação das transações relacionais. O Marketing Relacional envolve esferas que vão além do atendimento ao cliente externos e internos. Marketing de Relacionamento é o processo de atrair, realçar e intensificar o relacionamento com clientes finais, intermediários, fornecedores, parceiros entidades governamentais e não governamentais, através de uma

12 12 visão de longo prazo na qual há benefícios mútuos. MADRUGA (2004: 20) GORDON Apud MADRUGA (2004), defende que Marketing de Relacionamento é promover a solidificação dos relacionamentos comerciais que estão além de consumidores diretos. Para MADRUGA (2004: 36), fazer Marketing de Relacionamento entre empresas está se tornando algo indispensável e a venda consultiva tradicional B2B deverá ser alterada nos próximos anos para ser baseada na cadeia de valores dos clientes. Ainda para ele, Marketing Relacional deve estar presente em todas as áreas da empresa. Desde o inicio da compra da matéria-prima, passando pela venda do produto ou serviço e indo até mesmo à contabilidade deste consumo. KOTLER & ARMSTRONG, (2004: 474), afirmam que Marketing de Relacionamento é a capacidade de criar, manter e aprimorar fontes de relacionamento com os clientes e outros interessados. Ainda segundo KOTLER (2005: 50), a chave do Marketing de Relacionamento é desenvolver um alto nível de patrimônio de clientes. O maior bem que a empresa possa ter é o patrimônio de clientes, seja interno, seja externo. São três os impulsionadores do patrimônio do cliente, o valor, marca e o relacionamento. Todos com foco direcionado para o consumidor. Para KOTLER (2005: 50), O relacionamento é responsável pelo tempo de permanência que o consumidor se intera com a marca. Um dos propulsores do relacionamento com o cliente é o programa de fidelidade, tratamento e reconhecimentos especiais, programa de construção de comunidade e programa de construção de conhecimento. O resultado positivo adquirido com essa filosofia é quando o consumidor passa a obter um hábito de compra com seu respectivo fornecedor. MADRUGA (2004), alerta para alguns cuidados na gestão do Marketing Relacional: A concretização de um bom negócio não depende tão somente do Marketing de Relacionamento. Depende de um conjunto de diversos tipos de marketing harmoniosamente equilibrados entre si. Marketing de Relacionamento integrado. Todos participam desta ação, do porteiro ao presidente, não é um ato isolado. Cuidar do cliente é uma responsabilidade de todos. A entrega do pedido é de responsabilidade da logística. O foco é o cliente, e tem que estar no objetivo de toda a empresa.

13 13 Não usar o marketing de aprisionamento. Algumas empresas fazem contratos para fazer com que seu cliente fique aprisionado aturando sua oferta de serviços por um ano, dois anos. Isso não é Marketing de Relacionamento. Não adianta usar o Marketing de Relacionamento para exercer o marketing de aprisionamento, o consumidor percebe a diferença. Ainda para MADRUGA (2004), o Marketing de Relacionamento deve ter uma comunicação orientada para o indivíduo e não para a massa. A comunicação em massa não pode resolver tudo. Um indivíduo é diferente do outro. De que forma uma empresa que preconiza o atendimento em massa pode falar a linguagem de cada um de seus clientes? Para MADIA (1999), Marketing de Relacionamento é aftermarketing. Ele afirma que essa expressão se trata de incansáveis tentativas de acionar, tornar sensível, surpreender e fidelizar clientes. Alguns p s foram incluídos devido ao aumento de seu grau de importância. Providers, ou seja, fornecedores, passam a tem uma importância vital para os negócios de uma empresa. Fornecedor unindo forças com a empresa consegue juntos encarar a competitividade no mercado de forma mais atuante e agressiva. O post place passa a ser vital. (MADIA 1999;57). O post place é uma expressão de pós-venda ou ação feita após a saída do cliente da loja. Ainda para MADIA (1999), há tempos, as empresas tinham como responsabilidade nas ofertas oferecida aos clientes, quando o consumidor iniciava e terminava sua compra, ou seja, o momento em que o cliente permanecia no estabelecimento. Com o Marketing de Relacionamento, conceitos como pós-venda, tornaram essenciais para a realização eficaz do Marketing Relacional. Pós-venda é uma das ferramentas do Marketing de Relacionamento, cujo objetivo central é se manter responsável até o momento subseqüente à compra. Ainda para MADRUGA (2004: 147), o recurso primordial para o CRM são as pessoas. São elas que estão na linha de frente, tornando accessível a realização do Marketing Relacional. Para KOTLER (2005), a sobrevivência da empresa depende da forma com que cada departamento se envolve e se preocupa com a excelência no atendimento disponibilizado aos seus clientes. E para isto, a empresa precisa estar orientada para fazer a gestão de cinco fatores importantes no negócio central.

14 14 Esses fatores representam à gestão da cadeia de valor defendida por PORTER apud KOTLER (2005:45), que enfatiza que "a cadeia de valor é como uma ferramenta para identificar meios de criar mais valor para o cliente. Entender o mercado: Disseminar para os demais departamentos, as informações vindas desse mercado, com a finalidade de estruturar planos de ações condizentes às necessidades detectadas. Oferecer algo novo: Oferecer novas ofertas de produtos ou serviços detectadas através de pesquisas e desenvolvimentos, disponibilizando uma oferta de qualidade, custos baixos em tempo hábil. Prospecção de novos clientes: Adquirir novos clientes à medida que novos mercados alvos e novas culturas consumistas forem surgindo. Gestão de relacionamentos: Fazer a gestão do Marketing de Relacionamento de forma que todos os envolvidos no atendimento ao cliente, possam ofertar e compreender o que o ele deseja. Gestão de pedidos: Promover a gestão de pedidos, de forma que os envolvidos possam manter a qualidade e a eficiência na entrega do pedido. Qualidade esta, exigida pelo cliente e garantida no ato da venda Evolução do relacionamento com o cliente Figura 1 Evolução do relacionamento com cliente Fonte: MADRUGA (2004: 75) O Marketing Direto representa o inicio do relacionamento. Visa a atender consumidores ativos ou em potenciais. É o primeiro passo para se fazer Marketing de Relacionamento à distância. O Marketing Direto, o DBM e o Call center, que nada mais é do que uma central de atendimento ao cliente, foram precursores do Marketing Relacional e do CRM moderno.

15 15 O Marketing Direto, segundo MADRUGA (2004: 77), não utiliza intermediação de terceiros e presume a resposta direta de clientes despertados no decurso de campanhas de mala direta, telemarketing, entre outros. Existem tantas diferenças entre se fazer marketing baseado na transação e marketing baseado em relacionamento, que este foi chamado de novo paradigma relacional. O Paradigma transacional vem perdendo força ao longo do tempo mediante a intensa e agressiva competitividade, aumento da tecnologia, um maior acesso às informações, à igualdade de produtos ofertados, entre outros. O Marketing Direto é responsável por essa mudança, pois está modificando os tratos relacionais com consumidores e agregando na formação do paradigma relacional. Quadro 1 Princípios do marketing transacional e do Marketing de Relacional Fonte: MADRUGA (2004, p.39). BRETZKE (2000: 39), diz que o telemarketing desempenha um papel fundamental na estratégia de CRM, pois é o principal canal de comunicação bidirecional com os clientes. Call center, é um meio de comunicação capaz de proporcionar um elo de ligação entre a empresa e os clientes. Tem como finalidade, ouvir e providenciar resoluções sobre suas reclamações. O marketing direto tem crescido em proporções consideráveis. Tanto o tradicional marketing direto, seja por telefone, mala-direta, ou outros meios, quanto o marketing on line que apresenta uma explosão em seu crescimento. Isso vem comprovar que a agilidade no atendimento, a redução de tempos de espera em filas nas caixas, fez com que o consumidor procurasse maior comodidade efetivando suas compras em casa.

16 16 Para MADIA (1999), há décadas atrás, quase todas as cidades eram pequenas. E eram abastecidas através de mercearias, armazéns, feiras, caixeiros-viajantes, entre outros meios. Os donos de mercearias sabiam o nome, endereço e gostos de todos os seus fregueses. Com o crescimento das cidades e o aumento populacional, os donos de mercearias, transformaram-se em donos de mercados e, conseqüentemente, já não conseguiam mais memorizar os dados de sua vasta clientela. Surge, então, a necessidade de se implantar um banco de dados capaz de memorizar todas as informações necessárias para a gestão do negócio. Segundo MADRUGA (2004), a consciência no mundo de negócio está se modificando. Antes, era custo direcionar recursos para áreas que mantinham comunicação com o cliente. Hoje, essa mentalidade está mudando, as empresas passaram a enxergar que a venda consultiva, CRM e Marketing de Relacionamento, marketing direto, call center, database e Marketing, treinamento das equipes e integração dos canais de contato e vendas (MADRUGA 2004: 40), são pontos fundamentais para a busca incessante da satisfação do cliente. MACKENNA (1997), sugere a invenção de concepções, onde antes o cliente se encontrava em último nível na escala hierárquica e agora passa a ser o primeiro nível dessa escala. A orientação de negócio passa a se modificar diante dessa nova concepção. Para ele, à medida que o cliente passa a ser o foco da empresa ele passa a tê-la como referência. Figura 2 Inversão de valores Fonte: KOTLER (2004: 45) KOTLER (2005), detecta em seus estudos, que empresas vêm sofrendo mutações ao longo dos anos. Mutações estas focadas com as modificações de hábitos de consumo. Empresas mudando de missões, filosofias e percepções de mercado. Agora é o cliente é quem determina o que, como, quanto, onde e de que forma ele irá consumir. Em tempos

17 17 atrás, as empresas determinavam que produtos elas fossem ofertar aos seus clientes, era do fordismo. Hoje, é o cliente quem determina que produto a empresa vá produzir para atender suas necessidades, era do marketing para o século XXI. Então, também neste nível, entra o Marketing de Relacionamento, que irá auxiliar na formação de elos relacionais capazes de descobrir de forma clara a necessidade real de seus clientes. Antes, as transações no mundo corporativo tinham como objetivo a lucratividade a qualquer preço. Agora quem não estiver orientado para o Marketing de Relacionamentos lucrativos ao longo prazo, pode perder sua vitalidade. A participação de mercado não é mais a briga pela competitividade e sim, a participação do bolso do cliente. As empresas têm deixado de obter lucro sobre cada venda para obter lucro por meio da gestão do valor do cliente ao longo do tempo. (KOTLER: 2005: 19) O valor do cliente: Como atrair, satisfazer e reter clientes. O que é valor para o cliente? Assim começa KOTLER (2005), a destrinchar o assunto. Para o cliente, o valor entregue, nada mais é de que um resultado positivo de uma série de pesos e medidas que é colocado em sua análise. Na verdade, é o resultado entre valor total e custo total para ele. O valor total ofertado representa um conjunto de fatores que pesam na hora de decidir por uma compra. Como questões de valor de imagem, valor pessoal, serviço ofertado, valor do próprio produto entre outros tipos de valores que o consumidor analisa na hora de decidir por uma compra. Já o custo total, representa o quanto irá custar para o consumidor efetivar a compra daquele produto. Essa análise de custo inclui custo monetário, tempo, energia física, custo psíquico, entre outros. Ainda segundo KOTLER (2005), a satisfação para o cliente, é quando ele percebe que o que ele esperava foi cumprido, ou seja, que suas aspirações foram atendidas. Neste momento ele percebe o valor da marca, mais ainda não deposita uma total fidelidade. Já o momento em que as expectativas são superadas, que o consumidor encontra-se absolutamente surpreso, é o encantamento. Quando neste nível chega um atendimento, o cliente se declara totalmente à marca e ainda cria um compromisso de proliferar o excelente atendimento recebido.

18 18 Figura 3 Escada da lealdade Fonte: BRETZKE (2000: 97) Para KRAMES (2003), uma empresa deve segmentar seu negócio por cliente, o que pode vir a proporcionar maiores entendimentos entre ambas as partes. Defende ainda, que o sucesso do relacionamento com o cliente, depende da freqüência e do nível de contato com ele, ou seja, sem intermediário. Assim, é importante que o gestor de contas passe mais de 50% de seu tempo no cliente, disponibilize um canal de comunicação de fácil acesso e ainda promova visitas nas instalações da empresa, capaz de oferecer aos seus clientes, um melhor entendimento do negócio que ele está consumindo. Segundo o DELL apud JEFFREY (2003: 65), a empresa como um todo tem responsabilidade para com o atendimento ao cliente. Deve se organizar em prol da satisfação de seus clientes, através de ações para atingi-lo. Para isso, chegamos cada vez mais perto de nossos fornecedores e clientes. KOTLER & ARMSTRONG (2003: 475), diz que o segredo para a conquista de relacionamento duradouro com cliente, é a questão do valor por ele percebido. A empresa entrega valor e um grau de satisfação para os clientes, que entregam fidelidade à empresa. Clientes fieis tem maior probabilidade de dar a empresa uma participação maior de sua preferência. Ainda para eles, a entrega de valor nada mais é do que um conjunto de vantagens competitivas que a empresa busca não só em seu próprio negócio, como também, junto aos seus fornecedores, distribuidores e clientes, ou seja, na cadeia de valores. O valor para o cliente está associado à diferença efetivada entre o custo total e o valor entregue para o cliente. O valor por ele percebido representa a soma de valores que vão desde a marca,

19 19 qualidade, garantia, durabilidade, melhor atendimento, prazo de entrega, manutenção, entre outros. Para GITOMER (2005), quando um cliente chega a ponto de fazer uma reclamação, e quando esta é sanada de forma eficiente, as chances de mantê-lo fiel são maiores, pois quando ele reclama é por que ele quer que as ações sejam tomadas, a fim de melhorar o atendimento. Quando o cliente não reclama, este simplesmente parte vai embora e ainda prolifera informação negativa sobre a empresa que não atendeu suas expectativas. Para ele, a missão de toda a empresa deve estar focada em manter o cliente satisfeito e feliz. O autor ainda recomenda alguns passos para lidar com as reclamações de seus clientes para evitar sua perda: saiba ouvir, faça perguntas para compreender melhor o problema, coloque-se no lugar dele, ratifique o registro de suas reclamações, garanta que irá resolver pessoalmente seu problema, não culpe ninguém, seja eficiente e rápido, diga o que pretende fazer. MADRUGA (2004: 191). O problema está em não se preparar para o futuro, cujo grau de competitividade será muito maior que o atual. No caso de empresas cujo foco principal é o cliente, percebe-se algumas diferenças gritantes. Elas estão mais preparadas para ouvir e detectar as necessidades e o comportamento de consumo de seus clientes, que não mais compram um produto ou serviço e sim compram valor, ou seja, esperam que elas agreguem mérito a suas vidas, que o vendedor cuide de tudo para que possam consumir o produto com segurança. Figura 4 Rede de Relacionamento Corporativos RRC Fonte: MADRUGA (2004: 192)

20 20 MADRUGA (2204), diz que cliente para uma empresa não deve ser entendido apenas por um individuo que compra seus bens, sejam eles tangíveis ou intangíveis, ou até mesmo ambos. Uma empresa deve construir uma Rede de Relacionamentos Corporativos, o chamado RRC. Que é composto por clientes, entidades, fornecedores e colaboradores. Uma perceptível cadeia de valor depende de um homogêneo RRC. Atrair novos clientes, para BRETZKE (2000), pode custar cinco vezes mais do que manter um cliente já existente. O custo pode ser reduzido se houver uma melhor administração do tempo de cada vendedor, se utilizar televendas para prospectar novos clientes e usar de programas de atração de novos consumidores. KOTLER (2004:72), indica cinco pontos de relacionamento com o cliente: Básico : Não há uma preocupação enfática com o relacionamento com o cliente e sim uma preocupação em ofertar um produto que realmente o seu cliente necessita. Normalmente a empresa tem um foco para atender a massa e sua margem não é confortável para investir em qualquer ação de Marketing de Relacionamento, pois poderá impactar fortemente em seus custos e seu negócio; Reativo : A empresa coloca à disposição do cliente, um canal de comunicação para que o cliente possa entrar em contato, efetuar uma reclamação, dar uma sugestão e tirar dúvidas; Responsável : É uma ação de Marketing de Relacionamento mais efetiva, onde a empresa efetua pesquisa para identificar o nível de satisfação de seus clientes. Existe uma preocupação de um pré, durante e pós-venda; Pro-ativo : A empresa oferece serviço e produtos customizados, organiza sistema de comunicação com seu cliente, fazendo com que o mesmo entre em contato com maior freqüência, participando de eventos gratuitos ou pagos. Neste caso a posição do vendedor é oferecer um prestação de serviço consultiva e não transacional e Parceria : Está alem do proativo, agrega verdadeiramente um valor percebido pelo cliente. Neste nível, a empresa trabalha em parceria com outras empresas. É mais comum no mundo do Marketing Industrial, ou seja, entre empresas. As duas empresas se unem a fim de alcançar uma melhor satisfação para ambos;

21 21 Quadro 2 Níveis de Marketing de Relacionamento Muitos Clientes/distribuidores Quantidade média de clientes / distribuidores Poucos clientes / distribuidores Margem alta Margem média Margem baixa Responsável Reativo Básico ou Reativo Pró-ativo Responsável Reativo Parceiro Pró-ativo Responsável Fonte: KOTLER (2004: 73) Conceito e objetivos do CRM Customer Relashionship Management Segundo GARBER (2001), no século passado, o relacionamento entre fornecedor e cliente se dava de uma forma muito próxima. O fornecedor guardava em sua memória o comportamento de consumo de cada um de seus clientes, suas preferências. Para MADRUGA (2004: 104), CRM deixou de ser um sistema de relacionamento com o cliente e passou a ser comentado no meio empresarial como estratégia, visão, orientação para o cliente. O CRM originou-se através do conjunto de ferramentas capazes de auxiliar o marketing na integração de consumo, além de surgir através do desenvolvimento tecnológico responsável pelas ligações departamentais da empresa. Esses sistemas têm o nome de Enterprise Resoure Planing ERP. MADRUGA (2004), acrescenta que as iniciativas para aprimorar as ligações relacionais com o cliente, iniciou-se nos anos 80. Porém, a intensificação do CRM no Brasil, deu-se por volta de 1995 e desde então, cresce na proporção de dois pontos. Embora o ERP seja muito parecido com o CRM, eles possuem focos diferenciados um dos outros. O ERP, concentra-se em organizar, controlar e administrar o fluxo de informações departamentais, ou seja, o ERP atua na parte interna da empresa. Enquanto que o CRM faz integração entre a parte externa e a interna. Funciona como um elo que integra movimentos consumistas e tendências modistas, com gerenciamento de negócios da empresa. O CRM faz um rastreamento de informação capaz de direcionar uma atuação de negócio personalizada, cujo objetivo de aumentar os laços relacionais.

22 22 Figura 5 Evolução do CRM no Brasil Fonte: MADRUGA (2004: 107) CRM é um sistema integrado de gestão com foco no cliente, constituído por um conjunto de procedimentos/processos organizados e integrados num modelo de gestão de negócios. O software que auxilia e apóia esta gestão é normalmente denominado sistema de CRM. O seu objetivo principal é auxiliar as organizações a angariar e fidelizar clientes, procurando atingir a sua satisfação total, através do melhor entendimento de suas necessidades e expectativas e formação de uma visão global dos ambientes de marketing. Disponível em Wikipédia: Acesso em: BRETZKE: (2000: 23), acrescenta que o DBM, data base Marketing, é o sistema de banco de dados com os arquivos dos clientes e recursos para tratar estatisticamente essas informações, para conhecer e predizer o comportamento dos mesmos. Para ela, a transformação tecnológica vem modificando a forma de administrar negócios. Assim como, o aumento da competitividade esta fazendo com que as organizações se voltem para o cliente, o desenvolvimento tecnológico disponibiliza ferramentas para as decisões estratégicas. Com a intenção de desenvolver diferencial competitivo percebível por seus clientes, as empresas se concentram ainda mais em oferecer valores agregados em busca da lealdade de seus clientes. Ainda segundo BRETZKE (2000: 35), quando as empresas se orientam para o cliente e buscam armazenar em seu data base Marketing informações relevantes sob os aspectos mais profundos de seus clientes, elas adquirem vantagens competitivas. São elas: Cliente passa a fazer parte integrante do desenvolvimento de novos produtos ou serviços. O que proporciona maior probabilidade de sucesso.

23 23 A personalização do serviço ou produto, oferecendo ofertas individualizadas, proporciona uma redução nos custos, pois foram os clientes que ajudaram a desenvolver. Possibilidade de insucesso é quase zero. Canal de integração permanente com o consumidor. O que possibilita uma atualização e monitoramento, capaz de sustentar sólidas transações relacionais. Transforma produto em serviço e serviço em produto, criando um valor superior o para o cliente, conquistando e mantendo uma posição competitiva francamente favorável. (BRETZKE: 2000: 35). A gestão do relacionamento com o cliente usa os eventos com a finalidade de gerar novos negócios, fidelizar e evitar que o cliente troque. Esses eventos, referem-se ao FRVC, que são variáveis de monitoramento do desempenho do cliente relacionadas à Freqüência, Recência, Valor e Categoria de produtos comprados. (BRETZKE: 2000: 117). Nesta gestão, ocorre um estudo da freqüência de compra que determinará a periodicidade em que o cliente será contactado e também irá traçar o perfil de consumo. Em um dado momento o data base Marketing, detectará que um cliente, cuja freqüência de consumo é quinzenal e a recência está maior, precisa ser prioridade para o telemarmarketing ativo. O data base Marketing pode efetuar uma gestão para auxiliar no desenvolvimento dos macroeventos, que são na verdade, oportunidades de buscar a fidelização e a lealdade de seus clientes. Esses macroeventos, são ocasiões como: aniversário, filhos, mudança de endereço, entre outros.

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS.

COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. COMÉRCIO E DISTRIBUIÇÃO DE ALIMENTOS. A Rio Quality existe com o objetivo de proporcionar a total satisfação dos clientes e contribuir para o sucesso de todos. Essa integração se dá através do investimento

Leia mais

CRM. Customer Relationship Management

CRM. Customer Relationship Management CRM Customer Relationship Management CRM Uma estratégia de negócio para gerenciar e otimizar o relacionamento com o cliente a longo prazo Mercado CRM Uma ferramenta de CRM é um conjunto de processos e

Leia mais

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2

Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo Silvério POLIDORIO 2 COMO QUEBRAR PARADIGMAS SEM CAUSAR UM IMPACTO NEGATIVO NO PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO, CRM E DBM EMPRESARIAL: UM ESTUDO DE CASO Laudinei Rossi Barbatto JUNIOR 1 Gilson Rodrigo

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o

No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o DATABASE MARKETING No mundo atual, globalizado e competitivo, as organizações têm buscado cada vez mais, meios de se destacar no mercado. Uma estratégia para o empresário obter sucesso em seu negócio é

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO

CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL DA EMPRESA: PROTEÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO Resende, J.M.; Nascimento Filho, W.G.; Costa S.R.R. INEAGRO/UFRuralRJ INTRODUÇÃO O patrimônio de uma empresa é formado por ativos tangíveis

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 1. Comercial e Marketing 1.1 Neurovendas Objetivo: Entender

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04

Gestão. Práticas. Editorial. Geovanne. Acesse online: 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) 03 e 04 Práticas de Gestão Editorial Geovanne. 02 01. Indicador de motivo de não venda 02. DRE (demonstração dos resultados do exercício) Como faço isso? Acesse online: 03 e 04 www. No inicio da década de 90 os

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM)

Sistemas de Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente (Customer Relationship Management CRM) CRM Definição De um modo muito resumido, pode definir-se CRM como sendo uma estratégia de negócio que visa identificar, fazer crescer, e manter um relacionamento lucrativo e de longo prazo com os clientes.

Leia mais

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto

Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento. Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto Estratégia De Diferenciação Competitiva Através Do Marketing De Relacionamento Profa. Dra. Maria Isabel Franco Barretto CURRÍCULO DO PROFESSOR Administradora com mestrado e doutorado em engenharia de produção

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA

A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA A RELAÇÃO ENTRE A MOTIVAÇÃO E A ROTATIVIDADE DE FUNCIONÁRIOS EM UMA EMPRESA Elaine Schweitzer Graduanda do Curso de Hotelaria Faculdades Integradas ASSESC RESUMO Em tempos de globalização, a troca de informações

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

AULA 07. Tecnologia hoje nas empresas. Prof. André Luiz Silva de Moraes

AULA 07. Tecnologia hoje nas empresas. Prof. André Luiz Silva de Moraes 1 AULA 07 Tecnologia hoje nas empresas 2 Função de um gerente? Tomar decisões e definir políticas baseadas na informação a partir de dados gerados no seu trabalho diário Problema? Quantidade de dados Solução?

Leia mais

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM

Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Gestão de Relacionamento com o Cliente CRM Fábio Pires 1, Wyllian Fressatti 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil pires_fabin@hotmail.com wyllian@unipar.br RESUMO. O projeto destaca-se

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS

Sistemas de Apoio. Prof.: Luiz Mandelli Neto. Sistemas de Apoio. ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Sistemas de Apoio Prof.: Luiz Mandelli Neto Sistemas de Apoio ERP (Enterprise Resource Planning) PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS Mapa de TI da cadeia de suprimentos Estratégia Planejamento Operação

Leia mais

Mensagem do presidente

Mensagem do presidente Mensagem do presidente A giroflex-forma está em um novo momento. Renovada, focada em resultados e nas pessoas, ágil e mais competitiva no mercado de assentos e de mobiliário corporativo. Representando

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios...

Abra. e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... Abra e conheça as oportunidades de fazer bons negócios... anos Chegou a hora de crescer! Conte com a Todescredi e faça bons negócios. Há 5 anos, iniciavam as operações daquela que se tornou a única financeira

Leia mais

Módulo 4 O que é CRM?

Módulo 4 O que é CRM? Módulo 4 O que é CRM? Todos nós já sabemos a importância de manter os clientes fiéis e a qualidade do atendimento que temos que oferecer para fidelizar cada vez mais os clientes. Atualmente, uma das principais

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros

Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros Copel s experience with the implementation of CRM / A Experiência da Copel na Implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros A experiência da Copel na implantação do CRM Leny Iara Vasem Medeiros COPEL Projeto

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Obtendo resultados reais através do CRM

Obtendo resultados reais através do CRM Porque investir em CRM? Aresposta é simples: Seus clientes consideram o foco da empresa no consumidor como prérequisito, não como diferencial. Eles esperam poder negociar com você quando, onde e como quiserem.

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE MARKETING DE RELACIONAMENTO E CRM

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE MARKETING DE RELACIONAMENTO E CRM Sumário Introdução, 1 1 MARKETING DE RELACIONAMENTO: ONDE TUDO COMEÇOU, 5 Afinal de contas, o que é marketing de relacionamento?, 6 O marketing é popular. Alguém duvida disso?, 7 As seis funções do marketing

Leia mais

Portfolio de cursos TSP2

Portfolio de cursos TSP2 2013 Portfolio de cursos TSP2 J. Purcino TSP2 Treinamentos e Sistemas de Performance 01/07/2013 Como encantar e fidelizar clientes Visa mostrar aos participantes a importância do conhecimento do cliente,

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Mónica Montenegro António Jorge Costa

Mónica Montenegro António Jorge Costa Mónica Montenegro António Jorge Costa INTRODUÇÃO... 4 REFERÊNCIAS... 5 1. ENQUADRAMENTO... 8 1.1 O sector do comércio em Portugal... 8 2. QUALIDADE, COMPETITIVIDADE E MELHORES PRÁTICAS NO COMÉRCIO... 15

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Ana Luiza Collares Xavier JULIA FERRAZ DUAYER Thalita Gaspar Telles Light Serviços de

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial.

visão, missão e visão valores corporativos Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. visão, missão e valores corporativos visão Ser uma empresa siderúrgica internacional, de classe mundial. MISSÃO O Grupo Gerdau é uma Organização empresarial focada em siderurgia, com a missão de satisfazer

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

http://www.wikiconsultoria.com.br/100-motivos-implantar-crm/

http://www.wikiconsultoria.com.br/100-motivos-implantar-crm/ Continuando a série 100 motivo para implantar um CRM, veremos agora motivos referentes a BackOffice de CRM. Se você não tem a primeira parte da nossa apresentação, com os primeiros 15 motivos para implantar

Leia mais

Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial

Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial Cap 11: Gestão do Processo de Vendas e Monitoramento da Equipe Comercial AGRODISTRIBUIDOR: O Futuro da Distribuição de Insumos no Brasil. São Paulo: Atlas, 2011. Org: Matheus Alberto Cônsoli, Lucas Sciencia

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística CONCEITOS O nome Supply Chain, cujo termo têm sido utilizado em nosso país como Cadeia de Suprimentos, vem sendo erroneamente considerado como

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Gestão estratégica em finanças

Gestão estratégica em finanças Gestão estratégica em finanças Resulta Consultoria Empresarial Gestão de custos e maximização de resultados A nova realidade do mercado tem feito com que as empresas contratem serviços especializados pelo

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

CRM CRM. Marketing. Marketing. Vendas. Vendas. CRM Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente

CRM CRM. Marketing. Marketing. Vendas. Vendas. CRM Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente Customer Relationship Management Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente O mundo passou por profundas e importantes transformações, sobretudo nos últimos cinco anos, impulsionadas pelo crescimento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação

E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação Capítulo 2 E-business: Como as Empresas Usam os Sistemas de Informação 2.1 2007 by Prentice Hall OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever as principais características das empresas que são importantes

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado Plano de Direcionamento Conhecimento de Mercado Conhecimento de Mercado É necessário conhecer o mercado para que sejam desenvolvidos produtos que atendam as necessidades e expectativas dos clientes. Segmentação

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

Como fazer marketing de relacionamento

Como fazer marketing de relacionamento Como fazer marketing de relacionamento O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma

Leia mais

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing)

Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Faturamento personalizado (Customer Engaged Billing) Transforme suas comunicações mais lidas em participações multicanais altamente direcionadas que reduzem custos, aumentam a satisfação do cliente e geram

Leia mais

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas

Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas edição 04 Guia do inbound marketing Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Como a automação de marketing pode aumentar suas vendas Há um tempo atrás o departamento de marketing era conhecido

Leia mais

ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00)

ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00) 3 ABRIL ATENDIMENTO AO CLIENTE - 15H (R$ 90,00) DATA: 06 a 10/04/2015 HORÁRIO: 19h às 22h CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Bem tratado ou bem atendido? Momentos da verdade das empresas O perfil do profissional de

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento

Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Conceito de Marketing Considerações Preliminares Atendimento Metodologia de Ensino 1) Noções de Marketing 2) Marketing de Serviço 3) Marketing de Relacionamento 1 2 1) Noções de Marketing 3 4 5 6 www.lacconcursos.com.br

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

MARKETING DE RELACIONAMENTO

MARKETING DE RELACIONAMENTO MARKETING DE RELACIONAMENTO 1 O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Marketing 4ª Série Gestão do Relacionamento com os Consumidores A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensino-aprendizagem desenvolvido por

Leia mais