SOME - VIP Solução de Medição de Energia em Vias Públicas para Blindagem da Receita

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOME - VIP Solução de Medição de Energia em Vias Públicas para Blindagem da Receita"

Transcrição

1 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG SOME - VIP Solução de Medição de Energia em Vias Públicas para Blindagem da Receita Ricardo Zimmer NANSEN Instrumentos de Precisão S.A. Ronaldo Ferreira de Sousa SENERGY Sistemas de Medição S.A RESUMO Um dos maiores fatores que influenciam a queda de receita das empresas distribuidoras de energia elétrica no Brasil é a perda global de energia. Definida como a diferença verificada entre a energia requerida pelo sistema elétrico e a energia realmente faturada, as perdas globais possuem duas componentes: a perda técnica (efeito Joule, corrente de fuga, etc) e a perda comercial (fraude, erro de leitura do medidor, etc). Associadas ao baixo nível de automação e integração dos sistemas de medição atuais, estas tem se tornado alvo constante de empresas fornecedoras de tecnologia no que se refere ao desenvolvimento de mecanismos que combatam esse grave problema do setor. É neste contexto que é apresentada a Solução de Medição de Energia em Vias Públicas SOME-VIP, um Sistema Inteligente de Tele-medição, Tele-controle e Tele-supervisão capaz de prover a exteriorização da medição de unidades consumidoras atendidas em baixa tensão e fornecer, além das funções básicas (leitura de consumo, gestão do corte/religamento, balanço energético, monitoramento de fraudes, gerenciamento de demanda, tarifa diferenciada, pré-pagamento, etc), a integração P2B (Production to Business) com os Sistemas Corporativos de ERP e CRM utilizando as melhores práticas de EAI Enterprise Application Integration, como forma eficiente de Proteção e Blindagem da Receita. PALAVRAS-CHAVE Perdas Técnicas, Perdas Comerciais, Medição de Energia, Medição Exteriorizada, Tele-medição. 1/10

2 1. INTRODUÇÃO Segundo Francisco 1 (FRANCISCO, 2001), em 2001 a Coelba contabilizou perdas comerciais na ordem de R$ ,00, sendo observadas ligações clandestinas. A Celpe 2 em 2001 apresentou um faturamento de R$ ,00 e perdas globais de 19,4%, o equivalente a R$ ,00. No ano de 2000, a ABRADEE 3 apresentou um índice de perdas globais nos sistemas de MT e BT de algumas empresas do setor, entre elas a Celesc (7,78%), Cemig (7,81%) e Light (10,73%). Posto este cenário, é então proposta uma solução de hardware e software chamada SOME- VIP capaz de minimizar essas perdas. A Solução de Medição de Energia em Vias Públicas SOME-VIP é concebida como um Sistema de Automação Inteligente para Tele-medição, Tele-controle e Tele-supervisão de unidades consumidoras atendidas em baixa tensão (individuais ou coletivas) sendo composta de: Centro de Operação da Medição com interface para os Sistemas Corporativos (Sistema de Faturamento, Sistema de Geo-processamento, Sistemas de Corte e Religamento, COD, CRM); Concentrador SOME-VIP para exteriorização da medição; Sua aplicação está fortemente relacionada à Blindagem da Receita, ou seja, permitir à Distribuidora reduzir suas perdas técnicas e comerciais por meio de um sistema de medição centralizada de energia com os medidores eletrônicos instalados externamente a unidade consumidora em concentradores nos diversos circuitos secundários de distribuição trafegando as informações de medição e controle de forma bidirecional entre esses circuitos e a Distribuidora. Figura 1: Arquitetura 1 da solução SOME-VIP 4 2/10

3 Figura 2: Arquitetura 2 da solução SOME-VIP 4 As principais características que o sistema provém são: Leitura automatizada de dados de medição de unidades consumidoras utilizando tecnologia de comunicação wireless (RF, GPRS, Satélite, Wi-Max, Wi-Fi, ZigBee) ou Power Line Carrier (PLC); Capacidade de realização de corte e religa de energia da unidade consumidora comandado pelo Centro de Operação da Medição via interface Web; Integração com os Sistemas Corporativos, principalmente com o faturamento; Balanço energético com medição individualizada na saída dos transformadores; Endereçamento eletrônico individualizado por Concentrador SOME-VIP e por módulo de medição do consumidor; Proteção contra abertura indevida da tampa do concentrador; Detecção de superposição de fases para impedir o religamento não autorizado de unidades consumidoras cortadas, evitando assim o curto-circuito; Medição de Energia Ativa e Reativa; Registro de demanda máxima com data e hora por posto horário; Opção de receber dados de display remoto localizado na unidade consumidora; Capacidade de realização de pré-pagamento; 3/10

4 2. COMPOSIÇÃO DO SISTEMA 2.1. Centro de Operação da Medição O software do Centro de Operação da Medição foi desenvolvido utilizando as recomendações oriundas da tecnologia J2EE, servidor de aplicação JBOSS o qual prove serviços XML, correio eletrônico, servidor WEB, possuindo os seguintes requisitos: Escalabilidade vertical e independência de Sistema Operacional: pode operar em diversas plataformas de Sistema Operacional tais como LINUX, Windows XP, Windows 2000 Server, Solaris, etc; Escalabilidade Horizontal: o sistema dispõe da capacidade de distribuição de carga de processamento entre vários servidores que estejam provendo o mesmo serviço sem que ocorra, assim, a necessidade da alteração da plataforma operacional; EIA Enterprise Integration Application: possibilidade de integração com sistemas legados através da utilização de ferramentas de integração do tipo open source. Figura 2 - Arquitetura do Servidor de Aplicação do Centro de Operação da Medição 5 Figura 3 Modelo de aplicação do J2EE 5 Seguindo a arquitetura de objetos distribuídos, o software é constituído de três camadas: camada de apresentação (Presentation Tier), camada de lógica de negócios (Business Tier) e a camada de banco de dados (BackEnd Tier). A camada de apresentação (Presentation Tier) é provida via servidor de páginas WEB que assim que são inicializadas procuram pelos serviços adequados às suas necessidades 4/10

5 na camada de lógica de negócios (Business Tier). A camada de negócios centraliza toda a lógica de processamento das regras de negócios e reside no servidor de aplicações. Todo o acesso ao servidor de banco de dados (BackEnd Tier) é feito pelo servidor de aplicações. Figura 3 Arquitetura de aplicação multi-tier 4 Nesta arquitetura não há restrições para o número ou tipo de clientes que podem estar ativos em um determinado instante, podendo inclusive haver várias instâncias de um mesmo cliente funcionando concorrentemente. Servidores não ativos poderão existir na situação de reservas, os quais se tornaram ativos após uma eventual falha ou queda do servidor principal. Figura 4 Estrutura de software do Centro de Operação da Medição 4 O Centro de Operação da Medição portanto pode ser entendido como toda a infra-estrutura que disponibiliza as informações relativas ao perfil de carga dos clientes, hábitos, tendências, solicitações as quais estão organizadas para apoiarem as áreas de operação, planejamento, comercial, marketing e engenharia das Concessionárias e usuários de intensivos não só de eletricidade, como água e gás também. 5/10

6 O Centro de Operação da Medição disponibiliza um único front end para o usuário mesmo que sua infra-estrutura esteja baseada em diversos sub-sistemas, remotas, medidores, meios de comunicação, permitindo também: Gerenciamento e compartilhamento de grande volume de dados; Disponibilidade 24x7; Modularização e reutilização; Ambiente multi-protocolo; Emissão de relatórios e análise gráfica. Figura 5 Visão do Centro de Operação da Medição Multi-utility Concentrador SOME-VIP para exteriorização da medição O Concentrador SOME-VIP é um dispositivo eletro-eletrônico composto de: Módulo Inteligente de Processamento de Dados; Unidade de Comunicação Remota; Módulo de Medição (medidor eletrônico de energia); Relés de Corte e Religamento. 6/10

7 É instalado nos postes dos circuitos secundários para fornecimento de energia em clientes monofásicos, bifásicos e trifásicos com classificação residencial, comercial ou industrial. Os Concentradores SOME-VIP permitem a alocação de medidores monofásicos de energia em número variável típico entre 5 (cinco) e 16 (dezesseis) com seus respectivos módulos de corte e dispositivos de proteção geral. Existem dois modelos de SOME-VIP: o primário e o secundário. O primário, com maior complexidade de processamento e conectividade, é responsável por concentrar as informações provenientes dos SOME-VIP secundários e transmiti-las ao Centro de Operação da Medição. Figura 6 Estrutura do Concentrador SOME-VIP 4 O SOME-VIP possui também as seguintes características: Dispositivo contra abertura indevida da tampa, desconectando todos os clientes associados à mesma; Ponto de fixação ao poste sem a necessidade de utilizar qualquer tipo de ferramenta especial; Temperatura de operação entre 0 e 70ºC; Grau de proteção IP55; Dimensões: 600 x 550 x 250 mm (altura x largura x profundidade). A comunicação de dados entre os Concentradores SOME-VIP Primários (mestres) e os Secundários (escravos) e entre estes e o Centro de Operação da Medição é realizada pela Unidade de Comunicação Remota através das seguintes tecnologias: Via PLC (Power Line Carrier) pela rede de baixa tensão; Rádio freqüência (Wi-Fi, Wi-Max, ZigBee, GPRS ou similar); Via PLC (Power Line Carrier) pela rede de média tensão; 7/10

8 O Módulo Inteligente de Processamento de Dados é quem é responsável pelas funções de: Leitura automatizada de dados de medição de unidades consumidoras; Inteligência de operação do Corte e religa de energia da unidade; Balanço energético com medição individualizada na saída dos transformadores; Registro de demanda máxima com data e hora por posto horário; Monitoramento de fraudes; Gerenciamento de demanda, tarifa diferenciada e pré-pagamento; Geração de alarmes espontâneos e sua análise; Previsão de consumo e demanda; Asset Management (Gerenciamento de medidores); O Módulo de medição (medidor eletrônico de energia ativa e reativa) e o Relé de corte e religamento, comandados por meio de canal de comunicação full-duplex pela Unidade Inteligente de Processamento de Dados, são responsáveis pela leitura de consumo e corte/religa da unidade consumidora. Mecanicamente unidos, estes são conectados via socket ao barramento de alimentação do gabinete mecânico do SOME-VIP. No invólucro do equipamento também há um disjuntor para proteção do conjunto além de um micro-switch para detecção de abertura do painel. O equipamento é habilitado para o serviço de pré-pagamento para o qual é necessário contar com um display remoto para que os clientes possam verificar seu consumo de energia e créditos disponíveis. Figura 7 Concentrador SOME-VIP e sua instalação típica 4 8/10

9 Figura 8 Solução SOME-VIP 4 3. CONCLUSÕES Em decorrência dos trabalhos anteriormente desenvolvidos pelas Distribuidoras com estes tipos de sistemas, destacando-se entre elas Eletropaulo 5 e, estas empresas alcançaram um alto grau de conhecimento dos problemas envolvidos, o qual pode ser sumarizado da seguinte forma: O mercado oferece soluções comerciais para tele-medição, análise de perdas, controle de demanda, PLC, etc.; Soluções com baixo grau de integração com outros sistemas existentes com demandas funcionais da Concessionária; Elevado custo de implantação e conseqüente limitação de escalabilidade. No sentido de contornar os problemas conhecidos e endereçar corretamente as necessidades das empresas, o foco neste momento é a redução no curto prazo das perdas comerciais através de uma solução integrada que atenda às diversas demandas funcionais da companhia e que compartilhe ao máximo a infra-estrutura física (preferencialmente a rede elétrica por meio do uso de PLC), agregando valor tecnológico aos processos em vigor. A solução apresentada neste artigo baseia-se portanto em três conceitos importantes no âmbito de sistemas de combate a perdas comerciais de energia elétrica e Blindagem da Receita: Exteriorização de Medidores, Conectividade (PLC ou Wireless) e Centro de Operação da Medição. A exteriorização de medidores procura combater a fraude na medida em que parte das ações irregulares ocorre no ramal de consumidor ou no medidor de energia instalado em edificação sobre seu domínio. A forma de combate consiste em se retirar o medidor de dentro das instalações do consumidor, passando-o para o poste (sob domínio da Concessionária) e fornecendo, via ramal de consumidor, energia já medida. 9/10

10 4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1 FRANCISCO, L. Folha Dinheiro. Jornal Folha de São Paulo, 01 de Fevereiro de JDP. Caderno de Economia. Jornal Diário de Pernambuco, 29 de Abril de ABRADEE. Memória da eletricidade. Disponível em: Acesso em: 25 de Outubro de SENERGY DCO PC 004/06 Sistema de Medição Centralizada. Belo Horizonte, Minas Gerais, Fevereiro de Java 2 Platform, Enterprise Edition (J2EE) Overview: Disponível em: Acesso em: 12 de Abril de CONCERT Technologies DOP RS 004/04 SMC Sistema de Medição Centralizada Especificação de Requisitos. Belo Horizonte, Minas Gerais, 20 de Abril de /10

Redes Inteligentes. Como passo inicial do Conceito Smart Grid. Belo Horizonte - 11/08/2010

Redes Inteligentes. Como passo inicial do Conceito Smart Grid. Belo Horizonte - 11/08/2010 Redes Inteligentes Como passo inicial do Conceito Smart Grid Belo Horizonte - 11/08/2010 A Rede Elétrica ONS Mercado De Energia NOSSO FOCO Geração Geração renovável Armazenamento Rede de Distribuição Negócio

Leia mais

Sistemas Eletrônicos S.A.

Sistemas Eletrônicos S.A. Sistemas Eletrônicos S.A. Institucional ELO Empresa de Capital 100% Brasileiro; Estabelecida em 1980; Engenharia de Desenvolvimento Própria; Desenvolvimento e Produção de Dispositivos de Medição Eletrônica

Leia mais

Estado da Arte: Desenvolvimento Tecnoló gico e Experiê ncias Recentes. Apresentação. Waldecy dos Santos Rocha

Estado da Arte: Desenvolvimento Tecnoló gico e Experiê ncias Recentes. Apresentação. Waldecy dos Santos Rocha Estado da Arte: Desenvolvimento Tecnoló gico e Experiê ncias Recentes Palestrantes: C é lio Gonç alves J ú nior Waldecy dos Santos Rocha Apresentação Situação Tecnologias de Comunicação Segmentos de Mercado

Leia mais

Medição Concentrada de Baixo Custo para Sistemas de Distribuição de Baixa Tensão

Medição Concentrada de Baixo Custo para Sistemas de Distribuição de Baixa Tensão XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Medição Concentrada de Baixo Custo para Sistemas de Distribuição de Baixa Tensão

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE POWER NA CEMAR

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE POWER NA CEMAR APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE POWER NA CEMAR Este case apresenta a aplicação da solução Elipse Power para automatizar a distribuição de energia elétrica realizada por um total de 35 subestações da Companhia

Leia mais

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA

SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA SISTEMAS DE MEDIÇÃO CENTRALIZADA Estado da arte Aplicações atuais Perspectivas Landulfo Mosqueira Alvarenga Consultor Técnico Diretoria de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação CEPEL 1 Seminário Internacional

Leia mais

Gerenciador de energia HX-600

Gerenciador de energia HX-600 26 Gerenciador de energia HX-600 Solução WEB Energy O Gerenciador HX-600 possui tecnologia de ponta em sistemas de controle de demanda e fator de potência. Trata-se de um equipamento com design moderno

Leia mais

35º FDB - A Energia Elétrica no Brasil. Tecnologias de transmissão e distribuição SMART GRID

35º FDB - A Energia Elétrica no Brasil. Tecnologias de transmissão e distribuição SMART GRID 35º FDB - A Energia Elétrica no Brasil Tecnologias de transmissão e distribuição SMART GRID Smart Grid: Visão Tecnológica Redes de Sensores Medidores Eletrônico Redes de Comunicação Centros de Controle

Leia mais

Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth

Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth Bose, R.C. 1 ; Kolm, D. 1 ; Paim, F. 1 ; Caetano,C.D.C. 2 ; Garbelotto,L.A. 2 ; Moraes, R. 1 1 - Engenharia Elétrica

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema de Identificação e Combate à Fraude de Consumo na Eletropaulo

Desenvolvimento de um Sistema de Identificação e Combate à Fraude de Consumo na Eletropaulo Desenvolvimento de um Sistema de Identificação e Combate à Fraude de Consumo na Eletropaulo J. B. OLIVEIRA; E. A. T. DIRANI; W. RICARDO; W. PINHEIRO; L. C. DE CAMPOS; H. S. KAMIA; I. D. TEIXEIRA; D. PORTO;

Leia mais

Ref.: Consulta Pública Solução Educacional

Ref.: Consulta Pública Solução Educacional Belo Horizonte, 11 de junho de 2013 À Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais Rod. Pref. Américo Gianetti, Serra Verde - Prédio Minas, 11º andar 31.630-900 Belo Horizonte Minas Gerais Ref.: Consulta

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Constitui objeto da presente licitação o registro de preços para implantação de sistema de telefonia digital (PABX) baseado em servidor IP, com fornecimento

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

Desenvolvimento de um Sistema de Telemedição de Energia Elétrica com Controle por Demanda e Monitoramento de Faltas em BT

Desenvolvimento de um Sistema de Telemedição de Energia Elétrica com Controle por Demanda e Monitoramento de Faltas em BT XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Desenvolvimento de um Sistema de Telemedição de Energia Elétrica com Controle por

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48

COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 Página 1 de 19 COMUNICADO TÉCNICO Nº 48 ATENDIMENTO DE NOVOS CONSUMIDORES LOCALIZADOS EM ÁREAS DE SISTEMAS SUBTERRÂNEOS DE DISTRIBUIÇÃO Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0 CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0 2011 1 1. APRESENTAÇÃO No momento de sua concepção não haviam informações detalhadas e organizadas sobre os serviços de Tecnologia da

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: LECTRON INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010 EMENTA

Leia mais

SOLUÇÕES DA ELIPSE CONFEREM AGILIDADE À OPERAÇÃO E TOMADA DE DECISÕES NO COD DA ELEKTRO

SOLUÇÕES DA ELIPSE CONFEREM AGILIDADE À OPERAÇÃO E TOMADA DE DECISÕES NO COD DA ELEKTRO SOLUÇÕES DA ELIPSE CONFEREM AGILIDADE À OPERAÇÃO E TOMADA DE DECISÕES NO COD DA ELEKTRO Elipse Power e Elipse Plant Manager auxiliam uma das maiores distribuidoras de energia do Brasil a atender, de forma

Leia mais

Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil

Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Premissas básicas de projetos Foram desenhados

Leia mais

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br

Introdução a Banco de Dados Aula 03. Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Introdução a Banco de Dados Aula 03 Prof. Silvestri www.eduardosilvestri.com.br Arquiteturas de Banco de Dados Arquiteturas de BD - Introdução Atualmente, devem-se considerar alguns aspectos relevantes

Leia mais

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA DA NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT 1/10 CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA

Leia mais

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA

DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO INTELIGENTE DA MEDIÇÃO COMO FERRAMENTA DE CONTROLE DE PERDAS E PROTEÇÃO DA RECEITA MOTIVADORES Níveis elevados de perdas não técnicas das empresas Restrições mais rígidas (ambientais,

Leia mais

SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SISTEMA DE AUTOMONITORAMENTO INDIVIDUALIZADO DE TI s E MÉTODO DE DIAGNÓSTICO PARA SISTEMAS DE MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Luiz Carlos Grillo de Brito Julio César Reis dos Santos CENTRO DE PESQUISAS DE

Leia mais

Projeto em parceria entre as áreas de P&D das distribuidoras do grupo CPFL Energia, CPFL Renováveis e CPFL Serviços.

Projeto em parceria entre as áreas de P&D das distribuidoras do grupo CPFL Energia, CPFL Renováveis e CPFL Serviços. Projeto Tanquinho Projeto em parceria entre as áreas de P&D das distribuidoras do grupo CPFL Energia, CPFL Renováveis e CPFL Serviços. A CPFL Serviços está realizando toda a mão de obra do projeto, em

Leia mais

VISÃO Ser a melhor empresa danossa região em gestão e consultoria em telecomunicações.

VISÃO Ser a melhor empresa danossa região em gestão e consultoria em telecomunicações. kkk A EMPRESA A Ayusso Telecom - Consultoria em Telefonia Corporativa oferece ao mercado um avançado sistema voltado à Gestão contínua de telefonia fixa, móvel e dados. Com experiência a mais de 10 anos

Leia mais

7 DIFERENÇAS ENTRE PABX e PABX IP. Comparativo de recursos e benefícios telefônicos para sua empresa

7 DIFERENÇAS ENTRE PABX e PABX IP. Comparativo de recursos e benefícios telefônicos para sua empresa 7 DIFERENÇAS ENTRE PABX e PABX IP Comparativo de recursos e benefícios telefônicos para sua empresa ÍNDICE Definição de PABX e PABX-IP 1ª - Gravação de Chamadas 2ª - URA 3ª - Fila de Atendimento 4ª - Ramal

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº UNIDADE 1I: SISTEMA COMPITACIONAL Elementos hardware e periféricos Um sistema computacional consiste num conjunto de dispositivos eletrônicos (hardware) capazes de processar informações de acordo com um

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Março/2015 Página 1 de 17 Projuris Enterprise Projuris Enterprise é um sistema 100% Web, com foco na gestão de contencioso por empresas ou firmas

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações:

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações: SUPLEMENTO Nº 02 O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações: 1. A data limite de acolhimento de propostas fica alterada para 19.02.2008. 2. A CLÁUSULA

Leia mais

Projeto IntelliGrid A CEMIG construindo a rede inteligente do futuro

Projeto IntelliGrid A CEMIG construindo a rede inteligente do futuro SMARTGRIDS LATIN AMERICA Santiago, Chile Novembro de 2008 Projeto IntelliGrid A CEMIG construindo a rede inteligente do futuro Arnoldo Magela Morais Superintendência de Engenharia da Distribuição CEMIG

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS

UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS UMA ABORDAGEM DE GERENCIAMENTO REMOTO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA USANDO WEB SERVICES SOBRE TECNOLOGIA GPRS Prof. Roberto A. Dias, Dr. Eng CEFET-SC Igor Thiago Marques Mendonça Reginaldo

Leia mais

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS

ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Tecnológicas CCT Engenharia de Produção e Sistemas Sistemas de Informação (SIN) ORGANIZAÇÕES VIRTUAIS Profº Adalberto J. Tavares Vieira

Leia mais

ARQUITETURAS DOS SISTEMAS DE EMPRESARIAIS (ERP) Arquitetura cliente-servidor Arquitetura aberta

ARQUITETURAS DOS SISTEMAS DE EMPRESARIAIS (ERP) Arquitetura cliente-servidor Arquitetura aberta ARQUITETURAS DOS SISTEMAS DE PLANEJAMENTO DE RECURSOS EMPRESARIAIS (ERP) Arquitetura cliente-servidor Arquitetura aberta Arquitetura cliente-servidor Definição do modelo cliente-servidor O modelo cliente-servidor

Leia mais

Descrição da Solução

Descrição da Solução Descrição da Solução Índice 1 Âmbito... 4 2 Solução... 5 3 Requisitos para instalação... 6 4 Arquitetura... 7 5 Software de Exploração Kisense... 8 5.1 Módulo Explorador de Dados... 8 5.2 Módulo Atuação...

Leia mais

Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil

Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil Luiz Carlos Santini Jr Gerente de Perdas Comerciais Enersul Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL Enersul Empresa Energética de Mato Grosso do Sul Enersul Empresa distribuidora

Leia mais

PHD TR MD 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1.1 CARACTERÍSTICAS BÁSICAS. 1.1.1. Sistema Hot-plug e Hot-Swap de acréscimo ou desligamento de módulos;

PHD TR MD 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1.1 CARACTERÍSTICAS BÁSICAS. 1.1.1. Sistema Hot-plug e Hot-Swap de acréscimo ou desligamento de módulos; PHD TR MD 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 1.1 CARACTERÍSTICAS BÁSICAS 1.1.1. Sistema Hot-plug e Hot-Swap de acréscimo ou desligamento de módulos; 1.1.2. Módulos de potência em formato rack 19, altura 3U; 1.1.3.

Leia mais

Motivos para você ter um servidor

Motivos para você ter um servidor Motivos para você ter um servidor Com a centralização de dados em um servidor, você poderá gerenciar melhor informações comerciais críticas. Você pode proteger seus dados tornando o backup mais fácil.

Leia mais

CONTROLE E RASTREABILIDADE DE SELOS DISTRIBUÍDOS E UTILIZADOS EM MEDIDORES Tema 1.2: Perdas Não Técnicas

CONTROLE E RASTREABILIDADE DE SELOS DISTRIBUÍDOS E UTILIZADOS EM MEDIDORES Tema 1.2: Perdas Não Técnicas COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

SMR - Sistema de Medição Remota

SMR - Sistema de Medição Remota Data da 1 / 12 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. DEFINIÇÕES 4. MÃO-DE-OBRA EMPREGADA 5. EPI S 6. DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA 7. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DOS HIDROMÊTROS 8. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

Palavras-chave: Smart Grid. Eficiência energética. Projetos pilotos. Eletricidade.

Palavras-chave: Smart Grid. Eficiência energética. Projetos pilotos. Eletricidade. IMPLEMENTAÇÃO DE PROJETOS SMART GRID NO BRASIL Marcos Vinicius Nunes Arruda Aluno do IFMT, Campus Cuiabá, voluntário Ruy de Oliveira Prof. Doutor. do IFMT, Campus Cuiabá, orientador Resumo As redes de

Leia mais

GDE4000. Controlador de Demanda

GDE4000. Controlador de Demanda Controlador de Demanda Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

As sete principais práticas recomendadas para a continuidade dos serviços de TI

As sete principais práticas recomendadas para a continuidade dos serviços de TI As sete principais práticas recomendadas para a continuidade dos serviços de TI A quem se destina este documento Líderes organizacionais que influenciam e tomam decisões sobre práticas de continuidade

Leia mais

NECESSIDADE SOLUÇÃO. OPC Client para se comunicar com o PLC do Serviço Auxiliar (OPC Server Kepware);

NECESSIDADE SOLUÇÃO. OPC Client para se comunicar com o PLC do Serviço Auxiliar (OPC Server Kepware); ELIPSE E3 OTIMIZA O CONTROLE DA SUBESTAÇÃO PARAÍSO DA CHESF, REPASSANDO AS INFORMAÇÕES AO CENTRO REMOTO DE OPERAÇÃO LESTE (CROL) E DESTE PARA O OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA (ONS) EM MILISSEGUNDOS Augusto

Leia mais

INOVAÇÃO E VALOR ATRAVÉS DE NOVAS TECNOLOGIAS.

INOVAÇÃO E VALOR ATRAVÉS DE NOVAS TECNOLOGIAS. INOVAÇÃO E VALOR ATRAVÉS DE NOVAS TECNOLOGIAS. Apresentação Corporativa 1 QUEM SOMOS E ONDE ESTAMOS A Dominion é um grupo de empresas de tecnologia criado em 1999, com o principal objetivo de oferecer

Leia mais

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO)

LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) LIGAÇÃO NOVA E AUMENTO DE CARGA PARA UNIDADES CONSUMIDORAS COMPREENDIDAS EM ENTRADAS COLETIVAS EXISTENTES (PADRÃO ANTIGO) Condições de atendimento Diretoria de Distribuição Gerência de Engenharia da Distribuição

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE Introdução O administrador de redes geovanegriesang@ifsul.edu.br www.geovanegriesang.com Gerenciamento de redes Gerenciamento de rede é o ato de iniciar, monitorar e modificar

Leia mais

Visão do Inmetro: O Controle Metrológico Legal

Visão do Inmetro: O Controle Metrológico Legal Painel: Diretrizes Governamentais para o Smart Grid no Brasil Visão do Inmetro: O Controle Metrológico Legal Luiz Carlos Gomes dos Santos Diretor de Metrologia Legal O INMETRO Autarquia do Governo Federal

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

ECM Gerenciamento de Conteúdo Corporativo

ECM Gerenciamento de Conteúdo Corporativo ECM Gerenciamento de Conteúdo Corporativo Jambu Tecnologia Consultoria e Engenharia Ltda www.jambu.com.br - (91) 3224-5440 Responsável Comercial: Marcelo Rocha de Sá - (91) 8882-0319 Soluções abertas em

Leia mais

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA Selma Capanema de Barros (1) Engenheira Eletricista PUC-MG e especialista em Análise de

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01 Prof. André Lucio Competências do modulo Introdução ao sistema operacional Windows Instalação e configuração do sistema

Leia mais

Bancada Didática para Correção do Fator de Potência - XE551 -

Bancada Didática para Correção do Fator de Potência - XE551 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para Correção do Fator de Potência - XE551 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. ELETROTÉCNICA INTRODUÇÃO Bancada

Leia mais

Seu manual do usuário KASPERSKY LAB ADMINISTRATION KIT 8.0 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3741343

Seu manual do usuário KASPERSKY LAB ADMINISTRATION KIT 8.0 http://pt.yourpdfguides.com/dref/3741343 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para KASPERSKY LAB ADMINISTRATION KIT 8.0. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas

Leia mais

Novell ZENworks 10 Asset Management SP2

Novell ZENworks 10 Asset Management SP2 Guia de Introdução do Novell ZENworks 10 Asset Management SP2 10.2 27 de maio de 2009 www.novell.com Guia de Introdução do ZENworks 10 Asset Management Informações Legais A Novell, Inc. não faz representações

Leia mais

Fernando Alvim Diório Coordenador do SGT ABNT Brasil

Fernando Alvim Diório Coordenador do SGT ABNT Brasil Fernando Alvim Diório Coordenador do SGT ABNT Brasil 19 a 21 de outubre de 2009 Hotel Transamérica São Paulo BRASIL PADRÕES PARA PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO. Agenda Histórico Objetivos Aplicações Nova proposta

Leia mais

ANEXO V Edital nº 03508/2008

ANEXO V Edital nº 03508/2008 ANEXO V Edital nº 03508/2008 Projeto de integração das informações de mandado de prisão e processos dos Tribunais Regionais Federais e do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios O objetivo

Leia mais

Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul

Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul Aluísio de Barros Leite Empresa Energética do Mato Grosso do Sul - ENERSUL Brasil Gustavo Castilho Merighi Empresa Energética do Mato Grosso

Leia mais

Visão do Sistema Operacional

Visão do Sistema Operacional Visão do Sistema Operacional programadores e analistas usuários programas, sistemas e aplicativos Usuários Sistema Operacional memória discos Hardware UCP fitas impressoras monitores O que é um Sistema

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 54 NOVA CAIXA DE MEDIÇÃO FABRICADA EM POLICARBONATO PARA LIGAÇÕES INDIVIDUAIS E COLETIVAS

COMUNICADO TÉCNICO Nº 54 NOVA CAIXA DE MEDIÇÃO FABRICADA EM POLICARBONATO PARA LIGAÇÕES INDIVIDUAIS E COLETIVAS COMUNICADO TÉCNICO Nº 54 NOVA CAIXA DE MEDIÇÃO FABRICADA EM POLICARBONATO PARA LIGAÇÕES INDIVIDUAIS E COLETIVAS Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia da Distribuição 1. OBJETIVO

Leia mais

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial

Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Padrões Abertos, Componentização e SOA A chave para a evolução e criação de uma nova geração de sistemas de gestão comercial Sindo V. Dias Antônio C. Mosca Rogério A. Rondini Agenda Cenário do Setor de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA AUTOR MATRÍCULA RUBRICA LEONARDO ALEX COSTA ALVES 14.722-35 VALIDADOR MATRÍCULA RUBRICA ALEX TAKASHI YOKOYAMA 16.

TERMO DE REFERÊNCIA AUTOR MATRÍCULA RUBRICA LEONARDO ALEX COSTA ALVES 14.722-35 VALIDADOR MATRÍCULA RUBRICA ALEX TAKASHI YOKOYAMA 16. TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO DE SISTEMA ININTERRUPTO DE ENERGIA - NO-BREAK, PARA A SUPERINTENDENCIA REGIONAL DO NORTE, PELO SISTEMA DE REGISTRO DE PREÇOS. AUTOR MATRÍCULA RUBRICA LEONARDO ALEX COSTA ALVES

Leia mais

Plano de Negócios. Bruno Menegola Gustavo Führ Jonas Hartmann Rosália Schneider William Gonçalves

Plano de Negócios. Bruno Menegola Gustavo Führ Jonas Hartmann Rosália Schneider William Gonçalves Plano de Negócios Bruno Menegola Gustavo Führ Jonas Hartmann Rosália Schneider William Gonçalves 1 Instituto de Informática Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Caixa Postal 15.064 91.501-970

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010. (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam)

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010. (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam) MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº43/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: General Electric Energy do Brasil Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

Smart Grid pelo preço de AMI

Smart Grid pelo preço de AMI Smart Grid pelo preço de AMI John O Farrell Vice-Presidente Executivo, Desenvolvimento de Negócios Silver Spring Networks California, EUA jofarrell@silverspringnet.com 2008 Silver Spring Networks. All

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

No-Break Monofásico Powerware 5125

No-Break Monofásico Powerware 5125 UNINTERRUPTABLE POWER SYSTEMS NoBreak Monofásico Powerware 5125 Dados Principais do Produto Características Sistema ABM Plus (Gerenciamento Avançado de Baterias), que dobra a vida útil das baterias Saída

Leia mais

SPPA - T3000 Automação para Usinas de Geração de Energia

SPPA - T3000 Automação para Usinas de Geração de Energia Siemens Power Generation 2005. All Rights Reserved SPPA - T3000 Automação para Usinas de Geração de Energia Eder Saizaki - Energy Fossil Instrum. e Elétrica A história do SDCD SIEMENS em Plantas de Geração

Leia mais

José Maria de Macedo. Diretor de Distribuição e Comercialização CEMIG AUTOMAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO. http://www.cemig.com.br

José Maria de Macedo. Diretor de Distribuição e Comercialização CEMIG AUTOMAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO. http://www.cemig.com.br CEMIG AUTOMAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO José Maria de Macedo Diretor de Distribuição e Comercialização Belo Horizonte, Setembro de 2004 http://www.cemig.com.br CEMIG AUTOMAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO!DADOS DA DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Sistema Inteligente de Medição e Distribuição Anti-Fraude

Sistema Inteligente de Medição e Distribuição Anti-Fraude 1 Sistema Inteligente de Medição e Distribuição Anti-Fraude R. Areas, LIGHT; E. D. Vidal, L IGHT, C. Gonçalves Jr, SENERGY, C. Costa, SENERGY e B. L. A. Alberto SENERGY, L. C. Atayde, SENERGY 1 Resumo

Leia mais

PLANEJAMENTO DIREÇÃO ORGANIZAÇÃO UM NOVO CONCEITO EM ERP

PLANEJAMENTO DIREÇÃO ORGANIZAÇÃO UM NOVO CONCEITO EM ERP ORGANIZAÇÃO PLANEJAMENTO DIREÇÃO UM NOVO CONCEITO EM ERP PATROCINADOR OFICIAL Presente nos maiores eventos do setor de Materiais de Construção UM NOVO CONCEITO EM ERP O Sistema GIX é a solução perfeita

Leia mais

UMG 103 Equipamento de medição universal. para montagem em trilho DIN UMG 103

UMG 103 Equipamento de medição universal. para montagem em trilho DIN UMG 103 UMG 103 UMG 103 Equipamento de medição universal para montagem em trilho DIN Os dispositivos de medição universal da família de produtos UMG 103 foram principalmente concebidos para serem utilizados em

Leia mais

Controle de Temperatura de Transformador

Controle de Temperatura de Transformador Controle de Temperatura de Transformador Eng. Vitor Donaduzzi Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS Email: vitordonaduzzi@gmail.com Resumo Este artigo tem o objetivo de apresentar um projeto

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 04 Conceito Sistema de Informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo),

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO

IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DE PEQUENA E MÉDIA PLATAFORMA COM EFICIÊNCIA E BAIXO CUSTO Flávio Luis de Oliveira (flavio@celepar.pr.gov.br) Helio Hamilton Sartorato (helio@celepar.pr.gov.br) Yuri

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

LANÇAMENTO CCK MAIS COMPACTOS;

LANÇAMENTO CCK MAIS COMPACTOS; LANÇAMENTO CCK Em substituição ao CCK 6700, CCK 6700GW, CCK 6800U e CCK 7160, a CCK AUTOMAÇÃO está lançando o CCK 6700E com as mais novas tendências do mercado: MAIS COMPACTOS; MULTIFUNCIONAL Em um único

Leia mais

A TNT Garante a Entrega de 4,4 Milhões de Pacotes por Semana

A TNT Garante a Entrega de 4,4 Milhões de Pacotes por Semana CUSTOMER SUCCESS STORY NOVEMBRO 2010 A TNT Garante a Entrega de 4,4 Milhões de Pacotes por Semana PERFIL DO CLIENTE Sector: Transporte e distribuição Organização: TNT Express Ingressos: Mais de 6.600 milhões

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Sivacon S4. Segurança na sua forma mais elegante: O painel de distribuição de energia para baixa tensão que determina novos padrões.

Sivacon S4. Segurança na sua forma mais elegante: O painel de distribuição de energia para baixa tensão que determina novos padrões. Segurança na sua forma mais elegante: O painel de distribuição de energia para baixa tensão que determina novos padrões. Sivacon S4 Tudo perfeito devido à distribuição de energia de baixa tensão da Siemens.

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Atendimento Sempre Ligado

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Atendimento Sempre Ligado XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Atendimento Sempre Ligado Sidnei Dimas Bortolotti Alex Pitrie Braz Marcos Artur Rolim

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

CA Protection Suites Proteção Total de Dados

CA Protection Suites Proteção Total de Dados CA Protection Suites Proteção Total de Dados CA. Líder mundial em software para Gestão Integrada de TI. CA Protection Suites Antivírus Anti-spyware Backup Migração de dados Os CA Protection Suites oferecem

Leia mais

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Projeto Web Grupo Águas do Brasil Flavia Garcia

17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro. Projeto Web Grupo Águas do Brasil Flavia Garcia 17 a 20 de agosto de 2010, Rio de Janeiro Projeto Web Grupo Águas do Brasil Flavia Garcia Sites Corporativos São a vitrine da sua empresa. É a imagem do seu negócio para o mundo; Clientes e parceiros examinam

Leia mais

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A.

Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. Contrato de Confidencialidade e Autorização para Divulgação de Informações dos Usuários BIVA SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. 1. Quem somos Biva Serviços Financeiros S.A. ( BIVA ) é uma plataforma online de prestação

Leia mais

Aplicações do Sistema Automático de Medição

Aplicações do Sistema Automático de Medição Aplicações do Sistema Automático de Medição Eriberto Alvares, Gerência de Medição & Certificação, Cam Endesa, Brasil Projetos de telemedição implantados no mundo Concessionárias Clientes instalados Países

Leia mais

Ofertas inovadoras que ajudam a construir hoje o Data Center do futuro

Ofertas inovadoras que ajudam a construir hoje o Data Center do futuro Ofertas inovadoras que ajudam a construir hoje o Data Center do futuro Quem Somos A CSF está há mais de 20 anos no mercado de TI e é especializada em oferecer para as organizações de médio e grande portes

Leia mais

GDE4000. Gerenciador de Energia

GDE4000. Gerenciador de Energia Gerenciador de Energia Funções avançadas de controle de demanda e fator de potência Seleção de cargas por prioridade e por potências Flexibilidade na programação de demandas sazonais Simulação de fatura

Leia mais

Desafios e oportunidades na fabricação do sistema de medição inteligente de energia e impactos de sua utilização nos sistemas de distribuição de

Desafios e oportunidades na fabricação do sistema de medição inteligente de energia e impactos de sua utilização nos sistemas de distribuição de Desafios e oportunidades na fabricação do sistema de medição inteligente de energia e impactos de sua utilização nos sistemas de distribuição de energia elétrica Roberto Barbieri www.abinee.org.br 14 maio

Leia mais

Válvulas de Controle-"Case"- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2

Válvulas de Controle-Case- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 Válvulas de Controle-"Case"- Copesul Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 RESUMO Visando rever conceitos, procedimentos, estratégias e tecnologias voltadas para a manutenção de válvulas, partimos

Leia mais

esafios e Oportunidades atuais de TIC

esafios e Oportunidades atuais de TIC AS AÇÕES DA TI esafios e Oportunidades atuais de TIC Computação em Nuvem Segurança de Dispositivos e Dados Automatização e Racionalização de Processos Continuidade de Negócios Regulação Trabalho Segmentado

Leia mais

PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA. Profa. Reane Franco Goulart

PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA. Profa. Reane Franco Goulart PROFISSIONAIS DA ÁREA DE INFORMÁTICA Profa. Reane Franco Goulart Administrador de banco de dados O Administrador de banco de dados (DBA - DataBase Administrator) é responsável por manter e gerenciar bancos

Leia mais

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r

C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r G l o b a l C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r Microsoft Mobile BI v.0.0.1 de 05/11/2015 Projetos Digitais 1 G l o b a l C l a s s S e r v i c e P r o v i d e r 1993: fundada como Integradora de Sistemas

Leia mais

ScatiSuite, A melhor ferramenta para a gravação e a gestão do CFTV

ScatiSuite, A melhor ferramenta para a gravação e a gestão do CFTV ScatiSuite, A melhor ferramenta para a gravação e a gestão do CFTV www.scati.com info@scati.com Índice Scati Suite Caraterísticas gerais Gravação Aplicações cliente de gestão Outras funcionalidades Scati

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS)

MODELAGEM DE PROCESSOS USANDO BPMN (BUSINESS PROCESS MODEL AND NOTATION) E IOT (INTERNET DAS COISAS) WHITE PAPPER Rafael Fazzi Bortolini Diretor, Cryo Technologies Orquestra BPMS rafael@cryo.com.br Internet das Coisas e Gerenciamento de Processos de Negócio (BPM) são duas disciplinas ou tendências à primeira

Leia mais