ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS. Livia Galdino Mendes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS. Livia Galdino Mendes"

Transcrição

1 ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS Livia Galdino Mendes PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE ENGENHEIRO ELETRICISTA. Aprovada por: Prof. Sandoval Carneiro Junior, Ph.D. (Orienador) Prof. Sérgio Sami Hazan, Ph.D. André Luis Marques Marcao RIO DE JANEIRO, RJ BRASIL FEVEREIRO DE 2007 i

2 Aos meus pais. ii

3 Agradeço ao professor Sandoval Carneiro Junior pela sua fundamenal orienação no desenvolvimeno dese projeo, pelos ensinamenos ransmiidos de forma ão especial e enriquecedora à minha formação acadêmica; e, sobreudo, por sua amizade, inesimável supore e genuína compreensão. Ao professor Sergio Sami Hazan pela sua dedicação em ransformar em sucesso o programa de engenharia elérica. iii

4 Resumo do Projeo de Graduação apresenado ao Deparameno de Engenharia Eleroécnica da Escola Poliécnica do Deparameno de Engenharia Elérica da Universidade Federal do Rio de Janeiro como pare dos requisios necessários para a obenção de grau de Engenheiro Elericisa. ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS. Livia Galdino Mendes Fevereiro/2006 Orienador: Sandoval Carneiro Junior, Ph.D. Programa: Engenharia Elérica Com o esgoameno dos melhores poenciais hidráulicos do país próximos dos consumidores e a consrução do gasoduo Bolívia Brasil, as usinas ermeléricas a gás naural ornaram-se uma alernaiva imporane para a necessária expansão da capacidade de geração de energia elérica. Ese rabalho propõe uma avaliação econômico-financeira de uma usina ermelérica aravés da modelagem do comporameno dos preços fuuros da energia elérica uilizando o processo esocásico de Ornsein-Uhlenbeck. Serão feias análises de sensibilidade acerca das caracerísicas dos projeos e da operação das érmicas baseadas nese modelo. iv

5 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO Objeivo do Trabalho Esruura do Trabalho Considerações de Terminologia Glossário das Principais Variáveis O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Agência Nacional de Energia Elérica (ANEEL) Comiê Coordenador do Planejameno da Expansão dos Sisemas Eléricos (CCPE) Operador Nacional do Sisema Elérico (ONS) Câmara de Comercialização de Energia Elérica (CCEE) Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) Mercado Spo Usinas Hidreléricas A Expansão de Capacidade O Risco de Falar Energia Elérica AS USINAS TERMELÉTRICAS Cenrais Termoeléricas de Ciclo Combinado Impacos Ambienais Remuneração PRECIFICAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA Preço Hisórico Modelos de Reversão à Média Calibração do Modelo Simulação dos Preços Fuuros AVALIAÇÃO ECONÔMICA Opções Reais Opções de Suspensão Temporária AVALIAÇÃO DE UM PROJETO v

6 6.1. Principais Cusos de Uma Usina Térmica Caracerísicas do Caso Esudado (Caso-Base) Considerações Modelagem RESULTADOS Analise de Sensibilidade ao Cuso de Operação Analise de Sensibilidade ao Preço da Energia Conraada Analise de Sensibilidade à Taxa de Descono Analise de Sensibilidade à Vida Úil Valor da Flexibilidade Operacional Considerações Adicionais CONCLUSÃO Proposas para Trabalhos Fuuros REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS vi

7 Capíulo 1 - Inrodução Desde 1995 o Seor Elérico Brasileiro (SEB) esá sendo profundamene reesruurado, com o objeivo de inroduzir a livre compeição nos segmenos de geração e de comercialização, assim como possibiliar a inserção de novos agenes na presação dos serviços de energia elérica, conduzida pelo Minisério de Minas e Energia (MME). A geração de energia elérica a parir de gás naural, que surge como uma solução de curo prazo para o incremeno na capacidade de geração insalada no país é relaivamene recene (após a Segunda Guerra Mundial). Juno ao seor elérico, o uso mais generalizado dessa ecnologia em ocorrido somene nos úlimos 15 ou 20 anos, de acordo com a ANEEL. Enre as vanagens da geração ermelérica, em relação à geração hidrelérica, esão o menor empo para insalação, menor invesimeno uniário $/KW insalado e a flexibilidade para o aendimeno de cargas de pona. Porém, as ermeléricas ainda não apareceram como economicamene araivas devido a aspecos como o alo cuso da geração érmica, ausência de fornecedores de urbinas a gás, desvalorização cambial, aumeno do preço do gás naural pela valorização do peróleo e resrições de ofera de gás naural. Ouro faor relevane é que o gás naural em impacos ambienais indesejáveis ao meio ambiene. Invesimenos em ermeléricas são caracerizados não somene por reornos elevados, mas por riscos elevados ambém. A flexibilidade operacional imposa pela nova esruura do seor, onde a érmica flexível somene será despachada se o preço spo esiver acima do seu cuso operacional, agrega valor ao invesimeno. Os resulados mosrarão que as érmicas flexíveis, mesmo conraadas, podem ser razer mais lucro pro invesidor do que as inflexíveis. A possibilidade de auar no mercado spo e no mercado de conraos bilaerais é uma vanagem compeiiva que deve ser aproveiada pelos invesidores; muio embora, aliado às grandes possibilidades de reornos eseja um risco basane alo a ser considerado. 1

8 1.1. Objeivo do Trabalho O objeivo do presene rabalho é propor um modelo de avaliação econômicofinanceira de uma usina érmica exisene. O modelo propõe uma abordagem simplificada do comporameno dos preços fuuros da energia elérica uilizando uma modelagem baseada no processo esocásico Ornsein-Uhlenbeck, em subsiuição ao modelo NEWAVE desenvolvido pelo CEPEL (Cenro de Pesquisas de Energia Elérica). Serão feias análises de sensibilidade acerca das caracerísicas dos projeos e da operação das érmicas baseadas nese modelo Esruura do Trabalho O rabalho esá organizado de forma a apresenar mais dealhadamene o aual cenário brasileiro do seore elérico (Capíulo Capíulo 2 -). O Capíulo Capíulo 3 - discuirá o modelo de operação de uma usina ermelérica a gás naural. Após essa apresenação dos cenários será analisado o comporameno do preço da energia elérica ao longo dos anos (Capíulo Capíulo 4 -). Para isso será uilizado um modelo esocásico para a represenação dos preços spo de energia elérica. O Capíulo Capíulo 5 - raará o conceio de Opções Reais e os desdobramenos desa abordagem para a represenação da flexibilidade operacional no projeo de uma ermelérica. O Capíulo Capíulo 6 - servirá para raar das caracerísicas do projeo esudado: invesimeno, cusos, vida úil, axa de descono ec. O Capíulo Capíulo 7 - apresena odos os resulados do esudo bem como suas inerpreações. São feias ainda análises de sensibilidade em relação aos principais parâmeros do projeo. A conclusão do rabalho será feia no Capíulo Capíulo

9 1.3. Considerações de Terminologia É comum em exos écnicos enconrar a represenação MM para designar a ordem 10 6 (milhão). Nese rabalho, al ordem de grandeza será represenada simplesmene pela lera M de mega, enquano que a lera K servirá para represenar a ordem dos milhares (10 3 ). Sendo assim, quando esiver escrio R$ 100M por exemplo, deve-se ler 100 milhões de reais Glossário das Principais Variáveis Gc - Geração Conraada (MWh) Pc - Preço Conraado (R$/MWh) CO - Cuso Variável Uniário de Operação (R$/MWh) CF - Cusos Fixos Mensais (R$) S - Preço à Visa da Elericidade no Tempo Spo (R$/MWh) G Geração Toal (MWh) L, Ll, LS Lucros Esperados (R$) VPL Valor Presene Líquido (R$) 3

10 Capíulo 2 - O Seor Elérico Brasileiro A nova esruura do seor elérico brasileiro é baseada na inrodução da concorrência nas aividades de produção. Há o incenivo para a desvericalização das concessionárias aravés da separação das aividades de geração, disribuição, ransmissão e comercialização de energia. Os aivos de ransmissão e disribuição são encarados como monopólios naurais, com preços regulados. Os aivos de geração e disribuição esão sendo privaizados e as regras são definidas para eviar manipulação de preço incenivando a compeição. A nova esruura abre espaço para a presença da empresa comercializadora de energia elérica. Esa empresa, que em de passar pela aprovação do órgão regulador, normalmene não possui aivos de geração ou ransmissão, ela simplesmene inermediará conraos de compra e venda de energia elérica Agência Nacional de Energia Elérica (ANEEL) É o órgão regulador do Seor Elérico Brasileiro, em um papel imporane na fiscalização e condução da nova esruura organizacional do seor Comiê Coordenador do Planejameno da Expansão dos Sisemas Eléricos (CCPE) É um órgão ligado ao MME cuja principal aribuição é coordenar a elaboração do planejameno indicaivo da expansão da geração e deerminaivo da expansão da ransmissão do SEB Operador Nacional do Sisema Elérico (ONS) O Operador Nacional do Sisema Elérico é o órgão encarregado de promover a oimização da operação elero-energéica do SEB, visando alcançar o menor cuso para o sisema, observados os padrões écnicos e os criérios de confiabilidade. É ambém de responsabilidade do ONS garanir a odos os 4

11 agenes do seor elérico acesso à rede de ransmissão de forma não discriminaória. A oimização hidroérmica do sisema se dá denro de programas diários, semanais e mensais de modo a refleir as caracerísicas hidrológicas e eléricas do sisema brasileiro, necessiando para isso informações écnicas precisas. Os geradores hidreléricos devem fornecer ao ONS informações sobre os níveis de água do reservaório, vazões afluenes dos reservaórios e disponibilidade das urbinas. Já os geradores ermeléricos fornecem informações sobre a disponibilidade de suas máquinas, rendimeno, cusos operacionais e de combusível. Além da oimização e despacho do sisema, o ONS ambém é responsável pelo planejameno operacional da geração e ransmissão em horizones de empo de aé cinco anos, pela cobrança da arifa de uso da rede de ransmissão e pela remuneração dos presadores de serviços de ransmissão; Com isso o ONS cria condições para que novos projeos de ransmissão sejam liciados, além de permiir que os aivos de ransmissão exisenes sejam privaizados no fuuro, manendo consigo a responsabilidade da operação econômica do sisema Câmara de Comercialização de Energia Elérica (CCEE) O Processo de Comercialização de Energia Elérica ocorre de acordo com parâmeros esabelecidos pela Lei nº 10848/2004, pelos Decreos nº 5163/2004 e nº 5.177/2004 (o qual insiuiu a CCEE), e pela Resolução Normaiva ANEEL nº 109/2004, que insiuiu a Convenção de Comercialização de Energia Elérica. As relações comerciais enre os Agenes paricipanes da CCEE são regidas predominanemene por conraos de compra e venda de energia, e odos os conraos celebrados enre os Agenes no âmbio do Sisema Inerligado Nacional devem ser regisrados na CCEE. Esse regisro inclui apenas as pares envolvidas, os monanes de energia e o período de vigência; os preços de 5

12 energia dos conraos não são regisrados na CCEE, sendo uilizados especificamene pelas pares envolvidas em suas liquidações bilaerais. A CCEE conabiliza as diferenças enre o que foi produzido ou consumido e o que foi conraado. As diferenças posiivas ou negaivas são liquidadas no Mercado de Curo Prazo e valorado ao PLD (Preço de Liquidação das Diferenças), deerminado semanalmene para cada paamar de carga e para cada submercado, endo como base o cuso marginal de operação do sisema, ese limiado por um preço mínimo e por um preço máximo. Dessa forma, pode-se dizer que o mercado de curo prazo é o mercado das diferenças enre monanes conraados e monanes medidos, conforme ilusração abaixo: - Maner o regisro de odos os conraos fechados nos Ambienes de Conraação Regulada (ACR) e de Conraação Livre (ACL); - Promover a medição e regisro dos dados de geração e consumo de odos os Agenes da CCEE; - Apurar o Preço de Liquidação de Diferenças - PLD - do Mercado de Curo Prazo por submercado; Efeuar a Conabilização dos monanes de energia elérica comercializados no Mercado de Curo Prazo e a Liquidação Financeira; - Apurar o descumprimeno de limies de conraação de energia elérica e ouras infrações e, quando for o caso, por delegação da ANEEL, nos ermos da Convenção de Comercialização, aplicar as respecivas penalidades; - Apurar os monanes e promover as ações necessárias para a realização do depósio, da cusódia e da execução de Garanias Financeiras, relaivas às Liquidações Financeiras do Mercado de Curo Prazo, nos ermos da Convenção de Comercialização; - Promover Leilões de Compra e Venda de energia elérica, conforme delegação da ANEEL; - Promover o moniorameno das ações empreendidas pelos Agenes, no âmbio da CCEE, visando à verificação de sua conformidade com as Regras e 6

13 Procedimenos de Comercialização, e com ouras disposições regulaórias, conforme definido pela ANEEL; - Execuar ouras aividades, expressamene deerminadas pela ANEEL, pela Assembléia Geral ou por deerminação legal, conforme o ar. 3º do Esauo Social da CCEE Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) Com o inuio de permiir a reformulação do mercado de energia elérica brasileiro sem o risco de desconinuidades operacionais ou comerciais, foi concebido o Mecanismo de Realocação de Energia - MRE. O MRE aribui a cada usina uma energia assegurada, reparindo-se normalmene a produção acima desses monanes enre as usinas que esiveram produzindo menos que sua energia assegurada. Somene quando há sobras generalizadas (ou seja, quando o sisema odo produz mais que sua energia assegurada oal), os geradores podem vender esses excedenes no mercado Spo. Nessas siuações, cada usina fica com uma quoa da sobra (energia secundária) do sisema, podendo comercializá-la Mercado Spo O ermo "spo" é usado nas bolsas de mercadorias para se referir aos negócios realizados com pagameno à visa e prona enrega da mercadoria, em oposição ao mercado a fuuro e a ermo. A enrega, aqui, não significa enrega física, mas sim a enrega de deerminado monane de dinheiro correspondene à quanidade de mercadoria negociada. No mercado spo de energia, ou mercado livre, oda a energia elérica escassa ou excedene dos Conraos Bilaerais é comprada e vendida na CCEE que sucedeu o MAE (Mercado Aacadisa de Energia Elérica). O preço spo é único e sua definição depende das condições de ofera e procura do mercado. Para enender melhor como funciona esse mercado, alguns conceios são fundamenais: 7

14 2.6.1 Conraos Iniciais São conraos bilaerais de longo prazo esabelecidos para iniciar operações no mercado livre. Firmados enre empresas geradoras e disribuidoras de energia, êm seus preços fixados pela ANEEL e permiem uma ransição enre o anerior regime de preços adminisrados e o regime de preços negociados livremene. Somene a energia não compromeida em Conraos Iniciais pode ser comercializada livremene na CCEE, ou em Conraos Bilaerais Conraos Bilaerais São conraos de compra e venda livremene negociados enre as pares para eviar que a quanidade de energia conraada seja auomaicamene liquidada ao preço da CCEE, ficando sujeia às fluuações do preço spo. Esses conraos são válidos aé a daa de seu encerrameno, mesmo que os clienes sejam caracerizados pela nova legislação como clienes livres Conraos de Transmissão Os cusos de ransmissão de energia devem ser levados em consideração na hora de calcular o preço final. A arifa paga pelo uso da rede básica de ransmissão e o cuso das conexões enre empresa produora, rede básica e rede local da empresa são esabelecidos pela ANEEL. São levados em cona os cusos de invesimenos no sisema de ransmissão e a localização dos ponos de produção e consumo de energia Negociação no Mercado Spo O Acordo de Mercado é um conjuno de regras e condições conrauais que regem as operações enre os agenes de mercado. Esse acordo precisa ser assinado por odos que queiram auar direamene na CCEE, pois somene ele garane a veracidade e legiimidade das operações Variação do Preço Spo O preço spo é precificado pelos programas NEWAVE e DECOMP. Ese valor indica quano cusa a produção de uma unidade de energia adicional à úlima unidade consumida pelo mercado. Três faixas disinas de carga deerminam 8

15 os preços da energia: de segunda a sábado, Período Pesado (das 18h01 às 21h00), Médio (das 07h01 às 18h00 e das 21h01 às 24h00) e Leve (das 00h01 às 07h00). Nos domingos e feriados nacionais o Período Pesado não é considerado. O nível de armazenameno dos reservaórios das usinas hidreléricas, a evolução previsa da demanda de energia e a disponibilidade aual e fuura de usinas e linhas de ransmissão de energia elérica influenciam o preço spo. No fuuro, o preço spo deverá variar de acordo com a relação enre ofera e demanda como o preço de uma commodiy numa Bolsa de Mercadorias Usinas Hidreléricas De oda a energia elérica consumida no Brasil em 2006, aproximadamene 92% foram produzidas em usinas hidreléricas, segundo o Insiudo Brasileiro de Mineração (IBRAM). Por essa razão, a disponibilidade e consequenemene o preço da energia elérica depende fundamenalmene da ocorrência de chuvas, para que sejam manidos os níveis de armazenameno dos reservaórios e, assim, durane os períodos de seca, haja água suficiene para produzir a energia necessária ao aendimeno do mercado. Devido às suas caracerísicas geoclimáicas e proporções coninenais, o Brasil possui no seu erriório várias bacias hidrográficas, com diferenes regimes de chuvas. Dessa forma, enquano numa deerminada região o maior volume de chuvas ocorre no verão, em oura, as chuvas podem ser mais inensas no inverno. Assim sendo, é eoricamene possível operar o sisema elérico de forma a oimizar a produção de energia, em função das caracerísicas complemenares enre as bacias hidrográficas. Em ouras palavras, quando esão ocorrendo chuvas em grande quanidade numa cera região, as usinas hidreléricas dessa região "exporam" pare de sua produção para as regiões que se enconram no período "seco". Quando a siuação das chuvas se invere, o fluxo de energia ambém é reverido, e a região, anes "exporadora", passa a "imporar" energia necessária para seu mercado. 9

16 2.8. A Expansão da Capacidade A geração de energia predominanemene hidrelérica no Brasil decorreu de vários faores esraégicos. Denre eles, os principais foram a exisência de um grande poencial hídrico no país e a não disponibilidade, naquela época, de combusíveis fósseis em quanidade e qualidade suficienes para fazer frene às necessidades de energia elérica do mercado brasileiro. Como conseqüência naural, as alernaivas para aumeno da produção são: a insalação de usinas ermeléricas movidas a combusível fóssil (principalmene o gás naural), a consrução de usinas hidreléricas em disâncias cada vez maiores dos cenros de consumo (com elevados cusos ambienais e cusos de ransmissão), a co-geração (ambas já em desenvolvimeno), a uilização de pequenas cenrais hidreléricas (PCHs) e fones alernaivas e a consrução de usinas nucleares. Qualquer que seja a principal opção adoada para aumenar a produção de energia elérica e garanir o aendimeno às necessidades da economia do país, é necessário er consciência que o cuso marginal da energia elérica ende a ser crescene, ou seja, que a produção de uma nova unidade de energia cuse mais do que cusou produzir a úlima unidade de energia consumida. É nesse momeno que os agenes de mercado deverão enconrar maneiras para gerenciar a energia das diversas formas de produção e uilizar os novos mecanismos conrauais/financeiros, para garanir, com isso, preços compeiivos O Risco de Falar Energia Elérica O Brasil é a décima primeira maior economia mundial, apresenando um mercado de energia de grande pore e que apresena endência de elevadas axas de crescimeno. Com isso, invesimenos de vários bilhões de dólares são necessários a cada ano, para aumenar a capacidade de produção e ransmissão de energia elérica. É imporane desacar o conceio esabelecido para operação do Sisema Elérico Inerligado, que deermina criérios écnicos razoáveis para a 10

17 disribuição dos riscos de falar energia enre os vários agenes de mercado. Aravés dessas meodologias, a inenção é que esses riscos sejam os menores possíveis para odo o mercado e que nenhuma caegoria de agenes seja privilegiada, no caso da ocorrência de racionamenos ou desligamenos do sisema (obviamene quesões associadas à saúde e à segurança pública merecem aenção especial). 11

18 Capíulo 3 - As Usinas Termeléricas A inclusão do gás naural na mariz energéica nacional, conjugada com a necessidade de expansão do parque gerador de energia elérica e com o esgoameno dos melhores poenciais hidráulicos do país, em desperado o ineresse de analisas e empreendedores em ampliar o uso da geração ermelérica a gás Cenrais Termoeléricas de Ciclo Combinado Segundo Lora e Nascimeno, a parir dos anos 1970 e 1980, com o desenvolvimeno ecnológico, aconece a expansão no mercado de geração de elericidade com emprego de ciclos combinados. O desenvolvimeno que eve lugar nesas duas décadas foi mosrado por Wunsch e Davidson and Keeley. Desde os anos 1990, faz-se exensiva a insalação de cenrais de ciclo combinado, que uilizam gás naural como combusível, para a geração de elericidade em cenrais de grande pore. Num ciclo Rankine, gera-se vapor aravés de uma grande diferença de emperaura. A emperaura dos gases gerados pelo processo de combusão enconra-se na faixa de o C, no enano, a emperaura do vapor é de o C. A combinação de um ciclo simples com urbina a gás (ciclo Brayon) com um ciclo simples a vapor (ciclo Rankine) forma o ciclo combinado. Num ciclo combinado exise um maior aproveiameno energéico da energia inicial conida no combusível. Ese aproveiameno é conseguido aravés da colocação em cascaa energéica de ambos os ciclos. A cascaa energéica se forma quando, no lugar de uilizar a grande diferença de emperauras num processo de roca de calor, se coloca um ciclo Brayon (ciclo a gás) para ober rabalho. Assim, a ineficiência ermodinâmica naural da roca de calor pelo conceio de uma diferença finia de emperauras enre fluidos quenes e frios é minimizada. 12

19 Com relação ao desenvolvimeno, em ermos de eficiência, das insalações de urbina a gás e cenrais de ciclo combinado, Najjar, em Applied Thermal Energy, mosra o aumeno conínuo que se em conseguido nos úlimos 40 anos. Ele ambém mosra que com as urbinas a gás indusriais comerciais pode-se gerar energia elérica numa faixa de capacidade enre MW por unidade, com eficiência érmica, em ciclo simples, da ordem de 40%, sendo que, nas insalações de ciclo combinado com esas máquinas, a eficiência de geração pode ser 55% Impacos Ambienais As cenrais ermeléricas uilizam o combusível fóssil reirado da liosfera devolvendo cinzas, uilizam o ar para a combusão devolvendo produos de combusão com ampla gama de poluenes, uilizam a água como sumidouro de calor nos sisemas de resfriameno e ainda poluem a amosfera com emissões érmicas, sonoras e eleromagnéicas. Em se raando de emissões em ermeléricas, os principais poluenes são CO 2, NO X, SO X, C X H Y e pariculados, cujas emissões esão direamene relacionadas com a ecnologia de geração uilizada e com o ipo de combusível empregado. Segundo Chalfin e Schorr, a cenral ermelérica de ciclo combinado que uiliza gás naural é a cenral ermelérica com o menor impaco ambienal. Ela gera 80% menos gases de efeio esufa, 55% menos CO 2, 95% menos NO X e 100% menos SO X que uma cenral ermelérica a carvão. Mesmo assim, segundo a CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiene), que considera a necessidade de se esabelecer as definições, responsabilidades, criérios básicos e direrizes gerais para o uso e implemenação da Avaliação de Impaco Ambienal, como um dos insrumenos da Políica nacional de Meio Ambiene, resolve que dependerá de elaboração de EIA (Esudo de Impaco Ambienal) e respecivo RIMA (Relaório de Impaco Ambienal), o licenciameno de aividades modificadoras do meio ambiene. 13

20 3.3. Remuneração Usinas ermeléricas convencionais uilizam combusíveis fósseis, como o carvão, óleo diesel e gás naural, para produção de energia elérica. A quanidade de combusível uilizada depende da eficiência das urbinas, que é dada pelo Hea Rae, definido como o número de unidades érmicas Briânicas (Bus) do combusível necessário para gerar um megawa-hora (MWh) de elericidade (CASTRO, 2000). PINHEL (2000) analisa uma quesão imporane da problemáica das ermeléricas: apenas quaro fabricanes deém know-how para manufaura de urbinas a gás (componene mais dispendioso numa érmica): a ABB/Alson, a General Elecric, a Siemens/Wesinghouse e a Misubishi. Como nenhum dos fabricanes produz o equipameno no país, gasos imporanes de divisas serão ambém necessários. Em ermos de disponibilidade de equipamenos, verificase um fore aquecimeno mundial de demanda por esses equipamenos (predominanemene nos EUA, onde em sido observada a escassez de ofera de geração), o que ende a dificular a aquisições por pare dos invesidores no país. Segundo a Comissão Nacional de Desenvolvimeno e Reforma (CNDR), a China fechou, em 2007, 553 pequenas ermeléricas, que junas produziam 14,38 milhões de quilowas. Depois do fechameno das insalações obsoleas, grandes geradores ermeléricos, com capacidade insalada individual superior a 50 mil quilowas, assumirão a geração de elericidade. Dado o pore das encomendas, mais uma vez, a ação do governo seria imporane, incenivando a produção local das urbinas no horizone de médio e longo prazos. Uma vanagem das usinas ermeléricas é a possibilidade de localização próxima aos cenros de consumo de energia, demandando menos empo de consrução e propiciando a posergação de invesimenos na rede de ransmissão. Apesar da energia gerada por uma usina ermelérica ser, normalmene, mais cara do que aquela gerada por uma usina hidrelérica, elas serão imporanes, agregando mais energia ao sisema e ornando-o mais confiável. 14

21 No Brasil, as usinas ermeléricas poderão ambém opar por dois ipos de operação: usinas com operação inflexível e usinas com operação flexível. As usinas inflexíveis são aquelas cujos conraos de combusível são do ipo akeor-pay. Esas usinas ficam o empo odo despachadas, produzindo uma geração consane, aravés da conraação de volumes fixos de gás. A energia gerada não é comercializada no CCEE e sim aravés de Conraos de Compra de Energia (PPAs Power Purchase Agreemen), ou conraos bilaerais. A remuneração mensal, em R$, de uma usina ermelérica inflexível é dada por: G c P c G CO CF c (Cap íulo 3 -.1) onde Gc é a geração conraada em MWh, Pc é o preço conraado em R$/MWh, CO é o cuso variável uniário de operação R$/MWh e CF represena os cusos fixos em R$. Já uma usina flexível pode auar ano no mercado à visa quano no mercado de conraos de longo prazo. Nese caso, a usina necessia de um conrao de fornecimeno de gás mais flexível, pois pare de sua energia gerada poderá ser despachada pelo operador cenral. Assim, quando o cuso de operação for maior do que o preço spo, a érmica não erá sua energia comercializada no CCEE, como ambém pare de seu conrao poderá ser aendido por ouros geradores do CCEE. Nese caso sua remuneração é dada por: Gc Pc + ( G Gc ) S Gc Pc GcS CF G CO CF S < CO S CO (Cap íulo 3 -.2) onde G é a geração oal em MWh, S é o preço à visa da elericidade em R$/MWh. Uma érmica flexível que somene aue no mercado à visa é conhecida como Térmica Mercanil e sua remuneração é dada subsiuindo na equação (3.2) Gc = 0 (CASTRO, 2000). A érmica mercanil provavelmene não irá auar no mercado brasileiro, devido à fala de um mercado secundário de gás naural e ambém devido à ala probabilidade de não remuneração do capial invesido. 15

22 No problema de oimização, as usinas são despachadas em ordem crescene de cusos operaivos, buscando-se a minimização do consumo de combusíveis. Dessa forma, quano mais cusosa a usina, menor a probabilidade de ela ser despachada, ou menos freqüenemene ela esará gerando. Caso o gerador informe um cuso superior ao real, o mesmo pode er prejuízos, endo que comprar energia no spo para cumprir seus conraos a um cuso mais caro do que aquele de sua usina (a decisão de despacho é cenralizada no ONS) (PINHEL, 2000). Ressale-se que em siuações de insuficiência de ofera, a declaração de cusos elevados leva a ganhos para o gerador, uma vez que ele ende a ser despachado desde que seu cuso seja inferior ao cuso marginal calculado (que, em siuações críicas, pode aingir o cuso do défici). Por ouro lado, de acordo com as regras vigenes, comporamenos não compeiivos dos geradores devem ser moniorados pelo ONS e informados à ANEEL (PINHEL, 2000). 16

23 Capíulo 4 - Precificação da Energia Elérica Na maioria dos países cujo seor elérico é ou vem sendo reesruurado, o preço no mercado spo, para compra e venda de energia, é definido pelo Cuso Marginal de Curo Prazo (CMCP). No Brasil, o preço no mercado spo, para compra e venda de energia, é definido pelo Preço de Liquidação das Diferenças (PLD), que é deerminado semanalmene para cada paamar de carga, limiado por um preço máximo e mínimo vigenes para cada período de apuração e para cada Submercado. A formação do preço da energia comercializada no mercado de curo prazo se faz aravés dos programas NEWAVE e DECOMP com a uilização de dados considerados pela ONS para a oimização do Sisema Inerligado Nacional (SIN). Ese sisema de preço spo é projeado para enconrar a solução óima de equilíbrio enre o benefício presene do uso da água e o benefício fuuro de seu armazenameno, medido em ermos da economia esperada dos combusíveis das usinas ermeléricas Preço Hisórico A Figura 4.1 a seguir apresena o hisórico do PLD, observado no subsisema Sudese/Cenro-Oese de fevereiro de 2002 a julho de Os dados foram obidos no síio da Câmara de Comercialização de Energia Elérica (CCEE). No Figura pode-se consaar claramene o comporameno sazonal do cuso marginal de curo prazo. 17

24 160,00 140,00 120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 - fev-02 jun-02 ou-02 fev-03 jun-03 ou-03 fev-04 jun-04 ou-04 fev-05 jun-05 ou-05 fev-06 jun-06 ou-06 fev-07 jun-07 PLD (R$/MWh) Figura Hisórico do PLD do subsisema SE/CO, FONTE: CCEE, 2007 Por causa da Resolução ANEEL nº 682, de 23 de dezembro de 2003 que Esabeleceu procedimenos para aualização da curva do Cuso do Défici de energia elérica e do limie máximo do Preço do Mercado de Curo Prazo (PMAE_max), em 2004, o PLD no submercado do Sudese/Cenro-Oese ficou em seu paamar mínimo-r$ 18,59/MWh em quase odos os meses como podemos observar no Figura 4.1. Observando o Figura ambém pode-se verificar que em 78% dos meses o PLD é inferior a R$40,00/MWh e que os valores mais elevados ocorreram nos dois úlimos anos. A Figura 4.2 apresena a disribuição de freqüência dos PLDs do período levanado. A disribuição em grande concenração nos valores inferiores a 40 R$/KWh. Essa dispersão, fruo da aleaoriedade das vazões, resula em uma ala volailidade elevando o cuso do seguro conra prejuízos operacionais de uma usina. 18

25 Observando-se a disribuição do Figura 4.2, verifica-se que as usinas érmicas, que operem sem conraos bilaerais, ou seja, vendem sua energia no spo, apresenam fores prejuízos nos cenários de baixo cuso marginal, que são os mais prováveis. Por ouro lado, nos cenários de cuso elevado, as érmicas, nesas mesmas condições, apresenam, embora pouco freqüene, uma ala remuneração. Já as usinas hidráulicas apresenam receia assegurada nos períodos de baixo cuso marginal e êm grande ineresse em eviar a exposição aos períodos de cuso elevado (onde não conseguiriam cumprir plenamene seus conraos, que são baseados na energia assegurada) Frequencia (semanas) ,6 29,9 47,2 64,4 81,7 99,0 116,2 133,5 Mais PLD (R$/MWh) Figura Disribuição de freqüência do PLD baseado no hisórico, CCEE, Modelos de Reversão à Média 1 A proposa eórica para a represenação e esudo do comporameno de uma variável aleaória ao longo do empo é conhecida como processo esocásico. O comporameno de preços de commodiies êm a caracerísica de equilibrarse em relação às forças de ofera e demanda: quando o preço de uma 1 Tradução livre de Mean-Revering Models. 19

26 commodiy esá alo, sua ofera ende a aumenar, fazendo assim uma pressão para a redução do preço; quando o preço spo esá baixo, a ofera ende a diminuir esimulando assim um aumeno de preços (CLEWLOW e al., 2000, DENG, 1999a, 1999b, SCHWARTZ, 1997, 1998). DENG e CLEWLOW apresenam ainda oura caracerísica imporane nos preços das commodiies de energia: a presença de salos (jumps) ou ponas (spikes) nos preços 2. Iso é paricularmene relevane no caso onde o armazenameno maciço da commodiy não é economicamene viável, a demanda mosra pouca elasicidade. Um exemplo perfeio é a própria elericidade que é praicamene não-armazenável. Num mercado compeiivo, os preços da elericidade são deerminados pela inerseção enre a curva de demanda agregada e a de ofera. Uma parada forçada em uma usina maior ou o surgimeno repenino de uma demanda deslocaria a curva de ofera para a esquerda ou elevaria a curva da demanda, causando assim um salo no preço (DENG). Quando a coningência que provoca o aumeno do preço spo em naureza de curo prazo, o preço rapidamene volará a padrão normal quando do desaparecimeno da coningência, provocando um pico no processo de precificação da commodiy (DENG, 1999a, 1999b). Os preços da elericidade podem ambém exibir um salo de mudança de regime, causado por padrões climáicos e variabilidade nos índices pluvioméricos, em mercados onde a maioria do suprimeno insalado é hidráulico (DENG, 1999a, 1999b). Em seu modelo, além do preço da elericidade em si, DENG (1999a, 1999b) leva em consideração o preço da commodiy que serve de insumo para a produção da energia, no caso da érmica proposa nese rabalho, o gás naural. 2 De fao, observando-se a Figura 4.1, podemos perceber o padrão irregular, como que picoado da série de CMCP. 20

27 Segundo DENG, exisem evidências que mosram uma correlação posiiva enre os preços da elericidade e do combusível 3. Porém a realidade hídrica brasileira não permie especular a respeio desa correlação. Além disso, al análise não é de forma alguma rivial sendo sua discussão inensa e exensa em excesso, indo muio além do escopo dese rabalho. Um pressuposo basane usual para a evolução do preço em mercados é o de que ese segue um processo esocásico conhecido como Movimeno Geomérico Browniano. Esse modelo porém, permie desviar os preços de níveis irreais em se raando de mercados de energia e raramene sendo aderene com as eorias mosradas aneriormene a respeio dese mercado (CLEWLOW e al., 2000, DENG, 1999a, 1999b, DIAS, 1996, SCHWARTZ, 1997, 1998). Desvios do preço normal são possíveis no curo prazo sob condições anormais de mercado, mas no longo prazo, a ofera se ajusará e os preços enderão a se mover ao nível esabelecido pelos cusos marginais de produção. O processo esocásico uilizado em subsiuição ao Movimeno Geomérico Browniano é conhecido como mean-revering wih jump-diffusion (reversão à média com difusão de salos). A inclusão dos salos (jumps) 4 porém, apresenase como um complicador ao esudo meramene analíico do comporameno da commodiy sendo mais facilmene raados aravés de ferramenal quaniaivo como a simulação compuacional. Dessa forma, nese rabalho uilizaremos apenas o modelo simples de reversão à média, sem os salos. O modelo aqui apresenado é o mais uilizado na lieraura para represenar o comporameno do preço de commodiies (CLEWLOW e al., 2000, DENG, 1999a, 1999b, DIAS, 1996, DIXIT e al., 1994, HULL, 2002, SCHWARTZ, 1997, 1998). Supõe-se que o logarimo do preço spo segue um processo esocásico conhecido como Ornsein-Uhlenbeck, o qual pode ser expresso pela equação: 3 Os rabalhos de DENG (1999a, 1999b) êm como cenário a realidade da mariz energéica nore-americana, onde uma pare significaiva da energia é derivada de combusíveis. 4 A represenação dos salos nos modelos mais compleos é feia aravés de processos de Poisson. 21

28 ds = κ ( µ ln S) Sd + σsdz (4.1) Definindo-se X=ln S e aplicando as ransformações adequadas 5 obêm-se: dx = κ ( α X ) d + σdz (4.2) 2 σ α = µ (4.3) 2κ O módulo do grau κ > 0 mede a força da reversão à média logarímica no longo prazo α. O segundo ermo na equação (Capíulo 4 -.2) caraceriza a volailidade do processo, onde dz é o incremeno de um processo de Wiener 6. Das propriedades do processo de Ornsein-Uhlenbeck, da relação S=e X (onde X possui disribuição Normal) e das propriedades da disribuição Log-Normal emos que o valor do preço spo da energia S no insane de empo apresena uma disribuição Log-Normal com as seguines propriedades (HULL, 2002, SCHWARTZ, 1997): E( S ) = exp e κ ln S 0 + (1 e κ 2 σ 2κ ) α + (1 e ) (4.4) 4κ Var( S ) = exp 2e κ ln S 0 + 2(1 e κ 2 2 σ 2κ σ 2κ ) α + (1 e ) exp (1 e ) 1 (4.5) 2κ 2κ 4.3. Calibração do Modelo Ao modelar a série de preços é necessário esimar os parâmeros acima mencionados com base em dados reais. CLEWLOW (2000) e DIXIT e al. (1994) propõem méodos para esimar eses parâmeros uilizando écnicas de regressão. Será uilizado especificamene o méodo proposo por DIXIT e al. (1994). A regressão em quesão é a seguine: 5 Lema de Iô (DIXIT e al., 1994, HULL, 2002, SCHWARTZ, 1997) 6 Ver DIXIT e al. (1994), HULL (2002) e livros sobre probabilidade e processos esocásicos em geral. 22

29 X X = a + bx + ε 1 1 (4.6) Dos esimadores de a e b e do erro padrão da regressão (σ Є ) podemos calcular os parâmeros de ineresse, a saber: a α = (4.7) b κ = ln( 1+ b) (4.8) σ = σ ε 2 ln(1 + b) (1 + b) (4.9) Os dados hisóricos mensais, obidos no websie da CCEE, enconram-se na Tabela 4.1 a seguir. Mês R$/MWh Mês R$/MWh Mês R$/MWh Mês R$/MWh fev-02 7,60 jul-03 13,11 dez-04 18,59 mai-06 55,36 mar-02 9,76 ago-03 17,21 jan-05 18,33 jun-06 68,63 abr-02 15,69 se-03 19,27 fev-05 18,33 jul-06 93,13 mai-02 19,75 ou-03 26,19 mar-05 18,33 ago ,37 jun-02 13,81 nov-03 27,95 abr-05 29,05 se ,65 jul-02 16,73 dez-03 20,42 mai-05 41,58 ou-06 86,96 ago-02 10,38 jan-04 23,19 jun-05 26,20 nov-06 82,19 se-02 5,32 fev-04 18,59 jul-05 31,49 dez-06 55,40 ou-02 5,07 mar-04 18,59 ago-05 36,56 jan-07 20,23 nov-02 6,33 abr-04 18,59 se-05 31,00 fev-07 17,59 dez-02 4,84 mai-04 18,59 ou-05 44,37 mar-07 17,59 jan-03 4,07 jun-04 18,59 nov-05 34,13 abr-07 57,10 fev-03 4,00 jul-04 18,59 dez-05 18,05 mai-07 63,62 mar-03 4,00 ago-04 18,59 jan-06 35,77 jun ,24 abr-03 5,48 se-04 18,59 fev-06 56,18 jul ,89 mai-03 8,26 ou-04 18,73 mar-06 28,00 jun-03 11,44 nov-04 18,59 abr-06 23,37 Tabela Série hisórica de PLD, CCEE, 2007 É imporane nesse momeno lembrar que os dados da Tabela 4.1 represenam as variáveis S do modelo. A regressão linear que se enconra a seguir na Figura 4.3 é realizada com base nas variáveis X = ln S. 7 Em correção ao erro de digiação de DIXIT (1994), que originalmene não inha o numerador da expressão muliplicado por 2. 23

30 1,50 1,5 1,00 1 X 0,50 0,00 0,5 0-0,50-0,5-1, ,50-1,5 0,00 1,00 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 X Figura Regressão para esimação dos parâmeros do processo esocásico, O resulado da regressão, de acordo com o programa Excel, é y = -0,0688x + 0,2543, sendo R = 0,6761. Uilizando-se o resulado da regressão e as expressões (Capíulo 4 -.7), (Capíulo 4 -.8) e (Capíulo 4 -.9) obêm-se os seguines parâmeros: α = 3,693507; κ= 0,071323; σ = 0, A parir deses parâmeros obeve-se alguma inferência a respeio do comporameno dos preços spo da energia elérica. A Figura 4.4 a seguir apresena o preço esperado da energia para os próximos 12 meses, parindo do mês de julho de

31 E(S) R$ 149,4 R$ 153,7 R$ 157,8 R$ 161,9 R$ 166,0 R$ 169,9 R$ 136,3 R$ 140,7 R$ 145,1 R$ 127,3 R$ 131,8 R$ 122, (meses) Figura Valor esperado do preço para o período de jul/ jun/2008 A expressão para o valor esperado do preço em um limie finio quando o empo ender ao infinio e seu valor, uilizando os parâmeros calculados aneriormene, é: lim E ( S ) = R$224,23 (4.10) A Figura 4.5 apresena a variância do preço da energia para os próximos 12 meses, parindo do mês de julho de Variância (S) , , , , , , , , , , , , (meses) Figura Variância do preço para o período de jul/ jun/

32 A expressão para a variância σ do preço em um limie finio quando o empo ende ao infinio: lim σ ( S ) = R$ ,74 (4.11) A seguir, a Figura 4.6 apresena os limies superiores do preço para inervalos de confiança enre 50% e 99%. Pode-se observar que eses limies crescem de forma acelerada, chegando a valores basane elevados para garanir confiabilidades maiores que 90%. O limie superior para uma confiabilidade de 99% é, por exemplo, de R$ 1.600,00, o que não é um valor razoável do pono de visa práico. Esses valores exremos crediam ao preço um caráer exremamene voláil. Figura Limies superiores dos inervalos de confiança do preço 4.4. Simulação dos Preços Fuuros Ese esudo compreende duas formas de avaliação do projeo de uma usina érmica. O primeiro é um méodo mais analíico, uilizando os conceios de processos esocásicos e eoria de probabilidades; o segundo lança mão da 26

33 simulação compuacional de modo a resolver quesões de caráer mais complexo, não resolvidas rivialmene pela análise maemáica do problema. Para a análise aravés da simulação, com base no modelo definido na seção 4.2, gerei séries fuuras para represenar os preços no presene esudo. As séries serão uilizadas em regime mensal para um período de 20 anos (ver seção 6.2). Para gerar as séries emporais foi uilizado o sofware Microsof Excel XP. Apesar das críicas de McCULLOUGH e al. (2002) ao uso do Excel em simulações compuacionais, é necessário lembrar que ese sofware é largamene uilizado ano no meio empresarial quano acadêmico, ao conrário de ceros sofwares específicos de simulação. Sendo um dos objeivos dese rabalho elaborar um méodo de esudo do comporameno dos preços da energia elérica simplificado, orna-se ineressane que ese méodo possa ser aplicado uilizando sofwares uilizados em larga escala. Para comparar o resulado das simulações com o resulado eórico gerou-se a Figura 4.5 abaixo onde as linhas ponilhadas indicam o valor esperado eórico no empo e o inervalo de confiança 95% para a média. A linha cheia, de padrão mais insável represena a média simulada dos preços das séries no período. Figura Valor esperado, inervalo de confiança 95% e média simulada dos preços 27

34 Capíulo 5 - Avaliação Econômica A políica energéica nacional eve como direriz a ampliação da paricipação do gás naural na mariz energéica, face aos benefícios econômicos e ambienais em princípio associados. Nese senido, a ermelericidade possui naural predileção para o desenvolvimeno de mercado. Além disso, a geração ermelérica a gás naural é a que em apresenado melhores condições de compeiividade em relação à geração hidrelérica (LORA & NASCIMENTO). Quando comparado a ouros aivos de mercado ou commodiies, a elericidade apresena volailidade exremamene elevada. Quando comparada à volailidade do mercado à visa de elericidade, a volailidade do mercado fuuro é consideravelmene menor (CASTRO, 2000). Em países onde a energia elérica passou a ser considerada uma commodiy, exise uma demanda cada vez maior por insrumenos financeiros que possam proeger os agenes de riscos como aqueles apresenados aneriormene. Conraos derivaivos são os mecanismos financeiros uilizados por empresas para reduzir a quania ou ipo de risco sisemáico que ela aceia. Além disso, conraos derivaivos desempenham um papel imporane no Mercado Compeiivo de Elericidade: inroduzem eficiência às negociações; razem a culura do gerenciameno e comparilhameno de riscos; a especulação ajuda a diversificar o risco e gera liquidez; formação do capial necessário para a expansão da capacidade (CASTRO). No Brasil, o preço spo da elericidade reflee o cuso marginal do sisema, como viso na seção anerior. Ese preço é foremene influenciado pelas condições hidrológicas das bacias brasileiras. Um modo radicional de reduzir a exposição de preço é esabelecer um fluxo de receia para geradores por um conrao de ofera de energia baseado na carga. Em um sisema hidroérmico como o brasileiro, pode ser empregado um esquema de proeção (hedging) aos riscos financeiros enre cenrais hidreléricas e cenrais ermeléricas. O gerador hidráulico concorda em pagar anecipadamene à cenral érmica seus cusos fixos e variáveis, em roca de sua energia nos períodos de alo PLD. Quando o preço spo esá alo, as 28

35 érmicas esão sendo despachadas ao invés das hidreléricas, pois o valor da água esá elevado devido aos baixos níveis de armazenameno dos reservaórios. Para honrar os conraos assumidos, as hidreléricas deveriam comprar energia cara e com isso poderiam apresenar perdas. Pagando os cusos fixos e variáveis das érmicas nos períodos de preço spo baixo, ou seja, períodos onde a ermelérica não opera, as hidreléricas poderiam garanir suprimeno de energia elérica para os conraos firmados. Apesar das hidreléricas incorporarem os cusos das érmicas em períodos de baixo preço spo, eses cusos podem ser plenamene recuperados em períodos de alo preço spo. Já para as érmicas, é uma maneira de cobrir os cusos nos períodos em que ela não operar (CASTRO). A políica de formação do preço do gás e a possibilidade de implemenação de um mercado de curo e longo prazos êm um impaco imporane na avaliação de aivos de geração ermelérica e mesmo na eficiência do novo modelo. O principal cuso de operação de uma ermelérica é dado pelo combusível uilizado para converer energia érmica em energia elérica e dese modo o preço do combusível deve er uma regra clara (CASTRO). Em um sisema hidroérmico, com predominância hidráulica, uma ermelérica poderá paricipar do mercado à visa mesmo que eseja 100% conraada. Nese caso, quando o cuso de operação esiver mais alo do que o preço spo, ela não irá gerar energia, beneficiando-se dos preços da elericidade do mercado à visa e comprando energia necessária para honrar seus conraos. Assim, as ermeléricas no Brasil poderiam apresenar uma operação mais flexível caso pudessem ober gás naural aravés de conraos de gás com volume flexível (CASTRO) Opções Reais As insiuições financeiras usam, em geral, dois méodos radicionais de análise de projeos: as regras do valor presene líquido (VPL) e da axa inerna de reorno (TIR). O valor presene líquido (VPL) é a fórmula maemáico-financeira de se deerminar o valor presene de pagamenos fuuros desconados a uma axa de 29

36 juros apropriada, menos o cuso do invesimeno inicial. Basicamene, é o calculo de quano os fuuros pagamenos somados a um cuso inicial esaria valendo aualmene. A Taxa Inerna de Reorno (TIR), em inglês IRP (Inernal Rae of Reurn), é a axa necessária para igualar o valor de um invesimeno (valor presene) com os seus respecivos reornos fuuros ou saldos de caixa. Sendo usada em análise de invesimenos significa a axa de reorno de um projeo. Tudo o mais consane, projeos com VPL posiivo ou TIR superior à axa de descono seriam, a princípio, melhores candidaos aos financiamenos do que projeos com VPL negaivo ou TIR inferior à axa de descono. Além disso, projeos com maiores VPL ou TIR sinalizariam, udo o mais consane, uma alocação mais eficiene dos recursos (COPELAND, 2001, RIGOLON, 1999). Ao longo da úlima década, enreano, a eficiência desses méodos vem sendo foremene quesionada. A sua aplicação pode induzir a decisões de invesimeno equivocadas. A razão é que eles ignoram caracerísicas imporanes dessas decisões como a irreversibilidade ou seja, o fao de que o invesimeno é um cuso afundado, de modo que o invesidor não consegue recuperá-lo oalmene em caso de arrependimeno e a possibilidade de adiameno da decisão de invesir (COPELAND, 2001, RIGOLON, 1999). Essas caracerísicas, junamene com a incereza sobre o fuuro, fazem com que a oporunidade de invesimeno seja análoga a uma opção financeira. Na presença de incereza, uma firma com uma oporunidade de invesimeno irreversível carrega uma opção, ou seja, em o direio, mas não a obrigação, de comprar um aivo (o projeo) no fuuro, a um preço de exercício (o invesimeno). Quando a firma invese, ela exerce ou maa essa opção de invesir. O problema é que a opção de invesir em um valor que deve ser conabilizado como um cuso de oporunidade no momeno em que a firma invese. Esse valor pode ser basane elevado, e regras de invesimeno que o ignoram ipicamene, as regras do VPL e da TIR podem conduzir a erros significaivos (COPELAND, 2001, RIGOLON, 1999). Uma opção real é a flexibilidade que um gerene em para omar decisões sobre aivos reais. À medida que novas informações surgem e as incerezas 30

37 sobre o fluxo de caixa se revelam, o gerene pode omar decisões que influenciarão posiivamene o valor final do projeo. As decisões mais comuns são: saber o momeno cero de invesir ou abandonar um projeo, modificar as caracerísicas operacionais de um aivo ou rocar um aivo por ouro. Assim, um invesimeno de capial pode ser considerado um conjuno de opções reais sobre um aivo real (COPELAND, 2001, RIGOLON, 1999). Decisões de invesimeno em aivos reais dependem ambém foremene do faor empo. Um invesimeno reorna um fluxo de caixa fuuro que é afeado pelas incerezas e pelas decisões que a empresa e seus compeidores omarão no fuuro. Para omar uma decisão hoje, a empresa precisa levar em cona essas considerações fuuras. As écnicas de avaliação de invesimeno que consideram as decisões gerenciais devem ser capazes de lidar com coningências fuuras (COPELAND, 2001, RIGOLON, 1999). Irreversibilidade, incereza e possibilidade de adiameno são rês caracerísicas imporanes das decisões de invesimeno. Na práica, as decisões dos invesidores levam em cona cada uma delas e as suas inerações. Como a abordagem de opções é uma enaiva de modelar eoricamene as decisões dos invesidores, o seu melhor enendimeno requer, anes de udo, uma análise mais cuidadosa daquelas caracerísicas (COPELAND, 2001, RIGOLON, 1999). Com relação à irreversibilidade sabe-se primeiramene que invesimenos específicos de uma firma ou de uma indúsria são em grande pare cusos afundados. Invesimenos em propaganda, por exemplo, são específicos de cada firma e irrecuperáveis nesse senido. Por exemplo, uma monadora de auomóveis é específica dessa indúsria. Um invesimeno malsucedido nesse caso só eria chances de ser recuperado pela venda da plana a oura firma da mesma indúsria, provavelmene com um descono basane elevado (COPELAND, 2001, RIGOLON, 1999). Segundo, mesmo invesimenos não específicos de firmas ou indúsrias são parcialmene irreversíveis. Compuadores, caminhões e equipamenos de escriório, por exemplo, podem ser revendidos a firmas de diferenes indúsrias, 31

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo

VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA. Antônio Carlos de Araújo 1 VALOR DA PRODUÇÃO DE CACAU E ANÁLISE DOS FATORES RESPONSÁVEIS PELA SUA VARIAÇÃO NO ESTADO DA BAHIA Anônio Carlos de Araújo CPF: 003.261.865-49 Cenro de Pesquisas do Cacau CEPLAC/CEPEC Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Julho 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Crisóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.p

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2

METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS. Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 IV SEMEAD METODOLOGIAS ALTERNATIVAS DE GERAÇÃO DE CENÁRIOS NA APURAÇÃO DO V@R DE INSTRUMETOS NACIONAIS Alexandre Jorge Chaia 1 Fábio da Paz Ferreira 2 RESUMO Uma das ferramenas de gesão do risco de mercado

Leia mais

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL

POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL POSSIBILIDADE DE OBTER LUCROS COM ARBITRAGEM NO MERCADO DE CÂMBIO NO BRASIL FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; ANTÔNIO CARVALHO CAMPOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA

DEMANDA BRASILEIRA DE CANA DE AÇÚCAR, AÇÚCAR E ETANOL REVISITADA XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica

Taxa de Juros e Desempenho da Agricultura Uma Análise Macroeconômica Taxa de Juros e Desempenho da Agriculura Uma Análise Macroeconômica Humbero Francisco Silva Spolador Geraldo San Ana de Camargo Barros Resumo: Ese rabalho em como obeivo mensurar os efeios das axas de

Leia mais

3 Processos Estocásticos e Aplicações em Projetos na Indústria Siderúrgica

3 Processos Estocásticos e Aplicações em Projetos na Indústria Siderúrgica 3 Processos Esocásicos e Aplicações em Projeos na Indúsria Siderúrgica 3.1 Inrodução As decisões de invesimeno ano em ações e derivaivos financeiros, como em projeos corporaivos, são afeadas por incerezas

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

Perspectivas para a inflação

Perspectivas para a inflação Perspecivas para a inflação 6 Ese capíulo do Relaório de Inflação apresena a avaliação feia pelo Copom sobre o comporameno da economia brasileira e do cenário inernacional desde a divulgação do Relaório

Leia mais

CONTRATO N.º 026/2.015

CONTRATO N.º 026/2.015 CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO N.º 026/2.015 Insrumeno paricular de conrao que enre si fazem: de um lado, como conraane, a PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO QUENTE, e de ouro, como conraado, e a empresa

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012

Análise econômica dos benefícios advindos do uso de cartões de crédito e débito. Outubro de 2012 1 Análise econômica dos benefícios advindos do uso de carões de crédio e débio Ouubro de 2012 Inrodução 2 Premissas do Esudo: Maior uso de carões aumena a formalização da economia; e Maior uso de carões

Leia mais

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004

Relações de troca, sazonalidade e margens de comercialização de carne de frango na Região Metropolitana de Belém no período 1997-2004 RELAÇÕES DE TROCA, SAZONALIDADE E MARGENS DE COMERCIALIZAÇÃO DE CARNE DE FRANGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM NO PERÍODO 1997-2004 MARCOS ANTÔNIO SOUZA DOS SANTOS; FABRÍCIO KHOURY REBELLO; MARIA LÚCIA

Leia mais

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO

EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL RESUMO 78 EVOLUÇÃO DO CRÉDITO PESSOAL E HABITACIONAL NO BRASIL: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DOS FATORES MACROECONÔMICOS NO PERÍODO PÓS-REAL Pâmela Amado Trisão¹ Kelmara Mendes Vieira² Paulo Sergio Cerea³ Reisoli

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS

TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS ARTIGO: TOMADA DE DECISÃO EM FUTUROS AGROPECUÁRIOS COM MODELOS DE PREVISÃO DE SÉRIES TEMPORAIS REVISTA: RAE-elerônica Revisa de Adminisração de Empresas FGV EASP/SP, v. 3, n. 1, Ar. 9, jan./jun. 2004 1

Leia mais

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS João Dionísio Moneiro * ; Pedro Marques Silva ** Deparameno de Gesão e Economia, Universidade

Leia mais

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973)

Curva de Phillips, Inflação e Desemprego. A introdução das expectativas: a curva de oferta agregada de Lucas (Lucas, 1973) Curva de Phillips, Inflação e Desemprego Lopes e Vasconcellos (2008), capíulo 7 Dornbusch, Fischer e Sarz (2008), capíulos 6 e 7 Mankiw (2007), capíulo 13 Blanchard (2004), capíulo 8 A inrodução das expecaivas:

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo?

Boom nas vendas de autoveículos via crédito farto, preços baixos e confiança em alta: o caso de um ciclo? Boom nas vendas de auoveículos via crédio faro, preços baixos e confiança em ala: o caso de um ciclo? Fábio Auguso Reis Gomes * Fabio Maciel Ramos ** RESUMO - A proposa dese rabalho é conribuir para o

Leia mais

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS

Prof. Luiz Marcelo Chiesse da Silva DIODOS DODOS 1.JUÇÃO Os crisais semiconduores, ano do ipo como do ipo, não são bons conduores, mas ao ransferirmos energia a um deses ipos de crisal, uma pequena correne elérica aparece. A finalidade práica não

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS

AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS AÇÕES DO MERCADO FINACEIRO: UM ESTUDO VIA MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS Caroline Poli Espanhol; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana Mackenzie

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Geulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2016 Professor: Rubens Penha Cysne Lisa de Exercícios 4 - Gerações Superposas Obs: Na ausência de de nição de

Leia mais

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi

Insper Instituto de Ensino e Pesquisa Programa de Mestrado Profissional em Economia. Bruno Russi Insper Insiuo de Ensino e Pesquisa Programa de Mesrado Profissional em Economia Bruno Russi ANÁLISE DA ALOCAÇÃO ESTRATÉGICA DE LONGO PRAZO EM ATIVOS BRASILEIROS São Paulo 200 Bruno Russi Análise da alocação

Leia mais

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil

Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elétrica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Modelo ARX para Previsão do Consumo de Energia Elérica: Aplicação para o Caso Residencial no Brasil Resumo Ese rabalho propõe a aplicação do modelo ARX para projear o consumo residencial de energia elérica

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO

APLICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO ALICAÇÃO DE MODELAGEM NO CRESCIMENTO OULACIONAL BRASILEIRO Adriano Luís Simonao (Faculdades Inegradas FAFIBE) Kenia Crisina Gallo (G- Faculdade de Ciências e Tecnologia de Birigüi/S) Resumo: Ese rabalho

Leia mais

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000)

José Ronaldo de Castro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) José Ronaldo de Casro Souza Júnior RESTRIÇÕES AO CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA APLICAÇÃO DO MODELO DE TRÊS HIATOS (1970-2000) Belo Horizone, MG UFMG/CEDEPLAR 2002 José Ronaldo de Casro Souza Júnior

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada. TÍTULO : DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 Página 1 de 7 CIRCULAR Nº.8 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela do Parimônio de Referência Exigido (PRE) referene ao risco operacional (P OPR ), de

Leia mais

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB

Influência de Variáveis Meteorológicas sobre a Incidência de Meningite em Campina Grande PB Revisa Fafibe On Line n.3 ago. 007 ISSN 808-6993 www.fafibe.br/revisaonline Faculdades Inegradas Fafibe Bebedouro SP Influência de Variáveis Meeorológicas sobre a Incidência de Meningie em Campina Grande

Leia mais

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo

Uma avaliação da poupança em conta corrente do governo Uma avaliação da poupança em cona correne do governo Manoel Carlos de Casro Pires * Inrodução O insrumeno de políica fiscal em vários ojeivos e não é surpreendene que, ao se deerminar uma mea de superávi

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS

UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS UMA APLICAÇÃO DO TESTE DE RAIZ UNITÁRIA PARA DADOS EM SÉRIES TEMPORAIS DO CONSUMO AGREGADO DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS VIEIRA, Douglas Tadeu. TCC, Ciências Econômicas, Fecilcam, vieira.douglas@gmail.com PONTILI,

Leia mais

ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO

ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO ESTUDO DE MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA A DEMANDA DE PRODUÇÃO DE CIMENTO Nagila Raquel Marins Gomes; Célia Mendes Carvalho Lopes Engenharia de Produção, Escola de Engenharia, Universidade Presbieriana

Leia mais

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB.

Palavras-chave: Análise de Séries Temporais; HIV; AIDS; HUJBB. Análise de Séries Temporais de Pacienes com HIV/AIDS Inernados no Hospial Universiário João de Barros Barreo (HUJBB), da Região Meropoliana de Belém, Esado do Pará Gilzibene Marques da Silva ¹ Adrilayne

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO

RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO RONALDO NITO YAMAMOTO MODELO DE PREVISÃO DE DEMANDA EM UMA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA UTILIZANDO UM MÉTODO QUANTITATIVO Trabalho de Formaura apresenado à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para

Leia mais

Working Paper Impacto do investimento estrangeiro direto sobre renda, emprego, finanças públicas e balanço de pagamentos

Working Paper Impacto do investimento estrangeiro direto sobre renda, emprego, finanças públicas e balanço de pagamentos econsor www.econsor.eu Der Open-Access-Publikaionsserver der ZBW Leibniz-Informaionszenrum Wirscaf Te Open Access Publicaion Server of e ZBW Leibniz Informaion Cenre for Economics Gonçalves, Reinaldo Working

Leia mais

Análise da produtividade das distribuidoras de energia elétrica utilizando Índice Malmquist e o método de bootstrap

Análise da produtividade das distribuidoras de energia elétrica utilizando Índice Malmquist e o método de bootstrap UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Análise da produividade das disribuidoras de energia elérica uilizando Índice Malmquis e o méodo de boosrap Fernando Elias

Leia mais

PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA

PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA Leicia Takahashi DE/ FEM/ UNICAMP Caia Posal: 6122 CEP: 13.083-970 Campinas - SP leicia@fem.unicamp.br Paulo B. Correia

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE ECONOMIA DE SÃO PAULO RICARDO SÁVIO DENADAI HÁ HYSTERESIS NO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO? UM TESTE ALTERNATIVO SÃO PAULO 2007 Livros Gráis hp://www.livrosgrais.com.br

Leia mais

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001

O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 1970-2001 O IMPACTO DOS INVESTIMENTOS NO ESTADO DO CEARÁ NO PERÍODO DE 970-200 Ricardo Candéa Sá Barreo * Ahmad Saeed Khan ** SINOPSE Ese rabalho em como objeivo analisar o impaco dos invesimenos na economia cearense

Leia mais

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO

Susan Schommer Risco de Crédito 1 RISCO DE CRÉDITO Susan Schommer Risco de Crédio 1 RISCO DE CRÉDITO Definição: Risco de crédio é o risco de defaul ou de reduções no valor de mercado causada por rocas na qualidade do crédio do emissor ou conrapare. Modelagem:

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste

Modelos Econométricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Eletricidade: Setor Residencial no Nordeste 1 Modelos Economéricos para a Projeção de Longo Prazo da Demanda de Elericidade: Seor Residencial no Nordese M. L. Siqueira, H.H. Cordeiro Jr, H.R. Souza e F.S. Ramos UFPE e P. G. Rocha CHESF Resumo Ese

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 20 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela dos aivos ponderados pelo risco (RWA), relaiva ao cálculo do capial requerido para o risco operacional mediane abordagem

Leia mais

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 9 ASSUNTOS: Análise de Invesimenos Valor Acual Líquido (VAL) Taxa Inerna de Renabilidade (TIR) Rácio Benefício - Cuso (RBC) Tempo de Recuperação (TR) PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Perane a previsão de prejuízos

Leia mais

Data da Avaliação: 28/02/2011 (versão 31/08/2011) Data-Base: 31/12/2010

Data da Avaliação: 28/02/2011 (versão 31/08/2011) Data-Base: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL 2010 Insiuo de Previdência e Assisência do Município do Rio de Janeiro (PREVI-RIO) Daa da Avaliação: 28/02/2011 (versão 31/08/2011) Daa-Base: 31/12/2010 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 01 2.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE OPÇÕES AMERICANAS DE TAXA DE JURO: O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS DE MONTE CARLO

AVALIAÇÃO DE OPÇÕES AMERICANAS DE TAXA DE JURO: O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS DE MONTE CARLO 10 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSIUO COPPEAD DE ADMINISRAÇÃO CLAUDIA DOURADO CESCAO AVALIAÇÃO DE OPÇÕES AMERICANAS DE AXA DE JURO: O MÉODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS DE MONE CARLO RIO DE JANEIRO

Leia mais

UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS. Mauro Rezende Filho

UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS. Mauro Rezende Filho i UM MODELO DE OPÇÕES REAIS PARA AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTO EM NAVIOS PETROLEIROS Mauro Rezende Filho DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA

Leia mais

FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS. Eduardo Martins Viana

FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS. Eduardo Martins Viana FERRAMENTA PARA MAXIMIZAÇÃO DE CARGA NA FASE FLUENTE DE RECOMPOSIÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS Eduardo Marins Viana DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA

Leia mais

A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo

A Guerra entre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo A Guerra enre Comprados e Vendidos no Mercado de Opções de Compra da Bolsa de Valores de São Paulo Auoria: Anonio Zorao Sanvicene, Rogério da Cosa Moneiro Resumo: Uilizando, pela primeira vez em nosso

Leia mais

Figura 1 Carga de um circuito RC série

Figura 1 Carga de um circuito RC série ASSOIAÇÃO EDUAIONAL DOM BOSO FAULDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA ELÉTIA ELETÔNIA Disciplina: Laboraório de ircuios Eléricos orrene onínua 1. Objeivo Sempre que um capacior é carregado ou descarregado

Leia mais

2 O mercado de opções

2 O mercado de opções 2 O mercado de opções O mercado de opções adquiriu maior popularidade a parir da criação da Chicago Board Opions Exchange, em abril de 1973. A aberura objeivava especificamene a negociação de opções sobre

Leia mais

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal.

Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos testes de sustentabilidade da política fiscal. IPES Texo para Discussão Publicação do Insiuo de Pesquisas Econômicas e Sociais Uma revisão da dinâmica macroeconômica da dívida pública e dos eses de susenabilidade da políica fiscal. Luís Anônio Sleimann

Leia mais

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT

APLICAÇÃO DE SÉRIES TEMPORAIS NA PREVISÃO DA MÉDIA MENSAL DA TAXA DE CÂMBIO DO REAL PARA O DÓLAR COMERCIAL DE COMPRA USANDO O MODELO DE HOLT XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de ouubro

Leia mais

GERAÇÃO DE PREÇOS DE ATIVOS FINANCEIROS E SUA UTILIZAÇÃO PELO MODELO DE BLACK AND SCHOLES

GERAÇÃO DE PREÇOS DE ATIVOS FINANCEIROS E SUA UTILIZAÇÃO PELO MODELO DE BLACK AND SCHOLES XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Mauridade e desafios da Engenharia de Produção: compeiividade das empresas, condições de rabalho, meio ambiene. São Carlos, SP, Brasil, 1 a15 de ouubro de

Leia mais

S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E R E G U L A Ç Ã O E C O N Ô M IC A. Nota Técnica nº 267/2010-SRE/ANEEL Brasília, 25 de Agosto de 2010

S U P E R I N T E N D Ê N C I A D E R E G U L A Ç Ã O E C O N Ô M IC A. Nota Técnica nº 267/2010-SRE/ANEEL Brasília, 25 de Agosto de 2010 S U P E R I N T E N Ê N C I A E R E G U L A Ç Ã O E C O N Ô M IC A Noa Técnica nº 267/2-SRE/ANEEL Brasília 25 de Agoso de 2 M E T O O L O G I A E C Á L C U L O O F A T O R X............................................

Leia mais

Sistema Computacional para Previsão de Demanda em Pontos de Suprimento e Subestação da COELBA

Sistema Computacional para Previsão de Demanda em Pontos de Suprimento e Subestação da COELBA 1 Sisema Compuacional para Previsão de Demanda em Ponos de Suprimeno e Subesação da COELBA P M Ribeiro e D A Garrido, COELBA, R G M Velásquez, CELPE, D M Falcão e A P A da Silva, COPPE Resumo O conhecimeno

Leia mais

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil

Marcello da Cunha Santos. Dívida pública e coordenação de políticas econômicas no Brasil Marcello da Cunha Sanos Dívida pública e coordenação de políicas econômicas no Brasil Belo Horizone, MG Cenro de Desenvolvimeno e Planejameno Regional Faculdade de Ciências Econômicas UFMG 4 Marcello da

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Economia Dissertação de Mestrado. Um Modelo de Investimento Aplicado ao Brasil

Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Economia Dissertação de Mestrado. Um Modelo de Investimento Aplicado ao Brasil Universidade Federal do Rio de Janeiro Insiuo de Economia Disseração de Mesrado Um Modelo de Invesimeno Aplicado ao Brasil Disseração de Mesrado Disseração apresenada ao Insiuo de Economia como requisio

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCO NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO ATRAVÉS DO USO DE DERIVATIVOS

GERENCIAMENTO DE RISCO NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO ATRAVÉS DO USO DE DERIVATIVOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA RENATO DIAS BLEASBY RODRIGUES GERENCIAMENTO DE RISCO NO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO ATRAVÉS DO USO DE DERIVATIVOS RIO DE JANEIRO Dezembro de 2007

Leia mais

FACULDADE IBMEC SÃO PAULO. Theodore Olson Pemberton Jr

FACULDADE IBMEC SÃO PAULO. Theodore Olson Pemberton Jr FACULDADE IBMEC SÃO PAULO Programa de Mesrado Profissional em Economia Theodore Olson Pemberon Jr MODELANDO O PREÇO SPOT DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL: UM MODELO ESTOCÁSTICO COM REVERSÃO À MÉDIA, MUDANÇA

Leia mais

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil

Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produtividade no Brasil Pessoal Ocupado, Horas Trabalhadas, Jornada de Trabalho e Produividade no Brasil Fernando de Holanda Barbosa Filho Samuel de Abreu Pessôa Resumo Esse arigo consrói uma série de horas rabalhadas para a

Leia mais

OPERAÇÕES DE CASH-AND-CARRY ARBITRAGE NA BM&F: UMA DESAGREGAÇÃO DOS CUSTOS GUSTAVO DE SOUZA E SILVA; PEDRO VALENTIM MARQUES; ESALQ/USP

OPERAÇÕES DE CASH-AND-CARRY ARBITRAGE NA BM&F: UMA DESAGREGAÇÃO DOS CUSTOS GUSTAVO DE SOUZA E SILVA; PEDRO VALENTIM MARQUES; ESALQ/USP XLIV CONGRESSO DA SOBER Quesões Agrárias, Educação no Campo e Desenvolvimeno OPERAÇÕES DE CASH-AND-CARRY ARBITRAGE NA BM&F: UMA DESAGREGAÇÃO DOS CUSTOS GUSTAVO DE SOUZA E SILVA; PEDRO VALENTIM MARQUES;

Leia mais

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO

A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO A EFICÁCIA DO CRÉDITO COMO CANAL DE TRANSMISSÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA NO BRASIL: ESTRATÉGIA DE IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA E DEMANDA DE CRÉDITO Thamirys Figueredo Evangelisa 1 Eliane Crisina de Araújo Sbardellai

Leia mais

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração.

OBJETIVOS. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: Explicar a diferença entre regressão espúria e cointegração. Ao final desse grupo de slides os alunos deverão ser capazes de: OBJETIVOS Explicar a diferença enre regressão espúria e coinegração. Jusificar, por meio de ese de hipóeses, se um conjuno de séries emporais

Leia mais

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Mecânica dos Fluidos. Aula 8 Introdução a Cinemática dos Fluidos. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Aula 8 Inrodução a Cinemáica dos Fluidos Tópicos Abordados Nesa Aula Cinemáica dos Fluidos. Definição de Vazão Volumérica. Vazão em Massa e Vazão em Peso. Definição A cinemáica dos fluidos é a ramificação

Leia mais

Estrutura a Termo das Taxas de Juros Estimada e Inflação Implícita Metodologia

Estrutura a Termo das Taxas de Juros Estimada e Inflação Implícita Metodologia Esruura a Termo das Taxas de Juros Esimada e Inflação Implícia Meodologia Versão Abril de 2010 Esruura a Termo das Taxas de Juros Esimada e Inflação Implícia Meodologia SUMÁRIO 1. ESTRUTURA A TERMO DAS

Leia mais

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS

MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS MARCOS VELOSO CZERNORUCKI REPRESENTAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM ESTUDOS DE TRANSITÓRIOS ELETROMAGNÉTICOS Disseração apresenada à Escola Poliécnica da Universidade de São Paulo para obenção do íulo de Mesre

Leia mais

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO

FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO Fernanda Brollo Crédio imobiliário e défici de moradias: uma invesigação dos faores econômicos e insiucionais do desenvolvimeno

Leia mais

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro

Governança Corporativa, Risco Operacional e Comportamento e Estrutura a Termo da Volatilidade no Mercado de Capitais Brasileiro Governança Corporaiva, Risco Operacional e Comporameno e Esruura a Termo da Volailidade no Mercado de Capiais Brasileiro Auoria: Pablo Rogers, Cláudio Anônio Pinheiro Machado Filho, José Robero Securao

Leia mais

XV Prêmio Tesouro Nacional 2010: Homenagem a. Joaquim Nabuco

XV Prêmio Tesouro Nacional 2010: Homenagem a. Joaquim Nabuco 1 XV Prêmio Tesouro Nacional 2010: Homenagem a Joaquim Nabuco TEMA 3: POLÍTICA FISCAL E A CRISE ECONÔMICA INTERNACIONAL 3.1 Políica Fiscal, Finanças Públicas e a Crise do Sisema Financeiro Inernacional

Leia mais

Concorrência no Mercado de Crédito Bancário Brasileiro: Abordagem via Demanda Residual

Concorrência no Mercado de Crédito Bancário Brasileiro: Abordagem via Demanda Residual Escola de Pós-Graduação em Economia EPGE Fundação Geúlio Vargas Disseração de Mesrado Concorrência no Mercado de Crédio Bancário Brasileiro: Abordagem via Demanda Residual Orienador: Afonso Arinos de Mello

Leia mais

Avaliação do Fair Value dos Direitos de Exploração Mineral de Granito com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Estudo de Caso

Avaliação do Fair Value dos Direitos de Exploração Mineral de Granito com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Estudo de Caso Avaliação do Fair Value dos Direios de Exploração Mineral de Granio com Aplicação da Teoria de Opções Reais: Um Esudo de Caso Resumo Ese esudo invesiga a aplicação da eoria de opções reais em reservas

Leia mais

Jovens no mercado de trabalho formal brasileiro: o que há de novo no ingresso dos ocupados? 1

Jovens no mercado de trabalho formal brasileiro: o que há de novo no ingresso dos ocupados? 1 Jovens no mercado de rabalho formal brasileiro: o que há de novo no ingresso dos ocupados? 1 Luís Abel da Silva Filho 2 Fábio José Ferreira da Silva 3 Silvana Nunes de Queiroz 4 Resumo: Nos anos 1990,

Leia mais

A Utilização da Inteligência Competitiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas

A Utilização da Inteligência Competitiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas A Uilização da Ineligência Compeiiva Empreendedora nas Micro e Pequenas Empresas Maria das Graças Vieira Conadora. Mesre em Adminisração Financeira e Douora em Educação UFPB. Professora da Faculdade Maurício

Leia mais

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes

Os Sete Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes Os See Hábios das Pessoas Alamene Eficazes Sephen Covey baseou seus fundamenos para o sucesso na Éica do Caráer aribuos como inegridade, humildade, fidelidade, emperança, coragem, jusiça, paciência, diligência,

Leia mais

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo

O Custo de Bem-Estar da Inflação: Cálculo Tentativo O Cuso de Bem-Esar da Inflação: Cálculo Tenaivo com o Uso de um Modelo de Equilíbrio Geral José W. Rossi Resumo O cuso de bem-esar da inflação em sido calculado usando-se basicamene dois ipos de abordagem:

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA MESTRADO EM ECONOMIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO ANÁLISE DO DESEMPENHO DA BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA ESTIMAÇÕES DAS ELASTICIDADES DAS FUNÇÕES DA

Leia mais