TRANSFORMADORES. Figura 6 1. Transformador

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRANSFORMADORES. Figura 6 1. Transformador"

Transcrição

1 6 TRANSFORMADORES 6.. ASPECTOS CONSTRUTIVOS Núcleo: Confeccionado com chapas de Aço-Silicio laminado, empilhadas e prensadas, as quais apresentam permeabilidades magnéticas elevadas. Enrolamentos: Confeccionados com material condutor de alta condutividade, normalmente cobre, envernizados e isolados do núcleo. núcleo ado ado Figura 6. Transformador Os enrolamentos do transformador são diferentes. O lado, normalmente denominado primário, apresenta N espiras e o do lado, denominado secundário, possui N espiras. 6.. PRINCIPIO DE FUNCIONAMENTO i () t v () t ( t) φ i ( t) v ( t) Figura 6. Convenções

2 4 6. TRANSFORMADORES Grandezas envolvidas: v (t) : Tensão no primário, normalmente imposta pela fonte; v (t) : Tensão no secundário; i (t) : Corrente no primário; i (t) : Corrente no secundário; φ : Fluxo magnético mútuo aos dois enrolamentos. Conceito de Polaridade: Dois terminais de bobinas distintas, magneticamente acopladas, apresentam mesma polaridade quando correntes elétricas, entrando simultaneamente por esses terminais, produzirem fluxos magnéticos concordantes. Observação: Os terminais de mesma polaridade são denotados por um mesmo símbolo (ex.: ponto) CIRCUITO MAGNÉTICO DO TRANSFORMADOR φ R F Ni F N i Figura 6 3. Circuito Elétrico Análogo Da análise do circuito elétrico análogo determina-se: Grandezas envolvidas F Ni N i F N i + N i Rφ (6.) : Força magnetomotriz (f.m.m.) do Primário [Aesp]; : Força magnetomotriz (f.m.m.) do Secundário [Aesp]; φ : Fluxo magnético mútuo aos dois enrolamentos [Wb]; R µ S : Relutância do Circuito Magnético [Aesp/Wb].

3 EETROTÉCNICA GERA O TRANSFORMADOR IDEA Características: I Núcleo com permeabilidade magnética infinita Conseqüência: A relutância R é nula e portanto todo o fluxo magnético está µ S confinado no núcleo. II Material condutor das bobinas de condutividade infinita. Conseqüência: As resistências próprias das bobinas são nulas. Como resultado destas considerações obtém-se: De (6.): ogo: N i + N i i i N N 0 a (6.) Da lei de Faraday resultam: dφ e N : f.e.m. induzida no primário; dt dφ e N : f.e.m. induzida no secundário. dt Então: e N (6.3) e N Da aplicação da segunda lei de Kirchoff obtém-se: v r i + e v r i + No primário: No secundário: e Como r 0 resulta: r

4 6 6. TRANSFORMADORES a N N v v e a (6.4) e : Relação de Transformação POTÊNCIA EÉTRICA INSTANTÂNEA A potência elétrica instantânea no primário é dada por: p vi A potência elétrica instantânea no secundário é dada por: p v i Relação entre as potências elétricas instantâneas: ou ainda, isto é: p vi (av )( p v i p p i ) a CONCUSÕES:. Para os terminais de mesma polaridade de um transformador ideal, os sentidos dos fluxos de correntes são opostos;. A quantidade de potência (ou energia) que entra por um dos lados é a mesma que sai pelo outro lado, isto é, o rendimento do transformador ideal é 00%.

5 EETROTÉCNICA GERA TRANSFORMADOR EM CARGA i () t v ( t) i ( t) v ( t) i () t Z Figura 6.4: Transformador em carga Grandezas envolvidas: v (t) v (t): Tensão no primário, normalmente imposta pela fonte; v (t): Tensão no secundário; i (t): Corrente no primário; i (t): Corrente no secundário; i (t) - i (t): Corrente na carga; Z : Impedância da carga [Ω]. Relações importantes: v v e e i i a Zi a A partir de (6.5) e das demais relações pode-se escrever: ou ainda, Fazendo Z a Z resulta: a v (6.5) v a Z v a (ai ) Zi v ou Zi v Z i (6)

6 8 6. TRANSFORMADORES CONCUSÃO: Uma impedância com um valor igual a Z a Z. Z conectada no secundário é vista pelo primário i () t v () t i ( t) v ( t) i () t Z i () t v () t Z a Z Figura 5: Reflexão de impedâncias O conjunto transformador ideal alimentando uma carga de impedância carga Z a Z alimentada diretamente pela fonte Z é equivalente a uma Exercício Um transformador ideal com N 500 espiras e N 50 espiras alimenta uma carga resistiva de resistência 0Ω. O primário é alimentado por uma fonte de tensão senoidal dada por: v (t).00 cos(377t)(v). Determine: i () t v () t N N v ( t) i ( t) R 0Ω Figura 6: Exercício

7 EETROTÉCNICA GERA 9 a) A tensão no secundário; b) A corrente na carga; c) A corrente no primário; d) A potência aparente fornecida ao primário; e) A potência aparente consumida pela carga. OBS.: Resolva o exercício utilizando notação complexa. Solução: V& a) embrando que a V& e sendo V& j0 00e (V) resulta: 00e V& j0 ou V& j0 00e (V) b) A corrente na carga é obtida a partir da aplicação da ei de Ohm, isto é: & V& j0 I R ou & 00e j0 I 0e (A 0 ) c) A corrente no primário é obtida a partir da relação: & j0 I ou & 0e j0 I 5e (A) & I a d) A potência aparente fornecida ao primário é dada por: S& * j0 j0 V &.I & 00e.5e C 000e e) A potência aparente fornecida à carga é dada por: S& * j0 j0 V&.I & 00e.0e C 000e OBS.: A potência aparente fornecida ao primário e a consumida pela carga são iguais pelo fato do transformador ser ideal. j0 j0 (V) (V) Exercício Um transformador monofásico de distribuição ideal de 3.800/440 (V) alimenta uma carga indutiva cuja impedância é dada por: Z & 3 + j4( Ω) conectada no lado da BT (baixa tensão). Determine:

8 0 6. TRANSFORMADORES I & I & ( ) o V V V Z& 30 + j40 ( Ω) Figura 7: Exercício a) A corrente na carga quando o primário é alimentado por tensão nominal; b) A corrente no primário; c) A impedância vista pela rede; d) A potência aparente consumida pela carga. Nota: Nos transformadores a relação de transformação é fornecida através da relação entre as tensões nominais do primário e secundário. Solução: a) Adotando V & j e (V) resulta V& j0 440e (V ), logo: V& & j53,3 I 88e (A) Z & b) Corrente no primário: & I 440 & I 3800 portanto & 440 j53,3 j53,3 I 88e,8e (A) 3800 a) Impedância vista pela rede: V& j0 3800e j53,3 Z 4,93e (kω) & j53,3 I,8e ou alternativamente, Z e 440 j53,3 4,93e j53,3 (kω) c) Potência ativa consumida pela carga: P V I cosϕ cos(53,3) 3,(kW)

9 EETROTÉCNICA GERA Exercício 3 Um amplificador de som apresenta impedância de saída igual a 8W. Este amplificador alimentará uma caixa de som de impedância de entrada 0W. Para transferir a máxima potência do amplificador para a caixa acústica, utiliza-se um transformador acoplador para o casamento de impedâncias. Qual deve ser a relação de transformação do transformador de acoplamento? Amplificador 0Ω( caixa) 8Ω 0Ω( caixa) N N Figura 8: Exercício 3 Solução: A condição de máxima potência transferida ocorre quando a resistência vista pelo amplificador é igual a sua impedância de saída. Com a inserção do transformador acoplador, a resistência vista pelo amplificador será tal que:

10 6. TRANSFORMADORES 8Ω a 0( Ω) Figura 9: Impedância vista pelo amplificador A condição procurada será tal que: 0a 8 ou ainda a 0, O TRANSFORMADOR REA VAORES NOMINAIS DOS TRANSFORMADORES REAIS Tensões nominais do primário e do secundário: Tensões para as quais o transformador foi dimensionado para operação contínua durante toda a sua vida útil. Nas placas de identificação estas tensões são apresentadas na forma VNOM / VNOM e são iguais a relação de transformação do transformador. As tensões nominais são tais que se alimentando qualquer um dos lados pela sua tensão nominal, resulta também tensão nominal no outro lado com o transformador em aberto. Potência Nominal: Potência aparente para a qual o transformador foi dimensionado para operação contínua em toda a sua vida útil. Na placa de identificação estas grandezas são fornecidas em VA ou múltiplas tais como kva, igual a0 3 VA e MVA, igual a 0 6 VA. Correntes Nominais: São as correntes que circulam nos enrolamentos quando submetidos a tensões nominais e potência nominal, isto é: com S NOM Potência Nominal S I NOM SNOM NOM (A) e I NOM (A) V V NOM NOM Vida útil: Tempo estimado de durabilidade dos materiais (principalmente isolantes) utilizados na confecção do transformador. Este tempo é da ordem de 30 anos quando o transformador opera nas suas condições nominais, podendo atingir idade bem superior a

11 EETROTÉCNICA GERA 3 esta. Qualquer operação fora destas condições implica redução da vida útil do equipamento. É importante destacar que operando fora das suas condições nominais a vida útil do transformador é reduzida sensivelmente. Exercício 4 Determine as correntes nominais de um transformador de potência monofásico de 0 MVA, 35/88kV-60 Hz. Solução: 6 6 0x0 0x0 6,5(A) I NOM 7,3(A) 3 35x0 88x0 I NOM 3 Exercício 5 Dois transformadores de 3,8/0,44kV-60Hz, de potências nominais 00 kva e 50 kva são conectados em paralelo, constituindo o que se denomina um banco de transformadores em paralelo, como mostra a Figura 0. Determine: Figura 0: Transformadores em paralelo Nota: Observe as conexões das polaridades das bobinas

12 4 6. TRANSFORMADORES a) A potência nominal do banco de transformadores; b) As correntes nominais do banco de transformadores. Solução: a) A potência nominal do banco de transformadores é obtida pela soma das potências nominais dos transformadores constituintes do banco, isto é: b) Correntes Nominais S SNOM + SNOM B 50x0 3,8x0 3 I AT 3 Da Alta Tensão: 8,(A ) 50x0 0,44x0 3 IBT 3 Da Baixa Tensão: 568,(A) 50(kVA) Note que as tensões nominais do banco de transformadores são idênticas às tensões nominais dos transformadores, ao passo que suas correntes nominais são iguais à soma das correntes nominais dos transformadores constituintes do banco. Exercício 6 Dois transformadores idênticos de 00VA-00/5(V)-60Hz apresentam seus enrolamentos primários conectados em série e seus enrolamentos secundários em paralelo, como mostra a Figura. Determine:

13 EETROTÉCNICA GERA 5 Figura : Exercício 6 a) A relação de transformação do banco de transformadores; b) A potência nominal do banco de transformadores; c) As correntes nominais do banco. Compare com as correntes nominais de cada transformador. Solução: a) Como os enrolamentos do primário estão em série, a tensão nominal do primário do banco resultará: 00(V) V. b) A potência nominal do banco é a soma das potências individuais dos transformadores, isto é: 00(VA). c) A corrente nominal do primário do banco será a corrente nominal do primário do transformador individual, na medida em que a associação do enrolamentos é uma associação série, assim teremos: I (A). A corrente nominal do secundário do banco é soma das correntes nominais dos transformadores, na medida em que seus enrolamentos do secundário estão em 00 5 paralelo, resultando, portanto: I x 40(A).

14 6 6. TRANSFORMADORES PERDAS EM TRANSFORMADORES REAIS O transformador ideal é isento de perdas como já observamos, ao passo que o transformador real não. As perdas presentes no transformador real são:. Perdas Joule: Os enrolamentos do primário e do secundário são confeccionados com material condutor de boa qualidade, normalmente cobre, com condutividade finita, o que lhes confere uma resistência própria não nula. O fluxo de corrente elétrica nestes condutores implica perdas de energia, denominada Perdas Joule, a qual é uma das responsáveis pelo aquecimento dos enrolamentos e do próprio transformador.. Perdas no Ferro: O fluxo magnético variável no tempo, presente no núcleo ferromagnético, da origem a dois tipos de perdas no núcleo, são elas: Perdas por histerese: O estabelecimento de um campo magnético num material ferromagnético envolve sempre uma certa quantidade de energia elétrica, por exemplo, se o campo magnético é nulo e queremos levá-lo a um valor (B) qualquer diferente de zero, a fonte fornecerá uma quantidade de energia, necessária para tal. Suponhamos agora que, uma vez estabelecido este campo, vamos reduzi-lo a zero novamente. Ato contínuo, o núcleo devolverá energia para a fonte. Ocorre que a quantidade de energia devolvida na redução do campo de seu valor (B) a zero é menor que a quantidade de energia fornecida pela fonte quando campo foi aumentado de zero para (B). Esta diferença de energia é transformada em calor no núcleo ferromagnético. As perdas de energia associada a este fenômeno, denominada perdas por histerese, dependem do valor máximo do campo magnético, do material do núcleo, do tratamento térmico e mecânico dado à chapa, e da freqüência de operação do transformador. Na qual: P K Vol.f B (7) h n MAX K : Coeficiente de histerese, o qual depende do material, do tratamento térmico e mecânico dado à chapa; Vol: Volume ativo do núcleo (m 3 ); f : Freqüência de operação do transformador (Hz);

15 EETROTÉCNICA GERA 7 B MAX : Amplitude do campo magnético senoidal (Wb/m ); n: Coeficiente que depende de B MAX, atingindo valores de,6 a,7 para B MAX de, a,4 Wb/m. Perdas Foucault: Este tipo de perdas no núcleo ferromagnético é oriundo do fato de que este material é também um bom condutor. Assim sendo, um campo magnético variável no tempo, presente neste meio condutor, induz correntes elétricas em forma de anéis, como mostra a Figura. Tais correntes elétricas dão origem a Perdas Joule no núcleo. Figura Correntes Induzidas Perdas Foucault Pode-se demonstrar do eletromagnetismo que as perdas Foucault são dadas por: na qual: P (6.8) F K Vol(ef BMAX) K : Coeficiente que depende da condutividade do material; Vol: Volume ativo do núcleo (m 3 ); e : Espessura da chapa (m);

16 8 6. TRANSFORMADORES f : Freqüência de operação do transformador; B MAX : Amplitude do campo magnético senoidal (Wb/m )..3 Perdas Adicionais: Perdas devido à circulação de correntes elétricas induzidas no tanque do transformador; perdas dielétricas no óleo refrigerante; etc. Essas perdas são de difícil determinação O CIRCUITO EQUIVAENTE DO TRANSFORMADOR REA O circuito equivalente do transformador real é constituído de elementos de circuito (resistências e indutâncias) tal que cada um deles é responsável pela representação de um desvio em relação ao transformador ideal. Assim sendo, temos: REPRESENTAÇÃO DAS PERDAS JOUE NOS ENROAMENTOS A representação das Perdas Joule nos enrolamentos é realizada através da inserção das resistências r e r, como mostra a Figura 3, as quais são iguais, respectivamente, as resistências próprias dos enrolamentos do primário e do secundário. Representando o efeito das resistências dos enrolamentos por dois resistores externos ao transformador, os enrolamentos do transformador da Figura 3 são ideais, isto é, suas resistências são nulas. I r I r V E E V Figura 3 Representação das Perdas Joule OBS.: O transformador indicado possui enrolamentos com resistências próprias nulas

17 EETROTÉCNICA GERA REPRESENTAÇÃO DO EFEITO DA DISPERSÃO Os efeitos dos fluxos de dispersão no primário e no secundário do transformador são simulados por reatâncias indutivas, denominadas reatâncias de dispersão, tais que as quedas de tensão nessas reatâncias são numericamente iguais às parcelas das f.e.m. s induzidas pelos respectivos fluxos de dispersão. I r jx I jx r V E E V Figura 4 Representação da dispersão OBS.: O transformador indicado possui enrolamentos com resistências próprias nulas e isento de dispersão REPRESENTAÇÃO DAS PERDAS NO FERRO A f.e.m. induzida em um enrolamento sujeito a um fluxo magnético variável senoidalmente no tempo é obtido, aplicando a ei de Faraday, como segue: Supondo, resulta: e dφ N dt (6.9) ou ainda, na qual, E M e ω NφMsenω t e E Msenω t ω Nφ πf Nφ M, M é a amplitude da f.e.m. induzida. Podemos ainda calcular o valor eficaz desta f.e.m. através da relação:

18 30 6. TRANSFORMADORES E E M 4,44fNφ M (6.0) Como as perdas no ferro, sob condições próximas as nominais, podem ser consideradas proporcionais ao quadrado do valor máximo do campo magnético, isto é: P FE P H + P De (6.0), lembrando que, podemos escrever: F K f B M De modo que: E K E B M K P FE K f E E Por esta razão, essas perdas podem ser representadas por uma resistência, denominada resistência de perdas no ferro, em paralelo com a f.e.m. induzida pelo fluxo mútuo, tal que: ou ainda, E R F K K K f E E E R F E () K f A Figura 5 mostra o circuito elétrico equivalente parcial do transformador no qual está representada as perdas no ferro.

19 EETROTÉCNICA GERA 3 I r jx I jx r V R f V Figura 5 Representação das perdas no ferro. OBS.: O transformador indicado possui enrolamentos com resistências próprias nulas, isento de dispersão e sem perdas no ferro. Resta-nos agora representar o efeito da permeabilidade finita do núcleo ferromagnético. No transformador ideal, como vimos, a relação entre as correntes do primário e do secundário é dada por: N i + N i No transformador real, como a relutância do núcleo é não nula, resulta: N i + Ni Decompondo i em duas parcelas tais que: 0 Rφ de modo que: resulta: i + i 0 i N i + N i 0 N i 0 Rφ Inserindo uma reatância indutiva em paralelo com a f.e.m. induzida do primário, pela qual flui a corrente i 0, resulta o circuito da Figura 6. Esta reatância é denominada reatância de magnetização do transformador.

20 3 6. TRANSFORMADORES I r jx I r I jx I o V R f jxm V Figura 6 Representação da permeabilidade finita Isto posto, o transformador indicado no circuito da Figura 6, possui enrolamentos com resistências próprias nulas, isento de dispersão, sem perdas no ferro e com permeabilidade infinita, que são as características de um transformador ideal. Refletindo o circuito do secundário para o primário, resulta o circuito equivalente do transformador real mostrado na Figura 7. I r jx ja x ar I I a I o V R p jx a V n Figura 7 Circuito equivalente do transformador real SIMPIFICAÇÕES DO CIRCUITO EQUIVAENTE O circuito elétrico equivalente apresentado na Figura 7 é um circuito equivalente completo, no qual todos os fenômenos relevantes, presentes no transformador estão representados. Ocorre, no entanto, que em determinados estudos nos quais a precisão dos resultados não é tão rigorosa, algumas simplificações podem ser feitas face as seguintes evidências: a) As resistências próprias dos enrolamentos são reduzidas, na medida em que o cobre é um bom condutor;

21 EETROTÉCNICA GERA 33 b) A impedância resultante do paralelo entre a resistência de perdas no ferro e a reatância de magnetização é muito maior que as demais impedâncias do circuito equivalente do transformador. Podemos então conceber os seguintes circuitos equivalentes simplificados: I R cc jx cc I I a V a V Figura 8 Circuito elétrico equivalente simplificado OBS.: Neste circuito considera-se a impedância de magnetização infinitamente maior que as demais impedâncias do transformador Na qual: R r + a CC CC X x + a Desprezando as resistências dos enrolamentos, chega-se ao mais simples dos circuitos equivalentes: r x I jx cc I I a V a V Figura 9 Circuito Equivalente simplificado Exercício 7 Um transformador de 50 kva 6.600/380 (V) 60 Hz apresenta as seguintes reatâncias de dispersão: x Ω e x 0, 04Ω. Para este problema, as resistências e a impedância de magnetização podem ser desprezadas. Determinar: a) O circuito equivalente do transformador.

22 34 6. TRANSFORMADORES a 380 x + a x + (7,37) (0,04) 4Ω Relação de transformação: 7, 37 X CC I j4 V a V I a Figura 0 Circuito equivalente do transformador b) Suponha que uma carga de impedância Z & 0,8 + j0,6( Ω) é ligada no secundário do transformador, e uma fonte de 6600(V) 60Hz é ligada ao primário. Vamos calcular a corrente absorvida pelo primário. Impedância da carga refletida para o primário: Z& a Z& (7,37) (0,8 + j0,6) 40 + j80( Ω) I j4 I I a V av Z 40 + j80( Ω) Resulta, portanto: & I Figura Circuito equivalente com a carga j0 6600e 6600e 40+ j80+ j4 35e j0 j40,36 e j40,36 (A) c) Vamos agora calcular a corrente e a tensão na carga: & I ai & (7,37)(e j40,36 ) 365e j40,36 (A)

23 EETROTÉCNICA GERA 35 V& Z&.I & (0,8 + j0,6).(365e j40,36 ) 365e j3,5 (V) Exercício 8 Um transformador de 50 kva 3,8/0.44 kv 60 Hz, apresenta os seguintes parâmetros: r 3Ω, x 30Ω, r 3mΩ, x 0, 03Ω, R F 90kΩ e X m 0kΩ. a) Desenhe o circuito equivalente deste transformador refletido ao primário; b) Calcular a tensão da fonte conectada ao primário, sabendo-se que no secundário está conectada uma carga que absorve a potência nominal sob tensão nominal com fator de potência 0,8 indutivo; c) Calcular o rendimento do transformador. Solução: 3,8 0,44 a) Sendo a 3, 36 resulta: x r a r a x 30, 5Ω 3, 0Ω I 3 j30 j30,5 3 I V Ip I o I m j0.000 V a V Figura Exercício 8 b) Como a carga absorve a potência nominal do transformador sob tensão nominal, a corrente na carga é dada por:

24 36 6. TRANSFORMADORES logo obtemos: I S V NOM I I a 8,(A) 568,(A) Como o fator de potência de carga é 0,8 indutivo, a corrente da carga está atrasada em 0 relação a tensão do ângulo ϕ arccos( 0,8) 36,87. & j0 Adotando-se V av 3.800e (V), resulta então: & & I I & a Isto posto, calculamos E & como segue: 8,e j36,87 (A) E& j36,87 V& + (3 + j30,5).8,e 4.75e j,65 (V) Temos então: & I E & R 4.75e j,65 P FE 0,6e j,65 (A) & I E & jx 4.75e j0.000 j,65 M M 0,7e j88,35 (A) Resulta então: & I & I + & I + & I P M 8,e j36,87 + 0,6e j,65 + 0,7e j88,35 8,7e j38,3 (A) De modo que: V& j38,3 E& + (3 + j30).8,7e 4.586e j3, (V) c) Cálculo de rendimento: Perdas Joule no secundário: P r I 3.8, 984(W) J

25 EETROTÉCNICA GERA 37 Perdas Joule no primário: P r I 3.8,67.045(W) E R J Perdas no Ferro: P.3(W) FE FE Perdas Totais: P P + P + P 4.6(W) TOT J J FE x0, x0, CARGA Rendimento: η 0, 979 P P CARGA + P TOT VAORES POR UNIDADE Os principais parâmetros e grandezas de um transformador são freqüentemente representados como uma fração dos seus valores nominais. Assim, se um transformador de 00 kva alimenta uma carga que absorve apenas 0 kva, diz-se que a carga está absorvendo 0% da potência nominal ou 0, p.u. (por unidade). Para esta representação, definem-se algumas grandezas, denominadas grandezas de base, a partir das quais todas as outras são medidas. As grandezas de base para o primário do transformador são: Potência de base Potência Nominal, isto é: S S. B NOM V V. Tensão de base Tensão Nominal do Primário, isto é: B NOM Para o secundário: Potência de base Potência Nominal, isto é: S S. B NOM V V. Tensão de Base Tensão Nominal do Secundário: B NOM A partir destas grandezas, podemos deduzir as demais grandezas de base que são a corrente e a impedância de base, como seguem: Para o Primário: Corrente de base:

26 38 6. TRANSFORMADORES Impedância de base: Para o secundário: Corrente de base: Impedância de base: I B V S V NOM NOM NOM Z B I NOM S I B V V NOM NOM NOM Z B I NOM V S V S NOM NOM NOM NOM Z a Note que é válida a relação: B B Z Exercício 9 Um transformador ideal de 00 kva 0/6600 (V) 60 Hz, alimenta no secundário uma carga indutiva que consome sua potência nominal com fator de potência 0,7 indutivo. Determine: a) A potência aparente consumida pela carga em p.u.; b) A potência ativa consumida pela carga em p.u.; c) A impedância da carga em p.u.; d) A impedância da carga refletida no primário em p.u. Solução: a) Sendo 00kVA p.u. é igual a: S B resulta que a potência aparente consumida pela carga em S s S CARGA B p.u. b) A potência ativa consumida pela carga em p.u. é dada por:

27 EETROTÉCNICA GERA 39 p P S CARGA B 00x0,7 00 0,7p.u. c) A impedância da carga é tal que: VNOM , 6Ω S 00x0 Z 3 NOM o ϕ arccos 0,7 45,6 então: j45,6 Z & 435,6e Ω. Sendo VNOM , 6Ω S 00x0 Z 3 B B resulta: z& e j45,6 p.u. d) A impedância da carga refletida no primário é dada por: Sendo: 0 Z & a Z& 435,6e 6600 VNOM 0 0, 484Ω SB 00x0 j45,6 z& e p.u. ZB 3 j45,6, resulta: 0,484e j45,6 Ω Note que em valores por unidade, a impedância da carga e a impedância da carga refletida para o primário são iguais, indicando que em p.u., o transformador tem relação :.

28 40 6. TRANSFORMADORES Exercício 0 Um transformador de 50 kva 3,8/0.44 kv 60 Hz, apresenta os seguintes parâmetros: r 3Ω, x 30Ω, r 3mΩ, x 0, 03Ω, R F 90kΩ e X m 0kΩ. a) Desenhe o circuito equivalente deste transformador refletido ao primário com as grandezas representadas pelo seus valores em p.u.; b) Calcular a tensão da fonte (em p.u.) conectada ao primário, sabendo-se que no secundário está conectada uma carga que absorve a potência nominal sob tensão nominal com fator de potência 0,8 indutivo; Solução: a) Valores de Base do Primário: I SB SNOM 50kVA S V NOM B NOM 8,(A) Z B VNOM VNOM Ω I S NOM NOM Valores de Base do Secundário: I S V SB SNOM 50kVA NOM B NOM 568,(A) Z B VNOM VNOM 440 0, 774Ω I S NOM NOM Resulta, portanto:

29 EETROTÉCNICA GERA 4 3 0,003 r 0,004pu r 0,0038pu 76 0, ,03 x 0,04pu x 0,04pu 76 0, r F 8pu x M 6,pu i j0,04 j0,04 0,0038 i i o V i p 8 i m j6, V Figura 3 Exercício 0 b) Como a carga absorve a potência nominal do transformador sob tensão nominal, a corrente na carga é dada por: i pu Como o fator de potência da carga é 0,8 indutivo, a corrente da carga está atrasada em relação a tensão do ângulo: & 0 ϕ arccos( 0,8) 36,87 j0 Adotando-se v e (p.u.), resulta então: i e j36,87 (p.u.) Isto posto, calculamos e& como segue: j0 j36,87 e& e + (0, j0,004).e,006e j,65 (p.u.) Temos então: i e & r,006e 8 j,65 P F 0,0085e j,65 (p.u.)

30 4 6. TRANSFORMADORES i e & jx,006e j6, j,65 M M 0,0384e j88,35 (p.u.) Resulta então: i i + i P + i M,036e j38,3 (p.u.) De modo que: v& e& + (r + jx).i,057e j3, (p.u.) 6.6. ASSOCIAÇÃO DE TRANSFORMADORES ASSOCIAÇÃO DE TRANSFORMADORES EM PARAEO Muitas vezes, devido a um acréscimo da energia consumida pela planta industrial, há a necessidade da instalação de transformadores adicionais para suprir este acréscimo de consumo, de modo que as novas unidades são instaladas em paralelo com a unidade já existente, constituindo o que chamamos de um banco de transformadores em paralelo. Convém, para garantir uma distribuição uniforme da carga entre os transformadores, que as novas unidades sejam, os mais próximos possíveis, semelhantes às antigas. Isto é parcialmente garantido se as impedâncias de curto-circuito ( R, X CC CC ), em p.u., forem iguais. Cuidados adicionais devem ser tomados nas conexões, para evitar circulação de correntes entre os enrolamentos. Assim, ao se associar em paralelo dois enrolamentos, devem-se conectar os pontos de polaridades semelhantes, como indicado na Figura 4.

31 EETROTÉCNICA GERA 43 Figura 4 Associação de transformadores em paralelo BANCO TRIFÁSICO DE TRANSFORMADORES É possível utilizarmos transformadores monofásicos para transformação de tensões em sistemas trifásicos, associando-se convenientemente seus enrolamentos. Este procedimento, a despeito do caráter econômico envolvido, na medida em que três transformadores monofásicos é mais caro que um único transformador trifásico, apresenta flexibilidade de operação vantajosa em alguns casos. Senão vejamos, se ocorrer uma contingência que implica inutilização de um transformador, sua substituição é rápida e menos onerosa que a substituição de um transformador trifásico e, dependendo ainda do tipo de conexão utilizado, o suprimento de energia pode ser parcialmente garantido com apenas dois transformadores, o que não ocorre quando um defeito acomete um transformador trifásico Conexão Estrela-Estrela A Figura 5 mostra um banco trifásico constituído por três transformadores monofásicos, cujos enrolamentos primário e secundário são conectados em estrela.

32 44 6. TRANSFORMADORES A A B B C C Figura 5 Banco trifásico estrela estrela O único cuidado nesta conexão é observar que os terminais da estrela são os terminais de mesma polaridade das unidades monofásicas. Sejam: S NOM : Potência nominal; V V : NOM Tensão nominal do primário; NOM : Tensão nominal do secundário os valores do transformador monofásico. De modo que, os valores nominais do banco trifásico de transformadores resultam: Potência nominal do banco: S 3xS BANCO V NOM 3xV Tensão nominal de linha do primário: B NOM V 3xV Tensão nominal de linha do secundário: B NOM

33 EETROTÉCNICA GERA Conexão Triângulo - Triângulo A Figura 6 mostra um banco trifásico constituído por três transformadores monofásicos, cujos enrolamentos primário e secundário são conectados em triângulo. A A B B C C Figura 6 Conexão triângulo - triângulo Os valores nominais deste banco trifásico de transformadores resultam: Potência nominal do banco: S 3xS BANCO NOM V V Tensão nominal de linha do primário: B NOM V V Tensão nominal de linha do secundário: B NOM Conexão Estrela - Triângulo A Figura 7 mostra um banco trifásico constituído por três transformadores monofásicos, cujos enrolamentos do primário estão conectados em estrela e os enrolamentos do secundário conectados em triângulo.

34 46 6. TRANSFORMADORES A A B B C C Figura 7 Conexão estrela - triângulo As grandezas nominais deste banco trifásico de transformadores resultam: Potência nominal do banco: S 3xS BANCO V NOM 3V Tensão nominal de linha do primário: B NOM V V Tensão nominal de linha do secundário: B NOM Exercício Três transformadores idênticos de 50 kva 6.600/380 (V) 60 Hz apresenta reatância de curto circuito de 4Ω. Para este problema, as resistências e a impedância de magnetização podem ser desprezadas.

35 EETROTÉCNICA GERA 47 Estes transformadores são utilizados para a montagem de um banco trifásico na ligação estrela triângulo, como mostra a Figura 8. A A B B C C Figura 8 Conexão estrela triângulo Determine: a) A potência nominal do banco; a tensão de linha nominal do primário e a tensão de linha nominal do secundário; b) A tensão de linha que deve ser aplicada ao primário do banco de modo a se obter tensão nominal no secundário alimentando carga nominal do banco com fator de potência 0,8 indutivo. Solução: a) Potência nominal do banco: S BANCO 3x50 450kVA ;

36 48 6. TRANSFORMADORES Tensão nominal de linha do primário: Tensão Nominal de linha do secundário: VB VB NOM 3VNOM.430V ; V 380V. b) Na resolução de um problema envolvendo um banco trifásico de transformadores, convém analisar o que ocorre com apenas um deles, na medida em que os comportamentos dos demais transformadores são idênticos, cuidando-se, no entanto, de considerar as defasagens de + ou 0º entre as fases da tensão e da corrente. Da Figura 8 podemos extrair o circuito correspondente a uma fase, como mostrado na Figura 9 que se segue: I& V & V & 50kVA cos ϕ0,80 ind. Figura 9 Circuito de uma fase Observe que uma fase do banco trifásico corresponde a um único transformador monofásico, cujo secundário alimenta uma carga que absorve a potência de 50kVA (um terço da potência trifásica), fator potência 0,8 indutivo sob tensão nominal de 380V, de modo que: I 395(A) 380 logo, 395 I 7,4,7(A) Trabalhando com as grandezas refletidas ao primário, resulta o seguinte circuito equivalente:

37 EETROTÉCNICA GERA 49 I& j4 I V o Figura 30 - Circuito Equivalente Da análise do circuito obtém-se: V& j36, j4x,7e 6940e j3,6 (V) Como o primário está conectado em estrela a tensão de linha necessária para estabelecer 6940 (V) na fase é tal que: INHA 3V 3x (V) V O TRANSFORMADOR TRIFÁSICO A Figura 30 mostra três transformadores monofásicos, com os enrolamentos primário e secundário abrigados em um único braço do núcleo magnético. Este procedimento confere um melhor acoplamento magnético entre as bobinas dos dois enrolamentos.

38 50 6. TRANSFORMADORES φ ( t 3 ) φ ( t ) φ ( t ) φ ( t) Figura 3 Três transformadores monofásicos Indiferentemente das conexões dos enrolamentos (estrela ou triângulo), os núcleos dos três transformadores quando seus enrolamentos são alimentados por uma fonte trifásica de tensões são grandezas variáveis senoidalmente no tempo e defasadas de 0º uma da outra, isto é: φ ( t) φmax cos[ ωt] φ (t) φ cos[ ωt 0 φ MAX 3(t) φmax cos[ ωt 40 Agora, se construirmos o banco trifásico de transformadores de modo que as três unidades tenham um braço em comum, neste braço o fluxo resultante será a soma dos fluxos de cada núcleo, de modo que: φr φ( t) + φ(t) + φ3(t) 0 O O ] ]

39 EETROTÉCNICA GERA 5 φ R Figura 3 Três transformadores com um braço comum Como o fluxo resultante é nulo, não há razão para a existência do braço comum, de modo que podemos construir os três transformadores com mostra a Figura 33. Figura 33 Três transformadores com o braço comum eliminado A última manipulação nos transformadores para se chegar ao transformador trifásico como ele é construído, consiste em colocar os três braços em um único plano, como mostra a Figura 34. A pequena diferença de relutância do circuito magnético das três

40 5 6. TRANSFORMADORES fases não é relevante a ponto de produzir desequilíbrios sensíveis de f.e.m. s induzidas, resultando então a forma final apresentada na Figura 34. Figura 34 Transformador Trifásico 6.7 EXERCÍCIOS. Um transformador monofásico ideal apresenta as grandezas instantâneas indicadas. Complete a tabela indicando os terminais de mesma polaridade e os sentidos reais das tensões e correntes envolvidas. ado V (V) I (A) N (esp.) P (W) Primário Secundário

41 EETROTÉCNICA GERA 53 Núcleo 38 A 440 V N N I 3800 V ado ado Exercício. Um transformador monofásico ideal é alimentado por uma fonte de tensão senoidal de tensão V (V). A tensão na carga de impedância Z & 40 + j 30 (Ω) é V (V). Determine: a) A corrente na carga e respectivo fator de potência; b) A corrente no primário; c) A impedância vista pela fonte e respectivo fator de potência; d) A potência ativa consumida pela carga; e) A potência ativa fornecida pela fonte. 3. Determine as correntes nominais de um transformador de potência monofásico de MVA, 3.8/0.66kV-60 Hz. 4. Dois transformadores idênticos de 0 kva-3.800/0(v)-60hz apresentam seus enrolamentos primários conectados em paralelo e seus enrolamentos secundários em série. Determine: a) A relação de transformação do banco de transformadores; b) A potência nominal do banco de transformadores; c) As correntes nominais do banco. Compare com as correntes nominais de cada transformador.

42 54 6. TRANSFORMADORES 5. Um transformador de 300 kva 3.800/440 (V) 60 Hz apresenta as seguintes reatâncias de dispersão: x 5Ω e x 0, 05Ω. Para este problema, as resistências e a impedância de magnetização podem ser desprezadas. Para este problema determine: a) O circuito equivalente do transformador; b) Suponha que uma carga de impedância Z& 0,64 + j0,48( Ω) é ligada no secundário do transformador, e uma fonte de 3.800(V) 60Hz é ligada ao primário. c) Calcular a corrente absorvida pelo primário. d) A corrente e a tensão na carga. 6. Um transformador de 50 kva 3,8/0.44 kv 60 Hz, apresenta os seguintes parâmetros: r 3Ω, x 30Ω, r 3mΩ, x 0, 03Ω, R F 90kΩ e X m 0kΩ. Desenhe o circuito equivalente deste transformador, indicando os valores das tensões, correntes e parâmetros em p.u. 7. O transformador do exercício anterior alimenta uma carga com tensão nominal no secundário, a qual absorve sua potência nominal com fator de potência 0,8 indutivo. Determine, em valores por unidade (p.u.) a tensão e a corrente no primário. 8. Três transformadores monofásicos idênticos, de 5 kva 6.600/0 V 60 Hz, são utilizados para montar um banco trifásico de transformadores, na conexão triângulo estrela. Determine: a) A potência nominal do banco; b) A relação entre as tensões de linha do primário e do secundário; c) As correntes nominais do banco. RESPOSTAS. I 44(A). 80 A; 0,6; 3, (A); 95, (W); 0,6; 9 kw; 9 kw (A); 6,7 (A) /440; 0 kva;,45 (A); 45,45 (A).

43 EETROTÉCNICA GERA ,9 A; 530 (A); 44 (V). 6. Z base 76,8 (Ω) 7. v,06 p.u kva; 3.800/380 (V); 4/68,.

44 56 6. TRANSFORMADORES

Eletrotécnica TEXTO Nº 6

Eletrotécnica TEXTO Nº 6 Eletrotécnica TEXTO º 6 TRAFORMADORE DE POTÊCIA. ITRODUÇÃO OBJETIO PRICIPAL: Estabelecimento de modelos matemáticos para transformadores de potência monofásicos, de forma a propiciar o cálculo das correntes,

Leia mais

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário

TRANSFORMADORES. P = enrolamento do primário S = enrolamento do secundário TRANSFORMADORES Podemos definir o transformador como sendo um dispositivo que transfere energia de um circuito para outro, sem alterar a frequência e sem a necessidade de uma conexão física. Quando existe

Leia mais

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT)

PEA 2400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT) PEA 400 - MÁQUINAS ELÉTRICAS I 60 CARACTERIZAÇÃO DAS PERDAS E RENDIMENTO NO TRANSFORMADOR EM CARGA: PERDAS NO FERRO (HISTERÉTICA E FOUCAULT) PERDAS CONSTANTES: p C INDEPENDENTES DA CARGA EFEITO DO CAMPO

Leia mais

Conversão de Energia I

Conversão de Energia I Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Aula 2.7 Transformadores Prof. Clodomiro Vila Bibliografia FITZGERALD, A. E., KINGSLEY Jr. C. E UMANS, S. D. Máquinas Elétricas: com Introdução

Leia mais

TRANSFORMADORES ELÉTRICOS

TRANSFORMADORES ELÉTRICOS TRANSFORMADORES ELÉTRICOS (Módulo 3 TEM) Prof. Dr. Emerson Silveira Serafim FONTE:http://br.geocities.com/salad efisica7/funciona/transformador.htm SUMÁRIO 1.1 Introdução 1.2 Definição 1.2.1 Princípio

Leia mais

. analogamente. Np Ns. a = Ns

. analogamente. Np Ns. a = Ns - Transformadores O transformador é um equipamento elétrico formado por bobinas isoladas eletricamente em torno de um núcleo comum. A bobina que recebe energia de uma fonte ca é chamada de primário. A

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Transformadores são máquinas de operação estática que transferem energia elétrica de um circuito

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP)

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA: ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA (EP) NOTA RELATÓRIO -.... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais

Leia mais

Introdução a Transformadores

Introdução a Transformadores Introdução a Transformadores O transformador possibilita a geração de energia elétrica em média tensão, pois pode transformar essa energia em alta tensão para uma transmissão mais econômica. As tensões

Leia mais

Constituição - Núcleo. Constituição. Tipos de núcleos. Núcleo ferromagnético. Constituição - Enrolamentos. Tipos de núcleos 02/03/2015

Constituição - Núcleo. Constituição. Tipos de núcleos. Núcleo ferromagnético. Constituição - Enrolamentos. Tipos de núcleos 02/03/2015 02/03/2015 es monofásico Eletricista de Instalações trifásico es de tensão de medida 2014/ 2015 de intensidade 1 monofásico 2 4 Simbologia es: o aparelhos eletromagnéticos o sem partes móveis o destinados

Leia mais

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo.

EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO. Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. EXPERIMENTO 11: DEMONSTRAÇÕES SOBRE ELETROMAGNETISMO 11.1 OBJETIVOS Observar, descrever e explicar algumas demonstrações de eletromagnetismo. 11.2 INTRODUÇÃO Força de Lorentz Do ponto de vista formal,

Leia mais

Eletricidade II Sumário

Eletricidade II Sumário Sumário 1.0 Conceitos gerais sobre Magnetismo... 3 2.0 - Campo Magnético gerado por corrente elétrica... 3 3.0 A natureza dos materiais magnéticos... 6 5.0 Indução Eletromagnética... 10 6.0 Geração de

Leia mais

Aula 2 TRANSFORMADORES I. Prof. Dr. Maurício Salles mausalles@usp.br USP/POLI/PEA

Aula 2 TRANSFORMADORES I. Prof. Dr. Maurício Salles mausalles@usp.br USP/POLI/PEA Aula 2 TRANSFORMADORES I Prof. Dr. Maurício Salles mausalles@usp.br USP/POLI/PEA Aula 2 TRANSFORMADORES Utilização do transformador Princípio de funcionamento do transformador (ideal e real) Transformador

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA CONHECIENTOS ESPECÍFICOS TÉCNICO E ELETROTÉCNICA 26. Analise o circuito a seguir. Considerando que a lâmpada L foi projetada para funcionar numa rede de 120 V, dissipando 60 W, o valor da resistência Rx,

Leia mais

Aula 16. Modelagem de Transformador

Aula 16. Modelagem de Transformador Aula 16 Modelagem de Transformador Modelagem Iremos apresentar o modelo do transformador para uso no cálculo de fluxo de potência em redes de alta tensão. Estes modelos descrevem matematicamente o comportamento

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA

REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA 1 REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE POTÊNCIA revisão mar06 1 - Introdução A maioria dos sistemas elétricos de potência é em corrente alternada. As instalações em corrente contínua são raras e tem aplicações

Leia mais

Auto - Transformador Monofásico

Auto - Transformador Monofásico Auto - Transformador Monofásico Transformação de Tensão Transformação de tensão para várias tensões de entrada: U 2, U 3, U 23 = f (U 1 ) 1.1. - Generalidades A função do transformador é transformar a

Leia mais

XXIX Olimpíada Internacional de Física

XXIX Olimpíada Internacional de Física XXIX Olimpíada Internacional de Física Reykjavík, Islândia Parte Experimental Segunda-feira, 6 de Julho de 1998 Lê isto primeiro: Duração: 5 H 1. Utiliza apenas a esferográfica que te foi dada. 2. Usa

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS

ANÁLISE DE CIRCUITOS NÁLISE DE CIRCUITOS Corrente Contínua 1 Na figura seguinte representa um voltímetro e um amperímetro. Se indicar 0,6 m, quanto deverá marcar? U 50kΩ Figura 1 2 Se R b = 3R a, qual a tensão entre e B (sabendo

Leia mais

ENGENHEIRO ELETRICISTA

ENGENHEIRO ELETRICISTA ENGENHEIRO ELETRICISTA QUESTÃO 01 O projeto de uma S.E. consumidora prevê dois transformadores, operando em paralelo, com as seguintes características: 500kVA, 13800//220/127V, Z = 5% sob 13.8KV; I n =

Leia mais

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova EE.UFMG - ESCOLA DE ENGENHARIA DA UFMG CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ELE 0 - CIRCUITOS POLIFÁSICOS E MAGNÉTICOS PROF: CLEVER PEREIRA 1 a Lista de Exercícios Exercícios para a Primeira Prova

Leia mais

Sistemas trifásicos. Introdução

Sistemas trifásicos. Introdução Sistemas trifásicos Introdução Em circuitos elétricos de potência, a energia elétrica é gerada, transmitida, distribuída e consumida sob a forma e trifásica, Uma das vantagens dos circuitos trifásicos

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

ANÁLISE DAS PERDAS NO TRANSFORMADOR MONOFÁSICO PARA DIFERENTES CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO. Jonathan Carvalho de Vasconcellos

ANÁLISE DAS PERDAS NO TRANSFORMADOR MONOFÁSICO PARA DIFERENTES CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO. Jonathan Carvalho de Vasconcellos ANÁLISE DAS PERDAS NO TRANSFORMADOR MONOFÁSICO PARA DIFERENTES CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO Jonathan Carvalho de Vasconcellos Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Elétrica da Escola Politécnica,

Leia mais

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA CIRCUITO EQUIVALENTE PARA REGULADOR DE TENSÃO TIPO INDUÇÃO

EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA CIRCUITO EQUIVALENTE PARA REGULADOR DE TENSÃO TIPO INDUÇÃO TELEFONE () 00-0777 - FAX () 00-0779 - CEP 033-0 CIRCUITO EQUIVALENTE PARA REGULADOR DE TENSÃO TIPO INDUÇÃO O artigo a seguir propõe um circuito equivalente para regulador de tensão, simples e prático,

Leia mais

Ensaio em Vazio de um Transformador Trifásico

Ensaio em Vazio de um Transformador Trifásico Ensaio em Vazio de um Transformador Trifásico Em um ensaio em vazio, como o próprio nome diz, o transformador é ensaiado sem carga. Os objetivos do teste em vazio do transformador trifásico são: Determinar

Leia mais

TRANSFORMADOR. A figura 1 mostra o esquema de um transformador básico.

TRANSFORMADOR. A figura 1 mostra o esquema de um transformador básico. TRAFORMADOR O transformador é constituído basicamente por dois enrolamentos que, utilizando um núcleo em comum, converte primeiramente e- nergia elétrica em magnética e a seguir energia magnética em elétrica.

Leia mais

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9 MÁQUA 1 CAÍTULO 9 TRAFORMADOR O transformador é um componente utilizado para converter o valor da amplitude da tensão de uma corrente alternada. O transformador é uma máquina elétrica que transfere energia

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL I EXPERIÊNCIA - ENERGIA, POTÊNCIA E FATOR DE POTÊNCIA RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............ Professor:...Data:... Objetivo:............ 1 - Considerações gerais A parte

Leia mais

Instituto Politécnico do Porto Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica

Instituto Politécnico do Porto Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Instituto Politécnico do Porto Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Uniidade de Ensiino para Ellectrotecniia e Ellectróniica Electromagnetismo e Máquinas

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES - PERDAS EM VAZIO Potência absorvida pelo transformador quando alimentado em tensão e frequência nominais,

Leia mais

Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados

Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados Introdução Circuitos Elétricos Circuitos Magneticamente Acoplados Alessandro L. Koerich Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) Os circuitos que estudamos até o momento

Leia mais

TERMOS PRINCIPAIS UTILIZADOS EM TRANSFORMADORES

TERMOS PRINCIPAIS UTILIZADOS EM TRANSFORMADORES TRANSFORMADOR MONOFÁSICO: São transformadores que possuem apenas um conjunto de bobinas de Alta e Baixa tensão colocado sobre um núcleo. 1 TRANSFORMADOR TRIFÁSICO: São transformadores que possuem três

Leia mais

O funcionamento de um transformador baseia-se no fenômeno da mutua indução entre dois circuitos eletricamente isolados, mas magnéticamente

O funcionamento de um transformador baseia-se no fenômeno da mutua indução entre dois circuitos eletricamente isolados, mas magnéticamente TRANSFORMADORES ELETROTÉCNICA Prof. Antonio Sergio O funcionamento de um transformador baseia-se no fenômeno da mutua indução entre dois circuitos eletricamente isolados, mas magnéticamente acoplados.

Leia mais

2. Suponha que o primário do transformador anterior tinha 800 espiras. Qual será o número de espiras do secundário?

2. Suponha que o primário do transformador anterior tinha 800 espiras. Qual será o número de espiras do secundário? 1. Um transformador tem a seguinte característica: 220/110 V. Responda as seguintes questões: a) 0 transformador é redutor ou elevador? b) Indique o valor da tensão no primário e a do secundário. c) Calcule

Leia mais

Sum u ário i Introdução Indução Auto-indução Indutores em corrente alternada Fator de qualidade (q)

Sum u ário i Introdução Indução Auto-indução Indutores em corrente alternada Fator de qualidade (q) Sumário ntrodução 5 ndução 6 Auto-indução 7 ndutores em corrente alternada 14 Fator de qualidade (q) 16 Determinação experimental da indutância de um indutor 16 Associação de indutores 18 Relação de fase

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

Os pólos do mesmo sinal repelem-se, norte com norte e sul com sul, e os pólos de sinal contrário atraem-se, sul com norte e norte com sul.

Os pólos do mesmo sinal repelem-se, norte com norte e sul com sul, e os pólos de sinal contrário atraem-se, sul com norte e norte com sul. A- Magnetismo 1- Íman Chama-se íman ao corpo que possui a propriedade de atrair ferro, níquel ou cobalto. Existem ímanes naturais denominados de magnetite, e ímanes artificiais constituídos por aço e ferro.

Leia mais

- 106 - - TRANSFORMADOR MONOFÁSICO CONSIDERAÇÕES INICIAIS: NOÇÕES DE ELETROMAGNETISMO PRINCIPAIS LEIS:

- 106 - - TRANSFORMADOR MONOFÁSICO CONSIDERAÇÕES INICIAIS: NOÇÕES DE ELETROMAGNETISMO PRINCIPAIS LEIS: - 6 - CAÍTULO X - TRAFORMADOR MOOFÁICO COIDERAÇÕE IICIAI: OÇÕE DE ELETROMAGETIMO RICIAI LEI: a) LEI DE BIOT - AVART : "Uma corrente elétrica percorrendo um condutor, cria em torno deste condutor um campo

Leia mais

TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA

TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA TRANSFORMADORES ADRIELLE C. SANTANA Aplicações As três aplicações básicas dos transformadores e que os fazem indispensáveis em diversas aplicações como, sistemas de distribuição de energia elétrica, circuitos

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

Transformador Trifásico [de isolamento]

Transformador Trifásico [de isolamento] ISTITTO POLITÉCICO DE ISE ESCOLA SPERIOR DE TECOLOGIA Transformador Trifásico [de isolamento] Ligações do transformador trifásico de isolamento. Objectivos * Conhecer as possibilidades para a transformação

Leia mais

Máquinas e Equipamentos Elétricos e Mecânicos

Máquinas e Equipamentos Elétricos e Mecânicos Indicação de ícones Os ícones são elementos gráficos utilizados para ampliar as formas de linguagem e facilitar a organização e a leitura hipertextual. Atenção: indica pontos de maior relevância no texto.

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS PATO BRANCO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO DE TECNOLOGIA EMMANUTENÇÃO INDUSTRIAL Paulo dos Santos CARACTERIZAÇÃO ELÉTRICA DE UM TRANSFORMADOR

Leia mais

Caderno de Exercícios

Caderno de Exercícios Instituto Politécnico do Porto Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Curso de Engenharia Electrotécnica Electrónica e Computadores Disciplina de FEELE Caderno

Leia mais

Transformador. Índice. Estrutura

Transformador. Índice. Estrutura Transformador Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Um transformador ou trafo é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência elétrica de um circuito a outro, transformando tensões,

Leia mais

Capítulo 9 TRANSFORMADORES

Capítulo 9 TRANSFORMADORES Capítulo 9 TRANSFORMADORES Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos transformadores com base nas leis de Faraday e Lenz, mostra o papel dos transformadores em um sistema elétrico de corrente

Leia mais

a) 4V/R. b) 2V/R. c) V/R. d) V/2R. e) V/4R.

a) 4V/R. b) 2V/R. c) V/R. d) V/2R. e) V/4R. 1- (Unitau 1995) No circuito mostrado a seguir, a corrente fornecida pela bateria e a corrente que circula através do resistor de 6,0Ω São, respectivamente: 4- (Vunesp 1991) Alguns automóveis modernos

Leia mais

Projeto de pequenos transformadores

Projeto de pequenos transformadores Projeto de pequenos transformadores Um transformador é uma máquina elétrica estática, cuja principal função é transferir energia elétrica de um circuito para outro. Os transformadores podem ser elevadores,

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

Figura 11.1: Solenóides concatenados

Figura 11.1: Solenóides concatenados Capítulo 11 Lei da Indução Com as experiências de Oersted, viu-se que correntes elétricas geram campos magnéticos. Ficou então a seguinte dúvida: Pode o campo magnético gerar corrente? Michael Faraday

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores 2006/2007 Máquinas Eléctricas - Exercícios

Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores 2006/2007 Máquinas Eléctricas - Exercícios Mestrado Integrado em Engenharia Electrónica Industrial e Computadores 2006/2007 Máquinas Eléctricas - Exercícios Nome Nº ATENÇÃO: A justificação clara e concisa das afirmações e cálculos mais relevantes

Leia mais

Indutores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br

Indutores. Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Indutores Prof a. Michelle Mendes Santos michelle.mendes@ifmg.edu.br Indutores Consistem de um condutor enrolado com N voltas (espiras) na forma de um solenóide, ou de um tiróide. Podem conter ou não um

Leia mais

Capítulo 3. Máquinas de corrente contínua. Introdução

Capítulo 3. Máquinas de corrente contínua. Introdução Capítulo 3 Máquinas de corrente contínua Introdução A máquina de corrente contínua foi, durante muito tempo, a solução mais natural para problemas em que era imprescindível variar a velocidade durante

Leia mais

Força Eletromotriz Induzida

Força Eletromotriz Induzida Força Eletromotriz Induzida 1. (Uerj 2013) Um transformador que fornece energia elétrica a um computador está conectado a uma rede elétrica de tensão eficaz igual a 120 V. A tensão eficaz no enrolamento

Leia mais

3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm

3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm 3º Experimento 1ª Parte: Lei de Ohm 1. Objetivos: Verificar a lei de Ohm. Determinar a resistência elétrica através dos valores de tensão e corrente. 2. Teoria: No século passado, George Ohm enunciou:

Leia mais

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS

Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS Capítulo 8 - MOTORES ELÉTRICOS 8.1 - Motores de Corrente Contínua 8.2 - Motores de Corrente Alternada 8.3 - Motores Especiais 8.4 - Exercícios Propostos Na natureza a energia se encontra distribuída sob

Leia mais

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é:

Questão 3: Um resistor de 10Ω é alimentado por uma tensão contínua de 50V. A potência dissipada pelo resistor é: Questão 1: Dois resistores de 1Ω e 2Ω, conectados em série, são alimentados por uma fonte de tensão contínua de 6V. A tensão sobre o resistor de 2Ω é: a) 15V. b) 2V. c) 4V. d) 5V. e) 55V. Questão 2:A resistência

Leia mais

Modelagem de Sistemas Dinâmicos Aula 7

Modelagem de Sistemas Dinâmicos Aula 7 Modelagem de Sistemas Dinâmicos Aula 7 Prof. Daniel Coutinho daniel.coutinho@ufsc.br Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina PGEAS/UFSC DAS9060

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando que um transformador monofásico será submetido aos ensaios de curto-circuito e a vazio para determinação dos parâmetros do seu circuito equivalente, o qual deverá

Leia mais

Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência

Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Fundamentos de Medidas Elétricas em Alta Freqüência Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE Medidas Elétricas em Alta Frequência Quando o comprimento de

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna:

Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade Básica Jones Clécio Otaviano Dias Júnior Curso FIC Aluna: Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão Eletricidade

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista 1

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista 1 Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista 1 Ex.1) Um circuito magnético como mostrado na figura abaixo, tem dimensões A C = 9 [cm 2 ]; A g = 9 [cm 2 ]; l g = 0,050 [cm]; l C = 30

Leia mais

PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 50 MÁQUINA ASSÍNCRONA OPERANDO NO MODO GERADOR

PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 50 MÁQUINA ASSÍNCRONA OPERANDO NO MODO GERADOR PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 50 MÁQUINA ASSÍNCRONA OPERANDO NO MODO GERADOR PEA 2404 - MÁQUINAS ELÉTRICAS E ACIONAMENTOS 51 CARACTERIZAÇÃO DA OPERAÇÃO COMO GERADOR ω s CURA NO MODO MOTOR

Leia mais

Finalmente, para adaptar o nível de tensão às necessidades de consumo, são necessários outros transformadores (de distribuição).

Finalmente, para adaptar o nível de tensão às necessidades de consumo, são necessários outros transformadores (de distribuição). TRASFORMADORES TRFÁSCOS van Camargo Março de 007 ) ntrodução e Aspectos Construtivos Os transformadores trifásicos são equipamentos indispensáveis para o funcionamento de um sistema elétrico. O transformador

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica

Departamento de Engenharia Electrotécnica Departamento de Engenharia Electrotécnica LEE SEE Licenciatura em Engenharia Electrotécnica, Sistemas Eléctricos de Energia Problemas de apoio à disciplina de SELE II - Sistemas Eléctricos de Energia 2

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

Cap. 7 - Medição de Resistências, Capacitâncias e Indutâncias

Cap. 7 - Medição de Resistências, Capacitâncias e Indutâncias Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap. 7 - Medição de Resistências, Capacitâncias e Indutâncias Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Resistência

Leia mais

Lista de Exercícios Circuitos Trifásicos Equilibrados. Prof. Marcelo. Engenharia Elétrica IFG/Jataí

Lista de Exercícios Circuitos Trifásicos Equilibrados. Prof. Marcelo. Engenharia Elétrica IFG/Jataí Lista de Exercícios Circuitos Trifásicos Equilibrados Prof. Marcelo Engenharia Elétrica IFG/Jataí 8) Encontrar os parâmetros elétricos assinalados no circuito abaixo, e ilustrá-los através de um diagrama

Leia mais

1. Descobertas de Oersted

1. Descobertas de Oersted Parte II - ELETROMAGNETISMO 1. Descobertas de Oersted Até o início do século XIX acreditava-se que não existia relação entre os fenômenos elétricos e magnéticos. Em 1819, um professor e físico dinamarquês

Leia mais

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos. Prof.: Hélio Henrique

DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos. Prof.: Hélio Henrique DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos Prof.: Hélio Henrique 2 MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA 2.1 - COMPONENTES DA MÁQUINA CC Fig. 2-1 :

Leia mais

Medições de Grandezas Elétricas

Medições de Grandezas Elétricas Medições de randezas Elétricas Prof. omeu Corradi Júnior Algumas definições básicas: - alvanômetro: trata-se de um receptor ativo que se destina à comparação de intensidade de correntes elétricas. É um

Leia mais

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas.

Figura 3.17: Campo girante obtido por rotação mecânica das estruturas. 3.3 Motores de Indução Trifásicos. 3.3.1 Campo Girante Trifásico. A Figura 3.17 apresenta o campo girante produzido por uma estrutura de dois e quatro pólos magnéticos. A Figura também destaca um núcleo

Leia mais

MÁQUINAS ELÉCTRICAS II TLME-2.4. Máquina de Corrente Contínua. regime de funcionamento. 1. Introdução 2004 / 2005

MÁQUINAS ELÉCTRICAS II TLME-2.4. Máquina de Corrente Contínua. regime de funcionamento. 1. Introdução 2004 / 2005 TLME-2.4 1 MÁQUINS ELÉCTRICS II SE 2004 / 2005 FEUP LEEC TLME-2.4 Máquina de Corrente Contínua regime de funcionamento 1. Introdução Uma máquina eléctrica encontra-se a funcionar em regime permanente,

Leia mais

Unidade 14. Circuitos elétricos

Unidade 14. Circuitos elétricos Unidade 14 Circuitos elétricos Pra início de conversa... Nesta aula, você vai conhecer um circuito elétrico e seus componentes, conhecer a lei de Ohm e saber como utilizá-la para os cálculos de correntes,

Leia mais

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO

RADIOELETRICIDADE. O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO RADIOELETRICIDADE O candidato deverá acertar, no mínimo: Classe B 50% Classe A 70% TESTE DE AVALIAÇÃO Fonte: ANATEL DEZ/2008 RADIOELETRICIDADE TESTE DE AVALIAÇÃO 635 A maior intensidade do campo magnético

Leia mais

Os transformadores em geral apresentam perdas de potência quando estão em funcionamento, estas perdas são no cobre e no ferro.

Os transformadores em geral apresentam perdas de potência quando estão em funcionamento, estas perdas são no cobre e no ferro. Perdas no cobre e no ferro Os transformadores em geral apresentam perdas de potência quando estão em funcionamento, estas perdas são no cobre e no ferro. Perdas no cobre As perdas no cobre ocorrem devido

Leia mais

DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente

DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS. Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente DEPT. DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES MÁQUINAS ELÉCTRICAS Caracterização do Transformador Monofásico em Termos de Circuito Equivalente 1 Primário 220 V c 55 V 55 V 55 V 55 V Secundário Figure

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INDUSTRIAIS DIMENSIONAMENTO DE ELÉTRICOS INTRODUÇÃO Os fatores básicos que envolvem o dimensionamento de um condutor são: tensão nominal; freqüência nominal; potência ou corrente

Leia mais

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010

EE531 - Turma S. Diodos. Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 EE531 - Turma S Diodos Laboratório de Eletrônica Básica I - Segundo Semestre de 2010 Professor: José Cândido Silveira Santos Filho Daniel Lins Mattos RA: 059915 Raquel Mayumi Kawamoto RA: 086003 Tiago

Leia mais

Instrumentos de medidas elétricas Prof. Engº Luiz Antonio Vargas Pinto 2008

Instrumentos de medidas elétricas Prof. Engº Luiz Antonio Vargas Pinto 2008 Instrumentos de medidas elétricas Prof. Engº Luiz Antonio Vargas Pinto 2008 Introdução... 2 Conceitos básicos:... 3 Diferença de potencial (DDP):... 3 Corrente elétrica... 3 Potência:... 4 Lei de Ohm:...

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2

LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2 UNIFEI - UNIERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ LISTA DE EXERCÍCIOS PARTE 2 MEDIDOR DE POTÊNCIA ATIA 1.1. Dispõe-se de um wattímetro para 1500W e 300. A escala tem 150 divisões. Pede-se: a) Corrente nominal do

Leia mais

Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br

Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br Professor Mário Henrique Farias Santos dee2mhfs@joinville.udesc.br Conceitos preliminares Introdução às máquinas CA e CC Força Magnetomotriz (FMM) de enrolamentos concentrados e de enrolamentos distribuídos

Leia mais

C A D E R N O D E P R O V A S

C A D E R N O D E P R O V A S CONCURSO PÚBLICO ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS C A D E R N O D E P R O V A S CADERNO 7 ESPECIALIDADE: ENGENHEIRO ELETRICISTA PROVA: CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS - DISCURSIVA LEIA ATENTAMENTE

Leia mais

Medidas elétricas em altas frequências

Medidas elétricas em altas frequências Medidas elétricas em altas frequências A grande maioria das medidas elétricas envolve o uso de cabos de ligação entre o ponto de medição e o instrumento de medida. Quando o comprimento de onda do sinal

Leia mais

O que é uma Sobreintensidade?

O que é uma Sobreintensidade? O que é uma Sobreintensidade? Uma sobreintesidade é uma corrente de intensidade superior à nominal. Para este efeito, a intensidade de corrente máxima admissível num condutor é considerada como a sua intensidade

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO - TRANSFORMADORES. Transformadores monofásicos

ESTUDO DIRIGIDO - TRANSFORMADORES. Transformadores monofásicos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA 1 PROF.: LEANDRO MICHELS ESTUDO DIRIGIDO - TRANSFORMADORES

Leia mais

FÍSICA 3 Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Campo Magnético Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência Circuitos Elétricos

Leia mais

CAPÍTULO 11 CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA

CAPÍTULO 11 CIRCUITOS DE CORRENTE ALTERNADA APÍTUO 11 UTOS DE OENTE ATENADA 11.1- UM GEADO DE A Φ dt onsidere ua espira girando e u capo agnético confore a figura: -O fluxo agnético será: -onde: Φ Onde: epresentação: NBA OSΘ -ogo a fe induzida na

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

Trabalho Prático Nº 6.

Trabalho Prático Nº 6. Trabalho Prático Nº 6. Título: Carga Predominantemente Resistiva, Carga Predominantemente Indutiva e Carga Resistiva e Indutiva em paralelo. Objetivo: Este trabalho prático teve como objetivo montar três

Leia mais

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade e Magnetismo - Lista de Exercícios IV CEFET-BA / UE - VITÓRIA DA CONQUISTA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Campo Magnético (Fundamentos de Física Vol.3 Halliday, Resnick e Walker, Cap.

Leia mais

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua

FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua. Circuitos Elétricos em Corrente Contínua FÍSICA 3 Circuitos Elétricos em Corrente Contínua Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba EMENTA Carga Elétrica Campo Elétrico Lei de Gauss Potencial Elétrico Capacitância Corrente e resistência

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais