Guia das boas práticas rodoviárias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia das boas práticas rodoviárias"

Transcrição

1 Guia das boas práticas rodoviárias

2 Guia das boas práticas rodoviárias > Índice 1. Regras de Ouro > 4 2. Enquadramento > 5 3. Causas da sinistralidade rodoviária > 5 4. Os números da sinistralidade rodoviária > 6 Um problema à escala mundial 5. Manutenção preventiva do veículo > 7 Pneumáticos No compartimento do motor Para-brisas Luzes Diversos Em movimento Inspeção Periódica Obrigatória (IPO) 6. Ergonomia da posição de condução > 9

3 7. Sistemas de segurança ativa > 11 Sistema Anti Bloqueio (ABS) Programa Eletrónico de Estabilidade (ESC) ou ESP 8. Sistemas de segurança passiva > 12 Cinto de segurança Encosto de cabeça Airbags Deformação estrutural Sistemas de retenção infantis 9. Atenção e estratégias de exploração percetiva > 17 Sistema SMITH 10. Distância de segurança > EcoCondução > 20 Regras de Ouro da EcoCondução 12. Condições de condução adversas > 23 Conduzir à chuva Nevoeiro 13. Condução noturna > Circulação em rotundas > 25 Aproximação e acesso às rotundas 15. Fadiga > 26 Efeitos da fadiga Prevenção do estado de fadiga 16. Atuação em caso de acidente > 27 O Sistema Integrado de Emergência Médica (SIEM) Fases do SIEM 17. Renovação da carta de condução > 29

4 1. Regras de Ouro da FIA (Fédération Internationale de l Automobile) > Quero conduzir em segurança! Eu prometo: 1. Usar sempre cinto de segurança - Sou responsável por todos os passageiros; 2. Respeitar o Código da Estrada - As regras existem para nos proteger a todos; 3. Respeitar os limites de velocidade - O meu carro é feito de metal, mas os pais e as crianças não; 4. Verificar os meus pneus - Quanto ao desgaste e à pressão, incluindo o sobressalente; 5. Conduzir sóbrio - Quando estou embriagado ou sob o efeito de drogas, sou um perigo na estrada; 6. Proteger os meus filhos - Mantendo-os seguros em cadeiras adequadas; 7. Manter-me atento - Sou um perigo quando falo ao telefone ou envio mensagens; 8. Para quando estiver cansado - Chegar atrasado é melhor que nunca chegar; 9. Usar capacete - As motos e as bicicletas não protegem a minha cabeça; 10. Ser cortês e atencioso - Respeitar os outros condutores. OS ACIDENTES SÃO EVITADOS QUANDO AS BOAS PRÁTICAS PREVALECEM SOBRE AS MÁS > 4

5 2. Enquadramento Nunca é fácil falar sobre segurança rodoviária, principalmente quando não assumimos a nossa responsabilidade e achamos que a culpa é sempre dos outros. As estatísticas e as notícias que nos chegam diariamente são preocupantes a este respeito. Quantos de nós têm a felicidade de nunca ter tido um familiar ou um amigo envolvido num acidente grave? Quantos de nós não passámos por situações que originaram ou poderiam ter originado acidentes? A condução deve ser entendida como uma tarefa complexa, de difícil execução, por requerer a conjugação de uma série de capacidades motoras, mentais e percetivo-motoras a par de conhecimentos técnicos específicos. Esta tarefa é ainda altamente influenciada e condicionada pela atitude ou postura mental do condutor. 3. Causas da sinistralidade rodoviária Muito se fala sobre as causas da Sinistralidade Rodoviária e não raras vezes se comete o erro de encarar este tema de forma simplista e até ingénua. Somos frequentemente confrontados com declarações das autoridades policiais, PSP e GNR, que referem nas suas entrevistas, as causas dos acidentes: o álcool, a velocidade, as condições atmosféricas, etc. Porém, estas causas são apenas fatores desencadeadores da sinistralidade rodoviária. A verdade é que estes fatores potenciam eventuais erros por parte dos condutores, que acabam por perder o controlo dos veículos, situação que se agrava ainda mais em caso de instabilidade ou perda de aderência do automóvel. O National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA)* estima que pelo menos 90% dos sinistros rodoviários com veículos automóveis tenham origem em fatores humanos. *O NHTSA é um órgão do governo dos EUA integrado na política de transportes e que tem como missão a prevenção e segurança rodoviárias. 5 <

6 4. Os números da sinistralidade rodoviária: Um problema à escala mundial > 1,3 milhões de pessoas morrem anualmente nas estradas em todo o mundo (é a 9.ª causa de morte) ou seja, cerca de mortes por dia; > Entre 20 a 50 milhões ficam feridas, sendo que a grande maioria fica com incapacidades para o resto da vida; > 90% dos acidentes que resultam em vítimas mortais ocorrem nos países em desenvolvimento, que possuem apenas 48% do número total de automóveis registados em todo o mundo; > 46% das vítimas mortais são os chamados utentes vulneráveis peões, ciclistas, motociclistas e passageiros de veículos automóveis; > Se nada for feito, a previsão de mortes em 2020 será de 1,9 milhões; > Os acidentes rodoviários são a principal causa de morte entre os jovens (15-29 anos); > Os acidentes rodoviários além do sofrimento que provocam, têm custos económicos elevados tanto para as vítimas como para os países onde ocorrem; > Apenas 1 em cada 7 países (28 no total) têm legislação relativa aos principais fatores de risco: excesso de velocidade; condução sob o efeito do álcool; obrigatoriedade de uso do cinto de segurança; capacete e sistemas de retenção para crianças; > De acordo com as previsões, se não forem tomadas medidas até 2030, os traumatismos resultantes dos acidentes de viação tornar-se-ão a quinta causa de morte a nível mundial, com cerca de 2,4 milhões de mortos anualmente. > 6

7 5. Manutenção preventiva do veículo Todos os condutores devem conhecer o modo como o seu veículo funciona e saber fazer uma vistoria de rotina. Não se pretende com estas "dicas" que sejam realizadas vistorias diárias, mas estas devem ser frequentes e adequadas à utilização do veículo. Uma vistoria básica passa pela verificação de alguns pontos-chave, essenciais para o correto funcionamento do veículo e para uma melhor segurança na sua utilização. Pneumáticos Verifique se os pneus têm a pressão adequada, indicada pelo fabricante da viatura ou do pneu e observe se o desgaste na superfície é regular e ainda se o desgaste se encontra dentro dos limites regulamentares, que deve ser de 1,6 mm de profundidade dos sulcos do pneu - ver imagem. Não deve esquecer a roda suplente e o equipamento de substituição ou de reparação de furos. No compartimento do motor Verifique o nível do reservatório do limpa para-brisas, essencial em caso de chuva. Inspecione também o nível do líquido de arrefecimento do motor - radiador. Não esqueça o nível de óleo do motor, que pode verificar utilizando a vareta correspondente e ainda, se possível, o óleo dos travões. Se o seu veículo estiver equipado com um sistema de check-up eletrónico, o próprio sistema irá verificar todos os níveis. Se for esse o caso, certifique-se de que o sistema eletrónico está a funcionar corretamente e tenha atenção às mensagens do computador de bordo. 7 <

8 Para-brisas É muito importante verificar o estado das escovas e se a sua limpeza é eficaz. Não se esqueça do vidro traseiro. Verifique o estado do vidro, se existem fissuras ou se está picado, e repare-as com urgência para que não evoluam. Luzes Se possível, peça ajuda a alguém para verificar o estado das luzes. Se tiver de as verificar sozinho, volte o seu veículo para uma montra ou parede, de forma a ver refletidas as luzes. Não se esqueça de verificar as luzes sinalizadoras de mudança de direção, os mínimos, médios e máximos, luzes de travagem, nevoeiro e marcha atrás. Diversos O triângulo de sinalização e o colete refletor devem estar sempre em bom estado e em locais acessíveis: lembre-se que em caso de urgência o importante é que o vejam a si e ao seu veículo rapidamente! Em movimento Verifique o comportamento do seu volante: se se mantém direito quando circula em linha reta numa estrada plana, ou se tem desvios e/ou vibrações. No caso de existirem, podem ser causados por desalinhamento da direção, jante danificada ou incorreta pressão dos pneus. Inspeção Periódica Obrigatória (IPO) Os veículos ligeiros devem efetuar Inspeção Periódica Obrigatória ao completarem o 4º, 6º e 8º anos e depois sempre uma vez por ano, em centros de inspeções próprios para o efeito. > 8

9 6. Ergonomia da posição de condução 6.1. Posição do condutor ao volante Estar bem posicionado, de forma a utilizar eficaz e corretamente os comandos do veículo, é fundamental. > A posição mais correta deve ter em conta: - A morfologia física; - A utilização eficaz dos controlos e comandos; - A segurança e o conforto do condutor. Fonte: Manual do Ensino da Condução - IMTT Utilização dos pedais Para a correta utilização dos pedais tenha em conta que: > O pé esquerdo deve manter-se sempre apoiado no chão do veículo, à esquerda dos pedais ou em suporte específico existente nalguns veículos. Só se desloca para o pedal de embraiagem, quando for necessário engrenar uma mudança ou para parar. Nos veículos de transmissão automática, o pé esquerdo não é usado; 9 <

10 > O pé direito deve ser usado para o travão e acelerador. Quando o condutor acelera, deve, sempre que possível, manter o calcanhar apoiado no chão do veículo e posicionado próximo do pedal do travão. Em caso de necessitar de travar, o pé já estará na posição necessária ao uso deste pedal Manuseio do volante Para definirmos a melhor forma de manusear o volante, podemos compará-lo com o mostrador de um relógio de ponteiros. Desta forma, as mãos do condutor, respetivamente a mão esquerda e a direita, devem segurar o volante na posição nove e um quarto. Esta posição é aconselhada pelos seguintes motivos: > Mais conforto e menor fadiga muscular; > As mãos estão próximas da zona onde se encontram os comandos de sinalização e controlo de visibilidade e comunicação (piscas, luzes, buzina, etc.), permitindo uma utilização fácil e eficaz, à distância de um dedo; > Mais precisão na manutenção do controlo direcional em reta e em curvas largas; > Maior rapidez para manobras reativas e sucessivas; > Menor probabilidade de sobre reação (uso exagerado do volante e consequente instabilidade do veículo); > Em caso de abertura do airbag existe menor risco de ferimentos nos braços do condutor Uso dos controlos do veículo A postura e o posicionamento adequados do condutor face ao volante e pedais, devem proporcionar o alcance a todos os comandos e controlos, sem que o condutor tenha de se movimentar ou afastar do assento. Todos os comandos e acessórios devem ficar ao alcance das mãos, à distância de um braço esticado. > 10

11 7. Sistemas de segurança ativa Os sistemas de segurança ativa permitem prevenir ou evitar os acidentes, atuando em situação de emergência e sempre antes do acidente. > Todos os equipamentos de apoio à visibilidade (vidros, para-brisas, retrovisores, faróis, pala de sol, etc.); > Os sistemas de travagem, de ajuda e aumento de eficácia (tipo de travão, arrefecimento da travagem, ABS, ); > O sistema de direção, pneus, amortecedores e demais órgãos de aderência, suspensão e controlo de estabilidade (como apêndices aerodinâmicos, ESC, ); > A motorização e sua capacidade de resposta e motricidade (sistemas de distribuição e alimentação, turbocompressores, diferenciais, controlo de tração, ); > Equipamentos de apoio ao conforto e navegação (bancos envolventes, climatização, ); > Outros Destes, iremos destacar alguns equipamentos eletrónicos que apoiam o condutor em situações limite de travagem, aderência ou estabilidade: Sistema Anti Bloqueio (ABS) Quando as rodas bloqueiam numa travagem, o condutor deixa de conseguir alterar a trajetória do veículo, mesmo que rode o volante. Nestes casos, a distância de travagem aumenta consideravelmente. Assim, o ABS vem potenciar uma travagem em que as rodas não bloqueiam totalmente, permitindo ao condutor alterar a trajetória e desviar-se do obstáculo em causa. Programa Eletrónico de Estabilidade (ESC) ou ESP A derrapagem é uma das principais causas de acidentes de trânsito. Estudos internacionais mostram que pelo menos 40% de todos os acidentes fatais são provocados por derrapagens. 11 <

12 O ESC deteta a iminência de derrapagem e intervém numa fração de segundo. O condutor mantém o controlo do veículo e este não derrapa, desde que os limites da física não sejam excedidos. Apesar da eficácia comprovada destes sistemas, o condutor não deverá cometer o erro de confiar no sistema para resolver situações críticas causadas ou potenciadas por excesso de confiança ou por falha grave na prática de condução defensiva. O princípio da condução defensiva, nomeadamente no que toca à velocidade de circulação, deve ser sempre respeitado independentemente do sistema de travagem do veículo. 8. Sistemas de segurança passiva Contrariamente aos sistemas de segurança ativa que atuam na condução tendo em vista a prevenção do acidente, os sistemas de segurança passiva agem visando essencialmente a proteção dos ocupantes do veículo, em caso de acidente. Não sendo responsável direto pela redução da sinistralidade rodoviária, o aumento da segurança passiva é, contudo, responsável por uma redução substancial da vitimização que ocorre durante (e após) o acidente, incluindo em situações de colisão e capotamento. Alguns sistemas de segurança passiva em maior detalhe: > 12 Cinto de segurança O cinto de segurança é um sistema de retenção para o corpo dos ocupantes de um veículo, que retém o corpo em situação de aceleração, impedindo-o de sair da sua posição no assento. O cinto de segurança faz com que o corpo acelere e/ou desacelere juntamente com a massa do veículo, em qualquer situação: travagem, colisão ou durante uma curva, atuando como força centrípeta no corpo dos ocupantes. Campanha de prevenção rodoviária promovida pelo Governo Australiano: One click could change your future. Belt up. Drive safe. Arrive safe. Agência Publicitária: Marketforce, Perth, Australia

13 Encosto de cabeça O encosto de cabeça é um componente fundamental na segurança dos ocupantes de um veículo. A sua função principal não é dar conforto, mas sim evitar um golpe perigoso no pescoço e na região cervical conhecido como o golpe de coelho ou golpe de chicote. Airbags O airbag é outro sistema de segurança passiva que atua apenas e após a colisão. O princípio de funcionamento é o de uma almofada de ar cujo enchimento, realizado por ação pirotécnica, é efetuado a grande velocidade (aprox. 90m/s). É um complemento do cinto de segurança, destinado à proteção da parte superior do tronco do ocupante, nomeadamente da cabeça. Por causa da grande velocidade de enchimento do airbag, o corpo deve posicionar-se ao volante a, pelo menos, 30 cm de distância do centro deste, para evitar uma colisão violenta nos primeiros instantes de enchimento. Se for transportado um bebé no lugar do ocupante da frente, em dispositivo de retenção adequado (cadeira), o respectivo airbag tem de ser desativado, para evitar causar no bebé lesões resultantes do enchimento deste sistema de segurança passiva. Deformação estrutural Os veículos automóveis modernos possuem uma estrutura - composta pelo conjunto chassis/carroçaria - que é deformável, por um lado, e resistente, por outro. Sistemas de retenção infantis O acidente rodoviário é a 1ª causa de mortalidade nas crianças com menos de 10 anos. Como passageira, a criança deve ser transportada, desde o nascimento e até aos 12 anos, e se tiver menos de 135 cm de altura, utilizando sistemas de retenção adaptados à sua idade e peso, normalmente conhecidas por cadeiras auto ou cadeirinhas. As crianças devem ser transportadas sempre nos bancos de trás dos veículos, exceto se tiverem menos de 3 anos de idade (neste caso, devem ser transportadas no banco da frente, em sistema de retenção adequado, voltado para a retaguarda e com o airbag desligado) ou, se a criança tiver mais de 3 anos, não existir banco de trás ou este não possuir cintos de segurança. 13 <

14 Atenção aos airbags! As crianças com idade inferior a 3 anos só podem ser transportadas no banco ao lado do condutor se: > Não existir airbag; > O airbag estiver desligado - através de dispositivo de origem previsto para o efeito; > O airbag tiver sido desativado pelo representante da marca, através de autorização do DGV. Sinal de Perigo: Segurança Rodoviária - Dossier de Boas Práticas ANSR O sinal de aviso acima ilustrado indica o seguinte: AVISO! Não instalar o Sistema de Retenção para Crianças, sobre um banco dianteiro equipado com airbag. RISCO DE MORTE OU DE FERIMENTO GRAVE > 14

15 TIPOLOGIA DE SISTEMAS DE RETENÇÃO INFANTIS CADEIRAS-AUTO Concebida para proteger as crianças em caso de acidente, a cadeira-auto não deve ser vista como um mero acessório. O transporte de crianças em automóvel encontra-se regulado em Portugal. As crianças com < 12 anos de idade e <135 cm de altura, devem ser seguras por sistema de retenção homologado e adaptado ao seu tamanho e peso. Os sistemas de retenção para crianças são classificados em 5 grupos: > Grupo 0 (até aos 10Kg) > Grupo 0+ (até aos 13Kg) > Grupo I ( dos 9 aos 18 Kg) > Grupo II (dos 15 aos 25 Kg) > Grupo III ( dos 22 aos 36 Kg) Segurança Rodoviária: Dossier de Boas Práticas ANSR 15 <

16 No entanto, o peso não deve ser o único factor a considerar na escolha da cadeirinha. Deve ter também em conta o tamanho e a idade da criança. Até aos 18 meses: O bebé tem o pescoço muito frágil e a cabeça grande e pesada e por isso nesta idade deve viajar sempre numa cadeirinha voltada para trás mesmo que tenha mais de 9 Kg. É possível ao condutor ver a criança, através de um espelho especial instalado na parte de trás do automóvel. > Cadeirinhas 0-13Kg (grupo 0+) São adequadas para recém-nascidos e bebés pequenos. Devem ser instaladas no banco de trás ou da frente, voltadas para trás e presas com um cinto de três pontos. Não podem ser instaladas num lugar com air bag frontal ativo. São preferíveis às alcofas para automóvel. > Cadeirinhas 0-18Kg (grupo 0+/I) São adequadas para crianças com peso inferior a 18Kg e mesmo para crianças com menos de 13Kg que são demasiado grandes para viajar na cadeirinha do grupo 0+. No entanto, não são adequadas para crianças com menos de 6 a 9 meses. Devem ser instaladas do mesmo modo que as anteriores. Depois dos 18 meses: > Cadeirinhas 0-18Kg (grupo 0+/I) e 9-18Kg (grupo I) É recomendável que a criança viaje voltada para trás até o mais tarde possível (4 anos), pelo que estas cadeirinhas devem ser instaladas voltadas para trás. O facto da criança ficar com as pernas um pouco dobradas não é desconfortável nem pouco seguro. > Cadeiras kg (grupo II/III) Nestas cadeiras é o cinto de segurança do automóvel que segura a criança e a cadeira ao mesmo tempo. Aumentam o conforto por darem apoio lateral quando a criança adormece e no caso de colisão lateral. Estão indicadas a partir dos 2-3 anos dependendo do peso e da altura da criança. Há modelos com as costas destacáveis que se transformam em bancos elevatórios. > Bancos elevatórios 15-36Kg ou Kg (grupo II/III e grupo III) Podem ser usados a partir dos 7 ou 8 anos desde que a cinto de segurança não incomode no pescoço e se o automóvel tiver encosto de cabeça. > 16

17 A cadeira pode, no entanto, continuar a ser usada se for suficientemente alta pois oferece mais proteção lateral. É obrigatório continuar a usar o banco elevatório até a criança ter 135 cm altura, 12 anos ou 36Kg de peso, por forma a que o cinto fique corretamente colocado na bacia e não sobre a barriga. Como reconhecer um sistema de retenção homologado? Os produtos que estão conforme a regulamentação europeia têm uma etiqueta que prova a passagem com sucesso nos testes de avaliação do regulamento ECE 44/03: Manual do Ensino da Condução Ficha Técnica: Sistemas Segurança passiva - IMTT 9. Atenção e estratégias de exploração percetiva Sistema SMITH (1) Em 1952, Harold Smith estabeleceu o Smith System Improvement Institute, a primeira empresa de formação para condutores profissionais. Smith determinou que a maioria das colisões são evitáveis se alguns hábitos de condução forem aplicados e praticados de forma constante. O Sistema Smith, comporta 5 regras, que permitem aumentar o tempo e a capacidade de ver, de antecipar e de reagir aos eventos potencialmente perigosos, também conhecidas como Regras de Atenção : (1) 17 <

18 > REGRA Nº 1 Olhar o mais longe possível Quanto mais longe o condutor olhar, maior é a possibilidade de identificar perigos. Estando na posse desta informação, os condutores podem agir atempadamente, para se protegerem e evitarem um potencial acidente. Identificar as situações de tráfego à distância, permite também regular a velocidade do veículo de forma mais económica, antecipando nomeadamente as situações de paragem. Os condutores com pouca experiência, tendem a olhar a estrada para um ponto até 5 a 6 segundos à frente do veículo. Com o aumento da experiência, o condutor deve ir tentando verificar regularmente o que se passa a uma distância mais afastada, 10 a 15 segundos, ou mesmo para o ponto mais afastado da estrada, no horizonte. > REGRA Nº 2 Perceber o conjunto da situação de trânsito Perceber o conjunto da situação significa que os condutores devem considerar, na tarefa da condução, outros fatores como por exemplo o estado das vias por onde circulam, o estado do seu veículo e até mesmo as condições climatéricas. Estes aspetos podem influenciar de forma significativa e até condicionar a segurança da tarefa de condução. > REGRA Nº 3 Explorar sistematicamente o ambiente rodoviário O condutor deve procurar ativamente recolher informações importantes, de todos os pontos do seu ângulo de visão, recorrendo aos espelhos retrovisores, efetuando uma prospeção visual circundante e abrangente, para ter na sua posse todas os dados necessários para poder agir adequadamente. > REGRA Nº 4 Procurar um ponto de fuga em caso de emergência Se algo acontecer inesperadamente, deve procurar-se um ponto de fuga para que possa, em segurança, evitar um acidente. Se as regras anteriores tiverem sido cumpridas, o conhecimento da situação em que o condutor se encontra é maior, dando-lhe maiores possibilidades de sucesso em caso de fuga. Esta regra exige a manutenção continuada de uma distância de segurança, quer em movimento, quer quando parado em fila de trânsito, de modo a nunca ficar bloqueado. > 18

19 > REGRA Nº 5 Assinalar a sua presença e procurar ver os outros (ver e ser visto) Não se pode ter a certeza de que todos os outros condutores, em todas as situações, estão a observar o trânsito o mais longe possível, e estão também a perceber o conjunto da situação de trânsito ou estão a explorar sistematicamente o ambiente rodoviário. Não se pode ter a certeza de que, em alguns momentos, esses condutores não vão distraídos. Por este motivo, os condutores devem assinalar a sua presença para que possam ter a certeza de que são vistos pelos outros utentes da estrada. Se se aperceber que um condutor ou peão não o está a ver, procure estabelecer contacto visual. Estabelecer contacto visual, significa olhar para os olhos do outro, verificando se ele nos está a ver. Caso não nos esteja a ver, pode tentar estabelecer contacto chamando-lhe a atenção, utilizando a buzina ou as luzes (especialmente durante a noite). Caso não seja possível ou se a sua tentativa de contacto não resultar, reduza a velocidade, estabeleça uma trajetória afastada do perigo e prepare-se para reagir. 10. Distância de segurança Segundo Artigo 18º do Código da Estrada, os condutores devem guardar dos outros veículos uma distância suficiente que lhes permita parar em segurança no caso de súbita paragem ou diminuição de velocidade daqueles. Deste modo, a lei não nos dá uma definição objetiva do que seja a distância de segurança, o que torna mais difícil calculá-la. Propomos assim, com base em boas práticas realizadas em muitos países, a regra dos 2 segundos. Manter uma distância de 2 segundos: quando observamos o veículo que segue imediatamente à nossa frente, passar um objeto estacionário na berma da estrada (candeeiro; sinal de trânsito; veículo estacionado; etc.), se o veículo que conduzimos demorar 2 segundos ou mais a passar no mesmo ponto, então estamos a uma distância segura. 19 <

20 ? um crocodilo dois crocodilos 2 Aqui "dizemos" a palavra crocodilo, apenas como uma forma de preencher 1 segundo. 11. EcoCondução A EcoCondução traduz-se em claros benefícios, tanto para os condutores como para as empresas. Estes benefícios traduzem-se em poupanças de custos diretos com combustíveis, menor desgaste das viaturas, menores custos de manutenção, menos acidentes, menor emissão de ruído e menores emissões de gases poluentes. Porquê uma condução ecológica? Se adotar hábitos de condução mais eficientes, ecológicos e seguros, tira maior partido das capacidades dos veículos, otimiza os consumos, reduz a poluição e o ruído, e está a contribuir para a diminuição do número de acidentes rodoviários. > 20

21 REGRAS DE OURO DA ECOCONDUÇÃO (2) - CONSELHOS PRÁTICOS A escolha do carro tem implicações significativas ao nível dos consumos, das emissões e da segurança. Na compra do carro, tenha em conta: o tipo de combustível, a potência, a indicação dos consumos e das emissões, a aerodinâmica e todas as indicações sobre a eficiência e manutenção do veículo. Nos veículos novos, os consumos podem apresentar variações entre os 4 e 15 litros/100 Km. Quanto às emissões de CO2 dos veículos novos, estas podem oscilar entre os 115 e os 280 g/km. Ligue o motor do carro apenas imediatamente antes do início da viagem e desligue o carro sempre que fique imobilizado mais do que um minuto. Conduza a uma velocidade o mais constante possível e, acima de tudo, com suavidade, evitando acelerações/desacelerações e travagens bruscas. (Pode poupar 15% de combustível conduzindo a 80 Km/h, em vez de a 100 Km/h). Use a relação de caixa de velocidades mais alta possível. Uma mudança alta significa uma rotação mais baixa, que resulta num menor consumo de combustível. (Potencial de poupança: 10%). Cumpra os limites de velocidade, obtendo uma economia de combustível e contribuindo para a segurança rodoviária. (Um aumento de 10% na velocidade pode provocar um aumento de 15% no consumo de combustível). (2) Manual Eco-Condução - elaborado no âmbito do Projeto Eco-Condução Portugal promovido pelo ACAP e apoiado pelo IMTT. 21 <

22 Nas descidas de acentuada inclinação, deve manter o veículo engrenado numa mudança compatível (travar com o motor), obtendo assim maior segurança e consumo nulo. Adapte a velocidade do veículo ao tráfego e evite mudar de via de trânsito. Escolha o melhor percurso nas deslocações e tente antecipar o fluxo de trânsito. Uma viagem bem planeada é um bom recurso para poupar combustível. (Potencial de poupança: 5%). Evite transportar bagagens no tejadilho da viatura. (A alteração das características aerodinâmicas do veículo aumenta em cerca de 5% o consumo de combustível). Retire toda a carga desnecessária do porta-bagagens e assentos traseiros. (Potencial de poupança: 3%). Evite usar o automóvel em deslocações curtas. Poupa combustível e contribui para o seu bem-estar físico. Utilize o ar condicionado apenas quando necessário. (O sistema de ar condicionado pode consumir até meio litro de combustível por hora e, no início de cada viagem, pode representar um aumento de consumo de cerca de 10%). Verifique, todos os meses, a pressão dos pneus. A pressão errada obriga à substituição antecipada dos pneus. Uma pressão demasiado baixa aumenta a resistência de rolamento (desgaste lateral), aumentando também o consumo de combustível. Uma pressão demasiado alta provoca um desgaste, no centro do pneu, e uma menor aderência na condução. (A pressão correta permite-lhe uma poupança até 3%). > 22

23 Mantenha o veículo afinado e verifique o nível do óleo com regularidade (Potencial de poupança: 3%). Utilize os transportes públicos. Economiza tempo, dinheiro e diminui o stress, ao mesmo tempo que contribui para a melhoria do ambiente das nossas cidades. Considere a partilha de automóvel em deslocações para o trabalho ou de lazer. 12. Condições de condução adversas Conduzir à chuva A condução em dias de chuva comporta um aumento do risco de acidente, resultante de fatores tais como: > Menor visibilidade > Menor aderência > Maior stress físico Em situações de chuva forte, e particularmente quando associada a velocidades elevadas em autoestrada, aumenta a probabilidade de aquaplanagem do veículo sobre uma película de água. Há que saber adaptar a condução ao estado do piso e condições atmosféricas. Nevoeiro Alguns dos mais graves e aparatosos acidentes ocorrem com nevoeiro. Nestas condições, há um conjunto de regras simples que devem sempre ser cumpridas. 23 <

24 1. Em épocas de nevoeiro, deve manter as escovas limpa-vidros funcionais, água no limpa para-brisas e o aquecimento ou o ar condicionado a ventilar contra o para-brisas. 2. A velocidade deve ser especialmente moderada com nevoeiro. A velocidade segura nestas condições deve permitir que o condutor consiga parar no espaço visível, ou seja, cumprir com a distância de segurança. 3. As luzes, em especial os médios, são um elemento fundamental de comunicação com os outros condutores, em situações de nevoeiro. Por isso, sempre que se deparar com nevoeiro deve utilizá-las, seja de dia ou de noite. Os máximos, no entanto, devem ser evitados, em especial à noite, pois refletem-se no nevoeiro impedindo a visibilidade a maior distância. 4. Sempre que necessário, mantenha ligados os faróis de nevoeiro traseiros. Os 4 piscas ou luzes de emergência, só devem ser utilizados se o veículo estiver imobilizado, ou a circular a velocidades muito baixas ou quando fizer uma travagem forte e repentina. 13. Condução noturna Muitos dos mais graves acidentes rodoviários ocorrem durante a noite, entre as 23h00 e as 06h00, e têm vulgarmente como consequência a morte do condutor, passageiros, perda total dos veículos e das suas cargas. Durante a noite, a visibilidade diminui de várias formas: > Dificuldade de ver as coisas e os objetos; > Dificuldade de distinguir cores; > Dificuldade de avaliar distâncias; > Efeitos do encandeamento sob luz forte; > Efeitos do deslumbramento, derivado das rápidas alterações da quantidade de luz, isto é, a passagem de um local escuro para um muito iluminado ou vice-versa. > 24

Nível 1 Nível Atitudinal; Nível 4 Nível Operacional. Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo

Nível 1 Nível Atitudinal; Nível 4 Nível Operacional. Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo FICHA TÉCNICA ATUAÇÃO EM CASO DE AVARIA OU ACIDENTE Níveis GDE: Nível 1 Nível Atitudinal; Nível 4 Nível Operacional Temas Transversais: Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo

Leia mais

Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional. Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo

Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional. Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo FICHA TÉCNICA SISTEMAS DE SEGURANÇA PASSIVA Níveis GDE: Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional Temas Transversais: Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo Síntese informativa:

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Conduzir em Segurança)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Conduzir em Segurança) Condução consciente A condução consciente e tranquila depende em grande parte de quem está ao volante. Cada um tem a responsabilidade de melhorar a sua segurança e a dos outros. Basta estar atento e guiar

Leia mais

Condução Económica e Ecológica CONDUÇÃO ECONÓMICA E ECOLÓGICA. Maj TTrans Freitas Lopes

Condução Económica e Ecológica CONDUÇÃO ECONÓMICA E ECOLÓGICA. Maj TTrans Freitas Lopes CONDUÇÃO ECONÓMICA E ECOLÓGICA Maj TTrans Freitas Lopes A preocupação com a sinistralidade rodoviária e a intenção de reduzir a sua incidência motivaram, e motivam ainda hoje, a necessidade da prática

Leia mais

CINTO DE SEGURANÇA. Engº MARCUS ROMARO, MSc Consultoria Automotiva Fone: (19) 9654.8013 E-Mail: mr.romaro@gmail.com

CINTO DE SEGURANÇA. Engº MARCUS ROMARO, MSc Consultoria Automotiva Fone: (19) 9654.8013 E-Mail: mr.romaro@gmail.com CINTO DE SEGURANÇA SEGURANÇA VEICULAR Durante muito tempo, Segurança e Automóvel não eram considerados parceiros Consumidores, vendedores e usuários não se lembravam disto na ocasião da compra de um veículo

Leia mais

CONDIÇÕES CLIMATÉRICAS ADVERSAS

CONDIÇÕES CLIMATÉRICAS ADVERSAS As condições meteorológicas que caracterizam o Outono e o Inverno são fator de risco acrescido na condução. Há pois que adaptar a condução ao estado do tempo. Chuva, nevoeiro, gelo e neve alteram substancialmente

Leia mais

A CRIANÇA E O AMBIENTE RODOVIÁRIO

A CRIANÇA E O AMBIENTE RODOVIÁRIO A educação rodoviária deve começar o mais cedo possível. Ensine, com antecedência, as normas básicas de segurança rodoviária ao seu filho. Para ele, os pais constituem referências e modelos que procura

Leia mais

Informações aos Utentes

Informações aos Utentes Informações aos Utentes Informações aos Utentes Nos distritos de Bragança, Guarda, Vila Real e Viseu, o Inverno é um desafio para os condutores. A segurança é uma prioridade da Estradas de Portugal, na

Leia mais

VELOCIDADE FICHA TÉCNICA. Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 5 - Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 - Domínio das Situações de Trânsito

VELOCIDADE FICHA TÉCNICA. Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 5 - Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 - Domínio das Situações de Trânsito FICHA TÉCNICA VELOCIDADE Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 3 Nível Táctico Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 5 - Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 - Domínio das Situações

Leia mais

Energia nos Transportes! Co-financiado por:

Energia nos Transportes! Co-financiado por: Energia nos Transportes! O Projecto Ferreira Sustentável - Energia Projecto -Ferreira Energia Plano Nacional para a Eficiência Energética Portugal Eficiência 2015 Energia nas Escolas Energia nos Transportes

Leia mais

Criança como passageiro de automóveis. Tema seleccionado.

Criança como passageiro de automóveis. Tema seleccionado. www.prp.pt A Educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica e é uma estrutura de apoio de uma educação que se vai desenvolvendo ao longo da vida. Assim, é fundamental que a Educação Rodoviária

Leia mais

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio Dicas para segurança no trânsito realização apoio 1 Dicas de viagem segura. Viajar sozinho ou com toda a família requer certas responsabilidades. Aqui você encontrará várias recomendações para uma viagem

Leia mais

TRANSPORTE DO RECÉM-NASCIDO NO AUTOMÓVEL

TRANSPORTE DO RECÉM-NASCIDO NO AUTOMÓVEL TRANSPORTE DO RECÉM-NASCIDO NO AUTOMÓVEL As crianças são seres humanos delicados, que confiam em nós para que cuidemos delas com toda a segurança. E nós adultos, será que correspondemos a essa confiança?

Leia mais

Manual de Boas Práticas na Utilização de Veículos

Manual de Boas Práticas na Utilização de Veículos Manual de Boas Práticas na Utilização de Veículos Índice 1. Introdução...3 1.1 Objectivo...3 1.2 Os 10 mandamentos do Bom Condutor...3 2. Utilização do veículo...4 2.1 Antes de Iniciar a Condução...4 2.2

Leia mais

MUDANÇA DE DIRECÇÃO. Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito

MUDANÇA DE DIRECÇÃO. Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito MANUAL DO ENSINO DA CONDUÇÃO FT [] [56] [6] FICHA TÉCNICA MUDANÇA DE DIRECÇÃO Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível Nível Táctico Tema 5 Conhecimento das Regras de Trânsito; Tema 6 Domínio

Leia mais

ANO de 2013. Sinistralidade Rodoviária. Observatório de Segurança Rodoviária 23-06-2014. Relatório - Anual

ANO de 2013. Sinistralidade Rodoviária. Observatório de Segurança Rodoviária 23-06-2014. Relatório - Anual ANO de Sinistralidade Rodoviária Observatório de Segurança Rodoviária -- ÍNDICE DEFINIÇÕES... EVOLUÇÃO GLOBAL.... Acidentes com : /... ACIDENTES E VÍTIMAS........... Acidentes Acidentes Acidentes Acidentes

Leia mais

EPS ABS AIRBAG CINTO DE SEGURANÇA CAPACETE CADEIRA DE BEBES

EPS ABS AIRBAG CINTO DE SEGURANÇA CAPACETE CADEIRA DE BEBES EPS ABS AIRBAG CINTO DE SEGURANÇA CAPACETE CADEIRA DE BEBES O Travão ABS encontra-se presente na maioria dos veículos modernos e contribui bastante para aumentar a eficiência da travagem, diminuindo a

Leia mais

DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA

DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA FICHA TÉCNICA DISTÂNCIAS DE SEGURANÇA Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal; Nível 3 Nível Táctico Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 5 - Conhecimento das Regras

Leia mais

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem.

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar. Ceder a passagem apenas ao meu veículo. Ceder a passagem apenas ao veículo

Leia mais

11. Use sempre o cinto de segurança

11. Use sempre o cinto de segurança 11. Use sempre o cinto de segurança Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental O funcionamento do cinto foi descrito em detalhe na aula 10. A finalidade desta aula é insistir sobre

Leia mais

Campanha de direção defensiva

Campanha de direção defensiva Riscos, perigos e acidentes Em tudo o que fazemos há uma dose de risco: seja no trabalho,quando consertamos alguma coisa em casa, brincando, dançando,praticando um esporte ou mesmo transitando pelas ruas

Leia mais

Prova de Conhecimentos. Questões de carater geral. (de entre 6 questões serão sorteadas 2 questões)

Prova de Conhecimentos. Questões de carater geral. (de entre 6 questões serão sorteadas 2 questões) PROCEDIMENTO CONCURSAL COMUM PARA CONSTITUIÇÃO DE RELAÇÃO JURÍDICA DE EMPREGO PÚBLICO POR TEMPO INDETERMINADO, TENDO EM VISTA O PREENCHIMENTO DE UM POSTO DE TRABALHO NA CARREIRA/CATEGORIA DE ASSISTENTE

Leia mais

10 dicas para uma condução mais ecológica

10 dicas para uma condução mais ecológica A Campanha Torne os Automóveis Mais Ecológicos procura reduzir o impacto dos carros no meio ambiente bem como ajudar a que os condutores pensem ecologicamente antes de conduzirem. 10 dicas para uma condução

Leia mais

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA

TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEXTO DE APOIO À EXPLORAÇÃO PEDAGÓGICA DO TEMA TEMA SELECCIONADO A CAMINHO DA ESCOLA IDENTIFICAÇÃO DAS COMPONENTES DA RUA / ESTRADA A Educação Rodoviária é um processo ao longo da vida do cidadão como

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA Resumo das principais regras rodoviárias alteradas pela Proposta de Lei n.º 131/XII

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA Resumo das principais regras rodoviárias alteradas pela Proposta de Lei n.º 131/XII 1. Foi criado o conceito de «Utilizadores vulneráveis»: Peões e velocípedes, em particular, crianças, idosos, grávidas, pessoas com mobilidade reduzida ou pessoas com deficiência. (artigo 1.º) Tendo em

Leia mais

Você no Trânsito Criança

Você no Trânsito Criança Você no Trânsito Criança Elas são habituais companheiras de viagem no veículo pelo menos duas vezes por dia. São transportadas da casa para a escola, da escola para a casa, para o dentista, médico, natação,

Leia mais

SISTEMAS DE RETENÇÃO PARA CRIANÇAS

SISTEMAS DE RETENÇÃO PARA CRIANÇAS SISTEMAS DE RETENÇÃO PARA CRIANÇAS As crianças são seres humanos delicados que confiam em nós, adultos, para que cuidemos delas com toda a segurança. E nós, adultos, será que correspondemos a essa confiança?

Leia mais

Educação e Prevenção Rodoviária. Conduzo a bicicleta em segurança!

Educação e Prevenção Rodoviária. Conduzo a bicicleta em segurança! Educação e Prevenção Rodoviária Conduzo a bicicleta em segurança! Andar de bicicleta é muito divertido, mas deves aprender algumas regras de segurança. Podes divertir-te no parque ou no jardim, nas ciclovias

Leia mais

TESTE DE TEORIA DE CONDUÇ Ã O

TESTE DE TEORIA DE CONDUÇ Ã O DIRECÇ Ã O DOS SERVIÇ OS PARA OS ASSUNTOS DE TRÁ FEGO TESTE DE TEORIA DE CONDUÇ Ã O Fascículo V Segurança da Condução ADVERTÊNCIA Encontram-se publicadas, nestes 5 fascículos, todas as perguntas, e repectivas

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA. Comando Geral da Polícia Nacional. Direcção Nacional de Viação e Trânsito. Ministério do Interior

REPÚBLICA DE ANGOLA. Comando Geral da Polícia Nacional. Direcção Nacional de Viação e Trânsito. Ministério do Interior REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério do Interior Comando Geral da Polícia Nacional Direcção Nacional de Viação e Trânsito 1 2 Sessão de esclarecimento 1. Contexto de surgimento do Novo Código de Estrada 2. Sistematização

Leia mais

Olá, Mamãe! Aproveite a leitura e boa viagem!

Olá, Mamãe! Aproveite a leitura e boa viagem! Olá, Mamãe! Esta cartilha é um presente pra você. Uma forma de ajudá-la a desempenhar uma das funções mais importantes da sua vida: justamente a tarefa de ser mãe. Cada vez mais, além de cuidar da saúde

Leia mais

SEGURANÇA RODOVIÁRIA DESLOCAÇÕES CASA-ESCOLA

SEGURANÇA RODOVIÁRIA DESLOCAÇÕES CASA-ESCOLA SEGURANÇA RODOVIÁRIA DESLOCAÇÕES CASA-ESCOLA Sandra Nascimento 12 Julho 2010 www.apsi.org.pt Seminário Sustentabilidade nas Deslocações Casa-Escola Castelo Branco, Julho 2011 A APSI Promover a união e

Leia mais

DEZ ESTRATÉGIAS PARA MANTER AS CRIANÇAS EM SEGURANÇA NO AMBIENTE RODOVIÁRIO. #SalveVidasdeCrianças

DEZ ESTRATÉGIAS PARA MANTER AS CRIANÇAS EM SEGURANÇA NO AMBIENTE RODOVIÁRIO. #SalveVidasdeCrianças DEZ ESTRATÉGIAS PARA MANTER AS CRIANÇAS EM SEGURANÇA NO AMBIENTE RODOVIÁRIO #SalveVidasdeCrianças OS FACTOS 186 300 crianças com idade < 18 anos morrem no Mundo * anualmente por lesões e traumatismos em

Leia mais

A nova Etiqueta UE para pneus: A explicação ativa. Com conhecimento técnico. Para que o seu Volkswagen seja sempre um Volkswagen Volkswagen Service

A nova Etiqueta UE para pneus: A explicação ativa. Com conhecimento técnico. Para que o seu Volkswagen seja sempre um Volkswagen Volkswagen Service A nova Etiqueta UE para pneus: A explicação ativa. Com conhecimento técnico. Para que o seu Volkswagen seja sempre um Volkswagen Volkswagen Service Conduza em segurança e poupe energia. A introdução da

Leia mais

UTENTES DA VIA MAIS VULNERÁVEIS

UTENTES DA VIA MAIS VULNERÁVEIS FICHA TÉCNICA UTENTES DA VIA MAIS VULNERÁVEIS Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal; Nível 3 Nível Táctico Tema 2 - Atitudes e Comportamentos; Tema 6 - Domínio das

Leia mais

Venda de pneus de mota. Enchimento de pneus a nitrogénio

Venda de pneus de mota. Enchimento de pneus a nitrogénio Venda de pneus novos - ligeiros, comerciais, pesados, agrícolas e industriais Venda de pneus de mota Venda de jantes Enchimento de pneus a nitrogénio AS RODAS INSUFLADAS COM NITROGÉNIO ATINGEM MENOR TEMPETRATURA.

Leia mais

DESCRIÇÃO DE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CATEGORIAS C E D E SUBCATEGORIAS C1 E D1

DESCRIÇÃO DE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CATEGORIAS C E D E SUBCATEGORIAS C1 E D1 DESCRIÇÃO DE CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CATEGORIAS C E D E SUBCATEGORIAS C1 E D1 1 Automóveis pesados: Identificar os diversos tipos e suas características. 1.1 - Sua definição. 2 Constituintes do veículo,

Leia mais

Convenção Nacional das Inspecções Veículos 2015

Convenção Nacional das Inspecções Veículos 2015 Convenção Nacional das Inspecções Veículos 2015 A Qualidade das Inspeções de Veículos na Segurança Rodoviária Presente Futuro O Contributo da Inspecção de Veículos na Segurança Rodoviária Alain Areal Centro

Leia mais

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS

FUNÇÃO FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADORES DE GARFOS Fonte: Acedido em http://saudeambiental13.blogspot.pt/ julho 2014 Legenda: 1. Chassis; 2. Contrapeso; 3. Eixo motriz; 4. Eixo de direção; 5. Mastro (que serve

Leia mais

Infracções mais frequentes ao Código da Estrada, coimas e sanções Pág. 1

Infracções mais frequentes ao Código da Estrada, coimas e sanções Pág. 1 Infracções mais frequentes ao Código da Estrada, coimas e sanções Pág. 1 Infracções ÁLCOOL / ESTUPEFACIENTES Condução com uma taxa de álcool no sangue igual ou superior a 0,5 g/l e inferior a 0,8 g/l.

Leia mais

www.detran.pr.gov.br

www.detran.pr.gov.br www.detran.pr.gov.br INFELIZMENTE, A MAIOR PARTE DOS ACIDENTES COM MORTES NO TRÂNSITO BRASILEIRO ENVOLVEM MOTOCICLISTAS. POR ISSO, O DETRAN PREPAROU ALGUMAS DICAS IMPORTANTES PARA VOCÊ RODAR SEGURO POR

Leia mais

Sou obrigado a parar e a ceder a passagem ao veículo de tracção animal. a) Certo. b) Errado. c) d)

Sou obrigado a parar e a ceder a passagem ao veículo de tracção animal. a) Certo. b) Errado. c) d) 39 BA 82.60.9 Sou obrigado a parar e a ceder a passagem ao veículo de tracção animal. 38 BA 82.60.10 Nesta situação, sou obrigado a parar e a ceder a passagem ao velocípede. 40 BA 82.60.11_a Ao saír do

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 630, DE 2015 (Do Sr. Hildo Rocha)

PROJETO DE LEI N.º 630, DE 2015 (Do Sr. Hildo Rocha) *C0051829A* C0051829A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 630, DE 2015 (Do Sr. Hildo Rocha) Acrescenta dispositivo ao art. 105 da Lei nº 9.503, de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro,

Leia mais

Família e Passageiros

Família e Passageiros Visão Geral Família e Passageiros: Como escolher um veículo para a família? Em primeiro lugar, você tem que decidir o que você realmente quer. Você quer um utilitário (SUV), uma minivan ou um veículo de

Leia mais

Formação em Circuito Fechado

Formação em Circuito Fechado SOLUÇÕES INTEGRADAS DE FORMAÇÃO EM CONDUÇÃO E SEGURANÇA Formação em Circuito Fechado Empresas e Ambulâncias 08-06-2010 Documento confidencial ForDrive. Este documento sustenta o modelo de formação em circuito

Leia mais

Nível 4 Nível Operacional. Tema 4 Condução Económica e Ecológica Tema 7 Controlo do Veículo

Nível 4 Nível Operacional. Tema 4 Condução Económica e Ecológica Tema 7 Controlo do Veículo FICHA TÉCNICA CONSTITUINTES DO AUTOMÓVEL Níveis GDE: Nível 4 Nível Operacional Temas Transversais: Tema 4 Condução Económica e Ecológica Tema 7 Controlo do Veículo Síntese informativa: Definição de veículo

Leia mais

Normas gerais de circulação e conduta

Normas gerais de circulação e conduta Normas gerais de circulação e conduta É muito importante a leitura do Capítulo III Normas Gerais de Circulação e Conduta, que vai dos artigos 26 ao 67, contidos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Leia mais

Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional. Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Nível 4 Nível Operacional Tema 7 Controlo do Veículo

Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional. Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Nível 4 Nível Operacional Tema 7 Controlo do Veículo FICHA TÉCNICA ASPETOS DINÂMICOS DOS VEÍCULOS Níveis GDE: Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional Temas Transversais: Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Nível 4 Nível Operacional Tema 7 Controlo

Leia mais

Directrizes para o exame de condução de automóveis ligeiros de. transmissão automática

Directrizes para o exame de condução de automóveis ligeiros de. transmissão automática Directrizes para o exame de condução de automóveis ligeiros de transmissão automática 1. Prova no parque de manobras (1) Antes de iniciar a marcha Antes de ligar o motor, o candidato deve verificar se

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 14/98. CONSIDERANDO o art. 105, do Código de Trânsito Brasileiro;

RESOLUÇÃO Nº 14/98. CONSIDERANDO o art. 105, do Código de Trânsito Brasileiro; RESOLUÇÃO Nº 14/98 Estabelece os equipamentos obrigatórios para a frota de veículos em circulação e dá outras providências. O Conselho Nacional de Trânsito CONTRAN, usando da competência que lhe confere

Leia mais

COOPERATIVA DE TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DE AGRONOMIA LTDA.

COOPERATIVA DE TRABALHO DOS PROFISSIONAIS DE AGRONOMIA LTDA. Manual de Uso de Veículo Respeito a Vida! TERMO DE RECEBIMENTO R ecebi da Cooperativa de Trabalho dos P r o f i s s i o n a i s d e A g r o n o m i a L t d a. UNICAMPO, o MANUAL DE USO DO VEÍCULO e após

Leia mais

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante.

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante. Concentração e Atenção são as palavras chaves para uma pilotagem segura. Embora tenham a moto adequada, muitos pilotos apresentam deficiências, especialmente de postura, na hora de frenagem e na escolha

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Principais alterações introduzidas pelo Decreto Lei nº 37/2014)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Principais alterações introduzidas pelo Decreto Lei nº 37/2014) 2.º, n.º 2 3.º, n.º 2, f) 3.º, n.º 2, i) 3.º, n.º 2, m) 3.º, n.º 3, d) 3.º, n.º 4, a) 3.º, n.º 4, e) A emissão de um título de condução pelo IMT passa a determinar a revogação automática do anterior. Por

Leia mais

FUNÇÃO E TAREFA DA CONDUÇÃO

FUNÇÃO E TAREFA DA CONDUÇÃO FICHA TÉCNICA FUNÇÃO E TAREFA DA CONDUÇÃO Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 1 Nível Atitudinal; Nível 3 Nível Táctico Tema 1 - Conhecimento de si próprio como Condutor; Tema 2 Atitudes

Leia mais

GUIÃO DA ACÇÃO. Promover o trabalho que a RENAULT tem desenvolvido no campo da segurança;

GUIÃO DA ACÇÃO. Promover o trabalho que a RENAULT tem desenvolvido no campo da segurança; GUIÃO DA ACÇÃO Objectivos: Promover o trabalho que a RENAULT tem desenvolvido no campo da segurança; Divulgar o Programa Segurança para todos, iniciativa que a RENAULT desenvolve desde 2000 junto das escolas,

Leia mais

Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira.

Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira. Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira. Respeite a capacidade de carga da empilhadeira e de outras eventuais aparelhagens.

Leia mais

Equipamentos de segurança

Equipamentos de segurança Equipamentos de segurança Airbag Cinto de segurança Cadeirinha para criança 1 cartilha.indd 1 6/8/2010 19:29:28 Para que correr riscos? O hábito do uso do cinto de segurança no banco da frente já é um

Leia mais

MANUAL DE USO MODELO LONDRES

MANUAL DE USO MODELO LONDRES MANUAL DE USO MODELO LONDRES 1 Parabéns pela escolha das bicicletas ebike-stock. Para aproveitar esta bicicleta e ser capaz de lidar com isso de forma segura por favor leia todas as instruções deste manual

Leia mais

A Direcção Geral da Saúde recomenda que a segurança no automóvel comece antes do nascimento.

A Direcção Geral da Saúde recomenda que a segurança no automóvel comece antes do nascimento. 001/2010 16/09/2010 Transporte de Crianças em Automóvel desde a alta da Maternidade Segurança; Crianças Todos os Serviços de Saúde Divisão de Comunicação e Promoção da Saúde no Ciclo de Vida; Dr. Vasco

Leia mais

Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos.

Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos. NO CARRO Como se prevenir Procure usar um carro que não chame a atenção. Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos. Evite transportar objetos de valor quando

Leia mais

Dicas de Segurança II

Dicas de Segurança II Dicas de Segurança II Ao Viajar Casa ou apartamento Não comente sua viagem com pessoas estranhas por perto. Avise a um vizinho de confiança sobre a sua viagem. Se possível, deixe um número de telefone

Leia mais

www.italyontheroad.it

www.italyontheroad.it www.italyontheroad.it HEADREST Apoio para Cabeça Informações gerais e conselhos. L 'acidente é o mais popular conchas: uma colisão na parte traseira do veículo, recebeu de um outro veículo. É tanto esmagadora

Leia mais

DIREÇÃO DEFENSIVA OU PREVENTIVA. Trânsito seguro é um direito de todos

DIREÇÃO DEFENSIVA OU PREVENTIVA. Trânsito seguro é um direito de todos DIREÇÃO DEFENSIVA OU PREVENTIVA Trânsito seguro é um direito de todos TRANSITO LEGAL DIREÇÃO DEFENSIVA Sabem o que significa? Conduzir de modo a evitar acidentes, apesar das ações erradas dos outros e

Leia mais

UMA MAIOR SEGURANÇA PARA PEÕES

UMA MAIOR SEGURANÇA PARA PEÕES UMA MAIOR SEGURANÇA PARA PEÕES INTRODUÇÃO Nas Grandes Opções do Plano para 2005 2009 o Governo consagrou uma política orientada na redução, para metade, da sinistralidade, bem como na melhoria da segurança

Leia mais

PLANEAMENTO DE VIAGENS E PERCURSOS

PLANEAMENTO DE VIAGENS E PERCURSOS FICHA TÉCNICA PLANEAMENTO DE VIAGENS E PERCURSOS Níveis GDE Temas Transversais Síntese informativa Nível 2 Nível Estratégico; Nível 4 Nível Operacional Tema 3 - Preparação e Planeamento; Tema 4 - Condução

Leia mais

A carta de condução de automóveis pesados habilita a conduzir: Automóveis ligeiros. Motociclos. Qualquer tipo de veículos com motor.

A carta de condução de automóveis pesados habilita a conduzir: Automóveis ligeiros. Motociclos. Qualquer tipo de veículos com motor. A carta de condução de automóveis ligeiros habilita a conduzir: Automóveis de passageiros com lotação até 12 lugares. Motociclos até 125cc. Tractores agrícolas com equipamentos cujo peso máximo não exceda

Leia mais

2 Quais os tipos de cinto de segurança que temos? Qual o cinto é o mais seguro?

2 Quais os tipos de cinto de segurança que temos? Qual o cinto é o mais seguro? 1 Quais são os 5 elementos da direção defensiva? 2 Quais os tipos de cinto de segurança que temos? Qual o cinto é o mais seguro? 3 O que significa DIREÇÃO DEFENSIVA? 4 Cite um exemplo de condição adversa

Leia mais

N.º2 Férias e Álcool. A viagem:

N.º2 Férias e Álcool. A viagem: N.º2 Férias e Álcool Esta semana o tema que iremos abordar será um 2 em 1, onde expomos os principais cuidados a ter em conta, para que possa usufruir de umas férias mais seguras, ao mesmo tempo que alertamos

Leia mais

nicobelo@hotmail.com NICOLAU BELLO

nicobelo@hotmail.com NICOLAU BELLO NICOLAU BELLO 1 * ATUALMENTE EXISTEM NO TRÂNSITO NO BRASIL MAIS DE CINCO MILHÕES DE MOTOS NO TRÂNSITO. * 10 MILHÕES DE CARROS, ONIBUS, TAXIS E CAMINHÕES. * MOTOS PASSAM CÉLERES ENTRE OS CARROS, ESTES DÃO

Leia mais

ACIDENTES DE TRÂNSITO COM MOTOCICLETAS

ACIDENTES DE TRÂNSITO COM MOTOCICLETAS ACIDENTES DE TRÂNSITO COM MOTOCICLETAS Posicionamento da Moto Distância de Segurança Dois segundos entre você, o veículo da frente e o de trás Comunicar as suas intenções Evitar os pontos cegos/ ângulos

Leia mais

Tabela das Multas. Infração Gravíssima Valor/Multa Tipos de Penalidades R$ 191,54 R$ 574,61

Tabela das Multas. Infração Gravíssima Valor/Multa Tipos de Penalidades R$ 191,54 R$ 574,61 Tabela das Multas 7 pontos na CNH Infração Gravíssima Valor/Multa Tipos de Penalidades Dirigir com a carteira já vencida há mais de 30 dias Recolhimento da carteira e retenção do veículo Não reduzir a

Leia mais

Juntos podemos salvar milhões de vidas

Juntos podemos salvar milhões de vidas Juntos podemos salvar milhões de vidas INDÍCE SOBRE NÓS ESTRADA ATÉ 2020 DECADA DE AÇÃO AÇÕES E PROGRAMAS ACP O ACP A FIA Clubes em ação Condutores seguros Estradas seguras Veículos seguros A campanha

Leia mais

PROJETO SEGURANÇA PÚBLICA - MUTIRÃO PELA VIDA NO TRÂNSITO EM RORAIMA

PROJETO SEGURANÇA PÚBLICA - MUTIRÃO PELA VIDA NO TRÂNSITO EM RORAIMA PROJETO SEGURANÇA PÚBLICA - MUTIRÃO PELA VIDA NO TRÂNSITO EM RORAIMA Conjunto de ações que oferece aos cidadãos roraimenses informações sobre segurança pública no trânsito com vista à prevenção da violência,

Leia mais

Regras de Trânsito do Japão

Regras de Trânsito do Japão Regras de Trânsito do Japão (Versão para pedestres e bicicletas) ~ Para não sofrer acidentes de trânsito ~ Supervisão: Polícia da Província de Gifu Edição / Publicação: Província de Gifu Regras básicas

Leia mais

Dados Técnicos e Equipamentos. Golf Variant

Dados Técnicos e Equipamentos. Golf Variant Dados Técnicos e Equipamentos Golf Variant GOLF VARIANT Motores 1.4 (80cv) 1.4 TSI (122cv) 1.6 TDI (105cv) 2.0 TDI (140cv) Motor, Tipo de motor 4 cilindros, Gasolina 4 cilindros, Gasolina 4 cilindros,

Leia mais

Inovações Tecnológicas em Veículos

Inovações Tecnológicas em Veículos Especialização em Transportes e Vias de Comunicação Sistemas e Tecnologias Inteligentes de Transportes Painel Lisboa 10 outubro 2012 Inovações Tecnológicas em Veículos Pedro Paula Pinto (Director Pós-Venda

Leia mais

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem.

A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar, mas apenas se assinalar a marcha de urgência. Avançar. Ceder-me a passagem. A ambulância deve: Avançar. Ceder a passagem apenas ao meu veículo. Ceder a passagem apenas ao veículo

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho

Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XXIX Prevenção de acidentes com veículos na Construção Civil Parte 2 um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não

Leia mais

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito. FICHA DE SEGURANÇA EMPILHADOR DE MOVIMENTAÇÃO DE CARGA DE ALCANCE VARIÁVEL Fonte: ACT FUNÇÃO Transporte e elevação de carga ou pessoas, através de dispositivos concebidos pelo fabricante para o efeito.

Leia mais

Manual de Instruções Bebê Conforto - Piccolina

Manual de Instruções Bebê Conforto - Piccolina Manual de Instruções Bebê Conforto - Piccolina (Ref. 8140) Página 1 de 7 Página 2 de 7 Página 3 de 7 Página 4 de 7 Para o uso da cadeira em automóveis ATENÇÃO: Como os fabricantes, modelos e ano de produção

Leia mais

Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança

Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança Segurança nas estradas Caminhões Mercedes-Benz oferecem elevado padrão de segurança Informação à imprensa 21 de novembro de 2012 Solução integrada da Mercedes-Benz inclui a oferta de itens de avançada

Leia mais

Dirigir ecologicamente com

Dirigir ecologicamente com Global Training. The finest automotive learning rpm x 100 Dirigir ecologicamente com PREFÁCIO Convidamos você para participar: - Treinamento de Condução Econômica, transmitindo-lhe conhecimento sobre uma

Leia mais

Lubritec Distribuidora de Lubrificantes Ltda

Lubritec Distribuidora de Lubrificantes Ltda Ver. 4.0 Data Out/2010 Vigência: Out/2011 1 Prezado colaborador, Este manual foi elaborado visando transmitir algumas noções de segurança no trânsito. Desejamos que os nossos colaboradores e pessoas ligadas

Leia mais

Civic Type R. Sem competição a Honda não existe

Civic Type R. Sem competição a Honda não existe Civic Type R Sem competição a Honda não existe Soichiro Honda Honda Portugal, S.A. Abrunheira 2714-506 SINTRA Tel: 219 155 300 Fax: 219 258 887 e-mail: honda.automoveis@honda-eu.com www.honda.pt qual o

Leia mais

Gama Honda. Conseguir uma identidade única é o que justifica a existência da Honda. Soichiro Honda

Gama Honda. Conseguir uma identidade única é o que justifica a existência da Honda. Soichiro Honda Gama Honda Conseguir uma identidade única é o que justifica a existência da Honda. Soichiro Honda A Honda Portugal, S.A., reserva-se o direito de mudar ou modificar equipamentos, especificações técnicas

Leia mais

Cadeira voltada para trás Manual de instruções. Grupo Peso Idade. 0+ 0-13 kg 0-12 m

Cadeira voltada para trás Manual de instruções. Grupo Peso Idade. 0+ 0-13 kg 0-12 m Cadeira voltada para trás Manual de instruções ECE R44 04 Grupo Peso Idade 0+ 0-13 kg 0-12 m 1 !! Obrigado por optar pela BeSafe izi Sleep A BeSafe desenvolveu esta cadeira com todo o cuidado, para proteger

Leia mais

Limpeza e manutenção. Conheça a Minicadeira para Carro. Informações complementares

Limpeza e manutenção. Conheça a Minicadeira para Carro. Informações complementares Conheça a Minicadeira para Carro Tira de cinto de segurança para os ombros Tira de ajuste Guarde este manual de instruções para eventuais consultas. 2 Alça para carregar Botão de ajuste na alça Em todos

Leia mais

Dirigir na Nova Zelândia

Dirigir na Nova Zelândia Dirigir na Nova Zelândia PORTUGUÉS Para dirigir na Nova Zelândia é preciso saber que: dirigimos no lado esquerdo da estrada o uso do telefone celular ao dirigir é ilegal. Para fazer uma viagem segura e

Leia mais

CHICCO AUTO FIX. Grupo 0+ 0 a 13 kg

CHICCO AUTO FIX. Grupo 0+ 0 a 13 kg CHICCO AUTO FIX Grupo 0+ 0 a 13 kg NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO NÃO AUTO-FIX COMPONENTES: (Fig. A, B, C, D) 01. Base 02. Estrutura 03. Alça de transporte 04. Manopla (trava) de desencaixe 05. Forro 06.

Leia mais

CTT Correios de Portugal Frota Postal e Prevenção Rodoviária José Guilherme

CTT Correios de Portugal Frota Postal e Prevenção Rodoviária José Guilherme CTT Correios de Portugal Frota Postal e Prevenção Rodoviária José Guilherme IV Congresso Rodoviário Português Estoril, 5 a 7 de Abril de 2006 Apresentação 6 Novembro 1520 Carta Régia D. Manuel I (Ofício

Leia mais

Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional. Tema 2 Atitudes e Comportamentos Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo

Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional. Tema 2 Atitudes e Comportamentos Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo FICHA TÉCNICA TRAVAGEM Níveis GDE: Nível 3 Nível Tático; Nível 4 Nível Operacional Temas Transversais: Tema 2 Atitudes e Comportamentos Tema 6 Domínio das Situações de Trânsito Tema 7 Controlo do Veículo

Leia mais

Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta

Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta versão beta (0.2) uma iniciativa Associação pela Mobilidade Urbana em Bicicleta Março 2011 BIKE BUDDY O Bike Buddy (BB) é um projecto de mentorado de utilização de bicicleta da MUBi - Associação pela Mobilidade

Leia mais

Vamos começar pelas recomendações mais gerais e obrigatórias.

Vamos começar pelas recomendações mais gerais e obrigatórias. Normas gerais de circulação ABETRAN Detalhadas pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB) em mais de 40 artigos, as Normas Gerais de Circulação e Conduta merecem atenção especial de todos os usuários da

Leia mais

Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto

Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto Contributos para a melhoria da ciclovia Entrecampos Monsanto Nota inicial Genericamente, os principais problemas que encontrámos foram a proliferação de obstáculos à normal fluidez da circulação das bicicletas.

Leia mais

Questões: Humana? existem? radares? 1. Quais as principais causas de acidente devida a falha. 2. Indique outras causas de acidentes rodoviários.

Questões: Humana? existem? radares? 1. Quais as principais causas de acidente devida a falha. 2. Indique outras causas de acidentes rodoviários. Questões: 1. Quais as principais causas de acidente devida a falha Humana? 2. Indique outras causas de acidentes rodoviários. 3. Como prevenir acidentes rodoviários? 4. Como funciona o airbag? 5. Actualmente

Leia mais

Poupar com inteligência

Poupar com inteligência Poupar com inteligência Setembro - Dezembro 2012 Volkswagen Service Para que o seu Volkswagen seja sempre um Volkswagen. Melvar Automóveis e Peças S.A. Oficina 1 Oficina 2 Azinhaga dos Lameiros, Rua Dom

Leia mais

Banco voltado para trás. Manual de instruções. Grupo Peso Idade. 0+ 0-13 kg 0-12 m

Banco voltado para trás. Manual de instruções. Grupo Peso Idade. 0+ 0-13 kg 0-12 m Banco voltado para trás Manual de instruções ECE R44 04 Grupo Peso Idade 0+ 0-13 kg 0-12 m 1 Obrigado por optar pela BeSafe izi Sleep ISOfix A BeSafe desenvolveu esta cadeira com todo o cuidado, para proteger

Leia mais

Actros 2646 6x4. Actros 2546 6x2. Equipamentos de série. Aplicações. Aplicações

Actros 2646 6x4. Actros 2546 6x2. Equipamentos de série. Aplicações. Aplicações Equipamentos de série (mais os itens da cabina ) Segurança (mais os itens das cabinas e ) Ar-condicionado Suspensão traseira pneumática Freios a Disco Eletrônico; ABS (Antibloqueio das Rodas); ASR (Controle

Leia mais

O que é o Direção Positiva?

O que é o Direção Positiva? Abril - 2014 1 2 O que é o Direção Positiva? O novo projeto da Sirtec busca conscientizar os colaboradores sobre a importância das medidas preventivas no trânsito. Objetivos: Contribuir com a redução dos

Leia mais

Resumo de Convenções de Deslocamento Motociclístico

Resumo de Convenções de Deslocamento Motociclístico Resumo de Convenções de Deslocamento Motociclístico Você foi convidado a rodar com o Twister Moto Clube! Evento: Dia: Ponto de Encontro: Hora: Além de uma honra, esta será também uma grande responsabilidade

Leia mais