TOP CIDADANIA ABRH-RS 2016 Categoria Conhecimento. 1 APRESENTAÇÃO peso Apresentação do trabalho 20

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TOP CIDADANIA ABRH-RS 2016 Categoria Conhecimento. 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Apresentação do trabalho 20"

Transcrição

1 TOP CIDADANIA ABRH-RS 2016 Categoria Conhecimento TABELA DE AVALIAÇÃO 2ª Etapa Apresentação do Trabalho Critérios e Itens de Avaliação máxima 1 APRESENTAÇÃO peso Apresentação do trabalho 20 2 APLICABILIDADE peso Atingimento do objetivo e execução prática de implementação de projetos e programas 20 sociais. 2.2 Atingimento ao público-alvo Ações de Sustentabilidade 20 3 INOVAÇÃO peso Inovador para o mercado 30 4 CONTEÚDO peso Ordenação e clareza do tema Embasamento teórico articulado ao trabalho 30 5 INDICADORES DE RESULTADOS peso Indicadores de avaliação dos resultados 30 TOTAL 200

2 TOP CIDADANIA ABRH-RS 2016 Categoria Conhecimento CRITÉRIO 1 APRESENTAÇÃO PESO 2 O Critério Apresentação considera a estruturação geral da apresentação do trabalho (distribuição das partes/capítulos), ilustrações e outros elementos similares, bibliografia e cumprimento do tempo. 1.1 Apresentação do trabalho A apresentação do trabalho foi desordenada, quanto à distribuição das partes/capítulos, ilustrações e outros elementos similares, bibliografia e não cumprimento do tempo máximo de apresentação impossibilitando seu entendimento. A apresentação do trabalho demonstrou falhas e omissões, quanto à distribuição das partes/capítulos, ilustrações e outros elementos similares, bibliografia e não cumprimento do tempo máximo de apresentação impossibilitando seu entendimento. A apresentação do trabalho quanto à distribuição das partes/capítulos, ilustrações e outros elementos similares, bibliografia e cumprimento do tempo máximo de apresentação foi parcial, comprometendo em parte seu entendimento. Há estruturação geral na apresentação do trabalho quanto à distribuição das partes/capítulos, ilustrações e outros elementos similares, bibliografia e cumprimento do tempo máximo de apresentação com algumas falhas, porém sem comprometer seu entendimento. Há estruturação geral na apresentação do trabalho quanto à distribuição das partes/capítulos, ilustrações e outros elementos similares, bibliografia e cumprimento do tempo máximo de apresentação sem falhas e favorece o entendimento do trabalho. CRITÉRIO 2 APLICABILIDADE PESO 2 O Critério Aplicabilidade considera a compatibilidade do trabalho com a realidade do mundo das organizações públicas e privadas, do ambiente social e econômico das comunidades, através de sugestões de estratégias de implementação de projetos e programas sociais e a sustentabilidade das ações propostas. 2.1 Atingimento do objetivo e execução prática de implementação de projetos e programas sociais. O trabalho não atinge o objetivo exposto e não descreve a aplicação de O trabalho não atinge o objetivo exposto e há falhas na aplicação de O trabalho atinge parcialmente o objetivo exposto e apresenta falhas na aplicação de O trabalho atinge o objetivo exposto e apresenta algumas falhas na aplicação de O trabalho atinge plenamente o objetivo exposto e apresenta evidências da aplicação de

3 2.2 Atingimento ao público-alvo. O trabalho não atinge o público-alvo. O trabalho atinge uma parcela pouco significativa do público-alvo. O trabalho atinge parte do público-alvo. O trabalho atinge grande parte do público-alvo. O trabalho atinge todo o público-alvo. 2.3 Ações de Sustentabilidade O trabalho não evidencia futuras ações que promovam sua continuidade e nem a aplicação de estratégias, planos, e projetos. O trabalho evidencia futuras ações que promovam sua continuidade, porém não há estratégias, planos e projetos definidos para a sua implementação. O trabalho evidencia futuras ações que promovam sua continuidade através de projetos, porém sem apresentar detalhamento das estratégias e plano de ação de implementação dos mesmos. Há evidências de futuras ações que promovam a continuidade do trabalho, porém apresenta algumas falhas na estratégia de implementação de projetos. Há evidências de futuras ações que promovam a continuidade do trabalho através da aplicação adequada de estratégias de implementação de projetos. Evidências

4 CRITÉRIO 3 - INOVAÇÃO PESO 3 O Critério Inovação avalia quando há propostas de melhorias nas formas de aplicação de ferramenta ou metodologia em projetos ou programas sociais já existentes. Ou quando propõe um novo projeto ou programa social com ferramenta e metodologia inédita. 3.1 Inovador para o mercado. O trabalho não é inovador para o público alvo, pois não apresenta propostas de melhorias numa prática atual nem diferentes e/ou novas formas de aplicar ferramentas ou metodologia social. O case é pouco inovador para o público alvo, pois apresenta propostas de melhorias pouco significativas numa prática atual e não apresenta diferentes e novas formas de aplicar ferramentas ou metodologia social. O case é inovador para o público alvo, pois apresenta propostas de melhorias significativas em uma prática atual, mas não apresenta uma nova prática, e/ou diferentes formas de aplicar ferramentas ou metodologia social. O case é inovador para o público alvo, pois propõe uma nova prática ou diferentes e/ou novas formas de aplicar uma ferramenta ou metodologia social. O case é inovador para o público alvo, pois propõe nova e significativa prática ou diferente e/ou novas formas de aplicar uma ferramenta ou metodologia social, que podem servir de referência. CRITÉRIO 4 - CONTEÚDO PESO 3 O Critério Conteúdo considera a consistência do trabalho, a ordenação e clareza do tema e o embasamento teórico. 4.1 Ordenação e clareza do tema Não há ordenação e clareza do tema. Há pouca ordenação e clareza do tema, impedindo a compreensão do trabalho. O conteúdo do trabalho apresenta ordenação do tema, porém ainda falta clareza, comprometendo sua compreensão. O conteúdo do trabalho mostra clareza e ordenação do tema, porém ainda há alguma limitação na sua compreensão. O conteúdo do trabalho demonstra ordenação e clareza do tema, facilitando plenamente a sua compreensão.

5 4.2 Embasamento teórico articulado ao trabalho Não há embasamento teórico articulado ao trabalho que dê consistência. Há pouco embasamento teórico articulado ao trabalho, não dando consistência. Há embasamento teórico articulado ao trabalho dando consistência parcial ao trabalho. Há embasamento teórico articulado ao trabalho dando consistência ao trabalho, porém ainda falta alguma fundamentação. Há embasamento teórico plenamente articulado ao trabalho dando consistência ao trabalho. CRITÉRIO 5 INDICADORES DE RESULTADOS PESO 2 O Critério Indicadores de Resultado considera a apresentação de indicadores de mensuração do impacto e os benefícios decorrentes do trabalho para o público alvo. 5.1 Indicadores de avaliação dos resultados. O trabalho não apresenta indicadores de avaliação de resultados. O trabalho apresenta indicadores de avaliação de resultados que não estão diretamente relacionados ao tema proposto. O trabalho apresenta alguns indicadores de avaliação de resultados relacionados ao tema proposto, mas não são suficientes para comprovar os impactos e os benefícios para o público alvo. O trabalho apresenta indicadores que permitem a avaliação dos resultados, relacionados ao tema proposto, porém insuficientes para avaliar os impactos e benefícios para o público alvo. O trabalho apresenta indicadores de avaliação de resultados que estão plenamente relacionados ao trabalho, permitindo avaliar plenamente os impactos e os benefícios do trabalho para o público alvo.

TOP SER HUMANO ABRH-RS 2016 Categoria Organização. TABELA DE AVALIAÇÃO 1ª Etapa Leitura do case

TOP SER HUMANO ABRH-RS 2016 Categoria Organização. TABELA DE AVALIAÇÃO 1ª Etapa Leitura do case TOP SER HUMANO ABRH-RS 2016 Categoria Organização TABELA DE AVALIAÇÃO 1ª Etapa Leitura do case Critérios e Itens de Avaliação máxima 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Estruturação geral do case 20 2 APLICABILIDADE

Leia mais

TOP SER HUMANO ABRH-RS 2015 Categoria Estudante TABELA DE AVALIAÇÃO. 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Estruturação geral do trabalho 20

TOP SER HUMANO ABRH-RS 2015 Categoria Estudante TABELA DE AVALIAÇÃO. 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Estruturação geral do trabalho 20 TOP SER HUMANO ABRH-RS 2015 Categoria Estudante TABELA DE AVALIAÇÃO Critérios e Itens de Avaliação máxima 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Estruturação geral do trabalho 20 2 APLICABILIDADE peso 3 60 2.1 Atingimento

Leia mais

TOP SER CIDADANIA ABRH-RS 2012 Categoria Empresa Categoria Instituições sem fins lucrativos TABELA DE AVALIAÇÃO

TOP SER CIDADANIA ABRH-RS 2012 Categoria Empresa Categoria Instituições sem fins lucrativos TABELA DE AVALIAÇÃO TOP SER CIDADANIA ABRH-RS 2012 Categoria Empresa Categoria Instituições sem fins lucrativos TABELA DE AVALIAÇÃO 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Estruturação geral do case 20 2 APLICABILIDADE peso 3 150 2.1

Leia mais

REGULAMENTO CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2012 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2012 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2012 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmio Cidadania, categoria Estudante, premia trabalhos de caráter técnico ou científico, referente a implementação

Leia mais

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos.

Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. Módulo 9 A Avaliação de Desempenho faz parte do subsistema de aplicação de recursos humanos. 9.1 Explicações iniciais A avaliação é algo que faz parte de nossas vidas, mesmo antes de nascermos, se não

Leia mais

Roteiro orientador para descrição do case

Roteiro orientador para descrição do case Roteiro orientador para descrição do case C A T E G O R I A S D E S E T O R D E M E R C A D O E C A T E G O R I A S E S P E C I A I S ROTEIRO ORIENTADOR PARA DESCRIÇÃO DO CASE De acordo com ampla reformulação

Leia mais

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS

CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS CONCURSO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS SISTEMA DE APOIO ÀS AÇÕES COLETIVAS TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO Índice 1. Objetivo temático, prioridade de investimento e objetivo

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

Roteiro orientador para desenvolvimento da apresentação presencial dos cases

Roteiro orientador para desenvolvimento da apresentação presencial dos cases Roteiro orientador para desenvolvimento da apresentação presencial dos cases C A T E G O R I A S D E S E T O R D E M E R C A D O E C A T E G O R I A S E S P E C I A I S ROTEIRO ORIENTADOR PARA DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Art. 6º A inscrição deverá ser realizada de acordo com a ficha constante no anexo I, desta Lei.

Art. 6º A inscrição deverá ser realizada de acordo com a ficha constante no anexo I, desta Lei. LEI Nº 1.947, DE 13 DE OUTUBRO DE 2015. Autoriza o Poder Executivo a premiar os Profissionais da Educação Básica, na categoria de Gestor e Professor, da Rede Municipal de Ensino, que obtiverem experiências

Leia mais

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE

TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE TEXTO PRODUZIDO PELA GERÊNCIA DE ENSINO FUNDAMENTAL COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O DEBATE Avaliação institucional: potencialização do processo ensino e aprendizagem A avaliação institucional é uma prática recente

Leia mais

REGULAMENTO. 10º Prêmio de Responsabilidade Social

REGULAMENTO. 10º Prêmio de Responsabilidade Social REGULAMENTO 10º Prêmio de Responsabilidade Social I DA INSTITUIÇÃO DA PREMIAÇÃO II DAS CATEGORIAS III DAS INSCRIÇÕES IV DOS PROJETOS V DO JULGAMENTO VI DAS DATAS VII DA COORDENAÇÃO I DA INSTITUIÇÃO DA

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE CASE 31º TOP DE MARKETING ADVB/RS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE CASE 31º TOP DE MARKETING ADVB/RS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE CASE 31º TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIAS DE SEGMENTO DE MERCADO E CATEGORIAS ESPECIAIS Roteiro de Elaboração do Case Buscando aperfeiçoar o Sistema de Avaliação do Top de

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP SUSTENTABILIDADE

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP SUSTENTABILIDADE QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP SUSTENTABILIDADE ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PARA PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO 04 QUESTIONÁRIO 05 CAPÍTULO P PERFIL DA EMPRESA 05 CAPÍTULO

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VOLTADO ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - PROEXT 2004 SESu/MEC ANEXO I - FICHA DE IDENTIFICAÇÃO

PROGRAMA DE APOIO À EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA VOLTADO ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - PROEXT 2004 SESu/MEC ANEXO I - FICHA DE IDENTIFICAÇÃO ANEXO I - FICHA DE IDENTIFICAÇÃO INSTITUIÇÃO PROPONENTE: PRÓ-REITOR DE EXTENSÃO: TÍTULO DO PROJETO: TEMA PROJETO (DE ACORDO COM O EDITAL) EQUIPE: (nome, unidade, categoria profissional) RESUMO (máximo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAGÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PRÊMIO PROFESSOR DO ANO 2011. Capítulo I: Do regulamento

PREFEITURA MUNICIPAL DE BAGÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PRÊMIO PROFESSOR DO ANO 2011. Capítulo I: Do regulamento PREFEITURA MUNICIPAL DE BAGÉ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PRÊMIO PROFESSOR DO ANO 2011 Capítulo I: Do regulamento ART 1 - O evento Prêmio Professor do Ano é uma promoção da SECRETARIA MUNICIPAL DE

Leia mais

PRÊMIO SER HUMANO ABRH/MA REGULAMENTO 2016 MODALIDADE: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E RESPONSABILIDADE SOCIAL / EMPRESA CIDADÃ

PRÊMIO SER HUMANO ABRH/MA REGULAMENTO 2016 MODALIDADE: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E RESPONSABILIDADE SOCIAL / EMPRESA CIDADÃ Página 1 A. OBJETIVO A.1. O Prêmio Ser Humano ABRH/MA - Modalidade Desenvolvimento Sustentável e Responsabilidade Social / Empresa Cidadã tem o objetivo de certificar projetos, a seguir denominados de

Leia mais

MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI - INTEGRADOR FAN CEUNSP

MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI - INTEGRADOR FAN CEUNSP MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI - INTEGRADOR FAN CEUNSP Salto 2010 MANUAL DE TRABALHO INTERDISCIPLINAR TI / INTEGRADOR 0 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 TRABALHO INTERDISCIPLINAR (TI)... 3 ORGANIZAÇÃO...

Leia mais

REGISTRO DE ACOMPANHAMENTO DA EQUIPE GESTORA DA UNIDADE ESCOLAR (ANEXO II)

REGISTRO DE ACOMPANHAMENTO DA EQUIPE GESTORA DA UNIDADE ESCOLAR (ANEXO II) REGISTRO DE ACOMPANHAMENTO DA EQUIPE GESTORA DA UNIDADE ESCOLAR (ANEXO II) O presente documento objetiva o registro da observação da atuação dos docentes da Rede Municipal de Barueri, envolvidos no processo

Leia mais

ROTEIRO PARA DESENVOLVIMENTO DA APRESENTAÇÃO PRESENCIAL DOS CASES FINALISTAS

ROTEIRO PARA DESENVOLVIMENTO DA APRESENTAÇÃO PRESENCIAL DOS CASES FINALISTAS ROTEIRO PARA DESENVOLVIMENTO DA APRESENTAÇÃO PRESENCIAL DOS CASES FINALISTAS CATEGORIAS: SETORES DE MERCADO TOP EMPRESA DO FUTURO CATEGORIAS ESPECIAIS: TOP SUSTENTABILIDADE TOP INOVAÇÃO EM PRODUTO, SERVIÇOS

Leia mais

Padrões de Qualidade e Roteiro para Avaliação dos Cursos de Graduação em Artes Visuais (Autorização e Reconhecimento)

Padrões de Qualidade e Roteiro para Avaliação dos Cursos de Graduação em Artes Visuais (Autorização e Reconhecimento) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ARTES VISUAIS Padrões de Qualidade e Roteiro

Leia mais

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015 O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015 1. INTRODUÇÃO 84% dos consumidores que não possuem conta corrente fazem compras parceladas O fato de não possuir conta em banco

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec ETEC Paulino Botelho Extensão Esterina Placco Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E DE FREQUÊNCIA DA DISCIPLINA PIC

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E DE FREQUÊNCIA DA DISCIPLINA PIC CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E DE FREQUÊNCIA DA DISCIPLINA PIC 2016 Sumário 1. Critérios de avaliação da primeira etapa... 1 2. Critérios de avaliação da segunda etapa... 2 3. Critérios de avaliação da terceira

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Empreendedorismo Administração A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de etapas,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: INDICAÇÕES PARA SUA ELABORAÇÃO

PROJETO DE PESQUISA: INDICAÇÕES PARA SUA ELABORAÇÃO ARTIGO Projeto de Pesquisa PROJETO DE PESQUISA: INDICAÇÕES PARA SUA ELABORAÇÃO Profª Adelina Baldissera* RESUMO:o projeto de pesquisa traça um caminho a ser seguido durante a investigação da realidade.

Leia mais

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD

Belém PA, Maio 2012. Categoria: Pesquisa e Avaliação. Setor Educacional: Educação Universitária. Macro: Sistemas e Instituições de EAD 1 A QUALIDADE DOS CURSOS SUPERIORES A DISTÂNCIA: CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UAB Belém PA, Maio 2012 Categoria: Pesquisa e Avaliação

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

Modernização da infraestrutura: o Brasil melhorou, mas o desafio agora é avançar mais rápido

Modernização da infraestrutura: o Brasil melhorou, mas o desafio agora é avançar mais rápido Modernização da infraestrutura: o Brasil melhorou, mas o desafio agora é avançar mais rápido As economias mais competitivas do mundo e a percepção sobre a qualidade na infraestrutura no Brasil e em diversos

Leia mais

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011

Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 Edital de seleção para formação em gestão de Organizações da Sociedade Civil Fundação Tide Setubal 2011 INTRODUÇÃO A Fundação Tide Setubal nasce em 2005 para ressignificar e inovar o trabalho pioneiro

Leia mais

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO

PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO PESQUISA DATAPOPULAR: PERCEPÇÃO SOBRE A QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NAS ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO PAULO OBJETIVOS QUALIDADE NAS ESCOLAS Mapear percepções de Professores, Pais e Alunos de São Paulo sobre o que

Leia mais

TOP CIDADANIA ABRH-RS 2017 Categoria Conhecimento. 1 APRESENTAÇÃO peso Apresentação do trabalho 20

TOP CIDADANIA ABRH-RS 2017 Categoria Conhecimento. 1 APRESENTAÇÃO peso Apresentação do trabalho 20 TOP CIDADANIA ABRH-RS 2017 Categoria Conhecimento TABELA DE AVALIAÇÃO 2ª Etapa Apresentação do Trabalho Critérios e Itens de Avaliação máxima 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Apresentação do trabalho 20 2

Leia mais

FACULDADES PEQUENO PRÍNCIPE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO NAS CIÊNCIAS DA SAÚDE EDITAL Nº 024 /2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO CURSO DE

FACULDADES PEQUENO PRÍNCIPE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO NAS CIÊNCIAS DA SAÚDE EDITAL Nº 024 /2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO CURSO DE FACULDADES PEQUENO PRÍNCIPE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO NAS CIÊNCIAS DA SAÚDE EDITAL Nº 024 /2015 SELEÇÃO DE CANDIDATOS ÀS VAGAS DO CURSO DE MESTRADO ACADÊMICO EM ENSINO NAS CIÊNCIAS DA SAÚDE 1.PREÂMBULO

Leia mais

Dimensão Ambiental GRUPO IF

Dimensão Ambiental GRUPO IF Dimensão Ambiental GRUPO IF Serviços Financeiros Instituições Financeiras, Seguradoras Dimensão Ambiental 119 GRUPO IF... 118 CRITÉRIO I - POLÍTICA... 120 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE CANINDÉ DE SÃO FRANCISCO RELAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE CANINDÉ DE SÃO FRANCISCO RELAÇÃO DE FUNCIONÁRIOS CATEGORIA 12 CATEGORIA 20 020569 02050 020568 02051 020902 0020584 0020582 0020581 02058 0020886 0020533 0020588 0020586 0020566 020589 0020592 0010134 002088 0020561 002053 020898 0010363 0010198 0020591

Leia mais

TOP SER HUMANO ABRH-RS 2017 Categoria Conhecimento. 1 APRESENTAÇÃO peso Estruturação geral do trabalho 20

TOP SER HUMANO ABRH-RS 2017 Categoria Conhecimento. 1 APRESENTAÇÃO peso Estruturação geral do trabalho 20 TOP SER HUMANO ABRH-RS 2017 Categoria Conhecimento TABELA DE AVALIAÇÃO 1ª Etapa Leitura do trabalho Critérios e Itens de Avaliação máxima 1 APRESENTAÇÃO peso 2 20 1.1 Estruturação geral do trabalho 20

Leia mais

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015

ANEXO 1. Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC. 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 ANEXO 1 Programas e Ações do Ministério da Educação - MEC 1. Programas e Ações da Secretaria da Educação Básica SEB/2015 Docência em Educação Infantil A oferta de curso integra a política nacional de formação

Leia mais

POR QUE AS EMPRESAS NÃO DEVEM INVESTIR EM PROGRAMAS DE INCLUSÃO?

POR QUE AS EMPRESAS NÃO DEVEM INVESTIR EM PROGRAMAS DE INCLUSÃO? POR QUE AS EMPRESAS NÃO DEVEM INVESTIR EM PROGRAMAS DE INCLUSÃO? A temática da inclusão, no mercado de trabalho, tem suscitado vários debates nos mais diversos espaços de discussão organizados por empresas,

Leia mais

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Projecto GAPI 2.0 Universidade de Aveiro, 19 de Fevereiro de 2010 João M. Alves da Cunha Introdução Modelo de Interacções em cadeia Innovation

Leia mais

Características do texto Académico-Científico

Características do texto Académico-Científico Características do texto Académico-Científico Algumas noções breves Ana Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa Essencial para uma adequada indexação posterior em bases de dados; Nem muito abrangentes

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014

REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014 REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014 1 ÍNDICE CRONOGRAMA ------------------------------------------------------------------------------- 3 CATEGORIAS -------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Selo animar.com O que é

Selo animar.com O que é Selo animar.com O que é Sistema de Reconhecimento e Referenciação de Processos de Qualificação e de Profissionais para Entidades da Economia Social Agência de Inovação Social animar.com Outubro 2015 Página2

Leia mais

A MONTAGEM DA EQUAÇÃO PARA DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

A MONTAGEM DA EQUAÇÃO PARA DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE VENDA A MONTAGEM DA EQUAÇÃO PARA DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE! Como considerar o valor dos impostos no tempo.! A montagem da equação do preço na forma de um fluxo de caixa. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

CANDIDATURA AO PRÉMIO INOVA ESCOLA Edição 2014-2015

CANDIDATURA AO PRÉMIO INOVA ESCOLA Edição 2014-2015 CANDIDATURA AO PRÉMIO INOVA ESCOLA Edição 2014-2015 Escola ou Centro de Formação que demonstre evidências do desenvolvimento de uma cultura empreendedora A.Identificação do estabelecimento de ensino ou

Leia mais

- - caso o professor não indique, procuro informar-me sobre a dimensão do trabalho, para saber o que devo recolher.

- - caso o professor não indique, procuro informar-me sobre a dimensão do trabalho, para saber o que devo recolher. Para elaborares o trabalho deves: 1. Pensar sobre o tema. O tema, geralmente, é fornecido pelo professor. Exemplos: - - fazer um relatório; - - fazer uma biografia; - - fazer um trabalho de pesquisa. Qual

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 18 de Junho de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 18 de Junho de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ANTROPOLOGIA/ARQUEOLOGIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 18 de Junho de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: ANTROPOLOGIA E ARQUEOLOGIA PERÍODO DE AVALIAÇÃO:

Leia mais

1º PRÊMIO SECTTI-FAPES DE INCENTIVO AO PESQUISADOR INOVADOR CAPIXABA

1º PRÊMIO SECTTI-FAPES DE INCENTIVO AO PESQUISADOR INOVADOR CAPIXABA 1º PRÊMIO SECTTI-FAPES DE INCENTIVO AO PESQUISADOR INOVADOR CAPIXABA A Fundação de Amparo à Pesquisa do Espírito Santo FAPES, em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia, Educação Profissional

Leia mais

EDITAL INTERNO 005/2016

EDITAL INTERNO 005/2016 EDITAL INTERNO 005/2016 Dispõe sobre a seleção de candidatos à monitoria para o 1º semestre de 2016 na. O Diretor da, de acordo com o aprovado pela Congregação, faz publicar o presente edital para o processo

Leia mais

EDITAL DA CHAMADA HACKATONA Let's GO 2015

EDITAL DA CHAMADA HACKATONA Let's GO 2015 EDITAL DA CHAMADA HACKATONA Let's GO 2015 O SECRETÁRIO DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO DO ESTADO DE GOIÁS, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei Estadual n. 17.257, de 25 de janeiro de 2011,

Leia mais

COMUNICADO n o 006/2012 ÁREA DE FILOSOFIA/TEOLOGIA: Subcomissão TEOLOGIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 006/2012 ÁREA DE FILOSOFIA/TEOLOGIA: Subcomissão TEOLOGIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 006/2012 ÁREA DE FILOSOFIA/TEOLOGIA: Subcomissão TEOLOGIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: ÁREA DE FILOSOFIA/TEOLOGIA: Subcomissão

Leia mais

II Encontro para Reflexões e Práticas de Responsabilidade Social

II Encontro para Reflexões e Práticas de Responsabilidade Social II Encontro para Reflexões e Práticas de Responsabilidade Social Nosso ponto de partida Responsabilidade Social: conceito em evolução e práticas em difusão, sendo incorporadas ao cotidiano dos empresários

Leia mais

A avaliaçã aprendizagem em um exame de larga escala para os cursos de Engenharia de Produçã. ção.

A avaliaçã aprendizagem em um exame de larga escala para os cursos de Engenharia de Produçã. ção. A avaliaçã ção o dinâmica da aprendizagem em um exame de larga escala para os cursos de Engenharia de Produçã ção. RELAÇÕES ENTRE O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PEDAGÓGICO E O ENADE Concepções subjacentes

Leia mais

sobrevivência reforçada

sobrevivência reforçada Conceito Realização de princípios, visão e missão. Orientação das ações dos colaboradores. Postura social da empresa com os seus diferentes públicos. Empresas sensíveis, não voltadas apenas para produção

Leia mais

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior CAPA 1 República Federativa do Brasil Ministério da Educação Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL Outubro de 2008 1 INTRODUÇÃO A Política de Desenvolvimento Social formaliza e orienta o compromisso da PUCRS com o desenvolvimento social. Coerente com os valores e princípios

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira NOTA INFORMATIVA DO IDEB 2013 (Atualizada em maio de 2015) Os resultados do Ideb 2013 para escola, município,

Leia mais

Resultado na ótica técnico administrativo. Comissão Própria de Avaliação Março/2015

Resultado na ótica técnico administrativo. Comissão Própria de Avaliação Março/2015 Resultado na ótica técnico administrativo Comissão Própria de Avaliação Março/2015 Metodologia PÚBLICO-ALVO: Técnicos Administrativos da FAESA. METODOLOGIA DA PESQUISA: A metodologia utilizada por meio

Leia mais

Protagonismo Social Psicomotricidade Relacional na família, escola, empresa e na comunidade. José Leopoldo Vieira leopoldo@ciar.com.

Protagonismo Social Psicomotricidade Relacional na família, escola, empresa e na comunidade. José Leopoldo Vieira leopoldo@ciar.com. Protagonismo Social Psicomotricidade Relacional na família, escola, empresa e na comunidade José Leopoldo Vieira leopoldo@ciar.com.br 1 ...Transformar a escola é quem sabe, a longo prazo, transformar a

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 0 2014 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL FUNDAÇÃO EDUCACIONAL CLAUDINO FRANCIO FACULDADE CENTRO MATO-GROSSENSE SORRISO/MT Portaria Nº 004/2015 Dispõe sobre Relatório Apresentado pela Comissão Própria

Leia mais

ANEXO I. PROGRAMA 2064 PROMOÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS Código do Programa no SICONV: 2012120140009 RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DO IDOSO FNI

ANEXO I. PROGRAMA 2064 PROMOÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS Código do Programa no SICONV: 2012120140009 RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DO IDOSO FNI ANEXO I PROGRAMA 2064 PROMOÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS HUMANOS Código do Programa no SICONV: 2012120140009 RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DO IDOSO FNI CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PROPOSTA:

Leia mais

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE,CURSO,TUTORIAS LOCAL E CENTRAL, SISTEMAS UNICO E AVA PEDAGOGIA - EAD UTA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR

RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE,CURSO,TUTORIAS LOCAL E CENTRAL, SISTEMAS UNICO E AVA PEDAGOGIA - EAD UTA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR RELATÓRIO GERENCIAL AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE,CURSO,TUTORIAS LOCAL E CENTRAL, SISTEMAS UNICO E AVA PEDAGOGIA - EAD UTA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR 2º SEMESTRE 2012 CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL UNINTER

Leia mais

EDITAL DE INTERCÂMBIO REGULAMENTO

EDITAL DE INTERCÂMBIO REGULAMENTO EDITAL DE INTERCÂMBIO Programa IberCultura Viva I EDIÇÃO 2015 O Programa IberCultura Viva, iniciativa intergovernamental para o fortalecimento das culturas e das comunidades da região ibero-americana criado

Leia mais

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário: Ubiratan de Brito Fonseca e Mariana Oliveira marianap@mh1.com.

Nome e contato do responsável pelo preenchimento deste formulário: Ubiratan de Brito Fonseca e Mariana Oliveira marianap@mh1.com. PRÊMIO ABF- AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2012 FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueado Dados da empresa Razão Social: Instituto Amapaense de Línguas Ltda. Nome Fantasia: Instituto Amapaense de Línguas

Leia mais

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.

ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB. ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL Resumo Executivo PARA BAIXAR A AVALIAÇÃO COMPLETA: WWW.IADB.ORG/EVALUATION ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE APOIO ÀS PMEs NO BRASIL

Leia mais

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano.

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano. COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Ao longo do ensino básico as competências que o aluno deve adquirir em Artes Visuais articulam-se em três eixos estruturantes fruição - contemplação, produção criação,

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

Programa Startup in School Edição Google CPS 2016

Programa Startup in School Edição Google CPS 2016 Programa Startup in School Edição Google CPS 2016 REGULAMENTO O Startup in School é um programa de iniciação em Empreendedorismo Tecnológico para alunos do ensino médio. Em uma competição de 2 dias (dois

Leia mais

11º Mostra de Ações Socioambientais 2015 REGULAMENTO

11º Mostra de Ações Socioambientais 2015 REGULAMENTO Centro das Indústrias do Estado de São Paulo Grupo de Trabalho de Meio Ambiente - GTMA Grupo de Trabalho em Responsabilidade Social GTRS Diretoria Regional em Jacareí 11º Mostra de Ações Socioambientais

Leia mais

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade SECAD Diretoria de Educação para a Diversidade EDITAL Nº 14

Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade SECAD Diretoria de Educação para a Diversidade EDITAL Nº 14 Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade SECAD Diretoria de Educação para a Diversidade EDITAL Nº 14 Brasília, 03 de julho de 2009. O Ministério da Educação - MEC, por intermédio,

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL

REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL APROVADA na 15ª reunião do Conselho Superior realizada em 12/04/2004 REGIMENTO DA GERÊNCIA DE PROJETOS E RESPONSABILIDADE SOCIAL Art. 1º - O presente texto institucionaliza e regulamenta as atividades

Leia mais

VI Prêmio Voitto e IV ENEJEPRO

VI Prêmio Voitto e IV ENEJEPRO VI Prêmio Voitto e IV ENEJEPRO 1. DO EDITAL A Voitto Treinamento e Desenvolvimento LTDA e a organização do ENEJEPRO 2014 instituem e divulgam o presente edital de seleção de cases a serem apresentados

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

EDITAL Nº 001 / 2015

EDITAL Nº 001 / 2015 EDITAL Nº 001 / 2015 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO PARA CADASTRO DE ARTISTAS E PROFISSIONAIS DE ARTE E CULTURA DE MOGI DAS CRUZES PARA FOMENTO À CULTURA MUNICIPAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS 1. A Prefeitura

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS EDITAL Nº 08 DE 21 de julho de 2010 1.1 O Diretor do Centro de Ciências Jurídicas e Sociais da Universidade

Leia mais

Serviço Público Federal Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação Agência de Inovação

Serviço Público Federal Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação Agência de Inovação Serviço Público Federal Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação Agência de Inovação Edital para submissão de projetos PIBITI/CNPq PIBINOVA/PDI/UFF

Leia mais

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia

Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Gestão e estratégia de TI Conhecimento do negócio aliado à excelência em serviços de tecnologia Desafios a serem superados Nos últimos anos, executivos de Tecnologia de Informação (TI) esforçaram-se em

Leia mais

Resenha: SEMPRINI, Andrea. A Marca Pós-Moderna: Poder e Fragilidade da Marca na Sociedade Contemporânea. São Paulo : Estação das Letras, 2006.

Resenha: SEMPRINI, Andrea. A Marca Pós-Moderna: Poder e Fragilidade da Marca na Sociedade Contemporânea. São Paulo : Estação das Letras, 2006. Resenha: SEMPRINI, Andrea. A Marca Pós-Moderna: Poder e Fragilidade da Marca na Sociedade Contemporânea. São Paulo : Estação das Letras, 2006. Nicole Plascak 1 Resumo: A marca pós-moderna é resultado de

Leia mais

Influência das práticas de sustentabilidade para a decisão de compra: um estudo com consumidores d' O Boticário.

Influência das práticas de sustentabilidade para a decisão de compra: um estudo com consumidores d' O Boticário. Influência das práticas de sustentabilidade para a decisão de compra: um estudo com consumidores d' O Boticário. Autoras : Elissandra Barbosa da Silva Simone Costa Silva Andréa Marques de Maria Francicleide

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º semestre

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico 1º semestre Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico 1º semestre ETEC Dr. Júlio Cardoso Código: 078 Município: Franca/SP Eixo Tecnológico: Controle

Leia mais

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância

Edital. Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância Edital Ações para o desenvolvimento integral na Primeira Infância 1. OBJETIVO 1.1. Este edital tem o objetivo de apoiar financeiramente projetos de extensão universitária voltados a ações para o desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA - UNISANTA RELATÓRIO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA NÚCLEO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL NAI É preciso avaliar para aprimorar CONSIDERAÇÕES INICIAIS A UNISANTA desenvolveu,

Leia mais

A2. A modalidade Gestão de Pessoas / Acadêmica está dividida nas seguintes categorias:

A2. A modalidade Gestão de Pessoas / Acadêmica está dividida nas seguintes categorias: PRÊMIO SER HUMANO PAULO FREIRE 2015 MODALIDADE: GESTÃO DE PESSOAS / ACADÊMICA A. OBJETIVO A1. O Prêmio Ser Humano Paulo Freire Modalidade Gestão de Pessoas / Acadêmica premia trabalhos de caráter técnico

Leia mais

MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado

MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado MANUAL DO PIM Programa de Integração com o Mercado Curitiba 2015 Manual do PIM Regras Gerais 2 S U M Á R I O 1. O QUE É O PIM... 3 2. OBJETIVOS DO TRABALHO DE APLICAÇÃO TECNOLÓGICA... 3 3. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Veículo: Site Responsabilidade Social Data: 09/04/2008

Veículo: Site Responsabilidade Social Data: 09/04/2008 Veículo: Site Responsabilidade Social Data: 09/04/2008 Seção: Capa do Site Pág.: www.responsabilidadesocial.com O Laboratório Sabin figura hoje na lista das 150 melhores empresas para se trabalhar no Brasil,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO MÃOS À OBRA - 2015

REGULAMENTO DO CONCURSO MÃOS À OBRA - 2015 REGULAMENTO DO CONCURSO MÃOS À OBRA - 2015 1. OBJETIVOS O Concurso MÃOS À OBRA tem por objetivo incentivar, aprofundar o debate sobre temas que impactam a competitividade da cadeia produtiva da construção

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Introdução Independentemente do nível de experiência da proponente na elaboração de projetos, o Instituto Cooperforte empresta apoio, orientação e subsídios às Instituições

Leia mais

Ações de extensão, áreas temáticas e linhas de extensão mais relacionadas com o Curso de Ciências Biológicas

Ações de extensão, áreas temáticas e linhas de extensão mais relacionadas com o Curso de Ciências Biológicas Ações de extensão, áreas temáticas e linhas de extensão mais relacionadas com o Curso de Ciências Biológicas 1. AÇÕES DE EXTENSÃO São consideradas ações de extensão os programas, projetos, cursos, eventos,

Leia mais

REGULAMENTO PROJETOS INTERDISCIPLINARES

REGULAMENTO PROJETOS INTERDISCIPLINARES REGULAMENTO PROJETOS INTERDISCIPLINARES 1 1. DAS CARACTERÍSTICAS DO PROJETO INTERDISCIPLINAR Trata-se de unidade curricular que compõe o processo curricular dos Cursos de Graduação que possuem tal componente

Leia mais

Relatório de Avaliação Institucional da Faculdade de Administração e Artes de Limeira

Relatório de Avaliação Institucional da Faculdade de Administração e Artes de Limeira Relatório de Avaliação Institucional da Faculdade de Administração e Artes de Limeira 2014 Fevereiro / 2015 Limeira SP Sumário 1. Identificação da Instituição:...3 2. Dirigentes:...3 3. Composição da CPA

Leia mais

GT de Economia Criativa

GT de Economia Criativa GT de Economia Criativa Santa Maria, 02 de outubro de 2012 Pauta da reunião 1) Ações após a 1ª reunião do GT 2) Apresentação do Projeto de Mapeamento Georreferenciado da Economia Criativa 3) Apresentação

Leia mais

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Índice Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Prefácio --------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS Letícia Luana Claudino da Silva Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. Bolsista do Programa de Saúde. PET/Redes

Leia mais

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil Estados Unidos CAPES/FIPSE. Edital CGCI n. 003/2008

Programa Consórcios em Educação Superior Brasil Estados Unidos CAPES/FIPSE. Edital CGCI n. 003/2008 Programa Consórcios em Educação Superior Brasil Estados Unidos CAPES/ 1 Do programa e objetivo Edital CGCI n. 003/2008 1.1 O Programa CAPES/ tem como objetivo promover o intercâmbio e a cooperação em nível

Leia mais

TRABALHOS CIENTÍFICOS: REGULAMENTO

TRABALHOS CIENTÍFICOS: REGULAMENTO TRABALHOS CIENTÍFICOS: REGULAMENTO As VI Jornadas Luso- Brasileiras de Nutrição Oncológica pretendem proporcionar uma oportunidade para que todos os profissionais e investigadores interessados possam contribuir

Leia mais

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta 1 de 7 Revisão Data Assunto / revisão / modificação 00 16/04/15 Emissão Inicial. Nome Cargo Data Assinatura Consultor / Gerente EMITENTE Maciel Amaro Técnico / RD Valéria Ap. R. Amaro Diretora administrativa

Leia mais