Como os altos riscos operacionais impactam FIDCs, CRIs e CRAs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como os altos riscos operacionais impactam FIDCs, CRIs e CRAs"

Transcrição

1 Data de Publicação: 12 de agosto de 2015 Relatório Como os altos riscos operacionais impactam FIDCs, CRIs e CRAs Contato principal: Leandro Albuquerque, São Paulo, 55 (11) , Contatos analíticos adicionais: Hebbertt Soares, São Paulo, 55 (11) , Marcelo Graupen, São Paulo, 55 (11) , Mariana Gomes, São Paulo, 55 (11) , Henrique Sznirer, São Paulo, 55 (11) , Lead Analytical Manager: Philip Galgano, Nova York, 212 (438) 2463, Em 9 de outubro de 2014, a Standard & Poor's Ratings Services publicou sua metodologia e premissas de avaliação de riscos operacionais associados a participantes que fornecem serviços essenciais a um emissor de dívida de operações estruturadas (consulte "Estrutura Global de Avaliação de Riscos Operacionais em Operações Estruturadas", de 9 de outubro de 2014). O critério estabelece limites de ratings que restringem o potencial rating máximo de uma securitização quando, em nossa opinião, um risco operacional pode causar instabilidade de crédito e impactar os ratings. A aplicação do critério identificou importantes riscos operacionais no mercado brasileiro relacionados às nossas avaliações de riscos de severidade, portabilidade e ruptura. O critério entrou em vigor em 3 de novembro de 2014, quando colocamos 108 ratings de 47 operações estruturadas brasileiras distintas "sob observação por alteração de critério" (UCO, ou under criteria observation) (consulte "Ratings de 47 transações de operações estruturadas brasileiras colocados "sob observação por alteração de critério" (UCO)", publicado em 3 de novembro de 2014). Concluímos o processo de revisão no qual aplicamos o critério e retiramos todos os 108 ratings do UCO em um período de seis meses. Como resultado da revisão, 27 dos 108 ratings (25%) foram rebaixados. Além disso, colocamos 24 os ratings (22%) na listagem CreditWatch com implicações negativas. Alguns ratings foram simultaneamente rebaixados e colocados na listagem CreditWatch. Os demais 81 ratings (75%) permanecem inalterados. Rebaixamos ratings de 18 das 47 operações (38%) e colocamos os ratings de 13 operações (28%) em CreditWatch com implicações negativas. Os comunicados à imprensa de cada ação de rating estão disponíveis em nosso site: 1/7

2 Resumo Como resultado do processo de revisão após a aplicação do critério de avaliação de riscos operacionais em operações estruturadas, removemos 108 ratings de 47 operações estruturadas brasileiras da observação por alteração de critério. Dos 108 ratings, 27 (25%) foram rebaixados no período. Além disso, colocamos 24 os ratings (22%) na listagem CreditWatch com implicações negativas. Alguns ratings foram simultaneamente rebaixados e colocados na listagem CreditWatch. Os demais 81 ratings (75%) permanecem inalterados. A aplicação do critério a operações novas e existentes mostrou diferenças nos riscos de severidade e portabilidade entre as classes de ativos, sendo as operações de recebíveis comerciais multicedentes as mais afetadas. Embora os ratings na Escala Nacional Brasil da maioria das operações brasileiras lastreadas por outros ativos de consumo e comerciais não tenham sido afetados, acreditamos que nossas avaliações dos riscos de severidade, portabilidade e ruptura representem importantes informações adicionais aos investidores. As funções e responsabilidades dos principais participantes da transação (KTPs, ou key transaction parties) que não estão claramente definidas e a falta de back-ups são fatores de risco no mercado brasileiro. Desempenho dos principais participantes da operação é fundamental para avaliar o risco operacional Nossa metodologia de avaliação dos riscos operacionais tem como foco os KTPs, cuja incapacidade de performar de acordo com o contrato representa um risco ao desempenho esperado dos FIDCs, CRIs ou CRAs. Denominamos os KTPs que desempenham um papel que, em teor, afeta o desempenho do ativo de "KTPs de desempenho" (como prestadores de serviço e gestores de ativos de CDOs), enquanto aqueles que fornecem serviços administrativos (como administradores e custodiantes) são chamados de "KTPs administrativos". Acreditamos que estes últimos representem menor risco de evento e, portanto, em geral não limitam o rating máximo potencial de uma operação. As capacidades operacionais do KTP, que incluem recursos humanos, físicos e financeiros, devem ser consistentes com suas responsabilidades. Quando as funções e responsabilidades de cada um dos participantes seja de desempenho ou administrativo não são claramente definidas no contrato entre o KTP e a operação, o risco aumenta. O risco é ainda maior em operações com múltiplos provedores de serviço. Nesses casos, esperamos obter uma descrição fundamentada da função de cada KTP. Qualidade dos ativos e intensidade das atividades do KTP são fatores essenciais do risco de severidade Nossa avaliação do risco de risco de severidade baseia-se na sensibilidade do desempenho do ativo securitizado a uma ruptura do KTP, sendo essa nossa avaliação qualitativa do desempenho desses ativos em tal evento. Os principais fatores para se determinar a classificação do risco de severidade são a qualidade de crédito dos ativos e a intensidade das atividades de um KTP em relação a estes. Ativos com qualidade de crédito inferior são em geral mais intensivas em servicing do que aqueles com qualidade mais alta. Como resultado, esperaríamos uma deterioração mais severa no desempenho dos empréstimos de qualidade de crédito inferior do que no desempenho dos empréstimos com qualidade de crédito superior caso as atividades de administração de todos os ativos sejam descontinuadas ou negligenciadas por determinado período. A Standard & Poor's atribuiu classificações de risco de severidade a várias operações brasileiras que avalia (tabela 1). No caso de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDCs) lastreados por empréstimos ao consumidor, classificamos as securitizações do Banco Volkswagen com risco de severidade "baixo" em razão da alta qualidade de seus empréstimos subjacentes. Avaliamos os FIDCs Crédito Universitário e Anga Sabemi Consignados I, II e III com risco de severidade "moderado", principalmente porque seus ativos são créditos aos consumidores sem garantia, embora a modalidade de empréstimo consignado seja um fator mitigante para as securitizações da Anga em parceria com a Sabemi. Além disso, avaliamos o Zema I FIDC com risco de severidade "alto" em função de sua prática de negócios "buy-here-pay-here" ("compreaqui-pague-aqui"), indicando que os devedores realizam os pagamentos dos empréstimos na mesma loja em que estes foram originados para financiar a compra dos produtos. Acreditamos 2/7

3 que, nesses casos, o risco de severidade seja maior, pois há uma alta correlação entre o desempenho do ativo e o número relativo de lojas do KTP. Em relação aos ativos comerciais, as operações de fluxo futuro e recebíveis comerciais multicedentes apresentam risco de severidade alto, mas por motivos distintos. No caso do FIDC Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE), além de seu risco de severidade "alto", nosso rating é também limitado pelo risco de desempenho da CEDAE, pois entendemos que uma potencial ruptura desta possa afetar o fluxo de caixa da operação. O servicing de recebíveis comerciais multicedentes é muito intensivo, dada a natureza de curto prazo do tipo de ativo e o processo diário abrangente e repetitivo das originações, crédito, formalização (i.e. a validação legal e processual) e cobrança. Além disso, a qualidade de crédito dos ativos de FIDCs multicedentes é baixa, uma vez que os cedentes e sacados são em geral empresas de pequeno ou médio porte não avaliadas, com um nível restrito de informações disponíveis e acesso limitado aos mercados bancário e de capitais. No caso da operação de hipotecas comerciais lastreadas por aluguéis de um escritório comercial em Belo Horizonte, apesar da qualidade superior dos ativos, é necessária a manutenção do imóvel, e a combinação desses dois aspectos resulta em um risco de severidade moderado. Tabela 1 Comparação do risco de severidade Operação KTP de desempenho Data final da classe emitida avaliada por último Classe do ativo Risco de severidade Driver I FIDC Banco Volkswagen Julho de 2012 Financiamento de veículos Baixo Crédito Universitário FIDC Ideal Invest Maio de 2015 Empréstimo ao consumidor/financiamento Moderado estudantil não garantidos Zema I FIDC Eletrozema S.A. Junho de 2015 Empréstimo ao consumidor não garantido Anga Sabemi Consignados I, II e III FIDC CEDAE FIDC 45a série de CRI Ápice Securitizadora (Edíficio Séculus Belo Horizonte) FIDCs de recebíveis comerciais multicedentes Sabemi Seguradora S.A. Abril de 2015 Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE) Seculus Empreendimentos e Paticipações Ltda. Diversos Empréstimo ao consumidor/empréstimo consignado não garantidos Janeiro de 2012 Fluxo futuro Dezembro de 2014 Hipoteca comercial/escritório comercial Recebíveis comerciais multicedentes Moderado Moderado FIDC - Fundo de Investimento em Direitos Creditórios. KTP (Key transaction parties) - Principais participantes da transação. Histórico geral e outros fatores negativos limitam a avaliação do risco de portabilidade no Brasil Nossa avaliação do risco de portabilidade avalia a probabilidade de o KTP ser substituído se necessário. Ela reflete o nível de um mercado secundário consolidado para serviços de KTP para determinada classe de ativo, bem como um histórico bem-sucedido de transferência de funções ou de vendas de carteiras. A avaliação pode refletir também o aumento do risco, com base em nossa visão de como o acordo com o KTP inclui provisões não padronizadas ou específicas que de fato diminuam as chances de atrair KTPs substitutos qualificados, de acordo com a região e classe de ativo da securitização (tabela 2). No Brasil, o histórico de transferências de responsabilidade de KTPs da maioria das classes de ativos é limitado, com poucos eventos de substituição. Esse é um fator negativo que aumenta o risco de portabilidade na maioria das operações brasileiras. 3/7

4 Entretanto, algumas operações possuem outros fatores que elevam ainda mais o risco de portabilidade, incluindo: Baixo incentivo econômico para substituição, o que indica que a taxa do prestador de serviço pode não ser atrativa para outros participantes ou não é suficiente para cobrir as despesas relacionadas às atividades operacionais do prestador de serviço; Práticas de negócio idiossincráticas, como altas recompras ou pagamentos recebidos inadvertidamente por meio dos prestador de serviço; Baixa compatibilidade entre os sistemas dos KTPs; e Direitos limitados de rescisão contratual com os prestadores de serviço em caso de descumprimentos significativos de covenants (cláusulas contratuais restritivas). Tabela 2 Avaliações do risco de portabilidade de KTPs brasileiros selecionados Operação Driver I FIDC Crédito Universitário FIDC Zema I FIDC Anga Sabemi Consignados III FIDC CEDAE FIDC 45a série de CRI Ápice Securitizadora (Edíficio Séculus Belo Horizonte) FIDCs de recebíveis comerciais multicedentes FIDC - Fundo de Investimento em Direitos Creditórios. Risco de portabilidade Baixo Baixo Riscos de ruptura de KTPs brasileiros de recebíveis comerciais multicedentes refletem dificuldades com transparência, governança e controles internos O risco de ruptura é uma avaliação da probabilidade de ruptura significativa dos serviços de um KTP. Se necessário, nossa análise leva em consideração fatores que possam afetar a capacidade e disposição do KTP de cumprir suas obrigações contratuais integral e pontualmente. Nossa avaliação do risco de ruptura baseia-se em uma combinação da condição operacional do KTP e de suas principais características de desempenho. Em nossa opinião, empresas em condição de estresse financeiro severo dispõem de incentivos para adotar atividades de subsistência que prolonguem sua perenidade e função como um KTP, embora possam prejudicar os interesses dos investidores (e.g. cortes de pessoal, manutenção e melhorias de sistemas adiadas, e práticas contábeis agressivas que escondam a deterioração do desempenho). A condição operacional pode ser avaliada como "estável", "em transição" ou "vulnerável", enquanto a avaliação das características principais de desempenho pode ser classificada em "satisfatória", "razoável" ou "fraca". A combinação de ambas as avaliações determina a classificação final do risco de ruptura (tabela 3). Tabela 3 Comparação do risco de ruptura (i) KTP de desempenho Condição operacional Principais características de desempenho Risco de ruptura Ideal Invest Estável Regular Moderado Eletrozema S.A. Em transição Satisfatório Moderado Sabemi Seguradora S.A. Em transição Satisfatório Moderado Companhia Estadual de Águas e Esgotos (CEDAE) Estável Satisfatório Baixo Seculus Empreendimentos e Paticipações Ltda. Em transição Satisfatório Moderado (i) Não inclui o Banco Volkswagen, uma vez que avaliamos tanto seu risco de severidade quanto o de portabilidade como baixos. Consequentemente, nosso critério não exige uma análise do risco de ruptura. 4/7

5 A classe de ativos mais afetada pela aplicação de nosso critério de riscos operacionais foram os recebíveis comerciais multicedentes, dado que ambas as avaliações de risco de severidade e de portabilidade desses prestadores de serviço são altas e porque determinamos que, em média, a governança, transparência e disclosure, e controles internos gerais são inferiores aos padrões dos prestadores de serviço de outras classes de ativos. Como resultado, com poucas exceções, a grande maioria dos KTPs brasileiros para essa classe de ativos apresenta risco de ruptura alto. Os principais riscos são: Em geral, consideramos os controles internos fracos, uma vez que as políticas de crédito dos consultores e gestores cobrem apenas aspectos de alto nível com poucos detalhes disponíveis, e a documentação dos processos para aprovar os limites de crédito é muito limitada. Além disso, o monitoramento e a revisão do cumprimento das regras estabelecidas também são limitados. Alguns KTPs brasileiros não possuem um histórico consistente de rentabilidade. Em alguns casos, o lucro é direcionado ao detentor do KTP por meio de sua participação nas cotas subordinadas. Em nossa opinião, essa prática gera um risco à continuidade do KTP, uma vez que o KTP dependeria da disposição do cotista subordinado de dar suporte à empresa, se necessário. Além disso, em um cenário de estresse, o acionista subordinado poderia não ter receita, pois as cotas subordinadas são estruturadas de modo a absorver as primeiras perdas da operação. KTPs recém-criados nunca operaram em um período de desaceleração econômica, e, portanto, sua experiência nesse cenário é limitada. Alguns KTPs possuem relacionamento limitado com os bancos, o que pode ocasionar restrições de liquidez. Algumas operações visam ao rápido crescimento da carteira. Apenas alguns KTPs possuem uma forte administração sênior, com uma segunda linha de gestão, demonstrando a menor dependência da alta administração. Em regra, os KTPs não divulgam suas demonstrações financeiras aos investidores. Nesse contexto, as avaliações de risco de ruptura para KTPs brasileiros e cada operação que avaliamos refletem, em última análise, as avaliações combinadas desses riscos. Não existem prestadores de serviço back-up no Brasil De acordo com nossa avaliação, atualmente não há participantes que atuem como prestadores de serviço back-up no Brasil. As operações que a Standard & Poor's avalia não possuem compromisso contratual com tais prestadores. Além disso, eles não se enquadram no escopo das responsabilidades de participantes das operações: Revisões operacionais presenciais iniciais e periódicas; Mapeamento inicial de dados e teste do sistema do KTP back-up; Plano de transição; Recebimento e armazenagem diário ou semanal de arquivos de dados; Análises e verificação de cálculos de reporte do KTP; Alocação de recursos; e Monitoramento e revisão da carteira. Dependendo dos serviços acordados, a disponibilidade de serviços de back-up pode elevar o rating máximo potencial de uma operação, além de proporcionar maior conforto aos investidores brasileiros quanto aos produtos de securitização no Brasil. Mercado de securitização brasileiro tem espaço para se desenvolver A revisão das 47 operações estruturadas brasileiras após a publicação de nosso critério "Estrutura Global de Avaliação de Riscos Operacionais em Operações Estruturadas" e a aplicação do novo critério a novas operações apontaram as diferenças dos riscos de severidade entre as classes de ativos, indicando que recebíveis comerciais multicedentes são a classe mais afetada. Ainda, embora os ratings na Escala Nacional Brasil da maioria das operações lastreadas por outros ativos de consumo e comerciais não tenham sido afetados, acreditamos que nossas avaliações dos 5/7

6 riscos de severidade, portabilidade e ruptura sejam valiosas informações adicionais disponíveis aos investidores. As funções e responsabilidades de KTPs que não são claramente definidas e a falta de prestadores de serviço back-up também podem representar risco. Em nossa opinião, a abordagem dessas questões beneficiaria significativamente o mercado de securitização brasileiro, o qual inclui os FIDCs, CRIs e CRAs. Critérios e Artigos Relacionados Critério Estrutura Global de Avaliação de Riscos Operacionais em Operações Estruturadas, 9 de outubro de Artigo Ratings de 47 transações de operações estruturadas brasileiras colocados "sob observação por alteração de critério" (UCO)", 3 de novembro de De acordo com as políticas da Standard & Poor's, apenas um Comitê de Rating pode determinar uma Ação de Rating de Crédito (incluindo uma mudança, reafirmação ou retirada de Ratings de Crédito, mudança da Perspectiva de Ratings, ou ação de CreditWatch). Este artigo e seu conteúdo não foram objeto de ação de um Comitê de Rating, não devendo, portanto, ser interpretados como uma mudança ou reafirmação de um Rating de Crédito ou de uma Perspectiva de Rating. Copyright 2015 pela Standard & Poor's Financial Services LLC. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta informação (incluindo-se ratings, análises e dados relativos a crédito, avaliações, modelos, software ou outras aplicações ou informações obtidas destes) ou qualquer parte dele (Conteúdo) pode ser modificada, sofrer engenharia reversa, reproduzida ou distribuída de nenhuma forma, nem meio, nem armazenado em um banco de dados ou sistema de recuperação sem a prévia autorização por escrito da S&P. O Conteúdo não deverá ser utilizado para nenhum propósito ilícito ou não autorizado. Nem a S&P, nem suas afiliadas, nem seus provedores externos, nem diretores, funcionários, acionistas, empregados nem agentes (Coletivamente Partes da S&P) garantem a exatidão, completitude, tempestividade ou disponibilidade de qualquer informação. As Partes da S&P não são responsáveis por quaisquer erros ou omissões, independentemente da causa, nem pelos resultados obtidos mediante o uso de tal Conteúdo. O Conteúdo é oferecido "como ele é". AS PARTES DA S&P ISENTAM-SE DE QUALQUER E TODA GARANTIA EXPRESSA OU IMPLÍCITA, INCLUSIVE, MAS NÃO LIMITADA A, ENTRE OUTRAS, QUAISQUER GARANTIAS DE COMERCIABILIDADE, OU ADEQUAÇÃO A UM PROPÓSITO OU USO ESPECÍFICO, LIBERDADE DE FALHAS, ERROS OU DEFEITOS DE SOFTWARE, QUE O FUNCIONAMENTO DO CONTEÚDO SEJA INTERROMPIDO OU QUE O CONTEÚDO OPERE COM QUALQUER CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE OU HADWARE. Em nenhuma circunstância, deverão as Partes da S&P ser responsabilizados por nenhuma parte, por quaisquer danos, custos, despesas, honorários advocatícios, ou perdas diretas, indiretas, incidentais, exemplares, compensatórias, punitivas, especiais, ou consequentes (incluindo-se, entre outras, perda de renda ou lucros cessantes e custos de oportunidade) com relação a qualquer uso da informação aqui contida, mesmo se alertadas sobre sua possibilidade. Os ratings e as análises creditícias da S&P e de suas afiliadas e as observações aqui contidas são declarações de opiniões na data em que foram expressas e não declarações de fatos ou recomendações para comprar, reter ou vender quaisquer títulos ou tomar qualquer decisão de investimento. Após sua publicação, a S&P não assume nenhuma obrigação de atualizar a informação. Não se deve depender do Conteúdo, e este não é um substituto das habilidades, julgamento e experiência do usuário, sua gerência, funcionários, conselheiros e/ou clientes ao tomar qualquer decisão de investimento ou negócios. As opiniões da S&P e suas análises não abordam a adequação de quaisquer títulos. A S&P não atua como agente fiduciário nem como consultora de investimentos. Embora obtenha informações de fontes que considera confiáveis, a S&P não conduz auditoria nem assume qualquer responsabilidade de diligência devida (due diligence) ou de verificação independente de qualquer informação que receba. A fim de preservar a independência e objetividade de suas respectivas atividades, a S&P mantém determinadas atividades de suas unidades de negócios separadas das de suas outras. Como resultado, certas unidades de negócios da S&P podem dispor de informações que não estão disponíveis às outras. A S&P estabeleceu políticas e procedimentos para manter o sigilo de determinadas informações que não são de conhecimento público recebidas no âmbito de cada processo analítico. A S&P Ratings Services pode receber remuneração por seus ratings e análises creditícias, normalmente dos emissores ou subscritores dos títulos ou dos devedores. A S&P reserva-se o direito de divulgar seus pareceres e análises. A S&P disponibiliza suas análises e ratings públicos em seus sites na Web, / / (gratuitos), e (por assinatura), e pode distribuí-los por outros meios, inclusive em suas próprias publicações ou por intermédio de terceiros redistribuidores. Informações adicionais sobre nossos honorários de rating estão disponíveis em Austrália Standard & Poor's (Austrália) Pty. Ltd. Conta com uma licença de serviços financeiros número de acordo com o Corporations Act Os ratings de crédito da Standard & Poor s e pesquisas relacionadas não tem como objetivo e não podem ser distribuídas a nenhuma pessoa na Austrália que não seja um cliente pessoa jurídica (como definido no Capítulo 7 do Corporations Act). 6/7

7 STANDARD & POOR'S, S&P and RATINGSDIRECT são marcas registradas da Standard & Poor's Financial Services LLC. 7/7

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios da Companhia Pernambucana de Saneamento - Compesa Data

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial Lego II

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial Lego II Data de Publicação: 2 de outubro de 2014 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial Lego II Perfil FIDC: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial

Leia mais

Ratings 'bra' da Companhia de Locação das Américas S.A. reafirmados; perspectiva estável

Ratings 'bra' da Companhia de Locação das Américas S.A. reafirmados; perspectiva estável Data de Publicação: 2 de abril de 2015 Comunicado à Imprensa Ratings 'bra' da Companhia de Locação das Américas S.A. reafirmados; perspectiva estável Analista principal: Marcus Fernandes, São Paulo, 55

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Brazilian Securities Companhia de Securitização 321ª e 322ª Séries da 1ª Emissão de Certificados

Leia mais

Empréstimo consignado possibilita novo modelo de negócios para bancos brasileiros

Empréstimo consignado possibilita novo modelo de negócios para bancos brasileiros Data de Publicação: 14 de outubro de 2015 Relatório Empréstimo consignado possibilita novo modelo de negócios para bancos brasileiros Analista principal: Guilherme Machado, São Paulo, 55 (11) 3039-9754,

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II Data de Publicação: 15 de agosto de 2012 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II Perfil Originadores dos direitos creditórios: diversas pequenas e médias empresas

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios da Indústria Exodus III - BRZ Data de Publicação: 2

Leia mais

Diversas ações de rating realizadas em 39 FIDCs, CRIs e CRAs

Diversas ações de rating realizadas em 39 FIDCs, CRIs e CRAs Data de Publicação: 15 de setembro de Comunicado à Imprensa Diversas ações de rating realizadas em 39 FIDCs, e Analistas principais: Hebbertt Soares, São Paulo, 55 (11) 3039-9742, hebbertt.soares@standardandpoors.com;

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento em Direitos Creditórios XP Sabemi Consignados

Leia mais

Analista principal: Alejandro Gomez Abente, São Paulo, 55 (11) 3039-9741, alejandro.gomez.abente@standardandpoors.com

Analista principal: Alejandro Gomez Abente, São Paulo, 55 (11) 3039-9741, alejandro.gomez.abente@standardandpoors.com Data de Publicação: 14 de novembro de 2013 Comunicado à Imprensa Ratings da Cemig elevados para 'BB+' na escala global e para 'braa+' na Escala Nacional Brasil por perfil de risco de negócios mais forte;

Leia mais

Standard & Poor's reafirma rating 'braa+f' do Fundo Safra Executive FIC FI Renda Fixa (antigo Safra Executive FI Renda Fixa)

Standard & Poor's reafirma rating 'braa+f' do Fundo Safra Executive FIC FI Renda Fixa (antigo Safra Executive FI Renda Fixa) Data de Publicação: 25 de novembro de 2013 Comunicado à Imprensa Standard & Poor's reafirma rating 'braa+f' do Fundo Safra Executive FIC FI Renda Fixa (antigo Safra Executive FI Renda Fixa) Analista principal:

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Omni Veículos - VII

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Omni Veículos - VII Data de Publicação: 29 de novembro de 2013 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Omni Veículos - VII Perfil Ativos subjacentes: financiamentos de veículos novos ou usados

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Sul Invest Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multissetorial Data de Publicação: 21 de

Leia mais

Riscos cambiais de entidades corporativas latino-americanas

Riscos cambiais de entidades corporativas latino-americanas Data de Publicação: 30 de setembro de 2015 Relatório Riscos cambiais de entidades corporativas latino-americanas Analista principal: Diego Ocampo, São Paulo, 55 (11) 3039-9769, diego.ocampo@standardandpoors.com

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Sul Invest Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multissetorial Data de Publicação: 4 de

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II Data de Publicação: 18 de novembro de 2013 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II Perfil Originadores dos direitos creditórios: diversas pequenas e médias empresas

Leia mais

Ratings 'BBB-' e 'braaa' da Localiza Rent a Car S.A. reafirmados por fortes métricas de crédito; Perspectiva estável

Ratings 'BBB-' e 'braaa' da Localiza Rent a Car S.A. reafirmados por fortes métricas de crédito; Perspectiva estável Data de Publicação: 10 de maio de 2013 Comunicado à Imprensa Ratings 'BBB-' e 'braaa' da Localiza Rent a Car S.A. reafirmados por fortes métricas de crédito; Perspectiva estável Analista principal: Marcus

Leia mais

Rating 'braaa' atribuído à proposta de emissão de debêntures quirografárias da Vale S.A. com vencimento em 2020 e 2022

Rating 'braaa' atribuído à proposta de emissão de debêntures quirografárias da Vale S.A. com vencimento em 2020 e 2022 Data de Publicação: 5 de agosto de 2015 Comunicado à Imprensa Rating 'braaa' atribuído à proposta de emissão de debêntures quirografárias da com vencimento em 2020 e 2022 Analista principal: Diego Ocampo,

Leia mais

Ratings 'braaa' da Elektro Eletricidade e Serviços S.A. reafirmados refletindo sua forte performance financeira e operacional; Perspectiva estável

Ratings 'braaa' da Elektro Eletricidade e Serviços S.A. reafirmados refletindo sua forte performance financeira e operacional; Perspectiva estável Data de Publicação: 3 de julho de 2014 Comunicado à Imprensa Ratings 'braaa' da Elektro Eletricidade e Serviços S.A. reafirmados refletindo sua forte performance financeira e operacional; Perspectiva estável

Leia mais

Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE

Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE Data de Publicação: 23 de fevereiro de 2010 Comunicado à Imprensa Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE Ratings em Fevereiro de 2010 Instrumento Rating Atual Rating Inicial

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Lavoro II Data de Publicação: 18 de agosto de 2015

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Omni Veículos - VII

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Omni Veículos - VII Data de Publicação: 7 de outubro de 2014 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Omni Veículos - VII Perfil Ativos subjacentes: Financiamentos de veículos novos ou usados

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios - Bicbanco Crédito Corporativo II Data de Publicação:

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Empírica Goal One Data de Publicação: 06 de outubro

Leia mais

Ratings de 47 transações de operações estruturadas brasileiras colocados "sob observação por alteração de critério" (UCO)

Ratings de 47 transações de operações estruturadas brasileiras colocados sob observação por alteração de critério (UCO) Data de Publicação: 3 de novembro de 2014 Comunicado à Imprensa Ratings de 47 transações de operações estruturadas brasileiras colocados "sob observação por alteração de critério" (UCO) Analistas principais:

Leia mais

Distribuidoras de eletricidade enfrentam a recessão como principal risco de crédito, após fim da estiagem

Distribuidoras de eletricidade enfrentam a recessão como principal risco de crédito, após fim da estiagem Data de Publicação: 28 de março de 2016 Relatório Distribuidoras de eletricidade enfrentam a recessão como principal risco de crédito, após fim da estiagem Contatos analíticos: Marcelo Schwarz, CFA, São

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial SM LP

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial SM LP Data de Publicação: 3 de fevereiro de 2012 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial SM LP Ratings em Fevereiro de 2012 Instrumento Rating Atual Rating Inicial

Leia mais

Analista principal: Henrique Sznirer, São Paulo, 55 (11) 3039-9723, henrique.sznirer@standardandpoors.com

Analista principal: Henrique Sznirer, São Paulo, 55 (11) 3039-9723, henrique.sznirer@standardandpoors.com Data de Publicação: 11 de fevereiro de 2015 Comunicado à Imprensa S&P coloca em CreditWatch Negativo o rating 'braa (sf)' atribuído à 321ª série da 1ª emissão de CRIs da Brazilian Securities lastreados

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios BicBanco Crédito Consignado

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios BicBanco Crédito Consignado Data de Publicação: 23 de fevereiro de 2012 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios BicBanco Crédito Consignado Ratings em Fevereiro de 2012 Instrumento Rating Atual Rating

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios da Indústria Exodus III - BRZ Data de Publicação: 22

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Relatório de Monitoramento............................................................................. Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Angá Sabemi Consignados III Data de Publicação: 11

Leia mais

S&P rebaixa para 'bra+ (sf)' o rating atribuído à 321ª série da 1ª emissão de CRIs da Brazilian Securities lastreados por créditos do Intermedium

S&P rebaixa para 'bra+ (sf)' o rating atribuído à 321ª série da 1ª emissão de CRIs da Brazilian Securities lastreados por créditos do Intermedium Data de Publicação: 1º de junho de 2015 Comunicado à Imprensa S&P rebaixa para 'bra+ (sf)' o rating atribuído à 321ª série da 1ª emissão de CRIs da Brazilian Securities lastreados por créditos do Intermedium

Leia mais

S&P reafirma rating 'bra+ (sf)' atribuído à 321ª série da 1ª emissão de CRIs da Brazilian Securities lastreados por créditos do Intermedium

S&P reafirma rating 'bra+ (sf)' atribuído à 321ª série da 1ª emissão de CRIs da Brazilian Securities lastreados por créditos do Intermedium Data de Publicação: 4 de agosto de 2015 Comunicado à Imprensa S&P reafirma rating 'bra+ (sf)' atribuído à 321ª série da 1ª emissão de CRIs da Brazilian Securities lastreados por créditos do Intermedium

Leia mais

Standard & Poor's realiza diversas ações de rating no FIDC Empírica Sifra Star

Standard & Poor's realiza diversas ações de rating no FIDC Empírica Sifra Star Data de Publicação: 5 de maio de 2015 Comunicado à Imprensa Standard & Poor's realiza diversas ações de rating no FIDC Empírica Sifra Star Analista principal: Henrique Sznirer, São Paulo, 55 (11) 3039-9723,

Leia mais

Perspectiva dos ratings de 30 entidades brasileiras corporativas e de infraestrutura alterada para negativa após ação similar no rating soberano

Perspectiva dos ratings de 30 entidades brasileiras corporativas e de infraestrutura alterada para negativa após ação similar no rating soberano Data de Publicação: 28 de julho de 2015 Comunicado à Imprensa Perspectiva dos ratings de 30 entidades brasileiras corporativas e de infraestrutura alterada para negativa após ação similar no rating soberano

Leia mais

Recuperação de Créditos para Credores e a Lei de Falências Brasileira

Recuperação de Créditos para Credores e a Lei de Falências Brasileira Data de Publicação: 27 de outubro de 2014 Relatório Recuperação de Créditos para Credores e a Lei de Falências Brasileira Analista principal: Julyana Yokota, São Paulo, 55 (11) 3039-9731, julyana.yokota@standardandpoors.com

Leia mais

Setor de infraestrutura brasileiro: O desafio é como atrair o investimento privado

Setor de infraestrutura brasileiro: O desafio é como atrair o investimento privado Data de Publicação: 18 de junho de 2015 Relatório Setor de infraestrutura brasileiro: O desafio é como atrair o investimento privado Contatos analíticos: Marcelo Schwarz, CFA, São Paulo, 55 (11) 3039 9782,

Leia mais

249ª Série da 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) da Companhia Brasileira de Securitização - CIBRASEC

249ª Série da 2ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) da Companhia Brasileira de Securitização - CIBRASEC 27 DE ABRIL DE 2015 Regra 17g-7 da SEC A Regra 17g-7 da Securities And Exchange Commission (SEC) exige que uma Organização Nacionalmente Reconhecida de Ratings Estatísticos (NRSRO, na sigla em inglês)

Leia mais

Perguntas mais frequentes: Atualização da Visão da Standard & Poor's sobre o Rating de Crédito Soberano do Brasil e sua Perspectiva

Perguntas mais frequentes: Atualização da Visão da Standard & Poor's sobre o Rating de Crédito Soberano do Brasil e sua Perspectiva Data de Publicação: 14 de novembro de 2013 Perguntas Mais Frequentes Perguntas mais frequentes: Atualização da Visão da Standard & Poor's sobre o Rating de Crédito Soberano do Brasil e sua Perspectiva

Leia mais

Cobra Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Comerciais III

Cobra Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Comerciais III Data de Publicação: 23 de janeiro de 2013 Relatório de Monitoramento Cobra Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Comerciais III Perfil Originadora dos direitos creditórios: Cobra Tecnologia S.A.

Leia mais

Cobra Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Comerciais III

Cobra Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Comerciais III Data de Publicação: 26 de abril de 2011 Relatório de Rating Preliminar Cobra Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Comerciais III Este relatório de rating preliminar baseia-se em informações obtidas

Leia mais

Standard & Poor's atribui rating final à 3ª série de cotas seniores do FIDC Exodus Master

Standard & Poor's atribui rating final à 3ª série de cotas seniores do FIDC Exodus Master Data de Publicação: 16 de junho de 2014 Comunicado à Imprensa Standard & Poor's atribui rating final à 3ª série de cotas seniores do FIDC Exodus Master Analista principal: Hebbertt Soares, São Paulo, 55

Leia mais

Desequilíbrio entre oferta e demanda é o principal desafio para empresas de metais e mineração da América Latina

Desequilíbrio entre oferta e demanda é o principal desafio para empresas de metais e mineração da América Latina Data de Publicação: 14 de outubro de 2015 Relatório Desequilíbrio entre oferta e demanda é o principal desafio para empresas de metais e mineração da América Latina Analista principal: Flávia Bedran, São

Leia mais

Natura ofusca Avon no competitivo mercado brasileiro de venda direta de cosméticos

Natura ofusca Avon no competitivo mercado brasileiro de venda direta de cosméticos Data de Publicação: 20 de abril de 2015 Relatório Natura ofusca Avon no competitivo mercado brasileiro de venda direta de cosméticos Analistas Principais: Luísa Vilhena, São Paulo, 55 (11) 3039-9727, luisa.vilhena@standardandpoors.com;

Leia mais

Rating do Banco Intermedium S.A. elevado de 'brbb+' para 'brbbb-'; perspectiva é estável

Rating do Banco Intermedium S.A. elevado de 'brbb+' para 'brbbb-'; perspectiva é estável Data de Publicação: 10 de abril de 2015 Comunicado à Imprensa Rating do Banco Intermedium S.A. elevado de 'brbb+' para 'brbbb-'; perspectiva é estável Analista principal: Edgard Dias, São Paulo, 55 (11)

Leia mais

As empresas financeiras latino-americanas serão afetas pela desaceleração econômica?

As empresas financeiras latino-americanas serão afetas pela desaceleração econômica? Data de Publicação: 31 de agosto de 2015 Relatório As empresas financeiras latino-americanas serão afetas pela desaceleração econômica? Analista principal: Barbara Carreon, Cidade do México, 52 (55) 5081-4483,

Leia mais

Ratings 'braa' atribuídos à Rodovia das Colinas S.A. e à sua emissão de debêntures; Perspectiva estável

Ratings 'braa' atribuídos à Rodovia das Colinas S.A. e à sua emissão de debêntures; Perspectiva estável Data de Publicação: 28 de fevereiro de 2013 Comunicado à Imprensa Ratings 'braa' atribuídos à Rodovia das Colinas S.A. e à sua emissão de debêntures; Perspectiva estável Analistas: Marcus Fernandes, São

Leia mais

Ratings da EcoRodovias e de sua controlada Ecovias elevados para 'braaa'; Rating 'braa+' atribuído à futura emissão de debêntures da EcoRodovias

Ratings da EcoRodovias e de sua controlada Ecovias elevados para 'braaa'; Rating 'braa+' atribuído à futura emissão de debêntures da EcoRodovias Data de Publicação: 21 de agosto de 2012 Comunicado à Imprensa Ratings da EcoRodovias e de sua controlada Ecovias elevados para 'braaa'; Rating 'braa+' atribuído à futura emissão de debêntures da EcoRodovias

Leia mais

Rating 'bra' atribuídos à ALD Automotive S.A.

Rating 'bra' atribuídos à ALD Automotive S.A. Data de Publicação: 23 de janeiro de 2013 Comunicado à Imprensa Rating 'bra' atribuídos à ALD Automotive S.A. Analistas: Marcus Fernandes, São Paulo (55) 11-3039-9734, marcus_fernandes@standardandpoors.com;

Leia mais

BMG Fundo de Investimento em Direitos Creditórios - Créditos Consignados VIII

BMG Fundo de Investimento em Direitos Creditórios - Créditos Consignados VIII Data de Publicação: 24 de abril de 2014 Relatório de Monitoramento BMG Fundo de Investimento em Direitos Creditórios - Créditos Consignados VIII Perfil Originador dos direitos creditórios: Banco BMG S.A.

Leia mais

Ratings da Austral Seguradora S.A. e Austral Resseguradora S.A. elevados de 'bra+' para 'braa-'

Ratings da Austral Seguradora S.A. e Austral Resseguradora S.A. elevados de 'bra+' para 'braa-' Data de Publicação: 24 de janeiro de 2014 Comunicado à Imprensa Ratings da Austral Seguradora S.A. e Austral Resseguradora S.A. elevados de 'bra+' para 'braa-' Analista principal: Amalia Bulacios, Buenos

Leia mais

Standard & Poor's atribui rating final à emissão de CRIs lastreados por créditos do Banco Intermedium

Standard & Poor's atribui rating final à emissão de CRIs lastreados por créditos do Banco Intermedium Data de Publicação: 30 de outubro de 2013 Comunicado à Imprensa Standard & Poor's atribui rating final à emissão de CRIs lastreados por créditos do Banco Intermedium Analista principal: Gustavo Belger,

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial Lego II

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial Lego II Data de Publicação: 13 de janeiro de 2014 Relatório de Monitoramento Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial Lego II Perfil FIDC: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multisetorial

Leia mais

Gávea Sul Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multissetorial LP

Gávea Sul Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multissetorial LP Data de Publicação: 19 de novembro de 2014 Relatório de Rating Preliminar Gávea Sul Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Multissetorial LP Ratings em Novembro de 2014 Instrumento Cotas Seniores

Leia mais

Ratings 'braa-' da JMalucelli Seguradora S.A. e da JMalucelli Resseguradora S.A. reafirmados; perspectiva negativa

Ratings 'braa-' da JMalucelli Seguradora S.A. e da JMalucelli Resseguradora S.A. reafirmados; perspectiva negativa Data de Publicação: 17 de abril de 2015 Comunicado à Imprensa Ratings 'braa-' da JMalucelli Seguradora S.A. e da JMalucelli Resseguradora S.A. reafirmados; perspectiva negativa Analista principal: Gabriela

Leia mais

Daycoval Veículos Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Daycoval Veículos Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Data de Publicação: 18 de novembro de 2013 Relatório de Monitoramento Daycoval Veículos Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Perfil Originador dos direitos creditórios: Banco Daycoval S.A. Direitos

Leia mais

Ratings na Escala Nacional Brasil da JMalucelli Seguradora S.A. e da JMalucelli Resseguradora S.A. rebaixados para 'braa-'

Ratings na Escala Nacional Brasil da JMalucelli Seguradora S.A. e da JMalucelli Resseguradora S.A. rebaixados para 'braa-' Data de Publicação: 14 de abril de 2014 Comunicado à Imprensa Ratings na Escala Nacional Brasil da JMalucelli Seguradora S.A. e da JMalucelli Resseguradora S.A. rebaixados para 'braa-' Analista principal:

Leia mais

Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE

Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE Data de Publicação: 14 de outubro de 2009 Relatório de Monitoramento Monitoramento: Fundo de Investimento em Direitos Creditórios CEEE Ratings em Outubro de 2009 Instrumento Rating Atual Rating Inicial

Leia mais

Ratings 'BB/B' em escala global e 'braa-/bra-1' na Escala Nacional Brasil do Banco do Estado do Pará reafirmados; perspectiva continua negativa

Ratings 'BB/B' em escala global e 'braa-/bra-1' na Escala Nacional Brasil do Banco do Estado do Pará reafirmados; perspectiva continua negativa Data de Publicação: 23 de setembro de 2015 Comunicado à Imprensa Ratings 'BB/B' em escala global e 'braa-/bra-1' na Escala Nacional Brasil do Banco do Estado do Pará reafirmados; perspectiva continua negativa

Leia mais

Ratings 'BB' na escala global e 'braa-' na Escala Nacional Brasil da Diagnósticos da América S.A. reafirmados; perspectiva se mantém estável

Ratings 'BB' na escala global e 'braa-' na Escala Nacional Brasil da Diagnósticos da América S.A. reafirmados; perspectiva se mantém estável Data de Publicação: 22 de abril de 2015 Comunicado à Imprensa Ratings 'BB' na escala global e 'braa-' na Escala Nacional Brasil da Diagnósticos da América S.A. reafirmados; perspectiva se mantém estável

Leia mais

RISCO DE CRÉDITO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS. Alexandre de Oliveira

RISCO DE CRÉDITO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS. Alexandre de Oliveira RISCO DE CRÉDITO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS Alexandre de Oliveira Agenda Introdução Regulação Mercado Riscos Qualitativos Quantitativos Introdução Comunhão de recursos que destina parcela mínima de 50%

Leia mais

Multi Recebíveis II Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Multi Recebíveis II Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Data de Publicação: 28 de fevereiro de 2014 Relatório de Monitoramento Multi Recebíveis II Fundo de Investimento em Direitos Creditórios Perfil Direitos creditórios: recebíveis comerciais performados,

Leia mais

http://now.eloqua.com/es.asp?s=302554905&e=147927&elq=22e9447437f84493819...

http://now.eloqua.com/es.asp?s=302554905&e=147927&elq=22e9447437f84493819... Página 1 de 5 Clique aqui para visualizar em seu aparelho celular ou como uma página da internet. Standard & Poor's atribui o rating preliminar 'braa (sf)' à emissão de CRIs lastreados por créditos do

Leia mais

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios BB Votorantim Highland Infraestrutura

Fundo de Investimento em Direitos Creditórios BB Votorantim Highland Infraestrutura Data de Publicação: 18 de dezembro de 2013 Relatório de Rating Preliminar Fundo de Investimento em Direitos Creditórios BB Votorantim Highland Infraestrutura Ratings em Dezembro de 2013 Instrumento 1ª

Leia mais

Fitch Afirma Rating da Unidas; Perspectiva Revisada Para Positiva

Fitch Afirma Rating da Unidas; Perspectiva Revisada Para Positiva Fitch Afirma Rating da Unidas; Perspectiva Revisada Para Positiva 13 Fev 2015 17h00 Fitch Ratings - Rio de Janeiro, 13 de fevereiro de 2015: A Fitch Ratings afirmou, hoje, o Rating Nacional de Longo Prazo

Leia mais

MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. COMUNICADO AO MERCADO. Standard & Poor s REAFIRMA RATING 'braa-' EM ESCALA NACIONAL DA COMPANHIA.

MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. COMUNICADO AO MERCADO. Standard & Poor s REAFIRMA RATING 'braa-' EM ESCALA NACIONAL DA COMPANHIA. MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. CNPJ/MF nº 08.343.492/0001-20 NIRE 31.300.023.907 Companhia Aberta COMUNICADO AO MERCADO Standard & Poor s REAFIRMA RATING 'braa-' EM ESCALA NACIONAL DA COMPANHIA. Belo

Leia mais

Ratings 'BB+' na escala global e 'braa' do BDMG reafirmados; perspectiva permanece negativa

Ratings 'BB+' na escala global e 'braa' do BDMG reafirmados; perspectiva permanece negativa Data de Publicação: 21 de outubro de 2015 Comunicado à Imprensa Ratings 'BB+' na escala global e 'braa' do BDMG reafirmados; perspectiva permanece negativa Analista principal: Guilherme Machado, São Paulo,

Leia mais

Sumário executivo. Página 1 de 10. Seniores, Mezanino e Subordinadas O RATING

Sumário executivo. Página 1 de 10. Seniores, Mezanino e Subordinadas O RATING Página 1 de 10 F FE0001-2014 A(fe) de Longo Prazo Relatório de Rating (Monitoramento) 05, mai, 2014 Ações recentes 05, mai, 2014 - Confirmação do Rating 10, jan, 2014 - Atribuição do Rating A(fe) de Longo

Leia mais

Fatores externos e fragilidade econômica continuam desafiando os 30 maiores bancos da América Latina

Fatores externos e fragilidade econômica continuam desafiando os 30 maiores bancos da América Latina Data de Publicação: 9 de setembro de 015 Relatório Fatores externos e fragilidade econômica continuam desafiando os 30 maiores bancos da América Latina Analista principal: Arturo Sanchez, Cidade do México,

Leia mais

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA MANUAL DE GERENCIAMENTO DE LIQUIDEZ VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA Elaborado pelo Oficial de Compliance: Misak Pessoa Neto Data: 25/01/2016 Versão: 1.3 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Princípios Gerais...

Leia mais

A+ A+ A+ AA+ Tel.: 55 11 3377 0708 Tel.: 55 11 3377 0703

A+ A+ A+ AA+ Tel.: 55 11 3377 0708 Tel.: 55 11 3377 0703 Condomínio: CAIXA FIDC CDC VEÍCULOS DO BANCO PANAMERICANO Aberto Administrador: Caixa Econômica Federal Prazo: Indeterminado Custodiante: Banco Itaú S.A. Data de Registro: 25/09/2003 Auditor: Ernest &

Leia mais

MOKA FUND I - FIDC MULTISSETORIAL

MOKA FUND I - FIDC MULTISSETORIAL MOKA FUND I - FIDC MULTISSETORIAL Condomínio: Fechado Administrador: SOCOPA Sociedade Corretora Paulista S/A Prazo: Indeterminado Gestor: Moka Gestora de Recursos de Terceiros Ltda. Data de Registro: 15/10/2010

Leia mais

Tendências e oportunidades de negócios para os Fundos de Direitos Creditórios. Subcomitê de FIDCs da ANBIMA Coordenador: Ricardo Augusto Mizukawa

Tendências e oportunidades de negócios para os Fundos de Direitos Creditórios. Subcomitê de FIDCs da ANBIMA Coordenador: Ricardo Augusto Mizukawa Tendências e oportunidades de negócios para os Fundos de Direitos Creditórios Subcomitê de FIDCs da ANBIMA Coordenador: Ricardo Augusto Mizukawa Fundo de Investimento em Direitos Creditórios 4 Mercado

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do BRB Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Investimento em Renda Fixa DI Longo Prazo 1 Milhão

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

FATOR MAX CORPORATIVO FUNDO DE INVESTIMENTO DE RENDA FIXA LONGO PRAZO CRÉDITO PRIVADO

FATOR MAX CORPORATIVO FUNDO DE INVESTIMENTO DE RENDA FIXA LONGO PRAZO CRÉDITO PRIVADO FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FATOR MAX CORPORATIVO FUNDO DE INVESTIMENTO DE RENDA FIXA LONGO PRAZO CRÉDITO PRIVADO Data da Competência: Mar/16 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES

Leia mais

Finanças Estruturadas

Finanças Estruturadas z Finanças Estruturadas ABS / Brasil Séries 2012-19 e 2012-20 Relatório de Rating Preliminar Conteúdo Estrutura de Capital 1 Resumo da Transação 1 Fundamentos do Rating 1 Sensibilidade do Rating 2 Análise

Leia mais

Fitch Afirma Ratings do Grupo BTG Pactual; Perspectiva Revisada Para Positiva

Fitch Afirma Ratings do Grupo BTG Pactual; Perspectiva Revisada Para Positiva Fitch Afirma Ratings do Grupo BTG Pactual; Perspectiva Revisada Para Positiva 27 Jan 2014 17h04 São Paulo/Rio de Janeiro, 27 de Janeiro de 2014 A Fitch Ratings afirmou os ratings do Banco BTG Pactual S.A.

Leia mais

Relatório de Gestão de Riscos

Relatório de Gestão de Riscos Relatório de Gestão de Riscos 1º TRIMESTRE 2015 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 1.1. Apresentação... 2 2. Aspectos Qualitativos da Estrutura de Gestão de Riscos... 2 2.1. Gestão Integrada de Riscos... 2 2.1.1.

Leia mais

Analista principal: Suzane Iamamoto, São Paulo (55) 11 3039-9728, suzane.iamamoto@standardandpoors.com

Analista principal: Suzane Iamamoto, São Paulo (55) 11 3039-9728, suzane.iamamoto@standardandpoors.com Data de Publicação: 23 de maio de 2013 Comunicado à Imprensa Ratings da JMalucelli Seguradora S.A. e da JMalucelli Resseguradora S.A. elevados para 'braa' na Escala Nacional Brasil com base no novo critério

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento Ações Petrobras (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) 31 de março de 2014 com Relatório dos Auditores

Leia mais

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras CNPJ : 09.195.701/0001-06 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Cotistas e à Administradora do Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento em Ações BRB

Leia mais

Exodus I Fundo de Investimento em Direitos Creditórios da Indústria CNPJ: 07.399.646/0001-32

Exodus I Fundo de Investimento em Direitos Creditórios da Indústria CNPJ: 07.399.646/0001-32 São Paulo, 10 de agosto de 2012. Exodus I Fundo de Investimento em Direitos Creditórios da Indústria CNPJ: 07.399.646/0001-32 Relatório Trimestral: 2º Trimestre de 2012 1) DADOS DO FUNDO Administrador:

Leia mais

PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A)

PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A) PÉROLA FUNDO DE INVESTIMENTO EM DIREITOS CREDITÓRIOS (CNPJ nº 19.388.423/0001-59) (ADMINISTRADO PELA SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S/A) DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE AGOSTO DE 2014 PÉROLA FUNDO

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento DI Institucional Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20)

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS PARA FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO (Política de Voto para FII) SOMENTE PARA USO INTERNO Este material foi elaborado pela Leste Administração

Leia mais

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS

SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS SECURITIZAÇÃO DE RECEBÍVEIS! Participantes do Mercado de Securitização! Anatomia de uma Securitização! O impacto de uma Securitização na Condição Financeira do Originador! Os Desenvolvimentos no Mercado

Leia mais

B(fe) de Longo Prazo. Brasil Government Senior Debt FIDC NP. Sumário executivo. Página 1 de 8. Classe de Cotas. Cotas Classificadas Cotas Classe Única

B(fe) de Longo Prazo. Brasil Government Senior Debt FIDC NP. Sumário executivo. Página 1 de 8. Classe de Cotas. Cotas Classificadas Cotas Classe Única Página 1 de 8 FE0009-2011 B(fe) de Longo Prazo Relatório de Rating (monitoramento) 19, dez, 2012 Ações recentes 19, dez,2012 Confirmação Confirmação 31, out, 2011 Atribuição. B(fe) 05, out, 2011 News Release

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO

Leia mais

Finanças Estruturadas

Finanças Estruturadas z Finanças Estruturadas ABS / Brasil Séries 2011-10 e 2011-11 Relatório de Rating Preliminar Conteúdo Sumário da Transação 1 Fundamentos do Rating 1 Sensibilidade do Rating 2 Análise de Dados 2 Transação

Leia mais

Política de Gestão de Riscos Tese Investimentos. Junho/2016

Política de Gestão de Riscos Tese Investimentos. Junho/2016 Política de Gestão de Riscos Tese Investimentos Junho/2016 1) Objetivo Esta política tem como objetivo, nos termos da Instrução CVM n 558 e do Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Welington Lima Cristiano

Welington Lima Cristiano SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GEC 21 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

REGULAMENTO DO ITAÚ MULTIMERCADO ESTRATÉGIA S&P500 US FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 18.138.

REGULAMENTO DO ITAÚ MULTIMERCADO ESTRATÉGIA S&P500 US FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 18.138. REGULAMENTO DO ITAÚ MULTIMERCADO ESTRATÉGIA S&P500 US FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 18.138.886/0001-08 I) CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DO FUNDO 1. PRESTADORES DE SERVIÇOS 1.1.

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009. 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 3 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009

Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 Gestão de Riscos Circular 3.477/2009 1 Trimestre de 2013 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 PERFIL DO BANCO... 3 3 RESUMO DA ESTRUTURA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 4 RISCO DE CRÉDITO... 3 4.1 Definição... 3 4.2 Gestão

Leia mais

Fundamentos do Rating. Fatores de Evolução do Rating. www.fitchratings.com.br 13 de Outubro de 2009

Fundamentos do Rating. Fatores de Evolução do Rating. www.fitchratings.com.br 13 de Outubro de 2009 Brasil Relatório Sintético Ratings Ratings Atuais Moeda Estrangeira IDR de Longo Prazo - IDR de Curto Prazo - Moeda Local IDR de Longo Prazo - IDR de Curto Prazo - Nacional Longo Prazo Curto Prazo Individual

Leia mais

Contato analítico adicional: Marcelo Schwarz, CFA, São Paulo, 55 (11) 3039?7782, marcelo.schwarz@standardandpoors.com

Contato analítico adicional: Marcelo Schwarz, CFA, São Paulo, 55 (11) 3039?7782, marcelo.schwarz@standardandpoors.com Data de Publicação: 26 de junho de 2014 Comunicado à Imprensa Standard & Poor's reafirma ratings 'BB+' na escala global e 'braa' na Escala Nacional Brasil atribuídos à Ampla Energia e Serviços; Rating

Leia mais