DELIMITAÇÃO AUTOMÁTICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS UTILIZANDO DADOS SRTM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DELIMITAÇÃO AUTOMÁTICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS UTILIZANDO DADOS SRTM"

Transcrição

1 DELIMITAÇÃO AUTOMÁTICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS UTILIZANDO DADOS SRTM TEODORICO ALVES SOBRINHO 1, PAULO T. S. OLIVEIRA 2, DULCE B. B. RODRIGUES 3, FABIO M. AYRES 4 RESUMO: A delimitação adequada de bacias hidrográficas é fundamental por ser essa a unidade territorial para fins de planejamento e de gerenciamento dos recursos hídricos. Desse modo, este trabalho teve objetivo de analisar uma metodologia de delimitação automática de bacias hidrográficas. Foram utilizados, para tanto, dados do projeto Shuttle Radar Topographic Mission (SRTM) integrados e processados em Sistema de Informações Geográficas (SIG). Os resultados confirmam valores de área compatíveis aos obtidos com base em cartas topográficas. Assim, a automatização da delimitação de bacias hidrográficas, por meio de dados do SRTM e ambiente SIG, apresenta-se vantajosa em relação ao custo e benefício proporcionado, além de estabelecer a padronização do traçado e posterior minimização de conflitos quanto à fixação da unidade de gestão dos recursos hídricos. PALAVRAS-CHAVE: gestão de recursos hídricos, bacia hidrográfica, delimitação automática. AUTOMATIC DELIMITATION OF WATERSHED USING DATA SRTM ABSTRACT: The adequate delimitation of watersheds is essential to be that the territorial unit for planning and management of water resources. Thus, this work aims to evaluate a methodology for automatic delimitation of drainage basins. The project Shuttle Radar Topographic Mission (SRTM) data were integrated and processed in the Geographic Information System (GIS). The results show values of area compatible to those obtained on the topographic data. So, the automation of delimitation of watersheds, through SRTM data and GIS environment, appears to be advantageous in relation to cost and benefits offered, in addition, permits the standardization of the sketch and minimization of conflicts during fixation of the elementary unit of water resources management. KEYWORDS: watershed, automatic delimitation, water resource management. INTRODUÇÃO No Brasil, a Lei Federal n o 9.433/97 estabelece a bacia hidrográfica como unidade territorial para aplicação da Política Nacional de Recursos Hídricos (PNRH). A fixação dessas unidades básicas envolve a abrangência de aplicação dos instrumentos da PNRH, tais como: enquadramento dos corpos d água, outorga e cobrança pelo uso de recursos hídricos. Assim, padronização e automatização do traçado de bacias hidrográficas são fundamentais para a efetivação adequada da PNRH, evitando-se possíveis conflitos de utilização dos recursos hídricos. O desenvolvimento e o aperfeiçoamento de técnicas de delimitação automática de bacias hidrográficas têm sido objeto de estudo em várias partes do mundo. Tais técnicas são implementadas em ambientes de Sistemas de Informações Geográficas (SIG), promovendo resultados relevantes, conforme verificado nos trabalhos de MARK (1984), O CALLAGHAN & MARK (1984), BAND (1986), JENSON & DOMINGUE (1988), TARBOTON et al. (1991), 1 Eng o Agrônomo, Prof. Dr. Associado II, Departamento de Hidráulica e Transportes, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Caixa Postal 549, Campo Grande - MS, Bolsista do CNPq-PQ 2. 2 Eng o Ambiental, Mestrando em Saneamento Ambiental e Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande - MS, Bolsista de Mestrado FUNDECT. 3 Eng o Ambiental, Mestranda em Saneamento Ambiental e Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul,, Campo Grande - MS, Bolsista de Mestrado FUNDECT. 4 Geógrafo, Prof. Mestre, Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande - MS, Recebido pelo Conselho Editorial em: Aprovado pelo Conselho Editorial em:

2 Delimitação automática de bacias hidrográficas utilizando dados SRTM 47 FAIRFIELD & LEYMARIE (1991), VERDIN & VERDIN (1999), TURCOTTE et al. (2001), VOGT et al. (2003), JORDAN & SCHOTT (2005) e MERKEL et al. (2008). No processo de delimitação automática de bacias hidrográficas em SIGs, são utilizadas informações de relevo, que podem ser representadas por uma estrutura numérica de dados correspondente à distribuição espacial da altitude e da superfície do terreno, denominada Modelo Numérico de Terreno (MNT). O MNT pode ser obtido por meio da interpolação de curvas de nível extraídas de uma carta topográfica ou através de imagens de sensores remotos. JENSON & DOMINGUE (1988) afirmam que parâmetros hidrológicos extraídos de MNTs mostram-se acurados e compatíveis com aqueles obtidos por métodos manuais, que despendem de maior tempo no seu processamento e têm detalhamento menor na sua configuração. TARBOTTON et al. (1991) e WALKER & WILGOOSE (1999) descrevem que o MNT apresenta boa correlação entre a declividade e a área de contribuição, exibindo os pontos de inflexão que marcam o início da captação fluvial, de modo que a rede de drenagem pode ser determinada com confiança elevada. Os MNTs produzidos a partir de informações de sensoriamento remoto, tal como o Interferometric Synthetic Aperture Radar (InSAR), têm ganho relevância por serem advindos de uma técnica rápida e acurada de coletar dados topográficos (RABUS et al., 2003). O sistema InSAR possibilita a obtenção de informações sobre as variações de altitude da superfície terrestre, sendo aplicável a diversos estudos relacionados à geomorfologia, análise de rede hidrográfica, delimitação de áreas inundáveis, perfis topográficos e delimitação automática de bacias hidrográficas, dentre outros. A missão Shuttle Radar Topography Mission (SRTM), realizada em 2000 a bordo da nave Endeavour, incorpora a técnica InSAR e dispõe publicamente seus dados em escala global por intermédio do United States Geological Survey (USGS). Assim, diversas pesquisas vêm sendo conduzidas com o objetivo de analisar, comparar e atualizar informações da superfície terrestre por meio de dados do SRTM. Nesse contexto, podem-se citar os trabalhos desenvolvidos por DIAS et al. (2004), SANTOS et al. (2006), VALERIANO & ABDON (2007), LUEDELING et al. (2007), FREDRICK et al. (2007), BERRY et al. (2007) e RENNÓ et al. (2008). GERSTENECKER et al. (2005), avaliando várias bases para geração de MNTs, inclusive cartas topográficas, concluíram que a missão SRTM é um passo de importância considerável no detalhamento acurado dos MNTs do globo terrestre. PINHEIRO (2006) concluiu que as altitudes medidas pelo MNT obtido dos dados do SRTM, após as devidas correções, apresentaram resultados melhores, comparados com os MNTs gerados a partir de cartas topográficas em escala 1: Desse modo, este trabalho teve como objetivo a análise de uma metodologia para delimitação automática de bacias hidrográficas, utilizando, para tanto, dados do projeto SRTM, integrados e processados em ambiente SIG, validados na bacia hidrográfica do Córrego Guariroba. MATERIAL E MÉTODOS O estudo foi realizado tomando-se por base a Área de Proteção Ambiental (APA) do Guariroba, criada em 1995 pelo Decreto nº 7.183, abrangendo todo o limite da bacia hidrográfica do Córrego Guariroba. Essa bacia contém um dos principais mananciais de água superficial de Campo Grande - MS, responsável pelo abastecimento de aproximadamente 52% da população urbana do município. A localização espacial da bacia hidrográfica do Guariroba está representada na Figura 1.

3 Teodorico A. Sobrinho, Paulo T. S. Oliveira, Dulce B. B. Rodrigues et al. 48 FIGURA 1. Mapa de localização da bacia do Córrego Guariroba. Location map of Guariroba river basin. A bacia do Córrego Guariroba possui extensão de aproximadamente ha e situa-se entre os paralelos 20º29 30 (N), 20º46 05 (S) e meridianos 54º19 39 (L) e 54º28 30 (O), com altitude variando de 440 m a 640 m. Está localizada na grande unidade geológica denominada Bacia Sedimentar do Paraná e encontra-se inserida na sub-bacia hidrográfica do Rio Pardo. De acordo com o projeto RADAMBRASIL (BRASIL, 1982), a bacia hidrográfica do Guariroba encontra-se geomorfologicamente inserida no Planalto de Maracaju - Campo Grande, possuindo superfície de aplanamento, elaborada por processos de pediplanação, cortando litologias pré-cambrianas do Grupo Cuiabá e Corumbá, rochas devonianas e permocarboníferas da Bacia Sedimentar do Paraná. Os relevos de topo convexo, com diferentes ordens de grandeza e de aprofundamento de drenagem, são separados por vales de fundo plano ou em forma de V. Os dados do SRTM da região de estudo foram obtidos junto ao USGS, possuindo informações originais disponíveis para a América do Sul, referentes à banda C do equipamento InSAR, com resolução espacial de 90 m e elipsoide de referência WGS84. Assim, realizou-se a conversão para o Datum South American Datum (SAD 1969) com o auxílio do software ENVI 4.3, de modo a preparar os dados para posterior aplicação no trabalho. O processo de delimitação automática da bacia hidrográfica foi desenvolvido no SIG ArcGIS (ESRI, 2006), juntamente com as extensões ( plugins ) disponíveis no endereço eletrônico da Environmental Systems Research Institute (ESRI): Spatial Analyst e Hydrology Modeling. A metodologia utilizada nesse processo subdividiu-se em quatro etapas, sendo: preenchimento de depressões ( fill sinks ), direção de fluxo ( flow direction ), fluxo acumulado ( flow accumulation ) e delimitação de bacias ( Watershed ) (DIAS et al., 2004) (Figura 2).

4 Delimitação automática de bacias hidrográficas utilizando dados SRTM 49 FIGURA 2. Principais etapas realizadas para delimitação de bacias hidrográficas a partir de dados SRTM. Main steps achieved for delimitation of watershed from SRTM data. Preenchimento de depressões ( fill sinks ) A acurácia dos dados do SRTM tem sido comprovada de diversas formas por vários pesquisadores (JARVIS et al., 2004; KOCAK et al., 2005; RODRIGUEZ et al., 2006; SMITH & SANDWELL, 2003; SUN et al., 2003). No entanto, estudos desenvolvidos por FALORNI et al. (2005) e KÄÄB (2005) apontam que a acurácia dos dados do SRTM depende da topografia local, constatando-se maior incidência de erros em dados referentes a terrenos com relevo íngreme ou montanhoso. Infelizmente, o MNT que acompanha os dados do SRTM contém falhas em áreas do globo, originadas, principalmente, de duas maneiras: ocorrência de corpos hídricos e relevo acidentado. Nessa última, a frequência de falhas é maior em superfícies com inclinação acima de 20, devido ao sombreamento ocasionado no radar (LUEDELING et al., 2007). As falhas no MNT advindas dos dados do SRTM são denominadas de sinks que, conforme MENDES & CIRILO (2001), caracterizam-se por áreas rodeadas por elevações com valores de cotas superiores, semelhantes a uma depressão. O preenchimento dessas pequenas depressões é o primeiro tratamento dado à matriz de altitudes (Figura 3). Essas depressões ou sinks são consideradas empecilhos ao escoamento durante a aplicação de modelos hidrológicos, sedimentológicos e de poluentes de origem difusa. FIGURA 3. Correção de erros do tipo sink por meio da execução da função fill sinks. Correction of errors type sink through the execution of the function fill sinks. Conforme a Figura 3, as correções no MNT são feitas por meio da função fill sinks, que considera as altitudes dos pixels vizinhos para preencher os sinks, promovendo, assim, a geração do mapa de MNT com consistência melhor, tal como exposto na Figura 4.

5 Teodorico A. Sobrinho, Paulo T. S. Oliveira, Dulce B. B. Rodrigues et al. 50 FIGURA 4. Mapa do MNT obtido do tratamento de dados SRTM. Map of MNT obtained from SRTM data processing. Direção de fluxo De acordo com RENNÓ et al. (2008), a direção de fluxo define as relações hidrológicas entre pontos diferentes dentro de uma bacia hidrográfica. A continuidade topológica para as direções de fluxo é, consequentemente, necessária para que uma drenagem funcional possa existir. As conexões hidrológicas de direção de fluxo entre dois pontos em uma superfície não são as mesmas que aquelas baseadas em distância Euclidiana. A direção de fluxo de água na rede de drenagem é obtida pela função flow direction, que gera uma grade regular definindo as direções de fluxo, tomando-se por base a linha de maior declividade do terreno. A nova grade numérica gerada determina a direção de maior declividade de um pixel em relação a seus oito pixels vizinhos. Assim, ocorre a descrição numérica da direção que a água irá percorrer após atingir cada pixel, que pode ser representada graficamente por meio da aplicação do código de direção (Figura 5). FIGURA 5. Exemplo de execução da função flow direction. Example of execution of flow direction function. Fonte: Adaptado de ESRI (2008).

6 Delimitação automática de bacias hidrográficas utilizando dados SRTM 51 A execução da função flow direction com o MNT já corrigido na etapa anterior fornece o mapa de direção de fluxo apresentado na Figura 6, que possibilita a observação da direção do escoamento de água nas vertentes, além da visualização do relevo. FIGURA 6. Mapa de direção de fluxo. Map of flow direction. Fluxo acumulado O fluxo acumulado é um parâmetro que indica o grau de confluência do escoamento e pode ser associado ao fator comprimento de rampa aplicado em duas dimensões. O fluxo acumulado, também denominado área de captação, apresenta obtenção complexa, manual ou computacional, uma vez que reúne, além de características do comprimento de rampa (conexão com divisores de água a montante), também a curvatura horizontal (confluência e divergência das linhas de fluxo) (VALERIANO, 2008). Na Figura 7, exemplifica-se o fluxo acumulado, sendo possível observar a formação dos caminhos preferenciais de fluxo que originam a rede hidrográfica. FIGURA 7. Exemplo de determinação do fluxo acumulado. Example of determining of accumulated flow. Fonte: Adaptado de TURCOTE et al. (2001).

7 Teodorico A. Sobrinho, Paulo T. S. Oliveira, Dulce B. B. Rodrigues et al. 52 A partir da grade regular gerada, conforme descrito na etapa anterior, o fluxo acumulado foi obtido pela função flow accumulation. De acordo com MENDES & CIRILO (2001), o fluxo acumulado representa a rede hidrográfica (Figura 8), sendo possível montar nova grade contendo os valores de acúmulo de água em cada pixel. Desse modo, cada pixel recebe um valor correspondente ao número de pixels que contribuem para que a água chegue até ele. A partir da direção de fluxo, o fluxo acumulado é obtido somando-se a área das células (quantidade de células) na direção do fluxo (ou escoamento). FIGURA 8. Mapa de fluxo acumulado. Map of accumulated flow. Delimitação de bacias O delineamento de microbacias é favorecido, significantemente, pelo processo denominado por VALERIANO (2008) como ADD que, em essência, é uma sobreposição de fatiamentos criteriosos da curvatura horizontal (para realce da drenagem e divisores de água) a classes de orientação de vertentes. As feições de drenagem e divisores de água, convertidas em vetores, são alvos de análises clássicas do terreno em que se busca a delimitação de zonas homólogas para fins de mapeamento geológico, geomorfológico e pedológico. A delimitação das bacias é realizada processando os mapas de direção de fluxo e fluxo acumulado na função Watershed. O valor da área de cada bacia hidrográfica gerada corresponde à quantidade de células que são processadas. Como cada célula do MNT obtido do SRTM possui pixels de 90 m, a área de cada pixel é equivalente a m 2. Desse modo, realizou-se a definição do valor de células, sendo

8 Delimitação automática de bacias hidrográficas utilizando dados SRTM 53 realizados testes até obter a que melhor correspondesse à área de estudo. Quanto menores os valores de célula definidos, maior o número de microbacias é criado. O valor definido para este trabalho foi de células. Assim, foram processadas bacias de até m 2, equivalente a ha. Depois de processar as informações na função Watershed, delimitaram-se as bacias, que, posteriormente, foram convertidas para o formato vetorial, na função Raster to Features da extensão Spatial Analyst. Após a delimitação das bacias hidrográficas, foi utilizado o comando Stream Network para delimitação da rede hidrográfica, utilizando, para tanto, os resultados da direção de fluxo, fluxo acumulado, e adotando o valor 500 como o número mínimo de células para geração de fluxo. RESULTADOS E DISCUSSÃO O limite da área de drenagem extraída está representado na Figura 9, juntamente com as curvas de nível equidistantes de 90 m e a rede hidrográfica, geradas a partir dos dados SRTM. FIGURA 9. Bacia hidrográfica do Córrego Guariroba gerada a partir dos dados SRTM. Guariroba river basin generated from SRTM data. A bacia hidrográfica do Córrego Guariroba, resultante da delimitação deste estudo, constitui área de ,336 ha e perímetro de 98,384 km. Comparando-se com os resultados obtidos por TORRES et al. (2005) no mesmo local, verifica-se diferença, relativamente pequena, em relação à delimitação automática que utiliza cartas topográficas na escala 1: (Tabela 1).

9 Teodorico A. Sobrinho, Paulo T. S. Oliveira, Dulce B. B. Rodrigues et al. 54 TABELA 1. Áreas delimitadas da bacia do Córrego Guariroba. Areas delimitated of Guariroba river basin. Diferença em Relação à Base de Dados do SRTM(%) Manual ,564 2,18 Automática - Arc Info (ESRI) ,401 0,16 Automática - Geomática (PCI) ,894 0,66 Base de Dados Metodologia Área (ha)* Carta topográfica (Escala 1: ) *TORRES et al. (2005) TORRES et al. (2005) utilizaram, como referência, cartas topográficas elaboradas pela Diretoria do Serviço Geográfico (DSG), na escala 1: , que exibem curvas de nível equidistantes de 40 m, pontos cotados e hidrografia. Na metodologia utilizada pelos autores, para a geração do MNT, utilizado no processo de delimitação da bacia hidrográfica, foram necessários a digitalização, o georreferenciamento e a vetorialização das representações das curvas de nível, hidrografia e pontos cotados presentes em cada carta. Assim, nota-se que a metodologia utilizada neste estudo, baseada na utilização de dados do SRTM, mostra-se mais ágil e proporciona resultados compatíveis. Observa-se que a delimitação automática de bacias tem uma subjetividade menor e que, mesmo utilizando softwares diferentes, os resultados são mais próximos do que quando comparados a métodos manuais que variam com a percepção humana. JENSON & DOMINGUE (1988) e MERKEL et al. (2008), comparando as metodologias automática e manual, confirmam a eficiência do modo automático de extração da rede de drenagem a partir de MNT. Pode-se afirmar que os dados do SRTM foram relativamente precisos e acurados, no caso analisado. Além de serem eficientes por demandarem menor tempo no processo de tratamento dos dados brutos até o delineamento da bacia, já que os dados do SRTM fornecem diretamente o MNT, ao passo que as cartas topográficas necessitam de procedimento inicial trabalhoso até a obtenção do MNT. JARVIS et al. (2004) verificaram que cartas topográficas com escalas maiores que 1: (1:10.000, por exemplo) contêm aspectos topográficos que não são capturados pelo SRTM (resolução de 90 m), obtendo-se, portanto, melhores resultados por meio da digitalização e da interpolação desses dados cartográficos para a geração dos MNTs. Em contrapartida, deve-se dar preferência aos dados do SRTM a cartas topográficas com escalas menores que 1: (1:50.000, por exemplo). Considerando os resultados obtidos, avalia-se como adequada a metodologia proposta neste estudo a partir dos dados do SRTM e do aplicativo ArcGis. Portanto, vale ressaltar a possibilidade de aplicação dessa técnica a outras áreas, proporcionando, assim, a redução da subjetividade e dos erros provenientes do método manual de traçado de bacias hidrográficas. CONCLUSÕES A metodologia aplicada mostra-se adequada e de fácil utilização, podendo ser empregada a estudos em outras localidades. A delimitação automática da rede de drenagem obtida a partir de dados do SRTM apresenta precisão compatível àquela baseada em cartas topográficas. Fatores como gratuidade, precisão e acurácia dos dados do SRTM proporcionam economia de tempo e de recursos para a realização de pesquisas e diagnósticos ambientais apoiados nesses dados, especialmente em regiões que não possuem registros cartográficos. A delimitação automática de bacias, por meio do processamento de dados do SRTM em ambiente SIG, apresenta-se vantajosa em relação ao custo e benefício proporcionado, além de

10 Delimitação automática de bacias hidrográficas utilizando dados SRTM 55 estabelecer a padronização do traçado e posterior minimização de conflitos quanto à fixação da unidade elementar de gestão dos recursos hídricos. REFERÊNCIAS BAND, L.E. Topographic partition of watershed with digital elevation models. Water Resource Research, Washington, v.22, n.1, p.15-24, BERRY, P.A.M.; GARLICK, J.D.; SMITH, R.G. Near-global validation of the SRTM DEM using satellite radar altimetry. Remote Sensing of Environment, New York, v.106, n.1, p.17-27, BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Projeto RADAMBRASIL. Folha SF.21 Campo Grande: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Levantamento de Recursos Naturais, 28. Rio de Janeiro, p. DIAS, L.S.O.; ROCHA, G.A.; BARROS, E.U.A.; MAIA, P.H.P. Utilização do radar interferométrico para delimitação automática de bacias hidrográficas. Bahia Análise & Dados, Salvador, v. 4, n.2, p , ESRI. ENVIRONMENTAL SYSTEMS RESEARCH INSTITUTE, ArcGIS Professional GIS for the desktop, version 9.2. Software ESRI. ENVIRONMENTAL SYSTEMS RESEARCH INSTITUTE. ArcGIS 9.2 Desktop help. Disponível em: <http://webhelp.esri.com/arcgisdesktop/9.2/index.cfm?topicname=flow_direction>. Acesso em: 8 ago FAIRFIELD, J.; LEYMARIE, P. Drainage networks from grid digital elevation models. Water Resources Research, Washington, v.27, n.5, p , FALORNI, G.; TELES, V.; VIVONI, E.R.; BRAS, R.L.; AMARATUNGA, K.S. Analysis and characterization of the vertical accuracy of digital elevation models from the Shuttle Radar Topography Mission. Journal of Geophysical Research, Washington, v.110, n.f2, p.1-20, FREDRICK, K.C.; BECKER, M.W.; MATOTT, L.S.; DAW, A.; BANDILLA, K.; FLEWELLING, D.M. Development of a numerical groundwater flow model using SRTM elevations. Hydrogeology Journal, Heidelberg, v.15, n.1, p , GERSTENECKER, C.; LÄUFER, G.L.; STEINECK, D.; TIEDE, C.; WROBEL, B. Validation of digital elevation models around Merapi Volcano, Java, Indonesia. Natural Hazards and Earth System Sciences, Perugia, v.5, n.6, p , JARVIS, A.; RUBIANO, J.; NELSOM, A.; FARROW, A.; MULLIGAN, M. Practical use of SRTM data in the tropics - comparisons with digital elevation models generated from cartographic data. International Center for Tropical Agriculture, Palmira, n.198, p.1-32, JENSON, S.K.; DOMINGUE, J.O. Extracting topographic structure from digital elevation data for geographic information system analysis. Photogrammetric Engineering and Remote Sensing, Bethesda, v.54, n.11, p , JORDAN, G.; SCHOTT, B. Application of wavelet analysis to the study of spatial pattern of morphotectonic lineaments in digital terrain models. Remote Sensing of Environment, New York, v.94, n.1. p.31-38, KÄÄB, A. Combination of SRTM3 and repeat ASTER data for deriving alpine glacier flow velocities in the Bhutan Himalaya. Remote Sensing of Environment, New York, v.94, n.4, p , 2005.

11 Teodorico A. Sobrinho, Paulo T. S. Oliveira, Dulce B. B. Rodrigues et al. 56 KOCAK, G.; BUYUKSALIH, G.; ORUC, M. Accuracy assessment of interferometric digital elevation models derived from the Shuttle Radar Topography Mission X- and C-band data in a test area with rolling topography and moderate forest cover. Optical Engineering, Bellingham, v.44, n.3, LUEDELING, E.; SIEBERT, S.; BUERKERT, A. Filling the voids in the SRTM elevation model - A TIN-based delta surface approach. ISPRS Journal of Photogrammetry & Remote Sensing, New York, v.62, n.4, p , MARK, D.M. Automatic detection of drainage networks from digital elevation models. Cartographica, Toronto, v.21, n.3, p , MENDES, C.A.B.; CIRILO, J.A. Geoprocessamento em recursos hídricos: princípios, integração e aplicação. Porto Alegre: ABRH, p. MERKEL, W.H.; KAUSHIKA, R.M.; GORMAN, E. NRCS GeoHydro-A GIS interface for hydrologic modeling. Computers & Geosciences, Oxford, v.34, n.8, p , O CALLAGHAN, J.F.; MARK, D.M. The extraction of drainage networks from digital elevation data. Computer Vision, Graphics, and Image Processing, San Diego, v.28, n.3, p , PINHEIRO, E.S. Comparação entre dados altimétricos Shuttle Radar Topography Mission, cartas topográficas e GPS: Numa área com relevo escarpado. Revista Brasileira de Cartografia, Rio de Janeiro, v.58, n.1. p. 1-9, RABUS, B.; EINEDER, M.; ROTH, A.; BAMLER, R. The shuttle radar topography mission: a new class of digital elevation models acquired by spaceborne radar. ISPRS Journal of Photogrammetry & Remote Sensing, New York, v.57, n.4. p , RENNÓ, C.D.; NOBRE, A.D.; CUARTAS, L.A.; SOARES, J.V.; HODNETT, M.G.; TOMASELLA, J.; WATERLOO, M.J. HAND, a new terrain descriptor using SRTM-DEM: Mapping terra-firme rainforest environments in Amazonia. Remote Sensing of Environment, New York, v.112, n.9, p , RODRIGUEZ, E.; MORRIS, C.S.; BELZ, J.E. A global assessment of the SRTM performance. Photogrammetric Engineering and Remote Sensing, Bethesda, v.72, n.3. p , SANTOS, P.R.A.; GABOARDI, C.; OLIVEIRA, L.C. Avaliação da precisão vertical dos modelos SRTM para a Amazônia. Revista Brasileira de Cartografia, Rio de Janeiro, v.58, n.1, p , SMITH, B.; SANDWELL, D. Accuracy and resolution of shuttle radar topography mission data. Geophysical Research Letters, Washington, v.30, n.9, p.1-4, SUN, G.; RANSON, K.J.; KHAIRUK, V.I.; KOVACS, K. Validation of surface height from shuttle radar topography mission using shuttle laser altimeter. Remote Sensing of Environment, New York, v.88, n.4, p , TARBOTON, D.G.; BRAS, R.L.; RODRIGUEZ-ITURBE, I. On the extraction of channel networks from digital elevation data. Hydrological Processes, Chichester, v.5, n.1, p , TORRES, T.G.; PARANHOS FILHO, A.C.; RONDON, M.A.C.; LASTORIA, G.; SOUZA, A. Comparação do divisor de bacia obtido de diferentes modos: o caso de estudo da bacia do córrego Guariroba - MS. Revista de Estudos Ambientais, Blumenau, v.7, n.1. p , TURCOTTE, R.; FORTIN, J.P.; ROUSSEAU, A.N.; MASSICOTTE, S.; VILLENEUVE, J.P. Determination of the drainage structure of a watershed using a digital elevation model and a digital river and lake network. Journal of Hydrology, Amsterdam, v.240, n.3, p , VALERIANO, M.M. Dados topográficos. In: FLORENZANO, T.G. (Org.). Geomorfologia, conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: Oficina de Textos, p

12 Delimitação automática de bacias hidrográficas utilizando dados SRTM 57 VALERIANO, M.M.; ABDON, M.M. Aplicação de dados SRTM a estudos do Pantanal. Revista Brasileira de Cartografia, Rio de Janeiro, v.59, n.1, p.63-71, VERDIN, K.L.; VERDIN, J.P. A topological system for delineation and codification of the Earth s river basins. Journal of Hydrology, Amsterdam, v.218, n.1, p.1-12, VOGT, J.V.; COLOMBO, R.; BERTOLO, F. Deriving drainage networks and catchment boundaries: a new methodology combining digital elevation data and environmental characteristics. Geomorphology, Amsterdam, v.53, n.3, p , WALKER, J.P.; WILLGOOSE, G.R. On the effect of DEM accuracy on hydrology and geomorphology models. Water Resource Research, Washington, v.357, n.7, p , 1999.

Delimitação automática de sub-bacias hidrográficas no município de Ouro Preto-MG. Jairo Rodrigues Silva 1 Ana Clara Mourão Moura 2

Delimitação automática de sub-bacias hidrográficas no município de Ouro Preto-MG. Jairo Rodrigues Silva 1 Ana Clara Mourão Moura 2 Delimitação automática de sub-bacias hidrográficas no município de Ouro Preto-MG Jairo Rodrigues Silva 1 Ana Clara Mourão Moura 2 1 Instituto Federal Minas Gerais - Campus Ouro Preto - IFMG-OP Rua Pandiá

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS DADOS AMOSTRAIS E DO PÓS-PROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO AUTOMÁTICA DO LIMITE DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

INFLUÊNCIA DOS DADOS AMOSTRAIS E DO PÓS-PROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO AUTOMÁTICA DO LIMITE DE BACIAS HIDROGRÁFICAS INFLUÊNCIA DOS DADOS AMOSTRAIS E DO PÓS-PROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO AUTOMÁTICA DO LIMITE DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Weriskiney Araújo Almeida 1 * & Michel Castro Moreira 2 Resumo O presente trabalho teve

Leia mais

ANÁLISE DE DADOS ALTIMÉTRICOS OBTIDOS POR CARTA TOPOGRÁFICA, SRTM, ASTER GDEM E TOPODATA PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE CANELA, RS

ANÁLISE DE DADOS ALTIMÉTRICOS OBTIDOS POR CARTA TOPOGRÁFICA, SRTM, ASTER GDEM E TOPODATA PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE CANELA, RS ANÁLISE DE DADOS ALTIMÉTRICOS OBTIDOS POR CARTA TOPOGRÁFICA, SRTM, ASTER GDEM E TOPODATA PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE CANELA, RS SOPHIA D. RÔVERE 1 ; WILSON A. HOLLER 2 Nº 11510 RESUMO Modelos digitais

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ JULIA S. MELLO 1 ; DANIEL de C. VICTORIA 2 Nº 10505 RESUMO Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são importantes ferramentas

Leia mais

DELIMITAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CAMAQUÃ: COMPARAÇÃO DE MÉTODOS AUTOMATIZADOS

DELIMITAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CAMAQUÃ: COMPARAÇÃO DE MÉTODOS AUTOMATIZADOS DELIMITAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CAMAQUÃ: COMPARAÇÃO DE MÉTODOS AUTOMATIZADOS DELIMITATION OF CAMAQUÃ S HYDROGRAPHIC RIVER BASIN: EVALUATION OF AUTOMATED METHODS Henrique Noguez da Cunha 1 Rute Daniela

Leia mais

Geração de modelo digital de elevação e obtenção automática da hidrografia da bacia do rio Grande

Geração de modelo digital de elevação e obtenção automática da hidrografia da bacia do rio Grande Geração de modelo digital de elevação e obtenção automática da hidrografia da bacia do rio Grande Michael Pereira da Silva Graduando Eng. Sanitária e Ambiental, ICADS-UFBA. Michel Castro Moreira Professor

Leia mais

Determinação de caminhos de fluxo em área urbana com incorporação do traçado das ruas. Larissa Santana Serra 1 Adriano Rolim da Paz 1

Determinação de caminhos de fluxo em área urbana com incorporação do traçado das ruas. Larissa Santana Serra 1 Adriano Rolim da Paz 1 Determinação de caminhos de fluxo em área urbana com incorporação do traçado das ruas Larissa Santana Serra 1 Adriano Rolim da Paz 1 1 Universidade Federal da Paraíba - UFPB/CT Caixa Postal 58051-900 João

Leia mais

O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS

O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS O emprego do Geoprocessamento na Análise Espacial da Bacia Hidrográfica do Córrego Guariroba, Campo Grande MS Raony Moreira Gomes Yamaciro Geógrafo raony.shiro@gmail.com Abstract. The present study aimed

Leia mais

Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM

Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM Edison Crepani José Simeão de Medeiros Instituto Nacional

Leia mais

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS

ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS ANÁLISE DE VULNERABILIDADE À EROSÃO NA MICROBACIA DO RIO BRUMADO (BA) COM EMPREGO DE GEOTECNOLOGIAS Passos, N.O. (UFBA) ; Melo, D.H.C.T.B. (UFBA) RESUMO Apresenta-se os principais resultados obtidos na

Leia mais

Sumário. Lista de Figuras

Sumário. Lista de Figuras Sumário 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVOS...3 3. PRÉ-REQUISITOS...3 4. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA...3 4.1 SRTM Shuttle Radar Topography Mission...3 4.1.1 Obtenção dos dados SRTM...5 5. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS...5

Leia mais

AVALIAÇÃO DE MODELOS DIGITAIS DE TERRENO PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

AVALIAÇÃO DE MODELOS DIGITAIS DE TERRENO PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS AVALIAÇÃO DE MODELOS DIGITAIS DE TERRENO PARA DELIMITAÇÃO DE ÁREAS DE BACIAS HIDROGRÁFICAS RODRIGO DA SILVA FERRAZ Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS rferraz1980@gmail.com RESUMO - A análise

Leia mais

Avaliação comparativa de métodos de reamostragem de MDE em SIG S livres e gratuitos

Avaliação comparativa de métodos de reamostragem de MDE em SIG S livres e gratuitos Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p. 858-864 Avaliação comparativa de métodos de reamostragem de MDE em SIG S livres e gratuitos Angélica Aparecida Dourado da Costa 1 Vinicius de Oliveira Ribeiro

Leia mais

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007

XVI CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 22 a 26 de outubro de 2007 CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO GRANDE UTILIZANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS MARCELO R. VIOLA 1 ; CARLOS R. DE MELLO 2 ; GILBERTO COELHO 3 ; MATHEUS F. DURÃES 4 ; LÉO

Leia mais

Estudo comparativo de índices morfométricos das sub-bacias hidrográficas dos rios Fumaça e Glória a partir de técnicas de Geoprocessamento

Estudo comparativo de índices morfométricos das sub-bacias hidrográficas dos rios Fumaça e Glória a partir de técnicas de Geoprocessamento Estudo comparativo de índices morfométricos das sub-bacias hidrográficas dos rios Fumaça e Glória a partir de técnicas de Geoprocessamento Luciano Melo Coutinho¹ Roberto Avelino Cecílio² ¹ Universidade

Leia mais

BUSCANDO ÁREAS DE DRENAGEM MÍNIMA PARA DEFINIÇÃO DA REDE DE DRENAGEM A PARTIR DA LITOLOGIA

BUSCANDO ÁREAS DE DRENAGEM MÍNIMA PARA DEFINIÇÃO DA REDE DE DRENAGEM A PARTIR DA LITOLOGIA BUSCANDO ÁREAS DE DRENAGEM MÍNIMA PARA DEFINIÇÃO DA REDE DE DRENAGEM A PARTIR DA LITOLOGIA Mino Viana Sorribas 1 ; Paulo Rógenes Monteiro Pontes 2 ; Walter Collischonn 3, Rodrigo Cauduro Dias de Paiva

Leia mais

Reginaldo Alex Calçavara Universidade Federal do Espírito Santo reginaldocalcavara@gmail.com EIXO TEMÁTICO: GEOGRAFIA FÍSICA E GEOTECNOLOGIAS

Reginaldo Alex Calçavara Universidade Federal do Espírito Santo reginaldocalcavara@gmail.com EIXO TEMÁTICO: GEOGRAFIA FÍSICA E GEOTECNOLOGIAS USO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA E MODELO DIGITAL DE ELEVAÇÃO PARA OBTENÇÃO DE VARIÁVEIS MORFOMÉTRICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO SÃO VICENTE, CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM (ES) Reginaldo Alex

Leia mais

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA.

CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DO MUNICÍPIO DE CATU, BA. CARTOGRAFIA E IMAGEM ASTER APLICADOS NO MAPEAMENTO Avelino, E. 1 ; 1 IFBAIANO, CAMPUS CATU Email:ed.avelino@hotmail.com; RESUMO: Esta pesquisa tem o objetivo de mapear as unidades geomorfológicas do município

Leia mais

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM SPRING 5.0 1 O objetivo deste tutorial é apresentar de forma simples e prática como construir, no Spring, mapa de declividade a partir de dados do SRTM.

Leia mais

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá

Caracterização das Unidades de Manejo Florestal Lote-1 da Floresta Estadual do Amapá SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Caracterização geral da Flota Amapá... 2 3. Lote de Unidades de Manejo Florestal... 2 4. Ferramentas utilizadas para caracterização das UMFs... 3 4.1. Cálculo da área efetiva

Leia mais

Obtenção pixel a pixel de variáveis morfométricas em SIG após tratamento de dados SRTM

Obtenção pixel a pixel de variáveis morfométricas em SIG após tratamento de dados SRTM Obtenção pixel a pixel de variáveis morfométricas em SIG após tratamento de dados SRTM Felipe de Azevedo Marques Demetrius David da Silva Universidade Federal de Viçosa - UFV Departamento de Engenharia

Leia mais

CÁLCULO AUTOMÁTICO DO FATOR TOPOGRÁFICO (LS) DA EUPS, NA BACIA DO RIO PARACATU 1

CÁLCULO AUTOMÁTICO DO FATOR TOPOGRÁFICO (LS) DA EUPS, NA BACIA DO RIO PARACATU 1 Pesquisa Agropecuária Tropical, 33 (1): 29-34, 2003 29 CÁLCULO AUTOMÁTICO DO FATOR TOPOGRÁFICO () DA EUPS, NA BACIA DO RIO PARACATU 1 Valtercides Cavalcante da Silva 2 ABSTRACT AUTOMATIC CALCULATION OF

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA DO RIO DO PEIXE EMPREGANDO SIG (SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS)

CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA DO RIO DO PEIXE EMPREGANDO SIG (SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS) Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA DA BACIA DO RIO DO PEIXE EMPREGANDO SIG (SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS) Fernando Angelo Couto Cardoso (*), Deborah Luiza Poletto de Paula,

Leia mais

MNT: Modelagem Numérica de Terreno

MNT: Modelagem Numérica de Terreno MNT: Modelagem Numérica de Terreno I. 1ntrodução MODELO : Representação da realidade sob a forma material (representação tangível) ou sob a forma simbólica (representação abstrata). MODELO DO TERRENO:

Leia mais

Um método para a determinação automática de áreas de preservação permanente em topos de morros para o Estado de São Paulo

Um método para a determinação automática de áreas de preservação permanente em topos de morros para o Estado de São Paulo Um método para a determinação automática de áreas de preservação permanente em topos de morros para o Estado de São Paulo Marcos Cicarini Hott 1 Marcelo Guimarães 1 Evaristo Eduardo de Miranda 1 1 Centro

Leia mais

Avaliação visual de modelos 3D gerados através de produtos ASTER GDEM, SRTM e carta topográfica em relação a fotos do relevo

Avaliação visual de modelos 3D gerados através de produtos ASTER GDEM, SRTM e carta topográfica em relação a fotos do relevo Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.5737 Avaliação visual de modelos 3D gerados através de produtos ASTER GDEM, SRTM

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS NA REGIÃO DE MANAUS AM 1

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DE BACIAS HIDROGRÁFICAS NA REGIÃO DE MANAUS AM 1 CAMINHOS DE GEOGRAFIA - revista on line http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/ ISSN 1678-6343 Instituto de Geografia ufu Programa de Pós-graduação em Geografia CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DE BACIAS

Leia mais

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER

Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Cálculo da área de drenagem e perímetro de sub-bacias do rio Araguaia delimitadas por MDE utilizando imagens ASTER Murilo R. D. Cardoso Universidade Federal de Goiás, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais/GO

Leia mais

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Pesquisas CBERS - UFRGS 2001: Início do projeto Participantes: - PPG-SR / CEPSRM - Instituto de Geociências Geodésia Geografia Geologia - Faculdade

Leia mais

6 Geoprocessamento. Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes

6 Geoprocessamento. Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes 6 Geoprocessamento Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes 156 O que é geoprocessamento? Consiste no uso de ferramentas computacionais

Leia mais

Comparação entre modelos digitais de elevação gerados por sensores ópticos e por radar

Comparação entre modelos digitais de elevação gerados por sensores ópticos e por radar Comparação entre modelos digitais de elevação gerados por sensores ópticos e por radar Lucas de Melo Melgaço 1 Carlos Roberto de Souza Filho 2 Michael Steinmayer 3 1 Pontifícia Universidade Católica de

Leia mais

EXTRAÇÃO AUTOMÁTICA DAS REDES DE DRENAGEM NO PANTANAL DE AQUIDAUANA: ESTUDO COMPARATIVO COM DADOS SRTM, ASTER E CARTA TOPOGRÁFICA DSG

EXTRAÇÃO AUTOMÁTICA DAS REDES DE DRENAGEM NO PANTANAL DE AQUIDAUANA: ESTUDO COMPARATIVO COM DADOS SRTM, ASTER E CARTA TOPOGRÁFICA DSG EXTRAÇÃO AUTOMÁTICA DAS REDES DE DRENAGEM NO PANTANAL DE AQUIDAUANA: ESTUDO COMPARATIVO COM DADOS SRTM, ASTER E CARTA TOPOGRÁFICA DSG Clódis de Oliveira ANDRADES FILHO 1 Hiran ZANI 2 Frederico dos Santos

Leia mais

Avaliação de Modelos Digital de Elevação para aplicação em mapeamento digital de solos na região do município de Quatá/SP

Avaliação de Modelos Digital de Elevação para aplicação em mapeamento digital de solos na região do município de Quatá/SP Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p. 793-799 Avaliação de Modelos Digital de Elevação para aplicação em mapeamento digital de solos na região do município de Quatá/SP Jonas de Assis Cinquini 1 Jener

Leia mais

MAPEAMENTO DE UNIDADES DE RELEVO DO ESTADO DO PARÁ

MAPEAMENTO DE UNIDADES DE RELEVO DO ESTADO DO PARÁ MAPEAMENTO DE UNIDADES DE RELEVO DO ESTADO DO PARÁ Furtado, A.M.M. (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ) ; Ponte, F.C. (UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ) RESUMO Este trabalho é uma análise sumária do mapeamento geomorfológico

Leia mais

IV Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação Recife - PE, 06-09 de Maio de 2012 p. 001-005

IV Simpósio Brasileiro de Ciências Geodésicas e Tecnologias da Geoinformação Recife - PE, 06-09 de Maio de 2012 p. 001-005 p. 001-005 USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO SUBSÍDIO À ANÁLISE AMBIENTAL: IMAGEM SRMT NA GERAÇÃO DOS MAPAS HIPSÓMÉTRICO E DE DECLIVIDADE DAS BACIAS DIFUSAS DA BARRAGEM BOA ESPERANÇA NO ESTADO DO PIAUÍ FELIPE

Leia mais

ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO MODELO SINMAP À RESOLUÇÃO DO MDT NA SIMULAÇÃO DE DESLIZAMENTOS NA BACIA DO RIO SAGRADO SERRA DO MAR PARANAENSE

ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO MODELO SINMAP À RESOLUÇÃO DO MDT NA SIMULAÇÃO DE DESLIZAMENTOS NA BACIA DO RIO SAGRADO SERRA DO MAR PARANAENSE ANÁLISE DA SENSIBILIDADE DO MODELO SINMAP À RESOLUÇÃO DO MDT NA SIMULAÇÃO DE DESLIZAMENTOS NA BACIA DO RIO SAGRADO SERRA DO MAR PARANAENSE Moura Bueno, K.E. (UFPR) ; Santos, I. (UFPR) ; Bauer Schultz,

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

Determinação de caminhos de contaminação das águas por líquidos poluentes

Determinação de caminhos de contaminação das águas por líquidos poluentes Determinação de caminhos de contaminação das águas por líquidos poluentes Sergio Rosim 1 Alexandre Copertino Jardim 1 João Ricardo de Freitas Oliveira 1 Henrique Rennó de Azeredo Freitas 1 1 Instituto

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE NA EXTRAÇÃO DE ATRIBUTOS HIDROLÓGICOS

UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE NA EXTRAÇÃO DE ATRIBUTOS HIDROLÓGICOS Recife - PE, 27-30 de Julho de 2010 p. 001-009 UTILIZAÇÃO DE SOFTWARE LIVRE NA EXTRAÇÃO DE ATRIBUTOS HIDROLÓGICOS JUSSARA SEVERO DA SILVA EUGÊNIO PACELLI FERNANDES LEITE ARNALDO GOMES GADELHA Instituto

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM TOPO DE MORRO. ESTUDO DE CASO: SUB-BACIA DO RIO CANOAS, MONTES CLAROS - MG

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM TOPO DE MORRO. ESTUDO DE CASO: SUB-BACIA DO RIO CANOAS, MONTES CLAROS - MG DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM TOPO DE MORRO. ESTUDO DE CASO: SUB-BACIA DO RIO CANOAS, MONTES CLAROS - MG Felipe Aquino Lima 1, Diego Brito de Oliveira 2, Rodrigo Praes de Almeida 3,

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS UTILIZAÇÃO DE DADOS DE SENSORIAMENTO REMOTO PARA A OBTENÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO IPANEMA Aline da Silva Inácio ¹; Lucas

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE MODELOS DIGITAIS DE ELEVAÇÃO PARA DELINEAMENTO AUTOMÁTICO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS NO MUNICÍPIO DE GOIÂNIA-GO Nilson Clementino Ferreira

Leia mais

SIG aplicado à caracterização morfométrica de bacias hidrográficas estudo de caso da bacia hidrográfica do rio Cubatão do Sul Santa Catarina/Brasil

SIG aplicado à caracterização morfométrica de bacias hidrográficas estudo de caso da bacia hidrográfica do rio Cubatão do Sul Santa Catarina/Brasil SIG aplicado à caracterização morfométrica de bacias hidrográficas estudo de caso da bacia hidrográfica do rio Cubatão do Sul Santa Catarina/Brasil Marcelo Pedroso Curtarelli ¹ ¹ Universidade Federal de

Leia mais

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana.

TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. TÍTULO: Aplicações de geoprocessamento na organização e gestão dos serviços de drenagem urbana. NOME DOS AUTORES: Danilo Heitor Caires Tinoco Bisneto Melo. Formação: Bacharel em Geografia, pela Universidade

Leia mais

Hidráulica Aplicada 2 Trabalho Prático

Hidráulica Aplicada 2 Trabalho Prático Escola Superior de Tecnologia e de Gestão Licenciatura em Engenharia Civil 4º ano Hidráulica Aplicada 2 Trabalho Prático Guião para execução do trabalho Mário Nuno Moreira Matos Valente 2004 1º Passo Instalação

Leia mais

Carina Petsch Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS carinapetsch@gmail.com

Carina Petsch Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS carinapetsch@gmail.com ANÁLISE COMPARATIVA DA ACURACIDADE DA REDE DE DRENAGEM GERADA AUTOMATICAMENTE E EXTRAÍDA DE CARTA TOPOGRÁFICA: ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA PR. Carina Petsch Universidade Federal do Rio

Leia mais

Modelagem da bacia hidrográfica urbana utilizando o Watershed Modeling System (WMS)

Modelagem da bacia hidrográfica urbana utilizando o Watershed Modeling System (WMS) Modelagem da bacia hidrográfica urbana utilizando o Watershed Modeling System (WMS) Francisco das Chagas de Oliveira Cacela Filho Afonso Paulo Souza Silva Ana Rosa Baganha Barp Luiz Eduardo do Canto Costa

Leia mais

Metodologia para delimitação de APPs em topos de morros segundo o novo Código Florestal brasileiro utilizando sistemas de informação geográfica

Metodologia para delimitação de APPs em topos de morros segundo o novo Código Florestal brasileiro utilizando sistemas de informação geográfica Metodologia para delimitação de APPs em topos de morros segundo o novo Código Florestal brasileiro utilizando sistemas de informação geográfica Guilherme de Castro Oliveira 1 Elpídio Inácio Fernandes Filho

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho

GEOPROCESSAMENTO. Herondino Filho GEOPROCESSAMENTO Herondino Filho Sumário 1. Introdução 1.1 Orientações Avaliação Referência 1.2 Dados Espaciais 1.2.1 Exemplo de Dados Espaciais 1.2.2 Aplicações sobre os Dados Espaciais 1.3 Categoria

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ www.anuario.igeo.ufrj.br

Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ www.anuario.igeo.ufrj.br www.anuario.igeo.ufrj.br Morfometria de Bacias Hidrográficas Através de SIGs Livres e Gratuitos Morphometric Characterization of Watersheds Using Free GIS Softwares Camila Leonardo Mioto1; Vinicius de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE BASES SRTM PARA EXTRAÇÃO DE VARIÁVEIS MORFOMÉTRICAS E DE DRENAGEM

AVALIAÇÃO DE BASES SRTM PARA EXTRAÇÃO DE VARIÁVEIS MORFOMÉTRICAS E DE DRENAGEM AVALIAÇÃO DE BASES SRTM PARA EXTRAÇÃO DE VARIÁVEIS MORFOMÉTRICAS E DE DRENAGEM João Paulo BRUBACHER, Guilherme Garcia de OLIVEIRA, Laurindo Antonio GUASSELLI, Thiago Dias LUERCE Centro Estadual de Pesquisas

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

O USO DA FERRAMENTA MODELBUILDER PARA AUTOMATIZAR A DELIMITAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS EM SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

O USO DA FERRAMENTA MODELBUILDER PARA AUTOMATIZAR A DELIMITAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS EM SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA O USO DA FERRAMENTA MODELBUILDER PARA AUTOMATIZAR A DELIMITAÇÃO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS EM SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Renan Maron Barroso* Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR, renan.brso@gmail.com;

Leia mais

Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; Email:natachaaleixo@yahoo.com.br;

Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; Email:natachaaleixo@yahoo.com.br; SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA APLICADAS À ANÁLISE DA Mesquita, M. 1 ; Silva Neto, J.C.A. 2 ; Aleixo, N.C.R. 3 ; 1 UEA Email:nsacj@hotmail.com; 2 UEA Email:joaokandido@yahoo.com.br; 3 UEA Email:natachaaleixo@yahoo.com.br;

Leia mais

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs

I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário. Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs I Seminário SIGCidades: Cadastro Territorial Multifinalitário Fundamentos de Cartografia aplicados aos SIGs 1. FORMA DA TERRA Geóide Elipsóide Esfera Modelos de representação da Terra O modelo que mais

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DO USO DE MODELOS DIGITAIS DE ELEVAÇÃO PARA A CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DA BACIA DO RIO JAPARATUBA

ANÁLISE COMPARATIVA DO USO DE MODELOS DIGITAIS DE ELEVAÇÃO PARA A CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DA BACIA DO RIO JAPARATUBA ANÁLISE COMPARATIVA DO USO DE MODELOS DIGITAIS DE ELEVAÇÃO PARA A CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DA BACIA DO RIO JAPARATUBA Acácia Maria Barros de Souza 1, Marcus Aurélio Soares Cruz 2 & Ricardo de Aragão 3 RESUMO

Leia mais

ANALYSIS METHODS FOR DETERMINATION OF SLOPE IN WATERSHED

ANALYSIS METHODS FOR DETERMINATION OF SLOPE IN WATERSHED ANÁLISE DE METODOLOGIAS PARA DETERMINAÇÃO DE DECLIVIDADE EM BACIAS HIDROGRÁFICAS. Carulina Gomes de Menezes 1 *; Alexandre Augusto Moreira Lajo 2 ; Thiago Ferreira Sanches³; Anny Keli Aparecida Alves Cândido

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO, MODELAGEM E IMPLANTAÇÃO DO BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO PARA CAFEICULTURA DO SUL DE MINAS, UTILIZANDO O MODELO DE DADOS OMT-G

ESTRUTURAÇÃO, MODELAGEM E IMPLANTAÇÃO DO BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO PARA CAFEICULTURA DO SUL DE MINAS, UTILIZANDO O MODELO DE DADOS OMT-G ESTRUTURAÇÃO, MODELAGEM E IMPLANTAÇÃO DO BANCO DE DADOS GEOGRÁFICO PARA CAFEICULTURA DO SUL DE MINAS, UTILIZANDO O MODELO DE DADOS OMT-G (Object Modelling Technique - Geographic) Tatiana G. C. Vieira¹

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXTENSÕES NO ARCGIS PARA OBTENÇÃO AUTOMÁTICA DE ESTATÍSTICAS A MONTANTE DE PONTOS

DESENVOLVIMENTO DE EXTENSÕES NO ARCGIS PARA OBTENÇÃO AUTOMÁTICA DE ESTATÍSTICAS A MONTANTE DE PONTOS DESENVOLVIMENTO DE EXTENSÕES NO ARCGIS PARA OBTENÇÃO AUTOMÁTICA DE ESTATÍSTICAS A MONTANTE DE PONTOS Weriskiney Araújo Almeida 1 * & Michel Castro Moreira 2 Resumo Importantes tarefas no gerenciamento

Leia mais

Caracterização de subambientes costeiros com base na análise de superfície de tendência: exemplo do delta do rio Doce

Caracterização de subambientes costeiros com base na análise de superfície de tendência: exemplo do delta do rio Doce Caracterização de subambientes costeiros com base na análise de superfície de tendência: exemplo do delta do rio Doce Polizel, S.P. (INPE) ; Cremon, E.H. (INPE) ; Rossetti, D.F. (INPE) RESUMO Esse trabalho

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MODELO NUMÉRICOS DE TERRENOS PARA O ESTUDO DE INSTALAÇÃO DE UMA HIDRELÉTRICA NA BARRAGEM DO ARROIO CANDIOTA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MODELO NUMÉRICOS DE TERRENOS PARA O ESTUDO DE INSTALAÇÃO DE UMA HIDRELÉTRICA NA BARRAGEM DO ARROIO CANDIOTA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES MODELO NUMÉRICOS DE TERRENOS PARA O ESTUDO DE INSTALAÇÃO DE UMA HIDRELÉTRICA NA BARRAGEM DO ARROIO CANDIOTA Luciana Rodrigues Fernandes 1 Lucas Henrique de Souza 1 Amilcar Barum²

Leia mais

Automatic delimitation and characterization of a catchment located at the Fazenda Experimental Vale do Curu in Pentecoste County - Brazil

Automatic delimitation and characterization of a catchment located at the Fazenda Experimental Vale do Curu in Pentecoste County - Brazil Delimitação e caracterização automática de uma micro-bacia hidrográfica da Fazenda Experimental Vale do Curu Pentecoste-CE 1 Automatic delimitation and characterization of a catchment located at the Fazenda

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

Avaliação do Modelo Digital do Terreno Extraído de Dados do SRTM Uma Abordagem Baseada na Declividade, Aspecto e Uso/Cobertura do Solo

Avaliação do Modelo Digital do Terreno Extraído de Dados do SRTM Uma Abordagem Baseada na Declividade, Aspecto e Uso/Cobertura do Solo Avaliação do Modelo Digital do Terreno Extraído de Dados do SRTM Uma Abordagem Baseada na Declividade, Aspecto e Uso/Cobertura do Solo Orlando Demetrio Zaloti Junior 1,2 Corina da Costa Freitas 1 Sidnei

Leia mais

Keywords: Drainage network, elevation digital model, geoprocessing, characteristics, coefficient of compactness.

Keywords: Drainage network, elevation digital model, geoprocessing, characteristics, coefficient of compactness. DETERMINAÇÃO AUTOMÁTICA DE PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE A PARTIR DE MDE Sonaly Duarte de OLIVEIRA 1, Madson Tavares SILVA 2, Edicarlos Pereira de SOUSA 3, Vicente de Paulo

Leia mais

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS

EPB0733 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE APP DA SUB- BACIA DO RIBEIRÃO DA PEDRA NEGRA, TAUBATÉ/SP, POR MEIO DE GEOTECNOLOGIAS XV Encontro de Iniciação Científica XI Mostra de Pós-graduação V Seminário de Extensão II Seminário de Docência Universitária 18 a 22 de outubro de 2010 DESAFIOS DO SABER PARA UMA NOVA SOCIEDADE EPB0733

Leia mais

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem RESUMO FRANCISCO F. N. MARCUZZO SGB / CPRM Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Revista Ceres ISSN: 0034-737X ceresonline@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Ceres ISSN: 0034-737X ceresonline@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Ceres ISSN: 0034-737X ceresonline@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Ribeiro de Mendonça, Luís Eduardo; Sânzio Aguiar Cerqueira, Elder; Álvares Soares Ribeiro, Carlos Antônio; Soares,

Leia mais

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO OBTENÇÃO DE IMAGEM DO GOOGLE EARTH PARA CLASSIFICAÇÃO DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ROGER TORLAY 1 ; OSVALDO T. OSHIRO 2 N 10502 RESUMO O sensoriamento remoto e o geoprocessamento trouxeram importantes avanços

Leia mais

DRHi-SF - DISPONIBILIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO SÃO FRANCISCO

DRHi-SF - DISPONIBILIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO SÃO FRANCISCO DRHi-SF - DISPONIBILIDADE DOS RECURSOS HÍDRICOS NA BACIA DO SÃO FRANCISCO João Felipe Souza 1 ; Fernando Falco Pruski 2, Renata del Giudice Rodriguez 3 & Heber Tormentino de Sousa 4 RESUMO A bacia do rio

Leia mais

Lineamentos estruturais a partir de imagem Landsat TM e dados SRTM. Clódis de Oliveira Andrades Filho 1 Leila Maria Garcia Fonseca 1

Lineamentos estruturais a partir de imagem Landsat TM e dados SRTM. Clódis de Oliveira Andrades Filho 1 Leila Maria Garcia Fonseca 1 Lineamentos estruturais a partir de imagem Landsat TM e dados SRTM Clódis de Oliveira Andrades Filho 1 Leila Maria Garcia Fonseca 1 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Caixa Postal 515-12245-970

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

Mapeamento Geomorfológico a partir de dados SRTM: Município de Teresina, Piauí

Mapeamento Geomorfológico a partir de dados SRTM: Município de Teresina, Piauí Mapeamento Geomorfológico a partir de dados SRTM: Município de Teresina, Piauí Maria Valdirene Araújo Rocha Moraes 1 Iracilde Maria de Moura Fé Lima 2 1 Universidade Federal do Piauí UFPI/DGH valdirene@ufpi.edu.br

Leia mais

ANAIS do XXIX Congresso Brasileiro de Espeleologia Ouro Preto MG, 07-10 de junho de 2007 - Sociedade Brasileira de Espeleologia

ANAIS do XXIX Congresso Brasileiro de Espeleologia Ouro Preto MG, 07-10 de junho de 2007 - Sociedade Brasileira de Espeleologia GEOESPACIALIZAÇÃO DAS CAVERNAS TOCA DO FALCÃO E FENDA DO BARREIRO-DISTRITO FEDERAL E ANÁLISE MINERALÓGICA A PARTIR DE DIFRATOMETRIA DE RAIOS-X Diogo Luiz Orphão de CARVALHO¹, Lindalva Ferreira CAVALCANTE²

Leia mais

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica

Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Universidade Federal do Ma Pós-Graduação em Eng. Elétrica Computação Gráfica II Sistemas de Informação Geográfica Prof. Anselmo C. de Paiva Depto de Informática Introdução aos Sistemas de Informação Geografica

Leia mais

Palavras-chave: remote sensing, image processing, sensoriamento remoto, processamento de imagens.

Palavras-chave: remote sensing, image processing, sensoriamento remoto, processamento de imagens. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL DE DADOS SRTM NA GERAÇÃO DE PRODUTOS DE COMUNICAÇÃO E NA ATUALIZAÇÃO DE MAPA DE DRENAGEM PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS, BRASIL Charles Rezende Freitas 1, Ana Clara Mourão Moura

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO

REPRESENTAÇÃO DO RELEVO REPRESENTAÇÃO DO RELEVO Nas cartas topográficas o relevo é representado através de curvas de níveis e pontos cotados com altitudes referidas ao nível médio do mar (datum vertical) Ponto Cotado - é a projeção

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

Formas de representação:

Formas de representação: 1 Formas de representação: Curvas de Nível Perfil Topográfico Carta Hipsométrica Maquete de Relevo 2 CURVAS DE NÍVEL São isolinhas de altitude, ou seja linhas que representam todos os pontos de igual altitude

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

Fundo para o Meio Ambiente Mundial

Fundo para o Meio Ambiente Mundial Organização do Tratado de Co Amazônica Fundo para o Meio Ambiente Mundial Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente Universidade Federal do Pará Grupo de Estudos Marinhos e Costeiros PROJETO GESTÃO

Leia mais

Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares.

Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares. Produção de Mapas de Uso do solo utilizando dados CBERS-2B, como estágio intermerdiário para estudos de processos erosivos laminares. Nome do Autor 1: Wagner Santos de Almeida Universidade de Brasília,

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE GEOINFORMAÇÕES: APLICAÇÃO DAS GEOTECNOLOGIAS EM HIDROGEOLOGIA. Paulo Sérgio de Rezende Nascimento 1

INTEGRAÇÃO DE GEOINFORMAÇÕES: APLICAÇÃO DAS GEOTECNOLOGIAS EM HIDROGEOLOGIA. Paulo Sérgio de Rezende Nascimento 1 INTEGRAÇÃO DE GEOINFORMAÇÕES: APLICAÇÃO DAS GEOTECNOLOGIAS EM HIDROGEOLOGIA Paulo Sérgio de Rezende Nascimento 1 1 Engº Geólogo, Professor Visitante da Pós-Graduação do Depto. Geociências, UFAM, Manaus-AM,

Leia mais

MODELOS DIGITAIS DE ELEVAÇÃO SRTM E ASTER APLICADOS A ESPACIALIZAÇÃO DA TEMPERATURA DO AR NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

MODELOS DIGITAIS DE ELEVAÇÃO SRTM E ASTER APLICADOS A ESPACIALIZAÇÃO DA TEMPERATURA DO AR NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO MODELOS DIGITAIS DE ELEVAÇÃO SRTM E ASTER APLICADOS A ESPACIALIZAÇÃO DA TEMPERATURA DO AR NA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO Roberto D. B. dos Santos 1, Lislaine Sperandio 2, Kaio A. C. Gasparini

Leia mais

Análise Comparativa entre os modelos digitais de elevação ASTER, SRTM e TOPODATA. Elena Charlotte Landau 1 Daniel Pereira Guimarães 2

Análise Comparativa entre os modelos digitais de elevação ASTER, SRTM e TOPODATA. Elena Charlotte Landau 1 Daniel Pereira Guimarães 2 Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.4003 Análise Comparativa entre os modelos digitais de elevação ASTER, SRTM e

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43 AQUISIÇÃO, TRATAMENTO E DISPONIBILIZAÇÃO DE IMAGENS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL AVALIAÇÃO DA SITUAÇÃO TOPOGRÁFICA DOS VINHEDOS NO VALE DOS VINHEDOS, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL ELISEU WEBER, ELIANA CASCO SARMENTO, HEINRICH HASENACK Universidade Federal do Rio Grande do Sul, eweber@portoweb.com.br

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

O software ILWIS Integrated Land and Water Information System)

O software ILWIS Integrated Land and Water Information System) O software ILWIS Integrated Land and Water Information System) A idéia deste pequeno tutorial é divulgar o uso do software livre ILWIS e suas aplicações em Sistema de Informação Geográfica e Geoprocessamento.

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS NA ANÁLISE ESPACIAL DE IMPACTOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO JAPARATUBA, EM SERGIPE

A UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS NA ANÁLISE ESPACIAL DE IMPACTOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO JAPARATUBA, EM SERGIPE A UTILIZAÇÃO DE GEOTECNOLOGIAS NA ANÁLISE ESPACIAL DE IMPACTOS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO JAPARATUBA, EM SERGIPE Sandra Andréa Souza Rodrigues 1 PESQUISA FORA DO CONTEXTO EDUCACIONAL Resumo O estudo da

Leia mais

ANALISE DE ANOMALIAS DE DRENAGEM NA ÁREA ABRANGIDA PELA CARTA TOPOGRÁFICA DE MAUÁ DA SERRA PR

ANALISE DE ANOMALIAS DE DRENAGEM NA ÁREA ABRANGIDA PELA CARTA TOPOGRÁFICA DE MAUÁ DA SERRA PR ANALISE DE ANOMALIAS DE DRENAGEM NA ÁREA ABRANGIDA PELA Bueno Vargas, K. 1 ; de Sordi, M.V. 2 ; Fortes, E. 3 ; Souza Jayme, N. 4 ; Prado Alves Junior, A. 5 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Email:karinevargasgeo@hotmail.com;

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

HIDROGEOMORFOLOGIA DA PAISAGEM DO MÉDIO-BAIXO RIO TAPAJÓS

HIDROGEOMORFOLOGIA DA PAISAGEM DO MÉDIO-BAIXO RIO TAPAJÓS HIDROGEOMORFOLOGIA DA PAISAGEM DO MÉDIO-BAIXO RIO TAPAJÓS Ivinny Barros de Araújo 1 & Aline Maria Meiguins de Lima 2 *& Cleber Assis dos Santos 3 Resumo A bacia hidrográfica do rio Tapajós abrange 3 estados

Leia mais