JOÃO ALMEIDA LOPES NOVO PRESIDENTE DA APIFARMA ENTREVISTA P.5 NOTÍCIAS APIFARMA32.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JOÃO ALMEIDA LOPES NOVO PRESIDENTE DA APIFARMA ENTREVISTA P.5 NOTÍCIAS APIFARMA32. www.apifarma.pt"

Transcrição

1 NOTÍCIAS APIFARMA32 PUBLICAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA PORTUGUESE ASSOCIATION OF PHARMACEUTICAL INDUSTRY S NEWSLETTER JOÃO ALMEIDA LOPES NOVO PRESIDENTE DA APIFARMA ENTREVISTA P.5

2 ÍNDICE APIFARMA 2.3 ENTREVISTA João Almeida Lopes Presidente da APIFARMA 5. FICHA TÉCNICA DEONTOLOGIA Apifarma e Academia Portuguesa da Medicina assinam protocolo de cooperação 12. Novo Código da IFPMA sobre Prácticas de Marketing Farmacêuitico 13. EDIÇÃO E PROPRIEDADE APIFARMA - Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica. Rua Pêro da Covilhã, 22 PT LISBOA PORTUGAL. Telefs.: Fax: /8/9 PAGINAÇÃO E PRODUÇÃO GRÁFICA alphadesign DISTRIBUIÇÃO Gratuita TIRAGEM exemplares REGISTO INTERNACIONAL PharmaPortugal ruma a Moçambique 14. CIDADANIA ACTIVA Retratos da Vida de um Médico Professor Machado Macedo 22. Investigadores premiados pela Apifarma 23. BIÉNIO 2007/2008 Novos Orgãos Sociais da Apifarma tomaram posse no dia 15 de Janeiro DIRECÇÃO PRESIDENTE João Pedro de Almeida Lopes Laboratório Medinfar Produtos Farmacêuticos, S.A. VICE-PRESIDENTE Manuel Ferreira Gonçalves GlaxoSmithKline Produtos Farmacêuticos, Lda. VICE-PRESIDENTE Alberto Guilherme Pereira Aguiar AstraZeneca - Produtos Farmacêuticos, Lda. TESOUREIRA Ana Maria Barata Repenicado Dias Portela & Ca., S.A. (Laboratórios Bial) António Ricardo Chaves Costa Tecnifar Indústria Técnica Farmacêutica, S.A. António Manuel da Silva Viana Sanofi-Synthelabo Produtos Farmacêuticos, S.A. João Paulo Cardoso Barroca Bayer Portugal, S.A Jorge Saavedra Laboratórios Pfizer, lda. José Carlos de Almeida Bastos Merck Sharp & Dohme, lda. ASSEMBLEIA GERAL PRESIDENTE DA MESA João Gomes Esteves PRIMEIRO SECRETÁRIO José Albino Matos Mendes Servier Portugal Especialidades Farmacêuticas, Lda. SEGUNDO SECRETÁRIO Francisco Bráz de Castro Labesfal - Laboratórios Almiro, S.A. CONSELHO FISCAL PRESIDENTE João de Lara Everard Korangi - Produtos Farmacêuticos, SA Pedro Barosa Schering-Plough Farma, Lda. Volker Lehmann-Braun Grunenthal, S.A. CONSELHO ESTRATÉGICO Adriano Treve Roche Farmacêutica Química, Lda. Carlos Rombo Roche - Sistemas de Diagnósticos, Sociedade Unipessoal, Lda Hélder Cássis Laboratórios Vitória, S.A. Joaquim Alberto Vieira Coimbra Jaba Farmacêutica, S.A. José Santos Om Portuguesa - Lab. Esp. Farma., S.A. Kim Stratton Novartis Farma - Produtos Farmacêuticos, S.A. Leonel Nóbrega Angelini Farmacêutica, Lda. Luis Filipe Sampaio dos Reis MediRex Pharma, Lda. Miguel Vigeant Gomes Janssen Cilag Farmacêutica, Lda. Pedro Ferraz da Costa Iberfar - Indústria Farmacêutica., S.A. Piet Dury Astellas Farma, Lda. Rui Fernando Jesus Santos Laboratórios Delta, lda. Thebar David de Oliveira Miranda Laboratórios Azevedos - Ind.Farma.,S.A. Viktor Riedl Lilly Portugal - Prod. Farmacêuticos, Lda.

3 ENTREVISTA 4.5 A Indústria Farmacêutica é vital para o País João Almeida Lopes tomou posse como novo Presidente da Apifarma a 15 de Janeiro de Fê-lo, segundo afirma, por espírito de missão. Com 57 anos, pertenceu a várias Direcções da Associação e assume o seu orgulho por trabalhar na Indústria Farmacêutica. Espera poder melhorar as percepções sobre o sector, em colaboração estreita com os associados da Apifarma e todas as entidades da Saúde. Notícias Apifarma (NA): Primeiras impressões como Presidente da Apifarma João Almeida Lopes (JAL): É uma tarefa exigente e estimulante, às vezes preocupante. Como tudo na vida, tem uns aspectos mais positivos que outros. NA: Quais são os aspectos mais positivos e os menos positivos? JAL: Entre os aspectos mais simpáticos está poder trabalhar em equipa, em projectos que possam ter alguma originalidade, e tentar introduzir percepções diferentes sobre o que pensamos hoje da Saúde e da Indústria Farmacêutica. Por outro lado, confesso que às vezes tenho pouca paciência para os formalismos que o cargo exige. Também o mediatismo não é o que mais ansiava na vida. 2.3

4 ENTREVISTA ENTREVISTA 6.7 NA: Quais são as prioridades do seu mandato? JAL: Um dos nossos grandes objectivos é melhorar e tornar mais eficiente a comunicação com os associados e com as instituições mais intervenientes na área da Saúde. No final do mandato, gostaríamos de olhar para trás e constatar que contribuímos para melhorar as percepções das pessoas relativamente ao sector. NA: Acha que essas percepções são, hoje em dia, negativas? JAL: São talvez ambíguas ou ambivalentes. Tenho dúvidas que a sociedade reconheça a real dimensão do extraordinário impacto da Indústria Farmacêutica actualmente. A Saúde é um bem que todos desejamos para nós próprios e para os que nos são próximos e uma das nossas grandes prioridades. Mas como agentes dessa mesma saúde somos às vezes questionados. A Indústria Farmacêutica é vítima do seu próprio sucesso NA: E como se contraria essa tendência? JAL: Informando, melhorando a comunicação, esclarecendo, estudando os dossiers e partilhando-os com outras entidades e com a sociedade em geral, no sentido de propiciar a quem de direito as decisões mais adequadas. Tenho dúvidas que a sociedade reconheça a real dimensão do extraordinário impacto da Indústria Farmacêutica actualmente Temos dificuldade em aceitar as medidas do Governo. Em Portugal, o Estado tende a externalizar a resolução dos seus problemas NA: O momento é mau para a Indústria Farmacêutica? JAL: O passado recente foi duro para a Indústria Farmacêutica. Tivemos duas baixas significativas de preços em pouco mais de um ano. A rentabilidade é necessariamente menor e as empresas têm que reequacionar investimentos, recursos, estratégias, em todas as áreas. NA: Como interpreta estas medidas do Governo? JAL: Compreendemo-las mas temos dificuldade em aceitá-las. Em Portugal, o Estado tende a externalizar a resolução dos seus próprios problemas. NA: Que reflexos têm tido estas e outras medidas no sector? JAL: Os efeitos não são positivos, obviamente. Temos vindo a assistir, por exemplo, a uma queda da quota de mercado das empresas de base nacional. NA: Posso interpretar pelas suas palavras que Portugal se tornou um país desinteressante para os operadores nacionais? JAL: Cada vez menos interessante para nacionais e internacionais, muito embora seja a casa de partida das empresas nacionais, é o seu mercado de base. É um país pequeno e periférico, onde os preços dos medicamentos estão claramente abaixo da média europeia. No entanto, a Indústria Farmacêutica não é desinteressante para o País. O País precisa da Indústria e reconheceu isso ao declará-la como sector estratégico. Mas isso não basta

5 ENTREVISTA ENTREVISTA 8.9 Portugal é um país cada vez menos interessante para empresas farmacêuticas internacionais NA: O que seria necessário para inverter a tendência? JAL: Estabilidade legislativa, simplificação de procedimentos e uma visão clara dos ganhos em saúde que os medicamentos em geral e a inovação terapêutica em particular trazem para todos os que vivem em Portugal. Todos queremos mais e melhor saúde e as soluções tendem a ser cada vez mais custo-efectivas. Isso não quer dizer que sejam mais baratas. Estaríamos a enganar-nos a nós próprios se disséssemos que a saúde será, no futuro, mais barata. Basta olhar para alguns países europeus onde o montante do PIB afecto à Saúde já está a aumentar. Ter um medicamento prescrito pelo médico e não o tomar é tão idiota como ter um carro com cinto de segurança e não o usar NA: Os portugueses não cumprem as terapêuticas? JAL: Por razões culturais, os portugueses abandonam as terapêuticas quando já não registam as sintomatologias. E esse comportamento prejudica o doente (que não se trata), o Estado (que consumiu recursos que não foram eficientemente utilizados por aquele doente) e em terceiro lugar - mas não menos importante - toda a sociedade, que vê defraudados os seus investimentos em Saúde. NA: Importa-se de explicar melhor esta última ideia? JAL: Há um grande número de medicamentos em determinadas patologias cujo objectivo é prevenir a ocorrência de males maiores. Seria importantíssimo contabilizar os prejuízos para a sociedade de acidentes sérios de saúde por parte daqueles que deixam de tomar medicamentos devidamente prescritos. Ter um medicamento prescrito pelo médico e não o tomar é tão idiota como ter um carro com cinto de segurança e não o usar. NA: O que preconiza para a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde? JAL: Temos colaborado com os Governos ao subscrevermos protocolos com tectos de crescimento do mercado de medicamentos. Mas há outras formas de colaborar: uma matéria importantíssima, por exemplo, é a da compliance, da adesão dos doentes aos respectivos tratamentos. É interessante verificar que não somos os únicos a preocupar-nos com esta questão: as farmácias portuguesas desenvolveram recentemente uma campanha sobre o assunto.

6 ENTREVISTA ENTREVISTA NA: Como perspectiva a colaboração da Apifarma com os Parceiros (nomeadamente profissionais de saúde, farmácias e grossistas) ao longo do seu mandato? JAL: É fundamental uma boa relação entre todos os parceiros para que toda a área da Saúde seja eficiente, eficaz e bem percepcionada. Não nos podemos esquecer que a Saúde é um dos poucos indicadores em que Portugal está acima da média europeia (está em 12º lugar no ranking da OCDE). Todos nós nos devemos orgulhar disso. É, evidentemente, um sucesso partilhado. A simplificação de procedimentos é absolutamente essencial à Indústria Farmacêutica Estaríamos a enganar-nos a nós próprios se disséssemos que a Saúde será, no futuro, mais barata NA: E quanto à entidade reguladora, o Infarmed? JAL: A simplificação de procedimentos é absolutamente essencial para a vida das empresas. É um corolário inteligente da governação, com muito mais ganhos do que à primeira vista imaginamos. Muito nos satisfaz que o actual Conselho de Administração do Infarmed partilhe connosco deste entendimento. É um bom ponto de partida, uma vez que há um longo caminho a percorrer. E espero que seja percorrido a bom ritmo.

7 DEONTOLOGIA DEONTOLOGIA Disponível para consulta no nosso site em Deontologia ou na nossa Extranet em Áreas temáticas - Deontologia. TRANSPARÊNCIA NA RELAÇÃO MÉDICOS/INDÚSTRIA Apifarma e Academia Portuguesa da Medicina assinam protocolo de cooperação A Apifarma e a Academia Portuguesa de Medicina, representados, respectivamente, por João Almeida Lopes e por João Lobo Antunes, assinaram recentemente na Faculdade de Medicina de Lisboa um Protocolo de Colaboração que tem por objecto o estudo e a defesa dos princípios éticos no exercício da Medicina. Como primeira acção no âmbito do Protocolo, a Academia Portuguesa de Medicina realizará um estudo sobre "Conflitos de Interesse na Medicina Actual", para divulgação externa. Este Protocolo foi celebrado com base na "necessidade de reforçar a dimensão ética do exercício da Profissão Médica, em todas as suas dimensões, nomeadamente no seu relacionamento com a Indústria Farmacêutica". João Almeida Lopes, Presidente da Apifarma, salienta que "a sociedade actual é muito exigente em termos de rigor, isenção, independência e ética". Defendendo que "os cidadãos têm o direito de confiar integralmente nos agentes da Saúde", João Almeida Lopes reforça que "a Indústria Farmacêutica não pode deixar de estar empenhada nesta matéria". A Academia Portuguesa de Medicina, presidida agora por João Lobo Antunes, pretende produzir documentos, pareceres e orientações que possam ter influência na sociedade portuguesa, comprometendo-se a terminar em 2008 o projecto sobre "Conflitos de Interesse em Medicina Actual". Novo Código da IFPMA sobre Práticas de Marketing Farmacêutico O novo Código Deontológico da IFPMA sobre Práticas de Marketing Farmacêutico, que entrou em vigor no dia 1 de Janeiro de 2007, propõe às empresas da Indústria Farmacêutica regras mais claras quanto à promoção ética dos seus produtos junto dos profissionais de saúde, nomeadamente quanto a eventos internacionais, patrocínio, hospitalidade, entretenimento e ofertas. Este Código é formado por um conjunto de requisitos mínimos, acordados entre as associações e as empresas membros da Federação Internacional, que deve servir de base aos códigos deontológicos nacionais. Uma das novidades é a criação de um procedimento de queixa de eventuais violações do Código. Se, depois da investigação e da análise da denúncia por um grupo ad hoc, se concluir que houve violação de uma norma, proceder-se-á à publicação do caso, incluindo o nome da empresa infractora e a natureza da violação, no site da IFPMA. No seguimento da revisão deste diploma a IFPMA criou, no passado dia 15 de Fevereiro, uma nova secção no seu website dedicada à Promoção Ética Nesta página pode encontrar o novo Código da IFPMA, os códigos deontológicos das associações e das empresas membros da Federação Internacional e instruções sobre o procedimento de denúncia. Nesta secção serão também publicados os casos de infracção de normas. O Código Deontológico da Apifarma não sofreu qualquer alteração, uma vez que já previa todos estes princípios. Ele reflecte também o que está consagrado no Código Deontológico da Federação Europeia da Indústria Farmacêutica.

8 INTERNACIONALIZAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PharmaPortugal ruma a Moçambique O Pharmaportugal estará no próximo dia 16 de Março na cidade de Maputo, em Moçambique, para um simpósio dedicado aos 10 anos de licenciatura de Farmácia em Moçambique e ao valor acrescentado da intervenção farmacêutica. Este seminário, organizado no Instituto Superior de Ciências e Tecnologia de Moçambique e em colaboração com a Ordem dos Farmacêuticos, contará com a presença dos Ministros da Saúde e da Educação moçambicanos, do Bastonário da Ordem dos Farmacêuticos e dos Presidentes das Faculdades de Farmácia da Universidade de Lisboa, Coimbra e Porto. Com o objectivo de lançar futuros projectos de cooperação com Moçambique, o projecto Pharmaportugal estará representado pelo Dr. Rui Loureiro para a área do medicamento, pela Dra. Paula Costa para a área da indústria farmacêutica, e pelo Dr. João Martins para a área da distribuição, num debate moderado pelo Dr. Thebar Miranda. O projecto Pharmaportugal tem vindo a realizar diferentes acções entre elas semanários temáticos, a monitorização de dados do sector farmacêutico a nível internacional, a criação e o registo da marca PharmaPortugal, a criação de um site a participação regular na CPHI Worldwide, o maior certame internacional do sector farmacêutico e, ainda, a realização de road shows e feiras farmacêuticas em Angola, Argélia, Tunísia e Cabo Verde.

9 ASSUNTOS REGULAMENTARES ASSUNTOS REGULAMENTARES Quadro de Referência Estratégico Nacional apresentado publicamente Apresentado recentemente, o Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) prevê um investimento global de 44,7 mil milhões de euros, sendo 21,5 provenientes dos fundos da União Europeia, e o restante do Estado e de privados portugueses. Os fundos organizam-se em três agendas temáticas que visam promover o potencial humano, os factores de competitividade, a valorização do território e, ainda, sete programas operacionais regionais. No Plano Operacional dos Factores de Competitividade da Economia, os itens definidos como prioritários são o Conhecimento e Desenvolvimento Tecnológico e a Inovação e Renovação do Modelo Empresarial e do Padrão de Especialização. No Plano Operacional do Potencial Humano, as prioridades são a Qualificação Inicial, Adaptabilidade e Aprendizagem ao longo da vida. O item Cidadania, Inclusão e Desenvolvimento Social Qualidade de Vida das pessoas portadoras de diferença ou incapacidade, cabe potencialmente na área de intervenção das Associações de Doentes. O novo Quadro de Referência Estratégico Nacional pode ser consultado em e vigorará no período de As despesas elegíveis de Projectos que venham a ser aprovados são-no a partir de 1 de Janeiro de Estatuto do medicamento A publicação do Estatuto do Medicamento veio colocar novos desafios e oportunidades aos parceiros da área do medicamento. Nesta fase, estão a ser publicadas algumas directrizes à implementação da nova legislação farmacêutica, criando procedimentos necessários a sua plena aplicação. DESTACA-SE: - Circular Informativa N.º 097/CA, de 08/09/2006: Esclarecimentos relativos a pedidos de autorização de introdução no mercado por procedimento nacional - Circular Informativa N.º 103/CA, de 28/09/2006: Relatórios Periódicos de Segurança de medicamentos autorizados por procedimento nacional. - Circular Informativa nº 125/CA de 27/11/06: Versão consolidada Renovações de autorização de introdução no mercado obtida por procedimento nacional Na implementação do novo código do medicamento, a APIFARMA considera essencial salvaguardar, os seguintes aspectos: Criar mecanismos de flexibilização na interpretação e aplicação dos novos requisitos definidos pelo Estatuto do Medicamento; Desenvolver os procedimentos necessários à sua plena aplicação, privilegiando a agilidade e adaptação progressiva pelas empresas; Seguir as recomendações comunitárias, em convergência com a prática dos mercados europeus; Constituir grupos de trabalho entre o Infarmed e a Apifarma, de forma a dirimir os aspectos técnicos da nova regulamentação. Corte no preço dos medicamentos O Orçamento de Estado para 2007 que entrou em vigor no dia 1 de Janeiro de 2007 veio estabelecer uma redução de 6% nos preços de venda ao público dos medicamentos comparticipados para o ano de 2007, fixando em simultâneo as novas margens de comercialização, 6,87% para os distribuidores por grosso e 18,25% para as farmácias. Esta redução teve efeitos a partir do dia 1 de Fevereiro de 2007, e foi regulamentada pela Portaria nº 30-B/2007 de 5 de Janeiro, que revogou a Portaria nº 618-A/2005. Entretanto, o Conselho de Ministros de 4 de Janeiro de 2007 aprovou um Decreto-Lei que implementa uma nova metodologia de preços para os medicamentos, que inclui a Grécia como país de referência e altera a regra de cálculo dos preços dos medicamentos para Portugal, deixando de se considerar o preço mais baixo dos países de referência e passando a vigorar a média dos preços dos países de referência. Renovações de Autorizações de Introdução no Mercado (AIM) A APIFARMA considera que: 1) Aos pedidos de Renovação de autorização de introdução no mercado, que deram entrada nos serviços do INFARMED antes de 31 de Agosto de 2006 não deve ser requerida a re-submissão de pedidos de renovação pendentes de avaliação, submetidos de acordo com o D.Lei 72/91, e que a actual legislação não deve ter efeitos retroactivos. 2) Para todos os pedidos de Renovação de autorização de introdução no mercado, que deram entrada nos serviços do INFARMED, a partir de 31 de Agosto de 2006, as empresas deverão re-submeter estes pedidos e instruí-los de acordo com a legislação em vigor (DL 176/2006), seguindo a Guideline Europeia, à imagem do que é feito para os processos de Reconhecimento. Mútuo e Centralizados (Submissão do Módulo I, II, e V (modelo CTD): Formato - Papel e CD-ROM) Sétimo Programa-Quadro FP7 é a sigla que designa o Sétimo Programa-Quadro para a Investigação e o Desenvolvimento Tecnológico. Este é o principal instrumento da EU para financiar a investigação na Europa e estará em vigor de 2007 a 2013, com um aumento de verbas de cerca de 41% em relação ao FP6. O FP7 apoia a investigação em áreas prioritárias seleccionadas. O seu objectivo é tornar ou manter a União Europeia na posição de líder mundial nesses sectores. A saúde e a investigação de ponta, a formação inicial de investigadores, a formação contínua e a investigação para benefício das PMEs são algumas das áreas visadas pelo Programa. O documento integral pode ser consultado em

10 APIFARMA APIFARMA Great Place to Work reúne com sócios da Apifarma Os sócios da Apifarma reuniram no dia 26 de Fevereiro com o Great Place to Work Institute Portugal para a divulgação do Estudo das Melhores Empresas para Trabalhar em Portugal Este estudo permite a melhoria do desempenho em situações que envolvam questões humanas e organizacionais, além do próprio impacto mediático que a empresa usufrui na possibilidade de integrar a Lista das Melhores Empresas para Trabalhar. Este estudo é realizado com base em ferramentas com mais de 20 anos de pesquisa e com primordial foco nas melhores práticas. EFPIA lança novo site A Federação Europeia da Indústria Farmacêutica lançou recentemente um novo site em Para além de uma alteração gráfica, este site apresenta uma nova estrutura de organização que possibilita aos seus utilizadores acederem directamente aos assuntos prioritários da EFPIA. Outra das inovações apresentadas é a concretização de um micro site sobre Medicines for Mankind, que pode ser consultado em Apifarma colabora na formação de jovens jornalistas Na sequência de uma parceria que a Apifarma tem já alguns anos com a Escola Superior de Comunicação Social será realizado um atelier de comunicação com os finalistas do curso. Este seminário tem o objectivo de despertar os alunos para a realidade empresarial levando-os a debruçarem-se sobre temáticas relativas à Indústria Farmacêutica, sujeitas a avaliação. Enews: nova forma de comunicação com os associados A partir do próximo mês de Março a Apifarma inicia uma nova forma de comunicação com os associados através do envio diário de um com o resumos dos assuntos mais importantes do dia. Este novo sistema de comunicação vai tornar mais fluida e consistente a comunicação com os associados, que passarão a receber apenas um diário com toda a informação produzida pela associação.

11 LEGISLAÇÃO LEGISLAÇÃO Decreto-Lei nº 235/2006, 6 de Dezembro Estabelece o regime de instalação, abertura e funcionamento de farmácia de dispensa de medicamentos ao público nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde e as condições da respectiva concessão por concurso público. Despacho nº 25811/2006 do Ministro da Saúde (2ª série), de 20 de Dezembro Cria um grupo de trabalho para proceder à elaboração de um programa de intervenção no âmbito do medicamento hospitalar. Deliberação nº 1772/2006 do CA do Infarmed (2ª série), de 21 de Dezembro Define as regras a que obedece a avaliação prévia dos medicamentos reservados exclusivamente a tratamentos em meio hospitalar a ser adquiridos pelos Hospitais do Serviço Nacional de Saúde (instruções para o pedido de avaliação prévia, modelo do respectivo requerimento e modelo do Relatório Mensal da Comissão de Farmácia e Terapêutica) Decreto-Lei nº 242-B/2006, 29 de Dezembro Acórdão n.º 666/2006 do Tribunal Constitucional Estabelece o sistema de pagamento, às farmácias, da comparticipação do Estado no preço dos medicamentos. Entrou em vigor no passado dia 26 de Janeiro o Regulamento (CE) nº 1901/2006 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de Dezembro, relativo a medicamentos para uso pediátrico. Portaria n.º 154/2007, de 31 de Janeiro Cria o Código Hospitalar Nacional do Medicamento (CHNM). Resolução da Assembleia da República n.º 4/2007, publicada no DR de 5 de Fevereiro Recomenda ao Governo a adopção de medidas de expansão do mercado de genéricos e de incentivo ao seu consumo, de medidas de redução do desperdício de medicamentos prescritos (através da criação da unidose na dispensa e na comercialização em ambulatório) e de orientações em diagnóstico e terapêutica. Decreto-Lei nº 242-A/2006, 29 de Dezembro Despacho nº 25909/2006 do Secretário de Estado da Saúde (2ª série), de 21 de Dezembro Actualiza os grupos terapêuticos. Prorroga até 31 de Dezembro de 2007 a majoração de 20% para o preço de referência dos medicamentos adquiridos pelos utentes do regime especial, prevista no n.º 2 do art. 6º do DL n.º 270/2002, de 2 de Dezembro, na redacção que lhe foi introduzida pelo DL n.º 127/2006, de 4 de Julho. Publicado no DR de 4 de Janeiro de 2007, declara a inconstitucionalidade formal, com força obrigatória geral, do Despacho n.º 2837/2004 (2ª série), de 7 de Fevereiro que regula o acesso dos delegados de informação médica aos estabelecimentos e serviços do Serviço Nacional de Saúde. Actualmente, vigora o Despacho n.º 9630/2001, de 8 de Maio, que determina que os delegados de informação médica devem respeitar a legislação em vigor em matéria de publicidade de medicamentos e que as regras sobre visita médica são definidas pelas Administrações Regionais de Saúde.

12 CIDADANIA ACTIVA CIDADANIA ACTIVA PROFESSOR MACHADO MACEDO Retratos da Vida de um Médico Marcelo Rebelo de Sousa e João Lobo Antunes fizeram às empresas associadas da Apifarma a apresentação do livro Retratos da Vida de um Médico Os dias e os trabalhos do Prof. Doutor Manuel Eugénio Machado Macedo, antigo Bastonário da Ordem dos Médicos. Discípulo de Machado Macedo, João Lobo Antunes manifestou o desejo de que se encete um novo tipo de relacionamento entre a Apifarma e os Médicos. Relembrando momentos do passado, Marcelo Rebelo de Sousa referiu ter testemunhado o carinho que Machado Macedo tinha pela Apifarma e a forma como a defendeu, mesmo à custa de sacrifícios pessoais. Considerou, pois, justíssima esta homenagem feita pela Apifarma: É virtuoso que a Associação tenha memória e que a manifeste em forma de gratidão. O livro, coligido e organizado por João Amaral, faz o percurso biográfico de Manuel Machado Macedo, figura incontornável não só da Medicina, mas também da Política e da Sociedade portuguesa da segunda metade do século XX. O evento decorreu às 18h30 do dia 27 de Fevereiro na Sala Almada Negreiros do Centro Cultural de Belém. PRÉMIO HOMENAGEM 2006 Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal O Prémio Homenagem 2006, atribuído pela SPEM, foi este ano entregue à AFPD (Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal). Entidade fundada em 1926, conta neste momento com cerca de doentes assistidos. De uma Associação com fins essencialmente caritativos e filantrópicos, transformou-se numa instituição de saúde moderna, de referência. Vocacionou-se também para a defesa dos direitos dos respectivos associados e doentes e para uma correcta integração dos doentes crónicos na sociedade. Cumpre igualmente a função Clínica, prestadora de cuidados médicos integrados e diferenciados ao doente com a patologia a que assiste, sem descurar os aspectos formativos e de investigação inerentes à excelência dos serviços prestados. Investigadores premiados pela Apifarma A Apifarma premiou recentemente, em colaboração com a Fundação Calouste Gulbenkian, três investigadores nacionais com o Prémio Mobilidade.Esta cerimónia contou com a presença do João Gomes Esteves, Diogo Lucena, da Universidade Nova de Lisboa, Manuel Heitor, secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e Rui Vilar, presidente do Conselho de Administração da Fundação Calouste Gulbenkian. Os prémios foram atribuídos a Astrid Vicente, do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge; António Jacinto, do Instituto de Medicina Molecular; e José António Belo, do Centro de Biomedicina Molecular e Estrutural da Universidade do Algarve. João Gomes Esteves, Presidente da Apifarma à data da atribuição do prémio, salienta que este prémio pretende demonstrar esperança no futuro da ciência biomédica portuguesa e que a criação de uma rede de excelência de cientistas portugueses é condição fundamental para promover o impacte científico e médico das investigações nacionais. Quatro novas associações de doentes parceiras A Raríssimas, a Associação Portuguesa de Psoríase, a Associação Portuguesa de Infertilidade e a Respira são as mais recentes associações parceiras da Apifarma, num total de 28. Esta parceria, iniciada em 1999, tem por objectivo principal a partilha de informação, a divulgação das associações parceiras e o estabelecimento de posições comuns relativamente à política da saúde e do medicamento. Ambiente e Responsabilidade Social A Apifarma fez recentemente uma parceria com a AMI Assistência Médica Internacional, aderindo ao projecto de reciclagem de consumíveis informáticos (tinteiros e toners) e telemóveis (avariados ou em desuso) que resultam altamente nocivos para o ambiente, pois contêm resíduos poluentes. Estes bens vão contribuir para acções humanitárias médicas e sociais que a AMI desenvolve em Portugal e no Mundo.

13

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

MINISTÉRIO da SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE

MINISTÉRIO da SAÚDE. Gabinete do Secretário de Estado da Saúde INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE APRESENTAÇÃO DO PRONTUÁRIO TERAPÊUTICO INFARMED, 3 DE DEZEMBRO DE 2003 Exmo. Senhor Bastonário da Ordem dos Farmacêuticos Exmo. Senhor Bastonário

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

PROJECTO DE LEI Nº 204/VIII PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS. Exposição de motivos.

PROJECTO DE LEI Nº 204/VIII PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS. Exposição de motivos. PROJECTO DE LEI Nº 204/VIII PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS GENÉRICOS Exposição de motivos. 1. Os medicamentos, no âmbito da política de saúde, assumem uma particular relevância não apenas pelos benefícios

Leia mais

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, da Saúde, representado pelo Ministro

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria n.º 198/2011 de 18 de Maio O objectivo essencial definido no programa do XVIII Governo Constitucional em matéria

Leia mais

APRECIAÇÃO PARLAMENTAR N.º 32/VIII

APRECIAÇÃO PARLAMENTAR N.º 32/VIII APRECIAÇÃO PARLAMENTAR N.º 32/VIII DECRETO-LEI N.º 242/2000, DE 26 DE SETEMBRO, QUE ALTERA O DECRETO-LEI N.º 72/91, DE 8 DE FEVEREIRO (REGULA A AUITORIZAÇÃO DE INTRODUÇÃO NO MERCADO, O FABRICO, A COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

A política do medicamento: passado, presente e futuro

A política do medicamento: passado, presente e futuro A política do medicamento: passado, presente e futuro Barcelos, 27 de março de 2015 Ricardo Ramos (Direção de Avaliação Económica e Observação do Mercado) INFARMED - Autoridade Nacional do Medicamento

Leia mais

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril

Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros. Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril REPE Regulamento do Exercício Profissional dos Enfermeiros Decreto-Lei n.º 161/96, de 4 de Setembro, alterado pelo Decreto-lei n.º 104/98, de 21 de Abril 1 - A enfermagem registou entre nós, no decurso

Leia mais

Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007)

Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007) LEGISLAÇÃO Decreto-Lei n.º 168/2007, de 3 de Maio, Aprova a orgânica do Instituto Português da Juventude, I. P (JusNet 1078/2007) ( DR N.º 85, Série I 3 Maio 2007 3 Maio 2007 ) Emissor: Presidência do

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE REGULAMENTO DA BOLSA DE AVALIADORES Preâmbulo O processo de avaliação de cursos de Engenharia foi iniciado em Portugal, de forma pioneira,

Leia mais

Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr.

Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr. Exmos. Senhores Membros do Governo (Sr. Ministro da Saúde - Prof. Correia de Campos e Sr. Secretário de Estado da Saúde -Dr. Francisco Ramos) Ex.mo Senhor Presidente da Comissão Parlamentar da Saúde, representado

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO (CIG) E A COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Homologo. Homologo. Secretária de Estado da Igualdade /alter Lemos Secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A COMISSÃO PARA A CIDADANIA E IGUALDADE DE GÉNERO

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE

PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 2009 3 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 4 II MODELO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO EM SAÚDE 5 III ÂMBITO DE APLICAÇÃO 8 IV OBJECTIVO GERAL 8 V OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 8 VI ESTRATÉGIAS

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conferência de abertura Medicina Genómica: Impacto na Eficácia e Segurança dos Medicamentos O cada vez mais reduzido número de novos medicamentos

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Relatório de Gestão. Instituto Português de Corporate Governance

Relatório de Gestão. Instituto Português de Corporate Governance Actividades realizadas no exercício de : Publicação do Livro Corporate Governance - Reflexões I da Comissão Jurídica; Contratação de Jurista para Secretário-Executivo do IPCG, com funções de assistência

Leia mais

INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 83-G3

INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 83-G3 Adopta medidas mais justas no acesso aos medicamentos, combate à fraude e ao abuso na comparticipação de medicamentos e de racionalização da política do medicamento no âmbito do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU NOS DOMÍNIOS DO EQUIPAMENTO, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Decreto n.º 28/98 de 12 de Agosto Protocolo de Cooperação entre a República Portuguesa e a República da Guiné-Bissau nos Domínios do Equipamento, Transportes e Comunicações, assinado em Bissau em 11 de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS

PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS PÓS-GRADUAÇÃO EM CUIDADOS FARMACÊUTICOS 1. Introdução O papel do farmacêutico, em particular no contexto da Farmácia Comunitária tem vindo a evoluir no sentido de uma maior intervenção do Farmacêutico

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita Foi aprovado pela tutela no ano de 2008 o Regulamento Interno do Centro Hospitalar do Porto que passou a reger a

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Diário da República, 1.ª série N.º 82 28 de Abril de 2010 1461 Através do Decreto -Lei n.º 212/2006, de 27 de Outubro (Lei Orgânica do Ministério da Saúde), e do Decreto -Lei n.º 221/2007, de 29 de Maio,

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 30 10 de fevereiro de 2012 661 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 6/2012 de 10 de fevereiro Primeira alteração à Lei n.º 8/2009, de 18 de Fevereiro, que cria o regime jurídico

Leia mais

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO?

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão contribuinte entenda? Os Medicamentos e o Orçamento José A. Aranda da Silva Auditório da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Guia Informativo. 8ª Edição do Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa (2015)

Guia Informativo. 8ª Edição do Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa (2015) Guia Informativo 8ª Edição do Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa (2015) Objectivo do Prémio: O Prémio Empreendedorismo Inovador na Diáspora Portuguesa tem como objectivo central o

Leia mais

Health Management Future

Health Management Future 2012 Health Management Future COM O PATROCÍNIO DE O grupo BIAL tem como missão desenvolver, encontrar e fornecer novas soluções terapêuticas na área da Saúde. Fundado em 1924, ao longo dos anos BIAL conquistou

Leia mais

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente

Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Comissão Regional da Saúde da Mulher da Criança e Adolescente Janeiro 2012 [Relatório de Actividades e Plano de acção para 2012] [ARS Centro] Comissão Regional da Saúde da Mulher, Criança e Adolescente

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de Julho, que aprovou o PPCE - Programa

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Global Incentives Solutions*

Global Incentives Solutions* Incentives Solutions Global Incentives Solutions* Informação sobre incentivos ao investimento Número 6, Outubro de 2007 *connectedthinking What s hot Assinatura dos Programas Operacionais (PO) No passado

Leia mais

Communication on Progress 2012. United Nations Global Compact

Communication on Progress 2012. United Nations Global Compact Communication on Progress 2012 United Nations Global Compact Janeiro 2012 Dezembro 2012 Índice 1. Mensagem do Presidente... 3 2. Perfil da APIFARMA... 4 2.1. Missão da APIFARMA... 4 2.2. Missão da Indústria

Leia mais

Índice 3.1 3.2 6.1 7.1 10. 11. 11.1 12. 1/19

Índice 3.1 3.2 6.1 7.1 10. 11. 11.1 12. 1/19 MEDIA KIT 2015 Índice 1. Perfil Editorial...2 2. Distribuição e Perfil do Leitor...3 3. Iniciativas e Eventos...4 3.1 Prémios Almofariz...5 3.2 Formação Farmácia Distribuição Farma Sessions...6 4. Protocolos

Leia mais

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte

Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Incentivos às empresas Amarante, 06 de Março de 2012 Centro de Desenvolvimento Empresarial do Norte Os Incentivos na estratégia do IAPMEI para as PME Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias de

Leia mais

Apesar de se tratar de uma modalidade amadora, entendemos que a gestão federativa deve pautar-se por elevados padrões de rigor e profissionalismo.

Apesar de se tratar de uma modalidade amadora, entendemos que a gestão federativa deve pautar-se por elevados padrões de rigor e profissionalismo. ! A candidatura dos signatários apresenta-se com um espírito renovador e inovador das políticas e dos processos da gestão federativa do Bridge Português. Apesar de se tratar de uma modalidade amadora,

Leia mais

47% em I&D duplicou. numa década. Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento. última década" e lembra que "é preciso

47% em I&D duplicou. numa década. Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento. última década e lembra que é preciso Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento numa década em I&D duplicou I&D, a sigla que sintetiza a expressão Investigação e Desenvolvimento é hoje, e mais do que nunca,

Leia mais

-------- Aos três dias do mês de Março do ano de dois mil e três reuniu no Salão Nobre dos Paços do Município, a Câmara Municipal de Vila Pouca de

-------- Aos três dias do mês de Março do ano de dois mil e três reuniu no Salão Nobre dos Paços do Município, a Câmara Municipal de Vila Pouca de -------- Aos três dias do mês de Março do ano de dois mil e três reuniu no Salão Nobre dos Paços do Município, a Câmara Municipal de Vila Pouca de Aguiar, em reunião ordinária para apreciação e deliberação

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 205 22 de Outubro de 2009 7933. CAPÍTULO II Regime jurídico Artigo 5.º

Diário da República, 1.ª série N.º 205 22 de Outubro de 2009 7933. CAPÍTULO II Regime jurídico Artigo 5.º Diário da República, 1.ª série N.º 205 22 de Outubro de 2009 7933 CAPÍTULO II Regime jurídico Artigo 5.º Regime aplicável 1 À entidade pública empresarial criada pelo presente decreto -lei aplica -se,

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Conta Satélite da Saúde 2010-2012Pe

Conta Satélite da Saúde 2010-2012Pe Conta Satélite da Saúde 21-212Pe 21 de junho de 213 Em 212 a despesa corrente em saúde voltou a diminuir Em 212, a despesa corrente em saúde voltou a diminuir significativamente (-5,5), após ter registado

Leia mais

Capítulo Descrição Página

Capítulo Descrição Página MANUAL DA QUALIIDADE ÍNDICE Capítulo Descrição Página 1 Apresentação da ILC Instrumentos de Laboratório e Científicos, Lda Dados sobre a ILC, sua história, sua organização e modo de funcionamento 2 Política

Leia mais

Newsletter n. 20 Ago. 2012 SITE DA LINK THINK TEM NOVA IMAGEM LINK THINK EM MOÇAMBIQUE

Newsletter n. 20 Ago. 2012 SITE DA LINK THINK TEM NOVA IMAGEM LINK THINK EM MOÇAMBIQUE SITE DA LINK THINK TEM NOVA IMAGEM A Link Think prepara-se para lançar nova imagem ao seu site (www.linkthink.pt) já no final deste mês de Agosto. O novo site foi alvo de uma reestruturação profunda com

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO CAMBIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE

ACORDO DE COOPERAÇÃO CAMBIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE Decreto n.º 24/98 Acordo de Cooperação Cambial entre a República Portuguesa e a República de Cabo Verde e o Protocolo para o Estabelecimento da Comissão do Acordo de Cooperação Cambial Nos termos da alínea

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

EDITORIAL OUTUBRO 2015. Serviço de Medicina Intensiva tem novas instalações 2. ULS Nordeste é das melhores do país 3

EDITORIAL OUTUBRO 2015. Serviço de Medicina Intensiva tem novas instalações 2. ULS Nordeste é das melhores do país 3 Serviço de Medicina Intensiva tem novas instalações 2 ULS Nordeste é das melhores do país 3 1,2 milhões de euros para investimentos 3 Sessões musicais na Unidade de Cuidados Paliativos 4 UCC de Mirandela

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

PHC dteamcontrol Externo

PHC dteamcontrol Externo PHC dteamcontrol Externo A gestão remota de projectos e de informação A solução via Internet que permite aos seus Clientes participarem nos projectos em que estão envolvidos, interagindo na optimização

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 20/2015/A de 17 de Agosto de 2015

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 20/2015/A de 17 de Agosto de 2015 ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Decreto Legislativo Regional n.º 20/2015/A de 17 de Agosto de 2015 Estabelece o Estatuto do Dador de Sangue no Serviço Regional de Saúde A Lei n.º 37/2012,

Leia mais

Princípios de Bom Governo

Princípios de Bom Governo Princípios de Bom Governo Regulamentos internos e externos a que a empresa está sujeita O CHC, E.P.E. rege-se pelo regime jurídico aplicável às entidades públicas empresariais, com as especificidades previstas

Leia mais

TABELA NACIONAL DE INCAPACIDADES POR ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS. Actualização N.º 1

TABELA NACIONAL DE INCAPACIDADES POR ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS. Actualização N.º 1 TABELA NACIONAL DE INCAPACIDADES POR ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS Actualização N.º 1 TÍTULO: AUTORES: TABELA NACIONAL DE INCAPACIDADES POR ACIDENTES DE TRABALHO E DOENÇAS PROFISSIONAIS

Leia mais

Por outro lado, não há o envolvimento do INFARMED, a entidade reguladora do sector do medicamento, nesta análise especializada.

Por outro lado, não há o envolvimento do INFARMED, a entidade reguladora do sector do medicamento, nesta análise especializada. Análise especializada Política do medicamento, dispositivos médicos e avaliação de tecnologias em saúde Exmos. Senhores, O processo de elaboração do Plano Nacional de Saúde pode ser considerado um bom

Leia mais

PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH

PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH PRINCIPAIS MARCOS DO SUCH 2014 4 de dezembro - Aprovação, por maioria absoluta, em sede de Assembleia Geral, do novo Regime de Quotização e Benefícios dos Associados e do Plano de Ação e Orçamento para

Leia mais

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM CANDIDATURA À DIRECÇÃO DA UNIDADE DE INVESTIGAÇÃO DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Pedro Jorge Richheimer Marta de Sequeira Marília Oliveira Inácio Henriques 1 P á g i n a 1. Enquadramento da Candidatura

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA

CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA CONCLUSÕES DO XI CONGRESSO MUNDIAL DE FARMACÊUTICOS DE LÍNGUA PORTUGUESA MAPUTO, 25 a 27 de Março de 2015 A Associação de Farmacêuticos dos Países de Língua Portuguesa (AFPLP), que congrega mais 200 mil

Leia mais

PHC dteamcontrol Interno

PHC dteamcontrol Interno O módulo PHC dteamcontrol Interno permite acompanhar a gestão de todos os projectos abertos em que um utilizador se encontra envolvido. PHC dteamcontrol Interno A solução via Internet que permite acompanhar

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 12.00 HORAS

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. A REALIZAR, NA SEDE SOCIAL, NO DIA 24 DE ABRIL DE 2014, PELAS 12.00 HORAS ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DA COFINA, SGPS, S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PONTO SEGUN DA ORDEM S TRABALHOS O Conselho de Administração da COFINA, SGPS, S.A. propõe à Assembleia Geral que os resultados

Leia mais

A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013. Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM

A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013. Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM A Sociedade da Informação no QREN 2007-2013 Manuel Laranja Gabinete do Coordenador da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico - PCM índice 1. Os novos desafios da competitividade e a utilização das

Leia mais

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização

Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização Regulamento do Colégio de Especialidade de Gestão, Direcção e Fiscalização de Obras ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições

Leia mais

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos

Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos. Província Portuguesa. Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos Sacerdotes do Coração de Jesus Dehonianos Província Portuguesa Estatutos da Associação dos Leigos Voluntários Dehonianos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação A ASSOCIAÇÃO DOS LEIGOS

Leia mais

Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico. Regulamento

Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico. Regulamento Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico Regulamento Considerando que se mostra da maior relevância: a) Reconhecer e premiar a excelência de trabalhos jornalísticos

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE 2011 ACTIVIDADES Federação Portuguesa das Associações, Centros e Clubes UNESCO Julho de 2011 FICHA TÉCNICA TÍTULO: PLANO DE ACTIVIDADES 2011 AUTOR: Federação Portuguesa das Associações, Centros

Leia mais

Ambulatório. Circuito do Medicamento. Prescrição. Farmácia. Comunitária. Farmácia. Hospitalar. Validação Farmacêutica. Cirurgia de.

Ambulatório. Circuito do Medicamento. Prescrição. Farmácia. Comunitária. Farmácia. Hospitalar. Validação Farmacêutica. Cirurgia de. Farmácia Comunitária Farmácia Hospitalar Validação Farmacêutica Cirurgia de Monitorizações A ST+I tem como missão Ser uma referência Internacional de elevado valor, nos domínios da, garantindo a sustentabilidade

Leia mais

Princípios orientadores para a política do medicamento

Princípios orientadores para a política do medicamento Princípios orientadores para a política do medicamento Aprovado pela Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica Objectivos: Neste documento da Comissão Nacional de Farmácia e Terapêutica (CNFT) discutem-se

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO. 5980 Diário da República, 1.ª série N.º 164 26 de Agosto de 2008

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO. 5980 Diário da República, 1.ª série N.º 164 26 de Agosto de 2008 5980 Diário da República, 1.ª série N.º 164 26 de Agosto de 2008 11 Substâncias que contribuem para a eutrofização (em especial fosfatos e nitratos). 12 Substâncias que exercem uma influência desfavorável

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho

DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho DELIBERAÇÃO Nº 41 /2006 Aplicável aos tratamentos de dados no âmbito da Gestão da Informação dos Serviços de Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Por força do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

Descrição da Compilação

Descrição da Compilação Guia de candidatura a bolsas de investigação científica financiadas em conjunto pelo Ministério das Ciências e da Tecnologia da República Popular da China e pelo Fundo para o Desenvolvimento das Ciências

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS ASSOCIAÇÃO DOS BOLSEIROS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA RELATÓRIO DE ACTIVIDADES RELATÓRIO DE CONTAS 2003 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2003 A Associação dos Bolseiros de Investigação Científica, doravante denominada

Leia mais

Empresas que se mexem, são empresas que crescem!

Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Empresas que se mexem, são empresas que crescem! Apresentação do Projecto/ Abertura de inscrições Introdução A Adere-Minho - Associação para o Desenvolvimento Regional do Minho, entidade de natureza associativa

Leia mais

ORA newsletter. Nº 62 MARÇO/2012 (circulação limitada) Assuntos LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL FEVEREIRO DE 2012

ORA newsletter. Nº 62 MARÇO/2012 (circulação limitada) Assuntos LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL FEVEREIRO DE 2012 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Fevereiro de 2012 1 As Instituições Particulares de Solidariedade Social: Regime Contabilístico e Novo Quadro Normativo (Parte II) 2 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2012 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação)

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação) PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) O Agrupamento adopta a denominação de Monte - Desenvolvimento Alentejo Central,

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições.

Estiveram presentes 98 técnicas em representação de 66 Instituições. 1. No dia 4 de Dezembro, a União Distrital de Santarém em parceria com Segurança Social, levou a efeito o ultimo dos 5 encontros realizados em várias zonas do distrito, sobre o tema "Encontros de Partilha",

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais