SEDE PROVISÓRIA DA ATM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEDE PROVISÓRIA DA ATM"

Transcrição

1 Edição nº4 Associação Ornitológica Trás Montes Alto Douro NewsLetters Nesta edição: Morfologia Galo e Galinha 2 A ave mais pequena 2 Entrevista 3 Publicidade 3 Noticias da ATM 4 Evento ATM Anilhas 5 Birdwathing 6 SEDE PROVISÓRIA DA ATM Informamos que a nossa sede será temporariamente no Clube de Pesca de Vila Real Horário 3º Sábado cada mês 15h00-18h30 Clube Pesca R.Dr. Manuel Cardona (Junto parque campismo) Vila Real Resultado da Rifa Primavera Esta foi mais uma iniciativa da direcção da ATM para se conseguir mais meios monetários para a nossa associação, e também mais um passo para a nossa divulgação. Apesar de estarmos numa época difícil, de recessão económica, os Vilarealenses continuam solidários em causas nobres e na ajuda associativa. Os resultados foram mediante terminação da lotaria da primavera no passado dia 8 Abril. Os felizes contemplados foram: 1º lugar com nº 725 2º Lugar nº 952 3º Lugar nº 311 Sendo os prémios: Muitos parabéns aos premiados!! Agradecemos a todos a ajuda prestada. Obrigada a todos. A direcção ATM.

2 P á gina 2 NewsLetters Morfologia do galo e da galinha (continuação) A Pedrês Portuguesa está distribuída por todo Portugal, e adaptada aos nossos diversos climas, não só pela sua natural rusticidade e resistência às doenças como pelos anos e anos de evolução, munindo-a de um potencial genético que permitiu ao longo dos tempos a sua adaptação. é uma galinha de fácil criação, necessitando de poucos cuidados. Desde sempre esteve associada aos excedentes das pequenas explorações, que tinham na sua base uma agricultura de subsistência, factor que foi moldando ao longo dos tempos a própria raça. Criada em regime extensivo ou em capoeira, consegue-se uma boa rentabilidade em ovos e carne de qualidade, sem que seja necessário grandes recursos às rações processadas, subsistindo na perfeição á base dos produtos provenientes das explorações (todo o tipo de grãos, couves, ervas...)com a saída da população para os grandes centros urbanos, a industrialização da agricultura e o surgir de raças exóticas e dos Híbridos de aviário, a galinha Pedrês foi colocada em segundo plano durante muitos anos levando a mesma quase á extinção. Começa-se agora a dar o real e devido valor a esta como a todas ás raças autóctones, não só pelo dever de preservar aquilo que é nosso, como pelas incontestáveis vantagens que estes excepcionais animais nos oferec e m. PADRÃO DA RAÇA Plumagem: aspecto mosqueado, matizado de cinzento em fundo branco- Peso: galo entre 3,600 a 3,900 kg / Galinha: entre 2,500 a 3,000 kgdiâmetro da aninha: Galo 20 / G a l i n h a 1 8. Descrição do galo: Os galos da Pedrês Portuguesa são muito á g e i s c o m g r a n - de vivacidade, quando criados juntos pode-se manter vários galos na mesma capoeira. Cabeça: Forte e robusta, moderadamente grande Cara: rugosa, de cor vermelha viva, glabra Crista: de tamanho médio a grande, direita, firme, textura fina, do tipo dentado simples com 5 a 6 dentes bem definidos Bico: tamanho médio a grande, forte, ligeiramente curvo de cor amarelo, podendo apresentar pigmentação de cor ardósia. VEJA O SITE DA ATM Invista em si e nas suas criações de aves!! FAÇA-SE SÓCIO DA ATM Traga um amigo!! Olhos: grandes, proeminentes, redondos com a íris cor - de - laranja Orelhas: alongadas, tamanho médio, de cor vermelho vivo, glabras Barbilhões: tamanho médio, ovalados, de cor vermelho vivo, glabros Pescoço: levemente arqueado, bem proporcionado e com abundante plumagem que cai sobre os ombros (excepto na variedade "careca") Tronco: de largura e cumprimento médios, cilíndrico, levemente inclinado para trás. Dorso: arredondado e em ligeiro declive em direcção á cauda, com adornos no galo Peito: carnudo, largo, ligeiramente arredondado até ao abdómen Abdómen: amplo e profundo. Cauda: de comprimento médio, bem aberta, com um ângulo de 135 graus com o dorso; as grandes e pequenas foices estão recurvadas em arco. Extremidades: Asas: de tamanho, comprimento e largura médios, bem unidas ao corpo e bem emplumadas.coxas: de tamanho regular, robustas, com abundante plumagem Tarsos: escamosos (escamas largas), moderadamente grossos, de cor amarelo podendo apresentar pigmentação de cor ardósia, desprovidos de penas dedos: em número de quatro, rectos, de comprimento médio Plumagem: de aspecto mosqueado, matizado de cinzento em Ave mais piquena da Europa fundo branco, apresentando cada pena transversalmente barras regulares, estreitas, paralelas, mais ou menos da mesma largura e definidas, em que uma barra cinzenta escura alterna com uma barra branca ou cinzenta clara, formando no seu conjunto barras descontinuas. Descrição da Galinha: As mesmas características do galo, tendo em conta as diferenças sexuais, nomeadamente a do porte mais piqueno, pescoço mais curto, o peito é saliente e largo mas menos que no galo, a cauda é mais fechada, a coloração é mais uniforme, os trasos mais finos, com um espigão virtigial a crista e barbilhões são de menor dimensão que o galo. (continua) Estrelinha-de-cabeça-listada, estrelinha-real ou, simplesmente, estrelinha. É uma ave verdadeiramente minúscula, com um comprimento de apenas 9 cm e tão leve que pesa apenas 5 gramas (quatro ou cinco vezes menos que um vulgar pardal). observar a estrelinha no seu habitat natural pode constituir um verdadeiro desafio, mesmo para observadores experimentados. É que, para além das dificuldades de observação que resultam das suas minúsculas proporções, esta espécie não é muito abundante; além disso, é muito discreta e passa a maior parte do seu tempo na copa das árvores, sendo difícil vislumbrá-la por entre a folhagem. A localização da estrelinha pelo ouvido também não é fácil, pois o seu canto é emitido poucas vezes e o seu piar é quase imperceptível. quase nunca permanece imóvel, saltitando constantemente de ramo em ramo, enquanto procura os pequenos insectos de que se alimenta. Descrição: muito pequena, tem a plumagem esverdeada; o padrão da cabeça é característico, com uma lista alaranjada ao centro, que é ladeada por duas listas pretas, as quais confinam com duas listas brancas Espécies semelhantes: a estrelinhade-poupa é muito parecida, mas faltalhe a lista supraciliar branca Habitat: bosques bem desenvolvidos, especialmente de resinosas; no Inverno também ocorre em folhosas Distribuição: durante a época reprodutora distribui-se por quase todo o território a norte do Tejo, sendo especialmente comum em zonas serranas e estando apenas ausente das zonas mais áridas; durante o Outono e o Inverno também aparece no sul do país; o bis-bis distribui-se por toda a ilha da Madeira. Estatuto migratório: os indivíduos nidificantes poderão ser parcialmente residentes, mas não há dúvida de que chegam a Portugal inúmeros indivíduos invernantes. Fonte: Gonçalo E.

3 NewsLetters P á gina 3 Entrevista á secretária da ATM Nome: Elsa Ferreira(EF) Idade: 39 Naturalidade: Vila Franca Xira Residência: Vila Real Cargo: Secretaria da ATM. Hobbies: Cinema, Viagens, leitura, internet, música, desporto, teatro, artesanato, etc. Elsa Ferreira, membro fundador e a secretária da direcção da ATM, desde 13 de Dezembro de Em entrevista, explica-nos o que a levou a juntar-se a associação (ATM). 1 - Quando surgiu o gosto pela criação de aves, e que tipo cria ou já criou? (EF) Desde criança que me lembro em casa dos meus pais de haver animais, desde aves, a cães, gatos, coelhos, por lá passou de tudo um pouco. O gosto por animais levou-me em criança a criação de piriquitos e a domestica-los. Adorava passear com eles em casa. O pouco que sei foi minha mãe que me ensinou. Mas com o passar dos anos dediqueime mais aos cães e gatos, embora só tenha de momento uma coker. De momento quem cria aves em casa são os homens da casa (risos), eu apenas ajudo nalgumas coisas e em épocas de vindimas substitui-o o criador da casa. 2 - De que tipo de aves gosta mais e porquê, e como está a correr a criação? (EF) Já passaram lá por casa algumas espécies. Em criança, pombos, codornizes, piriquitos, galinhas, caturras, patos, rolas, cócós e muitas outras espécies de aves e de outros animais, quase parecia um circo... mas como referi, hoje em dia a criação de aves em casa passa mais pelo meu filhote e Adalberto que são os aficionados da casa. A minha preferência vai para as caturras, araras, piriquitos, canários alguns. Aves de maior porte e coloridas são a minha preferência. E não dá para fazer e ter tudo em casa. Tenho dedicado mais tempo a cuidar dos aquários e do nosso coker, o tempo que sobra. 3 - O que o fascina mais no mundo ornitológico? (EF) A aprendizagem, sou curiosa e gosto de crescer a nível intelectual e de conhecimentos adquiridos. Gosto ouvir passarada. Estou perto reserva ecológica. 4 - Como surgiu e qual o motivo que a fez fundar uma associaçao, aspirações para a mesma? (EF) Foi um pouco por acaso, numa conversa com o Adalberto, que me perguntou do que achava fundarmos uma associação na nossa zona, já que não havia nenhuma. Isto porque já rolava o assunto entre alguns criadores. Como felizmente já fiz parte dos órgãos sociais de outras associações, inclusive de protecção animal e como sempre estou metida em projectos associativos e de trabalho voluntário, entrei no projecto para dar o meu contributo, e claro causas nobres movem o mundo e fundos Desde a 1ª reunião á escritura foi um saltinho, já que os sócios fundadores se mostraram participativos, bastante interessados em andar com o projecto para a frente rapidamente, conseguindo ainda anilhas para os associados para as novas posturas. A partir daqui fez se a pagina facebook, newsletters, site, várias acções de divulgação (presença no mercadinho da vila, concurso fotografia), acções de angariação de fundos (rifas, sorteios), e de sócios e com a sede no clube pesca. O projecto conta com uma equipa fantástica, que elaborou rapidamente o plano actividades, alguns eventos, o relatório contas já neste 1º trimestre, designe cartão sócio, todo o processo administrativo feito. Estamos com um saldo bem positivo, embora fundos sejam poucos. E claro os nossos associados (que já são 43) são fantásticos e incansáveis. Trabalhamos todos para o sucesso da ATM. Como em todas associações, a sede é primordial para o projecto, para se conseguir em pleno o convívio, a troca de conhecimentos, e potenciar o crescimento próprio da ATM. Neste momento estamos sediados no Clube de Pesca de Vila Real, um protocolo de entreajuda de ambas as associações. Até termos o nosso próprio espacinho, consideramos este o ideal, pois o Clube Pesca possui óptimas instalações e mostrou-se sempre disponível, desde já agradecemos. Temos vários projectos na manga, mas a seu tempo esperamos a sua realização. Estes passam por passeios de observação de aves, workshops, pela feira do passarinho, mostras/exposições de aves, apoio a todos os associados, representação da ATM a nível nacional e se possível internacional, entre outros., mas como digo do projecto á sua realização vai muito, dado não existir apoios quase nenhuns. Muito trabalho há a fazer para levar a ATM a bom porto. As aspirações para a ATM é que esta cresça o mais possível e que tenha sucesso neste meio, e claro que se torne num marco de referência da ornitologia nacional. Seja o orgulho de todos os associados, já que esta foi criada a pensar neles, para eles, e sem os mesmos não faz sentido a sua existência. Esperamos estar á altura do desafio. 5 - O que o levou a ser membro dirigente? (EF) De inicio era apenas para ajudar no arranque, sem qualquer vinculação, mas na reunião de constituição dos órgãos sociais, estava a fazer já o secretariado, acabei por aceitar o cargo, como sempre, a Elsa metida em trabalho associativo. Quem corre por gosto não se cansa espero corresponder ao desafio e contribuir para o seu sucesso. O importante neste tipo de organizações não é o cargo, mas sim o espirito de equipa e de rumo. Trabalhar de forma a se conseguir atingir os objectivos mínimos, com gosto, garra, ambição, competência na gestão, colocar os interesses associativos a funcionar e trabalhar de forma voluntária sem tirar partido pessoal. Sou a favor na preservação animal, este é um meio também de protecção e investigação cientifica, tudo gere em volta do meio ambiente e da ecologia. 6 Como pensa fazer crescer a ATM? Uma associação é um organismo com capacidade patrimonial e financeira própria. Mediante as suas capacidades tenciono delinear uma boa gestão dos recursos e potenciar o seu crescimento com estratégias de marketing bem definidas que leve ao seu desenvolvimento, quer financeiro quer associativo. Quanto melhor formos e mais competentes, mais podemos dar e ajudar os nossos associados. Elsa Ferreira PARABÉNS!! Abril -Dia 4 socio nº1 Adalberto Ferreira - Dia 9 socio nº22 Armando Ribeiro - Dia 14 socio 30 Nelson Almeida - Dia 18Socio nº7 Manuel Leitão - Dia 25 socio nº16 Jorge Magalhães - Dia 27 socio nº24 Paulo Gomes Maio - Dia 1 socio nº9 Antº Aguiar

4 P á gina 4 NewsLetters Espaço Publicitário Este espaço pode ser seu. PARTICIPE!! DIVULGUE!! Para mais informações, contactenos. COMPRE PINES ATM!! 1.50 Para a roupa ou com iman. Invista em si e nas suas criações de aves!! FAÇA-SE SÓCIO DA ATM Traga um amigo!! NICOAGRO Comércio Produtos Agrícolas Rua Santa Sofia,17 Vila Real Sede provisória da ATM no Clube Pesca A Direção da ATM decidiu que provisoriamente a sede da nossa associação será no Clube de Pesca de Vila Real. Após analisar entre este e o clube columbófilo, conforme conversado na assembleia geral, optamos pela 1º opção por possuir melhores condições, espaço que está sempre aberto e o qual possui um café que possibilita o convívio entre os associados. Este Clube recebemos com todo o gosto e desde já o nosso agradecimento. Esta situação ocorrerá até a ATM ter o seu próprio espaço, trabalho que a direcção está a tentar resolver. Todos os 3º Sábados de cada mês, da parte da tarde, podem encontrar elementos dos órgãos sociais no clube de pesca para tratar de qualquer assunto referente a ornitologia e no âmbito das nossas capacidades e competência. Esperamos que gostem do espaço e estamos vosso dispor. CLUBE PESCA / ATM Rua Drº Manuel Cardona, Vila Real (entre o parque campismo e CIFOP, a seguir escola Diogo Cão). Visite-nos!! 3º Sábado cada mês entre 15h-18h Maio dia 25 Junho dia 16 Julho dia 21 Agosto dia 18

5 NewsLetters P á gina 5 ATM vai participar mais uma vez no Mercadinho da Vila A ATM vai mais uma vez estar presente no evento o Mercadinho da Vila, no próximo dia 25 de Maio, Sábado no jardim da carreira em Vila Real, com um stand. Esta iniciativa visa dar a conhecer a ATM á população vilarealense, a quem visite o evento, e claro mais uma oportunidade de proximidade com os nossos associados. Agradecemos desde já a todos os associados que se disponibilizaram para estarem presentes no sand da ATM.. Visite-nos, traga os seus amigos, familiares e acima de tudo divirtam-se. AJUDE A ATM A CRESCER JUNTE-SE A NÓS!! PARTICIPE!!! Pedido anilhas para este ano A direcção ATM informa que já podem efectuar os vossos pedidos de anilhas para este ano. Vai existir 5º pedidos, tendo o ultimo um acréscimo adicional de 5 da FONP. Para mais informações consultem a nossa pagina do facebook, site ou entre em contacto com a direcção da ATM. Datas limite dos pedidos: 1º pedido até 1 Julho 2ª pedido até 20 Setembro 3º pedido até 22 Novembro 4º pedido até 10 Fevereiro º pedido até 20 Março 2014 (acresce 5 neste pedido) Orgão Sociais da ATM: Direção: Presidente: Ricardo Teixeira Vice Presid:Adalberto Ferreira Secretária: Elsa Ferreira Tesoureiro: Paulo Lourenço ºVogal: Teresa Ribeiro Assembleia Geral: Presidente: Pedro Lopes Vice-presidente: Manuel Leitão Secretário: Luis Ferreira Conselho Fiscal: Presidente: Óscar Monteiro ºVogal: Mário Ferreira 2ºVogal: Antº Aguiar PARABÉNS!! - Dia 4 socio nº1 Adalberto Ferreira - Dia 9 socio nº22 Armando Ribeiro - Dia 14 socio 30 Nelson Almeida - Dia 18 Socio nº7 Manuel Leitão - Dia 25 socio nº16 Jorge Magalhães - Dia 27 socio nº24 Paulo Gomes Noticias da ATM A direcção no inicio do mês de Abril teve uma acção de formação na FONP, Povoa Varzim. Esta teve o intuito de formar os nossos dirigentes no âmbito dos programas da FONP e a nível associativo nesta área. vos e técnicos. Obtivemos elogios por parte do responsável da FONP pelo trabalho até agora feito, desde já este dirigido a todos os associados que colaboram de forma directa ou indirecta com a ATM. Todos os stam dos nossos sócios já foram divulgados. As anilhas como informamos Desta resultou um aumento de conhecimentos associatijá foram entregues, referente ultimo pedido Estamos com mais projectos e actividades na manga. Dê ideias Aguarde, Participe e divirta-se!! A FONP agendou AG para próximo dia 1 Junho 15h00 na sua sede na Povoa Varzim.

6 Associação Ornitológica Trás Montes Alto Douro Endereço postal: Rua 20 Julho lt5 7º esq poente 5000 Vila Real Presidência: / Secretaria: / Tesouraria: Sede:3º Sábado cada Mês 15h00-18h00 no Clube Pesca R. Dr. Manuel Cardona, Vila Real. Estamos na Web: Junte-se a nós, faça-se sócio. Vamos crescer no mundo ornitológico! A ATM surgiu com intuito de criar um espaço, uma entidade para apoiar na medida do possível os criadores e amantes da ornitologia. Como espaço aberto que somos, quer na prestação de informações, e mesmo na sua recolha, apelamos á participação activa dos nossos sócios. No campo das news letter estamos receptivos a publicação de artigos, comentários, noticias, aceitando com agrado as vossas sugestões e ideias. Este local servirá também para divulgação dos nossos criadores e de publicidade. Vamos tentar chegar o mais longe possível, participe!! Divulgue!! Um sócio um amigo que trás outro amigo!! BIRDWATCHING Turismo Ornitológico em Portugal Pare, escute, olhe lhadas pelo Homem e a agricultura é a principal actividade responsável pelas mudanças do território. Desde as vinhas do Douro às planícies cerealíferas do Alentejo, passando pelos montados de sobro, as actividades humanas tradicionais desempenham um importante papel na conservação da natureza. As propriedades agrícolas e o turismo rural oferecem aos seus visitantes uma experiência excelente e única, aliando qualidade, tradição, conforto e natureza. Quando e onde ir? Que aves posso ver? Se estiver interessado em observar aves ou em realizar alguns dos itinerários propostos, contacte a SPEA ou a CAP, para mais informações sobre onde ficar, onde ir e o que fazer. Podem ser visitadas propriedades agrícolas que, pela sua localização e actividade desenvolvida, privile- Aprenda a escutar e a observar as aves. Vamos ver de perto as aves e habitas em Portugal. Portugal é um país pequeno mas extremamente diverso em paisagens e habitats naturais: uma extensa zona costeira, com grandes estuários, lagoas e vastas praias, dunas e falésias rochosas, amplas planícies cerealíferas, montados de sobro admiráveis, montanhas soberbas e vales fluviais magníficos. Habitats: Zonas Húmidas Planícies cerealíferas Montados Vales Fluviais Montanhas. Espécies Em Portugal ocorrem regularmente cerca de 330 espécies de aves, distribuídas pelo continente e ilhas, e pelos mais variados habitats. Aves de montanha, planadoras, florestais, aquáticas, espepárias, de presa. Propriedades rurais Muitas das paisagens portuguesas são trabagiam o contacto com as aves, a natureza, a ruralidade, as tradições, os produtos regionais e as especialidades locais. Para visitas de mais de 1 dia, os alojamentos de turismo rural, inseridos nestas explorações, oferecem um serviço ímpar de qualidade e excelência, enquadrados por uma envolvente natural e rica em biodiversidade. A ATM agradece à SPEA por ter facultado todas estas informações, através do site BIRDWAT- CHING/SPEA - birdwatching.spea.pt Aconselhamos que vejam este guia: Portugu%C3%AAs/ turismodeportugal/publicacoes/ Documents/Birdwatching% 20pt% pdf Elaboração/redacção: Elsa B.M. Ferreira Propriedade: A.T.M.

Newsletters nº3 Março 2013

Newsletters nº3 Março 2013 Newsletters nº3 Março 2013 RIFA DA PRIMAVERA Nesta edição divulgamos mais uma inciativa da ATM, a nossa Rifa da Primavera!! COMPRE UMA RIFA E HABILITE-SE A UM DOS 3 PRÉMIOS!! Vamos ajudar a ATM!! Peça

Leia mais

REGULAMENTO. Introdução. 1. Calendário

REGULAMENTO. Introdução. 1. Calendário REGULAMENTO Introdução Situado no extremo oeste da Europa, Portugal é um país de média dimensão, rico em paisagens e habitats naturais: uma extensa zona costeira, grandes estuários, lagoas e vastas praias,

Leia mais

ESPÉCIES PROTEGIDAS Olá!! Venho para vos falar das espécies protegidas...

ESPÉCIES PROTEGIDAS Olá!! Venho para vos falar das espécies protegidas... ESPÉCIES PROTEGIDAS Olá!! Venho para vos falar das espécies protegidas... www.geota.pt geota.sec@netcabo.pt O que são as espécies protegidas Espécies cujo número de indivíduo é muito reduzido estando em

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos

Trabalho realizado por: João Rabaça. 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Trabalho realizado por: João Rabaça 11º Ano do Curso Técnico de gestão de Equipamentos Informáticos Introdução Animais em vias de extinção - O que são? - O que é a extinção? -O cachalote -O Lince Ibérico

Leia mais

CÃO DE GADO TRANSMONTANO

CÃO DE GADO TRANSMONTANO CÃO DE GADO TRANSMONTANO ORIGEM: Trás-os-Montes - Portugal UTILIZAÇÃO: Cão de guarda e protecção de gado ovino e caprino CLASSIFICAÇÃO: 2º Grupo, secção II Molossóides BREVE RESENHA HISTÓRICA: A origem

Leia mais

Nome científico: Nome Popular: Classe: Ordem: Família: Subfamília: Género: Espécie: Características:

Nome científico: Nome Popular: Classe: Ordem: Família: Subfamília: Género: Espécie: Características: Nome científico: Lutra lutra Nome Popular: Lontra europeia, lontra-comum Classe: Mammalia Ordem: Carnívora Família: Mustelidae Subfamília: Lutrinae Género: Lutra Espécie: Lutra lutra Características: A

Leia mais

Plano Atividades e Orçamento

Plano Atividades e Orçamento 2015 Plano Atividades e Orçamento Direção Associação Ornitológica Trás Montes Alto Douro 2015 ASSOCIAÇÃO ORNITOLOGICA DE TRAS OS MONTES E ALTO DOURO INTRODUÇÂO O ano de 2014 é de continuidade do trabalho

Leia mais

O Reitor do ISMAI Prof. Doutor Domingos Oliveira Silva

O Reitor do ISMAI Prof. Doutor Domingos Oliveira Silva O Reitor do ISMAI Prof. Doutor Domingos Oliveira Silva De acordo com o Eurostat 2014

Leia mais

M A N U A L D E I D E N T I F I C A Ç Ã O D A S A N D O R I N H A S D E P O R T U G A L

M A N U A L D E I D E N T I F I C A Ç Ã O D A S A N D O R I N H A S D E P O R T U G A L M A N U A L D E I D E N T I F I C A Ç Ã O D A S A N D O R I N H A S D E P O R T U G A L Andorinha-das-chaminés Andorinha-dos-beirais Andorinha-das-barreiras Andorinha-dáurica Andorinha-das-rochas INTRODUÇÃO

Leia mais

GRUPO 10 Padrão FCI N o 269 29/11/2000

GRUPO 10 Padrão FCI N o 269 29/11/2000 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 10 Padrão FCI N o 269 29/11/2000 Padrão Oficial da Raça SALUKI 2 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Standards Agapórnis. 1. Agapornis canus

Standards Agapórnis. 1. Agapornis canus 1. Agapornis canus Forma e posição: A ave deve apresentar uma posição no poleiro próxima dos 70º em relação à horizontal, as asas devem ser simétricas e não se cruzarem, a cabeça é redonda e proporcionalmente

Leia mais

O BENGALIM DO JAPÃO. O comprimento total do Bengalim do Japão, medido desde a ponta do bico à extremidade da cauda, é de 12,5 cm.

O BENGALIM DO JAPÃO. O comprimento total do Bengalim do Japão, medido desde a ponta do bico à extremidade da cauda, é de 12,5 cm. O BENGALIM DO JAPÃO Tipo e Estrutura O Bengalim do Japão é uma ave de forma compacta e robusta, não devendo, contudo parecer pesado ou gordo. A cabeça é bem proporcionada com o resto do corpo. O dorso

Leia mais

PEIXES - corpo coberto de escamas - barbatanas para nadar - respiram por guelras

PEIXES - corpo coberto de escamas - barbatanas para nadar - respiram por guelras Os animais do meu ambiente Há muitos animais na Natureza e todos são diferentes. Os animais estão adaptados ao ambiente em que vivem, pela forma do corpo, pela maneira como se deslocam, pela alimentação

Leia mais

RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE

RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE RELATÓRIO DA DISCUSSÃO PUBLICA ESTRATÉGIA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DA BIODIVERSIDADE SECRETARIA DE ESTADO DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA AGOSTO DE 2001 ESTRATÉGIA

Leia mais

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS Plano de Actividades e Orçamento Exercício de 2012 Plano de Actividades e Orçamento para o exercício de 2012 Preâmbulo: O Plano de Actividades do ano de 2012 foi concebido com a prudência que resulta da

Leia mais

WORKSHOP O PAPEL DA MULHER NO DESENVOLVIMENTO RURAL

WORKSHOP O PAPEL DA MULHER NO DESENVOLVIMENTO RURAL WORKSHOP O PAPEL DA MULHER NO DESENVOLVIMENTO RURAL 3 FEVEREIRO 2010 CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO VALE GONÇALINHO ORGANIZAÇÃO: PARCEIROS: FINANCIAMENTO: O Rural Value, enquanto projecto dinamizador

Leia mais

REGULAMENTO EXPOSIÇÃO DE AVICULTURA ALCAC 2014

REGULAMENTO EXPOSIÇÃO DE AVICULTURA ALCAC 2014 REGULAMENTO EXPOSIÇÃO DE AVICULTURA ALCAC 2014 A Exposição/Concurso de Avicultura ALCAC 2014 decorrerá de acordo com o regulamento elaborado pela Associação Lusa de Criadores de Aves de Capoeira (ALCAC)

Leia mais

COCKER SPANIEL INGLÊS ENGLISH COCKER SPANIEL

COCKER SPANIEL INGLÊS ENGLISH COCKER SPANIEL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI 5 28/10/2009 Padrão Oficial da Raça COCKER SPANIEL INGLÊS ENGLISH COCKER SPANIEL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE

Leia mais

IV SEMINÁRIO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM CUNICULTURA. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. UNESP Botucatu Campus Lageado

IV SEMINÁRIO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM CUNICULTURA. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia. UNESP Botucatu Campus Lageado Cuidados e conforto para coelhos de companhia Maísa Melo Heker* *Zootecnista e Mestrando Programa de Pós Graduação em Zootecnia FCAV- UNESP Campus Jaboticabal. Introdução Atualmente todas as raças de coelhos

Leia mais

BRACO DE BOURBON NAIS

BRACO DE BOURBON NAIS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 7 Padrão FCI 179 29/03/2006 Padrão Ofi cial da Raça BRACO DE BOURBON NAIS BRAQUE DU BOURBONNAIS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida

Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida Sala: 4 anos (2) Educadora: Luísa Almeida SETEMBRO Regresso à escola/adaptação Facilitar a adaptação/readaptação ao jardim de infância Negociar e elaborar a lista de regras de convivência Diálogo sobre

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

GRUPO 2 Padrão FCI N o 50 06/11/1996

GRUPO 2 Padrão FCI N o 50 06/11/1996 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI N o 50 06/11/1996 Padrão Oficial da Raça T E R R A (NEWFOUNDLAND) N O V A 2 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA

Leia mais

Leonardo Goulart da Silva).

Leonardo Goulart da Silva). Newsletter 9 Março 2012 Caldeirão - Corvo Nas atividades desenvolvidas ao longo do primeiro trimestre de 2012 evidencia-se a apresentação dos Programas Educativos do Geoparque Açores e a assinatura do

Leia mais

Actividades Estação Biológica do Garducho. Maio Junho de 2009

Actividades Estação Biológica do Garducho. Maio Junho de 2009 Actividades Estação Biológica do Garducho Maio Junho de 2009 Inserir texto / índice Indíce Quem Somos Onde estamos Objectivos Principais projectos Actividades na Estação Biológica do Garducho Calendarização

Leia mais

CÃO FILA DE SÃO MIGUEL

CÃO FILA DE SÃO MIGUEL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI N o 340 20/06/2007 Padrão Oficial da Raça CÃO FILA DE SÃO MIGUEL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada

Leia mais

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril

Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Dia da Conservação do Solo - 15 de Abril Tema: Comemoração do Dia da Conservação do Solo Destinatários: Crianças dos 6 aos 10 anos - 1º ciclo Objectivo: Pretende-se que no final das actividades as crianças

Leia mais

Objectivos do Albufeira Surf Cube

Objectivos do Albufeira Surf Cube Objectivos do Albufeira Surf Cube - Promover e divulgar a prática desportiva de Surf, Skate, Bodyboard, Snowboard e outros desportos radicais aquaticos e similares, bem como a defesa dos direitos dos seus

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2. Padrão FCI 183 11/08/2000 ZWERGSCHNAUZER

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2. Padrão FCI 183 11/08/2000 ZWERGSCHNAUZER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI 183 11/08/2000 Padrão Oficial da Raça SCHNAUZER MINIATURA ZWERGSCHNAUZER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3. Padrão FCI 86 19/05/2009. Padrão Oficial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3. Padrão FCI 86 19/05/2009. Padrão Oficial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3 Padrão FCI 86 19/05/2009 Padrão Oficial da Raça YORKSHIRE TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação F.C.I.:

Leia mais

NEWSLETTER Nº 9/11. Semana de 18 de Abril a 25 de Abril de 2011

NEWSLETTER Nº 9/11. Semana de 18 de Abril a 25 de Abril de 2011 NEWSLETTER Nº 9/11 PRODUTOS DA QUINTA Apresentamos os "Produtos da Quinta" à venda esta semana. Relembramos que os nossos produtos têm certificação biológica. As encomendas poderão ser feitas na Sede da

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. GRUPO 11 Padrão CBKC NR 10. Padrão Oficial da Raça TOY FOX TERRIER

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. GRUPO 11 Padrão CBKC NR 10. Padrão Oficial da Raça TOY FOX TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA GRUPO 11 Padrão CBKC NR 10 Padrão Oficial da Raça TOY FOX TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação CBKC: Grupo 11 - Raça não reconhecida pela FCI.

Leia mais

O DIAMANTE DE GOULD. Orla Coroa. Máscara. Bico Mandíbula superior. Nuca. Bico Mandíbula inferior. Dorso Garganta Asas.

O DIAMANTE DE GOULD. Orla Coroa. Máscara. Bico Mandíbula superior. Nuca. Bico Mandíbula inferior. Dorso Garganta Asas. O DIAMANTE DE GOULD Bico Mandíbula superior Máscara Orla Coroa Bico Mandíbula inferior Nuca Dorso Garganta Asas Peito Uropígio Ventre Sobre-caudais Cauda (rectrizes) Região anal Filetes Sub-caudais Colégio

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 94 03/11/1999. Padrão Oficial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 94 03/11/1999. Padrão Oficial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5 Padrão FCI 94 03/11/1999 Padrão Oficial da Raça PODENGO PORTUGUÊS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação F.C.I.:

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3. Padrão FCI 86 22/02/2012. Padrão Oficial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3. Padrão FCI 86 22/02/2012. Padrão Oficial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3 Padrão FCI 86 22/02/2012 Padrão Oficial da Raça YORKSHIRE TERRIER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Classificação F.C.I.:

Leia mais

O nome Camaleão significa Leão da Terra e é derivado das palavras gregas Chamai (na terra, no chão) e Leon (leão).

O nome Camaleão significa Leão da Terra e é derivado das palavras gregas Chamai (na terra, no chão) e Leon (leão). Nome científico: Chamaeleo chamaeleon Nome popular: camaleão-comum Classe: Reptilia Ordem: Squamata Subordem: Sauria Família: Chamaeleontidae Etimologia: O nome Camaleão significa Leão da Terra e é derivado

Leia mais

Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal.

Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal. Este trabalho tem como objectivo mostrar alguns animais que se encontram em vias de extinção em Portugal. Animais em vias de extinção Designam-se por espécies em vias de extinção aquelas cujo número de

Leia mais

Estudo de Caso nº 7. 2. Práticas de Responsabilidade Empresarial Tópicos Principais Área(s) Global(ais) de Enquadramento das Boas Práticas de RSE:

Estudo de Caso nº 7. 2. Práticas de Responsabilidade Empresarial Tópicos Principais Área(s) Global(ais) de Enquadramento das Boas Práticas de RSE: 1. Identificação da Empresa Nome da Empresa: Estudo de Caso nº 7 Triip Ltd. Sector de Actividade: Gráfica Actividade Principal: Impressão e design Cidade/País: Tartu, Estónia Ano de Fundação: 1993 Implantação

Leia mais

Rede de Centros de Educação Ambiental CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO NÚCLEO RURAL -

Rede de Centros de Educação Ambiental CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO NÚCLEO RURAL - CENTRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO NÚCLEO RURAL - PARQUE DA CIDADE Apresentação do Centro Integrando território das freguesias de Aldoar e Nevogilde, o Parque da Cidade é o maior parque urbano do país, inserido

Leia mais

CÃO DE CRISTA CHINÊS

CÃO DE CRISTA CHINÊS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 9 Padrão FCI 288 11/05/1998 Padrão Oficial da Raça CÃO DE CRISTA CHINÊS CHINESE CRESTED DOG CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA

Leia mais

Turismo de Natureza - Birdwatching

Turismo de Natureza - Birdwatching Turismo de Natureza - Birdwatching Organização e promoção da Oferta / Balanço da atividade Departamento de Desenvolvimento e Inovação 2013 Birdwatching O Birdwatching é uma atividade de lazer baseada na

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

Maratona BTT 5 Cumes realiza-se a 23 de Setembro em Barcelos

Maratona BTT 5 Cumes realiza-se a 23 de Setembro em Barcelos Em 2011 foi a Maratona com maior participação das provas da FPC Maratona BTT 5 Cumes realiza-se a 23 de Setembro em Barcelos A oitava edição da Maratona BTT 5 Cumes foi apresentada na última quinta-feira

Leia mais

NEWSLETTER. Nesta Edição. Não pode haver maior dom do que o de dar o próprio tempo e energia para ajudar os outros, sem esperar nada em troca.

NEWSLETTER. Nesta Edição. Não pode haver maior dom do que o de dar o próprio tempo e energia para ajudar os outros, sem esperar nada em troca. A R O NEWSLETTER BANCO ALIMENTAR CONTRA A FOME - COIMBRA JANEIRO 2014 Após algum tempo, reaparece hoje o órgão de informação do Banco Alimentar Contra a Fome Coimbra, A BROA. Tendo em conta a generalização

Leia mais

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores 0366 PLANO DE MARKETING Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4/2010 17 Valores Índice Introdução Diagnóstico Análise do Mercado Análise da Concorrência Análise da Empresa Análise SWOT Objectivos

Leia mais

GRUPO 8 Padrão FCI N o 5 23/11/2012

GRUPO 8 Padrão FCI N o 5 23/11/2012 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI N o 5 23/11/2012 Padrão Oficial da Raça COCKER SPANIEL INGLÊS (ENGLISH COCKER SPANIEL) M.Davidson, illustr.

Leia mais

NORMAS DE ADMISSÃO DE SÓCIOS À AGENCIA REGIONAL DE PROMOÇÃO TURÍSTICA DO ALENTEJO TURISMO DO ALENTEJO

NORMAS DE ADMISSÃO DE SÓCIOS À AGENCIA REGIONAL DE PROMOÇÃO TURÍSTICA DO ALENTEJO TURISMO DO ALENTEJO NORMAS DE ADMISSÃO DE SÓCIOS À AGENCIA REGIONAL DE PROMOÇÃO TURÍSTICA DO ALENTEJO TURISMO DO ALENTEJO CAPITULO I Disposições Gerais 1. Âmbito As presentes normas têm como finalidade estabelecer as regras

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 262 16/06/1999. Padrão Ofi cial da Raça SPITZ JAPONÊS

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 262 16/06/1999. Padrão Ofi cial da Raça SPITZ JAPONÊS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5 Padrão FCI 262 16/06/1999 Padrão Ofi cial da Raça SPITZ JAPONÊS NIHON SUPITTSU CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada

Leia mais

RAÇAS DE CAPRINOS. Profa. Alda Monteiro - 2013

RAÇAS DE CAPRINOS. Profa. Alda Monteiro - 2013 RAÇAS DE CAPRINOS Profa. Alda Monteiro - 2013 As raças de cabras estão reunidas em 3 troncos distintos, sendo aceitas as subdivisões que se seguem: Tronco europeu: raças do sub-tronco europeu alpino, com

Leia mais

Fevereiro 2003. Boletim Informativo do OASA - Observatório Astronómico de Santana Açores

Fevereiro 2003. Boletim Informativo do OASA - Observatório Astronómico de Santana Açores Nº 1 Fevereiro 2003 Boletim Informativo do OASA - Observatório Astronómico de Santana Açores A Associação No dia 26, no Cartório Notarial da vila da Povoação e na presença da Comissão Instaladora, foi

Leia mais

Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER

Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER Sessão de Divulgação do Subprograma 3 do PRODER Vendas Novas 27 de Janeiro de 2012 SUBPROGRAMA 3 - Dinamização das Zonas Rurais 3.1 DIVERSIFICAÇÃO DA ECONOMIA E CRIAÇÃO DE EMPREGO 3.1.1 Diversificação

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 1. Padrão FCI 44 19/12/2001

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 1. Padrão FCI 44 19/12/2001 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 1 Padrão FCI 44 19/12/2001 Padrão Oficial da Raça PASTOR DE BEAUCERON BERGER DE BEAUCE (BEAUCERON) CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

PEQUENO SPANIEL CONTINENTAL

PEQUENO SPANIEL CONTINENTAL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 9 Padrão FCI 77 06/04/1998 Padrão Oficial da Raça PEQUENO SPANIEL CONTINENTAL EPAGNEUL NAIN CONTINENTAL PAPILLON / PHALÈNE

Leia mais

Semente de Futuro Cooperativa de Solidariedade Social, IPSS Relatório de Actividades de 2014

Semente de Futuro Cooperativa de Solidariedade Social, IPSS Relatório de Actividades de 2014 Semente de Futuro Cooperativa de Solidariedade Social, IPSS Relatório de Actividades de 2014 Introdução No ano de 2014, foi consensual que todo o trabalho se realizasse na dupla perspectiva de empreendedorismo

Leia mais

GRUPO 3 Padrão FCI N o 103 20/01/1998

GRUPO 3 Padrão FCI N o 103 20/01/1998 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 3 Padrão FCI N o 103 20/01/1998 Padrão Oficial da Raça TERRIER ALEMÃO DE CAÇA - JAGD (DEUTSCHER JAGDTERRIER) Esta ilustração

Leia mais

Educação e Saúde 2014

Educação e Saúde 2014 Educação e Saúde 2014 A ONG SIM organizou mais uma missão a Moçambique, orientada para os temas da Educação e da Saúde, em Agosto. Para além da Presidente de direcção, Carmo Jardim, e da coordenadora,

Leia mais

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação)

PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO. (Denominação) PACTO SOCIAL DO MONTE DESENVOLVIMENTO ALENTEJO CENTRAL, A.C.E. CAPTULO PRIMEIRO DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO PRIMEIRO (Denominação) O Agrupamento adopta a denominação de Monte - Desenvolvimento Alentejo Central,

Leia mais

PEQUENO LEBRÉL ITALIANO

PEQUENO LEBRÉL ITALIANO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 10 Padrão FCI 200 17/06/1998 Padrão Oficial da Raça PEQUENO LEBRÉL ITALIANO PICCOLO LEVRIERO ITALIANO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO

FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO FORMAÇÃO AGRICULTURA, AMBIENTE E INOVAÇÃO PROJECTO RURAL VALUE Desenvolvimento sustentável de sistemas agrícolas extensivos ameaçados Programa Castro Verde Sustentável Centro de Educação Ambiental do Vale

Leia mais

- INFORMAÇÃO. Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade

- INFORMAÇÃO. Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade APRESENTAÇÃO - INFORMAÇÃO Agricultura Familiar e Comercialização de Proximidade A ATAHCA organiza nos dias 10 e 11 de Outubro em Vila Verde um encontro abordando o tema Agricultura Familiar e Comercialização

Leia mais

REFORÇA A PROTECÇÃO DOS ANIMAIS UTILIZADOS EM CIRCOS

REFORÇA A PROTECÇÃO DOS ANIMAIS UTILIZADOS EM CIRCOS PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 765/X-4ª REFORÇA A PROTECÇÃO DOS ANIMAIS UTILIZADOS EM CIRCOS Exposição de Motivos O quadro legal aplicável à protecção dos animais em

Leia mais

Informar para saber...saber para desenvolver.

Informar para saber...saber para desenvolver. INQUÉRITO AO EMPREGO 4º Trimestre de 2011 Serviço Regional de Estatística dos Açores Informar para saber......saber para desenvolver. INQUÉRITO AO EMPREGO 4º TRIMESTRE DE 2011 NOTA INTRODUTÓRIA A presente

Leia mais

viseu.tv televisão regional na internet

viseu.tv televisão regional na internet viseu.tv televisão regional na internet Projecto realizado no âmbito de estágio do Curso de Especialização Tecnológico de Técnicos de Desenvolvimento de Produtos Multimédia VTV Viseu.tv, Lda Aluna: Pedro

Leia mais

região madeira acaporama adrama madeira leste e porto santo madeira norte e oeste projetos leader 122

região madeira acaporama adrama madeira leste e porto santo madeira norte e oeste projetos leader 122 TERRITÓRIO região madeira madeira leste e porto santo acaporama 124 madeira norte e oeste adrama 126 projetos leader 122 minha terra 123 acaporama território madeira leste e porto santo www.acaporama.org

Leia mais

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CENÁRIO: GESTÃO COLABORATIVA DE PESCAS Este caso de estudo é largamente fictício e foi baseado em Horrill, J.C., n.d. Collaborative Fisheries Management

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae In pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada Institucional Rosa, Julieta Alves () Faculdade de Economia CIEO 8005 139 Faro Telefone(s) 289 800 900 (ext. 7161) 289 244 406

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 2 Padrão FCI 186 11/08/2000 Padrão Oficial da Raça AFFENPINSCHER CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL LUSO-ALEMÃ

MISSÃO EMPRESARIAL LUSO-ALEMÃ Sexta-feira, 30 de Janeiro de 2004 ECONOMIA MISSÃO EMPRESARIAL LUSO-ALEMÃ A Federação de Empresários Portuguesas na Alemanha organiza de 3 a 9 de Fevereiro uma viagem de trabalho à Madeira, que conta com

Leia mais

SAMOIEDA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. GRUPO 5 Padrão FCI N o 212 09/01/1999. Padrão Oficial da Raça. Fédération Cynologique Internationale

SAMOIEDA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. GRUPO 5 Padrão FCI N o 212 09/01/1999. Padrão Oficial da Raça. Fédération Cynologique Internationale CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5 Padrão FCI N o 212 09/01/1999 Padrão Oficial da Raça SAMOIEDA (SAMOIEDSKAÏA SABAKA) Esta ilustração não representa necessariamente

Leia mais

Componente curricular: Zootecnia II. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli

Componente curricular: Zootecnia II. Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Componente curricular: Zootecnia II Curso: Técnico em Agroecologia Professor: Janice Regina Gmach Bortoli Sistema de produção, instalações e manejo da avicultura. 1. Introdução. Avicultura: criação de

Leia mais

COCKER SPANIEL INGLÊS

COCKER SPANIEL INGLÊS CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 8 Padrão FCI 5 28/11/2003 Padrão Oficial da Raça COCKER SPANIEL INGLÊS ENGLISH COCKER SPANIEL CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE

Leia mais

Condeixa Aqua Clube. Proposta de patrocínio

Condeixa Aqua Clube. Proposta de patrocínio Condeixa Aqua Clube Proposta de patrocínio Indice 1. Apresentação do Clube 3 2. Modalidades.... 4 3. Corpos Sociais..... 5 4. Técnicos 6 5. Atletas... 7 6. Instalações. 8 7. Estatutos e Regulamentos......

Leia mais

Como surgiu o projecto:

Como surgiu o projecto: Projeto O ovo Como surgiu o projecto: O projeto do ovo surgiu ao trabalhar o tema da alimentação: 1. Visualizaram as imagens dos alimentos que trouxeram de casa; 2. Visualizaram a roda dos alimentos que

Leia mais

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7 3.1.1. Diversificação de Actividades Não-Agrícolas na Exploração Descrição Apoio a iniciativas empresariais promotoras do saber fazer tradicional Apoio a actividades lúdicas de carácter inovador nas explorações

Leia mais

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho

Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Decreto-Lei n.º 134/2009, de 2 de Junho Regime jurídico aplicável à prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentários

Leia mais

WOLFHOUND IRLANDÊS. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale. GRUPO 10 Padrão FCI N o 160 02/04/2001

WOLFHOUND IRLANDÊS. CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale. GRUPO 10 Padrão FCI N o 160 02/04/2001 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 10 Padrão FCI N o 160 02/04/2001 Padrão Oficial da Raça WOLFHOUND IRLANDÊS (IRISH WOLFHOUND) 2 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL

CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Pág. 1 de9 CARTA INTERNACIONAL DO TURISMO CULTURAL Gestão do Turismo nos Sítios com Significado Patrimonial 1999 Adoptada pelo ICOMOS na 12.ª Assembleia Geral no México, em Outubro de 1999 Tradução por

Leia mais

LPN - SEDE NACIONAL Estrada do Calhariz de Benfica, 187 1500-124 Lisboa T. +351 217 780 097 F. +351 217 783 208 lpn.natureza@lpn.

LPN - SEDE NACIONAL Estrada do Calhariz de Benfica, 187 1500-124 Lisboa T. +351 217 780 097 F. +351 217 783 208 lpn.natureza@lpn. Índice 1. O mais pequeno dos Peneireiros... 1 2. Principais factores de ameaça... 3 3. Como identificar... 4 4. Uma espécie migradora... 5 5. Os montes abandonados... 6 6. Onde preferem habitar?... 8 7.

Leia mais

Plano de Acção Brigadas Salvamento [SALVE UM CAGARRO]

Plano de Acção Brigadas Salvamento [SALVE UM CAGARRO] Plano de Acção Brigadas Salvamento [SALVE UM CAGARRO] Introdução O cagarro é a ave marinha mais abundante nos Açores, que se desloca ao Arquipélago para acasalar e nidificar. Os Açores são considerados

Leia mais

Projecto Integrado da Baixa da Banheira

Projecto Integrado da Baixa da Banheira Projecto Integrado da Baixa da Banheira 1. INTRODUÇÃO O Projecto Integrado da Baixa da Banheira nasce de uma parceria entre a Câmara Municipal da Moita e o ICE tendo em vista induzir as Associações da

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 195 09/06/1999. Padrão Ofi cial da Raça

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA. Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5. Padrão FCI 195 09/06/1999. Padrão Ofi cial da Raça CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Fédération Cynologique Internationale GRUPO 5 Padrão FCI 195 09/06/1999 Padrão Ofi cial da Raça VOLPINO ITALIANO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE CINOFILIA Filiada à Fédération

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL

MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL MONTIJO, CIDADE SAUDÁVEL E SUSTENTÁVEL DA CICLOVIA A UMA REDE PEDONAL E CICLÁVEL Identificação do ponto de partida: O Município de Montijo: - Integra a Rede Portuguesa das Cidades Saudáveis, com quatro

Leia mais

Após muitos anos como Operadora de Turismo, o Clube Viajar começou a sua atividade como operador de Incoming sob o nome de PORTUGAL HOLIDAYS.

Após muitos anos como Operadora de Turismo, o Clube Viajar começou a sua atividade como operador de Incoming sob o nome de PORTUGAL HOLIDAYS. Após muitos anos como Operadora de Turismo, o Clube Viajar começou a sua atividade como operador de Incoming sob o nome de PORTUGAL HOLIDAYS. Assim, foram selecionados profissionais experientes nessa área

Leia mais

O ENSINO ESPECIAL A LENDA DA SERRA DA ESTRELA DATA DO BOLETIM: DEZEMBRO DE 2007 A MARIA CASTANHA A TURMA DO O DIA DE S.MARTINHO O PÃO NA NOSSA

O ENSINO ESPECIAL A LENDA DA SERRA DA ESTRELA DATA DO BOLETIM: DEZEMBRO DE 2007 A MARIA CASTANHA A TURMA DO O DIA DE S.MARTINHO O PÃO NA NOSSA VOLUME 1, EDIÇÃO 1 DATA DO BOLETIM: DEZEMBRO DE 2007 NESTA EDIÇÃO: A MARIA CASTANHA 2 A TURMA DO 2.º 2.ª 3 O DIA DE S.MARTINHO 4 O PÃO NA NOSSA ALIMENTAÇÃO A TURMA DO 1.º 2.ª 5 6 O ENSINO ESPECIAL 7 SOLIDARIEDADE

Leia mais

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

ATIVIDADES PARA O DIA DO ÍNDIO 19 DE ABRIL

ATIVIDADES PARA O DIA DO ÍNDIO 19 DE ABRIL ATIVIDADES PARA O DIA DO ÍNDIO 19 DE ABRIL Pintura facial pg. 02 Saia indígena pg. 02 Dança indígena pg. 02 Passeio pela floresta pg. 02 Modelo de cocar para o do livro Natureza e Sociedade 5 anos pg.

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

Perdiz Vermelha ou Perdiz Comum

Perdiz Vermelha ou Perdiz Comum Perdiz Vermelha ou Perdiz Comum Nome científico: Alectoris rufa Espécie cinegética Ave sedentária Característica dominante: Bico e patas de cor vermelho Distribuição Distribuição Perdiz Vermelha Perdiz

Leia mais

mais PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP

mais PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP PAIXÃO mais ACÇÃO mais ENERGIA mais VANTAGENS mais ACP VOTE CARLOS BARBOSA 2011/2015 ÓRGÃOS SOCIAIS DIRECÇÃO PRESIDENTE Carlos de Alpoim Vieira Barbosa, sócio 14294 Miguel António Igrejas Horta e Costa

Leia mais

Vila Baleira Ilha de Porto Santo

Vila Baleira Ilha de Porto Santo Vila Baleira Ilha de Porto Santo Dia 0 Lisboa Porto Santo (25 12 2009) A viagem a Porto Santo começou a ser preparada com alguma antecedência, de forma a ser adequada a uma família de 4 pessoas. Para isso,

Leia mais

Inovação, Cultura, Ambiente e Biodiversidade

Inovação, Cultura, Ambiente e Biodiversidade Inovação, Cultura, Ambiente e Biodiversidade O projecto SONS DO ARCO RIBEIRINHO SUL acompanha o OUT.FEST Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro, e procura, através de uma abordagem artística

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. Data de apresentação do relatório 1 de Setembro de 2009

RELATÓRIO FINAL. Data de apresentação do relatório 1 de Setembro de 2009 Terceira Convocatória RELATÓRIO FINAL 1. Identificacão do projecto Código do projecto Acrónimo Subprograma FAUNATRANS II/ SP4.E16 FAUNATRANS II 4. Extremadura Alentejo - Centro 2. Ámbito temporal do relatório

Leia mais

Do Associativismo Juvenil

Do Associativismo Juvenil Roteiro Do Associativismo Juvenil Secretário de Estado do Desporto e Juventude Dr. Emídio Guerreiro Viseu - Dia 17 de julho Programa 10h00 - Pequeno-almoço com jornalistas, nos Serviços Desconcentrados

Leia mais