Popularidade das Marcas e Interação no Facebook

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Popularidade das Marcas e Interação no Facebook"

Transcrição

1 Popularidade das Marcas e Interação no Facebook Resumo: Estudo Empírico com as 100 Marcas mais Populares no Facebook Brasil Autoria: Eros Viggiano de Souza, Marlusa Gosling A partir de uma amostra com as 100 marcas mais populares no Facebook Brasil, este artigo explorou a potencial correlação da interação dos usuários da rede com as marcas sobre o crescimento de fãs e identificou fatores relacionados com a interação. Descobriu-se que a quantidade de pessoas falando sobre a marca, isto é, o número de usuários singulares que referenciam a marca na rede, tem alta correlação com o crescimento de fãs. Entre outros fatores, tanto as atividades iniciadas pelos administradores da rede quanto aquelas oriundas dos demais usuários tem alta correlação com a interação. 1

2 INTRODUÇÃO Os sites de redes sociais estão cada vez mais incorporados na rotina dos brasileiros, sendo que mais de 70% dos usuários da Internet no Brasil tem o hábito de navegar diariamente por esses sites e, entre outras atividades, procuram interagir com amigos, compartilham fotos e vídeos e atualizam dados sobre seu perfil, como gostos e preferências (IBOPE, 2011). O Facebook (FACEBOOK) atualmente é o líder entre os sites de redes sociais no Brasil (ISTOÉ, 2011). A gestão da marca e do relacionamento com usuários de sites de redes sociais e comunidades de marca virtuais, em particular do Facebook, tem despertado o interesse recente na comunidade acadêmica e no meio empresarial (Batista, 2011; Almeida et al., 2011; Dambrós & Reis, 2008; Edelman, 2010; Barwise & Meehan, 2010). Batista (2011), numa perspectiva integradora entre gestão da marca, marketing de relacionamento e redes sociais no ambiente virtual, apresentou um estudo de caráter qualitativo sobre a utilização de mídias sociais como ferramenta para gestão da marca. Dambrós e Reis (2008) sugerem que as redes sociais online mudam a relação dos consumidores com as marcas e propõem o conceito de gestão colaborativa de marca nos sites de redes sociais, onde o processo de comunicação envolve a cooperação de muitos emissores e receptores. Edelman (2010, p. 35) resume que o consumidor trava contato com marcas de modo radicalmente distinto e que estratégias de marketing tradicionais devem ser reformuladas considerando as novas possibilidades de relação com a marca. Barwise e Meehan (2010) apontam que, embora não se deva esquecer os princípios básicos do branding, a empresa deve rever de forma prudente a cartilha do marketing em vez de simplesmente tentar reescrevê-la e explorar oportunidades em mídias sociais, mas sem perder o foco em necessidades do cliente. A percepção de valor intrínseca a uma marca constitui um importante ativo intangível para a empresa (KOTLER e KELLER, 2006) enquanto os ativos baseados em marketing relacional apresentam o potencial para que qualquer organização desenvolva relações íntimas com seus cliente ao ponto que [tais ativos] podem ser tornar relativamente raros e difíceis de serem replicados pelos rivais (SRIVASTAVA, FAHEY e CHRISTENSEN, 2001). Este artigo descreve um estudo quantitativo de caráter exploratório que investigou a potencial correlação entre desenvolvimento de ativos relacionais com o crescimento do número de simpatizantes de uma marca, denominados de fãs pelo Facebook. Investigou-se também quais fatores promovem o desenvolvimento dos ativos relacionais. REFERENCIAL TEÓRICO Marca e suas dimensões Segundo a definição proposta pela AMA (AMERICAN MARKETING ASSOCIATION), marca é um nome, termo, sinal, símbolo, desenho ou qualquer outra característica que identifica um bem ou serviço de um fornecedor e o distingue daqueles de seus competidores. Louro (2000, p. 27), numa revisão literária acerca da avaliação do desempenho das marcas, encontrou que, na concepção holística de marca, as marcas são vistas como objetos vivos que se relacionam com os consumidores, ou seja, a marca poderá ser, dessa forma, entendida como uma promessa de um compósito de atributos [...] geradores de satisfação. Acadêmicos do marketing sugerem quatro dimensões chave para criação de valor para o cliente: atributos, benefícios, atitudes e efeitos de rede (KELLER, 1993) (KOTLER e KELLER, 2006). Srivastava e seus coautores (2001, p. 784) discorrem sobre os efeitos de rede: os melhores produtos não necessariamente vencem. Os mais relacionados, sim. 2

3 Consequentemente ativos mercadológicos em rede podem ajudar a empresa a criar o valor para produtos. Em síntese das diversas abordagens para aferição do valor da marca, Louro (2000) identificou bases de medição indiretas (inputs e outputs) e medidas diretas. As medidas diretas são categorizadas pela autora em variáveis critério: medidas de notoriedade: refletem a presença da marca na mente dos consumidores e se apresenta como uma dimensão central do brand equity (LOURO, 2000); medidas de associação/diferenciação: apresentam dimensões imaginárias e consequentemente sua medição constitui um desafio (LOURO, 2000); medidas de qualidade/liderança (ou popularidade): se condensam na percepção de qualidade do produto ou serviço na mente do consumidor (LOURO, 2000); medidas de lealdade: constituem uma barreira de entrada para os concorrentes (LOURO, 2000). A lealdade dos consumidores agrega valor à marca na medida que potencializa, por exemplo, a atração de novos consumidores, pois torna a marca mais conhecida e oferece mais segurança aos novos clientes (AAKER, 1998). A lembrança da marca se refere à capacidade do consumidor em recordar da marca dentro de uma categoria de produtos e o reconhecimento proporciona um senso de familiaridade com a marca (BORGES, 2009) (AAKER, 1998). Conforme o modelo de avaliação da marca proposto por Keller (1993), quanto maior for o relacionamento estabelecido com os consumidores, maior será o valor da marca. Segundo o autor, os estágios finais do processo de branding convertem com sucesso respostas em relação à marca em relacionamentos fiéis entre a marca e os clientes. Marketing de relacionamento Marketing de relacionamento pode ser descrito como o estabelecimento, desenvolvimento e manutenção de transações relacionais bem sucedidas (MORGAN e HUNT, 1994). Essencialmente, as atividades do marketing de relacionamento visam diminuir a incerteza nas transações, criar a colaboração e conquistar a confiança do cliente (Andersen, 2005; Morgan & Hunt, 1994). A lealdade e a confiança são variáveis-chave na gestão de relacionamento com o cliente (MORGAN, CRUTCHFIELD e LACEY, 2000) Ancorados na teoria da visão baseada em recursos (resource-based view ou RBV), Hunt e Morgan (1995) afirmam que a orientação mercadológica potencialmente sustenta a vantagem competitiva. Num estudo mais recente sobre benchmarking, Vorhies e Morgan (2005) concluem que a busca pelas melhores práticas de marketing pode desenvolver capacidades de marketing superiores e promover a vantagem competitiva. Redes sociais virtuais As redes sociais virtuais ou sites de redes sociais compõem uma categoria de mídia social disponível na Internet e estão associados ao advento da chamada Web 2.0 (BATISTA, 2011; DAMBRÓS e REIS, 2008). A Web 2.0, termo cunhado por Tim O Reilly numa conferência, remete a uma nova geração de serviços, aplicativos e comunidades na World Wide Web (WWW) que englobam características de interação e colaboração entre os usuários da WWW (O'REILLY, 2005). Batista (2011) resume as nomenclaturas relacionadas às mídias sociais da seguinte forma: (1) Redes sociais: são representações estabelecidas na internet das relações e interações entre indivíduos de um grupo. (2) Comunidades virtuais: são grupos formados por indivíduos que compreendem e possuem um compromisso com um senso de valores, crenças e convenções que são compartilhadas entre si e que estabelecem uma relação que vai além do objetivo utilitário de uma particular 3

4 interação, sem haver, necessariamente, uma interação face a face. (3) Mídias sociais: são ambientes disponibilizados na internet que permitem aos indivíduos compartilhar opiniões, ideias, experiências e perspectivas com os outros indivíduos. Essas mídias podem permitir tanto a construção das redes sociais como a construção de comunidades virtuais. Ilustrando esses conceitos, Batista (2011) categoriza o Facebook como uma mídia social, as relações de amizade agrupadas por essa mídia como uma rede social e a página de fãs de uma marca como uma comunidade virtual. No Brasil, o Facebook assume caraterísticas cada vez mais ubíquas na vida do brasileiro com um alcance de 17,48% da população e penetração de 46,29% na população online (CANDYTECH, 2012). O Brasil ocupa o quarto lugar entre os países com maior número de usuários do Facebook e vive um momento de adesão massiva: entre 5/7/2011 e 5/1/2012, tal número cresceu em mais de 13 milhões atingindo uma marca superior a 35 milhões de usuários registrados (CANDYTECH, 2012). Comunidades de Marca Comunidades de marca tem atraído um interesse recente na academia. Almeida et al. (2011) investigaram os efeitos da participação em comunidades virtuais no comportamento do consumidor e propuseram um modelo teórico. Andersen (2005), através de um estudo de caso, estudou o desenvolvimento do marketing de relacionamento e o envolvimento com a marca em uma comunidade de marca. Para Andersen (2005), comunidades de marca podem ser caracterizadas por um conjunto de indivíduos que são fãs de uma marca em particular. Além de aumentar a lealdade à marca, comunidades de marca mediam a troca de comunicação entre os clientes e proporcionam o envolvimento adicional da marca e valor da marca. Devido ao importante papel desempenhado pela tecnologia de mediação, tanto o papel desempenhado pelos participantes e as atividades se diferem das comunidades tradicionais. Primeiro, o iniciador de uma comunidade tem uma posição dominante vis-à-vis com outros atores. Outros membros de uma comunidade de marca podem se sentir menos obrigados a participar (ANDERSEN, 2005, p. 286). Por sua vez, as comunidades virtuais podem ser consideradas espaços sociais, mediados no ambiente digital que permitem que grupos se formem e se sustentem primeiramente por meio de processos contínuos de comunicação (Bagozzi e Dholakia, 2002, p. 3 apud Andersen, 2005, p. 369). O Facebook agrega várias comunidades de marca sendo que as 100 mais populares no Brasil constituem nosso objeto principal de estudo. MÉTODO DE INVESTIGAÇÃO ( ) Conforme taxonomia proposta por Gonçalves e Meirelles (2004) e Creswell (2007), este estudo apresenta caráter exploratório e abordagem quantitativa no tratamento e na análise dos dados. A partir da lista com as 100 marcas mais populares do Facebook no Brasil i, foram coletados dados sobre as mesmas através da ferramenta online Engagement Analytics Pro (EAP) ofertada através do portal online SocialBakers.com da Candytech, empresa especialista em aplicativos para Facebook (CANDYTECH, 2012a). A ferramenta mencionada captura periodicamente diversos dados sobre cada marca. Foram coletados dados referentes ao período de 5/12/2011 a 5/1/2011, num total de 31 dias registrados. Como os dados da ferramenta são apresentados em páginas da WWW, foi desenvolvido um software pelos autores deste artigo para a conversão de dados num formato tabular capaz de ser importado para o software SPSS versão 19, através do qual os dados foram processados. 4

5 Foram empregados testes gráficos para validação da normalidade dos dados e além de estatísticas descritivas para melhor compreensão dos dados. Avaliou-se também a omissão de dados e foi excluído um elemento da amostra referente à página da Honda Automóveis (www.facebook.com/hondaautomoveis), pois não havia aferição completa para o período investigado, restando 99 marcas na amostra final. O coeficiente de correlações de Pearson foi empregado para investigação das hipóteses, sendo consideradas relevantes, na análise bicaudal, somente as dependências com significância em nível inferior a 0,05. Hipóteses de Investigação As hipóteses de investigação se desdobram ao redor de cinco suposições básicas. As hipóteses são descritas nas seções a seguir e representadas graficamente no modelo de investigação exposto na Figura 1. Figura 1: Modelo de investigação Interação com o usuário e aumento da popularidade O aumento de popularidade da marca no Facebook aqui expressa pelo crescimento do número de fãs da página da marca (CRESC) é de interesse para medidas diretas da marca (LOURO, 2000). O aumento da popularidade é expresso numa proporção entre o número de fãs agregados no período e o número total de fãs no início do período. Suposição 1: A interação dos usuários no contexto da página de uma marca se relaciona com crescimento do número de fãs da página da marca. Entretanto, não é óbvia a escolha de uma variável que represente a interação por parte do usuário, isto é, a resposta às atividades originadas na comunidade da marca. A partir dos dados coletados pela ferramenta EAP, foram consideradas três variáveis: Interações totais: a variável representa o número total de respostas por parte do usuário da rede. Estas respostas se dão no formato de comentários e curtições, isto é, a sinalizações de aprovação sobre as publicações. 5

6 engajamento: denominado de Engagement Rate (ER) por parte do SocialBakers, é apontado pelo portal como um importante indicador de desempenho. Expressa a média diária da relação da quantidade de respostas para cada publicação realizada pelo administrador da página sobre a quantidade total de fãs da página. Sendo n o número de dias do período, ER = n Σ i = 1 Interações no dia Número de posts no dia Número de fãs no dia Pessoas falando ii : representa o número de usuários singulares que se envolveram em alguma atividade de interação com a página durante o período de uma semana. Em outras palavras, cada usuário que mencionou a página no período de uma semana é computado apenas única uma vez, independente do número de vezes que o mesmo interagiu durante a semana. Um dos interesses do estudo está em descobrir relações com a taxa de crescimento (ou aumento da popularidade) e busca-se obter relações válidas independentemente da popularidade atual da marca. A ER já é uma medida padronizada pelo número de fãs aferido diariamente, dispensando qualquer intervenção. Para fins deste estudo, considerou-se apropriado também obter a proporção das demais variáveis (interações totais e pessoas falando) em relação ao número de fãs computado ao fim do período. Os indicadores utilizados neste estudo, após tal operação, são expressos na Tabela 1. Tabela 1: Indicadores de interação propostos Indicador de interação Fórmula interação (TxI) TxI = Interações no período Número de fãs ao fim do período engajamento (ER) ER = n Σ i = 1 Interações no dia Número de posts no dia Número de fãs no dia pessoas falando (TxPF) Sendo n o número de dias do período. TxPF = Média semanal de pessoas falando no período Número de fãs ao fim do período Fonte: elaborado pelos autores Embora claramente sejam indicadores de interação do usuário, cada variável da Tabela 1 expressa um aspecto diverso acerca das interações. A fim de averiguar a correlação suposta, foram elaboradas três hipóteses distintas, mas referentes a uma suposição similar. H 1.1 : A taxa de interações (TxI) se correlaciona positivamente com o crescimento do número de fãs da página da marca (CRESC). 6

7 H 1.2 : A taxa de engajamento (ER) se correlaciona positivamente com o crescimento do número de fãs da página da marca (CRESC). H 1.3 : A taxa de pessoas falando sobre a marca (TxPF) se correlaciona positivamente com o crescimento do número de fãs da página da marca (CRESC). Alcance nacional Investigou-se uma possível correlação entre o alcance nacional da marca, isto é, a penetração da marca no conjunto de usuários no Brasil que fazem uso do Facebook (ALCAN), com a interação com os usuários. Suposição 2: O alcance nacional tem correlação positiva com a interação dos usuários no contexto da página de uma marca. Foram derivadas três hipóteses num produto cartesiano entre alcance nacional e os três indicadores da Tabela 1. H 2.1 : A taxa de interações (TxI) se correlaciona positivamente com o alcance nacional da marca (ALCAN). H 2.2 : A taxa de engajamento (ER) se correlaciona positivamente com o alcance nacional da marca (ALCAN). H 2.3 : A taxa de pessoas falando sobre a marca (TxPF) se correlaciona positivamente com o alcance nacional da marca (ALCAN). Atividades de iniciativa do administrador da marca na rede Entre as atribuições do administrador da marca na rede, espera-se que o mesmo articule atividades em tempo real para envolver o público numa experiência interativa totalmente fluida (SPENNER, 2010, p. 48). Mas, de fato, as atividades iniciadas pelo administrador realmente estão gerando uma experiência interativa? Suposição 3: As atividades de iniciativa do administrador da marca na rede se correlacionam com a interação por parte dos usuários no contexto da página da marca. A atividade de iniciativa do administrador, em nosso estudo, foi capturada em quatro variáveis: Número de publicações (posts) do administrador (AdmPst): é o tipo de atividade mais primitivo com intuito claro de geração de respostas por parte do usuário (SPENNER, 2010). respostas por questões (AdmTxQ): representa uma proporção entre o número de questões do usuário respondidas pelo administrador sobre o número total de questões. Especialistas em marketing digital pressupõem que esta taxa exerce influência positiva sobre a interação com o usuário (CANDYTECH, 2012b). respostas por publicação do usuário (AdmTxP): representa a quantidade de comentários ou curtições que o administrador da rede realiza para cada publicação oriunda do usuário. Especialistas em marketing digital pressupõem que exerça efeito positivo na interação com o usuário (CANDYTECH, 2012b). Tempo médio de resposta (AdmTR): representa a quantidade média de minutos que o administrador demora para responder cada questão ou publicação do usuário, se assim 7

8 o fizer. Supõe-se que tempo menores de resposta estimulem a interação, isto é, esperase uma correlação negativa (CANDYTECH, 2012). Foram elaboradas quatro hipóteses a fim de investigar a suposta correlação das atividades de iniciativa do administrador da marca sobre a interação. H 3.1 : A quantidade de publicações do administrador (AdmPst) se correlaciona positivamente com a interação por parte dos usuários no contexto da página da marca (ER TxI TxPF). H 3.2 : A proporção de respostas do administrador em relação às questões do usuário (AdmTxQ) se correlaciona positivamente com a interação por parte dos usuários no contexto da página da marca (ER TxI TxPF). H 3.3 : A proporção de respostas do administrador em relação às publicações do usuário (AdmTxP) se correlaciona positivamente com a interação por parte dos usuários no contexto da página da marca (ER TxI TxPF). H 3.4 : O tempo médio de resposta (AdmTR) se correlaciona positivamente com a interação por parte dos usuários no contexto da página da marca (ER TxI TxPF). Atividades de iniciativa dos usuários não-administradores da marca No ambiente colaborativo oferecido pelo Facebook, há de se esperar que a atividade iniciada por parte dos usuário, mesmo que não sejam administradores da marca, provoquem respostas interativas com os demais usuários (Dambrós & Reis, 2008; Spenner, 2010; Edelman, 2010). Suposição 4: As atividades de iniciativa dos usuários (não-administradores da marca) se correlacionam com a interação por parte dos demais usuários no contexto da página da marca. Duas variáveis representam as atividades de iniciativa dos usuários: Número de publicações (posts) do usuário (UsrPst): representa a quantidade de publicações originadas pelos usuários não-administradores quando devidamente autorizada pelo administrador. Número de questões do usuário (UsrQst): representa as perguntas originadas pelo usuário não-administrador destinadas ao administrador da marca ou a outros usuários. Foram elaboradas duas hipóteses a fim de investigar a suposição 4. H 4.1 : A quantidade de publicações dos usuários (UsrPst) se correlaciona positivamente com a interação por parte dos usuários no contexto da página da marca (ER TxI TxPF). H 4.2 : A quantidade de questões dos usuários (UsrQst) se correlaciona positivamente com a interação por parte dos usuários no contexto da página da marca (ER TxI TxPF). Tipo de mídia Por fim, considerou-se que o tipo de mídia empregada nas publicações potencialmente se relacionaria com a interação. Atualmente o Facebook permite o emprego de cinco formatos de mídias: fotos (Fts), álbum de fotos (Alb), status (Stat, um texto que descreve um pensamento ou situação corrente ao usuário), link (Lnk, uma ligação com alguma página externa) e vídeo (Vd). Suposição 5: O tipo de mídia empregada na publicação (post) se relaciona com a interação dos usuários no contexto da página da marca. 8

9 Foram elaboradas cinco hipóteses para investigar a suposição 5 e as mesmas são representadas na figura X. H 5.1 : O emprego de álbuns de fotos (Alb) se correlaciona positivamente com a interação por parte dos usuários no contexto da página da marca (ER TxI TxPF). H 5.2 : O emprego de fotos (Fts) se correlaciona positivamente com a interação por parte dos usuários no contexto da página da marca (ER TxI TxPF). H 5.3 : A alteração no status (Stat) se correlaciona positivamente com a interação por parte dos usuários no contexto da página da marca (ER TxI TxPF). H 5.4 : O emprego de links (Lnk) se correlaciona positivamente com a interação por parte dos usuários no contexto da página da marca (ER TxI TxPF). H 5.5 : O emprego de vídeos (Vds) se correlaciona positivamente com a interação por parte dos usuários no contexto da página da marca (ER TxI TxPF). Outras potenciais correlações Sem constituir hipóteses formais de investigação, outras correlações foram investigadas como as relações entre os indicadores de interação (ER, TxI, TxPF). Também foram avaliadas correlações entre as atividades iniciadas pelo administrador da marca (AdmPst, AdmTxQ, AdmTxP, AdmTR) e pelos usuários (UsrPst, UsrQst) e o tipo de mídia (Alb, Fts, Stat, Lnk, Vds) com o crescimento de fãs (CRESC). Estes caminhos são representados por linhas tracejadas na Figura 2. A vidade de inicia va do administrador no período Número de posts do administrador respostas por questão respostas por post do usuário Indicadores de interação Tempo médio de resposta A vidade de inicia va do usuário no período Interação Número de posts do usuário Número de questões Crescimento Engajamento / post (ER) Tipo de mídia empregada em posts Álbum Foto Pessoas falando Status Link Vídeo Figura 2: Outras potenciais correlações ANÁLISE DOS RESULTADOS Os dados foram analisados em duas etapas. A primeira envolveu a correlação entre os indicadores com a taxa de crescimento e o alcance nacional (vide Figura 1) e dos indicadores entre si (vide Figura 2) e seus resultados são apresentados na Tabela 2 iii. A segunda etapa 9

10 procurou correlacionar os fatores que podem influenciar a interação dos usuários, sendo seus resultados representados na Tabela 3. Tabela 2: Interação versus crescimento e alcance nacional crescimento (CRESC) engajament o médio (ER) Correlação de Pearson crescimento Sig. (CRESC) (bicaudal) Correlação de Pearson engajamento Sig. médio (ER) (bicaudal) Correlação pessoas de Pearson falando sobre a Sig. marca (TxPF) (bicaudal) Correlação de Pearson interações Sig. (TxI) (bicaudal) Correlação Alcance de Pearson nacional Sig. (ALCAN) (bicaudal) Nota. ** A correlação é significativa no nível 0,01 (bicaudal). Todos os resultados foram computados para N = 99. Fonte: adaptado pelos autores a partir do processamento do SPSS pessoas falando sobre a marca (TxPF) interações (TxI) Alcance nacional (ALCAN) 1,145,697(**) -,023 -,047,152,000,819,642,145 1,289(**),505(**) -,019,152,004,000,850,697(**),289(**) 1,415(**),190,000,004,000,060 -,023,505(**),415(**) 1,110,819,000,000,280 -,047 -,019,190,110 1,642,850,060,280 A taxa de pessoas falando sobre a marca (TxPF) apresenta forte correlação com a taxa de crescimento do número de fãs (CRESC) (r = 0,697; p < 0,01; N = 99), confirmando H 1.3. Os demais indicadores de interação não apresentaram correlação significativa com a taxa de crescimento (CRESC), refutando H 1.1 e H 1.2. Nenhum indicador de interação apresentou correlação significativa com o alcance nacional (ALCAN), refutando H 2.1, H 2.2 e H 2.3. Todos os índices de interação apresentaram correlação entre si (vide Figura 2), resultado já esperado visto que todos os índices se aninham sob o tema de interação do usuário. Considerando a confirmação de H 1.3 e a não confirmação de H 1.1 e H 1.2, para fins de crescimento, é preferível que muitas pessoas falem sobre a marca, mesmo que em quantidade de interações reduzida, que poucas pessoas falem bastante sobre a marca. A taxa de crescimento (CRESC) foi omitida da Tabela 3, pois não apresentou relação significativa com nenhum dos fatores investigados (vide Figura 2). Das variáveis do estudo, conforme já apontado na etapa 1 do estudo, a única que apresentou correlação significativa com a taxa de crescimento foi a taxa de pessoas falando sobre a marca (TxPF). Os resultados da etapa 2, expressos na Tabela3, foram consolidados na Tabela 4. Nesta última tabela, foram expostos apenas os potenciais fatores que se relacionam com dois ou mais indicadores de interação. Tabela 3: Análise de fatores que influenciam a interação engajamento médio (ER) pessoas falando sobre a marca (TxPF) interações (TxI) 10

11 Número de publicações Correlação de dos administradores Pearson -,064,305(**),637(**) (AdmPst) Sig. (2-tailed),530,002,000 N Taxa respostas por post Correlação de do usuário (AdmTxP) Pearson -,345(**) -,176 -,314(**) Sig. (2-tailed),002,130,006 N respostas por Correlação de questão (AdmTxQ) Pearson -,267(*) -,266(*) -,318(**) Sig. (2-tailed),021,022,006 N Tempo médio de Correlação de resposta (AdmTR) Pearson -,004 -,095 -,082 Sig. (2-tailed),967,348,418 N Número de publicações Correlação de dos usuários (UsrPst) Pearson,220(*),309(**),673(**) Sig. (2-tailed),029,002,000 N Número de questões Correlação de (UsrQst) Pearson,206,268(*),646(**) Sig. (2-tailed),076,020,000 N Álbum de fotos (Alb) Correlação de Pearson -,072,023 -,156 Sig. (2-tailed),691,897,385 N Fotos (Fts) Correlação de Pearson,059,257(*),630(**) Sig. (2-tailed),586,015,000 N Status (Stat) Correlação de Pearson,108,220(*),426(**) Sig. (2-tailed),313,038,000 N Link (Lnk) Correlação de Pearson -,270(**),057,188 Sig. (2-tailed),008,581,068 N Vídeo (Vds) Correlação de Pearson -,234,484 -,335 Sig. (2-tailed),545,187,378 N Nota. ** A correlação é significativa no nível 0,01 (bicaudal). * A correlação é significativa no nível 0,05 (bicaudal). Fonte: adaptado pelos autores a partir do processamento do SPSS Tabela 4: Fatores significativos para dois ou mais índices de interação Grupo do fator Fator engajamento pessoas interações 11

12 Atividades de iniciativa do administrador da marca na rede Atividades de iniciativa do usuário Tipo de mídia empregada Número de publicações dos administradores (AdmPst) Taxa respostas por post do usuário (AdmTxP) respostas por questão (AdmTxQ) Número de publicações dos usuários (UsrPst) Número de questões (UsrQst) médio (ER) falando sobre a marca (TxPF) (TxI) -,305(**),637(**) -,345(**) - -,314(**) -,267(*) -,266(*) -,318(**),220(*),309(**),673(**) -,268(*),646(**) Fotos (Fts) -,257(*),630(**) Status (Stat) -,220(*),426(**) Nota. ** A correlação é significativa no nível 0,01 (bicaudal). * A correlação é significativa no nível 0,05 (bicaudal). Fonte: elaborado pelos autores As seguintes hipóteses da Etapa 2 foram confirmadas: H 3.1 : confirmou-se a relação entre AdmPst com TxPF (r = 0,305; p = 0,002; N = 99) e TxI (r = 0,637; p < 0,001; N = 99); H 4.1 : confirmou-se a relação entre UsrPst com ER (r = 0,220; p = 0,029; N = 99), TxPF (r = 0,309; p = 0,002; N = 99) e TxI (r = 0,673; p < 0,001; N = 99); H 4.2 : confirmou-se a relação entre UsrQst com TxPF (r = 0,268; p = 0,020; N = 75) e TxI (r = 0,646; p < 0,001; N = 75); H 5.2 : confirmou-se a relação entre Fts com TxPF (r = 0,257; p = 0,020; N = 88) e TxI (r = 0,630; p < 0,001; N = 88); H 5.3 : confirmou-se a relação entre Stat com TxPF (r = 0,220; p = 0,038; N = 90) e TxI (r = 0,426; p < 0,001; N = 90). A confirmação de cinco hipóteses dessa etapa aponta indícios de relação das atividades iniciadas pelo administrador da rede, das atividades iniciadas pelos usuários e do tipo de mídia empregado com resposta interativa. As hipóteses H 3.2, H 3.4, H 5.1, H 5.4 e H 5.5 não foram confirmadas. As hipóteses H 3.2 e H 3.3 não só foram refutadas, mas como ainda encontrou-se uma correlação invertida em relação ao esperado. Para: H 3.2 : por outro lado, encontrou-se uma correlação negativa entre AdmTxQ e ER (r = - 0,267; p = 0,021; N = 74), entre AdmTxQ e TxPF (r = -0,266; p = 0,022; N = 74) e também entre AdmTxQ e TxI (r = -0,318; p = 0,006; N = 74); H 3.3 : por outro lado, encontrou-se uma correlação negativa entre AdmTxP e ER (r = - 0,345; p = 0,015; N = 75) e AdmTxP e TxI (r = -0,314; p < 0,001; N = 75). O modelo conceitual foi ajustado na Figura 3 levando em consideração as hipóteses confirmadas e a inversão de direção na correlação entre AdmTxQ e a interação (ER, TxPF e TxI) e AdmTxQ (ER e TxI). 12

13 A vidade de inicia va do administrador no período Número de posts do administrador respostas por questão Indicadores de interação Engajamento / post (ER) respostas por post do usuário A vidade de inicia va do usuário no período Número de posts do usuário Número de questões Pessoas falando Crescimento Tipo de mídia empregada em posts Interação Foto Status Figura 3: Modelo conceitual ajustado CONCLUSÕES E SUAS IMPLICAÇÕES Implicações gerenciais Em meio ao alto grau de incerteza no qual opera o administrador da marca na rede (SPENNER, 2010), indícios desta pesquisa, mesmo que ainda tímidos, podem trazer alguma luz às práticas gerenciais. Considerando as limitações da pesquisa e sem a pretensão de descrever uma cartilha, propõe-se a atenção a alguns pontos chave. A relação da taxa de pessoas falando sobre a marca (TxPF) com a taxa de crescimento de fãs (CRESC) é um indicativo que o administrador deva formular estratégias de comunicação que potencializem este número. Os resultados encontrados mostram que os três indicadores de interação são representativos em relação ao tema interação de usuários. A escolha entre um ou outro, deve ser definida a partir das intenções gerenciais. Por exemplo, se há uma forte valorização no aumento da popularidade da marca, o administrador deve prestar atenção à taxa de pessoas falando (TxPF), dada a forte correlação encontrada; se pretende aumentar o efeito da resposta para cada publicação, o indicador a ser monitorado é a taxa de engajamento médio (ER). Relevante ainda é lembra que, embora extremamente valorizada pelo portal Socialbakers.com, ER não apresentou relação com o crescimento de fãs. Monitorar a ER ainda envolve os custos de uma assinatura da ferramenta EAP (CANDYTECH, 2012a) ou outra similar, enquanto os demais indicadores podem ser monitorados através do próprio Facebook. Não foi encontrada nenhuma correlação direta entre as atividades investigadas e o emprego de mídias com o crescimento do número de fãs. Por outro lado, as atividades e o emprego de mídias se relacionam com a interação que por sua vez relaciona com o crescimento. Fundamental para o administrador é obter a interação dos usuários. Tanto atividades de iniciativa do administrador da rede quanto aquelas iniciadas pelos usuários tem relação com a interação por parte dos outros usuários, reforçando o indício que a gestão da marca nas redes sociais assume um caráter colaborativo reforçando a suposição de Dambrós e Reis (2008). O administrador deve buscar não somente efetuar frequentemente 13

14 publicações interessantes a seu público como também deve estimular que os usuários iniciem as interações com publicações e questões. Embora o tipo de mídia empregado nos posts não ofereça resultados conclusivos, o emprego de fotos e a alteração do status da página apresentaram correlação positiva com a interação. Por outro lado, a não confirmação das outras hipóteses sobre mídia não implicam que as demais mídias não funcionem. É importante que o administrador desperte o interesse em sua publicação para obter respostas mais intensas. No marketing digital, costuma-se recomendar que o administrador preocupe em responder rapidamente publicações e questões do usuário (CANDYTECH, 2012b). Nesta pesquisa, não encontrou-se nenhuma influência do tempo de resposta sobre a interação. A proporção de publicações e questões respondidas apresentou correlação negativa com a interação. Embora não se possa afirmar categoricamente que haja influência negativa da resposta sobre a interação, esse ponto perde importância no que se refere à interação. Por outro lado, não há como afirmar o efeito da ausência ou demora de respostas sobre a imagem da marca. Implicações acadêmicas A pesquisa validou um modelo ao testar indicadores de interação e possíveis fatores sobre a interação. Encontrou também uma correlação significativa da interação com a popularidade da marca na rede social. Por fim, o modelo conceitual ajustado por servir de base para futuras pesquisas acadêmicas. Limitações da pesquisa e trabalhos futuros Como um estudo exploratório, o presente trabalho esbarrou com dificuldades relativas à inexistência de construtos preexistentes e já testados. Convém que o modelo conceitual apresentado seja validado através de outras abordagens. Com uma amostra maior, convém o emprego de outras abordagens como, por exemplo, de equações estruturais. Um modelo de comportamento preditivo utilizando regressão linear também pode apresentar valor do ponto de vista prático. Enfim, a triangulação através de outras abordagens pode aumentar a compreensão dos fenômenos aqui explorados. A relação negativa encontrada entre a resposta do administrador (AdmTxQ e AdmTxP) e a interação com o usuário merece investigação por outros métodos quantitativos e, se possível, por métodos qualitativos a fim de concluir se existe algum efeito negativo das respostas do administrador sobre a interação. O estudo apresentado não levou em consideração a retenção, apenas o crescimento de fãs. Na prática, o crescimento implica em adesão de fãs superior à perda de fãs, mas o indicador não é suficiente para explicar quantos fãs são novatos na comunidade e quantos evadiram. A retenção, um preocupação particular do marketing de relacionamento, pode ser investigado no contexto de redes sociais. A lealdade, um aspecto de interesse comum entre gestão de marcas e marketing de relacionamento, pode ser abordado num estudo mais profundo onde se procure entender os efeitos mais permanentes das respostas por parte dos usuários. Estas respostas são capazes de proporcionam relacionamentos de longo prazo conforme propõe o modelo de Keller (1993)? A ausência de correlação entre três dos tipos de mídia com a interação não implica que seu uso seja sem sentido. É razoável admitir que a combinação e variação entre diversos tipos de mídias possas atrair o interesse do público alvo. Sugere-se um experimento controlado sobre mídias em redes sociais. Por fim, convém estudar as práticas gerenciais que mais influenciem as interações com os usuários. Por exemplo, quais ações foram realizadas nos dias de maior adesão? E nos dias de 14

15 maior retração? Como se desdobraram estas ações? Um benchmarking sobre práticas de gestão da marca e gestão do conhecimento nas redes sociais pode trazer novas perspectivas sobre o campo. REFERÊNCIAS AAKER, D. A. Marcas - Brand equity. São Paulo: Elsevier, ALMEIDA, S. O. et al. Os Efeitos da Participação em Comunidades Virtuais de Marca no Comportamento do Consumidor: Proposição e Teste de um Modelo Teórico. RAC - Revista de Administração Contemporânea, 15, n. 3, 05/ p AMERICAN MARKETING ASSOCIATION. Dictionary. Marketing Power. Disponivel em: <http://www.marketingpower.com/_layouts/dictionary.aspx?dletter=b#brand>. Acesso em: 18 fev ANDERSEN, P. H. Relationship marketing and brand involvement of professionals through web-enhanced brand communities: the case of Coloplast. Industrial Marketing Management, v. 34, p , BARWISE, P.; MEEHAN, S. Princípios fundamentais para a construção da marca. Harvard Business Review Brasil, dez p BATISTA, F. P. S. Gestão de marcas por meio das redes sociais: um estudo sobre a utilização do Facebook. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo. [S.l.] BORGES, G. R. A relação entre a imagem da marca e a lealdade dos torcedores de clubes de futebol. Universidade do Valo do Rio dos Sinos. São Leopoldo CANDYTECH. Brazil Facebook Statistics, 06 jan Disponivel em: <http://www.socialbakers.com/facebook-statistics/brazil>. Acesso em: 06 jan CANDYTECH. Engagement Analytics Pro. Socialbakers.com, 06 jan. 2012a. Disponivel em: <http://analytics.socialbakers.com/>. Acesso em: 06 jan CANDYTECH. Socialbakers Page Analytics: Guide and Walkthrough. Socialbakers.com, 06 jan. 2012b. Disponivel em: <http://analytics.socialbakers.com/template/classic/media/socialbakersanalyticsguide.pdf>. Acesso em: 06 jan CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa - Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, DAMBRÓS, J.; REIS, C. A marca nas redes sociais virtuais: Uma proposta de gestão colaborativa. XXXI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Natal: Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação p EDELMAN, D. Branding na era digital: verba do marketing está indo para o lugar errado. Harvard Business Review Brasil, dez FACEBOOK. Disponivel em: <www.facebook.com>. Acesso em: 06 jan GONÇALVES, C. A.; MEIRELLES, A. M. Projetos e Relatórios de Pesquisa Em Administração. São Paulo: Atlas, HUNT, S. H.; MORGAN, R. M. The comparative advantage theory of competition. Journal of Marketing, v. 59, p. 1-15, abr IBOPE. Brasileiros caem na rede social. IBOPE Media, 26 jan Disponivel em: <http://www.ibope.com.br/calandraweb/servlet/calandraredirect?temp=5&proj=portalibop E&pub=T&db=caldb&comp=IBOPEMedia&docid=39D1E142AFCFDAF EE9>. Acesso em: 06 jan

16 ISTOÉ. Você pode ganhar muito dinheiro no Facebook. ISTOÉ Dinheiro / Mercado Digital, 02 set Disponivel em: <http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/65157_vocepodeganharmuitodin HEIRONOFACEBOOK>. Acesso em: 06 jan KELLER, K. L. Conceptualizing, measuring, and managing customer-based brand equity. Journal of Marketing, v. 57, p. p. 1-22, KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de Marketing. 12.ed. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, LOURO, M. J. S. Modelos de avaliação de marca. RAE - Revista de Administração de Empresas, 40, n. 2, 04/ p MORGAN, R. M.; CRUTCHFIELD, T. N.; LACEY, R. Patronage and loyalty strategies: understanding the behavioral and attitudinal outcomes of customer retention programs. In: HENNIG-THURAU, T.; HANSEN, U. Relationship Marketing: Gaining competitive advantage through customer satisfaction and customer retention. Berlin: Springer, p MORGAN, R. M.; HUNT, S. D. The commitment-trust theory of relationship marketing. Journal of Marketing, v. 58, p , jul O'REILLY, T. What is Web 2.0. O'Reilly Media, 30 set Disponivel em: <http://oreilly.com/web2/archive/what-is-web-20.html>. Acesso em: 06 jan SPENNER, P. Um "mestre de cerimônias" para novas mídias. Harvard Business Review Brasil, dez p SRIVASTAVA, R. K.; FAHEY, L.; CHRISTENSEN, H. K. The resource-based view and marketing: The role of market-based assets in gaining competitive advantage. Journal of Management, v. 27, n. 6, p , dez VORHIES, D. W.; MORGAN, N. A. Benchmarking Marketing Capabilities for Sustainable Competitive Advantage. Journal of Marketing, v. 69, p , jan i Verificado no dia 06/01/2012 através do portal Socialbakers.com. ii No artigo de referência, foi empregado o termo People Talking About This, originalmente empregado no Facebook em inglês. iii Todos elementos da amostra continham valores válidos para os indicadores de interação, taxa de crescimento e alcance nacional, sendo que, para todos resultados apresentados na Tabela 2, isto é, N =

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA MÓDULO 11 MODELOS DE AVALIAÇÃO DE MARCA

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA MÓDULO 11 MODELOS DE AVALIAÇÃO DE MARCA ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA MÓDULO 11 MODELOS DE AVALIAÇÃO DE MARCA Índice 1. Modelos de avaliação de marca...3 1.1. Resumo... 3 1.2. Palavras-chave... 3 2. Introdução...3 3. O conceito de marca...4 4.

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa]

E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa] E-BOOK [TÍTULO DO DOCUMENTO] Matrix [NOME DA EMPRESA] [Endereço da empresa] 1 Sumário O Surgimento do Analista de Redes Sociais... 2 O que é um Analista de Redes Sociais?... 5 Qual é o Perfil do Analista

Leia mais

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Marketing Digital de resultado para Médias e Pequenas Empresas Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados

Leia mais

Branding e Estratégia de Marca. Prof. Msc. Cárbio Almeida Waqued

Branding e Estratégia de Marca. Prof. Msc. Cárbio Almeida Waqued Branding e Estratégia de Marca Prof. Msc. Cárbio Almeida Waqued BRANDING TERAPIA DAS MARCAS Eu até queria falar de Marca com eles, mas eles só falam de comunicação... Comentário real de um CEO, sobre uma

Leia mais

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook

Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Marketing Digital de resultado para Médias e Pequenas Empresas Facebook Analytics: Como mensurar e otimizar a presença da sua empresa no Facebook Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Mídias Sociais nos Negócios. GorillaBrand BRAND

Mídias Sociais nos Negócios. GorillaBrand BRAND Mídias Sociais nos Negócios GorillaBrand BRAND Marketing de Relacionamento Estratégias Empresa Marca Faturamento Clientes Uso de estratégias Relacionamento Empresa x Cliente Gera Valorização da Marca Aumento

Leia mais

Plusoft Rua Nebraska, 443, 5º Andar, Brooklin São Paulo (SP) F.: 55 11 5091-2777 www.plusoft.com.br - @Plusoft -

Plusoft Rua Nebraska, 443, 5º Andar, Brooklin São Paulo (SP) F.: 55 11 5091-2777 www.plusoft.com.br - @Plusoft - Potencializando resultados com o SOCIAL CRM O NOVO MOMENTO DO RELACIONAMENTO COM CLIENTE A mídia social revolucionou os meios e o modelo de comunicação. Entre muitas transformações, as redes sociais são

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

ENGAJAMENTO DO CONSUMIDOR EM UMA COMUNIDADE VIRTUAL DE MARCA

ENGAJAMENTO DO CONSUMIDOR EM UMA COMUNIDADE VIRTUAL DE MARCA No atual contexto competitivo, é possível dizer que as marcas desempenham papel fundamental na plena existência das organizações, pois dão suporte às decisões de compras, potencializam percepção de valor,

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras

A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras A Importância do CRM nas Grandes Organizações Brasileiras Por Marcelo Bandeira Leite Santos 13/07/2009 Resumo: Este artigo tem como tema o Customer Relationship Management (CRM) e sua importância como

Leia mais

COMO ATRAIR VISITANTES PARA SEU WEBSITE

COMO ATRAIR VISITANTES PARA SEU WEBSITE GUIA Inbound Marketing COMO ATRAIR VISITANTES PARA SEU WEBSITE E-BOOK GRÁTIS WWW.FABIODONASCIMENTO.ME Tabela de Conteúdos Introdução... 3 Capítulo 1: Formas de obter Tráfego... 4 Capítulo 2: Como aumentar

Leia mais

Imagem corporativa e as novas mídias

Imagem corporativa e as novas mídias Imagem corporativa e as novas mídias Ellen Silva de Souza 1 Resumo: Este artigo irá analisar a imagem corporativa, mediante as novas e variadas formas de tecnologias, visando entender e estudar a melhor

Leia mais

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios

FATEC Cruzeiro José da Silva. Ferramenta CRM como estratégia de negócios FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Cruzeiro SP 2008 FATEC Cruzeiro José da Silva Ferramenta CRM como estratégia de negócios Projeto de trabalho de formatura como requisito

Leia mais

A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL

A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL A APLICAÇÃO DE CONCEITOS DE MARKETING DIGITAL AO WEBSITE INSTITUCIONAL Victor Nassar 1 O advento da internet e o consequente aumento da participação do consumidor nos websites, representou uma transformação

Leia mais

REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS

REVISTA ACADÊMICA DA FACULDADE FERNÃO DIAS A INFLUÊNCIA DA SEGMENTAÇÃO DE MERCADO NO POSICIONAMENTO E NO BRAND EQUITY DE MARCAS E PRODUTOS Rubens Gomes Gonçalves (FAFE/USCS) * Resumo Muitos autores têm se dedicado a escrever artigos sobre uma das

Leia mais

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com

www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com 7 DICAS IMPERDÍVEIS QUE TODO COACH DEVE SABER PARA CONQUISTAR MAIS CLIENTES www.startercomunicacao.com startercomunic@gmail.com As 7 dicas imperdíveis 1 2 3 Identificando seu público Abordagem adequada

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

Cases. Estratégias de Marketing de Conteúdo por quem entende do assunto

Cases. Estratégias de Marketing de Conteúdo por quem entende do assunto Cases Estratégias de Marketing de Conteúdo por quem entende do assunto ContaAzul O ContaAzul é um sistema de gestão empresarial para micro e pequenas empresas. O objetivo é ajudá-las a crescer de forma

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Usando o SI como vantagem competitiva Vimos

Leia mais

DP6: Gerando novos negócios a partir do monitoramento de redes sociais

DP6: Gerando novos negócios a partir do monitoramento de redes sociais DP6: Gerando novos negócios a partir do monitoramento de redes sociais O núcleo de inteligência em redes sociais Há cinco anos, a DP6, consultoria de marketing digital com foco em inteligência e performance

Leia mais

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução

Autor(es) FELIPE DE CAMPOS MARTINS. Orientador(es) ALEXANDRE TADEU SIMON. Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ. 1. Introdução 19 Congresso de Iniciação Científica GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: APRIMORAMENTO DA METODOLOGIA DE DIAGNOSTICO E PROPOSIÇÃO DE UM MÉTODO PARA IMPLANTAÇÃO BASEADO EM PROCESSOS DE NEGÓCIO Autor(es) FELIPE

Leia mais

Plusoft Rua Nebraska, 443, 5º Andar, Brooklin São Paulo (SP) F.: 55 11 5091-2777 www.plusoft.com.br - @Plusoft -

Plusoft Rua Nebraska, 443, 5º Andar, Brooklin São Paulo (SP) F.: 55 11 5091-2777 www.plusoft.com.br - @Plusoft - Potencializando resultados com o SOCIAL CRM A CONSTRUÇÃO DE RELACIONAMENTOS SÓLIDOS NA MÍDIA SOCIAL A mídia social revolucionou os meios e o modelo de comunicação. Entre muitas transformações, as redes

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

@FabioCipriani Social Media Brasil 2011 04 de junho de 2011

@FabioCipriani Social Media Brasil 2011 04 de junho de 2011 Mídias Sociais nas Empresas @FabioCipriani Social Media Brasil 2011 04 de junho de 2011 Midias_Sociais_Cafe_Aberje.ppt Foto de Gabriel Guimarães 22 http://www.flickr.com/photos/gabrielfgo/3919726379-2

Leia mais

WWW.OUTSIDE.COM.BR Outside On-Line LTDA Telefone: +55 (19) 3869-1484 (19) 9 9441-3292 (claro) Email: carlos@outside.com.br

WWW.OUTSIDE.COM.BR Outside On-Line LTDA Telefone: +55 (19) 3869-1484 (19) 9 9441-3292 (claro) Email: carlos@outside.com.br MARKETING DIGITAL Ações de comunicação que as empresas podem se utilizar por meio da Internet e da telefonia celular e outros meios digitais para divulgar e comercializar seus produtos, conquistar novos

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line;

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line; Encontro Presencial Introdução ao Marketing e Marketing de Serviços Caro aluno, Conheça as três atividades distintas que ocorrerão durante o Encontro Presencial... 1. Revisão estudo, orientado pelo Professor-Tutor,

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING

Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Pós-Graduação Lato Sensu em ENGENHARIA DE MARKETING Inscrições Abertas: Início das aulas: 28/03/2016 Término das aulas: 10/12/2016 Dias e horários das aulas: Segunda-Feira 18h30 às 22h30 Semanal Quarta-Feira

Leia mais

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial

remuneração para ADVOGADOS advocobrasil Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados porque a mudança é essencial remuneração para ADVOGADOS Uma forma mais simples e estruturada na hora de remunerar Advogados advocobrasil Não ter uma política de remuneração é péssimo, ter uma "mais ou menos" é pior ainda. Uma das

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Como gerar acesso, demanda e transformar isto em leads e negócios.

Como gerar acesso, demanda e transformar isto em leads e negócios. Como gerar acesso, demanda e transformar isto em leads e negócios. PROBLEMAS: Onde está meu público alvo? Como atrair a atenção em meio ao grande número de concorrentes? Como se diferenciar do lugar comum

Leia mais

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL INTRODUÇÃO Já imaginou ter acesso a dados e estatísticas do website do concorrente? Com alguns aplicativos e ferramentas, isso já é possível. Com ajuda deles, você

Leia mais

ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL

ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL ROTEIRO PLANO DE MKT DIGITAL Este é um roteiro completo, com pontos gerais e específicos. Na elaboração do plano, procure adaptar os tópicos que o compõe, à realidade da empresa-cliente. Priorize a qualidade

Leia mais

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA

PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA PERFIL DOS USUÁRIOS DE E-COMMERCE EM GUAÍBA João Antonio Jardim Silveira 1 Amilto Muller ¹ Luciano Fagundes da Silva ¹ Luis Rodrigo Freitas ¹ Marines Costa ¹ RESUMO O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular.

Ferramentas de informações e comunicações e as interações possíveis Tecnologias populares para uma Educação à Distância mais Popular. Trabalha de Conclusão do Curso Educação a Distância : Um Novo Olhar Para a Educação - Formação de Professores/Tutores em EaD pelo Portal Somática Educar Ferramentas de informações e comunicações e as interações

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de construção da vantagem competitiva em organizações 03/09/2008

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de construção da vantagem competitiva em organizações 03/09/2008 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Arquitetura da Informática e Automação MBA Gestão em Tecnologia da Informaçao Sistema de Informação de Marketing: ferramenta de

Leia mais

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico

Sistemas web e comércio eletrônico. Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Sistemas web e comércio eletrônico Aula 02 Arquiteturas de comércio eletrônico Tópicos abordados Arquitetura do e-commerce Aspectos importantes do e-commerce Modelos de negócios Identificação do modelo

Leia mais

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO

AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO 200 AS MÍDIAS SOCIAIS E O SEU ALCANCE PARA A IMAGEM E O AUMENTO DAS VENDAS DAS PEQUENAS EMPRESAS VAREJISTAS DE SANTA FÉ DO SUL (SP) RESUMO Clayton Cardoso de MORAES 1 Guilherme Bernardo SARDINHA 2 O presente

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 2 CLIENTES: DEFINIÇÕES E ENTENDIMENTOS Objetivo: Ao final desse módulo, você estará capacitado a termos, como: cliente, comprador, cliente final, consumidor,

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

VENDA MAIS USANDO AS REDES SOCIAIS

VENDA MAIS USANDO AS REDES SOCIAIS VENDA MAIS USANDO AS REDES SOCIAIS Coloque o Facebook, Linkedin e Instagram para atrair mais clientes e aumentar suas vendas. Dicas fáceis que você mesmo pode implementar e ver os resultados ainda hoje.

Leia mais

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com:

As pesquisas podem ser agrupadas de acordo com diferentes critérios e nomenclaturas. Por exemplo, elas podem ser classificadas de acordo com: 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 4: Tipos de pesquisa Podemos classificar os vários tipos de pesquisa em função das diferentes maneiras pelo qual interpretamos os resultados alcançados. Essa diversidade

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY

Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY Marketing de Conteúdo para iniciantes CONTENT STRATEGY A Rock Content ajuda você a montar uma estratégia matadora de marketing de conteúdo para sua empresa. Nós possuimos uma rede de escritores altamente

Leia mais

Como usar o. Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio?

Como usar o. Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio? Como usar o Facebook para melhorar meu Negócio? O que é o Facebook? É uma rede social que permite conectar-se com amigos, familiares e conhecidos para trocar informações como fotografias, artigos, vídeos

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL

7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL DICAS PARA DIVULGAR SUA EMPRESA E AUMENTAR AS VENDAS NO FIM DE ANO 7 dicas rápidas de marketing digital para você sair na frente! MARKETING DIGITAL Sumário Apresentação Capítulo 1 - Crie conteúdo de alta

Leia mais

Capital da Marca Centrado no Cliente

Capital da Marca Centrado no Cliente Capital da Marca Centrado no Cliente BLOCO 2 Gestão Estratégica da Marca Parte 2 Capital da Marca Centrado no Cliente Profª. Margarida Duarte MBA 2007-8 1 Capital da Marca Centrado no Cliente (CMCC) Modelo

Leia mais

A importância do branding

A importância do branding A importância do branding Reflexões para o gerenciamento de marcas em instituições de ensino Profª Ligia Rizzo Branding? Branding não é marca Não é propaganda Mas é sentimento E quantos sentimentos carregamos

Leia mais

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES

PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES PRIAD: GESTÃO DE RELACIONAMENTO COM CLIENTES ALUNO RA: ASSINATURA: DATA: / / AS RESPOSTAS DEVERRÃO SER TOTALMENTE MANUSCRITAS Prof. Claudio Benossi Questionário: 1. Defina o que é Marketing? 2. Quais são

Leia mais

Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS

Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS Como gerar Relacionamentos MÍDIAS SOCIAIS REVOLUÇÃO TECNOLÓGICA 50 milhões de usuários IDADE MÍDIA 90 milhões de brasileiros na WEB, 70 milhões na rede social Facebook e mais de 30 milhões no Twitter ADEUS

Leia mais

Mídias Sociais. Fatos e Dicas para 2013. Esteja preparado para um ano digital, social e interativo

Mídias Sociais. Fatos e Dicas para 2013. Esteja preparado para um ano digital, social e interativo Mídias Sociais Fatos e Dicas para 2013 Esteja preparado para um ano digital, social e interativo NESTE E-BOOK VOCÊ VAI ENCONTRAR: 1 - Porque as mídias sociais crescem em tamanho e em importância para o

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Marketing Digital de resultado para médias e pequenas empresas. Monitoramento de Mídias Sociais Os atalhos para médias e pequenas empresas

Marketing Digital de resultado para médias e pequenas empresas. Monitoramento de Mídias Sociais Os atalhos para médias e pequenas empresas Marketing Digital de resultado para médias e pequenas Monitoramento de Mídias Sociais Os atalhos para médias e pequenas 1 Índice Monitoramento nas Médias e Pequenas As duas etapas do monitoramento Parte

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais A dissertação traz, como foco central, as relações que destacam os diferentes efeitos de estratégias de marca no valor dos ativos intangíveis de empresa, examinando criticamente

Leia mais

Intranets, portais corporativos e gestão do conhecimento : análise das experiências de organizações brasileiras e portuguesas

Intranets, portais corporativos e gestão do conhecimento : análise das experiências de organizações brasileiras e portuguesas Resumos de Teses Intranets, portais corporativos e gestão do conhecimento : análise das experiências de organizações brasileiras e portuguesas CARVALHO, Rodrigo Baroni. Intranets, portais corporativos

Leia mais

Mercadologia capítulo IV

Mercadologia capítulo IV Mercadologia capítulo IV Por quanto vender? Muitas empresas, especialmente as varejistas, adotam a estratégia de redução de preços para aumentar suas vendas e não perder mercado para a concorrência. Mas

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO.

TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MEIOS DE COMUNICAÇÃO DIGITAIS E A REVOLUÇÃO NA DISSEMINAÇÃO DA INFORMAÇÃO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

Monitoramento de Redes Sociais

Monitoramento de Redes Sociais Monitoramento de Redes Sociais O QlikBrand é uma ferramenta profissional para monitoramento de mídias sociais e o primeiro "Social Mídia Discovery" com Qlikview. Localiza menções nas mídias sociais, interage

Leia mais

Por Eliseu Barreira Junior MÍDIAS SOCIAIS PARA EMPRESAS. Business-to-Business

Por Eliseu Barreira Junior MÍDIAS SOCIAIS PARA EMPRESAS. Business-to-Business Por Eliseu Barreira Junior MÍDIAS SOCIAIS PARA EMPRESAS Business-to-Business À primeira vista, a conexão entre mídias sociais e empresas que fazem negócios com outras empresas (Business-to-Business) não

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Sociedade e Tecnologia

Sociedade e Tecnologia Unidade de Aprendizagem 15 Empresas em Rede Ao final desta aula você será capaz de inovações influenciam na competitividade das organizações, assim como compreender o papel da Inteligência Competitiva

Leia mais

P+L Como um Diferencial Competitivo do Produto: A Óptica do Consumidor

P+L Como um Diferencial Competitivo do Produto: A Óptica do Consumidor P+L Como um Diferencial Competitivo do Produto: A Óptica do Consumidor MORAES, W. L. a.b*, BAUDEL, R.M. a, PONTES, V.R. a, LIMA, S.C. b a. UNIBRATEC, Recife b. IMI Instituto de Pesquisa e Marketing Integrado,

Leia mais

O valor da performance. Capex investido em qualidade de rede melhora desempenho financeiro das operadoras

O valor da performance. Capex investido em qualidade de rede melhora desempenho financeiro das operadoras O valor da performance Capex investido em qualidade de rede melhora desempenho financeiro das operadoras Abril de 2014 CONTEÚDO RESUMO INTRODUÇÃO 3 MELHOR PERFORMANCE DE REDE 4 IMPLICAÇÕES ESTRATÉGICAS

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

emarket Digital Sales é uma empresa de varejo online, especializada na análise, implantação, gestão e operação de lojas virtuais.

emarket Digital Sales é uma empresa de varejo online, especializada na análise, implantação, gestão e operação de lojas virtuais. Nós amamos e-commerce! f emarket Digital Sales é uma empresa de varejo online, especializada na análise, implantação, gestão e operação de lojas virtuais. Além do e-commerce full service, na emarket você

Leia mais

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia:

As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação. Compartilhe este guia: As 5 grandes tendências em tecnologia para Educação 1 Introdução: A educação iniciou o século XXI de maneira bastante disruptiva. Uma série de inovações por parte de educadores e alunos fez com que os

Leia mais

O QUE É AUTOMAÇÃO DE MARKETING?

O QUE É AUTOMAÇÃO DE MARKETING? O QUE É AUTOMAÇÃO DE MARKETING? AUTOMAÇÃO DE MARKETING AJUDA A Fechar mais negócios Atrair mais potenciais clientes Entregue mais clientes já qualificados para a equipe de vendas e feche mais negócios

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

2 Business to Consumer

2 Business to Consumer 2 Business to Consumer Business to consumer (B2C) é o segmento dentro do comércio eletrônico que abrange qualquer transação em que uma companhia ou organização vende seus produtos ou serviços para as pessoas

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente

Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Uma nova perspectiva sobre a experiência digital do cliente Redesenhando a forma como empresas operam e envolvem seus clientes e colaboradores no mundo digital. Comece > Você pode construir de fato uma

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

Introdução. Pra quem é esse ebook?

Introdução. Pra quem é esse ebook? Introdução Se você está lendo esse ebook é porque já conhece o potencial de resultados que o marketing digital e o delivery online podem trazer para a sua pizzaria. Bem como também deve saber que em pouco

Leia mais

Tendências temáticas do blog Quimicando com a Ciência: a riqueza da diferença

Tendências temáticas do blog Quimicando com a Ciência: a riqueza da diferença VIII Encontro Paulista de Pesquisa em Ensino de Química (VIII EPPEQ) EEI,EEI,ENF,MEX,FP,LC,MD,TIC Tendências temáticas do blog Quimicando com a Ciência: a riqueza da diferença Daniele Gomes Bispo (IC)

Leia mais

acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas.

acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas. acebook Analytics Ferramentas e experimentos para conseguir melhores resultados através das métricas adequadas. 2 INTRODUÇÃO Em um curto espaço de tempo, vimos o Facebook ir do zero ao status de uma das

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DE UM MECANISMO EFICIENTE DE CAPTURA E ANÁLISE DE COMENTÁRIOS NA WEB

19 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DE UM MECANISMO EFICIENTE DE CAPTURA E ANÁLISE DE COMENTÁRIOS NA WEB 19 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DE UM MECANISMO EFICIENTE DE CAPTURA E ANÁLISE DE COMENTÁRIOS NA WEB Autor(es) JEFFERSON DIAS DOS SANTOS Orientador(es) PLÍNIO ROBERTO SOUZA VILELA

Leia mais

Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo

Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo Modelo de Questões para Planejamento Digital Interativo Algumas questões importantes sobre um projeto digital. Dependendo do cliente não é necessário levantar uma grande quantidade de dados. Utilize este

Leia mais

Como e por onde começar e os melhores formatos de conteúdo para você

Como e por onde começar e os melhores formatos de conteúdo para você Como e por onde começar e os melhores formatos de conteúdo para você A fim de criar, controlar, gerenciar sua reputação online e construir a carreira que você deseja, alguns ações são necessárias. A primeira

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics:

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015. Big Data Analytics: Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão e Tecnologia da Informação - Turma 25 20/03/2015 Big Data Analytics: Como melhorar a experiência do seu cliente Anderson Adriano de Freitas RESUMO

Leia mais

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO

A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO 122 A FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO NA CONQUISTA DO MERCADO Edilene Mayumi Murashita Takenaka, Sérgio Luís Destro, João Vitor Minca Campioni, Dayane Magalhães Fernandes, Giovana Maria

Leia mais